Avaliação da Flexibilidade 02

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação da Flexibilidade 02"

Transcrição

1

2

3

4

5 Avaliação da Fleibilidade 02

6 Avaliação da Fleibilidade 03 Avaliação da Fleibilidade Manual de Utilização do Fleímetro Sanny. 1º. Edição - Agosto de 2000 Impresso no Brasil Supervisão Editorial Wilson Eduardo Revisão Ortográfica Maria Cristina Revisão Científica Prof. Roberto Fernandes da Costa Modelos Gisele Reginy Bezerra Rodrigo Maciel Andrade Gizele de Assis Monteiro Fábio R. B. Antonio Todos os direitos reservados. A fotocópia de qualquer parte deste livro é ilegal e configura apropriação dos direitos intelectuais e patrimoniais do autor. Lei Federal nº de 19 de Fevereiro de Catalogação na fonte do Departamento Nacional do Livro.

7 Avaliação da Fleibilidade 04

8 Avaliação da Fleibilidade 05

9 Avaliação da Fleibilidade 06 Avaliação da Fleibilidade Manual de Utilização do Fleímetro Sanny ISBN: Profª. Gizele de Assis Monteiro Mestre em Fisiologia do Eercício pela UNIFESP - EPM Docente da UNI-FMU Docente de Pós-Graduação em personal - EPM Docente de cursos de Pós-Graduação e cursos de Etensão da UNI-FMU Aperfeiçoamento em Fisiologia do Eercício em Cuba

10 Avaliação da Fleibilidade 07

11 Avaliação da Fleibilidade 08

12 Avaliação da Fleibilidade 09

13 Avaliação da Fleibilidade 10 AGRADECIMENTOS A Ele que nunca posso deiar de agradecer; o meu fôlego de vida, o meu Deus e amigo... Sr. Jesus... Obrigado, isso é para honra e glória do teu nome. Ao meu marido e amigo Prof. Ms. Artur Guerrini Monteiro, o meu obrigado e o meu amor por tudo que tem me ensinado. Ao Prof. Roberto F. Costa pela oportunidade e escolha para a realização deste trabalho. A Sanny, nas pessoas de Wilson Eduardo e Cleuza Eduardo pela confiança, esforço e ajuda em cada fase deste trabalho. A Terrazul Informática na pessoa de Ivan Carbone, pela colaboração na produção deste trabalho. Ao Uni-FMU nas pessoas do Prof. Flavio Delmanto e Doralice Signori, por cederem as instalações para o complemento deste trabalho. Ao Prof. Rodrigo Maciel Andrade, pela competência com que auiliou-me no andamento das fotos e no fechamento do teto deste manual. Aos meus alunos: Gisele Regyni Bezerra pela paciência, dedicação e desempenho em cada foto. Fábio Roberto de Brito Antonio, pela dedicação nos últimos momentos deste trabalho. Obrigado e parabéns aos futuros profissionais que já demonstram o interesse necessário aos bons profissionais da área. Obrigado a todos que direta ou indiretamente fizeram parte deste trabalho. Gizele de Assis Monteiro A G R A D E C I M E N T O S

14 Avaliação da Fleibilidade 11

15 Avaliação da Fleibilidade 12 APRESENTAÇÃO A Fleibilidade é uma das principais capacidades motoras, pois apresenta relação direta com realização tanto das tarefas mais simples do dia-a-dia quanto dos gestos desportivos mais compleos. Em função disso, seu treinamento é fundamental e, como sabemos, para qualquer programa de treinamento é essencial a realização de rotinas de avaliação física no decorrer do mesmo.tal rotina deve contar com uma avaliação prévia, com o objetivo de diagnosticar a condição inicial do praticante; com avaliações durante o programa, para verificar a assimilação e a eficiência do mesmo; e ao término do período de treinamento com a função de identificar se os objetivos e necessidades do avaliado foram atendidos. Neste conteto, é necessário que tais avaliações sejam realizadas seguindo protocolos adequados e utilizando os padrões referenciais apresentados na literatura científica da área. Além disso, é primordial que se utilize equipamento que atenda as necessidades desses protocolos e que seja utilizado corretamente. O Fleímetro Sanny vem suprir a carência que as áreas de Educação Física e Ciências do Esporte apresentam em relação a equipamentos de qualidade para avaliação desta variável tão importante. E, para acompanhá-lo, a Professora Gizele Assis Monteiro produziu este Manual, que sem dúvida alguma, será de grande utilidade para profissionais e estudantes interessados na avaliação e no treinamento da Fleibilidade. Com descrições altamente didáticas e fotos de grande qualidade, será muito simples para os usuários do equipamento a realização das avaliações. É importante destacar a grande revisão bibliográfica que a Professora Gizele realizou a respeito de padrões referencias desta variável, tanto para a saúde quanto para algumas modalidades esportivas, permitindo uma verdadeira avaliação da Fleibilidade. Em vista da qualidade do equipamento e de seu manual, não tenho a menor dúvida que além de conquistar os profissionais e estudantes de Educação Física, Fisioterapia, Ciências do Esporte e áreas afins, conquistará também pesquisadores interessados no estudo da Fleibiliadade e em breve estará sendo citado em diversas publicações científicas. A P R E S E N T A Ç Ã O Prof. Roberto Fernandes da Costa

16 Avaliação da Fleibilidade 13

17 Avaliação da Fleibilidade 14 INTRODUÇÃO A grande abertura de mercado que o profissional de Educação Física vem alcançando faz com este tenha que estar atualizado e aberto aos novos conceitos teóricos e práticos. O Personal Training abriu espaço para o Professor de Educação Física na orientação e programação do eercício de forma individualizada e planejada, tornando-se mais eficaz e mais científico. Hoje é comum vermos professores utilizando seus frequencímetros, seus compassos de dobra cutânea, assim como os demais equipamentos. Encontramos também academias e clubes com departamentos de avaliação da aptidão física, importando-se com o aspecto cardiorrespiratório e neuro muscular do seu cliente ou aluno. Nasce então a necessidade de somar ao profissional, um equipamento moderno, prático e confiável para a medição da Fleibilidade. A Fleibilidade durante muito tempo não era incluída nos programas de treinamento, mas hoje tem crescido o número de publicações científicas e o interesse pelos aspectos que envolvem o treinamento dessa capacidade na saúde na reabilitação e no desporto. No lado desportivo é necessário saber mais sobre a especificidade da Fleibilidade em cada modalidade desportiva, tornando o treinamento mais completo e eficaz, assim como também dando a possibilidade do acompanhamento do comportamento da Fleibilidade nas várias faias etárias e fases desse atleta. I N T R O D U Ç Ã O

18 Avaliação da Fleibilidade 15

19 Avaliação da Fleibilidade 16 ÍNDICE Apresentação. Introdução. Unidade Fleibilidade. O que você precisa saber sobre a fleibilidade? Terminilogias adotadas. Manifestação da fleibilidade. 2. Importância da avaliação da Fleibilidade. Unidade Como podemos medir a Fleibilidade? Testes adimensionais. Testes lineares. Testes angulares. Sistemas de registro da AM - Epressão Numérica. 2. Fleímetro. Vantagens que a utilização do Fleímetro oferece. Procedimentos para a avaliação. Como selecionar os movimentos e articulações a serem Indicação dos movimentos por Vetores. avaliados. Unidade Articulações e movimentos para serem avaliados. Medida da Fleibilidade Ativa e Passiva. 2. Ombro. 3. Cotovelo. 4.Punho e Mão. 5. Quadril. Testes específicos para atletas na avaliação dos movimentos do Quadril. 6. Joelho. 7. Tornozelo e Pé. 8. Coluna Vertebral. Coluna Cervical. Coluna Torácica e Lombar. Unidade Níveis de Fleibilidade para a saúde. Amplitudes de movimentos relacionados a saúde. Amplitude de movimento avaliada com fleômetro de Leighton. Amplitude de movimento avaliada com goniômetro universal. 2. Fleibilidade e idade. 3. Fleibilidade no desporto. Natação. Tênis. Voleibol. Ginástica Olímpica. Ginástica Rítmica. (Desprtiva). Ballet Clássico. Unudade Fichas. Ficha de Anamnese. Ficha de Avaliação

20 Avaliação da Fleibilidade 17 Ficha de Avaliação para movimentos desportivos. Ficha eplicativa do procedimento de avaliação para o aluno. 2. Sugestões de movimentos avaliado para o desporto. Seleção de movimentos para avaliação da fleibilidade de alguns desportos Conclusão. Referências bibliográficas

21 Avaliação da Fleibilidade 18 UNIDADE 1. 1.FLEXIBILIDADE O que você precisa saber sobre a Fleibilidade? A fleibilidade é uma capacidade física que pode ser relacionada à saúde e ao desempenho desportivo e descreve a Amplitude de Movimento (AM) que uma articulação pode realizar. Em 1998, o Colégio Americano de Medicina Esportiva publicou sua recomendação dizendo que, da interação dos princípios do treinamento provém a sobrecarga dos estímulos. Como resultado da especificidade do treinamento e da necessidade de manutenção da força, resistência muscular e fleibilidade dos segmentos corporais, um programa de treinamento bem elaborado inclui eercícios de resistência e fleibilidade. Portanto, tem sido mudada a idéia de incluir em nossos programas somente eercícios para o sistema cardiovascular ou para resistência muscular. Isso dá uma nova importância para o treinamento de fleibilidade através dos eercícios de alongamento, quebrando-se a idéia que através de outras atividades estaríamos treinando a fleibilidade. Isto é, se queremos melhorar essa capacidade, temos que treiná-la, obviamente, conforme a necessidade e objetivo do indivíduo. Em relação ao desporto, os principais estudiosos da área, já têm demonstrado a importância da fleibilidade para o desempenho das outras capacidades físicas, como a força, a velocidade e até mesmo a resistência geral e local, cooperando para um menor gasto energético quando há uma amplitude de movimento adequada do atleta. Terminologias adotadas. Adotaremos neste manual, o termo Fleibilidade para epressar a Capacidade física e um componente da aptidão física, e o termo Amplitude de Movimento (AM ou ADM) para descrever a liberdade de movimento de uma articulação. O termo Alongamento refere-se ao eercício para treinar a fleibilidade, assim como também a ação que está acontecendo na musculatura.

22 Avaliação da Fleibilidade 19 Manifestações da Fleibilidade. A Fleibilidade pode se manifestar de maneira ativa e passiva. Entende-se por: Ativa: a maior amplitude de movimento possível, que o indivíduo pode realizar devido à contração da musculatura agonista. Passiva: a maior amplitude de movimento possível que o indivíduo pode alcançar sob a ação de forças eternas (parceiro, aparelho, ação da gravidade, outros segmentos corporais). Fig Fleibilidade Ativa. Fig Fleibilidade Passiva. Caso o avaliado utilize a medição Passiva, o segmento será levado até a máima amplitude pelo avaliador. A fleibilidade passiva é sempre maior que a ativa. Reserva da Fleibilidade: é a diferença entre a fleibilidade passiva e ativa. Ela eplica a possibilidade de melhora da fleibilidade ativa através do fortalecimento da musculatura agonista e pela maior capacidade de alongamento dos antagonistas. O avaliador pode e deve fazer uso da Fleibilidade Ativa e Passiva em suas avaliações.

23 Avaliação da Fleibilidade IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE A avaliação da fleibilidade é importante para o eame físico, o qual permite ao professor de Educação Física, ou profissional da saúde, avaliar o nível da capacidade física do indivíduo, as disfunções musculares ou articulares, predisposições a patologias do movimento e os avanços no treinamento ou na recuperação funcional (Norkin & White, 1997). Medir a fleibilidade pode contribuir com as implicações das diferentes amplitudes de movimentos para os vários objetivos: desempenho desportivo, saúde e doença (Achour Júnior, 1999). A quantificação da Fleibilidade é relativamente simples, mas estabelecer valores eatos e necessários de AM em cada articulação ainda está para ser resolvido. É insuficiente medir a Fleibilidade; o que se pretende é analisar precisamente os resultados dos testes, a fim de se indicar os efeitos dos eercícios de alongamento em benefício da saúde, do desporto ou da doença. Conforme os resultados da avaliação, é possível que alguns grupos musculares precisem de maiores índices de alongamento (Achour Júnior, 1999). A definição e o perfeito conhecimento dos valores normais da AM nos vários segmentos corporais oferecem algumas vantagens, especialmente a base para comparação durante as várias fases do treinamento, seja no Personal Training, ou no Desporto, ou ainda no acompanhamento na reabilitação ou tratamento de patologias para o fisioterapeuta ou médico.

24 Avaliação da Fleibilidade 21 UNIDADE COMO PODEMOS MEDIR A FLEXIBILIDADE? Os métodos para medida e avaliação da fleibilidade podem ser classificados em função das unidades de mensuração dos resultados em 3 tipos principais: adimensionais, lineares e angulares. Testes Adimensionais: Pode-se definir um teste como adimensional, quando não eiste uma unidade convencional, como ângulo ou centímetros para epressar os resultados obtidos. Eles não dependem de equipamentos, utilizando-se somente de critérios ou mapas de análise preestabelecidos. Temos como eemplos o Fleiteste, modificado por Soares (1986) e o teste utilizado por Bloomfield et al., (1994). Testes Lineares: Caracterizam-se por epressar os resultados em escala de distância, em centímetros ou polegadas, utilizando-se de fitas métricas, réguas ou trenas. Um eemplo clássico e utilizado até hoje, é o teste de Sentar e Alcançar, descrito originalmente por Wells e Dillon (1952). Testes Angulares: Possuem seus resultados epressos em graus. O termo utilizado para a medida em ângulos é goniometria, que é formado por duas palavras: gonia, que significa ângulo, e metria, que significa, medida. Portanto, a goniometria refere-se à medida de ângulos. Os instrumentos que podemos utilizar são os goniômetros, que eistem do mais comum até os eletrônicos. Os mais utilizados são: o goniômetro universal e o goniômetro pendular (ou fleímetro). Especificaremos mais ao pendular, que é o tipo de aparelho semelhante ao nosso. Sistema de Registro da AM - Epressão Numérica A quantidade de movimento de uma articulação é chamada amplitude de movimento (AM), ou como encontrado em algumas literaturas, ADM. Grande parte da literatura adota para definir a AM, a escala de 180 graus. O aparelho que utilizaremos, o Fleímetro, apresenta uma escala de 360 graus, o que nos possibilita medir indivíduos que apresentam grande nível de fleibilidade. O sistema utiliza os 360 graus do círculo completo para os movimentos, descrito por Ashhurst em 1926, e mais tarde defendido pelo menos durante algum tempo, por outros autores (Norkin & White, 1997). Podemos comentar que na população normal, dificilmente encontramos indivíduos que a AM ultrapasse os 180 graus, mas no meio desportivo, principalmente as modalidades em que a fleibilidade é de etrema importância, a AM ultrapassará esses valores. De acordo com o sistema, na postura anatômica ereta, as articulações achamse a zero grau de movimento.nesta posição, os pés estarão em ângulo reto com as pernas, as mãos voltadas para frente (Marques, 1997).

25 Avaliação da Fleibilidade 22 Deacordo com o saistema, na postura anatômica ereta, as articulações acham-se a zero graus de movimento. Nesta posição, os pés estarão em ângulo reto com as pernas, e as mãos voltadas para a frente (Marques,1997). NESTE PONTO O FLEXÍMETRO É AJUSTADO EM ZERO. Eemplo: A AM de fleão do ombro, que começa com o ombro em posição anatômica (0 grau) e termina com a fleão completa. Para a etensão, não é necessário medila desde a fleão completa, até a posição inicial zero, pois esta apresenta o mesmo arco de movimento medido para a fleão. Para então medir a etensão, é preciso medi-la além da posição zero. A notação poderá ser feita de 2 formas: 0º - 180, somente com o valor de fleão 45º - 0, somente com o valor de etensão ou, 45º - 0º - 180, contendo a etensão, posição inicial, mais a fleão. O registro da AM deve indicar seu valor inicial e final para obter informações mais confiáveis e precisas (Marques, 1997).

26 Avaliação da Fleibilidade FLEXÍMETRO O Fleímetro Sanny foi desenvolvido buscando oferecer aos avaliadores da fleibilidade, precisão e praticidade nas mensurações dos movimentos angulares. Com inovador sistema pendular gravitacional o Fleímetro Sanny oferece maior confiabilidade nas leituras das medidas angulares, uma vez que a indicação do ângulo é produzida por efeito da gravidade, minimizando os erros de interpretação do eio longitudinal correspondente. A escala angular foi desenhada com incrementos de 1º (um grau) a 360º (trezentos e sessenta graus), progressivos e regressivos de fácil visualização. O painel giratório permite a sincronização do ponteiro pedular a partir de um ângulo aleatório, possibilitando a mensuração de movimentos parciais amplamente utilizado em fisioterapia. O equipamento não necessita de aferições periódicas ou qualquer tipo de ajuste, construido com material anti-magnético não sofre interferência por ação eletromagnética, podendo ser utilizado em setores com campo magnético intenso. Fleímetro Pendular Sanny

27 Avaliação da Fleibilidade 24 Vantagens que a utilização do Fleímetro oferece. As vantagens da utilização do Fleímetro, segundo Clarkson & Gilewichm (1991), em relação a um goniômetro universal são: não é necessário alinhar o fleímetro com o eio articular; os movimentos rotacionais e a avaliação do tronco são medidos com maior facilidade; ocorre pouca mudança no alinhamento do aparelho através da AM; a AM passiva é feita com mais facilidade, já que o avaliador não precisa segurar o aparelho e pode estabilizar o segmento com a mão e move-lo passivamente. Esta última possibilita ao avaliador grande liberdade para avaliação sendo a medida passiva de grande valor para o treinamento uma vez que dá a AM mais próima ao limite do indivíduo e proporciona dados mais precisos para a prescrição do treinamento. Procedimentos para avaliação. Segundo Norkin & White (1997), o avaliador deve observar alguns procedimentos antes de iniciar uma avaliação: determinar as articulações e os movimentos que devem ser testados; organizar as seqüências de testes por posição corporal; reunir os equipamentos necessários, como o Fleímetro, toalhas, formulário de registro, fichas de anamnese, etc; preparar para o avaliado uma eplicação do procedimento. Alguns passos podem ser seguidos para um bom desempenho de uma avaliação: introdução e eplicação do objetivo; eplicação e demonstração do aparelho; eplicação e demonstração dos pontos anatômicos; eplicação e demonstração das posições recomendadas de teste; eplicação e demonstração dos papéis do avaliador e do avaliado. Posição do avaliador. O avaliador deve estar posicionado de acordo com o movimento a ser realizado pelo avaliado, e a postura de estabilização do mesmo.o avaliador deve movimentar-se comodamente auiliando o avaliado sempre quando necessário na estabilização do movimento eecutado. No momento da leitura do ângulo, no entanto, ele deve estar de frente para o fleímetro para que não ocorra erros. Toda e qualquer avaliação requer cuidados. A avaliação da fleibilidade não é diferente. Recomendamos que antes de qualquer procedimento, seja feita a anamnese do indivíduo. Situações que requerem cuidados especiais. Quando avaliamos a fleibilidade para a saúde, ou para um atleta para uma resposta funcional após uma lesão, quadro cirúrgico, etc., devemos ter cautela com alguns aspectos. Uma avaliação começa com a entrevista e pela revisão de registros, se houver, para obter uma descrição de possíveis sintomas, habilidades funcionais, atividades ocupacionais e recreativas, e/ou história clínica anterior. Patologias como osteoporose, problemas traumáticos, dores nas articulações e na coluna, etc., requerem atenção especial aos cuidados mencionados.

28 Avaliação da Fleibilidade 25 O avaliador nunca deve submeter um indivíduo a um movimento que ele não está apto a eecutar. Como selecionar os movimentos e articulações a serem avaliadas? A seleção dos movimentos e das articulações a serem avaliadas deve ser feita conforme as necessidades e objetivos do avaliador e do indivíduo. Para a saúde eistem algumas articulações e movimentos que são importantes para a manutenção da postura e movimentação músculo-articular: Ombro: fleão e etensão Quadril: fleão com o joelho fleionado, com joelho estendido Tornozelo: fleão e etensão Coluna torácica e lombar: fleão Uma ficha como eemplo encontra-se na unidade 5 a qual denominamos Ficha de Avaliação Básica. Para o desporto, a sugestão de movimentos selecionados estão na Unidade 5. Indicação dos movimentos por vetores. Vetores: são linhas geométricas ilustradas graficamente sobre as fotos dos movimentos eemplificados neste manual, com o objetivo de tornar o mais claro possível a compreensão da realização de um movimento pelo avaliador. Ou seja, os vetores identificam com eatidão o início de um movimento, o sentido e a direção que o mesmo transcreve e permitem ao avaliador visualizar o final do movimento a ser mensurado. Os vetores são formados por linhas, setas e circulos, como demonstrado a seguir: Linha tracejada com círculo, quadrado ou seta: indica posição anatômica inicial do membro a ser avaliado. Linha sólida com círculo, quadrado ou seta: indica posição anatômica final do membro a ser avaliado. Linha circular tracejada: indica sentido ou direção de deslocamento do membro a ser avaliado.

29 Avaliação da Fleibilidade 26 Eemplo de Vetor: Apesar da preocupação em procurar traçar os vetores o mais próimo possível da realidade, eles não epressam o ângulo eato, tendo apenas o caráter ilustrativo.

30 Avaliação da Fleibilidade 27 UNIDADE ARTICULAÇÕES E MOVIMENTOS PARA AVALIAÇÃO Os movimentos demonstrados a seguir, servem como um guia de orientação para o avaliador, sendo utilizado por vários autores. Eistem protocolos diferentes conforme a linha literária que o avaliador selecionar, alguns autores avaliam em posição sentada, outros na maca, etc. Podemos encontrar também a combinação dos movimentos, por eemplo, de fleão e etensão, somando-se as duas amplitudes (Leigthon, 1950). O avaliador escolherá o que melhor se adaptar à sua necessidade. Medição da Fleibilidade Ativa e Passiva Todos os movimentos relacionados nesta unidade podem ser avaliados de maneira ativa e passiva, conforme a manifestação da fleibilidade apresentada na Unidade 1. A escolha da utilização de uma ou de ambas fica a critério do avaliador. Os movimentos são os mesmos, diferenciando-se apenas na sua eecução, pelo indivíduo (ativo), ou pelo avaliador (passivo). Movimento Ativo: o movimento ativo é aquele realizado pela contração muscular do próprio indivíduo. O avaliador apenas acompanhará o movimento, estabilizando o indivíduo aonde for necessário, mas sem influenciar na AM, aumentandoa. O avaliador ajustará o Fleímetro, colocando-o em zero e acompanhará o movimento até a amplitude máima em que o individuo conseguir realizar pela força dos seus músculos. Alcançada esta amplitude, o avaliador observa o valor e faz a anotação. Movimento Passivo: no movimento passivo, o avaliador realiza o movimento no indivíduo. O avaliado não realizará contração alguma. Caso seja necessário, conforme o movimento, utiliza-se um segundo avaliador para estabilização postural, ou auílio na eecução. O avaliador ajusta o Fleímetro, colocando-o em zero e realizará o movimento até a amplitude máima. Alcançada esta amplitude, o avaliador observa o valor e faz sua anotação. A seleção dos movimentos, posturas de avaliação e o indivíduo avaliado são essenciais para a escolha do movimento ativo ou passivo. Por eemplo: o avaliado é muito alto. Não será adequado utilizar a postura em pé, para a avaliação do ombro no movimento passivo, pois o avaliador terá que levar o segmento até a amplitude máima, o que não será fácil.

31 Avaliação da Fleibilidade OMBRO A utilização das posturas a seguir, em decúbito dorsal para avaliar o ombro, são ecelentes para a avaliação da fleibilidade passiva, pois o avaliador poderá movimentar o membro tranqüilamente. Fleão: Decúbito dorsal, com os joelhos fleionados, apoiando a coluna lombar na superfície. O Fleímetro é colocado no braço, acima do cotovelo (posição meso-umeral), com o mostrador voltado para o avaliador. O movimento inicia-se na posição anatômica com o braço ao lado do corpo (palma da mão medialmente) e realiza-se o movimento até a amplitude máima (Norkin & White, 1997). Estabilizar a escápula para evitar a elevação com a etensão da coluna (o ângulo inferior faz pressão contra a caia torácica). Essa estabilização pode ser feita pelo indivíduo, ou pelo avaliador caso o avaliado não esteja conseguindo fazer. Moore (1987) utiliza o mesmo movimento finalizando-o (amplitude máima) com a palma da mão voltada para cima (teto). Fig Posição inicial para Fleão do Ombro. Fig Posição final para Fleão do Ombro.

32 Avaliação da Fleibilidade 29 Posição alternativa para Fleão e Etensão do Ombro O indivíduo pode estar em pé ou sentado para ser avaliado. O tronco deve estar ereto com a postura estabilizada. Conforme demonstrado pela linha tracejada. Fig.2.3. Posição inicial para Fleão e Etensão do Ombro. Fig.2.4. Posição final para Fleão do Ombro. Fig.2.5. Posição final para Etensão do Ombro. Etensão: Decúbito ventral, com a cabeça voltada para o ombro que está sendo testado, sem travesseiro sob a cabeça. O cotovelo pode ficar em leve fleão (para que a tensão da porção longa da cabeça do músculo bíceps não restrinja o movimento), com a palma da mão voltada para o corpo (medialmente). Realiza-se o movimento até a amplitude máima. O Fleímetro é colocado no braço, acima do cotovelo (posição meso-umeral), com o mostrador voltado para o avaliador. Estabiliza-se o tóra para evitar a fleão para diante da coluna vertebral. Marques (1997) comenta que esse movimento pode ser realizado com o cotovelo fletido (Fig. 2.5) ou estendido (Fig.2.7). Fig.2.6. Posição inicial para Etensão do Ombro. Fig.2.7. Posição final para Etensão do Ombro.

33 Avaliação da Fleibilidade 30 Abdução: Decúbito lateral. A palma da mão deve estar voltada para frente, com o polegar apontando para a direção do movimento (para cima). O úmero deve ser rotado eternamente. O cotovelo deve ser estendido, para que a tensão da porção longa da cabeça do tríceps não restrinja o movimento. O Fleímetro é colocado no braço, acima do cotovelo, com o mostrador voltado para o avaliador. Deve-se ter cuidado para que o tronco seja estabilizado não projetando-se para trás. O avaliador pode posicionar-se atrás do avaliado estabilizando o tronco caso necessário. Fig.2.8. Posição inicial para Abdução do Ombro. Fig.2.9. Posição final para Abdução do Ombro.

34 Avaliação da Fleibilidade 31 Posição alternativa para Abdução do Ombro O indivíduo pode estar em pé ou sentado, com as costas voltadas para o avaliador. O polegar deve estar orientado na direção do movimento, com a palma voltada para frente. O posicionamento do Fleímetro é o mesmo relatado anteriormente acima do cotovelo. Fig Posição inicial para Abdução do Ombro. Fig Posição final para Abdução do Ombro. Abdução horizontal: Decúbito dorsal, com os joelhos fleionados, apoiando a coluna lombar na superfície. Os braços devem estar aduzidos, com as palmas das mãos próimas. O Fleímetro é colocado no braço, acima do cotovelo (posição meso-umeral), com o mostrador voltado para o avaliador. O avaliador estabiliza o tronco e a escápula do indivíduo para evitar a elevação com a etensão da coluna (o ângulo inferior faz pressão contra a caia torácica). Fig Posição inicial para Abdução horizontal do Ombro. Fig Posição final para Abdução horizontal do Ombro.

35 Avaliação da Fleibilidade 32 Adução: Em pé, com a palma da mão voltada para trás. O polegar deve estar orientado na direção do movimento. O posicionamento do Fleímetro é o mesmo relatado anteriormente (na abdução), com o mostrador para frente. Fig Posição inicial para Adução do Ombro. Fig Posição final para Adução do Ombro. Rotação Interna (medial) e Eterna (lateral): A posição inicial recomendada para os dois movimentos é a mesma. Decúbito dorsal, com o braço que está sendo testado a 90 graus de abdução do ombro. A palma da mão pode estar voltada para o pé, ou medialmente (para o corpo), conforme demonstrado no próimo movimento. (Fig. 2.19). O úmero fica apoiado numa superfície, sem o apoio do cotovelo. Coloca-se uma toalha sob o úmero, nivelando-o com o acrômio. O Fleímetro é colocado no antebraço, próimo ao cotovelo, com o mostrador voltado para o avaliador. No final da AM, para a rotação interna, deve-se estabilizar a escápula, para evitar sua elevação e balanceio anterior. Na rotação eterna, ao final da AM, estabilizase o tóra para evitar sua etensão. Fig Posição inicial para a Rotação interna e eterna de Ombro. Fig Posição final para a Rotação interna do Ombro. Fig Posição final para a Rotação eterna do Ombro.

36 Avaliação da Fleibilidade 33 Posição alternativa para Rotação Interna e Eterna de Ombro O indivíduo pode estar em pé ou sentado, com as costas apoiadas na parede ou na cadeira. O ombro deve passar a quina da parede para que haja liberdade do movimento. A posição do braço é a mesma do movimento anterior (cotovelo em 90 graus). O Fleímetro é colocado no antebraço, próimo ao cotovelo, com o mostrador voltado para o avaliador. Adaptamos uma postura com os joelhos fleionados e a estabilização da coluna, mantendo-a encostada na parede.. 3.COTOVELO Fig Posição inicial para Rotação interna e eterna do Ombro. Fig Posição final para Rotação eterna. Fleão e Etensão: Decúbito dorsal. Com joelhos fleionados apoiando a coluna lombar na superfície. O braço deve estar ao lado do corpo com a palma da mão voltada para o teto. O Fleímetro é colocado no antebraço, com o mostrador voltado para o avaliador. Colocar uma toalha sob o braço para que haja mais liberdade para o avaliador colocar o aparelho e manusea-lo, ou mesmo para alguma correção do movimento. No entanto, ela não deve modificar a angulação do movimento. O movimento de etensão inicia-se do movimento completo de fleão (volta do segmento até a AM inicial). Fig.3.1. Posição inicial para Fleão do Cotovelo. Fig.3.2. Posição final para Fleão do Cotovelo.

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento

Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento 1 Estudo comparativo entre duas täcnicas de avaliaåço da amplitude de movimento Joyce Ribeiro Caetano 1 Orientador: Ademir Schmidt ** Resumo Trata-se de uma revisåo de literatura feita por um grupo de

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR Silvano Kruchelski Especialista em Didática do ensino Superior PUCPR Secretaria Municipal do Esporte e Lazer/ Programa Curitibativa Curitiba

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com maior freqüência para a terapia da coluna lombar, Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br CARTILHA DE TREINAMENTO NEUROMUSCULAR COM ELÁSTICOS INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO www.ipcfex.com.br Realização www.exercito.gov.br www.decex.ensino.eb.br

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Cuidados Posturais Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Vídeo: Cuidados_posturais_Dr.MiguelMastropaulo A postura correta Considera-se uma boa postura aquela condição em que o alinhamento corporal proporciona

Leia mais

Exercícios de força muscular

Exercícios de força muscular Exercícios de força muscular ABDOMINAIS Objectivos: Melhoria funcional e reforço muscular do Core. Posição Inicial - Deite-se em decúbito dorsal (barriga para cima), coloque as pernas flectidas a 45º,

Leia mais

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1-HISTÓRIA DA GINÁSTICA... 3 2- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE...

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO Ao fazer exercícios de alongamento vai melhorar a amplitude das suas articulações, especialmente importante em doentes com dor crónica. Não precisa forçar excessivamente para sentir benefício com estes

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO.

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. - Indivíduo descalço e usando pouca roupa, na posição antropométrica sobre uma superfície lisa e perpendicular ao antropómetro. - Calcanhares juntos e

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

Índice Remissivo. Sobre o livro. Direitos Autorais. Sobre a Autora. Capítulo 1Conhece-te a ti mesmo... Capítulo 2Como é o seu retrato?

Índice Remissivo. Sobre o livro. Direitos Autorais. Sobre a Autora. Capítulo 1Conhece-te a ti mesmo... Capítulo 2Como é o seu retrato? Índice Remissivo Sobre o livro Direitos Autorais Sobre a Autora Capítulo 1Conhece-te a ti mesmo... Capítulo 2Como é o seu retrato? Capítulo 3Copiou? Capítulo 4Segredos do Consultório Epílogo 3 4 5 6 8

Leia mais

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos O PROJETO A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos usuários diferentes exercícios que possibilitam trabalhar grupos musculares diversos, membros superiores, inferiores, abdominais

Leia mais

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática FICHA PARA CATÁLOGO Título: IMPORTÂNCIA DO AQUECIMENTO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Autor Escola de Atuação Município da escola Núcleo Regional de Educação Orientador Instituição de Ensino Superior Disciplina/Área

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

Portal Equilíbrio e Quedas em Idosos. Atividade Física

Portal Equilíbrio e Quedas em Idosos. Atividade Física Portal Equilíbrio e Quedas em Idosos http://pequi.incubadora.fapesp.br/portal Atividade Física Nesta seção, apresentamos conceitos relacionados à atividade física para idosos. O enfoque principal é treinamento

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano)

Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano) 1 Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano) PLIÉS DEMI PLIÉ: Demi Plié Grand Plié É um exercício de fundamental importância, pois é usado na preparação e amortecimento de muitos passos de ballet, como os

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia No decorrer do dia, desempenhamos várias funções, desde agachar para pegar uma caneta do chão, a limpeza de sua casa e no trabalho. As

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura.

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura. 13/05/2004-05h31 Atividades físicas trazem riscos ocultos para o corpo KATIA DEUTNER Free-lance para a Folha de S.Paulo Você sabe: eles fazem bem ao coração, aos ossos, ao colesterol, à pressão, às articulações,

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFTMT12 RESUMO PROPOSTA DE FICHA DE AVALIAÇÃO GONIOMÉTRICA E DE TESTE DE FORÇA MUSCULAR PARA A CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA. Wínea Leila Ribeiro Vasconcelos 1 ; Ana Paula de Jesus Tomé-Pereira 4

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH DESCUBRA A S U A P A S S A D A UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH COMO USAR ESTE GUIA ESTE GUIA ENSINARÁ TÉCNICAS PARA VOCÊ APERFEIÇOAR A FORMA COMO VOCÊ CORRE AUMENTANDO EQUILÍBRIO,

Leia mais

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação 12) Abdução do quadril - músculos comprometidos da articulação do quadril: glúteo médio, glúteo mínimo, tensor da fascia lata e os seis rotadores externos; da articulação do joelho: quadríceps (contração

Leia mais

PARA UMA VIDA MELHOR VAMOS FAZER EXERCÍCOS!

PARA UMA VIDA MELHOR VAMOS FAZER EXERCÍCOS! PARA UMA VIDA MELHOR VAMOS FAZER EXERCÍCOS! Autores: Linda Faye Lehman Maria Beatriz Penna Orsini Priscila Leiko Fuzikawa Ronise Costa Lima Soraya Diniz Gonçalves EDIÇÃO 2009 PARA UMA VIDA MELHOR Vamos

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO KC seguindo adiante KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO Otimizar a saúde do está no coração da Fisioterapia e da Terapia do Movimento. As pesquisas de neurociência nos tem proporcionado um

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Tarefas prescritas de levante, movimentação e transferência de doentes

Tarefas prescritas de levante, movimentação e transferência de doentes Tarefas prescritas de levante, movimentação e transferência de doentes Modo de proceder na preparação da tarefa com o doente (ACSS 2008; Alexandre & Rogante, 2000; Coelho, 2010; Elkin, Perry, & Potter,

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof. MASSAGEM PARA GESTANTE E SHANTALA Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho SHANTALA

Leia mais

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR OMBRO Membro Superior CINTURA ESCAPULAR COTOVELO Joel Moraes Santos Junior COLUNA - APLICAÇÃO PRÁTICA Condicionamento APTIDÃO FÍSICA Treinamento desportivo CARGA/IMPACTO Reabilitação

Leia mais

Esta Norma contém as seguintes partes, sob o título geral Acessibilidade em veículos automotores :

Esta Norma contém as seguintes partes, sob o título geral Acessibilidade em veículos automotores : JUL 2003 NBR 14970-2 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13/28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (21) 3974-2300

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais