UNIMED GRANDE FLORIANÓPOLIS - COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIMED GRANDE FLORIANÓPOLIS - COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO"

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas da Unimed Grande Florianópolis, relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013, elaboradas na forma da legislação societária e das normas expedidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS acompanhadas das respectivas Notas Explicativas e Pareceres dos Auditores Independentes e do Conselho Fiscal. 2. NOSSO NEGÓCIO A Unimed Grande Florianópolis é uma operadora de plano de saúde, constituída sob a modalidade de cooperativa médica, no ano de 1971, e tem por objetivo principal a operação de planos privados de assistência à saúde. Possui mais de médicos cooperados ao sistema, cobrindo todas as especialidades médicas, com clientes totalizando aproximadamente 65% da população em potencial na sua área de abrangência, que compreende 19 municípios. Além dos números e indicadores, crescemos na concepção de quem nós somos no mercado e na visão do cliente. Avançamos também na conscientização dos cooperados, através de uma grande e constante ação de comunicação, dos Núcleos de Educação Cooperativista, das assembleias e de comitês de especialidades. Crescemos em qualidade e em credibilidade, nas ações em benefício dos clientes e da comunidade à nossa volta. Fortalecemos nossa imagem e nossa marca, ampliando o reconhecimento que o Sistema Unimed tem de nossa Singular. Na atualidade, a Unimed Grande Florianópolis oferece promoção de saúde em todas as suas faces: prevenção, pronto atendimento e reabilitação, sendo de fato, um plano de saúde completo. Em relação aos investimentos em sociedades controladas (diretas e indiretas), em 31 de dezembro de 2013, a Cooperativa possui as seguintes participações societárias: a. Controladas diretas UGF Participações S.A. (com participação de 100% do capital social): subsidiária integral de capital fechado e tem por objeto a participação em outras sociedades e a formação de consórcios. Foi constituída em 25 de abril de b. Controladas indiretas São duas as sociedades controladas indiretas: a UGF Serviços de Saúde Ltda. e a UGF Serviços Hospitalares S.A. UGF Serviços de Saúde Ltda. (controlada direta da UGF Participações S.A. com participação de 99,99% do capital social): tem por objeto a prestação de serviços de saúde e locação e sublocação de espaços físicos. Foi constituída em 18 de maio de 2012, no entanto, iniciou suas operações apenas em novembro de UGF Serviços Hospitalares S.A (controlada direta da UGF Participações S.A. com participação de 100% do capital social): subsidiária integral de capital fechado e tem por objeto a prestação de serviços hospitalares. Foi constituída em 18 de outubro de 2012, no entanto, ainda não iniciou suas operações. A previsão da Administração é de que as mesmas se iniciem em janeiro de As decisões são tomadas a partir de uma sólida estrutura de gestão, com foco em valores que permeiam a essência da empresa e consequentemente do Grupo Econômico na qual a Unimed Grande Florianópolis está inserida. UGF Serviços de Saúde Ltda. 99,99% Unimed Grande Florianópolis Cooperativa de Trabalho Médico UGF Participações S.A. 100% UGF Serviços Hospitalares S.A. 100% 3. PRINCIPAIS RESULTADOS E NÚMEROS DE Resultado econômico O equilíbrio financeiro da Unimed Grande Florianópolis é prioridade absoluta do atual Conselho de Administração da Cooperativa. Para alcançar a meta é preciso enfrentar e RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO vencer os inúmeros desafios que lhe cercam, entre eles a crescente inflação da saúde e da medicina, a constante alteração e a exigente regulamentação dos planos de saúde ditada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS, a forte judicialização no setor médico, a busca permanente pelo aumento da receita e a redução de custos, evitando desperdícios. Nesse sentido, o controle de custos vem merecendo atenção dos dirigentes da Cooperativa, que através de assembleias gerais (ordinárias e extraordinárias) aprovam junto ao quadro social medidas de economia, racionalização da gestão e otimização de seus serviços próprios. Renegociações de contratos, adoção de ações comerciais mais favoráveis e dinâmicas, revisão de tributos e permanente averiguação dos gastos fazem parte das iniciativas adotadas pela Singular da capital catarinense. Destacam-se ainda a identificação de possíveis distorções no uso dos planos e na busca permanente pela conscientização do quadro social, na luta contra o desperdício, o que se faz através do repasse da informação transparente e ágil, aproximando a Cooperativa de seus médicos. Durante todo o ano de 2013, a Diretoria demonstrou com clareza a situação enfrentada pela Cooperativa, com um aumento histórico da sinistralidade (próxima aos 100%, enquanto o indicado é de até 75%). Foi preciso chamar o cooperado para o debate e para o voto soberano das assembleias gerais, que definiram, entre outras medidas a readequação dos valores de exames complementares pela rede de prestadores de serviços, a readequação do Plano de Saúde dos Cooperados e o cumprimento do limite orçamentário, com a destinação de até 89,60% do orçamento anual para o pagamento do custo da produção. Em ações ainda mais corajosas e igualmente necessárias, foi aprovada a criação de Fundo para a Sustentabilidade da Cooperativa, constituindo uma reserva financeira aportada por todos os cooperados (pessoas físicas e jurídicas), assim como uma adequação da matriz tributária, com alternativas de encaminhamentos jurídicos, administrativos e contábeis, para que a apuração de tributos leve em conta a natureza jurídica da Cooperativa e a sua atividade. Diversas outras atitudes foram tomadas visando ao equilíbrio financeiro, contando com o apoio indispensável dos cooperados, que votaram e aprovaram as propostas apresentadas. Porém, é fundamental que, por mais que a Diretoria se esforce para implantar mecanismos de controle de custos e de ampliação da receita, é impossível alcançar a meta se o cooperado não tiver consciência de quanto custa cada procedimento solicitado. De forma alguma a Unimed quer cercear a liberdade do médico no atendimento aos seus pacientes, mas trazer ao entendimento do Quadro Social que a prática profissional deve ser centrada em Medicina Baseada em Evidências, nas Diretrizes emanadas das representações científicas e de classe. 3.2 Recursos Humanos Em relação aos Recursos Humanos, destacam-se as seguintes informações: Recursos Humanos: Nº de Empregados Turn-over 2,40% 2,65% Treinamentos (em R$) Localização Geográfica: Sede NAS Centro NAS Kobrasol CPS Trindade Unid. Estreito 6 6 Unid. Ingleses 6 6 Unid. Rio Branco Nível Educacional: 4ª série 5 2 1º grau completo 3 6 2º grau incompleto 5 5 2º grau completo Superior incompleto Superior completo Pós Graduação Mestrado 7 8 Doutorado Funções (nº de funcionários nas áreas): Administrativas Assistenciais Responsabilidade Social A Responsabilidade Social já se constitui num dos pilares da nossa Cooperativa e está incorporada nas suas diretrizes, na sua missão e nas suas metas de gestão, integrando também a sua política de excelência e pelo nono ano consecutivo, a Unimed Grande Florianópolis recebeu o Selo Unimed Responsabilidade Social, concedido pelo Sistema Unimed às Singulares que se destacam por suas ações no setor. A Singular da capital catarinense também manteve o grau máximo de pontuação (nível 4), reafirmando seu lugar de destaque em todo o país e reforçando a importância de sua política de Responsabilidade Socioambiental. Em 2013 a Unimed Grande Florianópolis adotou a Política de Sustentabilidade elaborada pela Unimed Federação Santa Catarina, demonstrando a importância das ações de sustentabilidade em seu negócio e a intenção de trabalhar o tema com todos os seus públicos de relacionamento. 4. PERSPECTIVAS E DESAFIOS Para este novo ano, o Conselho de Administração já vem executando as ações definidas no planejamento estratégico da Cooperativa, que segue tendo como ponto maior a manutenção do equilíbrio financeiro. Para o controle de custos assistenciais e a redução de despesas estão pautadas a readequação do marketing esportivo, a redução de 7% das despesas administrativas, o estudo para unificação do atendimento infantil com a Unidade Trindade, o estudo para desativar internação clínica no 2º trimestre e a implantação Serviço de Apoio Laboratorial, entre outras ações. No controle de custos assistenciais serão implantadas novas medidas que proporcionem mudanças de comportamento e conscientização dos médicos na investigação do diagnóstico. Também está sendo estudada a terceirização da Auditoria Prévia, a implantação da metodologia de auditoria por curva de tendência e a adoção de projeto do novo intercâmbio. É relevante destacar também que o ano de 2014 será muito importante para a Unimed Grande Florianópolis, que pretende inaugurar o seu Hospital Unimed no segundo semestre, cumprindo a missão de gerar mercado de trabalho aos cooperados e atendendo as necessidades na qualificação do atendimento dos clientes, as exigências legais e o indispensável controle de custos. A unidade será referência em procedimentos de alta complexidade, complementando o ciclo de atendimento dos serviços próprios da Unimed, que engloba a medicina preventiva, o diagnóstico, o acompanhamento médico, o tratamento, a internação e a intervenção cirúrgica. O complexo hospitalar será um dos mais modernos da região e terá mais de 30 mil metros quadrados (17 mil metros quadrados em estrutura), com 60 apartamentos que podem se transformar em 128 leitos de enfermaria, além de duas Unidades de Terapia Intensiva (adulta e infantil). O Hospital terá toda a infraestrutura para cirurgias e espaços para hemodinâmica, laboratório e centro de diagnóstico por imagem, com ultrassonografia, ressonância magnética, raio-x e tomografia computadorizada. Para o novo ano, ressalta-se, ainda, a implantação do novo Sistema de Gestão Unimed SGU, que será um instrumento de grande valor para o essencial controle de custos e a otimização de processos junto aos cooperados e aos prestadores de serviços. O SGU deverá entrar em funcionamento já no primeiro semestre de 2014, com benefícios que incluem a segurança das informações e a melhoria nos mecanismos de pagamento dos médicos. Dessa forma, a Unimed Grande Florianópolis busca a consolidação das metas da atual gestão Cooperativa: valorizar o cooperado, valorizar a Unimed, ampliar a participação do quadro social, incrementar mecanismos de gestão e controle de custos. O Conselho de Administração e a Diretoria da Singular têm trabalhado arduamente, mantendo o foco no atendimento ao cooperado, na satisfação dos seus clientes e no fortalecimento da Cooperativa, para vencer seus desafios e manter o seu equilíbrio financeiro. 5. INFORMAÇÕES ADICIONAIS DE Auditores Independentes Em conformidade à Instrução CVM nº 381/03, a Unimed Grande Florianópolis vem declarar que não possui qualquer tipo de contrato de prestação de serviços de consultoria com seus auditores independentes, Actus Auditores Independentes, caracterizando, assim, a inexistência de conflito de interesses ou o comprometimento da objetividade desses auditores em relação ao serviço contratado. 5.2 Agradecimentos Esses são os resultados da Unimed Grande Florianópolis, no exercício de 2013, obtidos com grande esforço do seu Conselho de Administração, somando-se a eficiência administrativa do seu corpo de colaboradores. Genoir Simoni Presidente CPF DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 BALANÇO PATRIMONIAL (Valores expressos em Reais) NOTA ATIVO EPLICATIVA ATIVO CIRCULANTE Disponível Realizável Aplicações financeiras Aplicações vinculadas a provisões técnicas Aplicações não vinculadas Créditos de operações com planos de assistência à saúde Contraprestação pecuniária a receber Outros créditos oper. c/ planos de assist. à saúde Créditos oper. assist. à saúde não rel. c/ plano saúde oper Créditos tributários e previdenciários Bens e títulos a receber Despesas antecipadas Conta-corrente com cooperados ATIVO NÃO CIRCULANTE Realizável a longo prazo Depósitos judiciais e fiscais Outros créditos a receber a longo prazo Conta-corrente com cooperados Investimentos Particip. societárias aval. p/ mét. equival. patrimonial 17.a Participações societárias - Outras entidades Outros investimentos 17.b Imobilizado Imóveis de uso próprio Imóveis - Hospitalares Imóveis - Não hospitalares Imobilizado de uso próprio Hospitalares Não hospitalares Imobilizações em curso 18.a Outras imobilizações NOTA PASSIVO EPLICATIVA PASSIVO CIRCULANTE Provisões técnicas de operações de assistência à saúde Provisão de eventos a liquidar para SUS 20.a Prov. de eventos a liqu. p/ outros prest. de serv. assist 20.a Prov. p/ eventos ocorridos e não avisados (PEONA) 20.b Débitos de operações de assistência à saúde Contraprestações a restituir Receita antecipada de contraprestações Comercialização sobre operações Outros débitos de oper. com planos de assist. saúde Débitos oper. assist à saúde não relac. c/ plano saúde Tributos e encargos sociais a recolher Empréstimos e financiamentos a pagar Débitos diversos PASSIVO NÃO CIRCULANTE Provisões Provisões para tributos diferidos Provisões judiciais Tributos e encargos sociais a recolher Tributos e encargos sociais a recolher Tributos e contribuições Empréstimos e financiamentos a pagar Débitos diversos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social 28.a Reservas Reservas de sobras 28.b / 28.c Ajuste de avaliação patrimonial 28.d Lucros / Resultado Intangível TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

2 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EERCÍCIO (Valores expressos em Reais) Contraprestações efetivas de plano de assistência à saúde Receitas com operações de assistência à saúde Contraprestações líquidas (-) Tributos diretos operações c/ planos de assist. à saúde da oper. ( ) ( ) ( ) ( ) Eventos indenizáveis líquidos ( ) ( ) ( ) ( ) Eventos conhecidos ou avisados ( ) ( ) ( ) ( ) Variação da provisão de eventos ocorridos e não avisados ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO DAS OPERAÇÕES C/ PLANOS DE ASSIST. À SAÚDE Outras receitas operacionais de planos de assistência à saúde Receitas de assist. à saúde não rel. c/ planos de saúde da operadora Receitas com operações de assistência médico-hospitalar Receitas c/ adm. de intercâmbio eventual - Assist. médico hosp ( ) ( ) Outras receitas operacionais (-) Tributos diretos de outras atividades de assistência à saúde ( ) ( ) ( ) ( ) Outras despesas operacionais com plano de assistência à saúde ( ) ( ) ( ) ( ) Outras despesas de operações de planos de assistência à saúde ( ) ( ) ( ) ( ) Programas promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças ( ) - ( ) - (-) Recuperação de outras desp. oper. de assist. à saúde Provisão para perdas sobre créditos ( ) ( ) Outras desp. oper assist. saúde não rel. c/ planos saúde operadora ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO BRUTO Despesas de comercialização ( ) ( ) ( ) ( ) Despesas administrativas ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado financeiro líquido Receitas financeiras Despesas financeiras ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado patrimonial ( ) Receitas patrimoniais Despesas patrimoniais ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO ANTES DOS IMPOSTOS ( ) ( ) Imposto de renda ( ) ( ) ( ) ( ) Contribuição social ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO LÍQUIDO ( ) ( ) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LÍQUIDO (Valores expressos em Reais) NOTA AJUSTES SOBRAS/ TOTAIS MUTAÇÕES DO EPLI- CAPIAL RESERVAS RESERVAS DE AVAL PERDAS DO EERCÍCIO CATIVA SOCIAL DE CAPITAL DE SOBRAS PATRIMONIAL ACUMULADAS EERCÍCIO SALDOS EM Aumentos de capital social: Em espécie Com sobras ( ) - Devolução de cotas-partes ( ) (5.000) ( ) Reversões de reservas ( ) Ajustes de avaliação patrimonial ( ) Resultado líquido do exercício Destinações estatutárias: - Fundo de Reserva ( ) - FATES ( ) - SALDOS EM Ajustes de exercícios anteriores: - Retificação de erros de exercícios anteriores 27.e SALDOS EM AJUSTADO Aumentos de capital social: - Em espécie Com sobras ( ) - Devolução de cotas-partes ( ) (9.416) ( ) Reversões de reservas ( ) Ajustes de avaliação patrimonial (39.240) Resultado líquido do exercício ( ) ( ) SALDOS EM DEMONSTRAÇÃO DOS FLUOS DE CAIA - MÉTODO INDIRETO (Valores expressos em reais) FLUO DE CAIA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS RESULTADO LÍQUIDO DO EERCÍCIO ( ) ( ) Ajustes p/ reconciliar resultado do exercício c/ recursos provenientes atividades operacionais: Ajustes de exercícios anteriores - ACP Ajuste de avaliação patrimonial Depreciações e amortizações Equivalência patrimonial Provisão para contingências ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Redução (aumento) nos ativos: Créditos de operações com planos de assistência à saúde ( ) ( ) Títulos e créditos a receber ( ) Outros (81.193) (84.311) Aumento (redução) nos passivos: Provisões técnicas de operações de assistência à saúde Débitos de operações de assistência à saúde ( ) (13.642) ( ) (13.642) Débitos de oper. de assist. à saúde não relac. c/ plano de saúde ( ) ( ) Provisões ( ) ( ) ( ) ( ) Tributos e encargos sociais a recolher Outros RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS FLUO DE CAIA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS (Redução) em aplicações (Aumento) no imobilizado ( ) ( ) ( ) ( ) (Aumento) nos investimentos ( ) ( ) ( ) ( ) (Aumento) no intangível ( ) ( ) ( ) ( ) RECURSOS LÍQUIDOS UTILIZADOS NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO ( ) ( ) ( ) ( ) FLUO DE CAIA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS Aumento nos empréstimos e financiamentos Devolução cotas partes aos cooperados ( ) ( ) ( ) ( ) Aumento de capital pelos cooperados RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO AUMENTO (REDUÇÃO) NO CAIA E EQUIVALENTES DE CAIA ( ) ( ) Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício DEMONSTRAÇÃO DE SOBRAS E PERDAS (Valores expressos em Reais) ATO CO- OPERATIVO E V E N T O S PRINCIPAL E ATO NÃO CO- TOTAL TOTAL AUILIAR OPERATIVO Contraprestações efetivas de plano de assistência à saúde Receitas com operações de assistência à saúde Contraprestações líquidas (-) Tributos diretos operações c/ planos de assist. à saúde da oper. ( ) ( ) ( ) ( ) Eventos indenizáveis líquidos ( ) ( ) ( ) ( ) Eventos conhecidos ou avisados ( ) ( ) ( ) ( ) Variação da provisão de eventos ocorridos e não avisados ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO DAS OPERAÇÕES C/ PLANOS DE ASSIST. À SAÚDE ( ) Outras receitas operacionais de planos de assistência à saúde Receitas de assist. à saúde não rel. c/ planos de saúde da operadora Receitas com operações de assistência médico-hospitalar Receitas c/ adm. de intercâmbio eventual - Assist. médico hosp ( ) Outras receitas operacionais (-) Tributos diretos de outras atividades de assistência à saúde ( ) (93.279) ( ) ( ) Outras despesas operacionais com plano de assistência à saúde ( ) (85.927) ( ) ( ) Outras despesas de operações de planos de assistência à saúde ( ) (67.807) ( ) ( ) Programas promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças ( ) (13.624) ( ) - (-) Recuperação de outras desp. oper. de assist. à saúde Provisão para perdas sobre créditos ( ) (14.408) ( ) Outras desp. oper assist. saúde não rel. c/ planos saúde operadora ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO BRUTO ( ) Despesas de comercialização ( ) (16.992) ( ) ( ) Despesas administrativas ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado financeiro líquido Receitas financeiras Despesas financeiras ( ) (33.310) ( ) ( ) Resultado patrimonial ( ) ( ) Receitas patrimoniais Despesas patrimoniais ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO ANTES DOS IMPOSTOS ( ) ( ) ( ) Imposto de renda ( ) ( ) ( ) ( ) Contribuição social ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO LÍQUIDO ( ) ( ) ( ) Realização ajuste de avaliação patrimonial Reversão por utilização do Fundo de Reserva Reversão por utilização do FATES Ajustes de exercícios anteriores ( ) SOBRAS LÍQUIDAS AJUSTADAS ( ) Absorção do prejuízo do ANC pelas sobras do AC ( ) SOBRAS A DESTINAR DESTINAÇÕES ESTATUTÁRIAS Fundo de Reserva (10%) FATES (15%) SOBRAS A DISPOSIÇÃO DA A.G.O DEMONSTRAÇÃO RESULTADO ABRANGENTE (Valores expressos em Reais) RESULTADO LÍQUIDO DO EERCÍCIO ( ) ( ) Impostos diferidos s/ ajuste de avaliação patrimonial - - Realização do ajuste de avaliação patrimonial (42.002) ( ) (42.002) ( ) Realização impostos diferidos s/ ajuste avaliação patrimonial RESULTADO ABRANGENTE NO EERCÍCIO ( ) ( ) DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO (Valores expressos em Reais) EVENTOS GERAÇÃO DE RIQUEZAS INGRESSOS E RECEITAS Contraprestações emitidas líquidas Outros ingressos e receitas operacionais Provisão para perda sobre créditos ( ) ( ) RECEITA LIQUIDA OPERACIONAL EVENTOS, DISPÊNDIOS E DESPESAS OPERACIONAIS Eventos indenizáveis líquidos Variação da provisão p/ eventos ocorridos e não avisados Outros dispêndios / despesas operacionais INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS Despesas de comercialização Despesas com serviços de terceiros Materiais, energia e outras despesas administrativas Despesas financeiras Perda/ recuperação de valores ativos VALOR ADICIONADO BRUTO DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE VALOR ADICIONADO RECEBIDO/ CEDIDO EM TRANSFERENCIA Receitas financeiras Resultado de equivalência patrimonial ( ) (794) Outras VALOR ADICIONADO A DISTRIBUIR DISTRIBUIÇÃO DA RIQUEZA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO Cooperados Produção (Consultas e Honorários) Benefícios Dirigentes, Conselheiros e Empregados Salários, 13º, Férias, etc Benefícios FGTS REMUNERAÇÃO DO GOVERNO Federais Previdência Social Estaduais Municipais CONTRIBUIÇÕES PARA A SOCIEDADE REMUNERAÇÃO DE CAPITAIS DE TERCEIROS Juros Aluguéis REMUNERAÇÃO DE CAPITAIS PRÓPRIOS ( ) ( ) Constituição de Reservas e Fundos ( ) ( ) ( ) ( ) Sobras líquidas a disposição da AGO TOTAL DISTRIBUÍDO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO 200Y 200X ATIVO Contas ATIVO CIRCULANTE 12 Disponível 121 Realizável 122+123+124+125+126+127+128+129 Aplicações Financeiras 122 Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas 1221

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO BASE DE 2012 ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

ANEXO Capítulo II - Elenco Sintético das Contas 2013 PASSIVO DESCRIÇÃO 2 1 1 PROVISÕES TÉCNICAS DE OPERAÇÕES DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE

ANEXO Capítulo II - Elenco Sintético das Contas 2013 PASSIVO DESCRIÇÃO 2 1 1 PROVISÕES TÉCNICAS DE OPERAÇÕES DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUB 2 2 1 CIRCULANTE 2 1 1 PROVISÕES TÉCNICAS DE OPERAÇÕES DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE 2 1 1 1 PROVISÕES TÉCNICAS DE OPERAÇÕES DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE 2 1 1 1 1 PROVISÕES TÉCNICAS DE OPERAÇÕES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

ANEXO I PROCEDIMENTOS PREVIAMENTE ACORDADOS PPA SOBRE A PROVISÃO DE EVENTOS/SINISTROS A LIQUIDAR - DIOPS/ANS

ANEXO I PROCEDIMENTOS PREVIAMENTE ACORDADOS PPA SOBRE A PROVISÃO DE EVENTOS/SINISTROS A LIQUIDAR - DIOPS/ANS ANEXO I SOBRE A PROVISÃO DE EVENTOS/SINISTROS A LIQUIDAR - DIOPS/ANS Data-base do DIOPS: trimestre de. 1 DIOPS Financeiro e Balancete 1.1 - Com base no balancete de verificação devidamente assinado pelo

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 39.466 27.437 Disponibilidades 221 196 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 27.920 18.274 Operações de Crédito 6 11.138

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE A Norma Contábil é necessária para padronizar o registro das operações do mercado de saúde. O principal objetivo da padronização é monitorar a solvência desse mercado. Solvência é a capacidade de uma operadora

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/2013. NOTA 1 Apresentação A CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS EMPREGADOS DA

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/2013. NOTA 1 Apresentação A CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS EMPREGADOS DA Caixa de Assistência dos Empregados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária CASEMBRAPA CNPJ: 08.097.092/0001-81 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO/PATRIMÔNIO SOCIAL DOS EXERCÍCIOS FINDOS

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Integração Portuária do Ceará CEARAPORTOS, Sociedade de Economia Mista do Estado do Ceará, criada por meio do Decreto

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

A T I V O. Aplicações Não Vinculadas 4.515.220,17 3.958.205,30. Contraprestação Pecuniária a Receber 986.524,86 214.030,09

A T I V O. Aplicações Não Vinculadas 4.515.220,17 3.958.205,30. Contraprestação Pecuniária a Receber 986.524,86 214.030,09 ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONARIOS DO FISCO DO ESTADO DE GOIAS - AFFEGO CNPJ: 00.299.149/0001-13 Rua Henrique Silva Nº 312 Setor Sul - Goiânia - Go BALANÇO PATRIMONIAL DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM A T I V O 31/12/2014

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56. UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.302-390 CNPJ (MF) 40.853.020/0001-20 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31.12.2007 Mutações Capital

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE (31 DE DEZEMBRO DE 2005) PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE Aos Srs. Administradores e Diretores da SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil)

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 Explicativas CIRCULANTE 4.414 Disponibilidades 26 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 2.566 Operações de Crédito 5 1.800 Outros Créditos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

unimed-rio demonstrações financeiras 2012 Demonstrações do Exercício, Notas Explicativas e Balanço Social

unimed-rio demonstrações financeiras 2012 Demonstrações do Exercício, Notas Explicativas e Balanço Social unimed-rio demonstrações financeiras 2012 Demonstrações do Exercício, Notas Explicativas e Balanço Social 2 Demonstrações Financeiras. Unimed-Rio 2012 Parecer do Conselho Fiscal Os Membros do Conselho

Leia mais

8.2. Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2013 e 2012

8.2. Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 EletrosSaúde ELETROS 8.2. Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (Em milhares de reais) 8.2.1. Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010.

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. À Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Membros do Ministério Público de São Paulo PROMOCRED. Diretoria-Executiva São Paulo SP Assunto: Auditoria

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 FPRJ/ORN/TMS 0753/16 FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes CENTRO ESPÍRITA NOSSO LAR CASAS ANDRÉ LUIZ CNPJ 62.220.637/0001-40 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores membros do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal: o Conselho Diretor submete à apreciação de

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil) COOPERATIVA CENTRAL DE CRÉDITO URBANO - CECRED CNPJ: 05.463.212/0001-29 Rua Frei Estanislau Schaette, 1201 - B. Água Verde - Blumenau/SC NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE

Leia mais

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI Examinamos as demonstrações contábeis do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI, que compreendem

Leia mais

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE QUADRO I BALANÇOS PATRIMONIAIS ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 2.630.185 2.070.467 Fornecedores 115.915 76.688 Contas

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO BASE DE 2011 ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

DESBAN - FUNDAÇÃO BDMG DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE

DESBAN - FUNDAÇÃO BDMG DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DESBAN - FUNDAÇÃO BDMG DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 E RELATÓRIO DOS AUDITORES

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais