Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química"

Transcrição

1 Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade

2 O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim

3 Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento da gestão das empresas químicas brasileiras e de sua cadeia de valor, de forma a assegurar a sustentabilidade ambiental, econômica e social de seus processos e produtos, bem como contribuir para a permanente melhoria da qualidade de vida da sociedade, criando uma relação de confiança por meio de mecanismos de verificação das ações do Programa.

4 Visão do Atuação Responsável Ser a referência principal da indústria química e de sua cadeia de valor para a gestão das atividades, visando o desenvolvimento sustentável nas dimensões ambiental, econômica e social.

5 1960 Poluição industrial e resíduos 1972 Conferência Mundial de Meio Ambiente Preocupação: poluição e esgotamento de recursos naturais 1992 Rio 92 Capítulos 19 e 20 da Agenda 21 Preocupação: Resíduos e segurança dos produtos 1992 a 2001 Convenções Internacionais Preocupação: Poluição e segurança dos produtos 2003 REACH Preocupação: Segurança dos produtos 60 anos de evolução na Segurança Química 1982 Primeira Diretiva de Seveso Preocupação: Controle de grandes acidentes industriais 2002 WSSD Preocupação: Segurança Química 2003 a 2006 SAICM Preocupação: Segurança Química 2009 a 2020 ICCM Preocupação: Segurança Química 2010 e 2011 CDS Preocupação: Segurança Química 2009 a 2020 Legislações nacionais? Preocupação: segurança dos produtos 2020 Parágrafo 23 do Plano de Ação de Johanesburgo Um Pouco de História... O resumo da evolução do questionamento e da ação da indústria

6 A meta para 2020 Parágrafo 23 do Plano de Ação de Johanesburgo [...] que, em 2020, os produtos químicos sejam produzidos e usados de formas tais que levem à minimização de todos os aspectos significativos adversos à saúde humana e ao meio ambiente [...]

7 Gestão da Indústria Química e o Desenvolvimento Sustentável SAICM, REACH, normas de gestão, etc. Maior desafio até 2020 Social Ambiental Econômica Estratégia de diferenciação Risco de descontinuidade do negócio Segurança Química Modelo Tradicional Processo Marrakesh (padrões sustentáveis de produção e consumo), etc. Legislação ambiental, de segurança e saúde do trabalho, etc.

8 Desenvolvimento Sustentável Ações Internacionais Ação da Indústria SAICM, REACH, normas de gestão, etc. Segurança Química Atuação Responsável

9 Temas globais da indústria química Ações globais Responsible Care (Segurança Química & Mudanças Climáticas) Segurança Química (Aspectos de saúde, segurança e meio ambiente de processos & produtos) Mudanças Climáticas (Uso de energia e emissiões de GHG de processos & produtos) Ações nacionais Atuação Responsável + Estrátégia Global de Produtos (GPS) (Segurança Química & Mudanças Climáticas) Ações de empresas Atuação Responsável (Segurança Química & Mudanças Climáticas) Gestão de produtos (Segurança Química & Mudanças Climáticas

10 Estratégias de Segurança Química Mapa de Segurança Química (Objetivos globais) Mapa GPS (Estratégia de produtos da indústria ) Ações voluntárias da indústria Mapa estratégico da Abiquim (Objetivos da indústria ) Mapa estratégico das empresas (Objetivos das empresas)

11 Visão WSSD 2020 Mapa da Segurança Química Perspectiva das partes Interessadas Indústria ONGs Governos Academia Comunidades Consumidores Trabalhadores Perspectiva dos Processos Segurança nos processos de produção Segurança nos produtos Geração e disseminação de conhecimentos sobre perigos e riscos Perspectiva da Capacitação Tecnologias mais limpas e seguras Gestão do conhecimento Cooperação técnica Classificação de perigos e gestão de riscos Perspectiva dos Elementos Básicos Infraestrutura financeira Infraestrutura de governança Infraestrutura regulatória e normativa Fundação Valores e Princípios da Segurança Química

12 Visão Desenvolvimento Sustentável Suportar o Desenvolvimento Sustentável Mapa do Atuação Responsável Estratégia de Produtividade Estratégia de Crescimento Perspectiva do Valor Melhorar o desempenho da indústria química e dos produtos Melhorar a imagem da indústria química e dos produtos Desenvolver produtos e serviços sustentáveis Expandir o alcance do Atuação Responsável na indústria e na cadeia de valor Perspectiva das Partes Interessadas Fornecedores Trabalhadores Gestão Segura Governo Comunidades Clientes Perspectiva dos Processos Gestão da produção Gestão dos produtos Perspectiva da Capacitação Tecnologias + limpas e sustentáveis Cultura de sustentabilidade Comunicação Conhecimento dos conceitos dos perigos e dos riscos Fundamentos Valores e Princípios do Atuação Responsável

13 Visão WSSD 2020 Mapa do GPS Perspectiva das partes Interessadas Indústria ONGs Governos Academia Comunidades Consumidores Trabalhadores Comunicação com o público Comunicação com as cadeias de valor Perspectiva dos Processos Gestão de risco nas empresas Gestão de risco ao longo das cadeias de valor Avaliações de perigos e riscos Perspectiva da Capacitação Parcerias Consórcios Bases de dados Cooperação técnica Treinamentos Infraestrutura de testes Perspectiva dos Elementos Básicos Recursos Governança Fundamentos Valores e Princípios do Atuação Responsável

14 A abrangência do Atuação Responsável 2006 Ambiental 1992 Social Econômica

15 Evolução do Atuação Responsável os primeiros anos Ano 2003 a 2006 Revisão as Parceiras Indicadores Termo Compromisso Parcerias Auto avaliação Guias Códigos Adesão voluntária VerificAR 1 o Relatório público Pesquisa Imagem Conselho Consultivo Nacional Novo Modelo Obrigatoriedade Compromisso

16 Evolução do Atuação Responsável a escada para 2020 Ano 2003 a 2006 Revisão Gestão Segura Minimização de impactos Aplicação intensa de Ciclo de Vida Extensão para as cadeias de valor Novos processos de verificação PreparAR Níveis de Implementação e novo VerificAR Obrigatoriedade da verificação Compromisso

17 A Estrutura do Atuação Responsável Visão Missão Valores Princípios Estratégia Elemento Diretrizes Níveis de Implementação Atividades Sugeridas Avaliação de Progresso Indicadores de desempenho Auto avaliação VerificAR Comissões de Atuação Responsável Conselhos Comunitários Consultivos Extensão para a Cadeia Produtiva Função Direcionamento Monitoramento Compartilhamento

18 Implantar o Atuação Responsável é importar seus elementos (o que eles significam) para dentro da empresa elas continuam tendo seus programas! Atuação Responsável Princípios Outras ferramentas Diretrizes Programa da Empresa Práticas Políticas, Estratégias Funções/Estrutura Organizacional Áreas Físicas

19 As Diretrizes do Atuação Responsável Foram criadas 62 diretrizes para constituir a referência do sistema de gestão das empresas nas dimensões: 1. Saúde 2. Segurança 3. Meio Ambiente 4. Proteção Empresarial 5. Qualidade 6. Social

20 O Funcionamento do Modelo Início 2 Início 1 Sub- Processos Tema PDCA Diretriz Dimensão Sub- Processos Atividades Sugeridas Indicadores Níveis de Implementação Auto-Avaliação Exemplos VerificAR

21 Referências para a criação das Diretrizes Outras normas Critérios da FNQ Normas ISO e 9000 Diretrizes Indicadores Ethos Códigos originais GRI BSC

22 Referências para a criação das Diretrizes

23 ATUAÇÃO ISO ISO RESPONSÁVEL Abrangência

24 Os Sub Processos Gestão dos Suprimentos Gestão da Produção Gestão do Transporte e Distribuição Gestão da Comercialização Gestão da Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação Negócio Corporação Gestão Geral

25 Distribuição das Diretrizes PDCA MELHORIA CONTÍNUA GOVERNANÇA P PLANEJAMENTO ANÁLISE DA GESTÃO D EXECUÇÃO A ACOMPANHAMENTO C

26 Distribuição das Diretrizes Temas 1. Visão, Missão, Valores e Política 2. Estratégia e Gestão Empresarial 3. Liderança e Compromisso 4. Aspectos, Riscos e Ocorrências Indesejadas 5. Legislação e Outros Requisitos 6. Diagnóstico 7. Objetivos e Metas 8. Planos e Programas 9. Pessoas 10. Comunicação e Diálogo 11. Informação e Conhecimento 12. Clientes e Usuários 13. Fornecedores 14. Sociedade 15. Alinhamento e Integração 16. Controle de Processos, Produtos e Serviços 17. Modificações e Inovações 18. Crises e Emergências 19. Monitoramento e Verificação 20. Ações Preventivas e Corretivas 21. Divulgação de Resultados 22. Análise da Gestão

27 O Processo de Revisão Area III Area II Temas e práticas que necessitam ser melhor compreendidos mas que já podem ser sinalizados como importantes Area I SSMA Temas e práticas que necessitam de algum tempo para serem incorporados à obrigatoriedade, porém já existem práticas a respeito Temas e práticas obrigatórios para todas as associadas

28 Legal Requerido Classe mundial Sustentável Diretrizes Melhoria & Excelência Diretriz n Melhoria Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Saúde Segurança Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Social Indicador Ethos Requisito OHSAS Requisito ISO Requisito ISO 9000 Requisito NBR Indicador Ethos

29 Legal Requerido WSSD 2020 Sustentável Diretrizes Melhoria & Excelência Diretriz n Melhoria Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Saúde Segurança Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Social Indicador Ethos Requisito OHSAS Requisito ISO Requisito ISO 9000 Requisito NBR Indicador Ethos

30 O Canal AR

31

32

33

34

35 Manter Reduzir Minimizar Sustentar Quais os conceitos chave usados para as descrições dos níveis? Diretriz n Melhoria Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Saúde Segurança Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Social Indicador Ethos Requisito OHSAS Requisito ISO Requisito ISO 9000 Requisito NBR Indicador Ethos Excelência

36 Quais os conceitos chave usados para as descrições dos níveis? Diretriz n Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Saúde Segurança AbrangênciaMeio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Social Indicador Ethos Requisito OHSAS Requisito ISO Requisito ISO 9000 Requisito NBR Indicador Ethos

37 Quais os conceitos chave usados para as descrições dos níveis? + Partes interessadas + Localidades/comunidades Abrangência + Parceiros + Fontes + Clientes + etc.

38 Diretrizes: melhoria, integração e aplicação em toda a empresa... Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Dimensão Saúde Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Dimensão Saúde Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Requisito Segurança Dimensão Saúde Nível 1 Nível 2 Nível 3 OHSAS Nível 4 Diretriz n Requisito Dimensão Segurança Meio Ambiente Saúde Nível 1 Nível 2 Nível OHSAS Requisito 3 Nível 4 Requisito Dimensão Segurança ISO Meio Ambiente Proteção Saúde Nível 1 Nível 2 Nível Requisito 3 OHSAS Nível 4 Requisito ISO Segurança Meio Ambiente Proteção Empresarial Requisito Saúde OHSAS Segurança Empresarial ISO Requisito Meio Ambiente Proteção Qualidade Requisito Requisito OHSAS Requisito Segurança ISO Requisito ISO 9000 Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade OHSAS Requisito ISO Indicador Requisito Indicador Social Requisito ISO 9000 Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Requisito Indicador Ethos Requisito NBR ISO Indicador Ethos Social Requisito ISO 9000 Proteção Empresarial Qualidade Indicador Ethos Requisito NBR Indicador Ethos Social Requisito ISO 9000 Empresarial Qualidade Indicador Ethos Requisito NBR Indicador Ethos Social Requisito ISO 9000 Qualidade Indicador EthosRequisito NBR Indicador Ethos Social ISO 9001 Indicador EthosRequisito NBR Indicador Ethos Social Ethos NBR Ethos Sub-processos

39 Mapa Estratégico do Atuação Responsável Visão Suportar o Desenvolvimento Sustentável Estratégia de Produtividade Estratégia de Crescimento Perspectiva do Valor Melhorar o desempenho da indústria química e dos produtos Melhorar a imagem da indústria química e dos produtos Desenvolver produtos e serviços sustentáveis Expandir o alcance do Atuação Responsável na indústria e na cadeia de valor Perspectiva das Partes Interessadas Perspectiva dos Processos Gestão da produção Gestão dos produtos Perspectiva da Capacitação Indicadores de Fornecedores desempenho, autoavaliação das diretrizes e o VerificAR Trabalhadores Governo Plano de comunicação para divulgar o Atuação Responsável PreparAR Comunidades Tecnologias + limpas e sustentáveis Cultura de sustentabilidade Comunicação Conhecimento das características dos perigos e dos riscos Clientes Global Product Strategy - GPS Fundamentos Valores e Princípios do Atuação Responsável

40 Indicadores de desempenho

41

42

43

44

45

46

47 VerificAR O sistema de verificação externa do Atuação Responsável 1

48 DIRETRIZES (6.1.1) SUB-PROCESSOS (6.1.2) DIMENSÕES APLICÁVEIS (6.1.3) NÍVEIS DE IMPLEMENTAÇÃO (6.1.4) AUTO-AVALIAÇÃO (6.1.5) Atuação Responsável VerificAR ETAPA DE PREPARAÇÃO (6.2) ETAPA DE EXECUÇÃO (6.3) ETAPA DE CONCLUSÃO (6.4)

49 Cronograma recomendado AUTO- AVALIAÇÃO Intervalo 1 a 3 Meses 1 a 3 Meses PREPARAÇÃO VERIFICAR EXECUÇÃO & CONCLUSÂO 1 Mês 1 Semana

50 A documentação ARV I. Manual do VerificAR ARV II. Regulamento de Aplicação do VerificAR ARV III. Regulamento de Acreditação do VerificAR ARV IV. Níveis de Implementação ARV V. Diretrizes e Requisitos Normativos ARV VI. Diretrizes e Sub-processos ARV VII. Protocolo do VerificAR ARV VIII. Declaração e Certificado ARV IX. Programas de Capacitação para o VerificAR

51 Global Product Stategy - GPS Perspectiva do Valor Expandir o alcance do Atuação Responsável na indústria e na cadeia de valor Perspectiva das Partes Interessadas Governo e Clientes Perspectiva dos Processos Dossiers de informação sobre as substâncias Capacitação laboratorial para testes em substâncias Perspectiva da Capacitação Treinamentos em avaliação de perigos e riscos de substâncias

52 PreparAR Perspectiva do Valor Expandir o alcance do Atuação Responsável na indústria e na cadeia de valor Perspectiva das Partes Interessadas Indústrias químicas de pequeno porte Perspectiva dos Processos Gestão da produção e de produtos Perspectiva da Capacitação Células Tecnologias de gestão e de produção Capacitação em saúde, segurança, meio ambiente e qualidade

53 Empresa Núcleos Empresa Empresa Empresa âncora Empresas Empresa Empresa Empresas Empresas Sinproquim Empresas Empresas

54 A escolha das Diretrizes do PreparAR Outras normas PreparAR Critérios da FNQ Normas ISO e 9000 Diretrizes Indicadores Ethos Códigos originais GRI BSC

55 Muito Obrigado!

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe 4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais Abiquim São Paulo, 18 de outubro de 2007 O Programa Atuação

Leia mais

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim A Estrutura do Atuação Responsável Elemento Visão Missão Valores Princípios Diretrizes

Leia mais

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Empresa: Cristal Raidalva Rocha OBJETIVO Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS O INDICADORES ETHOS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão criada em 2000 pelo Instituto Ethos e que esta em sua terceira geração.

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Elevadas Taxas de Mortalidade FONTE: MTE - ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA RAIS MPS - ANUÁRIO ESTATÍSTICO

CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Elevadas Taxas de Mortalidade FONTE: MTE - ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA RAIS MPS - ANUÁRIO ESTATÍSTICO CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Elevadas Taxas de Mortalidade FONTE: MTE - ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA RAIS MPS - ANUÁRIO ESTATÍSTICO CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Carência de informações sobre riscos

Leia mais

Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE

Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE Porto Alegre: 1,4 milhão de habitantes (censo 2010) 100% da população com Água 80% de Capacidade de Tratamento de Esgoto 1.939 servidores ativos Um conjunto

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL CONTEXTO GLOBALIZADO Avanço de atitudes pró-ativas das empresas que começaram a vislumbrar, através da introdução de mecanismos de gestão ambiental, oportunidades de mercado,

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos - ANVISA Escritório de Gestão de Processos III Congresso Paraibano da Qualidade IV Seminário em Busca da Excelência João Pessoa - PB 25/08/2010 Cenário Desejado Cumprimento efetivo de sua missão Agência

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG O Atuação Responsável e o Modelo de Ecelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Ecelência da Gestão - COPEG Evolução do Atuação Responsável Visão no Ciclo de Vida Ênfase nas

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental

Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental Lisiane Emilia Grams Metz Caxias do Sul, 31 de agosto de 2016 Endereço: Rua Gregório de Mattos, 111 - Estância Velha/RS Fone:

Leia mais

Compliance aplicado às cooperativas

Compliance aplicado às cooperativas Compliance aplicado às cooperativas A implantação do Programa na Unimed-BH Outubro de 2016 Unimed BH 45 anos Nossa Unimed bem cuidada para cuidar bem de você Unimed-BH 1ª operadora de plano de saúde de

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2017

PLANO DE ATIVIDADES 2017 PLANO DE ATIVIDADES 2017 PE1 Reforçar a participação ativa na discussão, implementação e avaliação de planos, políticas e legislação ambientais, promovendo a partilha de informação e conhecimento com os

Leia mais

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Brasília DF OBJETIVO Promover a cultura da excelência, a melhoria da gestão e o compartilhamento

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Convênio Nacional Petrobras-Sebrae: Inserção de MPEs na cadeia

Leia mais

Agenda 2030 Brasil Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Alinhamento de Políticas Públicas aos ODS

Agenda 2030 Brasil Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Alinhamento de Políticas Públicas aos ODS Agenda 2030 Brasil Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Alinhamento de Políticas Públicas aos ODS Construção da Agenda 2030 2012 2015 2000 ODM Agenda 2030 Brasil A Agenda 2030 visa ao alcance

Leia mais

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 SUMÁRIO 1. Apresentação... 02 2. Objetivo... 02 3. Princípios... 02 4. Documentos de Referencias... 03 5. Diretrizes... 03 6. Compromissos e Prestação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19) /

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19) / MESTRADO ACADÊMICO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E QUALIDADE DE VIDA CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19)-3623-3022 / 0800-173022 ISO

Leia mais

1. Apresentação. Acesse: Sistemas de Gestão Todos os direitos reservados 2

1. Apresentação. Acesse:  Sistemas de Gestão Todos os direitos reservados 2 Sistemas de Gestão Índice 1. Apresentação 2 2. Definição 3 3. Como as organizações desenvolvem seu Sistema de Gestão 4 4. Estrutura do Sistema de Gestão 5 5. Características de uma prática de gestão 9

Leia mais

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL Planejamento Estratégico 2007/2009 COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL NEGÓCIO Disseminar o Modelo de Excelência em Gestão Fornecedores PGQP

Leia mais

1.3 Consequências da adoção dos conceitos e premissas da Gestão da Qualidade; UNIDADE II? GURUS DA GESTÃO DA QUALIDADE E SUAS LINHAS DE PENSAMENTO

1.3 Consequências da adoção dos conceitos e premissas da Gestão da Qualidade; UNIDADE II? GURUS DA GESTÃO DA QUALIDADE E SUAS LINHAS DE PENSAMENTO Página: 1/5 GESTÃO DA QUALIDADE EMENTA Visão histórica da evolução da gestão empresarial e as contribuições das diversas escolas de administração para a gestão da qualidade As idéias, fundamentos e metodologias

Leia mais

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Viviane Lanunce Paes Supervisora da Gestão Integrada - CAP Carlos Eduardo Tavares de Castro Superintendente

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

Práticas ambientais desenvolvidas pela empresa Artecola Indústrias Químicas Fabiano de Quadros Vianna

Práticas ambientais desenvolvidas pela empresa Artecola Indústrias Químicas Fabiano de Quadros Vianna Práticas ambientais desenvolvidas pela empresa Artecola Indústrias Químicas Fabiano de Quadros Vianna Engenheiro Ambiental e de Segurança do Trabalho Coordenador de SMS nas Empresas Artecola Nossos negócios

Leia mais

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED!

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! CONCEITO O Inova Unimed é um movimento de renovação que visa a modernização estrutural, operacional e administrativa da Unimed Vale do Aço. OBJETIVOS SATISFAZER

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

OS FUNDAMENTOS DA GESTÃO PARA EXCELÊNCIA E OS OBJETIVOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Agenda 2030 da ONU

OS FUNDAMENTOS DA GESTÃO PARA EXCELÊNCIA E OS OBJETIVOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Agenda 2030 da ONU OS FUNDAMENTOS DA GESTÃO PARA EXCELÊNCIA E OS OBJETIVOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Agenda 2030 da ONU CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O desenvolvimento sustentável é definido como o desenvolvimento

Leia mais

AüISO 9001:2015. Uma norma para um contexto mais complexo e dinâmico LUIZ NASCIMENTO

AüISO 9001:2015. Uma norma para um contexto mais complexo e dinâmico LUIZ NASCIMENTO AüISO 9001:2015 Uma norma para um contexto mais complexo e dinâmico LUIZ NASCIMENTO Adotar um sistema de gestão da qualidade é uma decisão estratégica! 2 A estratégia precisa permear a organização Alta

Leia mais

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho O novo

Leia mais

Global Reporting Initiative

Global Reporting Initiative Global Reporting Initiative Catarina Bronstein Ponto Focal GRI Brasil www.globalreporting.org Relatório Pessoal: AQUECIMENTO!!!!!!! Elementos Estruturantes: 1. Escreva sua missão de vida: 2. Quais são

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS HISTÓRICO Agenda 21 (Rio de Janeiro, 1992): A maior causa da deterioração continuada do meio ambiente global são os padrões insustentáveis de consumo e produção. Plano de

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES CADERNO DE ATIVIDADES PRIORIDADES DO PLANO DIRETOR 4 ANOS Considerando os... Desafios Desafios Desafios Desafios Desafios Defina em grupo as prioridades, segundo os critérios de... PRIORIDADES DO PLANO

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Não te deslumbres comigo. Cometes um erro crasso Se ligares muito ao que digo Sem atentares ao que faço.

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Não te deslumbres comigo. Cometes um erro crasso Se ligares muito ao que digo Sem atentares ao que faço. RESPONSABILIDADE SOCIAL Não te deslumbres comigo. Cometes um erro crasso Se ligares muito ao que digo Sem atentares ao que faço. ACEESA - Centro de Estudos Natália Correia Fajã de Baixo, 26 de junho de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI Aprovação Rafael Bettini Gomes; Jailson Galvão; Christiano de Freitas POL-QSMS - 003 Rev:. 02 1. OBJETIVO Definir e estabelecer a Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

Apresentação Cegelec. Apresentação Cegelec

Apresentação Cegelec. Apresentação Cegelec Apresentação Cegelec Apresentação Cegelec Brasil - Junho de 2007 Grupo Cegelec Nosso Grupo Colaboradores: 26.000 Faturamento: 2.6 bilhões de euros Atuação : + de 30 países Vendas por Setor Vendas por Região

Leia mais

Estratégia de sustentabilidade

Estratégia de sustentabilidade Estratégia de sustentabilidade Fusão I Itaú + Unibanco Visão I Itaú Unibanco Perguntas norteadoras I 2010 - Itaú Unibanco 1 2 3 O que é Performance Sustentável e qual a relação entre Performance Sustentável

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

PL 055 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL. Publicado em: 13/05/2016

PL 055 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL. Publicado em: 13/05/2016 1. OBJETIVOS Estabelecer os princípios e diretrizes que norteiam as ações de práticas socioambientais da Getnet nos negócios e na relação com todas as partes interessadas, incluindo as diretrizes para

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 A importância da liderança como diferencial competitivo Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 Ellebe Treinamento em Gestão Organizacional A Ellebe atua em empresas públicas e privadas nas áreas

Leia mais

O Programa Atuação Responsável. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

O Programa Atuação Responsável. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química O Programa Atuação Responsável O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Programa Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento da gestão

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO?

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS FATORES DE PRODUÇÃO, MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, PROCESSOS E RECURSOS HUMANOS, VOLTADOS PARA A SOBREVIVÊNCIA DA EMPRESA, ATRAVÉS DA BUSCA CONSTANTE

Leia mais

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Missão Atuar nos mercados de energia de forma integrada rentável e sustentável. Visão Em

Leia mais

Colaboração em logística reversa e reciclagem na indústria elétrica e eletrônica Carlos Ohde Country Manager

Colaboração em logística reversa e reciclagem na indústria elétrica e eletrônica Carlos Ohde Country Manager Colaboração em logística reversa e reciclagem na indústria elétrica e eletrônica Carlos Ohde Country Manager The information contained herein is subject to change without notice. Temos as condições de

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade Declaração Implementação da política Sistema de Gestão Ambiental (SGA)...

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade Declaração Implementação da política Sistema de Gestão Ambiental (SGA)... Sumário 1. Política de Sustentabilidade...05 1.1. Declaração...05 1.2. Implementação da política...05 2. Sistema de Gestão Ambiental (SGA)...06 3. Estrutura do SGA...06 3.1. Agenda Ambiental Operacional...08

Leia mais

Profª Mônica Suely G. de Araujo

Profª Mônica Suely G. de Araujo Profª Mônica Suely G. de Araujo Desempenho Características Confiabilidade Reputação 2 1 Durabilidade Utilidade Resposta Estética 3 Projeto Conformidade Capabi lidade Atendi mento ao Cliente Cultura da

Leia mais

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS)

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS) SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE FAMÍLIA NBR ISO 9000 INDEXAÇÃO TEMÁTICA Abordagem de processo [VT: Princípios de Gestão da Qualidade] 0.2 / 2.4 0.2 / 4.3 0.2 Abordagem de sistemas de gestão da qualidade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Comissão Interamericana de Portos (CIP)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Comissão Interamericana de Portos (CIP) ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Comissão Interamericana de Portos (CIP) PROJETO DE DECLARAÇÃO DO PANAMÁ SOBRE DIRETRIZES PARA A PROTEÇÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA Os Estados Membros da Organização dos Estados

Leia mais

Projetos para os municípios Motivação

Projetos para os municípios Motivação PROJETOS Projetos para os municípios Motivação A FNP é referência na interlocução com os municípios, envolvendo diretamente os prefeitos e prefeitas na coordenação política dos projetos. Por isso, é constantemente

Leia mais

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: 2016-2020 O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº 8.246. As ações estratégicas serão monitoradas e

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia 1 Índice: 1. Introdução 2. Objetivo 3. Abrangência e público-alvo 4. Referências 5. Valores 6. Princípios de Sustentabilidade 7. Responsabilidades 8. Atualização

Leia mais

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade.

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. O Baobá é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. Especializada em gestão e sociedade, com foco em sustentabilidade para os setores público e privado.

Leia mais

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004 ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO 14.001:2004 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA O SGA é parte do Sistema de Gestão da IFSM Campus Inconfidentes-MG, englobando a estrutura organizacional, as atividades de

Leia mais

Modalidades do Prêmio. Regulamento. Participação

Modalidades do Prêmio. Regulamento. Participação Regulamento Participação Podem concorrer ao 10º Prêmio FIEB Desempenho Ambiental, empresas do setor industrial nas categorias MÉDIO E GRANDE PORTE e MICRO E PEQUENO PORTE (consultar classificação no site

Leia mais

MUDANÇAS NBR-ISO9001:2015

MUDANÇAS NBR-ISO9001:2015 MUDANÇAS NBR-ISO9001:2015 Palestrante: Cristiane Herrera Contato: (19) 99721-8181 (19) 3476-1173 cristiane.herrera@hcconsultoria.com.br www.hcconsultoria.com.br / www.hcconsultoria.eco.br / www.hcconsultora.net.br

Leia mais

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira Seminário Nacional NTU - 2014 Lei Anticorrupção e Programa de Compliance Lélis Marcos Teixeira 28/agosto/2014 Iniciativas FETRANSPOR Lei 12.846/2013 Agenda Abertura Histórico Iniciativas Dúvidas Encerramento

Leia mais

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA Agenda 21 local : da teoria à prática Gina Rizpah Besen Psicóloga Mestre em Saúde Pública FSP-USP consultora em Gestão Ambiental rizpah@usp.br Desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Introdução A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos dos Municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória COOPMETRO é uma entidade

Leia mais

Política de Compliance

Política de Compliance Política de Compliance 1 Objetivo O objetivo desta Política é estabelecer diretrizes e procedimentos que assegurem o cumprimento das normas de Compliance definidas pelo Grupo VEOLIA e, que essas normas

Leia mais

Panorama Geral das Normas de Responsabilidade Social ISO e NBR e o Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social

Panorama Geral das Normas de Responsabilidade Social ISO e NBR e o Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social Panorama Geral das Normas de Responsabilidade Social ISO 26000 e NBR 16001 e o Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 2005 ISO inicia o desenvolvimento da Diretriz Internacional

Leia mais

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU n o 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 Estabelece

Leia mais

Seminário Internacional Desafios Globais da Produção e Consumo Sustentáveis. Painel II: Perspectivas Nacionais

Seminário Internacional Desafios Globais da Produção e Consumo Sustentáveis. Painel II: Perspectivas Nacionais Seminário Internacional Desafios Globais da Produção e Consumo Sustentáveis Painel II: Perspectivas Nacionais PROJETOS - Compras Sustentáveis pela Inovação e por uma economia Verde e Inclusiva Inova CPS

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Norma ISO Prof. Luciel H de Oliveira

Norma ISO Prof. Luciel H de Oliveira Norma ISO 26000 Prof. Luciel H de Oliveira luciel@uol.com.br ISO - International Organization for Standardization Criada em 1946 para promover e desenvolver normas e atividades que facilitem o comércio

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

Pactos, declarações, normas e certificações de Responsabilidade Social Empresarial

Pactos, declarações, normas e certificações de Responsabilidade Social Empresarial Pactos, declarações, normas e certificações de Responsabilidade Social Empresarial O que são e para que servem Tratam-se de instrumentos e ferramentas de gestão da RSE e busca-se torná-las mais integradas

Leia mais

REFINAÇÃO Qualidade Princípios e Contributos

REFINAÇÃO Qualidade Princípios e Contributos REFINAÇÃO 2016-10-07 Qualidade Princípios e Contributos O PAPEL DOS SISTEMAS DE GESTÃO NO CONTEXTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O SISTEMA DE GESTÃO DA REFINARIA DE MATOSINHOS 2016-2019 2015 Desafios:

Leia mais

46ª Assembleia Nacional da Assemae. Saneamento Básico um Direito de Todos

46ª Assembleia Nacional da Assemae. Saneamento Básico um Direito de Todos 46ª Assembleia Nacional da Assemae Saneamento Básico um Direito de Todos ABES - Missão e Visão MISSÃO Ser reconhecida, nacionalmente, como a principal entidade de referência, no setor de saneamento ambiental.

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental PHA2218 Introdução à Engenharia Ambiental Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Aula 10 Prof. Dr. Joaquin Bonnecarrere

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO:

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: 2016-2020 O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº 8.246. As ações estratégicas serão monitoradas e

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL CONTEXTO GLOBALIZADO Avanço de atitudes pró-ativas das empresas que começaram a vislumbrar, através da introdução de mecanismos de gestão ambiental, oportunidades de mercado,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental PHA2218 Introdução à Engenharia Ambiental Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Aula 10 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof.

Leia mais

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Escola Politécnica da USP Curso de Engenharia Ambiental Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Princípios da Gestão Ambiental 1 Prioridade corporativa 9 - Pesquisa 2 Gestão Integrada

Leia mais

181 mil Integrantes de 78 nacionalidades diferentes

181 mil Integrantes de 78 nacionalidades diferentes Organização Global de origem brasileira Presente em 23 países, em 5 continentes 181 mil Integrantes de 78 nacionalidades diferentes Atuação diversificada A ODEBRECHT É a 4ª maior EMPRESA DOS SONHOS Organização

Leia mais

AS AÇÕES DO SEBRAE PARA A CADEIA DA CONSTRUÇÃO EM GOIÁS. COMAT- Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade

AS AÇÕES DO SEBRAE PARA A CADEIA DA CONSTRUÇÃO EM GOIÁS. COMAT- Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade AS AÇÕES DO SEBRAE PARA A CADEIA DA CONSTRUÇÃO EM GOIÁS COMAT- Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade Goiânia 23/maio/2014 PROJETO DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PÚBLICO ALVO

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

Gestão da Qualidade na diálise como Ferramenta Gerencial

Gestão da Qualidade na diálise como Ferramenta Gerencial Gestão da Qualidade na diálise como Ferramenta Gerencial A busca da equipe Nefron pela Excelência Adm. Cristina Ferreira A EMPRESA NEFRON Ltda Sede: Rua PAULO D ASSUNÇÃO, 88 - JARDIM INDUSTRIAL - CONTAGEM

Leia mais

1/28. Roteiro Introdução NBR ISO NBR ISO Recomendações Conclusões Bibliografia 2/28

1/28. Roteiro Introdução NBR ISO NBR ISO Recomendações Conclusões Bibliografia 2/28 Normas - :1997 - :2000 Gestão da Qualidade Adriana Alexandre Marcotti 1/28 1-2- :1997 2.1- Definições 2.2- Descrição 2.3- Estrutura de um Plano de Qualidade 3- :2000 3.1- Definições 3.2- Descrição 3.3-4-

Leia mais

Departamento. Responsabilidade Social ELETROBRÁS

Departamento. Responsabilidade Social ELETROBRÁS Departamento de Responsabilidade Social ELETROBRÁS das@eletrobras.com (21) 2514-6146 Histórico de Criação da Área 1º Momento 27.01.2003 Res - 038/2003 Coordenadoria para o Desenvolvimento Humano e Responsabilidade

Leia mais

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE 1. CONCEITO Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços Praticar a responsabilidade social defendendo a sociedade e assumindo compromisso com o meio ambiente SGI CREF13 BA/SE Desenvolver

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Fernando Altino Rodrigues

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Fernando Altino Rodrigues Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Fernando Altino Rodrigues Ética Ecológica e Ética Social Desenvolvimento Sustentável...permitir que os preços digam a verdade ecológica Weizsaecker INTERNALIZAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL Estudo de Caso Sobre o Vitória Apart Hospital Institucional Desde a sua fundação, em 2001, o Vitória Apart Hospital atua com o objetivo de

Leia mais

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Presidência da República Secretaria de Governo Secretaria Nacional de Articulação Social CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Natal RN, 27 de julho de 2017 Etapas da Agenda 2030 ETAPA DE

Leia mais

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS)

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS) H.E. BanKi-moon Secretário Geral Nações Unidas Nova York, NY10017 EUA Referência: COMUNICAÇÃO DO PROGRESSO (COP - Communication on Progress) Período: 07/2015 à 06/2016 1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Maio 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de

Leia mais

Instrumentos de avaliação de desempenho ambiental nas empresas: contribuições e limitações

Instrumentos de avaliação de desempenho ambiental nas empresas: contribuições e limitações Instrumentos de avaliação de desempenho ambiental nas empresas: contribuições e limitações Anderson Bortolin Clara Lemos Olívia Toshie Oiko Ursula Rodriguez Tadeu Fabrício Malheiros Avaliação de desempenho

Leia mais

BPM como subsídio à Gestão Estratégica Escritório de Gestão de Processos e Projetos Estratégicos. Secretaria Executiva/MEC

BPM como subsídio à Gestão Estratégica Escritório de Gestão de Processos e Projetos Estratégicos. Secretaria Executiva/MEC BPM como subsídio à Gestão Estratégica Escritório de Gestão de Processos e Projetos Estratégicos Secretaria Executiva/MEC Histórico do Escritório de Processos Mapeamento de Sistemas na Diretoria de TI

Leia mais

Arlinda Coelho Mestre em Gerenciamento e Tecnologias Ambientais. Gerente da Área de Meio Ambiente do Senai Unidade Cetind REDE SENAI PROVEDORA

Arlinda Coelho Mestre em Gerenciamento e Tecnologias Ambientais. Gerente da Área de Meio Ambiente do Senai Unidade Cetind REDE SENAI PROVEDORA Arlinda Coelho Mestre em Gerenciamento e Tecnologias Ambientais Arlinda Coelho, MSc nos Processos Produtivos Gerente da Área de Ambiente do SENAI Cetind Coordenadora domeio Núcleo de Produção maisunidade

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais