Questionário GERAÇÃO SAUDÁVEL: ANÁLISE ESTATÍSTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questionário GERAÇÃO SAUDÁVEL: ANÁLISE ESTATÍSTICA"

Transcrição

1 Questionário GERAÇÃO SAUDÁVEL: ANÁLISE ESTATÍSTICA ANÁLISE DE DADOS Os dados foram analisados na versão R Foi realizada uma análise descritiva exaustiva de todas as variáveis em estudo, usando frequências absolutas, frequências relativas, medidas de localização e medidas de dispersão. Realizou-se uma análise exploratória dos dados para caracterizar as diferentes variáveis, na amostra global e estratificada segundo a variável de interesse: formação/sem formação. A associação entre variáveis categóricas foi analisada usando o teste independência do Quiquadrado e o teste exacto de Fisher. Todos os testes de hipóteses foram efetuados considerando um nível de confiança de 95%. Ajustou-se um modelo regressão linear múltipla utilizando a função lm() do R e um modelo linear generalizado utilizando a função glm() do R. A adequabilidade do modelo aos dados foi verificada através da análise de resíduos. RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA Foi recolhida informação de 804 alunos, com idades compreendidas entre os 9 e 17 anos (média = 11,46; desvio padrão=1,12;mediana=11,00). A variável idade estava omissa em 44 (5,47%) questionários. A distribuição da variável idade encontra-se representada no gráfico 1. Gráfico 1 Distribuição da amostra por idade 1

2 Em 14 (1,74 %) questionários não havia registo no que respeita à variável sexo. Dos restantes alunos que responderam ao questionário 52,8% (n=417) eram do sexo masculino. Não se verificaram diferenças estatisticamente significativas na distribuição da amostra por sexos (pvalue= 0,126). A variável escolaridade estava omissa em 46 (5,72 %) questionários. De entre os restantes a maioria (82,5%, n=625) frequentava o 6º ano. Gráfico 2 Distribuição da amostra por nível de escolaridade Dos alunos inquiridos, 5 (0,62%) não responderam se tinham ou não tinham tido formação. Dos respondentes, 44,9% (n=359) responderam não ter tido formação e enquanto 55,1% (n=440) responderam ter recebido formação. A um nível de significância de 5%, esta diferença revelou ser estatisticamente significativa (p-value= 0,004652). Tabela1 Caracterização Sócio-Demográfica dos alunos participantes Sexo (NR=14) n (%) Feminino 373 (47,2) Masculino 417 (52,8) p-value= 0,126 Idade (NR=44) Média (dp) 11,46 (1,12) Mínimo 9,00 Máximo 17,00 Mediana 11,00 Escolaridade (NR= 46) n (%) 5 º ano 77 (10,2) 6º ano 625 (82,5) 7º ano 36 (4,7) 8ª ano 12 (1,6) 9ª ano 8 (1,1) Localidade (NR=1) n (%) Algoz 32 (4,07) Amora 46 (5,85) p-value<0.001 p-value<

3 Bairro Padre Cruz 34 (4,33) Bobadela 44 (5,60) Carregado 39 (4,96) Estremoz 36 (4,58) Ferreira do Alentejo 34 (4,33) Ferreira do Zezere 43 (5,47) Oeiras 87 (11,07) Parede 48 (6,11) Reguengos de Monsaraz 45 (5,73) Salir 36 (4,58) Outros 262 (33,33) Formação GS (NR=4) n (%) Sim 440 (55,1) p-value= Não 359 (44,9) 0, NR-Não respondentes A tabela 2 caracteriza a amostra consoante os alunos receberam ou não receberam formação. Verificaram-se diferenças estatisticamente significativas no grupo etário e nível escolaridade. Tabela 2 Caracterização da amostra por grupo de intervenção Grupo etário Sim n (%) Formação GS Não n (%) [9-10] anos 53 (12,93) 23 (6,67) 11 anos 213 (51,95) 219 (63,48) 12 anos 77 (18,78) 73 (21,16) 13 anos 28 (6,83) 22 (6,38) 14 anos 17 (4,15) 7 (2,03) [15-17] anos 22 (5,37) 1 (0,29) Sexo Feminino 194 (45,12) 178 (50,00) Masculino 236 (54,88) 178 (50,00) Escolaridade 5º ano 64 (15,50) 13 (3,80) 6º ano 308 (74,58) 314 (91,81) 7º,8º e 9º anos 41 (9,93) 15 (4,39) *Teste Qui-quadrado p-value <0,0001 0,1722 <0,0001 QUESTIONÁRIO GERAÇÃO SAUDÁVEL -1ªParte 3

4 O questionário aplicado era composto por 7 questões de escolha múltipla com uma única opção correcta, 2 questões de verdadeiro ou falso (1ª parte do questionário) e 2 questões com a possibilidade de escolha de mais do que uma opção entre as várias apresentadas (2ª parte do questionário). As diferenças observadas na proporção de respostas certas em cada questão foram estatisticamente significativas (p-value<0,001). As questões com uma maior proporção de respostas erradas foram VI.O que é o preservativo? e IX.Quais as principais formas de transmissão do HIV?, com 34,3% e 41,7%, respectivamente. Gráfico 3 Distribuição do número de respostas corretas em cada questão I II III IV V VI VII VIII IX Certas Erradas Para cada uma das questões I-IX testou-se se a proporção de respostas certas era a mesma nos 2 grupos (com formação e sem formação). Analisando a proporção de respostas certas em cada questão, verificou-se que na maioria das questões esta proporção foi superior no grupo que recebeu formação (excepção das perguntas III e IV). Contudo apenas se verificaram diferenças estatisticamente significativas nas questões V e IX. Tabela 4 Distribuição das proporções de respostas correctas encontradas em cada questão, por grupo de intervenção Questão Sem Formação GS Com Formação GS n % n % p-value a I , ,61 0,629 II , ,66 0,109 III , ,99 0,982 IV , ,17 0,589 V , ,56 <0,001 VI , ,06 0,140 VII , ,35 0,220 VIII , ,37 0,502 4

5 IX , ,94 <0,001 a Teste Qui-quadrado Foi criada uma nova variável que correspondia ao número total de respostas correctas por aluno, num máximo de 9 questões correctas. O número médio de respostas certas foi de 6,98 (dp=1,78) [mediana=7,mínimo=0,máximo=9]. Verificou-se que a média foi superior no grupo que recebeu formação comparativamente ao grupo que não recebeu (7,23 vs 6,70), sendo esta diferença significativa (p-value<0,001). Para cumprir os critérios de aplicabilidade do teste de Qui-quadrado, optou-se por agrupar o número de respostas certas em categorias, para que as frequências esperadas fossem superior a 5. Criaram-se 3 categorias: 1-3 respostas correctas, 4 respostas correctas, 5 respostas correctas, 6 respostas correctas,7 respostas correctas, 8 respostas correctas e 9 respostas correctas. A tabela de frequências relativas indica que a proporção de alunos que acertou entre 8 e 9 questões foi maior entre o grupo dos alunos que receberam formação. Através do teste do Qui-quadrado testouse a independência entre a variável total de respostas correctas e a variável formação. A um nível de significância de 5% verificou-se que a variável número total de respostas correctas estava associada ao facto dos alunos terem ou não terem recebido formação (p-value=0,0006). Tabela 5 Distribuição da amostra por número total de questões correctas por aluno, global e estratificada por grupo de formação Total de respostas certas Global Sim Formação GS Não n % n % n % ,0 15 3,4 16 4, ,7 18 4,1 35 9, ,0 28 6, , , , , , , , , , , , , ,5 Total , , ,00 p-value= 0,0006 * *Teste do Qui-quadrado A variável sexo revelou estar associada à variável número de respostas corretas (p-value<0,001), com uma maior proporção de raparigas a responder acertadamente a 9 questões (26,81% vs 18,47%). Através do teste de independência verificou-se que o facto de os alunos terem ou não acertado todas as questões, estava associado ao facto dos alunos terem tido ou não formação (pvalue=0,0037). O teste de independência também demonstrou existir associação entre a variável sexo e o facto de os alunos terem acertado a todas as questões (p-value=0,005). 5

6 Tabela 6- Classificação dos alunos consoante acertaram ou não todas as questões e de acordo com a formação e sexo Acertou todas as questões Formação GS Sexo Sim Não F M Sim 115 (26,14) 63 (17,55) 100 (31,65) 77(18,47) Não 325 (73,86) 296 (82,45) 273 (68,35) 340 (81,53) Total 440 (100) 32 (100) 373 (100) 417 (100) p-value* 0,0037 0,005 *Teste do Qui-quadrado Um modelo de regressão linear foi ajustado para estimar o efeito das várias variáveis independentes/explicativas na variável resposta número total de respostas correctas. Dada a elevada dimensão da amostra admitiu-se a aproximação da distribuição dos dados a uma distribuição normal. A escolaridade foi categorizada, e dadas as poucas observações, optou-se por incluir 7º,8º e 9ºanos na mesma categoria. A equação estimada foi a seguinte: E (Nº respostas certas) = 5,82 0,55 Sexo masculino + 1,23 Escolaridade 2 + 1,49 Escolaridade 3 +0,69 Formação sim Tabela 7- Estimativa dos parâmetros do modelo de regressão Co-Variável β DP P-value Intercept 5,8215 0,2226 <0,001 Sexo = Masculino - 0,5464 0,1213 <0,001 Escolaridade2 1,2316 0,2043 <0,001 Escolaridade3 1,4868 0,2906 <0,001 Formação=Sim 0,6883 0,1250 <0,001 Escolaridade de referência=5º ano; Escolaridade1=5ºano; Escolaridade2=6º ano; Escolaridade3= [7º-9º anos] Os parâmetros estimados indicam que o número médio de respostas certas é superior no grupo que recebeu formação, comparativamente ao grupo que não recebeu formação, mantendo constantes as co-variáveis sexo e escolaridade (p-value<0,001)- os alunos que receberam formação acertaram em média mais 0,69 perguntas do que os alunos que não receberam formação. A variável sexo também revelou ter influência no número de respostas certas. O número médio de respostas certas estimado para os rapazes foi inferior ao das raparigas, controlando as restantes co-variáveis do modelo (p-value<0,001). Ainda de acordo com o modelo estimado, frequentar um nível de escolaridade mais elevado contribui para um maior número de respostas correctas. Apesar da análise de resíduos sugerir a existência de heterocedasticidade e do coeficiente de determinação ser baixo (R 2 ajustado=0,09051) o que pode indicar um mau ajustamento do modelo, o modelo estimado pode ter interesse para descrever o efeito parcial das covariáveis na variável resposta. Para estimar a associação entre as covariáveis formação, sexo e escolaridade versus a variável binária acertar todas as perguntas do questionário, estimou-se um modelo linear generalizado com função de ligação logit: logit (pi)= - 2,28 0,51 Sexo masculino + 1,02 Escolaridade 2 + 1,46 Escolaridade 3 +0,57 Formação sim 6

7 pi:probabilidade de acertar todas as perguntas Tabela 8 Estimativa dos parâmetros estimados no modelo linear generalizado para a variável resposta acerta todas as questões Co-Variável β DP P-value Exp(β) (OR) IC OR (95%) Intercept -2,2780 0,3977 <0,001 0,1025 [0,047-0,2235] Escolaridade2 1,0196 0,3747 0,0065 2,7722 [1,3302-5,7773] Escolaridade3 1,4644 0,4584 0,0014 4,3248 [1, ,6216] Sexo = Masculino - 0,5138 0,1793 0,0042 0,5982 [0,4209-0,8502] Formação=Sim 0,5698 0,1861 0,0022 1,7678 [1,2275-2,5461] Escolaridade de referência=5º ano; Escolaridade1=5ºano; Escolaridade2=6º ano; Escolaridade3= [7-9º anos] De acordo com o modelo estimado, os alunos que receberam formação têm uma chance/possibilidade 76% superior de acertar todas as perguntas, comparativamente ao grupo que não recebeu formação, controlando para as restantes co-variáveis incluídas no modelo. A análise das premissas subjacentes ao modelo foi efectuada através da análise gráfica. Verificouse que o ajustamento do modelo aos dados era razoável. QUESTIONÁRIO GERAÇÃO SAUDÁVEL -2ªParte O número médio de opções seleccionadas por cada aluno na questão X foi 2,10 (dp=1,47) [mediana=2, mínimo=0, máximo=7]. Relativamente à questão XI, o número médio de opções seleccionadas por cada aluno foi 1,51 (dp=0,94) [mediana=1, máximo =5 e mínimo=0]. A maioria dos alunos (48,1%) seleccionou apenas uma opção. A distribuição das proporções de alunos que assinalaram cada uma das opções possíveis para a questão X.Com quem tiras as dúvidas sobre ti e sobre o teu crescimento? encontra-se na tabela 9. Os alunos indicaram recorrer mais frequentemente aos pais (77,7%) e ao farmacêutico (31,1%) para esclarecer dúvidas sobre o seu crescimento. Tabela 9- Distribuição das respostas à questão X.Com quem tiras as dúvidas sobre ti e sobre o teu crescimento? Com quem tiras as dúvidas sobre ti e sobre o teu crescimento? n (%) Pais 625 (77,7) Professores 172 (21,4) Familiares 157 (19,5) Farmacêutico 250 (31,1) Médico 198 (24,6) Enfermeiro 123 (15,3) Amigos 164 (20,4) *As proporções não somam 100%, porque existia a possibilidade de selecção de mais do que uma opção de resposta Relativamente à questão XI. Onde é que normalmente procuras informação sobre ti e sobre o teu crescimento? a distribuição de respostas encontra-se na tabela 10. A maioria (62,45%) dos inquiridos assinalou apenas uma opção de resposta. Mais de 50% dos alunos referiu normalmente consultar os livros para obter informação sobre o seu crescimento e 40% indicou a internet como 7

8 fonte de informação. A proporção de alunos que referiu procurar informação em vídeos, foi superior entre os rapazes (18,7 vs 11,5), sendo a diferença significativa (p-value=0,005). A proporção de alunos que referiu procurar informação na televisão, foi superior entre os rapazes (22,5 vs 13,9), sendo a diferença significativa (p-value=0,002). Nas restantes opções não se verificaram diferenças significativas entre os sexos. Tabela 10- Distribuição das respostas à questão XI.Onde é que normalmente procuras informação sobre ti e sobre o teu crescimento? Onde é que normalmente procuras informação sobre ti e sobre o teu crescimento? n (%) Livros 435 (54,1) Vídeos 123 (15,3) TV 150 (18,7) Internet 322 (40,0) Folhetos 187 (23,3) *As proporções não somam 100%, porque existia a possibilidade de selecção de mais do que uma opção de resposta 8

Capítulo 6 Estatística não-paramétrica

Capítulo 6 Estatística não-paramétrica Capítulo 6 Estatística não-paramétrica Slide 1 Teste de ajustamento do Qui-quadrado Testes de independência e de homogeneidade do Qui-quadrado Algumas considerações Slide 2 As secções deste capítulo referem-se

Leia mais

DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA)

DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA) 1. Sabe-se que o nível de significância é a probabilidade de cometermos um determinado tipo de erro quando da realização de um teste de hipóteses. Então: a) A escolha ideal seria um nível de significância

Leia mais

Filho, não é um bicho: chama-se Estatística!

Filho, não é um bicho: chama-se Estatística! Paulo Jorge Silveira Ferreira Filho, não é um bicho: chama-se Estatística! Estatística aplicada uma abordagem prática FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Paulo Ferreira TÍTULO: Filho, não é um bicho: chama-se Estatística!

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO)

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) Prevalência e Factores de Sucesso do Aleitamento Materno no Hospital

Leia mais

Estatística Computacional (Licenciatura em Matemática) Duração: 2h Exame 14/06/10 NOME:

Estatística Computacional (Licenciatura em Matemática) Duração: 2h Exame 14/06/10 NOME: DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Estatística Computacional (Licenciatura em Matemática) Duração: 2h Exame 14/06/10 NOME: Observação: A resolução completa das perguntas inclui a justificação

Leia mais

APONTAMENTOS DE SPSS

APONTAMENTOS DE SPSS Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar APONTAMENTOS DE SPSS Rui Magalhães 2010-1 - - 2 - Menu DATA Opção SPLIT FILE Permite dividir, de uma forma virtual, o ficheiro em diferentes ficheiros com

Leia mais

Resolução da Prova de Matemática Financeira e Estatística do ISS Teresina, aplicada em 28/08/2016.

Resolução da Prova de Matemática Financeira e Estatística do ISS Teresina, aplicada em 28/08/2016. de Matemática Financeira e Estatística do ISS Teresina, aplicada em 8/08/016. 11 - (ISS Teresina 016 / FCC) Joana aplicou todo seu capital, durante 6 meses, em bancos ( e Y). No Banco, ela aplicou 37,5%

Leia mais

AULAS 14 E 15 Modelo de regressão simples

AULAS 14 E 15 Modelo de regressão simples 1 AULAS 14 E 15 Modelo de regressão simples Ernesto F. L. Amaral 18 e 23 de outubro de 2012 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à econometria: uma abordagem

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008 6. TEMA EM ANÁLISE Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008 Graça Magalhães* Instituto Nacional de Estatística 1. Introdução

Leia mais

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio, Espaço amostrai, Definição de probabilidade, Probabilidades finitas dos espaços amostrais fin itos, 20

SUMÁRIO. Prefácio, Espaço amostrai, Definição de probabilidade, Probabilidades finitas dos espaços amostrais fin itos, 20 SUMÁRIO Prefácio, 1 3 1 CÁLCULO DAS PROBABILIDADES, 15 1.1 Introdução, 15 1.2 Caracterização de um experimento aleatório, 15 1.3 Espaço amostrai, 16 1.4 Evento, 17 1.5 Eventos mutuamente exclusivos, 17

Leia mais

Desemprego e Inatividade no Estado do Pará: Evidências da Técnica de Regressão Logística Multinomial

Desemprego e Inatividade no Estado do Pará: Evidências da Técnica de Regressão Logística Multinomial Desemprego e Inatividade no Estado do Pará: Evidências da Técnica de Regressão Logística Multinomial 1 Introducão Mônica Josélly Gonçalves Soares 1 Marinalva Cardoso Maciel 2 Natália Cyntia Cordeiro 3

Leia mais

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja:

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja: Pessoal, trago a vocês a resolução da prova de Estatística do concurso para Auditor Fiscal aplicada pela FCC. Foram 10 questões de estatística! Não identifiquei possibilidade para recursos. Considero a

Leia mais

X 1 X 2 Y

X 1 X 2 Y Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO Ficha de exercícios 3 Regressão Múltipla 2015/2016 1. Considere os seguintes dados: X 1 X 2 Y 8 0.7 1.8 1.8 6 6.4

Leia mais

9 Correlação e Regressão. 9-1 Aspectos Gerais 9-2 Correlação 9-3 Regressão 9-4 Intervalos de Variação e Predição 9-5 Regressão Múltipla

9 Correlação e Regressão. 9-1 Aspectos Gerais 9-2 Correlação 9-3 Regressão 9-4 Intervalos de Variação e Predição 9-5 Regressão Múltipla 9 Correlação e Regressão 9-1 Aspectos Gerais 9-2 Correlação 9-3 Regressão 9-4 Intervalos de Variação e Predição 9-5 Regressão Múltipla 1 9-1 Aspectos Gerais Dados Emparelhados há uma relação? se há, qual

Leia mais

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis = de Instrução e = Região de procedência. Neste caso, a distribuição de freqüências é apresentada como uma tabela

Leia mais

Testes não paramétricos são testes de hipóteses que não requerem pressupostos sobre a forma da distribuição subjacente aos dados.

Testes não paramétricos são testes de hipóteses que não requerem pressupostos sobre a forma da distribuição subjacente aos dados. TESTES NÃO PARAMÉTRICOS Testes não paramétricos são testes de hipóteses que não requerem pressupostos sobre a forma da distribuição subjacente aos dados. Bioestatística, 2007 15 Vantagens dos testes não

Leia mais

Precificação de apartamentos para o bairro Água Verde em Curitiba

Precificação de apartamentos para o bairro Água Verde em Curitiba Precificação de apartamentos para o bairro Água Verde em Curitiba Chuck Norris Arnold Schwarzenegger 18 de julho de 2013 O preço de imóveis depende principalmente do seu tamanho e localização. A infraestrutura

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE ESTATÍSTICA. Cursos: Licenciatura em Enfermagem

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE ESTATÍSTICA. Cursos: Licenciatura em Enfermagem INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE ESTATÍSTICA Cursos: Licenciatura em Enfermagem Teste Final o Ano/3 o Semestre 007/08 Data: a feira, 9 de Novembro de 007 Duração: 4h às h Instruções:.

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis X = Grau de Instrução e Y = Região

Leia mais

1 Introdução aos Métodos Estatísticos para Geografia 1

1 Introdução aos Métodos Estatísticos para Geografia 1 1 Introdução aos Métodos Estatísticos para Geografia 1 1.1 Introdução 1 1.2 O método científico 2 1.3 Abordagens exploratória e confirmatória na geografia 4 1.4 Probabilidade e estatística 4 1.4.1 Probabilidade

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Conceitos preliminares 1. CAPÍTULO 2 Descrição de dados: análise monovariada 47

Sumário. CAPÍTULO 1 Conceitos preliminares 1. CAPÍTULO 2 Descrição de dados: análise monovariada 47 CAPÍTULO 1 Conceitos preliminares 1 Introdução........................................................1 O que é estatística?.................................................. 4 Papel dos microcomputadores.........................................

Leia mais

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Estatística Geral I Prof: Jony Arrais Pinto Junior Lista 08 1. Utilizando os dados da Tabela 01 da Lista

Leia mais

EXAME DE ESTATÍSTICA / ESTATÍSTICA I

EXAME DE ESTATÍSTICA / ESTATÍSTICA I INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE EAME DE ESTATÍSTICA / ESTATÍSTICA I Cursos: Licenciatura em Enfermagem e Licenciaturas Bi-etápicas em Fisioterapia e em Terapia da Fala Época de

Leia mais

Prevalência da Asma em Portugal:

Prevalência da Asma em Portugal: Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Prevalência da Asma em Portugal: Análise nacional, regional e comparação internacional

Leia mais

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES CAPITULO VI CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Neste capítulo iremos apresentar as conclusões do presente estudo, tendo também em conta os resultados e a respectiva discussão, descritas no capítulo

Leia mais

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Estimação de Parâmetros Intervalo de Confiança

Probabilidade e Estatística. Estimação de Parâmetros Intervalo de Confiança Probabilidade e Estatística Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva http://páginapessoal.utfpr.edu.br/ngsilva Estimação de Parâmetros Intervalo de Confiança Introdução A inferência estatística é o processo

Leia mais

METODOLOGIA 1 ÂMBITO DO INQUÉRITO

METODOLOGIA 1 ÂMBITO DO INQUÉRITO METODOLOGIA 1 ÂMBITO DO INQUÉRITO O Inquérito à Ocupação do Tempo (IOT) abrange o território do Continente e das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, tendo-se estabelecido que os resultados deveriam

Leia mais

MÓDULO V: Análise Bidimensional: Correlação, Regressão e Teste Qui-quadrado de Independência

MÓDULO V: Análise Bidimensional: Correlação, Regressão e Teste Qui-quadrado de Independência MÓDULO V: Análise Bidimensional: Correlação, Regressão e Teste Qui-quadrado de Independência Introdução 1 Muito frequentemente fazemos perguntas do tipo se alguma coisa tem relação com outra. Estatisticamente

Leia mais

CE001 - BIOESTATÍSTICA TESTE DO QUI-QUADRADO

CE001 - BIOESTATÍSTICA TESTE DO QUI-QUADRADO CE001 - BIOESTATÍSTICA TESTE DO QUI-QUADRADO Ana Paula Araujo Correa Eder Queiroz Newton Trevisan DEFINIÇÃO É um teste de hipóteses que se destina a encontrar um valor da dispersão para duas variáveis

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10º ano

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10º ano ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10º ano Ficha de Trabalho: Revisão Estatística Univariada e Bivariada. 2009/2010 Nos arredondamentos que efectuar, conserve sempre

Leia mais

Estudo AFRODITE Caracterização da Infertilidade em Portugal I Estudo na Comunidade

Estudo AFRODITE Caracterização da Infertilidade em Portugal I Estudo na Comunidade Apoio Institucional e Consultoria Científica: Apoio Financeiro: Objectivos Objectivo Principal Caracterização dos conhecimentos, conceitos, atitudes, comportamentos e práticas relativos à fertilidade/

Leia mais

a) 19% b) 20% c) Aproximadamente 13% d) 14% e) Qualquer número menor que 20%

a) 19% b) 20% c) Aproximadamente 13% d) 14% e) Qualquer número menor que 20% 0. Sabe-se que o nível de significância é a probabilidade de cometermos um determinado tipo de erro quando da realização de um teste de hipóteses. Então: a) A escolha ideal seria um nível de significância

Leia mais

Modelos Lineares Generalizados - Modelos log-lineares para tabelas de contingência

Modelos Lineares Generalizados - Modelos log-lineares para tabelas de contingência Modelos Lineares Generalizados - Modelos log-lineares para tabelas de contingência Erica Castilho Rodrigues 12 de Agosto Introdução 3 Vimos como usar Poisson para testar independência em uma Tabela 2x2.

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim. ICMS PE 2014: Resolução da prova de Estatística Prof.

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim. ICMS PE 2014: Resolução da prova de Estatística Prof. ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim 1 de 6 Pessoal, segue a resolução das questões de Estatística da prova realizada pela SEFAZ-PE, para o cargo de Auditor Fiscal do Tesouro

Leia mais

Modelos de Escolha Discreta. a)pretende-se conhecer os coeficientes da função de utilidade, assim como a sua significância estatística.

Modelos de Escolha Discreta. a)pretende-se conhecer os coeficientes da função de utilidade, assim como a sua significância estatística. Nº Observações espaço Lx centro espaço periferia nº clientes (15 min) centro Lx nº clientes (15 min) periferia estacionamento centro Lx estacionamento periferia tc rodo centro Lx tc rodo periferia Código

Leia mais

A importância da Educação para a Saúde

A importância da Educação para a Saúde Educação para a Saúde: conceitos, práticas e necessidades de formação 8 A alínea do questionário Actividade que tem em conta as necessidades dos indivíduos foi seleccionada pelos inquiridos como primeira

Leia mais

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Branco MJ, Paixão E, Vicente LF. Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher. Lisboa: Instituto Nacional

Leia mais

Análise de Sobrevivência

Análise de Sobrevivência Análise de Sobrevivência Modelagem paramétrica Valeska Andreozzi 1 valeska.andreozzi@fc.ul.pt & Marilia Sá Carvalho 2 cavalho@fiocruz.br 1 Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa,

Leia mais

Intervalos de Confiança

Intervalos de Confiança Intervalos de Confiança INTERVALOS DE CONFIANÇA.1 Conceitos básicos.1.1 Parâmetro e estatística Parâmetro é a descrição numérica de uma característica da população. Estatística é a descrição numérica de

Leia mais

Aula 2 Regressão e Correlação Linear

Aula 2 Regressão e Correlação Linear 1 ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE Aula Regressão e Correlação Linear Professor Luciano Nóbrega Regressão e Correlação Quando consideramos a observação de duas ou mais variáveis, surge um novo problema: -as

Leia mais

8. DETERMINANTES DA SAÚDE

8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8.1. Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) as doenças crónicas não transmissíveis constituem hoje a principal causa de morbilidade e mortalidade calculando-se,

Leia mais

Lista de exercícios. Teste de uma proporção populacional

Lista de exercícios. Teste de uma proporção populacional Lista de exercícios Questão 1 Sabe-se que, em uma localidade, foram vacinadas 70% das crianças em idade pré-escolar. Se fosse sorteada uma amostra de 10 crianças, ao acaso, qual seria: a) A probabilidade

Leia mais

HIV/AIDS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO COMPARATIVO EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS

HIV/AIDS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO COMPARATIVO EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS HIV/AIDS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO COMPARATIVO EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS Josevânia da Silva UNIPE josevaniasco@gmail.com Jéssica Oliveira Galvão UFPB jessica92.og@hotmail.com Ana Alayde Werba Saldanha

Leia mais

Estatística descritiva básica: Medidas de associação ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações

Estatística descritiva básica: Medidas de associação ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações Estatística descritiva básica: Medidas de associação ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações Marcelo de Souza Lauretto marcelolauretto@usp.br www.each.usp.br/lauretto Referências Bergamaschi,

Leia mais

Modelagem do comportamento da variação do índice IBOVESPA através da metodologia de séries temporais

Modelagem do comportamento da variação do índice IBOVESPA através da metodologia de séries temporais Modelagem do comportamento da variação do índice IBOVESPA através da metodologia de séries temporais João Eduardo da Silva Pereira (UFSM) jesp@smail.ufsm.br Tânia Maria Frighetto (UFSM) jesp@smail.ufsm.br

Leia mais

Soluções da Colectânea de Exercícios

Soluções da Colectânea de Exercícios Soluções da Colectânea de Exercícios (Edição de Fevereiro de 2003) Capítulo 1 1.1 d) x = 3.167; s = 0.886 (dados não agrupados) e) mediana = x = 3.25; q 1 = 2.4 ; q 3 = 3.9 1.2 a) x = 2.866 ; x = 3; moda

Leia mais

Teste Chi-Quadrado de Independência. Prof. David Prata Novembro de 2016

Teste Chi-Quadrado de Independência. Prof. David Prata Novembro de 2016 Teste Chi-Quadrado de Independência Prof. David Prata Novembro de 2016 Duas Variáveis Categóricas Análise de variância envolve o exame da relação entre uma variável categórica explicativa e uma variável

Leia mais

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

ESTATÍSTICA II Ficha de Revisões - 1

ESTATÍSTICA II Ficha de Revisões - 1 Um dos objectivos da Estatística Indutiva é permitir conhecer o valor dos parâmetros populacionais de uma variável a partir de estatísticas descritivas calculadas numa amostra retirada da população. Este

Leia mais

Procedimento Complementar para Validação de Métodos Analíticos e Bioanalíticos usando Análise de Regressão Linear

Procedimento Complementar para Validação de Métodos Analíticos e Bioanalíticos usando Análise de Regressão Linear Procedimento Complementar para Validação de Métodos Analíticos e Bioanalíticos usando Análise de Regressão Linear Rogério Antonio de Oliveira 1 Chang Chiann 2 1 Introdução Atualmente, para obter o registro

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO - TURMA 2012 PROVA

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) 1 O que é Estatística Origem relacionada com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu: a coleta de dados representa somente um dos aspectos

Leia mais

FICHA TÉCNICA PARA O DEPÓSITO DE SONDAGEM Eventuais objectivos intermédios (secundários) que com ele se relacionem

FICHA TÉCNICA PARA O DEPÓSITO DE SONDAGEM Eventuais objectivos intermédios (secundários) que com ele se relacionem FICHA TÉCNICA PARA O DEPÓSITO DE SONDAGEM 1. Entidade responsável pela realização da sondagem: Marktest, Marketing. Organização, Formação Lda. Rua de São José nº 183 1169-116 Lisboa 5. Identificação do

Leia mais

Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados

Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados Rinaldo Artes Em algumas situações, o acesso aos microdados de uma pesquisa é restrito ou tecnicamente difícil. Em seu lugar, são divulgados

Leia mais

Pesquisa de Opinião Manaus Eleições Majoritárias 2º Turno

Pesquisa de Opinião Manaus Eleições Majoritárias 2º Turno Pesquisa de Opinião Manaus Eleições Majoritárias 2º Turno - 2016 Número de Registro da Pesquisa Pesquisa registrada no TRE-AM sob o Nº AM-06440/2016 em 03/10/2016 Estatístico Responsável João Caldas do

Leia mais

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO?

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? É, mas não com a mesma qualidade.. (Mark Twain) AGRADECIMENTOS

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO DOUTORADO - TURMA 20 VERSÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Relembrando!!! Não é uma CIÊNCIA EXATA!!! É UMA CIÊNCIA PROBABILÍSTICA!!!!!!! Serve

Leia mais

Rendimento Acadêmico

Rendimento Acadêmico , o que prediz (e o que não prediz): O caso dos alunos de Ciências Econômicas da UnB Orientador: Moisés Resende Filho PET Economia Universidade de Brasília 25 de Abril de 2012 Motivação Falta de trabalhos,

Leia mais

ESTATÍSTICA INFERENCIAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ESTATÍSTICA INFERENCIAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ESTATÍSTICA INFERENCIAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior As Hipóteses A Hipótese Nula (H 0 ) é, em geral, uma afirmação conservadora sobre uma situação da pesquisa. Por exemplo, se você quer testar

Leia mais

Tratamento estatístico de observações

Tratamento estatístico de observações Tratamento estatístico de observações Prof. Dr. Carlos Aurélio Nadal OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição. DADO: é o resultado do tratamento de uma observação (por aplicação de uma

Leia mais

Paulo Jorge Silveira Ferreira. Princípios de Econometria

Paulo Jorge Silveira Ferreira. Princípios de Econometria Paulo Jorge Silveira Ferreira Princípios de Econometria FICHA TÉCNICA TÍTULO: Princípios de Econometria AUTOR: Paulo Ferreira ISBN: 978-84-9916-654-4 DEPÓSITO LEGAL: M-15833-2010 IDIOMA: Português EDITOR:

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

II. O mesmo investigador efetuou um conjunto de testes sobre a informação do Prazo Médio de Pagamentos cujos resultados são apresentados no Anexo I.

II. O mesmo investigador efetuou um conjunto de testes sobre a informação do Prazo Médio de Pagamentos cujos resultados são apresentados no Anexo I. ANO LECTIVO DE 2015-2016 MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS Mestrados de: Economia e Gestão de Ciência, Tecnologia e Inovação, Economia e Políticas Públicas, Economia Internacional e Estudos Europeus Prova

Leia mais

4 Modelos Lineares Generalizados

4 Modelos Lineares Generalizados 4 Modelos Lineares Generalizados Neste capítulo, serão apresentados arcabouços teóricos dos modelos lineares generalizados (MLGs) e como casos particulares desses modelos são aplicáveis ao problema da

Leia mais

Patrício Costa. Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho

Patrício Costa. Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho Patrício Costa Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho Teoria Hipóteses Operacionalização de conceitos Selecção de inquiridos ou sujeitos Plano de investigação: observacional / Inquérito Condução

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Terapêutica e prevenção secundária no tumor do pulmão

ESTUDO DE CASO. Terapêutica e prevenção secundária no tumor do pulmão ESTUDO DE CASO Terapêutica e prevenção secundária no tumor do pulmão É bem conhecida a relação tabaco / tumor do pulmão, embora existam casos de neoplasia do pulmão sem antecedentes de tabagismo. Mesmo

Leia mais

Material exclusivo para o livro ESTATÍSTICA (São Paulo, Pleiade, 2008). Proibida a reprodução, sob pena da lei.

Material exclusivo para o livro ESTATÍSTICA (São Paulo, Pleiade, 2008). Proibida a reprodução, sob pena da lei. Regressão Linear marcoscgarcia@gmail.com 2008). Proibida a reprodução, sob pena da lei. 1 O modelo estatístico de Regressão Linear Simples Regressão linear simples é usado para analisar o comportamento

Leia mais

Lista 1 - Gabarito. Prof. Erica Castilho Rodrigues Disciplina: Modelos Lineares Generalizados. 29 de Abril. f(y i, θ i ) = θ i exp( yiθ i ).

Lista 1 - Gabarito. Prof. Erica Castilho Rodrigues Disciplina: Modelos Lineares Generalizados. 29 de Abril. f(y i, θ i ) = θ i exp( yiθ i ). Lista 1 - Gabarito Prof. Erica Castilho Rodrigues Disciplina: Modelos Lineares Generalizados 29 de Abril 1. (Concurso Petrobrás - 2011) Em um modelo de regressão logística, o que indica se o modelo se

Leia mais

Métodos de Amostragem. Carla Varão Cláudia Batista Vânia Martinho

Métodos de Amostragem. Carla Varão Cláudia Batista Vânia Martinho Métodos de Amostragem Carla Varão Cláudia Batista Vânia Martinho Objecto de interesse Objectivos finais da pesquisa Esquema Geral da Investigação Empírica Objecto teórico Enquadramento teórico Fases do

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE ESTATÍSTICA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE ESTATÍSTICA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE ESTATÍSTICA Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões de Estatística da prova de Auditor da SEFAZ/PI 2015. Vale dizer que utilizei a numeração da prova

Leia mais

2º Ciclo do Ensino Básico 2ª FASE

2º Ciclo do Ensino Básico 2ª FASE ESCOLA BÁSICA 2,3 PROFESSOR JOÃO FERNANDES PRATAS Matriz do Exame de Equivalência à Frequência _2010_/_2011_ Disciplina Ciências da Natureza Duração da prova - _90_minutos 2º Ciclo do Ensino Básico 2ª

Leia mais

PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL DE ANÁPOLIS

PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL DE ANÁPOLIS PERFIL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL DE ANÁPOLIS Deyvison Dias Gomes1 Polyana Pâmela Ferreira Vitorino 2, Joana D arc Bardella 3 1 Graduando do curso de Ciências Econômicas do Campus Anápolis de CSEH/UEG.

Leia mais

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa IPL Carla Costa Lança carla.costa@estesl.ipl.pt 2010 Introdução As competências profissionais no

Leia mais

A Saúde da Visão no idoso institucionalizado: Identificação de necessidades em saúde pública

A Saúde da Visão no idoso institucionalizado: Identificação de necessidades em saúde pública UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública A Saúde da Visão no idoso institucionalizado: Identificação de necessidades em saúde pública Carla Costa Lança (1), Ana Costa Veiga (2), Maria

Leia mais

Nome: N o : Espaço reservado a classificações

Nome: N o : Espaço reservado a classificações ESTATÍSTICA I 2 o Ano/Gestão 1 o Semestre Época Normal Duração: 2 horas 1 a Parte Teórica N o de Exame: abcde 03.Jan.11 Este exame é composto por duas partes. Esta é a 1 a Parte Teórica (Cotação: 8 valores).

Leia mais

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Violeta Alarcão,

Leia mais

ÍNDICE Janelas Menus Barras de ferramentas Barra de estado Caixas de diálogo

ÍNDICE Janelas Menus Barras de ferramentas Barra de estado Caixas de diálogo XXXXXXXX ÍNDICE INTRODUÇÃO 15 1. VISÃO GERAL DO SPSS PARA WINDOWS 17 1.1. Janelas 17 1.2. Menus 20 1.3. Barras de ferramentas 21 1.4. Barra de estado 21 1.5. Caixas de diálogo 22 2. OPERAÇÕES BÁSICAS 23

Leia mais

3 Metodologia Tipo de Pesquisa

3 Metodologia Tipo de Pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de Pesquisa Para a classificação desta pesquisa foi adotada a taxonomia proposta por Vergara (2000). Segundo esta classificação, as pesquisas podem ser classificadas quanto aos

Leia mais

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 25 de Novembro de 2009 A publicação Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007, apresenta,

Leia mais

Internamentos Hospitalares por VIH/SIDA em Portugal 2006: Modelos de Fragilidades na Sobrevivência

Internamentos Hospitalares por VIH/SIDA em Portugal 2006: Modelos de Fragilidades na Sobrevivência 1 XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Internamentos Hospitalares por VIH/SIDA em Portugal 2006: Modelos de Fragilidades na Sobrevivência S. Dias 1,2, R. O. Martins 2, V. Andreozzi 3, J. Torgal 1 sdias@isegi.unl.pt

Leia mais

Estatística 1 - Lista de Exercícios 4-21/06/ Professor José Carlos Fogo

Estatística 1 - Lista de Exercícios 4-21/06/ Professor José Carlos Fogo Estatística 1 - Lista de Exercícios 4-21/06/2016 - Professor José Carlos Fogo 1) A tabela abaixo representa um estudo sobre a participação de famílias na coleta seletiva de lixo. Grau de instrução do chefe

Leia mais

ESTUDO DA SOCIEDADE PORTUGUESA- MARÇO 2017 RENDIMENTO E POUPANÇA

ESTUDO DA SOCIEDADE PORTUGUESA- MARÇO 2017 RENDIMENTO E POUPANÇA ESTUDO DA SOCIEDADE PORTUGUESA- MARÇO 2017 RENDIMENTO E POUPANÇA Conteúdo: Sumário Executivo Introdução e Apresentação do Estudo Indicadores Gerais: Felicidade e Satisfação Satisfação com a Vida Introdução

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG ASSOCIAÇÃO DA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DA SAÚDE COM INDICADORES DE COMPOSIÇÃO

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos de Marketing e Marketing Research

Capítulo 1 Conceitos de Marketing e Marketing Research Índice Prefácio 21 Introdução 25 PARTE I Capítulo 1 Conceitos de Marketing e Marketing Research 1. Evolução do Marketing 33 2. Evolução do conceito de Marketing 35 3. Modelo do sistema de Marketing 38

Leia mais

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A Estatística António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo O tema da Estatística nos Cursos Científico-Humanísticos de

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE PERÍODOS DE FIDELIZAÇÃO

INQUÉRITO SOBRE PERÍODOS DE FIDELIZAÇÃO INQUÉRITO SOBRE PERÍODOS DE FIDELIZAÇÃO População residencial (Trabalho de campo realizado em outubro de 2016) Novembro de 2016 ANACOM 1. Introdução Na sequência da revisão da LCE que torna obrigatório

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 24 de outubro de 2016. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no município de Belo Horizonte, com o objetivo de consulta à população sobre situação eleitoral

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final ANO LETIVO 2013/2014 ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final Índice O que é o IMC? Objetivo do Estudo Procedimentos do Estudo Amostra Utilizada Apresentação dos Resultados Principais Conclusões

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 09 de dezembro de 2016. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no Brasil, com o objetivo de consultar à população sobre avaliação situação política eleitoral.

Leia mais

ANÁLISE DA SATISFAÇÃO DO AUTOR COM O VALOR RECEBIDO EM INDENIZAÇÃO JUDICIAL

ANÁLISE DA SATISFAÇÃO DO AUTOR COM O VALOR RECEBIDO EM INDENIZAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE DA SATISFAÇÃO DO AUTOR COM O VALOR RECEBIDO EM INDENIZAÇÃO JUDICIAL INTRODUÇÃO O presente trabalho propõe uma pesquisa de satisfação com pessoas Autoras em processos de indenização já concluídos.

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES. Câmara Municipal de Mogadouro

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES. Câmara Municipal de Mogadouro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES Câmara Municipal de Mogadouro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A IMPORTÂNCIA DE MEDIR A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES... 2 3. OBJETIVOS... 2 4. METODOLOGIA... 2

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DO ICMS *

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DO ICMS * UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DO ICMS * Carlos Eduardo S. Marino ** * Trabalho de conclusão da disciplina de Econometria I, ministrada pelos professores Ivan Castelar e Vitor Monteiro, realizada no primeiro

Leia mais

ROAMING INTERNACIONAL INFORMAÇÃO GERAL E DADOS ESPECÍFICOS SOBRE AS COMUNICAÇÕES REGULAMENTADAS PELA COMISSÃO EUROPEIA ABRIL 2007 DEZEMBRO 2009

ROAMING INTERNACIONAL INFORMAÇÃO GERAL E DADOS ESPECÍFICOS SOBRE AS COMUNICAÇÕES REGULAMENTADAS PELA COMISSÃO EUROPEIA ABRIL 2007 DEZEMBRO 2009 ROAMING INTERNACIONAL INFORMAÇÃO GERAL E DADOS ESPECÍFICOS SOBRE AS COMUNICAÇÕES REGULAMENTADAS PELA COMISSÃO EUROPEIA ABRIL 2007 DEZEMBRO 2009 Índice 1. O serviço de roaming internacional e a intervenção

Leia mais

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 3. - SISTEMATIZAÇÃO DE CONCEITOS E REVISÃO DA LITERATURA 3.1 - INTERPOLAÇÃO ESPACIAL DE INFORMAÇÃO ASSOCIADA

Leia mais