AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANEDO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANEDO"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANEDO PLANO DE MELHORIA

2 ÍNDICE PLANO DE MELHORIA... 2 ÁREAS DE MELHORIA... 2 PLANO DE AÇÃO A monitorização da implementação das medidas de apoio delineadas, de forma a conhecer o seu impacto na promoção do sucesso escolar dos assuntos A implementação de mecanismos de monitorização do percurso escolar dos alunos em níveis sequenciais, sustentados em indicadores de prosseguimentos de estudos ou de empregabilidade A promoção de atividades experimentais em todos os níveis/ciclos A criação de mecanismos de aferição do exercício das competências atribuídas aos responsáveis pelas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica O aprofundamento do processo de autoavaliação, com a identificação clara dos pontos fortes e áreas de melhoria, com impacto nas tomadas de decisão e desenvolvimento organizacional OUTROS ASPETOS A MELHORAR CRONOGRAMA A implementação de mecanismo de monitorização do percurso escolar dos alunos em níveis sequenciais, sustentados em indicadores de prosseguimentos de estudos ou de empregabilidade. 15 CRONOGRAMA A promoção de atividades experimentais em todos os níveis/ciclos CRONOGRAMA AVI Avaliação Interna CRONOGRAMA Motivação dos alunos para a disciplina Clube InfoMat Atividades a desenvolver: Jogo 24; Super T; Diz3; Equamat CRONOGRAMA Envolvimento reduzido dos alunos na programação das atividades do PAA CRONOGRAMA Articulação horizontal / Vertical / interdepartamental CRONOGRAMA P á g i n a 1

3 PLANO DE MELHORIA No relatório da IGEC, relativo ao processo de Avaliação Externa ocorrido entre 4 e 6 de fevereiro 2013, foram identificadas as seguintes áreas de melhoria: ÁREAS DE MELHORIA 1. A monitorização da implementação das medidas de apoio delineadas, de forma a conhecer o seu impacto na promoção do sucesso escolar dos alunos. 2. A implementação de mecanismos de monitorização do percurso escolar dos alunos em níveis sequenciais, sustentados em indicadores de prosseguimentos de estudos ou de empregabilidade. 3. A promoção de atividades experimentais em todos os níveis/ciclos. 4. A criação de mecanismos de aferição do exercício das competências atribuídas aos responsáveis pelas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica. 5. O aprofundamento do processo de autoavaliação, com a identificação clara dos pontos fortes e áreas de melhoria, com impacto nas tomadas de decisão e desenvolvimento organizacional. P á g i n a 2

4 PLANO DE AÇÃO 1. A monitorização da implementação das medidas de apoio delineadas, de forma a conhecer o seu impacto na promoção do sucesso escolar dos alunos PROCESSO INTERVENIENTES CALENDARIZAÇÃO Os docentes implicados nos diferentes tipos de APOIO (APA, Individualizado, Tutorias ) elaboram um relatório síntese, que fica anexo às atas dos Conselhos de Turma; Docentes dos Apoios; Diretores de Turma; Trimestral O Diretor de Turma informa os Encarregados de Educação da (evolução do educando) situação do aluno no Apoio que lhe é facultado (progressão, dispensado, excluído, continuidade ) O grupo da Avaliação Interna (AVI) trata os dados recolhidos, integrando-os no relatório da AVI: - nº aulas previstas/dadas; - nº de faltas do aluno; - excluído / dispensado motivos; - taxa de sucesso dos alunos implicados; Os dados são apresentados e analisados em C. Pedagógico e Departamentos Curriculares; Nos Departamentos Curriculares são elaborados Planos de Melhoria, que são apresentados em C. Pedagógico. Encarregados de Educação; Grupo da Avaliação interna; Conselho Pedagógico; Departamentos Curriculares; P á g i n a 3

5 2. A implementação de mecanismos de monitorização do percurso escolar dos alunos em níveis sequenciais, sustentados em indicadores de prosseguimentos de estudos ou de empregabilidade. PROCESSO (Cronograma 1) INTERVENIENTES CALENDARIZAÇÃO Até 30 de junho é elaborado um ficheiro em excel com os seguintes dados: - Nome aluno / Encarregado de Educação - Telemóvel aluno / Encarregado de Educação - aluno / Encarregado de Educação Até 30 de julho é elaborado um ficheiro único em excel por ano letivo; Até 30 de outubro, são feitos os contactos, o levantamento e registo dos dados; No Conselho Pedagógico do mês de novembro será efetuada uma análise dos dados. Diretores de Turma Coordenadores dos Diretores de Turma Coordenadores dos Diretores de Turma ou Serviços Administrativos/Direção Anual (durante os quatro anos subsequente s ao aluno ter transitado para o 10º ano ou ter terminado um urso CEF) C. Pedagógico P á g i n a 4

6 3. A promoção de atividades experimentais em todos os níveis/ciclos. 1º ciclo: PROCESSO (Cronograma 2) INTERVENIENTES CALENDARIZAÇÃO Implementação do projeto com a designação Cientistas à Solta, no âmbito do ensino experimental das ciências, a decorrer na hora de Área de Projeto. Esse tempo, no horário dos alunos, surge após a área do Estudo do Meio, perfazendo-se assim, dois tempos letivos nas semanas dedicados ao ensino experimental. Professores Titulares / C. Naturais / C. F. Química Ao longo do ano 2º / 3º ciclo: No início do ano letivo procede-se à planificação das atividades, a inserir nas Planificações de Unidade. Início do ano letivo Ao longo do ano letivo, sempre que ocorrer uma atividade (prevista ou não) o docente deve sumariar Atividade Experimental:, onde deve ficar, de forma clara e objetiva qual a atividade realizada. No final dos períodos, deve ser efetuado uma avaliação das atividades, onde deverá registar-se em ata de grupo/departamento: - atividades realizadas e balanço das mesmas; - atividades não realizadas e justificação; Representantes Grupo / Coordenadores de Departamento Final dos períodos P á g i n a 5

7 3. A promoção de atividades experimentais em todos os níveis/ciclos. - (re) planificação das atividades, se necessário. Visionamento/ colaboração por parte do colega que vai observar as aulas, de pelo menos uma atividade experimental: Elaboração de um relatório síntese, por período, das atividades experimentais realizadas; Elaboração do relatório científico por parte dos alunos; Introdução de uma coluna para avaliação das atividades experimentais na grelha de avaliação; Articulação interciclos das atividades experimentais. P á g i n a 6

8 4. A criação de mecanismos de aferição do exercício das competências atribuídas aos responsáveis pelas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica. PROCESSO INTERVENIENTES CALENDARIZAÇÃO A) Diretores de Turma A1) Encarregados de Educação: Entrevistas Individuais (DTP); Reuniões por período. A2) Alunos: Apoio Individualizado/Tutoria /DTA; Educação para aa Cidadania (Valores / Temas transversais; sugestões dos alunos para o PAA; ). A3) Serviço Burocrático/Administrativo - E. Educação / D. Turma - Alunos / D. Turma - D. Turma - Ao longo do ano - Início dos períodos - Ao longo do ano - Ao longo do ano A4) Docentes: Conselho de Turma; Indisciplina (Triagem dos casos de indisciplina); Receção grelhas de avaliação contínua; Marcação de testes (regras do R. Interno). A5) Gabinete de Psicologia: Encaminhamento de casos-problema. - Docentes - Psicólogas - Ao longo do ano - Ao longo do ano P á g i n a 7

9 4. A criação de mecanismos de aferição do exercício das competências atribuídas aos responsáveis pelas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica. B) Coordenadores de Departamento Monitorização e Supervisão das seguintes atividades: (dois tempos semanais da CNL em comum para trabalho colaborativo entre coordenadores de departamento) Organização dos dossiês (digitais e/ou outros); Análise dos relatórios da AVI; Elaboração dos Planos de Melhoria a serem enviados ao C. Pedagógico; Elaboração e cumprimento das Planificações; Aferição da aplicação dos critérios de avaliação (grelhas); Propostas e avaliação das atividades do PAA; Calendarização e monitorização das aulas observadas entre pares; Planificação e funcionamento das Turmas contíguas ; Análise dos relatórios dos Apoios; Planificação e cumprimento das atividades experimentais; Processo de adoção dos manuais; - Docentes departamento - Início dos períodos - Final dos períodos - Início e ao longo do ano - Início dos períodos P á g i n a 8

10 5. O aprofundamento do processo de autoavaliação, com a identificação clara dos pontos fortes e áreas de melhoria, com impacto nas tomadas de decisão e desenvolvimento organizacional. PROCESSO (Cronograma 3) INTERVENIENTES CALENDARIZAÇÃO Formar uma equipa mais alargada e heterogénea de AVI, em que intervenham as diferentes partes interessadas do Agrupamento/departamento; Reunião semanal da nova equipa; Constituir um cronograma de tarefas, de acordo com o PE, no início de cada ano letivo; Implementação de um programa de formação; Identificação mais abrangente e completa dos pontos fortes e áreas de melhoria do Agrupamento; Tornar o processo de auto-avaliação mais consistente na articulação com as estruturas, através do relatório AVI - trimestral. Equipa da AVI Elementos da comunidade educativa Ao longo do ano Articulação com o AVES: Utilização das provas de conhecimento na 1º fase como um dos elementos de avaliação diagnóstica às disciplinas envolvidas (5.º e 7.º anos). Utilização das Provas de Competências de Raciocínio, na 2º fase, como indicadores para estratégias ensino-aprendizagem (7.º e 9.º anos). Utilização dos questionários, 2º fase, sobre Valores e Atitudes, Estratégias de Aprendizagem e Opinião dos alunos sobre Satisfação Global da Escola. Utilização das provas de conhecimento na 3º fase como um elemento de avaliação às disciplinas envolvidas. P á g i n a 9

11 OUTROS ASPETOS A MELHORAR 1. Resultados 1.1. Resultados académicos Pontos a melhorar Ações Taxa de conclusão 6º ano; Apoio ao Estudo por turma, dando prioridade ao 6º ano nas disciplinas de Português e Matemática. Apoio individualizado a alunos com graves dificuldades de aprendizagem, com um programa de tutoria. Aulas de apoio no 3º ciclo, por turma dando prioridade ao 9º ano nas disciplinas de Português e Matemática. Resultados internos/externos de matemática; Aulas de apoio dadas preferencialmente pelo professor da turma. Aula extra desde o início do ano para preparação da prova final de Matemática. Turmas contíguas: dois docentes no grupo dos alunos com mais dificuldades de aprendizagem. Coadjuvação em sala de aula por um professor de matemática (nas sessões de turmas contíguas). 1º ciclo: nº de horas/semana passa de 7 para 9 na área de matemática, em todos os anos de escolaridade. P á g i n a 10

12 Realização de atividades formativas nas aulas de matemática, de forma mais frequente e sistemática, adaptadas às especificidades dos alunos; Elaboração de minifichas/questões de aula mais frequente, conforme as necessidades da turma. Fichas de recuperação. Motivação dos alunos para a disciplina Clube InfoMat (Atividades a desenvolver: Jogo 24; Super T; Diz3; Diz+; Equamat) Cronograma 4 Continuação da utilização de novas tecnologias em sala de aula como meio de diversificação de metodologias e maior motivação para os alunos (Escola Virtual, Plataforma Moodle). (monitorização das ações desenvolvidas, através de uma grelha, onde as ações são assinaladas e datadas, por ano de escolaridade nos 5 momentos de avaliação) 1.2. Resultados Sociais (Formatação) Pontos a melhorar Ações Envolvimento reduzido dos alunos na programação das atividades do PAA; Cronograma 5 P á g i n a 11

13 1.3. Reconhecimento da comunidade Pontos a melhorar Áreas em que os inquiridos revelam menor satisfação: - qualidade e adequação dos espaços de desporto e de recreio; - serviço de refeitório; - comportamento e respeito dos alunos pelos trabalhadores; Ações Operacionalização de um plano de requalificação dos espaços desportivos e de recreio da escola sede em parceria com a Câmara, Junta de Freguesia e Associação de Pais. Concurso de Ideias envolvendo toda a comunidade escolar para a melhoria e embelezamento dos espaços físicos om o envolvimento da EcoEscola, coordenado pelo responsável dos projectos. Sensibilização dos alunos para a manutenção das condições de limpeza e higiene das casas de banho, balneários e restantes espaços interiores e exteriores (afixação de cartazes, Educação para a Cidadania, PES). Aplicação periódica de questionários de satisfação junto da comunidade educativa para medir o seu grau de satisfação em relação à cantina. Colocação, na cantina, de uma caixa para recolha de sugestões / reclamações Reunião dos delegados de turma com a nutricionista da empresa responsável pelas ementas para auscultação das opiniões dos alunos relativas à elaboração das mesmas. Colocar música de fundo para melhorar o ambiente no refeitório; Promover iniciativas que possam trazer à escola P á g i n a 12

14 1.3. Reconhecimento da comunidade personalidades ligadas a diferentes áreas (desporto, música, cozinha) para motivar e consolidar valores que a escola pretende desenvolver nos alunos no âmbito da Cidadania. Convidar Chefs de Cozinha de renome e nutricionistas para palestras sobre alimentação saudável Criar condições para que se possam implementar tutorias de docentes a alunos que revelem atitudes/comportamentos desajustados. Realizar ações de sensibilização para Pais/E.E coordenadas/dinamizadas em articulação com a Associação de Pais com o objetivo de prevenir atos de indisciplina dos alunos. Ser rigoroso e célere na aplicação das medidas disciplinares. 2. Prestação do Serviço Educativo 2.1. Planeamento e articulação Pontos a melhorar Ações Articulação horizontal / Vertical / interdepartamental Cronograma 6 P á g i n a 13

15 2.2. Práticas de ensino Pontos a melhorar Planeamento, implementação e intencionalidade não se encontra generalizada, com vista ao desenvolvimento de capacidades investigativas dos alunos. Experiências de trabalho cooperativo carecem de consolidação e aculturação, no sentido de poderem constituirse como um processo de: - monitorização da prática letiva - desenvolvimento profissional dos docentes Cronograma 7 Ações Fomentar actividades curriculares/não curriculares que potenciem as capacidades dos alunos; Inclusão nas planificações de mais trabalhos de pesquisa fora do contexto de sala de aula; Consolidar processos iniciados no presente ano letivo: - Observação participada de aulas (duas por ano), com registo em atas de departamento; - Um tempo semanal (minutos sobrantes) dos docentes para trabalho colaborativo (Turmas Contíguas) P á g i n a 14

16 CRONOGRAMA 1 A implementação de mecanismo de monitorização do percurso escolar dos alunos em níveis sequenciais, sustentados em indicadores de prosseguimentos de estudos ou de empregabilidade. Alunos do 9º ano e CEF: percurso durante 4 anos seguintes Diretores de Turma: Até 30 junho Ficheiro Excel - Nome aluno / E. Educ - Telemóvel aluno / E. Educ. - aluno / E. Educação Até 30 julho Coordenadores dos Diretores de Turma: Ficheiro único por ano letivo Até 30 outubro Coordenadores dos Diretores de Turma: Contactos, levantamento e registo dos dados novembro Conselho Pedagógico: Análise dos dados P á g i n a 15

17 CRONOGRAMA 2 A promoção de atividades experimentais em todos os níveis/ciclos. Setembro Planificações de Unidade: calendarização das atividades Ao longo do ano Registo nos sumários: Atividade experimental: Final dos períodos Reunião Grupo/Departamento: monitorização do processo P á g i n a 16

18 CRONOGRAMA 3 AVI Avaliação Interna Relatório AVI (fase 1) Conselho Pedagógico: Apresentação do Relatório AVI. Análise do Relatório. Departamentos Curriculares: Discussão e reflexão do Relatório AVI. Elaboração de Planos de Melhoria. Conselho Pedagógico: Apresentação dos Planos de Melhoria. Análise e discussão dos Planos de Melhoria. Relatório AVI (fase 2) inclusão dos planos de melhoria Conselho Geral: Apresentação e análise do Relatório P á g i n a 17

19 CRONOGRAMA 4 Motivação dos alunos para a disciplina Clube InfoMat Atividades a desenvolver: Jogo 24; Super T; Diz3; Equamat Alunos do 2º ciclo JOGO DO 24 Até 30 junho Seleção de alunos interessados Final setembro Elaboração de proposta de horários para o clube, a entregar na direção, em função dos alunos interessados A partir de 15 outubro Início da atividade Final do 2º período Concurso interno na escola P á g i n a 18

20 Alunos do 2/3º ciclo SUPER T Até 30 junho Seleção de alunos interessados Final setembro Elaboração de proposta de horários para o clube, a entregar na direção, em função dos alunos interessados A partir de 15 outubro Início da atividade 3º período Participação no concurso Super T, no âmbito das atividades da BECRE P á g i n a 19

21 Alunos do 2º ciclo DIZ 3/EQUAMAT Até 30 junho Seleção de alunos interessados Final setembro Elaboração de proposta de horários para o clube, a entregar na direção, em função dos alunos interessados A partir de 15 outubro Início da atividade Final do 2º período Concurso interno na escola 3º período Participação da escola no concurso nacional, após a seleção dos alunos com melhores resultados P á g i n a 20

22 CRONOGRAMA 5 Envolvimento reduzido dos alunos na programação das atividades do PAA. Alunos de todos os anos de escolaridade. maio Diretores de Turma: E. Cidadania (auscultação dos alunos e registo das 2/3 sugestões mais consensuais para o PAA do ano letivo seguinte). junho Conselhos de Turma: Registo em ata das sugestões apontadas pelos alunos. julho Diretor: Sistematização dos dados registados nas atas setembro Coordenadores de Departamento: Articulação / Integração das sugestões no PAA P á g i n a 21

23 PLANO DE MELHORIA CRONOGRAMA 6 Articulação horizontal / Vertical / interdepartamental interdepartamentos - Aferição critérios avaliação setembro - Monitorização cumprimento planificações - Elaboração planificações anuais/unidade P á g i n a 22

24 PLANO DE MELHORIA CRONOGRAMA 7 A promoção de trabalhos de pesquisa em todos os níveis/ciclos, fora do contexto de sala de aula, numa articulação Departamentos Curriculares/BECRE Setembro Planificações de Unidade: calendarização das atividades de pesquisa Ao longo do ano 1. Elaboração prévia da planificação da pesquisa a ser feita, realizada pelo professor curricular. 2. Envio para a coordenadora da BE/CRE da referida planificação para indicação de bibliografia, webgrafia, entre outras. 3. Reenvio para o professor curricular para entrega de orientações completas aos alunos. Observações: a) Os trabalhos serão desenvolvidos de forma autónoma por parte dos alunos, fora do contexto de sala de aula, sob orientação do professor curricular, em estreita articulação com a BE/CRE. b) As planificações deverão referir o tema, subtema, bibliografia, webgrafia, entre outros e prazos de entrega dos trabalhos. Final dos períodos Reunião Grupo/Departamento com a presença da coordenadora da BE/CRE: monitorização do processo P á g i n a 23

25 PLANO DE MELHORIA Aprovado em C. Pedagógico de 4 julho 2013 O Diretor Paulo Dias P á g i n a 24

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO Resumo da proposta final Documento para análise PROJETO EDUCATIVO Análise na matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats) pontos fortes/pontos fracos/

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Código 171591 Designação Agrupamento de Escolas do Algueirão Data da intervenção Início 18.01.2017

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA Avaliação Externa das Escolas 2012-2013 PLANO DE MELHORIA A elaboração deste plano de melhoria assenta no pressuposto de que o Agrupamento Vertical de Escolas de Azeitão é capaz de repensar estratégias

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias.

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias. Plano de Melhoria 1. Introdução Em Julho de 2012, o Agrupamento de Escolas de Carnaxide-Valejas juntou-se à Escola Secundária Camilo Castelo Branco dando origem ao atual Agrupamento de Escolas de Carnaxide.

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

Escola Secundária de Cacilhas Tejo

Escola Secundária de Cacilhas Tejo Escola Secundária de Cacilhas Tejo Plano de Melhoria 2013-2014 1. Introdução PLANO DE MELHORIA O presente Plano de Melhoria resulta da articulação entre o relatório da Avaliação Externa da Inspeção-Geral

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Leça da Palmeira, Julho 2012 0 INDICE Introdução. Relatório da avaliação externa..

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA 1 PLANO DE MELHORIA Melhoria. Da avaliação externa a que a escola foi submetida nos dias 7 e 8 de Março de 2012, resulta a obrigatoriedade de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Missão do Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Assegurar a prestação de um serviço público de qualidade na educação, partindo do reconhecimento das condições objectivas do

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE Observatório da Qualidade Plano de Ação 2011/2012 ÍNDICE Introdução... 2 Equipa e Horário Semanal... 2 Metodologia

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS Relatório de avaliação Final. Melhorar os processos de comunicação interna para otimizar a gestão escolar.

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS Relatório de avaliação Final. Melhorar os processos de comunicação interna para otimizar a gestão escolar. Relatório de avaliação Final AÇÃO DE MELHORIA N.º 1 Final ano letivo 2012-2013 Melhorar os processos de comunicação interna para otimizar a gestão escolar. Renovar a campanha de divulgação e utilização

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Inicial

Plano de Ações de Melhoria Inicial Plano de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2016/2017 Outubro de 2016 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria Inicial 2.1. Enquadramento das ações de melhoria nos Critérios da CAF

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA PLANO DE MELHORIA Cuba Julho de 2012 1- Introdução A avaliação é um procedimento que permite à organização que o implementa modelar a sua identidade, analisar os pontos fortes

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA 1. Introdução A avaliação externa do Agrupamento de Escolas da Maia, da responsabilidade da IGEC, decorreu de 17 a 20 de novembro do ano transato. A classificação de Muito Bom em todos os domínios enche-nos

Leia mais

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa : Melhorar a competência de números e cálculo dos alunos no fim do 5º ano Taxa de insucesso na avaliação interna Taxa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA VALONGO, JUNHO 2013 INTRODUÇÃO O Plano de Melhoria constitui-se como instrumento de suporte à programação e à implementação da melhoria

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO 1 Introdução Um Plano de Melhoria é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho académico dos alunos e a qualidade

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO GONÇALO PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA BIÉNIO 2015-2017 SETEMBRO DE 2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CRONOGRAMA DO PLANO... 4 3. AÇÕES DE MELHORIA... 5 3.1. COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL...

Leia mais

Atividades de Apoio Educativo

Atividades de Apoio Educativo Plano Curricular 2012 2013 Plano Anual de Atividades Atividades de Apoio Educativo Departamento/Estrutura: Orientações para as Atividades de Apoio Educativo Receção Biblioteca Manuel Monteiro Zonas de

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Áreas de Melhoria sugeridas no relatório

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA - ATUALIZADO EM OUTUBRO DE 2016 - TRIÉNIO 2015-2018 Índice I INTRODUÇÃO... 2 II ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO... 2 III IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE MELHORIA... 3 IV PRIORIZAÇÃO DAS

Leia mais

Definição do plano de desenvolvimento em função dos Domínios do Projeto e dos aspetos positivos e negativos referidos no balanço realizado --

Definição do plano de desenvolvimento em função dos Domínios do Projeto e dos aspetos positivos e negativos referidos no balanço realizado -- Projeto aler+ Continuidade em 2016/2017 2 - PROJETO Designação do Projeto André Soares a ALer+ 6.1. Plano de desenvolvimento do Projeto Definição do plano de desenvolvimento em função dos Domínios do Projeto

Leia mais

Questionário aos Pais e Encarregados de Educação 2015

Questionário aos Pais e Encarregados de Educação 2015 Questionário aos Pais e Encarregados de Educação Caros Pais e/ou Encarregados de Educação, professores e funcionários da EB Leão de Arroios - este inquérito é da responsabilidade da Associação de Pais

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Autoavaliação Interna 2014/17

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Autoavaliação Interna 2014/17 PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Auto Interna 2014/17 Introdução O presente Plano de Melhoria resulta, em grande parte, das reflexões retiradas da leitura atenta do Relatório

Leia mais

Plano de Melhoria JULHO/ 2013

Plano de Melhoria JULHO/ 2013 JULHO/ 2013 Índice 2 Introdução 3 I Ponto de partida 4 II Componentes do Plano 5 A. Objetivos, metas e indicadores 5 B. Ações a implementar 8 C. Cronograma 10 D. Intervenientes 10 E. Recursos 10 F. Monitorização,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

ANO LETIVO 2016/2017. CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações

ANO LETIVO 2016/2017. CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 ANO LETIVO 2016/2017 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações 29- Agosto 15.00 1 e 2-Set. Todo

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

Plano de Melhoria para 2015/2016

Plano de Melhoria para 2015/2016 Plano de Melhoria para 2015/2016 Ano letivo de 2015/2016 Preâmbulo justificativo O recebeu, de 17 a 20 de novembro de 2014, a visita da equipa de avaliação externa (constituída no âmbito da Área Territorial

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Plano de Melhoria do Agrupamento. Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Plano de Melhoria do Agrupamento. Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012-2013 Plano de Melhoria do Agrupamento Dezembro 2013 Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho «Importa que a avaliação externa das escolas seja um processo útil para

Leia mais

Plano de Melhoria do Agrupamento INTRODUÇÃO

Plano de Melhoria do Agrupamento INTRODUÇÃO D.R.E.N. AGRUPAMENTO VERTICAL de ESCOLAS de AIRÃES Felgueiras (151439) ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE AIRÃES (Sede) (346640) Plano de Melhoria do Agrupamento INTRODUÇÃO Na sequência da AVALIAÇÃO EXTERNA

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2011/2012

PLANO DE ATIVIDADES 2011/2012 1º Período BibliotecaEscolar Agrupamento de Escolasde Águeda PLANO DE ATIVIDADES 2011/2012 Ações/Atividades Responsáveis/ dinamizadores Público alvo Avaliação/ Evidências Domínios/ subdomínios setembro/

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 ÁREA A - RESULTADOS... 4 EIXO 1 APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS... 4 EIXO 2 PREVENÇÃO DO ABANDONO, ABSENTISMO E INDISCIPLINA... 5 EIXO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo Taxa média de retenção no 2.º ano de escolaridade de 12% no ano letivo 2014/2015 e de 11,6% no ano letivo 2015/2016. 1.º e 2.º anos. 3. Designação da Apoio educativo coadjuvante nas turmas de 1.º e 2.º

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Ações de Melhoria (PAM) Equipa de Autoavaliação: Albertina Pinto, Ana Paula Costa, Ana Paula Neves, Ana Spínola, Benjamim Sampaio, Dina Paulino, Francisco

Leia mais

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período JANEIRO Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período Receção dos alunos e diálogo sobre as férias de Natal Elaboração de um texto sobre as mesmas Prof./Educ. e Responsáveis Dia de Reis Comemoração desta

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO INTERNA DA ESCOLA Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade 1 ÍNDICE Constituição da CAI... 3 I. Conceção

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar

Avaliação da biblioteca escolar Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 2010 B. Leitura e literacia Avaliação 4 2011 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato 2011/2012 INTRODUÇÃO Este documento tem como objetivo o enquadramento do processo de avaliação do pessoal docente regime contrato para o ano letivo 2011/2012.

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Agenda Preparação do trabalho a realizar no ano letivo 2015/2016 Regulamento Interno disponível no portal do agrupamento www.esvalongo.org

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VALE DO TAMEL. Plano de Atividades Educativas de Complemento Curricular AECC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VALE DO TAMEL. Plano de Atividades Educativas de Complemento Curricular AECC PAA 2016/2017: ANEXO III AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VALE DO TAMEL Plano de Atividades Educativas de Complemento Curricular AECC Despacho Normativo nº 10-A/2015, de 19 de junho, artigo 7º alínea b) e artigo

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

Clube do Desporto Escolar

Clube do Desporto Escolar Agrupamento de Escolas das Taipas Clube do Desporto Escolar 1. Estrutura organizacional Coordenador: Maria Elisabete da Silva Martinho Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do

Leia mais

Conselho de Formação de Professores PLANO ANUAL GERAL DE FORMAÇÃO

Conselho de Formação de Professores PLANO ANUAL GERAL DE FORMAÇÃO Conselho de Formação de Professores PLANO ANUAL GERAL DE FORMAÇÃO 2016-2017 Preâmbulo O Plano Anual Geral de Formação é um documento de planeamento anual das atividades comuns à Prática Pedagógica Supervisionada

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Plano Plurianual de Atividades 2014/2017 0 Índice Índice... 1 Introdução... 2 DIMENSÃO PEDAGÓGICA... 3 DIMENSÃO CÍVICA... 7 DIMENSÃO ESCOLA, FAMÍLIA, COMUNIDADE... 9 DIMENSÃO

Leia mais

Agenda Início do ano letivo

Agenda Início do ano letivo Agenda Início do ano letivo 2016 / 2017 Período de funcionamento das aulas de acordo com o horário normal 1º Período Início : 16 de (Pré-escolar e 1º Ciclo) 19 de (2º e 3º Ciclos e E.S) Termo : 16 de dezembro

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães (150812) Escola EB 2,3 Abel Salazar Ronfe, Guimarães (343638) PREÂMBULO

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães (150812) Escola EB 2,3 Abel Salazar Ronfe, Guimarães (343638) PREÂMBULO Agrupamento Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães (150812) Escola EB 2,3 Abel Salazar Ronfe, Guimarães (343638) PREÂMBULO 1 O Plano Melhoria constitui-se como instrumento suporte à programação e à

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARADAS Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna 2006-2013 Equipa de Avaliação Interna Página 1 [ES C R E V E R O E N D E R E Ç O D A

Leia mais

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11 Plano de Ação e Plano Estratégico do Agrupamento 1.Plano de Ação Para dar consecução à missão e aos valores, pretende o Agrupamento desenvolver uma ação educativa alicerçada num conjunto de princípios

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos. - individual - em grupo - consultoria a professores, encarregados de educação e pais B - Participação

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DA ESCOLA

PLANO DE MELHORIA DA ESCOLA 2016 PLANO DE MELHORIA DA ESCOLA Agrupamento de Escolas do Crato Importa que a avaliação externa das escolas seja um processo útil para o desenvolvimento e a melhoria de cada escola. Para tal, cuidar da

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA A realidade da escola de 1º ciclo contempla especificidades, quer por razões históricoculturais quer pela tradição de monodocência, quer ainda pela especificidade da

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora

Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2011/2012 PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2011/2012 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Pré-escolar e 1º

Leia mais

PLANO DE AÇÃO TUTORIAL

PLANO DE AÇÃO TUTORIAL PLANO DE AÇÃO TUTORIAL 2013/ 2014 agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação Índice ÍNDICE... 2 I. INTRODUÇÃO... 3 II. OBJECTIVOS GERAIS... 4 III. PÚBLICO-ALVO... 4 IV. PLANO DE TUTORIA... 4 V. PERFIL DO

Leia mais

Apresentação Programa TEIP3

Apresentação Programa TEIP3 Apresentação Programa TEIP3 Programa TEIP O Programa TEIP visa estabelecer condições para a promoção do sucesso educativo de todos os alunos e, em particular, das crianças e dos jovens que se encontram

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BARCELOS PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2015-2017 Índice Introdução... 2 Metodologia... 3 Plano Estratégico de Melhoria... 5 Cronograma... 11 Avaliação e Monitorização... 13 Considerações

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016 Reunião - Encarregados de Educação 1.º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 09 de setembro de 2016 Ordem de Trabalhos 1 Projeto Educativo 2 Normas de funcionamento 3 Apresentação 4 Plano Anual de Atividades 2 Ordem

Leia mais

Plano Plurianual de Atividades Nota introdutória

Plano Plurianual de Atividades Nota introdutória Nota introdutória O Decreto-Lei n.º 75/2008 de 22 de abril, republicado pelo Decreto-Lei n.º137/2012 de 2 de julho, que regula o regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos

Leia mais