os r.'!ot!vqs QUE LEV AM i'~'iulhfres ID05..A.S A PROCURA.R A HiDROGiNAs-nCA COMQcATiViDADEFlsiCA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "os r.'!ot!vqs QUE LEV AM i'~'iulhfres ID05..A.S A PROCURA.R A HiDROGiNAs-nCA COMQcATiViDADEFlsiCA"

Transcrição

1 Patrici.a 8eatriz Trindad.e os r.'!ot!vqs QUE LEV AM i'~'iulhfres ID05..A.S A PROCURA.R A HiDROGiNAs-nCA COMQcATiViDADEFlsiCA Trabalho de conclusao de curso apresentado ad Curso de Educa,.ao Ffsiea da Faculdade de Ciencias Biologicas e Salide da Universidade Tuiuti do Parana, Licenciatura Plena com Aprofundamento em Portatioros d,,. Neoossidades- Especiais, sob a oriemayao da Professor Me"tre Marcia Regina inairer. Curitiba 2QOl

2 2 DedicD trabalho ajunase"principalmoote, a todas as minhas a minbafamflia.

3 3 UN!VERSIDADE TUIUTI DO P.t.J~_h.N.t.. CURSODE EDUCAC;Ao FislCA FACULDADEDEGfENCfASBfOLOGfCAS EDASAUDE TERMO DE APROVM;PD OS MOTIVOS QUE LEVAM MULHERES idosas A PROCURAR A H1DI'IDGJNASTICA COMO'ATIVIDAD.~FfSJCA Elaborado por: PA.TRiCIA BEh.TRJZ TRJNDADE Para analise e aprovac;:ao da obtenyao do grau de licenciamento em Educac;:ao Fisica, aprorundamento em Portadores, da Nacess:idades ESpaciais. peja banca examinadora~ Professur Mestre- Mamia- Regina- Waiter- Orientadora Professor da disciplina de' TCC Curitiba

4 4 SUMARIO 1. INTRODUQAo Justificativa Prcblama Q Objetivos Objativa Ge.ral Q Objetivos Especificos REVls.AO DE L1TERATURA A construyao da velhice como problema social Tipes de. anvajheceimema Personalidade e Estilo de Vida na fase do Envelhecimento Q que e.pelscnalidada? Modelos de Tra90s Imagans de Envelhecimento Trabalho e Aposentadoria 16 2A.2 Vfuvez Casamento e Sexualidade Q Papal da Familia Morte EnvGlhecimtb'1te Humane; Dirajtes. a PeJitic.aa - Algumas. Considera<;6.as.. :w 2.8 Hidroginastica Propriedade.s. Fisicaada Agua Aplica<;oes da Hidrog,inastica \lantage.ns.da Hidroginastica 2;3 3 METODOLOGIA Tipo de Pesquisa Populayac Amostra InsirumantQ Coleta de dados Limitayee.s APRESENTAc,ii.o E DISCUssAo DOS RESULT.t..DOS CONCLUSOES E SUGESTOES APENDICES REfERENC1AS BlBUOGAAFICAS 41

5 5 L!STA DE GRAF!ro~ GAAFICO 1 - A'1alise dos motivos que lej,tem as mulheres idosas e procurer e, hidroginasnca"" """"" ", '"'''' 26, GAAFtCOsozinhas" " " GAAFICO casa", 2 das atunas que, me-ram.27 3 A.naJise des elunas que trebelhem fore de """"""""""",,28 GAAFICO 4 - A.naJisedcs medos que elas pos.suam em relegao eo envelhegimento",, ",,28 GAAFICO 5 - Analise de como elas encarem 0 processo naturel do envelhecimento,, ",,29 GRP.FICO 6 - An8!ise de melncm dos aspectos, psicc!6gicos tais como:. bern estar emogio-net, diminuiqii:o-daoansiedade e -depressao, aument-o,na (notivac;:8oce,auto-estima com a pratica regula;: dao hidroginastica-"""" """"""""""""'" """""""""""""" '" 30 GRAF!CO 7 - Anajjs~ do preconceito sociai somdo corn S' ctregs'ds' ds' terceircr idade",,,,,,, 31 GAAFICO 8 Analise, do relacionemento entre as alunes de hidwginastica,, GAA,HCO- 9 - Analise- des eneontros de gropo de-!lidroginsstiea fora de ambiente'de academia """""''',,,,'' """"""""""""""""""""""" '" 32 GAAFICO 10 -.A.n8!ise de opiniao sobre e re!e98o entre a etividede fisice e e inlegrat;bo-social,d-oidoso" "'" " "',,"'" 32 GAA-RCO' i 1 - Amilise' de:- opirnao, sobr6- a r6ta~ae' e'f\tre- a atividede c fisica e a depressao psicol6gica,, """"" "'''''''''''''''' 33

6 6 RESUMO OS MOTIVOS QUE LEVAM MULHERES IDOSAS A PROCURAR A l*~-rqg1nasticacqmqanvidaqe"ffsica Autor: Patricia Beatriz Trindade Orientador: Ff.OfaK,of Mestra Marcia Regina,INalter Curso de Educayao Fisica U"iversidam'l T uiuti dq P.:Irana o prop6sito deste estudo foi de analisar 0 perfil de mulheres idosas praticantes de hidroginastica e observar os motivos que as levam a procurar esta atividade, alem de observar aspectos psicol6gicos e sociais. 0 estudo utilizou 18 mulheres com idades entre 60 e 78 anos praticantes de hidroginastica de urna academia de porte medio da cidade de Curitiba. Para isso foram realizadas onze perguntas fechadas sobre os aspectos psicol6gicos e socia is. Atraves dos dados obtidos, pod em os observar que as mulheres idosas procuram a hidroginastica, principalmente, por recomendayao medica. Alem, de considerarem a atividade fisica como fator crucial na melhora de aspectos psicol6gicos e socia is, tais como: depressao, auto-estima, socializayao e relacionamentos. Palavras chaves: envelhecimento, fatores psicol6gicos e fatores socia is.

7 7 OS MOTIVOS QUE LEVAM MULHERES IDOSAS A PROCURAR A HIDRCGJtMsTICA COMQ.AJlllIDAnE;.f~CA 1.1 J ustificativa Todo organismo vivo possui um tempo limitado de vida, 0 homem ccmo tal nac foge a isto. Ele nasce, cresce, se reproduz e mcrre. Entretanto, 0 tempo entre a reprodu~o e a morte esta cada vez maior devido ao aumento na qualidade de vida do ser humano. Segundo Stuart-Hamiltcn (2002). foi somente nos ultimos cem anos que 0 envelhecimentc se tornou alg.o comum. Ncs tempos pre-hist6ricos a velhice era extrema mente rara e. mesmo no seculo XVII, apenas 1%da populayao vivia mais de 65 anos. o Brasil, assim ccmo Icdc 0 mundo, esla envelhecendc. Em 2025 estima-se que serac 32 milh6es de idosos (Lopes, Farias e Souza, 1997}.Mudando, assim, a cara do pais com uma popula~o mais velha e com maior expectativa de vida. Varios fatores norteiam 0 envelhecimento, nesta fase ha muitas perdas, tanto fisicas, psicol6gicas e sociais. Entao, e necessaric adaptar-se as mudan9<ls biopsiccsociais que occrrem nesta fase da vida. Inumeros aspectos sao melhorados com 0 exercicic flsico como a postura, for9<l, flexibilidade, equilibrio, aten~o, coordenac;ao e fatores psicosociais. Este fator Ii! fortalecido principal mente em trabalhos em grupos, no qual 0 individuo fortalece sua personalidade, melhorando sua auto-estima, per meio de lages de amizades e encentros seciais. Desde que nascemes a agua nes atrai, ne meic liquido.0 hcmem se sente bem. Isto pcde ser explicado pelas nove meses que passamos denlro da barriga de nossas

8 8 maes, na tranqoilidade da piacenta em meio ao liquido amni6tico, La nos sentimos seguros e confortaveis, Segundo Farias (1994), 0 meio liquido (amni6tico) e 0 veio motor das ac;:6es comportamentais do futuro sec Isto permite entender a seguranc;;a e 0 conforto que 0 feto usufrui na barriga da mae, Na sua vida 0 homem se obriga a lidar com a agua, para trabalhar, para lutar, para brincar. A agua serve para beber, para iavar, para banhar, para plantar e para curar. p..gua como terapia e fonte de vida. Com. 0 tempo encontram-se varies p"...s.sibilidades para serem realizadas como para sobrevivelncia, locomoc;:ao, higiene e lazer, A hidroginastica, sendo uma ginastica realizada dentro da agua sem a necessidade de grandes mudanyas de posic;:6es e imersao, e muito freqoentada por pessoas idosas, principal mente devido as suas propriedades fisicas como densidade, pressao hidrostatica, f1utuac;ao, etc, Na agua a pessoa se sente mais leve e capaz de produzir movimentos, alem do baixo impacto que possuem os movimentos na agua, Oesta forma a escolha do tema em questao vem de encontro com a possibilidade de pesquisar denlro da faixa de desenvolvimento denominada velhice ou terceira ida de, entre as mulheres, as vantagens que a hidroginastica pode proporcionar nos aspectos fisicos, socia is e emocionais. 1,2PROBLEMA Quais os motivos que levam mulheres idosas a procurar a hidroginastica como atividade fisica?

9 9 UOBJETIVOS ;.3.1 Objetivo Geral investigar os motivos para a pratica de hidroginastica por mulheres idosas como atividade fisica em uma academia de natayao da cidade de Curitiba; Objetivos Especffi'cos o Trac;ar 0 perfii de mulheres idosas que freqiientam a hidroginastica; Observar e investigar as caracteristicas de muiheres idosas que freqiientam a hidroginastica; identificar os aspectos sociais de mulheres idosas que freqiientam a hidroginastica; identificar os aspectos psicol6gicos de mulheres idosas que freqiientam a hidroginastica;

10 10 2 REVISAo DE LlTERATURA 2.1 A constru~o da velhice como problema social problema da velhice como fator social marcado pelo deficit fisico e pela perda de fun<;:oes socia is e oriunda do final do securo XIX, segundo Lopes (2000) citando Foucault (1995), marcando 0 surgimento do Estado Moderno. Citando Lima (1999, p.5) Lopes (2000) diz que, "ao lado da variabilidade relativa a periodizayao das fases da vida em diversas sociedades e diferentes culturas, observar a transformayao de novas formas de pensar 0 cicio da vida atraves da historia revela 0 quanto esta periodiza<;:ao se torna significativa nas sociedades ocidentais modernas". Segundo Stuar-Hamilton (2002), 0 envelhecer na~ e exclusivo dos tempos modern os, pon9m, apenas nos (dtimos cem anos que se tornou algo comum. "Calculase que nos tempos pre-historicos a velhice era extremamente rara e, mesmo no seculo XVII, provavelmente 1% da populayao vivia mais de 65 anos. No seculo XIX essa propor<;:ao subiu para aproximadamente 4% (Cowgill, 1970). Atualmente, na Gra- Bretanha, cerca de 11 miihoes de pessoas, OU 18% da popula<;:ao, estao acima da idade da aposentadoria (HMSO, 1998j. Esses numeros devem subir e atingir 14 milhoes em 2040". Os criterios biologicos e estigmas fisicos geralmente sao utilizados pra classificayao dos individuos perante a sociedade. Fundamentados pelas instituiyoes socia is para sanar suas necessidades seguindo criterios juridicamente constituidos, sendo 0 sistema escolar, 0 medico e os de proteyao social os mais estudados, segundo Foucault (1994; 1995) citado por Lopes, Farias e Souza (2000).

11 11 A medida da idade nos demonstra uma necessidade social, ciassificando, assim, um "curso de vida" 0 qual se refere as maneiras como a socieaade releva as passagens socia is e pessoais do individuo, construindo a personalidade e a traretoria de vida da pessoa, com base em acontecimentos marcados e diferenciaaos pel a idade. (Hagestad, 1990, apud Neri, 1995, p.30, citado por Lopes, Farias e Souza, 2000). Segundo Lopes, Farias e Souza (2000), assim, as categ.orias etarias sao fortemente relacionadas com 0 nascimento dos Estados modernos. Ela diz que 0 atributo idadeganhou mais importancia do que outros atributos como parentesco, posic;:ao social ou lugar de orig,em. Estando presente do momento do nascimento ate a morte, envoivendo, assim, toda a sociedade, tanto da instituic;:ao familiar quanto das institui96es politicas. Entretanto, a velhice nao deve ser analisada somente do ponto de vista biologico, outros aspectos, como culturais, historicos e psi qui cos, devem ser levados em considera9ao. Ou seja, "em vez de apenas considerarmos a velhice da perspectiva biologica ou legal, devemos procurar entender tambem a relac;:ao entre a representac;:ao da velhice dominante em nossa sociedade e aquela construida pelas pessoas em seu cotidiano" (Lopes, Farias e Souza, 2000, citando Barros, 1995). Para Debert (1994) citado por Lopes, Farias e Souza (2000), a velhice como problema social nao pode ser entendida apenas como resuitado do crescimento do numero de pessoas idosas, entretanto. a estrutura demografica do pais vem passando por transforma90es demograficas, principalmente nas ultimas cinco decadas, devido as modifica90es ocorridas nas taxas de mortalidade e fecundidade. Em Brasil apresentoll lima uniformidade em sua popula980 de lovens, adultos e idosos. A partir de 1980, os j.ovens passaram a possuir um peso men or na

12 12 sociedade. devido a queda no indice de fecundidade, Por outro iado, 0 aumento da qualidade de vida e, conseqoentemente, da longevidade vem auxiliando no aumento de idosos. (Silva, 1999, citado por Lopes, Farias e Souza, 2000). Segundo pesquisa de Barros (1995) citado por Lopes, Farias e Souza (2000), a partir de 1990, inicia-se uma mudanc;:a gradativa na vida do idoso, 0 qual vive com menos constrangimentos e com mais alternativas. Assim, cabe especial mente ao governo intensificar as demandas especificas dessa populac;:ao, devido ao aumento no processo de envelhecimento brasileiro. 22 Tipos de envelhecimento Segundo Stuart-Hamilton (2002), ha varias formas de descrever a idade de ums pessoa: Efeitos distais de envelhecimento:. acontecimentos relativamente distanies que afetam 0 envelhecimento, por exemplo, falta de mobilidade devido a poiiomielite infantil; Efeitos proxima is de envelhecimento: acontecimentos mais recentes que afetam o envelhecimento, como falta de mobilidade devido a uma perna quebrada; Envelhecimento universal 01.1 prima rio: aqueles que ocorrem a todas as pessoas mais vel has, por exemplo, pele enrugada; ~ Envelhecimento probabilistico ou secundario: sao acontecimentos provaveis ao envelhecimento, mas nao S30 universais, por exemplo, a artrite;

13 que se refere a deteriora930 fisica rapida e acentuada anterior a morte. Outra forma de mediyao a pela idade cronologica, entretanto ela a uma medida arbitraria, pois, por exemplo, ela tern pouca cerrela930 cern as mudanc;as fisicas. Uma pessoa de 70 anos pode apresentar urn estereotipo de pessoas vel has, como pele enrugada, cabelo grisaiho, etc., entretanto hoi pessoas que se cuidam, "bern censerjadas", que nad apresentam essas caracteristicas. E podemos nos deparar com adultos jovens "prematuramente envelhecidos".. Mais uma medida utilizada e a idade social a qual refere-se a expectativa da sociedade perante a pessoa numa determinada idade. As sociedades modernas industrializadas vem a terceira idade cemo uma apoea de relaxarnento forc;ado. Portanto, espera-se que as pessoas com mais de 60 anos tenham um comportamento mais sossegado, por isso, normal mente a velhice chega junto com a aposentadoria. Geralmente considera-se que a idade cronologiea que comeya a terceira idade vai dos anos (Stuart-Hamilton, 2002), ou sei.a, esta a a idade limiar ou iclade inicio. Segundo Stuart-Hamilton, independente como se a medido 0 enveihecimento, ele existe e pode ser tanto fisice como psicol6gico, os quais sao medidos pela idade bioiogiea e pela idade psicelogica, respectivamente. 2.3 Personalidade e Estiio de Vida na fase do Enveihecimento que a Personalidade? Basicamente a personalidade e "as caracteristicas individuais de comportamento ql.le, em sua organizat;:ao ou configuracao, sao responsaveis pelo ajustamento impar

14 14 do individuo ao seu ambiente total" (Hilgard, Atkinson e Atkinson, 1979, citado por Stuart-Hamilton). A personahdade a difich de ser mensurada, po is para a Slfa forma920 ha varias caracteristicas que entre si se confrontam, ou seja, a maioria das pessoas POSSlli uma personalidade intermediaria e apresenta um misto de comportamentos bons e ruins. Segundo Stuart-hamilton (2002). "0 melhor qua podemos esparar e encontrar diferen9<ls qualitativas entre as personalidades dos individuos e, sempre que possivel, medi-ias em comparayao com comportamentos da "vida real"". 2.3,2 Modelos de Tra~s "0 trayo de personalidade e definido como uma caracteristica duradoura da personalidade da pessos que supomos ser a base de seu comportamento' (Stuart- Hamilton, 2002). Por exemp!o, alguem nos diz que e uma pessoa nervos<!, podemos predizer como e!a vai se comportar perante uma situay.ao de tomada de decisao importante. ou seja. imagine-se que 0 tra~ "nervosismo" fara a passoa apresenter um padrao de comportamento caracteristico. Segundo Stuart-Hamilton, a mais conhecida pesquisa sobre mensuray.ao de modelos de trayo {) de Eysenck de extroversao - introversao, neurotismo e psicotismo. Ele afirma que a personaiidade e determinada pelo grau de manifestac;:ao destes tres fatores. e Extroversao - introversao (E): mede 0 grau em que a pessoa e expansiva e assertive. Alguam que tende para este fator a extrovertido e. q.uanto mais possui o atributo, mais extrovertido sera. Ou, inversamente. alguem que a timido, reservado e. quanto mais possui 0 atributo, mais introvertido sera. Entretanto, as

15 15 pessoas nunca sao puramente extrovertidas ou puramente introvertidas, elas possuem aspectos de ambos os fatores, em bora sendo de um tipo ou de outro; Psicotismo (P): mede 0 grau que a pessoa e emocionalmente "fria" e ;'antisocial"; e Neurotismo (N): mede 0 grau que a pessoa e ansiosa e emocionalmente instavel. Altas medidas de Pen nao sig.nificam que a pessoa e mental mente perturbada, mas, sob estresse, provavelmente apresentara caracterfsticas psicoticas ou neuroticas. Estes fatores alteram-se a medida que as pessoas envelhecem, 0 sexo tambem influencia isso. 0 P diminui com a idade, mas diminui mais nos homens do que nas mulheres. Em homens Lovens, por volta de 16 anos, 0 P e quase 0 dobro dos femininos, mas, por volta dos 70 anos, essa diferen~ praticamente desaparece. A mudanc;:a em E e bem curiosa. Na adolescencia os hom ens sao mais extrovertidos que as mulheres, mas a partir dai sua extroversao diminui num rltmo bem rapido, de modo que, aos 60 anos, os hom ens sao mais introvertidos que as mulheres. Em rela<;ao a N, ha um decjinio em ambos os sexos, mas, em todas as ida des, os escores femininos sao mais altos (Eysenck, 1987; Eysenck e Eysenck, 1985, citado por Stuart-Hamilton, 2002). Portanto, esses dados predizem que as pessoas mais velhas serao mais calmas, menos propensas a alterac;:oes de humor. Isso nao significa que elas serao mais felizes, mas sim mais indiferentes ao mundo. Podendo, essa indiferenya, ser transformada em apatia e preguic;:a. Eysenck, citado por Stuart- Hamilton (2002), diz que essas mudan~s ocorrem princlpalmente pelas mudanc;:as

16 16 fisiol6gicas que alteram 0 nivel de excita9so dentro do sistema nervoso, mas ha psic6logos que contestam esse raciocinio. Eles dizem que as mudanyas no E, PeN ocorrem devido as mudan~s no estilo de vida do individuo,. ou seja, por exemplo, que conforme envelhece, a sociedade da. menos valor a esta pessoa, presta menos aten9so. Segundo estudos de Kogan (,1990) citado por Stuart-Hamilton(2002}, 0 estilo de vida influencia nas mudan~s de personalidade, por exemplo, a transi9s0 da universidade para empreg,os remunerados. Porem" geralmente a mudanya na metade final da vida adulta e menor. 2.4 Imagens do Envelhecimento Trabalho e Aposentadoria Segundo Herzog e colaboradores (1991) citados por Stuart-Hamilton (,2002), fizeram um estudo com adultos mais ve!hos que irabalhavam ou estavam semiaposentados e descobriram que 0 bem-estar na~ esta relacionado a carga de trabalho e sim ao trabalho realizado, se e ou nao 0 que e!es gostariam de fazer. Com as modificar,:oes nos padroes de trabalho, a aposentadoria nao e mais vista como sinonimo de velhice. A idade nao importa mais para a pessoa sa aposentar (Settersen, 199B, citado por Stuart-Hamilton, 2002), Com a chegada da aposentadoria as pessoas tendem a um estado de maior apreensao, expectativa, mas quando a pessoa para de trabalhar a sensacao e agradavel Por outro lade ha pessoas que se sentem inuteis, sem fun9so na sociedade. Swan, Dame e Carmelli (1991) citados por Stuart-Hamilton (2002), relataram que pessoas que se sentiram obrigadas a se aposentar apresent8vam niveis mais bai)(os de bem estar comparados as pessoas que 5e

17 17 aposentaram por vontade pr6pria_ Outros fatores como saude e relacionamentos interferem neste bem-estar, apesar de nao estarem ligadas as aposentadorias_ Viuvez Devido as diferentes expectativas de vida dos sexos masculino e feminine, e estado de viuvez,. perda do parceiro, atinge mais comumente as mulheres do que os hom ens. 0 impacto da perda do parceiro depende de quanto ela foi antecipada. Ou seja, quanto mais jovem e mais cedo mais estressante e a perda, enquanto as pessoas mais velhas apresentam uma rea~o mais branda, pois estae mais preparadas para a morte do parceiro_ Carey (1979) citado por Stuart-Hamilton (2002), observou que os hom ens se ajustam melhor a essa situa~o do que as mulheres. Isso po de acontecer porque, nos tradicionais papeis, 0 status da mulher casada e determinado pela presen98 do marido, enquanto 0 inverso nao se aplica tao intensamente. 0 homem viuvo tambem costuma ter uma situa~o financeira mais seg.ura e talvez tenha mais oportunidades de encontrar uma nova companheira. Porem, ha estudos que contradizem esse ponto de vista e tambem a atual revaloriza~ao social dos papeis de genero talvez erradique as possiveis diferen98s existentes Casamento e Sexualidade Segundo Cunningham e Brookbank (1988) citados por Stuart-Hamilton (2002}, geralmente, os easais mais velhos sao tao ou mais feiizes do que os mais jovens. Isso pede acontecer por eles trabalharem menos e terem menos responsabilidades parentais. Os easais mais velhos apresentavam maior equanimidade de objetivos e fontes de prazer, conseq.uentemente menos fontes de disc6rdia. Entretanto, islo nao

18 1& significa que eles estao felizes, sempre foram felizes ou esta felicidade e devido ao comodismo que se instalou com 0 tempo. A sexualidade na tereeira idade possui um tabu criado pela sociedade, 0 sexo e visto como algo pra lovens e bel os. Mesmo as pessoas mais velhas rotuladas como "sexy" sao assim descritas porque nao pareeem ter a idade que tem. Segundo Stuart- Hamilton (2002), as pessoas mais vel has cresceram em epocas menos permissivas e MO estao acostumados a falar sobre sexualidade' Outro problema e 0 da oportunidade. Uma vez que h<3 mais mulheres velhas do que homens, pois a expectativa de vida delas e maior. Entao, as oportunidades de contato heterossexuai diminuem. e a atividade pode eessar devido a falta de pareeiro adequado. Gibson (1992), citado p~r Stuart-Hamilton (2002), diz que de 10% a 20% dos hom ens mais velhos e 35% (ou mais) das mulheres mais veihas nao tem vida sexual Papel da Familia Segundo Stuart-Hamilton (2002), nas nac;:6es ocidentais as pessoas mais velhas preferem viver de modo independente, mas perto dos filhos e familiares proximos. Em eerca de 80% dos casos, as pais moram a trinta minutos de, pelo menos" um dos filhos (Bengston e Treas (1980), citados por Stuart-Hamilton, (2002}} Assim, nos mostra que eles gostam de combinar as oportunidades de intera~o familiar e 0 desligamento proporcionado peja privacidade de seu lar. Entretanto, Bengston e Traas observaram que, embora os familiares fossem a preferencia de conforto e aluda para as pessoas mais velhas, quanto maior era a expectativa de reeeber a assistencia dos familiares, mais a pessoa sa deprimia.

19 Morte Com 0 desenvolvimento humane a caminho da eliminayao da morte prematura, a morte toma-se, cada vez mais, algo que acontece quando envelhecemos. Portanto, e inevitavel que a morte sei.a algo de curiosidade para os idosos, tambem que seja 0 obi,etivo mais inevitavel de todos os processos naturais (Coni, Davison e Webster, 1996). Segundo os autores, as pessoas mais velhas se preocupam mais com a morte, entretanto discutem 0 tema mais abertamente e, com frequencia temem menos do que os mais jovens. o medo da morte divide-se em tres componentes principais: a tristeza de deixar o mundo, a ansiedade quanto a inexistencia da vida, ou sej,a, 0 nada, e 0 terror do processo de morrer, dos possiveis sofrimentos que vem junto com a morte (Coni, Davison e Webster, 1996). Segundo Skinner e Vaughan (1.985), a biologia da morte a simples. 0 corpo humano tem grande capacidade de auto-renova9bo, e dura um tempo longo. Em relayao aos interesses das especies, os individuos vivem apenas para procriar, tomando-se inuteis apos isso, visto que ocupam espa90 e consomem beneficios necessarios aos que ainda estao reproduzindo. Com a evolu~o cia espacie, emerg.iu um papel diferente quando a especie humana capacitou-s9 para a divisao da propriedade e a transmissao de informa es de um individuo para outro. Entao, os que nao sao reprodutores, seg.uem apoiando, aconselhando, ensinando e ajudando aqueles que ainda 0 sao. 0 papel do individuo passa a ser mais importante para a forma9aoda cultura do que da especie. Porem, as vantagens para a cultura nao tem side suficientes, a ponto de induzir as mudanyas geneticas (Skinner e Vaughan,1985). Entretanto, essas mudanyas infiuenciaram

20 20 significativamente no modo de viver da especie humana, aumentando, assim, a qualidade e a expectativa de vida. o problema em relac;.ao a morte e a sua incerteza. Nao aprendemos por experiencia pessoal, a enfrentar nossa propria morte. Podemos ter vistos outros morrerem, mas e diferente. As religi6es tentam responder essa incerteza de varias rnaneiras. No budismo, a morte e um momento de grande iluminac;ao. Ja no ludaismo, ela e simplesmente urn fim, ap6s 0 qual sobrevivemos apenas na memoria. Em outras ainda, como no cristianismo, a morte e vista como a hora do lulgamento e da atribuic;.ao de punicoes e recompensas. Em rela~o ao medo da morte, 0 zen-budismo transforma o samurai num grande 9.uerreiro, por liberta~lo do medo da morte, p~r exemplo. Isso depende da sua crenca ou filosofia, entretanto, sabemos que 0 medo da morte pode afetar no viver bem a vida. 2.7 Envelhecimento Humano: Direitos e Politicas - Algumas Considera96es Ha uma grande quantidade de disposi es legais qlle amparam 0 idoso e utiiizam a idade cronologica como origem de direitos ou de tratamentos privijegiados: cartao de transporte, preferencia em bancos, espetaculos, museus, etc. Segundo POLUS (2002), alguns consideram a leg.isla9.iio pautada na protec;.ao especial como negativa, pois gera estigmas, assim, seria melhor para a dignidade do idoso que nao gozasse do desconto na entrada de espetaculos e que pagasse 0 pre90 normal. Dadas as desigualdades na distribuic;.ao de renda, a soluc;.ao da prote9ao especial e compreensivel e elogiavel. Alem do mais uma pessoa que tanto fez para a sociedade, seria ela sem direitos e privhegios no final de sua vida?

21 21 No que se diz respeito a legislac;:ao, e mais positivo que sela aprovada e ace ita social mente uma legislac;ao que facilite a mobilidade de todos os idosos, como a lei de acessibilidade, do que aprovar que uma pessoa maior de 60 anos participe de uma maratona. (Poliis, 2002). Ou seja, e melhor 0 idoso estar acessivel as suas necessidades basicas do que, alguns so mente, realizem fates grandiosos. Entao, progressivamente, vai se abrindo a perspectiva de que a velhice, como qualquer outra etapa da vida, tem os mesmo direitos a educac;:ao, a cultura, ao lazer, como as outras etapas mais atendidas nesses aspectos, a exemplo da inumcia e adolescencia. 2.8 Hidroginastica Propriedades Fisices de.ague Relac;ao entre Massa e Peso A massa de uma substancia e a quantidade de materia que ela compreende enquanto 0 peso de uma substancia consiste na fort;:a com a qual ela e atraida no senti do do centro da Terra. A massa e inalterave! e e medida em quilogramas e 0 peso e 0 efeito da gravidade sobre a massa, e altera-se de acordo com a posic;:ao de um corpo em relac;ao a Terra (Skinner e Thomson, 1985). Peso = Massa x Gravidade Densidade e Densidade Relativa Segundo Skinner e Thomson (1985), a densidade de uma substancia e a reiac;ao entre sua massa e seu volume. Pr exemplo,. uma tora de madeira pesando 100 kg f1utuara, mas um prego de ferro pesando poucas gramas afundara, pois a madeira e menos densa do que 0 ferro. Densidade = Massa I Volume

22 22 A densidade relativa de uma substancia e a relayao entre a massa de um dado volume da substancia e a massa do mesmo volume de agua. A densidade relativa da agua pura e igual a 1. Um corpo com densidade relativa menor do que 1 flutuara e um corpo com densidade relativa maior que 1 afundara na agua Flutuayao - Principio de Arquimedes Segundo Gonc;;alves (1996), 0 principio de Arquimedes e quando um corpo esta completa ou parcialmente imerso em um liquido em repouso, ele sofre um a forc;;a com sentido para cima, empuxo, igual ao peso do liquido deslocado. A flutuayao e esta forc;;a que atua no sentido oposto a forc;;ada gravidade (empuxo) Pressao Hidrostatica - Lei de Pascal A agua exerce uma pressao adicional sobre cada particula da superficie de um corpo imerso. Essa pressao e exercida igualmente sobre todas as areas da superficie de um corpo imerso em repouso, a uma dada profundidade. A pressao aumenta com densidade do liquido e com a profundidade. Um individuo em pe na agua sofre maior pressao nos pes do que no t6rax (Lei de Pascal) (Gonc;;alves, 1996) Aplicay6es da Hidroginastica Objetivos Gerais Melhorar as condiy6es cardio-respirat6rias; - Aumento de forc;;ae resistencia muscular; Melhorar a flexibilidade; Trabalhar coordenayao motora global, ritmo e agilidade.

23 23 e Objetivos Especificos Reeducac;:ao respiratoria; Trabalho postural {conhecimento corporal, equilibrio e propriocepc;:ao}; Trabalho de relaxamento muscular Vantagens da Hidroginastica A movimentac;:ao corporal e facilitada pela sustentac;:ao (flutuac;:ao). 0 peso corporal e aliviado em aproximadamente 90% dentro da agua, com a agua na altura do peito. Diminl)it;ao do impacto - articula es. musculos e postura podem ser trabalhados com mais seg.uranc;:a; o Ambiente descontraido, alunos mais a vontade, relaxados, sem a preocupac;:ao do corpo no espelho ou com a falta de coordenac;:ao e habilidade. Dentro da agua os alunos nao enxergam uns aos outros po is a agua fica na altura do peito; e Melhora a autoconfianya, a pessoa reaiiza movimentos dentro da agua que nao conseguiria realizer fora; e Performance global, a resistencia da agua proporciona 0 trabalho muscular tanto agonista como antagonista; e Ausencia do desconforto da tr;anspir;acao, na agua perdemos caior por conduc;:ao; Sobrecarga natural da agua pela resistencia da agua.

24 24 3 METODOLOGIA 3.1 TiPO DE PESQUiSA Esse trabalho se caracteriza como sendo pesquisa descritiva do tipo questionario. Segundo Thomas e Nelson (2002), pesquisa descritiva do tipo questionario e aquela que "descreve 0 que s" - aborda quatro aspectos: descric;:ao, registres, analise e interpreta~o de fenomenos atuais. E possui necessidade de se obter respostas de pessoas e ocasionalmente solicita de opiniao ou conhecimento. 3.2 POPUL.AC;AO Mulheres com idade acima de 60 anos que praticam regu!armente a hidroginastica como atividade fisica da cidade de Curitiba. 3.3AMOSTRA Dezoito mulheres que praticam regularmente a hidroginastic2, de duas a quatre vezes p~r semana, na academia Body Center, em Santa Felicidade, na faixa eta ria entre 60 a 80 anos, sendo 10 das turmas do periodo da manha e 8 das turmas do periodo da tarde. 3.4INSTRUMENTO fechadas. Questionario (apendice 1}, vaiidado por CAVASSIN (2006), com onze quest6es 3.5 COLETA DE DADOS Os dados foram coletados, durante 0 mas de Abril de 2007, algumas participantes foram questionadas em forma de entrevista, sando abordadas antes e

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO Ana Paula Sabchuk Fernandes UEPG ana-sabchuk@hotmail.com Rita de Cássia Oliveira soliveira13@uol.com.br Cintia Aparecida Canani cicacanani@yahoo.com.br Eixo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

I - Desenvolvimento Humano

I - Desenvolvimento Humano I - Desenvolvimento Humano 1.1. Conceito O desenvolvimento humano se estabelece através da interação do indivíduo com o ambiente físico e social. Se caracteriza pelo desenvolvimento mental e pelo crescimento

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

Cuidados com o corpo

Cuidados com o corpo Cuidados com o corpo Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

Karatê-dô: um projeto para a vida

Karatê-dô: um projeto para a vida 102 b painel de experiências Karatê-dô: um projeto para a vida A prática do karatê como forma de desconstrução de estereótipos ligados ao idoso. / por Igor Luiz de Bello Oss! 1 O karatê pode nos trazer

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

Leia mais

Portugués PROBA DE CERTIFICACIÓN DE NIVEL INTERMEDIO. Expresión oral ... / 25. Tarefa 1 Interacción / 12,5. Tarefa 2 Monólogo / 12,5 PUNTUACIÓN

Portugués PROBA DE CERTIFICACIÓN DE NIVEL INTERMEDIO. Expresión oral ... / 25. Tarefa 1 Interacción / 12,5. Tarefa 2 Monólogo / 12,5 PUNTUACIÓN Apelidos e nome da persoa candidata:... PROBA DE CERTIFICACIÓN DE NIVEL INTERMEDIO Portugués PUNTUACIÓN Tarefa 1 Interacción / 12,5 Tarefa 2 Monólogo / 12,5... / 25 TAREFA 1 (INTERAÇÃO) - FICHA 1A Tempo

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Profª Drª Maria do Carmo Eulálio (Orientadora) Kalina de Lima Santos* Renata Alessandra Oliveira Neves* Daniella Oliveira Pinheiro* Tarsila

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

MELHORA DAS DORES CORPORAIS RELACIONADA Á PRÁTICA REGULAR DE HIDROGINÁSTICA

MELHORA DAS DORES CORPORAIS RELACIONADA Á PRÁTICA REGULAR DE HIDROGINÁSTICA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MELHORA DAS

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

TÍTULO: INCLUSÃO DIGITAL PARA A MELHOR IDADE: DESAFIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: INCLUSÃO DIGITAL PARA A MELHOR IDADE: DESAFIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: INCLUSÃO DIGITAL PARA A MELHOR IDADE: DESAFIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Mais saúde, menos stress

Mais saúde, menos stress iate especial Mais saúde, menos stress conheça Os BenefÍcIOs DA prática esportiva e AprOveIte para escolher A MODALIDADe IDeAL por JOãO rodrigues Um dos maiores diferenciais da Academia do Iate Clube de

Leia mais

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula)

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) Componente Curricular: Ensino Religioso / 7º ano Ano Letivo: 2014 Professor Ministrante: Lúcia Clemeci Carga Horária: 5 horas/ aula Data: 02/ 07/2014 Aula: 03 Título: Crescimento

Leia mais

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA.

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. Mayara Martins Alves; mayaram.alves@hotmail.com Shayanne Rodrigues Diniz; shayannediniz@icloud.com Tatiana Cristina Vasconcelos;

Leia mais

A Universidade Livre da Terceira Idade: a sensibilização do ser humano acima de 50 anos para a volta às atividades.

A Universidade Livre da Terceira Idade: a sensibilização do ser humano acima de 50 anos para a volta às atividades. A Universidade Livre da Terceira Idade: a sensibilização do ser humano acima de 50 anos para a volta às atividades. Profa.Ms. Bernardete B.Silva Imoniana Prof.Ms. Moses Benadiba Resumo O presente artigo

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA O nosso corpo é uma máquina fantástica, que não foi feita para ficar parada. Se você estiver realmente decidido a ter uma atitude positiva em relação a sua saúde e ao seu

Leia mais

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SUMÁRIO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS EXECUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS JUSTIFICATIVA As facilidades e a agitação da vida moderna trouxeram

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA SISTEMATIZADA Nome: YURI MENDES ROSA Professor: ANDERSON FONSECA GARCIA, ESPECIALISTA, EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Forma de Apresentação: Painel Escola: INTERATIVA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB A ansiedade social é provavelmente o menos conhecido e o mais

Leia mais

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos*

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* Resumo: Este presente artigo tem por finalidade demonstrar de forma sucinta no cenário

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS 2010 Fernanda Garcia Resende Bárbara Terra Ávila Estudantes de Psicologia - Centro Universitário

Leia mais

O COTIDIANO DO CASAMENTO CONTEMPORÂNEO A DIFÍCIL E CONFLITIVA DIVISÃO DE TAREFAS E RESPONSABILIDADES ENTRE HOMENS E MULHERES

O COTIDIANO DO CASAMENTO CONTEMPORÂNEO A DIFÍCIL E CONFLITIVA DIVISÃO DE TAREFAS E RESPONSABILIDADES ENTRE HOMENS E MULHERES O COTIDIANO DO CASAMENTO CONTEMPORÂNEO A DIFÍCIL E CONFLITIVA DIVISÃO DE TAREFAS E RESPONSABILIDADES ENTRE HOMENS E MULHERES Aluna: Thays de Azevedo Athayde Mielli de Assis Orientador: Bernardo Jablonski

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

AUTOR(ES): ANA CAROLINA HOLANDA, CAROLINE MENDOZZA, INGRID TUNIN DA SILVA

AUTOR(ES): ANA CAROLINA HOLANDA, CAROLINE MENDOZZA, INGRID TUNIN DA SILVA TÍTULO: MOTIVAÇÃO DOS IDOSOS EM FREQUENTAR BAILES DA TERCEIRA IDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): ANA CAROLINA

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos Programa de Preparação para

Leia mais

Assunto Investimentos femininos

Assunto Investimentos femininos Assunto Investimentos femininos SOPHIA MIND A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

Psicossociologia Do Trabalho

Psicossociologia Do Trabalho Relação de dados biográficos com factores de avaliação do trabalho. Psicossociologia Do Trabalho Resumo Relação de dados biográficos com factores de avaliação do trabalho. Importância de dados biográficos

Leia mais

RESPEITO AOS IDOSOS COMO VALOR HUMANO

RESPEITO AOS IDOSOS COMO VALOR HUMANO RESPEITO AOS IDOSOS COMO VALOR HUMANO Fernando Antônio de Andrade Morais 1 RESUMO A cada dia que passa assistimos cenas de falta de respeito ao próximo, principalmente para grupos frágeis como idosos por

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Paciente Ativo e Responsável ACELBRA-RJ Ser um PAR celíaco Flávia Anastácio de Paula Adaptação do Texto de Luciana Holtz de Camargo Barros

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL ENVELHECIMENTO POPULACIONAL Maria Ângela Cabanilha de Souza Maltempi Assistente social e gerontóloga Professora e coordenadora da Toledo Aberta a Melhor Idade Segundo as projeções estatísticas da Organização

Leia mais

A experiência das crianças na escola

A experiência das crianças na escola Compreendendo a infância A experiência das crianças na escola Compreendendo a infância é uma série de pequenos textos escritos por experientes terapeutas de crianças na Inglaterra, para ajudar a esclarecer

Leia mais

Perspectivas no Estudo da Terceira Idade. Dr. Leandro Minozzo SESC PARANAVAÍ-PR 2012

Perspectivas no Estudo da Terceira Idade. Dr. Leandro Minozzo SESC PARANAVAÍ-PR 2012 Perspectivas no Estudo da Terceira Idade Dr. Leandro Minozzo SESC PARANAVAÍ-PR 2012 Objetivos Apresentar a terceira idade como um campo de estudo e trabalho desafiador, apaixonante, carente e promissor;

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL (2006) Salvador Loureiro Rebelo Junior Graduando do 6º ano de Psicologia da Universidade Estadual Paulista Bauru, Intercambista

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

O Futuro da Aposentadoria Escolhas para o amanhã. Relatório do Brasil

O Futuro da Aposentadoria Escolhas para o amanhã. Relatório do Brasil O Futuro da Aposentadoria Escolhas para o amanhã Relatório do Brasil A pesquisa O Futuro da Aposentadoria é uma pesquisa independente de referência mundial sobre tendências globais de aposentadoria realizada

Leia mais

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você?

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Talvez você já tenha pensado a esse respeito, ou não. Se souber definir bem quais são os seus valores, terá uma noção clara de quais são suas prioridades.

Leia mais

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA.com.br Dr. Miguel Srougi é médico, professor de Urologia na Universidade Federal de São Paulo e autor do livro Próstata: Isso É Com Você..com.br Drauzio Varella Vamos

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Atualizado em 10/12/2013 08h00 Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Profissional deve pesar salário, plano de carreira, horário, entre outros.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PAIS E PROFESSORES NAS AULAS DE NATAÇÃO PARA BEBÊS.

A PERCEPÇÃO DOS PAIS E PROFESSORES NAS AULAS DE NATAÇÃO PARA BEBÊS. A PERCEPÇÃO DOS PAIS E PROFESSORES NAS AULAS DE NATAÇÃO PARA BEBÊS. Natã Ribeiro Marquetti, Emilio Cesar Macuco, Cesar Ricardo Feustel. 1. INTRODUÇÃO Dentre as atividades ofertadas no campo da atividade

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL ISSN 2177-9139 UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL Daniellen Thaianne de Oliveira Severo - daniii_severo@hotmail.com

Leia mais

O JOGO E A ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

O JOGO E A ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE O JOGO E A ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE RESUMO Marcelo Moura 1 Luciano L. Loureiro 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância do jogo como indispensável, contendo uma relação facilitadora entre os

Leia mais

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO

TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO TÍTULO: IDOSO E LAZER: CONCEPÇÃO, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DE MORADORES DE SÃO PAULO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária *

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Olga Collinet Heredia UNISINOS Palavras chaves: estrutura etária, população ativa, envelhecimento. INTRODUÇÃO Modificações na dinâmica demográfica

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ELENISE PEREIRA PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais