WITTGENSTEIN PSICÓLOGO?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WITTGENSTEIN PSICÓLOGO?"

Transcrição

1 WITTGENSTEIN PSICÓLOGO? JOSELÍ BASTOS DA COSTA Resumo: Wittgenstein critica a Psicologia de sua época, particularmente o mentalismo formulado numa perspectiva essencialista e o uso de uma linguagem fisicalista para descrever a vida mental. Wittgenstein acentua o caráter social da significação das vivências subjetivas, enfatizando a compreensão da vida mental e da causalidade psíquica em função do contexto social e da cultura, influenciando a renovação crítica da Psicologia. Palavras-chave: Wittgenstein e Psicologia, linguagem e Psicologia, linguagem e construtivismo social L udwig Wittgenstein encerra suas Investigações Filosóficas principal texto de sua filosofia madura e que caracteriza o segundo Wittgenstein com uma observação desencantada e irônica sobre a Psicologia, afirmando que Existem na Psicologia métodos experimentais e confusão conceitual. (Como, noutro caso, confusão conceitual e métodos de demonstração.) (WITTGENSTEIN, 1979). Na verdade, quase toda a sua obra está eivada de referências, sempre em tom crítico, à Psicologia. Mas a que Psicologia, ou melhor dizendo, a quais Psicologias ele se refere e por que as critica? 817

2 818 Comecemos pela Segunda Questão para Depois Passar à Primeira A principal estratégia do homem para lidar com o mundo é representá-lo por meio de um comportamento simbólico, a fala e de seu produto, as expressões lingüísticas. Mas o que faz os homens entenderem-se sobre suas representações do mundo? Existiria nos homens algum aspecto subjetivo anterior à linguagem que lhes permitiria validar o seu conhecimento do mundo ou este conhecimento resultaria de um acordo permanentemente renovado entre eles quanto ao significado dos elementos usados para representar o mundo? A própria questão, assim formulada, já traz em si as possibilidades de resposta. Numa perspectiva, o significado de uma palavra é dado a partir de elementos concretos ou abstratos exteriores à linguagem, pertinentes ao mundo físico ou mental. As palavras são então entendidas como definidas a partir de elementos que existem independentemente da existência de expressões lingüísticas que os identifiquem. O significado é dado mediante o estabelecimento de uma relação entre a palavra e um objeto ou fenômeno qualquer, e a palavra seria uma representação desse objeto ou fenômeno. Já numa outra perspectiva, não é possível entender palavras a partir de sua relação com coisas e fenômenos do mundo físico ou mental, uma vez que as palavras só podem ser definidas em seu significado pela maneira como se faz uso delas, pelo modo como uma determinada comunidade lingüística as usa. Ludwig Wittgenstein, em contraposição a seu Tractatus Logico-philosophicus, que de certo modo se situava na primeira posição, diz em suas Investigações Filosóficas que o significado de uma expressão lingüística não decorre de sua vinculação a um objeto e sim do seu uso específico por uma comunidade lingüística. Para ele, a significação de uma palavra é o seu uso na linguagem 1. A linguagem é por ele concebida como uma instituição, um produto social 2. O texto Investigações Filosóficas é na realidade, em grande parte, dedicado ao combate à compreensão da linguagem em termos nominativos e de correspondência entre palavra e mundo. A linguagem é nele concebida como um jogo, com suas regras e fins evidentes nas combinações e efeitos das palavras. A atividade

3 lingüística é apenas um tipo de atividade humana, relacionada com os outros tipos de atividades, num contexto determinado, sob certas condições físicas específicas e exercido em função das necessidades humanas. O problema do significado das palavras é, então, expresso em termos de sua adequação como resposta num sistema de respostas integradas e em termos de suas funções na vida humana (POLE, 1966). Para analisar o modo como a linguagem funciona e seus significados, Wittgenstein desenvolveu o conceito de jogos de linguagem, que é definido pelos modos de uso das palavras; ele faz uso de exemplos simplificados de jogos de linguagem, mas estes jogos podem ser complexificados indefinidamente pela anexação de outros elementos 3. Este conceito é aplicado a todo conjunto integrado de usos de elementos lingüísticos que forme um complexo dentro do corpo de uma linguagem natural. Decorre daí que cada uso específico das palavras consiste num jogo de linguagem específico, e, desse modo, uma linguagem, natural não é mais que um nexo de jogos de linguagem. Fora dos jogos de linguagem as palavras não podem possuir significado (POLE, 1966). É neste sentido que o uso de uma palavra define o seu significado. Enquanto articulação de jogos, a linguagem só pode ser entendida como conjunto de regras estipuladas por convenções de uso que definem, delimitam e integram os seus diversos elementos lingüísticos. Mas o uso a que Wittgenstein se refere não é o uso fáctico da palavra e, sim, o seu uso correto, entendido como a concordância com as regras de uso da palavra estabelecidas e praticadas por uma comunidade lingüística 4. Uma palavra pode ser usada, de fato, de diversas maneiras incompatíveis mas apenas o seu uso correto, quando se cumprem certas condições determinadas, relativas à sua aplicação a uma ou outra situação de uso e a um ou outro objeto, é que permite uma delimitação adequada de seu significado. A adequação da palavra a essas condições implica na observância de uma série de elementos que delimitam o uso significativo da palavra, quais sejam gestos, expressões faciais, ou mesmo circunstâncias de uso estabelecidas pela comunidade lingüística e adquiridas através do treino e da experiência, enfim, toda a lógica do modo como as palavras são usadas pela comunidade lingüística. Wittgenstein chama a essa lógica de palavras, expressão que 819

4 820 se refere aos conjuntos de regras extralingüísticas, regras de uso da linguagem para propósitos não-lingüísticos, vinculados às necessidades e à vida humana e expressas nos jogos de linguagem. Para ele é essa gramática das palavras que explicita a ligação entre linguagem e realidade (HINTIKKA; HINTIKKA, 1994). Wittgenstein admite um vínculo associativo entre a palavra e o objeto, dado no momento da ostensão enquanto técnica de ensino da linguagem 5 mas recusa o conceito de definição ostensiva (entendido como uma conexão conceitual entre significado e objeto) e prefere o de ensino ostensivo 6 (entendido como uma conexão conceitual entre significado e uso). As ligações entre a linguagem e o mundo são assim constituídas num contexto de uso convencionado da palavra por parte de uma comunidade lingüística 7, com ênfase na sua gramática, expressa através dos jogos de linguagem os quais são adquiridos em função do treinamento 8. A questão que se coloca então é a rejeição de uma correspondência perfeita entre palavra e pensamento, entre signos e imagens mentais, entre linguagem e significados mentais. É nesse sentido que Wittgenstein propõe substituir a pergunta o que é o significado de uma palavra? pela pergunta o que é a explicação do significado de uma palavra?, uma vez que assim se remete não à procura de um objeto ou imagem mental a ela correspondente mas sim às regras que regulam o uso dessa palavra (WITTGENSTEIN, 1958). Uma das conseqüências que se pode derivar das idéias de Wittgenstein sobre a linguagem é a impossibilidade do uso de expressões lingüísticas para representar experiências privadas e vivências subjetivas. Não se pode supor uma linguagem privada, uma vez que linguagem é, por definição, um fenômeno de natureza pública. Do modo como ele o entende o uso da comunidade lingüística não se pode falar de um uso correto das palavras de uma linguagem privada e, conseqüentemente, uma linguagem privada não poderia ser chamada de linguagem. Ora, o que é isso se não uma dura e radical crítica ao conceito de mente e ao mentalismo enquanto formulados numa perspectiva essencialista? Uma crítica à própria possibilidade de uma ciência da mente e da vida mental, uma Psicologia, como entendida à sua época, uma ciência à procura das leis causais dos comportamentos e sentimentos do homem nos processos e conteúdos da mente?

5 Entretanto essa postura crítica de Wittgenstein em relação ao mentalismo não pode ser entendida como uma concordância com a posição que, no âmbito da Psicologia de sua época, se propunha antagonista das posições mentalistas, fenomenológicas e essencialistas, o behaviorismo, particularmente a vertente do behaviorismo lógico. O problema tratado por Wittgenstein em seus argumentos sobre a linguagem privada não é, em absoluto, a existência da mente ou das vivências interiores; ele não nega, em absoluto, a existência de dados sensíveis e experiências interiores nem nega o caráter privado dessas experiências e dados. Ele nega, sim, a possibilidade de uso de uma linguagem privada através da qual se possa fazer referência a vivências interiores e a dados sensíveis. Wittgenstein não nega em seu argumento sobre a linguagem privada a existência da mente ou de fenômenos mentais, muito menos a possibilidade de uma linguagem que os descreva; sua preocupação é, a partir da negação da possibilidade lógica de uma linguagem fenomenológica, afirmar a impossibilidade de falar dessas vivências e da mente usando uma linguagem fisicalista. Sua filosofia da linguagem não pode pois, em absoluto, ser considerada behaviorista (ZILHÃO, 1993; HINTIKKA, HINTIKKA, 1994). Ao tratar desse problema, Wittgenstein afirma o uso social como possibilidade de significação no uso de uma linguagem que descreva sensações ou vivências internas. Ele critica o modelo objeto x designação que pressupõe a representação direta de um elemento mental por um nome; para ele as relações entre a vida mental e uma linguagem que a represente são mediadas por jogos de linguagem, o que lhes dá um caráter público e não privado (HINTIKKA; HINTIKKA, 1994). Wittgenstein não nega a existência das vivências privadas, mas acentua o caráter interpessoal da significação dessas vivências; o significado de uma linguagem das sensações é construído através de um esquema interpessoal 9. O que Wittgenstein discute na verdade é a necessidade de um jogo de linguagem público para que se possa falar de sensações e de vida mental, o qual se constitui com base nas deduções de uma lógica explicitada nas manifestações comportamentais e evidências externas dessas experiências e vida mental. As manifestações públicas das vivências privadas, na medida em que compõem jogos 821

6 822 de linguagem, permitem, por sua natureza social, significar essas vivências 10 (HINTIKKA; HINTIKKA, 1994). Mas a natureza pública de uma linguagem que expresse as experiências internas e a vida mental não implica na impossibilidade da natureza privada dessa vida mental, do mesmo modo que a necessidade de um esquema público para significar as sensações e vivências internas não implica na necessidade de que estas sensações e vivências sejam públicas e não privadas (HINTIKKA; HINTIKKA, 1994). Sendo assim, as relações entre as vivências privadas e suas manifestações públicas não são contingentes e sim lógicas, e a discussão da linguagem privada é uma discussão semântica e não epistemológica (HINTIKKA; HINTIKKA, 1994). Do mesmo modo que critica uma linguagem fenomenológica, Wittgenstein também critica o uso de uma linguagem fisicalista para descrever a vida mental, principal característica do behaviorismo lógico (ZILHÃO, 1993). Para ele, o behaviorismo lógico, do mesmo modo que o mentalismo, não passa de confusão conceitual. Entretanto, sua postura em relação às principais correntes da psicologia de sua época foi não apenas crítica mas principalmente inovadora. Ao desenvolver o argumento do fundamento público da linguagem e da sua dependência social, abriu as portas para uma nova compreensão da vida mental e da causalidade psíquica, remetendo-as ao contexto social e à cultura. Seu pensamento influenciou a renovação crítica nas teorizações das vertentes cognitivistas da Psicologia, o redirecionamento conceitual na abordagem behaviorista, que hoje é majoritáriamente cognitivista, tendo abandonado por completo os postulados do behaviorismo lógico; influenciou, principalmente, o surgimento de novas abordagens teóricas centradas no valor explicativo do contexto social e da cultura para o comportamento dos indivíduos, como é o caso do construtivismo social (WILLIAMS, 1985; SCHATZKI, 1993; HOWIE, PETERS, 1996; VAN DER MERWE, VOESTERMANS, 1995). Poder-se-ia então afirmar que, mesmo que para seu aparente desgosto, Wittgenstein é um dos fundadores da Psicologia contemporânea. Notas 1 Wittgestein (1979), I, seção Wittgestein (1979), I, seções 199, 202.

7 3 Wittgestein (1979), I, seções 2, 8. 4 Wittgestein (1979), I, seção Wittgestein (1979), I, seção 6. 6 Wittgestein (1979), I, seções 15, Wittgestein (1979), I, seção Wittgestein (1979), I, seções 197 a Wittgestein (1979), I, seção Wittgestein (1979), I, seção 244. Referências WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. Tradução de José Carlos Bruni. 12. ed. São Paulo: Abril Cultural, (Os Pensadores). Parte II, seção XIV. POLE, D. La ultima filosofia de Wittgenstein. In: FERRATER MORA, J. et al. Las filosofias de Wittgenstein. Barcelona: Oikos-Tau, p HINTIKKA, M. B.; HINTIKKA, J. Uma investigação sobre Wittgenstein. Campinas: Papirus, WITTGENSTEIN, L. The blue and brown books, Oxford: Basil Blackwell, ZILHÃO, A. Linguagem da filosofia e filosofia da linguagem. Lisboa: Colibri, WILLIAMS, M. Wittgenstein s Rejection of Scientific Psychology. Journal for the Theory of Social Behavior, v. 15, n. 2, p , SCHATZKI, T. R. Wittgenstein: Mind, Body, and Society. Journal for the Theory of Social Behavior, v. 23, n. 3, p , HOWIE, D.; PETERS, M. Positioning Theory: Vygotsky, Wittgenstein and Social Constructionist Psychology. Journal for the Theory of Social Behavior, v. 26, n. 1, p , VAN DER MERWE, W. L.; VOESTERMANS, P. P. Wittgenstein s Legacy and the Challenge to Psychology. Theory & Psychology, v. 5, n. 1, p , Abstract: Wittgenstein criticizes Psychology of his time, specially mentalism as an essentialist perspective and the use of fisicalist language to describe mental life. He accentuates social character of subjective experiences emphasizing the comprehension of mental life and psychological causality like a result of social context and culture, influencing the critical renovation of Psychology. 823

8 Key words: Wittgenstein and Psychology, language and Psychology, language and social constructionist psychology 824 JOSELÍ BASTOS DA COSTA Doutor em Psicologia Social. Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFPB.

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima 1 Introdução Esta tese aborda o tema da relação entre mundo e linguagem na filosofia de Nelson Goodman ou, para usar o seu vocabulário, entre mundo e versões de mundo. Mais especificamente pretendemos

Leia mais

SIGNIFICAÇÃO (BEDEUTUNG): APRESENTAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA LINGUAGEM A PARTIR DE WITTGENSTEIN

SIGNIFICAÇÃO (BEDEUTUNG): APRESENTAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA LINGUAGEM A PARTIR DE WITTGENSTEIN 244 SIGNIFICAÇÃO (BEDEUTUNG): APRESENTAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA LINGUAGEM A PARTIR DE WITTGENSTEIN Karina da Silva Oliveira 1 Trataremos da investigação acerca da linguagem, na qual, compreender a dupla

Leia mais

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino.

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. A idéia de ação mediada que trazemos para compreender a sala de aula inspira-se nos estudos de James Wertsch, discutidas em seu livro Mind as Action

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein NOME DO AUTOR: Priscilla da Veiga BORGES; André da Silva PORTO. UNIDADE ACADÊMICA: Universidade Federal de

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

WITTGENSTEIN E A NOÇÃO MINIMALISTA DA VERDADE 1. INTRODUÇÃO

WITTGENSTEIN E A NOÇÃO MINIMALISTA DA VERDADE 1. INTRODUÇÃO WITTGENSTEIN E A NOÇÃO MINIMALISTA DA VERDADE PEREIRA, Julio Henrique Carvalho ; DO CARMO, Juliano Santos Universidade Federal de Pelotas juliohenrique-pereira@hotmail.com Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem 1 AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem Ernesto F. L. Amaral 03 de setembro de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.33-42 & 43-55.

Leia mais

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN)

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) Linguagem, Língua, Linguística Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) e-mail: fredericoa4@gmail.com Encontro 1 Linguagem Linguagem: a capacidade humana de utilizar

Leia mais

Unidade 09. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 09. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 09 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Apresentar as transformações científicas, sociais e culturais que contribuíram para o desenvolvimento de uma abordagem funcional

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 1º Semestre de 2011 Disciplina Obrigatória Destinada: alunos de Filosofia Código: FLF0113 Sem pré-requisito Prof. Dr. João Vergílio Gallerani Cuter Prof. Dr. Maurício de Carvalho

Leia mais

Duas teorias realistas para a interpretação da semântica dos mundos possíveis

Duas teorias realistas para a interpretação da semântica dos mundos possíveis 77 Duas teorias realistas para a interpretação da semântica dos mundos possíveis Renato Mendes Rocha 1 mendesrocha@gmail.com Resumo: O discurso a respeito dos Mundos Possíveis pode ser uma ferramenta bastante

Leia mais

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 01 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Afirmar a importância do estudo da história para a compreensão da Psicologia contemporânea. Destacar a relevância das forças

Leia mais

DISCIPLINA: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura

DISCIPLINA: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura DISCIPLINA: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura O termo behaviorismo foi inaugurado por John B. Watson, publicado em artigo em 1913, que apresentava o título: "A psicologia

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 7) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Linguagem Existe entre o poder da palavra e a disposição da alma a mesma relação entre a disposição dos remédios e a natureza do corpo. Alguns

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Sintaxe do Português I 1º semestre de 2015 sim, ele chegou! Finalmente! Prof. Dr. Paulo Roberto

Leia mais

Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015

Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015 Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015 QUESTÕES PARA O TRABALHO DE REFLEXÃO INDIVIDUAL NOTA PRÉVIA: POR FAVOR LEIA COM ATENÇÃO Esta listagem as questões

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

OS PENSADORES DA EDUCAÇÃO

OS PENSADORES DA EDUCAÇÃO OS PENSADORES DA EDUCAÇÃO PAULO FREIRE, PIAGET, VYGOTSKY & WALLON 01. De acordo com Paulo Freire quando trata da importância do ato de ler, para a construção da visão crítica são indispensáveis: (A) Trabalhar

Leia mais

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA Objetivos Definir Psicologia Descrever a trajetória historica da psicologia para a compreensão de sua utilização no contexto atual Definir Psicologia Organizacional A relacão da

Leia mais

Pensamento e Comportamento controlado por Regras. Psicologia Comportamental. Definição de Auto regras. Definição de Regras

Pensamento e Comportamento controlado por Regras. Psicologia Comportamental. Definição de Auto regras. Definição de Regras Psicologia Comportamental Pensamento e Comportamento controlado por Regras Sugestão de discussão: Comportamento sob controle de regras na clínica comportamental Luciana Verneque Definição de Regras Comportamento

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Pós Graduação em Ensino de Música Ciclo: 2º Ramo: Ano: 1º Designação: Psicologia da Aprendizagem Créditos: 6 Departamento: Ciências Sociais e Pedagogia Tipo: S Área

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro L I B E R D A D E L I B Ousadia E R D A D E Liberdade, em filosofia, pode ser compreendida tanto negativa quanto positivamente. Negativamente: a ausência de submissão; isto é, qualifica a ideia de que

Leia mais

Palavras-Chave: Filosofia da Linguagem. Significado. Uso. Wittgenstein.

Palavras-Chave: Filosofia da Linguagem. Significado. Uso. Wittgenstein. SIGNIFICADO E USO NO TRACTATUS Igor Gonçalves de Jesus 1 Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar o que Wittgenstein, em sua primeira fase de pensamento, mais especificamente em seu Tractatus

Leia mais

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO F2 FORMAÇÃO APRENDES MELHOR ATRAVÉS DA OBSERVAÇÃO, OUVINDO OU PRATICANDO A INFORMAÇÃO QUE RECEBES? Todos somos diferentes quando se trata de aprendizagem e retenção de informação. Existem vários estilos

Leia mais

Searle: Intencionalidade

Searle: Intencionalidade Searle: Intencionalidade Referências: Searle, John, The background of meaning, in Searle, J., Kiefer, F., and Bierwisch, M. (eds.), Speech Act Theory and Pragmatics, Dordrecht, Reidel, 1980, pp 221-232.

Leia mais

O prazer de voar e a arte de se manter vivo.

O prazer de voar e a arte de se manter vivo. 3º Workshop Aeronáutico do Detran/DF O prazer de voar e a arte de se manter vivo. Ten-Cel QOBM Dilene - Psicóloga 29 e 30 de junho de 2011 Brasília Fala baseada em leituras especializada, escutas e contatos

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E PSICOLOGIA EDUCACIONAL E ESCOLAR: DE QUAL BEHAVIORISMO FALAMOS? Natália Pascon Cognetti* (Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Estadual de Maringá,

Leia mais

A RECUSA DE UMA RELAÇÃO DE DETERMINAÇÃO NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS

A RECUSA DE UMA RELAÇÃO DE DETERMINAÇÃO NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS A RECUSA DE UMA RELAÇÃO DE DETERMINAÇÃO NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS Raphaela Silva de Oliveira Universidade Ferderal de São Paulo Mestranda Resumo: Pretendo expor panoramicamente, a partir da apresentação

Leia mais

Introdução à obra de Wallon

Introdução à obra de Wallon Henri Wallon Introdução à obra de Wallon A atividade da criança: conjunto de gestos com significados filogenéticos de sobrevivência. Entre o indivíduo e o meio há uma unidade indivisível. A sociedade é

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. Profº M.Sc. Alexandre Nojoza Amorim

MÉTODO CIENTÍFICO. Profº M.Sc. Alexandre Nojoza Amorim MÉTODO CIENTÍFICO Profº M.Sc. Alexandre Nojoza Amorim NÃO HÁ CIÊNCIA SEM O EMPREGO DE MÉTODOS CIENTÍFICOS. Conceitos É o caminho pelo qual se chega a determinado resultado, ainda que esse caminho não tenha

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

A ARTICULAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM NO SEGUNDO WITTGENSTEIN.

A ARTICULAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM NO SEGUNDO WITTGENSTEIN. A ARTICULAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM NO SEGUNDO WITTGENSTEIN. Fabrício Ferreira Cunha Prof. Drª Mirian Donat (Orientadora) RESUMO O presente trabalho busca mostrar de que maneira a linguagem se apresenta

Leia mais

A PSICOLOGIA SOCIAL EUROPÉIA (PSE)

A PSICOLOGIA SOCIAL EUROPÉIA (PSE) A PSICOLOGIA SOCIAL EUROPÉIA (PSE) Razoes para Manter a Expressão PSE: A expressão PSE é corrente na literatura sobre Psicologia Social na Europa; A PSE corresponde a um movimento institucionalizado; Institucionalização

Leia mais

PsicoDom, v.1, n.1, dez

PsicoDom, v.1, n.1, dez PsicoDom, v.1, n.1, dez. 2007 13 Resenha do livro Categorias Conceituais da Subjetividade Jorge Sesarino 1 Fabio Thá, conhecido nome da psicanálise em Curitiba, foi um dos pioneiros no estudo da obra de

Leia mais

Práxis Educativa (Brasil) ISSN: Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil

Práxis Educativa (Brasil) ISSN: Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil Práxis Educativa (Brasil) ISSN: 1809-4031 praxiseducativa@uepg.br Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil de Souza Pontes, Helaine Maria; Teixeira Kluppel, Gabriela DUVAL, Raymond. Ver e ensinar a

Leia mais

A Informática Na Educação: Como, Para Que e Por Que

A Informática Na Educação: Como, Para Que e Por Que RBEBBM -01/2001 A Informática Na Educação: Como, Para Que e Por Que Autores:José A. Valente Afiliação:Departamento de Multimeios e Nied - Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas - SP javalente@unicamp.br

Leia mais

TEORIAS INTERACIONISTAS - VYGOTSKY

TEORIAS INTERACIONISTAS - VYGOTSKY TEORIAS INTERACIONISTAS - VYGOTSKY Enquanto: As teorias do condicionamento reduzem o indivíduo às determinações dos objetos; A teoria da Gestalt reduz as possibilidades de conhecimento às estruturas pré-formadas.

Leia mais

DIREITO, PSICOLOGIA E

DIREITO, PSICOLOGIA E DIREITO, PSICOLOGIA E COMPORTAMENTO 1. Breve Introdução à Filosofia do Direito 2. Interfaces entre Direito e Psicologia 3. Conceitos Básicos da AC do Direito 4. A Análise Econômica do Direito Seminário

Leia mais

MÉTODOS EM PESQUISA 01/07/ INTRODUÇÃO TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1.1 CONCEITO DE MÉTODO. 1. Introdução. 2. Método Indutivo

MÉTODOS EM PESQUISA 01/07/ INTRODUÇÃO TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1.1 CONCEITO DE MÉTODO. 1. Introdução. 2. Método Indutivo DISCIPLINA: METODOLOGIA CIENTÍFICA CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL PROF. ALEXANDRE PAIVA DA SILVA MÉTODOS EM PESQUISA TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1. Introdução 2. Método Indutivo 3. Leis, regras e fases do método

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

Lógica Proposicional. Prof. Dr. Silvio do Lago Pereira. Departamento de Tecnologia da Informação Faculdade de Tecnologia de São Paulo

Lógica Proposicional. Prof. Dr. Silvio do Lago Pereira. Departamento de Tecnologia da Informação Faculdade de Tecnologia de São Paulo Lógica Proposicional Prof. Dr. Silvio do Lago Pereira Departamento de Tecnologia da Informação aculdade de Tecnologia de São Paulo Motivação IA IA estuda estuda como como simular simular comportamento

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

FILOSOFIA DA MENTE CORRENTES MATERIALISTAS

FILOSOFIA DA MENTE CORRENTES MATERIALISTAS FILOSOFIA DA MENTE CORRENTES MATERIALISTAS Behaviorismo analítico reação contra a tradição dualista positivistas vienenses na década de 30, e mais tarde por Gilbert Ryle, sob influência de Wittgenstein

Leia mais

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS Sumário Apresentação... 11 A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS 1. Razões de nosso interesse por este assunto. Por que usamos a imagem do vale de lágrimas... 21 2. A geologia do vale de lágrimas e

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL O QUE É MATEMÁTICA? Humberto José Bortolossi

COLÉGIO PEDRO II MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL O QUE É MATEMÁTICA? Humberto José Bortolossi COLÉGIO PEDRO II MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL O QUE É MATEMÁTICA? Humberto José Bortolossi http://www.professores.uff.br/hjbortol/ UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE O QUE É MATEMÁTICA

Leia mais

A FORMAÇÃO EM SAÚDE SOB A ÓTICA DO PARADIGMA VITALISTA: VIA DE ENTRADA EM UM MUNDO NOVO. Maria Inês Nogueira

A FORMAÇÃO EM SAÚDE SOB A ÓTICA DO PARADIGMA VITALISTA: VIA DE ENTRADA EM UM MUNDO NOVO. Maria Inês Nogueira UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE A FORMAÇÃO EM SAÚDE SOB A ÓTICA DO PARADIGMA VITALISTA: VIA DE ENTRADA EM UM MUNDO NOVO Maria Inês Nogueira A educação como instância modeladora

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Núcleo Temático: Fundamentos Téoricos Disciplina: Análise Experimental do Comportamento I Professor(es): Cassia Roberta

Leia mais

POR QUE HUME NÃO É EMOTIVISTA? 1 WHY HUME IS NOT EMOTIVIST?

POR QUE HUME NÃO É EMOTIVISTA? 1 WHY HUME IS NOT EMOTIVIST? POR QUE HUME NÃO É EMOTIVISTA? 1 WHY HUME IS NOT EMOTIVIST? GIOVANI M. LUNARDI (UFSC - Brasil) RESUMO is/ought), sympathy judicious spectator Palavras - chave ABSTRACT Keywords I 2 puramente is/ought 3

Leia mais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) A fenômenos B imagem de A (observações Estágio Curricular Supervisionado em Física II D causas? (nãoobserváveis) REALIDADE Leis, Teorias, Princípios

Leia mais

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h Pedagogia 1º Semestre Biologia Educacional EDC602/ 60h Ementa: Identificar os processos biológicos fundamentais diretamente relacionados à situação ensino-aprendizagem. Análise dos fatores genéticos e

Leia mais

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções.

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções. Grice: querer dizer Referências: Grice, Paul, Meaning, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 213-223. Schiffer, Stephen, Meaning, Oxford, Oxford University

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

As línguas de sinais, usadas pelas comunidades surdas, são constituídas de elementos próprios

As línguas de sinais, usadas pelas comunidades surdas, são constituídas de elementos próprios LIBRAS Estrutura gramatical da LIBRAS A língua de sinais tem gramática? A língua de sinais é mímica? As línguas de sinais, usadas pelas comunidades surdas, são constituídas de elementos próprios uma língua

Leia mais

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal Aspectos introdutórios rios Aspectos de conteúdo Copyright, 2005 José Farinha Natureza, objecto e âmbito da Psicologia Social Natureza A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 3 INTRODUÇÃO Este trabalho enfoca o tema epistemologia crítica e foi elaborado segundo a técnica de resumo do texto com

Leia mais

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes PESSOA E AMBIENTE; O ESPAÇO VITAL Todo e qualquer evento psicológico depende do estado da pessoa e ao mesmo tempo

Leia mais

Oconceito do signo lingüístico, apesar de uma longa tradição na

Oconceito do signo lingüístico, apesar de uma longa tradição na O PROBLEMA DO SIGNIFICADO LINGÜÍSTICO E O MATERIALISMO DIALÉTICO 1 * Elena Godoy Oconceito do signo lingüístico, apesar de uma longa tradição na lingüística soviética, levou muito tempo para encontrar

Leia mais

Simbolismo e Realidade (1925) Fundamentos da Teoria do Signo (1938) Signos Linguagem e Comportamento (1946)

Simbolismo e Realidade (1925) Fundamentos da Teoria do Signo (1938) Signos Linguagem e Comportamento (1946) Charles Morris (1901-1979) clássico da semiótica cuja influência no desenvolvimento da história da semiótica foi decisiva nos anos 30 e 40 raízes na semiótica de Peirce, no behaviorismo, no pragmatismo

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

Sistemas de PROFA. LILLIAN ALVARES FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Sistemas de PROFA. LILLIAN ALVARES FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Organização do Conhecimento PROFA. LILLIAN ALVARES FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Sistemas de Organização do Conhecimento tem como principal p objetivo...... a

Leia mais

18 Introdução à. Semântica

18 Introdução à. Semântica 18 Introdução à Semântica 5 Introdução UNIDADE 1: O significado 9 1. Objectivos da Unidade 1 9 1.1. Em busca do sentido 13 1.2. A semiótica 22 1.3. A semântica 30 1.4. A semântica e a cognição UNIDADE

Leia mais

Psicologia Cognitiva I

Psicologia Cognitiva I 1 Psicologia Cognitiva I 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professores responsáveis Docentes 1.2. Síntese descritiva

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL

AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL BASTOS, Rachel Benta Messias Faculdade de Educação rachelbenta@hotmail.com Os seres humanos produzem ações para garantir a produção e a reprodução da vida. A ação

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

Psicologia e Senso Comum. "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS

Psicologia e Senso Comum. ... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história. EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum O que é Psicologia? Como usamos o termo Psicologia? A Psicologia é recente

Leia mais

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION% RELAÇÕESDEPRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTONACOMPREENSÃO DETEXTOS PRESUPPOSITIONANDENTAILMENTRELATIONSINTEXT COMPREHENSION KarinaHufdosReis 1 RESUMO: Partindo das definições de pressuposição e acarretamento,

Leia mais

O desenvolvimento cognitivo da criança. A epistemologia genética de Jean Piaget

O desenvolvimento cognitivo da criança. A epistemologia genética de Jean Piaget O desenvolvimento cognitivo da criança. A epistemologia genética de Jean Piaget Epistemologia Genética Epistemologia genética Teoria sobre a gênese e do desenvolvimento cognitivo da criança (em específico,

Leia mais

PENSAMENTO E FIGURAÇÃO NO TRACTATUS LOGICO-PHILOSOPHICUS TÍTULO Thought and picture in the Tractatus Logico-Philosophicus

PENSAMENTO E FIGURAÇÃO NO TRACTATUS LOGICO-PHILOSOPHICUS TÍTULO Thought and picture in the Tractatus Logico-Philosophicus ISSN 0104-4443 Licenciado sob uma Licença Creative Commons PENSAMENTO E FIGURAÇÃO NO TRACTATUS LOGICO-PHILOSOPHICUS TÍTULO Thought and picture in the Tractatus Logico-Philosophicus Rogério Saucedo Corrêa

Leia mais

Behaviorismo Radical e Educação: o Skinner que poucos conhecem

Behaviorismo Radical e Educação: o Skinner que poucos conhecem Behaviorismo Radical e Educação: o Skinner que poucos conhecem B.F. Skinner B. F. Skinner (1904-1990) Um dos maiores nomes da Psicologia no século XX (prêmio da APA 8 dias antes da sua morte por Destacada

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação - P. Blauth Menezes

Leia mais

A NOÇÃO TRADICIONAL DE VORSTELLUNG SEGUNDO AS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS DE LUDWIG WITTGENSTEIN

A NOÇÃO TRADICIONAL DE VORSTELLUNG SEGUNDO AS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS DE LUDWIG WITTGENSTEIN A NOÇÃO TRADICIONAL DE VORSTELLUNG SEGUNDO AS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS DE LUDWIG WITTGENSTEIN THE TRADITIONAL NOTION OF VORSTELLUNG ACCORDING TO PHILOSOPHICAL INVESTIGATIONS OF LUDWIG WITTGENSTEIN Filicio

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

Representação do Conhecimento, Memória e o Uso de Normas na Investigação Científica

Representação do Conhecimento, Memória e o Uso de Normas na Investigação Científica Seminários em Ciências do Comportamento Representação do Conhecimento, Memória e o Uso de Normas na Investigação Científica Andressa Bonafé Charlise Albrecht Roteiro: 1) Breve introdução à Psicologia Cognitiva

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA Ano letivo de 2014/2015 Disciplina: PSICOLOGIA B 12º ANO Ensino Regular (Diurno) Planificação de Médio e Longo Prazo

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA Ano letivo de 2014/2015 Disciplina: PSICOLOGIA B 12º ANO Ensino Regular (Diurno) Planificação de Médio e Longo Prazo Problemas da Psicologia Conteúdos Conceitos fundamentais Objectivos Capacidades Tempos 1. Como interagem os planos do biológico e do cultural para a constituição do ser humano? Unidade 1 A ENTRADA NA VIDA

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Foucault e a educação Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Prefácio A educação abrange os processos de ensinar e de aprender e se desenvolve em todos os espaços possíveis:

Leia mais

Sugestões para cada seção

Sugestões para cada seção Escrever um Artigo Científico não das tarefas mais fáceis, mas com um as dicas (a seguir), que preparamos para auxiliar estudantes que precisam desenvolver textos científicos, ficará muito mais fácil.

Leia mais

Aula 8 Desenvolvimento da linguagem: a aquisição de nomes e verbos

Aula 8 Desenvolvimento da linguagem: a aquisição de nomes e verbos Aula 8 Desenvolvimento da linguagem: a aquisição de nomes e verbos Pablo Faria HL422A Linguagem e Pensamento: teoria e prática Módulo 1: Aquisição da Linguagem IEL/UNICAMP 26 de setembro de 2016 SUMÁRIO

Leia mais

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 2. ESTATUTO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 2.3 A Racionalidade Científica e a Questão da Objectividade IV Conhecimento e Racionalidade Científica

Leia mais

ATENÇÃO! Material retirado da Internet, que eu considero de fonte segura e confiável. Os endereços estão no fim de cada assunto. O que é Semântica? Semântica provém do vocábulo grego que se pode traduzir

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. José Geraldo Mill Diretor de Pós-Graduação A origem do conhecimento Conhecer: É buscar explicações para os fatos que podem

Leia mais

A INTENCIONALIDADE NOS PARÁGRAFOS 20 A 38 DAS OBSERVAÇÕES FILOSÓFICAS DE WITTGENSTEIN

A INTENCIONALIDADE NOS PARÁGRAFOS 20 A 38 DAS OBSERVAÇÕES FILOSÓFICAS DE WITTGENSTEIN A INTENCIONALIDADE NOS PARÁGRAFOS 20 A 38 DAS OBSERVAÇÕES FILOSÓFICAS DE WITTGENSTEIN Resumo Aluno: Marcio Rodrigo Mello 1 (*) O conceito de intencionalidade é discutido em muitas passagens das Observações

Leia mais

ETNOMATEMÁTICA, TRANSDISCIPLINARIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM CONTEXTOS DE DIVERSIDADE CULTURAL

ETNOMATEMÁTICA, TRANSDISCIPLINARIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM CONTEXTOS DE DIVERSIDADE CULTURAL ETNOMATEMÁTICA, TRANSDISCIPLINARIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM CONTEXTOS DE DIVERSIDADE CULTURAL Hélio Simplicio Rodrigues Monteiro. Mestre em Ensino de Ciências e Matemáticas; Professor

Leia mais

INTERAÇÕES ENTRE AS LINGUAGENS ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA MEDIADO PELO GEOGEBRA

INTERAÇÕES ENTRE AS LINGUAGENS ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA MEDIADO PELO GEOGEBRA INTERAÇÕES ENTRE AS LINGUAGENS ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA MEDIADO PELO GEOGEBRA Evandro dos Santos Paiva Feio paivamat@yahoo.com.br Luciano Augusto da Silva Melo luciano.melo10@gmail.com

Leia mais

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

REVISTA REFLEXÕES, FORTALEZA-CE - Ano 5, Nº 9 - Julho a Dezembro de 2016 ISSN A CRÍTICA DE WITTGENSTEIN AO IDEAL DE LINGUAGEM AGOSTINIANO

REVISTA REFLEXÕES, FORTALEZA-CE - Ano 5, Nº 9 - Julho a Dezembro de 2016 ISSN A CRÍTICA DE WITTGENSTEIN AO IDEAL DE LINGUAGEM AGOSTINIANO A CRÍTICA DE WITTGENSTEIN AO IDEAL DE LINGUAGEM AGOSTINIANO Filicio Mulinari 1 Resumo: A influência do pensamento de Santo Agostinho (354-430) sobre temas da filosofia contemporânea é de fato grandiosa.

Leia mais

TEORIAS ASSISTENCIAIS. Karina Gomes Lourenço

TEORIAS ASSISTENCIAIS. Karina Gomes Lourenço TEORIAS ASSISTENCIAIS Karina Gomes Lourenço Teorias de enfermagem CONCEITO: Linguagem básica do pensamento teórico, define-se como algo concebido na mente (um pensamento, uma noção ) Existem quatro conceitos

Leia mais

JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY

JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY Trabalho de Graduação apresentado ao Curso de Filosofia, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná.

Leia mais