Leis do Trabalho. Tudo o que precisa de saber, 3.ª EDIÇÃO. Atualização online II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leis do Trabalho. Tudo o que precisa de saber, 3.ª EDIÇÃO. Atualização online II"

Transcrição

1 Leis do Trabalho Tudo o que precisa de saber, 3.ª EDIÇÃO Atualização online II A entrada em vigor da Lei n. 120/2015, de 1 de setembro, obriga à reformulação das perguntas 34, 46, 110 e 112 e dos Anexos III, IV e XVIII. Indicamos aqui os novos textos, que pode recortar e colar no seu livro, nos locais indicados. Índice de perguntas (pág. 7) A pergunta 34 deve ser substituída pela seguinte: licença pode justificar um tratamento retributivo diferenciado? Um trabalhador com filho menor pode solicitar ao empregador autorização para trabalhar em regime de tempo parcial ou em regime de horário de trabalho flexível? E tem direito a exercer a sua actividade em regime de teletrabalho? O despedimento de uma trabalhadora grávida, puérpera ou lactante ou de ergunta 34 (pág. 37) A pergunta 34 e respetiva resposta devem ser substituídas pelo texto seguinte: Um trabalhador com filho menor pode solicitar ao empregador autorização para trabalhar em regime de tempo parcial ou em regime de horário de trabalho flexível? E tem direito a exercer a sua actividade em regime de teletrabalho? Quando está em causa a parentalidade, o CT permite alterações ao nível da organização do tempo de trabalho, nos termos descritos no Anexo IV. O trabalhador com filho com idade até 3 anos tem direito a exercer a sua actividade em regime de teletrabalho, desde que este seja compatível com a atividade desempenhada e o empregador disponha de recursos e meios para o efeito. Se estes pressupostos estiverem reunidos, o empregador não pode opor- -se ao pedido do trabalhador. Nota: Considera-se teletrabalho a prestação laboral realizada com subordinação jurídica, habitualmente fora da empresa e através do recurso a tecnologias de informação e de comunicação (cfr. artigo 165.º do CT). Disposições legais aplicáveis: artigos 54.º a 57.º e 166.º, n. os 3 e 4, do CT. 1

2 ergunta 46 (pág. 46) A resposta à pergunta 46, deve ser substituída pelo texto seguinte: Sim, pode elaborar um regulamento interno que contenha normas sobre organização e disciplina do trabalho (por exemplo, regras sobre o uso de fardamento, a circulação nas instalações ou a manutenção/limpeza de máquinas). Apesar de estas regras, que se enquadram no poder de organização e direção do empregador, não carecerem de aceitação dos trabalhadores, o empregador deve, na fase de elaboração do regulamento, ouvir a comissão de trabalhadores ou, na sua falta, as comissões intersindicais, as comissões sindicais ou os delegados sindicais. O regulamento apenas produz efeitos após a publicitação do respetivo conteúdo, designadamente através da sua afixação na sede da empresa e nos locais de trabalho, de modo a possibilitar o seu pleno conhecimento, a todo o tempo, pelos trabalhadores. Se for elaborado regulamento interno, o empregador deve nele consagrar toda a informação sobre a legislação referente ao direito de parentalidade. O regulamento interno pode, ainda, conter normas que definem condições de trabalho (por exemplo, disposições relativas às funções a desempenhar, ao período normal de trabalho, à progressão na carreira e às remunerações). or se tratar de disposições que respeitam ao conteúdo do contrato de trabalho, estas pressupõem necessariamente o acordo do trabalhador. resume-se o acordo, aceitação ou adesão do trabalhador se este não se opuser, por escrito, no prazo de 21 dias a contar do início da execução do contrato ou da divulgação do regulamento, se esta for posterior à admissão do trabalhador. Disposições legais aplicáveis: artigos 99.º, n. os 1 a 3, 127.º, n.º 4, e 104.º do CT. 2

3 ergunta 110 (pág. 102) O ponto 2 da alínea c) deve ser substituído pelo seguinte: 2. Decorrente de acordo Se a proposta de adaptabilidade individual for aceite por, pelo menos, 75% dos trabalhadores da equipa, secção ou unidade económica, o empregador pode aplicar/impor o mesmo regime ao conjunto dos trabalhadores dessa estrutura, inclusivamente aos trabalhadores que a rejeitaram. Ocorrendo alteração por entrada ou saída de trabalhadores na composição da equipa, secção ou unidade económica, o regime de adaptabilidade individual só é aplicável enquanto dessa alteração não resultar percentagem inferior a 75%. No entanto, nenhum destes regimes (adaptabilidade grupal decorrente de IRCT ou decorrente de acordo) pode ser aplicado a trabalhador abrangido por convenção coletiva que disponha de modo contrário, nem a trabalhador com filho menor de 3 anos de idade que não manifeste, por escrito, a sua concordância. A adaptabilidade grupal instituída por IRCT também não pode ser aplicada a trabalhador representado por associação sindical que tenha deduzido oposição a portaria de extensão da convenção coletiva em causa. ergunta 112 (pág. 108) O ponto 2 da alínea c) deve ser substituído pelo seguinte: Notas: 2. Decorrente de acordo Se a proposta de banco de horas individual for aceite por, pelo menos, 75% dos trabalhadores da equipa, secção ou unidade económica, o empregador pode aplicar/impor o mesmo regime ao conjunto de trabalhadores dessa estrutura, inclusivamente aos trabalhadores que a rejeitaram. Ocorrendo alteração por entrada ou saída de trabalhadores na composição da equipa, secção ou unidade económica, o regime de banco de horas individual só é aplicável enquanto dessa alteração não resultar percentagem inferior a 75%. No entanto, nenhum destes regimes (banco de horas grupal decorrente de IRCT ou decorrente de acordo) pode ser aplicado a trabalhador abrangido por convenção coletiva que disponha de modo contrário, nem a trabalhador com filho menor de 3 anos de idade que não manifeste, por escrito, a sua concordância. O banco de horas grupal instituído por IRCT também não pode ser aplicado a trabalhador representado por associação sindical que tenha deduzido oposição a portaria de extensão da convenção coletiva em causa. 3

4 Anexo III (pág. 255) Substituir o quadro Licença parental inicial pelo que em baixo se apresenta: Beneficiários Duração da licença Informação ao empregador e seu conteúdo Licença parental inicial (artigos 40. e 41. do CT) Mãe/pai trabalhadores 1. Os progenitores podem optar entre: a) 120 ou 150 dias consecutivos. A mãe tem obrigatoriamente de gozar seis semanas de licença a seguir ao parto. O restante período pode ser gozado pela mãe ou pelo pai. No caso de opção pela licença de 150 dias, os 30 dias que medeiam entre os 120 e os 150 dias de licença parental inicial podem ser gozados em simultâneo pelos progenitores exemplo: a mãe termina a licença de 120 dias em 31 de outubro e goza em simultâneo com o pai os primeiros 15 dias de novembro; a licença de 150 dias termina a 15 de novembro. No caso de o pai e a mãe trabalharem na mesma empresa e se esta tiver menos de 10 trabalhadores 1, o gozo da licença parental inicial em simultâneo depende de acordo com o empregador (artigo 40.º, n. os 1, 2 e 6, e 41.º, n.º 2, do CT) b) 150 ou 180 dias consecutivos, se a licença for partilhada. A licença considera-se partilhada se cada um dos progenitores gozar, em exclusivo (isto é, sem ser ao mesmo tempo), um período de 30 dias consecutivos ou dois períodos de 15 dias consecutivos, depois de a mãe ter gozado as seis semanas obrigatórias a seguir ao parto. Nada impede que a partilha seja efetuada do seguinte modo: a mãe goza o período inicial da licença 120 ou 150 dias e o pai goza imediatamente a seguir os 30 dias de acréscimo (artigos 40., n. 2, e 41., n. 2, do CT) 2. Independentemente da duração escolhida, a mãe pode começar a gozar a licença parental até 30 dias antes do parto (artigo 41., n. 1, do CT) 3. Em caso de gémeos, o período de licença é acrescido de 30 dias por cada gémeo para além do primeiro (artigo 40., n. 4, do CT) 1. a) Licença não partilhada: Até 7 dias após o parto Informação da duração da licença e do início do respetivo período Junção de declaração do outro progenitor da qual conste que o mesmo exerce atividade profissional e que não goza a licença parental inicial (artigo 40., n. 7, do CT) 1 O número de trabalhadores corresponde à média do ano civil antecedente. No ano de início da atividade, o número de trabalhadores a ter em conta é o existente no dia da ocorrência do facto (artigo 100.º, n. os 2 e 3, do CT) Anexo III (pág. 256) No quadro Informação ao empregador e seu conteúdo (cont.) no final da alínea b), onde se lê artigo 40.º, n.º 4, do CT deve ler-se: artigo 40., n. 5, do CT 4

5 Substituir o quadro Licença parental exclusiva do pai pelo que em baixo se apresenta: Licença parental exclusiva do pai (artigo 43. do CT) Beneficiário Duração da licença ai trabalhador 1. eríodo obrigatório: 10 dias úteis (5 dias úteis seguidos, gozados imediatamente a seguir ao nascimento do filho + 5 dias úteis seguidos ou interpolados, gozados nos 30 dias seguintes ao nascimento do filho artigo 43., n. 1, do CT) Com a entrada em vigor do Orçamento de Estado para o ano de 2016 o período obrigatório passará a ser de 15 dias úteis (5 dias úteis seguidos, gozados imediatamente a seguir ao nascimento do filho + 10 dias úteis seguidos ou interpolados, gozados nos 30 dias seguintes ao nascimento do filho artigo 5.º da Lei n.º 120/2015, de 1 de setembro). 2. eríodo facultativo: 10 dias úteis, seguidos ou interpolados, desde que gozados em simultâneo com o gozo da licença parental inicial por parte da mãe (artigo 43., n. 2, do CT) 3. Em caso de gémeos, o período de licença é acrescido de 2 dias por cada gémeo para além do primeiro (artigo 43., n. 3, do CT) Anexo III (pág. 257) No final da página deve ser acrescentada a seguinte nota das autoras: Nota: A Lei n.º 120/2015, de 1 de setembro não teve em consideração a remissão feita pelo regime da licença por adoção (artigo 44.º do CT) para o artigo 40.º do CT. Não obstante esta omissão, tendo em consideração que o CT 2009 equiparou a licença por adoção à licença parental inicial, entendemos que o disposto nos n. os 2 e 3 do artigo 40.º do CT é também aplicável a esta licença. Assim sendo, temos que no caso de opção pela licença não partilhada de 150 dias, os 30 dias que medeiam entre os 120 e os 150 dias de licença podem ser gozados em simultâneo pelos candidatos a adotantes exemplo: a mãe termina a licença de 120 dias em 31 de outubro e goza em simultâneo com o pai os primeiros 15 dias de novembro; a licença de 150 dias termina a 15 de novembro. Se ambos os candidatos a adotantes trabalharem na mesma empresa e esta tiver menos de 10 trabalhadores, o gozo em simultâneo do referido período de licença depende de acordo com o empregador. O número de trabalhadores corresponde à média do ano civil antecedente. No ano de início da atividade, o número de trabalhadores a ter em conta é o existente no dia da ocorrência do facto (artigo 100.º, n. os 2 e 3, do CT). 5

6 Anexo IV (pág. 260) Substituir o quadro Trabalho a tempo parcial ( ) pelo que em baixo se apresenta: Trabalho a tempo parcial de trabalhador com filho menor de 12 anos ou, independentemente da idade, com filho com deficiência ou doença crónica que com ele viva em comunhão de mesa e habitação Regime edido ao empregador e seu conteúdo Efeitos retributivos Depois de gozada a licença parental complementar, em qualquer das suas modalidades Exercício temporário, podendo durar até ao máximo de 2 anos ou de 3 anos, no caso de 3 filhos ou mais; este prazo pode ser prorrogado até 4 anos, no caso de filho com deficiência ou doença crónica. Findo este período, o trabalhador retoma a prestação de trabalho a tempo completo Salvo acordo em contrário, para este efeito, considera-se que o NT a tempo parcial corresponde a metade daquele que é praticado a tempo completo (se o NT semanal a tempo completo for de 40 horas, o NT semanal a tempo parcial é de 20 horas) O trabalhador pode prestar a sua atividade diariamente, de manhã ou de tarde, ou 3 dias por semana Durante o exercício deste direito, o trabalhador não pode exercer outra atividade incompatível com a respetiva finalidade, nomeadamente trabalho subordinado ou prestação continuada de serviços fora da residência habitual O trabalhador que opte pelo trabalho em regime de tempo parcial não pode ser penalizado em matéria de avaliação e de progressão de carreira. (artigo 55. do CT) Solicitação, por escrito, com a antecedência de 30 dias, com os seguintes elementos: indicação do prazo previsto, dentro do limite aplicável; declaração da qual conste: i) que o menor vive com ele em comunhão de mesa e habitação ii) que não está esgotado o período máximo de duração iii) que o outro progenitor tem atividade profissional e não se encontra ao mesmo tempo em situação de trabalho a tempo parcial, ou que está impedido ou inibido totalmente de exercer o poder paternal (se for o caso) a modalidade pretendida de organização do trabalho a tempo parcial (artigo 57., n. 1, alíneas a) a c), do CT) Redução proporcional da retribuição (artigo 154., n. 3, do CT) 6

7 Anexo IV (pág. 261) Substituir o quadro Horário flexível de trabalhador ( ) pelo que em baixo se apresenta: Horário flexível de trabalhador com filho menor de 12 anos ou, independentemente da idade, com filho com deficiência ou doença crónica que com ele viva em comunhão de mesa e habitação Regime edido ao empregador e seu conteúdo Efeitos retributivos Horário flexível é aquele em que o trabalhador pode escolher, dentro de certos limites, as horas de início e termo do NT diário O horário flexível, a elaborar pelo empregador, deve: a) conter um ou dois períodos de presença obrigatória, com duração igual a metade do NT diário b) indicar os períodos para início e termo do trabalho normal diário, cada um com duração não inferior a um terço do NT diário, podendo esta duração ser reduzida na medida do necessário para que o horário se contenha dentro do período de funcionamento do estabelecimento c) estabelecer um período para intervalo de descanso não superior a duas horas O trabalhador que trabalhe em regime de horário flexível pode efetuar até 6 horas consecutivas de trabalho e até 10 horas de trabalho em cada dia e deve cumprir o correspondente NT semanal, em média de cada período de quatro semanas O trabalhador que opte pelo trabalho em regime de horário flexível não pode ser penalizado em matéria de avaliação e de progressão de carreira. (artigo 56. do CT) Solicitação, por escrito, com a antecedência de 30 dias, com os seguintes elementos: indicação do prazo previsto, dentro do limite aplicável declaração da qual conste que o menor vive com ele em comunhão de mesa e habitação (artigo 57., n. 1, alíneas a) e b), subalínea i), do CT) Não determina perda de retribuição Anexo XVIII (pág. 291) Onde se lê: A lei prevê que sejam afixados na empresa os seguintes documentos: Informação acerca ( ) n. 3, do CT) ( ) Trabalho em estaleiros ( ) de 29 de outubro) deve ler-se o seguinte: A lei prevê que sejam afixados na empresa os seguintes documentos: Informação acerca da existência de meios de vigilância à distância (artigo 20., n. 3, do CT) Informação relativa aos direitos e deveres do trabalhador em matéria de igualdade e não discriminação (artigo 24., n. 4, do CT) Regulamento interno (artigo 99., n. 3, do CT) quando exista Toda a informação sobre a legislação referente ao direito de parentalidade (artigo 127.º, n.º 4, do CT) Informação relativa à existência de postos de trabalho permanentes que estejam disponíveis na empresa ou estabelecimento (artigo 144., n. 4, do CT) Mapa de horário de trabalho (artigo 216., n. os 1 e 2, do CT) Mapa de horário de trabalho alteração (artigo 217., n. 2, do CT) Mapa de férias (artigo 241., n. 9, do CT) entre o dia 15 de abril e o dia 31 de outubro Indicação dos instrumentos de regulamentação coletiva de trabalho aplicáveis (artigo 480., n. 1, do CT) Disposições do Código do Trabalho e da Lei n. 98/2009 referentes aos direitos e obrigações do sinistrado em acidente de trabalho e dos responsáveis (artigo 177., n. 1, da Lei n. 98/2009, de 4 de setembro) Trabalho em estaleiros da construção comunicação prévia de abertura do estaleiro (artigo 15., n. 6, do DL n. 273/2003, de 29 de outubro) 7

Direitos e Deveres da Parentalidade Representação Esquemática (Nos termos do artº 33º e seguintes da Lei nº 7/2009, de 12/02) Licença Parental Inicial

Direitos e Deveres da Parentalidade Representação Esquemática (Nos termos do artº 33º e seguintes da Lei nº 7/2009, de 12/02) Licença Parental Inicial e da Parentalidade Representação Esquemática (Nos termos do artº 33º e seguintes da Lei nº 7/2009, de 12/02) Licença Parental Inicial - A mãe ou o pai tem direito a 120 ou 150 dias de licença parental,

Leia mais

PARENTALIDADE PRESTAÇÕES ASSEGURADAS PELA SEGURANÇA SOCIAL PROCEDIMENTOS

PARENTALIDADE PRESTAÇÕES ASSEGURADAS PELA SEGURANÇA SOCIAL PROCEDIMENTOS Subsídio por Risco Clínico durante a Gravidez: Pelo período de tempo que, por prescrição médica, for considerado necessário para prevenir o risco 100% da, não podendo ser inferior a 80% de Subsídio por

Leia mais

Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local

Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local REGIME DAS FALTAS E LICENÇAS E SEUS EFEITOS Lei da Parentalidade - Decreto-Lei de 9 de Abril e Código do Trabalho (CT) Trabalhadora grávida Pelo tempo e número de vezes necessárias Prova ou declaração

Leia mais

Protecção na Parentalidade

Protecção na Parentalidade Protecção na Parentalidade UMA VISÃO JURÍDICA NA PREPARAÇÃO PARA O NASCIMENTO João Almeida Costa Jurista jc@joaocosta.pt Quadro Legal Constituição da República Portuguesa (CRP) Artigos 67º e 68º; Lei n.º

Leia mais

PARECER N.º 255/CITE/2016

PARECER N.º 255/CITE/2016 PARECER N.º 255/CITE/2016 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do n.º 5 do artigo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª ALTERA O DECRETO-LEI N.º 91/2009, DE 9 DE ABRIL, REFORÇANDO O REGIME DE PROTECÇÃO NA PARENTALIDADE DO SISTEMA PREVIDENCIAL E DO SUBSISTEMA DE SOLIDARIEDADE

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S)

Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S) Pág. 1 Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S) 1. Quais são as faltas justificadas e injustificadas? Consideram-se faltas as ausências do trabalhador no local de trabalho e durante o período

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 244/XI/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 244/XI/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 244/XI/1.ª ALTERA O DECRETO-LEI N.º 89/2009, DE 9 DE ABRIL, REFORÇANDO A PROTECÇÃO NA PARENTALIDADE DOS TRABALHADORES ABRANGIDOS PELO REGIME CONVERGENTE Exposição

Leia mais

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE DOS FUNCIONÁRIOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAMUSCA

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE DOS FUNCIONÁRIOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAMUSCA REGULAMENTO DO HORÁRIO DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE DOS FUNCIONÁRIOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAMUSCA Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se a todos os funcionários em

Leia mais

b) Licença por interrupção de gravidez; c) Licença parental, em qualquer das modalidades; d) Licença por adopção;

b) Licença por interrupção de gravidez; c) Licença parental, em qualquer das modalidades; d) Licença por adopção; 935 a homens e mulheres, nomeadamente, baseados em mérito, produtividade, assiduidade ou antiguidade. 4 Sem prejuízo do disposto no número anterior, as licenças, faltas ou dispensas relativas à protecção

Leia mais

FALTAS (com base na LTFP e CT)

FALTAS (com base na LTFP e CT) FALTA (com base na LTFP e CT) Tipo de Falta Comunicação da falta Duração Lim.Máx Doc.Justificativo Desc. Vencimento Desc. ub. Refeição Enquadramento Legal Casamento 15 dias consecutivos Assento de casamento

Leia mais

LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS CÓDIGO DE TRABALHO

LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS CÓDIGO DE TRABALHO DE TRABALHO I. Enquadramento Geral A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas entrou em vigor no dia 1 de agosto de 2014. A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (adiante designada por LTFP) aprovada

Leia mais

CÓDIGO DO TRABALHO. CAPÍTULO I - Fontes do direito do trabalho CAPÍTULO II - Aplicação do direito do trabalho. CAPÍTULO I - Disposições gerais

CÓDIGO DO TRABALHO. CAPÍTULO I - Fontes do direito do trabalho CAPÍTULO II - Aplicação do direito do trabalho. CAPÍTULO I - Disposições gerais CÓDIGO DO TRABALHO Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro LIVRO I - Parte geral TÍTULO I - Fontes e aplicação do direito do trabalho CAPÍTULO I - Fontes do direito do trabalho CAPÍTULO II - Aplicação do direito

Leia mais

José Magalhães. Fevereiro de 2013

José Magalhães. Fevereiro de 2013 SESSÃO DE ESCLARECIMENTO OBRIGAÇÕES LEGAIS NO QUADRO DA LEGISLAÇÃO LABORAL José Magalhães Fevereiro de 2013 OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR EM MATÉRIA DE SHST O empregador deve assegurar aos trabalhadores condições

Leia mais

Divisão de Recursos Humanos e Administração Página 0

Divisão de Recursos Humanos e Administração Página 0 Página 0 Regime de Faltas e Licenças e seus Efeitos Lei n.º 35/2014, de 20 de junho (LTFP) Todas as ausências ao serviço têm que ser obrigatoriamente comunicadas ao superior hierárquico, com antecedência,

Leia mais

Workshop Regras na marcação do período de férias

Workshop Regras na marcação do período de férias Workshop Regras na marcação do período de férias Enquadramento legal: - Cláusula 41.º e segs. Convenção; - Arts. 237.º e segs. do Código do Trabalho. Cláusula 41.ª Direito a férias O trabalhador tem direito

Leia mais

Informação aos Associados nº 13.V3

Informação aos Associados nº 13.V3 Data 15 de setembro de 2006 atualizada em 22 de outubro de 2012 Assunto: Horário de Trabalho Tema: Laboral 1. Definição de Horário de Trabalho O horário de trabalho é o período de tempo durante o qual

Leia mais

I- COMUNICAÇÕES, AUTORIZAÇÕES

I- COMUNICAÇÕES, AUTORIZAÇÕES OBRIGAÇÕES DA ENTIDADE EMPREGADORA NA ÁREA LABORAL I- COMUNICAÇÕES, AUTORIZAÇÕES COMISSÃO REGIONAL PARA IGUALDADE NO TRABALHO E EMPREGO (CRITE-AÇORES) PROTEÇÃO EM CASO DE DESPEDIMENTO O despedimento de

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIRECÇÃO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO EDUCATIVA

OFÍCIO CIRCULAR DIRECÇÃO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO EDUCATIVA E CULTURA OFÍCIO CIRCULAR DIRECÇÃO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO EDUCATIVA DATA: 30-04-2009 Nº27-2009.DGNDSEBS SERVIÇO DE ORIGEM: DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS DOCENTES E NÃO DOCENTES ENVIADO PARA:

Leia mais

AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO 2012, Outubro, 29 LEI Nº 23/2012, 25 DE JUNHO 2 ORGANIZAÇÃO DOS TEMPOS DE TRABALHO 3 1 BANCO DE HORAS 4 Lei nº 23/2012, 25 Junho Artigo 208º-A A partir de 1 de Agosto

Leia mais

Formador: Carlos Varandas Nunes. Seminário Lei do Trabalho em Funções Públicas

Formador: Carlos Varandas Nunes. Seminário Lei do Trabalho em Funções Públicas Formador: Carlos Varandas Nunes Seminário Lei do Trabalho em Funções Públicas Apresentação Carlos Varandas Nunes 46 anos Mestre em Gestão- Administração Pública Organização da Formação Dúvidas que me fizeram

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos APROVADO EM: ENTRADA EM VIGOR: SG, Gabinetes Ministeriais e organismos da PCS

Gestão de Recursos Humanos APROVADO EM: ENTRADA EM VIGOR: SG, Gabinetes Ministeriais e organismos da PCS DOMÍNIO 03. Recursos Humanos TEMA 03.01. Gestão de Recursos Humanos ASSUNTO 03.01.15 Parentalidade UO RESPONSÁVEL DSGRH REVISTO EM: APROVADO EM: ENTRADA EM VIGOR: 21.05.2015 PARENTALIDADE OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO. Junho de 2012

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO. Junho de 2012 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Junho de 2012 CONTRATO DE TRABALHO A TERMO DE MUITO CURTA DURAÇÃO CONTRATO DE TRABALHO A TERMO DE MUITO CURTA DURAÇÃO Prazo inicial de 15 dias 70 dias, no mesmo

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR- CÓDIGO DO TRABALHO ESTUDANTE CAPÍTULO I SECÇÃO II. Preâmbulo. Subsecção VIII. Trabalhador-Estudante. Artº 17º.

ESTATUTO DO TRABALHADOR- CÓDIGO DO TRABALHO ESTUDANTE CAPÍTULO I SECÇÃO II. Preâmbulo. Subsecção VIII. Trabalhador-Estudante. Artº 17º. ESTATUTO DO TRABALHADOR- CÓDIGO DO TRABALHO ESTUDANTE (Lei nº 99/2003, de 27 de Agosto) CAPÍTULO I SECÇÃO II Preâmbulo Subsecção VIII Trabalhador-Estudante Artº 17º Trabalhador-estudante O disposto nos

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE FOLHA ANEXA AO REQUERIMENTO DOS SUBSÍDIOS PARENTAL, SOCIAL PARENTAL E PARENTAL ALARGADO, MOD.

PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE FOLHA ANEXA AO REQUERIMENTO DOS SUBSÍDIOS PARENTAL, SOCIAL PARENTAL E PARENTAL ALARGADO, MOD. PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE FOLHA ANEXA AO REQUERIMENTO DOS SUBSÍDIOS PARENTAL, SOCIAL PARENTAL E PARENTAL ALARGADO, MOD. RP 5049-DGSS 1. Quais os subsídios a requerer I INFORMAÇÕES O formulário

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 36/XII Exposição de Motivos O Estado Português, através da assinatura do Memorando de Políticas Económicas e Financeiras, assumiu perante a União Europeia, o Fundo Monetário Internacional

Leia mais

PARECER N.º 123/CITE/2012

PARECER N.º 123/CITE/2012 PARECER N.º 123/CITE/2012 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa do pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível de trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do

Leia mais

Código do Trabalho e Acórdão do Tribunal Constitucional

Código do Trabalho e Acórdão do Tribunal Constitucional Código do Trabalho e Acórdão do Tribunal Constitucional O Acórdão do Tribunal Constitucional nº 602/2013, de 20 de Setembro considerou inconstitucionais, com força obrigatória geral e com efeitos reportados

Leia mais

LICENÇA PARENTAL INICIAL

LICENÇA PARENTAL INICIAL Direitos e Deveres da Parentalidade Lei n.º 59/2008, de 11 de Setembro Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas (art.º 33º do Código do Trabalho (vs. Da Lei n.º 7/2009, de 12/02) e art. 40º do

Leia mais

Estatuto de trabalhador-estudante

Estatuto de trabalhador-estudante Diplomas consolidados Estatuto de trabalhador-estudante DGAJ-DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça Estatuto de Trabalhador-Estudante VERSÃO ATUALIZADA O regime do trabalhador-estudante aplica-se

Leia mais

Proteção Social na Parentalidade

Proteção Social na Parentalidade Proteção Social na Parentalidade Direitos, Licenças, dispensas Guia prático para empresas DyD Asociados Portugal Proteção Social na Parentalidade A maternidade e a pateridade constituem valores sociais

Leia mais

PARECER N.º 13/CITE/2016

PARECER N.º 13/CITE/2016 PARECER N.º 13/CITE/2016 Assunto: Parecer prévio à recusa do pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível, nos termos do n.º 5 do artigo 57.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei

Leia mais

NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Funchal, 27 de Setembro de 2012

NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Funchal, 27 de Setembro de 2012 NOVAS REGRAS DO TRABALHO Funchal, 27 de Setembro de 2012 Lei 23/2012, de 15 de Junho (altera Código do Trabalho) (início vigência 1 de Agosto de 2012) OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS Cátia Henriques Fernandes

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas,

NOTA JUSTIFICATIVA. A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, Coimbra, janeiro 2017 NOTA JUSTIFICATIVA A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, abreviadamente designada por LTFP veio regular o vínculo de trabalho

Leia mais

Banco de Horas Individual Através da Regulamentação Colectiva de Trabalho Lei 23/2012 de 25 de Junho

Banco de Horas Individual Através da Regulamentação Colectiva de Trabalho Lei 23/2012 de 25 de Junho Banco de Horas Individual e Através da Regulamentação Colectiva de Trabalho Lei 23/2012 de 25 de Junho INTRODUÇÃO O Banco de Horas é uma importante ferramenta de gestão dos tempos de trabalho, visto que

Leia mais

PARECER N.º 37/CITE/2016

PARECER N.º 37/CITE/2016 PARECER N.º 37/CITE/2016 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do n.º 5 do artigo

Leia mais

Prova de Conhecimentos

Prova de Conhecimentos PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONSTITUIÇÃO DE RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO PÚBLICO POR TEMPO INDETERMINADO, TENDO EM VISTA O PREENCHIMENTO DE DOIS POSTOS DE TRABALHO NA CARREIRA/CATEGORIA DE TÉCNICO

Leia mais

Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2001 de 01/02/2001

Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2001 de 01/02/2001 Nº. Pauta 202.16 RECURSOS HUMANOS Assunto: ESCALAS DE SERVIÇO Referência: Distribuição: todas as unidades de estrutura Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2001 de 01/02/2001 Entrada em vigor: 15/06/2005

Leia mais

EMISSOR: Ministério das Finanças e da Administração Pública

EMISSOR: Ministério das Finanças e da Administração Pública DATA: Quinta-feira, 9 de Abril de 2009 EMISSOR: Ministério das Finanças e da Administração Pública DIPLOMA: Decreto-Lei n.º 89/2009 SUMÁRIO: Regulamenta a protecção na parentalidade, no âmbito da eventualidade

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE REGISTO DA ASSIDUIDADE NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

NORMAS TÉCNICAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE REGISTO DA ASSIDUIDADE NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO NORMAS TÉCNICAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE REGISTO DA ASSIDUIDADE NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Julho/2016 ÍNDICE Pág. 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. REGIMES DE TEMPO... 3 2.1. TRABALHO A TEMPO COMPLETO...

Leia mais

Duração e organização do tempo de trabalho

Duração e organização do tempo de trabalho Duração e organização do tempo de trabalho A empresa tem de respeitar restrições legais à duração do trabalho prestado pelos trabalhadores, embora existam várias possibilidades de organizar essa prestação

Leia mais

MUDANÇAS POLÍTICAS SALARIAIS. Quidgest

MUDANÇAS POLÍTICAS SALARIAIS. Quidgest MUDANÇAS POLÍTICAS SALARIAIS Quidgest rh@quidgest.com AGENDA: Q Q Q Q Q Q Q Q Q Q REMISSÃO CÓDIGO DO TRABALHO TRABALHO SUPLEMENTAR FÉRIAS, FALTAS E FERIADOS SUBSÍDIO NATAL E FÉRIAS DECLARAÇÃO MENSAL DE

Leia mais

Deste parecer resultam entendimentos passíveis de: FAQ s? Anotação de diploma? Publicação na Web? X Elaboração de Circular?

Deste parecer resultam entendimentos passíveis de: FAQ s? Anotação de diploma? Publicação na Web? X Elaboração de Circular? Parecer: Despacho: Deste parecer resultam entendimentos passíveis de: FAQ s? Anotação de diploma? Publicação na Web? X Elaboração de Circular? Informação nº 170 Proc. 7.2.19 Data 21/05/2009 Assunto: Gozo

Leia mais

Regime Jurídico de Protecção Social na Parentalidade

Regime Jurídico de Protecção Social na Parentalidade CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Regime Jurídico de Protecção Social na Parentalidade Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito e Informática,

Leia mais

TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI

TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI Ficha n.º 4 TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalhador-Estudante Trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem como curso de pós-graduação, mestrado ou doutoramento

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST?

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM

Leia mais

FALTAS JUSTIFICADAS AO TRABALHO DURAÇÃO, PROVA, EFEITOS NA RETRIBUIÇÃO, COMUNICAÇÃO E FUNDAMENTOS LEGAIS

FALTAS JUSTIFICADAS AO TRABALHO DURAÇÃO, PROVA, EFEITOS NA RETRIBUIÇÃO, COMUNICAÇÃO E FUNDAMENTOS LEGAIS NOTA INTRODUTÓRIA Não obstante a matérias das faltas ao trabalho se encontrar consignada no Código do Trabalho, este diploma não tem caráter exaustivo e continuamos a ter dispersa em legislação avulsa

Leia mais

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO PORTARIA N.º 34/2017, de 18 de janeiro

MEDIDA CONTRATO-EMPREGO PORTARIA N.º 34/2017, de 18 de janeiro MEDIDA CONTRATO-EMPREGO PORTARIA N.º 34/2017, de 18 de janeiro A Portaria n.º 34/2017, de 18 de janeiro criou a medida Contrato-Emprego, a qual consiste na concessão, à entidade empregadora, de um apoio

Leia mais

Decreto-Lei Nº 230/2000 de 23 de Setembro

Decreto-Lei Nº 230/2000 de 23 de Setembro Decreto-Lei Nº 230/2000 de 23 de Setembro As alterações da Lei Nº 4/1984, de 5 de Abril, sobre a protecção da maternidade e da paternidade, através da Lei Nº 142/1999, de 31 de Agosto, tornam necessário

Leia mais

PARECER N.º 31/CITE/2014. Assunto: Informação para gozo da Licença Parental Complementar na modalidade a tempo parcial Processo n.

PARECER N.º 31/CITE/2014. Assunto: Informação para gozo da Licença Parental Complementar na modalidade a tempo parcial Processo n. PARECER N.º 31/CITE/2014 Assunto: Informação para gozo da Licença Parental Complementar na modalidade a tempo parcial Processo n.º 76 DV/2014 I OBJETO 1.1. Em 23.01.2014, a CITE recebeu do mandatário da

Leia mais

Legislação Consolidada. Diploma

Legislação Consolidada. Diploma Diploma Regulamenta a protecção na parentalidade, no âmbito da eventualidade maternidade, paternidade e adopção, dos trabalhadores que exercem funções públicas integrados no regime de protecção social

Leia mais

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Lei n.º 29/2017 A Lei n.º 29/2017, de 30 de maio, veio transpor para a ordem jurídica interna a Diretiva 2014/67/UE, do Parlamento Europeu

Leia mais

NOTAS SOBRE A LEI N.º 59/2008, DE 11 DE SETEMBRO

NOTAS SOBRE A LEI N.º 59/2008, DE 11 DE SETEMBRO NOTAS SOBRE A LEI N.º 59/2008, DE 11 DE SETEMBRO O corpo da Lei n.º 59/2008, de 11 de Setembro, que aprovou o Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas, aplicável também ao pessoal docente da

Leia mais

El Salvador Atualizado em:

El Salvador Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL El Salvador Atualizado em: 12-11-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas que estejam ou tenham estado sujeitas à legislação de Portugal ou de El Salvador, referida no separador

Leia mais

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DO REGIME DE ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DO REGIME DE ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES do Norte REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DO REGIME DE ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES DATA DE Nº DO PROCESSO 1 EXMO. (ª) SR. (ª): 1 2 NATUREZA DA ACUMULAÇÃO: Pública Privada FASE: Inicial Renovação 2 Situação no serviço

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho no IPCB

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho no IPCB Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho no IPCB Nos termos do disposto no nº 2 do artigo 75º da Lei nº 35/2014, de 20 de junho, que aprova a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas

Leia mais

A CONTRATAÇÃO COLECTIVA NO SECTOR

A CONTRATAÇÃO COLECTIVA NO SECTOR A CONTRATAÇÃO COLECTIVA NO SECTOR e o 1 O Novo Código O Novo Código A Contratação no sector e o O actual Código foi aprovado pela Lei n.º 7/2009 de 12 de Fevereiro e veio proceder a uma revisão global

Leia mais

Nota prévia A presente Orientação Normativa revoga na sua totalidade e substitui a Orientação Normativa 1/2000 de 29/12/2000.

Nota prévia A presente Orientação Normativa revoga na sua totalidade e substitui a Orientação Normativa 1/2000 de 29/12/2000. ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 01/2004 de 20/02/2004 Assunto: Férias Distribuição: Todas as Unidades de Estrutura Revogações: Orientação Normativa 1/2000 Enquadramento Convencional e Legal: Capítulo X do AE/REFER,

Leia mais

Limites e Exceções ao Período Normal de Trabalho

Limites e Exceções ao Período Normal de Trabalho Limites e Exceções ao Período Normal de Trabalho David Falcão 1 Sérgio Tenreiro Tomás 2 Introdução Com a entrada em vigor da Lei n.º 23/2012 de 25 de junho produzem-se um conjunto de alterações ao Código

Leia mais

Direitos de Parentalidade. Conciliação do trabalho com a vida familiar e pessoal

Direitos de Parentalidade. Conciliação do trabalho com a vida familiar e pessoal Direitos de Parentalidade Conciliação do trabalho com a vida familiar e pessoal A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes. Os trabalhadores têm direito à protecção da sociedade

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 22 de outubro de Série. Número 159

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 22 de outubro de Série. Número 159 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 22 de outubro de 2014 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Despacho Normativo n.º 8/2014 Aprova o Regulamento do Horário de Trabalho

Leia mais

Joana de Almeida Neves Advogada

Joana de Almeida Neves Advogada Adaptabilidade na Relação Laboral A Flexibilidade Temporal, os Horários Concentrados e os Bancos de Horas Joana de Almeida Neves Advogada PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO CÓDIGO DE TRABALHO INTERVENÇÃO DO LEGISLADOR

Leia mais

Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar

Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar PROPOSTA DE LEI Nº 247/X PROPOSTA DE ADITAMENTO Ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, os Deputados abaixo assinados, do Grupo Parlamentar

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO. As IPSS e o normativo laboral aplicável

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO. As IPSS e o normativo laboral aplicável As IPSS e o normativo laboral aplicável Centro Local da Beira Alta junho 2016 Normativo jurídico-laboral essencial aplicável Código do Trabalho Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro Lei n.º 23/2012, de 25

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

VÍNCULOS Lei n.º 12-A/2008, de 27/02 -LVCR

VÍNCULOS Lei n.º 12-A/2008, de 27/02 -LVCR VÍNCULOS Lei n.º 12-A/2008, de 27/02 -LVCR (Com subordinação trabalho dependente) Modalidades art.º 9º Nomeação âmbito (Inexistente nas autarquias locais) Contrato: - Âmbito (art.º 20º) e modalidades (art.º

Leia mais

PROTEÇÃO NA PARENTALIDADE DIREITOS DO RECÉM-NASCIDO

PROTEÇÃO NA PARENTALIDADE DIREITOS DO RECÉM-NASCIDO PROTEÇÃO NA PARENTALIDADE DIREITOS DO RECÉM-NASCIDO Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados do Agrupamento de Centros de Saúde do Porto Oriental (URAP do ACeS Grande Porto VI Porto Oriental) Mª Teresa

Leia mais

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO. (introduzidas pela Lei nº 23/2012, de 25 de Junho)

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO. (introduzidas pela Lei nº 23/2012, de 25 de Junho) AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO (introduzidas pela Lei nº 23/2012, de 25 de Junho) INTRODUÇÃO Face à relevância prática das alterações introduzidas ao Direito do Trabalho pela Lei nº 23/2012,

Leia mais

do Trabalho vigor as alterações ao Código do Trabalho introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de 25 de junho.

do Trabalho vigor as alterações ao Código do Trabalho introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de 25 de junho. Alteração ao Código C do Trabalho ATENÇÃO A partir do dia 1 de agosto de 2012, entram em vigor as alterações ao Código do Trabalho introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de 25 de junho. Neste documento damos

Leia mais

O trabalho suplementar é pago pelo valor da retribuição horária com os seguintes acréscimos de referência:

O trabalho suplementar é pago pelo valor da retribuição horária com os seguintes acréscimos de referência: Quais são as faltas justificadas e injustificadas? (Artº 249º do Código do Trabalho) São faltas justificadas: As dadas, durante 15 dias seguidos, por altura do casamento; As motivadas por falecimento cônjuge,

Leia mais

Regulamentação. Guia informativo para Contratados

Regulamentação. Guia informativo para Contratados Regulamentação Guia informativo para Contratados Férias Os trabalhadores têm direito a um período de férias remuneradas em cada ano civil, nos termos previstos no Código do Trabalho (Lei n.º 7/2009, de

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IPS

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IPS REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IPS DESPACHO Nº 5503/2015 republicado e alterado pelo Despacho nº 8894/2016, de 30 de junho Divisão de Recursos Humanos Atualizado em maio de 2017 Índice Modalidades

Leia mais

NOVO CONTRATO COLECTIVO DE TRABALHO ENTRE A ANF E O SNF - MEMORANDO 1 - O novo CCT entra em vigor no dia 13 de Setembro de 2010.

NOVO CONTRATO COLECTIVO DE TRABALHO ENTRE A ANF E O SNF - MEMORANDO 1 - O novo CCT entra em vigor no dia 13 de Setembro de 2010. NOVO CONTRATO COLECTIVO DE TRABALHO ENTRE A ANF E O SNF - MEMORANDO 1 - I Observações gerais 1. Entrada em vigor (cl. 2.ª e Anexo I e II CCT) O novo CCT entra em vigor no dia 13 de Setembro de 2010. Os

Leia mais

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES Tempo de Trabalho qualquer período durante o qual o trabalhador está a desempenhar a actividade ou permanece

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PERÍODO DE FUNCIONAMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA E GEOLOGIA LNEG, I.P.

REGULAMENTO INTERNO DO PERÍODO DE FUNCIONAMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA E GEOLOGIA LNEG, I.P. REGULAMENTO INTERNO DO PERÍODO DE FUNCIONAMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA E GEOLOGIA LNEG, I.P. Considerando: A entrada em vigor da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IPS

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IPS REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IPS DESPACHO Nº 5503/2015 Divisão de Recursos Humanos Modalidades de Horário - pág. 3 o Horário Flexível pág. 4 o Horário Rígido pág. 7 o Horário Desfasado pág. 8

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA PARCIAL OU ISENÇÃO TOTAL DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES - 1º EMPREGO, DESEMPREGADO DE LONGA DURAÇÃO E DESEMPREGADO DE MUITO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA

Leia mais

PARECER N.º 114/CITE/2016

PARECER N.º 114/CITE/2016 PARECER N.º 114/CITE/2016 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do n.º 5 do artigo

Leia mais

DRH Direção de Recursos Humanos PROCEDIMENTO A ADOTAR EM CASO DE AUSÊNCIA POR ASSISTÊNCIA À FAMÍLIA

DRH Direção de Recursos Humanos PROCEDIMENTO A ADOTAR EM CASO DE AUSÊNCIA POR ASSISTÊNCIA À FAMÍLIA PROCEDIMENTO A ADOTAR EM CASO DE AUSÊNCIA POR ASSISTÊNCIA À FAMÍLIA janeiro de 2014 Mapa de revisões Revisão Data Motivo Observações 00 14.10.2013 Elaboração do Procedimento Procedimento a Adotar em Caso

Leia mais

Impacto das alterações ao Código do Trabalho na vida das Organizações

Impacto das alterações ao Código do Trabalho na vida das Organizações Impacto das alterações ao Código do Trabalho na vida das Organizações ÍNDICE 01 Acórdão n.º 602/2013, de 20 de Setembro, do Tribunal Constitucional Consequências 02 Lei n.º 69/2013, de 30 de Agosto Compensações

Leia mais

Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho e aí reunida a 7 de Junho de 1994, na sua 81.

Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho e aí reunida a 7 de Junho de 1994, na sua 81. Resolução da Assembleia da República n.º 37/2006 Convenção n.º 175, sobre trabalho a tempo parcial, da Organização Internacional do Trabalho, adoptada em Genebra em 24 de Junho de 1994. A Assembleia da

Leia mais

PARECER N.º 330/CITE/2014

PARECER N.º 330/CITE/2014 PARECER N.º 330/CITE/2014 Assunto: Parecer prévio à recusa do pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível, nos termos do n.º 5 do artigo 57.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei

Leia mais

Código do Trabalho, 10.ª Edição Col. Legislação

Código do Trabalho, 10.ª Edição Col. Legislação COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online orquê as atualizações aos livros da COLEÇÃO LEGISLAÇÃO? No panorama legislativo nacional é frequente a publicação de novos diplomas legais que, regularmente, alteram

Leia mais

3ª Edição. Atualizado com a Lei n.º 23/2012, de 25 de junho

3ª Edição. Atualizado com a Lei n.º 23/2012, de 25 de junho 3ª Edição Atualizado com a Lei n.º 23/2012, de 25 de junho ÍNDICE NOÇÃO DE CONTRATO DE TRABALHO... 9 PRESUNÇÃO DA EXISTÊNCIA DE CONTRATO DE TRABALHO... 10 CONTRATAÇÃO DE TRABALHADORES...11 ADMISSÃO DE

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva Medida

Leia mais

SUMÁRIO: Estabelece o regime jurídico do trabalho no domicílio TEXTO INTEGRAL

SUMÁRIO: Estabelece o regime jurídico do trabalho no domicílio TEXTO INTEGRAL DATA: Terça-feira, 8 de Setembro de 2009 NÚMERO: 174 SÉRIE I EMISSOR: Assembleia da República DIPLOMA / ACTO: Lei n.º 101/2009 SUMÁRIO: Estabelece o regime jurídico do trabalho no domicílio TEXTO INTEGRAL

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 16 de Maio de 2011 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE EQUIPARAÇÃO A BOLSEIRO Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as condições da atribuição

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA PRESIDÊNCIA E SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA PRESIDÊNCIA E SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA PRESIDÊNCIA E SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento é aplicável a todos os trabalhadores

Leia mais

PARECER N.º 116/CITE/2013

PARECER N.º 116/CITE/2013 PARECER N.º 116/CITE/2013 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa do pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível de trabalhador com responsabilidades familiares, nos termos do

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS TRABALHADORES TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS QUE PRESTAM SERVIÇO NO IST. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1.

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS TRABALHADORES TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS QUE PRESTAM SERVIÇO NO IST. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1. REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS TRABALHADORES TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS QUE PRESTAM SERVIÇO NO IST Nos termos das competências que lhe são reconhecidas pelo disposto no n.º 5 do artigo 14º dos Estatutos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO, ATENDIMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MOURÃO. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO, ATENDIMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MOURÃO. Nota Justificativa Nota Justificativa Nos termos do disposto no artigo 115.º do Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas a entidade empregadora pode elaborar regulamentos internos do órgão ou serviço contendo normas

Leia mais

COLECTÂNEA DE LEGISLAÇÃO BÁSICA INCLUÍDA

COLECTÂNEA DE LEGISLAÇÃO BÁSICA INCLUÍDA ÍNDICE PREFÁCIO 7 NOTA PRÉVIA 9 SIGLAS UTILIZADAS 13 Capo I - Algumas considerações introdutórias. A relação jurídica de emprego público na Administração Pública 15 Capo II - Âmbito de aplicação subjectivo

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO O ABSENTISMO LABORAL. AEP Associação Empresarial de Portugal

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO O ABSENTISMO LABORAL. AEP Associação Empresarial de Portugal O ABSENTISMO LABORAL Matosinhos, 21 de Julho 2009 Princípios Gerais em Matéria de Segurança e Saúde no Trabalho: Art.º 281.º n.ºs 1 e 2 do CT O trabalhador tem direito a prestar trabalho em condições de

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º /IX/2017. Assunto: Institui e Regulamenta o Estatuto do Trabalhador-estudante. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROJETO DE LEI N.º /IX/2017. Assunto: Institui e Regulamenta o Estatuto do Trabalhador-estudante. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS PROJETO DE LEI N.º /IX/2017 DE DE Assunto: Institui e Regulamenta o Estatuto do Trabalhador-estudante. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Cabo Verde conheceu, designadamente nos últimos tempos, um aumento significativo

Leia mais

CÓDIGO DO TRABALHO 2012 e Legislação Complementar

CÓDIGO DO TRABALHO 2012 e Legislação Complementar CÓDIGO DO TRABALHO 2012 e Legislação Complementar CÓDIGO DO TRABALHO (APROVADO PELA LEI N.º 7/2009, DE 12 DE FEVEREIRO E ALTERADO PELAS LEIS N.º 53/2011, DE 14 DE OUTUBRO E N.º 23/2012, DE 25 DE JUNHO)

Leia mais

TRABALHADOR - ESTUDANTE

TRABALHADOR - ESTUDANTE TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI Trabalhador-Estudante - Trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem como curso de pós-graduaçã Concessão do Estatuto de Trabalhador-Estudante

Leia mais

informação nº 95.v2 Data 1 de Setembro de 2010 actualizada a 5 de Julho de 2013 Assunto: Direito a férias Laboral Tema:

informação nº 95.v2 Data 1 de Setembro de 2010 actualizada a 5 de Julho de 2013 Assunto: Direito a férias Laboral Tema: Data 1 de Setembro de 2010 actualizada a 5 de Julho de 2013 Assunto: Direito a férias Tema: Laboral O tema «Férias» suscita sempre muitas dúvidas e questões aos nossos associados. Por isso procuramos reunir

Leia mais

AV ANA SEQUEIRA VAREJÃO

AV ANA SEQUEIRA VAREJÃO Exmo. Senhor Secretário Geral do Sindicato dos Meios Audiovisuais O Gabinete Jurídico do SMAV foi incumbido de emitir parecer sobre o conceito de trabalho nocturno, nomeadamente sobre a posição assumida

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Decreto-Lei n.º 91/2009 de 9 de Abril

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Decreto-Lei n.º 91/2009 de 9 de Abril MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Decreto-Lei n.º 91/2009 de 9 de Abril O XVII Governo Constitucional reconhece, no seu Programa, o contributo imprescindível das famílias para a coesão,

Leia mais

Título: Regime jurídico de protecção social na parentalidade no âmbito do sistema previdencial e no subsistema de solidariedade

Título: Regime jurídico de protecção social na parentalidade no âmbito do sistema previdencial e no subsistema de solidariedade Título: Regime jurídico de protecção social na parentalidade no âmbito do sistema previdencial e no Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 37 páginas

Leia mais