devem ser inovadoras?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "devem ser inovadoras?"

Transcrição

1 Por que as empresas devem ser inovadoras? Verônica de Menezes Nascimento Nagata,Mestre em Engenharia de Produção, Professora da UEPA e UNAMA, Coordenadora da Incubadora de empresas da UEPA- RITU

2 Estrutura da palestra 1. O que é uma empresa inovadora? 2. Por que ser uma empresa inovadora? 3. Como ser uma empresa inovadora? 4.Instituições que apóiam as empresas inovadoras; 5.Quem ganha com as empresas inovadoras?

3 1- O que é uma empresa inovadora? é aquela que implementa um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado; é aquela que implementa um novo processo; é aquela que implementa um novo método de marketing ou um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas.(adaptado do Manual de Oslo, traduzido pela FINEP). É aquela que explora com sucesso novas idéias

4 Empresa inovadora... PRODUTOS EMPRESA INOVADORA MÉTODOS PROCESSOS

5 Inovação de produto (bem) É a introdução de um bem novo ou significativamente melhorado no tocante a suas características ou uso previstos;

6 Inovação de serviço Introdução de um serviço novo ou significativamente melhorado no tocante a suas características ou usos pretendidos; Delivery agregado a serviços já existentes; Di Drive-thru agregado a serviços já existentes;

7 Inovação de processos É a implementação de métodos de produção ou de distribuição ib i novo ou significativamente melhorado; Ex.: processo de envase da Do Bem Quando tem-se inovação em produtos os processos invariavelmente acompanham esta inovação e são redefinidos;

8 Inovação de Marketing É a implementação de um novo método de MKT com mudanças significativas ifi na: Concepção do produto ou na embalagem; Aplicação de um novo conceito ao suco de caixinha(100% integral, só fruta, sem antes); No posicionamento do produto; Identificando-se com o público que valoriza bebidas saudáveis(do Bem); Em sua promoção ou na fixação de preços; Ex.: vendas pela internet com disponibilização do catálogo de produtos;

9 Inovação organizacional É a implementação de um novo método organizacional nas práticas de negócios da empresa, na organização de seu local de trabalho ou em suas relações externas; Ex.: mudanças internas no layout, mobiliário i mais ergonômico, introdução de ginástica laboral para os funcionários proporcionando aumento na produtividade e com isto reduzindo prazos de entrega;

10 2- Por que ser uma empresa inovadora? Mercado; Regulamentações; Incentivos;

11 Mercado Atende às necessidades das pessoas logo é desejado; Vantagem competitiva em relação à concorrência; Produto novo ou melhorado, domínio da tecnologia(produção, comercialização e distribuição) e é desejado pelos clientes; Maior fatia de mercado (atender mais clientes); Maior faturamento; Maior lucratividade;

12 Regulamentações e incentivos i Lei de Inovação Lei de 02/12/2004; Lei do Bem Lei de 21/11/2005;

13 Lei de Inovação Esforço concentrado na pesquisa, desenvolvimento e inovação voltado para o aumento da competitividade das empresas nos mercados interno e externo;

14 Lei de Inovação- pontos relevantes Estímulo às atividades id d inovadoras por empresas de pequeno porte; Concessão de Incentivos Fiscais para as atividades de inovação na empresa; Permite a dedução de até o dobro dos dispêndios em PD&I; Dedução como despesa operacional dos recursos transferidos a micro e pequenas empresas; Subvenção econômica às atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) das empresas; Estabelece a subvenção pública de até 50% dos gastos das empresas com a remuneração de pesquisadores mestres e doutores;

15 Lei de Inovação- pontos relevantes Alocação de recursos públicos nas empresas para o desenvolvimento de produtos e serviços inovadores (incubadoras de empresas); Compras governamentais com prioridade àquelas empresas que invistam em inovação; Maior interação entre o setor privado e o setor gerador de conhecimento (universidades, institutos de pesquisa)na absorção das pesquisas geradas pelas instituições; Compartilhamento da infra-estrutura das instituições de Pesquisa com o setor produtivo;

16 Lei de Inovação Transferência de recursos públicos ao setor produtivo FVA CT-PETRO CT-ENERG CT-INFORMÁTICA CT-SAÚDE União CT-BIOTECNOLOGIA $ CT-AGRONEGÓCIOS CT-TRANSPORTE CT-MINERAL CT-HIDRO CT-AERONÁUTICO CT-ESPACIAL FUNTTEL Contrapartida Monitoramento

17 Lei ido Bem Estabelece os mecanismos para desonerar os investimentos realizados em projetos de inovação; Regulamenta os incentivos fiscais às empresas que investem em inovação tais como: dedução, para efeito de apuração do lucro líquido, de valor correspondente à soma dos dispêndios realizados no período de apuração com pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica classificáveis como despesas operacionais i pela legislação l do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica;

18 Lei ido Bem redução de 50% do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI incidente sobre equipamentos, máquinas, aparelhos e instrumentos, bem como os acessórios sobressalentes e ferramentas que acompanhem esses bens, destinados à pesquisa e ao desenvolvimento tecnológico; E outros incentivos fiscais...

19 3- Como as empresas podem ser inovadoras? Aproximando se das pesquisas e conhecimentos já existentes nas universidades e instituições de pesquisa; Transformando estas pesquisas e conhecimentos já existentes em produtos inovadores e que atendam às necessidades da sociedade; Requer investimento por parte da empresa; Possibilidade de obtenção de financiamentos públicos;

20 3- Como as empresas podem ser inovadoras? Tomando conhecimento das leis e arcabouços jurídicos afeitos ao tema e de seus incentivos para que possa usufruir dos benefícios; Utilizando se dos mecanismos existentes para apoio a empresas inovadoras tais como: Financiamentos públicos e privados; Ações específicas do SEBRAE; Incubadoras de empresas; Inconformando se com a forma em que produtos e serviços são ofertados;

21 4- Instituições que apóiam as empresas inovadoras FINEP Financiadorade de Estudos e Projetos; SEBRAE; SEDECT Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia; Fundo Criatec Fundo de investimento; Incubadoras de Empresas do Pará (da UEPA, da UFPA, do CESUPA, da UFRA e da UNAMA);

22 Quem ganha com as empresas inovadoras? A sociedade beneficiar se á com as funções dos produtos; A comunidade na qual a empresa está implantada geração de emprego e desenvolvimento econômico e social; A empresa ganhos e lucros; o governo impostos e tributos;

23 Para Schumpeter: A força motriz do progresso econômico é a inovação......os agentes da inovação são os Empreendedores.

24 Contatos End.:Travessa Dr. Eneas Pinheiro,2626.Marco. i CCNT/UEPA. Fones: /9517(r. 217). Horários:08 às 12h e 14 às 17h. Hotsite:www2.uepa.br/empreenda Site:www2.uepa.br/ritu Muito obrigada!

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL MEI - MOBILIZAÇÃO EMPRESARIAL PELA INOVAÇÃO 5 UMA NOVA AGENDA PARA PROMOVER A INOVAÇÃO EMPRESARIAL NO BRASIL A capacidade

Leia mais

Incentivos Fiscais à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil:

Incentivos Fiscais à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil: Banco Interamericano de Desenvolvimento Divisão de Competitividade e Inovação (IFD/CTI) Incentivos Fiscais à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil: Uma avaliação das políticas recentes. DOCUMENTO

Leia mais

POLÍTICA INDUSTRIAL, TECNOLÓGICA E DE COMÉRCIO EXTERIOR DO GOVERNO FEDERAL (PITCE): Balanço e Perspectivas

POLÍTICA INDUSTRIAL, TECNOLÓGICA E DE COMÉRCIO EXTERIOR DO GOVERNO FEDERAL (PITCE): Balanço e Perspectivas POLÍTICA INDUSTRIAL, TECNOLÓGICA E DE COMÉRCIO EXTERIOR DO GOVERNO FEDERAL (PITCE): Balanço e Perspectivas Mario Sergio Salerno Professor do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica

Leia mais

BRASÍLIA, 2011 O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL: UMA AGENDA PARA ESTIMULAR A INOVAÇÃO

BRASÍLIA, 2011 O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL: UMA AGENDA PARA ESTIMULAR A INOVAÇÃO BRASÍLIA, 2011 O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL: UMA AGENDA PARA ESTIMULAR A INOVAÇÃO BRASÍLIA, 2011 O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL: UMA AGENDA PARA ESTIMULAR A INOVAÇÃO SUMÁRIO O ESTADO DA INOVAÇÃO NO

Leia mais

O QUE É UMA ACE? As ACEs são entidades da classe empresarial que congregam pessoas jurídicas e físicas de todos os setores da atividade econômica:

O QUE É UMA ACE? As ACEs são entidades da classe empresarial que congregam pessoas jurídicas e físicas de todos os setores da atividade econômica: A FACIAP tem grande interesse na constituição de novas ACEs, assim como no desenvolvimento das que já estão atuando. Para encurtar caminhos e auxiliar novas lideranças que estão assumindo as ACEs e para

Leia mais

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e pesquisas sobre produção, mercado, comércio exterior,

Leia mais

NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM

NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM Denis Borges Barbosa Sobre a lei como um todo A lei compila a legislação existente de incentivos fiscais do setor, revogando toda a bateria existente.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA 1246-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 41 27 de fevereiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA Portaria n.º 57-A/2015 de 27 de fevereiro O Decreto-Lei n.º 137/2014,

Leia mais

Inovação na IBSS CAPÍTULO 6. Apresentação

Inovação na IBSS CAPÍTULO 6. Apresentação CAPÍTULO 6 Inovação na IBSS Apresentação Pesquisa realizada pelo Boston Consulting Group, envolvendo 1.070 executivos de 63 países, mostra uma ascensão considerável da inovação como prioridade estratégica

Leia mais

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado Franquias 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado 1 Índice 1. FRANQUIAS a. O Sistema de Franquias 1. Conhecendo o sistema 2. Quais os principais termos utilizados 3. Franquia x Licenciamento

Leia mais

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios Como elaborar plano um de negócios 1 Especialistas em pequenos negócios BRASÍLIA 2013 Sebrae NA Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Eduardo Pereira Barretto

Leia mais

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios Como elaborar plano um de negócios 1 Especialistas em pequenos negócios BRASÍLIA 2013 Sebrae NA Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Eduardo Pereira Barretto

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação. para o desenvolvimento nacional. O papel do MCT

Ciência, Tecnologia e Inovação. para o desenvolvimento nacional. O papel do MCT Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento nacional O papel do MCT SMR, ConferênciaC,T&I-18/11/2005 Sumário Desenvolvimento tardio em C&T Indústria sem P&D O MCT e a Política Nacional de C,T&I

Leia mais

Análise Interna: Seu Empreendimento Agro está gerando valor?

Análise Interna: Seu Empreendimento Agro está gerando valor? Análise Interna: Seu Empreendimento Agro está gerando valor? Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org): Sócio do Markestrat e coordenador do núcleo de estudos e projetos em gestão estratégica

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA O TERCEIRO SETOR

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA O TERCEIRO SETOR Comissão de Direito do Terceiro Setor CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA O TERCEIRO SETOR Aspectos Jurídicos COORDENADOR Danilo Brandani Tiisel COLABORADORES Carolina Honora Célia Brun Cláudio Ramos Luiz Henrique

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO...4 O CONTEXTO DA INOVAÇÃO NO BRASIL...5. 1. Considerações Iniciais...5. 2. O Grande Vale...6

SUMÁRIO EXECUTIVO...4 O CONTEXTO DA INOVAÇÃO NO BRASIL...5. 1. Considerações Iniciais...5. 2. O Grande Vale...6 O Instituto Inovação apresenta uma atualização do estudo Onde Está a Inovação no Brasil? publicado em 2004. Com grande repercussão em sua primeira edição, o estudo tem como objetivo mapear os centros brasileiros

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Estudos Agosto de 2011

Estudos Agosto de 2011 Estudos Agosto de 2011 Um olhar da Inventta: PLANO BRASIL MAIOR NOVAS OPORTUNIDADES PARA INOVAR? A Inventta analisou as medidas implementadas pelo governo federal e explica as mudanças para o contexto

Leia mais

Cadernos MARE da Reforma do Estado. Organizações Sociais MARE. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado

Cadernos MARE da Reforma do Estado. Organizações Sociais MARE. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado 2 Cadernos MARE da Reforma do Estado Organizações Sociais MARE Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado MARE Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado Ministro Luiz Carlos

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR - ABDI

PLANO BRASIL MAIOR - ABDI PLANO BRASIL MAIOR - ABDI 2011-2014 1 República Federativa do Brasil Dilma Rousseff Presidenta Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Mauro Borges Lemos Ministro (interino) Ministério

Leia mais

Abril Comunicações S.A.

Abril Comunicações S.A. Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores Independentes Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC-04 ATIVO INTANGÍVEL

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC-04 ATIVO INTANGÍVEL COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC-04 ATIVO INTANGÍVEL Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 38 ÍNDICE Conteúdo Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2-7 DEFINIÇÕES 8-17

Leia mais

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Pesquisa 2013/2014 Existe uma percepção disseminada de que, além do peso de toda a carga tributária, as empresas

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. Conheça as mudanças, os procedimentos e os benefícios

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. Conheça as mudanças, os procedimentos e os benefícios Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Conheça as mudanças, os procedimentos e os benefícios BRASÍLIA ABRIL 2007 Sumário APRESENTAÇÃO...2 LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA...4 1ª PARTE: ASPECTOS GERAIS

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 26.6.2014 L 187/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 651/2014 DA COMISSÃO de 16 de junho de 2014 que declara certas categorias de auxílio compatíveis com o mercado interno, em

Leia mais

Inovação nos PEQUENOS NEGÓCIOS

Inovação nos PEQUENOS NEGÓCIOS Inovação nos PEQUENOS NEGÓCIOS Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Unidade de Gestão Estratégica UGE Inovação nos PEQUENOS NEGÓCIOS Dezembro/2013 2014 Serviço Brasileiro de

Leia mais

Uma visão sobre a participação nos lucros e resultados

Uma visão sobre a participação nos lucros e resultados Uma visão sobre a participação nos lucros e resultados Fabiula Silva de Almeida Amanda Resende Batista Francisco Galdino Junior AEDB AEDB AEDB fabiula17@hotmail.com mandinharesende@yahoo.com.br chicaogaldino@gmail.com

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

FACULDADE LOURENÇO FILHO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE LOURENÇO FILHO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS JULIO WAGNER NASCIMENTO ROLIM O CONTROLE INTERNO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FORTALEZA 2010 1 JULIO WAGNER NASCIMENTO ROLIM O CONTROLE

Leia mais

Os Desafios, a competitividade e o futuro da indústria brasileira

Os Desafios, a competitividade e o futuro da indústria brasileira Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Competitividade Exportadora Financiamento à Exportação Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno Desoneração da Folha de

Leia mais

UM MODELO PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

UM MODELO PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA TRABALHO DE GRADUAÇÃO UM MODELO PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE PEQUENAS EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Autor: Rodrigo Queiroz da Costa Lima

Leia mais