Para 1L de meio triptona ou peptona 16g (1,6%) extrato de levedura 10g (1%) NaCl 5g (0,5%)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para 1L de meio triptona ou peptona 16g (1,6%) extrato de levedura 10g (1%) NaCl 5g (0,5%)"

Transcrição

1 Preparação de meio líquido - triptona ou peptona - extrato de levedura 1º Dissolver a triptona e o extrato; 2º Acrescentar o cloreto de sódio e acertar o volume; 3º Após tudo dissolvido e com volume correto, autoclavar; - cloreto de sódio (NaCl) - água Milli-Q Para 1L de meio triptona ou peptona 16g (1,6%) extrato de levedura 10g (1%) NaCl 5g (0,5%) água q.s.p. 1L Preparação de placas - meio LB-ágar - placas de Petri de acrílico estéreis - antibiótico correspondente ao vetor transformado 1º Derreter o ágar com o meio em micro-ondas aos poucos (CUIDADO: evitar ferver para não verter); 2º Esfriar até ser suportável ao toque; 3º Adicionar ao meio o antibiótico, 1µL/mL de meio. 4º Distribuir o preparado nas placas, colocar no mínimo 20mL em cada; 5º Esperar que seque, de 5 a 10 minutos, com tampa aberta dentro do fluxo. OBS.: guardar em geladeira tampada e com papel filme em volta, manter até uma semana. Transformação de bactérias - célula competente - gelo - vetor/plasmídeo de interesse - banho 42 C - meio LB normal 1º Descongelar células tiradas do freezer -80 C, mantendo-as no gelo; 2º Ao eppendorf das células, adicionar 1µL do plasmídeo e manter no gelo por 30 minutos; 3º Colocar o eppendorf no banho por 45 segundos; 4º Tirar do banho e voltar para o gelo por, aproximadamente, mais 1 minuto; 5º Adicionar 750µL do meio e antibiótico; 6º Levar a estufa 37 C por 1 hora, ainda no eppendorf. 7º Centrifugar por 5 minutos a 12000g. 8º Retirar em torno de 700µL do sobrenadante e ressupender com o volume restante; 9º Seguir protocolo de plaqueamento utilizando cerca de 20uL do ressuspendido.

2 Plaqueamento - placas já preparadas com ágar, meio e antibiótico - alça de plaqueamento autoclavada - célula de interesse 1º Colocar volume conhecido da célula transformada; 2º Passar a alça pela placa a fim de espalhar a solução celular até que seque; 3º Mantenha no fluxo aberto por mais uns 2 minutos para garantir que esteja seco; 4º Feche a placa e vire-a, deixar o ágar com o meio, sempre, para cima; 5º Levar a estufa a 37 C overnight. OBS.: Na placa, anotar: construção do vetor de transformação volume colocado cepa utilizada nome Ligação de vetor com sequência para construção - sequência e vetor digeridos - tampão para T4 10x (descongelar em gelo e - enzima T4 DNA ligase vortexar) 1º Colocar 2uL do tampão em eppendorf de 1,5mL; 2º Adicionar a sequência e o vetor, numa relação de 1:10 (molar), junto ao tampão; 3º Adicionar 1uL da ligase; 4º Deixar incubando na porta da geladeira overnight. Preparação de TB Terrific Broth (super rico) - triptona ou peptona - difosfato de potássio (KH 2 PO 4 ) - extrato de levedura - monofosfato de potássio (K 2 HPO 4 ) - glicerol - água Milli-Q 1º Dissolver a triptona, o extrato e o glicerol em água Milli-Q (quantidades na tabela); 2º Após dissolvido, autoclavar SOLUÇÃO I; 3º Dissolver KH 2 PO 4 e K 2 HPO 4 em água Milli-Q (quantidades na tabela); 4º Após dissolvido, filtrar em ambiente estéril com filtro de 22µm SOLUÇÃO II; 5º Esfriar a SOLUÇÃO I até, aproximadamente 60 C, e adicionar a SOLUÇÃO II, trabalhar em ambiente estéril.

3 Digestão com enzimas de restrição - amostra - tampão - enzimas 1º Colocar 25uL da amostra a ser digerida em eppendorf de 1,5mL; 2º Adicionar 1uL de cada enzima de restrição a ser utilizada (até 2 diferentes); 3º Adicionar 3uL de tampão que corresponda as enzimas utilizadas; 4º Deixar incubando por 2h a 37 C (estufa). Escolha do tampão para dupla digestão com diferentes enzimas de restrição: Entrar em: 1º Selecionar as enzimas que serão utilizadas; 1º Escolher o tampão que apresentar melhor % de atividade para ambas as enzimas. Corridas em gel de agarose: Controles: vetor não digerido, vetor digerido, fragmento não digerido e fragmento digerido. Plasmídeos: para extração do plasmídeo digerido (protocolo Extração de DNA de gel de agarose GeneJET Gel Extraction Kit) usar canaleta maior. Desfosforilação do vetor pós-digestão - tampão cutsmart (10X) - água Milli-Q - fosfatase alcalina 5 unidades Para 20uL de reação: 1º Colocar 15uL da amostra a ser digerida em eppendorf de 1,5mL; 2º Adicionar 0,5uL da fosfatase (está em excesso 5X); 3º Adicionar 2uL de tampão (concentração final 1X); 4º Deixar incubando por minutos a 37 C (estufa). Corridas em gel de agarose: Para purificação do plasmídeo digerido e desfosforilado, protocolo Extração de DNA de gel de agarose GeneJET Gel Extraction Kit usar canaleta maior. Preparação de meio com ágar - meio líquido - ágar 1,5% 1º Separa o meio líquido (não autoclavado) em alíquotas de 100mL; 2º Adicionar 1,5g de ágar para cada 100mL do meio líquido e autoclavar em seguida.

4 Reação de PCR iproof TM High-Fidelity PCR Kit - kit iproof TM High-Fidelity PCR - DNA template - primers (Fw e Rv) 1º Fazer um Mix de reação que contenha: tampão do kit, dntps do kit, água Milli-Q e solução de Mg 2+ do kit. (considerar uma reação a mais); 2º Separar o Mix em volumes iguais em eppendorf para PCR; 3º Adicionar a cada tubo de reação, os dois primers e o DNA template (mantenha sempre no gelo); 4º Levar ao termociclador, adicionar a DNA polimerase do kit em cada tubo de reação; Seguir a tabela a seguir de acordo com o volume de reação desejado: Componente Volume para 50uL de reação (ul) Volume para 20uL de reação (ul) Concentração final Tampão 5x iproof HF x dntps 1 0,4 200uM cada Primer Fw 1,25 0,5 0,1uM Primer Rv 1,25 0,5 0,1uM DNA template 2 0,8 Água Milli-Q 34 13,6 DNA polimerase iproof 0,5 0,2 0,02U/uL OBS.: inicie os teste com uma concentração de 0,5mM de Mg 2+ (descontar volume desta solução do volume da água) Programação do termociclador: Temperatura ( C) Tempo (s) início ciclos final stand by 9 infito

5 Purificação de produto de PCR GeneJET PCR Purification Kit - kit GeneJET PCR Purification - produto de PCR - isopropanol 100% (opcional) 1º Para fragmento de DNA <500 bp: Adicionar 1 volume de amostra, para 1 de isoprapanol 100%, para 1 volume de tampão de ligação; 1 º Para fragmentos de DNA maiores: Adicionar 1 volume de amostra para 1 volume de tampão de ligação; 2º Transferir a mistura para a coluna do kit (não encostar a ponteira na membrana); 3º Centrifugar a 12000g por 1 minutos, descartar o flow-through; 4º Adicionar 700uL do tampão de lavagem do kit (previamente diluído); 10º Centrifugar a 12000g por 1 minuto, descartar o flow-through; 11º Centrifugar a 12000g por mais 1 minuto com o recipiente da coluna aberta (tirar toda a solução de lavagem); 12º Colocar o recipiente da coluna em um eppendorf de 1,5mL; 13º Adicionar 30 ou 50uL de água Milli-Q morna (colocar no centro da coluna); 14º Centrifugar a 12000g por 1 minutos (guardar em freezer -20 C). OBS.: Todo o procedimento pode ser realizado em bancada a TA. Extração de DNA de gel de agarose GeneJET Gel Extraction Kit - kit GeneJET Gel Extraction - gel de agarose com a banda - isopropanol 100% (opcional) 1º Cortar a banda do gel e colocar em um eppendorf de 1,5mL; 2º Pesar a banda do gel, considerar 100mg de gel 100uL de gel. Adicionar 1 volume de amostra para 1 volume de tampão de ligação; 3º Incubar o gel com o tampão a C por 10min ou até o gel dissolver; 4º Transferir a mistura para a coluna do kit (não encostar a ponteira na membrana); 5º Centrifugar a 12000g por 1 minutos, descartar o flow-through; 6º Adicionar 700uL do tampão de lavagem do kit (previamente diluído); 7º Centrifugar a 12000g por 1 minuto, descartar o flow-through; 8º Centrifugar a 12000g por mais 1 minuto com o recipiente da coluna aberta (tirar toda a solução de lavagem); 9º Colocar o recipiente da coluna em um eppendorf de 1,5mL; 10º Adicionar 30 ou 50uL de água Milli-Q morna (colocar no centro da coluna); 11º Centrifugar a 12000g por 1 minutos (guardar em freezer -20 C). OBS.: Todo o procedimento pode ser realizado em bancada a TA.

6 Purificação de DNA plasmidial - Mini Prep GeneJET - kit GeneJET Plasmid Miniprep - amostra 1º Centrifugar a amostra a 12000g por 10 minutos; 2º Ressuspender o pellet com 250uL da solução de ressuspenssão do kit; 3º Transferir a solução para um eppendorf de 1,5mL; 4º Adicionar 250uL da solução de lise do kit, verter de 4-6 vezes (não demorar mais de 3 minutos com nessa etapa); 5º Adicionar 350uL de solução de neutralização do kit, verter de 4-6 vezes; 6º Centrifugar a 12000g por 5 minutos; 7º Transferir o sobrenadante para a coluna do kit (não encostar a ponteira na membrana); 8º Centrifugar a coluna a 12000g por 1 minuto, descartar o flow-through; 9º Adicionar 500uL do tampão de lavagem do kit (previamente diluído); 10º Centrifugar a 12000g por 1 minuto, descartar o flow-through; 11º Centrifugar a 12000g por mais 1 minuto com o recipiente da coluna aberta (tirar toda a solução de lavagem); 12º Colocar o recipiente da coluna em um eppendorf de 1,5mL; 13º Adicionar 30 ou 50uL de água Milli-Q morna (colocar no centro da coluna), manter a TA por 2 minutos; 14º Centrifugar a 12000g por 2 minutos (guardar em freezer -20 C).

7

Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100. Protocolo experimental:

Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100. Protocolo experimental: Extracção de ADN de mancha de sangue por Chelex 100 1. Num tubo eppendorf misturar 1ml de água desionizada estéril com uma mancha de sangue com aproximadamente 3mm²; 2. Incubar à temperatura ambiente no

Leia mais

Hibridação in situ por fluorescência FISH

Hibridação in situ por fluorescência FISH Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA Hibridação in situ por fluorescência FISH O protocolo descrito a seguir foi baseado nos procedimentos

Leia mais

Ajustar o ph para 7,4. Filtrar o meio em 0,22 µm no fluxo e depois acrescentar o antibiótico/antimicótico. Armazenar de 2ºC a 8ºC.

Ajustar o ph para 7,4. Filtrar o meio em 0,22 µm no fluxo e depois acrescentar o antibiótico/antimicótico. Armazenar de 2ºC a 8ºC. ANEXO I - SOLUÇÕES A Para expansão dos hibridomas Meio de cultura (solução-estoque) Meio RPMI - Roswell Park Memorial 10,4 g Institute (Gibco, Invitrogen) NaHCO 3 2 g HEPES 4,68 g Antibiótico/antimicótico

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 10 IMT-POP-BB-0 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Extração de DNA de sangue total POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli

Leia mais

5 Aula Prática Exame do Microcultivo de levedura. Plaqueameno de Açúcar. Ensaio de Óxido-Redução com Resazurina

5 Aula Prática Exame do Microcultivo de levedura. Plaqueameno de Açúcar. Ensaio de Óxido-Redução com Resazurina IB UNESP - Rio Claro CCA - UFSCar Araras II CURSO DE MONITORAMENTO DA FERMENTAÇÃO ETANÓLICA PERÍODO: 11 a 15 DE FEVEREIRO DE 2008 ATIVIDADES PRÁTICAS 5 Aula Prática Exame do Microcultivo de levedura. Plaqueameno

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão - POP

Procedimento Operacional Padrão - POP Página 1 de 12 Biobanco Procedimento Operacional Padrão para: Processamento de Sangue POP: V. 1.0 Nome: Extração de DNA em sangue total Efetiva: dezembro, 22 autora: Erika Regina Manuli Aprovação Profa.

Leia mais

Preparação do gel de poliacrilamida

Preparação do gel de poliacrilamida Preparação do gel de poliacrilamida Materiais: - álcool 70% (limpeza) - SDS 10% - água Milli-Q - APS 10% - acrilamida/ bisacrilamida 40% - TEMED - tampão Tris-HCl, ph 8,8 e 6,8 - vidros 1º Limpar os vidros

Leia mais

MEIOS DE CULTURA PARA LEVEDURAS

MEIOS DE CULTURA PARA LEVEDURAS MONITORAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO DA FERMENTAÇÃO ETANÓLICA MEIOS DE CULTURA PARA LEVEDURAS COORDENADORES: Profa. Dra. Dejanira Franceschi de Angelis Prof. Dr. Octávio Antonio Valsechi RIO CLARO 2006 MEIOS

Leia mais

PROTOCOLO OPERACIONAL PARA TRANSFERÊNCIA DE CÉLULAS BACTERIANAS PARA MEIO LÍQUIDO

PROTOCOLO OPERACIONAL PARA TRANSFERÊNCIA DE CÉLULAS BACTERIANAS PARA MEIO LÍQUIDO Ministério da Agricultura e do Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária-EMBRAPA Centro Nacional de Pesquisa de Agrobiologia-CNPAB ISSN 0104-6187 PROTOCOLO OPERACIONAL PARA TRANSFERÊNCIA

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos Parte A BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 05 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Esta apostila foi desenvolvida originalmente

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

BacBio. Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2013. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

BacBio. Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2013. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado BacBio Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Coimbra, 2012/2013 Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA BacBio

Leia mais

GENÉTICA HUMANA LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

GENÉTICA HUMANA LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE GENÉTICA HUMANA LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROTOCOLOS LABORATORIAIS 3º Ano - 1º Semestre 2013 / 2014 1 EXTRACÇÃO DE DNA GENÓMICO ESFREGAÇO BUCAL Citogene Buccal Kit Esfregar 10 vezes a mucosa bucal

Leia mais

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO Hibridação para cortes de tecidos preservados em parafina Materiais fornecidos: DNA marcado com moléculas fluorescentes (sonda). Buffer(tampão) de Hibridação Reativos para preparar

Leia mais

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE VETORES DE EXPRESSÃO

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE VETORES DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO FUNDAÇÃO HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO - FUNDHERP MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE VETORES DE EXPRESSÃO Naiara Cristina Pulzi Saito Vedoveli Virgínia

Leia mais

PCR Reação de Polimerase em Cadeia. Termociclador

PCR Reação de Polimerase em Cadeia. Termociclador PCR Reação de Polimerase em Cadeia Termociclador REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Técnica que permite a amplificação da quantidade de DNA específico utilizando a enzima Taq DNA polimerase, sequências

Leia mais

Clonagem Molecular. Fragmentos de DNA de interesse. Fagos Cosmídeos BACs/ YACs

Clonagem Molecular. Fragmentos de DNA de interesse. Fagos Cosmídeos BACs/ YACs Clonagem Molecular Fragmentos de DNA de interesse Vetores: Plasmídeos Fagos Cosmídeos BACs/ YACs Hospedeiros: E.coli Levedura Células vegetais Células animais Enzimas: Enzimas de restrição DNA polimerases

Leia mais

FACUAL. Estrutura genética da população de Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides no Estado do Mato Grosso RELATÓRIO TÉCNICO

FACUAL. Estrutura genética da população de Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides no Estado do Mato Grosso RELATÓRIO TÉCNICO FACUAL Estrutura genética da população de Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides no Estado do Mato Grosso RELATÓRIO TÉCNICO Coordenador: Nelson Dias Suassuna Fitopatologista - Embrapa Algodão Campina

Leia mais

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata)

Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) Hibridação in situ fluorescente em corte histológico (Câncer de Próstata) FISH em tecido incluído em parafina: Four Colour PTEN Deletion Probe O protocolo de FISH descrito abaixo é recomendado para cortes

Leia mais

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche Andréa Calado andreabelfort@hotmail.com ELISA O teste identifica e quantifica Ag ou Ac, utilizando um dos dois conjugados com enzimas; PRINCIPAIS TIPOS: INDIRETO:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS FRAÇÕES GAMA-GLOBULINA E IgG POR IMUNOELETROFORESE. Doutoranda Priscila Diniz Lopes

CARACTERIZAÇÃO DAS FRAÇÕES GAMA-GLOBULINA E IgG POR IMUNOELETROFORESE. Doutoranda Priscila Diniz Lopes CARACTERIZAÇÃO DAS FRAÇÕES GAMA-GLOBULINA E IgG POR IMUNOELETROFORESE Doutoranda Priscila Diniz Lopes DEFINIÇÕES Eletroforese é um termo amplo que se refere à migração de todos os solutos ou partículas

Leia mais

Determinação da densidade relativa das soluções de sacarose e dos açucares a estudar

Determinação da densidade relativa das soluções de sacarose e dos açucares a estudar Determinação da densidade relativa das soluções de sacarose e dos açucares a estudar 1. Densidade relativa A densidade relativa é uma propriedade física característica de cada substância e a sua determinação

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

COLETA E COLETA CONSERVAÇÃO E DAS FEZES CONSERVAÇÃO DAS FEZES

COLETA E COLETA CONSERVAÇÃO E DAS FEZES CONSERVAÇÃO DAS FEZES COLETA E COLETA CONSERVAÇÃO E DAS FEZES CONSERVAÇÃO DAS FEZES MÉTODOS DE EXAMES COPROLÓGICOS São inúmeros os métodos de exames coprológicos descritos na literatura, os quais

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

Géis de Entrada e Separação

Géis de Entrada e Separação (1) Géis de Entrada e Separação ESCOLHA DO GEL Depende do tamanho da proteína que se quer detectar: Tamanho da Proteína Gel 4 40 kda 20% 12 45 kda 15% 10 70 kda 12% 15 100 kda 10% 25 200 kda 8% PREPARO

Leia mais

CÁLCULO: amostra/padrão x 800 = mg/di NORMAL: 500 a 750 mg/di.

CÁLCULO: amostra/padrão x 800 = mg/di NORMAL: 500 a 750 mg/di. ANEXOS A-ÁCIDO ÚRICO ANEXOS PRINCÍPIO: O ácido úrico é oxidado enzimaticamente pela uricase A alantoina com produção de dióxido de carbono e Água oxigenada, a qual, em união com o reativo peroxidase/4-aminofenazona

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S.

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Química Geral Experimental II Experimento Nº2 Fatores que Favorecem uma Reação Química Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Fogaça Este material pode ser utilizado exclusivamente para fins

Leia mais

Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose.

Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose. Base de Agar Endo 500 g Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose. Indicações: Suspender 36 g em 1 L de água

Leia mais

KITS DE EXTRAÇÃO DNA E RNA

KITS DE EXTRAÇÃO DNA E RNA ACERTE COM PRECISÃO KITS DE EXTRAÇÃO DNA E RNA A Linha Biopur para extração e purificação de DNA e RNA possui kits variados com tecnologia para procedimentos manual (Mini Spin e Mini Cent) e para automação

Leia mais

Documentos 104. Procedimento da Embrapa Milho e Sorgo para Extração de DNA de Tecido Vegetal em Larga Escala

Documentos 104. Procedimento da Embrapa Milho e Sorgo para Extração de DNA de Tecido Vegetal em Larga Escala ISSN 1518-4277 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 104 Procedimento da

Leia mais

Sistema de eletroforese MiniProtean, marca BIO-RAD.

Sistema de eletroforese MiniProtean, marca BIO-RAD. Sistema de eletroforese MiniProtean, marca BIO-RAD. O sistema de eletroforese SDS-PAGE é utilizado para realizar separar caracterizar ou mesmo determinar a pureza de macromoléculas. O LABIOM dispõe de

Leia mais

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO)

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0424, de 24 de fevereiro

Leia mais

PURIFICAÇÃO DO CITOCROMO b 5 UTILIZANDO SISTEMAS DE DUAS FASES AQUOSAS 1. OBJECTIVO

PURIFICAÇÃO DO CITOCROMO b 5 UTILIZANDO SISTEMAS DE DUAS FASES AQUOSAS 1. OBJECTIVO PURIFICAÇÃO DO CITOCROMO b 5 UTILIZANDO SISTEMAS DE DUAS FASES AQUOSAS 1. OBJECTIVO Este trabalho experimental tem como objectivo a recuperação do Citocromo b 5 a partir de um extracto impuro por extracção

Leia mais

ISSN Protocolos para Preparo de Meios de Cultura da Embrapa Agrobiologia

ISSN Protocolos para Preparo de Meios de Cultura da Embrapa Agrobiologia 0 Documentos Número, 110 ISSN 0104-6187 Dezembro/1999 Protocolos para Preparo de Meios de Cultura da Embrapa Agrobiologia Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Agrobiologia Ministério da Agricultura

Leia mais

AMPLIFICAÇÃO CFTR. Instruções de Uso

AMPLIFICAÇÃO CFTR. Instruções de Uso AMPLIFICAÇÃO CFTR Instruções de Uso USO PRETENDIDO O kit de Amplificação CFTR, para uso in vitro, destina-se à amplificação multiplex dos ácidos nucleicos respectivamente às regiões 8 (éxon/íntron4, íntron5,

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR ACIDO URICO : mg/dl MODO LECTURA : MONOCROMÁTICA : 546nm TIEMPO ESTABIL. : 1 VOL.ASP. :800 TIPO DE REACCION : CRESCIENTE ESTANDAR : * Reagente de trabalho: Pronto para uso. Estabilidade: 18 meses, se armazenado

Leia mais

Convite 003 / 2013 (HUTec) AQUISIÇÃO DE MATERIAIS LABORATORIAIS

Convite 003 / 2013 (HUTec) AQUISIÇÃO DE MATERIAIS LABORATORIAIS Limite para Entrega 13/12/2013-08H30 das Proposta: Abertura das 13/12/2013-09H00 Processo Data da Emissão: 02/12/2013 Razão Social: NºCNPJ: Endereço: Cidade: Estado: CEP: Telefone: Convite 003 / 2013 (HUTec)

Leia mais

Unidade I. Aula 3.2 Conteúdo: Vida e ambiente. Diluição das soluções CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA

Unidade I. Aula 3.2 Conteúdo: Vida e ambiente. Diluição das soluções CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA Unidade I Vida e ambiente Aula 3.2 Conteúdo: Diluição das soluções 2 Habilidades: Relacionar informações apresentadas em diferentes formas de linguagem e representação usada nas ciências químicas, como

Leia mais

Análise Cromatográfica em Camada Delgada

Análise Cromatográfica em Camada Delgada Seminário de Orgânica Experimental I Análise Cromatográfica em Camada Delgada - Rafael Antonino Joaquim Ingino - Tathiana Mayumi Arakaki Adsorventes Para realizarmos uma cromatografia em camada delgada,

Leia mais

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758 DHS PPGERHA - UFPR AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos 1. Série de sólidos Resíduos ou sólidos são todas as matérias suspensas ou dissolvidas na água, provenientes

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

2 ml de urina humana. Padrão interno Metiltestosterona (droga mãe) na concentração 250 ng.ml µl de tampão fosfato de sódio 0,8M ph 7,0

2 ml de urina humana. Padrão interno Metiltestosterona (droga mãe) na concentração 250 ng.ml µl de tampão fosfato de sódio 0,8M ph 7,0 da Prova Prática Cargo: E-25 - Tecnólogo - Farmácia - Análise de esteroides QUESTÃO 1: O protocolo de preparação de amostra para análise de esteróides anabólicos para fins de controle de dopagem envolve

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE LL-WM 80 L NOVO PROCESSO PARA ANODIZAÇÃO DO ALUMÍNIO. Procedimento para a padronização da solução de Sulfato Cérico 0,1N

MÉTODO DE ANÁLISE LL-WM 80 L NOVO PROCESSO PARA ANODIZAÇÃO DO ALUMÍNIO. Procedimento para a padronização da solução de Sulfato Cérico 0,1N Reagentes Necessários Solução de Ácido Sulfúrico 50% Solução de Sulfato Cérico 0,1 N Solução de Ácido Oxálico 0,1 N Solução de Sulfato Ferroso de Amônia (F.A.S.), 0,1 N Solução Ferroin como indicador Modo

Leia mais

ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico

ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico AULA PRÁTICA 01 ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico Microscópio Luminoso Microscópio Estereoscópico AMOSTRA: com fragmentos Fragmentos em placas 1. Observar as lâminas no

Leia mais

Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N Professores. Carlos T. Hotta Ronaldo B.

Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N Professores. Carlos T. Hotta Ronaldo B. Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N 2016 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio 1 1. Um extrato de proteínas foi obtido a partir da

Leia mais

Exercício 2 DNA e Eletroforese

Exercício 2 DNA e Eletroforese Exercício 2 DNA e Eletroforese Você já aprendeu sobre as enzimas de restrição e como elas clivam o DNA em fragmentos. Você também deve ter notado que, em alguns mapas de restrição, uma enzima pode produzir

Leia mais

Extração de protoplastos de Lactuca sativa e Eruca sativa

Extração de protoplastos de Lactuca sativa e Eruca sativa Extração de protoplastos de Lactuca sativa e Eruca sativa Karina Lôbo Hajdu Trabalho de finalização do Curso Médio Técnico de Biotecnologia Professora Dra. Maria Antonia Malajovich Instituto de Tecnologia

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

11. O uso de pérolas ou pedaços de vidro ou ainda de cerâmica porosa no aquecimento de soluções tem por objetivo:

11. O uso de pérolas ou pedaços de vidro ou ainda de cerâmica porosa no aquecimento de soluções tem por objetivo: ASSISTENTE DE LABORATÓRIO 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. O uso de pérolas ou pedaços de vidro ou ainda de cerâmica porosa no aquecimento de soluções tem por objetivo: a) Acelerar a

Leia mais

MAL CLORO LÍQUIDO - DETERMINAÇÃO DE RESÍDUO NÃO VOLÁTIL - GRAVIMETRIA

MAL CLORO LÍQUIDO - DETERMINAÇÃO DE RESÍDUO NÃO VOLÁTIL - GRAVIMETRIA 1. INTRODUÇÃO: A amostra de Cloro líquido (do cilindro de amostragem) que é transferida para erlenmeyers, é evaporada e o resíduo não volátil permanece no frasco. A determinação fornece o resíduo não volátil

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição. Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240. Aula Prática 3 Módulo Microbiologia

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição. Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240. Aula Prática 3 Módulo Microbiologia Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Aula Prática 3 Módulo Microbiologia Teste da eficácia de agentes físicos e químicos sobre

Leia mais

Soluções Curva de solubilidade, concentrações e preparo de soluções Professor Rondinelle Gomes Pereira

Soluções Curva de solubilidade, concentrações e preparo de soluções Professor Rondinelle Gomes Pereira Soluções Definição: São misturas homogêneas, ou seja, mistura de dois ou mais componentes apresentando uma única fase contínua. As soluções são compostas por um ou mais soluto e um ou mais solvente. Soluto:

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética!

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Mais uma vez vais vestir a tua bata de cientista e investigador e preparar o teu dia a dia no laboratório. Hoje é um dia especial, vais receber a

Leia mais

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico Página 1 de 10 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a porcentagem de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico (Gerber). 2 Fundamentos Baseia-se na separação e quantificação

Leia mais

Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho

Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho Laboratório HEroS Hidrologia, Erosão e Sedimentos Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho Aula de Campo Medição de

Leia mais

Cargo: D-41 Técnico Laboratório - Biotecnologia - Análise de Proteínas

Cargo: D-41 Técnico Laboratório - Biotecnologia - Análise de Proteínas da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-41 Técnico Laboratório - Biotecnologia - Análise de Proteínas Apresenta-se abaixo um protocolo para preparação de géis SDS-PAGE a ser utilizado em uma análise de confirmação

Leia mais

4 O anticoagulante mais utilizado na coleta de sangue para a extração de DNA é:

4 O anticoagulante mais utilizado na coleta de sangue para a extração de DNA é: CONCURSO PARA VAGA DE TÉCNICO DE LABORATÓRIO PROVA ESPECÍFICA 1ª FASE NOME: RG: DATA: 1 A extração de DNA é possível na seguinte condição: 2 - Um rastro fragmentado de DNA em gel de agarose indica: 3 A

Leia mais

Prática de Laboratório 1

Prática de Laboratório 1 Prática de Laboratório 1 12 pontos Preparação do ácido 2-iodobenzóico [Tempo aprox: 1 hr] Essa prática de laboratório envolve a preparação do acido 2-iodobenzóico a partir do acido 2-aminobenzóico. O procedimento

Leia mais

PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE SILICATO INORGÂNICO DISSOLVIDO NA ÁGUA DO MAR

PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE SILICATO INORGÂNICO DISSOLVIDO NA ÁGUA DO MAR PROTOCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE SILICATO INORGÂNICO DISSOLVIDO NA ÁGUA DO MAR Introdução O silício é um elemento nutritivo para algumas espécies, pois entra na composição de frústulas, espículas e outras

Leia mais

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações.

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. EXPERIMENTO 2 Preparação e Padronização de Soluções OBJETIVOS Rever os conceitos de concentração de soluções. Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. Exercitar

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO AULA PRÁTICA Nº - 05 31 / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS FUNDAMENTO: Os lipídios constituem uma classe grande de compostos que

Leia mais

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros

Determinação de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros Página 1 de 5 1 Escopo Este método determina o teor de amido em farinha de mandioca, produtos amiláceos e outros, cujo parâmetro está relacionado à qualidade do produto segundo a Instrução Normativa nº

Leia mais

CLONAGEM MOLECULAR E TRANSFORMAÇÃO BACTERIANA. Atualmente é muito comum ouvirmos falar de clonagem em meios de

CLONAGEM MOLECULAR E TRANSFORMAÇÃO BACTERIANA. Atualmente é muito comum ouvirmos falar de clonagem em meios de CLONAGEM MOLECULAR E TRANSFORMAÇÃO BACTERIANA I - INTRODUÇÃO Atualmente é muito comum ouvirmos falar de clonagem em meios de comunicação que atingem o grande público. É também bastante comum assistirmos

Leia mais

Departamento de Bioquímica. Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N. Professores. Carlos Takeshi Hotta

Departamento de Bioquímica. Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N. Professores. Carlos Takeshi Hotta Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N 2013 Professores Carlos Takeshi Hotta Guilherme Menegon Arantes 1 1. O ácido dinitrosalicílico (DNS) pode

Leia mais

CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS

CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS CULTIVO, NUTRIÇÃO E MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS NO CRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS CULTIVO: CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CRESCIMENTO MICROBIANO CULTIVO: CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CRESCIMENTO MICROBIANO CULTIVO:

Leia mais

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO - POP

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO - POP PÁG.: 1/8 1. OBJETIVO Definir um procedimento para preparação dos meios de cultura pelo. 2. ALCANCE Este procedimento se aplica a todos os lotes de meios de cultura preparados pelo Controle Microbiológico,

Leia mais

AREIA BASE PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ARGILA AFS PELO MÉTODO DO LAVADOR CONTÍNUO DE ARGILA

AREIA BASE PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ARGILA AFS PELO MÉTODO DO LAVADOR CONTÍNUO DE ARGILA SUMÁRIO Método de Ensaio Folha : 1 de 6 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Definição 4_ Aparelhagem 5_ Execução do ensaio 6_ Resultados 7_ Anexos 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação prescreve o método

Leia mais

PROCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE AMÔNIO NA ÁGUA DO MAR

PROCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE AMÔNIO NA ÁGUA DO MAR Objetivo PROCOLO PARA DETERMINAÇÃO DE AMÔNIO NA ÁGUA DO MAR Avaliar a concentração de N-NH 4+, na forma de íon, por técnica colorimétrica, utilizando-se espectrofotômetro. A análise é feita através de

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

- HIBRIDAÇÃO DE SOUTHERN UTILIZANDO SONDAS NÃO RADIOACTIVAS 1ª

- HIBRIDAÇÃO DE SOUTHERN UTILIZANDO SONDAS NÃO RADIOACTIVAS 1ª TP3 e TP4 - HIBRIDAÇÃO DE SOUTHERN UTILIZANDO SONDAS NÃO RADIOACTIVAS 1ª Parte: A- Separação em gel de agarose e visualização do DNA cromossómico de S. elodea ATCC 31461 após hidrólise com BamHI, EcoRI,

Leia mais

Estudo das reações. Pércio Augusto Mardini Farias. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Estudo das reações. Pércio Augusto Mardini Farias. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Pretende-se com essa atividade dar ao aluno a oportunidade de fazer experiências que possibilitem calcular calores de reação e aplicação da Lei de Hess. Etapa

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL Determinação da concentração plasmática de triglicéridos por um método enzimático O conteúdo em triglicéridos pode ser determinado

Leia mais

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA Eletroforese Separação de moléculas carregadas em um campo elétrico. As moléculas em uma mistura são separadas umas das outras conforme o tamanho ou a carga Eletroforese

Leia mais

VOLUMETRIA DE PRECIPITAÇÃO: DETERMINAÇÃO DE CLORETO DE SÓDIO EM SORO FISIOLÓGICO

VOLUMETRIA DE PRECIPITAÇÃO: DETERMINAÇÃO DE CLORETO DE SÓDIO EM SORO FISIOLÓGICO VOLUMETRIA DE PRECIPITAÇÃO: DETERMINAÇÃO DE CLORETO DE SÓDIO EM SORO FISIOLÓGICO A volumetria de precipitação envolve a reação na qual forma-se um produto de baixa solubilidade. Sua principal aplicação

Leia mais

SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÃO

SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÃO 1. (Uerj 2016) Para diferenciar os hidrocarbonetos etano e eteno em uma mistura gasosa, utiliza-se uma reação com bromo molecular: o etano não reage com esse composto, enquanto o eteno reage de acordo

Leia mais

Aplicação em escala laboratorial

Aplicação em escala laboratorial Aplicação em escala laboratorial Índice Velcorin Aplicação em escala laboratorial Página 3 5 Introdução Página 3 Medidas de Segurança Página 3 Metodologia (preparo) Página 4 Metodologia Microbiológica

Leia mais

4.1. Planejamento e desenvolvimento da solução candidata à material de referência certificado

4.1. Planejamento e desenvolvimento da solução candidata à material de referência certificado 4 Parte experimental 4.1. Planejamento e desenvolvimento da solução candidata à material de referência certificado 4.1.1. Preparo da solução de condutividade eletrolítica de 5 µs cm 1 Foram preparados

Leia mais

Bolo no pote (pão de ló) com creme diplomata e musseline

Bolo no pote (pão de ló) com creme diplomata e musseline Minhas Receitas Bolo no pote (pão de ló) com creme diplomata e musseline Ingredientes do Pão de Ló: 6 ovos (separar clara em neve) 360 g de açúcar refinado 250 ml de água filtrada 360 g de farinha de trigo

Leia mais

QUÍMICA FARMACÊUTICA

QUÍMICA FARMACÊUTICA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA ROTEIRO PARA S PRÁTICAS DISCIPLINA: QUÍMICA FARMACÊUTICA Título da Aula: Determinação do coeficiente de partição óleo-água (P) do ácido benzóico 1 Demonstrar

Leia mais

TÉCNICAS PARASITOLÓGICAS DE TF-TEST (THREE FECAL TEST) CONVENTIONAL E MODIFIED

TÉCNICAS PARASITOLÓGICAS DE TF-TEST (THREE FECAL TEST) CONVENTIONAL E MODIFIED TÉCNICAS PARASITOLÓGICAS DE TF-TEST (THREE FECAL TEST) CONVENTIONAL E MODIFIED I. COMENTÁRIOS A técnica parasitológica de TF-Test Conventional, utilizando o kit comercial TF- Test, foi avaliada para o

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA O que se pretende Utilizar técnicas experimentais de determinação de propriedades físicas características das substâncias como métodos de identificação

Leia mais

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos.

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos. KIT DE EXTRAÇÃO MINI SPIN PLUS Instruções de Uso 1. USO PRETENDIDO O BIOPUR Kit de Extração Mini Spin Plus é a ferramenta ideal para uma extração e purificação manual simples, rápida e eficiente de DNA

Leia mais

Avaliação da qualidade de produtos à base de Trichoderma

Avaliação da qualidade de produtos à base de Trichoderma Avaliação da qualidade de produtos à base de Trichoderma 18 a 20 de setembro de 2012 Embrapa Meio Ambiente - Jaguariúna, SP IV CURSO TEÓRICO E PRÁTICO Avaliação da qualidade de produtos à base de Trichoderma

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE TITRIMÉTRICA (Volumétrica)

TÍTULO: ANÁLISE TITRIMÉTRICA (Volumétrica) Componente Curricular: Química dos Alimentos Prof. Barbosa e Prof. Daniel 4º Módulo de Química Procedimento de Prática Experimental Competências: Identificar as propriedades dos alimentos. Identificar

Leia mais

Produto de solubilidade de sais

Produto de solubilidade de sais Produto de solubilidade de sais Nos sais pouco solúveis (solubilidade menor que 0,01mol/L) o produto da concentração molar de íons é uma constante a uma determinada temperatura, esse produto (Kps) é chamado

Leia mais

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico 4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico H levedura C 8 H 12 3 C 8 H 14 3 (156,2) (158,2) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

Figura 1: Potencial químico de um solvente na presença de um soluto.

Figura 1: Potencial químico de um solvente na presença de um soluto. Propriedades Coligativas 1. Introdução Algumas propriedades do solvente mudam quando um soluto é dissolvido nele para formar uma solução. O ponto de congelamento da água salgada, por exemplo, é menor que

Leia mais

Oficina de Páscoa sem Glúten

Oficina de Páscoa sem Glúten Oficina de Páscoa sem Glúten Renata Zandonadi, Naara Caroline Souza, Amanda Rosa, Isabela Feitosa, Marcela Novais, Luana de Oliveira, Alana Sampaio, Thamires Marinho, Giuliana, Larissa Berber. 1) Ovo de

Leia mais

Alexandra Silva Fernandes

Alexandra Silva Fernandes Alexandra Silva Fernandes APL 2.1. 1ª parte Soluções como se preparam? Problema: Como preparar 50,0 cm 3 de um solução aquosa de tiossulfato de sódio 0,030 mol.dm 3? Como preparar uma solução, a partir

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES FORMAS DE PREPARO DO INÓCULO E DE CONCENTRAÇÕES DOS NUTRIENTES NA PRODUÇÃO DE ETANOL POR Saccharomyces cerevisiae UFPEDA 1238

EFEITO DE DIFERENTES FORMAS DE PREPARO DO INÓCULO E DE CONCENTRAÇÕES DOS NUTRIENTES NA PRODUÇÃO DE ETANOL POR Saccharomyces cerevisiae UFPEDA 1238 EFEITO DE DIFERENTES FORMAS DE PREPARO DO INÓCULO E DE CONCENTRAÇÕES DOS NUTRIENTES NA PRODUÇÃO DE ETANOL POR Saccharomyces cerevisiae UFPEDA 1238 Lima, D. A. (1), Luna, R. L. N. (1), Rocha, J. M. T. S.

Leia mais

FICHA DE PREPARAÇÃO. NOME DA PREPARAÇÃO: Geléia de amora sem açúcar. Peso líquido. Modo de Preparo. FC Per capita. INGREDIENTES Peso Bruto

FICHA DE PREPARAÇÃO. NOME DA PREPARAÇÃO: Geléia de amora sem açúcar. Peso líquido. Modo de Preparo. FC Per capita. INGREDIENTES Peso Bruto NOME DA PREPARAÇÃO: Geléia de amora sem açúcar FICHA DE PREPARAÇÃO INGREDIENTES Peso Bruto Peso líquido FC Per capita Medida Caseira Amora 170g 170g 1 14,16g 1 copo Água 150g 150g 1 12,5g 1 xícara Adoçante

Leia mais

O produto consiste de uma reação enzimática pela transcriptase reversa com

O produto consiste de uma reação enzimática pela transcriptase reversa com BRK200-02 BRK200-05 RT kit para síntese de cdna Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto «RT kit plus» consiste em reagentes de transcrição reversa para a síntese de cdna de RNA extraído de amostras

Leia mais

Biomarcadores em Cancro

Biomarcadores em Cancro Estágio Ciência Viva i3s - ERiC ERiC Expression Regulation in Cancer Biomarcadores em Cancro Prémio ATG - All Time GABBAs Sequeira José, Pontes Diogo Palavras-Chave: Cancro EMT Droga X Biomarcadores Abstract

Leia mais