Concurso CEF/2014 CETEC POA Prof: Fernando Aprato

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concurso CEF/2014 CETEC POA Prof: Fernando Aprato"

Transcrição

1 Concurso CEF/2014 CETEC POA Prof: Fernando Aprato

2 Programa Seguro- Desemprego

3 Introdução

4 O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º, inciso II dos Direitos Sociais da Constituição Federal e tem por finalidade prover assistência financeira temporária ao trabalhador dispensado involuntariamente (desempregado em virtude de dispensa sem justa causa), bem como a manutenção e busca do emprego, através de uma assistência que possibilite a orientação, rocolocação e qualificação profissional. Embora previsto na Constituição de 1946, foi introduzido no Brasil no ano de 1986, por intermédio do Decreto-Lei n.º 2.284, de 10 de março de 1986 e regulamentado pelo Decreto n.º , de 30 abril de 1986.

5 Após a Constituição de 1988, o benefício do Seguro-Desemprego passou a integrar o Programa do Seguro-Desemprego que tem por objetivo, além de prover assistência financeira temporária ao trabalhador desempregado em virtude de dispensa sem justa causa, inclusive a indireta, auxiliá-lo na manutenção e busca de emprego, promovendo para tanto, ações integradas de orientação, recolocação e qualificação profissional.

6 O Programa foi criado por intermédio da Lei n.º 7.998, de 11 janeiro de 1990, que também deliberou sobre a fonte de custeio, com a instituição do Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT, o que permitiu a definição de critérios de concessão do benefício mais acessíveis e mudanças substanciais nas normas para o cálculo dos valores do Seguro-Desemprego. Essa legislação, também, instituiu o Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, constituído por representantes dos empregadores, dos trabalhadores e do governo, responsáveis pela gestão do FAT.

7 A partir de 20 de dezembro de 1991, por intermédio da Lei nº 8.287, foi criado o Programa Seguro-Desemprego Pescador Artesanal, que se destina ao pagamento do benefício ao Pescador Profissional desde que este, artesanalmente exerça suas atividades de forma individual ou em regime de economia familiar. Em Fevereiro de 2000 o Seguro-Desemprego do empregado doméstico foi instituído por intermédio de Medida Provisória nº , e visa fornecer a assistência temporária ao empregado domestico desempregado, inscrito no Fundo de Garantia de Tempo de Serviço - FGTS, que tenha sido dispensado sem justa causa (Lei n /2001).

8 Ainda em dezembro/91, o Governo Federal, através da Lei n.º 8.352, de 28 de dezembro de 1991, alterou temporariamente o Programa do Seguro-Desemprego, promovendo a abertura de determinados critérios, visando uma maior abrangência do benefício. É importante frisar que esta abertura, prorrogada através das Leis n.º de , n.º 8.561, de , n.º 8.699, de e n.º 8.845, de , expirou-se em junho/1994. A partir de 1º de julho de 1994, entrou em vigor a Lei n.º 8.900, de 30 de junho de 1994, que estabeleceu novos critérios diferenciados para a concessão de parcelas do benefício, quais sejam:

9 I - três parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício com pessoa jurídica ou pessoa física a ela equiparada, de no mínimo seis meses e no máximo onze meses, nos 36 (trinta e seis) meses que antecederam à data de dispensa que deu origem ao requerimento do Seguro-Desemprego; II - quatro parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício com pessoa jurídica ou pessoa física a ela equiparada, de no mínimo doze meses e no máximo vinte e três meses, nos 36 (trinta e seis) meses que antecederam à data de dispensa que deu origem ao requerimento do Seguro-Desemprego; III - cinco parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício com pessoa jurídica ou pessoa física a ela equiparada, de no mínimo vinte e quatro meses, nos 36 (trinta e seis) meses que antecederam à data de dispensa que deu origem ao requerimento do Seguro-Desemprego.

10 A bolsa qualificação prevista na Medida Provisória n.º 1.726, de 3 de novembro de 1998 e na Resolução n.º 200, de 4 de novembro de 1998, do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador CODEFAT, foi concedida a partir de janeiro de 1999, ao trabalhador com contrato suspenso, em conformidade com o disposto em convenção ou acordo coletivo, devidamente matriculado em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador.

11 FONTE DE CUSTEIO

12 A partir da sua criação, pelo Decreto-Lei n.º 2.284, de 10 de março de 1986, as despesas do Seguro-Desemprego correram por conta do Fundo de Assistência ao Desempregado (Lei n.º 6.181, de 11 de dezembro de 1974). Durante o exercício de 1986, o benefício foi custeado pelos recursos provenientes de créditos suplementares, quais sejam: a) o excesso de arrecadação; b) a anulação parcial ou total de dotações orçamentárias ou de créditos adicionais autorizados em lei.

13 Com a promulgação da Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988, a fonte de recursos necessários ao pagamento do benefício foi assegurada por meio do redirecionamento das receitas provenientes das contribuições para o Programa de Integração Social - PIS e para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP. Dos recursos que constituem a receita do Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT, 40% são repassados ao BNDES para aplicação no financiamento em programas de desenvolvimento econômico.

14 O restante dos recursos são destinados ao custeio do Programa do Seguro-Desemprego, que compreende: o pagamento do benefício do Seguro-Desemprego, inclusive o benefício do Pescador Artesanal, a orientação, a intermediação de mão-de-obra e a qualificação profissional executadas pelos Estados e DF mediante convênios; do Programa de Geração de Emprego e Renda - PROGER; do Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar - PRONAF; do Programa de Expansão do Emprego e Melhoria da Qualidade de Vida do Trabalhador - PROEMPREGO e ao pagamento do Abono Salarial do PIS-PASEP.

15 Conceitos para fins do Programa Seguro- Desemprego

16 - dispensa sem justa causa é a que ocorre contra a vontade do trabalhador; - dispensa indireta é a que ocorre quando o empregado solicita judicialmente a dispensa do trabalho, alegando que o empregador não está cumprindo as disposições do contrato; - salário é a contraprestação paga diretamente pelo empregador ao trabalhador; - considera-se salário qualquer fração superior ou igual à remuneração de um dia de trabalho no mês; - remuneração é o salário-base acrescidas das vantagens pessoais; - a remuneração (Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, art. 457) compreende:

17 salário-base; adicional de insalubridade; adicional de periculosidade; adicional noturno; adicional de transferência, nunca inferior a 25% do salário que o empregado percebia naquela localidade, enquanto durar essa situação; anuênios, biênios, triênios, qüinqüênios e decênios; comissões e gratificações; descanso semanal remunerado; diárias para viagens em valor superior a cinqüenta por cento do salário; horas extras, segundo sua habitualidade; prêmios, pagos em caráter de habitualidade; prestação in natura.

18 BENEFICIÁRIOS DO SEGURO DESEMPREGO

19 Empregado trabalhador formal desempregado em virtude de dispensado sem justa causa (que ocorre contra a vontade do trabalhador e sem uma justificativa do empregador), inclusive a indireta (que ocorre, quando o empregador não cumpre as suas obrigações legais e as previstas no contrato firmado entre as partes) Pescador artesanal durante os períodos de defeso (procriação das espécies) no valor de 1 salário mínimo mensal;

20 Empregado Doméstico inscrito no sistema do FGTS e desempregado em virtude de dispensado sem justa causa (que ocorre contra a vontade do trabalhador e sem uma justificativa do empregador), inclusive a indireta (que ocorre, quando o empregador não cumpre as suas obrigações legais e as previstas no contrato firmado entre as partes); e Trabalhador comprovadamente resgatado do regime de trabalho forçado ou da condição análoga à de escravo em decorrência de ação de fiscalização do MTE Ministério do Trabalho e Emprego.

21 CRITÉRIOS, REQUISITOS E OUTRAS NORMAS PARA SAQUE DO SEGURO DESEMPREGO

22 EMPREGADO TRABALHADOR FORMAL

23 Ao dispensado sem justa causa, inclusive a indireta. A assistência financeira é concedida em no máximo cinco parcelas, de forma contínua ou alternada, a cada período aquisitivo de dezesseis meses, conforme a seguinte relação: três parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício de no mínimo seis meses e no máximo onze meses, nos últimos 36 meses; quatro parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício de no mínimo doze meses e no máximo 23 meses, nos últimos 36 meses; cinco parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício de no mínimo 24 meses, nos últimos 36 meses.

24 A quantidade de parcelas refere-se à quantidade de meses trabalhados nos últimos 36 meses anteriores à data da dispensa, da seguinte forma: DE 6 A 11 MESES 3 PARCELAS DE 12 A 23 MESES 4 PARCELAS DE 24 A 36 MESES 5 PARCELAS

25 Período aquisitivo é o limite de tempo que estabelece a carência para recebimento do benefício. Assim, a partir da data da última dispensa que habilitar o trabalhador a receber o Seguro-Desemprego, deve-se contar os dezesseis meses que compõem o período aquisitivo.

26 Ao trabalhador (empregado formal) dispensado sem justa causa, inclusive a indireta para que possa sacar o valor do correspondente ao seu seguro desemprego deverá comprovar: a) ter recebido salários de pessoa jurídica ou pessoa física a ela equiparada, relativos a cada um dos 6 (seis) meses imediatamente anteriores à data da dispensa;

27 b) ter sido empregado de pessoa jurídica ou pessoa física a ela equiparada ou ter exercido atividade legalmente reconhecida como autônoma, durante pelo menos 15 (quinze) meses nos últimos 24 (vinte e quatro) meses; c) não estar em gozo de qualquer benefício previdenciário de prestação continuada, previsto no Regulamento dos Benefícios da Previdência Social, excetuado o auxílio-acidente e o auxílio suplementa, bem como o abono de permanência em serviço;

28 d) não estar em gozo do auxíliodesemprego; e e) não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente à sua manutenção e de sua família.

29 Tabela para cálculo A tabela abaixo está em vigência desde 11/01/2014. Calcula-se o valor do Salário Médio dos últimos três meses anteriores a dispensa e aplica-se a fórmula abaixo: Faixas de Salário Médio Valor da Parcela Até R$ 1.151,06 Multiplica-se o salário por 0,8 (80%) De R$ 1.151,07 até R$ 1.918,62 O que exceder a R$ 1.151,06 multiplicase por 0,5 (50%) e soma-se a R$ 920,25 Acima de R$ 1.918,62 O valor da parcela será de R$ 1.304,63 invariavelmente

30 EMPREGADO DOMÉSTICO

31 É um auxílio temporário concedido ao empregado doméstico desempregado, inscrito no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, que tenha sido dispensado sem justa causa, inclusive a indireta. O empregado doméstico dispensado sem justa causa, a partir de maio de 2001, que comprovar:

32 Ter trabalhado, exclusivamente, como empregado doméstico, pelo período mínimo de 15 meses nos últimos 24 meses que antecederam à data de dispensa que deu origem ao requerimento do Seguro-Desemprego; Ter, no mínimo, 15 contribuições ao INSS na qualidade de segurado Empregado Doméstico. Ter, no mínimo, 15 recolhimentos ao FGTS como empregado doméstico. Não estar em gozo de qualquer benefício previdenciário de prestação continuada, excetuados auxílio-acidente e pensão por morte.

33 Não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente à sua manutenção e de sua família Para efeito de contagem do tempo de serviço, serão considerados os meses dos depósitos feitos no FGTS, em nome do empregado doméstico, por um ou mais empregadores.

34 Valor do benefício A lei garante o equivalente um salário-mínimo, concedido por um período máximo de 3 meses, de forma contínua ou alternada, a cada período aquisitivo de 16 meses.

35 Suspensão do pagamento O pagamento do Seguro-Desemprego será suspenso nas seguintes situações: admissão do empregado doméstico em novo emprego; Início de percepção de benefício de prestação continuada da Previdência Social, exceto o auxílio-acidente e pensão por morte. quando convocado para um novo posto de trabalho e não atenda à convocação por 3 vezes consecutivas; no caso de recusa de novo emprego.

36 PESCADOR ARTESANAL

37 É uma assistência financeira temporária concedida ao pescador profissional que exerça sua atividade de forma artesanal, individualmente ou em regime de economia familiar, ainda que com o auxílio eventual de parceiros, que teve suas atividades paralisadas no período de defeso.

38 Requisitos para requerer o benefícios Terá direito ao Seguro-Desemprego o pescador que preencher as seguintes condições: I - Ter registro como Pescador Profissional devidamente atualizado no Registro Geral da Pesca - RGP como pescador profissional, classificado na categoria artesanal, emitido pela Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República - SEAP/PR, com antecedência mínima de 1 (um) ano da data do início do defeso; II - Possuir inscrição no Instituto Nacional do Seguro Social - INSS como segurado especial;

39 III - Possuir comprovação de venda do pescado a adquirente pessoa jurídica ou cooperativa, no período correspondente aos últimos doze meses que antecederam ao início do defeso; IV - Na hipótese de não atender ao inciso III e ter vendido sua produção à pessoa física, possuir comprovante de, pelo menos, dois recolhimentos ao Instituto Nacional do Seguro Social - INSS em sua própria matrícula no Cadastro Específico - CEI, no período correspondente aos últimos doze meses que antecederam ao início do defeso;

40 V - Não estar em gozo de nenhum benefício de prestação continuada da Previdência Social, ou da Assistência Social exceto auxílio-acidente e pensão por morte; VI - Comprovar o exercício profissional da atividade de pesca artesanal objeto do defeso e que se dedicou à pesca, em caráter ininterrupto, durante o período compreendido entre o defeso anterior e o em curso; e VII - Não ter vínculo de emprego ou outra relação de trabalho, tampouco outra fonte de renda diversa da decorrente da atividade pesqueira.

41 Quantidade e valor das parcelas A lei garante ao pescador receber tantas parcelas quantos forem os meses de duração do defeso, conforme portaria fixada pelo IBAMA. O valor de cada parcela é de um salário mínimo.

42 Prazo para Requerer O benefício será requerido a partir do trigésimo dia que antecede o início do defeso ou até o seu final, não podendo ultrapassar o prazo de 180 (cento e oitenta) dias. Nos casos em que o defeso for mais de 180 (cento e oitenta) dias o pescador não poderá ultrapassar o prazo de 180 (cento e oitenta) dias.

43 Documentação O benefício do Seguro-Desemprego, será requerido pelo pescador profissional na categoria artesanal, na Delegacia Regional do Trabalho - DRT, ou no Sistema Nacional de Emprego - SINE, ou ainda, nas entidades credenciadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, mediante a apresentação dos seguintes documentos:

44 a) formulário de requerimento, em modelo aprovado pelo Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, preenchido em duas vias; b) carteira de identidade ou carteira de trabalho; c) comprovantes de inscrição no PIS/PASEP e no Cadastro de pessoa Física - CPF;

45 d) carteira de registro de Pescador Profissional devidamente atualizada, emitida pela Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República - SEAP/PR, cuja data do primeiro registro, no RGP, comprove a antecedência mínima de 1 (um) ano da data do início do defeso; e) declaração pessoal de que não dispõe de outra fonte de renda diversa da decorrente da atividade pesqueira; f) comprovante do número de inscrição do trabalhador - NIT/CEI;

46 g) cópia de, pelo menos, dois comprovantes de venda de pescado ou comprovante de recolhimento, ao INSS, de, pelo menos, duas contribuições previdenciárias, na forma do disposto nos incisos III e IV do art. 2º; e h) quando pescador profissional que opera, com auxilio de embarcação, na captura de espécies marinhas, apresentar cópia do Certificado de Registro da Embarcação, emitido pela SEAP/PR, comprovando que a permissão de pesca concedida é direcionada para a captura da espécie objeto do defeso.

47 TRABALHADOR COMPROVADAMENTE RESGATADO DO REGIME DE TRABALHO FORÇADO OU DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO

48 É um auxílio temporário concedido ao trabalhador desempregado em virtude de dispensa sem justa causa, inclusive a indireta, e ao trabalhador comprovadamente resgatado de regime de trabalho forçado ou da condição análoga à de escravo.

49 Quem tem direito O trabalhador resgatado dispensado sem justa causa, a partir de 20 de dezembro de 2002, que comprovar: Ter sido comprovadamente resgatado de regime de trabalho forçado ou da condição análoga à de escravo; Não estar recebendo nenhum benefício da Previdência Social, exceto auxílio-acidente e pensão por morte. Não possui renda própria para seu sustento e de sua família.

50 Qual o valor do benefício Para o trabalhador resgatado o valor de cada parcela é de 1 salário mínimo. Qual a quantidade de parcelas A lei garante ao trabalhador o direito de receber o benefício por um período máximo de 3 meses, a cada período aquisitivo de doze meses a contar da última parcela recebida.

51 Como receber O Auditor Fiscal do Trabalho conferirá os critérios de habilitação e fornecerá ao trabalhador a Comunicação de Dispensa do Trabalhador Regatado CDTR, devidamente preenchida.

52 Qual o prazo para encaminhar O trabalhador poderá requerer o benefício do Seguro-Desemprego até o nonagésimo dia subseqüente à data do resgate (data da dispensa).

53 Documentos necessários Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada pelo auditor fiscal do MTE; ou Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho TRCT; ou documento emitido pela fiscalização do MTE que comprove a situação de ter sido resgatado da situação análoga à escravidão; Comprovante de Inscrição de Contribuinte Individual ou Cartão PIS-PASEP.

54 Temos ainda, que esse mesmo trabalhador, vindo de uma relação de escravidão, será encaminhado, pelo Ministério do Trabalho e Emprego, para a sua qualificação profissional e recolocação no mercado de trabalho, por meio do Sistema Nacional de Emprego - SINE, na forma estabelecida pelo Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador.

55 BOLSA DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

56 A possibilidade de uso do benefício Seguro- Desemprego como Bolsa Qualificação Profissional para trabalhadores com contrato de trabalho suspenso é uma medida que surge como alternativa à demissão do trabalhador formal, em momentos de retração da atividade econômica que, por razões conjunturais associadas ao ambiente macroeconômico ou motivações cíclicas e estruturais, causam impactos inevitáveis ao mercado de trabalho.

57 Art. 476 A. O contrato de trabalho poderá ser suspenso, por um período de dois a cinco meses, para participação do empregado em curso ou programa de Qualificação Profissional oferecido pelo empregador, com duração equivalente à suspensão contratual, mediante previsão em convenção ou acordo coletivo de trabalho e aquiescência formal do empregado.

58 Para a execução do benefício Seguro- Desemprego, na modalidade Bolsa Qualificação, é necessário que exista acordo entre o empregador e representante dos empregados, ou seja: a) deve existir dispositivo tratando do assunto em acordo ou convenção coletiva de trabalho, devidamente aceita pela entidade representativa da classe trabalhadora; b) o acordo ou a convenção coletiva exige homologação nas unidades locais do Ministério do Trabalho e Emprego, ou seja, nas Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego (antigas Delegacias Regionais do Trabalho).

59 OUTRAS NORMAS IMPORTANTES

60 Art. 6º O seguro-desemprego é direito pessoal e intransferível do trabalhador, podendo ser requerido a partir do sétimo dia subseqüente à rescisão do contrato de trabalho. O Seguro-Desemprego é um benefício pessoal e intransferível e será pago diretamente ao beneficiário, salvo em caso de morte do segurado, ausência, moléstia contagiosa e beneficiário preso, observadas as condições a seguir:

61 a) MORTE DO SEGURADO serão pagas parcelas vencidas até a data do óbito, aos sucessores, mediante apresentação de alvará judicial; b) GRAVE MOLÉSTIA DO SEGURADO comprovada pela perícia médica do INSS, serão pagas parcelas vencidas ao seu curador legalmente designado ou representante legal, mediante apresentação de Mandato outorgado por instrumento público, com finalidade específica para o benefício a ser recebido;

62 c) MOLÉSTIA CONTAGIOSA ou IMPOSSIBILIDADE DE LOCOMOÇÃO devidamente comprovada pela perícia média do INSS, serão pagas parcelas vencidas a procurador designado em instrumento público, com poderes específicos para receber o benefício; d) AUSÊNCIA CIVIL serão pagas parcelas vencidas ao curador designado pelo juíz, mediante certidão judicial de nomeação do curador habilitado à pratica do ato; e

63 e) BENEFICIÁRIO PRESO impossibilitado de comparecer pessoalmente à instituição financeira responsável pelo pagamento, quando as parcelas vencidas serão pagas por meio de instrumento público com poderes específicos para o ato. OBS: O presidiário tem direito ao benefício do Seguro-Desemprego, desde eu não possua outra renda e seus dependentes não recebam Auxílio Reclusão do INSS.

64 SUSPENSÃO E CANCELAMENTO DO SEGURO DESEMPREGO

65 Art. 7º O pagamento do benefício do segurodesemprego será suspenso nas seguintes situações: I - admissão do trabalhador em novo emprego; II - início de percepção de benefício de prestação continuada da Previdência Social, exceto o auxílio-acidente, o auxílio suplementar e o abono de permanência em serviço; III - início de percepção de auxílio-desemprego.

66 Art. 7 -A. O pagamento da bolsa de qualificação profissional será suspenso se ocorrer a rescisão do contrato de trabalho. (Incluído pela Medida Provisória nº , de 2001)

67 Art. 8 O benefício do seguro-desemprego será cancelado: (Redação dada pela Lei nº , de 2011) I - pela recusa por parte do trabalhador desempregado de outro emprego condizente com sua qualificação registrada ou declarada e com sua remuneração anterior; (Redação dada pela Lei nº , de 2011)

68 II - por comprovação de falsidade na prestação das informações necessárias à habilitação; (Redação dada pela Lei nº , de 2011) III - por comprovação de fraude visando à percepção indevida do benefício do segurodesemprego; ou (Redação dada pela Lei nº , de 2011) IV - por morte do segurado. (Redação dada pela Lei nº , de 2011)

69 1 Nos casos previstos nos incisos I a III deste artigo, será suspenso por um período de 2 (dois) anos, ressalvado o prazo de carência, o direito do trabalhador à percepção do segurodesemprego, dobrando-se este período em caso de reincidência. (Incluído pela Lei nº , de 2011)

70 1 Nos casos previstos nos incisos I a III deste artigo, será suspenso por um período de 2 (dois) anos, ressalvado o prazo de carência, o direito do trabalhador à percepção do segurodesemprego, dobrando-se este período em caso de reincidência. (Incluído pela Lei nº , de 2011)

71 2 O benefício poderá ser cancelado na hipótese de o beneficiário deixar de cumprir a condicionalidade de que trata o 1o do art. 3o desta Lei, na forma do regulamento. (Incluído pela Lei nº , de 2011)

72 II - por comprovação de falsidade na prestação das informações necessárias à habilitação; (Incluído pela Medida Provisória nº , de 2001) Art. 8 -A. O benefício da bolsa de qualificação profissional será cancelado nas seguintes situações: (Incluído pela Medida Provisória nº , de 2001) I - fim da suspensão contratual e retorno ao trabalho; (Incluído pela Medida Provisória nº , de 2001)

73 III - por comprovação de fraude visando à percepção indevida da bolsa de qualificação profissional; (Incluído pela Medida Provisória nº , de 2001) IV - por morte do beneficiário. (Incluído pela Medida Provisória nº , de 2001)

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO. Seguro-Desemprego Pescadores Artesanais - Considerações Gerais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO. Seguro-Desemprego Pescadores Artesanais - Considerações Gerais VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Seguro-Desemprego Pescadores Artesanais - Considerações Gerais Resolução CODEFAT nº 468/2005 DOU: 26.12.2005

Leia mais

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato Concurso CEF/2012 CETEC POA Prof: Fernando Aprato Programa Seguro- Desemprego Introdução O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º dos Direitos Sociais da

Leia mais

Ministério do Trabalho e Emprego - MTE Secretária de Políticas Públicas de Emprego SPPE Departamento de Emprego e Salário - DES.

Ministério do Trabalho e Emprego - MTE Secretária de Políticas Públicas de Emprego SPPE Departamento de Emprego e Salário - DES. Ministério do Trabalho e Emprego - MTE Secretária de Políticas Públicas de Emprego SPPE Departamento de Emprego e Salário - DES Seguro-Desemprego HISTORICO DO SEGURO-DESEMPREGO Objetivo: O benefício tem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 394, DE 8 DE JUNHO DE 2004 Revogada pela Resolução nº 468/2005

RESOLUÇÃO Nº 394, DE 8 DE JUNHO DE 2004 Revogada pela Resolução nº 468/2005 RESOLUÇÃO Nº 394, DE 8 DE JUNHO DE 2004 Revogada pela Resolução nº 468/2005 Estabelece e consolida critérios para a concessão do Seguro- Desemprego aos pescadores artesanais durante os períodos de defeso,

Leia mais

BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI Nº 7.998/1990) Perguntas e respostas

BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI Nº 7.998/1990) Perguntas e respostas Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional. BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI

Leia mais

IV - não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente a sua manutenção e de sua família.

IV - não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente a sua manutenção e de sua família. SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - JANEIRO/2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Requisitos 3 - Comprovação 4 - Parcelas 4.1 - Parcelas Adicionais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 306, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2002

RESOLUÇÃO Nº 306, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2002 RESOLUÇÃO Nº 306, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2002 Estabelece procedimentos para a concessão do benefício do Seguro-Desemprego ao trabalhador resgatado da condição análoga à de escravo. O Conselho Deliberativo

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO. Seguro-Desemprego Pescadores Artesanais Período de Defeso

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO. Seguro-Desemprego Pescadores Artesanais Período de Defeso VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Seguro-Desemprego Pescadores Artesanais Período de Defeso RESOLUÇÃO CODEFAT nº 657/2010 - DOU:

Leia mais

MUDANÇAS NAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO, ABONO SALARIAL ANUAL, AUXILIO-DOENÇA E PENSÃO POR MORTE

MUDANÇAS NAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO, ABONO SALARIAL ANUAL, AUXILIO-DOENÇA E PENSÃO POR MORTE MUDANÇAS NAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO, ABONO SALARIAL ANUAL, AUXILIO-DOENÇA E PENSÃO POR MORTE Em 30/12/2014, por meio das Medidas Provisórias 664 e 665, publicadas no Diário Oficial da União, as normas

Leia mais

ANEXOS. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

ANEXOS. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ANEXOS LEI Nº 13.134, DE 16 DE JUNHO DE 2015. Altera as Leis no 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa do Seguro-Desemprego e o Abono Salarial e institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 676-A DE 2015 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 15 DE 2015

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 676-A DE 2015 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 15 DE 2015 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 676-A DE 2015 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 15 DE 2015 Altera as Leis nºs 8.212, de 24 de julho de 1991, e 8.213, de 24 de julho de 1991, para tratar da associação do

Leia mais

ABONO SALARIAL DO PIS/PASEP - EXERCÍCIO 2011/ Cronograma. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04/07/2011.

ABONO SALARIAL DO PIS/PASEP - EXERCÍCIO 2011/ Cronograma. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04/07/2011. ABONO SALARIAL DO PIS/PASEP - EXERCÍCIO 2011/2012 - Cronograma Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04/07/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Beneficiário 4 - Requerimento 4.1

Leia mais

Bom dia, hoje farei breves considerações sobre a aposentadoria por idade urbana. Espero que seja útil.

Bom dia, hoje farei breves considerações sobre a aposentadoria por idade urbana. Espero que seja útil. Bom dia, hoje farei breves considerações sobre a aposentadoria por idade urbana. Espero que seja útil. Diz o art. 48, da Lei 8.213/91: Art. 48. A aposentadoria por idade será devida ao segurado que, cumprida

Leia mais

ATUALIZAÇÃO TRABALHISTA 2015 ALEXANDRE CORRÊA

ATUALIZAÇÃO TRABALHISTA 2015 ALEXANDRE CORRÊA ATUALIZAÇÃO TRABALHISTA 2015 ALEXANDRE CORRÊA NOVAS REGRAS PARA : CONCESSÃO DA PENSÃO POR MORTE AUXÍLIO DOENÇA ATESTADOS MÉDICOS SEGURO DESEMPREGO ABONO SALARIAL SEGURO DESEMPREGO WEB RAIS 2014 No dia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.998, DE 11 DE JANEIRO DE 1990. Mensagem de veto Regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial, institui o Fundo

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014 Quadro comparativo da 1 Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990 Art. 3º Terá direito à percepção do segurodesemprego o trabalhador dispensado sem justa causa que comprove: I - ter recebido salários de pessoa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.planalto.gov.br/ccivil/mpv/.htm Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.164-41, DE 24 DE AGOSTO DE 2001. Altera a Consolidação

Leia mais

DECRETO Nº , DE 9 DE MARÇO DE PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973

DECRETO Nº , DE 9 DE MARÇO DE PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973 DECRETO Nº 71.885, DE 9 DE MARÇO DE 1973. PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, e tendo em vista o disposto

Leia mais

DOCUMENTOS PARA FAZER HOMOLOGAÇÃO

DOCUMENTOS PARA FAZER HOMOLOGAÇÃO DOCUMENTOS PARA FAZER HOMOLOGAÇÃO Conforme Instrução Normativa SRT/MTE nº 15 de 14/07/2010 1 APRESENTAR CARTA DE PREPOSTO SE FOR FUNIONÁRIO DO CARTÓRIO, COM CTPS, CRACHÁ OU FICHA DE FUNCIONÁRIO (TRAZER

Leia mais

Programa de Proteção ao Emprego PPE

Programa de Proteção ao Emprego PPE Programa de Proteção ao Emprego PPE Ministério de Trabalho e Emprego MTE Grupo Técnico da Secretaria Executiva do Comitê do PPE Previsão Legal Medida Provisória n 680, de 6 de julho de 2015; Decreto n

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 Estabelece procedimentos para a concessão do benefício do Seguro-Desemprego ao Empregado Doméstico. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador CODEFAT,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 306, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2002

RESOLUÇÃO Nº 306, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2002 RESOLUÇÃO Nº 306, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2002 Estabelece procedimentos para a concessão do benefício do Seguro- Desemprego ao trabalhador resgatado da condição análoga à de escravo. O Conselho Deliberativo

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Benefícios Previdenciários - Regras Gerais

Resumo Aula-tema 04: Benefícios Previdenciários - Regras Gerais Resumo Aula-tema 04: Benefícios Previdenciários - Regras Gerais O Regime Geral de Previdência Social compreende prestações, devidas inclusive em razão de eventos decorrentes de acidente do trabalho, expressas

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.302-E DE 1998 Altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe

Leia mais

Ricardo Resende Direito do Trabalho Capítulo 27 do Curso Completo (resumo)

Ricardo Resende Direito do Trabalho Capítulo 27 do Curso Completo (resumo) Ricardo Resende Direito do Trabalho Capítulo 27 do Curso Completo (resumo) Seguro-Desemprego 27.1. Conceito O seguro-desemprego é benefício previdenciário que tem por finalidade garantir o sustento do

Leia mais

TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO001052/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064053/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.015400/2013-17

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Alan Rick) Cria a Subseção XIII, da Seção V, do Capítulo II, do Título III, da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, altera os arts. 18, 25, 29, 39, 40 e 124 da Lei nº

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. ) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. ) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. ) Requer que seja declarada a prejudicialidade dos Projetos de Lei nºs 4.974/2005, 3.879/1993, 656/1995, 1.004/1995, 2.287/1996, 3.941/1997, 4.488/1998, 182/1999, 1.136/1999, 3.132/2000,

Leia mais

DETALHAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO DO FIES

DETALHAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO DO FIES DETALHAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO DO FIES DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes

Leia mais

Medida Provisória nº 529, de 2011

Medida Provisória nº 529, de 2011 Medida Provisória nº 529, de 2011 Altera os arts. 21 e 24 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre o Plano de Custeio da Previdência Social, para estabelecer alíquota diferenciada de contribuição

Leia mais

Aviso Prévio indenizado OBS: o posicionamento do STJ não há a incidência de INSS sobre o aviso prévio indenizado, devendo o verificado o posicionament

Aviso Prévio indenizado OBS: o posicionamento do STJ não há a incidência de INSS sobre o aviso prévio indenizado, devendo o verificado o posicionament de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono Adicionais (Insalubridade, periculosidade, noturno, de função e tempo de serviço, de transferência, Horas extras)

Leia mais

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - BENEFÍCIOS OFERECIDOS O Plano de Benefícios FAF oferece os seguintes benefícios aos seus participantes, ou aos dependentes de participantes falecidos: I - quanto aos participantes: - suplementação

Leia mais

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO SEGURO-DESEMPREGO NO MUNICÍPIO DE CURITIBA 2008 E 1º BIMESTRE DE 2009 INTRODUÇÃO Este texto tem como objetivo apresentar um perfil do programa de Seguro-Desemprego no município de Curitiba no ano de 2008

Leia mais

Mudanças no salário. Economia do Trabalho. Efeito substituição. Efeito renda. Efeito líquido/final 24/02/2014

Mudanças no salário. Economia do Trabalho. Efeito substituição. Efeito renda. Efeito líquido/final 24/02/2014 Mudanças no salário Economia do Trabalho Oferta de Trabalho ula 4 26 de fevereiro de 2014 Geram relações não monotônicas entre salários e oferta de individual: Efeito Substituição Efeito Renda Efeito substituição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 548, DE 20 DE JULHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 548, DE 20 DE JULHO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 548, DE 20 DE JULHO DE 2007 Aprova a Proposta Orçamentária do Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT para o Exercício de 2008. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Faculdade de Direito Direito Previdenciário Profª. Ms. Tatiana Riemann QUALIDADE DE SEGURADO

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Faculdade de Direito Direito Previdenciário Profª. Ms. Tatiana Riemann QUALIDADE DE SEGURADO QUALIDADE DE SEGURADO Qualidade de Segurado - art. 13, Dec. 3.048/99 detém a qualidade de segurado aquele que exerce atividade remunerada, em caso de segurados obrigatórios, ou está contribuindo, em caso

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010 - DOU DE 03/01/2011 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores

Leia mais

SEGURO DESEMPREGO. LEGISLAÇÃO Artigo 201, III, da CF; Artigo 7º, II, da CF;

SEGURO DESEMPREGO. LEGISLAÇÃO Artigo 201, III, da CF; Artigo 7º, II, da CF; LEGISLAÇÃO Artigo 201, III, da CF; Artigo 7º, II, da CF; Artigo 28, da LC 150/15; Lei 13134/15; Lei 7998, de 11 de janeiro de 1990- que regula o Programa do Seguro-Desemprego e o Abono Salarial e institui

Leia mais

S TOTAL - FISCAL 0 TOTAL - SEGURIDADE TOTAL - GERAL

S TOTAL - FISCAL 0 TOTAL - SEGURIDADE TOTAL - GERAL ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33904 - FUNDO DO REGIME GERAL DE PREVIDENCIA SOCIAL 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 717.234.218 09 271 0083 001O PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS -

Leia mais

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2016

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2016 Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2016 Nota: Em caso de feriados estaduais e municipais, os vencimentos das obrigações principais deverão ser antecipados

Leia mais

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU )

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU ) PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU 30.06.2010) Dispõe sobre o salário mínimo e o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária Ministério da Previdência Social INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO Todos que se inscrevem na Previdência Social podem escolher como vão contribuir. Isso permite que o segurado

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011.

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Requisitos 3 - Comprovação 4 - Parcelas 4.1 - Parcelas Adicionais

Leia mais

S u m á r i o. 1. A Seguridade Social na Constituição de Capítulo 1 Notas Introdutórias Seguridade Social (arts. 194 a 204)...

S u m á r i o. 1. A Seguridade Social na Constituição de Capítulo 1 Notas Introdutórias Seguridade Social (arts. 194 a 204)... S u m á r i o Capítulo 1 Notas Introdutórias... 1 1. A Seguridade Social na Constituição de 1988...1 1.1. Seguridade Social (arts. 194 a 204)...1 1.1.1. Natureza do Direito à Seguridade Social...1 1.1.2.

Leia mais

9. PROVA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO (arts. 47 e 48 da Lei e 257 a 265 do Decreto 3.048)

9. PROVA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO (arts. 47 e 48 da Lei e 257 a 265 do Decreto 3.048) SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. SEGURIDADE SOCIAL 1.1 Noção geral 1.1.1 Saúde 1.1.2 Assistência social 1.1.3 Previdência Social 1.2 Breve histórico 1.2.1 Evolução legislativa no Brasil 1.3 Conceituação 1.4 Objetivo,

Leia mais

Manual do Aposentado e Pensionista

Manual do Aposentado e Pensionista Manual do Aposentado e Pensionista 1 SUMÁRIO Qual é o significado de Aposentado e Pensionista?...3 Quando é realizado o pagamento do Benefício?...3 Quais as formas de recebimento dos Benefícios?...3 Quando

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes do Regulamento da

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS Abono Adicionais RUBRICAS de qualquer natureza, salvo o de férias pecuniário de férias (Insalubridade, periculosidade, noturno, de função e tempo de serviço,

Leia mais

Sumário. Introdução, 1

Sumário. Introdução, 1 S Sumário Introdução, 1 1 Folha de Pagamento, 7 1 Salário, 8 1.1 Salário-hora para 40 horas semanais: divisor 200 (duzentos), 9 1.2 Depósito de salários em conta bancária, 9 2 Horas extras, 10 2.1 Integração

Leia mais

ARMANDO CASIMIRO COSTA FILHO, MANOEL CASIMIRO COSTA, MELCHÍADES RODRIGUES MARTINS E SONIA REGINA DA S. CLARO

ARMANDO CASIMIRO COSTA FILHO, MANOEL CASIMIRO COSTA, MELCHÍADES RODRIGUES MARTINS E SONIA REGINA DA S. CLARO 1 CLT 44ª EDIÇÃO 2015 Versão impressa LTr- 5210.4 Versão Digital LTr- 8567.8 ARMANDO CASIMIRO COSTA FILHO, MANOEL CASIMIRO COSTA, MELCHÍADES RODRIGUES MARTINS E SONIA REGINA DA S. CLARO ATUALIZAÇÃO ELABORADA

Leia mais

APOSENTADORIA POR IDADE

APOSENTADORIA POR IDADE APOSENTADORIA POR IDADE APOSENTADORIA POR IDADE Fundamentação Legal Artigo 201, I, da CF Artigos 48 a 51 da Lei 8213/91 Artigos 51 a 54 Do Decreto 3048/99 Artigos 225 a 233 da IN 77 Conceito APOSENTADORIA

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2011

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2011 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos para a aplicação do limite remuneratório de que trata o inciso XI, do art. 37, da Constituição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 393, DE 8 DE JUNHO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 393, DE 8 DE JUNHO DE 2004 RESOLUÇÃO Nº 393, DE 8 DE JUNHO DE 2004 Aprova formulários para a concessão do segurodesemprego. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, face ao disposto no inciso V do art.

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2010. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2010. Sumário: 1 - Introdução 2 - Beneficiários 2.1 - Verificação da Invalidez 2.2 - Pai e Mãe 3 - Início

Leia mais

O que estudamos aula passada

O que estudamos aula passada O que estudamos aula passada Cessação, suspensão e interrupção dos contratos de trabalho Rescisão Contratual As formas de extinção do Contrato de Trabalho Pedido de demissão Dispensa sem justa causa Dispensa

Leia mais

REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Regimes Previdenciários Principal Complementar Setor Público Setor Privado RGPS Oficial (União, Estados, Municípios e DF) Privado Civil (União, Estados, Municípios e DF) Militar

Leia mais

O que é Seguro Desemprego? A quem se destina Local de solicitação Como funciona

O que é Seguro Desemprego? A quem se destina Local de solicitação Como funciona O que é Seguro Desemprego? É o pagamento da assistência financeira temporária, não inferior a 1 salário mínimo, concedida ao trabalhador desempregado previamente habilitado. O Seguro-Desemprego, um dos

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Remuneração 1. Sobre o salário utilidade, assinale a afirmação

Leia mais

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Norma Estadual - Mato Grosso do Sul Publicado no DOE em 24 out 2014 Regulamenta dispositivos da Lei n. 11.959, de 29 de junho de 2009 relativo ao registro dos pescadores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 754, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 754, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 754, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta os procedimentos para habilitação e concessão de Seguro-Desemprego para empregados domésticos dispensados sem justa causa na forma do art. 26 da Lei

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 240, DE 2015

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 240, DE 2015 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 240, DE 2015 Redação final do Projeto de Lei de Conversão nº 3, de 2015 (Medida Provisória nº 665, de 2014). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei

Leia mais

Tabela de incidência de INSS, FGTS e Imposto de Renda e legislação correlata

Tabela de incidência de INSS, FGTS e Imposto de Renda e legislação correlata Tabela de incidência de INSS, FGTS e Imposto de Renda e legislação correlata RUBRICAS INCIDÊNCIAS INSS FGTS IR Abono de qualquer natureza, salvo o de férias Incide Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943

DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943 DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943 Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, DECRETA: TÍTULO II DAS

Leia mais

Regras Básicas do seu Plano de Benefícios

Regras Básicas do seu Plano de Benefícios Índice Apresentação Inscrição Cancelamento Contribuição Joia Salário-de-Participação Salário-Real-de-Benefício SRB Dos Benefícios Aposentadoria Por Tempo de Contribuição Aposentadoria Por Tempo de Contribuição

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 17

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 17 Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 17 EDITAL SISTEMATIZADO CARREIRAS FISCAIS... 19 1. Receita Federal do Brasil... 19 2. Ministério do Trabalho e Emprego... 21 CAPÍTULO

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DA PREVIDENCIA SOCIAL E SALÁRIO FAMÍLIA Portaria Interministerial MTPS/MF nº 1/2016, de 8 de janeiro de 2016.

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DA PREVIDENCIA SOCIAL E SALÁRIO FAMÍLIA Portaria Interministerial MTPS/MF nº 1/2016, de 8 de janeiro de 2016. Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Informativo 02/2016 TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DA PREVIDENCIA SOCIAL E SALÁRIO FAMÍLIA Portaria Interministerial MTPS/MF nº 1/2016, de 8 de janeiro de 2016.

Leia mais

ANEXO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 736, DE 8 DE OUTUBRO DE 2014 Torna obrigatório aos empregadores o uso do

ANEXO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 736, DE 8 DE OUTUBRO DE 2014 Torna obrigatório aos empregadores o uso do ANEXO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR RESOLUÇÃO Nº 736, DE 8 DE OUTUBRO DE 2014 Torna obrigatório aos empregadores o uso do aplicativo Empregador Web no Portal Mais Emprego para

Leia mais

Concurso CEF/2012 CETEC POA

Concurso CEF/2012 CETEC POA Concurso CEF/2012 CETEC POA Prof: Fernando Aprato Abono Salarial - PIS Art. 239 da Constituição Federal de 1988 Art. 239. A arrecadação decorrente das contribuições para o Programa de Integração Social,

Leia mais

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 05 Filiação e inscrição e salário-de-contribuição

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 05 Filiação e inscrição e salário-de-contribuição Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 05 Filiação e inscrição e salário-de-contribuição Filiação e Inscrição ao RGPS 33. (1º Simulado/Profº Francisco Júnior/Preparatório INSS- 2015)

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF Tabela de incidências Tabela de incidências Fonte: ECONET EDITORA RUBRICAS INCIDÊNCIAS INSS FGTS IR 28, I, Lei n de qualquer natureza, salvo o de Sim. Arts. 3 e 7 e 1, art. férias 457 da

Leia mais

Aprova modelos de Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho e implanta o Sistema Homolognet.

Aprova modelos de Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho e implanta o Sistema Homolognet. PORTARIA n.º 1.474, de 29 de JUNHO de 2010 Aprova modelos de Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho e implanta o Sistema Homolognet. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE ÍNDICE INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO... 014 Assédio moral no trabalho...

Leia mais

EDITAL Nº 068/2016 ERRATA

EDITAL Nº 068/2016 ERRATA 1 EDITAL Nº 068/2016 ERRATA PROCESSO SELETIVO DISCENTE DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS SOCIAIS, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS, CAMPUS DE BELO HORIZONTE No cabeçalho

Leia mais

2 Lei 13.134/2015. 2.3 Alterações no Abono Salarial: 2.3.1 Quanto ao período de tempo e valor

2 Lei 13.134/2015. 2.3 Alterações no Abono Salarial: 2.3.1 Quanto ao período de tempo e valor 2 Lei 13.134/2015 2.2 Conteúdo da Lei 13.134/2015: Altera as Leis no 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa do Seguro-Desemprego e o Abono Salarial e institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador

Leia mais

2. BPC Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social. Decreto nº6.214/2003 Alterado pelo Decreto nº de 2011

2. BPC Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social. Decreto nº6.214/2003 Alterado pelo Decreto nº de 2011 2. BPC Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social Decreto nº6.214/2003 Alterado pelo Decreto nº 7.617 de 2011 O BPC É a garantia de um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso,

Leia mais

Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p REMUNERAÇÃO

Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p REMUNERAÇÃO 15 Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p REMUNERAÇÃO Definição É o conjunto de retribuições recebidas habitualmente pelo empregado pela prestação de serviços, seja em dinheiro ou utilidades,

Leia mais

01 Q Direito Previdenciário Planos de Benefício da Previdência Social Lei nº 8.213, de 24 de Julho

01 Q Direito Previdenciário Planos de Benefício da Previdência Social Lei nº 8.213, de 24 de Julho 01 Q467435 Direito Previdenciário Planos de Benefício da Previdência Social Lei nº 8.213, de 24 de Julho BETA Pedro mantém vínculo com o Regime Geral da Previdência Social (RGPS) há doze anos e quatro

Leia mais

ANO º SEMESTRE

ANO º SEMESTRE EDITAL Nº: 157/2016, de 20/12/2016 PROCESSO SELETIVO E MATRÍCULA DOS ESTUDANTES APROVADOS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PELO SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA - SiSU ANO 2017 1º SEMESTRE ANEXO II DOCUMENTOS EXIGIDOS

Leia mais

2.2 Além da comprovação da situação de moradia do grupo familiar, os (as) discentes que não residem com o grupo familiar devem apresentar.

2.2 Além da comprovação da situação de moradia do grupo familiar, os (as) discentes que não residem com o grupo familiar devem apresentar. ANEXO II RELAÇÃO DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS 1. DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO (A) DISCENTE E DOS MEMBROS DO GRUPO FAMILIAR 1.1. Documento de identidade RG (para maiores de 18 anos). 1.2. Cadastro de Pessoa

Leia mais

Concurso CEF/2014 CETEC POA. Prof: Fernando Aprato

Concurso CEF/2014 CETEC POA. Prof: Fernando Aprato Concurso CEF/2014 CETEC POA Prof: Fernando Aprato Abono Salarial - PIS Art. 239 da Constituição Federal de 1988 Art. 239. A arrecadação decorrente das contribuições para o Programa de Integração Social,

Leia mais

MÓDULO OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS AO CONTRATO DE TRABALHO 9.4 SEGURO-DESEMPREGO

MÓDULO OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS AO CONTRATO DE TRABALHO 9.4 SEGURO-DESEMPREGO MÓDULO 9 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS AO CONTRATO DE TRABALHO 9.4 SEGURO-DESEMPREGO DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 9.4. SEGURO-DESEMPREGO 3 9.4.1. INTRODUÇÃO 3 9.4.2. REQUISITOS

Leia mais

Zilmara Alencar Consultoria Jurídica

Zilmara Alencar Consultoria Jurídica RESOLUÇÃO No - 748, DE 2 DE JULHO DE 2015 Disciplina o pagamento do Abono Salarial referente ao exercício de 2015/2016. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, no uso das atribuições

Leia mais

NORMA DE CESSÃO DE EMPREGADOS - NOR 318

NORMA DE CESSÃO DE EMPREGADOS - NOR 318 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: CESSÃO DE EMPREGADOS COD: NOR 318 APROVAÇÃO: Resolução Nº 14/2010, de 08/10/2010 NORMA DE CESSÃO DE EMPREGADOS - NOR 318 1/6 SUMÁRIO 1. FINALIDADE... 02 2.

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2015 Dia: 06/02/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL ANEXO II RELAÇÃO DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS (OS DOCUMENTOS DEVERÃO SER ENTREGUES ORGANIZADOS POR CADA MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR) 1. DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO (A) DISCENTE E DOS MEMBROS DO GRUPO FAMILIAR

Leia mais

Orçamento de Pessoal Aula

Orçamento de Pessoal Aula Orçamento de Pessoal Aula 6 30-05-2012 Prof. Procópio Aula 6 30-05-2012 Salário Família Imposto de Renda Encargos Sociais Exercícios Salário Família Benefício previdenciário que corresponde a uma quota

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO Índice 1. Jornada de trabalho...3 2. Formas de Prorrogação da Jornada de Trabalho...4 3. Horas Extras no Caso de Força Maior...5 4. Trabalho Noturno...6

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA ESTUDANTIL PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - PAE/UFVJM

REGULAMENTO BOLSA ESTUDANTIL PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - PAE/UFVJM REGULAMENTO BOLSA ESTUDANTIL PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - PAE/UFVJM CAPÍTULO PRIMEIRO - DOS PRINCÍPIOS E DA FINALIDADE Art. 1º- O Programa de Assistência Estudantil da Universidade Federal dos

Leia mais

Deverá, então, dirigir-se a um dos locais de entrega munido dos seguintes documentos:

Deverá, então, dirigir-se a um dos locais de entrega munido dos seguintes documentos: SEGURO-DESEMPREGO BREVE HISTÓRICO. O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º dos Direitos Sociais da Constituição Federal e tem por finalidade prover assistência

Leia mais

TABELA DE SALÁRIO-DE CONTRIBUIÇÃO, BENEFÍCIOS, MULTAS, DEMAIS VALORES: ATUALIZAÇÃO A PARTIR DE JANEIRO DE 2014

TABELA DE SALÁRIO-DE CONTRIBUIÇÃO, BENEFÍCIOS, MULTAS, DEMAIS VALORES: ATUALIZAÇÃO A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 TABELA DE SALÁRIO-DE CONTRIBUIÇÃO, BENEFÍCIOS, MULTAS, DEMAIS VALORES: ATUALIZAÇÃO A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DOS SEGURADOS EMPREGADO, EMPREGADO DOMÉSTICO E TRABALHADOR AVULSO,

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente OABPrev/RJ FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL RIO DE JANEIRO Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado RJPrev Quadro Comparativo das Alterações

Leia mais

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado Entenda mais sobre O Plano Copasa Saldado Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

Auxílio Doença: Empregador será responsável pela remuneração dos primeiros 30 dias de afastamento do empregado.

Auxílio Doença: Empregador será responsável pela remuneração dos primeiros 30 dias de afastamento do empregado. INFORME JURÍDICO 06/01/2015 411 Prezados (as) Auxílio Doença: Empregador será responsável pela remuneração dos primeiros 30 dias de afastamento do empregado. Divulgamos a Medida Provisória 664/2014 que

Leia mais

PARECER. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP.

PARECER. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP. PARECER EMENTA: Contribuição PASEP. Regimes Próprios de Previdência. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP. As

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO/2010 Dia 06-12-2010 (Segunda-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001260/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/07/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034965/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008742/2012-81 DATA DO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITÓRIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITÓRIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS CONVOCATÓRIA PARA RECADASTRAMENTO E ATUALIZAÇÃO DOS DADOS A TODOS OS ALUNOS VETERANOS ATIVOS NO PROGRAMA DE AUXÍLIO PERMANÊNCIA A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis, no uso de suas atribuições e em cumprimento

Leia mais

EDITAL COPEPS Nº 26/2013

EDITAL COPEPS Nº 26/2013 EDITAL COPEPS Nº 26/2013 Altera Edital COPEPS nº 25/2013 que dispõe sobre a comprovação da condição de beneficiário das vagas reservadas, conforme as modalidades de concorrência referente ao Processo Seletivo

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS AGOSTO DE /08/2016

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS AGOSTO DE /08/2016 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS AGOSTO DE 2016 SALÁRIOS 05/08/2016 FGTS Pagamento de salários - mês de JULHO/2016 - Para maiores detalhes, acesse o tópico Salários - Prazo de Pagamento.

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO PARA INSCRIÇÃO NA BOLSA PERMANÊNCIA IFF E MODALIDADES DE AUXILIOS ALIMENTAÇÃO, MORADIA, TRANSPORTE

ANEXO II RELAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO PARA INSCRIÇÃO NA BOLSA PERMANÊNCIA IFF E MODALIDADES DE AUXILIOS ALIMENTAÇÃO, MORADIA, TRANSPORTE ANEXO II RELAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO PARA INSCRIÇÃO NA BOLSA PERMANÊNCIA IFF E MODALIDADES DE AUXILIOS ALIMENTAÇÃO, MORADIA, TRANSPORTE DOCUMENTOS ESPECÍFICOS DOS ESTUDANTES I - Comprovante de matrícula de

Leia mais