FORMAÇÃO DOS GRÁFICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO DOS GRÁFICOS"

Transcrição

1 Com a popularização do mercado de ações, cresce cada vez mais o número de investidores aptos a operar neste mercado e, proporcionalmente, mais técnicas de análise são apresentadas a eles. Estas técnicas variam das mais simples às mais elaboradas, e muitas vezes são objetos de critica de alguns amadores do mercado, mas todas elas se resumem à descrição matemática dos dados históricos das empresas e do comportamento psicológico dos investidores nos diferentes períodos analisados. Dentre os tipos de análises podemos citar a análise técnica ou gráfica e a análise fundamentalista como as principais ferramentas que subsidiam o investidor a entrar ou sair de uma determinada operação no melhor momento possível, de modo a maximizar seus lucros ou minimizar seus prejuízos. Neste contexto, este material vem nos trazer uma abordagem sobre os principais conceitos da análise gráfica, fazendo com que o operador de mercado tenha em mãos, não uma ferramenta mágica que acertará sempre, mas um importante aliado em suas batalhas diárias com o mercado. FORMAÇÃO DOS GRÁFICOS Existem diversos tipos de gráficos e conseqüentemente diversas maneiras de representar o que aconteceu no pregão. É importante que você entenda como são formados os símbolos que formam os gráficos, pois esses símbolos são a própria linguagem do mercado. Conhecendo o Gráfico de Barras O gráfico de barras é um dos tipos mais populares na análise técnica. Conforme pode ser visto na ilustração ele utiliza o valor de abertura, máximo, mínimo e de fechamento. A barra oferece uma série de informações sobre o que acontece no pregão. O segmento de reta para a esquerda é a abertura, ou seja, o valor do primeiro negócio que ocorreu no dia. O segmento para a direita é o valor de fechamento, representando o preço do último negócio no pregão. O ponto mais alto da barra coincide com o preço máximo praticado durante o pregão, enquanto que a extremidade inferior corresponde ao preço mínimo. O tamanho da barra (distância entre o máximo e o mínimo) nos oferece alguns dados, mostrando um pouco sobre como foi a batalha entre compradores e vendedores. Uma barra pequena ou média, normalmente, demonstra um mercado calmo, sem grandes conflitos. Mas, o que é uma barra pequena? Que tamanho é uma barra média? Isso depende do mercado/ativo, o que se faz é analisar o tamanho da barra em relação ao tamanho médio das outras barras do gráfico, se, por exemplo, for metade do tamanho da maioria, com certeza estamos falando de uma barra pequena. O mesmo raciocínio é válido para identificar barras grandes, a interpretação, entretanto, é completamente oposta. Barras grandes normalmente são sinais de mercado volátil, com os preços

2 variando fortemente durante o dia. Em pregões desse tipo, surgem várias oportunidades de negócios (e algumas armadilhas também). Abaixo um gráfico de barras do índice Bovespa: fonte: Conhecendo o Gráfico de Candles Por volta do ano de 1700 dc, Homma vivia perto do centro de distribuição de arroz em Osaka, Japão, onde ele começou a negociar no mercado de "Cestas Vazias", que foi o precursor de nossos atuais mercados de futuros. Foi de longe um Trader mais bem sucedido do que qualquer outro em sua época.mas mantinha em segredo suas idéias de como operar o mercado. Eventualmente foi promovido ao "Bushi" vindo a se tornar um Samurai, e então mudou se para Tókio, e começou a operar no "Edo Regional Exchange". Ele usou seu método secreto para amealhar imensa fortuna. Depois de longo tempo, as barras de Candles foram criadas para mostrar: A Abertura, o Maximo, o Mínimo, e o Fechamento, com a cor da figura mostrando o movimento, ou a direção. Certos padrões formados pelos preços quando vistos sobre a ótica dos Candles, podem nos dizer quando o mercado está entrando em acumulação, ou nos dão as pistas para notarmos um movimento que o mercado está por fazer. Ou seja, Candlesticks nos apresenta uma profunda visão dos movimentos dos preços. Para entendermos esse padrão, temos que compreender a formação dos corpos das figuras de Candles. A diferença entre a abertura e o fechamento forma a caixa que chamamos de Corpo Real do Candle. Um corpo vermelho significa que o fechamento deu-se abaixo do preço de abertura, e um corpo verde, significa que o fechamento foi acima da abertura. Muitas vezes vemos linhas estendidas acima e abaixo do corpo real, o que chamamos de pavio. Estas linhas representam o máximo e o mínimo que os preços atingiram na formação daquela figura. O Gráfico de candles, também chamado gráfico de velas ou candelabro japonês popularizou-se na década de 90, com os trabalhos de Steven Nison, autor do famoso livro Japanese Candlestick Charting Techniques. Também utilizaremos as informações de preço máximo, mínimo, abertura e fechamento para o desenho do símbolo.

3 O gráfico de candles é composto por duas partes: corpo e sombras. O corpo é a parte entre a abertura e o fechamento (parte mais alargada da figura acima), caso a abertura tenha sido inferior ao fechamento (um dia de alta) o corpo recebe, por exemplo, a cor branca. Se o fechamento foi menor que a abertura (um dia de queda) o corpo recebe outra cor, preto, por exemplo: Assim, como pode ser visto na figura, em um dia de alta a abertura delimita a parte inferior do corpo candle e em um dia de queda o contrário. Existe uma classe de candles, contudo, que não possuem corpo são os chamados doji. Um doji é formado quando a abertura e fechamento coincidem. Exemplo: As sombras, de maneira semelhante ao gráfico de barras, são traços que mostram os valores máximo e mínimo que os preços alcançaram. Vale ressaltar que um candle pode não ter sobra inferior ou superior, para isso basta que a abertura/fechamento seja no exato valor da mínima/máximo. Por exemplo: Em gráficos de candles podem ser utilizados todos os preceitos da teoria de Dow e padrões clássicos que veremos a seguir. Além disso, os candles introduzem um novo conjunto de padrões que serão assunto de outro tutorial e de alguns artigos. O mesmo gráfico de barras do Bovespa está sendo representado com candles abaixo:

4 Periodicidade dos Gráficos Os gráficos podem ter diferentes periodicidades, ou seja, não precisam, necessariamente, representar 1 dia de pregão. Os gráficos em nível de dias mais comuns são: Diário: Representando 1 pregão Semanal: Uma barra ou candle representando todos os pregões da semana. Mensal: Uma barra ou candle representando todos os pregões do mês. Anual: Uma barra ou candle por ano. Uma outra classe, são os que mostram o que aconteceu durante a sessão, são os gráficos intraday (também chamados intra-dia). Em um gráfico intraday o intervalo utilizado corresponde, normalmente, a alguns minutos. Os mais comuns: 1, 5, 15, 30 e 60 minutos. A maneira como o símbolo é desenhado é exatamente a mesma que no caso de uma barra ou candle de 1 pregão. Vamos pegar como exemplo um gráfico semanal, cada semana será representada por um único símbolo, assim, o valor de mínimo será o menor entre todos os preços praticados na semana, enquanto que o valor máximo será o maior preço negociado no mesmo período. A abertura, nesse caso, será a abertura do primeiro dia de pregão da semana (segunda-feira em nosso exemplo) e o fechamento o valor de encerramento da sexta-feira. O mesmo ocorre para os gráficos intraday. Em um gráfico de 15 minutos o primeiro e último minuto do intervalo (digamos entre 15h01min e 15h15min) são a abertura e o fechamento, enquanto que o máximo/mínimo entre os minutos desse intervalo será o máximo/mínimo do símbolo. Um ponto importante é que as técnicas de análises são válidas em qualquer tempo gráfico. As teorias são sempre válidas quando a formação do preço é livre (oferta x demanda), o que acontece algumas vezes é que certas técnicas se adaptam melhor a determinados períodos que outras. TEORIA DOW Teoria resultante de uma série de artigos publicados por Charles Dow em The Wall Street Journal entre 1900 e 1902, considerada como a precursora dos modernos princípios da análise técnica (muito embora Dow não tivesse a pretensão de usá-la para prever a evolução do mercado). Os seis princípios da teoria são: 1. Tudo se reflete no preço. À medida que novas informações chegam e são disseminadas, os participantes do mercado concorrem para corrigir os preços de maneira adequada. 2. O mercado é composto de três tendências. Em um dado instante, três forças atuam no mercado: Tendência Primária, Tendências Secundárias e Tendências Menores. A Tendência Primária, que pode ser baixista ou altista, usualmente dura mais de um ano, mas pode chegar a vários anos. As Tendências Secundárias são correções à Tendência Primária e podem durar de um a três meses. As Tendências Menores são de curto prazo, durando de um dia a três semanas, e podem ser desconsideradas. 3. Tendências Primárias tem três fases. A primeira fase, que ocorre na retomada do crescimento econômico, é caracterizada por compras agressivas por parte de investidores informados. Na segunda fase, quando os lucros das empresas começam a aumentar, ocorre a acumulação de ações. Finalmente, na terceira fase o crescimento do mercado é de conhecimento geral e o público tem a impressão de que as ações nunca mais pararão de subir. Os investidores que compraram na primeira fase agora realizam os lucros. 4. Os índices médios setoriais devem se confirmar mutuamente. Para que uma tendência seja confirmada, os índices de todos os setores (industrial, transportes, etc.) devem apresentar o mesmo movimento. 5. O volume confirma a tendência. Na Teoria de Dow o volume é utilizado de maneira secundária. O volume se expande na direção da Tendência Primária.

5 6. Uma tendência permanece até que ocorra um sinal definitivo de reversão. No caso de um mercado altista, uma reversão pode estar acontecendo quando as baixas começam a ter amplitudes progressivamente maiores. No caso de um mercado baixista, uma reversão pode acontecer quando as altas são progressivamente maiores. Desenvolvida a partir de 1897 por Charles Dow, que criou dois grandes índices para o mercado: o Industrial Average e o Rail Average. Estes são hoje conhecidos por Dow Jones Industrial Average e pelo Dow Jones Transportation Average. A Teoria foi exposta ao longo de uma série de artigos publicados no The Wall Street Journal entre 1900 e A teoria defende que o preço de um título a cada momento reflete o seu valor real no mercado face aos seus intervenientes, pois tudo se encontra ligado. Por outro lado, defende a existência de três tendências no mercado: a Primária, a Secundária e a Menor, sendo o time frame de cada uma delas progressivamente menor. Cada uma delas deverá ser lida individualmente e o resultado será sempre que estará em tendência de alta, ou de baixa. O que define a tendência de alta será o fato de cada novo máxima ser superior ao anterior, assim como cada nova mínima ser superior a anterior. Em caso de tendência de baixa, o raciocínio deverá ser o inverso. Para confirmar a inversão de uma tendência, será ainda necessário que ambos os índices se confirmem mutuamente. devemos saber O Mercado se movimenta em ondas de expansão e retração (Ondas de Elliot). Topo Fundo obs: um topo ou um fundo, geralmente significa o final de uma tendência(de alta ou de baixa) e o início de outra

6 TOPO swing Candle de referencia RALLY Fundo classico 2- O Princípio da Confirmação O candle de referência só é analisado quando há um swing e/ou um rally. O princípio da confirmação afirma que para uma reversão de tendência ou rompimento de nível de suporte/resistência (suportes e resistências serão mais bem explicados pouco mais a frente) ser válido, o fato deve ocorrer em dois índices de composições distintas. Assim, um índice confirma o outro, demonstrando que não se trata de uma oscilação temporária do movimento.

7 Para ilustrar o princípio da confirmação suponha dois índices (A e B) de composições diferentes, mas que se comportam de maneira semelhante. O índice A, durante uma alta, vence a linha de resistência e parece seguir com força em sua tendência. O índice B, entretanto, ao chegar pela primeira vez na linha de resistência não consegue o rompimento da mesma forma que A. Um investidor que analisa o mercado apenas a partir do ponto de vista do índice A pode concluir que existe boas oportunidade de compra logo após o rompimento. Contudo, o que acontece é uma retração, pois o mercado não estava tão forte como demonstrou a falha de rompimento por parte de B. Essa é a essência do princípio da confirmação. Dois índices são usados para que um pronuncie uma "segunda opinião" sobre o outro, de modo a validar o que está acontecendo ou indicar uma armadilha. No caso brasileiro, esses dois índices poderiam ser, por exemplo, o índice Bovespa e o IBRX. 3- Volume Acompanha e confirma uma tendência. Os preços sobem e o volume (dinheiro) cai; é um sinal de que o Mercado vai cair. Quando os preços estiverem lá em cima (Smart Money). Jamais entre num negócio onde não haja muito dinheiro (volume). O senso comum, geralmente tem uma perda de 90% na Bolsa de Valores. Este princípio é bastante simples, na teoria de Dow o volume está relacionado com as tendências da seguinte maneira: Tendência de Alta: Em uma tendência principal de alta é esperado que o volume aumente com a valorização dos ativos e diminua nas reações de desvalorização. Tendência de Baixa: Em uma tendência principal de baixa é esperado que o volume aumente com a desvalorização dos ativos e diminua nas reações de valorização. Pode-se confirmar a tendência de várias maneiras: - Checando uma periodicidade maior. Ex: operando no Mercado a Vista no gráfico diário, procura-se a confirmação no gráfico semanal. - Analisando não somente a ação, mas também o índice BOVESPA e BM&F para confirmar a tendência.

8 GAP Um GAP ("diferença" ou "intervalo") aparece quando o mercado de um título, sofrendo uma interrupção em sua negociação, provoca uma diferença entre o preço de fechamento e o preço de abertura do título. Um fato novo pode ter ocorrido neste intervalo, provocando uma reavaliação por parte dos investidores acerca do valor do título. Todo GAP é necessariamente um período em que nenhum negócio foi feito, ou seja, o preço saltou do fechamento para a abertura, deixando um buraco. O GAP é esse buraco no gráfico. Os GAP estão relacionados a preços e não a tempo. Os GAP são contados para a formação de Rallys e não de Swings. Todos os GAP serão fechados, o que significa que em algum momento o Mercado irá negociar contratos no valor daquele intervalo criado pelo GAP. O suporte do GAP de fuga será sempre a máxima verificada no candle que o antecede, e este suporte é muito significativo quando da analise em qualquer tempo gráfico. Quando após um GAP, se verificar que o corpo ou parte do corpo de qualquer candle, rompe essa linha do suporte, deve-se atentar para uma provável queda no Mercado se o rally for de alta e vice versa se for um rally de baixa. TIPOS DE GAP 1- GAP DE FUGA Imagine o Mercado congestionado por certo tempo, e de repente os preços saltam para cima ou para baixo de forma abrupta, isso é um GAP DE FUGA.

9 2- GAP DE EXAUSTÃO GAP que ocorre, geralmente no final de um movimento (Rally ou Swing) de alta ou de baixa. 3- GAP DE ÁREA É o GAP que acontece dentro de um congestionamento de candles, dentro dos limites desse congestionamento. 4- GAP DE MEDIDA GAP que ocorre no meio dos grandes rallys(alta ou baixa), e indica a metade de todo o movimento, quer seja de alta ou de baixa. Ele é considerado como de medida quando não há por parte dos candles sinal para sair nos momentos subseqüentes a ocorrência de um GAP.

10 Em uma tendência de alta ou de baixa teremos no máximo três GAP para cima ou para baixo. Se isso é observado numa tendência, em qualquer mercado e em qualquer tempo gráfico, deve estar acabando essa tendência (preste atenção). Uma forma de se antecipar ao início de uma provável nova tendência, pode-se passar uma reta na máxima do candle que antecede um GAP (Suporte) e aguardar que ele tenha essa linha rompida por um corpo de um candle qualquer, se isso acontecer, vai-se para o gráfico de 5 e confirma essa tendência, através de um topo ou de um fundo, e dependendo do que irá fazer, compre ou venda. Tentem marcar num calendário anual, todas às quartas-feiras mais próximas do dia 15 de cada mês, atentando para o que poderá estar acontecendo no Mercado. SUPORTES E RESISTÊNCIAS Suportes e resistências, de maneira simples, são zonas de preços na qual o movimento atual do mercado tem grandes chances de parar e reverter. Definições: Suporte: Região na qual o interesse de comprar é grande, superando a pressão vendedora, o movimento de queda tende a parar. Resistência: Região na qual o interesse de vender é grande, superando a pressão compradora, o movimento altista tende a parar. Nível de preços de um título onde os compradores (baixistas) tomam o controle, evitando que os preços subam ainda mais. Dado que as expectativas dos investidores mudam com o tempo, uma resistência pode ser rompida, estabelecendo-se, eventualmente, uma resistência mais acima. Faixa de preços que o Mercado não consegue ultrapassar em determinado momento; Também pode ser chamada de pico ou topo. resistência Suporte Nós compramos Fundos e vendemos Topos

11 Negociando com a Ajuda de Suporte e Resistência A regra para negociar usando suportes e resistências parecem simples: comprar no suporte e vender na resistência. Essa regra sem sofisticação, mas objetiva pode tornar um investidor extremamente bem sucedido se ele conhecer o mercado e tiver uma boa metodologia de operação. Para isso o investidor deve saber que, muitas vezes ocorre o rompimento dos níveis de suporte e resistência, sendo importante contar com estratégias para proteção do capital e também para aproveitar esses acontecimentos. Nesse contexto um ponto relevante é a força do suporte e resistência. Quanto mais vezes o mercado "bater e voltar" na linha, mais forte é a confiabilidade da barreira de preços. LINHAS DE TENDÊNCIA Conforme mostrado anteriormente, o mercado não se movimenta em linha reta, mas com impulsos e correções com a aparência de um ziguezague. As tendências sejam elas de alta ou de baixa desenvolvem-se de acordo com esses formatos. O interessante sobre tendências (mesmo as de curta duração) é que a análise técnica fornece ferramentas para identificação de pontos de compra e venda. Para isso traçamos as linhas de tendência. Tendência de Alta: Caracteriza-se por topos e fundos ascendentes. Para traçar uma linha de tendência de alta ligamos os pontos inferiores da série de preços em elevação. A linha formada pela união desses fundos tende a ser uma linha de suporte Tendência de Baixa: Caracteriza-se por fundos e topos descendentes. Charles Elliot. Para traçar a linha de tendência de baixa ligamos os pontos superiores do movimento de preços em queda. A linha formada pela união desses topos tende a ser uma linha de resistência.

12 Exemplos: Linha de Tendência de Alta Linha de tendência de Baixa O Mercado possui três ondas de alta e cinco ondas de baixa, assim definidas A B C 1 2

13 Na expansão A onda 1 é formada por 5 ondas; A onda 2 é formada por 3 ondas; A onda 3 é formada por 5 ondas; A onda 4 é formada por 3 ondas; A onda 5 é formada por 5 ondas; Na retração A onda A é formada por 5 ondas; A onda B é formada por 3 ondas; A onda C é formada por 5 ondas. Até num total de 144, que é a seqüência de Fibonacci. OS NÚMEROS DE FIBONACCI Leonardo de Pisa (Fibonacci filius Bonacci) matemático e comerciante da idade média escreveu em 1202 um livro denominado Liber Abacci, que chegou a nós, graças à sua segunda edição de Este livro contém uma grande quantidade de assuntos relacionados com a Aritmética e Álgebra da época e realizou um papel importante no desenvolvimento matemático na Europa nos séculos seguintes, pois por este livro que os europeus vieram a conhecer os algarismos hindus, também denominados arábicos. A teoria contida no livro Liber Abacci é ilustrada com muitos problemas que representam uma grande parte do livro. Na realidade, é surpreendente a maneira como esses números aparecem na natureza. As relações de Fibonacci manifestam-se em inúmeros fenômenos como na geometria de conchas, forma geral de furacões e galáxias, etc. O mercado financeiro é decorrência do comportamento humano e, portanto, tais forças matemáticas possuem uma grande influência. Vamos ver agora um dos usos mais interessantes do poder desses números: Os Números de Fibonacci. Os números de Fibonacci são uma seqüência de números, onde cada elemento futuro, é a soma dos dois anteriores: Assim tem-se que: = 1 >>> = 2 >>> = 3 >>>2 + 3 = 5 >>> = 8>>> = 13 e assim por diante A série é: 1; 1; 2; 3; 5; 8; 13; 21; 34; 55; 89; 144; etc. Esta seqüência de números tem uma característica especial denominada recursividade:

14 Aplicações das Seqüências de Fibonacci Pergunta: Será que esta seqüência numérica aparece em outras situações da vida? A resposta é positiva e é espantosa pela grande quantidade de situações onde ela ocorre. Apresentamos uma lista modesta e que poderá ser ampliada facilmente se o visitante procurar mais na literatura. 1. Estudo genealógico de coelhos 2. Estudo genealógico de abelhas 3. Comportamento da luz 4. Comportamento de átomos 5. Crescimento de plantas 6. Ascensão e queda em bolsas de valores 7. Probabilidade e Estatística 8. Curvas com a forma espiralada como: Nautilus (marinho), galáxias, chifres de cabras da montanha, marfins de elefantes, filotaxia, rabo do cavalo marinho, onda no oceano, furacão. Estima-se que, à medida que os preços das ações evoluem, os suportes e resistências se comportam de maneira aproximada aos números de Fibonacci. É uma teoria fenomenológica, é claro, mas que guarda certa relação com as ondas de Elliott. Contudo, um fato que impressiona muita gente é que estes números aparecem em várias situações na natureza, desde a forma de certas conchas de moluscos até como foi visto nesta apostila, na evolução da população de coelhos, reproduzindo-se livremente. Traçando o Fibonacci A receita para desenhar o Fibonacci começa com a escolha de dois pontos significativos. Um fundo (ponto 1) e o próximo topo (ponto 2) é um bom exemplo. O passo seguinte é calcular a diferença de "altura" entre os pontos 1 e 2. Na figura abaixo, a altura aparece ilustrada por uma linha vertical vermelha. Essa linha, na verdade, não faz parte da técnica, ela está no desenho apenas para mostrar como acontece a "mágica". O passo final para a criação do Fibonacci é traçar a partir da origem (ponto 1), linhas que cruzam a linha da altura nos pontos de 38%, 50% e 62%. O Fibonacci é uma ferramenta que une preço e tempo, pode ser um ótimo conselheiro, mostrando onde se escondem possíveis suportes e resistências. Resistência 68% 38% 68% 38% Suporte obs: o home-broker possui as ferramentas especializadas para fornecer as linhas já calculadas. 68%

15 QUESTÕES INTRODUTÓRIAS SOBRE ELLIOTT A Teoria das Ondas de Elliott foi criada por Ralph Nelson Elliot ( ), a partir da Teoria de Dow e de outras observações e consiste basicamente em verificar que o comportamento cíclico do mercado financeiro é praticamente um fato indiscutível entre as várias e diferentes correntes de análise do mercado. Considerando os padrões do comportamento humano e o equilíbrio de forças nos movimentos de altas e baixas foi proposto por Ralph Nelson Elliott entre as décadas de 1930 e 1940, os conhecidos Elliott Wave Principle ou Principio das Ondas de Elliot. O padrão básico que Elliott descreveu consiste em ondas impulsivas (denotadas através de números) e ondas corretivas (denotadas através de letras). Uma onda impulsiva é composta de cinco sub-ondas de movimentos na mesma direção, com a mesma tendência do último movimento. Uma onda corretiva é composta de três subondas e com movimentos contra a tendência do movimento principal. Seus princípios são: 1. Ação é seguida de reação; 2. Existem cinco ondas na direção de uma tendência principal, seguidas de três ondas corretoras 5-3"; 3. Um movimento "5-3" completa um ciclo, que se abre em duas subdivisões da próxima onda de alta; 4. O padrão de movimentos "5-3" permanece constante, mas a duração de cada um deles pode variar. A precisão da teoria de Eliot depende da contagem das ondas, tarefa que pode ser muito subjetiva. e a teoria tem sofrido revisões de modo a explicar as disparidades observadas após 1982, data em que alguns acreditam ter começado a última onda do mega-ciclo iniciado em A onda 1 é a onda de expansão; A onda 2 é a onda de retração e deve coincidir com os números de Fibonacci, em 38%, 50% e 62%. Quando a onda 2 é complexa, a onda 4 é simples, e vice versa. Exemplo. Os melhores pivôs são os que antecedem em 50% ou 62%. O topo da onda 1 é também chamado de Cabeça do Pivô de Alta ou de Baixa. O final da onda 2 jamais pode ser menor(perfurar) que o início da onda 1 no Mercado de Alta e contrário no Mercado de Baixa. Exemplo: A onda 3 é a maior de todas; e é a melhor onda para surf ar. O final da onda 4 jamais pode perfurar o topo da onda 1. Exemplo: A onda 5 é a menos confiável. A onda 5 pode ser: 1 Expandida: pode ser maior que a onda 3 Exemplo. 2 Truncada: movimenta-se lateralmente Exemplo. 3 Irregular: Tem sua máxima menor que o topo da onda 3.

16 MÉDIAS MÓVEIS Existem diversos tipos de médias como aritmética (ou simples), exponencial, ponderada, etc. Nosso foco neste treinamento estará na Média Móvel Simples, visto que é a que dentro da nossa técnica produz ótimos resultados. Uma média, como o nome diz, mostra o valor médio de uma amostra de determinado dado. Mas, por que média móvel? A palavra móvel está presente pelo fato de que quando uma cotação entra no cálculo outra cotação sai. Por exemplo, se estamos usando uma média de 20 barras e surge uma nova cotação a última dessas 20 cotações é excluída do cálculo, enquanto que a mais recente entra. Assim, a média "movimenta-se" através do gráfico. Abaixo temos com exemplo a fórmula da média móvel exponencial (MME). Preço representa o fechamento do dia de hoje e MME ontem é o valor anterior da média móvel exponencial e K é uma variável dependente do período N como pode ser visto. Ao contrário da média simples, na exponencial os dados mais novos possuem uma importância superior. Além disso, os valores mais antigos não são diretamente descartados quando passam a constar fora da janela de cálculo. Eles mantêm uma participação no valor da média exponencial que vai ficando cada vez menor com o tempo. Porém, dentro das técnicas ensinadas neste treinamento, utilizaremos sempre a Média Móvel Simples no valor de 89 ciclos. Usando Médias Móveis Existem indicadores chamados seguidores de tendências e as médias móveis pertencem a esta classe. Esses indicadores possuem uma inércia natural, ou seja, não foram projetados para apontar reversões rapidamente. A primeira informação importante fornecida por uma média móvel é sua inclinação. Uma média móvel ascendente mostra um mercado comprador, enquanto que uma média descendente indica um mercado vendedor. Posicione-se de acordo com o que a média indica, pois ela tende a refletir de maneira adequada o comportamento dos investidores. Por ser um indicador seguidor de tendência existe um momento no qual não devemos usar as médias móveis. Que momento é esse? O mercado seguidamente se coloca em acumulação, movendo-se lateralmente entre limites de preço. Nesses movimentos, a aplicação das médias só é possível em períodos muito curtos e mesmo assim existe uma chance considerável de obtenção de sinais errados, pois não há uma tendência definida a ser seguida. Médias Móveis Como Suporte e Resistência A média móvel é uma representação suave da tendência, uma vez que ela filtra oscilações menores. A média é uma região de suporte/resistência natural e uma de suas principais técnicas de utilização é formação de posição nas proximidades da média em uma tendência de alta.

17 Observe o gráfico da Telemar (TNLP4) Cruzamentos Uma outra classe de métodos de utilização das médias móveis é através de cruzamentos. Quando os preços cruzam a média móvel de baixo para cima é dado um sinal de compra e quando cruzam de cima para baixo uma venda é sinalizada. Veja o gráfico abaixo da Gerdau (GGBR4). Os preços partem para a parte superior da média em uma nova tendência de alta. Uma importante questão é saber quando o cruzamento é verdadeiro. Algumas vezes, os preços rompem a média e em seguida retornam de volta ao lado original, gerando um sinal falso. Novamente, não existe regra fixa para identificar a validade dos cruzamentos.

18 Média Móvel Simples Sendo P(d) o preço de fechamento no dia d, a média móvel simples para, por exemplo, 5 dias, será: MS = [P(d) + P(d-1) + P(d-2) + P(d-3) + P(d-4)]/5. Os seguintes prazos podem ser levados em consideração na construção de médias móveis, tanto simples quanto exponenciais: Curtíssimo prazo: Curto prazo: Médio prazo: Longo prazo: 5 a 13 dias 14 a 25 dias 26 a 74 dias 75 a 200 dias Os investidores tipicamente compram um ativo quando o preço deste sobe acima de sua média móvel, e vendem-no quando o preço cai abaixo desta mesma média. Índice de Força Relativa IFR O índice de força relativa foi desenvolvido por Welles Wilder que através deste estudo visava eliminar duas distorções existentes ao serem elaborados a maioria dos indicadores. Conforme exposto por Wilder em seu livro de 1978, new Concepts in Technical Trading System, a primeira destas distorções consiste no movimento errático que ocorre freqüentemente na linha do momento (quando usada a diferença entre dois preços), causado por mudanças acentuadas nos valores a serem dispensados. Um forte avanço ou declínio há dez dias (no caso do momento de 10 dias) pode causar um movimento brusco na linha do memento, mesmo que os preços recentes mostrem uma oscilação pequena ou permaneçam estáveis. Um amortecimento seria então necessário para eliminar tais distorções. O segundo problema era a necessidade de uma faixa de oscilação padronizada para que se pudesse determinar quão alto um índice deveria ser considerado alto, e quão baixo este deveria ser considerado baixo. A fórmula de índice de força relativa além de oferecer a suavização necessária, soluciona o segundo problema com a criação de uma escala padronizada de oscilação que vai de 0 a 100. No caso de um período de 14 dias ser escolhido, calcula-se o valor da média de alta somando-se as variações de alta nestes dias e dividindo-se este total por 14. Faz-se o mesmo com os dias de baixa. Os períodos mais utilizados são os de 14 dias e o de 9 dias, sendo que quanto menor o período adotado, mais sensível o indicador se torna e maior é a sua amplitude. INTERPRETAÇÃO O índice de força relativa é plotado em uma escala de 0 a 100. Movimentos acima de 70 são considerados overbought (excessivamente comprado), sendo o mercado considerado oversold (excessivamente vendido) quando o índice penetra aos 30. Devido às maiores oscilações causadas pelo uso de um período menor no calculo das médias, são freqüentemente utilizados os valores de 80 e 20 em vez de 70 e 30. Os níveis 80 e 20 são também respectivamente utilizados em mercados com tendência de alta ou baixa bem definida. O índice de força relativa é utilizado para assinalar, quando analisado de forma complementar ao gráfico de barras, formações gráficas, níveis e linhas de suporte e resistência, assim como linhas de tendência. Os níveis de suporte e de resistência próximos aos limites ou no interior das faixas oversold e overbought, são de especial importância pois em sendo alcançados, uma correção técnica nos preços deve ser esperada. Entre as informações gráficas de maior relevância estão os topos e fundos duplos, principalmente quando ocorrem dentro dos campos overbought (em forma de M) e oversold (em forma de W), indicando que o mercado não teve força suficiente para atingir novas altas (M) ou baixas

19 (W). Estas formações são ainda mais significativas quando são constatadas divergências entre as figuras encontradas no indicador e as do gráfico de barras. Estocástico O estocástico é baseado na observação de que num processo de alta (baixa) os fechamentos tendem a aproximar-se dos níveis máximos (mínimos) do período. O indicador possui uma escala de 0 a 100% e é composto por duas linhas: K e %D. O indicador possuir duas linhas de referência: em 20% e 80%, que convenientemente delimitam a faixa overbought (80% - 100%) e a faixa oversold (20% -0%). Os valores das linhas podem ser obtidos a partir das seguintes fórmulas: K = 100 (H3 / L3), onde H3=(C Ln)d1 +(C-Ln)d2+(C Ln)d3 L3 = (Hn Ln) d1+ (Hn Ln) d2 + (Hn Ln) d3 d1, d2, d3 hoje, ontem e anteontem para d-c = fechamento Ln = mínimo dos últimos n dias Hn = máximos dos últimos n dias n = número de dias escolhidos para o estudo (normalmente 9 dias). %D = média dos últimos 3 valores de K. INTERPRETAÇÃO Um sinal de venda é apontado quando, após ser constatada uma divergência baixista dentro da faixa overbought, a linha %D é cruzada de cima para baixo pela linha K. Um cruzamento pelo lado direito da linha %D (quando esta já infletiu) seria o mais desejável. O inverso é válido para os sinais de compra. O fato da linha K atingir o valor 100% ou 0%, não significa que a comodity atingiu o seu máximo ou mínimo possível, mas sim a pronunciada força do movimento, que poderá continuar. O ombro-cabeça-ombro O ombro-cabeça-ombro é um dos mais importantes padrões de reversão de tendência. Vamos utilizar a figura abaixo para analisar sua formação e seus componentes.

20 também existem OCOs de alta como na figura abaixo Uma das características mais interessantes do padrão cabeça e ombros é o alvo de preços que a formação sugere. Mede-se a altura da cabeça até a linha de pescoço e projeta-se essa mesma altura a partir da linha de pescoço na direção de rompimento. A linha vermelha na figura acima, mostra até onde o OCO sugere que os preços subam. Triângulos são classificados como padrões de continuação de tendência, eles se formam quando a flutuação dos preços começa a atingir amplitudes cada vez menores conforme o tempo passa. Existem três tipos básicos de triângulos: ascendentes, descendentes e simétricos. exemplo de triangulo ascendente

21 No começo de sua formação o triângulo está em seu ponto mais largo, á medida que o tempo passa os preços passam a oscilar entre duas linhas: a inferior de suporte e a superior de resistência. Não existe verdade absoluta, mas a tendência é a continuação do movimento atual após o rompimento, em especial no que se refere a triângulos ascendentes e descendentes. Bandeiras e flâmulas são padrões muito úteis de continuação de tendência. Elas possuem características semelhantes: Um movimento mais forte e objetivo inicial. A correção do movimento. Uma retomada do movimento na direção original. São formações, em geral, de curta duração (1 a 3 semanas) que surgem com mais frequência em fases de subidas ou de quedas mais bruscas. O volume durante a formação tende a se reduzir, aumentando novamente no ponto de corte. exemplo de bandeira As ordens stops 1 - Ordem do tipo start É uma ordem de compra de ações e opções enviada à Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo), vinculada a um preço máximo. Quando a ordem start é solicitada, o papel em questão é comprado quando o preço no mercado atingir ou ultrapassar o preço pré-determinado pelo cliente (preço start). A ordem start tem prazo de validade de 30 dias e, após este período, o investidor deve voltar a registrá-la caso ela não tenha sido executada. Exemplo: Se um investidor deseja comprar uma ação apenas após a confirmação do rompimento de uma resistência, ele poderá determinar o valor de disparo da ordem e o preço limite a ser pago pela ação. Suponha que uma ação esteja sendo negociada a R$ 20,00, sua resistência é R$ 21,50 e o investidor queira comprar a ação apenas se conseguir o negócio acima dessa resistência. Neste caso, poderá ser colocada uma ordem com o preço de start a R$ 21,51 e o preço limite a R$ 21, Ordem do tipo Stop É uma ordem de venda de ações ou opções enviada à Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) cujos

22 critérios de validação são previamente estabelecidos pelo cliente. A ordem stop tem prazo de validade de 30 dias e, após este período, o investidor deve voltar a registrá-la caso ela não tenha sido executada. A ordem do tipo stop pode ser usada como proteção para o investidor, já que a ordem de venda é enviada à Bovespa quando o preço da ação ficar abaixo do limite determinado pelo investidor. Exemplo: Se um investidor comprar uma ação a R$ 2,00 e quiser limitar sua perda a 10%, ele pode determinar uma ordem stop limitada a R$ 1,80. Quando o preço do último negócio for igual ou menor a R$ 1,81 (preço stop), será disparada uma ordem de venda limitada a R$ 1,80 (preço limite). Este mecanismo permite ainda que o preço de disparo seja diferente do preço limite de execução. O investidor pode estabelecer o preço de disparo da ordem em R$ 1,80 (preço stop), mas com execução limitada a R$ 1,70 (preço limite). Vale lembrar que mesmo que a ordem esteja limitada a uma venda de até R$ 1,70 o preço de execução poderá ser superior caso haja um comprador a preço melhor no momento da execução. 3 - Ordem Stop Simultâneo É uma ordem de venda enviada à Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) cujo disparo é definido por dois parâmetros diferentes. Neste caso, a ordem pode "stopar" um prejuízo ou "stopar" um lucro, válida por 30 dias. Exemplo: Um investidor que tenha comprado uma ação a R$ 20,00 pode limitar seu prejuízo a R$ 19,00 por ativo e seu lucro a R$ 22,00 por papel. Neste caso, ele colocará a ordem de stop simultâneo com estes dois preços limites para disparo da ordem. Ao ser atingido um dos dois parâmetros, a ordem segue apenas uma vez para a Bovespa. Ou seja, mesmo que o segundo parâmetro venha a ser atingido futuramente, este não será realizado, visto que a ordem já terá sido executada de acordo com o primeiro parâmetro. 4 - Ordem do tipo Stop Móvel É uma ordem que acompanha uma possível alta do mercado ajustando o preço limite para cima e o preço stop conforme determinação do cliente. Esta ordem, muito utilizada em mercados mais desenvolvidos, também é chamada de Trailling Stop (stop de pico). Ao enviar a ordem stop móvel, o cliente deve preencher quatro campos de preço: stop, limite, início móvel (preço "gatilho, sempre acima do mercado, que iniciará o processo de mobilidade dos preços stop e limite) e ajuste inicial (acréscimo sobre o valor dos preços limite e stop quando o início móvel for atingido) No envio da ordem pelo Home Broker, os valores stop e limite serão corrigidos pelo valor financeiro, e não por percentual (usados em outros mercado). Exemplo: Um investidor envia uma ordem stop móvel para o papel PETR4, cuja cotação hipotética está em R$ 100,00. O preço stop será registrado em R$ 95,00 e o limite, em R$ 94,00. Caso o preço caia para R$ 95,00, o sistema enviará ordem a 94,00. Caso o cliente deseja que o preço stop suba caso PETR4 tenha alta, por exemplo, atinja o valor de R$ 105,00, ele precisa definir que stop seja ajustado para R$ 98,00 (acréscimo de R$ 3,00). Neste caso o início móvel passará a ser R$ 105,00. O limite após ajuste também será acrescido de R$ 3,00, passando para R$ 97,00. Vale ressaltar que, assim que o início do móvel for atingido, os valores stop e limite se ajustarão a cada variação (centavos) caso a alta da PETR4 persista. Ou seja, se após o início do móvel a PETR4 suba

23 mais e atinja a cotação de R$ 107,53, o preço stop subirá na mesma proporção, indo para R$ 100,53 (R$ 98,00 + R$ 2,53). Neste caso, o o preço limite vai pra R$ 99,53 (R$ 97,00 + R$ 2,53). É importante lembrar que o preço stop nunca se move para baixo, ou seja, se PETR4 voltar a cair a ordem será enviada a R$ 99,53, assim que o preço atingir R$ 100, Ordem limitada É um tipo de ordem que, obrigatoriamente, terá um preço máximo de compra e um preço mínimo de venda. As ordens inseridas pelo Home Broker são sempre do tipo limitada, por exigência da Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo). Lembramos que uma operação pode ser executada a um preço mais favorável, caso a contraparte tenha inserido uma ordem a um preço superior ao determinado como limite para a venda, ou a um preço inferior no caso da compra. Como proteger seu capital: Todo investidor sabe que, eventualmente, terá prejuízo com um trade. Perder dinheiro é sempre desagradável, entretanto o trader disciplinado sabe que é uma ótima oportunidade para aprender. Algumas perguntas que devem ser feitas nesse momento são: Será que fui levado pela emoção? Fui influenciado por opiniões de outras pessoas (e com as quais eu não concordava)? A técnica de investimento utilizada foi mal aplicada? O importante é melhorar sempre detectando os pontos falhos. Mas, para continuar investindo é preciso tomar cuidado para não comprometer todo ou a maior parte do capital em um trade perdedor. Para isso, existem algumas técnicas de limitação de perdas que podem ser utilizadas. Sistema de Proteção Um sistema de proteção simples, mas funcional é definir, antes da realização dos trades, um máximo valor de perda aceitável em determinado período de tempo. Assim, ao atingir esse valor a pessoa deve de maneira mecânica, sem hesitações, encerrar suas posições perdedoras. Os usuários de ordens Stop, normalmente, têm mais facilidade em aplicar esse tipo de estratégia do que os investidores que utilizam apenas ordens de mercado. A regra de 2% Muitos livros e artigos referem-se à regra de 2%. Essa regra diz que 2% da sua conta de investimentos em renda variável é o máximo que deve ser arriscado em cada trade individual. Seguindo essa estratégia, quando a diferença entre os valores de compra e venda no trade perdedor atingirem 2% do montante da carteira o melhor a fazer é zerar a posição. Dependendo do perfil, alguns investidores podem achar esse valor pequeno, uma vez que excluiria oportunidades de trades com uma recompensa potencial alta e consequentemente com um risco maior. Cada investidor deve analisar sua situação, de seu mercado e taxas de corretagem antes de determinar um número com o qual se sinta confortável. Os defensores da regra de 2%, no entanto, lembram que muitos profissionais acham 2% um valor muito elevado e utilizam percentuais bastante inferiores como 0,5%. A regra de 6% Uma vez tendo determinado o percentual máximo de prejuízo por trade, é necessário identificar o total de perdas admitido dentro de um período de tempo. O intervalo normalmente utilizado é de um mês. Isso é necessário, pois mesmo sabendo qual o limite de perdas aceitável por investimento, é preciso considerar que as perdas podem ocorrer em seqüência e ter uma ação devastadora no capital de

24 investimentos. Dessa maneira, uma regra utilizada é a regra de 6%. Se as perdas de um mês atingirem 6% da carteira de investimentos as posições devem ser zeradas e novos trades não devem ser realizados (no mês inteiro). Não importa se estamos na primeira ou última semana. Regras de limitação de perdas são muito importantes. Os traders que possuem um alto envolvimento emocional com suas carteiras devem, especialmente, determinar claramente quais são os valores aceitáveis. É também importante que uma vez criada a política de proteção ela seja, efetivamente, cumprida. Deve-se evitar pensamentos e atitudes do tipo: "Tudo bem, aceito uma perda de 15%, mas só este mês". BIBLIOGRAFIA Agora corretora. Ferramentas para investir. Disponível em https://www.agorainvest.com.br/learning/interna_02.asp?sid=3&infoid=54. Acesso em 16/04/2008. Nelogica. Introdução à análise técnica. Disponível em Acesso em 16/04/2008

CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS

CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS Grafista de Bsb CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇAO DE FIBONACCI E CANDLESTICK CONTEÚDO 1 - DEFINIÇÃO DE ANÁLISE TÉCNICA 2 A TÉCNICA 3 - OS

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas...

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas... Marcos Abe Novatec Sumário Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16 Capítulo 1 Definições básicas...17 Métodos de análise...17 Os agentes do mercado...

Leia mais

Joseilton S. Correia

Joseilton S. Correia O P E R A N D O N A Bolsa de Valores U T I L I Z A N D O ANÁLISE TÉCNICA Aprenda a identificar o melhor momento para comprar e vender ações Joseilton S. Correia Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre

Leia mais

CANDLESTICK. Carlos Alberto Debastiani. Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores. Novatec

CANDLESTICK. Carlos Alberto Debastiani. Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores. Novatec CANDLESTICK Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores Carlos Alberto Debastiani Novatec Fundamentos Capítulo 1 A formação dos elementos do gráfico: os candles Ao analisar o mercado, podemos utilizar

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

Análise Técnica diária

Análise Técnica diária IBOVESPA Índice IBOV / FIQUE DE OLHO >Apesar > da pressão de venda no diário, mercado vai largando doji (candle de indecisão) em área de suporte, colocando um fio de esperança na galera, mas nada que empolgue

Leia mais

Análise de Investimentos pela Escola Técnica

Análise de Investimentos pela Escola Técnica Análise de Investimentos pela Escola Técnica Eduardo Werneck Diretor de Sustentabilidade da Apimec Apimec - Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LEANDRO MARTINS

Leia mais

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Aula 3 ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Introdução Para auxiliá-los na tomada de decisões, os investidores contam com dois tipos de análises: Análise Fundamentalista que baseia-se

Leia mais

Talvez, todos já saibam o que tenho a dizer aqui e não seja novidade, mas dizem que a Chave do Aprendizado é a Repetição."

Talvez, todos já saibam o que tenho a dizer aqui e não seja novidade, mas dizem que a Chave do Aprendizado é a Repetição. OPERAÇÕES INTRADAY: UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA. A motivação para escrever esse texto veio justamente para que pudesse padronizar todos os conceitos utilizados na metodologia empregada por mim, durante

Leia mais

O que é uma corretora de valores

O que é uma corretora de valores A maioria dos home-broker disponibilizados palas corretoras gratuitamente são bem parecidos. Por essa razão, este material traz uma abordagem genérica, onde o investidor terá uma visão geral do funcionamento

Leia mais

As ações, em sua maioria, são negociadas a partir de códigos formados através de letras e números:

As ações, em sua maioria, são negociadas a partir de códigos formados através de letras e números: Como funciona o mercado de ações Conceitualmente, uma ação é um pedaço de uma empresa, ou seja, comprar uma ação significa ser sócio de uma companhia. No Brasil, as ações de empresas de capital aberto

Leia mais

Movimentos oscilatórios de sinalização/a busca do risco zero ou o " timing" perfeito

Movimentos oscilatórios de sinalização/a busca do risco zero ou o  timing perfeito Base do Curso: Movimentos oscilatórios de sinalização/a busca do risco zero ou o " timing" perfeito "Antes de qualquer movimento, de alta ou de baixa dos preços de uma ação, aparecem, no gráfico, formações

Leia mais

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi MINICURSO SEMAT Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities Lucas Guilherme Rigo Canevazzi Matheus Furtado de Souza Popp Prof. Dr. Geraldo Nunes Silva Prof. Dr. Maurílio

Leia mais

Curso Análise Técnica 1

Curso Análise Técnica 1 Curso Análise Técnica 1 Módulo 1 de 4 www.tradernauta.com.br Introdução Análise Técnica ou Gráfica Avaliação dos preços históricos de um ativo por meio de um gráfico típico para realizar projeções de performance

Leia mais

4 Estratégias para Implementação de Agentes

4 Estratégias para Implementação de Agentes Estratégias para Implementação de Agentes 40 4 Estratégias para Implementação de Agentes As principais dúvidas do investidor humano nos dias de hoje são: quando comprar ações, quando vendê-las, quanto

Leia mais

FolhaInvest Manual Carteira

FolhaInvest Manual Carteira FolhaInvest Manual Carteira Carteira é onde estão consolidadas as informações sobre suas ações e seu capital. A partir de atalhos, você poderá comprar, clicando na letra C, ou vender, clicando na letra

Leia mais

Curso de Inteligência Financeira

Curso de Inteligência Financeira Curso de Inteligência Financeira 1.1- Porque planejar-se financeiramente? 1.2- O que é Inteligência Financeira? 1.3- Guia da Academia Financeira Ajudando você a conquistar sua independência financeira

Leia mais

A Famosa Agulhada do Didi. Figura 1 A Agulhada do Didi. Obs: linha azul média de 3 dias linha verde média de 8 dias linha roxa média de 20 dias

A Famosa Agulhada do Didi. Figura 1 A Agulhada do Didi. Obs: linha azul média de 3 dias linha verde média de 8 dias linha roxa média de 20 dias A Famosa Agulhada do Didi Figura 1 A Agulhada do Didi Obs: linha azul média de 3 dias linha verde média de 8 dias linha roxa média de 20 dias Na verdade o padrão aqui e 5 minutos e não dias. Como será

Leia mais

Nova York segue dentro do atual canal lateral. Margem de ganho mensal supera 8%

Nova York segue dentro do atual canal lateral. Margem de ganho mensal supera 8% Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 519 Ano XVI 05/maio/2014 Nova York segue dentro do atual canal lateral. Margem de ganho mensal supera 8% Nos mercados futuros internacionais, a última semana

Leia mais

A ESTRATÉGIA DE FIBONACCI FUNCIONA NA BOLSA BRASILEIRA? 1 RESUMO

A ESTRATÉGIA DE FIBONACCI FUNCIONA NA BOLSA BRASILEIRA? 1 RESUMO 1 A ESTRATÉGIA DE FIBONACCI FUNCIONA NA BOLSA BRASILEIRA? 1 Felipe Braga Jorge 2 RESUMO O presente estudo tem por objetivo analisar o comportamento de uma das análises técnicas para bolsa de valores denominada

Leia mais

Apostila da Oficina. Aprenda a Investir na Bolsa de Valores

Apostila da Oficina. Aprenda a Investir na Bolsa de Valores Apostila da Oficina Aprenda a Investir na Bolsa de Valores O objetivo da Oficina é ensinar como começar a investir no mercado acionário. Então vamos iniciar recapitulando os passos básicos. A primeira

Leia mais

Manual Socopa Home Broker v.2.0 2012 Todos os direitos reservados

Manual Socopa Home Broker v.2.0 2012 Todos os direitos reservados ÍNDICE 1. Acesso ao Home Broker 2. Operações 2.1. Compra e Venda 2.2. Cancelamento 3. Consultas 3.1. Ordens 3.2. Carteira 3.3. Posição Financeira 3.4. Extrato 3.5. Notas de Corretagem 1. Acesso ao Home

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Pergunta: O Ibovtrend um corretora? Resposta: Nós

Leia mais

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com Osciladores Forex O que é o oscilador e por que precisamos usa-lo? Esta é uma técnica de análise que é utilizado para previsão do mercado Forex. Os osciladores são calculados por meio de indicadores, usando

Leia mais

MANUAL DE ANÁLISE TÉCNICA

MANUAL DE ANÁLISE TÉCNICA MANUAL DE ANÁLISE TÉCNICA CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 PREMISSAS BÁSICAS E BASE CONCEITUAL DA ANÁLISE TÉCNICA 2.1 - CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS 2.2 - TEORIA DO DOW E CONCEITO BÁSICO DE TENDÊNCIA 2.3 - CONCEITOS

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Página 1 de 8 ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Olá, apresentaremos um método prático de análise técnica visando o fácil entendimento e a facilidade nas operações. Recomendamos que o leitor

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

A Hora do Gráfico. Análise Gráfica. Índice. Ibovespa - Diário. Ibovespa (gráfico de 15 minutos) Índice Ibovespa. Top 5. Fique de Olho.

A Hora do Gráfico. Análise Gráfica. Índice. Ibovespa - Diário. Ibovespa (gráfico de 15 minutos) Índice Ibovespa. Top 5. Fique de Olho. quinta-feira, 3 de outubro de 2013 Análise Gráfica A Hora do Gráfico Ibovespa - Diário Índice Índice Ibovespa Top 5 Fique de Olho Disclosure Hoje tivemos um dia de queda, no começo até testamos novamente

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

HOME BROKER 2.0. Manual do usuário

HOME BROKER 2.0. Manual do usuário HOME 2013 BROKER 2.0 Manual do usuário SUMÁRIO Tela inicial 2 Adicionando nova tela 2 Adicionando janelas 3 Criando Atalhos das janelas no menu lateral 4 Menu Lateral visualizando saldos e limites 5 Ocultando

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 A História da BM&F Uma história de Sucesso criada em Junho de 1985. Constituída sob a forma de sociedade por ações. Desenvolver, organizar e operacionalizar

Leia mais

Alertas ComStop Manual de Instruções

Alertas ComStop Manual de Instruções Alertas ComStop Manual de Instruções Índice: 1. Introdução: O que são e quando são enviados os Alertas 2. Como visualizar os Alertas ComStop no seu Terminal Enfoque 3. Alertas de Compra e Venda 3.1 Botão

Leia mais

Manual Didáctico - Análises Técnicas

Manual Didáctico - Análises Técnicas 1 Manual Didáctico - Análises Técnicas 01-Análise Técnica - Definição É um método de avaliação de activos pela utilização de gráficos, tendo em conta a evolução passada de cotações. O objectivo principal

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Documentação Trade Manager. Metarobôs.

Documentação Trade Manager. Metarobôs. Documentação Trade Manager Metarobôs. Gráfico Parâmetro declaração do ativo operado: Sempre utilize letras MAIÚSCULAS (números são padrões). Não deixe o nome do ativo em BRANCO. Só será permitido deixar

Leia mais

Apostila de Análise Gráfica

Apostila de Análise Gráfica Apostila de Análise Gráfica Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE ANÁLISE GRÁFICA

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação?

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação? O que é uma ação? Por definição é uma fração de uma empresa. Por isso, quem detém ações de uma companhia é dono de uma parte dela, ou melhor, é um dos seus sócios e por conseguinte passa a ganhar dinheiro

Leia mais

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Metodologia de Pesquisa Cientifica e Tecnológica I Profa. Dra. Eloize Seno Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização Rodolfo Pereira

Leia mais

Educação Financeira Responsável. Escola de Operadores

Educação Financeira Responsável. Escola de Operadores Escola de Operadores Escola de Operadores Treinamentos e Ltda. São Paulo, SP, Brasil Telefone: (5511) 3022-4528 (5511) 99103-9827 www.escoladeoperadores.com.br Contato@escoladeoperadores.com.br http://twitter.com/operadoresbr

Leia mais

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/ 1 2 ÍNDICE 1- NOTA LEGAL... 3 2- SOBRE AUTOR... 3 3- SEMELHANÇA COM O MERCADO FINANCEIRO... 4 4- EXEMPLO DO MERCADO DE AUTOMÓVEIS USADOS... 4 5- CONHECENDO O BÁSICO DAS APOSTAS... 7 6- O QUE É UMA ODD?...

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Índices & Futuros Ibovespa Tendência Primária (MMA200): Baixa Resistências: Tendência Secundária (MMA50): Baixa Suportes:

Índices & Futuros Ibovespa Tendência Primária (MMA200): Baixa Resistências: Tendência Secundária (MMA50): Baixa Suportes: índices & futuros: blue chips: calls diários: estudos técnicos: ibov_1 petr4_4 bbdc4_8 trader no divã_12 dji_2 vale5_5 brkm5_9 short monitor_14 dolfut_3 ogxp3_6 csna3_10 painéis_15 ggbr4_7 btow3_11 1.set.2011

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS A TENDÊNCIA É SUA AMIGA O Ibovtrend se baseia

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa.

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa. 1 Aprenda com o SAGAZ Primeiros passos para investir na Bolsa. Está pensando em investir em ações e não sabe por onde começar? Fique tranqüilo, você está no lugar certo. Aqui você terá a melhor orientação

Leia mais

Preparatório PROP TRADER AUCTUS. Bem vindo a AUCTUS, a primeira prop trade do BRASIL.

Preparatório PROP TRADER AUCTUS. Bem vindo a AUCTUS, a primeira prop trade do BRASIL. Preparatório PROP TRADER AUCTUS Bem vindo a AUCTUS, a primeira prop trade do BRASIL. Preparatório PROP TRADER AUCTUS O que é ser Prop Trader, o que é uma prop firm, exemplos e estratégias operacionais

Leia mais

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

A Lei Dos Gráficos. e o Traders Trick (TTE). Expo Money, São Paulo 2006. Rogerio Kirschbaum

A Lei Dos Gráficos. e o Traders Trick (TTE). Expo Money, São Paulo 2006. Rogerio Kirschbaum A Lei Dos Gráficos e o Traders Trick (TTE). Expo Money, São Paulo 2006 Rogerio Kirschbaum Fiji = PARAÍSO A REALIDADE. >70% perdem dinheiro... 11,5% têm lucros consistentes. Fonte: NASAA (North American

Leia mais

ESTRATÉGIAS EM ANDAMENTO. > MILS3 com suporte nos R$ 27,34. Possível formação de OCO. Caso perca este suporte papel tem objetivo nos R$ 25,10.

ESTRATÉGIAS EM ANDAMENTO. > MILS3 com suporte nos R$ 27,34. Possível formação de OCO. Caso perca este suporte papel tem objetivo nos R$ 25,10. ESTRATÉGIAS EM ANDAMENTO 29/abr COMPRA CRUZ3 Souza Cruz R$ 21,37 R$ 22,90 R$ 23,45 R$ 19,93 Fumo R$ 21,25 % 7,16% 9,73% -6,74% 25/abr COMPRA MDIA3 M. Dias Branco R$ 95,00 R$ 98,90 R$ 100,00 R$ 91,18 Alimentício

Leia mais

Bom Dia Commodities. Commodities. 12 de Agosto, 2013. Café

Bom Dia Commodities. Commodities. 12 de Agosto, 2013. Café Bom Dia Café Semana positiva para o café. Finalmente saiu a medida que os produtores estavam esperando. A presidente Dilma anunciou que enxugará do mercado 3 milhões de sacas em março/14 a R$346,00/saca

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO AE HOME BROKER 2.0

MANUAL DO USUÁRIO AE HOME BROKER 2.0 MANUAL DO USUÁRIO AE HOME BROKER 2.0 Conteúdo Pré-requisitos... 3 Entrando no AE Home Broker... 3 Tela de Entrada - Default... 4 Como Acessar as Informações... 4 Informações Disponíveis... 7 1. Tela de

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

MANUAL DE SWING TRADING

MANUAL DE SWING TRADING MANUAL DE SWING TRADING LIÇÕES PRÁTICAS DE UM FLOOR TRADER 1ª Edição Rio de Janeiro Antônio Charbel José Zaib 2013 Z25 Zaib, Charbel Manual de Swing Trading: Lições Práticas de um Floor Trader / Charbel

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Por: George Schlesinger Existem diversos tipos de gráficos: linhas, barras, pizzas etc. Estudaremos aqui os gráficos

Leia mais

Permanecer calmo quando o mercado enlouquece

Permanecer calmo quando o mercado enlouquece Estratégias de investimento da MFS Celeste italic 11/14 Permanecer calmo quando o mercado enlouquece MANAGING I N V E S T O R I N S I G H T S E R I E S Hoje pode ser um dos melhores dias da história do

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

Curso básico de análise gráfica

Curso básico de análise gráfica Curso básico de análise gráfica AULA II Na primeira aula, aprenderam como se constrói um gráfico de barras e quais são as principais referências para se fazer a sua leitura associada a alguns princípios

Leia mais

Índice REGULAMENTOS DA TELETRADE. Introdução...2. Margem de negociação...3. Tipos de aplicações/ordens...5. Envio e execução de ordens de mercado...

Índice REGULAMENTOS DA TELETRADE. Introdução...2. Margem de negociação...3. Tipos de aplicações/ordens...5. Envio e execução de ordens de mercado... Índice Introdução...2 Margem de negociação...3 Tipos de aplicações/ordens...5 Envio e execução de ordens de mercado...7 Ordem limitada...9 Autorização/registro... 13 Divisão... 14 Contratos futuros...

Leia mais

3 Estratégias de Análise Técnica

3 Estratégias de Análise Técnica 3 Estratégias de Análise Técnica Como foi visto no Capítulo 2, as estratégias dos investidores do mercado são compostas por dois fatores, a saber: o mecanismo de ativação σ i (t) (Eq. 2-10) e o mecanismo

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Manual básico para operar Mini Índice

Manual básico para operar Mini Índice Manual básico para operar Mini Índice Por que operar mini Índice? A resposta está na alavancagem. Você só precisa ter entre 15% e 20% do valor da operação para operar. Com isso seu ganhos são maximizados

Leia mais

Desmistificando a Bolsa de Valores

Desmistificando a Bolsa de Valores Desmistificando a Bolsa de Valores Eustáchio Pagani / Maxwell Freitas para Empresa Familiares Conceito O que é Bolsa de Valores? O que é uma Ação? Quais os Tipos de Ações? Como comprar um Ação? Minha Estratégia

Leia mais

MERCADO DE AÇÕES: INVESTIR OU ESPECULAR?

MERCADO DE AÇÕES: INVESTIR OU ESPECULAR? NOME DA ÁREA TEMÁTICA: ECONOMIA MONETÁRIA E FISCAL MERCADO DE AÇÕES: INVESTIR OU ESPECULAR? RESUMO: O objetivo deste artigo é destacar o perfil de quem atua no mercado de ações brasileiro e verificar quais

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 LISTA DE EERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade ) Em um sistema de transmissão de dados existe uma probabilidade igual a 5 de um dado ser transmitido erroneamente.

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

www.leandrostormer.com.br

www.leandrostormer.com.br 1 OPERANDO OPÇÕES: CONCEITOS E ESTRATÉGIAS I. Introdução: Em primeiro lugar gostaria de deixar claro que este é apenas um resumo, uma pequena introdução a uma forma diferente de operar no mercado financeiro,

Leia mais

ÍNDICE DIVIDENDOS (IDIV) BM&FBOVESPA

ÍNDICE DIVIDENDOS (IDIV) BM&FBOVESPA ÍNDICE DIVIDENDOS (IDIV) A. Apresentação O Índice Dividendos (IDIV) tem por objetivo oferecer visão segmentada do mercado acionário, medindo o comportamento das ações das empresas que ofereceram aos investidores

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

LOTOFACIL MAIS FÁCIL

LOTOFACIL MAIS FÁCIL INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ESTATÍSTICAS E CRITÉRIOS (10 REGRAS PARA O JOGO PERFEITO) 2.1. Números Pares e Impares 2.2. Números Primos e Compostos 2.3. Moldura e Miolo 2.4. Fibonacci 2.5. Dezenas repetidas

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

Todos os direitos reservados e protegidos pela lei nº 9.610 de 19/02/1998.

Todos os direitos reservados e protegidos pela lei nº 9.610 de 19/02/1998. Todos os direitos reservados e protegidos pela lei nº 9.610 de 19/02/1998. Nenhuma parte deste livro digital, sem autorização prévia, poderá ser reproduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados:

Leia mais

SISCOF - Manual do Usuário

SISCOF - Manual do Usuário SISCOF - Manual do Usuário SERPRO / SUPDE / DECTA / DE901 SISTEMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA Versão 1.2 Sumário SISCOF Sistema de Controle de Frequência 1. Login e Senha... 2 1.1 Como Efetuar Login No Sistema...

Leia mais

Sexta-feira, 06 de Maio de 2013. DESTAQUES

Sexta-feira, 06 de Maio de 2013. DESTAQUES DESTAQUES Bolsa encerra semana em alta Mercado aguarda IPCA para ajustar cenários Divisão Consumo da Hypermarcas cresce 10% M.Dias Branco tem lucro de R$108 mi Contax aprovou R$ 55,4 milhões em dividendos

Leia mais

SEMINÁRIO Curso Safras Trading School Aplicado a Commodities. Dias 24, 25 e 26 de Agosto de 2011 Cascavel (PR)

SEMINÁRIO Curso Safras Trading School Aplicado a Commodities. Dias 24, 25 e 26 de Agosto de 2011 Cascavel (PR) SEMINÁRIO Curso Safras Trading School Aplicado a Commodities Dias 24, 25 e 26 de Agosto de 2011 Cascavel (PR) O Curso Safras Trading School se diferencia pelo fato de ser ministrado em 3 dias. Com isso,

Leia mais

CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO

CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A árvore de decisão é uma maneira gráfica de visualizar as consequências de decisões atuais e futuras bem como os eventos aleatórios relacionados.

Leia mais

Bolsa de Valores Bolsa de Valores Ambiente que oferece condições e sistemas necessários para a realização de negociações de títulos e valores mobiliários de forma transparente Regulada pela CVM (Comissão

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Esta metodologia tem como objetivo definir o tamanho mínimo ideal da amostra, garantindo a representatividade da população de chamadas em um

Leia mais

SOJA COMENTÁRIO. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MARGEM: R$ 2.473,00. MÉDIAS 16 Exp. e 51 Exp SUPORTE 2 $ 22,00

SOJA COMENTÁRIO. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MARGEM: R$ 2.473,00. MÉDIAS 16 Exp. e 51 Exp SUPORTE 2 $ 22,00 SOJA GRÁFICO SOJA MAIO BM&F (SOJK10) Análise Gráfica - SOJA Médias Móveis - SOJA MÉDIAS NOVAS!!! Tempo 60 minutos. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MÉDIAS 16 Exp. e 51

Leia mais

Terça-feira, 03 de Setembro de 2013. DESTAQUES

Terça-feira, 03 de Setembro de 2013. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa beira os 52 mil pontos Estrangeiros ampliam aposta na alta Produção da Petrobras no Brasil cai 4,6% Produção industrial muda de direção e cai 2% ATS tenta acelerar estreia no Brasil Disputa

Leia mais

04 de maio de 2012 Edição nº. 469

04 de maio de 2012 Edição nº. 469 O relatório Boi na Linha, da Scot Consultoria, na edição dessa sexta feira resumiu bem o status quo do mercado pecuário nesse início de maio A seca que vem afetando as pastagens há algum tempo somado a

Leia mais