Lev Grossman. Os Mágicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lev Grossman. Os Mágicos"

Transcrição

1 Lev Grossman Os Mágicos

2

3 Lev Grossman Os Mágicos Tradução Irene Daun e Lorena Nuno Daun e Lorena

4 Planeta Manuscrito Rua do Loreto, n.º 16 1.º Direito Lisboa Portugal Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor 2009, Lev Grossman 2009, Planeta Manuscrito Título original: The Magicians Revisão: Eulália Pyrrait Paginação: Guidesign 1.ª edição: Outubro de 2010 Depósito legal n.º /10 Impressão e acabamento: Guide Artes Gráficas ISBN:

5 Para Lily

6 Ruínas Vermelhas Descanso do Pedinte LORIA Brecha do Rancor Barreira do Norte F I L Deserto do Relógio Floresta Sombria Costa Ventosa MAR OCIDENTAL Sutton Rio Salgado Barion The Fingerlings Grande Lágrimas de Fusco Dentes do Galo N Grande Espinheiro Cidade de Bronze O S E Mar Amarelo Águas Lamacentas Terra de Corian

7 Baía Agitada Retiro Y L O R Chankly Bore Pântano do Norte Túmulo de Borralho Cascata de Chatwin Rio Morto Absinto Dentes de Galinha Rio Milkwater Montanhas sem Nome Barrancos Prateados Castle Whitespire Portos Gémeos Porto Seguro Terras Baixas de Morgan Montanhas de Cobre Pomar do Sul Deserto Vagabundo

8

9 Partirei o meu bordão, Enterrá lo ei nas profundezas da terra, E mais profundamente ainda Enterrarei o meu livro. William Shakespeare, A Tempestade

10

11 L I V R O I

12

13 Brooklyn Quentin fez um truque de magia, mas ninguém viu. Seguiam ao longo do passeio frio e irregular: James, Julia e ele, os dois primeiros de mão dada. As coisas estavam naquele ponto. Como o passeio não era largo o suficiente, Quentin seguia atrás dos dois como uma criança amuada; preferia estar sozinho com Julia ou apenas sozinho, mas não se podia ter tudo, pronto. Pelo menos era o que os factos diziam. Okay! disse James por cima do ombro. Q., vamos falar de estratégia. James parecia ter consciência de quando Quentin começava a sentir pena de si próprio. A entrevista deste era dali a sete minutos e a do primeiro era logo a seguir. Um aperto de mão firme, montes de contacto visual e quando ele começar a sentir se confortável, dás lhe com uma cadeira, eu descubro lhe a palavra passe e mando um e mail para Princeton. Limita te a ser tu próprio, Q. disse Julia. Os cabelos escuros da jovem, encaracolados, estavam puxados para trás. O facto de ela ser sempre simpática com ele ainda tornava as coisas piores. Foi o que eu disse. Quentin fez outra vez o truque de magia, insignificante, uma habilidade com uma moeda no interior da algibeira que ninguém podia ver e repetiu o, mas ao contrário. Tenho uma ideia para a palavra passe dele: Palavra passe. Era incrível, pensou Quentin; tinha apenas dezassete anos, mas era como se conhecesse James e Julia desde sempre. O sistema escolar de Brooklyn separava os mais dotados, juntava os, separava depois os ridiculamente brilhantes dos apenas dotados e juntava os outra vez. Andavam, desde a escola primária, aos 15

14 Lev Grossman encontrões uns aos outros nos mesmos concursos de palavras, exames regionais de latim e aulas especiais de matemática ultra avançada. Os cromos dos cromos. Então no último ano, Quentin conhecia James e Julia melhor do que qualquer outra pessoa no mundo, incluindo os próprios pais, e com eles acontecia o mesmo. Toda a gente sabia o que toda a gente ia dizer antes, sequer, de abrir a boca. Já toda a gente dormira com toda a gente. Julia, pálida, sardenta, sonhadora, que tocava oboé e que até sabia mais física do que eles, nunca, porém, iria para a cama com Quentin. Quentin era magro e alto e habitualmente andava de ombros encolhidos numa tentativa vã de se defender de um golpe vindo do céu que, logicamente, atingiria primeiro os mais altos. Naquele dia tinha os cabelos, pelos ombros, gelados e desgrenhados; devia ter ficado no ginásio para os secar, mas por qualquer razão não o fizera, talvez por querer sabotar se a si próprio. O céu cinzento e baixo ameaçava neve, como se o mundo estivesse a ser miserável só para ele: corvos empoleirados nos fios eléctricos, caca de cão pisada, lixo varrido pelo vento, folhas de carvalho molhadas profanadas das maneiras mais diversas por inúmeros veículos e transeuntes. Estou cheio, caramba disse James. Comi de mais. Por que como sempre de mais? Por que és um porco guloso? perguntou lhe Julia, muito animada. Por que estás cansado de ver os próprios pés? Por que estás a ver se consegues que o estômago te toque no pénis? James levou as mãos à nuca, passou os dedos pelos cabelos castanhos encaracolados, abrindo o sobretudo de caxemira cor de camelo ao frio de Novembro, e aspirou vigorosamente. O frio não lhe metia medo. Quentin estava sempre com frio, como se estivesse encurralado num Inverno privado, individual. James cantou uns versos com uma música que fazia lembrar Good King Wenceslas e Bingo: 16 Era uma vez um rapaz Forte e corajoso Que usava uma espada, que andava a cavalo E que se chamava Dave Cala te, caramba! gritou Julia. James escrevera aquela canção cinco anos antes por ocasião de um concurso de talentos do liceu e ainda gostava de a cantar, mas já todos a conhe

15 Os Mágicos ciam de cor. Julia empurrou o, sempre a cantar, contra um caixote do lixo e quando não obteve resultado, tirou lhe o gorro e começou a bater lhe com ele na cabeça. O meu cabelo! O meu belo cabelo para a entrevista! O rei James, pensou Quentin. Le roi s amuse. Lamento estragar a festa disse ele, mas temos dois minutos. Toca a andar, então, ou chegamos atrasados disse Julia. Devia estar contente, pensou Quentin. Estou vivo, sou novo, saudável, tenho amigos, dois pais razoavelmente intactos o pai era editor de livros de medicina e a mãe uma pintora falhada que se virara para a ilustração comercial e notas que os outros alunos nem sequer sabiam que era possível obter. No entanto, enquanto percorria a Fifth Avenue, em Brooklyn, de sobretudo e fato cinzento, a caminho da entrevista, Quentin sabia que não era feliz. Porquê? Juntara meticulosamente todos os ingredientes, levara a cabo os rituais necessários, dissera as palavras certas, acendera as velas, fizera os devidos sacrifícios, mas a felicidade, qual espírito desobediente, recusava se a aparecer. Já não sabia o que havia de fazer. Os três jovens passaram por mercearias, lavandarias, boutiques da moda, lojas de telemóveis com anúncios luminosos cor de limão, por um bar onde os idosos já bebiam às três e quarenta e cinco da tarde e por um Centro de Veteranos das Guerras do Ultramar cor de tijolo com mobília de plástico no passeio, confirmando a crença de Quentin de que a sua vida, a vida que devia estar a viver, se extraviara devido a um erro clerical qualquer da burocracia cósmica. Não podia ser, devia ter sido desviada algures para outra pessoa qualquer e tinham lhe dado aquela merda, aquela coisa faux. Talvez começasse em Princeton. Quentin fez outra vez a habilidade com a moeda na algibeira. Estás a brincar outra vez com a pila, Quentin? perguntou James. Não respondeu o jovem, corando. Não precisas de te envergonhar replicou James, dando lhe uma palmada no ombro. Descontrai te. Através do tecido leve do fato o vento mordeu o, mas Quentin recusou se a abotoar o sobretudo, deixou que o vento passasse por ele porque, fosse como fosse, não estava ali, estava em Fillory. 17 Fillory and Further é uma colecção de cinco livros de Christopher Plover, publicada em Inglaterra nos anos de 1930, que descreve as aventuras dos

16 Lev Grossman 18 cinco irmãos Chatwin numa terra mágica que descobrem quando vão de férias para o campo com um casal de tios excêntricos. De facto não estão em férias o seu pai está metido em problemas até ao pescoço, em Passchendaele, e a sua mãe foi hospitalizada devido a uma doença misteriosa que, provavelmente, é de natureza psicológica, razão pela qual foram enviados à pressa para o campo por razões de segurança. Mas a infelicidade acontece nos bastidores. No palco os cinco irmãos, findo o ano escolar, saem das respectivas escolas, vão para a Cornualha e mergulham no mundo secreto de Fillory, onde têm aventuras e exploram terras mágicas e defendem criaturas gentis contra as forças que as ameaçam. O seu inimigo mais perigoso e mais estranho é uma figura velada conhecida apenas pelo nome de Vigilante cujos encantamentos holorogiais ameaçam parar o próprio tempo, encurralando Fillory nas cinco horas de uma tarde de Setembro triste e chuvosa. Como muitos outros, Quentin leu os livros de Fillory na instrução primária, mas ao contrário de muita gente, incluindo James e Julia, nunca se fartou deles. Onde ele ia, quando não conseguia lidar com o mundo a sério, o que acontecia muitas vezes, eles iam. (Os livros de Fillory eram ao mesmo tempo uma consolação por Julia não o amar e também, com certeza, a principal razão por que ela não o amava.) E era verdade, cheiravam bastante a jardim de infância inglês e ele sentia se em segredo envergonhado quando chegava às partes do Cavalo Cómodo, uma enorme e carinhosa criatura equina que trota por Fillory durante a noite com cascos de veludo e cuja garupa é tão larga que se pode dormir nela. Mas havia uma verdade mais sedutora e perigosa a respeito de Fillory, da qual Quentin nunca se fartava. Era quase como se os livros de Plover, em especial o primeiro, The World in the Walls, se lessem a si próprios. Quando o irmão mais velho, o melancólico Martin, abre a porta do relógio de caixa alta do avô que está num escuro corredor da casa da sua tia e entra em Fillory (Quentin imaginava o sempre a afastar o pêndulo, como se fosse a campainha de uma garganta monstruosa), era como se estivesse a abrir a capa de um livro, um livro que fazia sempre o que os livros prometiam fazer e nunca faziam: fazer nos sair mesmo do sítio onde estávamos e levar nos para outro sítio qualquer. O mundo que Martin descobre nas paredes da casa da tia é um mundo de magia crepuscular, uma paisagem tão escura quanto clara e tão rígida quanto a página de um livro, com campos cheios de espinhos e colinas ondulantes atravessadas por mitos antigos. Em Fillory há todos os dias, ao

17 Os Mágicos meio dia, um eclipse e as estações do ano podem durar um século. As árvores nuas chegam ao céu e o mar, verde, banha praias brancas cobertas de conchas partidas. Em Fillory as coisas tinham uma importância diferente das daquele mundo. Em Fillory, quando as coisas aconteciam, as emoções eram as apropriadas. A felicidade era uma possibilidade real, actual, realizável, vinha quando era chamada. Ou nunca se ia embora. Pararam no passeio, em frente da casa. O bairro ali era mais elegante, com passeios largos e árvores frondosas. A casa, de tijolo, era a única estrutura residencial independente no meio de uma série de vivendas geminadas de pedra vermelha. Localmente, o bairro era famoso por ter desempenhado um papel importante na sangrenta batalha de Brooklyn e parecia reprovar delicadamente os carros e os candeeiros, recordando o seu gracioso passado holandês. Se aquilo fosse um livro da série Fillory, pensou Quentin, a casa teria uma porta secreta para outro mundo. O velhote que vivia nela seria amável, excêntrico e crítico, e quando ele estivesse de costas entraria num armário misterioso, num elevador encantado ou noutra coisa qualquer, através do qual olharia desconfiado para outro mundo. Mas não se tratava de um livro da série Fillory. Okay disse Julia. Arrasem nos. A jovem usava um casaco de sarja azul, de colarinho redondo, que a fazia parecer uma estudante francesa. Encontramo nos na biblioteca? Ciao. Tocaram nos punhos uns dos outros. Ela baixou o olhar, embaraçada. A jovem sabia como ele se sentia, ele sabia que ela sabia e não havia mais nada a dizer. Quentin esperou, fingindo se fascinado por um carro estacionado enquanto ela se despedia de James com um beijo, colocando lhe uma mão no peito e erguendo um pé como uma antiga estrela de cinema, e depois os dois rapazes percorreram lentamente o caminho de cimento até à porta da frente. James passou uma mão pelos ombros de Quentin. Sei o que estás a pensar disse ele rudemente. Quentin era mais alto, mas James era mais largo, mais sólido, e desequilibrou o. Achas que ninguém te compreende, mas não é bem assim. Eu compreendo te. Posso ser o único, mas compreendo te acrescentou ele, apertando o quase paternalmente. 19

18 Lev Grossman 20 Quentin não disse nada. Podia invejar se James, mas não se podia odiá lo, porque apesar de ser bem parecido e inteligente, no fundo era boa pessoa. Mais do que qualquer outra pessoa que conhecia, James lembrava lhe Martin Chatwin. Mas se James era um Chatwin, quem era ele? O verdadeiro problema era que James era sempre o herói. E ele o que era? Ou o actor secundário ou o vilão. Quentin tocou à campainha. Nas profundezas da casa adormecida ouviu se um som digital antiquado. O jovem ensaiou de cabeça, mais uma vez, os seus objectivos extracurriculares, pessoais, etc., muito bem preparado para a entrevista, salvo fisicamente, talvez, no que dizia respeito aos cabelos molhados, mas sem vontade alguma de entrar. Não era surpresa nenhuma, estava habituado àquele sentimento de anticlímax que se tem quando se consegue qualquer coisa que já não se quer; estava sempre presente, era uma das poucas coisas que nunca lhe falhavam. A entrada estava guardada por uma porta mosquiteira suburbana deprimente e vulgar. Umas zínias cor de laranja e púrpura floriam, contra toda a lógica hortícola, nuns canteiros de terra preta de cada lado da porta. Que esquisito, pensou Quentin de passagem, as flores estarem vivas em Novembro. O jovem recolheu as mãos nuas para dentro das mangas do sobretudo e meteu estas debaixo dos braços. Apesar de estar frio suficiente para nevar, de repente começou a chover. E cinco minutos mais tarde continuava a chover. Quentin bateu de novo à porta, depois empurrou a um pouco, ela rangeu e o jovem sentiu uma lufada de ar quente vinda de dentro, acompanhada pelo cheiro a fruta de todas as casas estranhas. Está alguém? gritou Quentin, trocando um olhar com James e empurrando totalmente a porta. É melhor darmos lhe mais um minuto. Quem é que faz uma coisa destas nos tempos livres? perguntou Quentin. Aposto que o tipo é pedófilo. O átrio era escuro e silencioso, abafado por tapetes orientais. Ainda no lado de fora, James voltou a tocar à campainha. Ninguém respondeu. Acho que não está ninguém disse Quentin. O facto de James continuar à porta fê lo querer, de súbito, entrar ainda mais. Que pena não ter uns sapatos mais práticos, pensou ele, para o caso de o entrevistador ser mesmo o guardião do país mágico de Fillory. Uma escada. À esquerda uma sala de jantar austera, com ar abandonado, à direita uma salinha confortável com cadeiras de braços de couro e,

19 Os Mágicos a um canto, um armário trabalhado da altura de um homem. Interessante. Uma velha carta náutica numa das paredes, com uma rosa dos ventos em relevo. Quentin passou a mão pela parede à procura de um interruptor. A um dos cantos uma cadeira de bambu, mas o jovem não se sentou. As persianas estavam corridas. Era como se fosse noite, como se o Sol se tivesse posto ou tivesse havido um eclipse no momento em que ele passara a soleira da porta. Quentin entrou na sala em câmara lenta. Precisava de dar uma olhadela antes de chamar outra vez o dono da casa. As trevas envolviam no como uma nuvem eléctrica, provocando lhe um formigueiro na espinha. O armário era enorme, tão grande que se podia entrar nele. Quentin tocou no pequeno puxador de cobre, amolgado. Não estava fechado. Os seus dedos tremeram. Le roi s amuse. Não podia fazer nada; era como se o mundo girasse à sua volta, como se toda a sua vida tivesse esperado por aquele momento. Tratava se de um armário de bebidas, grande, um autêntico bar. Para ter a certeza, Quentin meteu a mão por entre as garrafas, que tilintaram ligeiramente, e sentiu a madeira seca e áspera da parte de trás. Sólida. Não tinha nada de mágico. O jovem fechou a porta do armário, respirando fundo, sentindo as faces a arder na escuridão, e foi então, quando olhava em volta para ter a certeza de que não estava ninguém a olhar, que viu o corpo no chão. Quinze minutos mais tarde a casa fervilhava de actividade. Quentin sentava se a um canto, na cadeira de bambu, qual cangalheiro no funeral de um desconhecido, com a cabeça encostada firme à parede fria como se ela fosse o seu último contacto com a realidade. James estava a seu lado, sem saber onde pôr as mãos e sem olhar para ele. O corpo do ancião, de costas no chão, tinha um estômago enorme e uns cabelos grisalhos à Einstein. Três paramédicos, dois homens e uma mulher, rodeavam no de cócoras, tentando uma ressuscitação obrigatória e infrutífera, sem a pressa de uma emergência médica, murmurando, arrancando adesivos, metendo agulhas contaminadas numa caixa especial. A mulher era desconcertantemente bonita, de uma beleza quase deslocada naquele cenário lúgubre. Com um movimento treinado, um dos homens retirou o tubo da laringe do cadáver. O ancião tinha a boca aberta e Quentin viu lhe a língua cinzenta. O corpo cheirava um pouco a qualquer coisa que o jovem não queria admitir que fosse merda. Isto é mau disse James pela segunda ou terceira vez. 21

20 Lev Grossman 22 Sim, muito mau replicou Quentin com a voz empastada, sentindo os lábios e os dentes dormentes. Se não se mexesse, ninguém o ligaria ainda mais àquilo. O jovem tentou respirar lentamente, olhando em frente, recusando interessar se pelo que estava a acontecer, consciente de que, se se virasse para James, por exemplo, veria o seu próprio pânico reflectido no rosto do amigo, perguntando a si próprio quando poderia sair dali, sem conseguir libertar se da vergonha de ter sido ele a entrar na casa sem ser convidado, como se tal tivesse sido a causa da morte do homem. Não lhe devia ter chamado pedófilo acrescentou ele em voz alta. Foi de mau gosto. De muito mau gosto concordou James. Os dois rapazes falavam devagar, como se estivessem a aprender a língua. Um dos paramédicos, a mulher, levantou se. Quentin viu a espreguiçar se com as mãos nos rins, inclinando a cabeça para um e outro lado e depois dirigir se a eles, tirando as luvas de borracha. Bem anunciou ela alegre, está morto! Pelo sotaque era inglesa. Quentin tossiu para tentar tirar o nó da garganta. A mulher atirou com as luvas e acertou em cheio no caixote do lixo, no outro lado da sala. Morreu de quê? Hemorragia cerebral. Maneira fácil e rápida de morrer. O tipo devia chegar lhe bem disse ela, fazendo o gesto de beber. As suas faces estavam coradas devido à posição em que estivera, sobre o corpo; não devia ter mais de vinte e cinco anos e usava uma blusa azul escura de mangas curtas apertada até acima, bem engomada, com um botão diferente dos outros: uma hospedeira dos voos para o inferno. Oxalá não fosse tão atraente. De certa maneira, era mais fácil lidar com mulheres feias, suportava se lhes melhor a inacessibilidade. Aquela, porém, não era feia, era pálida, magra, despropositadamente bonita, com uma boca larga, muito sexy. Lamento. Quentin não sabia que dizer. Porquê? perguntou ela. Foste tu que o mataste? Só vim aqui para uma entrevista. Ele entrevistava candidatos a Princeton. E então? Quentin hesitou, perguntando a si próprio se estaria equivocado quanto ao tópico da conversa, e levantou se, coisa que devia ter feito à aproximação da mulher, reparando que era bastante mais alto do que ela. Apesar das circunstâncias, pensou ele, para paramédica, a mulher era uma emproada; nem sequer era médica. O jovem teve vontade de lhe olhar para

21 Os Mágicos o peito à procura de uma etiqueta com um nome, mas não quis ser apanhado a olhar lhe para os seios. Pessoalmente não tinha nada a ver com ele disse Quentin, com cuidado, mas dou abstractamente um certo valor à vida humana. Por isso, apesar de não o conhecer, penso que posso dizer que lhe lamento a morte. E se ele fosse um monstro? Talvez até fosse pedófilo. Era evidente que o ouvira. Talvez. Mas talvez fosse bom homem. Talvez fosse um santo. Talvez. Deve passar muito tempo com gente morta. Pelo canto do olho, o jovem reparou que James observava a troca de palavras, perplexo. Bem, a ideia é mantê los vivos. Pelo menos é o que nos dizem. Deve ser difícil. Os mortos dão muito menos trabalho. São mais sossegados. Exactamente. O olhar dela não condizia com as suas palavras. A mulher estava a avaliá lo. Vamo nos embora? interrompeu James. Qual é a pressa? perguntou ela, não desviando o olhar de Quentin, parecendo mais interessada nele do que em James, ao contrário de toda a gente. Se não me engano, o tipo deixou vos qualquer coisa acrescentou ela, pegando em dois envelopes que estavam em cima de uma mesa de mármore. Não me parece replicou Quentin, franzindo o sobrolho. É melhor irmo nos embora disse James. Ainda agora disseste isso retorquiu a paramédica. James abriu a porta. O ar frio foi um choque agradável, real, precisamente o que Quentin queria: realidade em vez daquilo, fosse o que fosse. É melhor levarem isto, olhem que pode ser importante. Os seus olhos não abandonavam o rosto de Quentin. O jovem sentiu o mundo imobilizar se à sua volta, frio e húmido; ainda por cima estava a dez passos de um cadáver. Temos de ir disse James. Obrigado. Tenho a certeza de que fez tudo o que podia. A bela paramédica, com os cabelos escuros divididos em duas tranças grossas, um brilhante anel de esmalte amarelo num dedo, um elaborado relógio antigo no pulso, um nariz fininho e arrebitado, qual anjo da morte 23

22 Lev Grossman 24 pálido e magro, estendia lhes dois envelopes com os seus nomes escritos em maiúsculas a caneta de feltro, talvez notas de avaliação ou documentos confidenciais. Por qualquer razão, provavelmente porque James não o faria, Quentin pegou no que tinha o seu nome. Adeus! cantarolou a paramédica, girando nos calcanhares e fechando a porta. Os dois rapazes ficaram sozinhos no alpendre. Bem disse James, inalando e exalando com ruído. Quentin anuiu, como se estivesse a concordar com qualquer coisa que o amigo dissera, e começou a caminhar devagar na direcção do passeio, ainda aturdido, sem lhe apetecer dizer fosse o que fosse. Se fosse eu, não tinha ficado com isso. Eu sei disse Quentin. Ainda podes devolvê lo, sabes? Quero dizer, e se eles descobrem? Descobrem como? Não sei. Quem sabe o que vem aqui dentro? Pode vir a ser útil. Sim, pode ser. Ainda bem que o tipo morreu, então! disse James, irritado. Caminharam até ao fim do quarteirão sem uma palavra, irritados um com o outro sem o quererem admitir. O passeio estava molhado e o céu, devido à chuva, branco. Quentin, consciente de que não devia ter ficado com o envelope, estava aborrecido consigo próprio e com James por ele não ter aceite o seu. Encontramo nos depois disse James. Vou ter com Jules à biblioteca. Está bem. Os dois rapazes despediram se com um aperto de mão que pareceu estranhamente final. Quentin afastou se devagar pela First Street fora, sentindo se como que num sonho. No fim de contas, estivera numa casa onde morrera um homem. O jovem apercebeu se, sentindo se ainda mais envergonhado, de que estava aliviado por a entrevista não ter tido lugar naquele dia. O dia estava a escurecer. O Sol começava a pôr se por detrás da concha cinzenta de nuvens que cobria Brooklyn. Pela primeira vez no espaço de uma hora, Quentin pensou em todas as coisas que deixara por fazer naquele dia: os exercícios de física, o trabalho de história, os e mails, a louça, a roupa. O peso de tudo sobrecarregava o, fazendo o sentir se muitíssimo pesado. Teria de explicar aos seus pais o que acontecera, e eles, de um modo que não percebia, mas que nunca poria em questão, fá lo iam sentir que a culpa era sua. Voltaria tudo ao normal. Quentin pensou em Julia e James na biblioteca. Ela devia estar enfiada no tal trabalho para o senhor

23 Os Mágicos Karras sobre a Civilização Ocidental, um projecto de seis semanas que ela terminaria no espaço de dois dias e duas noites sem dormir. Desejando ardentemente que ela fosse sua e não de James, Quentin não conseguia imaginar um meio de a conquistar. Na mais plausível das suas fantasias, James morria de repente sem dor, deixando Julia a chorar lhe nos braços. Enquanto caminhava, o jovem abriu o envelope e viu logo que não eram as suas notas. Tratava se de um bloco de apontamentos de aspecto estranho, com os cantos amassados, gastos e arredondados e a capa manchada. Na primeira página, escrito a tinta, lia se: Os Mágicos Sexto Livro de Fillory and Further Com o tempo a tinta desbotara. Quentin não conhecia nenhum livro de Christopher Plover com aquele nome. E qualquer cromo sabia que a série Fillory só tinha cinco livros. Ao virar a página, um pedaço de papel branco, dobrado ao meio, caiu, voou e ficou agarrado a uma grade de ferro forjado por um segundo, antes de o vento o levar de novo. Naquele quarteirão havia um jardim público, um espaço triangular de terra demasiado estreito e de formato demasiado esquisito para ser comprado por especuladores. Legalmente ambíguo, fora ocupado anos antes por uma associação de vizinhos empreendedores que lhe tirara a areia ácida, substituindo a por terra rica e fértil do norte do estado. Durante algum tempo a associação cultivara nele abóboras, tomates, bolbos de Primavera e construíra até um pequeno jardim japonês, mas depois abandonara o e as ervas daninhas tinham tomado conta dele, abafando as suas competidoras mais frágeis e mais exóticas. Foi naquele matagal que o papel desapareceu. Naquela época do ano, as plantas estavam todas mortas ou a morrer, mesmo as ervas daninhas, e Quentin meteu se nelas até aos quadris, enchendo as calças de talos secos e pisando vidros partidos com os sapatos, imaginando que o papel tinha o número de telefone da bela paramédica. O jardim era estreito, mas bastante profundo, com três ou quatro árvores de tamanho razoável, e quanto mais ele andava, mais alto era o mato. Quentin vislumbrou o papel lá no alto, empoleirado numa grade de ripas coberta de vinha virgem seca. Se calhar voava outra vez antes de lá chegar. O telemóvel tocou: o seu pai. Quentin ignorou o. Pelo canto do 25

24 Lev Grossman 26 olho, o jovem pensou ver qualquer coisa grande e clara a passar rapidamente por detrás dos fetos, mas quando virou a cabeça já não a viu e continuou por entre os cadáveres de gladíolos, petúnias, girassóis que lhe davam pelo ombro e roseiras um padrão delicado e intrincado de caules e flores gelados na morte, como que pintados numa tela. Já devia estar na Seventh Avenue, pensou Quentin, mergulhando cada vez mais no matagal, pensando em plantas tóxicas. Era o que lhe faltava apanhar com uma hera venenosa. Era esquisito, mas aqui e ali, entre as plantas mortas, viam se uns caules verdes que iam buscar alimento só Deus sabia onde. O jovem cheirou qualquer coisa doce no ar. Quentin parou. Subitamente ficara tudo muito calado; nem buzinas nem aparelhagens estereofónicas, nem sirenes. Estava um frio terrível, tinha os dedos gelados. Voltar para trás ou continuar? Quentin decidiu continuar, meteu de lado por uma vedação, de olhos fechados por causa dos gravetos, tropeçou numa pedra e sentiu se de súbito enjoado e a suar em abundância. Quando abriu os olhos, o jovem viu se na orla de um enorme relvado aparado na perfeição; rodeado de árvores. O cheiro a erva cortada era esmagador e o Sol, quente, batia lhe no rosto. A luz do astro, porém, vinha de um ângulo errado. E onde raio estavam as nuvens? O azul do céu cegava. A cabeça girava lhe, provocando lhe náuseas. Quentin reteve a respiração por alguns segundos, expirou o ar gelado do Inverno, inspirou aquele ar quente de Verão, cheio de pólen, e fungou. No outro extremo do grande relvado via se uma grande casa de pedra cor de mel e cinzenta, adornada com chaminés, águas furtadas, torres, telhados, subtelhados e uma imponente torre de relógio ao centro que Quentin achou esquisita para uma residência particular. O relógio era de estilo veneziano: um único ponteiro rodando em volta de um mostrador com vinte e quatro horas em numeração romana. Numa das alas erguia se o que parecia ser a cúpula verde oxidada de um observatório e entre a casa e o relvado havia uma série de convidativos terraços, bosques, sebes e fontes. Quentin tinha a certeza de que, se ficasse muito quieto durante alguns segundos, voltaria tudo ao normal, perguntou a si próprio se não estaria a passar por um problema neurológico qualquer e olhou com cuidado por cima do ombro. Atrás de si não havia jardim nenhum, apelas uns carvalhos enormes, guarda avançada do que parecia ser uma floresta a sério. Uma gota de suor escorreu lhe do sovaco. Estava calor.

25 Os Mágicos Quentin deixou cair o saco na relva e tirou o sobretudo. No silêncio ouviu um pássaro a chilrear. A uns quinze metros de distância, um adolescente alto e magricela fumava um cigarro encostado a uma árvore, observando o. O rapaz, mais ou menos da sua idade, usava uma camisa de colarinho engomado, às riscas cor de rosa muito fininhas e muito claras, e não olhava para ele, limitava se a fumar e a exalar o fumo para o ar de Verão. O calor não o incomodava. Olá gritou Quentin. O rapaz olhou para ele e fez lhe um sinal com o queixo, mas não lhe respondeu. Quentin aproximou se dele o mais desprendido possível, sem querer dar a ideia de que não sabia onde estava. Apesar de ter tirado o sobretudo, o jovem continuava a suar bastante, sentindo se como um explorador inglês engravatado a tentar impressionar um nativo tropical céptico, mas tinha de lhe fazer a pergunta que lhe queimava a língua. Estamos em? Estamos em Fillory? perguntou ele, tossindo para clarear a voz e semicerrando os olhos por causa do sol. O outro olhou para ele muito sério, deu outra longa passa no cigarro, abanou lentamente a cabeça, soprou o fumo e respondeu: Não, estamos a norte de Nova Iorque. 27

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha.

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha. ESTRELAS DE NATAL David acordou. O pai tinha aberto a janela e estava a olhar para as estrelas. Suspirava. David aproximou-se. Ouviu novo suspiro. O que tens, pai? perguntou. O pai pôs-lhe as mãos nos

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

O homem que tinha uma árvore na cabeça

O homem que tinha uma árvore na cabeça O homem que tinha uma árvore na cabeça Era uma vez um homem que tinha uma árvore na cabeça. No princípio era apenas um arbusto com folhas esguias e acastanhadas. Depois os ramos começaram a engrossar e

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Tema: Comemoração do Dia da Conservação do Solo Destinatários: Crianças dos 6 aos 10 anos - 1º ciclo Objectivo: Pretende-se que no final das actividades as crianças

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Estava na sua casa do Pólo Norte e seguia pela televisão a cerimónia do desembrulhar das prendas em todas as casas do mundo.

Estava na sua casa do Pólo Norte e seguia pela televisão a cerimónia do desembrulhar das prendas em todas as casas do mundo. Por momentos, o Pai Natal só conseguia ver papéis de embrulho amarfanhados e laços coloridos que muitos pés, grandes e pequenos, de botifarras, sapatos de tacão, de atacadores e de pala, de pantufas e

Leia mais

Relógio D Água Editores Rua Sylvio Rebelo, n.º 15 1000 282 Lisboa tel.: 218 474 450 fax: 218 470 775 relogiodagua@relogiodagua.pt www.relogiodagua.

Relógio D Água Editores Rua Sylvio Rebelo, n.º 15 1000 282 Lisboa tel.: 218 474 450 fax: 218 470 775 relogiodagua@relogiodagua.pt www.relogiodagua. Aquário Relógio D Água Editores Rua Sylvio Rebelo, n.º 15 1000 282 Lisboa tel.: 218 474 450 fax: 218 470 775 relogiodagua@relogiodagua.pt www.relogiodagua.pt AQUARIUM 2015 by David Vann Título: Aquário

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Ciço ao Seminário da Prainha depois de uma viagem de mais de um mês, montado a cavalo, desde a região do Cariri até a capital, Fortaleza. Trazia uma

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

Ana Preta e as Quatro Estações

Ana Preta e as Quatro Estações Ana Preta e as Quatro Estações Estava um dia de sol brilhante na Aldeia Alegre. Por todo o lado se viam crianças a brincar e adultos a rir. Mas não só estavam felizes quando estava sol: também, durante

Leia mais

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS Bom dia a todos. Preparados para mais um dia de aulas?! Muito bem! Hoje vamos falar como é importante dar comida a quem não

Leia mais

Chamo me Raphael Fernández e sou um miúdo da lixeira. As pessoas dizem me: «Imagino que nunca devem saber o que é que vão encontrar, a vasculhar o

Chamo me Raphael Fernández e sou um miúdo da lixeira. As pessoas dizem me: «Imagino que nunca devem saber o que é que vão encontrar, a vasculhar o PARTE I 1 Chamo me Raphael Fernández e sou um miúdo da lixeira. As pessoas dizem me: «Imagino que nunca devem saber o que é que vão encontrar, a vasculhar o lixo! Quem sabe se hoje não é o teu dia de sorte?»,

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes.

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. I Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. Três vezes. A última foi no dia da execução. Eu não

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores das dos tratamentos sobre a Imagem o que me incomodou foi a perda do cabelo quando me começou a cair o cabelo, eu tive 2 ou 3 dias que não me quis ver ao espelho (M1); e custou-me muito, quando o médico

Leia mais

Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 3 FORTALEZA DIGITAL. Dan Brown

Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 3 FORTALEZA DIGITAL. Dan Brown Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 3 FORTALEZA DIGITAL Dan Brown Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 5 Para meus pais... meus mentores e heróis Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page

Leia mais

Bernard. Gesinas. A sua vida Manga. GESINAS Publishing

Bernard. Gesinas. A sua vida Manga. GESINAS Publishing Bernard Gesinas A sua vida Manga GESINAS Publishing Bernard Gesinas A sua vida Manga Novela Copyright by GESINAS 1 Gorom-Gorom "Vamos, por favor, eu vou mostrar Gorom- Gorom", gritou o menino a um casal

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo Capítulo Um Você deve estar de saco cheio deles. Será que nunca vão parar de vir aqui? Tom O Connor, seu

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

O violoncelo do Senhor O

O violoncelo do Senhor O O violoncelo do Senhor O Estamos cercados e sob fogo inimigo. O meu pai, como a maioria dos pais, irmãos mais velhos, e alguns avós, foi combater. As crianças e as mulheres, os velhos e os doentes, ficaram

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos As colinas do outro lado do vale eram longas e brancas. Deste lado, não havia sombra nem árvores e a estação ficava entre duas linhas de trilhos sob o sol.

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

> SIGAM AS PISTAS... BOM TRABALHO PARA TODOS! NA CAPA

> SIGAM AS PISTAS... BOM TRABALHO PARA TODOS! NA CAPA As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa

Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa CAPÍTULO UM LORRAINE Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa manhã a igreja demorou mais que o normal, e eu não vim direto para casa, como costumo fazer. Althea estava decidida

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

A madrugada estende-se por Mestral, a capital

A madrugada estende-se por Mestral, a capital CAPÍTULO 1 O mensageiro A madrugada estende-se por Mestral, a capital do mundo dos templários. Na cidade, quase todos dormem. Apenas os templários que estão encarregues nessa noite da vigilância da cidade

Leia mais

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr.

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr. I. MR. CLAY Na década de sessenta do século passado, vivia em Cantão um negociante de chá, imensamente rico, de nome Mr. Clay. Era um velho alto, seco e insociável. Tinha uma casa magnífica e uma esplêndida

Leia mais

Cercado de verde por todos os lados

Cercado de verde por todos os lados Cercado de verde por todos os lados Verde-claro. Verde-escuro. Verde-musgo. Verde pálido. Verde superanimado. Verde sendo bicado por passarinhos. Verde sendo engolido por macacos. Verde subindo pelos troncos

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR ANO LETIVO 2012/2013 Era uma vez um peixinho azul muito pequenino, que nadava no fundo

Leia mais

Colocar uma música calma infantil para preparar o ambiente para a prece. O aparelho de som está no armário baixo, onde fica a TV.

Colocar uma música calma infantil para preparar o ambiente para a prece. O aparelho de som está no armário baixo, onde fica a TV. Plano de Aula Faixa etária: Maternal/Jardim Plano de Aula : Amor ao Próximo Faixa etária : Jardim de Infância Preparativos iniciais : Recursos didáticos utilizados Início : 10 :30h Colocar uma música calma

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na Prólogo O ritmo pulsante da música tomava seu corpo até os All Stars cor-de-rosa de cano alto. Ela queria usar as sandálias de salto alto que tinha comprado na última viagem a Atlanta, mas havia cometido

Leia mais

Ficha Técnica Texto e Edição: Daniela Costa Ilustração: Vera Guedes Impressão: Colorshow. www.biografiasporencomenda.com

Ficha Técnica Texto e Edição: Daniela Costa Ilustração: Vera Guedes Impressão: Colorshow. www.biografiasporencomenda.com O balão. Ficha Técnica Texto e Edição: Daniela Costa Ilustração: Vera Guedes Impressão: Colorshow www.biografiasporencomenda.com O Balão Ainda não tinhas nascido quando recebeste o teu primeiro presente.

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo capítulo um Acordo com o nome dele na boca. Will. Antes de abrir os olhos, vejo o desabar sobre o asfalto novamente. Morto. Pelas minhas mãos. Tobias se agacha na minha frente, apoiando a mão sobre meu

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Maximiliano Barrientos HOTÉIS. Tradução e posfácio JOCA REINERS TERRON

Maximiliano Barrientos HOTÉIS. Tradução e posfácio JOCA REINERS TERRON Maximiliano Barrientos HOTÉIS Tradução e posfácio JOCA REINERS TERRON hoteis.p65 3 Um Chrysler Imperial na noite e nos entardeceres mais alaranjados. A poeira atapetava os vidros devemos recordá-lo dessa

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão.

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. Há muitos anos, nesse reino encantado, morava uma linda menina,

Leia mais

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

Cartilha das Brincadeiras

Cartilha das Brincadeiras Cartilha das Brincadeiras Amarelinha (academia, escada, macaca, sapata) Primeiro desenhe no chão um diagrama como este aí ao lado. Quem for jogar fica no inferno e lança uma pedra, mirando no número 1.

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006.

Divergencias. Revista de estudios lingüísticos y literarios. Volumen 4 Número 1, Primavera 2006. Almas secas Aquele verão não choveu. Isto era quase normal. Era o deserto. Desta vez o céu não deixou que nehuma gota caísse na terra. O ar evaporava a água antes de tocar no chão. As pessoas não tinham

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

CAPÍTULO PRIMEIRO. Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento.

CAPÍTULO PRIMEIRO. Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento. CAPÍTULO PRIMEIRO Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento. Já alguém tinha dado por ele quando ainda vinha à distância,

Leia mais