Compadrio e Escravidão: uma análise do apadrinhamento de cativos em São João del Rei,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Compadrio e Escravidão: uma análise do apadrinhamento de cativos em São João del Rei, 1730-1850"

Transcrição

1 Compadrio e Escravidão: uma análise do apadrinhamento de cativos em São João del Rei, Profa. Dra. Silvia Maria Jardim Brügger Palavras-chave: compadrio; escravidão; sociabilidades; domínio senhorial. Resumo O compadrio foi, sem sombra de dúvidas, um importante elemento de constituição e/ou consolidação de laços de sociabilidade, na sociedade escravista brasileira. Nesta comunicação, analiso o padrão de escolha de padrinhos e madrinhas de cativos, tanto crianças quanto adultos, em São João del Rei, entre 1730 e Constato o predomínio de livres entre os indicados para exercerem estes papéis. A análise centrase, primeiramente, em informações apresentadas em registros paroquiais de batismo. Posteriormente, procuro abordar alguns casos específicos, acompanhando a prática de apadrinhamento em algumas escravarias da região e cruzando variáveis, que possam interferir nas escolhas de padrinhos e madrinhas dos escravos. Nesta segunda parte do trabalho, torna-se fundamental a utilização de outras fontes, com o objetivo de complementar as informações contidas nos registros de batismo, como os inventários post-mortem e testamentos, tanto de proprietários dos cativos, quanto de padrinhos e madrinhas livres. A partir deste refinamento da abordagem, torna-se mais precisa a caracterização das práticas de apadrinhamento de escravos e, conseqüentemente, avança-se nas análises sobre os laços de sociabilidade entre a população cativa e suas relações com livres e libertos. Trabalho apresentado no XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambú- MG Brasil, de de Setembro de Professora Adjunta da Universidade Federal de São João del Rei. Pesquisadora Colaboradora do CEO/PRONEX-CNPq-FAPERJ, Pesquisadora 2C do CNPq. 1

2 Compadrio e Escravidão: uma análise do apadrinhamento de cativos em São João del Rei, Profa. Dra. Silvia Maria Jardim Brügger Introdução Longe se está, hoje, de uma historiografia que questionava a existência de relações familiares entre os cativos e afirmava um decorrente comportamento sexual classificado como promíscuo 1. Creio ser desnecessário retomar aqui, de modo detalhado, este debate. A família escrava tem sido, atualmente, objeto de várias pesquisas que - inseridas num contexto de outros trabalhos que vêem os cativos como sujeitos históricos - procuram demonstrar o equívoco dos que apontavam para o desregramento moral e a promiscuidade sexual em que viviam. A partir da análise de dados demográficos, comprovou-se, em diversas regiões, a existência de laços familiares estáveis entre os escravos, fossem eles consolidados legalmente perante a Igreja Católica ou não. Vale destacar o trabalho de Robert Slenes (SLENES, 1988) que, depois de chegar a esta constatação, se perguntou pelas razões que levaram muitos historiadores a defender a existência de relações promíscuas entre os escravos. Segundo ele, o problema foi que estes historiadores incorporaram o discurso de viajantes da época que observavam os "lares negros" através de "olhares brancos". Em outro texto (SLENES, 1999), ele procurou demonstrar como os viajantes podem ser lidos de uma maneira diferente, na medida em que se respeite o universo cultural a partir do qual escreveram. Em síntese, também nos discursos dos viajantes pode-se perceber a existência da família escrava. A família escrava esteve presente no Brasil colônia e no século XIX, assumindo características distintas de acordo com as áreas e épocas analisadas. A produção historiográfica avança, hoje, no sentido de problematizar os interesses, senhoriais e cativos, no estabelecimento dos vínculos familiares. Para autores, como Manolo Florentino e José Roberto Góes, a família foi de fundamental importância para a estratégia senhorial de manutenção da paz na senzala, uma vez que o tráfico constante de novos cativos introduzia permanentemente um estado de guerra latente no cativeiro (FLORENTINO & GÓES, 1997). Robert Slenes, por outro lado, prioriza em suas análises os significados que os laços familiares possuíam para os próprios escravos, destacando ganhos, tais como: acesso à moradia separada da senzala, maior autonomia, possibilidade de manutenção de práticas de origem africana etc (SLENES, 1999). Mary Karasch aponta, porém, para as dificuldades dos escravos para restabelecerem, no cativeiro, aquilo que valorizavam em suas sociedades de origem, na África, ou seja, uma grande família extensa com raízes profundas nos ancestrais e a perspectiva de muitos descendentes no futuro, que, por sua vez, os reverenciariam como ancestrais (KARASCH, 2000, p. 396). Nesse sentido, outros laços que não apenas os conjugais ganhavam relevância. Segundo a autora, os cativos recriavam a família extensa por meio do ritual de apadrinhamento (KARASCH, 2000, p. 391), ampliando seus vínculos de sociabilidade e solidariedade. Trabalho apresentado no XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambú- MG Brasil, de de Setembro de Professora Adjunta da Universidade Federal de São João del Rei. Pesquisadora Colaboradora do CEO/PRONEX-CNPq-FAPERJ, Pesquisadora 2C do CNPq. 1 Sobre esta discussão, ver, entre outros, FERNANDES, 1978; GORENDER, 1978; GORENDER, 1991; SCHWARTZ, 1988; FARIA, 1998; SLENES, 1999; SLENES,

3 1. O Apadrinhamento de Crianças Escravas Uma discussão importante, que se tem travado em relação ao apadrinhamento dos escravos, diz respeito à possibilidade ou não de se interpretar os vínculos estabelecidos como um reforço da família patriarcal, através, principalmente, do fato dos próprios senhores terem por hábito apadrinhar seus cativos. Segundo Kátia Mattoso, os laços de compadrio (...) se harmonizam perfeitamente com as regras dessa sociedade brasileira baseada na família extensa, ampliada, patriarcal. E os laços não prendem apenas padrinho e afilhado, ligam o padrinho, sua família e os pais da criança batizada, cujo grupo, em seu conjunto, ganha uma promoção excepcional.(mattoso, 1982, p. 132) Outros trabalhos, seguindo dado indicado pioneiramente por Gudeman & Schwartz, e discordando da argumentação de Mattoso, demonstraram ter sido extremamente raro o apadrinhamento de cativos por seus senhores. Gudeman & Schwartz, trabalhando com o Recôncavo Baiano, no século XVIII, não encontraram nenhum caso de apadrinhamento de escravos por seus senhores (GUDEMAN & SCHWARTZ, 1988). Ana Lugão Rios, que estudou Paraíba do Sul entre 1872 e 1888, indicou que apenas 0,3% dos escravos batizados tiveram seus senhores como padrinhos (RIOS, 1990). Para a região de São João del Rei, constatei que apenas 150, ou seja, 1,1% das crianças cativas, batizadas entre 1736 e 1850, foram apadrinhadas por seus senhores (BRÜGGER, 2002). Aliás, Gilberto Freyre embora afirmasse terem sido numerosos os escravos que, no sistema patriarcal brasileiro, gozaram da situação de afilhados de senhores de casas-grandes e de sobrados entendia também que tais cativos não deviam ser considerados como típicos (FREYRE, 1985, Tomo I, p. 288). Constituiriam mais a exceção do que a regra. Considero, porém, ser esta constatação insuficiente para negar a presença de valores patriarcais na escolha de padrinhos e madrinhas de cativos. Tomando como princípio que o compadrio vinculava não apenas pais, filhos e padrinhos, mas também as suas respectivas famílias, cabe perguntar se, embora extremamente raros os casos de apadrinhamento entre senhores e seus cativos, não seriam mais freqüentes as situações em que membros da família senhorial desempenhavam aquele papel. Isto ocorreu, por exemplo, no batismo de Inácio, realizado em 11 de outubro de 1764, em São João del Rei. O menino e sua mãe eram escravos do Capitão João Lopes Siqueira e os padrinhos da criança foram Francisco e Maria, ambos filhos de seu senhor. Outro caso foi o de Inocêncio, batizado em 20 de março de 1796, filho natural de Catarina, ambos cativos do Alferes Acácio José Cruz. Seus padrinhos foram Antonio José Cruz e Maria Teresa Jesus, filhos do proprietário da criança. O próprio Stuart Schwartz, ao estudar o Recôncavo Baiano, indica alguns casos semelhantes. No entanto, afirma serem eles bastante raros (SCHWARTZ, 1988, p. 331). Com o avançar da pesquisa, será possível melhor precisar a extensão desta prática, em São João del Rei, uma vez que seu estudo não pode se basear apenas nas informações contidas nos assentos de batismo dos cativos, pois o parentesco entre os padrinhos e o proprietário pode não ter sido anotado pelo pároco. Por isso, é importante proceder a um cruzamento nominal das informações desses registros com as das famílias livres. Ainda segundo Schwartz, embora os senhores não apadrinhassem seus escravos, outros livres o faziam (SCHWARTZ, 1988, p. 331). Em São João del Rei, constatei o amplo predomínio de homens livres a apadrinharem filhos de cativas. Eles representaram, entre 1736 e 1850, sempre, pelo menos, 62% dos padrinhos dos filhos de cativas. Em duas freguesias do Recôncavo Baiano, Monte e Rio Fundo, estudadas por Gudeman e Schwartz, para o período de 1780 a 1789, os homens livres representavam cerca de 70% dos padrinhos de crianças cativas (GUDEMAN & SCHWARTZ, 1988, p. 48). Este predomínio, porém, 3

4 difere do que alguns trabalhos têm indicado para outras regiões. José Roberto Góes, analisando a Freguesia de Inhaúma, no Rio de Janeiro, entre 1816 e 1842, afirma que 65% dos padrinhos de escravos eram da mesma condição, 25%, libertos e 10%, livres (GÓES, 2001). Ana Lugão Rios, abordando os batismos de cativos, entre 1872 e 1888, em Paraíba do Sul, encontrou cerca de 40% de padrinhos livres e mais de 57% de escravos, sendo os padrinhos forros absolutamente minoritários. A autora argumentou que a busca de padrinhos escravos era maior nas escravarias mais numerosas e que, inversamente, nas menores, crescia a escolha por livres(rios, 1990, pp ). Considerando-se que, em São João del Rei, tendiam a predominar unidades escravistas de pequeno porte, pode-se supor que esta seria uma explicação viável para a escolha majoritária de padrinhos livres para os filhos de cativas. Outro dado a ser considerado é o bando assinado pelo governador Assumar, em 1719, determinando que só fossem aceitos brancos como padrinhos de escravos. Em suas palavras: (...) e tendo se considerado os prejuízos que sucedem de terem os negros, ou negras escravos, ou forros domínio algum sobre outros negros, ou negras, e de fazer atos por onde estes reconheçam algum gênero de subordinação aos primeiros a experiência tem mostrado, que nas vilas e mais lugares onde há muitos negros juntos, se encontram alguns que foram filhos ou parentes dos régulos das suas pátrias que indiferentemente os vendem: a esses tais tomam quase todos por padrinhos no sacramento do batismo, e matrimônio por cuja causa lhes têm subordinação e respeito o que redunda em fazerem-se capatazes e formar séqüito metendo-se pelos matos em quilombos governados por eles: o que tudo é muito pernicioso, e desejando evitar os prejuízos que disto se seguem: rogo e encomendo muito aos ditos vigários não consintam outros padrinhos, que não sejam brancos: e se fia dos ditos vigários contribuam nessa parte com o sossego comum para a rígida observância desta matéria de que tanto depende tirar-se qualquer sombra de subordinação aos negros(...). (Apud FIGUEIREDO, 1997, p. 127) É fato que esta determinação não foi rigorosamente cumprida. Sempre houve padrinhos cativos e libertos de escravos. No entanto, esta determinação é indício de uma preocupação de controle senhorial que, se não impôs totalmente os padrinhos brancos aos cativos, pode ter estimulado esta preferência entre a escravaria. Cabe destacar, porém, que a presença de padrinhos cativos foi sempre expressiva. 4

5 Tabela - 1 Condição dos Padrinhos de Filhos de Mães Cativas, por décadas Pd. Livre Pd. Forro Pd. Cativo Pd. Ausente Pd. Coartado Total ,8% 8,1% 22,7% 5,4% ,0% 6,7% 28,2% 3,1% ,4% 6,8% 27,2% 2,6% ,0% 8,9% 19,9% 3,1% * ,3% 7,6% 22,0% 2,1% * ,9% 4,2% 24,4% 2,4% * 122* 550* ,1% 5,2% 23,6% 2,0% * * ,6% 3,8% 19,6% 1,8% 0,2% * * ,2% 4,4% 2 1,2% * * ,5% 3,0% 19,5% 1,0% * 15* 115* ,9% 2,5% 19,1% 0,5% * ,0% 0,5% 28,4% 1,1% Fonte: Registros Paroquiais de Batismo da Matriz de Nossa Senhora do Pilar de São João del Rei, * Inclui apadrinhamentos por dois homens e nenhuma madrinha. Para as escravas de São João del Rei, a escolha dos padrinhos parecia oscilar, preferencialmente, entre os dois extremos sociais: padrinhos livres, visando provavelmente possibilidades de ganhos, para seus filhos ou para si, ou cativos, para reforçar as teias sociais estabelecidas na própria comunidade escrava 2. Raros foram os padrinhos libertos de filhos de escravas. Em relação aos padrinhos escravos, ao longo de todo o período estudado, predominaram sempre os pertencentes a escravarias distintas das do batizando 3. Juntando-se este dado com a escolha majoritária por padrinhos livres, constata-se que o compadrio das crianças cativas, em São João del Rei, unia, principalmente, os escravos a pessoas de fora de sua unidade. O que, por um lado, pode ser justificada pela dimensão das escravarias. Unidades de menor porte tendem a oferecer menos possibilidade de escolhas em seu interior do que as maiores. E, por outro, demonstra a capacidade de circulação e ampliação dos laços de sociabilidade dos cativos. 2 Sobre a noção de comunidade escrava, não existe consenso na historiografia. Autores como Manolo Florentino e José Roberto Góes, entendem que o cativeiro seria marcado muito mais pelo conflito em função das rivalidades aportadas pelos africanos de diferentes origens étnicas, constantemente introduzidos pelo tráfico atlântico do que pela construção de uma identidade comum. Robert Slenes, por outro lado, entende que, no sudeste, não só os escravos teriam construído identidades comuns, como chegado a formar uma proto-nação banto, a partir do predomínio, na região, de cativos deste grupo lingüístico. Já Hebe Mattos de Castro indica a existência de diferenças no cativeiro sobretudo, entre africanos e crioulos que, em determinados contextos, como em casos de revoltas, por exemplo, poderiam ser superados pela existência de um objetivo ou inimigo comum, mas que cotidianamente eram fundamentais na definição dos tidos como parte da comunidade. De qualquer forma, a noção de comunidade não significa a ausência de conflitos. Cf. FLORENTINO & GÓES, 1997; SLENES, 1992; SLENES, 1999; MATTOS de CASTRO, 1995; FARIA, no prelo. 3 Entre 1736 e 1740, 26,2% dos padrinhos cativos pertenciam a mesma escravaria do batizando; entre 1741 e 1750, 12,4%; entre 1751 e 1760, 16,7%; entre 1761 e 1770, 19,8%; entre 1771 e 1780, 19,7%; entre 1781 e 1790, 30,5%; entre 1791 e 1800, 33,6%; entre 1801 e 1810, 28,2%; entre 1811 e 1820, 27,8%; entre 1821 e 1830, 43,2%; 1831 e 1840, 30,4%; entre 1841 e 1850, 26,3%. 5

6 A opção preferencial por padrinhos livres indica a intenção dos cativos de estabelecer, através do compadrio, alianças para cima. Afinal, o padrinho, segundo a própria doutrina católica, constituía-se em um segundo pai, em um com-padre: ou seja, alguém com quem, de algum modo, se dividia a paternidade. Nada mais normal do que a pretensão de que esta divisão pudesse ser feita com homens situados socialmente num patamar superior e que pudessem dispor de mais recursos não só financeiros, mas também políticos e de prestígio para o cuidado dos afilhados. É interessante notar, na Tabela 1, que a opção por padrinhos livres tendeu a crescer apesar de algumas ligeiras oscilações até Por outro lado, a década de 1841 a 1850 apresenta um acentuado declínio neste padrão, acompanhado pelo crescimento da escolha de padrinhos cativos. É bom frisar que a escolha de padrinhos cativos não significava necessariamente o abandono da lógica da busca de alianças para cima, antes, poderia reforçá-la. Robert Slenes, trabalhando com a região do Oeste paulista, no século XIX, constatou que escravos domésticos ou que possuíam algum tipo de qualificação profissional eram preferidos, em relação aos escravos de roça, como padrinhos de cativos (SLENES, 1997). Mas, o que justificaria o aumento de padrinhos escravos na década de 1840? É sabido que os anos que antecederam o fim do tráfico atlântico de cativos foram marcados por uma expressiva entrada de africanos no Brasil (FLORENTINO, 1995), diminuindo proporcionalmente o número de crioulos no conjunto da população cativa. Desta forma, como sugere Sheila de Castro Faria, padrões de comportamento e valores de origem africana podem ter-se afirmado de forma mais contundente entre os cativos (FARIA, 1998, pp ) 4. Creio que o fato ajuda a explicar o aumento da opção por padrinhos escravos e a diminuição dos livres, naquela década. Provavelmente, relações familiares consangüíneas e rituais refletiriam o fortalecimento da comunidade africana, através, por exemplo, do aumento da escolha de padrinhos cativos. Infelizmente, nos registros paroquiais é rara a menção à procedência dos escravos, o que dificulta a tentativa de se analisar se a origem comum era um critério adotado na escolha dos padrinhos. A diminuição do apadrinhamento de crianças escravas por livres também foi observada por Schwartz, para a Bahia. Tomando dados relativos à Paróquia de Santiago de Iguape, em 1835, e comparando-os com os relativos a década de 1780, o autor observa que a preferência por padrinhos livres caiu para menos de 50%, quando antes era de 70%. Ele explica esta mudança com base num maior distanciamento entre a população livre e cativa, a partir de uma série de rebeliões escravas ocorridas na Bahia entre 1807 e 1835 (SCHWARTZ, 2001, pp ). A se considerar este argumento, pode-se pensar também nos efeitos da Revolta de Carrancas (ANDRADE, 2002, p ), ocorrida na Comarca do Rio das Mortes, em 1833, sobre a sociabilidade de cativos e livres, refletidas nos laços de compadrio. Porém, parece-me que esta argumentação não deve ser superestimada. Afinal, os padrinhos livres continuaram absolutamente majoritários. Como afirma Robert Slenes, a construção pelos escravos de relações de compadrio que ultrapassavam os limites do cativeiro demonstra a necessidade, num mundo hostil, de criar laços morais com pessoas de recursos, para proteger-se a si e aos filhos (SLENES, 1997, p.271). O autor cita exemplos de escravos que puderam contar com favores de compadres e padrinhos, sobretudo para obtenção de alforria. Por outro lado, mostra como a aproximação em relação ao universo da liberdade e a dependência em relação a seus senhores ou outros homens livres, talvez, gerassem uma posição desconfortável ao cativo, no interior da escravaria, na medida em que ele poderia ser tido como um aliado do senhor em 4 A autora analisa, desta perspectiva, mudanças ocorridas tanto no comportamento conjugal, quanto nos ritos funerários dos cativos, na primeira metade do século XIX. 6

7 possíveis contendas com seus companheiros de cativeiro. A escolha de padrinhos pelos cativos aparecia, assim, como fundamental a suas pretensões de alianças sociais no cativeiro. Ana Lugão Rios, trabalhando com famílias escravas, em Paraíba do Sul, entre 1872 e 1888, afirmou que a opção por padrinhos livres e madrinhas cativas teria sido uma maneira de conciliar o interesse no status social do padrinho com os cuidados e a solidariedade que uma madrinha escrava poderia mais facilmente prestar à criança (RIOS, 1990, p ). Em Campos dos Goitacases, entre 1754 e 1766, esta combinação de padrinho livre e madrinha escrava também foi observada, em pesquisa desenvolvida por mim e Tânia Kjerfve, quando argumentamos que a escolha dos padrinhos parecia prender-se mais a motivos de ordem pragmática, tais como interferência em possíveis contendas ou facilitação de alforria o que justificaria a preferência por padrinhos livres enquanto a das madrinhas se vincularia mais ao auxílio no cotidiano de criação dos filhos daí a opção majoritária por madrinhas cativas (BRÜGGER & KJERFVE, 1991, p. 230). Em São João del Rei, porém, o padrão de escolha das madrinhas foi diferente ,7% ,7% ,5% ,3% ,8% * 58,8% ,4% ,8% ,1% ,0% ,9% Tabela - 2 Condição das Madrinhas de Filhos de Cativas, por décadas Md. Livre Md. Forra Md. Cativa Md. Ausente Md. Coartada Protetora Total 57,0% 85 23,0% ,5% 65 24,5% ,1% 84 11,8% 168 7,9% 172 7,4% 73 4,1% 95 4,9% 42 3,6% 17 3,0% 12 2,0% 93 25,1% ,6% 56 21,1% ,9% ,8% ,3% ,0% ,2% ,0% ,1% ,9% ,3% 34 9,2% 61 8,2% 13 4,9% ,6% 68 9,5% 170 7,9% 186 8,0% 107 5,9% 56 2,9% 50 4,3% 20 3,5% 29 4,7% ,2% ,7% - 6 1,0% Fonte: Registros Paroquiais de Batismo da Matriz de Nossa Senhora do Pilar de São João del Rei, * Inclui apadrinhamento por duas mulheres, sem padrinho As madrinhas livres foram sempre preferidas em relação às cativas e forras, ainda que, até 1770, não fossem majoritárias. Mesmo as madrinhas escravas representando patamares superiores aos 21%, ao longo de todo o período, o comportamento diferia significativamente do que se observou para outras regiões, nas quais constituíram a opção preferencial, como em Campos dos Goitacases, entre 1754 e 1766, quando representavam 54,1% das madrinhas dos filhos de cativas. Em Paraíba do Sul, entre 1872 e 1888, eram 58,4% daquele universo (RIOS, 1990). Já Gudeman e Schwartz indicam, para as Freguesias de Monte e Rio Fundo, entre 1780 e 1789, um quadro mais parecido com o de São João del Rei: 45% de madrinhas livres para crianças escravas; enquanto as cativas constituíam 17% delas (GUDEMAN & SCHWARTZ, 1998, p. 48). A preferência por madrinhas livres foi ainda mais expressiva, na região mineira de Montes Claros, estudada por Tarcísio Botelho, 7

8 para o século XIX. O autor encontrou um amplo predomínio de madrinhas livres 5 e índices pequenos ainda que crescentes de cativas. Entre 1815 e 1819, 8,2% das madrinhas eram cativas e 83,5%, livres; entre 1840 e 1844, 13,7% eram escravas e 70,3%, livres; entre 1872 e 1876, 14,8%, cativas e 72,8%, livres (BOTELHO, 1997, pp. 113). Talvez a preferência por parte dos escravos em escolherem as madrinhas de seus filhos entre a população livre tenha sido mais comum nas Gerais do que em outras regiões. Mas esta afirmação requer o desenvolvimento de trabalhos sobre diversas áreas mineiras para ser comprovada. A tendência poderia estar ligada à menor dimensão das escravarias mineiras. Chama também a atenção na Tabela 2, a proporção de batizados realizados sem a figura da madrinha. Embora sejam decrescentes ao longo do período, quando comparados com a ausência de padrinhos, parecem indicar um destaque maior conferido ao apadrinhamento masculino. Por outro lado, quando comparado com o índice de ausência de madrinhas para o Recôncavo Baiano (31,3%) (GUDEMAN & SCHWARTZ, 1988, p. 48), os percentuais de São João del Rei indicam uma maior valorização das madrinhas nessa região. A diminuição das ausências, tanto de padrinhos quanto de madrinhas, ao longo do período, pode ser interpretada como um aumento de seu valor social ou um maior rigor da Igreja no cumprimento das suas disposições. É interessante notar que, assim como se observou em relação aos padrinhos, também as proprietárias das mães das crianças muito raramente foram suas madrinhas. Apenas 46, ao longo de todo o período, representando 0,3% dos batismos de filhos de escravas. Também para a figura da madrinha se procurava dissociar domínio senhorial e apadrinhamento. Observa-se ainda, na Tabela 2, o expressivo crescimento percentual das madrinhas cativas, na década de 1841 a 1850, tal como já se havia constatado para os padrinhos; o que, uma vez mais, pode reiterar o argumento do reforço de padrões africanos, mediante o incremento do tráfico atlântico, nos anos imediatamente anteriores à sua suspensão e/ou um maior distanciamento entre livres e cativos. Para o período como um todo, entre as madrinhas cativas, predominavam as pertencentes a escravarias distintas da do batizando 6. Novamente reforça-se a idéia da construção de laços de sociabilidade para além dos limites da propriedade escravista. Mas, em relação ao período como um todo, em São João del Rei, também no que respeita à escolha de madrinhas, bem como para os padrinhos, os cativos pareciam pretender estabelecer vínculos com pessoas melhor situadas na hierarquia social. Na verdade, ao que tudo indica, apesar de algumas diferenças, como a maior ausência de madrinhas ou sua substituição, em alguns poucos casos, por protetoras, no geral, os critérios que orientavam a seleção de padrinhos e madrinhas não diferiam muito. Nas Tabelas 3 e 4, destaca-se a maior presença de pares de padrinhos e madrinhas de mesma condição social, especialmente de livres e cativos. Indício, talvez, de que os critérios das escolhas de padrinhos e madrinhas fossem praticamente os mesmos. Ou ainda que se poderia evitar colocar pessoas de condições sociais distintas em situações que, ao menos no ritual, as igualavam, pois padrinhos e madrinhas assumiam, perante a Igreja e a sociedade, um compromisso de cuidado para com o afilhado, sobretudo no caso da falta dos pais. 5 O autor não indica a presença de nenhuma madrinha ou padrinho forro. Creio que estivessem incluídos entre os livres. No entanto, ele não esclarece se esta é uma característica da documentação com a qual trabalha ou uma opção sua de classificação. 6 Entre 1736 e 1740, 18,3% das madrinhas escravas pertenciam ao mesmo senhor que seu afilhado; entre 1741 e 1750, 15,2%; entre 1751 e 1760, 17,8%; entre 1761 e 1770, 16,2%; entre 1771 e 1780, 17,9%; entre 1781 e 1790, 26,0%; entre 1791 e 1800, 3; 1801 e 1810, 25,3%; entre 1811 e 1820, 25,4%; entre 1821 e 1830, 4; entre 1831 e 1840, 32,1%; entre 1841 e 1850, 25,6%. 8

9 A legitimidade das crianças batizadas é uma variável importante a ser considerada nas análises sobre compadrio. Tabela 3 Condição de Padrinhos e Madrinhas dos Filhos Legítimos de Escravas, por década Décadas Cond. Pds. e Mds. Pd. Ausente e Md. Ausente Pd. Ausente e Md. Livre Pd. Ausente e Md. Escrava Pd. Ausente e Md. Forra Pd. Livre e Md. Ausente Pd. Livre e Md. Livre Pd. Livre e Md. Escrava Pd. Livre e Md. Forra Pd. Livre e Protetora Pd. Escravo e Md. Ausente Pd. Escravo e Md. Livre Pd. Escravo e Md. Escrava Pd. Escravo e Md. Forra Pd. Escravo e Md. Coartada Pd. Coartado e Md. Livre Pd. Coartado e Md. Escrava Pd. Forro e Md. Ausente Pd. Forro e Md. Livre Pd. Forro e Md. Escrava Pd. Forro e Md. Forra Pd. Forro e Md. Coartada 2 Mds. Livres (s/pd.) 2 Pds. Livres (s/md.) 2 Pds. Escravos (s/md.) 2 Pds. Forros (s/md.) 1 Pd. Livre e 1 Pd. Escravo (s/md) 1 Pd. Livre e 1 Pd. Forro (s/md) 1 Pd. Escravo e 1 Pd. Forro (s/md.) Total ,0% 4 2,1% 1 1,1% 7 1,9% 3 1,3% 13 1,5% 11 1,2% 14 1,8% 5 0,8% 3 0,8% 1 1,0% 2 2,1% ,5% 0,8% 0,6% 0,6% 0,3% 0,5% ,4% 0,2% ,3% ,3 3,7% 2,2% 5,5% 4,6% 4,1% 3,3% 2,8% 0,6% 3,0% 1,0% 3,1% ,8% 36,5% 36,9% 43,0% 41,4% 45,3% 44,6% 57,8% 57,4% 59,3% 60,3% 50,5% ,0% 7,8% 1,1% 5,5% 4,6% 4,5% 3,2% 2,8% 4,6% 4,8% 6,1% 6,2% ,7% 5,7% 9,8% 4,1% 1,7% 1,1% 1,2% 1,1% 0,6% 0,3% 1,0% ,0% ,3% 2,6% 1,1% 1,6% 0,8% 0,8% 1,0% 0,4% 0,3% 0,5% ,3% 2,6% 3,3% 0,6% 3,3% 0,8% 2,1% 1,7% 1,1% 2,7% 2,1% 3,1% ,7% 20,8% 23,9% 23,1% 26,0% 29,7% 3 23,3% 25,0% 21,0% 23,5% 28,9% ,2% 13,6% 13,0% 7,4% 8,4% 6,8% 5,4% 2,8% 2,4% 1,6% 1,0% 3,1% ,3% 0,3% ,3% ,5% ,1% 0,6% 2,1% 0,9% 0,5% 1,4% 1,3% 0,8% 1,0% ,0% 1,0% 2,2% 2,5% 2,5% 2,0% 2,2% 1,8% 2,1% 1,1% 1,0% 1,0% ,7% 2,6% 4,3% 2,5% 2,9% 1,4% 3,8% 1,8% 3,3% 3,0% ,3% 1,0% 1,0% ,3% ,0% Fonte: Registros Paroquiais de Batismo da Matriz de Nossa Senhora do Pilar de São João del Rei,

10 O predomínio de pares de padrinhos e madrinhas livres já podia ser imaginado a partir dos dados das tabelas 1 e 2. Chama a atenção, porém, o fato de sua maior presença nos batismos de filhos naturais do que nos de legítimos, a exceção da década de 1741 a Sheila de Castro Faria também notou, para São Gonçalo do Recôncavo da Guanabara, no século XVII, e para Campos dos Goitacases, no século XVIII, que os escravos eram em maior proporção padrinhos de filhos legítimos do que de naturais. Em São Gonçalo, os cativos representavam 85,6% dos padrinhos de filhos legítimos e, em Campos, 63,3%. Já para os filhos naturais, 50,5% dos batizados em Campos e 36,2% dos batizados em São Gonçalo foram apadrinhados por livres ou libertos (FARIA, 1998, p ). Para além de demonstrar, como chama a atenção a autora, as teias sociais das escravas solteiras com os homens livres, estes dados sugerem outra questão. É notória na historiografia a relação direta entre dimensão das escravarias e nupcialidade dos cativos, uma vez que os senhores interditavam uniões legítimas entre escravos de diferentes proprietários e que, nas unidades menores, as possibilidades de se encontrar um cônjuge eram igualmente reduzidas. Ora, tomando como referência a afirmação de Ana Lugão Rios de que os padrinhos cativos predominavam nas escravarias maiores e os livres nas menores (RIOS, 1990), parece claro que legitimidade e presença de padrinhos cativos eram variáveis que acompanhavam a dimensão das escravarias. Daí serem mais freqüentes os padrinhos escravos entre os filhos legítimos, pois ambos estariam mais presentes nas unidades maiores. 10

11 Tabela 4 Condição de Padrinhos e Madrinhas dos Filhos Naturais de Escravas, por década Décadas Cond. Pds. e Mds. Pd. Ausente e Md. Ausente Pd. Ausente e Md. Livre Pd. Ausente e Md. Escrava Pd. Ausente e Md. Forra Pd. Livre e Md. Ausente Pd. Livre e Md. Livre Pd. Livre e Md. Escrava Pd. Livre e Md. Forra Pd. Livre e Md. Coartada Pd. Livre e Protetora Pd. Escravo e Md. Ausente Pd. Escravo e Md. Livre Pd. Escravo e Md. Escrava Pd. Escravo e Md. Forra Pd. Escravo e Protetora Pd. Coartado e Md. Ausente Pd. Coartado e Md. Forra Pd. Coartado e Md. Coartada Pd. Forro e Md. Ausente Pd. Forro e Md. Livre Pd. Forro e Md. Escrava Pd. Forro e Md. Forra Pd. Forro e Md. Coartada 2 Mds. Livres (s/pd.) 2 Pds. Livres (s/md.) 2 Pds. Escravos (s/md.) Total ,5% 16 2,9% 5 2,9% 14 2,2% 10 2,1% 19 1,4% 14 1,0% 10 1,0% 9 0,7% 6 0,8% 1 0,2% 5 1,0% ,2% 0,9% 0,2% 0,9% 0,6% 0,7% 0,5% ,2% 0,3% 0,2% ,6% ,5% 4,0% 1,7% 11,3% 7,8% 6,5% 8,0% 4,8% 2,5% 3,4% 2,9% 3,1% ,0% 32,8% 49,1% 45,0% 57,6% 63,9% 66,9% 71,8% 69,3% 70,3% 67,3% 54,8% ,6% 7,8% 5,8% 7,8% 6,1% 5,4% 4,7% 4,8% 6,3% 5,7% 5,3% 12,2% ,1% 20,4% 13,9% 9,4% 4,4% 2,2% 1,3% 0,6% 1,1% 0,8% 0,6% 0,6% ,2% 0,6% 0,8% ,3% 0,5% 0,4% 0,5% 0,6% 0,7% 0,2% 0,6% 0,6% ,4% 1,8% 3,5% 1,1% 1,5% 0,8% 0,9% 1,2% 1,5% 1,8% 1,4% 2,3% ,1% 14,5% 9,8% 6,5% 9,1% 11,2% 9,6% 10,4% 13,0% 13,4% 14,6% 22,2% ,5% 7,4% 6,3% 5,0% 2,8% 2,8% 1,5% 0,9% 1,1% 0,9% 1,0% 1,2% ,2% 0,2% ,3% 0,5% 0,6% 1,1% 0,7% 0,4% ,4% 0,9% 1,2% 1,5% 0,8% 0,6% 0,6% 0,6% 0,5% 0,3% 0,2% ,1% 1,8% 2,3% 2,3% 2,1% 1,2% 1,1% 0,8% 0,8% 0,5% 0,6% 0,4% ,2% 4,3 2,3% 5,8% 4,0% 1,8% 2,3% 1,3% 2,0% 1,4% 1,4% ,2% 0,3% 0,4% 2,7% 0,2% ,2% 0,4% Fonte: Registros Paroquiais de Batismo da Matriz de Nossa Senhora do Pilar de São João del Rei, Em situação de desigualdade social entre padrinhos e madrinhas, foi mais comum o par ser formado por um homem livre e uma mulher cativa, sobretudo para os filhos legítimos. Em relação aos filhos naturais, essa situação era suplantada, até 1770, pelo par homem livre e mulher forra. Em geral, nos casos de disparidade entre padrinhos e madrinhas, aqueles eram de situação social superior a destas, o que reforça o argumento de que seria principalmente dos homens que se esperava um auxílio material e/ou de proteção social, mais do que das madrinhas. Exceção a esse padrão era a maior freqüência de madrinhas forras e 11

12 padrinhos escravos, tanto entre os filhos legítimos como entre os naturais, do que a situação inversa, ou seja, padrinho forro e madrinha cativa. Isto pode ser explicado pela maior freqüência de alforrias femininas do que masculinas, refletindo-se num predomínio das mulheres forras em relação aos homens desta condição. Pode-se também lembrar da importância das mulheres libertas, tanto em termos de prosperidade econômica, como de congregar em torno de si e de seus negócios espaços de sociabilidade para a população cativa e liberta 7. Nesse sentido, as cativas que escolhiam as forras como madrinhas de seus filhos poderiam ter em relação a elas expectativas semelhantes as que nutriam em relação a padrinhos livres. Aliás, Sheila de Castro Faria aponta a freqüência de libertas que alforriavam crianças cativas, sobretudo meninas, de suas escravarias (FARIA, 2001). É possível supor que também os pais que as escolhiam como madrinhas de seus filhos objetivassem uma interferência na busca da alforria para seus afilhados. No entanto, a presença de madrinhas forras foi decrescente ao longo do período e, principalmente a partir de 1771, foi se tornando cada vez menos expressiva. Efetivamente, para os escravos de São João del Rei, a principal opção para o estabelecimento de elos de compadrio se dava em relação a homens e mulheres livres. 2. A Escravaria de Dona Ana Josefa Sousa: um estudo de caso Dona Ana Josefa Sousa era viúva e em seu inventário, aberto em 1808, foram arrolados 19 escravos. Se não era das maiores proprietárias da região, possuía uma escravaria de dimensão considerável para o padrão local. Entre 1790 e 1808, foram batizados, em São João del Rei, 18 filhos de cinco cativas de sua propriedade. Das 36 pessoas que apadrinharam estas crianças, apenas nove eram escravas. Seis delas pertencentes à escravaria de Dona Ana Josefa e uma à de Manoel Costa Rios, seu genro. Todos os demais padrinhos e madrinhas eram livres ou libertos. Uma primeira constatação, o predomínio de pessoas de fora da escravaria a exercerem o compadrio. Dentre as livres, chama a atenção Domingas Vieira, filha de uma preta forra, que foi madrinha de um filho legitimo de Maria crioula e Manoel Rebolo e de um filho natural de Dionísia parda. A prole de Dionísia, aliás, representou estratégia de apadrinhamento bastante interessante. Ela teve três filhos naturais, entre 1790 e 1794, e cinco legítimos com Domingos, pardo, entre 1797 e Nenhum deles teve sequer um padrinho ou madrinha cativo. João, batizado em 1793, foi apadrinhado pelo casal Manoel Costa Rios e Ana Esméria Sousa, esta filha e aquele genro de Dona Ana Josefa. Manoel apadrinhou, em 1794, também a Zeferino, que teve como madrinha Joana Freire, filha de José Mata, proprietário, em 1793, de sete escravos. Entre os filhos legítimos de Dionísia e Domingos, Francisco, em 1797, teve como padrinhos os filhos de sua senhora, Francisco José Teixeira e Maria Sousa Monteiro. Ana Esméria Sousa foi madrinha de mais um filho de Dionísia, Anastácio, batizado em 1800, desta vez, em companhia de seu cunhado José Costa Rios. E, por fim, Lucinda, batizada em 1805, teve como padrinho Antonio Costa Rios, que, embora não disponha de informações precisas, suponho, pela semelhança dos sobrenomes e proximidade do relacionamento, ser parente de José Costa Rios e Manoel Costa Rios, genro da proprietária da escravaria. Dionísia foi a única escrava da propriedade a ter como padrinhos de seus filhos membros da família senhorial. E os teve em abundância! Parecia ser, portanto, uma cativa que gozava de situação privilegiada em comparação com seus companheiros de cativeiro. Talvez por isso tenha sido escolhida como madrinha de Gregório, filho legítimo de Ana Benguela e José Ferreira, crioulo, batizado em Veja-se, por exemplo, a atuação importante das forras como negras de tabuleiro e a ocupação de espaços de sociabilidade junto à população negra. Cf. FARIA, 2001 e FIGUEIREDO,

13 No entanto, não é só através da prole de Dionísia que se pode perceber como o domínio senhorial se aproveitava dos elos de compadrio para exercer seu poder. O cruzamento das informações sobre famílias escravas e livres, permitiu-me perceber que o forro Jerônimo Almeida Coutinho, padrinho de Maria, filha legítima dos cabras Mariana e Damásio, tinha escolhido como padrinhos de sua filha, em 1792, a João Coelho padrinho de mais duas crianças desta escravaria - e Dona Ana Josefa Sousa. Esta foi também madrinha, juntamente com seu genro Manoel Costa Rios, em 1791, de uma filha legítima da forra Ana Gurgel Ferreira, que por sua vez foi madrinha de Luciano, filho de Ana Benguela e José Ferreira, crioulo. Ou seja, uma comadre e um compadre da proprietária da escravaria apadrinharam crianças a ela pertencentes. A teia de poder e aliança parece claramente delineada. Enquanto para alguns escravos mais próximos filhos e genros exerciam o apadrinhamento, para outros, os elos da parentela pareciam mais indiretos, recorrendo a parentes rituais. Em ambos os casos, porém, fica nítido como eram as relações da família senhorial que viabilizavam o diálogo entre o que Gudeman e Schwartz afirmaram ser dois idiomas distintos, ou seja, escravidão e compadrio. Dizer isso não significa, porém, negar interesses e escolhas feitas pelos próprios cativos em relação ao compadrio. Se para os senhores era interessante utilizar o compadrio como mecanismo de reforço de seu domínio, para os escravos não era menos buscar uma proximidade com a família senhorial, através do parentesco ritual, que pudesse lhes conceder melhores condições no cativeiro ou mesmo mais chances de conquista da alforria. 3. Compadrio de Escravos Adultos O apadrinhamento de escravos adultos 8 segue padrões distintos dos de crianças. Como observado para outras regiões, até 1760, é majoritária a escolha por padrinhos escravos. Este dado tem sido interpretado pela historiografia como sinal de que a escolha devia ser feita pelo proprietário, que, normalmente, indicava um outro cativo seu, já antigo na escravaria, como padrinho, objetivando que este ajudasse o afilhado a se ambientar no cativeiro. Roberto Guedes Ferreira, citando o viajante Debret, destaca o costume dos senhores escolherem escravos mais velhos ou virtuosos para apadrinharem africanos adultos; bem como a responsabilidade dos padrinhos para com os afilhados em sua adaptação ao cativeiro (FERREIRA, 2001, pp ). Tabela 5 Condição dos Padrinhos de Escravos Adultos, por décadas Cond. Pd. Livre Escravo Forro S/Pd. Total Décadas ,5% ,0% 20 5,2% 5 1,3% ,6% ,8% 20 6,0% 2 0,6% ,6% 72 64,3% 8 7,1% ,0% 96 41,0% 36 15,4% 6 2,6% ,3% 25 41,7% 6 10,0% ,4% 77 42,8% 12 6,7% 2 1,1% ,3% 29 37,7% 7 9,0% ,0% 3 15,0% 4 20,0% 2 10,0% ,7% ,3% 8 2,2% 3 0,8% ,8% 76 22,7% 5 1,5% ,4% 41 30,4% 3 2,2% ,4% 6 31,6% Fonte: MNSP. Registros Paroquiais de Batismo da Matriz de Nossa Senhora do Pilar de São João del Rei, É importante lembrar que estou trabalhando apenas com os escravos adultos batizados em São João del Rei. Tenho consciência de que muitos já haviam sido batizados na África ou mesmo nos portos de desembarque. 13

14 No entanto, como se pode observar na Tabela 6, não foram essas décadas as que apresentaram maior presença de padrinhos escravos do mesmo senhor que o batizando. Ao contrário, em momentos em que a opção por padrinhos cativos diminuiu, houve crescimento em termos percentuais da escolha interna à escravaria. Indício talvez de que a maior opção por padrinhos livres não se deu em detrimento daquela por cativos da mesma unidade, mas sim da escolha de cativos de fora dela. Ou seja, foi no universo externo à propriedade escravista, que houve a mudança, passando os escravos adultos a terem como padrinhos proporcionalmente mais homens livres do que cativos pertencentes a outros senhores. Tabela 6 Padrinhos Escravos da Mesma Escravaria que o Batizando Pd. Escravo da mesma escravaria que o batizando Pd. Escravo ,2% ,7% ,0% ,9% ,0% ,6% ,5% ,7% ,4% ,8% ,9% ,3% 6 Total ,2% 1080 Fonte: MNSP. Registros Paroquiais de Batismo da Matriz de Nossa Senhora do Pilar de São João del Rei, Ora, se a presença de padrinhos cativos do mesmo senhor que o batizando é interpretada como sinal de uma escolha senhorial, parece-me que os dados de São João del Rei permitem questionar se a tendência predominante foi realmente esta. Ou seja, não seriam os próprios batizandos que escolheriam seus padrinhos? Sheila de Castro Faria, referindo-se ao batismo de crianças, é categórica ao afirmar que seria absurdo supor senhores indicando como padrinhos de seus cativos escravos de outros donos (FARIA, 1998, p. 321). Lembrando da preocupação do Conde de Assumar, em 1719, com o fato de cativos serem apadrinhados por outros escravos, creio que dificilmente essa seria uma escolha senhorial. Fica, então, a questão: teriam os africanos recém-chegados condições de escolherem seus padrinhos? Possuiriam teias sociais que embasassem tais escolhas? E mais, por que estas recairiam preferencialmente sobre pessoas de fora da escravaria? É comum que os batizandos adultos sejam referidos, na historiografia, como recém-chegados. Tenho dúvidas, porém, de que os africanos fossem batizados tão rapidamente. As Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia determinavam que os cativos deveriam ser batizados, mas para isso deveriam manifestar o desejo de sê-lo. E antes disso, as mesmas Constituições determinavam que deveriam ser instruídos na fé católica, o que requereria certamente algum tempo e permitiria aos cativos estabelecerem laços com livres, libertos e escravos de sua escravaria ou não. (VIDE, 1720, Livro Primeiro, Título XIV). Além disso, devemos lembrar que os africanos não chegavam ao Novo Mundo completamente desprovidos de laços sociais. Robert Slenes analisou a constituição de 14

15 sociabilidades no tráfico, tanto na travessia da Kalunga, quanto ainda em solo africano nas viagens até os portos de embarque (SLENES, 1992). É claro que muitos malungos eram separados no desembarque, vendidos para diferentes regiões. Mas muitos podem ter seguido juntos do Rio de Janeiro para as Gerais, ou mesmo, nesta viagem, novos laços podem ter se construído entre os cativos destinados a São João del Rei. Na região, mesmo se vendidos para senhores diferentes, podem ter mantido relações sociais que poderiam se desdobrar em vínculos de compadrio. Em relação ao predomínio de pessoas de fora da escravaria a apadrinharem os cativos, uma vez mais deve se lembrar que o tamanho das mesmas é uma variável importante a ser considerada. Predominando em São João escravarias de menor tamanho, restringem-se as possibilidades de escolhas em seu interior. Em relação às madrinhas, observa-se que, embora as cativas aparecessem em proporções expressivas, seus índices eram inferiores aos dos homens escravos que atuaram como padrinhos de africanos. Além disso, nota-se uma tendência, ao longo do período, à diminuição do percentual de madrinhas escravas e um aumento da opção pelas livres. Assim como observado para os padrinhos, a maior presença proporcional de madrinhas escravas registra-se até Tabela 7 Condição das Madrinhas de Escravos Adultos, por décadas Cond. Md. Livre Escravo Forro Protetora S/Md. Total Décadas ,4% ,6% ,8% ,2% ,2% ,8% ,8% ,2% ,2% 51 45,5% 38 33,9% - 6 5,4% ,9% 74 31,8% 90 38,6% ,7% ,4% 21 35,0% 20 33,3% - 2 3,3% ,0% 58 32,2% 28 15,6% ,2% ,6% 17 22,1% 15 19,5% ,8% ,4% 6 31,6% ,0% ,7% ,4% 12 3,3% ,6% ,4% 72 21,8% 4 1,2% ,6% ,5% 39 29,5% 3 2,3% 1 0,8% 17 12,9% ,7% 4 21,0% ,3% 19 Fonte: MNSP. Registros Paroquiais de Batismo da Matriz de Nossa Senhora do Pilar de São João del Rei, OBS: Foram excluídos da Tabela 10 registros de batismo de escravos adultos nos quais as madrinhas foram substituídas por segundos padrinhos: um caso, entre 1761 e 1770; um, entre 1801 e 1810; cinco, entre 1821 e 1830; e três, entre 1831 e Uma vez mais o comportamento da escolha de madrinhas se assemelha ao dos padrinhos: os períodos de maior presença das cativas entre as madrinhas não correspondem às décadas de maior percentual de escravas pertencentes aos mesmos donos que os batizandos. São dominantes as relações externas à escravaria na escolha das madrinhas. 15

16 Tabela 8 Madrinhas Escravas da Mesma Escravaria que o Batizando Md. Escrava da mesma escravaria que o batizando Md. Escrava ,9% ,3% ,5% ,3% ,6% ,2% ,3% ,0% ,6% ,0% ,2% ,0% 4 Total ,6% 773 Fonte: MNSP. Registros Paroquiais de Batismo da Matriz de Nossa Senhora do Pilar de São João del Rei, As escolhas de pessoas de fora da escravaria eram, certamente, mais comuns nas menores propriedades. Tomando como exemplo uma grande unidade, como a de Tomás Mendes, que, em 1823, por ocasião de seu inventário, possuía 48 cativos e, entre 1812 e 1815, teve 20 escravos adultos batizados, percebe-se a preferência por padrinhos e madrinhas pertencentes ao mesmo senhor. Dos 20 padrinhos, 14 eram escravos e 13 deles pertenciam a Tomás Mendes. Dentre as madrinhas, os números se repetem e, mais do que isso, sempre que o padrinho era escravo de Tomás a madrinha também o era. O único casal de escravos que não pertencia à escravaria a apadrinhar um cativo adulto foi formado por Inácio, Inácio Angola e Faustina cabra. Ambos tinham à época do batizado, em 1815, cerca de 28 anos e pertenciam ao Capitão Jerônimo José Rodrigues. Genro de Tomás Mendes e casado sucessivamente com duas filhas suas. A proximidade familiar dos proprietários poderia tanto justificar uma escolha senhorial dos padrinhos, quanto propiciar maior contato entre seus cativos, que se desdobrassem em laços de compadrio. Em relação aos padrinhos pertencentes à escravaria de Tomás Mendes, não pude identificá-los no inventário do senhor, pois alguns possuíam nomes comuns como Antonio, João ou José. Já Anacleto, nome mais raro, não foi mencionado naquele documento. Talvez, já tivesse falecido ou sido negociado, por ocasião do falecimento de seu senhor, cerca de 10 anos depois dos batismos em que atuou. Em relação às madrinhas, a busca foi mais feliz. Em primeiro lugar, vale destacar que quatro escravas de Tomás Mendes foram madrinhas em 13 batismos. Destas, três eram crioulas, com idades entre 30 e 40 anos. A única africana, Juliana, de nação Benguela, era casada com Antonio Benguela, e possuía, na ocasião dos três batismos em que atuou, em 1813, aproximadamente, 60 anos. Ou seja, nitidamente, tratavamse de escravas já habituadas à vida no cativeiro, fosse por terem nele nascido ou, no caso da africana, por já apresentar uma idade avançada. Aptas por tanto a auxiliarem na adaptação dos novos cativos. 4. Conclusão É importante reafirmar, nesta conclusão, as idéias de Gudeman e Schwartz sobre as dificuldades em se compatibilizar os idiomas da escravidão e do compadrio(gudeman & SCHWARTZ, 1988). 16

17 O Sargento-Mor João da Silva Ribeiro de Queiroz protagonizou, em São João del Rei, uma situação incomum à sociedade escravista brasileira. Em seu testamento, datado de 1788, afirmava: Declaro que possuo um pardo meu afilhado por nome Cesário, filho de Caetana crioula escrava que foi de Dona Francisca, o qual, em atenção ao seu serviço, o hei por forro e liberto como se tal nascesse do ventre da mãe, e juntamente em atenção aos mesmos serviços, lhe deixo para sua sustentação 400$000 e meus testamenteiros lhe passarão carta de liberdade no caso que eu lhe não tenha passado (Inventário post-mortem do Sargento- Mor João da Silva Ribeiro de Queiroz, 1788, Cx. 421). Com já visto, raros foram os casos de proprietários que apadrinhavam seus próprios cativos. É possível que, à época do batismo, Cesário não fosse escravo do Sargento- Mor, pois sua mãe é referida, no documento acima, como ex-escrava de outra senhora. De qualquer forma, o modo de redação desta verba testamentária explicita o quanto o testador parecia não se sentir à vontade com o duplo vínculo que o unia a Cesário. Embora o tenha mencionado como seu afilhado e beneficiado com a liberdade e com o legado monetário, justificou estas concessões não pelos vínculos do compadrio, mas como se fazia normalmente a outros cativos pelos serviços por ele prestados. Mesmo destacando-o do conjunto de sua escravaria provavelmente em função do parentesco ritual que os unia utilizou-se da ideologia escravista, reforçando a lógica dos prêmios a que fariam jus os cativos que prestassem bons serviços a seus senhores. Mas o Sargento-Mor João da Silva Ribeiro de Queiroz não foi o único senhor a beneficiar um afilhado, que também era seu cativo, em testamento. O grande proprietário escravista Bento Pinto Magalhães assim se manifestou em uma das verbas do seu longo testamento: Ordeno que um afilhado que tenho por nome Roque e outro por nome Manoel que não é afilhado estes os coarto em 50$000, com declaração que servirão qualquer destes até terem 25 anos de idade por não ficarem fora do domínio; estes sem Doutrina se perdem e passados os 25 anos lhe darão meus testamenteiros dois anos para dentro neles procurarem as ditas quantias; e sendo caso que meus testamenteiros entendam que os sobreditos têm capacidade para se regerem e governar, dispensarão o tempo que faltar para os 25 anos, Roque ao fazer deste tem doze anos e Manoel oito; e recomendo a meus testamenteiros se não descuidem da administração, para que por falta desta e ensino e castigo procedam mal (Inventário post-mortem de Bento Pinto Magalhães, 1766, cx. 333). Bento não era um proprietário escravista comum. Foi senhor de mais de 60 cativos e, em seu testamento, afirmou o desejo de que todos os escravos e escravas que possuísse, depois de seu falecimento, fossem coartados, para, em um prazo de três anos, pagarem a terça parte do valor pelo qual fossem avaliados. Esta determinação se justifica, provavelmente, pelo fato de, por ocasião da redação do testamento, ser Bento ainda solteiro e sem herdeiros necessários. Quando morreu, porém, já era casado e com filhos, o que provavelmente justificou o não cumprimento daquela verba. No entanto, é interessante destacar que, com os dois escravos, Roque e Manoel, a preocupação de Bento parecia distinta das com os demais. A eles não bastava pagarem pela liberdade, deveriam permanecer até os 25 anos que, à época, era a maioridade legal dentro do domínio, recebendo o que o testador considerava serem os meios necessários para terem um bom encaminhamento na 17

18 vida administração, ensino e castigo. Não tenho como saber os motivos para que Manoel fosse destacado, mas Roque parecia dever a preocupação especial ao laço do parentesco ritual. Seriam irmãos estes dois cativos, o que justificaria terem sido tratados pelo senhor de forma semelhante? Infelizmente, não possuo resposta para a questão. Não localizei seus assentos de batismo, nem tenho qualquer outra informação sobre eles. O testamento de Bento foi escrito doze anos antes de sua morte, datando de 1754, enquanto o inventário foi aberto em Neste, nenhum escravo de nome Roque foi arrolado. Teria sido ele já alforriado pelo senhor, uma vez que, nesta época, já deveria estar próximo dos 25 anos de idade? Mais uma questão que fica em aberto... Escravos de nome Manoel existem vários listados no inventário... impossível saber se algum deles seria o referido naquela verba. De qualquer forma, o trecho do testamento deixa mais uma vez clara a complexidade da sociedade escravista. Um olhar anacrônico poderia não ver, nas palavras do testador, um benefício ao afilhado e a seu companheiro de cativeiro, posto que os seus demais escravos ficariam coartados num tempo menor do que o previsto para eles. No entanto, é importante perceber a existência de uma preocupação pedagógica na atitude senhorial. Ensino e castigo eram um binômio que, nesta sociedade, orientava ainda que sob formas e objetivos distintos não só a sujeição de cativos, mas também a criação dos filhos 9. Desta forma, esta preocupação do testador com seu afilhado pode ser lida por estes dois lados: educação filial e subordinação senhorial. Efetivamente, compadrio e cativeiro não eram facilmente compatibilizáveis. Nos momentos em que afilhados cativos foram de algum modo beneficiados por seus padrinhos/senhores, nota-se que as concessões eram justificadas claramente dentro da ideologia escravista. O compadrio ainda que gerasse uma relação de parentesco entre as partes envolvidas não rompia com a ordenação básica da sociedade. Caso sugestivo, a este respeito, foi narrado por Robert Slenes, referindo-se a uma escrava que, em Campinas, entre 1863 e 1865, fugiu por duas vezes do locatário de seus serviços, que era seu compadre, padrinho de uma de suas filhas (SLENES, 1997, p. 259) 10, o que demonstra que não necessariamente o compadrio gerava um vínculo de cumplicidade entre os envolvidos. O compadrio não era, por princípio, uma relação entre iguais. Antes, os pais, em geral, procuravam dar seus filhos a apadrinhar por pessoas de algum modo situadas acima deles na hierarquia social. Os legados testamentários deixados por padrinhos a afilhados eram, em certa medida, decorrência daquela lógica. Por outro lado, é inegável que afilhados se constituíam em recurso de poder importante de que dispunham os padrinhos. Maria Sylvia de Carvalho Franco tem razão quando afirma o componente de dominação existente nos laços entre padrinho e afilhado (FRANCO, 1969, p. 81). Acrescentaria, porém, que esta não se manifestava apenas entre os indivíduos assim vinculados, mas se estabelecia entre suas unidades familiares. O bando do Conde de Assumar, datado de 1719, demonstra uma percepção de que não só os livres se utilizavam dos mecanismos de poder presentes nos laços de compadrio. O Governador temia exatamente o ganho de poder conferido aos padrinhos negros por esse mecanismo, capaz de fortalecer lideranças entre eles. No entanto, Maria Sylvia de Carvalho Franco também destaca que esta dominação se ergue sobre um fundamento de equivalência. Pais e padrinhos aparecem, no ato batismal, partilhando responsabilidades sobre a criança. Neste sentido, ideologicamente, as distâncias sociais se minimizam. Simbolicamente, a hierarquia existente no compadrio se daria entre padrinhos e afilhados. Não foi à toa que se desenvolveu o hábito de estes deverem tomar a bênção àqueles (GOLDSCHMIDT, 1994). Seria um sinal de respeito quase filial. 9 Sobre o caráter pedagógico e exemplar do castigo para os escravos, cf. LARA, A história desta escrava é ainda fantástica, por ter-se tornado propriedade de um de seus filhos, tido com o senhor, que o reconheceu e deixou como herdeiro. 18

19 Mas pais e padrinhos, em princípio, são tidos nesta relação como iguais. Entre eles deveria haver solidariedade, na intenção do benefício das crianças. Era, provavelmente, a partir deste aspecto simbólico que afilhados e suas famílias, de todos os grupos sociais, geravam expectativas em relação aos padrinhos, sobretudo no que dizia respeito à proteção de seus parentes rituais. Daí a escolha freqüente de padrinhos mais bem situados na hierarquia social e que, portanto, disporiam também de mais recursos, não só econômicos, para proteger seus afilhados, inclusive, no caso dos cativos, facilitando-lhes o acesso à alforria. Não é à toa que, até hoje, os termos padrinho e madrinha são utilizados para designar benfeitores, ainda que nenhum parentesco ritual exista entre as partes. A idéia de proteção vincula-se quase que naturalmente ao termo apadrinhar, como se pode perceber, por exemplo, em um crime praticado na Vila de São José, em 1837, e analisado por Maria Tereza Cardoso (CARDOSO, 2002). Nele, o crioulo Manoel agrediu o pardo José com facadas, quando ambos procuravam conquistar a companhia da crioula forra Maria Clara. O agressor tentou ferir também a esta, mas, conforme se afirma no processo, ela se apadrinhou com outras mulheres que estavam no local. Não parece ser à toa que o termo assumia este significado, o que só se explica pela prática social de os afilhados serem protegidos por seus padrinhos. Para concluir, gostaria de destacar que se o compadrio se tornou uma relação extremamente relevante na sociedade brasileira, isso não se deveu apenas ao significado que possuía para a religião católica ou para a elite senhorial, interessada em ampliar suas teias de poder. Os cativos e seus descendentes incorporaram e re-significaram esta relação, a princípio, construída a partir de um sacramento católico. Nas religiões afro-brasileiras, encontramos alguns elementos que nos permitem sugerir essa atitude em relação ao compadrio. Segundo Yeda Pessoa de Castro, o termo compadre refere-se,entre o povo-desanto, ao exu que guarda o terreiro (CASTRO, 2001, p. 210). Ora, o exu é a entidade responsável pelos caminhos, pelo contato entre os homens e os orixás. Em última instância, é responsável por encaminhar as vidas dos fiéis, por realizar-lhes os pedidos. O paralelo com o compadrio parece-me claro. Além disso, o exu guardião dos terreiros deve proteger os que ali se encontram e todos devem saudá-lo ao entrar na casa. No candomblé, o xirê começa exatamente com cantigas para ele, que detém a primazia entre os orixás. Ora, justamente ele é referido como compadre. Na umbanda, a gira de Exu é também denominada de gira dos compadres e comadres. Estas últimas são as pombogiras. Ainda no candomblé, no ritual do oruncó, ou seja, na saída de iaô, quando este anuncia seu nome no meio do terreiro, assumindo assim uma nova identidade como filho de santo, é fundamental a atuação de um padrinho ou madrinha de oruncó, escolhido pelo Pai ou Mãe de Santo, entre os presentes. É esse padrinho ou madrinha que conduz o iaô e lhe indaga sobre seu nome. Normalmente, o papel é assumido por um outro Pai ou Mãe de Santo e a escolha tem o sentido de estabelecer ou reforçar laços entre as casa de candomblé. Novamente, o paralelo parece evidente. A saída de santo marca, para o iaô, o ingresso em uma nova vida e, através dela, se estreitam alianças entre casas de candomblé. De modo semelhante, no rito católico, o batizando ingressa na comunidade religiosa e, através do compadrio, se solidificam laços entre sua família e a dos padrinhos e madrinhas. Entendo que estes pequenos indícios têm força suficiente para demonstrar como cativos africanos e seus descendentes partilharam e re-elaboraram um elemento católico à luz de seus universos culturais. 5. Referências Bibliográficas ANDRADE, M. F. de. Revolta de Carrancas. In: VAINFAS, Ronaldo (org.) Dicionário do Brasil Imperial ( ). RJ: Objetiva, 2002, pp

20 BOTELHO, T. R. Batismo e Compadrio de Escravos: Montes Claros (MG), século XIX. Locus Revista de História, vol. 3. Juiz de Fora: EDUFJF, 1997, pp BRÜGGER, S. M. J. & KJERFVE, T.M.G.N. Compadrio: Relação Social e Libertação Espiritual em Sociedades Escravistas (Campos, ). Estudos Afro-Asiáticos, n o 20. RJ: Centro de Estudos Afro-Asiáticos da Universidade Cândido Mendes, junho de BRÜGGER, S.M.J. Minas Patriarcal - Família e Sociedade (São João del Rei; Séculos XVIII e XIX). Tese de Doutorado. Niterói, UFF, CARDOSO, M. T. Crime e Justiça na Comarca do Rio das Mortes (São José e São João del Rei, ). Material de Qualificação de Doutorado. Campinas: UNICAMP, CASTRO, Y. P. de. Falares Africanos na Bahia Um Vocabulário Afro-Brasileiro. RJ: Topbooks, FARIA, S. de C. A Colônia em Movimento: Fortuna e Família no Cotidiano Colonial. RJ: Nova Fronteira, FARIA, S. de C. O Cotidiano dos Negros no Brasil Escravista. Madri: Fundacion Tavera, no prelo. FARIA, S. de. Sinhás Pretas: Acumulação de Pecúlio e Transmissão de Bens de Mulheres Forras no Sudeste Escravista (séculos XVIII e XIX). In: SILVA, F.C.T. da, MATTOS, H. M. e FRAGOSO, J. (org.). Escritos sobre História e Educação Homenagem à Maria Yedda Leite Linhares. RJ: Mauad/FAPERJ, FERNANDES, F. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. SP: Ática, FERREIRA, R. G. O Parentesco Ritual na Freguesia de São José do Rio de Janeiro (Século XIX). Sesmaria Revista do Núcleo de Estudos Históricos e Pesquisas Sociais da Fundação Educacional Unificada Campograndense. No. 01, Ano I. RJ: FIGUEIREDO, L. Barrocas Famílias: Vida Familiar em Minas Gerais no Século XVIII. SP: HUCITEC, FIGUEIREDO, L. O Avesso da Memória: Cotidiano e Trabalho da Mulher em Minas Gerais no século XVIII. RJ/Brasília: José Olympio/EDUNB, FLORENTINO, M. & GÓES, J. R. A Paz nas Senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico (Rio de Janeiro, ). RJ: Civilização Brasileira, FLORENTINO, M. Em Costas Negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro. Séculos XVIII e XIX. RJ: Arquivo Nacional, FRANCO, M. S. de C. Homens Livres na Ordem Escravocrata. SP: Instituto de Estudos Brasileiros USP, FREYRE, G. Sobrados e Mucambos: Decadência do Patriarcado Rural e Desenvolvimento do Urbano. RJ: José Olympio Editora, 1985, Tomo I. GÓES, J. R. Tráfico, demografia e política no destino dos escravos no Rio de Janeiro da primeira metade do século XIX. Mimeo., GOLDSCHMIDT, E. Compadrio. In: SILVA, M. B. N. da (Coord.). Dicionário da História da Colonização Portuguesa no Brasil. Lisboa: Verbo, GORENDER, J. A escravidão Reabilitada. RJ: Ed. Ática, GORENDER, J. O Escravismo Colonial. SP: Ed. Ática, GUDEMAN, S. & SCHWARTZ, S. Purgando o Pecado Original: Compadrio e Batismo de Escravos na Bahia no século XVIII. In: REIS, J. J. (org.) Escravidão e Invenção da Liberdade. Estudos sobre o Negro no Brasil. SP: Ed. Brasiliense, KARASCH, M. C. A Vida dos Escravos no Rio de Janeiro SP: Cia. das Letras, LARA, S. H. Campos da Violência: Escravos e Senhores na Capitania do Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, MATTOS de CASTRO, H. M. Das Cores do Silêncio. Os significados da liberdade no Sudeste Escravista Brasil século XIX. RJ: Arquivo Nacional,

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. A carta de alforria trazia as seguintes informações: identidade do dono [...],

Leia mais

BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854

BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854 BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854 Solange Mouzinho Alves 1 Solange P. Rocha 2 Aos seis de abril de mil oitocentos trinta e três nesta Matriz de Nossa Senhora

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br Registros de Batismo da Paróquia Nossa Senhora Penha de França: Uma fonte para o estudo do cotidiano privado das crianças negras livres na província de São Paulo (1871-1888). Desafios e possibilidades

Leia mais

APEBA - Judiciário/ Relação de 33 Inventários de Santo Antônio de Jesus 1870-1888.

APEBA - Judiciário/ Relação de 33 Inventários de Santo Antônio de Jesus 1870-1888. 1 ARRANJOS FAMILIARES NOS LIMITES DA ESCRAVIDÃO EM SANTO ANTÔNIO DE JESUS BAHIA (1871-1888) ELIETE MARQUES DOS SANTOS VAZ As relações familiares entre cativos assumiram várias formas no Brasil escravista.

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO

O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO (1845 a 1865). Roberta França Vieira Zettel Mestranda da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Leia mais

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Alan de Carvalho Souza 1 ppunk_alan@hotmail.com A proposta desse texto é analisar

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência 20 Maioria dos brasileiros apoia mudanças na previdência Sete em cada dez brasileiros reconhecem que o sistema previdenciário brasileiro apresenta

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835)

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) 1 JOCENEIDE CUNHA Nos anos oitenta do século XX, surgiu a chamada nova historiografia da escravidão. Entre os pesquisadores

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

ARRANJOS FAMILIARES DE MULHERES NEGRAS NA CIDADE DA PARAHYBA, 1862-1864

ARRANJOS FAMILIARES DE MULHERES NEGRAS NA CIDADE DA PARAHYBA, 1862-1864 ARRANJOS FAMILIARES DE MULHERES NEGRAS NA CIDADE DA PARAHYBA, 1862-1864 Larissa Bagano Dourado Universidade Federal da Paraíba - lariy@live.com Dayanny Deyse Leite Rodrigues Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

ESCRAVIDÃO E RELAÇÕES DE COMPADRIO NA VILA DE ITA- GUAÍ - SÉCULO XIX

ESCRAVIDÃO E RELAÇÕES DE COMPADRIO NA VILA DE ITA- GUAÍ - SÉCULO XIX Escravidão e relações de compádrio... ESCRAVIDÃO E RELAÇÕES DE COMPADRIO NA VILA DE ITA- GUAÍ - SÉCULO XIX KELEN FERNANDES DOS SANTOS SILVA 1 1. Bolsista de Iniciação Científi ca PIBIC/CNPq/UFRuralRJ,

Leia mais

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS A. LIVRO Anotar número do livro. B. FOLHAS Anotar número inicial e final de cada testamento. C. DATA Anotar a data do documento (dia/mês/ano4dígitos).

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Francemberg Reis¹; Lucilene Reginaldo²

Francemberg Reis¹; Lucilene Reginaldo² 1368 METODOLOGIAS PARA A HISTÓRIA SOCIAL: A TRAJETÓRIA DE INDIVÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA ATRAVÉS DA DOCUMENTAÇÃO PAROQUIAL, JUDICIÁRIA E CARTORIAL (1870 1930) Francemberg Reis¹; Lucilene Reginaldo² 1.

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil

Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil Vasconcellos, Marcia Cristina de O compadrio entre escravos numa comunidade em transformação (Mambucaba, Angra

Leia mais

PASSANDO PELOS RITOS SACRAMENTAIS, NASCER E O MORRER: DAS CRIANÇAS ESCRAVIZADAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VILA DE BELMONTE (1867-1888)

PASSANDO PELOS RITOS SACRAMENTAIS, NASCER E O MORRER: DAS CRIANÇAS ESCRAVIZADAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VILA DE BELMONTE (1867-1888) PASSANDO PELOS RITOS SACRAMENTAIS, NASCER E O MORRER: DAS CRIANÇAS ESCRAVIZADAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VILA DE BELMONTE (1867-1888) JAMILLY BISPO LAUREANO 1 Dr.ª JOCENEIDE CUNHA 2 INTRODUÇÃO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS 1 - O que é Beneficiário Indicado? Qualquer pessoa física indicada pelo Participante conforme definido no regulamento do Plano. 2 - O que

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Janaina Christina Perrayon Lopes Mestranda UFRJ

Janaina Christina Perrayon Lopes Mestranda UFRJ Casamentos de escravos e forros nas freguesias da Candelária, São Francisco Xavier e Jacarepaguá: uma contribuição aos padrões de sociabilidade marital no Rio de Janeiro (c.1800-c. 1850) Janaina Christina

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMO Filosofia de vida da qual deriva uma atitude crítica frente aos factos e perante a sociedade Tomada de consciência Resposta que conduz à mudança, a partir

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

a família escrava em Serrinha

a família escrava em Serrinha Laços de amor e amizade: a família escrava em Serrinha Ana Paula Carvalho Trabuco Lacerda 1 Resumo: O estudo da família escrava em Serrinha (1868-1888), atual cidade do interior do estado da Bahia, a 173

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Compadrio em uma freguesia escravista: Senhor Bom Jesus do Rio Pardo (MG) (1838-1888)

Compadrio em uma freguesia escravista: Senhor Bom Jesus do Rio Pardo (MG) (1838-1888) Compadrio em uma freguesia escravista: Senhor Bom Jesus do Rio Pardo (MG) (1838-1888) Jonis Freire Palavras-chave: Batismo; Compadrio; Identidade escrava. Resumo O presente trabalho tem como objetivo estudar

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Formação, Exercício e Compromisso Social

Formação, Exercício e Compromisso Social Formação, Exercício e Compromisso Social Antonio Francisco de Oliveira 1 Vice-Presidente do CAU/BR Coordenador da CEP-CAU/BR A Arquitetura e Urbanismo é, sem sombra de dúvida, uma das profissões cujo exercício

Leia mais

Senhores e pais: reconhecimento de paternidade dos alforriados na pia batismal na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar de São João del-rei (1770-1850)

Senhores e pais: reconhecimento de paternidade dos alforriados na pia batismal na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar de São João del-rei (1770-1850) Senhores e pais: reconhecimento de paternidade dos alforriados na pia batismal na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar de São João del-rei (1770-1850) Cristiano Lima da Silva * Mestre em História Social

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

PADRINHOS E MADRINHAS: A legitimação de relações sociais

PADRINHOS E MADRINHAS: A legitimação de relações sociais PADRINHOS E MADRINHAS: A legitimação de relações sociais UERISLEDA ALENCAR MOREIRA 1 A família no Brasil Colonial e Imperial tem sido tema recorrente em estudos históricos desde meados dos anos 1980, em

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ ED Comunicação e Expressão 2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 1 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014 Padre Simão Rodrigues de Sá, um patriarca de batina José Rodrigues da Silva Filho Graduado em História, UFRN Orientadora: Carmen Margarida Oliveira Alveal rodrigues.omagno@gmail.com Quando se trata de

Leia mais

O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire

O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire Área Temática 01 História econômica e demografia histórica Resumo: O artigo trata das relações familiares

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Resultados 62 Resultados 63 Resultados 64 Resultados 65 Resultados 66 Discussão 67 4. DISCUSSÂO Até a década de 70, os estudos e os modelos de tratamento eram estruturados e embasados nas características

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

NOVAS PERSPECTIVAS E NOVO OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA ADOÇÃO:

NOVAS PERSPECTIVAS E NOVO OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA ADOÇÃO: NOVAS PERSPECTIVAS E NOVO OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA ADOÇÃO: Andreia Winkelmann Ineiva Teresinha Kreutz Louzada INTRODUÇÃO: O tema da adoção instiga muita curiosidade e torna-se extremamente necessário à

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros UNIÃO HOMOAFETIVA Tâmara Barros O relacionamento entre pessoas do mesmo sexo ainda é uma questão controversa para a maior parte da população da Grande Vitória, conforme pode ser averiguado através de pesquisa

Leia mais

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de Estudos Africanos (USP), (4): 105-109, 1981. VILA RICA:

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES Maria Carolina Matias Morales Toda a regulamentação existente em torno da contratação de mão de obra estrangeira para trabalho em

Leia mais

A reprodução da população escrava em Porto Alegre, na década de 1780

A reprodução da população escrava em Porto Alegre, na década de 1780 A reprodução da população escrava em Porto Alegre, na década de 1780 Luciano Costa Gomes 1 Na década de 1780, os escravos compunham um terço da população de Porto Alegre, capital da Capitania do Rio Grande

Leia mais

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ano 19 Nº 13 - O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em A partir da aprovação da Emenda Constitucional n 72,

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Luiza Wainer UMA REFLEXÃO SOBRE A CONDIÇÃO DO HOMEM LIVRE NO ROMANCE FOGO MORTO, DE JOSÉ LINS DO REGO São Paulo/SP

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA Como instituição social, a família é definida pelas funções sociais

Leia mais

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO DIOCESE DE BRAGANÇA MIRANDA NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO Para os Párocos e respetivas comunidades Cristãs, especialmente para os Pais e para os Padrinhos 2012 1 A ESCLARECIMENTO PRÉVIO

Leia mais

A Família e o Movimento pela Inclusão

A Família e o Movimento pela Inclusão A Família e o Movimento pela Inclusão (Mônica Pereira dos Santos) 1 Já sabemos que a luta pelos direitos dos portadores de deficiência não é recente. No Brasil, se traçarmos uma demarcação temporal, podemos

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Paulo José Pereira 1 Maria Coleta Ferreira Albino de Oliveira 2 Introdução Pesquisar

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA RETIRADA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ACOLHIDAS DAS ENTIDADES ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO CAOPCAE/PR

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA RETIRADA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ACOLHIDAS DAS ENTIDADES ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO CAOPCAE/PR PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA RETIRADA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ACOLHIDAS DAS ENTIDADES ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO CAOPCAE/PR 1 - A autorização para que crianças e adolescentes passem as festas de final de

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC Giovana Cadorin Votre 1, Talita Daniel Salvaro 2, Elisandro Raupp Prestes 3 1 Aluna do 2 o ano do curso

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais