Editora Dedo de Prosa Foco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editora Dedo de Prosa Foco"

Transcrição

1

2 Editora Dedo de Prosa Foco O principal objetivo da editora Dedo de Prosa é oferecer material de suporte para professores, ajudando a canalizar a curiosidade dos alunos através de leitura, a princípio de entretenimento, mas que pode, através da mediação do profissional de ensino, contemplar várias propostas pedagógicas. Para isso, a Dedo de Prosa busca conseguir textos de profissionais, com competência e experiência, que coloquem ideias desafiadoras no papel. Lembrando palavras de Gilberto Dimenstein: é necessário estimular, motivar, encantar e, ainda mais, transformar informação e conhecimento em algo prático, que mostre como a teoria se aplica ao cotidiano. O foco da editora são publicações voltadas para crianças, jovens e professores do Ensino Fundamental e Médio. Por enquanto, na área de Língua Portuguesa e Literatura. Para dar continuidade a essa proposta, a Dedo de Prosa conta com assessoria de profissionais da área e equipe de professores. E precisa, evidentemente, de parcerias com professores e profissionais da área de Educação, de escolas públicas e particulares. Nesse campo, com tais objetivos, só é possível obter bons resultados com trabalho conjunto. Para nos orientar, nada melhor do que as palavras de Guimarães Rosa. Porque a vida é mutirão de todos, por todos remexida e temperada. Digo: o real não está na saída nem na chegada, ele se dispõe para a gente é no meio da travessia. 2

3 Clube de Leitura Itinerante CLI Seguindo sua meta, buscando divulgar suas edições e criar parcerias com educadores de escolas públicas e particulares, a editora Dedo de Prosa lança o Clube de Leitura Itinerante - CLI. Com o Clube de Leitura Itinerante, o profissional de ensino realiza um laboratório com seus alunos, valendo-se da obra selecionada e destinada para tal finalidade. O professor põe em prática tal proposta com títulos apropriados à sua clientela, encontra sugestões de atividades e tem a facilidade de receber material específico via editora. Após a finalização dessa ação pedagógica, o compromisso desse profissional com a editora Dedo de Prosa é o de fornecer feed-back do trabalho realizado (através de folha de registro que acompanha a pasta do professor), devolver material e exemplares para que sigam viagem e contemplem outros professores e alunos. 3

4 Clubes de Leitura São grupos de pessoas que escolhem, lêem um mesmo livro e depois se encontram para conversar sobre a obra. Datas e locais para as reuniões dessa conversa são estabelecidos pelo grupo. É interessante que os leitores façam anotações a respeito da obra para que estas norteiem a discussão no momento do encontro. Existe um mestre de cerimônias ou agente de leitura que atua como observador, incentivador e facilitador nas reuniões. Finalizada a leitura de um livro e após essa conversa em que cada participante expõe suas opiniões a respeito da obra, este agente propõe a escolha de novo título. Na escola A dinâmica do Clube de Leitura em escolas deve ser bem explicada previamente aos alunos e, durante o processo, o professor, como agente de leitura, deve garantir que determinadas habilidades e estratégias sejam desenvolvidas. Vale ressaltar que tais habilidades serão adquiridas aos poucos, à medida que o professor supervisiona e fornece orientações a seus alunos. 4

5 Habilidades Sociais Saber ouvir Não interromper quem está falando Esperar a vez para falar Aceitar ideias diferentes das suas Discordar construtivamente e saber argumentar Permanecer focado no tema da discussão Assumir responsabilidades no grupo Estratégias Cognitivas de Leitura O desenvolvimento dessas estratégias cognitivas é fundamental para uma boa compreensão do texto. Construir imagens enquanto lêem Conectar o texto do livro com sua própria experiência, outras leituras e eventos que ocorrem no mundo Questionar o texto, o autor ou personagens Interpretar, levantar hipóteses e projetar conclusões Avaliar, criticar e fazer julgamentos Analisar a estrutura do texto, linguagem, estilo e tema Recordar o que foi lido e discutido: fazer uma síntese 5

6 Habilidades Literárias Dizem respeito à capacidade de perceber ferramentas e procedimentos utilizados pelo autor na escrita de sua obra, na forma do texto. Isso possibilita ao aluno o aprimoramento da produção de sua própria escrita. Organização Parceria entre professor e alunos é fundamental para um Clube de Leitura. O professor deve selecionar e sugerir obras compatíveis com os interesses de seus alunos ou, se necessário, consultá-los. À medida que os alunos forem adquirindo as habilidades, textos mais elaborados podem ser sugeridos. A leitura e a discussão acontecem em sala de aula ou em Sala de Leitura e, dependendo do título escolhido, o professor deve prever pelo menos quatro aulas para atividade do Clube. Vale ressaltar que, para cada livro que será discutido com os alunos, em classe ou em Sala de Leitura, sob orientação de um professor, o Clube de Leitura Itinerante CLI fornecerá elementos que possam contribuir para essa ação pedagógica. Para isso, a editora Dedo de Prosa recebe orientação e contribuições de equipe de professores. Outras formas de organização podem acontecer. Isso tudo dependerá do professor, dos alunos e do acervo disponível. 6

7 SILVIA FERNANDES VERA MARINI 7

Clube de Leitura Itinerante - CLI 3 - Editora Dedo de Prosa

Clube de Leitura Itinerante - CLI 3 - Editora Dedo de Prosa Clube de Leitura Itinerante - CLI 3 - Editora Dedo de Prosa Público alvo Professores de Sala de Leitura e professores de Língua Portuguesa e de Literatura Livro Sai da frente que atrás vem gente Marilene

Leia mais

E.E. TENENTE JOSÉ LUCIANO PROJETO:PASSAPORTE DA LEITURA 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO LIVRO 2º ANO

E.E. TENENTE JOSÉ LUCIANO PROJETO:PASSAPORTE DA LEITURA 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO LIVRO 2º ANO E.E. TENENTE JOSÉ LUCIANO PROJETO:PASSAPORTE DA LEITURA 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO LIVRO 2º ANO ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO PROJETO:PASSAPORTE DA LEITURA-2015 Um livro tem asas longas e leves,

Leia mais

COMO ORGANIZAR UM PLANO PARTICIPATIVO

COMO ORGANIZAR UM PLANO PARTICIPATIVO COMO ORGANIZAR UM PLANO PARTICIPATIVO 1º PASSO: Convidar e confirmar a presença dos participantes - representantes da direção da escola e professores, representantes da comunidade do entorno escolar (parceiros,

Leia mais

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE Sandra Regina RICCI Mestranda em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás sandraricci@brturbo.com.br

Leia mais

IMPACTOS NEGATIVOS (Do problema) Falta de investimento em Recursos materiais e humanos; Professores desmotivados; Salas superlotadas;

IMPACTOS NEGATIVOS (Do problema) Falta de investimento em Recursos materiais e humanos; Professores desmotivados; Salas superlotadas; REFLEXÃO E AÇÃO 3 Faça uma reflexão acerca do esquema apresentado como síntese desta unidade do Caderno. A seguir, em pequenos grupos, discuta com seus colegas e escreva os principais problemas da escola

Leia mais

Carta de princípios. O CONSED, por meio dessa carta de princípios propõe:

Carta de princípios. O CONSED, por meio dessa carta de princípios propõe: Carta de princípios O CONSED, por meio dessa carta de princípios propõe: Um Novo Modelo de Ensino Médio a ser adotado por todas os sistemas de ensino e que considera trajetórias flexíveis na formação do

Leia mais

Avaliando o desenvolvimento de competências em sala de aula Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br www.juliofurtado.com.br 1 Roteiro: O sentido de desenvolver competências Ensinar conteúdos X desenvolver

Leia mais

Aula 6 Livro físico.

Aula 6 Livro físico. Conteúdos da aula 1. Material didático 2. Formatos 3. 2 1. Material didático Nessa aula, teremos como foco a apresentação do material didático da etb Material didático pode ser definido amplamente como

Leia mais

COMPETÊNCIAS DA DISCIPLINA

COMPETÊNCIAS DA DISCIPLINA ESCOLA ALEMÃ CORCOVADO DEUTSCHE SCHULE ASSOCIAÇÃO ESCOLAR E BENEFICENTE CORCOVADO PLANEJAMENTO CURRICULAR 2016 Área: Linguagens Disciplina: Língua Portuguesa/Literatura Ciclo: 9º / 10º anos COMPETÊNCIAS

Leia mais

Índice. 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional Os Saberes dos Professores...4

Índice. 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional Os Saberes dos Professores...4 GRUPO 5.3 MÓDULO 4 Índice 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional...3 2. Os Saberes dos Professores...4 2.1. O Papel do Coordenador Pedagógico... 5 2 1. PROFESSOR-COORDENADOR

Leia mais

LER NÃO É PECADO... Escola: COC Atibaia Cidade: Atibaia (SP) Categoria: Linguagens e Matemática Professor Responsável: José Fernando Teles da Rocha

LER NÃO É PECADO... Escola: COC Atibaia Cidade: Atibaia (SP) Categoria: Linguagens e Matemática Professor Responsável: José Fernando Teles da Rocha LER NÃO É PECADO... Escola: COC Atibaia Cidade: Atibaia (SP) Categoria: Linguagens e Matemática Professor Responsável: José Fernando Teles da Rocha O projeto LER NÃO É PECADO... partiu da tentativa de

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA -

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II LEITURA E EXPRESSÃO - UM PROJETO PARA SALA DE LEITURA - Rio de Janeiro / 2014 0 SUMÁRIO Público-alvo p. 2 Justificativa p.2 Objetivos Gerais p. 3 Objetivos Específicos

Leia mais

Material Didático Estratégias de Ensinagem. Método do Caso e Workshop

Material Didático Estratégias de Ensinagem. Método do Caso e Workshop Material Didático Estratégias de Ensinagem Método do Caso e Workshop 2015 1 Sumário Método do Caso... 3 Definição de Workshop... 6 Referências... 7 2 Método do Caso Os casos de ensino (Teaching Cases)

Leia mais

A importância da Educação Infantil de qualidade no desenvolvimento das crianças Para uma sociedade melhor

A importância da Educação Infantil de qualidade no desenvolvimento das crianças Para uma sociedade melhor 01/04/2015, Botucatu (SP) A importância da Educação Infantil de qualidade no desenvolvimento das crianças Para uma sociedade melhor Boa Tarde, É um imenso prazer participar dessa tarde com os profissionais

Leia mais

Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem. (Mário Quintana).

Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem. (Mário Quintana). Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história. (Bill Gates). Os verdadeiros analfabetos

Leia mais

Comentários dos colegas e do professor

Comentários dos colegas e do professor Comentários dos colegas e do professor Fazendo comentários para os alunos Fazer comentários aprimora os resultados dos alunos ao enfatizar o progresso em vez da dificuldade. Com um comentário sobre o progresso,

Leia mais

O Regimento Escolar é o documento que estabelece as diretrizes administrativas, as orientações, as regras de convivência, os direitos e deveres de

O Regimento Escolar é o documento que estabelece as diretrizes administrativas, as orientações, as regras de convivência, os direitos e deveres de O Regimento Escolar é o documento que estabelece as diretrizes administrativas, as orientações, as regras de convivência, os direitos e deveres de todos que convivem no ambiente escolar. A rede pode ter

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Coordenação Prof. Dra. Sílvia Dotta Equipe Érica Jorge, Camila Areias, Camila Nastari, Lays Fitaroni, Nívio Dolfini, Paulo Aguiar, Regina Carteano, Ronaldo Tedesco. Os cursos do

Leia mais

Manual do Professor. Orientação e Supervisão : M. Ligia C. Carvalhal, *Projeto Microtodos, a microbiologia a serviço da cidadania.

Manual do Professor. Orientação e Supervisão : M. Ligia C. Carvalhal, *Projeto Microtodos, a microbiologia a serviço da cidadania. MicroLigue - o jogo das associações - Manual do Professor Autores: Roseane de Souza, M. Marta Carvalhal e M. Ligia C. Carvalhal. Ilustração: Daniela C. Velázquez. Orientação e Supervisão : M. Ligia C.

Leia mais

Formação de novos professores para uma escola do século 21

Formação de novos professores para uma escola do século 21 Formação de novos professores para uma escola do século 21 Carlos Nascimento Jr. Colégio Visconde de Porto Seguro NOSSOS ASSUNTOS Relações de ensino e aprendizagem O CONE DA APRENDIZAGEM DE EDGAR DALE

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

O que é EAD? Quais as competências necessárias ao professor e tutor para a EAD?

O que é EAD? Quais as competências necessárias ao professor e tutor para a EAD? O que é EAD? Quais as competências necessárias ao professor e tutor para a EAD? Educação à distância A educação a distância (EaD) é definida como [...] o aprendizado planejado que ocorre normalmente em

Leia mais

O PRIMEIRO ENCONTRO. Concerto de Leitura. apresenta. Élida Marques. Trechos do romance Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa

O PRIMEIRO ENCONTRO. Concerto de Leitura. apresenta. Élida Marques. Trechos do romance Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa apresenta Concerto de Leitura Trechos do romance Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa com Élida Marques Eduardo Contrera Realização Élida Marques Produções Artísticas Ltda. PRONAC 154042 Mecenato

Leia mais

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Módulo 4 Gerenciamento de equipe de vendas Tema 18 - Contornando Objeções com Equipe de Vendas INTRODUÇÃO A todo momento estamos negociando, seja

Leia mais

Clube de Leitura Itinerante - CLI 2 - Editora Dedo de Prosa

Clube de Leitura Itinerante - CLI 2 - Editora Dedo de Prosa Clube de Leitura Itinerante - CLI 2 - Editora Dedo de Prosa Público alvo Professores de Sala de Leitura e professores de Língua Portuguesa e de Literatura Livro As lágrimas de Yara Ricardo Pombal Material

Leia mais

Uso de Lógica Fuzzy no Auxílio ao Acompanhamento Automático de Alunos utilizando um Ambiente de Aprendizagem

Uso de Lógica Fuzzy no Auxílio ao Acompanhamento Automático de Alunos utilizando um Ambiente de Aprendizagem Uso de Lógica Fuzzy no Auxílio ao Acompanhamento Automático de Alunos utilizando um Ambiente de Aprendizagem Práticas de ensino de algoritmos Péricles Miranda Resumo Os professores enfrentam diversos desafios

Leia mais

a cobronça, a princesa e a supresa

a cobronça, a princesa e a supresa projeto pedagógico a cobronça, a princesa e a supresa Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar (11) 3874-0884 divulga@melhoramentos.com.br Fê ilustrações e Celso Linck www.editoramelhoramentos.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil

A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil Fernanda Taynara de Oliveira Graduando em Geografia Universidade Estadual de Goiás Campus Minaçu Kelytha

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Treinamento e Desenvolvimento - T&D Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Políticas de RH As práticas de Recursos Humanos do Hospital Santa Catarina estão de acordo com as diretrizes apresentadas

Leia mais

MANUAL SOBRE CURSO E OFICINA

MANUAL SOBRE CURSO E OFICINA DIRETORIA DE EXTENSÃO RURAL DER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - DEED MANUAL SOBRE CURSO E OFICINA CURSO O que é: Método que produz conhecimentos de natureza teórica e prática, com programação específica,

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Básica (1996) é a Lei maior, com valor Constitucional, nenhuma outra lei ou regulamentação pode contrariá-la.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Básica (1996) é a Lei maior, com valor Constitucional, nenhuma outra lei ou regulamentação pode contrariá-la. A Equipe Gestora Central definirá quem, entre seus membros, será o responsável por esta frente de trabalho. O responsável elaborará um plano de trabalho que inclua todos os demais membros da Equipe em

Leia mais

RESOLUÇÃO. Art. 1 o Aprova a alteração no REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO das Faculdades Integradas Machado de Assis;

RESOLUÇÃO. Art. 1 o Aprova a alteração no REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO das Faculdades Integradas Machado de Assis; RESOLUÇÃO CAS nº 35/2009, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. ALTERA A RESOUÇÃO CAS Nº 26/2009 QUE DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE

NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO AO DISCENTE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico aos

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

Minicurso: Jogos e Dinâmicas de Grupo. Fabiana Sanches e Rosa Maria

Minicurso: Jogos e Dinâmicas de Grupo. Fabiana Sanches e Rosa Maria Minicurso: Jogos e Dinâmicas de Grupo Fabiana Sanches e Rosa Maria As dinâmicas são instrumentos, ferramentas que estão dentro de um processo de formação e organização, que possibilitam a criação e recriação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-metodológicos

Leia mais

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual. SARESP Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo Avaliação de Aprendizagem em Processo

Leia mais

Circuito Ayrton Senna de Juventude Orientações para a Comissão de Líderes

Circuito Ayrton Senna de Juventude Orientações para a Comissão de Líderes Circuito Ayrton Senna de Juventude 2014 Orientações para a Comissão de Líderes Parabéns, jovens líderes! Vocês foram os escolhidos para fazer parte da Comissão de Líderes Representantes de Turma! Esse

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS: ADMINISTRAÇÃO MANUAL APS - ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ALUNOS

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS: ADMINISTRAÇÃO MANUAL APS - ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ALUNOS UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS: ADMINISTRAÇÃO MANUAL APS - ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ALUNOS (4º/3º semestres) SÃO PAULO 2012 2 APRESENTAÇÃO O Manual

Leia mais

Serviço Social São Judas Tadeu¹

Serviço Social São Judas Tadeu¹ Serviço Social São Judas Tadeu¹ Gabrielly Bittenbinder LOPES² Luis Felipe Soldeira REGIS³ Ana Claudia da Silva BAHIA 4 Luciana Leme Souza e SILVA 5 Centro Universitário de Rio Preto, São José do Rio Preto,

Leia mais

Trabalhos Acadêmicos MEMORIAL RESUMO RESENHA ARTIGO PROJETO

Trabalhos Acadêmicos MEMORIAL RESUMO RESENHA ARTIGO PROJETO Trabalhos Acadêmicos MEMORIAL RESUMO RESENHA ARTIGO PROJETO MEMORIAL Memorial é um depoimento escrito relativo à lembrança, à vivência de alguém; memórias. Deve conter um breve relato sobre a história

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO V A e V F GRUPO V B e V E GRUPO V

Leia mais

Metodologias ativas na EaD. Sandra Rodrigues

Metodologias ativas na EaD. Sandra Rodrigues Metodologias ativas na EaD Sandra Rodrigues Metodologias ativas na EaD EaD no Brasil principais características Caminhos naturais para aprendizagem ativa nessa modalidade Participação e engajamento como

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Profª Lourdes Sufredini Profª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio João

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE DIREITO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO JANEIRO 2014 CAPÍTULO I DA MODALIDADE E OBJETIVOS Artigo 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) no Curso de Direito será elaborado na modalidade

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

e-book 6 PASSOS PARA IMPLANTAR GESTÃO POR RESULTADOS E COMPROMETER SUA EQUIPE www.smartleader.com.br

e-book 6 PASSOS PARA IMPLANTAR GESTÃO POR RESULTADOS E COMPROMETER SUA EQUIPE www.smartleader.com.br e-book ÍNDICE SEU CONTEÚDO PRIMEIRO PASSO SENSIBILIZAR As principais técnicas para sensibilizar sua equipe 03 SEGUNDO PASSO CRIAR OBJETIVOS A importância de definir objetivos para a empresa 06 TERCEIRO

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Educação Física Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1º, 2º, 3º Ano Carga Horária: 80h/a (67/H) Docente Responsável: EMENTA

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

O PRIMEIRO ENCONTRO com

O PRIMEIRO ENCONTRO com Realização Apoio apresenta Concerto de Leitura com Élida Marques Eduardo Contrera Trechos do romance Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa Élida Marques Produções Artísticas Ltda. PRONAC 154042 programa

Leia mais

Um bom lugar para ler

Um bom lugar para ler Um bom lugar para ler E.E. Olímpio Catão sala 1- sessão 2 um livro Professor(es) Apresentador(es): Iva Tavares da Rocha Realização: Projeto Um bom lugar para ler um livro Prof. Iva Foco O Projeto Um bom

Leia mais

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO Planejar o Gerenciamento das Comunicações O gerenciamento das comunicações do projeto inclui os processos necessários para assegurar que as informações do projeto

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

PLANO DE AULAS. P3) Montagem de painel criativo com o tema educação ambiental e ocupação urbana. Valor 10 pontos.

PLANO DE AULAS. P3) Montagem de painel criativo com o tema educação ambiental e ocupação urbana. Valor 10 pontos. PLANO DE AULAS 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Matemática Componente Curricular/Disciplina: Leitura, Interpretação e Produção de Textos Carga Horária Total: 63,3h - Aulas semanais: 4 Professor(es)

Leia mais

ANIGER FRANCISCO DE M MELILLO DOM

ANIGER FRANCISCO DE M MELILLO DOM i ANIGER FRANCISCO DE M MELILLO DOM Índice 1. Protagonismo Juvenil 1.1 Oferecer amplo leque oportunidades para o desenvolvimento das competências acadêmicas requeridas para a série/ano. 1.2 Introduzir

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

PROJETO : INTEGRAÇÃO DE ALUNOS ESTRANGEIROS. 2) Ação: INCLUIR- Inclusão social e cultural para alunos estrangeiros

PROJETO : INTEGRAÇÃO DE ALUNOS ESTRANGEIROS. 2) Ação: INCLUIR- Inclusão social e cultural para alunos estrangeiros PROJETO : INTEGRAÇÃO DE ALUNOS ESTRANGEIROS NA UFPR - INTEGRAR UFPR 1) Ação : APOIAR Apoio ao aluno estrangeiro 2) Ação: INCLUIR- Inclusão social e cultural para alunos estrangeiros 3) Ação: ACOLHER- Acolhimento

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Produção Gráfica CST Produção Multimídia A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

REGULAMENTO DA BRINQUETOTECA

REGULAMENTO DA BRINQUETOTECA REGULAMENTO DA BRINQUETOTECA Governador Valadares 2015 REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA Regulamenta o funcionamento da Brinquedoteca no âmbito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Governador Valadares

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU 0 ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU APRESENTAÇÃO Este manual busca orientar os funcionários do quadro da FAEPU sobre a Avaliação de Desempenho que será realizada.

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA TEORIA E PRÁTICA.

ASSESSORIA DE IMPRENSA TEORIA E PRÁTICA. ASSESSORIA DE IMPRENSA TEORIA E PRÁTICA. AUTORES Elisa Kopplin Ferraretto Graduada em Jornalismo e mestre em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Assessora de imprensa,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA - 2015...o brinquedo desperta interesse e curiosidade... Rubem Alves Autora: Rita Siqueira Público alvo: alunos

Leia mais

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS?

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? II Encontro Orientadores de Estudo PNAIC A criança no ciclo de alfabetização Mônica Correia Baptista monicacb.ufmg@gmail.com Professora Departamento de Administração

Leia mais

RESENHA / REVIEW COMPUTADORES E LINGUAGENS NAS AULAS DE CIÊNCIAS

RESENHA / REVIEW COMPUTADORES E LINGUAGENS NAS AULAS DE CIÊNCIAS RESENHAS REVIEWS RESENHA / REVIEW COMPUTADORES E LINGUAGENS NAS AULAS DE CIÊNCIAS GIORDAN, Marcelo. Computadores e Linguagens nas aulas de Ciências: uma perspectiva sociocultural para compreender a construção

Leia mais

NORMAS ORIENTADORAS DOS NÚCLEOS DE ENSINO

NORMAS ORIENTADORAS DOS NÚCLEOS DE ENSINO NORMAS ORIENTADORAS DOS NÚCLEOS DE ENSINO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO 2005 SUMÁRIO 1. DOS PRINCÍPIOS E FINALIDADES 2. DOS OBJETIVOS 3. DOS PROJETOS E DAS SUAS PRIORIDADES 4. DA VINCULAÇÃO COM A UNIVERSIDADE

Leia mais

Entrevista com a Professora Dra. Juliana Reichert Assunção Tonelli

Entrevista com a Professora Dra. Juliana Reichert Assunção Tonelli Entrevista com a Professora Dra. Juliana Reichert Assunção Tonelli Natália Gasparini A professora Dra. Juliana Reichert Assunção Tonelli, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), coordena um projeto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

PLANO DE AÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CULTURA ESPORTE TURISMO E LAZER ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA 13 DE MAIO PLANO DE AÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA SÔNIA CRISTINA DE SOUZA ARAÚJO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO MELHORANDO O REPERTÓRIO E DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS NA ORGANIZAÇÃO.

DESENVOLVIMENTO HUMANO MELHORANDO O REPERTÓRIO E DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS NA ORGANIZAÇÃO. DESENVOLVIMENTO HUMANO MELHORANDO O REPERTÓRIO E DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS NA ORGANIZAÇÃO. CAMINHOS PALESTRAS & OFICINAS CURSOS PRESENCIAIS E A DISTÂNCIA PALESTRAS & OFICINAS MELHORANDO O REPERTÓRIO DA

Leia mais

E.E. MARIA CATHARINA COMINO TAREFA DE LÍNGUA PORTUGUESA

E.E. MARIA CATHARINA COMINO TAREFA DE LÍNGUA PORTUGUESA E.E. MARIA CATHARINA COMINO TAREFA DE LÍNGUA PORTUGUESA Tarefa de Língua Portuguesa do 2 Colegial A Elaborado por: Prof. Tiago S. de Oliveira psicotigl@yahoo.com.br / www.professortiago.jimdo.com Introdução

Leia mais

MANUAL DO LÍDER DE TURMA

MANUAL DO LÍDER DE TURMA Criada em 1 de 6 MANUAL DO LÍDER DE TURMA Criada em 2 de 6 Parabéns! Você foi eleito (a) representante de sua turma. O que demonstra o seu interesse em contribuir com os seus colegas e a Escola Profissional

Leia mais

Categoria: Agente Local de Inovação

Categoria: Agente Local de Inovação Prêmio Nacional de Inovação Edição 2014/2015 Anexo II Categoria: Agente Local de Inovação Prêmio Nacional de Inovação - Ciclo 2014/2015 Questões para a Autoavaliação na categoria Agente Local de Inovação

Leia mais

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História

Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Dossiê: Livro Didático e Ensino de História Luciana Rossato* Vanderlei Machado** O número 1 do volume 23 da Revista Cadernos do Aplicação aborda o livro didático de História. Busca situar sua historicidade,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO EDITAL Nº 02/2011 CHAMADA PÚBLICA GRUPO DE TRABALHO RÁDIO UFT EDUCATIVA A Universidade Federal do Tocantins, por meio

Leia mais

QUAL É O NOSSO CAMPO DE ATUAÇÃO?

QUAL É O NOSSO CAMPO DE ATUAÇÃO? QUEM SOMOS? Caros jovens participantes do Jovens em Ação, para ajudar o grupo na realização do seu empreendimento social, o projeto entregará a vocês, em partes, algumas propostas de atividades que contribuirão

Leia mais

A 2ª geração do Romantismo: uma proposta de projeto. Duração: Em torno de 7 semanas (dependendo da escolha de produto final).

A 2ª geração do Romantismo: uma proposta de projeto. Duração: Em torno de 7 semanas (dependendo da escolha de produto final). A 2ª geração do Romantismo: uma proposta de projeto Aline Maciel Pereira Cyntia Luiza Trevor Título do projeto: Românticos do séc. XXI Duração: Em torno de 7 semanas (dependendo da escolha de produto final).

Leia mais

A TECNOLOGIA COMO PROPULSORA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS. Aline Reis de Camargo Universidade Federal de Pelotas - UFPEL

A TECNOLOGIA COMO PROPULSORA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS. Aline Reis de Camargo Universidade Federal de Pelotas - UFPEL A TECNOLOGIA COMO PROPULSORA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS Aline Reis de Camargo Universidade Federal de Pelotas - UFPEL Município: São Francisco de Paula COOPESERRA - Colégio Expressão INTRODUÇÃO O

Leia mais

SANTOS, Leonor Werneck. RICHE, Rosa Cuba. TEIXEIRA, Claudia Souza. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012.

SANTOS, Leonor Werneck. RICHE, Rosa Cuba. TEIXEIRA, Claudia Souza. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012. Resenhas 112 SANTOS, Leonor Werneck. RICHE, Rosa Cuba. TEIXEIRA, Claudia Souza. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012. Fernanda Cristina Ferreira* nandacferreira@hotmail.coml * Aluna

Leia mais

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes Géneros textuais e tipos textuais [texto de apoio para o curso de doutoramento em ciências da linguagem aplicadas ao ensino de línguas/universidade Pedagógica, Maputo, Outubro de 2015] Armando Jorge Lopes

Leia mais

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação.

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação. IMPORTANTE: Em ótimas condições do ambiente, a grande maioria das pessoas pode ter a capacidade de desempenhar-se adequadamente em quaisquer das seguintes competências. Referimo-nos a "ótimas condições"

Leia mais

CICLO MCT. Mentoring, Coaching e Training. Coordenador Estratégico de IES

CICLO MCT. Mentoring, Coaching e Training. Coordenador Estratégico de IES CICLO MCT Mentoring, Coaching e Training Coordenador Estratégico de IES Ciclo MCT Mentoring, Coaching e Training Coordenador Estratégico de IES Mentoring Inspira o participante a melhorar seu desempenho

Leia mais

COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE ENGENHARIA EM NANOTECNOLOGIA

COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE ENGENHARIA EM NANOTECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE ENGENHARIA EM NANOTECNOLOGIA O projeto EnTenda C&T se propõe a contribuir para a divulgação e desmistificação da ciência e tecnologia através da introdução da mais nova e mais

Leia mais

Fundação Darcy Ribeiro

Fundação Darcy Ribeiro I Fundação Darcy Ribeiro ATUAÇÃO DOS EDUCADORES PONTOS ESSENCIAIS DA PROPOSTA Vídeo 05 Coordenação Nacional Formação Inicial e Continuada do Educador do ProJovem: o especialista, o pensador, o cidadão

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

- Cada professor poderá organizar a participação de sua turma em função de suas prioridades curriculares.

- Cada professor poderá organizar a participação de sua turma em função de suas prioridades curriculares. ETAPA 1 ESCOLHA DO PERSONAGEM HISTÓRICO Na primeira etapa do projeto, o objetivo é simples: a turma deverá escolher e indicar um personagem histórico cujo papel irá assumir, na rede social criada exclusivamente

Leia mais

VIA POÉTICA. Descrição do Objeto:

VIA POÉTICA. Descrição do Objeto: ¹Eliana Maria Marques, Maria Lucineide Pimentel Guimarães, Maria das Graças Siqueira Prefeitura do Município de Diadema. Secretaria da Cultura. Serviço de Biblioteca e Documentação. Diadema,São Paulo.

Leia mais

ENTENDENDO AS ETAPAS ETAPA 1 QUESTIONÁRIO

ENTENDENDO AS ETAPAS ETAPA 1 QUESTIONÁRIO ENTENDENDO AS ETAPAS ETAPA 1 QUESTIONÁRIO Na primeira etapa do Guia de Profissões, cada estudante deverá responder, individualmente, a uma pesquisa (elaborada pela orientadora vocacional Selena Greca e

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS GERÊNCIAS.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS GERÊNCIAS. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS GERÊNCIAS. IFNMG - Câmpus Pirapora 1 1- O QUE É O NPG O Núcleo de Práticas Gerenciais - NPG é um laboratório de práticas administrativas, com layout devidamente planejado

Leia mais

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem O desenvolvimento social e cognitivo do estudante pressupõe que ele tenha condições, contando com o apoio dos educadores, de criar uma cultura inovadora no colégio, a qual promova o desenvolvimento pessoal

Leia mais

RELATÓRIO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO NOME DO ALUNO(A): REGISTRO ACADÊMICO: ORIENTADOR DO UNIBRASIL: SEMESTRE LETIVO: EMPRESA: PERÍODO DE REALIZAÇÃO: TOTAL DE DIAS DE ESTÁGIO: TOTAL DE HORAS: NOME DO(A) RESPONSÁVEL NA EMPRESA: FUNÇÃO: Data

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

Construção de FANZINE Nuria Meurer

Construção de FANZINE Nuria Meurer Construção de FANZINE Nuria Meurer Agradecimento. Quero agradecer aos professores que participaram deste trabalho, levando novas formas de aprendizagem, iniciando o processo de autoria na produção da Fanzine

Leia mais

Trabalho de Atividade Complementar ou Compensação de Notas

Trabalho de Atividade Complementar ou Compensação de Notas Trabalho de Atividade Complementar ou Compensação de Notas Trabalho de Atividade Complementar ou Compensação de Notas: A arte de argumentar: Gerenciando Razão e Emoção Curso: Licenciatura em Pedagogia

Leia mais

senhor texugo e dona raposa a confusão

senhor texugo e dona raposa a confusão projeto pedagógico senhor texugo e dona raposa a confusão Uma História em Quadrinhos Senhor Texugo e Dona Raposa 2. A CONFUSÃO Série Premiada Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar

Leia mais

TREVISAN ESCOLA SUPERIOR DE NEGÓCIOS REGULAMENTO. Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP

TREVISAN ESCOLA SUPERIOR DE NEGÓCIOS REGULAMENTO. Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP TREVISAN ESCOLA SUPERIOR DE NEGÓCIOS REGULAMENTO Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP SÃO PAULO 2015 4 Sumário 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 5 2. FINALIDADE E OBJETIVOS DO NAP... 5 3. ATUAÇÃO DO NAP...

Leia mais

PROJETO ESCOLA DE PAIS E FILHOS

PROJETO ESCOLA DE PAIS E FILHOS PROJETO ESCOLA DE PAIS E FILHOS EMEF-I Prof. Manoel Ignácio de Moraes Professor(es) Apresentador(es): Sônia Maria Romano Rosemary de Almeida Teixeira Oliveira Realização: Foco do Projeto A programação

Leia mais

Entrevista Carreira Correio Braziliense

Entrevista Carreira Correio Braziliense Entrevista Carreira Correio Braziliense 1. Por que as habilidades pessoais (ou socioemocionais) são cada vez valorizadas? As pessoas são contratadas por seu currículo, ou seja, pela formação acadêmica

Leia mais

Didática: diálogos com a prática educativa

Didática: diálogos com a prática educativa Didática: diálogos com a prática educativa O sonho de todo professor é dar uma aula atrativa para os alunos, conquistando a atenção dos educandos e o interesse para a construção de uma aprendizagem significativa.

Leia mais

PROJETO: CONCURSO I PRÊMIO DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO EPT DETRAN/PE

PROJETO: CONCURSO I PRÊMIO DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO EPT DETRAN/PE PROJETO: CONCURSO I PRÊMIO DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO EPT DETRAN/PE 1 Objetivo do Projeto Realizar o Concurso - I PRÊMIO DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO ESCOLA PÚBLICA DE TRÂNSITO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE

Leia mais

PROJETO: SOU LETRANDO.

PROJETO: SOU LETRANDO. PROJETO: SOU LETRANDO. Acadêmicos: Thainara Lobo e Ailton Ourique Escola Estadual de Ensino Fundamental Dr Mário Vieira Marques (CIEP) São Luiz Gonzaga, 2016 1.TEMA Projeto de Leitura: Sou Letrando. 2.PROBLEMA

Leia mais