2013 AVALIAÇÃO SETORIAL Fonte: depoimentos dos enólogos e pesquisadores citados no texto. Editado por Maurício Roloff e Martha Caus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2013 AVALIAÇÃO SETORIAL Fonte: depoimentos dos enólogos e pesquisadores citados no texto. Editado por Maurício Roloff e Martha Caus"

Transcrição

1 2013 AVALIAÇÃO SETORIAL

2 SAFRA GERAL Em um país com as dimensões do Brasil, é muito difícil traçar um único perfil de safra para todas as regiões vitivinícolas. Mesmo assim, é possível dizer que os vinhos brasileiros gerados na vindima 2013 serão um convite a degustar brancos aromáticos, tintos mais leves e de consumo jovem e, principalmente, espumantes de excelente qualidade. Entre os poucos traços comuns às principais áreas produtoras com exceção do Vale do São Francisco, que tem seu próprio calendário de safra está a antecipação da colheita entre 10 e 20 dias. O fenômeno foi causado por um inverno pouco rigoroso no período de dormência da planta e uma primavera atipicamente quente, justamente o período de florada e brotação da videira. Foi esse comportamento do clima que favoreceu as uvas usadas para base espumante e vinhos brancos. Outra característica comum a todas as regiões foram os totais de chuva de novembro menores que o normal. Inclusive, a insolação acumulada em novembro, dezembro e janeiro foi maior que o normal na Serra Gaúcha, nos Campos de Cima da Serra e no Planalto Catarinense. Essa condição favorece a maturação e a qualidade das uvas, diminuindo a frequência de problemas fitossanitários, afirma Eduardo Monteiro, pesquisador da Embrapa Uva e Vinho em agrometeorologia. O processo de evolução da maturação das uvas se deu de forma lenta, gradual, permitindo maior controle e acompanhamento do momento exato da colheita, lembra Luciano Vian, presidente da Associação Brasileira de Enologia (ABE). Esse controle detalhado de todas as etapas não ocorre apenas no campo. Nas cantinas, o crescente emprego de tecnologia permite alcançar resultados cada vez melhores. Diferentemente do passado, em quase todas as safras o enólogo pode fazer vinhos de excepcional qualidade, analisa Mauro Zanus, pesquisador da Embrapa Uva e Vinho em enologia e chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da unidade. Essas técnicas avançadas de vinificação ajudaram a extrair o melhor também das uvas tintas. Variedades de ciclo médio como a Merlot, que já se tornou um símbolo da qualidade da Serra Gaúcha mostraram-se promissoras. A chuva foi registrada apenas no final do período de safra. Em termos de volume, a safra 2013 foi menor do que no ano passado. Ao todo, foram colhidos 611,3 milhões de quilos de uva, um recuo de 12,3% em relação ao ano anterior. A quebra de produtividade foi registrada principalmente nas variedades americanas e híbridas, como a Isabel, que totalizaram 537,3 milhões de quilos (queda de 13,4% sobre 2012). Entre as variedades viníferas, que somaram 73,9 milhões de quilos em 2013, a safra foi apenas 3,1% menor em comparação com o ano passado. Milhões/kg 800,0 700,0 600,0 500,0 400,0 300,0 200,0 100,0 0,0 Viníferas Americanas/Híbridas TOTAL UVAS PROCESSADAS NO RS ,0 384, ,8 426, ,4 340, ,6 516, ,6 422, ,6 367, ,2 498, ,8 550, ,4 462, ,1 480, ,7 626, ,3 620,6 2013* 73,8 536,7 434,9 474,4 383,3 578,9 493,2 423,6 570,5 634,0 534,5 526,8 709,6 696,9 610,5 Fonte: cadastro vinícola do Rio Grande do Sul, estado que responde por 90% da produção brasileira 2 3

3 Serra Gaúcha O produto que mais colabora para a boa imagem da vinicultura brasileira no país e no Exterior alcançou na Serra Gaúcha níveis históricos de qualidade em Os espumantes gerados na última colheita entusiasmaram os profissionais do vinho, apresentando alto frescor, aromas muito finos, ótima acidez e até mesmo potencial de guarda. De produção regular em termos de volume, a safra 2013 foi motivo de incertezas antes de causar tanta animação. O pouco frio registrado no inverno anterior, somado a uma primavera de altas temperaturas, antecipou todo o ciclo vegetativo das videiras na região, o que poderia ter interferido negativamente no desenvolvimento das plantas. O repouso vegetativo não foi tão intenso, mas teve horas de frio suficientes para garantir uma boa brotação. A primavera e o início do verão possibilitaram um desenvolvimento de ramos, floração e formação de frutos muito boa, indicando uma safra de excelente qualidade, relata o enólogo Christian Bernardi. As variedades Chardonnay, Pinot Noir e Riesling Itálico, amplamente usadas na elaboração de espumantes, foram diretamente beneficiadas, pois foram colhidas em uma janela de pouca precipitação. Podemos apostar em grandes espumantes e vinhos brancos tranquilos igualmente especiais, porque as uvas precoces se mostraram excelentes em todos os componentes, acredita Alem Guerra, dirigente do setor. Os rótulos secos de castas precoces não serão os únicos favorecidos. A colheita das uvas Moscato, de ciclo intermediário, também foi beneficiada. Conseguimos acompanhar de perto o ponto ideal de maturação para cada tipo de produto, conta Leandro Santini, enólogo com forte atuação no Vale Trentino, região que vem se destacando por seus moscatéis. Além de brancos e espumantes, os tintos de ciclo curto foram positivamente impactados, como Merlot, Tannat, Pinotage, Barbera e Marselan. Foi uma safra de menor volume em relação a outras, porém a qualidade das uvas foi melhor, avalia o enólogo Ricardo Morari. Na Serra Gaúcha estão localizadas as três principais zonas produtoras com certificação geográfica no Brasil. A Denominação de Origem (DO) Vale dos Vinhedos e as Indicações de Procedência (IPs) Altos Montes e Pinto Bandeira registraram em 2013 safras que não fugiram das características da Serra Gaúcha, mas que tiveram suas particularidades. VALE DOS VINHEDOS As uvas Merlot, variedade de ciclo médio e uma das castas autorizadas a receber o selo da DO, e Pinot Noir, que ajuda a compor grande parte dos espumantes, tiveram resultados excelente, segundo Márcio Brandelli, diretor técnico da Associação de Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale). Com vinhedos muito bem manejados e a aplicação das técnicas de vinificação podemos ter uma constância qualitativa, afirma. ALTOS MONTES Além do clima, o relevo ajudou a região dos Altos Montes a produzir bons tintos de média maturação. As colinas que formam a paisagem em vez de vales ajudam na ventilação das videiras, combatendo assim a umidade causada pela chuva e aumentando a amplitude térmica entre o dia e a noite. Com isso, variedades como Merlot e Marselan foram colhidas no máximo de sua qualidade segundo o enólogo Edegar Scortegagna. Como prova dessa condição ele aponta o baixo ph registrado nos vinhos. Somente fomos prejudicados pelas chuvas no final da safra, pondera o enólogo. Ele celebra, no entanto, o cenário no qual foram colhidas as variedades precoces: O ano de 2013 fica marcado como a melhor safra da história para os vinhos brancos e bases espumantes. PINTO BANDEIRA Sendo Pinto Bandeira uma região com foco principalmente em espumantes, os produtores lá instalados têm muito pouco do que reclamar. Por mais que a safra 2013 tenha gerado preocupação em seu início, o resultado foi de grande qualidade. A dormência da videira foi curta, fator negativo que interfere no desempenho. Porém, não chegou a danificar a planta. A brotação foi um pouco prejudicada, desuniforme, mas a vinha teve bom desenvolvimento em consequência do clima favorável. Na florada, período crítico, onde altos índices de umidade e chuvas podem causar a baixa formação de frutos e fungos, tivemos um período seco, sem problemas, relata o enólogo Maciel Ampese. Para uvas precoces, foi uma das melhores safras dos últimos anos, conclui Ampese. 4 5

4 Campos de Cima da Serra O inverno ameno e a temperatura acima da média registrados antes da colheita mexeram no calendário da safra 2013 na região dos Campos de Cima da Serra. O frio moderado deu largada adiantada ao ciclo vegetativo das videiras, e o calor inesperado entre novembro e janeiro acelerou a maturação dos cachos. O resultado foi a antecipação de 10 a 15 dias na conclusão da vindima, além da elaboração de brancos bastante aromáticos e tintos de estrutura média. A alteração no cronograma não prejudicou a produção de vinhos brancos, uma das marcas da região. Variedades como Chardonnay, Sauvignon Blanc e Viognier continuarão se destacando. A uva mostrou boa acidez, bom teor de açúcar e perfeita maturação fenólica. As fermentações ocorreram tranquilamente atesta a enóloga Paula Guerra Schenato. Foram as melhores performances vínicas: fruta no nariz e irrepreensível equilíbrio entre acidez e álcool complementa o enólogo Gilberto Simonaggio. Essas condições também beneficiaram a produção de espumantes, que apresentam elevado potencial de amadurecimento devido à neutralidade dos aromas primários e ao frescor. Serra do Sudeste A variação climática teve impactos menores no período de colheita da Serra do Sudeste. A irregularidade verificada principalmente em agosto de 2012, enquanto as videiras estavam em fase de dormência, acarretou em uma quebra de safra de até 25% para algumas variedades, segundo a enóloga Monica Rossetti. A qualidade das uvas, porém, não foi afetada, e Monica mostra-se otimista em relação ao ano de 2013: Esta é uma safra chave para interpretar o que de melhor se consegue produzir na Serra do Sudeste, defende. Se ao longo do repouso as videiras sofreram com oscilações, durante a maturação fenólica elas contaram com ótimas condições em termos de amplitude térmica e distribuição pluviométrica. Mesmo as castas tintas, prejudicadas em outras regiões, obtiveram bom desempenho. De acordo com Monica, Merlot, Nebbiolo, Teroldego e Tannat merecem ser destacadas, assim como a branca Chardonnay. Será uma safra de vinhos de alto nível e expressão, conclui. Campanha A região da Campanha, que seguidamente é mencionada por seus tintos complexos e aromáticos, lembrará da safra 2013 como um ano mais propício para a elaboração de espumantes. O clima desigual, com atípicos períodos de chuva entre dezembro e fevereiro, exigiu bastante manejo nos parreirais. Já as variedades brancas e precoces, como as que dão origem aos espumantes, não foram atingidas. Nas variedades precoces o clima foi excelente em todo o ciclo, com umidade baixa e chovendo quando necessário para a fisiologia da planta, explica Maurício Salton, executivo do setor. As castas de ciclo mediano, como Merlot, Tannat e Teroldego, foram diretamente afetadas pelas chuvas, que criaram desigualdades na maturação e atrasaram o ponto de colheita. Foi necessário um raleio agressivo, implicando na perda de até 70% do volume da uva em alguns parreirais. As empresas que fizeram essa manutenção das videiras, no entanto, foram recompensadas com uma boa safra, e podem esperar uma colheita ainda melhor no ano que vem. A planta conseguiu adquirir nesta safra importantes reservas de água. Se o próximo ano decorrer de forma normal, esperamos ter um bom nível de qualidade, projeta o enólogo Nuno Duarte. Planalto Catarinense Vale do São Francisco De características únicas em função da altitude, a safra no Planalto Catarinense também teve altos e baixos em Assim como em outras regiões, as variedades precoces foram as maiores beneficiadas com o inverno curto e a primavera inesperadamente quente. A geada, fenômeno comum na região, prejudicou os parreirais no final do inverno, enquanto as plantas passavam pela brotação. Durante a floração, no entanto, as condições melhoraram, favorecendo principalmente as uvas usadas para a elaboração de espumantes. Foi uma safra excelente para a produção dos base No Vale do São Francisco não é possível estabelecer um perfil único para a safra 2013, pois, divididos em lotes, os parreirais produzem diversas colheitas alternadamente, sendo que cada planta gera frutos pelo menos duas vezes ao ano. É uma característica única da região, proporcionada pelo ambiente semiárido. Mas como em qualquer outra área vitivinícola, as variações do clima têm influência direta no desempenho das videiras. Tendo sido o primeiro semestre um período especialmente seco e com boa amplitude térmica, deu origem a vinhos bastante frutados e com bom equilíbrio entre ácidos e açúcares. A falta espumante, tanto em quantidade de uva, já que a floração foi perfeita e os cachos ficaram com um peso normal, quanto em qualidade, ou seja, acidez marcada, aromas bem frutados e pouca pirazina, avalia o enólogo Jefferson Sancineto Nunes. Também por causa da geada, as uvas tintas tiveram quebra na produção, causando uma colheita menor. O calor que seguiu antecipou a safra, que ainda registrou chuva em maior volume do que em 2012 nos meses de fevereiro e março. O volume é inferior em cerca de 30% em relação à última safra, calcula o diretor técnico da Associação Catarinense dos Produtores de Vinhos Finos (Acavitis), Saul Paulo Bianco. de chuva também representou menor perda na colheita, sendo possível fazer um controle rigoroso do cultivo por meio da irrigação. O fato de ter sido um ano de seca permitiu que as uvas chegassem na cantina com ótima qualidade sanitária, conta o enólogo Ricardo Henriques. Até esse ponto do ano, as variedades usadas para a elaboração de brancos e espumantes foram as mais favorecidas. Para o segundo semestre são previstos vinhos mais concentrados, pois as uvas terão maior maturação fenólica. De maneira geral, as castas Touriga Nacional, Aragonês, Alicante Bouschet, Viognier e Moscato Canelli devem ser as de melhor resultado. 6 7

5 BALANÇO COMERCIAL MERCADO INTERNO 1º SEMESTRE DE 2013 BALANÇO COMERCIAL VINHOS, ESPUMANTES E SUCOS DE UVA No primeiro semestre de 2013, o mercado interno brasileiro registrou um pequeno incremento de 2,54% na comercialização de vinhos finos, de mesa e espumantes, totalizando 107,9 milhões de litros. Este resultado diz respeito à comparação ao mesmo período do ano passado, quando foram comercializados 105,2 milhões de litros. Para o setor vitivinícola brasileiro, este desempenho reflete uma estagnação nas vendas, com índices tímidos de alta no vinho de mesa, de 3,21%, com quase o mesmo percentual de retração no vinho fino, -3,10%, e um pequeno recuo nos espumantes, de -1,97%. A comercialização de sucos de uva, por sua vez, vem mantendo o desempenho positivo dos últimos anos. O maior destaque ficou com os sucos naturais prontos para consumo que ampliaram a comercialização em 42,94%. Esse índice representa um incremento de 9,97 milhões de litros em relação ao primeiro semestre de O mercado do suco concentrado também vem registrando expansão ano a ano, sendo que, no período, o crescimento foi de 17,22%, com a venda de 2,5 milhões de quilos a mais que no mesmo período do ano anterior. Para o presidente do Conselho Deliberativo do Ibravin, Alceu Dalle Molle, os resultados do período refletem o esfriamento da economia do país e frustraram as expectativas do setor. Se levarmos em conta a conjuntura econômica, não tivemos um desempenho ruim. Mas, o ano passado já não foi favorável, e tínhamos uma perspectiva de vendas melhores em função do acordo com o varejo, observa o dirigente. Dentro do segmento de vinhos de mesa, o semestre registrou uma pequena alta, de 3,21% frente ao mesmo período do ano anterior, com a venda de 94,7 milhões de litros. Nesta categoria, a venda de engarrafados apresentou o melhor resultado, com crescimento de 8,77%, representando um volume de 39,6 milhões de litros em comparação com os 36,4 milhões de Esta tendência de migração entre vinhos de mesa a granel para engarrafados vem se intensificando desde O presidente da Federação das Cooperativas Vinícolas do Rio Grande do Sul (Fecovinho), Oscar Ló, alerta que este resultado, apesar de positivo, não é satisfatório. Os estoques das empresas estão bastante altos e, em seis meses, temos uma nova safra a caminho. O crescimento do vinho de mesa engarrafado é muito bem visto, mas o grande volume ainda está no granel. Por isso ainda temos necessidade de apoio de medidas governamentais para auxiliar no escoamento dos volumes estocados argumenta Ló. O desempenho dos sucos naturais é comemorado pelo setor, pois o produto representa uma alternativa para o processamento das uvas americanas e híbridas utilizadas para o vinho de mesa. Porém, o dirigente da Fecovinho explica que o mercado, apesar de favorável, não consegue compensar os volumes processados a partir desta matéria-prima. Enquanto o mercado do suco gira em torno de 50 milhões de litros, os vinhos de mesa ficam entre 200 milhões, observa. Os dirigentes também observam que neste período houve a influência das compras de suco de uva por parte da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) com articulação do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), dentro do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), no montante de 5 milhões de litros. Os vinhos finos e espumantes nacionais apresentaram recuo nas vendas. Os vinhos finos apresentaram retração de 3,10%, com a comercialização de 8,76 milhões de litros, e os espumantes de 1,65%, com 3,47 milhões. As importações tiveram uma queda maior, de quase 4,14% nos vinhos finos, e de 17,78% nos espumantes. Somando as duas categorias de importados, o resultado foi negativo em 4,96%, com vendas totais de 31,25 milhões de litros. Esse desempenho significa que 1,6 milhão de litros de vinhos importados deixou de ingressar no país neste período. De forma geral o mercado está estagnado. Infelizmente esperávamos ter mais espaço nas gôndolas com o acordo de promoção firmado no ano passado com os supermercadistas, importadores e distribuidores, mas isso não vem ocorrendo, lamenta Dirceu Scottá, presidente da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra). Ele informa que no ano passado o varejo formou estoques de produtos importados, o que se refletiu em menor aquisição este ano e justifica a retração apresentada no período. Mas, nos pontos de venda, estes rótulos ainda predominam no mercado. Como o segundo semestre tradicionalmente se mostra mais dinâmico que o primeiro, a perspectiva é de recuperação dos indicadores. Dalle Molle acredita que as estratégias de promoção que vêm sendo alinhadas com o setor supermercadista e distribuidor comecem a surtir efeito, ampliando a exposição dos vinhos brasileiros nos pontos de venda. Temos uma perspectiva de aquecimento das vendas. Se as ações que estamos construindo com o varejo dentro do acordo de promoção se efetivarem, a situação pode melhorar. De qualquer forma, no caso dos vinhos de mesa, ainda precisamos de apoio para o escoamento dos estoques, conclui o dirigente. Vendas das empresas do Rio Grande do Sul, no mercado interno brasileiro Período: janeiro a junho de 2013 VINHOS /2012 Americanas / Híbridas ,21% Viníferas % Total de Vinhos Vinífera e Mesa ,65% ESPUMANTES /2012 Espumantes ,56% Moscatéis ,97% Total de Vinhos Espumantes ,65% Outros Vinhos ,99% TOTAL VINHOS ,54% SUCO DE UVA /2012 Natural pronto para consumo ,94% Concentrado (kg) ,22% IMPORTADOS /2012 Espumantes ,78% Vinhos ,14% Total de Importados ,96% Fonte: Sistema Aliceweb/MDIC e Cadastro Vinícola MAPA/SEAPA-RS/IBRAVIN Elaboração: Ibravin 8 9

6 BALANÇO DE EXPORTAÇÕES 1ºSEMESTRE DE 2013 VINHOS FINOS ENGARRAFADOS No primeiro semestre de 2013, as exportações brasileiras de vinhos engarrafados se mantiveram estáveis, apresentando um pequeno incremento de 1,67%, em volume, e um ligeiro recuo, de 0,86%, em valor. De janeiro a junho deste ano, o país comercializou para o Exterior 597,2 mil litros de vinhos engarrafados, contabilizando US$ 2 milhões. O valor médio por litro exportado ficou em US$ 3,36. Nos oito países-alvo estabelecidos pelo projeto Wines of Brasil (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, Inglaterra, Holanda, Hong Kong, Polônia e Suécia), os resultados foram positivos em quatro: Estados Unidos, Canadá, Alemanha e Hong-Kong. No período, os Estados Unidos foram o principal destino dos vinhos engarrafados brasileiros, representando 23,5% em volume e 27,8% em valor do total exportado pelo país. As vendas registraram alta de 67,5% em valor, e o preço médio por litro teve incremento de 30% passando de US$ 3,09 para US$ 3,99. Outro destaque foi o desempenho apresentado pela Alemanha, que multiplicou em 20,5 vezes o volume e em 10,3 vezes o valor do vinho engarrafado, duplicando o valor médio exportado para este destino. Hong Kong, por sua vez, multiplicou o volume adquirido do Brasil por 13,3 enquanto que, no Canadá, as exportações aumentaram em seis vezes. A diretora de Promoção do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Andreia Gentilini Milan, explica que, no mesmo período do ano passado, o Brasil efetivou a venda de um grande volume de vinhos para a Europa pelo fato de uma vinícola brasileira ter sido a fornecedora oficial dos vinhos da Olimpíada de Londres. Isso explicaria o ligeiro recuo nos dados de exportação deste semestre. Para a executiva, a estagnação econômica verificada no mercado internacional também ajudou no desempenho das exportações de vinhos engarrafados brasileiros. Entretanto, Andreia salienta que nos mercados-alvo do projeto Wines of Brasil, os resultados foram bastante positivos. Estamos fazendo um trabalho de longo prazo, focando esforços de promoção nos mercados que consideramos estratégicos para o vinho brasileiro. Por isso a tendência é de termos melhores resultados a cada ano, complementa. O Wines of Brasil é um projeto para promoção do vinho brasileiro no mercado externo realizado pelo Ibravin em parceria com a Agência Brasileira de Promoção das Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). No primeiro semestre de 2013, 40 empresas integraram as ações do Wines of Brasil, sendo que, deste total, metade realizou vendas para o mercado externo, destinadas para 26 países. Em comparação com o volume total do Brasil de vinhos engarrafados, as exportações das empresas participantes do Wines corresponderam a 61,4% em volume e cerca de 80% do valor. Outro ponto a ser destacado é o percentual 30% maior em termos de valor médio por litro exportado. Em volumes totais, nos primeiros seis meses de 2013, o Brasil exportou 12,9 milhões de litros de vinhos, gerando um resultado de US$ 7,5 milhões. Nestes totais, estão inseridos também os dados da comercialização de vinhos à granel. Nesta categoria, o Brasil exportou 12,3 milhões de litros, com resultado financeiro de US$ 5,5 milhões. Os principais destinos deste produto foram Rússia, Espanha e Paraguai. Este resultado teve impacto direto das remessas feitas com apoio do Prêmio de Escoamento de Produção (PEP) promovido pelo Governo Federal no final do ano passado

7 Evolução das Exportações Principais destinos de exportação dos Vinhos Brasileiros 1ºSEMESTRE DE 2013 $ , FOB US$ $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ , Suíça 1% Austrália 2% Países Baixos (Holanda) 4% Canadá 2% Reino Unido 4% China 2% Alemanha 6% Outros 22 países 15% Colômbia 14% Estados Unidos 23% Paraguai 27% $ ,00 $ NCM Consultadas: até Fonte: MDIC Sistema AliceWeb exceto NCM a granel e garrafão PRINCIPAIS PAÍSES COMPRADORES Valor (US$) Volume (em litros) USD / litro Estados Unidos ,99 Paraguai ,55 Colombia ,43 Alemanha ,70 China ,86 Reino Unido ,40 Canadá ,14 Países Baixos (Holanda) ,48 Austrália ,04 Suíça ,49 Outros 22 Países ,48 Total geral ,36 *NCM Consultadas: até exceto NCM a granel e garrafão. Fonte: MDIC Sistema AliceWeb. Elaboração: Ibravin 12 13

8 EXPORTAÇÕES SUCO DE UVA EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE VINHOS E ESPUMANTES ENGARRAFADOS Exportações gerais Brasil Período janeiro a junho 2013 PAÍS VOLUME (L) VALOR (US$/ FOB) US$/LITRO 1 Estados Unidos ,99 2 Paraguai ,55 3 Colômbia ,43 4 Alemanha ,70 5 China ,86 6 Reino Unido ,40 7 Canada ,14 8 Países Baixos (Holanda) ,48 9 Austrália ,04 10 Suíça ,49 11 Uruguai ,52 12 Hong Kong ,86 13 Espanha ,35 14 Republica Tcheca ,56 15 Polônia ,07 16 Suécia ,16 17 Bélgica ,63 18 Japão ,36 19 Portugal ,74 20 Noruega ,16 21 Luxemburgo ,34 22 Itália ,86 23 Bahamas ,22 24 Nigéria ,87 25 Franca ,99 26 Antilhas Holandesas ,82 27 Dinamarca ,19 28 Cingapura ,54 29 Nova Zelândia ,39 30 Irlanda ,22 31 Guine Equatorial ,56 32 Haiti ,63 TOTAL GERAL ,36 *NCM Consultadas: até Fonte: Ministério Do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secex Secretaria De Comércio Exterior Exportação Brasileira. Elaboração: Ibravin Contabilizados em duas categorias distintas, concentrados e prontos para consumo, os sucos de uva registraram expressivo incremento nas exportações durante o primeiro semestre de Na categoria de suco de uva concentrado, as exportações tiveram expansão de 110,4% em valor, contabilizando US$ 5,77 milhões, e 84% em volume, com a remessa de 1,78 milhão de quilos líquidos frente ao mesmo período do ano passado. O Japão se manteve como principal destino do produto, representando 87,4% do volume total comercializado pelo Brasil, e registrando uma alta de 79% frente ao mesmo período de Apesar de apresentar resultados totais menores, a categoria de suco de uva pronto para consumo vem gradativamente abrindo espaço no mercado internacional, com resultados expressivos a cada ano graças à conquista de novos destinos e constante solicitação de empreendimentos interessados nos produtos. De janeiro a junho deste ano, foram exportados 139,5 mil quilos líquidos. Este volume equivale a uma alta de 883% ou 9,8 vezes a mais que o total comercializado no mesmo período do ano passado. Em termos de valor, o montante final do período foi de US$ 412,7 mil, que representa um incremento de 1.102% ou 12 vezes mais em relação ao mesmo EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE SUCO DE UVA Período: janeiro a julho de 2013 SUCO DE UVA CONCENTRADO PRINCIPAIS PAÍSES COMPRADORES SUCO DE UVA PRONTO PARA CONSUMO Valor (US$) Volume (em kg líquido) 1 Japão Holanda Estados Unidos México República Dominicana Tailândia Coréia do Sul Nova Zelândia Paraguai Colômbia Outros Países TOTAIS EXPORTADOS PELO BRASIL PRINCIPAIS PAÍSES COMPRADORES Valor (US$) período do ano passado. Três destinos concentraram 99,5% do volume exportado, sendo eles Venezuela, Líbia e Paraguai. O Brasil já possui uma certa tradição na exportação de suco de uva concentrado e agora está trabalhando na consolidação dos destinos de exportação com a agregação de valor. Por outro lado, no suco pronto para consumo, os esforços comerciais são mais recentes. Apesar dos volumes ainda serem pequenos, os resultados vem surpreendendo ano a ano, observa Andreia Gentilini Milan, diretora de Promoção do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin). Volume (em kg líquido) 1 Venezuela Líbia Paraguai Outros Países TOTAIS EXPORTADOS PELO BRASIL Fonte: Sistema Aliceweb MDIC. Elaboração: Ibravin 14 15

9 Perspectivas O somatório de ações desenvolvidas no ano passado pelo setor junto ao governo e ao mercado, poderão compensar uma conjuntura econômica desfavorável no mercado interno em A proibição do uso de corantes tintos na elaboração de vinagres de álcool, o apoio na redução dos estoques proporcionada pelo Prêmio de Escoamento de Produção (PEP) registrado no primeiro semestre e previsto também para a segunda metade deste ano pelo Governo Federal podem ajudar a aliviar parte da pressão nos estoques dos vinhos de mesa. Da mesma forma, a definição conjunta entre produtores de uvas, concentradores e envasadores para a elevação de 30% para 50% de suco de uva natural nos néctares nos próximos 2,5 anos terá impacto positivo no mercado de suco. Paralelamente, espera-se que comecem a surtir efeito as ações alinhadas no primeiro semestre dentro do acordo de cooperação feito com os importadores, distribuidores e supermercadistas para aumentar a participação dos vinhos finos brasileiros no mercado interno. A meta prevista no acordo é de destinar 25% dos espaços de gôndola para os vinhos finos nacionais nas redes dos supermercados e 15% nos demais estabelecimentos varejistas. Dentre os esforços para melhorar os resultados comerciais do setor vinícola, somam-se ainda a ampliação do conjunto de ações promocionais realizadas pelo Ibravin junto a parceiros, os próprios investimentos das empresas e o interesse internacional pelo Brasil em função dos mega eventos esportivos a serem realizados no país. Para o mercado externo, a meta estabelecida pelo projeto Wines of Brasil é atingir US$ 5,3 milhões em exportações, sendo US$ 1 milhão no mercado dos Estados Unidos, US$ 1 milhão na China, US$ 800 mil no Reino Unido, US$ 500 mil na Alemanha e, na composição com os demais países-alvo do projeto, outros US$ 2 milhões. Em 2013 queremos participar efetivamente do mercado dos Estados Unidos, China, Reino Unido e Alemanha para, daqui a dois anos, nos tornarmos uma opção presente na cabeça dos consumidores destes países, explica Andreia Milan, diretora de Promoção do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin)

10 Fonte: depoimentos dos enólogos e pesquisadores citados no texto. Editado por Maurício Roloff e Martha Caus

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL VALE DOS VINHEDOS

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL VALE DOS VINHEDOS ARRANJO PRODUTIVO LOCAL VALE DOS VINHEDOS Design: Base de Comunicação ELABORAÇÃO Jorge Tonietto - Embrapa Uva e Vinho Jaime Milan Aprovale Períodos Evolutivos da Vitivinicultura Brasileira Período 1º Período

Leia mais

Manual da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos

Manual da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos Manual da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos Uma conquista O Brasil do futuro é agora: a vida melhorando, o mercado crescendo, novos produtos chegando, tudo acontecendo ao mesmo tempo. E com isto

Leia mais

Panorama vitivinícola do Brasil. Eng. Agr. Mauro Zanus Chefe-Geral Embrapa Uva e Vinho

Panorama vitivinícola do Brasil. Eng. Agr. Mauro Zanus Chefe-Geral Embrapa Uva e Vinho Panorama vitivinícola do Brasil Eng. Agr. Mauro Zanus Chefe-Geral Embrapa Uva e Vinho A Viticultura no Brasil - Uvas de Mesa - Uvas Finas - Uvas americanas/niágara - Uvas para de Vinho de Mesa - Uvas para

Leia mais

Indicação Geográfica (IG) para Vinhos no Brasil

Indicação Geográfica (IG) para Vinhos no Brasil Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Indicação Geográfica (IG) para Vinhos no Brasil O Ministério da Agricultura e o Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (IN- PI) têm trabalhado

Leia mais

Notas Técnicas A região do Vale do Submédio São Francisco está se desenvolvendo intensamente nos últimos anos. A viticultura, ou seja, a produção de

Notas Técnicas A região do Vale do Submédio São Francisco está se desenvolvendo intensamente nos últimos anos. A viticultura, ou seja, a produção de Notas Técnicas A região do Vale do Submédio São Francisco está se desenvolvendo intensamente nos últimos anos. A viticultura, ou seja, a produção de uvas para o consumo in natura, foi introduzida no Semi-Árido

Leia mais

Indicadores de avaliação Mercado de suco de uva; Foco: suco de uva natural/integral; Posicionamento; Evolução: produção, comercialização (mercado interno e exportações); Diferença básica entre suco, néctar

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 2010: BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio Hélio Junqueira

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

PROMOÇÃO DA VITIVINICULTURA. Moacir Mazzarollo Presidente do Conselho Deliberativo Carlos Raimundo Paviani Diretor Técnico

PROMOÇÃO DA VITIVINICULTURA. Moacir Mazzarollo Presidente do Conselho Deliberativo Carlos Raimundo Paviani Diretor Técnico ORDENAMENTO E PROMOÇÃO DA VITIVINICULTURA Moacir Mazzarollo Presidente do Conselho Deliberativo Carlos Raimundo Paviani Diretor Técnico Histórico Conavin: Lei Federal Nº 7.298/1984 Decreto Federal Nº 92.152/1985

Leia mais

Carlos Eduardo Corrêa Nogueira

Carlos Eduardo Corrêa Nogueira Entrevista: Carlos Eduardo Corrêa Nogueira Carlos Eduardo Corrêa Nogueira é Diretor de Negócios Internacionais da vinícola brasileira Miolo, uma das maiores do País. Em entrevista a Textos do Brasil, Nogueira

Leia mais

Apresentação Projeto Setorial

Apresentação Projeto Setorial Apresentação Projeto Setorial O Ibravin Instituto Brasileiro do Vinho O Instituto Brasileiro do Vinho (IBRAVIN) nasceu em Janeiro de 1998 para representar os produtores de uva, sucos, vinhos e espumantes

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Sangue da Terra, informativo. Acordo de Cooperação projeta abertura de mercado para o vinho nacional

Sangue da Terra, informativo. Acordo de Cooperação projeta abertura de mercado para o vinho nacional Saca rolhas Ano 4 Nº 9 Junho de 2013 Acordo de Cooperação projeta abertura de mercado para o vinho nacional Páginas 2 e 3 Ações internacionais consolidam país no mapa mundial dos produtores Páginas 20

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA VINHO

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA VINHO FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA VINHO Prof(a): Erika Liz 2011 VINHO - DEFINIÇÃO Vinho é a bebida obtida por fermentação alcoólica do suco de uva (mosto). O ph varia entre 2,9 e 3,8. O teor alcoólico varia de 7 a

Leia mais

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PINTO BANDEIRA: CARTAS IMAGEM

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PINTO BANDEIRA: CARTAS IMAGEM CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PINTO BANDEIRA: CARTAS IMAGEM Loiva Maria Ribeiro de Mello Carlos Alberto Ely Machado André Rodrigo Farias Sonia Marliza

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Relatório de Clipping BÁSICA COMUNICAÇÕES

Relatório de Clipping BÁSICA COMUNICAÇÕES Relatório de Clipping BÁSICA COMUNICAÇÕES Cliente: Famiglia Zanlorenzi Inserções na mídia: 18 Período: Fevereiro de 2015 VEÍCULO: Portal Supermercado Moderno - Notícias PÁGINA: www.sm.com.br/editorias/ultimas-noticias/consumo-em-alta-fazindustria-reforcar-oferta-de-suco-detox-25731.html

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Desbravadores do terroir brasileiro

Desbravadores do terroir brasileiro Revista Adega Ed.91 (5/2013) Terroir Brasil Desbravadores do terroir brasileiro Iniciativas de produtores de Minas Gerais e de Goiás mostram que o potencial vitivinícola brasileiro pode ir além do Sul

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

O vinho mais apreciado do Brasil faz jus a uma roupa nova!

O vinho mais apreciado do Brasil faz jus a uma roupa nova! NOVA GARRAFA NOVO RÓTULO A QUALIDADE QUE VOCÊ JÁ CONHECE O vinho mais apreciado do Brasil faz jus a uma roupa nova! A LINHA DE VinhoS de Mesa MioranZa ACABA DE GANHAR UMA NOVA EMBALAGEM. MODERNA E ELEGANTE,

Leia mais

personalizado Vinho www.revistaviverbrasil.com.br PAI AOS 60 DESAFIOS E RECOMPENSAS DE FILHOS NA TERCEIRA IDADE

personalizado Vinho www.revistaviverbrasil.com.br PAI AOS 60 DESAFIOS E RECOMPENSAS DE FILHOS NA TERCEIRA IDADE ENTREVISTA MARCIO LACERDA, PREFEITO DE BH: A INTERNACIONALIZAÇÃO FOI O MAIOR LEGADO DA COPA ARTIGO PCO COLIGAÇÕES DIFÍCEIS DE ENTENDER M www.revistaviverbrasil.com.br seu vinho Gracias a la Vida Malbec

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na O MERCADO DE TRIGO 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o maior importador mundial de trigo e a sua dependência se torna acentuada à medida que os estoques públicos e privados se reduzem. A safra 2007/08 apresenta-se

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR AGRO E ALIMENTOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR AGRO E ALIMENTOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR AGRO E ALIMENTOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa,

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 1. Setor de Sucos Exportações em US$ 1.000 Produtos 2010 Part% 2013 2014 Part% 2014 2014/ 13 Var % anual 14/10 Alimentos Industrializados 37.853.764 100,00 43.005.652 41.136.370

Leia mais

Análise de Mercado do Sistema OCB

Análise de Mercado do Sistema OCB Análise de Mercado do Sistema OCB SUMÁRIO EXECUTIVO Mercado de Trigo nº 019 - Abril/2008 Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos Antonio Matos - Técnico de Mercado Coordenação: Evandro Scheid

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

SBN quadra02, lote11 ED. Apex-Brasil, Brasília, Brasil / CEP 70040-020 +55 61 3426-0202

SBN quadra02, lote11 ED. Apex-Brasil, Brasília, Brasil / CEP 70040-020 +55 61 3426-0202 1 Apex-Brasil Mauricio Borges PRESIDENTE Ricardo Santana DIRETOR DE NEGÓCIOS Tatiana Porto DIRETORA DE GESTÃO CORPORATIVA Marcos Tadeu Caputi Lélis GERENTE EXECUTIVO DE ESTRATÉGIA CORPORATIVA E NEGÓCIOS

Leia mais

Alimentos e Bebidas Vinhos e Espumantes

Alimentos e Bebidas Vinhos e Espumantes Comemorativo 80 Anos Este vinho foi especialmente elaborado para comemorar os 80 anos do patriarca Laurindo Brandelli, e os 20 anos da Vinícola Don Laurindo. O cuidado com a terra, o cultivo da videira,

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

BEBIDAS VITIVINICULTURA MUNDIAL: 1961-2007. Tagore Villarim de Siqueira*

BEBIDAS VITIVINICULTURA MUNDIAL: 1961-2007. Tagore Villarim de Siqueira* VITIVINICULTURA MUNDIAL: 1961-2007 Tagore Villarim de Siqueira* * Economista do Departamento Regional Nordeste do BNDES. Nota: As principais fontes dos dados utilizados neste trabalho foram as seguintes:

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Vinhos de Altitude com atitude

Vinhos de Altitude com atitude Vinhos de Altitude com atitude 1 Terras De Alter C.V. Fundada em 2004, Terras De Alter está orgulhosamente situada em pleno Alto Alentejo e é constituída por duas empresas de grande tradição agrícola na

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Riesling Itálico um vinho emblemático para a Serra Gaúcha/Brasil

Riesling Itálico um vinho emblemático para a Serra Gaúcha/Brasil X Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia 147 Riesling Itálico um vinho emblemático para a Serra Gaúcha/Brasil Mauro Celso Zanus 1 ; Jorge Tonietto 1 A Importância das variedades para a identidade

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL.

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. Três em cada cinco copos de suco de laranja bebidos no mundo são produzidos no Brasil. Nos países com inverno rigoroso, os consumidores não

Leia mais

Articles of PPOW :: PEOPLE POWER

Articles of PPOW :: PEOPLE POWER Articles of PPOW :: PEOPLE POWER Quinta dos Murças, uma nova era do Esporão 2011-10-13 07:10:24 Luiz Gastão Bolonhez O conglomerado Esporão, sucesso absoluto no Alentejo, lança vinhos de seu novo empreendimento,

Leia mais

Alho. Desempenho da produção vegetal. Produção e mercado mundial PARTE I

Alho. Desempenho da produção vegetal. Produção e mercado mundial PARTE I - Concentração da produção por microrregião geográfica - Santa Catarina - Safra 2009 (Total = 11.553 t) Desempenho da produção vegetal Alho PARTE I Marco Antônio Lucini Engº Agrº Epagri/Curitibanos marcolucini@epagri.sc.gov.br

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução interdita CVRA COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

www.winelovers.com.br

www.winelovers.com.br Em 1789, a Vinícola Foffani iniciou sua produção de vinho. A residência da família fica de frente a praça principal da vila medieval de Clauiano, que foi tombada pelo Ministério de Belas Artes, pois é

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Vinho é uma bebida resultante da fermentação do suco ou mosto extraído de frutas.

Vinho é uma bebida resultante da fermentação do suco ou mosto extraído de frutas. O que é vinho? Vinho é uma bebida resultante da fermentação do suco ou mosto extraído de frutas. Por razões comerciais, de tradição e pela legislação brasileira, assumimos que vinho é a bebida obtida através

Leia mais

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010 Exportação Brasileira de Laranjas por País de Destino 2010 ESPANHA 5.293.450 12.795.098 PAISES BAIXOS (HOLANDA) 4.669.412 10.464.800 REINO UNIDO 2.015.486 5.479.520 PORTUGAL 1.723.603 3.763.800 ARABIA

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Junho de 2015 Cotação do açúcar deve seguir em baixo patamar, refletindo elevado nível de estoques globais Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos O nível de estoques de açúcar

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

O paradoxo do vinho brasileiro

O paradoxo do vinho brasileiro PENSAMENTO NACIONAL acadêmico O paradoxo do vinho brasileiro Miolo e Salton tentam replicar fenômenos da Austrália e África do Sul com estratégias de internacionalização como saída para a crise dos vinhos

Leia mais

Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil

Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil 18_Animal Business-Brasil O Brasil e as biotecnologias reprodutivas

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI

Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI Felipe Athia Armando Dalla Costa RESUMO - A partir do final da década de 1980, o Brasil observou um acentuado crescimento

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil maio/junho, 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil maio/junho, 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil maio/junho, 2011 VENDAS DE FLORES NOS DIAS DAS MÃES E DOS NAMORADOS DE 2011: ECONOMIA AQUECIDA

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

VALPOLICELLA CLASSICO SUPERIORE Tinto leve. Corvina, Rondinela e Molinara. Região: Veneto.

VALPOLICELLA CLASSICO SUPERIORE Tinto leve. Corvina, Rondinela e Molinara. Região: Veneto. Italia Conhecida pelos gregos da antiguidade como "Enótria", ou Terra do Vinho, a Itália é um dos maioresprodutores de vinho do mundo, produzindo vinho em praticamente todo o seu território. Os italianos

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 12 Outubro, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA Chuvas intensas no mês de setembro atrasaram a colheita de cana-de-açúcar nas principais

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Maio/2015 CLIMA Anomalia da Temperatura da Superfície do Mar sobre o Pacífico Equatorial El Niño

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Comercialização de Uvas X Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia 161 Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida 1 Da mesma forma que botanicamente,

Leia mais

PEDRA ESCRITA SOLO GRANÍTICO ALTITUDE 575 MTS

PEDRA ESCRITA SOLO GRANÍTICO ALTITUDE 575 MTS QUINTA DA PEDRA ESCRITA SOLO GRANÍTICO ALTITUDE 575 MTS QUINTA DA PEDRA ESCRITA DOURO SUPERIOR: GRANITO E ALTITUDE A Quinta da Pedra Escrita está localizada em Freixo de Numão, no Douro Superior, a uma

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

catalogo2.indd 1 10/03/2013 22:04:37

catalogo2.indd 1 10/03/2013 22:04:37 catalogo2.indd 1 10/03/2013 22:04:37 1 Vinho Tinto Seco Fino Cabernet Sauvignon Uva originária da França, produz um vinho tinto seco de cor vermelho-rubi, com reflexos violáceos, boa intensidade e lágrimas

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

Pesquisa de Q2 2013. Expectativa de Emprego Manpower Brasil

Pesquisa de Q2 2013. Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Q2 213 Expectativa de Emprego Manpower Brasil Pesquisa de Expectativa de Emprego Manpower Brasil Sumário Q2/13 Expectativa de Emprego no Brasil 1 Comparativo por Região Comparativo por Setor

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO - 2015 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2015 Previsão trimestral Os modelos de previsão climática indicam que o inverno

Leia mais

Situação atual e perspectivas

Situação atual e perspectivas BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL AGÊNCIA DE FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO VITIVINICULTURA EM SANTA CATARINA Situação atual e perspectivas ES2005-1 VITIVINICULTURA

Leia mais