CADERNOS DE EXCELÊNCIA AUTO-AVALIAÇÃO E GESTÃO DE MELHORIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNOS DE EXCELÊNCIA AUTO-AVALIAÇÃO E GESTÃO DE MELHORIAS"

Transcrição

1 2007 CADERNOS DE EXCELÊNCIA AUTO-AVALIAÇÃO E GESTÃO DE MELHORIAS

2 SÉRIE CADERNOS DE EXCELÊNCIA RESPONSABILIDADE Antônio Tadeu Pagliuso Superintendente Geral Sérgio Queiroz Bezerra Gerente Técnico REDAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Paulo Sergio Duarte de Almeida Valladares EQUIPE Caio Márcio Becker Soares Carlos Amadeu Schauff Cesarino Carvalho Júnior Francisco Paulo Uras Joaquim Emanuel Santini Jorge Emanuel Reis Cajazeira Mauro Sergio Sguerra Paganotti Odair Mesquita Quintella Ricardo Motta Rodolfo Cardoso Ronaldo Darwich Camilo REVISÃO ORTOGRÁFICA E GRAMATICAL Fernando Pachi Odair Mesquita Quintella COLABORAÇÃO C. Adriano Silva Christiane Rodrigues Correia PROJETO E PRODUÇÃO GRÁFICA Inah de Paula Comunicações AGRADECIMENTOS A equipe de redação agradece a Jose Gibson de Sousa pelas críticas e sugestões ao Caderno Auto-avaliação e gestão de melhorias. São Paulo, janeiro de 2007 DIREITOS RESERVADOS Proibida a reprodução total ou parcial desta publicação sem o prévio consentimento, por escrito, da FNQ. Publicado por MISSÃO Disseminar os fundamentos da excelência em gestão para o aumento de competitividade das organizações e do Brasil. VISÃO Ser um dos principais centros mundiais de estudo, debate e irradiação de conhecimento sobre a excelência em gestão. Fundação Nacional da Qualidade Cadernos de excelência: Auto-avaliação e gestão de melhorias / Fundação Nacional da Qualidade. - São Paulo: Fundação Nacional da Qualidade, (Série Cadernos de Excelência, n.9. ) Inclui bibliografia ISBN Critérios de Excelência. 2. Fundação Nacional da Qualidade. 3. Gestão da Qualidade Total. 4. Excelência empresarial. 5. Gestão de Melhorias. CDD

3 APRESENTAÇÃO Este Caderno compõe a série Cadernos de Excelência, que tem por finalidade divulgar o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) da FNQ - Fundação Nacional da Qualidade. Destina-se a esclarecer as dúvidas de seus usuários sobre o Modelo e a satisfazer aqueles que desejam aprofundar seus conhecimentos sobre seu conteúdo. É uma valiosa ferramenta para quem pretende aperfeiçoar-se como membro da Banca Examinadora, aprimorar a gestão de sua organização ou preparar uma candidatura ao Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ). O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) está apresentado na publicação Critérios de Excelência, editada, anualmente, pela FNQ. Para uma leitura mais eficaz dos Cadernos desta série, recomenda-se que seja efetuada em conjunto com os Critérios de Excelência. Os Cadernos de Excelência são publicados na forma de fascículos, de modo a tornar a leitura mais agradável e a facilitar seu manuseio. A série está organizada em dez volumes: Introdução ao Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Liderança Estratégias e Planos Clientes Sociedade Informações e Conhecimento Pessoas Processos Resultados Auto-avaliação e Gestão de Melhorias Escritos em linguagem acessível, os Cadernos de Excelência descrevem como os requisitos dos Critérios de Excelência podem ser implementados a partir de soluções práticas, sem caráter prescritivo. Como ilustração, são apresentados exemplos de empresas finalistas ou vencedoras do PNQ, revelando o quanto podem ser proativas, refinadas ou inovadoras as abordagens adotadas. No caso da sua utilização por organizações públicas, alguns conceitos como cliente, mercado e concorrência precisam ser adaptados. Espera-se que o leitor seja estimulado a consultar os Cadernos sempre que necessário e que se beneficie com os exemplos apresentados. A série está disponível também em meio eletrônico - Equipe de Redação Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias Cadernos de Excelência. FNQ 3

4 AUTO-AVALIAÇÃO E GESTÃO DE MELHORIAS SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO... 5 A AUTO-AVALIAÇÃO E O CONTEXTO NA GESTÃO... 8 IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁGIO DA ORGANIZAÇÃO E SELEÇÃO DO CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO TÉCNICAS DE AUTO-AVALIAÇÃO...13 Por meio de questionário Por meio de entrevistas Por meio de workshop Por meio da elaboração do Relatório de Gestão SELEÇÃO DOS AVALIADORES PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO E GESTÃO DE MELHORIAS...19 Etapa 1 - Contextualização Etapa 2 - Capacitação Etapa 3 - Definição do escopo da auto-avaliação Etapa 4 - Execução da auto-avaliação Etapa 5 - Definição dos projetos de melhoria Etapa 6 - Integração com o processo de planejamento estratégico Etapa 7 - Estabelecimento dos projetos de melhoria Etapa 8 - Implementação dos projetos de melhoria Etapa 9 - Monitoramento dos projetos de melhoria Etapa 10 - Aprender com o processo de auto-avaliação.. 34 ANEXOS I - Avaliação do entendimento dos fundamentos da Excelência II - Questionário de Auto-Avaliação (modelo A) III - Questionário de Auto-Avaliação (modelo B) IV - Questionário de Auto-Avaliação (modelo C) V - Auto-Avaliação do Critério Resultados (modelo A) VI - Formulário Projeto de Melhorias BIBLIOGRAFIA Cadernos de Excelência. FNQ Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias

5 INTRODUÇÃO PERGUNTA-CHAVE Qual a função deste Caderno? Os Critérios de Excelência refletem o que de mais avançado existe em tecnologia de gestão nas organizações Classe Mundial. Alcançar os 1000 pontos pode ser uma tarefa difícil para muitas organizações, mas isso não significa que os Critérios sejam impossíveis de serem aplicados. Os Critérios de Excelência baseados no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) permitem às organizações avaliarem o quanto os processos gerenciais instituídos estão gerando resultados para o negócio e se estes resultados serão sustentados no futuro por meio da aplicação sistemática dessas práticas. A auto-avaliação do sistema de gestão da organização, baseado no MEG, permite às organizações avaliarem o cenário interno, identificando seus pontos fortes e as oportunidades para melhoria, que servirão de base para a elaboração dos objetivos estratégicos. Isto permite uma visão global e sistêmica do modus operandi, fornecendo feedback sobre a eficácia das práticas adotadas e tornando-se um importante instrumento para o aprendizado da organização. O processo de auto-avaliação contempla o MEG e os Critérios de Excelência, baseados em fundamentos e requisitos que orientam a identificação de boas práticas de gestão e expressam a importância dos resultados balanceados, permitindo verificar a sustentabilidade do negócio. Os Critérios de Excelência não são uma ferramenta prescritiva, visto que definem o que uma organização de excelência deve apresentar, mas não o como praticar. Os Critérios de enfoque e aplicação são genéricos e se aplicam a qualquer organização, pública ou privada, pequena ou grande, com fins lucrativos ou não, corporativa ou unidade autônoma, sendo necessária a apresentação de resultados que contemplam todas as partes interessadas. A auto-avaliação tem o pressuposto de contribuir com um diagnóstico na aplicação do Modelo, pelas organizações, permitindo a comparação com os requisitos de uma organização Classe Mundial, identificando pontos fortes que sustentam a gestão e as oportunidades para melhoria. A análise e a reestruturação com base nos fundamentos e critérios exigem um tratamento sistematizado dos processos de gestão e de como eles se relacionam com cada uma das partes interessadas. Eles nos obrigam a olhar para fora e para dentro da empresa, a buscar referenciais comparativos, integrar processos e pessoas, mobilizar e desenvolver um importante ciclo de aprendizado. Wilson Matsumoto - Superintendente Petroquímica União - Classe Mundial 2005 Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias Cadernos de Excelência. FNQ 5

6 Cada vez mais as organizações utilizam os Critérios de Excelência como modelo para a auto-avaliação da gestão. Com a globalização dos negócios, o MEG passa a ser adotado por organizações nacionais e multinacionais. PERGUNTA-CHAVE O que é um processo de auto-avaliação? A auto-avaliação tem por princípio realizar uma análise regular, sistemática e abrangente dos processos gerenciais e dos resultados de uma organização, utilizando-se como base os Critérios de Excelência da FNQ. O processo de auto-avaliação permite à organização identificar claramente os seus pontos fortes e as oportunidades para melhoria. Gera ações planejadas para melhorar as oportunidades identificadas e, quando procedente, incrementar seus pontos fortes, monitorando a implementação das ações e dos incrementos. O objetivo primordial do processo de auto-avaliação é contribuir para o aprendizado organizacional. Se bem aplicado, deve servir de subsídio para outros processos de gestão da organização, principalmente o processo de planejamento estratégico. PERGUNTA-CHAVE Quais benefícios pretendo alcançar com a aplicação do processo de auto-avaliação? O processo de auto-avaliação permite às organizações, independentemente do escopo de aplicação do processo, usufruir de uma gama de benefícios na aplicação do Modelo de Excelência da Gestão por meio dos Critérios de Excelência. Podemos citar alguns benefícios: aplicar abordagens bem estruturadas, baseadas em fatos, capazes de identificar os pontos fortes e as oportunidades para melhoria, com o progresso da implementação de ações monitorizado; subsidiar a análise dos cenários no processo de planejamento estratégico; tornar comum uma linguagem de gestão e um processo de aprendizado, com base em conceitos universalizados; formar pessoas nos conceitos fundamentais de excelência e proporcionar-lhes os meios de compatibilizar suas responsabilidades com esses conceitos; desenvolver as competências das lideranças da organização; envolver neste processo pessoas em todos os níveis e unidades da organização; avaliar a organização de uma forma coerente em nível macro (organização) ou micro (área); identificar as melhores práticas (pontos fortes) e disseminá-las pela organização; permitir o benchmarking; subsidiar o reconhecimento interno pelo progresso alcançado, por meio de prêmios, baseado em critérios menos subjetivos; preparar a organização para uma eventual participação no Prêmio Nacional da Qualidade ou nos prêmios regionais e setoriais. O grau de retorno desses benefícios está diretamente ligado ao tipo de técnica de auto-avaliação aplicada, sobre as quais discorremos em Técnicas de auto-avali- 6 Cadernos de Excelência. FNQ Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias

7 ação, e à escolha de avaliadores que realizarão a autoavaliação, esclarecida em Seleção dos Avaliadores. O sucesso da auto-avaliação está na participação da Direção da organização neste processo. Portanto, para que o processo de auto-avaliação alcance os benefícios acima descritos, é de fundamental importância que a organização identifique antecipadamente quais os benefícios que espera e envolva a Direção no processo, permitindo a redução do risco do insucesso da auto-avaliação e uma melhor escolha da técnica a ser aplicada. Em resumo, o processo de auto-avaliação: potencializa o sistema de gestão, por meio dos pontos fortes e das oportunidades para melhoria identificados; promove a visualização e integração do sistema de gestão; garante forte foco em resultados, quando da avaliação do desempenho dos resultados dos indicadores; gera referenciais que permitem parametrizar a eficácia do modelo de excelência adotado. Como exemplos de organizações multinacionais que adotam os Critérios de Excelência, têm-se: Eaton Ltda. - Divisão Transmissões, que, desde 1996, aplica um modelo corporativo baseado nos critérios do Malcolm Baldrige (MBNQA), inicialmente denominado Total Quality Leadership (TQL), depois alterado para Eaton Quality Award (EQA) (Classe Mundial, 2001, p. 50), e agora, denominado de Eaton Business Excellence Certification (EBEC), sendo finalista do PNQ em 2001; e as organizações do Grupo Dana, que utilizavam o Dana Quality Leadership Process (DQLP), também baseado nos critérios do Malcolm Baldrige (MBNQA), compreendendo a Dana Indústrias, Divisão de Eixos Diferenciais, finalista em 2002 e 2003, que aplicava desde 1997; e a Dana Albarus - Divisão de Cardans, vencedora do PNQ em 2003, que aplicava desde 1996 (Classe Mundial, 2003, p. 29 e 67). Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias Cadernos de Excelência. FNQ 7

8 A AUTO-AVALIAÇÃO E O CONTEXTO NA GESTÃO PERGUNTA-CHAVE Como pode o processo de auto-avaliação contribuir para o sistema de aprendizado da organização e o seu processo de desenvolvimento das estratégias? O processo de auto-avaliação compreende um fator relevante para a organização no estabelecimento do sistema de aprendizado, não se limitando a isso, mas complementando todo o ciclo de melhoria organizacional. Não menos importante também é o contexto da auto-avaliação no ciclo do planejamento estratégico e na gestão do dia-a-dia. A) O PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO E O SISTEMA DE APRENDIZADO Analisando a gestão das organizações ganhadoras de prêmios reconhecidos, verifica-se que a adoção do processo de auto-avaliação faz parte do sistema de aprendizado organizacional, juntamente com outras ferramentas e metodologias de gestão. O processo de auto-avaliação, quando adotado sistematicamente, contribui para melhorar os processos gerenciais organizacionais. A aplicação deste processo considera que a organização quer aprender, e aprender com um modelo que representa o estado-da-arte na gestão, que a leve a trilhar os passos das organizações Classe Mundial. Ao identificar as oportunidades para melhoria, envolvendo toda a organização no estabelecimento do processo, na capacitação das pessoas, nas reflexões ao longo do ciclo e na geração de um produto final com alto valor agregado, a organização aprende. B) O PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O produto resultante da auto-avaliação trata-se de um excelente instrumento, dentre outros, para analisar o cenário interno da organização, servindo de entrada para o processo de planejamento estratégico. No caso de a organização realizar uma análise periódica do tipo SWOT (Strenghts, Weakness, Opportunities e Threats), ela deveria considerar a auto-avaliação como um processo que permite identificar os pontos fortes e os pontos fracos da gestão. Ela também contribui para avaliar as oportunidades e ameaças, haja vista, por exemplo, que a mesma avalia, na prática, os requisitos do Critério Estratégias e Planos, identificando o quanto o processo de formulação e implementação das estratégias está incorporando dados de clientes, fornecedores e concorrentes- chave. A auto-avaliação não é o fim para se conhecer as oportunidades e ameaças. Outras práticas devem ser aplicadas, por se tratar de algo crucial conhecer o ambiente do mercado em que atua, o que a auto-avaliação não permite. As oportunidades para melhoria identificadas na auto-avaliação nem sempre devem ser tratadas no processo de estabelecimento das estratégias - por exemplo, as identificadas na auto-avaliação do Critério Estratégias e Planos, que tratam por si só de melhorar as práticas deste mesmo processo. Oportunidades para melhoria como estas devem ser cobertas, conforme relevância e pertinência, por um plano de ação de melhoria coordenado pelo patrocinador 8 Cadernos de Excelência. FNQ Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias

9 do processo ou endereçadas para tratamento posteriormente. Lembre-se que os Critérios de Excelência buscam a excelência na gestão em todos os sentidos e que, muitas vezes, os recursos disponíveis para corrigir as oportunidades para melhorar ou manter os pontos fortes identificados não são suficientes. O ponto de equilíbrio entre a necessidade e a possibilidade deve ser considerado ao término da auto-avaliação. As oportunidades para melhoria identificadas como cruciais para o negócio devem ser tratadas no processo de estabelecimento das estratégias. Tais oportunidades são alcançadas por meio de planos de ação que desdobrem as estratégias. A figura 1 mostra o relacionamento entre processo de auto-avaliação e o planejamento estratégico. Alcançar metas desejadas, previamente estabelecidas no processo de planejamento estratégico, requer grandes desafios e monitoramento constante dos planos de ação, mudando prioridades e eliminando problemas que surgem no caminho da implementação. Figura 1: Ciclo de auto-avaliação e ciclo de planejamento estratégico Fonte: FNQ, 2007 Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias Cadernos de Excelência. FNQ 9

10 Como mostra a figura 1, o processo de auto-avaliação permite avaliar dois pontos no processo de planejamento estratégico. Primeiro, o cenário, conforme anteriormente comentado, de forma a contribuir para o estabelecimento das estratégias; e, num segundo momento, quando da auto-avaliação do Critério Resultados, verifica se os resultados alcançados por meio das estratégias e dos planos de ação decorrentes estão coerentes com as metas traçadas. A pontuação alcançada ao final da auto-avaliação não deve ser utilizada para satisfazer ou conformar-se com o estado atual da gestão. Trata-se de referencial comparativo para identificar a evolução da gestão rumo à excelência. C) O PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSERIDO NO CONTEXTO DA GESTÃO PERGUNTA-CHAVE O processo de auto-avaliação e o processo de melhoria da gestão não são as mesmas coisas? Quando da adoção do processo de auto-avaliação é possível ouvir das pessoas...que a organização está criando mais uma daquelas ferramentas burocráticas que nada ajudará na gestão. Comentários do tipo E o produto no final da linha quem irá fabricar? ou Mais uma daquelas ferramentas de reengenharia sem sentido são freqüentes. A comunicação nestes casos é fundamental para quem pretende enveredar-se por este processo como aprendizado para a organização. O processo deve ser amplamente divulgado, e as dúvidas devem ser esclarecidas, apresentando-se o impacto que as pessoas sofrerão neste processo. O processo de auto-avaliação está inserido no contexto da gestão, como mostra a figura 2. Adotar os Critérios de Excelência ou modelos semelhantes não representa esforço adicional quando se busca a melhoria contínua da gestão em todas as perspectivas do negócio. Qualquer modelo de gestão de negócios comandado por líderes, seja público ou privado, com ou sem fins lucrativos, de organização de pequeno, médio ou grande porte, deve apoiar-se na atividade de gerir pessoas e processos de forma a incrementar a satisfação dos clientes e das demais partes interessadas, focando-se na visão de futuro, com base num posicionamento estratégico, apoiado na análise de fatos, dados e informações e gerando resultados para a sobrevivência do negócio. Depoimentos de líderes A utilização dos Critérios de Excelência do PNQ, a partir de 1998, se mostrou um instrumento importante no desenvolvimento contínuo do modelo Qualidade Total Politeno - QTP. Por meio de auto-avaliação e da participação no PNQ nos anos de 2000 e 2001 (quando a empresa foi finalista por duas vezes) e 2002, a Politeno desenvolveu e aprimorou suas práticas[...] Jaime Sartori, diretor-superintendente, Politeno (Classe Mundial, 2004) Os Critérios de Excelência da FPNQ permitem que as empresas estruturem um sistema de gestão orientado para a estratégia, onde a busca por resultados se faz por meio do aprendizado permanente. Há quatro anos entregamos o primeiro Relatório de Gestão. Os feedback do Relatório de Avaliação nos deram as diretrizes para o aperfeiçoamento e as oportunidades de melhorias. Passo a passo, estabelecemos novos padrões de excelência que nos levaram à obtenção do PNQ em Cláudio Horta Mendes, diretor, Belgo Juiz de Fora (Classe Mundial, 2004) 10 Cadernos de Excelência. FNQ Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias

11 O processo de auto-avaliação vem, de forma singular, organizar a gestão e contribuir para a busca de significativos e compensadores resultados organizacionais. As palavras de líderes que adotam os Critérios de Excelência como meio para melhorar a gestão, evidenciam a importância de aplicar o modelo na auto-avaliação. A gestão do negócio compreende as práticas que no dia-a-dia permitem à organização gerir resultados, alcançados por meio de estratégias estabelecidas ou simplesmente pelo acompanhamento / monitoramento da gestão. Os indicadores de acompanhamento permitem avaliar o sucesso do negócio, enquanto o alcance das estratégias avalia a eficácia da gestão. Essa eficácia permite à organização retornar resultados às partes interessadas. O processo de auto-avaliação contribui para a avaliação do balanceamento entre as práticas e os resultados, organizado dentro de um modelo, independentemente do modelo adotado pela organização. O equilíbrio entre esses critérios é que demonstra a excelência na gestão. A figura 2 mostra outra forma de entender o Modelo de Excelência da Gestão da FNQ, alinhada à gestão da empresa. Portanto, um dos grandes desafios para a aplicação do processo de auto-avaliação consiste em articular a auto-avaliação com outras iniciativas concorrentes na organização. Figura 2: Auto-avaliação no contexto da gestão Fonte: FNQ, 2007 Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias Cadernos de Excelência. FNQ 11

12 IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁGIO DA ORGANIZAÇÃO E SELEÇÃO DO CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO PERGUNTAS-CHAVE Qual modelo de excelência adotar? Posso incorporar requisitos próprios? A aplicação do processo de auto-avaliação compreende a necessidade de estabelecer previamente o nível de requisitos que se pretende adotar para avaliar o estágio da gestão em que se encontra a organização. Os Critérios de Excelência, definidos, servirão de base para questionamentos e reflexão, assim como para avaliar o grau de aderência aos requisitos específicos, seja do segmento de atuação (prêmios setoriais) ou da própria organização (prêmios internos). Ser uma organização de Classe Mundial, quando comparado com os requisitos dos Critérios de Excelência, significa apresentar práticas de gestão e resultados que representam o estado-da-arte da gestão. A evolução do nível de maturidade de uma organização é conseqüência da evolução dos processos gerenciais, como mostra a figura 3. Dependendo do estágio da gestão em que se encontra a organização ou dos propósitos para os quais se pretende realizar uma auto-avaliação, os critérios a serem adotados podem diferir dos Critérios de Excelência da FNQ ou serem acrescidos requisitos específicos do setor ou da organização. A) PNQ, PRÊMIOS REGIONAIS E SETORIAIS Os Critérios de Excelência da FNQ são compostos por oito Critérios e elementos estruturais e permitem alcançar pontos. A utilização destes Critérios permite avaliar o grau máximo de uma organização para os processos gerenciais e resultados, que é a excelência. Portanto, devem ser aplicados na auto-avaliação por organizações que se encontram num estágio de práticas diferenciadas e resultados sustentáveis ao longo dos ciclos de gestão. Figura 3: Evolução e Estágios de Maturidade da Gestão Fonte: FNQ, Cadernos de Excelência. FNQ Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias

13 Os critérios de prêmios regionais e setoriais são alinhados aos Critérios de Excelência da FNQ, sendo compostos por oito critérios e os mesmos elementos estruturais, e com base nos fundamentos da excelência. Diferem nos requisitos que avaliam o grau de maturidade do sistema de gestão da organização. O modelo intermediário apresenta um grau classificado como Rumo à Excelência e o modelo para iniciantes, um grau classificado como Compromisso com a Excelência. Escolher os requisitos dentre os modelos citados é uma decisão da organização. B) CRITÉRIOS INTERMEDIÁRIOS Existem prêmios que adotam critérios intermediários. São compostos de oito critérios e os mesmos elementos estruturais. Neste caso, o grau de maturidade da gestão se encontra num estágio que poderia ser classificado de ótimo desempenho. Assim, os esforços para alcançar o Prêmio Nacional da Qualidade seriam menores, embora a simples correlação entre as pontuações, não garanta a conquista deste Prêmio. Agregar requisitos próprios - É comum nas organizações a adoção dos requisitos dos Critérios de Excelência, independentemente do modelo de pontos que se adote, incluindo-se requisitos prescritivos aos Critérios, como pode ser verificado nos exemplos citados no Anexo III e no Anexo IV (Petrobras, 2002).¹ Agregar requisitos próprios permite incorporar na auto-avaliação a verificação de padrões e processos gerenciais a que o sistema de gestão deve atender, permitindo-se, assim, principalmente para organizações autônomas e de multilocalidades, uma padronização na gestão. TÉCNICAS DE AUTO- AVALIAÇÃO PERGUNTA-CHAVE No processo de auto-avaliação qual é a melhor técnica que se deve aplicar? São várias as técnicas para se aplicar uma auto-avaliação. Depende das variáveis que se adotam na aplicação. Em função dos benefícios, citados na introdução, a FNQ sugere a utilização de uma das quatro técnicas apresentadas a seguir. O resultado do aprendizado e os benefícios esperados com a realização da auto-avaliação são os principais critérios para a escolha. A riqueza nos comentários está na diferença das técnicas aplicadas, porém nenhuma delas é menos importante. A elaboração de um relatório da gestão permite um trabalho mais completo e de grande reflexão para o aprendizado, mas também demanda mais esforços da organização. As técnicas de auto-avaliação podem ser complementares ou evoluir na aplicação à medida que a organização desenvolve seu sistema de gestão. Uma seqüência lógica para a aplicação das técnicas seria: questionário, entrevistas, workshop e relatório da gestão. Após esta última técnica, a organização teria o material preparado para uma eventual participação no processo de premiação escolhido. 1. Gentilmente cedido por essa organização para ser apresentado nesta publicação. Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias Cadernos de Excelência. FNQ 13

14 A FNQ sugere um modelo de questionário que pode ser aplicado nas três técnicas citadas, nos moldes do exemplo do Anexo II. No caso do Critério de Resultados, sugere-se que seja avaliado utilizando o modelo de coleta de informações (Anexo V), por meio do qual os responsáveis por preencher o questionário poderão, utilizando os resultados dos indicadores ou pelo seu conhecimento, preencher as informações requeridas. Neste caso, a subjetividade pode ser adotada. Figura 4: Grau de relevância entre as técnicas de auto-avaliação Fonte: Elaboração própria, 2006 A) POR MEIO DE QUESTIONÁRIO A técnica de auto-avaliação por meio de questionário é a que exige menos recursos e pode ser concluída em menor tempo possível, tão logo a organização tenha o questionário estabelecido. O questionário é um instrumento que permite um trabalho individual para a auto-avaliação, colhendo-se dessa forma, a percepção de cada indivíduo acerca da gestão da organização. O questionário pode variar de forma, a critério da organização, apresentando desde uma simples resposta sim/ não até uma forma mais sofisticada, incluindo-se escala de pontuação e descrição das respostas/práticas que dão sustentação à pontuação. A elaboração do questionário permite sua aplicação em outras técnicas de auto-avaliação, por exemplo, em entrevistas e workshops. A pontuação pode ser estabelecida por quem preenche o questionário, ou o avaliador pode estabelecer a pontuação após receber todos os questionários respondidos. Toda técnica adotada tem seus pontos fortes e pontos fracos quanto a sua aplicação. Para a técnica do questionário, citam-se: PONTOS FORTES maior rapidez no processo; segmentação da avaliação conforme a necessidade de informação; e personalização do questionário. PONTOS FRACOS dependência do conhecimento de quem preenche o questionário; não-identificação de pontos fortes e oportunidades para melhoria; trabalho adicional requerido na avaliação e consolidação das respostas obtidas; geração de uma lista de práticas, às vezes de difícil interpretação; 14 Cadernos de Excelência. FNQ Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias

15 não-permissão do consenso entre os que preenchem os questionários; e subjetividade na avaliação do Critério de Resultados. A técnica do questionário, como recomendação, não deve ser aplicada para um grupo muito extenso de pessoas, pois o excesso de respostas dificultará a validação do conteúdo. B) POR MEIO DE ENTREVISTAS A técnica de entrevistas, no âmbito da auto-avaliação, consiste em realizar vários eventos com pessoas da organização, nos quais são identificadas as práticas que respondem aos requisitos dos critérios adotados. Esta técnica permite ao avaliador, no momento das entrevistas, questionar o entrevistado, assim como esclarecer para ele os conceitos dos requisitos. O avaliador, de posse de um questionário ou dos próprios Critérios de Excelência adotado, aborda o entrevistado com o objetivo de colher evidências das práticas que respondem aos requisitos, anotando-as. Nesta abordagem, é possível identificar os pontos fortes e as oportunidades para melhoria existentes na gestão da organização. Para o Critério de Resultados, sugere-se que seja avaliado, pelo avaliador, à medida que as entrevistas acontecerem, solicitando-se evidências dos resultados pertinentes a cada indicador, conforme o Critério que está se avaliando se avalia. Por exemplo, item 8.4, quando se avaliar o Critério Pessoas, utilizando para tanto o modelo do Anexo V. Durante a entrevista, o avaliador pode colher a pontuação em concordância com o entrevistado ou pode estabelecer a pontuação após realizar as entrevistas, considerando-se os relatos. Os pontos fortes e pontos fracos desta técnica de autoavaliação podem compreender: PONTOS FORTES esclarecimento do entrevistado quanto aos conceitos; identificação dos pontos fortes e oportunidades para melhoria; personalização do questionário; segmentação da avaliação conforme necessidade de informação; e o avaliador pode realizar o consenso entre os entrevistados visto que participa de todas as entrevistas. PONTOS FRACOS dificuldade na programação das entrevistas; e trabalho adicional requerido na avaliação e consolidação das respostas obtidas. A técnica de entrevistas, como recomendação, deve ser aplicada por um grupo de pessoas com conhecimento da gestão da organização, conforme o requisito que se pretende avaliar. Esta abordagem favorece o resultado da auto-avaliação na busca de informações mais precisas quanto às áreas de melhoria da organização. C) POR MEIO DE WORKSHOP A prática de auto-avaliação por meio de um workshop permite a geração de discussões e de decisões por parte dos integrantes dos grupos de trabalho, contribuindo para fornecer evidências das práticas aplicadas pela organização, bem como para estabelecer consenso entre os integrantes. Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias Cadernos de Excelência. FNQ 15

16 Esta prática possibilita à organização envolver, no grupo de auto-avaliação, pessoas de suas diversas áreas, tornando-se mais ricas as informações obtidas. O workshop pode ser realizado considerando-se dois agrupamentos de pessoas: agrupamento pelos Critérios de Excelência ou um único agrupamento geral dos participantes. No primeiro tipo de agrupamento, a técnica é aplicada em dois estágios onde num primeiro momento os grupos realizam a auto-avaliação e, num segundo, apresentam para os demais grupos validarem as respostas aos requisitos. No agrupamento único, a auto-avaliação e a validação ocorrem conjuntamente. O consenso é rico em obter pontos fortes e oportunidades para melhorias reconhecidas por todos. Esta técnica demanda mais homem/hora num mesmo espaço de tempo. A experiência em aplicar esta técnica permite que o workshop seja realizado em duas etapas e em dias distintos. No primeiro, identificam-se as práticas, os pontos fortes e as oportunidades para melhorias; no segundo, realiza-se a validação das práticas, dos pontos fortes e das oportunidades para melhorias e das pontuações. Sugere-se, para a técnica de workshop, que o Critério de Resultados seja avaliado utilizando-se evidências dos resultados pertinentes para cada indicador identificado pela organização em resposta aos itens. Esta prática permite uma análise global do desempenho da organização por um grupo de pessoas de áreas distintas, o que nem sempre é possível no dia-a-dia. A pontuação dos itens nesta técnica deve ser obtida pelo avaliador no momento do workshop, em consenso com os participantes dos grupos. A formação dos grupos de auto-avaliação deve contemplar as pessoas responsáveis pelos requisitos a serem auto-avaliados e pessoas que são partes interessadas nos requisitos. O modelo de questionário (Anexo III), aqui sugerido para aplicação desta técnica, apresenta campos específicos para identificação dos pontos fortes e das oportunidades para melhorias que servirão de base para reflexão no momento da pontuação. Como pontos fortes e pontos fracos desta técnica, citam-se: PONTOS FORTES esclarecimento dos participantes do workshop quanto aos conceitos; identificação dos pontos fortes e oportunidades para melhoria; riqueza na dinâmica envolvendo as partes interessadas; e consenso obtido pelos participantes do workshop. PONTOS FRACOS número de homens/hora disponíveis num mesmo momento; e dificuldade na programação do workshop. A participação do avaliador como facilitador neste processo é fundamental, pois os workshops podem se tornar infindáveis, em função das discussões e da falta de consenso. 16 Cadernos de Excelência. FNQ Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias

17 D)POR MEIO DA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DA GESTÃO A técnica de auto-avaliação, a partir da elaboração do relatório da gestão é a mais rica para o aprendizado da organização, mas também é a que demanda mais tempo e esforço da organização. Muitas organizações que adotam os Critérios de Excelência em seu sistema de aprendizado aplicam esta técnica, como as vencedoras do PNQ Cetrel (1999) e Joal Teitelbaum (2003), bem como a Dana Albarus (2002), que cita os critérios internos do DQLP (Dana Quality Leadership Process), baseado nos critérios do Malcom Baldrige (prêmio americano). A técnica consiste em elaborar um relatório da gestão, conforme solicitado pelas regras do PNQ (ver Instruções para Candidatura PNQ 2007) ou pelas regras do modelo adotado, no qual os processos gerenciais da organização em resposta aos requisitos dos Critérios de Excelência são descritas. Os resultados da organização referentes aos itens do Critério de Resultados devem ser demonstrados no relatório da gestão. A organização encaminha o relatório ao(s) avaliador(es) para que analisem o descrito em comparação com os critérios adotados. Após esta análise, o(s) avaliador(es) agenda(m) as entrevistas de verificação para esclarecer as dúvidas oriundas da análise. Apura-se nesta análise o desempenho dos resultados da organização. Nesta técnica, a pontuação é auferida pelo(s) avaliador(es). Sua vantagem está em proporcionar a oportunidade de reflexão por parte das pessoas quando da elaboração do relatório da gestão, bem como a organização recebe como produto o relatório de avaliação, gerado por avaliador(es) isento(s), dependendo do tipo de avaliador selecionado, conforme detalhamento no próximo item. A técnica de elaboração do relatório da gestão simula o processo de avaliação adotado pelos prêmios de excelência na gestão que compõe a Rede Nacional da Gestão Rumo à Excelência, permitindo-se a preparação para a participação nos mesmos, se esta for a intenção da organização. Os pontos fortes e pontos fracos, neste caso, são: PONTOS FORTES reflexão no momento de elaborar o relatório da gestão; identificação de pontos fortes e das oportunidades para melhoria; e riqueza na dinâmica envolvendo as partes interessadas. PONTOS FRACOS tempo e esforço das pessoas aplicados na elaboração do relatório da gestão; necessidade de avaliador(es) com experiência nos critérios adotados; e dificuldade na programação das entrevistas do(s) avaliador(es). A opção por esta técnica deve ter uma análise clara da liderança da organização quanto ao tempo que será despendido na elaboração do relatório da gestão, para que toda a riqueza do processo de auto-avaliação não seja prejudicada em função do homem/hora disponibilizado. Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias Cadernos de Excelência. FNQ 17

18 SELEÇÃO DOS AVALIADORES PERGUNTA-CHAVE Quem deve ser selecionado como avaliador? O avaliador pode ser selecionado a partir de três critérios a saber: Primeiro, a pessoa pode ser interna à organização, seja da planta que será avaliada ou de outras plantas do grupo da organização, e ser indicada pela organização; Segundo, a pessoa pode ser independente da organização, ou seja, sem vínculo empregatício com a mesma ou qualquer outra planta do grupo; Terceiro, considerando-se os dois critérios anteriores, em que o avaliador independente atuaria como líder e o avaliador interno comporia a equipe de avaliação. Qualquer critério que se adote, tem-se o pressuposto de que o avaliador deve ser capacitado para aplicar os critérios adotados pela organização. Tendo-se como base o Código de Ética da FNQ, apresentado no documento Instruções para Candidatura 2007, o avaliador deve se comprometer a manter princípios éticos no cumprimento de suas atribuições e prestar serviços de elevado padrão profissional, considerando-se a honestidade, confidencialidade, dignidade, veracidade, exatidão, imparcialidade e responsabilidade perante a organização avaliada. O avaliador deve salvaguardar as informações recebidas durante o processo de auto-avaliação, evitando discuti-las com outro avaliador e colegas de profissão, exceto quando a troca de informações fizer parte deste processo. Independentemente da técnica adotada no processo de auto-avaliação, o avaliador tem função essencial na ação como instrutor, mediador, facilitador e avaliador. Às características individuais do avaliador acima citadas, acrescentem-se as seguintes competências: capacidade de análise, respeito aos procedimentos, organização de trabalho, facilidade de comunicação, trabalho em equipe, discrição, empatia, foco na tarefa, disciplina e visão sistêmica. Essas competências são desejáveis, mas não são excludentes. a) Avaliador interno (equipe própria ou corporativa) - A participação de um avaliador interno é recurso adotado por muitas organizações que aplicam o processo de auto-avaliação sistematicamente. Consiste em desenvolver pessoas, com vínculo empregatício, nos conceitos de um modelo de excelência em gestão, para atuar no processo em todas as suas etapas. Compete-lhe aplicar a auto-avaliação no seu conceito mais genuíno, ou seja, faça você mesmo. O custo e a manutenção das competências pela organização é que constituem os benefícios desta escolha. b) Avaliador independente - A inclusão de um avaliador independente no processo favorece a isenção na identificação dos pontos fortes, e principalmente, das oportunidades para melhoria. Essa escolha consiste em selecionar um especialista nos conceitos de modelos de excelência em gestão, tendo-se a extensão do seu trabalho definida pela organização, podendo-se participar desde a elaboração do questionário ou relatório de gestão até o acompanhamento da implementação do plano de ação. Na intenção de adotar requisitos próprios da organização no processo de auto-avaliação, uma adaptação do avaliador a estes requisitos é requerida. A visão externa e imparcial de um especialista são os grandes benefícios dessa escolha. 18 Cadernos de Excelência. FNQ Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias

19 Avaliadores interno e independente (equipe mista) - A compatibilização dos dois critérios acima, o que é muito comum entre as organizações praticantes do processo, soma-se à visão externa e imparcial de um avaliador independente, o conhecimento da organização pelo avaliador interno. Conceitos e práticas enriquecem o processo de auto-avaliação. A aplicação desta escolha considera que um avaliador independente atue como sênior, mediando a avaliação, suportado por um avaliador interno conhecedor das práticas da organização. Os benefícios dessa escolha se encontram na diversidade da experiência dos avaliadores. PROCESSO DE AUTO- AVALIAÇÃO E GESTÃO DE MELHORIAS PERGUNTA-CHAVE Como deve ser conduzida uma auto-avaliação? O processo de auto-avaliação e de gestão de melhorias apresentado na figura 5, e denominado neste documento como processo de auto-avaliação, pode ser aplicado por organização de qualquer tipo e tamanho, seja completa, autônoma, multilocalidades, área ou unidade. Os limites deste processo envolvem a sensibilização das pessoas da organização na sua realização até a conclusão da implementação das melhorias identificadas. Figura 5: O processo de auto-avaliação e gestão de melhorias Fonte: Elaboração própria, 2006 Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias Cadernos de Excelência. FNQ 19

20 A) ETAPA 1 - CONTEXTUALIZAÇÃO A sensibilização deve possibilitar condições para a mudança da cultura interna da organização e melhorar o nível de entendimento dos conceitos do Modelo de Excelência. A etapa de contextualização é primordial para o sucesso de todo o processo. Compreende a necessidade de estabelecer o benefício esperado pela organização, conforme citado na Introdução deste documento, com a condução deste processo. Na experiência obtida pelas organizações que aplicam este processo e de acordo com os membros da European Foundation for Quality Management (EFQM) com experiência em auto-avaliação, a maior probabilidade do sucesso existe quando a Direção da organização atua ativamente no processo e possui sólida compreensão do Modelo de Excelência e dos conceitos fundamentais da excelência. Esta etapa subdivide-se em: APRESENTAÇÃO DO OBJETIVO DA AUTO-AVALIAÇÃO Deve ser conduzida pelo patrocinador do processo de auto-avaliação, de forma a encorajar todos os que serão envolvidos no processo. Várias ferramentas podem ser utilizadas nesta etapa: identificar os concorrentes que aplicam o processo; apresentar casos de sucesso na condução deste processo; garantir um patrocinador pela Direção da organização; e demonstrar a aplicação estratégica do processo. A descrença no modelo ou o paradigma de que se trata de mais um modismo ou mais uma atividade para se realizar são posturas defensivas e orientadas para o status quo, levando o processo ao insucesso. Um ambiente propício de confiança e de vontade de trabalhar em equipe para melhorar a gestão da organização como um todo tem grande importância. O comprometimento com a melhoria contínua deve ser premissa na gestão. Com este princípio, a sensibilização para a auto-avaliação será facilitada. Se necessário, o processo de auto-avaliação poderá ter prosseguimento depois de algumas rodadas de entendimento dos benefícios e disseminação dos conceitos do modelo adotado. A comunicação com os envolvidos no processo deve esclarecer quem será o condutor, o período em que se realizará, os participantes do processo, onde ocorrerá e qual técnica será aplicada. conforme o Modelo de Comunicação (Quadro 1). A comunicação a partir da Direção da organização é de extrema relevância. Resumindo, a sensibilização é uma atividade de esclarecimento sobre o objetivo da aplicação da auto-avaliação, de todo seu processo e dos benefícios para a organização. 20 Cadernos de Excelência. FNQ Auto-Avaliação e Gestão de Melhorias

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

CADERNOS DE EXCELÊNCIA GUIA DE AUTO-AVALIAÇÃO

CADERNOS DE EXCELÊNCIA GUIA DE AUTO-AVALIAÇÃO CADERNOS DE EXCELÊNCIA GUIA DE AUTO-AVALIAÇÃO SÉRIE CADERNOS DE EXCELÊNCIA RESPONSABILIDADE Marcelo Marinho Aidar Superintendente de Premiação e Aplicações do MEG REDAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Paulo Sergio

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q

Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q Instituição atualiza Fundamentos da Excelência e lança produtos que ajudam empresas a melhorar seus sistemas de gestão Ao longo dos 15 anos de

Leia mais

Modelos de Excelência da Qualidade da Gestão

Modelos de Excelência da Qualidade da Gestão Modelos de Excelência da Qualidade da Gestão Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Principais Prêmios da Qualidade da Gestão Prêmio Malcolm Baldrige Prêmio Europeu da Qualidade Japan Quality

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. Dr. Jorge Muniz Jr. Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade

Leia mais

SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO!

SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO! SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO! O ambiente de Tecnologia da Informação (TI) vem se tornando cada vez mais complexo, qualquer alteração ou configuração incorreta pode torná-lo vulnerável

Leia mais

Patrocínio Institucional da FNQ

Patrocínio Institucional da FNQ Patrocínio Institucional da FNQ 1 Fundação Nacional da Qualidade 2 MISSÃO Disseminar os fundamentos da excelência em gestão para o aumento de competitividade das organizações e do Brasil. VISÃO 2010 Ser

Leia mais

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA AvAliAção e diagnóstico da gestão organizacional 19ª edição FUNDAÇÃO NACIONAL DA QUALIDADE 19ª Edição Janeiro/2011 Válida a partir de 24/01/2011 CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA Utilizando

Leia mais

#6 GESTÃO POR PROCESSOS

#6 GESTÃO POR PROCESSOS #6 GESTÃO POR PROCESSOS ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de processo 3. Gestão de processos no MEG 4. Processos gerenciais e o MEG 5. Gestão POR processos ou gestão DE processos? 6. Organização funcional

Leia mais

Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade

Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade As orientações aqui inseridas visam à antecipação de dúvidas que possam surgir durante o processo de avaliação. Não visam substituir ou suplantar as conclusões

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Modelo de Excelência da Gestão

Modelo de Excelência da Gestão Modelo de Excelência da Gestão Índice 1. Apresentação 2 2. Por que o Modelo de Excelência da Gestão? 3 3. Evolução do MEG 4 4. Características do MEG 6 5. Benefícios do MEG 7 6. Estrutura do MEG 9 7. Fundamentos

Leia mais

MANUAL DO ORIENTADOR

MANUAL DO ORIENTADOR PRÊMIO CATARINENSE DE EXCELÊNCIA 2013 MANUAL DO ORIENTADOR Florianópolis SC Elaborado por: Alice Carneiro de Castro Consultora Técnica do PCE 2013 Aprovação: Michele Gabriel Gerente Executiva do MCE Fontes:

Leia mais

MODELO DE EXCENCIA DA GESTÃO DA FNQ E NORMAS NBR ISO 9004/ NBR ISO 9001: MODLEOS COMPLEMENTARES OU CONCORRENTES

MODELO DE EXCENCIA DA GESTÃO DA FNQ E NORMAS NBR ISO 9004/ NBR ISO 9001: MODLEOS COMPLEMENTARES OU CONCORRENTES 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 MODELO DE EXCENCIA DA GESTÃO DA FNQ E NORMAS NBR ISO 9004/ NBR ISO 9001: MODLEOS COMPLEMENTARES OU CONCORRENTES Sergio Bonfa (UFSCar) sbonfa@uol.com.br As organizações,

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

3.9 Malcolm Baldrige Award

3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award (MBA) Criado pelo Congresso dos Estados Unidos em 1987, o Baldrige National Quality Program (Programa Nacional de Qualidade Baldrige) foi instituído

Leia mais

CADERNOS DE EXCELÊNCIA PESSOAS

CADERNOS DE EXCELÊNCIA PESSOAS 2007 CADERNOS DE EXCELÊNCIA PESSOAS SÉRIE CADERNOS DE EXCELÊNCIA RESPONSABILIDADE Antônio Tadeu Pagliuso Superintendente Geral Sérgio Queiroz Bezerra Gerente Técnico REDAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Paulo Sergio

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Estratégias de atuação da FNQ

Estratégias de atuação da FNQ Estratégias de atuação da FNQ Mudanças na estrutura organizacional FNQ Estrutura organizacional principais mudanças Direção Executiva COMEX Diretor Executivo: Ricardo Correa Martins Principais Processos

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Pré-curso SAG 2015 1

Pré-curso SAG 2015 1 Pré-curso SAG 2015 1 Objetivo do Pré-Curso PREPARAR o participante para o curso de Agentes do SAG, segundo os Critérios do Sistema de Avaliação da Gestão do PGQP. 2 APRESENTAÇÃO O Programa Gaúcho da Qualidade

Leia mais

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS Daniel Gueiber (UTFPR) gueiber@copel.com Cezar Augusto

Leia mais

Avaliação da Gestão. Bruno Carvalho Palvarini

Avaliação da Gestão. Bruno Carvalho Palvarini Avaliação da Gestão Bruno Carvalho Palvarini Departamento de Inovação e Melhoria da Gestão Secretaria de Gestão Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Origem dos Critérios de Excelência:

Leia mais

Acessar o portal http://nepmaranhao.jimdo.com. Efetuar o download da pasta INSTALA SAMEG para o desktop do computador (tela/monitor)

Acessar o portal http://nepmaranhao.jimdo.com. Efetuar o download da pasta INSTALA SAMEG para o desktop do computador (tela/monitor) MANUAL DO SAMEG 1.0 I - PASSOS PARA A INSTALAÇÃO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA: Acessar o portal http://nepmaranhao.jimdo.com Acessar a aba SOFTWARES do portal. Acessar o ícone SAMEG Clicar em Baixar Efetuar

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

CTSA Comissão Técnica do Sistema de Avaliação

CTSA Comissão Técnica do Sistema de Avaliação CTSA Comissão Técnica do Sistema de Avaliação Equipe de trabalho da CTSA Carlos Eduardo Franco Carlos Guilherme M. Pedroso Cláudio Luiz Turatto Danilo da Costa Duarte Emanuela Tressoldi Schneider (Secretaria

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Anuário Inovação Época Negócios: Critérios de Avaliação 2008 SUMÁRIO

Anuário Inovação Época Negócios: Critérios de Avaliação 2008 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. O FÓRUM DE INOVAÇÃO DA FGV-EAESP E A ORGANIZAÇÃO INOVADORA 3 3. A FNQ E O MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO 6 4. PROJETO ANUÁRIO INOVAÇÃO ÉPOCA NEGÓCIOS 9 5. ESTRUTURA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

Publicação anual da. Projeto Rede Nacional da Gestão Rumo à Excelência. Edição, projeto e produção gráfica Folie Comunicação

Publicação anual da. Projeto Rede Nacional da Gestão Rumo à Excelência. Edição, projeto e produção gráfica Folie Comunicação Rumo à Excelência 2006 - Critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional Publicação anual da Realização FNQ - Fundação Nacional da Qualidade Avenida das Nações Unidas, 11.857, 6º andar,

Leia mais

14/12/2010. Convite. Olá! Seja bem vindo a mais uma etapa da Preparação da Banca Examinadora do Prêmio Qualidade RS 2011.

14/12/2010. Convite. Olá! Seja bem vindo a mais uma etapa da Preparação da Banca Examinadora do Prêmio Qualidade RS 2011. Preparação para a Banca Examinadora PBE-2011 Pré-curso 1 Convite Olá! Seja bem vindo a mais uma etapa da Preparação da Banca Examinadora do Prêmio Qualidade RS 2011. Eu sou o João Sabido, e vou lhe acompanhar

Leia mais

CADERNOS DE EXCELÊNCIA PESSOAS

CADERNOS DE EXCELÊNCIA PESSOAS CADERNOS DE EXCELÊNCIA PESSOAS SÉRIE CADERNOS DE EXCELÊNCIA RESPONSABILIDADE Marcelo Marinho Aidar Superintendente de Premiação e Aplicações do MEG REDAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Paulo Sergio Duarte de Almeida

Leia mais

Apresentação Voll Trix MCE ADVB/SC SBC, ACIJ

Apresentação Voll Trix MCE ADVB/SC SBC, ACIJ Apresentação Voll» Inteiro, pleno(alemão) Trix» Teoria das matrizes(inglês) Desde 2005 Associada ao MCE, ADVB/SC, SBC, ACIJ Parceria com a ABINFER(2013) - Modelo de Gestão p/ Ferramentarias * Fortalecer

Leia mais

Modelo de Excelência da Gestão. Plataforma da Informação

Modelo de Excelência da Gestão. Plataforma da Informação Modelo de Excelência da Gestão Plataforma da Informação Modelo de Excelência da Gestão; Uma visão sistêmica da gestão organizacional. O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) é o carro-chefe da FNQ para

Leia mais

Mapeamento de processos para desenvolvimento organizacional em serviços de TI

Mapeamento de processos para desenvolvimento organizacional em serviços de TI Mapeamento de processos para desenvolvimento organizacional em serviços de TI Ângela de Moura Ferreira Danilevicz¹, Camila Fraga Serafim¹, Jussara Issa Musse² ¹ Departamento de Engenharia de Produção e

Leia mais

Elaboração de Metodologia de Benchmarking Colaborativo. Relatório do Produto V

Elaboração de Metodologia de Benchmarking Colaborativo. Relatório do Produto V Elaboração de Metodologia de Benchmarking Colaborativo Relatório do Produto V 28 de fevereiro de 2013 Relatório do Produto V 28/02/13 Preparado por Ricardo Motta MR Business Consultoria Empresarial 1.

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

CADERNOS DE EXCELÊNCIA LIDERANÇA

CADERNOS DE EXCELÊNCIA LIDERANÇA 2007 CADERNOS DE EXCELÊNCIA LIDERANÇA SÉRIE CADERNOS DE EXCELÊNCIA RESPONSABILIDADE Antônio Tadeu Pagliuso Superintendente Geral Sérgio Queiroz Bezerra Gerente Técnico REDAÇÃO COORDENAÇÃO Paulo Sergio

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Gestão da Mudança na Implantação de um Escritório de Processos

Gestão da Mudança na Implantação de um Escritório de Processos de um Escritório de Processos - Os principais pontos de atenção, seus sintomas e as medidas que o Gestor do Escritório de Processos deve adotar durante a sua implantação - Introdução...2 A Importancia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA IMPLANTAR AS TRANSFORMAÇÕES GERENCIAIS NAS ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS

ORIENTAÇÃO PARA IMPLANTAR AS TRANSFORMAÇÕES GERENCIAIS NAS ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS ORIENTAÇÃO PARA IMPLANTAR AS TRANSFORMAÇÕES GERENCIAIS Realização Apoio GESPÚBLICA Programa de Excelência na Gestão Pública do Estado de Goiás Orientações para implantação Goiânia - 2009 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

PNQS 2014 IGS RDPG PRÊMIO CIPA

PNQS 2014 IGS RDPG PRÊMIO CIPA PNQS 2014 IGS RDPG PRÊMIO CIPA Mudança de cultura na gestão de segurança e saúde por meio do estímulo e reconhecimento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

O Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs)

O Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs) em Gestão Rumo à em Gestão 2014 Confederação Nacional do Comércio Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Disponível também em: http://www.cnc.org.br/servicos/servicos-para-sindicatos-e-federacoes/

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *Edição 2013* Participante: Cia Ultragaz S.A. Categoria: Infraestrutura Título Ultragaz na busca da excelência da Gestão Ultragaz na Busca da Excelência da Gestão Uma

Leia mais

#12 FERRAMENTAS DE GESTÃO

#12 FERRAMENTAS DE GESTÃO #12 FERRAMENTAS DE GESTÃO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Apresentação Importância de buscar a excelência da gestão O uso das ferramentas para a gestão Dicas para a melhor utilização das ferramentas de gestão

Leia mais

Critérios Primeiros Passos para a Excelência

Critérios Primeiros Passos para a Excelência Modelo de Excelência da Gestão - (MEG) CRITÉRIOS PRIMEIROS PASSOS PARA A EXCELÊNCIA Utilizando os Critérios Primeiros Passos para a Excelência como referência, uma organização pode realizar uma autoavaliação

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

PREPARAÇÃO DE UMA EMPRESA PARA CONCORRER AO PRÊMIO NÍVEL I DO PGQP

PREPARAÇÃO DE UMA EMPRESA PARA CONCORRER AO PRÊMIO NÍVEL I DO PGQP PREPARAÇÃO DE UMA EMPRESA PARA CONCORRER AO PRÊMIO NÍVEL I DO PGQP Ringo Ottmar Richter (FAHOR) rr000737@fahor.com.br Leandro Dorneles (URI-Santo Ângelo) leandro1902@gmail.com Marcos Eduardo Servat (SETREM)

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO (MEG)

INTRODUÇÃO AO MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO (MEG) CADERNOS RUMO À EXCELÊNCIA INTRODUÇÃO AO MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO (MEG) SÉRIE CADERNOS RUMO À EXCELÊNCIA RESPONSABILIDADE Antônio Tadeu Pagliuso Superintendente Geral Marcelo Marinho Aidar Superintendente

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

CADERNOS DE EXCELÊNCIA ESTRATÉGIAS E PLANOS

CADERNOS DE EXCELÊNCIA ESTRATÉGIAS E PLANOS CADERNOS DE EXCELÊNCIA ESTRATÉGIAS E PLANOS SÉRIE CADERNOS DE EXCELÊNCIA RESPONSABILIDADE Marcelo Marinho Aidar Superintendente de Premiação e Aplicações do MEG REDAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Paulo Sergio Duarte

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Autoavaliação da Gestão Pública - 250 Pontos. Guia para utilização da Planilha Eletrônica

Autoavaliação da Gestão Pública - 250 Pontos. Guia para utilização da Planilha Eletrônica Autoavaliação da Gestão Pública - 250 Pontos Guia para utilização da Planilha Eletrônica Avaliar a gestão de uma organização significa verificar o grau de aderência das suas práticas de gestão em relação

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ)

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia.

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia. Avaliação de Desempenho- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Alinhamento do desempenho humano ao organizacional Veremos agora o alinhamento do desempenho humano ao organizacional. Segundo Souza (2005),

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

PRÁTICAS GERENCIAIS COMO INSTRUMENTO DE

PRÁTICAS GERENCIAIS COMO INSTRUMENTO DE PRÁTICAS GERENCIAIS COMO INSTRUMENTO DE MELHORIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE UNIDADES PÚBLICAS DE SAÚDE QUE ADOTARAM MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO VISANDO A MELHORIA NOS RESULTADOS MEIRELANE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CAU Exercício 2013

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CAU Exercício 2013 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CAU Exercício 2013 Aprovado na 11ª Reunião Plenária. Brasília/DF, 04 de outubro de 2012. CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL CAU/BR SCN Quadra 01, BL. E, Ed. Central

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais