SPAECE 2 LÍNGUA PORTUGUESA SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SPAECE 2 LÍNGUA PORTUGUESA SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO ISSN 1982-7644"

Transcrição

1 SPAECE ISSN SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA EM

2

3 ISSN SPAECE 2008 BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO

4 Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria da Educação. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará - SPAECE Boletim Pedagógico de Avaliação: Língua Portuguesa, Ensino Médio. Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação, CAEd. v. 1 (jan/dez. 2008), Juiz de Fora, 2008 Anual Editor: Anderson Córdova Pena Conteúdo: v.1. Ensino Médio ISSN Ensino Médio - Avaliação - Periódicos CDU :371.26(05)

5 Governador Cid Ferreira Gomes Vice-Governador Francisco José Pinheiro Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio Idilvan de Lima Alencar Coordenadora de Avaliação e Acompanhamento da Educação Ana Cristina de Oliveira Rodrigues Orientador de Avaliação do Desempenho Acadêmico Alessio Costa Lima

6 Equipe Técnica Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora Coordenação Geral Lina Kátia Mesquita Oliveira Coordenador Técnico Manuel Fernando Palácios da Cunha e Melo Coordenação Estatística Tufi Machado Soares Coordenação de Divulgação dos Resultados Anderson Córdova Pena Equipe de Banco de Itens Verônica Mendes Vieira (Coord.) Mayra da Silva Moreira Equipe de Análise e Medidas Wellington Silva (Coord.) Ailton Fonseca Galvão Clayton Vale Rafael Oliveira Célula de Avaliação do Desempenho Acadêmico da Secretaria da Educação Orientador Alessio Costa Lima Assessora Técnica Maria Iaci Cavalcante Pequeno Assistente Técnica Maria Noraelena Rabelo Melo Técnicas Francisca Eliane Dias de Carvalho Mirna Gurgel Carlos da Silva Rosângela Teixeira de Sousa Informática Philipe Azevedo de Araújo Equipe Responsável pela Elaboração do Boletim Lina Kátia Mesquita Oliveira (Org.) Manuel Fernando Palácios da Cunha e Melo (Org.) Anderson Córdova Pena Equipe de Língua Portuguesa Hilda Aparecida Linhares da Silva Micarello (Coord.) Josiane Toledo Ferreira Silva (Coord.) Ana Letícia Duin Tavares Maika Som Machado Edson Munck Begma Tavares Barbosa Marilda Clareth Bispo de Oliveira Equipe de Matemática Lina Kátia Mesquita Oliveira (Coord.) Denise Mansoldo Salazar Mariângela de Assumpção de Castro Tatiane Gonçalves de Moraes Mara Sueli Simões Moraes Nelson Antõnio Pirola Equipe de editoração Hamilton Ferreira (Coord.) Clarissa Aguiar Marcela Zaghetto Raul Furiatti Moreira Vinicius Peixoto

7 Sumário Apresentação Linha de Chegada! A Travessia O que é o SPAECE? Estação Matriz Estação Resultados Estação Transformação Linha de Partida

8

9 Apresentação Caro(a) Professor(a), A Secretaria de Educação definiu como um dos eixos programáticos, previstos para o quadriênio 2007/2010, o Programa Aprender pra Valer que tem por finalidade a elevação do desempenho acadêmico dos alunos do Ensino Médio, tendo em vista a aquisição dos níveis de proficiência adequados a cada série. Nesse sentido, instituiu, como uma das vertentes do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará - SPAECE, a Avaliação Censitária do Ensino Médio, incluindo pela primeira vez todos os alunos da 1ª, 2ª e 3ª séries desse nível de ensino. Essa avaliação produz um diagnóstico do nível de desempenho de cada aluno das três séries avaliadas, bem como da evolução desse desempenho ao longo da trajetória escolar, possibilitando a formulação e reformulação de politicas que visam a correção das distorções evidenciadas e por conseguinte a melhoria dos padrões de desempenho do Ensino Médio. Como você sabe, conhecer a condição atual de nossos alunos e identificar suas dificuldades de aprendizagem é imprescindível para que possamos planejar ações e estabelecer metas capazes de corrigir as distorções evidenciadas e as desigualdades de oportunidades de aprendizagem Assim, é com muita satisfação que a Secretária da Educação apresenta, por intermédio deste Boletim, os resultados da Avaliação do Ensino Médio realizada em dezembro de 2008 na rede estadual de ensino. Este Boletim Pedagógico, além de dar visibilidade ao processo avaliativo, possibilita a divulgação e apropriação dos resultados escolares, reafirmando o compromisso da SEDUC de fazer chegar aos principais usuários, as informações necessárias à melhoria da aprendizagem de cada turma e de cada aluno do Ensino Médio avaliado. Contamos, professor, com seu efetivo trabalho enquanto principal protagonista do processo educativo. Esperamos que toda equipe da escola assuma o compromisso para utilização deste Boletim, criando espaços de reflexão e discussão dos resultados alcançados pela escola, para que possam planejar ações concretas e eficazes que favoreçam a melhoria significativa da qualidade dos serviços educacionais ofertados ao jovem cearense. Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretária da Educação 7

10 Linha de chegada! Professor, No ano passado, a sua escola passou por uma avaliação em larga escala que incluiu a aplicação de testes de proficiência aos alunos. Para que você possa se apropriar dos resultados dessa avaliação, nós, da Secretaria da Educação SEDUC, em parceria com o Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora, CAEd/UFJF, elaboramos este Boletim Pedagógico. Esperamos que o estudo desse material, ao possibilitar o diagnóstico do desempenho dos alunos, contribua para criar uma cultura de discussão e utilização dos resultados da avaliação em sua escola. Esse é um passo importante para a implementação de ações pedagógicas coletivas capazes de garantir o direito a uma educação de qualidade e à igualdade de oportunidades educacionais a todos os nossos alunos. Neste boletim, o ponto de partida é a Linha de Chegada. Vamos explicar por que: Por que começar pela Linha de chegada? No processo de avaliação em larga escala, a entrega dos resultados significa o fim de uma etapa e o começo da outra. Estamos começando este Boletim pela Linha de Chegada!, porque o processo avaliativo não se esgota na constatação dos resultados obtidos por sua escola; pelo contrário, é aí que ele se inicia. Para isso, convidamos você, professor, a percorrer uma interessante trajetória, que começa pela chegada dos resultados à sua escola. Nossa caminhada está quase começando...

11 A quais informações você terá acesso? A divulgação dos resultados das avaliações em larga escala é importante, para que as escolas possam, a partir deles, organizar debates, reestruturar as estratégias de ensino adotadas, redefinir as metas que podem ser estabelecidas, considerando-se os indicadores que associam o fluxo escolar, representado pelos índices de aprovação, reprovação e abandono da escola, às médias de proficiência alcançadas pelos alunos. Pensando nisso é que criamos uma série de ações com o propósito de levar a você e a toda a sua comunidade escolar uma nova forma de entender os resultados das avaliações em larga escala. Além deste boletim pedagógico com os resultados de sua escola, você terá acesso: ÂÂAo Documento Matrizes Detalhadas para Avaliação : material com o detalhamento de todas as Matrizes de Referência para Avaliação em Língua Portuguesa e Matemática e com vários exemplos de itens. ÂÂAo Documento Guia de Elaboração de Itens : um guia de fácil utilização e que traz, passo a passo, a metodologia de elaboração de itens para testes de proficiência. ÂÂAos Boletins de Resultados: com o cruzamento entre dados socioeconômicos dos alunos, dos professores e diretores e os níveis de proficiência alcançados pela escola. ÂÂAo Portal da Avaliação: um grande portal sobre avaliação, com inúmeras informações sobre as avaliações em larga escala e diversos documentos importantes, que você pode consultar e estudar. ÂÂAos vídeos direcionados aos gestores: todas as escolas receberão um vídeo com informações e diretrizes para o trabalho com o material de divulgação dos resultados. Isso será muito importante para o comprometimento e motivação de toda a equipe. Como você pode perceber, todos esses materiais têm a função de contribuir com o trabalho de detectar os principais problemas de aprendizagem de seus alunos e, ao mesmo tempo, apoiar você no estabelecimento de projetos pedagógicos que visem a elevar os níveis de desempenho dos alunos, bem como reduzir os índices de reprovação e abandono da escola.

12 A TRAVESSIA Professor, para iniciar nossa caminhada, seguiremos um roteiro no qual estão previstas três paradas. Cada parada é representada por uma estação e, em cada estação, vamos aprender algo diferente. Leia atentamente o roteiro, siga as instruções e aproveite o máximo, para que, juntos, façamos um excelente percurso.

13 O trajeto: Para completar nosso percurso, devemos passar por três estações e nove trilhas. Em cada estação, existem desafios a enfrentar. É de grande importância que você vença os desafios; isso lhe permitirá extrair todas as informações que o Boletim Pedagógico apresenta. O propósito desses desafios é o de proporcionar reflexão, aprendizado e superação. Aconselhamos que você apenas avance em uma trilha, quando todos os conceitos tratados na anterior estiverem bem claros para você. Com o objetivo de dinamizar nossa caminhada, criamos uma rede interativa para troca de experiências, debates e muitas outras informações. É um grande Portal, inteirinho à sua disposição! O Portal: O Portal da Avaliação é um site com informações sobre avaliação da educação realizada em diversos Estados que, como o nosso, fazem a avaliação externa de suas redes educacionais. Os endereços são e Neles, você também encontrará a Matriz de Referência para Avaliação, a Escala de Proficiência e os resultados de sua escola e de todas as outras que participaram da avaliação em nosso Estado. Poderá baixar vários documentos e fazer muitas outras descobertas. Para organizar todas essas novidades, você pode registrar o seu aprendizado e o passo a passo da caminhada em um Diário de Bordo. O Diário: Sugerimos que você tenha um Diário de Bordo. Ele é um caderno para anotar as suas dúvidas, opiniões e sugestões sobre este Boletim e o Portal. Com esse caderno, você poderá redefinir a trajetória, rever as direções, enfim, refletir sobre seu percurso. Isso ajudará você a aproveitar melhor a viagem, repensando constantemente o caminho percorrido e o que ainda percorrerá. Essas anotações são muito preciosas e, portanto, devem ser compartilhadas com todos os seus companheiros de trajeto. Os companheiros: Forme um grupo de colegas em sua escola, converse com a direção e a equipe pedagógica sobre o Boletim e troque informações com a sua Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (CREDE) ou Secretaria Municipal de Educação. Mas, antes, vamos falar sobre o SPAECE. Aqui, você conhecerá um pouco da estrutura do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará, o SPAECE. Saberá também da importância dele para a melhoria da qualidade da educação em nosso Estado. Já está quase na hora da partida!

14 O que é o SPAECE? O Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação (SEDUC), vem implementando, desde 1992, o Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará SPAECE. Esse sistema tem por objetivo fornecer subsídios à formulação, reformulação e monitoramento das políticas educacionais, além de possibilitar aos professores, diretores escolares e gestores educacionais um quadro da situação da Educação Básica na rede pública de ensino. O SPAECE, na vertente Avaliação de Desempenho Acadêmico, caracteriza-se como avaliação externa em larga escala, que avalia as competências e habilidades de alunos do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, em Língua Portuguesa e Matemática. As informações coletadas a cada avaliação identificam o nível de proficiência e a evolução do desempenho dos alunos. Realizada de forma censitária e universal, essa avaliação abrange as escolas estaduais e municipais, utilizando testes, com itens elaborados pelos professores da rede pública, tendo como orientação os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) do Ministério da Educação (MEC) e os Referenciais Curriculares Básicos (RCB) da SEDUC. São aplicados, também, questionários contextuais, investigando dados socioeconômicos e hábitos de estudo dos alunos, perfil e prática dos professores e diretores. Por considerar a importância da avaliação como instrumento eficaz de gestão, a SEDUC amplia, a partir de 2007 a abrangência do SPAECE, incorporando a avaliação da alfabetização e expandindo a avaliação do Ensino Médio para as três séries de forma censitária. Dessa forma, o SPAECE passa a ter três focos: Â Â ÂÂ ÂÂ Avaliação da Alfabetização SPAECE-Alfa (2º ano). Avaliação do Ensino Fundamental (5º e 9º anos). Avaliação do Ensino Médio (1ª, 2ª e 3 ª séries). A idealização do SPAECE-Alfa surge em decorrência da prioridade do atual governo na alfabetização das crianças logo nos primeiros anos de escolaridade, expressa através do Programa Alfabetização na Idade Certa (PAIC). O SPAECE- Alfa consiste numa avaliação anual externa e censitária, para identificar e analisar o nível de proficiência em leitura dos alunos do 2º ano do Ensino Fundamental das escolas da rede pública (estaduais e municipais), possibilitando construir um indicador de qualidade sobre a habilidade em leitura de cada aluno, o qual permite estabelecer comparações com os resultados das avaliações realizadas pelos municípios e pelo Governo Federal (Provinha Brasil).

15 A avaliação do Ensino Fundamental, de natureza censitária, dando continuidade à série histórica do SPAECE, manteve-se com periodicidade bianual, intercaladas aos ciclos do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica SAEB. A referida avaliação é realizada nos anos finais de cada etapa do Ensino Fundamental, com a finalidade de diagnosticar o estágio de conhecimento, bem como analisar a evolução do desempenho dos alunos do 5º e 9º anos e os fatores associados a esse desempenho, produzindo informações que possibilitem a definição de ações prioritárias de intervenção na rede pública de ensino (estadual e municipal). A avaliação do Ensino Médio, realizada anualmente, de forma censitária nas três séries desta etapa de escolaridade, envolve todas as escolas da rede estadual, e seus anexos, localizadas nos 184 municípios cearenses. O conjunto de informações coletadas pelo SPAECE permite montar um quadro sobre os resultados da aprendizagem dos alunos, seus pontos fracos e fortes, e sobre as características dos professores e gestores das escolas estaduais. Em se tratando de uma avaliação longitudinal, possibilita, ainda, acompanhar o progresso de aprendizagem de cada aluno ao longo do tempo. Em 2008, a avaliação do SPAECE realizou-se de forma censitária em, aproximadamente, 628 escolas estaduais e escolas municipais, dos 184 municípios do Ceará, que têm alunos matriculados no 2º SPAECE-Alfa, 5 e 9 anos do Ensino Fundamental e na 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio, em turmas de Ensino Regular. Não participaram do SPAECE 2008 as escolas de Educação Especial e as turmas de Classes de Aceleração e de Educação de Jovens e Adultos (EJA) pela dificuldade de conciliar os parâmetros da avaliação com as especificidades dessas modalidades de ensino. Nessa 12ª edição participaram alunos distribuídos da seguinte forma: Ano/série Número de Alunos Rede Estadual Rede Municipal TOTAL 2 o EF o EF o EF a EM a EM a EM TOTAL No SPAECE 2008, foram avaliados o nível de alfabetização dos alunos do 2º ano do Ensino Fundamental (SPAECE-Alfa) e as competências e habilidades nas áreas de Língua Portuguesa e Matemáticas dos alunos do 5º e 9º anos do Ensino Fundamental e da 1ª, 2ª 3ª séries do Ensino Médio, mediante aplicação de testes. Além dos aspectos cognitivos (conhecimentos), avaliação do SPAECE inclui aspectos contextuais coletados por meio da aplicação de questionários: o do aluno, com o objetivo de obter dados sobre o perfil socioeconômico e sua trajetória escolar; o do professor, para traçar o perfil e a prática docente; e o do diretor, para traçar o perfil e a prática de gestão. O conjunto de informações coletadas pelo SPAECE permite diagnosticar a qualidade da educação pública em todo o Estado, produzindo resultados por aluno, turma, escola, município e CREDE. Ao mesmo tempo, os indicadores servem de base à implementação de políticas e de novas e criativas práticas pedagógicas nas escolas e municípios que se valem das informações produzidas. O SPAECE constitui-se numa ferramenta essencial para promover o debate público e favorecer a promoção de ações orientadas para a democratização do ensino, e capazes de garantir a todos igualdade de oportunidades educacionais. Para conhecer melhor o SPAECE, consulte o Portal da Avaliação nos sites e e obtenha mais informações sobre as diversas avaliações realizadas e seus resultados. Registre em seu Diário de Bordo suas descobertas.

16 Vejamos por quais estações você deverá passar. Estação: MATRIZ Nesta parte do percurso, vamos estudar a Matriz de Referência para Avaliação do SPAECE, suas relações com a Matriz Curricular de Ensino, e entender a composição dos testes de proficiência e como eles são analisados. Tudo isso percorrido em três trilhas. Trilhas a percorrer: ÂÂ ÂÂ ÂÂ As Matrizes de Referência para Avaliação de Língua Portuguesa do Ensino Médio. A Composição dos Testes de Proficiência. A Metodologia de Análise dos Testes. Desafios a cumprir: ÂÂ ÂÂ ÂÂ Estabelecer a diferença entre Matriz Curricular e Matriz de Referência para Avaliação. Consultar o documento Matrizes de Referência para Avaliação. Elaborar itens com base no Documento Guia de Elaboração de Itens. Objetivo a alcançar: ÂÂCompreender a Matriz de Referência para Avaliação, a composição e análise dos testes. Estação: RESULTADOS Nesta estação, estão os resultados de sua escola. Haverá uma Escala de Proficiência em que você poderá acompanhar o caminho trilhado pelos alunos na conquista de suas habilidades e competências acadêmicas. Você descobrirá como está o ensino na sua escola. Será a mais importante descoberta do Boletim, temos a certeza! Trilhas a percorrer: ÂÂ ÂÂ ÂÂ Análise dos Resultados da sua Escola. A Escala de Proficiência. Os Perfis de Desempenho em Língua Portuguesa. Desafios a cumprir: ÂÂCompreender Gráfico do Percentual de Alunos por Nível de Proficiência. ÂÂConsultar a Escala no Portal da Avaliação. ÂÂCompor o Quadro do Diagnóstico Pedagógico da Escola. Objetivo a alcançar: ÂÂ Conhecer quais habilidades em Língua Portuguesa já foram consolidadas por seus alunos e aquelas que ainda precisam de uma atenção especial.

17 Estação: TRANSFORMAÇÃO Os resultados que você descobriu na estação anterior são as coordenadas necessárias para este trecho do percurso. Os números passarão, então, a ter um significado cada vez mais próximos de você, até ser possível identificar aqueles alunos que necessitam de uma atenção especial e planejar intervenções que possam atendê-los. Será uma transformação e tanto. Trilhas a percorrer: ÂÂ ÂÂ ÂÂ Sugestões de Atividades Pedagógicas. A Prática do Diálogo na Escola sobre a Avaliação. Histórias de Sucesso. Desafios a cumprir: ÂÂ ÂÂ Aplicar em sala algumas das atividades sugeridas. Fomentar, na escola, o diálogo sobre a avaliação. Objetivo a alcançar: ÂÂUtilizar os resultados do SPAECE para transformar a realidade escolar. Finalizaremos nossa jornada no Ponto de Partida. Parece estranho terminar assim, mas você entenderá o porquê. Agora é sua vez: consulte o Portal, leia este Boletim, releia, leia de novo e o mais importante pergunte! As dúvidas e questionamentos que você anota no Diário de Bordo não devem ficar no papel. Troque informações, busque outras opiniões, converse, interaja por meio dos canais de comunicação feitos para você no Portal!

18

19 Estação Matriz Para continuar sua caminhada, você terá que passar pelas trilhas desta Estação: 991ª Trilha. A Matriz de Referência para Avaliação de Língua Portuguesa do Ensino Médio ª Trilha. A Composição dos Testes de Proficiência. 3ª Trilha. A Metodologia de Análise dos Testes. Bem-vindo à Estação Matriz!

20

21 Professor, você já deve ter percebido que as crianças têm contato com as letras mesmo antes de frequentar a escola. Elas veem placas, folhetos de supermercados, cartazes, revistas, jornais, dentre outros materiais escritos. Além disso, observam, em situações do dia a dia, as pessoas lendo, escrevendo, falando... Elas próprias, em seus jogos, brincadeiras e na interação com o outro, vivenciam momentos fundamentais para a criação de esquemas cognitivos essenciais à apropriação da leitura e da escrita. E qual é o seu papel e o da escola nesse processo? À escola cabe a tarefa de sistematizar e organizar os conhecimentos relativos à Língua Portuguesa por meio de uma proposta pedagógica que proporcione aos alunos o domínio desses conhecimentos e sua utilização em situações da vida nas quais eles se fazem necessários. O aprendizado da língua escrita requer o desenvolvimento de diversas habilidades, como, por exemplo, estabelecer relações entre sons e grafia, decodificar palavras, localizar informações em textos, dentre outras. Essas habilidades vão tornando-se cada vez mais complexas, à medida que o aluno avança em seu processo de formação como leitor. Assim, a cada etapa da escolarização, são necessários avanços, de modo a garantir o sucesso escolar do aluno. Ao implementar suas ações pedagógicas, você, professor, dá vida às práticas de leitura e escrita, o que possibilita o desenvolvimento de novas competências e habilidades pelos alunos. Entretanto, para que isso aconteça, é preciso que você identifique as habilidades que já foram consolidadas, quais estão em desenvolvimento e, ainda, quais não foram consolidadas por seus alunos. Para isso, você sabe, é preciso avaliar. As avaliações que você realiza em sala de aula, também chamadas avaliações internas, permitem acompanhar o desenvolvimento dos alunos em vários aspectos: motores, cognitivos, afetivos, emocionais, dentre outros. Mas existem também outros tipos de avaliação, complementares à interna, que têm o objetivo de traçar um diagnóstico do desempenho do aluno com relação a habilidades consideradas básicas ao seu período de escolaridade. A avaliação externa, ou avaliação em larga escala, permite esse tipo de diagnóstico. É desse tipo de avaliação que trataremos agora. Nesta Estação, você conhecerá o que foi avaliado em Língua Portuguesa pelo SPAECE, entenderá a composição dos testes e sua metodologia de análise. ESTAÇÃO MATRIZ 19

22 Trilha 1 As Matrizes de Referência para Avaliação de Língua Portuguesa do Ensino Médio Ao passar por esta trilha, você conhecerá: ÂÂ ÂÂ A diferença entre Matriz Curricular de Ensino e Matriz de Referência para Avaliação. A Matriz de Referência para Avaliação em Língua Portuguesa do Ensino Médio. A Matriz de Referência para Avaliação é um componente muito importante das avaliações em larga escala, pois é ela que dá transparência e legitimidade ao processo avaliativo, informando com clareza o que será avaliado. Uma Matriz de Referência para Avaliação é uma amostra representativa das Matrizes Curriculares. Ela surge da Matriz Curricular, mas contempla apenas aquelas habilidades consideradas fundamentais e possíveis de serem avaliadas em testes de múltipla escolha. São essas habilidades, apresentadas pela Matriz de Referência, que serão avaliadas pelos itens que comporão os testes. Uma Matriz Curricular apresenta, além de um conjunto amplo de conteúdos a serem abordados em cada disciplina, orientações metodológicas, o que não é o caso de uma Matriz de Referência para Avaliação, que apresenta apenas aquelas habilidades consideradas básicas para cada período de escolarização. Imagine a Matriz de Referência para avaliação em larga escala como uma bússola indicativa do que será avaliado, informando o que se espera dos alunos ao final de uma determinada etapa de sua trajetória escolar. SPAECE

23 Quais são os elementos que compõem a Matriz de Referência para Avaliação? Ela está organizada em tópicos que, por sua vez, agrupam um conjunto de descritores. Um descritor, como o próprio nome indica, descreve uma única habilidade. Ele representa uma associação entre os conteúdos curriculares e as operações mentais desenvolvidas pelos alunos, que se traduzem em competências e habilidades. Para que você entenda melhor essa organização, vamos conhecer a Matriz de Referência para Avaliação em Língua Portuguesa Desafio: Professor, para avançar em seu trajeto de compreensão de uma Matriz de Referência para Avaliação, é fundamental que os conceitos estejam bastante claros para você. É hora de utilizar novamente seu Diário de Bordo. Escreva, em poucas linhas, qual a diferença entre Matriz de Referência para Avaliação e Matriz Curricular e o que você entende por descritor. ESTAÇÃO MATRIZ 21

24 MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Sistema Permanente de Avaliação da Educação Ceará SPAECE Tópico N descritor Descritor Detalhamento 1ª série 2ª série 3ª série D1 D2 Localizar informação explícita. Inferir informação em texto verbal. Informações apresentadas textualmente ou sob forma de paráfrase. Depreender a informação a partir de informações dadas. X X X X X X D3 Inferir o sentido de palavra ou expressão. Depreender o sentido de palavras ou expressões a partir do contexto. X X X D4 Interpretar textos nãoverbais e textos que articulam elementos verbais e não-verbais. Textos como: placas, fotos, quadros, gravuras, mapas, tirinhas, tabelas, etc. X X X 1. Quanto à informação do texto verbal e/ ou não-verbal D5 D6 Identificar o tema ou assunto de um texto. Distinguir fato de opinião relativa ao fato. Identificar o núcleo temático que confere unidade semântica ao texto. Reconhecer o modo de apresentar um fato / informação. X X X X X X D7 D8 Diferenciar a informação principal das secundárias em um texto. Formular hipóteses sobre o conteúdo do texto. Reconhecer a informação principal. Avaliar a capacidade da criança em apoiar-se em elementos textuais, como: manchete, título, formatação do texto para formular hipóteses sobre o conteúdo do texto. X X X X X X Tópico N descritor Descritor Detalhamento 1ª série 2ª série 3ª série 2. Quanto aos gêneros associados às sequências discursivas básicas D9 D10 D11 Reconhecer o gênero discursivo. Identificar o propósito comunicativo em diferentes gêneros. Reconhecer os elementos que compõem uma narrativa. Observar o grau de complexidade da tarefa, de acordo com o gênero ou sequência discursiva mais utilizada em cada ano de escolaridade. Observar o grau de complexidade da tarefa, de acordo com o gênero ou sequência discursiva mais utilizada em cada ano de escolaridade. Observar o grau de complexidade da tarefa, de acordo com o gênero ou sequência discursiva mais utilizada em cada ano de escolaridade. X X X X X X X X X SPAECE

25 Tópico N descritor Descritor Detalhamento 1º ano 2º ano 3º ano D12 Identificar semelhanças e/ ou diferenças de ideias e opiniões na comparação entre textos. Pressupõe um trabalho com relações intertextuais. Devem-se considerar os gêneros mais comumente trabalhados em cada um dos anos de escolaridade. X X X 3. Quanto às relações entre textos D13 Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na comparação de textos de um mesmo tema. Avaliar a habilidade de comparação entre dois textos com a mesma temática e de percepção das características comuns aos dois como, por exemplo, a estrutura, a linguagem, a formatação, entre outras. Devem-se considerar os gêneros mais comumente trabalhados em cada um dos anos de escolaridade. X X X Tópico N descritor Descritor Detalhamento 1ª série 2ª série 3ª série 4. Quanto às relações de coesão e coerência. D14 D15 D16 D17 D18 Reconhecer as relações entre partes de um texto, identificando os recursos coesivos que contribuem para sua continuidade. Identificar a tese de um texto. Estabelecer relação entre tese e os argumentos oferecidos para sustentá-la. Reconhecer o sentido das relações lógico-discursivas marcadas por conjunções, advérbios, etc. Reconhecer o sentido do texto e suas partes sem a presença de marcas coesivas. Coesão gramatical e lexical. X X X Identificar a idéia defendida no texto. Reconhecer qual(is) o(s) argumento(s) que sustenta(m) a ideia defendida no texto. Relações semânticas expressas por conectivos. Relações semânticas sem a presença de conectivos. X X X X X X X X ESTAÇÃO MATRIZ 23

26 Tópico N descritor Descritor Detalhamento 1ª série 2ª série 3ª série 5.Quanto aos recursos expressivos utilizados no texto D19 D20 D21 D22 Reconhecer o efeito de sentido decorrente da escolha de palavras, frases ou expressões. Identificar o efeito de sentido decorrente do uso da pontuação e de outras notações. Reconhecer o efeito decorrente do emprego de recursos estilísticos e morfossintáticos. Reconhecer efeitos de humor e ironia. Palavras, frase ou expressões que sejam percebidas pelo leitor como mais uma maneira de o autor manifestar suas intenções comunicativas. O uso da pontuação e de outras notações para dar efeitos de sentido no texto. Recursos estilísticos e morfossintáticos utilizados pelo autor para a construção de sentidos. X X X X X X X X X X X X Tópico N descritor Descritor Detalhamento 1ª série 2ª série 3ª série 6. Quanto aos aspectos sociais da linguagem D23 Identificar os níveis de linguagem e/ ou as marcas linguísticas que evidenciam locutor e/ou interlocutor. Variação linguística. X X X Desafio: Escolha três descritores do Ensino Médio no documento Matrizes de Referência para Avaliação em Língua Portuguesa e localize exemplos de itens para cada um dos descritores que você escolheu. Consulte esse material em sua escola ou você mesmo poderá baixar esse documento do Portal da Avaliação. SPAECE

ISSN 1982-7644 SPAECE 2 SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO. LÍNGUA PORTUGUESA5 o ANO

ISSN 1982-7644 SPAECE 2 SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO. LÍNGUA PORTUGUESA5 o ANO SPAECE 2 2008 ISSN 1982-7644 SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO 5 LÍNGUA PORTUGUESA5 o ANO ISSN 1982-7644 SPAECE 2008 BOLETIM PEDAGÓGICO

Leia mais

ISSN 1982-7644 SPAECE 2 SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO MATEMÁTICA

ISSN 1982-7644 SPAECE 2 SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO MATEMÁTICA SPAECE 2 2008 ISSN 1982-7644 SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO MATEMÁTICA EM ISSN 1982-7644 SPAECE 2008 BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

9 o ANO MATEMÁTICA SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO ISSN 1982-7644 SPAECE 2

9 o ANO MATEMÁTICA SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO ISSN 1982-7644 SPAECE 2 ISSN 1982-7644 SPAECE 2 008 ISSN 1982-7644 SISTEMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CEARÁ MATEMÁTICA 9 o ANO CEARÁ I BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO ISSN 1982-7644 SPAECE 2008 BOLETIM PEDAGÓGICO

Leia mais

TRAVESSIA. Convite a uma caminhada pelos resultados da avaliação da sua escola

TRAVESSIA. Convite a uma caminhada pelos resultados da avaliação da sua escola ISSN 1982-7644 BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO CEARÁ AVALIAÇÃO DA ALFABETIZAÇÃO SPAECE-Alfa, 2008 TRAVESSIA Convite a uma caminhada pelos resultados da avaliação da sua escola ISSN 1982-7644 SPAECE-Alfa

Leia mais

ISSN 1982-7644. Boletim de Resultados da Escola SPAECE. Volume III. Língua Portuguesa. Ensino Médio

ISSN 1982-7644. Boletim de Resultados da Escola SPAECE. Volume III. Língua Portuguesa. Ensino Médio ISSN 1982-7644 Boletim de Resultados da Escola SPAECE Volume III Língua Portuguesa Ensino Médio Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria da Educação. Boletim Pedagógico da Escola. SPAECE 2009 / Universidade

Leia mais

GOVERNADOR CID FERREIRA GOMES VICE-GOVERNADOR DOMINGOS GOMES DE AGUIAR FILHO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO MAURÍCIO HOLANDA MAIA

GOVERNADOR CID FERREIRA GOMES VICE-GOVERNADOR DOMINGOS GOMES DE AGUIAR FILHO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO MAURÍCIO HOLANDA MAIA ISSN 1982-7644 SP ECE GOVERNADOR CID FERREIRA GOMES VICE-GOVERNADOR DOMINGOS GOMES DE AGUIAR FILHO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO MAURÍCIO HOLANDA MAIA SECRETÁRIO ADJUNTO DA EDUCAÇÃO ANTÔNIO IDILVAN DE LIMA ALENCAR

Leia mais

Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado da Educação

Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado da Educação ISSN 2317-2118 1943 1981 RONDÔNIA Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado da Educação GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA FINANCEIRA GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ISSN 1982-7644. Boletim de Resultados da Escola. Língua Portuguesa 5 ano do Ensino Fundamental VOLUME III

ISSN 1982-7644. Boletim de Resultados da Escola. Língua Portuguesa 5 ano do Ensino Fundamental VOLUME III ISSN 1982-7644 Boletim de Resultados da Escola Língua Portuguesa 5 ano do Ensino Fundamental VOLUME III Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria da Educação. Boletim de Resultados da Escola. SPAECE 2010 /

Leia mais

ISSN 2317-2118. Revista Pedagógica Língua Portuguesa Ensino Médio. Sistema de Avaliação Educacional de Rondônia

ISSN 2317-2118. Revista Pedagógica Língua Portuguesa Ensino Médio. Sistema de Avaliação Educacional de Rondônia ISSN 2317-2118 Revista Pedagógica Língua Portuguesa Ensino Médio Sistema de Avaliação Educacional de Rondônia 1943 1981 RONDÔNIA ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CONFÚCIO AIRES MOURA

Leia mais

ISSN 1983-0157. Boletim Pedagógico da Escola SIMAVE/PROEB. Volume III. Língua Portuguesa. 5 ano do Ensino Fundamental

ISSN 1983-0157. Boletim Pedagógico da Escola SIMAVE/PROEB. Volume III. Língua Portuguesa. 5 ano do Ensino Fundamental ISSN 1983-0157 Boletim Pedagógico da Escola SIMAVE/PROEB Volume III Língua Portuguesa 5 ano do Ensino Fundamental Ficha Catalográfica MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Educação. Boletim Pedagógico

Leia mais

Boletim de Resultados da Escola

Boletim de Resultados da Escola ISSN 1982-7644 Boletim de Resultados da Escola Língua Portuguesa Ensino Médio VOLUME III Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria da Educação. Boletim de Resultados da Escola. SPAECE 2010 / Universidade Federal

Leia mais

GOVERNO DO PARANÁ BETO RICHA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PAULO AFONSO SCHMDIT DIRETORIA GERAL EDMUNDO RODRIGUES DA VEIGA NETO

GOVERNO DO PARANÁ BETO RICHA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PAULO AFONSO SCHMDIT DIRETORIA GERAL EDMUNDO RODRIGUES DA VEIGA NETO ISSN 2316-7602 ISSN 233216-7602 GOVERNO DO PARANÁ BETO RICHA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PAULO AFONSO SCHMDIT DIRETORIA GERAL EDMUNDO RODRIGUES DA VEIGA NETO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO ELIANE

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO JOSÉ RENATO CASAGRANDE VICE- GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GIVALDO VIEIRA DA SILVA

GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO JOSÉ RENATO CASAGRANDE VICE- GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GIVALDO VIEIRA DA SILVA ISSN 2237-8324 ISSN 2237-8324 GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO JOSÉ RENATO CASAGRANDE VICE- GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GIVALDO VIEIRA DA SILVA SECRETÁRIO DO ESTADO DA EDUCAÇÃO KLINGER

Leia mais

ISSN 1984-5456 REVISTA DO PROFESSOR. 9 o MATEMÁTICA ANO

ISSN 1984-5456 REVISTA DO PROFESSOR. 9 o MATEMÁTICA ANO ISSN 1984-5456 REVISTA DO PROFESSOR MATEMÁTICA 9 o ANO ISSN 1984-5456 RIO DE JANEIRO AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO EXTERNA SAERJ / 2008 REVISTA DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA DO 9 o ANO DO ENSINO

Leia mais

ISSN 1982-7644. Boletim do Sistema de Avaliação VOLUME 1

ISSN 1982-7644. Boletim do Sistema de Avaliação VOLUME 1 ISSN 98- Boletim do Sistema de Avaliação VOLUME Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria da Educação. Boletim dos Sistema de Avaliação. SPAECE 00 / Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação,

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO DOCUMENTOS BÁSICOS: - Cadernos Paebes; - Ata de resultados finais da Escola em 2010; - Guia de Intervenção Pedagógica;

Leia mais

ISSN 2238-0264 REVISTA PEDAGÓGICA LÍNGUA PORTUGUESA - ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL - EJA

ISSN 2238-0264 REVISTA PEDAGÓGICA LÍNGUA PORTUGUESA - ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL - EJA ISSN 2238-0264 REVISTA PEDAGÓGICA LÍNGUA PORTUGUESA - ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL - EJA 2011 ISSN 2238-0264 sadeam revista PEDAGÓGICA Língua Portuguesa - Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EJA

Leia mais

ISSN 1948-5456 SAERJ. revista pedagógica Língua Portuguesa 5º ano do Ensino Fundamental

ISSN 1948-5456 SAERJ. revista pedagógica Língua Portuguesa 5º ano do Ensino Fundamental ISSN 1948-5456 SAERJ revista pedagógica Língua Portuguesa 5º ano do Ensino Fundamental 2011 ISSN 1948-5456 saerj2011 Sistema de Avaliação da Educação do estado do RIO DE JANEIRO revista pedagógica Língua

Leia mais

SPAECE. Vol II. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais. Ensino Fundamental 5º Ano Língua Portuguesa

SPAECE. Vol II. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais. Ensino Fundamental 5º Ano Língua Portuguesa ISSN 1982-7644 SPAECE 2009 Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais Ensino Fundamental 5º Ano Língua Portuguesa Vol II Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria

Leia mais

Boletim da Escola. Língua Portuguesa 6 ano do Ensino Fundamental

Boletim da Escola. Língua Portuguesa 6 ano do Ensino Fundamental Boletim da Escola Língua Portuguesa 6 ano do Ensino Fundamental 3 Governo do Estado do Rio Grande do Sul Governadora do Estado Yeda Rorato Crusius Secretário de Estado da Educação Ervino Deon União dos

Leia mais

ISSN 2317-2118. Revista Pedagógica Língua Portuguesa 2º ano do Ensino Fundamental. Sistema de Avaliação Educacional de Rondônia

ISSN 2317-2118. Revista Pedagógica Língua Portuguesa 2º ano do Ensino Fundamental. Sistema de Avaliação Educacional de Rondônia ISSN 2317-2118 Revista Pedagógica Língua Portuguesa 2º ano do Ensino Fundamental Sistema de Avaliação Educacional de Rondônia 1943 1981 RONDÔNIA ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CONFÚCIO

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Ciências Objetivos Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2011 ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS sadeam2011 Oficina de Apropriação dos Resultados 4 ROTEIRO DE OFICINA Multiplicador Este roteiro deverá ser utilizado por você como subsídio para

Leia mais

ISSN 1982-7644 SPAECE. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais. Ensino Médio Matemática.

ISSN 1982-7644 SPAECE. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais. Ensino Médio Matemática. ISSN 1982-7644 SPAECE 2009 Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim de Resultados Gerais Ensino Médio Matemática Vol II Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria da Educação. Boletim

Leia mais

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO Sylmara Fagundes da Silva Sylmara.fagundes@hotmail.com RESUMO O presente trabalho teve como objetivo analisar os resultados das

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

SPAECE Alfa 2012. Alfabetização. Boletim do Sistema de Avaliação. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará

SPAECE Alfa 2012. Alfabetização. Boletim do Sistema de Avaliação. Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará ISSN 19827644 SPAECE Alfa Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará Boletim do Sistema de Avaliação Alfabetização SEÇÃO 1 A avaliação como meio para superar desafios SEÇÃO 2 Padrões de

Leia mais

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

SEMANA DO SARESP/SAEB

SEMANA DO SARESP/SAEB SEMANA DO SARESP/SAEB Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional CIMA Departamento de Avaliação Educacional DAVED GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO em parceria com Coordenadoria de

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao

Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao A Avaliação do PAEBES Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao Desempenho Programa de Avaliação da Educação

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

ISSN 2238-0264 REVISTA DO SISTEMA

ISSN 2238-0264 REVISTA DO SISTEMA ISSN 2238-0264 REVISTA DO SISTEMA 2011 ISSN 2238-0264 sadeam revista DO SISTEMA Sistema de Avaliação do Desempenho Educacional do Amazonas Governador do Estado do Amazonas Omar José Abdel Aziz Vice-Governador

Leia mais

Alfabetização. Introdução

Alfabetização. Introdução Alfabetização Introdução As parcerias entre o Instituto Ayrton Senna e governos estaduais e municipais são firmadas porque ambas as partes acreditam na importância do desenvolvimento do potencial das crianças

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

Programa de Avaliação da Alfabetização PROALFA. Boletim Pedagógico2009

Programa de Avaliação da Alfabetização PROALFA. Boletim Pedagógico2009 Programa de Avaliação da Alfabetização PROALFA Boletim Pedagógico2009 Governador de Minas Gerais Aécio Neves da Cunha Secretária de Estado de Educação Secretário Adjunto da Educação Chefe de Gabinete

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora...

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora... S U M Á R I O APRESENTAÇÃO... 03 1 Conceitos... 05 1.1. Avaliação... 05 1.2. Competência... 05 1.3. Habilidades... 06 1.4. Competência leitora... 06 1.5. Competência matemática...07 1.6. Competência científica...07

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (PAEBES). Discutir e elaborar estratégias

Leia mais

Boletim de Resultados da Escola

Boletim de Resultados da Escola ISSN 1982-7644 Boletim de Resultados da Escola Matemática 9 ano do Ensino Fundamental VOLUME III Ficha Catalográfica CEARÁ. Secretaria da Educação. Boletim de Resultados da Escola. SPAECE 2010 / Universidade

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto Por que o Joãozinho não aprende a ler João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto PISA 2012 - Língua Portuguesa Média OCDE 500 Média Brasil 412 1o decil 340 9o decil 420 10o decil

Leia mais

Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010

Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010 Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010 1 Programa de Intervenção Pedagógica-Alfabetização no Tempo Certo Relatório Síntese I Histórico: Em 2004 foi implantado em Minas Gerais o Ensino Fundamental de

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e

Leia mais

difusão de idéias ELABORAÇÃO DE UMA ESCALA PARA AVALIAÇÃO DE ALUNOS DA 1ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL I EM LÍNGUA PORTUGUESA

difusão de idéias ELABORAÇÃO DE UMA ESCALA PARA AVALIAÇÃO DE ALUNOS DA 1ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL I EM LÍNGUA PORTUGUESA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 ELABORAÇÃO DE UMA ESCALA PARA AVALIAÇÃO DE ALUNOS DA 1ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL I EM LÍNGUA PORTUGUESA Marialva Rossi Tavares Suely Amaral

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO 2014. Brasília-DF setembro 2015

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO 2014. Brasília-DF setembro 2015 AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO 2014 Brasília-DF setembro 2015 CRONOGRAMA 1. Resultados para estados e municípios (via Consed e Undime) 15/09/2015 2. Boletim da Escola 17/09/2015 3. Painel Educacional

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

ISSN 2238-0264 REVISTA PEDAGÓGICA LÍNGUA PORTUGUESA - 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2238-0264 REVISTA PEDAGÓGICA LÍNGUA PORTUGUESA - 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2238-0264 REVISTA PEDAGÓGICA LÍNGUA PORTUGUESA - 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2011 ISSN 2238-0264 sadeam revista PEDAGÓGICA Língua Portuguesa 3º ano do Ensino Fundamental Sistema de Avaliação do Desempenho

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

ISSN 2237-8316 REVISTA DA GESTÃO ESCOLAR. Sistema de Avaliação da Educação Fundamental das Escolas da Prefeitura de Belo Horizonte

ISSN 2237-8316 REVISTA DA GESTÃO ESCOLAR. Sistema de Avaliação da Educação Fundamental das Escolas da Prefeitura de Belo Horizonte ISSN 2237-8316 REVISTA DA GESTÃO ESCOLAR Sistema de Avaliação da Educação Fundamental das Escolas da Prefeitura de Belo Horizonte PREFEitO municipal DE BElO HORiZOntE MÁRCIO ARAÚJO LACERDA SECREtÁRiO

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 Agrupamento de Escolas Domingos Sequeira Área Disciplinar: Português Ano de Escolaridade: 3º Mês: outubro Domínios de referência Objetivos/Descritores Conteúdos Oralidade 1

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: Notícia PERÍODO APROXIMADAMENTE: 4º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura; - Apreensão das ideias

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA COORDENADORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA COORDENADORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA CURRICULAR DE LÍNGUA INGLESA 2 CICLO 2010 A matriz de referência curricular de Língua Inglesa para o 2º ciclo da Rede Municipal de Ensino de Contagem está organizada em 4 eixos: Leitura,

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA SEE PARAIBA 2015 2018 Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas. Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA DOCUMENTO ORIENTADOR CGEB Nº 11 DE 2014 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA SÃO PAULO JUNHO DE 2014 Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador

Leia mais

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo A IMPORTÂNCIA DA SONDAGEM DA ESCRITA PARA O INÍCIO DE ATIVIDADES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO DO PIBID NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS NORONHA, Gessica Nunes UFC gessicanunes.noronha@hotmail.com

Leia mais

Atividades Práticas em Leitura e Escrita

Atividades Práticas em Leitura e Escrita Atividades Práticas em Leitura e Escrita Andréa Carla Machado Elaine Cristina dos Santos 2015 Andréa Carla Machado; Elaine Cristina dos Santos Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma

Leia mais

Avaliação Diagnóstica Programa Brasil Alfabetizado

Avaliação Diagnóstica Programa Brasil Alfabetizado Avaliação Diagnóstica Programa Brasil Alfabetizado Diretoria de Políticas de Educação de Jovens e Adultos Ministério da Educação do Brasil Santiago de Chile Dezembro de 2008 Programa Brasil Alfabetizado

Leia mais

Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades

Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR EB 2/3 de Jovim e Foz do Sousa PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 1º Período 5º Ano ANO LETIVO 2014/2015 Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades Conhecer o alfabeto.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Dr. Belivaldo Chagas Silva Secretário de Estado da Educação Profa. Dra. Hortência Maria Pereira Araujo Secretária Adjunta de Estado da Educação

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS Resumo LUCAS, Maria Angélica Olivo Francisco 1 - UEM Grupo de Trabalho - Formação de professores e

Leia mais

GOVERNADOR JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO SUBSECRETÁRIO ADERBAL CASTRO MEIRA FILHO CHEFE DE GABINETE PAULO PONTES DA SILVA

GOVERNADOR JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO SUBSECRETÁRIO ADERBAL CASTRO MEIRA FILHO CHEFE DE GABINETE PAULO PONTES DA SILVA ISSN 2238-3077 GOVERNADOR JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO SUBSECRETÁRIO ADERBAL CASTRO MEIRA FILHO CHEFE DE GABINETE PAULO PONTES DA SILVA SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais