Enunciado de apresentação do projecto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Enunciado de apresentação do projecto"

Transcrição

1 Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução Cenário de Enquadramento Requisitos funcionais Requisitos não funcionais Segurança Tolerância a Faltas Arquitectura Arquitectura do sistema computacional Funcional Desenvolvimento Execução Tecnológica Avaliação Fases de desenvolvimento Pesos Atribuição de responsabilidades por blocos de requisitos Trabalhadores Estudantes Actualizações

2 1 Introdução O projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software (ES) e Sistemas Distribuídos (SD) tem como objectivo que os alunos adquiram competências no processo de especificação e desenvolvimento de aplicações informáticas, com diversas tecnologias, estruturadas em camadas e com distribuição. Os temas chave do projecto são: Engenharia de Software: Mecanismos e técnicas de programação de aplicações estruturadas em camadas Técnicas e metodologias de trabalho em equipa e gestão de projecto. Sistemas Distribuídos: Tecnologia de Web Services para comunicação por chamada de procedimentos remotos (RPC) Requisitos não funcionais da distribuição: segurança, tolerância a faltas. O cenário de implementação para este projecto pretende-se realista. Os alunos irão estudar um sistema já a funcionar no IST, e implementar extensões a este de forma a distribuir o sistema para garantir uma melhor qualidade de serviço e aumentar as suas funcionalidades. Este documento começa por descrever o cenário de enquadramento do problema a resolver, apresentando os requisitos funcionais e não funcionais para o sistema a implementar, o qual consistirá num sistema que utiliza serviços disponibilizados por outros sistemas. Procede-se depois à descrição da arquitectura para o sistema computacional a desenvolver. No final, são descritas as regras de funcionamento dos grupos de trabalho e o processo de avaliação. 2 Cenário de Enquadramento O projecto incide sobre um sistema que permite gerir sugestões. Para tal os alunos irão trabalhar sobre um sistema já existente no IST: o FEARS Feature Request System (ver Figura 1). No FEARS, administradores criam projectos para os quais desejam recolher sugestões de melhorias, e implementar as mais relevantes/prioritárias para a comunidade, seleccionadas através de um mecanismo de votação, e comentários deixados pelos utilizadores. Assim, acedendo ao FEARS, os utilizadores podem criar novas sugestões e votar em sugestões já existentes. As sugestões podem ser pedidos de novas funcionalidades ou de alterações a funcionalidades existentes, com o objectivo de melhorar o serviço. 2

3 Figura 1 Imagem da Interface gráfica do FEARS, em Os alunos são aconselhados a acederem ao site e a testarem as funcionalidades da ferramenta. Actualmente, o FEARS é um serviço centralizado e limitado. Primeiro que tudo, todas as sugestões são centralizadas no mesmo servidor, independentemente do projecto a que dizem respeito. Na eventualidade de um pico de acessos, tal levanta evidentes problemas de escalabilidade. No âmbito deste projecto os alunos deverão distribuir o FEARS, para que coexistam vários servidores FEARS, os quais recolhem sugestões para conjuntos diferentes de projectos. A implementação de várias das sugestões requer também o envolvimento de terceiros para a execução das melhorias. Assim, pretende-se distribuir o FEARS envolvendo também estas entidades. O FEARS distribuido será denominado de FEARSe (FEARS extensions). Irá incluir um portal do utilizador, o qual será o mediador na interacção entre os clientes finais e as várias entidades envolvidas no processo de criar (através do sistema FEARS) e executar (através do sistema Monitor de Projectos) sugestões de melhorias. A Figura 2 apresenta uma visão do cenário de enquadramento. 3

4 Monitor de Projectos FeaRS 1 FeaRS m... Executor de projecto Leitura Portal do Utilizador Leitura / Escrita Cliente Administrador / Gestor Figura 2 Cenário de enquadramento do FEARSe 2.1 Requisitos funcionais O ponto de entrada para o utilizador do FEARSe é um portal do utilizador que permite visualizar todos os projectos disponibilizados pelos vários FEARS, assim como o estado de execução das melhorias sugeridas e aprovadas para esses projectos, utilizando uma interface Web. Cada aplicação desempenha uma função própria no sistema (ver Figura 3): Navegador World Wide Web interface para os utilizadores, que acede ao portal através da Internet. FEARS Aplicação que permite a utilizadores propor novas sugestões sobre determinados projectos registados no FEARS, votar em sugestões propostas por outros utilizadores, assim como introduzir comentários a sugestões Monitor de projecto - recebe tarefas a realizar e monitoriza o estado da sua execução. O Monitor de Projecto é responsável pela gestão da execução de um conjunto de melhorias, disponibilizando uma interface para informar sobre o estado actual da execução das tarefas em curso. Portal do utilizador portal que disponibiliza informação sobre todos os projectos existentes, integrando-a com a que diz respeito ao estado das sugestões em execução pelos Monitores de Projectos. Oferece uma composição de serviços tanto do FEARS como do Monitor de Projectos. Possibilita os utilizadores seguirem a evolução de propostas eleitas nas quais eles tiverem votado. Registo de serviços directório que permite a publicação e pesquisa de serviços Serviços de segurança da informação entidade que implementa mecanismos de suporte à segurança de um sistema. 4

5 Navegador www Portal do Utilizador Registo de Serviços Fornecedor de Serviços FeaRS Serviço de Segurança Figura 3 Relações entre o portal, o FEARS, e os fornecedores de serviços 2.2 Requisitos não funcionais Segurança É necessário proteger as trocas de informação entre as aplicações (FEARS, Monitor de Projecto, Portal de Projectos), garantindo a integridade e confidencialidade das mensagens e fazendo a autenticação dos interlocutores Tolerância a Faltas Será necessário implementar mecanismos para garantir o correcto funcionamento do sistema na nova arquitectura distribuida. 5

6 3 Arquitectura 3.1 Arquitectura do sistema computacional Funcional A arquitectura funcional é constituída por um conjunto de aplicações que fornecem serviços distintos. Todas as aplicações têm uma interface web com o utilizador, sendo que algumas disponibilizam serviços para outras aplicações. Existe uma aplicação mediadora que agrega a informação de várias outras aplicações. Esta aplicação coordena o seu funcionamento e o das restantes aplicações intervenientes no processo Desenvolvimento A estruturação do código da aplicação segue um estilo arquitectural em camadas. Cada camada representa um módulo de código que deve possuir as propriedades de ligação fraca com as camadas acima e abaixo de acordo com as propriedades deste estilo arquitectural. São consideradas 3 camadas: Apresentação responsável pela lógica de apresentação a qual inclui as interfaces e a invocação de serviços; Serviços responsável por controlar os acessos à lógica de negócio do domínio, através de um conjunto de serviços, e pela implementação dos requisitos não funcionais; Domínio contém a lógica de negócio da aplicação, respondendo aos pedidos da camada de serviços; As aplicações da arquitectura funcional são implementadas seguindo esta arquitectura de desenvolvimento. Todas as aplicações que permitam interacção directa com utilizadores têm uma interface Web como camada apresentação. A disponibilização de serviços a outras aplicações faz-se através de Web Services. A camada de serviços da aplicação de mediação pode dividir-se em dois tipos de invocação: local (à sua camada de domínio); e remota (aos serviços das restantes aplicações) Execução Cada uma das aplicações da arquitectura funcional executa num processo independente. Note-se que, adicionalmente, o cliente do sistema executa num processo, que é o processo do navegador WWW, onde não está instalado código das aplicações. Em tempo de execução podem ser registadas novas aplicações de serviços. 6

7 A aplicação de mediação interage com as restantes aplicações ao nível da camada de serviços, pela invocação remota de serviços. É na camada de serviços - locais e distribuídos - que está também localizado o código que trata dos aspectos não-funcionais, como a segurança e a tolerância a faltas. Para isso essa camada implementa o padrão de desenho intercepting filter através de um motor de extensões Tecnológica A plataforma de desenvolvimento e execução do projecto é baseada na plataforma Java. Os detalhes dos componentes a utilizar podem ser consultados nas páginas Web das duas disciplinas. Toda a compilação e configuração deve ser garantida de forma automática através da ferramenta Apache Ant. O ambiente de referência para o desenvolvimento, teste e avaliação é o laboratório das aulas. 7

8 4 Avaliação O projecto de ES e SD é um só para as duas disciplinas e deve ser realizado por alunos inscritos em pelo menos uma das disciplinas. Ao longo de todo o projecto será prestado apoio técnico na utilização da tecnologia nos laboratórios de ES e de SD. O apoio à distribuição de sistemas será efectuado nas aulas de laboratório de SD, enquanto que a gestão de projecto será efectuado nos laboratórios de ES. A avaliação é realizada em conjunto por docentes de ES e SD. 4.1 Fases de desenvolvimento O projecto será realizado de forma faseada, existindo 3 entregas, detalhadas em enunciados a publicar oportunamente. A 1ª parte do projecto irá consistir na refactorização do FEARS para passar a usar uma plataforma aberta a STEPframework. A partir do código actual do FEARS, os alunos deverão encapsular as operações em Serviços da camada lógica de negócio da STEP. Nesta entrega será também realizada a implementação de novas funcionalidades no FEARS. A 2ª parte do projecto irá consistir na implementação de novos subsistemas (Monitor e Portal de Projectos), e novas funcionalidades, no FEARSe. Os alunos deverão implementar o Monitor de Projectos na STEPframework, assim como a aplicação mediadora Portal do Utilizador. Deverão distribuir o sistema, através da criação da camada de web services do FEARS e do responsável por projecto. A aplicação medidora Portal do Utilizador será um cliente dos web services anteriores, oferecendo serviços que os combinam. A 3ª parte do projecto irá consistir na implementação de requisitos não funcionais, nomeadamente de segurança e tolerância a faltas. A calendarização detalhada das aulas de laboratório e das avaliações está disponível na na página Web de cada uma das disciplinas. 4.2 Pesos A distribuição dos pesos de avaliação por fase de desenvolvimento e por disciplina é apresentada na Tabela 1: 1 a fase 2 a fase 3 a fase Início Fim ES SD 18/03/1 31/03/1 25% 10% /04/1 05/05/1 50% 40% /05/1 02/06/1 25% 50% 0 0 Tabela 1: Datas e peso de avaliação por fase e disciplina 8

9 Cada aluno tem uma nota de projecto individual a ES e uma nota de projecto individual a SD. Estas notas podem ser diferentes entre si visto que os itens de avaliação são ponderados de forma diferente em cada disciplina. A nota final mínima é de 9,5 (nove e meio) valores a ES, e de 8,0 (oito) valores a SD. Não há notas mínimas nas entregas intercalares. 4.3 Atribuição de responsabilidades por blocos de requisitos Em cada fase de desenvolvimento do projecto, existem blocos de requisitos cuja implementação é da responsabilidade explícita de um aluno ou subgrupo de alunos. Nas avaliações contínuas, estes alunos terão que responder a questões detalhadas sobre o bloco do qual são responsáveis, para além das questões de âmbito geral do projecto, que devem ser do conhecimento de todos. Os enunciados futuros especificarão que blocos de requisitos terão que ser geridos desta forma. As atribuições de blocos de requisitos terão em conta a situação curricular dos alunos. 4.4 Trabalhadores Estudantes A ES não há qualquer tipo de avaliação alternativa para trabalhadoresestudantes, visto não haver obrigatoriedade de presença nas aulas laboratoriais. O mesmo se aplica a SD, visto os trabalhadores estudantes poderem entregar os exercicios de avaliação na aula seguinte (ou até lá em momento a combinar com docente, no caso de indisponibilidade para frequentar as aulas práticas). 4.5 Actualizações Todas as novidades relevantes sobre o projecto serão afixadas na página Web das disciplinas, por este motivo a sua consulta regular é fortemente recomendada. FIM DO ENUNCIADO 9

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 FEARSe Requisitos para a 1 a entrega 18 de Março de 2010 1 Introdução O projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt Sistemas Distribuídos Engenharia de Software 2º Semestre, 2006/2007 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: OurDocs Sistema de gestão documental ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

Leia mais

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto.

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. Departamento de Engenharia Informática Modelação, Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto Test O Matic 10 de Maio de 2009 1 Índice 1 Índice... 1 2 Sumário...

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos. Requisitos para a 3ª entrega do projecto.

Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto Loja Virtual 5 de Maio de 2008 Índice Índice...2 1 Sumário...3 2 Requisitos...3

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2007/2008 Requisitos para a 1 a entrega Loja Virtual 1 Introdução O enunciado base do projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2013/2014 Enunciado da Quarta Parte do Projecto 1. Introdução Nesta parte final do projecto de ES e SD pretende-se: Estender a solução

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Quarta Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LERC, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2012/2013 Enunciado da Quarta Parte do Projecto 1. Introdução Nesta parte final do projecto de ES e SD pretende-se: Estender a solução

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos. Enunciado Geral do Projecto

Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos. Enunciado Geral do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2 o Semestre 2013/2014 Enunciado Geral do Projecto O objectivo do projecto é criar uma solução informática que facilite

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2014/2015 Enunciado da Primeira Parte do Projecto 1. Primeira Parte do Projecto ES Este enunciado descreve o trabalho a realizar

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010

Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Engenharia de Software LEIC/LERC, 3 o Ano, 2 o Semestre, Ano lectivo de 2009/2010 Segundo Exame 16 de Julho de 2010, 9:00H 11:30H (Versão A) Nome:

Leia mais

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro SUMÁRIO EXECUTIVO Relatório

Leia mais

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade Instituto Superior Politécnico Gaya Disciplina de Seminário Engenharia Informática 2006/2007 cms@ispgaya.pt spss@ispgaya.pt Manual de administração e Controlo de Assiduidade Outubro de 2007 Índice Introdução...

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos. Enunciado Geral do Projecto

Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos. Enunciado Geral do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2 o Semestre 2014/2015 Enunciado Geral do Projecto O que se segue é uma descrição geral do domínio do projecto a desenvolver

Leia mais

Oferta de Estágio. iscriptor. Setembro 2011

Oferta de Estágio. iscriptor. Setembro 2011 Oferta de Estágio iscriptor Setembro 2011 DESCRIÇÃO DO ESTÁGIO Um dos principais desafios das plataformas de informação e de negócio é o acesso e a disponibilidade da sua informação. Em particular e com

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Segunda Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Segunda Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2013/2014 Enunciado da Segunda Parte do Projecto 1. Segunda Parte do Projecto ES A segunda parte do projecto consiste na realização

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

Relatório de Análise de Requisitos

Relatório de Análise de Requisitos Relatório de Análise de Requisitos (15/03/02 Versão 1.0) Gestão de Beneficiários Eduardo Abreu ei98020@fe.up.pt Miguel David ei98019@fe.up.pt Nuno Ferreira ei98003@fe.up.pt Tiago Silva ei98015@fe.up.pt

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

Regulamento Concurso. Enquadramento. A Impresa, a Sojornal e a AEIOU. Base Tecnológica Inicial

Regulamento Concurso. Enquadramento. A Impresa, a Sojornal e a AEIOU. Base Tecnológica Inicial Regulamento Concurso Enquadramento O grupo Impresa irá colaborar com o ISEP desenvolvendo um concurso de software/aplicações web envolvendo os alunos do Departamento de Engenharia Informática (DEI). A

Leia mais

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito Mais informação Acesso ao Sistema de Transferência Electrónica de dados de Inquéritos (STEDI). Onde se acede ao sistema de entrega de Inquéritos? Deverá aceder ao sistema através do site do GEP www.gep.mtss.gov.pt

Leia mais

Especificação do Projecto

Especificação do Projecto MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS Especificação do Projecto Grupo nº: _5 Turno (e campus): Taguspark Nome Número João Vasques 63512 Rui Costa 63524 Mário Nzualo 62551 1 Nome do Projecto Mobile Payment System -

Leia mais

Gestão de projectos na Web

Gestão de projectos na Web Gestão de projectos na Web Relatório de desenho de alto nível Versão 1.0, 5 de Maio de 2003 Telmo Pedro Gomes Amaral (mee02013@fe.up.pt) (Grupo 15) Aplicações na Web Mestrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projetos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projetos em que estão envolvidos, interagindo na otimização dos

Leia mais

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Integração Empresarial Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Luís Costa - 8050120 Abril, 2012 1. Introdução Este documento apresenta detalhadamente o processo de negócio de uma

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI)

Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI) Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI) Resumo A Unidade Curricular (UC) de PI trata a componente de distribuição e actualização da UI em aplicações Web. Estudam-se

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Um sistema SMS 1 simplificado

Um sistema SMS 1 simplificado 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema

Leia mais

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Primeiro Teste 21 de Outubro de 2006, 9:00H 10:30H Nome: Número:

Leia mais

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com A plataforma Sistemas de Gestão de Aprendizagem Carlos Nunes csmnunes@gmail.com O que é o Moodle? É um Sistema de Gestão de Aprendizagem (LMS) e de trabalho colaborativo, acessível através da Internet

Leia mais

Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica

Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica Rui Gaspar, Ricardo Clemente {ruiandre, ricjorge}@student.dei.uc.pt Resumo: Com este projecto pretende-se desenvolver um motor de pesquisa, que implemente conceitos

Leia mais

A PARO QUIA WEB. Inscrições Online PAROQUIANO

A PARO QUIA WEB. Inscrições Online PAROQUIANO A PARO QUIA WEB Inscrições Online PAROQUIANO Manual do processo de Inscrições Online nomeadamente de: Baptismo, Processo de Casamentos e inscrições na Catequese. Índice Introdução... 2 Registo... 3 Registo

Leia mais

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante)

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) 1. Introdução I 2. Primeiros passos I 3. Unidade Curricular I 4. Recursos e atividades O e-campus do ISPA - Instituto

Leia mais

UNIDADE 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

UNIDADE 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Paula Dias Curso: AC/EC1 Ano: 9.º Turma(s): 2 Diagnosticar o estádio de desenvolvimento das competências em TIC dos alunos. Conhecer os conceitos básicos

Leia mais

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo 03 A SÈTIMA A SÉTIMA produz soluções de software maioritariamente com recurso à WEB, de modo a dar suporte ao crescimento tecnológico que é já a maior realidade do século XXI. Esta aposta deve-se ao facto

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

GESTÃO DE CONTEÚDOS WEB

GESTÃO DE CONTEÚDOS WEB Plataforma Visioncast - SigmaContents GESTÃO DE CONTEÚDOS WEB Visioncast - SigmaContents - Sistema de Gestão de Conteúdos Web 1 2 IT Web Soluções / Visioncast.net Plataforma Visioncast - SigmaContents

Leia mais

Projecto Gestão de Frotas (Geonaut) Manual de Utilização

Projecto Gestão de Frotas (Geonaut) Manual de Utilização Este documento pretende mostrar como utilizar todas as funcionalidades disponíveis no Projecto Geonaut através da aplicação rtfrontweb no módulo Geonaut. Módulo/Opção Descrição Disponibiliza todas as funcionalidades

Leia mais

Unidade de Ensino/Aprendizagem 1 - Tecnologias da Informação e Comunicação

Unidade de Ensino/Aprendizagem 1 - Tecnologias da Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem 1 - Tecnologias da Informação e Comunicação 1.1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS Sugestões metodológicas / Situações de - O professor deverá proceder a uma avaliação diagnóstica

Leia mais

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Grupo 2 Carla Alexandra Marques Gregório, nº51840 Nuno Filipe Cruzeiro de Almeida, nº51822 Rogério Araújo Costa, nº51831 1 Introdução No âmbito da disciplina

Leia mais

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade Instituto Superior Politécnico Gaya Disciplina de Seminário Engenharia Informática 2006/2007 Cristina Moreira Silva cms@ispgaya.pt Sandra Patrícia Soares Santos spss@ispgaya.pt Relatório de Definição Livro

Leia mais

Manual de Colaboração

Manual de Colaboração Manual de Colaboração 2 Introdução O zerozero.pt permite aos seus colaboradores a introdução de resultados e datas de jogos de diversas competições. Depois da óptima experiência desenvolvida com a nossa

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos - 2005/2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 3 Introdução à Arquitetura de Software (continuação)

Leia mais

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade)

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade) Escola Básica e Secundária de Velas Linhas de Exploração do Quadro de da Disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Oferta de Escola 2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º

Leia mais

ESTRATÉGIAS /ACTIVIDADES. Fazer uma abordagem teórica e simples

ESTRATÉGIAS /ACTIVIDADES. Fazer uma abordagem teórica e simples Conhecer os conceitos básicos relacionados com as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). Conhecer a terminologia relacionada com as TIC Caracterizar informação Identificar e caracterizar as áreas

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelos e arquitecturas 14/15 Sistemas Distribuídos 1 Modelos arquitecturais 14/15 Sistemas Distribuídos 2 Camadas de Software: o Middleware Aplicações Middleware Sistema Operativo

Leia mais

Acordo de alojamento de servidor

Acordo de alojamento de servidor Acordo de alojamento de servidor Estabelecido entre o Centro de Informática do Instituto Superior Técnico e Docente /Instituto / Secção Março de 2006 Acordo de alojamento de servidor entre o Centro de

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador VM Card Manuais do Utilizador Referência das Definições Web das Funções Avançadas 1 Introdução 2 Ecrãs 3 Definição de Arranque 4 Informações de Função Avançada 5 Instalar 6 Desinstalar 7 Ferramentas do

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

PROJ. Nº 528362 LLP-1-2012-1-NL-ERASMUS-ECUE

PROJ. Nº 528362 LLP-1-2012-1-NL-ERASMUS-ECUE REDIVE GUIA LMS PROJ. Nº 528362 LLP-1-2012-1-NL-ERASMUS-ECUE Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Gestão de Operações. Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Gestão de Operações Sistema de Informação Empresarial Introdução ao Software Baan António Rocha Quintas, Gil Manuel Gonçalves Fevereiro de 2006

Leia mais

Gescom isales. Aplicação Mobile Profissional para Vendedores

Gescom isales. Aplicação Mobile Profissional para Vendedores Aplicação Mobile Profissional para Vendedores Indíce Introdução... 3 Aplicação... 4 Produtos... 4 Categorias... 4 Produtos... 5 Carrinho de Vendas... 6 Encomendas... 7 Clientes... 10 Sincronização... 11

Leia mais

Enquadramento institucional Programas

Enquadramento institucional Programas O e-learning na Universidade de Aveiro (1998-2005) Evento de ensino virtual e e-learning UFP@Porto 28 Jan 2005 Helder Caixinha caixinha@cemed.ua.pt UOe-L Unidade Operacional de e-learning Universidade

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Front-End: corresponde ao que será visualizado pelo utilizador via web. Deve ser acessível para todo e qualquer utilizador.

Front-End: corresponde ao que será visualizado pelo utilizador via web. Deve ser acessível para todo e qualquer utilizador. Projecto Final Introdução O objectivo do projecto final da disciplina de Computação na Internet é colocar em prática todos os conhecimentos adquiridos na disciplina e, assim, desenvolver um sistema que

Leia mais

9º Ano. 1º Período. . Conhecer os conceitos básicos relacionados com a Tecnologias Da Informação e Comunicação (TIC);

9º Ano. 1º Período. . Conhecer os conceitos básicos relacionados com a Tecnologias Da Informação e Comunicação (TIC); 1º Período UNIDADE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 1. Conceitos Básicos 2. Áreas de Aplicação das TIC 3. Introdução á estrutura e funcionamento de um sistema Informático 4. Decisões fundamentais

Leia mais

Rock In Rio - Lisboa

Rock In Rio - Lisboa Curso de Engenharia Informática Industrial Rock In Rio - Lisboa Elaborado por: Ano Lectivo: 2004/05 Tiago Costa N.º 4917 Turma: C Gustavo Graça Patrício N.º 4757 Turma: C Docente: Professora Maria Estalagem

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos exame de recurso, 9 de Fevereiro de 2012 1º Semestre, 2011/2012 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Gestor de Listas de Distribuição de Emails versão: 0.9.1 Nelson Rodrigues DSI 20-07-2010 ÍNDICE: Introdução... 3 Definição de Mailing List... 3 Grupos de endereços

Leia mais

Arquitecturas de Software Mestrado em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Mestrado em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Mestrado em Engenharia Informática e de Computadores Exame 2 de Fevereiro de 2008, 9:00H 11:30H (duração 2:30H) Nome:

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006 EIC Engenharia de Informática e Comunicações Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Engenharia

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Carlos Viegas Damásio José Alferes e Carlos Viegas Damásio Sistemas de Bases de Dados 2014/15 Objectivos - Em Bases de Dados (2º ano) pretendia-se: Que os estudantes fossem capazes

Leia mais

CONTRATOS ITBASE. Ver. 2.0 2010-2011. Documento de suporte comercial

CONTRATOS ITBASE. Ver. 2.0 2010-2011. Documento de suporte comercial Documento de suporte comercial Ver. 2.0 CONTRATOS ITBASE 2010-2011 A presente tabela de preços anula todas as tabelas anteriores, entra em vigor a 1 de Outubro de 2010 até substituição por outra. Esta

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC Processo de Bolonha Regime de transição na FCTUC Aprovado na Comissão Coordenadora do Conselho Pedagógico a 20 de Setembro de 2006, na Comissão Coordenadora do Conselho Científico a 22 de Setembro de 2006,

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Teresa Maria Sá Ferreira Vazão Vasques LERCI LEIC Versão 3.0 Setembro de 2005 Conteúdo

Leia mais