INCRA: Massa Falida das Fazendas Reunidas Boi Gordo. São Paulo SP. Engº Agrônomo CREA CREA-MT 7.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCRA: 902.055.113.069-3. Massa Falida das Fazendas Reunidas Boi Gordo. São Paulo SP. Engº Agrônomo CREA 060.183.494-0 CREA-MT 7."

Transcrição

1 L A U D O T É C N I C O D E A V A L I A Ç Ã O Propriedade: Município: Área Titulada Total: Área Mensurada Total: Fazenda Chaparral Lambari D Oeste - MT 7.458,30 ha 7.656,8769 ha Código do Imóvel: INCRA: Proprietária: Massa Falida das Fazendas Reunidas Boi Gordo CNPJ / Pça da Liberdade, n 130 cj. 84/86 São Paulo SP Fone: Responsável Técnico: Carlos Augusto Arantes Engº Agrônomo CREA CREA-MT 7.515/VD CPF/MF

2 Índice Pág PROÊMIO 3 I. PRELIMINARES 4 II. DO IMÓVEL 6 II.1 DOS LIMITES E CONFRONTAÇÕES 6 II.2 DA PROPRIETÁRIA 6 II.3 DOS ARRENDATÁRIOS 7 II.4 ROTEIRO DE ACESSO À PROPRIEDADE 7 II.5 SITUAÇÃO JURÍDICA DO IMÓVEL 7 II.6 DESTINAÇÃO DO IMÓVEL 8 II.7 DISTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DO IMÓVEL 8 II.8 INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE O IMÓVEL 8 III. DA REGIÃO DO IMÓVEL 9 III.1 SERVIÇOS COMUNITÁRIOS 9 III.2 POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO 9 III.3 CLASSIFICAÇÃO DA REGIÃO 9 IV. BENFEITORIAS EXISTENTES NA PROPRIEDADE 10 V. EXPLORAÇÃO AGROPECUÁRIA 13 VI. SITUAÇÃO TRABALHISTA 13 VII. FORMA E POSSIBILIDADES DE EXPLORAÇÃO 13 VIII. METODOLOGIA AVALIATÓRIA 23 VIII.1 METODOLOGIA BÁSICA APLICADA 23 VIII.2 GRAUS DE FUNDAMENTAÇÃO E PRECISÃO 24 VIII.2.1 GRAU DE FUNDAMENTAÇÃO 24 VIII.2.2 GRAU DE PRECISÃO 26 IX. PESQUISA DE MERCADO 29 X. CÁLCULOS 29 X.1 VALORAÇÃO DAS BENFEITORIAS DO IMÓVEL AVALIANDO 29 X.1.1 BENFEITORIAS NÃO REPRODUTIVAS 29 X.1.2 BENFEITORIAS REPRODUTIVAS 32 X VALORAÇÃO DAS PASTAGENS PLANTADAS 32 X.2 VALOR TOTAL DO IMÓVEL 34 XI. CONCLUSÃO 62 XII. ANÁLISE DO MERCADO IMOBILIÁRIO E DO VALOR ENCONTRADO 63 ANEXOS 64 BIBLIOGRAFIA 65 ENCERRAMENTO 66 2

3 P R O Ê M I O Conforme determinado pelo juízo, foi realizado levantamento georreferenciado deste imóvel e, pelo hiato temporal entre a primeira avaliação e esta, uma nova avaliação do bem também foi realizado, este laudo pretende complementar o primeiro, no tocante às metragens e valores atualizados. Será realizada a avaliação do imóvel em tela, consoante Norma Técnica ABNT e legislações correlatas. Neste estudo buscar-se-á o Valor de Mercado do mesmo, ou seja: Expressão monetária teórica e mais provável de um bem, a uma data de referência, numa situação em que as partes, conscientemente conhecedoras das possibilidades de seu uso e envolvidas em sua transação, não estejam compelidas à negociação, no mercado vigente naquela data 1. Este valor é baseado na premissa de Maior e Melhor Aproveitamento dos bens (High and Best Use) definido como: o uso, entre o razoavelmente provável e o legalmente possível, identificado como o fisicamente viável, sustentável de forma adequada, exeqüível financeiramente e que resulta no maior valor do imóvel 2. Segue ainda, orientação da Norma Técnica ABNT em sua forma, Normas IBAPE, Estatuto da Terra, Código Florestal, Resoluções CONAMA e legislações correlatas. 1 Fonte: IBAPE Glossário de Terminologia Básica Aplicável à Engenharia de Avaliações American Institute of Real Estate Appraisers, 1983 The appraisal of rural property. 3

4 I. P R E L I M I N A R E S Objeto: Trata-se de estudo avaliatório de imóvel rural, denominado Fazenda Chaparral, situado no município de Lambari D Oeste - MT, Estado de Mato Grosso. Com metragem total, de 7.656,8769 hectares, consoante planta topográfica georreferenciada do imóvel, realizada por este expert. O levantamento topográfico georreferenciado foi realizado por nosso escritório, conforme plantas, memoriais e relatórios em anexo, todo material cartográfico encontra-se gravado em CD-Room, também em anexo. Anexo 01 Planta georreferenciada, memoriais e relatórios técnicos Anexo 02 CD-Room Coordenadas Centrais do Imóvel BASE: - Datum: SIRGAS UTM (N): ,188 - UTM (E): ,881 - Altitude:161,890 - Latitude: 15 34'23,75913" S - Longitude: 57 46'00,46991" W 4

5 Análise do mercado regional que o mesmo encontra-se desaquecido. Em pesquisa frente ao mercado regional, observa-se para produção agrosilvopastoril. Imóvel em tela, por suas características, se classifica Equipe de trabalho: Dr. Carlos Augusto Arantes, Engenheiro Agrônomo, CREA-SP Perito Judicial responsável pela equipe. Dra. Suelin Helena de Andrade, Engenheira Cartógrafa, CREA-SP /D. Téc. Agrim. Diogo Machado, RG MG , CPF-MF Téc. Agrim. Leonardo da Silva, RG MG , CPF-MF Sr. Fernando Cortês, Topógrafo, CPF/MF Srta. Camila de Arantes, Acadª. em Engª Agronômica estagiária, R.G. nº Datas de Vistoria: O trabalho de campo teve início em 29/05 com seqüência nos dias nos dias 01-14/06 e 08/09/2010 5

6 I I. D O I M Ó V E L II.1 DOS LIMITES E CONFRONTAÇÕES O imóvel confronta-se com os seguintes: Norte: Sul: Leste: Oeste: Terras de Fazenda Paraíso do Sepotuba, Fazenda NºSra. Aparecida e Córrego da Estiva. Terras de Fazenda Porto do Campo e Fazenda Amazonas e Córrego do Curral. Terras de Fazenda Porto do Campo e Fazenda Amazonas, e Rio Sepotuba. Terras de Fazenda NºSra. Aparecida, Fazenda Palmeiras, Sitio Chaparral, Sitio Morelli, Sitio Santos, Fazenda Boa Esperança, Fazenda Santa Elza, Faz Santa Ana, Fazenda Dois irmãos, e Estrada Municipal e Córrego do Curral. II.2 DA PROPRIETÁRIA Massa Falida de Fazendas Reunidas Boi Gordo, devidamente inscrita no CNPJ sob nº / , com endereço à Praça da Liberdade, 130-8o. Andar cj 84/86, na cidade de São Paulo SP, CEP nº , telefone nº , representada por seu síndico, Dr. Gustavo Henrique Sauer de Arruda Pinto, perante o processo de falência nº , incidente 1.405, em trâmite na 1ª Vara Cível 3ª Seção Foro Central SP/Capital. 6

7 II.3 DOS ARRENDATÁRIOS Arrendatário RG CPF Antonio Renato Venceslau Rodrigues da Cunha MG /30 Ronaldo Venceslau Rodrigues da Cunha MG /49 Ambos com endereço de correspondência em Uberaba Estado de Minas Gerais, à Rua Arthur Machado, nº º andar. II.4 ROTEIRO DE ACESSO À PROPRIEDADE Partindo de Cáceres, segue até Caramujo, daí até Curvelândia, daí até Vila Cabaçal, daí, por ±500m, temos entrada à direita por via sem capeamento asfáltico. Segue nesse corredor (± 20,00km) até o seu final, onde encontramos a entrada do imóvel, com placa indicativa. II.5 SITUAÇÃO JURÍDICA DO IMÓVEL Área (ha) CRI Oficio Matricula Registro Ano Livro 2.449, u-2 435, c-1 31, b-1 498, h-3 242, j-1 484, n-1 241, p-4 172, p-5 554, p-1 228, q-4 121,00 Cáceres-MT 1º q-4 121, q-5 280, s-1 241, s-4 37, t-1 193, t , t-2 113, AV t-4 114, t-5 395, t-1 271, t ,30 7

8 II.6 DESTINAÇÃO DO IMÓVEL Imóvel destina-se a exploração pecuária extensiva de corte. II.7 DISTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DO IMÓVEL - ESTIMATIVA Benfeitorias Reprodutivas Benfeitorias Não Reprodutivas LEGENDA ESPECIFICAÇÃO Pastagem Plantada Área de Sede e Edificações Represa Estrada Internas Mata Nativa Bioma Cerrado CONVENÇÃO ÁREA (ha) 6.645,6297 2, , , ,3412 Área de Interesse Ambiental Área Inaproveitável para uso Agrosilvopastoril Reserva Legal Averbada 566,5979 Área de Preservação Permanente Várzea 214, ,5344 Área Total 7.656,8769 II.8 INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE O IMÓVEL A localização do imóvel como um todo é considerada BOA, com acesso facilitado à cidade sede do município através de rodovia asfaltada (MT 339/406). 8

9 I I I. D A R E G I Ã O D O I M Ó V E L III.1. SERVIÇOS COMUNITÁRIOS Região servida por malhas rodoviárias de regular/boa qualidade, com fácil acesso às cidades sede regional. Rede de energia elétrica: uma boa parte dos imóveis rurais nesta região conta com rede trifásica de alimentação. parte dos imóveis desta região. Telefonia rural (via celular ou comum) em boa III.2. POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO A região é servida por cooperativas agropecuárias instaladas e outras com sede em municípios vizinhos. Boa disponibilidade de mão de obra rural. III.3. CLASSIFICAÇÃO DA REGIÃO fundamentalmente agropastoril. A vocação econômica da região é 9

10 I V. B E N F E I T O R I A S E X I S T E N T E S N A P R O P R I E D A D E As benfeitorias necessárias para boa exploração agropecuária do imóvel estão presentes, e foram levantadas quando da vistoria ao imóvel: Qtd. Descrição Retiro 1 1 Curralama completa (tronco, brete, apartador, balança), para 1000 bois. 1 Casa colono madeira, instalações elétricas e hidrosanitárias, telha francesa. 1 Casa colono alvenaria IE IH telha francesa. 1 Baia madeira 2 Poços comuns com bomba ± 8 m 25 Casas de cocho de sal cobertas 25 Pastos brachiarão (Brachiária brizantha) 40 Represas secas (8-10 horas/máquina construção) 6 Bebedouros australianos 50 m³ cada 2 Roda d'água 3 Mata burro de madeira 200 Porteiras (em todo imóvel) Retiro 2 - Sede 1 Curralama completa (tronco, brete, apartador, balança) para 1000 bois. Casa sede alvenaria, instalações elétricas e hidrosanitárias, 05 suítes, 1 sala, 01 cozinha 1 aberta, toda avarandada, telha francesa. 1 Piscina simples com bomba 1 Quiosque alvenaria telha francesa 1 Linha telefônica celular rural 1 Antena de comunicação via radio - comunicação interna 1 Poço comum 1 Poço artesiano 2 Caixa d'água 15 m³ reservatório tipo taça 1 Escritório alvenaria, instalações elétricas e hidrosanitárias, 2 salas 1 Barracão 100 m² deposito sal, piso concreto c/ borracharia, telha francesa. 10

11 Qtd. Descrição 1 Barracão metálico coberto, aberto, telha zinco para maquinário, 12 x 8 m. 1 Tanque combustível 20 m³, c/ bomba elétrica. 2 Roda d'água Baia madeira, 2 dormitórios, 1 banheiro para peão solteiro,, instalações elétricas e 1 hidrosanitárias, piso de concreto - 40 x 20 m. 1 Barracão sal madeira piso de assoalho, telha francesa - 20 x 20 m. Casa alvenaria, instalações elétricas e hidrosanitárias, forrada pinus, piso cerâmico, 2 1 quartos, tijolo à vista, 9,10 x 12 m, telha francesa. Casa alvenaria, instalações elétricas e hidrosanitárias, forrada piso cerâmico, 3 quartos, 1 tijolo à vista, 8,60 x 17,70 m, telha francesa. Casa alvenaria, instalações elétricas e hidrosanitárias, forrada piso de cimento queimado 1 verde, telha francesa, 2 áreas, sala cozinha, banheiro - 12 x 8 m. Casa, instalações elétricas e hidrosanitárias, sem forro, piso vermelhão, telha francesa, 2 3 áreas, sala cozinha, banheiro - 12 x 8 m. 1 Curral de tropa 20 m² 1 Cerca de alambrado ao entorno da casa sede 1 Cerca de madeira 03 réguas ao entorno do pátio da área de sede 1 Pista aviação registrada DAC com m 23 Pastos brachiarão (Brachiária brizantha) 23 Casas de cocho de sal cobertas 23 Represas secas (8-10 hora/máquina construção) Retiro 3 1 Curralama completa (tronco, brete, apartador, balança) para 1200 bois. Casa madeira, instalações elétricas e hidrosanitárias, sem forro, piso vermelhão, telha 3 francesa - 12 x 8 m. 1 Poço artesiano 1 Caixa d'água 3 m³ 1 Reservatório tipo australiano - 50 m³ 6 Bebedouros tipo australiano - 10 m³ Tubulação água cano azul 50 mm. 24 Pastos brachiarão (Brachiária brizantha) 24 Casas de cocho de sal cobertas 28 Represas secas (8-10 horas/máquina construção) 2 Bebedouros de alvenaria 1 m³ Retiro 4 1 Curralama completa (tronco, brete, apartador, balança) para 400 bois 11

12 Qtd. Descrição Casa alvenaria, instalações elétricas e hidrosanitárias, piso cerâmico, telha plan toda 1 avarandada, 2 quartos, 01 suíte para fora.12 x 8 m Casa madeira 4 quartos, instalações elétricas e hidrosanitárias, sala, cozinha grande. 8 x 1 15,50 m, telha francesa. 1 Poço comum 2 Reservatório água 2 m³ 1 Baia / cocheira, cochos de alvenaria, fundo azulejado, IE IH, 15 x 21 m Casas alvenaria, instalações elétricas e hidrosanitárias, telha francesa, piso cimento 3 queimado, sem forro. 15,8 x 16,7 m Casas madeira, instalações elétricas e hidrosanitárias, telha francesa, cimento queimado, 2 sem forro. 7,8 x 13,2 m Cochos p/a fenação área coberta de 5,8 x 10,5 m telha plan, calçadas com pedra, cesto de 6 feno. 37 Pastos brachiarão (Brachiária brizantha) 37 Casas de cocho de sal cobertas 36 Represas secas (8-10 horas/máquina construção) 2 Mata burro Retiro 5 1 Curralama completa (tronco, brete, apartador, balança)para 1200 bois 3 Casa madeira 2 quartos, instalações elétricas e hidrosanitárias, sala, telha francesa. 1 Poço comum 10 m, manihado, com bomba 3 cv. 1 Rampa de alvenaria, para o pesqueiro - 10 x 4 m 28 Pastos brachiarão (Brachiária brizantha) 28 Casas de cocho de sal cobertas 76 Represas secas (8-10 horas/máquina construção) 5 Represas 7 Transformadores trifásicos km 16,00 Sede - pesqueiro 10,00 Sede - Zequinha - Retiro 3 7,00 Sede - entrada do imóvel 4,50 Sede - Retiro 1 2,80 Carreadores internos 6,00 Corredores internos Estradas Internas - distâncias ANEXO 03 Reportagem Fotográfica 12

13 V. E X P L O R A Ç Ã O A G R O P E C U Á R I A O imóvel é explorado da seguinte forma: Pecuária: por contratos de arrendamento V I. S I T U A Ç Ã O T R A B A L H I S T A imóvel. A proprietária não possui funcionários neste Os funcionários utilizados neste imóvel encontram-se registrados em nome do arrendatário, no mesmo município. V I I. F O R M A E P O S S I B I L I D A D E S D E E X P L O R A Ç Ã O A seguir será apresentado breve estudo sobre fatores vários da região na qual se localiza esta propriedade. Tomando-se por base Projeto de Estudos Integrados do Potencial de Recursos Naturais - Aptidão Agrícola das 13

14 Terras - IBGE - Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tem como objetivo principal à avaliação do solo para uso com lavoura (três sistemas de manejo), pastagem plantada, silvicultura e pastagem natural. Nesta classificação são representadas as classes de terras (solo, fatores climáticos e relevo) das unidades de mapeamento (associação de solos), estruturas em grupos, subgrupos e classes de aptidão agrícola. A representação dos grupos é feita com algarismo, de 1 a 6, em escalas decrescentes, segundo as possibilidades de utilização das terras. As limitações que afetam os diversos tipos de utilização, aumentam do grupo 1, para o grupo 6, diminuindo, conseqüentemente, as alternativas de uso e a intensidade com que as terras podem ser utilizadas. Os grupos, 1, 2 e 3, são aptos para lavoura; o grupo 4, é indicado, basicamente, para pastagem plantada; o grupo 5, para silvicultura e/ou pastagem natural; e o grupo 6 é indicado para preservação da flora, fauna ou como área de recreação. As terras consideradas aptas para lavouras, o são também para usos menos intensivos (pastagem plantada, silvicultura e/ou pastagem natural). O subgrupo é o resultado do conjunto de avaliação da classe de aptidão, relacionada com os níveis de manejo, indicando o tipo de utilização das terras. Os níveis de manejo visam diagnosticar o 14

15 comportamento das terras em diferentes níveis tecnológicos. Sua indicação é feita através de letras, as quais podem aparecer na simbologia da classificação, escritas de diferentes formas, segundo as classes de aptidão que apresentam as terras, em cada um dos níveis adotados. Nível de manejo A - baseado em práticas agrícolas que refletem um baixo nível tecnológico. Praticamente não há aplicação de capital para manejo, melhoramento e conservação das condições das terras e das lavouras. As práticas agrícolas dependem do trabalho braçal, podendo ser utilizada alguma tração animal com implementos agrícolas simples. Nível de manejo B - baseado em práticas agrícolas que refletem médio nível tecnológico. Caracteriza-se pela modesta aplicação de capital e de resultados de pesquisa para manejo, melhoramento e conservação das condições das terras e das lavouras. As práticas agrícolas estão condicionadas principalmente à tração animal. Nível de manejo C - baseado em práticas agrícolas que refletem um alto nível tecnológico. Caracteriza-se pela aplicação intensa de capital e de resultados de pesquisas para manejo, melhoramento e conservação das condições das terras e da lavoura. A moto-mecanização está presente nas diversas fases da operação agrícola. As Classes de Aptidão expressam aptidão agrícola das terras para um determinado tipo de utilização, com nível de manejo definido, dentro do sub grupo de aptidão. Refletem o grau de 15

16 intensidade com que as limitações afetam as terras: Classe Boa: terras sem limitações significativas para produção sustentada de um determinado tipo de utilização, observando as condições do manejo considerado. Há um mínimo de restrições que não reduz a produtividade ou benefício, expressivamente, e não aumentam os insumos, acima de um nível aceitável. Classe Regular: terras que apresentam limitações moderadas para produção sustentada de um determinado tipo de utilização, observando as condições do manejo considerado. As limitações reduzem a produtividade ou os benefícios, elevando a necessidade de insumos de forma a aumentar as vantagens globais a serem obtidas do uso. Ainda que atrativas, estas vantagens são sensivelmente inferiores àquelas auferidas as terras de classe boa. Classe Restrita: terras que apresentam limitações fortes para produção sustentada de um determinado tipo de utilização, observando as condições do manejo considerado. Essas limitações reduzem a produtividade e os benefícios, ou então aumentam os insumos necessários, de tal maneira, que os custos só seriam justificados marginalmente. Classe Inapta: terras apresentando condições que parecem excluir a produção sustentada do tipo de utilização em questão. Ao contrário das demais, esta classe não é representada por símbolos. Sua interpretação é feita pela 16

17 ausência das letras no tipo de utilização considerada. O enquadramento das terras em classe de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado, da viabilidade de melhoramento e das exigências dos diversos tipos de utilização. A interpretação da aptidão agrícola é feita para culturas de ciclo curto e longo. Basicamente, terras aptas para culturas de ciclo curto o são também para culturas de ciclo longo, consideradas menos exigentes 3. Uso do Solo, segundo Norton, teremos: Ainda, como classificação pela Capacidade de Classe I: solos férteis (fertilidade natural ou características que possibilitam reação favorável das culturas às aplicações de fertilizantes), planos ou suavemente ondulados, com boa retenção de umidade, profundos e com alta produtividade, com necessidade de práticas simples de controle de erosão e conservação do solo. Solos com pouca restrição de uso. Classe II: solos que possuem algumas limitações que reduzem a escolha dos vegetais ou exigem práticas moderadas de conservação. Poderão ser utilizados pelas mesmas plantas do solo Classe I. Estes solos poderão ser limitados por uma ou mais dos seguintes fatores: declividade suave, riscos moderados de erosão, inadequada profundidade do solo, ligeiras ou moderadas condições alcalinas ou salinas, 3 fonte: Manual de Classificação de Solos do Brasil - UNESP - Hélio do Prado. 17

18 drenagem algo restrita. Necessitam de práticas conservacionistas mais intensas e rotação de culturas. Classe III: os solos desta classe têm fortes limitações que reduzem a escolha de vegetais ou exigem práticas especiais de conservação, ou as duas coisas. As mesmas culturas das Classes I e II poderão ser desenvolvidas nestes solos. Culturas que proporcionem cobertura de solo, como gramíneas e leguminosas, deverão ser predominantes nas rotações utilizadas. Estes solos poderão ser limitados por uma ou mais dos seguintes fatores: declividade moderada, grandes riscos de erosão, permeabilidade muito lenta, pouca espessura e zona restrita de raízes, pequena capacidade de retenção de água, baixa fertilidade natural, salinidade ou alcalinidade moderada, estrutura instável do solo. Classe IV: solos intermediários entre os apropriados às culturas e os considerados impróprios, limitação decorrente da declividade elevada, média fertilidade dos solos e pedregosidade. Solos propícios a culturas permanentes. Classe V e VI: solos com textura arenosa e baixa fertilidade, mais recomendados para pastagens e/ou reflorestamentos. Classe VII e VIII: solos adequados somente a reflorestamento e abrigo silvestre. 18

19 Classificação das terras de acordo com Classes de Serventia (Norton) Pastos Lavoura Classe Preservação de Flora e Fauna Silvicultura e/ou pastos Limitada Moderada Intensa Limitada Moderada Intensa Muito Intensa I II III IV V VI VII VIII D O I M Ó V E L E M T E L A Mapa Geomorfológico Depressão do Paraguai. Planícies e Pantanais. 19

20 Mapa Geológico Formação Cenozóica - Período Quaternário - Holoceno. Ha - Aluviões Atuais Na influência do Rio Seputuba e Córrego Cabaçal. Areias, siltes, argilas e cascalhos. Depósitos das planícies de inundação dos rios. Qp Formação Pantanal Na maior parte do imóvel. Sedimentos variados desde argila a conglomerados semiconsolidados. Depósitos fluviais e lacustres em áreas periodicamente ou ocasionalmente inundáveis. Mapa Exploratório de Solos Solos Dominantes: Glei pouco húmico eutrófico, argila de atividade baixa, textura indiscriminada, com incidência de Areias Quartzosas hifromórficas distróficas e Planossolo distrófico, com argila de atividade baixa, textura arenosa à média e areno argilosa. Relevo Plano. Areias quartzosas distróficas, com incidência de Planossolo distrófico, com argila de atividade baixa, textura arenosa à média e areno argilosa. Relevo Plano. Areias quartzosas álicas, com incidência de Areias quartzosas 20

21 hidromórficas álicas e Podzólico Vermelho Amarelo álico, com argila de atividade baixa, textura arenosa à média. Relevo Plano. Classes de Solos Existentes Classe III à VII. Mapa de Formas de Relevos Modelatos Dominantes: Colinas amplas e baixas Altimetrias: 300 metros. Declividades Dominantes: 0 a 10%. Classes de Aptidão Classe regular e classe boa. Nível de Manejo Nível de manejo B. 21

22 Litologias Dominantes Areias, siltes, argilas e cascalhos. Sedimentos variados desde argila a conglomerados semiconsolidados Mapa de Índice Agroclímático 55-70% Mapa Climatológico Tropical quente e sub-úmido com 4 meses de seca, de junho a setembro. Precipitação média anual de mm, com intensidade máxima nos meses de janeiro, fevereiro e março. Temperatura média anual de 24º C, máxima 40º C, menor 0º C. Mapa de Vegetação Vegetação original - Floresta Estacional Semidecidual dossel emergente e Floresta Semidecidual, submontana, dossel emergente. Mapa Hidrográfico Bacia Hidrográfica do Prata. 22

23 V I I I. M E T O D O L O G I A A V A L I A T Ó R I A N o r m a A B N T Consoante NORMA TÉCNICA ABNT , temos: Metodologia Básica Aplicável para avaliação de imóveis rurais: MÉTODOS DIRETOS Comparativo (com outros preços de mercado) Do Custo (de reposição / reprodução) MÉTODOS INDIRETOS Da Renda (Otimização se bem explorado) Residual VIII.1 METODOLOGIA BÁSICA APLICADA Para cálculo de valor do imóvel: Avaliação pelo Método Direto Comparativo: Para cálculo das benfeitorias reprodutivas e não reprodutivas: Avaliação pelo Método do Custo de Reposição 23

24 Modus Operandi: Levantou-se, comparativamente, o preço de oferta de imóvel formado (VTN + Benfeitorias); efetuou-se o tratamento estatístico por inferência onde foram consideradas as seguintes variáveis do modelo: Asfalto: existência (1), não existência (0). Pecuária: existência (1), não existência (0). Agricultura: existência (1), não existência (0). Benfeitorias: existência (1), não existência (0). % área aberta: referência por elemento amostral Condição: Oferta(x), Negócio Realizado ( ). imóvel avaliando, ou seja: E como situação paradigma, as condições do Asfalto: inexistência (0). Pecuária: existência (1). Agricultura: inexistência (0). Benfeitorias: existência (1). % área aberta: 0,88 Condição: Negócio Realizado ( ). VIII.2 GRAUS DE FUNDAMENTAÇÃO E PRECISÃO VIII.2.1 GRAU DE FUNDAMENTAÇÃO Calculado com base na seguinte tabela: 24

25 Ficando para o imóvel em tela: Item Especificação Condição Pontos 1 Nº de dados de mercado efetivamente utilizados. 3(k+1) e no mínimo Qualidade dos dados colhidos no mercado de mesma exploração. Todos 15 3 Visita dos dados de mercado por engº de avaliações. Minoria ou ausência 0 4 Critério adotado para avaliar construções e instalações. Custo de reedição por planilha específica 5 5 Critério adotado para avaliar produções vegetais. Conforme em Nas pastagens, emprega-se o custo de formação, com a aplicação de um fator de depreciação decorrente da diminuição da capacidade de suporte da pastagem. 5 6 Apresentação do laudo conforme Seção 11. Completo 16 7 Utilização do método comparativo direto de dados de mercado. Tratamento científico 15 8 Identificação dos dados amostrais. Fotográfica 2 9 Documentação do imóvel avaliando, que permita sua identificação e localização. Completo 8 10 Documentação do imóvel avaliando apresentada pelo contratante refere-se a: Completo 4 SOMATÓRIA DE PONTOS 88 25

26 ABNT NBR Classificação dos laudos de avaliação quanto à fundamentação Grau I II III Limite mínimo Limite máximo Grau de Fundamentação II (reduzido de Grau III para Grau II por não vistoria aos elementos amostrais, conforme NT ABNT NBR ) VIII.2.2 GRAU DE PRECISÃO Conforme ministrado por ARANTES & SALDANHA (2009) 4 : Para cálculo da amplitude total, segue-se os seguintes passos: A média 5 é calculada pela seguinte fórmula: µ x1 + x x n n i = = = 1 O desvio padrão 6 é calculado pela fórmula: Onde: ( x i µ ) δ = n 1 2 n n X i δ (sigma minúsculo) = desvio padrão. 4 ARANTES, C.A., SALDANHA, M.S., Avaliação de Imóveis Rurais Norma Técnica NBR ABNT Comentada, Ed. Leud, Média (M) é o valor que representa um conjunto de valores da população. Definida como a soma de todos os valores da população dividido pelo número de observações. 6 Desvio Padrão (δ )mede o grau de dispersão dos dados numéricos em torno de um valor médio. O desvio padrão é a medida mais comum da dispersão estatística. O desvio-padrão define-se como a raiz quadrada da variância (é o desvio padrão elevado ao quadrado e é simbolizado por S2. A variância é uma medida que tem pouca utilidade como estatística descritiva, porém é extremamente importante na inferência estatística e em combinações de amostras). A fórmula básica do desvio-padrão pode ser traduzida como: a raiz quadrada da média aritmética dos quadrados dos desvios. 26

27 xi = valor de cada evento individual (x 1, x 2, x 3... x n ). µ = média aritmética dos valores xi. Em uma distribuição normal perfeita, 68,26% das ocorrências se concentrarão na área do gráfico demarcada por um desvio padrão à direita e um desvio padrão à esquerda da linha média, conforme a figura abaixo: Distribuição normal perfeita, conforme desvio padrão Quando demarcamos dois desvios padrão, para a direita e a esquerda da média, abrangemos 95,44% das ocorrências e 99,72% quando demarcamos três. O limite de confiança é calculado pela seguinte fórmula: Lc (max/min) = µ ± t c δ n 1 Onde: µ = média. tc = valores percentis para distribuição t de Student, com n-1 grau de liberdade 7 (tabelado para confiança de 80%). 7 Graus de liberdade é um conceito ligado ao número de dados disponíveis (livres) para o cálculo da estatística. Por exemplo, 27

28 δ = Desvio padrão (Standard Deviation). n = número de elementos amostrais. Ficando como limites de expurgo para a amostragem: Mínimo : 2.044,50 Máximo : 4.314,77 A fórmula da amplitude total é assim definida: δ t c Amplitude Total = n 1 2 µ Ficando: Amplitude Total = 71,40% Comparando o resultado obtido na tabela 3 da Norma Técnica ABNT NBR , temos, GRAU DE PRECISÃO I (>50%). ao estimarmos a média populacional, com a média amostral perdemos um grau de liberdade, assim a estatística t-student terá n-1 graus de liberdade. 28

29 I X. P E S Q U I S A D E M E R C A D O Como base, foi utilizada consulta a empresas imobiliárias - ofertas para venda. Nesta consulta utilizamos as informações das imobiliárias ou corretores à seguir relacionados. Nº Am. Área Total (ha) Área Aberta (ha) Área Bruta (ha) Município Corretor fone Site R$ Total , ,00 169,00 Lambari Doeste CVL Imóveis , ,60 982,52 421,08 Lambari Doeste Genaro , , ,20 580,80 Lambari Doeste Leandro Bordignon , ,00 50,00 142,00 Rosário Doeste CVL Imóveis , ,00 10,00 12,00 Rosário Doeste CVL Imóveis , ,00 450,00 960,00 Rosário Doeste CVL Imóveis , ,00 391,00 6,00 Araputanga Peres Imóveis , , ,00 89,00 Araputanga Peres Imóveis , ,00 0, ,00 Araputanga Peres Imóveis , ,00 450,00 130,00 Araputanga Peres Imóveis , ,00 0, ,00 Salto do Céu MF Rural , ,00 351,00 564,00 Porto Esperidião Peres Imóveis , , , ,00 Porto Esperidião Peres Imóveis , ,00 300,00 191,00 Porto Esperidião Peres Imóveis , ,00 350, ,10 Porto Esperidião CVL Imóveis , ,14 263,78 19,36 Barra do Bugres CVL Imóveis , ,00 532,00 168,00 Barra do Bugres CVL Imóveis , ,00 480, ,00 Barra do Bugres CVL Imóveis , ,00 600,00 396,00 Barra do Bugres Imóveis VG (65) ,00 X. C Á L C U L O S X.1 VALORAÇÃO DAS BENFEITORIAS DO IMÓVEL AVALIANDO X.1.1. Benfeitorias Não Reprodutivas 29

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM - 2011

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM - 2011 NATUREZA DO TRABALHO: TRABALHO DE AVALIAÇÃO RESUMO Através de inferência estatística objetiva-se obter uma equação com as diferentes variáveis consideradas no cálculo que expliquem um percentual de servidão.

Leia mais

TRANSPOSE FACTOR OF ASSESSMENT OF RURAL PROPERTY FATOR DE TRANSPOSIÇÃO EM AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL

TRANSPOSE FACTOR OF ASSESSMENT OF RURAL PROPERTY FATOR DE TRANSPOSIÇÃO EM AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL TRANSPOSE FACTOR OF ASSESSMENT OF RURAL PROPERTY FATOR DE TRANSPOSIÇÃO EM AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL ARANTES, Carlos Augusto. Engº Agrônomo. CREA-SP 060.183.494-0 IBAPE SP nº 745 Rua Oscar Rodrigues Alves,

Leia mais

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O.

L A U D O D E A V A L I A Ç Ã O. IVO ARNALDO VALENTINI PERITO JUDICIAL ENGENHARIA ELÉTRICA-ELETRÔNICA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS, MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS SEGURANÇA DO TRABALHO AMBIENTAL DOCUMENTOSCOPIA E GRAFOSCOPIA fls. 46 EXMO. SR. DR. JUIZ

Leia mais

FAZENDAS PARA GADO DE CORTE Margens do Rio Araguaia / Rod. Transamazônica. Araguatins/Estado do Tocantins

FAZENDAS PARA GADO DE CORTE Margens do Rio Araguaia / Rod. Transamazônica. Araguatins/Estado do Tocantins FAZENDAS PARA GADO DE CORTE Margens do Rio Araguaia / Rod. Transamazônica Araguatins/Estado do Tocantins Região de Localização dos Imóveis Municipio de Araguatins (TO), localizado na microrregião Bico

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Imóvel rural denominado Barra do Rio dos Lobos localizado no Distrito de Lagoinha Barra do Chapéu-SP Conselho do Patrimônio Imobiliário Rua Tangará, 70 Vila Mariana

Leia mais

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos ABNT NBR 14653-3:2004 Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos Definições 3.2 benfeitorias: Resultado de obra ou serviço realizado no imóvel rural, que não pode ser retirado sem destruição,

Leia mais

Fazenda Realeza. Imóvel: INCRA: 636.061,317.624-0. Área georreferenciada: 640,4334 ha

Fazenda Realeza. Imóvel: INCRA: 636.061,317.624-0. Área georreferenciada: 640,4334 ha L A U D O T É C N I C O D E A V A L I A Ç Ã O Imóvel: Fazenda Realeza Município: Itapetininga - SP INCRA: 636.061,317.624-0 Área registrada: 676,95 ha Área georreferenciada: 640,4334 ha Interessado: Massa

Leia mais

Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais e seus componentes. Principais alterações. Carlos A. Arantes

Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais e seus componentes. Principais alterações. Carlos A. Arantes Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais e seus componentes Principais alterações Carlos A. Arantes Definições 3.4 contemporaneidade: característica de dados coletados em período de tempo onde não houve

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO CADASTRO INDIVIDUAL N.º 052-AA-MT. Ailor Carlos Anghinoni e Outros ENGENHARIA

LAUDO DE AVALIAÇÃO CADASTRO INDIVIDUAL N.º 052-AA-MT. Ailor Carlos Anghinoni e Outros ENGENHARIA 052AAMT Impresso em 6/8/2009 ENGENHARIA CADASTRO INDIVIDUAL N.º 052AAMT Interessado: Ailor Carlos Anghinoni e Outros Fazenda São Francisco LAUDO DE AVALIAÇÃO Rua ÁlvarodeCarvalhonº48 3º Andar CEP 01050070

Leia mais

1ª Reunião da Comissão de Remanejamento da População do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 06 de Outubro de 2015

1ª Reunião da Comissão de Remanejamento da População do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 06 de Outubro de 2015 1ª Reunião da Comissão de Remanejamento da População do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop Sinop, 06 de Outubro de 2015 AGENDA 9h Boas vindas/apresentação 9h30 4ª Reunião da Comissão Técnico

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO. O imóvel possui diversas benfeitorias. AVALIO O LOTE EM R$ 250.000,00 (duzentos e cinqüenta mil reais). Cota: 1.

LAUDO DE AVALIAÇÃO. O imóvel possui diversas benfeitorias. AVALIO O LOTE EM R$ 250.000,00 (duzentos e cinqüenta mil reais). Cota: 1. LAUDO DE AVALIAÇÃO Aos onze dias do mês de setembro do ano de dois mil e quatorze, em cumprimento ao despacho contido no movimento 92, dos autos 0004320-95.2012.8.16.0117, de CUMPRIMENTO DE SENTENÇA, em

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário. Imóvel rural localizado no Bairro Anta Magra Barra do Chapéu-SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário. Imóvel rural localizado no Bairro Anta Magra Barra do Chapéu-SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Imóvel rural localizado no Bairro Anta Magra Barra do Chapéu-SP Conselho do Patrimônio Imobiliário 2 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL 1. VALOR TOTAL DO IMÓVEL (R$): VALOR

Leia mais

Influência do número de vagas de garagem no valor de apartamentos Trabalho de avaliação

Influência do número de vagas de garagem no valor de apartamentos Trabalho de avaliação Influência do número de vagas de garagem no valor de apartamentos Trabalho de avaliação Precisão Consultoria, Rua Congonhas,494 São Pedro Belo Horizonte, MG Brasil fmaia@precisaoconsultoria.com.br Francisco

Leia mais

Roteiro para apresentação do laudo de avaliação Imóveis Urbanos

Roteiro para apresentação do laudo de avaliação Imóveis Urbanos Roteiro para apresentação do laudo de avaliação Imóveis Urbanos O roteiro a seguir, desenvolvido pela empresa Pelli Sistemas Engenharia, tem como objetivo esclarecer dúvidas a respeito da elaboração do

Leia mais

Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira

Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira Engenheiro Civil graduado pela FUMEC - Belo Horizonte/MG 1992; Diretor da empresa AM Projetos e Sistemas; Atuações como Perito Judicial na Justiça Estadual

Leia mais

Análise do Laudo de Avaliação do Ed. Santa Clara

Análise do Laudo de Avaliação do Ed. Santa Clara Análise do Laudo de Avaliação do Ed. Santa Clara Objeto da análise: Laudo de Avaliação n 0 7128.7128.632314/2012.01.01.01 SEQ.002 Autor do laudo: Eng. Denis Francisco Lunardi. Solicitante do laudo: Caixa

Leia mais

Mesa Redonda sobre Imóveis Rurais

Mesa Redonda sobre Imóveis Rurais Pauta Proposta da Reunião Solicitada pelo Associado Eng. Agr. José Rodrigues de Moura Mesa Redonda sobre Imóveis Rurais Data: 19/05/2014 Diretoria IBAPE-GO Presidente Eng. Agr. Luciano de Camargo Orlando

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO MAXMA ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA. Laudo n. 17.477_289/12. São Paulo, 03 de Setembro de 2.012

LAUDO DE AVALIAÇÃO MAXMA ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA. Laudo n. 17.477_289/12. São Paulo, 03 de Setembro de 2.012 Laudo n. 17.477_289/12 São Paulo, 03 de Setembro de 2.012 À MAXMA ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA. Rua Aloísio Magalhães, 22 Município de Perus - SP Prezados Senhores, A ENGEVAL - ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IMOBILIÁRIAS METODOLOGIAS CIENTÍFICAS - REGRESSÃO LINEAR MÓDULO BÁSICO E AVANÇADO - 20 horas cada Vagas Limitadas

CURSO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IMOBILIÁRIAS METODOLOGIAS CIENTÍFICAS - REGRESSÃO LINEAR MÓDULO BÁSICO E AVANÇADO - 20 horas cada Vagas Limitadas CURSO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IMOBILIÁRIAS METODOLOGIAS CIENTÍFICAS - REGRESSÃO LINEAR MÓDULO BÁSICO E AVANÇADO - 20 horas cada Vagas Limitadas MÓDULO BÁSICO DIAS HORÁRIO 13/02/2014 14:00 ÁS 18:00

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Imóvel rural denominado Fazenda Cerrado Distrito de Domélia Agudos-SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 49.245816

Leia mais

Relatório de Avaliação Patrimonial

Relatório de Avaliação Patrimonial Relatório de Avaliação Patrimonial Brasilagro Cia. Brasileira de Propriedades Agrícolas Data-base: 31 de dezembro de 2010 Corporate Finance ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011 Revisão da NBR 14.653-2 Imóveis Urbanos: Inovações da Versão 2011 Sérgio Antão Paiva Porto Alegre 20 de maio de 2011 Principais alterações na NBR 14.653-2 Especificação de características qualitativas

Leia mais

Excelentíssima Senhora doutora Juíza de Direito da 16ª Vara Cível do Fórum Central da Capital - SP.

Excelentíssima Senhora doutora Juíza de Direito da 16ª Vara Cível do Fórum Central da Capital - SP. Laudo n 18.426_13 São Paulo, 28 de junho de 2013. À Excelentíssima Senhora doutora Juíza de Direito da 16ª Vara Cível do Fórum Central da Capital - SP. Praça João Mendes Centro SP. Prezados Senhores, A

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Rua Dr. Gerônimo Monteiro Lopes, 373, 383, 389 e 393 (Antiga Rua Projetada, 5 Lotes 230, 231 e 232) Vila São Francisco Registro / SP Conselho do Patrimônio Imobiliário 1. VALOR

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO. São Paulo, 07 de julho de 2.010. Consulente: Beatriz Batista Valchi

LAUDO DE AVALIAÇÃO. São Paulo, 07 de julho de 2.010. Consulente: Beatriz Batista Valchi São Paulo, 07 de julho de 2.010 Consulente: Beatriz Batista Valchi Gilberto Lobo de Campos, engenheiro, CREA 65.440- /D, tendo sido consultado para quantificar o valor de mercado do imóvel a ser alienado

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014

LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014 LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014 Em atendimento à solicitação da...delegou-se ao engenheiro..., CREA- MG:.../D a incumbência de proceder a avaliação dos imóveis localizados na Rua Frei Orlando nº 360 e nº

Leia mais

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA CRÉDITO COMO SOLUÇÃO PARA PRODUZIR COM SUSTENTABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL BNDES PRODUSA Objetivos Disseminar o conceito de agronegócio responsável e sustentável, agregando

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO/PRAÇA

EDITAL DE LEILÃO/PRAÇA Rua 31 de Março Ed. do Fórum, Jardim das Palmeiras, CEP: 78510-00, Novo São Joaquim/MT - AUTOS Nº. 119-29.2015.811.0106 CÓDIGO: 73335 EXEQUENTE(S): BANCO BRADESCO S.A. EXECUTADO(A)(S): JAIRO MARQUES FERREIRA

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

ABNT NBR 14653-3 NORMA BRASILEIRA. Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais. Part 3: Appraisal of rural real estate. Primeira edição 31.05.

ABNT NBR 14653-3 NORMA BRASILEIRA. Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais. Part 3: Appraisal of rural real estate. Primeira edição 31.05. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14653-3 Primeira edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 Avaliação de bens Parte 3: Imóveis rurais Assets appraisal Part 3: Appraisal of rural real estate Palavra-chave:

Leia mais

IBAPE - XII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE/MG

IBAPE - XII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE/MG IBAPE - XII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE/MG Avaliação de Indenização por Instituição de Servidão de Passagens em Glebas Rurais Autor: Arantes, Carlos

Leia mais

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO MODELO DE LAUDO LAUDO TÉCNICO I - PREÂMBULO Aos onze dias do mês de maio do ano de dois mil e seis, em atendimento a solicitação do Comandante da Polícia Militar, deslocamos até o município de Matinho

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO E VISTORIA DE IMÓVEIS

LAUDO DE AVALIAÇÃO E VISTORIA DE IMÓVEIS LAUDO DE AVALIAÇÃO E VISTORIA DE IMÓVEIS A - IDENTIFICAÇÃO C - CARACTERIZAÇÃO DO TERRENO Topografia Perfil Transversal: Perfil Longitudinal: Plano Plano NOME DO PROPONENTE: ENDEREÇO DO IMÓVEL: TIPO DE

Leia mais

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( )

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( ) Corretor: Seguro novo Nº apólice anterior: Possui outros seguros da mesma área? Recursos para a condução de floresta: Próprio Financiado Especificação do financiamento para condução da floresta? DADOS

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 MAPEAMENTO DE ÁREAS COM BAIXO RISCO CLIMÁTICO PARA IMPLANTAÇÃO DO CONSÓRCIO MILHO COM BRACHIÁRIA NO ESTADO DE GOIÁS Fernando Antônio Macena da Silva¹, Natalha de Faria Costa², Thaise Sussane de Souza Lopes³,

Leia mais

L A U D O P E R I C I A L

L A U D O P E R I C I A L 1 EXMA. Sra. Dra JUÍZA DE DIREITO DA 3ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE RIO CLARO - SP Processo :- Nº 510.01.2011.010876-5/000000-000 Registro :- Nº 1544/2011 - CARTA PRECATÓRIA Deprecante :- JUÍZO DE DIREITO

Leia mais

II LEILÃO NACIONAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO 15 DE JUNHO DE 2012 Vara do Trabalho de Porto Calvo

II LEILÃO NACIONAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO 15 DE JUNHO DE 2012 Vara do Trabalho de Porto Calvo CLASSIFICAÇÃO QUANT. DESCRIÇÃO VALOR VALOR ALIENADO Nº DO PROCESSO: 0145800-59.2005.5.19.0057 08 LOTES DE Nº 11, 12, 13, 14, 15, 17, 19 E 24 DA QD P DO LOTEAMENTO PRAIA DE JAPARATINGA, JAPARATINGA/AL 1.1

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.840000 S 21.178888 2 de 11 FICHA CADASTRAL DO

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE FOZ DO IGUAÇU CARTÓRIO DISTRIBUIDOR PÚBLICO E ANEXOS AVENIDA PEDRO BASSO, 1001 JARDIM PÓLO CENTRO CEP: 85.

PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE FOZ DO IGUAÇU CARTÓRIO DISTRIBUIDOR PÚBLICO E ANEXOS AVENIDA PEDRO BASSO, 1001 JARDIM PÓLO CENTRO CEP: 85. PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE FOZ DO IGUAÇU CARTÓRIO DISTRIBUIDOR PÚBLICO E ANEXOS AVENIDA PEDRO BASSO, 1001 JARDIM PÓLO CENTRO CEP: 85.863-756 LAUDO DE AVALIAÇÃO A Avaliadora Judicial, infra-assinada, em

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD ANEXO III DO PARECER ÚNICO AGENDA VERDE

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD ANEXO III DO PARECER ÚNICO AGENDA VERDE Página: 1 de 5 Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE ANEXO III DO PARECER ÚNICO AGENDA VERDE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Tipo de

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO NORTE DE GOIÁS (PORANGATU).

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO NORTE DE GOIÁS (PORANGATU). XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP - 9 MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO NORTE DE GOIÁS (PORANGATU).

Leia mais

Manual de Avaliação de Imóveis

Manual de Avaliação de Imóveis Versão 1.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor (es) 29/07/1989 1.0 Documento inicial João da Silva Assessoria de Tecnologia da Informação, 2008 Página 2 de 31 Assessoria de Tecnologia da Informação,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto Número e Título do Projeto: BRA/12/08 Apoio à implementação do Plano de Reabilitação Participativo do Centro

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Rua Ceará, nº 2855 São Joaquim da Barra/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.872444 S 20.585111 2 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL 1. VALOR

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ESTRUTURA DO LAUDO TÉCNICO PERICIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS QUESTÕES DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS Obediência à diretrizes metodológicas e técnicas de análise/avaliação pericial; Cumprimento às leis e normativos

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO SIMPLIFICADO. ESTADO: Rio Verde USO PREDOMINANTE INFRA ESTRUTURA URBANA SERVIÇOS PÚBLICOS COMUNITÁRIOS

LAUDO DE AVALIAÇÃO SIMPLIFICADO. ESTADO: Rio Verde USO PREDOMINANTE INFRA ESTRUTURA URBANA SERVIÇOS PÚBLICOS COMUNITÁRIOS 1 - SOLICITANTE: CPF: Beatriz Carlos Fernandes 038.777.631-11 2- IDENTIFICAÇÃO DO BEM OBJETO DE AVALIAÇÃO ENDEREÇO: Nº. COMPL. BAIRRO: Rua Jacaranda Qd. 11 lt 237 Res. Gameleira CIDADE: ESTADO: Rio Verde

Leia mais

OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS

OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS SOLICITANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ DO SUL OBJETO: Valorização Imobiliária decorrente de pavimentação Zona Urbana de Santa Cruz do Sul - RS 1. OBJETIVO E FINALIDADE DO PARECER Este laudo de

Leia mais

Excelentíssima Senhora doutora Juíza de Direito da 16ª Vara Cível do Fórum Central da Capital - SP.

Excelentíssima Senhora doutora Juíza de Direito da 16ª Vara Cível do Fórum Central da Capital - SP. Laudo n 18.393_13 São Paulo, 28 de junho de 2013. À Excelentíssima Senhora doutora Juíza de Direito da 16ª Vara Cível do Fórum Central da Capital - SP. Praça João Mendes Centro SP. Prezados Senhores, A

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO AVALIAÇÃO IMOVEIS Realizar serviços de avaliação de imóveis para fins de indenização aos proprietários pela desapropriação de áreas de interesse da Sanepar ou pela instituição

Leia mais

CORRETOR E AVALIADO R DE IMÓVEIS TERRENOS URBANOS E RURAIS

CORRETOR E AVALIADO R DE IMÓVEIS TERRENOS URBANOS E RURAIS CRECI: F 20730 I CNAI: 07290 CORRETOR E AVALIADO R DE IMÓVEIS AVALlAÇAO DE UM TERRENO RURAL A pedido do TRIBUNAL DE JUSTiÇA DO ESTAD~ DO PARANÁ PODER JUDICIARIO, Comarca de Rebouças - Pro Secretaria Unica

Leia mais

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil 1º Congresso Florestal do Tocantins Novembro 2010 Situação florestal do Brasil IBGE

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

SEND SERVICE E ENGENHARIA LTDA

SEND SERVICE E ENGENHARIA LTDA SEND SERVICE E ENGENHARIA LTDA Rua São Severo nº 03 Penha São Paulo (SP) - CEP 03666-000 Fone/Fax (11) 2687-1138, Cel (11) 8337-3335, 8337-6420 e 8473-6063 e-mail sendservice@sendservice.com.br ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Divisão de. Avaliação e Perícia

Divisão de. Avaliação e Perícia Divisão de Avaliação e Perícia índice 3 5 6 a scot consultoria serviços de avaliação e perícia avaliação de imóveis rurais SUgestão de divisão de propriedades rurais Laudo de comprovação de produtividade

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011 XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011 TRABALHO DE AVALIAÇÃO Imóveis semelhantes e o passivo/ativo ambiental na engenharia de avaliações aplicada em imóveis

Leia mais

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA 0 Helcio Kronberg Avaliador e Leiloeiro Público Oficial R. Emiliano Perneta, 736 Centro - Curitiba/PR Fone/Fax 41 3233-1077 LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA Processo 0033193-67.2011.8.16.0179-1ª

Leia mais

Requer a designação de leilão eletrônico, para venda do imóvel.

Requer a designação de leilão eletrônico, para venda do imóvel. EXMO.SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA 7 CIVEL DO FORO REGIONAL DE SANTO AMARO - SP PROCESSO 4001924-21.2013.8.26.0002 IMACULADA MARIA DE JESUS ROSA, nos autos da ação ORDINARIA que move contra CARLOS A.

Leia mais

Avaliação de terrenos

Avaliação de terrenos Avaliação de terrenos Avaliação de terreno pelo método comparativo com tratamento por fatores utilizando a estatística clássica Na avaliação de imóveis com o emprego do método comparativo de dados de mercado,

Leia mais

CÁLCULO DA DEPRECIAÇÃO DE APARTAMENTOS USANDO REGRESSÃO LINEAR E MÉTODO DE ROSS-HEIDECKE: UM ESTUDO COMPARATIVO

CÁLCULO DA DEPRECIAÇÃO DE APARTAMENTOS USANDO REGRESSÃO LINEAR E MÉTODO DE ROSS-HEIDECKE: UM ESTUDO COMPARATIVO CÁLCULO DA DEPRECIAÇÃO DE APARTAMENTOS USANDO REGRESSÃO LINEAR E MÉTODO DE ROSS-HEIDECKE: UM ESTUDO COMPARATIVO RESUMO Todos os materiais utilizados para a construção de edificações sofrem deterioração

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO. Conforme projeto zona beneficiada (anexo 02). Conforme projeto pavimentação planimétrico (anexo 03).

LAUDO DE AVALIAÇÃO. Conforme projeto zona beneficiada (anexo 02). Conforme projeto pavimentação planimétrico (anexo 03). LAUDO DE AVALIAÇÃO 1.0 - OBJETO Constitui-se objeto da presente avaliação, a determinação de valores dos terrenos frontais à Rua XV de Novembro, que receberam melhoria na sua estrutura, com pavimentação

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO Requerimento Padrão de Atividade Florestal - RPAF; Cópia de CPF e RG do requerente; Cópia do Certificado da Área

Leia mais

Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da 5ª Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP. Processo nº 0050640-49.2002.8.26.0224 (Ordem 4062/2002)

Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da 5ª Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP. Processo nº 0050640-49.2002.8.26.0224 (Ordem 4062/2002) Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da 5ª Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP Processo nº 0050640-49.2002.8.26.0224 (Ordem 4062/2002) Wagner Gerson Costa, engenheiro civil, perito judicial nomeado

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

EDITAL DE 1ª E 2ª PRAÇA À REALIZAREM-SE NOS DIAS 07/08/2007 E 21/08/2007, RESPECTIVAMENTE, SEMPRE ÀS 15:00 HORAS

EDITAL DE 1ª E 2ª PRAÇA À REALIZAREM-SE NOS DIAS 07/08/2007 E 21/08/2007, RESPECTIVAMENTE, SEMPRE ÀS 15:00 HORAS PODER JUDICIÁRIO ESTADO DO TOCANTINS COMARCA DE GURUPI-TO ESCRIVANIA DE CARTAS PRECATÓRIAS, FALÊNCIAS E CONCORDATAS Avenida Rio Grande do Norte, s/n.º, Centro, entre Ruas 3 e 4, CEP: 77.410-080 Fone: 63-3612-7123

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO. b) Com base no Protocolo e no Balanço Geral encerrado em 12/12/2006, AVALIAMOS:

LAUDO DE AVALIAÇÃO. b) Com base no Protocolo e no Balanço Geral encerrado em 12/12/2006, AVALIAMOS: 1 CONSULT CONSULTORIA EMPRESARIAL, pessoa jurídica de direito privado, com sede e foro em Curitiba, PR, na Rua Mateus Leme, 2004, 1º andar, inscrita no CNPJ (MF) sob nº. 77.371.854/0001-09 e no CRC/PR

Leia mais

DECRETO Nº 6.961, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009.

DECRETO Nº 6.961, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009. DECRETO Nº 6.961, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009. Aprova o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar e determina ao Conselho Monetário Nacional o estabelecimento de normas para as operações de financiamento

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

LAUDO PERICIAL AVALIATÓRIO NIVEL DE RIGOR: EXPEDITO (NB 502/89)

LAUDO PERICIAL AVALIATÓRIO NIVEL DE RIGOR: EXPEDITO (NB 502/89) EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª. VARA DA FAZENDA PÚBLICA E REGISTROS PÚBLICOS, COMARCA DE CAMPO GRANDE, CAPITAL DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Proc: nº. 97. 0030457-4 Ação Ordinária de Cobrança Autor:

Leia mais

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Luiz Antonio Sgarabotto. Laudos & Contratos. 1 a edição ISBN 978-85-913861-2-3

Luiz Antonio Sgarabotto. Laudos & Contratos. 1 a edição ISBN 978-85-913861-2-3 Luiz Antonio Sgarabotto Laudos & Contratos 1 a edição ISBN 978-85-913861-2-3 Balneário Camboriú - SC Luiz Antonio Sgarabotto 2012 Índice Modelos de Laudos para Avaliação de Imóveis Urbanos e Rurais Introdução

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ 1. Objeto Contratação de serviço especializado de topografia plani-altimétrica georeferenciada

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 289, DE 25 DE OUTUBRO DE 2001 Estabelece diretrizes para o Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária.

RESOLUÇÃO N o 289, DE 25 DE OUTUBRO DE 2001 Estabelece diretrizes para o Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária. RESOLUÇÃO N o 289, DE 25 DE OUTUBRO DE 2001 Estabelece diretrizes para o Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária. Publicada no DOU de 21 de dezembro de 2001 O CONSELHO NACIONAL

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL CPOS 0380/2008 A 109 CPI CPI 2843/2009 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Av. São Paulo x Av. Atlântica - Lotes 19 e 20 Quadra 6 Bairro Vila Atlântica Mongaguá SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

Resumo Público Monitoramento da Fauna e Social Exploração de Manejo Florestal Sustentável

Resumo Público Monitoramento da Fauna e Social Exploração de Manejo Florestal Sustentável Resumo Público Monitoramento da Fauna e Social Exploração de Manejo Florestal Sustentável Abril 2014 INTRODUÇÃO O presente resumo tem como objetivo disponibilizar dados referentes ao monitoramento da flora,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ESTIMATIVA DE CUSTOS PARA RECUPERAÇÃO DA VEGETAÇÃO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL NO ESTADO DE SANTA

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL CPOS 0380/2008 pasta A 58 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Av. Pres. Castelo Branco, Lotes 21 e 23 Quadra 3 Vila Balneária Bairro Jardim Real Praia Grande SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais