Planejamento, Monitoramento e Avaliação de Projetos Sociais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento, Monitoramento e Avaliação de Projetos Sociais."

Transcrição

1 Planejamento, Monitoramento e Avaliação de Projetos Sociais. Prefeitura Municipal de Curitiba Instituto Municipal de Administração Pública IMAP Área: Desenvolvimento Social

2

3 Luciano Ducci Prefeito Municipal Carlos Homero Giacomini Presidente Maria do Carmo A. de Oliveira Superintendente Elaine Rossi Ribeiro Diretora da EAP Elaboração: Lycia Tramujas Vasconcellos Neumann

4

5 Bahia. Secretaria de Planejamento Sistemática de monitoramento e avaliação em programas e projetos governamentais. Salvador: SEPLAN/SGA, p. il. 1. Programa governamental Sistematização. 2. Metodologia. 3. Técnica de trabalho. I. Título. CDU: (061)

6 Junho de 2006

7 Governador do Estado da Bahia Paulo Ganem Souto Secretaria do Planejamento Armando Avena Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária Pedro Barbosa de Deus Secretaria de Combate a Pobreza e Desigualdades Sociais Pe. Clodoveo Piaza S. J. 4 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

8 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Investir na institucionalização do processo de monitoramento e avaliação (M&A) constitui um imperativo básico para a conquista da excelência dos serviços prestados pelo Estado. O Governo da Bahia encontra-se engajado nesse movimento internacional e com a criação da Superintendência de Gestão e Avaliação (SGA), no âmbito da Secretaria do Planejamento (Seplan), manifestou a vontade política de disseminar a cultura da avaliação nas Secretarias e órgãos do Estado, responsáveis pelo planejamento e operacionalização das políticas públicas. O documento que se apresenta, constitui um referencial para ser utilizado como catalisador dos diversos instrumentos e práticas de monitoramento e avaliação utilizados pelos diferentes órgãos gestores da administração pública estadual e está contemplado no Programa de Monitoramento e Avaliação, desenvolvido pela Seplan/SGA, tendo como um dos objetivos a criação de mecanismos essenciais para a gestão eficaz de programas e projetos estratégicos de Governo. A Sistemática de Monitoramento e Avaliação é, portanto, uma das ferramentas que deverá ser utilizada para a medição do grau de eficácia, efetividade e eficiência das intervenções do Estado na sociedade. SISTEMÁTICA SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS EM PROGRAMAS E PROJETOS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS GOVERNAMENTAIS5

9 Oferece ainda aos clientes da avaliação, um mapa dos caminhos a serem perseguidos, subsidiando a tomada de decisão para o aperfeiçoamento do programa ou do projeto ao longo de sua execução, com a descrição da seqüência de eventos relacionados, conectando o problema ou a oportunidade diagnosticada, com os resultados esperados. A ferramenta permite visualizar e compreender como os investimentos realizados na geração de produtos (bens ou serviços) podem contribuir para alcançar os objetivos planejados, servindo de base para a criação de procedimentos e processos de monitoramento e avaliação. O resultado esperado será a criação de um sistema de monitoramento e avaliação mantido e alimentado por todas as Secretarias do Estado, constituindo um poderoso instrumento de planejamento. Espera-se que esta semente encontre um terreno fértil para sua germinação, produzindo bons frutos: a melhoria do nível de excelência dos serviços públicos. APRESENTAÇÃO Armando Avena SECRETARIA DO PLANEJAMENTO 6 SISTEMÁTICA SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS EM PROGRAMAS E PROJETOS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS GOVERNAMENTAIS

10 SUMÁRIO 09 O processo de criação da sistemática 11 A linguagem do monitoramento e avaliação 15 Aspectos conceituais 17 O processo em 12 passos 19 PASSO 1: Definição do programa ou projeto a ser avaliado 20 PASSO 2: Formação de equipe mista de avaliação e elaboração do plano de trabalho 22 PASSO 3: Identificação e entrevista com os potenciais clientes da avaliação 26 PASSO 4: Elaboração do Modelo Lógico de Gestão e Análise de Avaliabilidade do Programa 28 PASSO 5: Análise de Avaliabilidade SUMÁRIO 29 PASSO 6: Definição do escopo da avaliação 32 PASSO 7: Análise dos instrumentos e registros já disponíveis do Programa 33 PASSO 8: Definição dos indicadores de monitoramento e avaliação a serem utilizados SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 7

11 37 PASSO 9: Definição e criação dos instrumentos para coleta de dados 40 PASSO 10: Coleta dos dados 42 PASSO 11: Tabulação e análise dos dados coletados 46 PASSO 12: Elaboração e disseminação do Relatório de Avaliação 47 Estrutura modelo do relatório de avaliação 48 Conclusão SUMÁRIO 49 Glossário 53 Referências Bibliográficas Anexos 54 ANEXO I Modelo Lógico de Gestão do Programa Cabra Forte 59 ANEXO II Questionário para levantamento de informações 62 ANEXO III Instrumento usado para análise dos dados coletados sobre o Programa Cabra Forte 8 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

12 O PROCESSO DE CRIAÇÃO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA SISTEMÁTICA A construção da Sistemática de Monitoramento e Avaliação em Programas e Projetos Governamentais teve como principio básico a premissa de que o processo avaliativo de políticas públicas permite aperfeiçoar a gestão das ações desenvolvidas por um governo para atender de modo eficiente e eficaz as demandas da sociedade e constitui uma ferramenta estratégica que permite conhecer, entender, decidir e planejar de modo aprimorado com o aprendizado do passado e do presente. O Programa de Monitoramento e Avaliação que vem sendo conduzido pela Secretaria do Planejamento, através da Superintendência de Gestão e Avaliação, busca assegurar a eficácia das políticas públicas, seus planos, programas, projetos e atividades e o bom uso dos recursos sob responsabilidade das organizações. O Programa está estruturado em quatro estratégias que se complementam e vêm gerando um conjunto diversificado de processos e produtos. A estratégia de formação visa sensibilizar e capacitar servidores estaduais para atuarem em monitoramento e avaliação de programas e projetos governamentais e a divulgação de experiências exitosas. A estratégia de informação tem por objetivo produzir, analisar e veicular informações confiáveis e tempestivas para subsidiar a tomada de decisão, a correção de procedimentos e a retroalimentação do processo de planejamento. Na estratégia de articulação/comunicação está sendo implementado um trabalho em parceria com as Secretarias e órgãos estaduais, visando aperfeiçoar o formato e o fluxo das informações das ações de Governo. Por fim, a estratégia de Planejamento, visa estimular boas práticas de planejamento focadas em resultado e resulta na construção das matrizes lógicas, onde estão explicitados os objetivos, atividades, produtos, resultados e impactos, com a definição dos respectivos indicadores para cada secretaria. A implementação destas estratégias já apresenta melhorias na qualidade da programação, execução, monitoramento e avaliação das ações governamentais, contribuindo para uma maior racionalização no ciclo de gestão do Estado. SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 9

13 A construção e implementação de uma sistemática de monitoramento e avaliação em programas e projetos governamentais é um dos componentes do Programa de M&A e apresenta-se como um pré-requisito básico para o aperfeiçoamento do processo de gestão e para a criação das condições da retroalimentação da programação de Governo. Um outro determinante para a elaboração deste documento foi o compromisso em preencher uma lacuna na gestão pública estadual, face à inexistência de uma cultura avaliativa e de uma sistemática que oriente metodologicamente o processo de monitoramento e avaliação para a otimização na utilização dos recursos públicos e na maximização dos resultados. O documento foi construído por uma equipe composta por representantes de diversas Secretarias, envolvidas na implementação do Programa selecionado, denominada Matricial, liderada pela Seplan/SGA, contando ainda com o apoio da Fundação Luis Eduardo Magalhães (FLEM). A adoção desta Sistemática possibilitou, de um lado, produzir e testar metodologias e instrumentos de M&A capazes de medir o grau de eficiência, eficácia e efetividade das intervenções governamentais e, de outro lado, capacitar técnicos da SGA e demais Secretarias e entidades responsáveis pela concepção e implementação do Programa Cabra Forte, programa escolhido para testar a ferramenta da Sistemática. Resultado de um trabalho prático e participativo, a partir de discussões e contribuições de diversos profissionais do setor público estadual, em oficinas e reuniões, foi possibilitado um aprendizado consistente sobre o assunto e a construção dos passos da metodologia. A elaboração do Modelo Lógico de Gestão de Programas e Projetos Governamentais (MLGP), é um dos passos mais importantes para a utilização desta Sistemática, na medida que possibilita o compartilhamento de informações sobre o real funcionamento de uma intervenção governamental, através da explicitação das atividades planejadas e dos resultados esperados, demonstrando as premissas e os objetivos do programa a ser monitorado e avaliado. É importante registrar que este documento constitui-se em um primeiro esforço de construção metodológica para nortear as práticas de M&A no Estado, contribuindo para a disseminação dos aspectos teóricos e processuais na gestão dos programas e projetos governamentais. O PROCESSO DE CRIAÇÃO 10 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

14 A LINGUAGEM DO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO A LINGUAGEM DO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Apesar da crescente disseminação de trabalhos de monitoramento e avaliação em instituições públicas e privadas do Brasil e do mundo, ainda encontramos muito dissenso sobre alguns dos seus principais conceitos. Assim, torna-se imprescindível na elaboração de qualquer sistemática de monitoramento e avaliação, uma definição prévia dos conceitos a serem adotados ao longo do trabalho. No início deste projeto foi realizada uma oficina de Alinhamento Conceitual onde foram apresentadas definições dos termos monitoramento e avaliação adotados por organizações nacionais e internacionais. A partir de uma síntese dessas definições, foi elaborado o quadro abaixo que ressalta as diferenças entre os dois instrumentos: Monitoramento Atividade de gestão interna e contínua. Acontece durante a implementação do programa ou projeto. Compara o que está sendo realizado com o que foi planejado. Foram também analisados diferentes tipos de avaliação e seus objetivos, ficando então definido que a Sistemática aqui apresentada será instrumento para a realização de avaliações com as seguintes características: Avaliação Atividade interna ou externa. Pode acontecer antes, durante ou depois da implementação de um programa ou projeto. Com base em dados levantados pelo monitoramento e outras fontes, julga o desempenho de um projeto de acordo com critérios pré-estabelecidos, tais como: eficácia, eficiência, efetividade, sustentabilidade, dentre outros. Interna (Internal Evaluation) conduzida por membros das organizações associadas ao programa, projeto ou objeto que está sendo avaliado. SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 11

15 Formativa (Formative Evaluation) utilizada durante a implementação de um programa ou projeto, para fornecer informações que permitam o seu aprimoramento. Avaliações Formativas são usadas para dar um retorno às equipes técnicas sobre os componentes do programa/projeto que estão funcionando e aqueles que precisam ser modificados. De Programas ou Projetos (Program Evaluation) utilizada para determinar se os objetivos, formato e resultados do programa ou projeto estão adequados, assim como seu grau de eficiência, eficácia e efetividade na aplicação dos recursos. Dentro do ciclo governamental de criação e execução de políticas e programas, esta Sistemática visa à realização de avaliações de processo e resultados de programas em fase de implementação, conforme demonstrado na figura a seguir: A Avaliação no Ciclo das Políticas Públicas Formato Estratégico da Política Avaliação das necessidades/ questões prioritárias Formulação do Programa Início da operacionalização Avaliação prévia Avaliação de processo Implementação Avaliação de resultados Reformulação, expansão, redução, encerramento Avaliação final A LINGUAGEM DO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 12 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

16 A LINGUAGEM DO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Avaliações de processo e resultados podem acontecer simultaneamente, complementando-se na função de orientar as equipes gestoras para maior compreensão do programa, seu funcionamento e seus resultados junto ao público-alvo. A avaliação de processo visa determinar o grau em que o programa está operando conforme planejado. Este tipo de avaliação tem como objetivo entender o funcionamento do programa a partir da análise do que ele faz e de quem são seus beneficiários para, assim, aprimorar suas ações. A avaliação de processo também ajuda na identificação dos elementos essenciais para o melhor desempenho do programa em termos de produtos, resultados e impactos. Em geral, responde a perguntas em duas categorias cobertura e processo. Cobertura: analisa o alcance do programa e as características dos beneficiários. Processo: analisa a consistência do programa e a qualidade de sua implementação. Exemplos de Perguntas Avaliativas de Processo Quanto à cobertura: Quais são as principais características dos participantes? Estamos atendendo quem deveríamos atender? Em qual proporção estamos conseguindo atender aqueles que nos procuram? Quanto ao processo de implementação do programa: As atividades estão acontecendo conforme planejado? Quais são os pontos fortes e fracos das estratégias e atividades do programa? Como os diferentes atores percebem o programa? SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 13

17 A avaliação de resultados analisa em que grau o programa vem produzindo os benefícios e transformações a que se propõe. As atividades de um programa produzem três tipos de resultado: produtos (outputs), resultados (outcomes) e impactos (impact). Atividades: procedimentos do programa que são mobilizados visando à obtenção dos efeitos desejados (como o treinamento de produtores, perfuração de poços, etc.). Produtos: efeitos imediatos de cada atividade do programa (como o número de pessoas capacitadas, aulas dadas, materiais produzidos, etc.). Resultados: impactos de curto prazo, resultado direto do programa nos seus beneficiários (normalmente referem-se a mudanças de conhecimento, habilidades, comportamento e valores). Impactos: benefícios e transformações de médio e longo prazo para os participantes e beneficiários indiretos do programa (suas famílias e comunidades). Exemplos de Perguntas Avaliativas de Resultado Quanto aos produtos: Estamos fazendo o que dissemos que íamos fazer? As metas estão sendo cumpridas? Se não, por que não? Quanto aos resultados: Estamos fazendo a diferença que planejamos fazer? Que efeitos o programa tem sobre os beneficiários diretos e indiretos? Quanto aos impactos: O programa causou os impactos esperados? Que grandes transformações o programa provocou na vida de seus beneficiários? A LINGUAGEM DO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 14 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

18 ASPECTOS CONCEITUAIS ASPECTOS CONCEITUAIS A metodologia utilizada nesta Sistemática de Monitoramento e Avaliação baseiase em alguns conceitos, princípios e práticas mundialmente adotados por instituições e profissionais da área. Três foram os principais princípios norteadores deste trabalho: 1. A avaliação deve ser um instrumento de gestão, desde a sua elaboração até o futuro uso de seus resultados. 2. O valor da avaliação está na sua utilidade, na sua capacidade de atender às necessidades de informação de seus usuários. 3. O processo de avaliação deve ser construído e implementado de maneira compartilhada pelos avaliadores com a equipe técnica executora do programa. 2 Patton, Michael Quinn. (1997). Utilization-focused evaluation: the new century text. Londres: Sage Publications. Estes princípios baseiam-se em conceitos de Michael Quinn Patton, ex-presidente da Associação Americana de Avaliação (American Evaluation Association). Em sua obra Avaliação com Foco na Utilização (Utilization-focused Evaluation), Patton reforça a idéia de que avaliações deveriam ser julgadas pela sua utilidade e real uso. Visando garantir esta utilidade, Patton defende a prévia identificação e engajamento dos usuários da avaliação, pois, segundo ele, é mais provável que os potenciais clientes da avaliação a utilizem se eles compreenderem e se apropriarem do processo de avaliação e seus resultados 2. SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 15

19 OBJETIVOS A Sistemática de Monitoramento e Avaliação tem como objetivos: 1. Proporcionar avaliações periódicas do desempenho dos programas, instrumentalizando as equipes do Governo na gestão de recursos e obtenção de resultados mais efetivos. 2. Incorporar a atividade de monitoramento e avaliação como um instrumento de rotina em programas governamentais. Para estar apta a coordenar as atividades, a equipe Matricial deve ser capacitada em temas como: Os mitos sobre avaliação; Os principais conceitos e tipos de avaliação; A lógica e os valores da avaliação; A avaliação com foco na utilização seus passos e desafios; Os princípios da avaliação participativa; A relação entre políticas, programas e projetos; A análise de avaliabilidade; O modelo lógico de gestão do programa sua função e seus componentes. ASPECTO CONCEITUAIS 16 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

20 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 17

21 O PROCESSO EM 12 PASSOS A Sistemática de Monitoramento e Avaliação é uma metodologia para ser aplicada em programas e projetos estratégicos do Governo 3. Ela permite a obtenção periódica de informações sobre o desempenho das ações governamentais, propiciando o aprimoramento da sua execução, subsidiando a tomada de decisão quanto a novos projetos e parcerias e, assim, resultando na melhoria da gestão nos níveis estratégico, tático e operacional. Para facilitar a aplicação desta Sistemática, foram definidos 12 passos a partir da experiência-piloto vivida com o Programa Cabra Forte. 3 A Sistemática aqui apresentada pode ser aplicada tanto a programas quanto a projetos governamentais. Neste roteiro, o termo programa é usado de maneira generalizada, representando programas e projetos. O PROCESSO EM 12 PASSOS 18 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

22 PASSO 1: Definição do programa ou projeto a ser avaliado PASSO 1 O processo de avaliação de um programa é complexo e exige bastante dedicação não só dos avaliadores, mas também da equipe gestora. Por isso, a decisão de avaliar determinado programa deve ser tomada a partir do comprometimento de todos os envolvidos na sua execução. A definição de critérios técnicos para auxiliar na decisão de qual programa deverá ser avaliado, ajuda no estabelecimento das diretrizes do trabalho e alinha o entendimento de todos os participantes sobre a importância do estudo avaliativo a ser desenvolvido. Entre os critérios que podem ser adotados na seleção de programas a serem avaliados estão: Prioridade do tema: grau de importância do tema foco do programa. Clareza de foco: grau de clareza dos objetivos do programa. Visibilidade: grau de visibilidade do programa para a população da Bahia. Interesse dos gestores e responsáveis institucionais em avaliar: grau de interesse em avaliar o programa. Concordância: grau de entendimento entre os gestores envolvidos quanto aos objetivos, metas e resultados. Conhecimento: existência de informações que permitam o acompanhamento da execução física e financeira. Volume de recursos orçamentários: recursos orçamentários disponíveis para o programa. SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 19

23 PASSO 2: Formação de equipe mista de avaliação e elaboração do plano de trabalho A metodologia adotada nesta Sistemática prevê a formação de uma equipe mista de avaliação, formada por avaliadores da própria unidade gestora do programa a ser avaliado, equipe técnica do programa e, se necessário, consultores externos contratados. A Seplan dará o apoio em todo o processo de avaliação quanto aos procedimentos, normas e nas atividades relativas ao planejamento, articulação e gestão da informação. No caso de avaliação de programas multisetoriais, todas as Secretarias e Órgãos envolvidos na execução do programa deverão estar representados na equipe mista de avaliação. Desta forma, Mista de Avaliação: Principais Funções da Equipe garante-se que todas as perspectivas Articular o processo avaliativo com os setoriais serão consideradas no estudo. interesses e necessidades dos potenciais clientes da avaliação; A primeira tarefa a ser executada pela equipe mista de avaliação Participar da elaboração do Modelo é a elaboração do plano de trabalho Lógico de Gestão do Programa e da para a aplicação da Sistemática de definição do escopo da avaliação; Monitoramento e Avaliação no programa escolhido. A partir de infor- informações sobre o desempenho do Coletar, analisar e sistematizar as mações do programa a ser avaliado programa para garantir seu contínuo e da disponibilidade de recursos (humanos, financeiros e de tempo) a monitoramento; Elaborar relatórios de avaliação do equipe deverá detalhar as etapas programa com recomendações para apresentadas neste roteiro, definindo prazos e seu aprimoramento. responsáveis. PASSO 2 20 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

24 PLANO DE TRABALHO PLANO DE TRABALHO 12. Elaboração e disseminação do Relatório de Avaliação 11. Tabulação e análise dos dados coletados 10. Coleta de dados 9. Criação dos instrumentos para coleta de dados 8. Definição dos indicadores de M&A 7. Análise de instrumentos de M&A e registros existentes 6. Definição do escopo de avaliação 5. Análise das expectativas dos clientes de avaliação 4. Elaboração do Modelo Lógico de Gestão 3. Entrevista com potenciais clientes de avaliação 2. Formação da equipe mista de avaliação 1. Definição do programa a ser avaliado SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 21

25 PASSO 3: Identificação e entrevista com os potenciais clientes da avaliação Os potenciais clientes de uma avaliação são as pessoas e grupos que são afetados pelos seus resultados, estão em posição de tomar decisões sobre a avaliação, e pretendem usar as informações sobre o processo e os resultados da avaliação para definir futuras ações. A equipe de avaliação deverá definir no início dos trabalhos quem são os potenciais clientes da avaliação e entrevistá-los para conhecer suas expectativas e necessidades de informação que o estudo avaliativo deverá atender. PASSO 3 PROGRAMA CABRA FORTE Potencias clientes da avaliação entrevistados: Secretários da Agricultura, de Combate à Pobreza e do Planejamento; Representantes das Superintendências da Seplan; Gestor do Programa Cabra Forte; Representantes das unidades envolvidas: Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola S.A. (EBDA), Companhia de Engenharia Rural da Bahia (CERB), Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR) e Superintendência de Articulação e Programas Especiais da Secretaria de Combate à Pobreza e às Desigualdades Sociais (SPE/Secomp). 22 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

26 MODELO DE QUESTIONÁRIO A SER APLICADO COM OS CLIENTES DA AVALIAÇÃO. Com relação à avaliação do programa: 1. Quais são as suas expectativas sobre o processo e os resultados desta avaliação? 2. Como esta avaliação poderia contribuir para o aperfeiçoamento deste projeto? 3. Quais perguntas você gostaria que fossem respondidas por esta avaliação? 4. De que maneira as respostas a essas perguntas ajudariam no seu trabalho? 5. Quais decisões os resultados da avaliação poderiam influenciar? 6. Que dados e informações são necessários para esta tomada de decisão? 7. Quem deveria estar envolvido no processo de avaliação para orientá-lo quanto às suas expectativas? 8. Como nós poderemos saber no futuro se esta avaliação foi útil? 9. Outras informações e comentários? PASSO 3 Dados do Responsável Nome: Cargo: Telefone: SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 23

27 As informações coletadas junto aos potenciais clientes da avaliação deverão ser tabuladas e analisadas de maneira a orientar a definição do escopo da avaliação a ser realizada. Este processo de tabulação e análise deverá ser feito em três etapas: 1. Despersonalização das informações. 2. Tabulação por categoria de análise. 3. Priorização das expectativas e perguntas de avaliação. PROGRAMA CABRA FORTE Expectativas dos Clientes sobre a Avaliação PASSO 3 Quanto ao processo: Que utilize procedimentos de avaliação adequados às características do Programa; Que apure os resultados com qualidade e eficiência; Que identifique a necessidade de um eficiente banco de dados para controle e monitoramento do Programa; Que torne possível o monitoramento das ações do Programa de uma forma que seja facilmente exeqüível; Que crie um instrumento de fácil execução. Quanto aos produtos: Que possibilite a criação de banco de dados; Que gere informações sobre a eficiência, eficácia e efetividade do Programa; Que possibilite análise das transformações provocadas pelo Programa no seu público-alvo (resultados); 24 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

28 Que evidencie os resultados (positivos ou não) das intervenções, e se os investimentos realizados atendem às necessidades e expectativas dos pequenos criadores de caprinos e ovinos; Que demonstre se o Programa está alcançando os objetivos preconizados, ou seja, a melhoria da qualidade de vida da população e da região; Que analise até que ponto o Programa atende às necessidades dos beneficiários; Que analise o desempenho do Programa. Quanto aos resultados: PASSO 3 Que possibilite maior registro e disseminação para conscientização das equipes sobre os trabalhos que estão sendo realizados; Que possibilite a transparência, eficiência e eficácia dos recursos aplicados nos projetos do Governo; Que as equipes internalizem os conceitos de avaliação e passem a vê-los como instrumentos de gestão, para o aprimoramento e reconhecimento de seus esforços; Que possibilite a melhoria do fluxo de informações entre as equipes de trabalho; Que tenha continuidade no processo de avaliação da ação governamental; Que tenha continuidade para que a metodologia seja preservada e se tenha registro de séries históricas. Quanto ao futuro uso: Que sirva de subsídio para o planejamento estadual e para a tomada de decisões quanto a novos financiamentos e parcerias; Que leve à correção dos desvios identificados e subsidie outros programas. SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 25

29 PASSO 4: Elaboração do Modelo Lógico de Gestão O Modelo Lógico de Gestão do Programa (MGLP) é um instrumento visual e sistêmico de apresentação e compartilhamento de informações sobre os recursos alocados em um programa, as atividades previstas, os produtos e as mudanças que se esperam alcançar no curto, médio e longo prazo. De forma simples, o MLGP retrata um programa conforme ele vem sendo executado, facilitando a comunicação sobre o seu propósito fundamental e tornando-se um ponto de referência para todos os envolvidos na sua implementação. É importante sinalizar que apenas as atividades prioritárias para o desenvolvimento do programa deverão ser incluídas no Modelo Lógico de Gestão. Oficinas deverão ser realizadas com os principais responsáveis pela execução do programa a ser avaliado, para construção conjunta do MLGP. Apresenta-se a seguir a sugestão da estrutura do Modelo Lógico de Gestão a ser adotado nesta Sistemática, e sua lógica de leitura. PASSO 4 26 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

30 PASSO 4 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 27

31 PASSO 5: Análise de avaliabilidade A análise de avaliabilidade tem por objetivos buscar informações sobre o formato do programa, explorar sua realidade e ajudar a conhecer sua estrutura, antes que seja feita a avaliação de seus resultados. Ela ajuda a definir se o programa pode ser efetivamente avaliado e se sua avaliação contribuiria para melhorar seu desempenho. Sendo uma espécie de pré-avaliação, esta análise traz benefícios como: prevenir o desperdício de recursos com avaliação; ajudar os potenciais clientes da avaliação a formularem perguntas avaliativas importantes e significativas; facilitar o consenso entre avaliadores e equipe técnica do programa sobre o objeto e escopo da avaliação a ser realizada, e a metodologia que será adotada. PASSO 5 Realizada com base no Modelo Lógico de Gestão, a análise de avaliabilidade deve buscar responder a cinco questões básicas: 1. Quais são os principais componentes do programa? 2. Quais são os principais objetivos e metas do programa? 3. As pessoas envolvidas na gestão no programa concordam com seus objetivos? 4. Existe uma conexão lógica entre os objetivos, atividades e resultados esperados? 5. Quais seriam os melhores indicadores e/ou critérios para avaliar o alcance dos objetivos? Se não houver consenso sobre o que é o programa e seus principais componentes, ele ainda não pode ser avaliado. 28 SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS

32 PASSO 6: Definição do escopo da avaliação PASSO 6 O escopo da avaliação é uma combinação de sua(s) principal(is) finalidade(s) e do foco que o estudo deverá ter, ou seja, as perguntas avaliativas que deverá responder para cumprir esta finalidade. Vale destacar que o foco de todo processo avaliativo deve estar na sua utilidade para os tomadores de decisão e gestores do programa. Para garantir que a avaliação possa ser um efetivo instrumento gerencial, é fundamental que se tenha clareza sobre o objeto a ser avaliado e sobre as expectativas dos seus principais usuários, os potenciais clientes da avaliação. A partir destas expectativas com relação aos produtos, resultados e futuro uso da avaliação, pode-se definir a(s) sua(s) principal(is) finalidade(s). E então, todo o processo de definição de indicadores e criação de instrumentos deverá ser realizado de maneira a garantir o alcance desta(s) finalidade(s). A definição das perguntas avaliativas deverá ser feita a partir da análise das perguntas trazidas pelos potenciais clientes sob a ótica dos critérios de avaliação a serem adotados no estudo. SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E PROJETOS GOVERNAMENTAIS 29

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais

Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais Desafios da Educação Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais Desafios da Educação A avaliação constitui-se em um desafio da política educacional A avaliação

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010

Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010 Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010 1 Programa de Intervenção Pedagógica-Alfabetização no Tempo Certo Relatório Síntese I Histórico: Em 2004 foi implantado em Minas Gerais o Ensino Fundamental de

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS Maria do Carmo Aparecida de Oliveira - (41) 3350-9565 - - - IMAP -

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Sistemas de monitoramento

Sistemas de monitoramento Sistemas de monitoramento Prof. Marcos Pó Avaliação e Monitoramento de Políticas Públicas Definições Monitoramento: um processo sistemático e contínuo que, produzindo informações sintéticas e em tempo

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE.

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE. Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 07/10/2013-10:07:01 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2703 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O IV Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade: Negócios Sociais e seus Desafios 24 e 25 de novembro de 2015 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Projeto para construção de cisternas, Mobilização e Capacitação de famílias parceria

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº. /2011 CAPA Projeto Agência:

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA COMPONENTE 1: Priorização da Biodiversidade em Setores Governamentais Objetivo: Implementar a Política Nacional

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 1 PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 08H ÀS 09H 09H ÀS 09:H30 09H30 ÀS 10H 10H ÀS 10:15 10H15 ÀS 12H 12H ÀS 13H 13H ÀS 13H30 CREDENCIAMENTO ABERTURA DO EVENTO CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

ÍNDICE DE RESULTADO DA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA

ÍNDICE DE RESULTADO DA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA 1 ÍNDICE DE RESULTADO DA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA EFICIÊNCIA E EFICÁCIA A metodologia, quanto ao critério de Eficiência e Eficácia, está estruturada para verificar se os resultados do Programa estão sendo

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

AULA 07 Tipos de avaliação

AULA 07 Tipos de avaliação 1 AULA 07 Tipos de avaliação Ernesto F. L. Amaral 31 de março de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos Sociais. São Paulo,

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados. Rio Branco, 10 de Maio de 2013

Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados. Rio Branco, 10 de Maio de 2013 Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados Rio Branco, 10 de Maio de 2013 Processo dos PSA REDD+ em nivel de país 10 etapas 1. Conscientização / Capacitação

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Avaliação de Projetos Sociais

Avaliação de Projetos Sociais Avaliação de Projetos Sociais Alice DiGam alicedigam@gmail.com h"p://www.fatosdesconhecidos.com.br/quantas- cores- sera- que- voce- enxerga- faca- o- teste- e- descubra/ 20 20-32 33-39 Da Avaliação Quando

Leia mais

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento e Desenvolvimento de Projetos Especiais. Coordenação Geral de Planejamento de Educação a Distância. PROGRAMA TV ESCOLA

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais