Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química"

Transcrição

1 Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade

2 O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim

3 Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento da gestão das empresas químicas brasileiras e de sua cadeia de valor, de forma a assegurar a sustentabilidade ambiental, econômica e social de seus processos e produtos, bem como contribuir para a permanente melhoria da qualidade de vida da sociedade, criando uma relação de confiança por meio de mecanismos de verificação das ações do Programa.

4 Visão do Atuação Responsável Ser a referência principal da indústria química e de sua cadeia de valor para a gestão das atividades, visando o desenvolvimento sustentável nas dimensões ambiental, econômica e social.

5 1960 Poluição industrial e resíduos 1972 Conferência Mundial de Meio Ambiente Preocupação: poluição e esgotamento de recursos naturais 1992 Rio 92 Capítulos 19 e 20 da Agenda 21 Preocupação: Resíduos e segurança dos produtos 1992 a 2001 Convenções Internacionais Preocupação: Poluição e segurança dos produtos 2003 REACH Preocupação: Segurança dos produtos 60 anos de evolução na Segurança Química 1982 Primeira Diretiva de Seveso Preocupação: Controle de grandes acidentes industriais 2002 WSSD Preocupação: Segurança Química 2003 a 2006 SAICM Preocupação: Segurança Química 2009 a 2020 ICCM Preocupação: Segurança Química 2010 e 2011 CDS Preocupação: Segurança Química 2009 a 2020 Legislações nacionais? Preocupação: segurança dos produtos 2020 Parágrafo 23 do Plano de Ação de Johanesburgo Um Pouco de História... O resumo da evolução do questionamento e da ação da indústria

6 A meta para 2020 Parágrafo 23 do Plano de Ação de Johanesburgo [...] que, em 2020, os produtos químicos sejam produzidos e usados de formas tais que levem à minimização de todos os aspectos significativos adversos à saúde humana e ao meio ambiente [...]

7 Gestão da Indústria Química e o Desenvolvimento Sustentável SAICM, REACH, normas de gestão, etc. Maior desafio até 2020 Social Ambiental Econômica Estratégia de diferenciação Risco de descontinuidade do negócio Segurança Química Modelo Tradicional Processo Marrakesh (padrões sustentáveis de produção e consumo), etc. Legislação ambiental, de segurança e saúde do trabalho, etc.

8 Desenvolvimento Sustentável Ações Internacionais Ação da Indústria SAICM, REACH, normas de gestão, etc. Segurança Química Atuação Responsável

9 Temas globais da indústria química Ações globais Responsible Care (Segurança Química & Mudanças Climáticas) Segurança Química (Aspectos de saúde, segurança e meio ambiente de processos & produtos) Mudanças Climáticas (Uso de energia e emissiões de GHG de processos & produtos) Ações nacionais Atuação Responsável + Estrátégia Global de Produtos (GPS) (Segurança Química & Mudanças Climáticas) Ações de empresas Atuação Responsável (Segurança Química & Mudanças Climáticas) Gestão de produtos (Segurança Química & Mudanças Climáticas

10 Estratégias de Segurança Química Mapa de Segurança Química (Objetivos globais) Mapa GPS (Estratégia de produtos da indústria ) Ações voluntárias da indústria Mapa estratégico da Abiquim (Objetivos da indústria ) Mapa estratégico das empresas (Objetivos das empresas)

11 Visão WSSD 2020 Mapa da Segurança Química Perspectiva das partes Interessadas Indústria ONGs Governos Academia Comunidades Consumidores Trabalhadores Perspectiva dos Processos Segurança nos processos de produção Segurança nos produtos Geração e disseminação de conhecimentos sobre perigos e riscos Perspectiva da Capacitação Tecnologias mais limpas e seguras Gestão do conhecimento Cooperação técnica Classificação de perigos e gestão de riscos Perspectiva dos Elementos Básicos Infraestrutura financeira Infraestrutura de governança Infraestrutura regulatória e normativa Fundação Valores e Princípios da Segurança Química

12 Visão Desenvolvimento Sustentável Suportar o Desenvolvimento Sustentável Mapa do Atuação Responsável Estratégia de Produtividade Estratégia de Crescimento Perspectiva do Valor Melhorar o desempenho da indústria química e dos produtos Melhorar a imagem da indústria química e dos produtos Desenvolver produtos e serviços sustentáveis Expandir o alcance do Atuação Responsável na indústria e na cadeia de valor Perspectiva das Partes Interessadas Fornecedores Trabalhadores Gestão Segura Governo Comunidades Clientes Perspectiva dos Processos Gestão da produção Gestão dos produtos Perspectiva da Capacitação Tecnologias + limpas e sustentáveis Cultura de sustentabilidade Comunicação Conhecimento dos conceitos dos perigos e dos riscos Fundamentos Valores e Princípios do Atuação Responsável

13 Visão WSSD 2020 Mapa do GPS Perspectiva das partes Interessadas Indústria ONGs Governos Academia Comunidades Consumidores Trabalhadores Comunicação com o público Comunicação com as cadeias de valor Perspectiva dos Processos Gestão de risco nas empresas Gestão de risco ao longo das cadeias de valor Avaliações de perigos e riscos Perspectiva da Capacitação Parcerias Consórcios Bases de dados Cooperação técnica Treinamentos Infraestrutura de testes Perspectiva dos Elementos Básicos Recursos Governança Fundamentos Valores e Princípios do Atuação Responsável

14 A abrangência do Atuação Responsável 2006 Ambiental 1992 Social Econômica

15 Evolução do Atuação Responsável os primeiros anos Ano 2003 a 2006 Revisão as Parceiras Indicadores Termo Compromisso Parcerias Auto avaliação Guias Códigos Adesão voluntária VerificAR 1 o Relatório público Pesquisa Imagem Conselho Consultivo Nacional Novo Modelo Obrigatoriedade Compromisso

16 Evolução do Atuação Responsável a escada para 2020 Ano 2003 a 2006 Revisão Gestão Segura Minimização de impactos Aplicação intensa de Ciclo de Vida Extensão para as cadeias de valor Novos processos de verificação PreparAR Níveis de Implementação e novo VerificAR Obrigatoriedade da verificação Compromisso

17 A Estrutura do Atuação Responsável Visão Missão Valores Princípios Estratégia Elemento Diretrizes Níveis de Implementação Atividades Sugeridas Avaliação de Progresso Indicadores de desempenho Auto avaliação VerificAR Comissões de Atuação Responsável Conselhos Comunitários Consultivos Extensão para a Cadeia Produtiva Função Direcionamento Monitoramento Compartilhamento

18 Implantar o Atuação Responsável é importar seus elementos (o que eles significam) para dentro da empresa elas continuam tendo seus programas! Atuação Responsável Princípios Outras ferramentas Diretrizes Programa da Empresa Práticas Políticas, Estratégias Funções/Estrutura Organizacional Áreas Físicas

19 As Diretrizes do Atuação Responsável Foram criadas 62 diretrizes para constituir a referência do sistema de gestão das empresas nas dimensões: 1. Saúde 2. Segurança 3. Meio Ambiente 4. Proteção Empresarial 5. Qualidade 6. Social

20 O Funcionamento do Modelo Início 2 Início 1 Sub- Processos Tema PDCA Diretriz Dimensão Sub- Processos Atividades Sugeridas Indicadores Níveis de Implementação Auto-Avaliação Exemplos VerificAR

21 Referências para a criação das Diretrizes Outras normas Critérios da FNQ Normas ISO e 9000 Diretrizes Indicadores Ethos Códigos originais GRI BSC

22 Referências para a criação das Diretrizes

23 ATUAÇÃO ISO ISO RESPONSÁVEL Abrangência

24 Os Sub Processos Gestão dos Suprimentos Gestão da Produção Gestão do Transporte e Distribuição Gestão da Comercialização Gestão da Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação Negócio Corporação Gestão Geral

25 Distribuição das Diretrizes PDCA MELHORIA CONTÍNUA GOVERNANÇA P PLANEJAMENTO ANÁLISE DA GESTÃO D EXECUÇÃO A ACOMPANHAMENTO C

26 Distribuição das Diretrizes Temas 1. Visão, Missão, Valores e Política 2. Estratégia e Gestão Empresarial 3. Liderança e Compromisso 4. Aspectos, Riscos e Ocorrências Indesejadas 5. Legislação e Outros Requisitos 6. Diagnóstico 7. Objetivos e Metas 8. Planos e Programas 9. Pessoas 10. Comunicação e Diálogo 11. Informação e Conhecimento 12. Clientes e Usuários 13. Fornecedores 14. Sociedade 15. Alinhamento e Integração 16. Controle de Processos, Produtos e Serviços 17. Modificações e Inovações 18. Crises e Emergências 19. Monitoramento e Verificação 20. Ações Preventivas e Corretivas 21. Divulgação de Resultados 22. Análise da Gestão

27 O Processo de Revisão Area III Area II Temas e práticas que necessitam ser melhor compreendidos mas que já podem ser sinalizados como importantes Area I SSMA Temas e práticas que necessitam de algum tempo para serem incorporados à obrigatoriedade, porém já existem práticas a respeito Temas e práticas obrigatórios para todas as associadas

28 Legal Requerido Classe mundial Sustentável Diretrizes Melhoria & Excelência Diretriz n Melhoria Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Saúde Segurança Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Social Indicador Ethos Requisito OHSAS Requisito ISO Requisito ISO 9000 Requisito NBR Indicador Ethos

29 Legal Requerido WSSD 2020 Sustentável Diretrizes Melhoria & Excelência Diretriz n Melhoria Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Saúde Segurança Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Social Indicador Ethos Requisito OHSAS Requisito ISO Requisito ISO 9000 Requisito NBR Indicador Ethos

30 O Canal AR

31

32

33

34

35 Manter Reduzir Minimizar Sustentar Quais os conceitos chave usados para as descrições dos níveis? Diretriz n Melhoria Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Saúde Segurança Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Social Indicador Ethos Requisito OHSAS Requisito ISO Requisito ISO 9000 Requisito NBR Indicador Ethos Excelência

36 Quais os conceitos chave usados para as descrições dos níveis? Diretriz n Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Saúde Segurança AbrangênciaMeio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Social Indicador Ethos Requisito OHSAS Requisito ISO Requisito ISO 9000 Requisito NBR Indicador Ethos

37 Quais os conceitos chave usados para as descrições dos níveis? + Partes interessadas + Localidades/comunidades Abrangência + Parceiros + Fontes + Clientes + etc.

38 Diretrizes: melhoria, integração e aplicação em toda a empresa... Dimensão Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Dimensão Saúde Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Dimensão Saúde Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Requisito Segurança Dimensão Saúde Nível 1 Nível 2 Nível 3 OHSAS Nível 4 Diretriz n Requisito Dimensão Segurança Meio Ambiente Saúde Nível 1 Nível 2 Nível OHSAS Requisito 3 Nível 4 Requisito Dimensão Segurança ISO Meio Ambiente Proteção Saúde Nível 1 Nível 2 Nível Requisito 3 OHSAS Nível 4 Requisito ISO Segurança Meio Ambiente Proteção Empresarial Requisito Saúde OHSAS Segurança Empresarial ISO Requisito Meio Ambiente Proteção Qualidade Requisito Requisito OHSAS Requisito Segurança ISO Requisito ISO 9000 Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade OHSAS Requisito ISO Indicador Requisito Indicador Social Requisito ISO 9000 Meio Ambiente Proteção Empresarial Qualidade Requisito Indicador Ethos Requisito NBR ISO Indicador Ethos Social Requisito ISO 9000 Proteção Empresarial Qualidade Indicador Ethos Requisito NBR Indicador Ethos Social Requisito ISO 9000 Empresarial Qualidade Indicador Ethos Requisito NBR Indicador Ethos Social Requisito ISO 9000 Qualidade Indicador EthosRequisito NBR Indicador Ethos Social ISO 9001 Indicador EthosRequisito NBR Indicador Ethos Social Ethos NBR Ethos Sub-processos

39 Mapa Estratégico do Atuação Responsável Visão Suportar o Desenvolvimento Sustentável Estratégia de Produtividade Estratégia de Crescimento Perspectiva do Valor Melhorar o desempenho da indústria química e dos produtos Melhorar a imagem da indústria química e dos produtos Desenvolver produtos e serviços sustentáveis Expandir o alcance do Atuação Responsável na indústria e na cadeia de valor Perspectiva das Partes Interessadas Perspectiva dos Processos Gestão da produção Gestão dos produtos Perspectiva da Capacitação Indicadores de Fornecedores desempenho, autoavaliação das diretrizes e o VerificAR Trabalhadores Governo Plano de comunicação para divulgar o Atuação Responsável PreparAR Comunidades Tecnologias + limpas e sustentáveis Cultura de sustentabilidade Comunicação Conhecimento das características dos perigos e dos riscos Clientes Global Product Strategy - GPS Fundamentos Valores e Princípios do Atuação Responsável

40 Indicadores de desempenho

41

42

43

44

45

46

47 VerificAR O sistema de verificação externa do Atuação Responsável 1

48 DIRETRIZES (6.1.1) SUB-PROCESSOS (6.1.2) DIMENSÕES APLICÁVEIS (6.1.3) NÍVEIS DE IMPLEMENTAÇÃO (6.1.4) AUTO-AVALIAÇÃO (6.1.5) Atuação Responsável VerificAR ETAPA DE PREPARAÇÃO (6.2) ETAPA DE EXECUÇÃO (6.3) ETAPA DE CONCLUSÃO (6.4)

49 Cronograma recomendado AUTO- AVALIAÇÃO Intervalo 1 a 3 Meses 1 a 3 Meses PREPARAÇÃO VERIFICAR EXECUÇÃO & CONCLUSÂO 1 Mês 1 Semana

50 A documentação ARV I. Manual do VerificAR ARV II. Regulamento de Aplicação do VerificAR ARV III. Regulamento de Acreditação do VerificAR ARV IV. Níveis de Implementação ARV V. Diretrizes e Requisitos Normativos ARV VI. Diretrizes e Sub-processos ARV VII. Protocolo do VerificAR ARV VIII. Declaração e Certificado ARV IX. Programas de Capacitação para o VerificAR

51 Global Product Stategy - GPS Perspectiva do Valor Expandir o alcance do Atuação Responsável na indústria e na cadeia de valor Perspectiva das Partes Interessadas Governo e Clientes Perspectiva dos Processos Dossiers de informação sobre as substâncias Capacitação laboratorial para testes em substâncias Perspectiva da Capacitação Treinamentos em avaliação de perigos e riscos de substâncias

52 PreparAR Perspectiva do Valor Expandir o alcance do Atuação Responsável na indústria e na cadeia de valor Perspectiva das Partes Interessadas Indústrias químicas de pequeno porte Perspectiva dos Processos Gestão da produção e de produtos Perspectiva da Capacitação Células Tecnologias de gestão e de produção Capacitação em saúde, segurança, meio ambiente e qualidade

53 Empresa Núcleos Empresa Empresa Empresa âncora Empresas Empresa Empresa Empresas Empresas Sinproquim Empresas Empresas

54 A escolha das Diretrizes do PreparAR Outras normas PreparAR Critérios da FNQ Normas ISO e 9000 Diretrizes Indicadores Ethos Códigos originais GRI BSC

55 Muito Obrigado!

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim A Estrutura do Atuação Responsável Elemento Visão Missão Valores Princípios Diretrizes

Leia mais

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe 4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais Abiquim São Paulo, 18 de outubro de 2007 O Programa Atuação

Leia mais

"Agenda ambiental positiva da indústria com a comunidade"

Agenda ambiental positiva da indústria com a comunidade "Agenda ambiental positiva da indústria com a comunidade" Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios da Abiquim XII Semana Fiesp-Ciesp de Meio Ambiente - 2010 São

Leia mais

O impacto ambiental da indústria química e o caminho até 2020

O impacto ambiental da indústria química e o caminho até 2020 O impacto ambiental da indústria química e o caminho até 2020 Marcelo Kós Diretor de Assuntos Industriais Abiquim Ciclo de Debates: A Indústria Química em 2020 Um Novo Rumo é Possível Dimensão Ambiental

Leia mais

Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Indústria Química

Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Indústria Química Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Indústria Química Marcelo Kós Diretor de Assuntos Industriais Abiquim CONFERÊNCIA INTERNACIONAL A INDÚSTRIA QUÍMICA EM 2020: UM NOVO RUMO É POSSÍVEL Dimensão Ambiental

Leia mais

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Empresa: Cristal Raidalva Rocha OBJETIVO Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos

Leia mais

REACH. A Nova Política de Controle de Substâncias Químicas da União Européia

REACH. A Nova Política de Controle de Substâncias Químicas da União Européia REACH A Nova Política de Controle de Substâncias Químicas da União Européia Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios APEX 07/04/2009 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: i.

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

- NBR e Ações da Indústria Química sobre o GHS e REACH -

- NBR e Ações da Indústria Química sobre o GHS e REACH - - NBR 14.725 e Ações da Indústria Química sobre o GHS e REACH - Gilson Spanemberg Seminário GHS - Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos & REACH - Registro, Avaliação, Autorização e Restrição para

Leia mais

O Programa Atuação Responsável e a performance da Indústria Química. COFIP ABC setembro 2018

O Programa Atuação Responsável e a performance da Indústria Química. COFIP ABC setembro 2018 O Programa Atuação Responsável e a performance da Indústria Química COFIP ABC setembro 2018 A missão da ABIQUIM é promover o aumento da competitividade e o desenvolvimento sustentável da indústria química

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS O INDICADORES ETHOS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão criada em 2000 pelo Instituto Ethos e que esta em sua terceira geração.

Leia mais

O desafio da transformação pela excelência em gestão

O desafio da transformação pela excelência em gestão O desafio da transformação pela excelência em gestão Conheça o novo Modelo de Excelência da Gestão - MEG 21ª Edição Gilmar Casagrande Sócio e Diretor da Casattos 23/08/2017 O PGQP, há 25 anos, mobiliza

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS O INDICADORES ETHOS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão criada em 2000 pelo Instituto Ethos e que esta em sua terceira geração.

Leia mais

Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental

Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental Lisiane Emilia Grams Metz Caxias do Sul, 31 de agosto de 2016 Endereço: Rua Gregório de Mattos, 111 - Estância Velha/RS Fone:

Leia mais

política de sustentabilidade política de SUSTENTABILIDADE

política de sustentabilidade política de SUSTENTABILIDADE política de SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO Esta Política representa o compromisso da Santos Brasil em enraizar a Sustentabilidade em sua cultura, nas decisões de negócio e em suas práticas diárias, servindo

Leia mais

TEMAS MATERIAIS RS 2016 Governança e Transparência Fevereiro 2017 Julho 2018

TEMAS MATERIAIS RS 2016 Governança e Transparência Fevereiro 2017 Julho 2018 Missão Prover energia e serviços com excelência e de forma sustentável, contribuindo para o bem-estar e o desenvolvimento da sociedade. TEMAS MATERIAIS RS 2016 Governança e Transparência Fevereiro 2017

Leia mais

Transição para o Novo Referencial NP EN ISO 22000:2018

Transição para o Novo Referencial NP EN ISO 22000:2018 WEBINAR Transição para o Novo Referencial NP EN ISO 22000:2018 Formadora: Teresa Fernandes (Eng.ª) Datas: 23/11/2018 (12h) Conteúdo Introdução Nova estrutura / Principais alterações Próximos Passos Questões

Leia mais

Normalização ambiental para produtos eletroeletrônicos

Normalização ambiental para produtos eletroeletrônicos Normalização ambiental para produtos eletroeletrônicos Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Campinas SP - Brasil Normalização e sustentabilidade

Leia mais

Norma Permanente. Página 1 de 8. Assunto: Engajamento com Partes Interessadas Código da Norma: NAD-42

Norma Permanente. Página 1 de 8. Assunto: Engajamento com Partes Interessadas Código da Norma: NAD-42 Página 1 de 8 Índice Resumo: Estabelece as diretrizes para o engajamento com partes interessadas. 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS

Leia mais

SECRETARIA DO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

SECRETARIA DO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SECRETARIA DO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Agenda Ambiental da Administração Pública A3P Secretaria Estadual do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Assessoria de Educação Ambiental VII Seminário

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL CONTEXTO GLOBALIZADO Avanço de atitudes pró-ativas das empresas que começaram a vislumbrar, através da introdução de mecanismos de gestão ambiental, oportunidades de mercado,

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos - ANVISA Escritório de Gestão de Processos III Congresso Paraibano da Qualidade IV Seminário em Busca da Excelência João Pessoa - PB 25/08/2010 Cenário Desejado Cumprimento efetivo de sua missão Agência

Leia mais

O Programa Atuação Responsável e a performance da Indústria Química

O Programa Atuação Responsável e a performance da Indústria Química O Programa Atuação Responsável e a performance da Indústria Química A missão da ABIQUIM é promover o aumento da competitividade e o desenvolvimento sustentável da indústria química instalada no Brasil..

Leia mais

Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE

Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE Departamento Municipal de Água e Esgotos DMAE Porto Alegre: 1,4 milhão de habitantes (censo 2010) 100% da população com Água 80% de Capacidade de Tratamento de Esgoto 1.939 servidores ativos Um conjunto

Leia mais

A Importância Estratégica dos ODS e Exemplos de Sucesso na Implementação. 20ª Semana do Meio Ambiente FIESP São Paulo, 7 de junho de 2018

A Importância Estratégica dos ODS e Exemplos de Sucesso na Implementação. 20ª Semana do Meio Ambiente FIESP São Paulo, 7 de junho de 2018 A Importância Estratégica dos ODS e Exemplos de Sucesso na Implementação 20ª Semana do Meio Ambiente FIESP São Paulo, 7 de junho de 2018 1 Agenda 2030 Oportunidades e Desafios Até 2030 o Brasil e outros

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

CURSO ONLINE ISO E MAPEAMENTO E PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

CURSO ONLINE ISO E MAPEAMENTO E PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS CURSO ONLINE ISO 14001 E MAPEAMENTO E PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS ISO e ISO 14.001 A Qualidade Total e o SGA Os conceitos de TQM - Total Quality Management, também devem agora convergir para a gestão

Leia mais

ESTRUTURA ISO :2015

ESTRUTURA ISO :2015 Sistema de Gestão Ambiental (SGA) ESTRUTURA ISO 14.001:2015 Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação Ambiental. Objetivos: Empresarias

Leia mais

Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado

Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado Agenda Sobre o GVces CiViA Contexto: ACV e o GVces Objetivos Atividades Cronograma Formas de adesão ciclo 2015 Evento de lançamento CiViA Centro de

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Convênio Nacional Petrobras-Sebrae: Inserção de MPEs na cadeia

Leia mais

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG O Atuação Responsável e o Modelo de Ecelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Ecelência da Gestão - COPEG Evolução do Atuação Responsável Visão no Ciclo de Vida Ênfase nas

Leia mais

9- Preparação e respostas à emergências

9- Preparação e respostas à emergências Módulo 3 Etapas para implantação de um sistema de gestão integrado: planos de emergência, implantação dos processos comuns a todas as normas, documentação, vantagens, dificuldades, decisão e exercícios

Leia mais

Gláucia Terreo Ponto Focal GRI no Brasil

Gláucia Terreo Ponto Focal GRI no Brasil Global Reporting Initiative Gláucia Terreo Ponto Focal GRI no Brasil Uma definição, uma analogia e uma pergunta: Sustentabilidade é suprir as necessidades da geração presente sem afetar a habilidade das

Leia mais

Aplicável a todas as áreas e macroprocessos, colaboradores, médicos, terceiros e fornecedores do Grupo Fleury ou que atuem em seu nome.

Aplicável a todas as áreas e macroprocessos, colaboradores, médicos, terceiros e fornecedores do Grupo Fleury ou que atuem em seu nome. 1. OBJETIVO A Política de Sustentabilidade ( Política ) do Grupo Fleury estabelece premissas e governança para a Sustentabilidade, fornecendo diretrizes que impulsionam o valor da sustentabilidade em todos

Leia mais

Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x

Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x São Bernardo de Campo SP, 04 de março de 2015 Contato: James Allen james@olab.com.br Neste relatório,

Leia mais

Compliance aplicado às cooperativas

Compliance aplicado às cooperativas Compliance aplicado às cooperativas A implantação do Programa na Unimed-BH Outubro de 2016 Unimed BH 45 anos Nossa Unimed bem cuidada para cuidar bem de você Unimed-BH 1ª operadora de plano de saúde de

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL RJI CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. RJI GESTÃO & INVESTIMENTOS LTDA. Número da Política: PRSA Data da Publicação: 2 de janeiro de 2019 Página

Leia mais

PRODIR PROcessO DIstRIbuIçãO ResPOnsável

PRODIR PROcessO DIstRIbuIçãO ResPOnsável PRODIR Processo Distribuição Responsável PRODIR Processo Distribuição Responsável criado pela cacd canadian association of chemicals distributors em 1987, implantado pela nacd national association of chemical

Leia mais

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Viviane Lanunce Paes Supervisora da Gestão Integrada - CAP Carlos Eduardo Tavares de Castro Superintendente

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C)

Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C) Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C) www.sinase.pt Márcio Rodrigues 29 de Maio de 2010 ÁREAS DE INTERVENÇÃO Áreas de Intervenção Qualidade, Ambiente,

Leia mais

Estratégia de sustentabilidade

Estratégia de sustentabilidade Estratégia de sustentabilidade Fusão I Itaú + Unibanco Visão I Itaú Unibanco Perguntas norteadoras I 2010 - Itaú Unibanco 1 2 3 O que é Performance Sustentável e qual a relação entre Performance Sustentável

Leia mais

CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Elevadas Taxas de Mortalidade FONTE: MTE - ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA RAIS MPS - ANUÁRIO ESTATÍSTICO

CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Elevadas Taxas de Mortalidade FONTE: MTE - ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA RAIS MPS - ANUÁRIO ESTATÍSTICO CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Elevadas Taxas de Mortalidade FONTE: MTE - ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA RAIS MPS - ANUÁRIO ESTATÍSTICO CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Carência de informações sobre riscos

Leia mais

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA Prêmio Nacional da Qualidade. Jonas Lucio Maia

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA Prêmio Nacional da Qualidade. Jonas Lucio Maia CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA 2006 Prêmio Nacional da Qualidade Jonas Lucio Maia Agenda Introdução Fundamentos da excelência Modelo de excelência Detalhamento dos critérios Pontuação Introdução Modelo sistêmico

Leia mais

Portaria nº 966 de 26 de março de O Vice-Reitor da Universidade Federal de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Portaria nº 966 de 26 de março de O Vice-Reitor da Universidade Federal de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Portaria nº 966 de 26 de março de 2018. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos da Universidade Federal de são Paulo - Unifesp O Vice-Reitor da, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Considerando

Leia mais

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO A Vida Tratada Com Respeito

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO A Vida Tratada Com Respeito FOLHA DE CONTROLE Título Política de Sustentabilidade Socioambiental Número de versão 1 Status Lançamento Autoria Assessoria do Gabinete da Presidência Pré-aprovação Diretoria Colegiada Data de aprovação

Leia mais

1.3 Consequências da adoção dos conceitos e premissas da Gestão da Qualidade; UNIDADE II? GURUS DA GESTÃO DA QUALIDADE E SUAS LINHAS DE PENSAMENTO

1.3 Consequências da adoção dos conceitos e premissas da Gestão da Qualidade; UNIDADE II? GURUS DA GESTÃO DA QUALIDADE E SUAS LINHAS DE PENSAMENTO Página: 1/5 GESTÃO DA QUALIDADE EMENTA Visão histórica da evolução da gestão empresarial e as contribuições das diversas escolas de administração para a gestão da qualidade As idéias, fundamentos e metodologias

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA A SUSTENTABILIDADE PROPOSTA DE VALOR. Correlações

ESTRATÉGIAS PARA A SUSTENTABILIDADE PROPOSTA DE VALOR. Correlações 93 ESTRATÉGIAS PARA A SUSTENTABILIDADE 7.4.2 - Determinação da direção de uma organização rumo à responsabilidade social Estratégia e Análise G4-1 e G4-2 PROPOSTA DE VALOR 4.2 Accountability, 5.2 Reconhecimento

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2017

PLANO DE ATIVIDADES 2017 PLANO DE ATIVIDADES 2017 PE1 Reforçar a participação ativa na discussão, implementação e avaliação de planos, políticas e legislação ambientais, promovendo a partilha de informação e conhecimento com os

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI Aprovação Rafael Bettini Gomes; Jailson Galvão; Christiano de Freitas POL-QSMS - 003 Rev:. 02 1. OBJETIVO Definir e estabelecer a Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS GESTÃO SUSTENTÁVEL

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS GESTÃO SUSTENTÁVEL POR QUE O ETHOS Os problemas éticos, sociais e ambientais são um enorme desafio para a sociedade. As empresas têm um papel-chave na necessária

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

Treinamento e-learning. Interpretação e implantação da ISO 9001:2015

Treinamento e-learning. Interpretação e implantação da ISO 9001:2015 Treinamento e-learning Interpretação e implantação da ISO 9001:2015 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa da

Leia mais

Global Reporting Initiative

Global Reporting Initiative Global Reporting Initiative Catarina Bronstein Ponto Focal GRI Brasil Relatório Pessoal: AQUECIMENTO!!!!!!! Elementos Estruturantes: 1. Escreva sua missão de vida: 2. Quais são suas partes interessadas?

Leia mais

Sistema CFQ/CRQ Planejamento Estratégico INOVAÇÃO & INTEGRAÇÃO

Sistema CFQ/CRQ Planejamento Estratégico INOVAÇÃO & INTEGRAÇÃO Sistema CFQ/CRQ Planejamento Estratégico 2018-2028 INOVAÇÃO & INTEGRAÇÃO A importância do pensar e agir estrategicamente nos dias atuais 1. Ter uma unica gestão estratégica 2. Ter um direcionamento estratégico

Leia mais

Iniciativas Empresariais

Iniciativas Empresariais Iniciativas Empresariais Desenvolvimento Local & Grandes Empreendimentos Tendências em Serviços Ecossistêmicos e GHG Protocol Empresas pelo Clima Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor 2016 Ciclo

Leia mais

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho O novo

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

METODOLOGIA DE CLASSIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

METODOLOGIA DE CLASSIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL METODOLOGIA DE CLASSIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL VERSÃO DE 05/06/2017 PROGRAMA GESTÃO AMBIENTAL NO PÓLO MOVELEIRO DE ARAPONGAS ECOSELO METODOLOGIA E ORIENTAÇÃO VERSÃO 20170610 (VERSÃO:

Leia mais

Norma ISO Prof. Luciel H de Oliveira

Norma ISO Prof. Luciel H de Oliveira Norma ISO 26000 Prof. Luciel H de Oliveira luciel@uol.com.br ISO - International Organization for Standardization Criada em 1946 para promover e desenvolver normas e atividades que facilitem o comércio

Leia mais

AüISO 9001:2015. Uma norma para um contexto mais complexo e dinâmico LUIZ NASCIMENTO

AüISO 9001:2015. Uma norma para um contexto mais complexo e dinâmico LUIZ NASCIMENTO AüISO 9001:2015 Uma norma para um contexto mais complexo e dinâmico LUIZ NASCIMENTO Adotar um sistema de gestão da qualidade é uma decisão estratégica! 2 A estratégia precisa permear a organização Alta

Leia mais

Plataforma Nacional de Diálogo e Promoção do uso de Fertilizantes. IIAM, 15 de Setembro de 2014

Plataforma Nacional de Diálogo e Promoção do uso de Fertilizantes. IIAM, 15 de Setembro de 2014 Plataforma Nacional de Diálogo e Promoção do uso de Fertilizantes IIAM, 15 de Setembro de 2014 1. Antecedentes O MINAG desenvolveu o Programa Nacional e o Regulamento de Gestão de Fertilizantes Aprovados

Leia mais

Política. Página 1 de 6. Assunto: Política de Sustentabilidade Código da Norma: NSU-1. Área responsável: Gerência de Sustentabilidade e Comunicação

Política. Página 1 de 6. Assunto: Política de Sustentabilidade Código da Norma: NSU-1. Área responsável: Gerência de Sustentabilidade e Comunicação Página 1 de 6 Índice Resumo: Estabelece os princípios para o desenvolvimento sustentável das atividades da empresa.. 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. Desenvolvimento Sustentável 3.2. Responsabilidade

Leia mais

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade Objetivo do programa Desenvolvimento competitivo e sustentável Produtividade Promoção de parcerias estratégicas Valor agregado Ganho de qualidade Contextualização Os 3 Pilares para o desenvolvimento da

Leia mais

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE 1. CONCEITO Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços Praticar a responsabilidade social defendendo a sociedade e assumindo compromisso com o meio ambiente SGI CREF13 BA/SE Desenvolver

Leia mais

IMPACTO DE UMA POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO NA REGULAÇÃO ECONÔMICA. Antônio Fonseca Subprocurador Geral da República

IMPACTO DE UMA POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO NA REGULAÇÃO ECONÔMICA. Antônio Fonseca Subprocurador Geral da República IMPACTO DE UMA POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO NA REGULAÇÃO ECONÔMICA Antônio Fonseca Subprocurador Geral da República Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil São Paulo, 21/08/2014 1 Impacto de uma política

Leia mais

Agenda 2030 Brasil Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Alinhamento de Políticas Públicas aos ODS

Agenda 2030 Brasil Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Alinhamento de Políticas Públicas aos ODS Agenda 2030 Brasil Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Alinhamento de Políticas Públicas aos ODS Construção da Agenda 2030 2012 2015 2000 ODM Agenda 2030 Brasil A Agenda 2030 visa ao alcance

Leia mais

Unidade 4 Sistemas de Gestão Ambiental. Prof a. Dr a. Luciana Leite

Unidade 4 Sistemas de Gestão Ambiental. Prof a. Dr a. Luciana Leite Unidade 4 Sistemas de Gestão Ambiental Prof a. Dr a. Luciana Leite Semana que vem 06/05 Apresentação da Nat.Genius www.natgenius.com.br Nesta Unidade... 4.1 Benefícios da Gestão Ambiental para as empresas

Leia mais

Organização da Disciplina. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 1. Organização da Aula. Gestão Ambiental. Contextualização

Organização da Disciplina. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 1. Organização da Aula. Gestão Ambiental. Contextualização Auditoria em Certificação Ambiental Aula 1 Prof. Luiz Antonio Forte Organização da Disciplina Aula 1 Sistemas de gestão, conceitos e diretrizes gerais Aula 2 Auditorias ambientais, critérios de qualificação

Leia mais

Global Reporting Initiative

Global Reporting Initiative Global Reporting Initiative Catarina Bronstein Ponto Focal GRI Brasil www.globalreporting.org Relatório Pessoal: AQUECIMENTO!!!!!!! Elementos Estruturantes: 1. Escreva sua missão de vida: 2. Quais são

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19) /

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19) / MESTRADO ACADÊMICO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E QUALIDADE DE VIDA CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE São João da Boa Vista SP Tel./fax (0xx19)-3623-3022 / 0800-173022 ISO

Leia mais

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização NP 4469-1 Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização Sonia Pires APEE soniapires@apee.pt Relação com a ISO 26000 Segue o mesmo espírito:

Leia mais

SeminárioIndicadoresde Sustentabilidade: mecanismo para melhorar a performance da empresa FIESP, 11/6/2015

SeminárioIndicadoresde Sustentabilidade: mecanismo para melhorar a performance da empresa FIESP, 11/6/2015 SeminárioIndicadoresde Sustentabilidade: mecanismo para melhorar a performance da empresa FIESP, 11/6/2015 Sustentabilidade na BM&FBOVESPA 1 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público A BM&FBOVESPA

Leia mais

Gerencial Industrial ISO 9000

Gerencial Industrial ISO 9000 Gerencial Industrial ISO 9000 Objetivo: TER UMA VISÃO GERAL DO UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE: PADRÃO ISO 9000 Qualidade de Processo Qualidade do produto não se atinge de forma espontânea. A qualidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA/GRETNIGEP- ` )t 12015

NOTA TÉCNICA/GRETNIGEP- ` )t 12015 Correios NOTA TÉCNICA/GRETNIGEP- ` )t 12015 DESTINO: Vice-Presidência de Gestão de Pessoas ASSUNTO: Programa Diversidade, Inclusão e Direitos Humanos Subtítulo 1 Diversidade, Inclusão e Direitos Humanos

Leia mais

SOCIOAMBIENTAL CODIGO POL-0001

SOCIOAMBIENTAL CODIGO POL-0001 SOCIOAMBIENTAL 2/8 SUMÁRIO PARTE I - IDENTIFICAÇÃO 3 1. OBJETIVO 3 2. ABRANGÊNCIA 3 3. ALÇADA DE APROVAÇÃO 3 4. RESUMO DA REVISÃO 3 5. GLOSSÁRIO 3 PARTE II CONTEÚDO 5 1. INTRODUÇÃO 5 2. DIRETRIZES 5 3/8

Leia mais

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL Planejamento Estratégico 2007/2009 COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL NEGÓCIO Disseminar o Modelo de Excelência em Gestão Fornecedores PGQP

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED!

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! CONCEITO O Inova Unimed é um movimento de renovação que visa a modernização estrutural, operacional e administrativa da Unimed Vale do Aço. OBJETIVOS SATISFAZER

Leia mais

SOCIOAMBIENTAL VERSÃO 01 CÓDIGO PC-016. As informações contidas neste documento são de propriedade do C6 Bank

SOCIOAMBIENTAL VERSÃO 01 CÓDIGO PC-016. As informações contidas neste documento são de propriedade do C6 Bank SOCIOAMBIENTAL VERSÃO 01 CÓDIGO PC-016 06.07.2018 As informações contidas neste documento são de propriedade do C6 Bank SUMÁRIO PARTE I - IDENTIFICAÇÃO 2 1. OBJETIVO 2 2. ABRANGÊNCIA 2 3. ALÇADA DE APROVAÇÃO

Leia mais

Seminário APCER A Importância da Certificação no Sector Gráfico

Seminário APCER A Importância da Certificação no Sector Gráfico Seminário APCER A Importância da Certificação no Sector Gráfico Porto, 2 de Junho de 2009 Lidergraf/Andrea Carneiro Fonte: EIA elaborado por SIA Agenda 1. Apresentação da Lidergraf 2. Certificação do Sistema

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PO 900/03

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PO 900/03 MANUAL DE ASSUNTOS GERAIS PO 900/03 ASSUNTO: SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 92, de 23/11/2017. Deliberação CONSAD nº 32, de 27/11/2017. VIGÊNCIA: 27/11/2017 POLÍTICA DE

Leia mais

Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC MARCO DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO - QUALIDADE E AGILIDADE DOS TRIBUNAIS DE CONTAS DO BRASIL

Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC MARCO DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO - QUALIDADE E AGILIDADE DOS TRIBUNAIS DE CONTAS DO BRASIL Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC MARCO DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO - QUALIDADE E AGILIDADE DOS TRIBUNAIS DE CONTAS DO BRASIL Antecedentes Projeto de Avaliação da Qualidade e Agilidade do Controle

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

O Programa Atuação Responsável Gerenciamento do solo e sub-solo nas instalações industriais químicas

O Programa Atuação Responsável Gerenciamento do solo e sub-solo nas instalações industriais químicas O Programa Atuação Responsável Gerenciamento do solo e sub-solo nas instalações industriais químicas VI SEMINÁRIO DE POLÍTICAS DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SOLO E DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Centro Brasileiro

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS. São Paulo, 19 de outubro de 2017

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS. São Paulo, 19 de outubro de 2017 PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS São Paulo, 19 de outubro de 2017 LINHA DO TEMPO 2011 1992 2002 2012 2015 2003 LINHA DO TEMPO 1992 2002 2003 Consumo Sustentável é o uso de bens e serviços que atenda às

Leia mais

CHECK-LIST ISO 14001:

CHECK-LIST ISO 14001: Data da Auditoria: Nome da empresa Auditada: Auditores: Auditados: Como usar este documento: Não é obrigatório o uso de um check-list para o Sistema de Gestão. O Check-list é um guia que pode ser usado

Leia mais

1. Apresentação. Acesse: Sistemas de Gestão Todos os direitos reservados 2

1. Apresentação. Acesse:  Sistemas de Gestão Todos os direitos reservados 2 Sistemas de Gestão Índice 1. Apresentação 2 2. Definição 3 3. Como as organizações desenvolvem seu Sistema de Gestão 4 4. Estrutura do Sistema de Gestão 5 5. Características de uma prática de gestão 9

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL DE CONTROLE, PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO DESVIO DE PRODUTOS QUÍMICOS. 23 de abril de 2013

WORKSHOP INTERNACIONAL DE CONTROLE, PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO DESVIO DE PRODUTOS QUÍMICOS. 23 de abril de 2013 WORKSHOP INTERNACIONAL DE CONTROLE, PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO DESVIO DE PRODUTOS QUÍMICOS 23 de abril de 2013 Responsabilidade do setor privado Certificação PRODIR Códigos de Práticas Gerenciais do Distribuidor

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DA SUSTENTABILIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DA SUSTENTABILIDADE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DA SUSTENTABILIDADE 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. O novo contexto de negócios (48 horas) 2. Economia de Baixo Carbono (44 horas) 3. Governança, Responsabilidade Corporativa

Leia mais

Aplicável a todas as áreas e macroprocessos, colaboradores, médicos, terceiros e fornecedores do Grupo Fleury ou que atuem em seu nome.

Aplicável a todas as áreas e macroprocessos, colaboradores, médicos, terceiros e fornecedores do Grupo Fleury ou que atuem em seu nome. 1. OBJETIVO A Política de Sustentabilidade ( Política ) do Grupo Fleury estabelece premissas e governança para a gestão de Sustentabilidade, fornecendo diretrizes que impulsionam o valor da sustentabilidade

Leia mais

Questões sobre a IS014001

Questões sobre a IS014001 Professor: Carlos William Curso/ Disciplina/Período: Administração/ Gestão Ambiental/ 2º ano Aluno: Lázaro Santos da Silva Questões sobre a IS014001 1. A NBR ISO 14001:2004 foi concebida para estabelecer

Leia mais

Unidade II ADMNISTRAÇÃO INTEGRADA. Prof. Flavio Martin

Unidade II ADMNISTRAÇÃO INTEGRADA. Prof. Flavio Martin Unidade II ADMNISTRAÇÃO INTEGRADA Prof. Flavio Martin Objetivos da unidade Importância da adoção de mecanismos de padronização. Conhecimento das normas dos sistemas de gestão. família ISO 9000 família

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO?

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS FATORES DE PRODUÇÃO, MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, PROCESSOS E RECURSOS HUMANOS, VOLTADOS PARA A SOBREVIVÊNCIA DA EMPRESA, ATRAVÉS DA BUSCA CONSTANTE

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL Requisitos gerais, política para SSO, identificação de perigos, análise de riscos, determinação de controles. CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE

Leia mais

O papel do INMETRO e os Requisitos de Avaliação da Conformidade para a Produção Integrada Agropecuária PI Brasil

O papel do INMETRO e os Requisitos de Avaliação da Conformidade para a Produção Integrada Agropecuária PI Brasil O papel do INMETRO e os Requisitos de Avaliação da Conformidade para a Produção Integrada Agropecuária PI Brasil Aline Cristine Garcia de Oliveira Pesquisadora-Tecnologista do Inmetro Agenda Sobre o Inmetro

Leia mais

GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RISCOS CORPORATIVOS, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE. Histórico de Revisões. Elaboração do Documento.

GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RISCOS CORPORATIVOS, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE. Histórico de Revisões. Elaboração do Documento. Histórico de Revisões Versão: 01 Data de Revisão: Histórico: Elaboração do Documento. Índice I. Objetivo... 1 II. Abrangência... 1 III. Documentação Complementar... 1 IV. Conceitos e Siglas... 2 V. Responsabilidades...

Leia mais

Profª Mônica Suely G. de Araujo

Profª Mônica Suely G. de Araujo Profª Mônica Suely G. de Araujo Desempenho Características Confiabilidade Reputação 2 1 Durabilidade Utilidade Resposta Estética 3 Projeto Conformidade Capabi lidade Atendi mento ao Cliente Cultura da

Leia mais