ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva"

Transcrição

1 ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva TURMA A Profª Me. Karla Prado de Souza Cruvinel 2016/1

2 CRONOGRAMAS TEORIA/PRELEÇÃO - TURMA A01 Segundas-feiras: 7:15 às 8:45h (Sala 08 E, Área IV) Terças-Feiras: 9:00 às 10:30h (Sala 08 E, Área IV) Data Conteúdo CH 15/02 Cronograma/Plano de Ensino/Estabelecimento de diretrizes do Eixo e integração com a Unidade e Módulo. Programa de Orientação ao Aluno (CEAD/PROGRAD). Inscrições até 26/ /02 Revisão: História Natural das Doenças e Níveis de Prevenção 02 22/02 Epidemiologia Descritiva Variáveis de Tempo (variações cíclicas, sazonais e tendência) 02 23/02 Epidemiologia Descritiva Variáveis de Lugar e Pessoa 02 29/02 Indicadores de Saúde Introdução (Taxa, Proporção, Razão e Índice) 02 01/03 Indicadores Demográficos 02 07/03 Indicadores Socioeconômicos 02 08/03 Indicadores de Saúde de Morbidade (Incidência, Prevalência e Letalidade) 02 14/03 Avaliação Bimestral Parcial N1 (5,0 pontos) Teoria 02 15/03 Feedback Avaliação. Indicadores de Saúde Mortalidade 02 21/03 Principais Indicadores de Mortalidade 02 22/03 Tendência, Curva Epidêmica e Diagnóstico em Saúde Coletiva 02 28/03 Texto: Vigilância Epidemiológica e Sistemas de Informação em saúde 02 29/03 Investigação de casos, surtos e epidemias /04 Revisão para avaliação /04 Avaliação Bimestral Parcial N2 (5,0 pontos) Teoria às 7:15h (TODOS na Sala Multiuso 1) 04 11/04 Feedback Avaliação 02 Subtotal 36h/aula 04/06 Entrega da Atividade Externa da Disciplina (AED) 04 TOTAL 40h/aula PRÁTICA EM LABORATÓRIO - A01 Subturmas A01-1, A01-2 e A01-5 Terças e Quartas-feiras: 10:45h às 12:15h Local: Laboratório de Informática da Área VI Data Conteúdo CH 16/02 Cronograma/Plano de Ensino/Metodologia das aulas práticas. 02 História Natural das Doenças Estudo de um caso e definição dos níveis de prevenção 17/02 Aula inaugural de Enfermagem 02 23/02 Noções básicas de Matemática. Uso do Excel para cálculos simples /02 Cálculo de frequência mediante conceitos de epidemiologia. Manuseio do excel na epidemiologia /03 DATASUS Busca por População, Escolaridade e Renda (Demográficos e Socioeconômicos) 02 02/03 IBGE Pirâmides etárias 02 08/03 DATASUS Epidemiológicos e Morbidade (Incidência e Prevalência de agravos) (SINAN) 02 09/03 DATASUS Epidemiológicos e Morbidade (Incidência e Prevalência de agravos) (SINAN) 02 15/03 DATASUS Epidemiológicos e Morbidade (Letalidade) 02 16/03 Avaliação Bimestral Parcial N1 (5,0 pontos) Prática 02 22/03 Estatísticas vitais. Mortalidade Geral (SIM) e Mortalidade Infantil (SINASC) 02 23/03 Mortalidade por causas 02 29/03 SIAB (Saneamento Básico) 02 30/03 Mapa da Saúde de Goiás 02 06/04 Avaliação Bimestral Parcial N2 (5,0 pontos) Prática (TODOS) 04 12/04 Feedback avaliação prática 02 13/04 Entrega parcial de notas. Orientações para AED 02 Subtotal 36h/aula 04/06 Entrega da Atividade Externa da Disciplina (AED) 04 TOTAL 40h Subturmas A01-3 e A01-4 e A01-6 Segundas-feiras:10:45 às 12:15h Local: Laboratório de Informática da Área VI Quartas-Feiras: 9:00 às 10:30h Local: Laboratório de Informática da Área VI Data Conteúdo CH 15/02 Cronograma/Plano de Ensino/Metodologia das aulas práticas. 02 História Natural das Doenças Estudo de um caso e definição dos níveis de prevenção 17/02 Aula inaugural de Enfermagem 02 22/02 Noções básicas de Matemática. Uso do Excel para cálculos simples /02 Cálculo de frequência mediante conceitos de epidemiologia. Manuseio do excel na epidemiologia /02 DATASUS Busca por População, Escolaridade e Renda (Demográficos e Socioeconômicos) 02 02/03 IBGE Pirâmides etárias 02 07/03 DATASUS Epidemiológicos e Morbidade (Incidência e Prevalência de agravos) (SINAN) 02 09/03 DATASUS Epidemiológicos e Morbidade (Incidência e Prevalência de agravos) (SINAN) 02 14/03 DATASUS Epidemiológicos e Morbidade (Letalidade) 02 16/03 Avaliação Bimestral Parcial N1 (5,0 pontos) Prática 02 21/03 Estatísticas vitais. Mortalidade Geral (SIM) e Mortalidade Infantil (SINASC) 02 23/03 Mortalidade por causas 02 28/03 SIAB (Saneamento Básico) 02 30/03 Mapa da Saúde de Goiás 02 06/04 Avaliação Bimestral Parcial N2 (5,0 pontos) Prática (TODOS) 04 11/04 Feedback avaliação prática 02 13/04 Entrega parcial de notas. Orientações para AED 02 Subtotal 36h/aula 04/06 Entrega da Atividade Externa da Disciplina (AED) 04 TOTAL 40h

3 UNIDADE: PROMOÇÃO DA SAÚDE III ENF 1081 = MEDIDAS EM SAÚDE COLETIVA ET 21 Profª Me. Karla Prado de Souza Cruvinel ROTEIRO DAS AULAS DE LABORATÓRIO Preleção: ROUQUAYROL, M.Z.; GOLDBAUM, M. Epidemiologia, história Natural e Prevenção de Doenças. In.: ROUQUAYROL, M.Z.; ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia & Saúde. 6. ed. Rio de Janeiro: MEDSI, Cap. 02. p AULAS PRÁTICAS Nº 01 e 02 Texto: A história de Luis AULAS PRÁTICAS Nº 03 e 04 (Aula Inaugural de Enfermagem)

4 AULAS PRÁTICAS Nº 05 E 06 Razões, proporções e taxas. Medidas de frequência Razão divisão entre duas medidas relacionadas entre si. Na razão o denominador não inclui o numerador, são duas entidades separadas e distintas. Muitas vezes os índices (medida sumária comparativa entre dois ou mais fenômenos) são expressos como razões. Ex.: B (Numerador) A (Denominador) Proporção divisão entre duas medidas, estando o numerador incluído no denominador. Pode ser usada para estimar a probabilidade de um evento. Ex.: A A+B Taxa variação de uma medida y em função da variação de uma medida x; referida a um determinado tempo, estando associada com a rapidez de mudança de fenômenos. Razão, proporção e taxa são termos claramente definidos que não podem ser usados como sinônimos. As razões são usadas como índices, as proporções são frequências relativas ou fracções e frequentemente estimam (ou são) probabilidades de certos eventos, e as taxas descrevem a velocidade e a direção (padrões) de mudança em processos dinâmicos. Enquanto que as taxas nos dizem quão rapidamente a doença ocorre na população, a proporção diz-nos qual a fração da população afetada. Frequência absoluta número total (de casos, de elementos ); é uma contagem absoluta, não tem denominador. Frequência relativa quociente entre a frequência absoluta e o número total. Distribuição de frequências indica de que modo a variável se distribui, conjunto de frequências obtido em cada grupo. Exercício: Em um estudo, 2477 pessoas com mais de 50 anos, foram acompanhadas durante 5 anos para observação de lesões oculares (retinopatia diabética e catarata). Ao final do quinto ano, observou-se os dados conforme distribuição abaixo: Ano 1 35 cataratas; 21 retinopatias Ano 2 30 cataratas; 15 retinopatias Ano 3 25 cataratas; 00 retinopatias Ano 4 75 cataratas; 17 retinopatias Ano 5 40 cataratas; 12 retinopatias Obs.: Nenhum indivíduo desenvolveu as duas patologias. a) Qual a frequência absoluta dos casos de catarata? E de retinopatia diabética? b) Qual a razão entre o total de retinopatias diabéticas e catarata? c) Se considerarmos apenas os indivíduos que adoeceram no estudo, qual a proporção de pessoas com catarata? E com retinopatia diabética? d) Considerando-se a totalidade de pessoas acompanhadas nesses cinco anos, qual o percentual de indivíduos com catarata no final do estudo? E o percentual de indivíduos que desenvolveram retinopatia diabética? e) No Ano 2, qual foi a razão pessoas com catarata e com retinopatias?

5 AULAS PRÁTICAS Nº 07 E 08 Objetivos da Aula: Acesso ao Excel for windows; Elaborar Planilhas; Inserir fórmulas matemáticas simples; Formatar planilha; Inserir textos. Elabore uma Planilha conforme descrição abaixo: Agora, use fórmulas para realização dos cálculos. Considere apenas duas casas decimais.

6 Preleção: ROUQUAYROL, M.Z.; BARRETO, M. Abordagem Descritiva em Epidemiologia. In.: ROUQUAYROL, M.Z.; ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia & Saúde. 6. ed. Rio de Janeiro: MEDSI, Cap. 04. p AULAS PRÁTICAS Nº 05 e 06 AULAS PRÁTICAS Nº 09 E 10 Baseado nos dados coletados nos Censos demográficos de 1991, 2000 e 2010, analise a proporção de moradores do Município de Goiânia, com acesso ao Abastecimento de Água, Instalações Sanitárias e com acesso a Coleta de Lixo. Faça uma planilha e utilize fórmulas para os cálculos. Pirâmides etárias AULAS PRÁTICAS Nº 11 E 12 censo2010.ibge.gov.br 1º) Elaborar a pirâmide etária de seu município de preferência nos anos de 2000 e 2010; 2º) Repita o mesmo com o estado a que pertence o município escolhido; 2º) Fazer a leitura e análise da figura encontrada. AULAS PRÁTICAS Nº 13 E 14 Acesse a base de dados do Ministério da Saúde (DataSUS). Localize as informações sobre população, conforme Censo Demográfico; Localize as informações dos agravos de doenças de notificação compulsória; Agora, calcule a frequência de ocorrência de Dengue na cidade de Goiânia-GO, nos anos de 2007 a 2012, proporcionais para cada habitantes; Construa uma planilha com os cálculos. Leia o texto: BARRADAS, Rita de Cássia Barata. O Desafio das Doenças Emergentes e a Revalorização da Epidemiologia Descritiva. Informe Epidemiológico do SUS. v. 8, n. 1, p. 7-15, Após, apresente um texto entre 20 e 40 linhas conceituando e contextualizando os termos doenças emergentes e re-emergentes, esclarecendo a importância da epidemiologia descritiva. Apresentar na próxima aula (visto no caderno).

7 Preleção: SOARES, D. A.; ANDRADE, S. M.; CAMPOS, J.J.B. Epidemiologia e Indicadores de Saúde. In.: ANDRADE, S. M.; SOARES, D. A.; CORDONI JUNIOR, L. Bases da Saúde Coletiva. Londrina: UEL, Cap. 10. p (arquivo eletrônico enviado ao da turma) AULAS PRÁTICAS Nº 15 e 16 Indicadores de Morbidade: Prevalência, Incidência e Letalidade 1) Acesse a base de dados do DataSUS e identifique: População de Goiânia nos anos de 2009 a 2012; Número de casos de Dengue notificados em Goiânia de 2009 a 2012 (SINAN); Número de óbitos por Dengue nos anos de 2009 a Agora elabore uma Planilha contendo a Taxa de Incidência de Dengue no período (por cada habitantes) a Taxa de Letalidade (%) por Dengue nos anos estudados. 2) Elabore uma planilha contendo a Letalidade por Hepatites Virais na cidade de Goiânia e no estado de Goiás nos anos de 2010 a Redija as respostas das simulações 1 e 2 contemplando elementos da epidemiologia descritiva: tempo, lugar e pessoa. AULAS PRÁTICAS Nº 17 e 18 Analise a doença de notificação compulsória Meningite; Observe o número de casos novos dessa doença no período de 2010 a 2015 no Brasil, Região Centro Oeste, estado de Goiás e Goiânia; Calcule a incidência da Meningite, por ano estudado, para cada habitantes; Calcule a letalidade da doença, para cada ano estudado, conforme local; Faça a Planilha com todos os dados. AULAS PRÁTICAS Nº 19 e 20 Avaliação Prática N1

8 Preleção: LISE, Fernanda; COUTINHO, Simone Elisabeth Duarte. Mortalidade infantil geral e por causas específicas em Chapecó, Santa Catarina: 1999 a Pediatria Moderna - Grupo Editorial Moreira Junior. [online]. v. 44, n. 6, nov./dez., Disponível em: < AULAS PRÁTICAS Nº 21 e 22 Acesse o Sistema de Informação de Mortalidade (SIM); Identifique o número de nascidos vivos em Goiânia e em Goiás nos anos de 2010 a 2013; Identifique dados de óbitos em menores de 1 ano de vida (infantis) em Goiás e em Goiânia nos anos de 2010 a 2013; Calcule o CMI em cada ano, no município de Goiânia e no estado de Goiás; Calcule o CMI de acordo com o número de consultas pré-natal realizadas pela mãe, na cidade de Goiânia; Deixe as Planilhas, cálculos e fórmulas.

9 Preleção: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Procedimentos Técnicos e Avaliação de Sistemas de Vigilância Epidemiológica. In.:. Guia de Vigilância Epidemiológica. 7. ed. Brasília: Ministério da Saúde p AULAS PRÁTICAS Nº 23 e 24 Determinar o Coeficiente de Mortalidade Geral (para cada habitantes) de sua cidade natal (ou outra de sua escolha) e do estado que a mesma pertença e compará-lo com o Coeficiente de Mortalidade por Causas Externas (para cada habitantes) da mesma cidade e estado, nos anos de 2010 a Analise a planilha com os dados, observando as diferenças entre estes dois indicadores, suas vantagens, desvantagens e limitações Assistência à saúde - SIAB: AULAS PRÁTICAS Nº 25 e 26 Fazer o levantamento da Situação de Saneamento das Famílias cadastradas em sua cidade de preferência no período de 2010 a Utilize todos os dados disponíveis; Fazer o levantamento do número de pacientes cadastrados e em acompanhamento das seguintes patologias: - Diabetes -Hipertensão; -Hanseníase; -Tuberculose. No município de sua preferência nos anos de 2010 a ) Acesse o Mapa da Saúde do estado de Goiás: AULAS PRÁTICAS Nº 27 e 28 2) Analise os dados disponíveis e faça um breve relatório com sua opinião sobre o site e seu conteúdo. AULAS PRÁTICAS Nº 29 a 32 Avaliação Prática N2 AULAS PRÁTICAS Nº 33 e 34 Feedback AULAS PRÁTICAS Nº 35 e 36 Entrega parcial de notas

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico. 1. Indicadores epidemiológicos, mortalidade e morbidade.

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico. 1. Indicadores epidemiológicos, mortalidade e morbidade. UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Indicadores epidemiológicos, mortalidade e morbidade. 2. Exercícios gerais. 2.1 Estudos epidemiológicos coletivos.

Leia mais

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDA DA OCORRÊNCIA DE EVENTOS COMO DOENÇAS, AGRAVOS À SAÚDE (ACIDENTES, VIOLÊNCIAS) E MORTES. Exemplo: número de pessoas que apresentaram uma dada doença num certo

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 2 012 ano I nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico - Sífilis

Leia mais

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I:

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I: Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Unidade I: 0 Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Introdução Existem evidências

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Medidas de freqüência

Medidas de freqüência Medidas de freqüência IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena Kale e Antonio José Leal Costa 2009 Ocorrência de doença Medidas

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

Razões, proporções e taxas. Medidas de frequência.

Razões, proporções e taxas. Medidas de frequência. Razões, proporções e taxas. Medidas de frequência. 1. Prevalência número _ de _ casos ( P) total 2. Incidência Medidas de Frequência 3. Taxa de incidência número _ de _ casos _ novos ( I) número _ em _

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE MEDIDA DAS DOENÇAS

INDICADORES DE SAÚDE MEDIDA DAS DOENÇAS INDICADORES DE SAÚDE MEDIDA DAS DOENÇAS MEDIDA DAS DOENÇAS DEFINIÇÃO Consiste na enumeração da frequência com que uma doença e/ou agravo à saúde acomete uma população específica em um determinado tempo.

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO Rayana Cruz de Souza; Universidade Federal da Paraíba; rayana_souza@hotmail.com Maira Ludna Duarte; Universidade Federal

Leia mais

Quando utilizar a pesquisa quantitativa?

Quando utilizar a pesquisa quantitativa? Quando utilizar a pesquisa quantitativa? Utilizar pesquisa quantitativa Existem dados numéricos assecíveis e que possam ser medidos; Quando os dados numéricos parecem ser a resposta correta e óbvia; Há

Leia mais

aula 6: quantificação de eventos em saúde

aula 6: quantificação de eventos em saúde ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 6: quantificação de eventos em saúde Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Como quantificar eventos relacionados à saúde? O que medir? Como medir? Quando medir?

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35 QUESTÃO 17 Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: a) apresenta uma variação sazonal bem definida. b) ocorre em grande número de países

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina NUR300 Epidemiologia

Programa Analítico de Disciplina NUR300 Epidemiologia Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Vigilância, notificação, avaliação dos sistemas. 2 Indicadores epidemiológicos Indicadores em saúde coletiva, introdução

Leia mais

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Milene ZS Vosgerau Indicadores epidemiológicos A construção de indicadores de saúde é necessária para: analisar a situação atual de saúde; fazer comparações;

Leia mais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais

Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais Distribuição das doenças e agravos segundo características relacionadas às pessoas, ao tempo e ao espaço (I): Séries temporais IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE SURTO

INVESTIGAÇÃO DE SURTO INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE ORIGEM HOSPITALAR Dra Dominique Thielmann Infectologista Coordenação da CCIH do Hospital Pró Cardíaco RJ Serviço de Doenças Infectoparasitárias HUPE / UERJ Laboratório DASA RJ

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE DISCIPLINA 2011 DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL CÓDIGO: 4123.6 CARGA HORÁRIA: 60

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Economia e Gestão da Saúde SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Rafaela Landim Dutra Administradora UFJF Residente de Gestão Hospitalar HU/UFJF E-mail: residecoadm.hu@ufjf.edu.br Telefone: (32) 4009-5172 Ementa

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS PACTO PELA VIDA PRIORIDADE: I - ATENCAO A SAUDE DO IDOSO. OBJETIVO: PROMOVER A FORMACAO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE NUTRIÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO UFG PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. CURSO: NUTRIÇÃO 2. UNIDADE: FANUT 3. DISCIPLINA: Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL: TENDÊNCIAS E DESIGUALDADES

MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL: TENDÊNCIAS E DESIGUALDADES Elsa Giugliani MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL: TENDÊNCIAS E DESIGUALDADES VIII Congresso Mundial de Epidemiologia VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, RS 20-24 de setembro de 2008 EVOLUÇÃO

Leia mais

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel

Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Conceito de Ecoepidemiologia Prof. Claudia Witzel Definição Os fenômenos estudados pela epidemiologia pertencem ao âmbito coletivo e, portanto, devem remeter ao social. Faz sentido pensar em algum processo

Leia mais

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Martin Handford, Where s Wally? População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Antonio

Leia mais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Secretaria de Estado de Saúde Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Gilson Jácome dos Reis Coordenador do CIEVS-RJ PRESSUPOSTOS: Cenário epidemiológico Transição demográfica e epidemiológica Diminuição

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO FICHA DE OBSERVAÇÃO ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina: Atenção Primária à Saúde e Estratégia de Saúde da Família Local: Profissional

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Organização do Sistema Organização do SUS em Pernambuco Estadual de Saúde

Organização do Sistema Organização do SUS em Pernambuco Estadual de Saúde Seminário Internacional de Atenção Primária/Saúde da Família Expansão com qualidade e valorização dos Resultados Dr. Jorge Gomes Secretário Estadual de Saúde Organização do Sistema Organização do SUS em

Leia mais

Sistemas de Informação em Saúde. Profa. Larissa Praça de Oliveira Doutora em Saúde Coletiva/ UFRN

Sistemas de Informação em Saúde. Profa. Larissa Praça de Oliveira Doutora em Saúde Coletiva/ UFRN Sistemas de Informação em Saúde Profa. Larissa Praça de Oliveira Doutora em Saúde Coletiva/ UFRN Conceituando a Epidemiologia O que é epidemiologia? Epidemiologia Ciência que estuda a distribuição das

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 VOLUME I DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 29-212 VOLUME I DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Março de 214 Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços

Leia mais

Joseney Santos

Joseney Santos Joseney Santos joseney.santos@saude.gov.br O Brasil está entre os 22 países que concentram 80% dos casos de Tb no mundo. (OMS) Responsável, junto com o Peru por 50% dos Casos nas Américas. (OMS) Média

Leia mais

Construção de Indicadores de Saúde (Mortalidade) Aplicados ao Ensino de Epidemiologia Descritiva

Construção de Indicadores de Saúde (Mortalidade) Aplicados ao Ensino de Epidemiologia Descritiva Construção de Indicadores de Saúde (Mortalidade) Aplicados ao Ensino de Epidemiologia Descritiva Michelle de Oliveira Bloomfield Fernandes, Helia Kawa,, Edna Massae Eyokoo,, Luciana Tricai Cavalini Instituto

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-15 MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Resumo Eva

Leia mais

CUSTOS E CARGA DA DOENÇA AULA #2. Giácomo Balbinotto Neto (UFRGS/IATS)

CUSTOS E CARGA DA DOENÇA AULA #2. Giácomo Balbinotto Neto (UFRGS/IATS) CUSTOS E CARGA DA DOENÇA AULA #2 Giácomo Balbinotto Neto (UFRGS/IATS) Cost of Illness (CoI) Um estudo do custo da doença (COI) visa determinar o impacto econômico total (custo) de uma doença ou condição

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM UEL/CCS CURSO DE ODONTOLOGIA. NOME: Epidemiologia e Metodologia de Pesquisa OFERTA: Semestral SÉRIE: 2ª ANO LETIVO: 2016

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM UEL/CCS CURSO DE ODONTOLOGIA. NOME: Epidemiologia e Metodologia de Pesquisa OFERTA: Semestral SÉRIE: 2ª ANO LETIVO: 2016 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM UEL/CCS CURSO DE ODONTOLOGIA DOCENTES: Maria Luiza Hiromi Iwakura Kasai (coordenadora) CÓDIGO: 6MOD067 Maria Celeste Morita (MOOI) Maura Sassahara Higasi

Leia mais

SEXO POPULAÇÃO AMOSTRA

SEXO POPULAÇÃO AMOSTRA Amostragem É o estudo de um pequeno grupo de elementos retirado de uma população que se pretende conhecer. Esses pequenos grupos retirados da população são chamados de Amostras. Como a amostragem considera

Leia mais

Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto

Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto SECRETARIA DA SAUDE D Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto Darlene Caprari Pires Mestriner Assistente da Secretaria de Saúde Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto 1 PORTARIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA ATENÇAO PRIMÁRIA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA III Mostra Nacional de Produção em Saúde

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 Ano 09 - N⁰ 02 23 de Julho de 2009 Influenza Edição Especial Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 APRESENTAÇÃO Desde a declaração de Emergência de Saúde Pública de Importância

Leia mais

MORTALIDADE EM IDOSOS POR DOENÇAS E AGRAVOS NÃO- TRANSMISSÍVEIS (DANTS) NO BRASIL: UMA ANÁLISE TEMPORAL

MORTALIDADE EM IDOSOS POR DOENÇAS E AGRAVOS NÃO- TRANSMISSÍVEIS (DANTS) NO BRASIL: UMA ANÁLISE TEMPORAL MORTALIDADE EM IDOSOS POR DOENÇAS E AGRAVOS NÃO- TRANSMISSÍVEIS (DANTS) NO BRASIL: UMA ANÁLISE TEMPORAL Autores: Wilton Rodrigues Medeiros, Grasiela Piuvezam, Andressa Vellasco Brito Costa, Felipe da Fonseca

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 Brum. C. N. ; Zuge. S. S. ; Ribeiro, A. C. ; Tronco, C. S. ; Tolentino, L. C. ; Santos, É. É. P. ;Padoin, S. M. M.

Leia mais

Vigilância Epidemiológica, Sanitária e Ambiental

Vigilância Epidemiológica, Sanitária e Ambiental Saúde Pública Vigilância Epidemiológica, Sanitária e Ambiental Tema 8 Estudos em Epidemiologia Bloco 1 Danielle Cristina Garbuio Objetivo da aula Apresentar os principais desenhos de pesquisa em epidemiologia.

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Profa. Rachel Sindeaux

Vigilância Epidemiológica. Profa. Rachel Sindeaux Vigilância Epidemiológica Profa. Rachel Sindeaux Vigilância Atividade contínua, permanente e sistemática; Foco para resultados inespecíficos para obtenção de metas; Utilização de dados relacionados com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014

Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Profª Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

TIPOS DE MEDIDAS MATEMÁTICAS INDICADORES

TIPOS DE MEDIDAS MATEMÁTICAS INDICADORES TIPOS DE MEDIDAS MATEMÁTICAS INDICADORES Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. Indicadores

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. Histórico e Conceitos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

EPIDEMIOLOGIA. Histórico e Conceitos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde EPIDEMIOLOGIA Histórico e Conceitos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Uma Breve História da Epidemiologia Hipócrates Dos ares, das águas e dos lugares quem quiser prosseguir no estudo da ciência

Leia mais

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda ATENÇÃO BÁSICAB SICA: Programa de Saúde da Família (PSF) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF) Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Disciplina: SAÚDE PÚBLICA P I (MS-052) Prof. Walfrido K.

Leia mais

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Quais são os principais agentes da meningite? Etiologia meningites Brasil 2007-2010 (fonte: SINAN) Etiologia

Leia mais

Diagnóstico Socioterritorial

Diagnóstico Socioterritorial Município: Porto Alegre / RS Apresentação Este Boletim de Diagnóstico Socioterritorial tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 11 - Oeste Baiano

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 11 - Oeste Baiano Caracterização dos Territórios de Identidade Território 11 - Oeste Baiano Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 75.387,76 398.166

Leia mais

CURITIBA - PR habitantes habitantes ,84 hab/km². 76,30 anos. População : Estimativa populacional - 2.

CURITIBA - PR habitantes habitantes ,84 hab/km². 76,30 anos. População : Estimativa populacional - 2. CURITIBA - PR População - 2.010: 1.751.907 habitantes Estimativa populacional - 2.016: 1.893.997 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010: 0,99% Densidade demográfica - 2.010: 4.024,84 hab/km²

Leia mais

Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia.

Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia. NOTA INFORMATIVA Nº 01/2015 - DIVEP//SUVISA/SESAB Assunto: Atualização dos casos notificados de microcefalia no estado da Bahia. Situação epidemiológica atual Na Bahia, até 1º de dezembro de 2015, foram

Leia mais

Empoderando vidas. Fortalecendo nações.

Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Nota metodológica sobre o cálculo de indicadores demográficos do Brasil Apesar dos avanços na qualidade das estatísticas vitais no Brasil, eles ocorreram de forma

Leia mais

Título do Trabalho: Autores: Instituição: Introdução

Título do Trabalho: Autores: Instituição: Introdução diversos sorogrupos do meningococo no período de 2007 a 2015 e as Vacinas do atual Calendário Nacional Introdução Meningite é a inflamação das meninges, causada principalmente pela bactéria Neisseria meningitidis.

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

Cenário Epidemiológico da Dengue no Rio Grande do Norte

Cenário Epidemiológico da Dengue no Rio Grande do Norte GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO À SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE NO RN Cenário Epidemiológico da Dengue no Rio Grande

Leia mais

CIR DE VALE DO RIBEIRA

CIR DE VALE DO RIBEIRA CIR DE VALE DO RIBEIRA Possui 15 municípios: Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Registro

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 205 Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira digo: 87 Município: Santana de Parnaíba o Tecnológico: Gestão e Negócios bilitação

Leia mais

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 09 de 2016

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 09 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 9 de 216 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 216 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

RA Vila Isabel. Indicadores Rio Como Vamos

RA Vila Isabel. Indicadores Rio Como Vamos 3 RA Vila Isabel Indicadores Rio Como Vamos 1 CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO A Região Administrativa (RA) de Vila Isabel faz parte da Área de Planejamento 2. Abaixo podemos observar os gráficos referentes

Leia mais

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS)

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS) Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS) PORTARIA Nº 1.708, DE 16 DE AGOSTO DE 2013 Regulamenta o Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS), com a definição

Leia mais

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 13 de 2016

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 13 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a 13 de 216 A vigilância da influenza no é composta pela vigilância sentinela de Síndrome Gripal

Leia mais

Profa. Drª. Nazareth Elias S. Nascimento. Goiânia, 27 de Março de 2012

Profa. Drª. Nazareth Elias S. Nascimento. Goiânia, 27 de Março de 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE PATOLOGIA TROPICAL E SAÚDE PÚBLICA VIGILÂNCIA EM SAÚDE Profa. Drª. Nazareth Elias S. Nascimento Goiânia, 27 de Março de 2012 Apresentação 1. Introdução 2. Aspectos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA HEPATITE B NA PARAÍBA: ANÁLISE DOS CASOS NOTIFICADOS PELO SINAN

DISTRIBUIÇÃO DA HEPATITE B NA PARAÍBA: ANÁLISE DOS CASOS NOTIFICADOS PELO SINAN DISTRIBUIÇÃO DA HEPATITE B NA PARAÍBA: ANÁLISE DOS CASOS NOTIFICADOS PELO SINAN Luan Caio Andrade de Morais*; Universidade Federal da Paraíba; luancaio_7@hotmail.com Maira Ludna Duarte; Universidade Federal

Leia mais

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira TALLER REGIONAL SOBRE ANÁLISIS DE COHERENCIA, CALIDAD Y COBERTURA DE LA INFORMACION CENSAL Noções Básicas sobre Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira Santiago, Chile, 1 al 5 agosto de 2011 Data

Leia mais

Elaboração: 30/01/2012 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ

Elaboração: 30/01/2012 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ Ind020208 Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas Universidade Federal de Pelotas Unidade 1 - Análise Situacional Controle do Câncer de Colo de Útero e de Mama Questionário Nesta semana, você irá responder os blocos de perguntas sobre Controle do Câncer

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS E RESPOSTA EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde Departamento de Epidemiologia/

Leia mais

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 A vigilância da Influenza é realizada por meio de notificação e investigação de casos de internações hospitalares por Síndrome

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 COMPONENTE CURRICULAR: BIOESTATÍSTICA CÓDIGO: ENF - 308 PRÉ-REQUISITO: Nenhum PERÍODO LETIVO: 2016.2

Leia mais

DETECÇÃO DE EPIDEMIA E A CURVA EPIDÊMICA

DETECÇÃO DE EPIDEMIA E A CURVA EPIDÊMICA 7.1 Introdução 7.2 Notificação compulsória 7.3 Critérios de identificação de epidemia 7.3.1 Índice endêmico e diagrama de controle 7.4 Conclusão Referências 7 DETECÇÃO DE EPIDEMIA E A CURVA EPIDÊMICA Dirce

Leia mais

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos.

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos. Introdução AVE- Acidente Vascular Encefálico, também conhecido como AVC e derrame cerebral, é classicamente caracterizado pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. A American Heart

Leia mais

Concurso Público 2016

Concurso Público 2016 Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Concurso Público 2016 Epidemiologia em Saúde Pública Prova Discursiva Questão 01 Para avaliar o efeito da cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF)

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

IV. METODOLOGIA DE ENSINO:

IV. METODOLOGIA DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 Chefe do Departamento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Luís do Quitunde, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 406,14 km² IDHM 2010 0,536 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PLANO DE CURSO. Permitir ao aluno desenvolver as seguintes habilidades:

Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PLANO DE CURSO. Permitir ao aluno desenvolver as seguintes habilidades: CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Código: ENF-219 Pré-requisito:

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Escola de Economia de São Paulo Centro de Microeconomia Aplicada C-Micro/FGV

Fundação Getúlio Vargas Escola de Economia de São Paulo Centro de Microeconomia Aplicada C-Micro/FGV Fundação Getúlio Vargas Escola de Economia de São Paulo Centro de Microeconomia Aplicada C-Micro/FGV Indicador Social de Desenvolvimento dos Municípios ISDM Nota Técnica Equipe: André Portela de Souza

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 Márcia Regina Buzzar Divisão de Zoonoses CVE SES-SP mbuzzar@saude.sp.gov.br INTRODUÇÃO A Leptospirose é doença infecciosa

Leia mais

DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E BIOESTATÍSTICA LICENCIATURA: ENFERMAGEM; FISIOTERAPIA

DISCIPLINA: EPIDEMIOLOGIA E BIOESTATÍSTICA LICENCIATURA: ENFERMAGEM; FISIOTERAPIA Aula nº 1 Data: 3 de Outubro de 2002 1. INTRODUÇÃO: POPULAÇÕES, AMOSTRAS, VARIÁVEIS E OBSERVAÇÕES Conceito de Bioestatística e importância da disciplina no âmbito da investigação biológica. Limitações

Leia mais

Secretaria Saúde Pública de Cambé

Secretaria Saúde Pública de Cambé Secretaria Saúde Pública de Cambé PARTICIPAÇÃO DAS EQUIPES DAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA, DA EQUIPE GESTORA DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NA AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DOS INDICADORES DE SAÚDE CAMBÉ

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Secretaria de Vigilância em

Leia mais

Análise de contexto Babaçulândia-TO. Foto: preciso de uma foto!

Análise de contexto Babaçulândia-TO. Foto: preciso de uma foto! Análise de contexto Babaçulândia-TO Foto: preciso de uma foto! EQUIPE DE ELABORAÇÃO: Dezembro de 2014 PARTICIPANTES Fernando Ferreira Carneiro UnB/DSC Vanira Matos Pessoa FIOCRUZ/CE Rackynelly Alves Sarmento

Leia mais

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Mortalidade e Esperança de Vida

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Mortalidade e Esperança de Vida Martin Handford, Where s Wally? População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Mortalidade

Leia mais

Conceito de Estatística

Conceito de Estatística Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos, observáveis. Unidade Estatística um fenômeno individual é uma unidade no conjunto que irá constituir

Leia mais

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese 2.3 - Medidas de Síntese Além das tabelas e gráficos um conjunto de dados referente a uma variável QUANTITATIVA pode ser resumido (apresentado) através de Medidas de Síntese, também chamadas de Medidas

Leia mais

61,6 milhões cobertos (59,6%)

61,6 milhões cobertos (59,6%) Previdência Social Brasil - 2013 População Residente: 201,4 milhões (2016 205,9) Urbana: 170,7 milhões Rural: 30,7 milhões População Economicamente Ativa - PEA: 103,4 milhões População Desocupada: 6,7

Leia mais

Caracterização. dos Territórios de Identidade. da Bahia. LidaS. Território 26 - Região Metropolitana de Salvador. instituto

Caracterização. dos Territórios de Identidade. da Bahia. LidaS. Território 26 - Região Metropolitana de Salvador. instituto Caracterização dos Territórios de Identidade da Bahia Território 26 - Região Metropolitana de Salvador instituto LidaS Caracterização dos Territórios de Identidade Território 26 - Metropolitana de Salvador

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:775.543

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO Código: ENF-220 Pré-requisito: - ENF

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais