TÍTULO / TÍTULO: O DESENVOLVIMENTO DAS IDENTIDADES VISUAIS DE EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS(EES) DE MANEIRA PARTICIPATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO / TÍTULO: O DESENVOLVIMENTO DAS IDENTIDADES VISUAIS DE EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS(EES) DE MANEIRA PARTICIPATIVA"

Transcrição

1 TÍTULO / TÍTULO: O DESENVOLVIMENTO DAS IDENTIDADES VISUAIS DE EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS(EES) DE MANEIRA PARTICIPATIVA AUTOR / AUTOR: Ana Carolina Brambilla Costa, Bruno Sayão, Cristina Alvares Beskow e Diana Helene Ramos INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: GEPES (Grupo de Estudo e Pesquisa em Economia Solidária) de Comunicação e Artes da ITCP (Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da UNICAMP) CORREIO ELETRÔNICO / CORREO ELECTRÓNICO: EIXO / EJE: Eixo 3. Participação pública na Ciência e Tecnologia PALAVRAS-CHAVE / PALABRAS CLAVE: Comunicação Visual, Comunicação Popular, Identidade RESUMO / RESUMEN O presente trabalho tem como objetivo expor a experiência de produção coletiva de materiais de comunicação visual entre a ITCP (Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares)/ UNICAMP e os Empreendimentos Econômicos Solidários (EES ou cooperativas populares), na região metropolitana de Campinas. A idéia deste projeto é, a partir da prática junto aos empreendimentos, promover o debate sobre a apropriação da técnica e/ou tecnologia dos meios de comunicação empresariais, convertendo-as a uma perspectiva popular, através da reflexão sobre processos alternativos de produção da comunicação visual desses empreendimentos. Por termos como base do trabalho a educação popular, as identidades visuais são criadas num processo educativo no qual o grupo reflete sobre suas questões identitárias, sobre suas necessidades em relação à comunicação visual e sobre os limites de apropriação dos meios técnicos de produção, limitação esta que se dá por fatores como tempo de trabalho com o grupo, limitantes econômicos e tecnológicos e disposição dos participantes. Neste sentido, nossa prática almeja também a democratização desses meios técnicos, com a intenção de propiciar que os empreendimentos se tornem autônomos na produção de seus próprios meios de comunicação.

2 Base teórico-metodológica O trabalho da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP)/Unicamp e do Grupo de Estudo e Pesquisa em Economia Solidária na área de Comunicação e Artes, dessa mesma instituição, é respaldado pela Educação Popular, na perspectiva transformadora da não hierarquização do saber acadêmico em detrimento ao saber popular, mas sim no diálogo horizontal desses conhecimentos e na capacidade de transformação social da tomada de consciência crítica vinda desse diálogo. Quando tratamos especificamente de comunicação, buscamos aporte prático e teórico na práxis da comunicação popular, influenciada também pelos princípios da educação popular. A comunicação popular é um modo alternativo de comunicação que emerge com os movimentos populares dos anos 1970 e 1980 na América Latina, e encontra em Mário Kaplun (KAPLUN, 1985) um de seus principais sistematizadores. Mais que uma forma de mídia qualquer, a comunicação popular tem forte cunho político, já que se constitui como um canal de expressão de segmentos excluídos da sociedade, em mobilização para atingir os interesses de sua luta social e participação política. A comunicação popular deve estar estritamente vinculada à organização popular, num processo participativo no qual os meios de comunicação e as informações veiculadas sejam idealizados e produzidos pela população e para esta, visando o diálogo e a participação. Mário Kaplun (1985, p.17) esclarece o aspecto educativo desse tipo de comunicação ressaltando que as mensagens são produzidas para que o povo tome consciência de sua realidade, para suscitar uma reflexão ou ainda para gerar uma discussão. Sendo assim, a comunicação popular deve estar a serviço de um processo educativo libertador e transformador, no qual a comunidade se forma, concebendo criticamente a realidade e adquirindo instrumentos para transformá-la. Portanto, diferencia-se radicalmente da comunicação dominadora, ao ser horizontal e ter duas vias: a comunicação não é entendida como mera transmissão de informações, mas sim como um processo de diálogo e entendimento crítico do mundo. Dessa maneira, entende-se que o processo de construção do meio de comunicação deve ser antes de tudo um processo educativo, encarado como tão ou mais importante que o produto final. Comunicação popular na Comunicação Visual

3 Apesar da riqueza de trabalho das experiências em comunicação realizadas em movimentos sociais, comunidades, assentamentos rurais, etc; que na maioria das vezes são nossa base metodológica e inspiração, no trabalho de incubação que a ITCP realiza, por ser uma atividade ligada também ao trabalho e a questão da geração de renda, acabamos por realizar uma experiência em comunicação popular muito diversa do usual. Em relação ao trabalho com os EES (Empreendimento Econômicos Solidários), a maior demanda prática de produtos de comunicação se refere à produção de materiais de comunicação visual, para serem utilizados para a divulgação dos produtos e afirmação da identidade coletiva. Vale ressaltar que esta demanda é construída a partir de um planejamento coletivo, realizado entre a incubadora e os grupos incubados; e é nesse espaço que foi escolhida a priorização da realização de materiais de comunicação visual, no lugar por exemplo, da construção de uma rádio comunitária ou da realização de uma oficina de criação áudio-visual. Nesse caso, a produção de um material de comunicação visual que, apesar de objetivar "vender um produto", por exemplo, mesmo assim esteja seguindo os princípios da comunicação popular, autogestão e solidariedade, se coloca para nosso trabalho um grande desafio. Por isso, buscamos elaborar um processo de construção de materiais de comunicação que se constitui como um processo educativo, no diálogo entre o conhecimento sobre comunicação visual consolidado pela academia e pela comunicação empresarial e os saberes e necessidades das cooperativas populares. O primeiro produto a ser desenvolvido é o logotipo. O logotipo de um EES é frequentemente encarado- principalmente por algumas entidades de fomento do cooperativismo- como a vitrine do sucesso do empreendimento. Assim, muitas vezes, é imposto aos grupos como necessidade na área de comunicação. Desse modo, apresentamos e discutimos junto aos EES as características e especificidades técnicas do logotipo, como reprodutibilidade, fácil visualização, paleta de cores, plataformas de aplicação, exigências de impressão, divulgação e apreensão. No entanto, o conceito de logotipo elaborado pelas escolas de comunicação, que exige uma imagem construída a partir da abstração simbólica, com poucas cores e elementos, passível de ser reproduzida em diversas dimensões, não atende à realidade dos grupos de trabalho populares. Os EES que incubamos, possuem poucos recursos financeiros, e por essa razão, possuem necessidades e meios técnicos diferentes das grandes empresas capitalistas. O logotipo elaborado por uma cooperativa popular debruça-se sobre plataformas e meios de reprodução alternativos e de baixo custo, como xerox, bordado, pintura a mão, etc.

4 Além disso, muitas vezes o grupo de trabalho sente necessidade de uma imagem que se volte mais à afirmação da identidade coletiva, uma imagem que sirva mais à simbolização do grupo, que à divulgação e venda do produto deste. A essa imagem, não necessariamente relacionada com os conceitos e características que envolvem o logotipo (como fácil visualização e apreensão, poucos detalhes, reprodutibilidade, etc), chamamos emblema ou brasão. Assim, o trabalho com a construção da identidade coletiva antecederia o processo de construção da comunicação visual, sendo este, parte do processo de elaboração identitária do grupo. De forma que os produtos visuais acabam por estabelecer um papel muito importante na consolidação da identidade do grupo e no fortalecimento da organização deste. No processo de construção do emblema/brasão e do logotipo, exploramos as questões referentes à comunicação visual empresarial, que atualmente é a única base teórica sistematizada sobre o tema em questão. Iniciamos discutindo o que significa um logotipo, para que serve na atual conjuntura, quais as características desse tipo de imagem, etc. Esse debate é um gancho para discutirmos criticamente a questão mais ampla da comunicação na sociedade capitalista, que é marcada pela concentração dos meios de produção da comunicação nas mãos de poucos: monopólios e oligopólios de informação. As informações veiculadas se põem a serviço dos interesses políticos e econômicos da classe dominante e a comunicação se faz monológica, unidirecional e vertical. Dessa forma, refletimos coletivamente sobre o acesso aos meios tecnológicos para reprodução e circulação dos produtos de comunicação visual a serem produzidos. Experiência Cooperativa Sabores da Terra A Cooperativa Sabores da Terra é formada por quatro mulheres de um Assentamento do MST, em Sumaré-SP. O grupo trabalha com o processamento de alimentos, principalmente com a produção de doces de frutas. O processo para a construção da identidade visual desse grupo foi realizado no período de três oficinas, além da oficina de Identidade Coletiva que antecedeu o trabalho com comunicação visual. Nessa primeira oficina, as cooperadas levantaram como características do grupo: união, persistência, possuir dificuldades, trabalhar com amor e carinho, fazer um doce mais gostoso a cada dia, as cooperadas aprenderem umas com as outras, não ter medo de trocar as informações (por exemplo, as receitas), não tem pressa para a formação do trabalho do grupo, estar satisfeitas com o grupo pequeno (quatro integrantes), paciência e ajuda ao próximo, possuir falhas de comunicação, ser fraco (ainda começando). Elas afirmaram que querem ser vistas como um grupo forte de mulheres e que mesmo com a distância e as dificuldades, o grupo continua unido devido à confiança entre os membros.

5 Na reunião seguinte, foram apresentadas diversas imagens de logotipo, tratando dos seguintes conceitos: o que é um logotipo, quais as características desejáveis em um logotipo e como o logotipo é estabelecido nas grandes empresas. Foi discutida a diferença entre a necessidade de um logotipo empresarial e de um logotipo de uma cooperativa pequena. Ligado a esse debate, foi fomentada uma discussão sobre a comunicação externa atual do grupo e suas carências. Identificou-se demandas por etiquetas para as embalagens, cartaz, camisetas, cartão de visita, cartão postal e banner. Foi perguntado, então, se existia a necessidade de criar uma identidade visual. O grupo respondeu afirmativamente. Vale ressaltar que essa pergunta foi feita somente depois de discutido o conceito de identidade visual. Representação imagética Foi pedido às cooperadas que levassem objetos que representassem o grupo. Os objetos que apareceram e as características que representaram foram: Produto (doce): panela, colher de pau, tábua, açúcar, goiaba, faca União, grupo: fotos das pessoas Força: Pedras (uma das cooperadas levou três pedras que pegou quando visitou um quilombo, que segundo ela representam um povo forte e resistente assim como as pedras.) Além dos objetos concretos, levantou-se objetos verbalmente, que representavam a terra e os frutos: árvore, raiz, galho, goiaba, cesta, legumes. O grupo ficou em dúvida entre a imagem de uma pedra e uma imagem que representasse os doces fabricados. Surgiu o dilema: escolher entre mostrar o grupo ou pensar em um símbolo que enfatize o doce para a venda: o símbolo é para o grupo ou para o consumidor? As cooperadas ficaram com a segunda opção, com a ressalva de que a imagem caracterizasse um grupo forte. Os objetos escolhidos foram: panela, colher e goiaba. Com os objetos escolhidos, o próximo passo é pensar em como representá-los graficamente, e quais características essa representação deve possuir. Para fomentar essa reflexão, apresentamos diversos tipos de imagens sobre o mesmo tema (no caso, árvore), oriundas de diferentes fontes, como livros infantis, cartões postais, logotipos, pintura a óleo, etc. Percebeu-se que o mesmo objeto pode ser representado de diversas formas, e que cada forma transmite uma idéia diferente. As cooperadas decidiram que as idéias que a representação dos objetos anteriormente escolhidos deveria conter cabia nos adjetivos: Artesanal, Amigável e Forte (adjetivos que retomam as características identitárias do grupo).

6 Com base nas discussões feitas no decorrer do processo, um formador da ITCP formulou cinco propostas de imagem, que foram discutidas pelas cooperadas. O grupo escolheu uma das imagens. Acreditamos que o desenho do logotipo deveria ser realizado pelos cooperados, mas não temos disponibilidade e tempo para tratar de questões gráficas como composição, cor e desenho. Experiência na Cooperativa de Bonecas de Pano Linda do Amaral Processo semelhante foi desenvolvido na Cooperativa de Bonecas de Pano Linda do Amaral, localizada no Parque Itajaí I, Campinas-SP. No caso desse grupo, entretanto, a demanda pela construção do logotipo já estava delineada devido à necessidade deste para a participação em um projeto de venda das bonecas no Shopping Iguatemi de Campinas. Por conta dessa demanda, o tempo disponível para a realização do processo ficou comprometido, restrito a duas oficinas. Assim como na Sabores da Terra, as oficinas de identidade coletiva antecederam o processo de construção da identidade visual. Nessas oficinas, levantaram-se como características principais do grupo a união, a persistência, a presença feminina e a delicadeza do trabalho manual. Além da discussão verbal sobre as características do grupo, foi disponibilizada uma câmera fotográfica e pediu-se que as cooperadas fotografassem o que mais representava o grupo no ambiente de trabalho. A oficina seguinte trouxe a apresentação das questões formais e conceituais de logotipo e de identidade visual, além da discussão sobre possibilidades de interferência nos meios de comunicação por parte das grandes empresas e pouco acesso aos meios de comunicação e divulgação por parte do empreendimento. Foi pedido que o grupo trouxesse objetos que representasse suas características, e em seguida, discutimos os elementos visuais que poderiam fazer essa representação, com base nas fotografias realizadas anteriormente e nos objetos. Percebeu-se que o produto ocupa a centralidade na representação do próprio grupo, unindo as cooperadas e fortalecendo a identidade coletiva. As características presentes nos objetos e nas fotografias foram: artesanato, criatividade e união.

7 Diferenciando-se da experiência com o grupo Sabores da Terra, nesse processo de construção da identidade visual as próprias cooperadas construíram as bases da representação gráfica. Isso foi possível porque o entendimento sobre questões gráficas como cor, composição e desenho já estava mais consolidado devido ao trabalho artesanal. Ainda assim, foi realizada a discussão sobre diversas formas de representação visual, utilizando o mesmo tipo de apresentação de imagens diferentes sobre o mesmo tema, mas agora considerando como tema a boneca de pano. Foram usados os materiais característicos da produção da cooperativa para a elaboração da imagem, como lã, panos estampados, enfeites. Após muito trabalho e discussão, o grupo decidiu que as bonecas deveriam ser a imagem que simboliza o grupo. Foram feitas duas composições com as bonecas. A formadora da ITCP digitalizou e transformou essas composições em desenho, e então o grupo decidiu-se por uma delas. O grupo também decidiu que o nome da Cooperativa deveria aparecer com a letra de alguém que é próximo ao trabalho, para reforçar a idéia de artesanato, de produto único, contraposto aos brinquedos produzidos em série. Foi feita uma votação, e os membros escolheram a letra da assistente social que os acompanhava. A dinâmica de elaboração da imagem se deu da seguinte forma: a formadora da ITCP digitalizava e imprimia o que havia sido discutido e decidido na reunião anterior e as cooperadas alteraram as impressões. No estágio de finalização da imagem foi retomada a discussão sobre as características do logotipo, e questionado se aquela imagem seria um logotipo com as características discutidas. O grupo chegou à conclusão que não, mas que havia sido uma opção não abrir mão dos detalhes de desenho e cor, já que seria mais importante a imagem para o empreendimento que para a venda do produto ao consumidor, visto que o grupo não possui nenhum tipo de financiamento e condições técnicas para imprimir e distribuir o logotipo. Conclusão Este trabalho tem gerado muitas reflexões quanto as possibilidades de transformação dos processos de elaboração de materiais de comunicação, para exercícios que vão além das experiências tradicionalmente realizadas até então. O espaço de elaboração de um logotipo

8 ligado a produção de produtos para venda comercial, também pode ser um espaço transformador, de discussão/formação política, fortalecimento da identidade de grupo e da criatividade. Isto porque é a partir da reflexão sobre as necessidades reais dos EES, frente às teorias de comunicação visual da sociedade capitalista que se dá a discussão sobre as formas de dominação da comunicação e exclusão social proporcionada pela concentração dos meios de produção e divulgação nas mãos de poucos. Nesse processo, estamos tentando sistematizar toda esta experiência de mistura de educação popular e comunicação visual que estamos realizando com a elaboração de diversos logotipos nos EES: Acoop, Ass. Mulheres Guerreiras, Grupo Contágio, Cooperativa Tatuapé, Sabores da Terra, Rede de EBAs e Linda do Amaral (ver também BESCKOW, HELENE, CESTARI, 2009). Vale refletir que, muitos entraves ainda são enfrentados neste processo, no qual avaliamos que ainda não foi efetivado o que acreditamos ser de fato uma comunicação popular transformadora. Isto porque podemos perceber três momentos da comunicação popular: a comunicação para o povo (na qual quem detêm os meios produz comunicação destinada a esse público), comunicação com o povo (na qual o povo decide sobre a mensagem e a forma veiculada, mas quem detêm os meios a produz e distribui) e a comunicação do povo (na qual o povo decide, produz a mensagem, distribui e detêm os meios técnicos). Consideramos que estamos no segundo momento, visto que visto que, muitas vezes, o processo de finalização e editoração digital acaba sendo realizado pelos próprios formadores da Incubadora, e não pelos cooperados dos empreendimentos, devido a fatores como tempo de trabalho com o grupo, limitantes econômicos e tecnológicos dos empreendimentos e disposição do grupo. Neste sentido, nossa prática almeja também a democratização desses meios técnicos de produção, com a intenção de propiciar que os empreendimentos se tornem autônomos na produção de seus próprios meios de comunicação. BIBLIOGRAFÍA - BARBOSA, Ana Mae. Disponível em: <http://www.corpos.org/anpap/2004/textos/ceaa/anamaebarbosa.pdf>. Porque e como: Arte na Educação. Acesso em: 17 jun BESKOW, Cristina A.; HELENE, Diana.; CESTARI, Mariana. Disponível em A Comunicação Popular na Construção da Identidade. Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares/Unicamp. Acesso em: 20 set BOURDIEU, Pierre Distinção: crítica social do julgamento. Edusp. São Paulo; Zouk.Porto Alegre, RS.

9 - BRANDÃO, Carlos Rodrigues Educação Popular. Editora Brasiliense. São Paulo. - COLI, Jorge O que é Arte?. Editora Brasiliense. São Paulo. - DORNELLES, Beatriz. Disponível em: < >. Divergências conceituais em torno da comunicação popular e comunitária na América Latina. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, v. 9, Acesso em: 8 jun HOHLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz C.; FRANA, Vera V. (Org) Teorias da comunicação : conceitos, escolas e tendências. Editora Vozes. Petrópolis, RJ. - KAPLUN, Mario. El comunicador popular Ciespal. Quito. - KLINTOWITZ, Jacob Arte e Comunicação. Editora Shalom. São Paulo. - MUNARI, Bruno Design e comunicação visual: contribuição para uma metodologia didática. Martins fontes. São Paulo.

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult JUSTIFICATIVA O estatuto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Capítulo 1, artigo 3º. define como finalidade

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DO CARTAZ PARA 25º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA

REGULAMENTO DO CONCURSO DO CARTAZ PARA 25º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA REGULAMENTO DO CONCURSO DO CARTAZ PARA 25º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA 1 OBJETIVOS 1.1 Divulgar a 25ª edição do Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, mais tradicional e renomada premiação

Leia mais

CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM PROL DA ECONOMIA SOLIDÁRIA

CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM PROL DA ECONOMIA SOLIDÁRIA ÁREA: ECONOMIA SOCIAL, DA SAÚDE, SOLIDÁRIA E DO TRABALHO Área 6. Economia Social, Economia da Saúde, Economia Solidária e Economia do Trabalho (Trabalho completo) CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM

Leia mais

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA 1. APRESENTAÇÃO Com base nos valores da economia solidária e da cultura livre, o Estúdio Gunga empresa de comunicação focada na criação de sites, editoração gráfica,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Liderança. Economia Solidária. Psicologia.

PALAVRAS-CHAVE Liderança. Economia Solidária. Psicologia. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PSICOLOGIA E A ECONOMIA SOLIDÁRIA: AUTONOMIA COLETIVA X

Leia mais

A comunicação organizacional de cooperativas de economia solidária: um processo através do olhar da complexidade

A comunicação organizacional de cooperativas de economia solidária: um processo através do olhar da complexidade 313 IV Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS A comunicação organizacional de cooperativas de economia solidária: um processo através do olhar da complexidade Aluno: Caroline Delevati Colpo, Cleusa

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, SECRETARIA DA CULTURA E MUSEU DA CASA BRASILEIRA APRESENTAM REGULAMENTO PARA CONCURSO DO CARTAZ

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, SECRETARIA DA CULTURA E MUSEU DA CASA BRASILEIRA APRESENTAM REGULAMENTO PARA CONCURSO DO CARTAZ GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, SECRETARIA DA CULTURA E MUSEU DA CASA BRASILEIRA APRESENTAM PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA 28º BRASILEIRA REGULAMENTO PARA CONCURSO DO CARTAZ 2014 atualizado em 28 de abril

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

INSTITUTO LABORIDADE

INSTITUTO LABORIDADE INSTITUTO LABORIDADE ONG - Organização Não Governamental criada em 1999, com foco no envelhecimento, desenvolvendo ações intergeracionais jovens e adultos- para a melhoria da qualidade de vida. Projetos:

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 91 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet

Leia mais

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS.

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. Ana Lícia de Santana Stopilha Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia Campus XV Doutoranda em Difusão do Conhecimento

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

PROJETO solidário nacional em costa canal

PROJETO solidário nacional em costa canal PROJETO solidário nacional em costa canal Nelda Venturín, odn Rede de Coordenação Pastoral Colégios Companhia de Maria Argentina A experiência se desenvolve nos seis Colégios da Companhia de María na Argentina

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

(anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE

(anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE (anexo 1) SEMINÁRIO: EDUCAÇÃO POPULAR HOJE Dia 22 de maio de 2014 Local: Auditório da Biblioteca Mário de Andrade São Paulo Marcos de Referência O seminário é parte de um projeto de pesquisa coordenado

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

INCUBADORA DE COOPERATIVAS POPULARES EM PARQUES TECNOLÓGICOS: ESTUDO DE CASO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU GT:

INCUBADORA DE COOPERATIVAS POPULARES EM PARQUES TECNOLÓGICOS: ESTUDO DE CASO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU GT: INCUBADORA DE COOPERATIVAS POPULARES EM PARQUES TECNOLÓGICOS: ESTUDO DE CASO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU GT: 6 - Territórios, redes e os desafios para o desenvolvimento Tipo de trabalho: Relato de experiência

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1 A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1 Benedito Anselmo Martins de Oliveira 2 O movimento de economia solidária

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

Relatório de atividades Socioambientais

Relatório de atividades Socioambientais Relatório de atividades Socioambientais Ação 1: Apresentação da programação da Feira do Empreendedor 2014 às instituições da comunidade do entorno do SESI. Realização: Amazônia Socioambiental Equipe Técnica

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Título: Um novo conceito de RSE nas empresas juniores RESUMO

Título: Um novo conceito de RSE nas empresas juniores RESUMO Título: Um novo conceito de RSE nas empresas juniores RESUMO Em um cenário em que a Responsabilidade Social Empresarial é mais do que ações sociais isoladas, mas uma fonte agregadora de diferencial competitivo,

Leia mais

Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015

Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015 Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015 Instituição: Universidade Feevale - Novo Hamburgo-RS Titulação: Doutorando; Doutoranda; Doutora Título do trabalho: Uma experiência interdisciplinar

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO A Cáritas Brasileira é um organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que possui a missão de Testemunhar

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Elementos para Coordenação de Atividades em Grupo 1

Elementos para Coordenação de Atividades em Grupo 1 Este texto foi adotado para fim exclusivo de apoio didático ao Curso de Gestão Estratégica Pública - Turma 2005 - uma parceria entre a Escola de Extensão da Unicamp e a Escola de Governo e Desenvolvimento

Leia mais

Programa Escola do Olhar. ImageMagica

Programa Escola do Olhar. ImageMagica Programa Escola do Olhar ImageMagica Programa Escola do Olhar O Programa Escola do Olhar visa implementação de Oficinas de Fotografia, artesanal ou digital, em equipamentos públicos, como escolas. Através

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO SOCIAL OBSERVATÓRIO DE ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO OBEC/RJ

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO SOCIAL OBSERVATÓRIO DE ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO OBEC/RJ UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO SOCIAL OBSERVATÓRIO DE ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO OBEC/RJ Edital nº 03/2014 CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores.

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ESCREVENDO SUA PRÓPRIA HISTÓRIA: UM RELATO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE OFICINAS DE ARTESANATO COM USUÁRIOS DO CAPS AD NO MUNICÍPIO DE CANOAS-RS. Introdução

O DESENVOLVIMENTO DE OFICINAS DE ARTESANATO COM USUÁRIOS DO CAPS AD NO MUNICÍPIO DE CANOAS-RS. Introdução O DESENVOLVIMENTO DE OFICINAS DE ARTESANATO COM USUÁRIOS DO CAPS AD NO MUNICÍPIO DE CANOAS-RS GT 7 - Economia solidária e sustentabilidades Relato de experiência SOUZA, Égon Ferreira 1 RESUMO O presente

Leia mais

Congresso Nacional de Negras e Negros do Brasil Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o País

Congresso Nacional de Negras e Negros do Brasil Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o País PLANO DE COM UNICAÇÃO, MÍDIA E DIVULGAÇÃO Elaboração: Ebomy Conceição Reis d' Ógùm- Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro- Brasileira Marcio Alexandre Martins Gualberto Coletivo de Entidades Negras

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

PLATAFORMA NOVIB 2002 GT

PLATAFORMA NOVIB 2002 GT PLATAFORMA NOVIB Recife, abril de 2002 GT Indicadores da PLATAFORMA NOVIB Coordenadores: Cristina S. Simião - ADITEPP - PR Jorge Kayano - Pólis - SP Criado na Plataforma Novib 1998 Projeto: Indicadores

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Os símbolos são usados pela humanidade desde o início dos tempos como representações que fortalecem a comunicação ao despertar emoções. Entre esses, encontram-se as marcas.

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas. Projeto Turismo. no Vale do Ribeira

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas. Projeto Turismo. no Vale do Ribeira Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Projeto Turismo e Economia Solidária no Vale do Ribeira Execução: Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da

Leia mais

REFORMA AGRÁRIA: RENDA E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO ARTESANATO

REFORMA AGRÁRIA: RENDA E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO ARTESANATO REFORMA AGRÁRIA: RENDA E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO ARTESANATO Cléa Venina Ruas Mendes Guimarães¹ Áurea Maria dos Santos Mundim² Patrícia Beatriz Modesto Freitas³ Eugênia Mara Dias Gonçalves 4 Introdução

Leia mais

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Sandra Faé Praxedes* Este artigo tem como objetivo oferecer ao leitor um breve balanço acerca do momento atual, das trajetórias

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

Empreendimento Popular Solidário Uma alternativa para melhoria do meio ambiente e para geração de renda

Empreendimento Popular Solidário Uma alternativa para melhoria do meio ambiente e para geração de renda Empreendimento Popular Solidário Uma alternativa para melhoria do meio ambiente e para geração de renda Sandra Márcia Cortez Ribeiro INTECOOP/UNIFEI, Brasil - sandramcr@msn.com RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA A CRIAÇÃO DE CARTAZ E LOGOMARCA DO CENTENÁRIO DA PARÓQUIA DE SANT ANA SUMARÉ

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA A CRIAÇÃO DE CARTAZ E LOGOMARCA DO CENTENÁRIO DA PARÓQUIA DE SANT ANA SUMARÉ REGULAMENTO DO CONCURSO PARA A CRIAÇÃO DE CARTAZ E LOGOMARCA DO CENTENÁRIO DA PARÓQUIA DE SANT ANA SUMARÉ Abertura: Com alegria e expectativa, estamos lançando o Concurso para a criação do cartaz e da

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Resumo: Esse estudo visa refletir sobre algumas questões referentes à formação de professores

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

Logomarca para Parceiros de Negócios. Junho / 2012

Logomarca para Parceiros de Negócios. Junho / 2012 Logomarca para Parceiros de Negócios Junho / 2012 Apresentação Este manual tem como objetivo facilitar ao nosso Parceiro de Negócios, o entendimento da aplicação dos logos da Valspe em suas comunicações.

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

manual de identidade visual

manual de identidade visual manual de identidade visual manual-perpart2.indd 1 índice 02 03 Apresentação A Marca 20 Papelaria Institucional Cartão de Visita I 04 A Marca 21 Cartão de Visita II 05 Logotipo 22 Envelope Ofício 06 Símbolo

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO Comunicação Christina Ferraz Musse estratégica Comunicação Social para grupos de economia popular solidária de Juiz de Fora e região (Núcleo de Comunicação Social da INTECOOP/ UFJF) Website da Liga Acadêmica

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte.

Palavras chaves: espaço público, cidadania, educação, arte. 1 ESPORTE, ARTE E EDUCAÇÃO INTERVENÇÕES EM UM ESPAÇO PÚBLICO Profª Ketlin Elisa Thomé Wenceslau Fiocco Resumo: Todos os anos o Colégio Arautos organiza um projeto interdisciplinar que tem como proposta

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Karine Xavier Freire 1 - SEEDF

Karine Xavier Freire 1 - SEEDF 1 SABER VII Ética do gênero humano Ambientes de aprendizagem como espaço de convivencia e transformação O CONHECIMENTO EM REDE: CONVIVER E INTERAGIR NO FÓRUM. Karine Xavier Freire 1 - SEEDF Lucicleide

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte 1 CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte Este texto refere-se às reflexões iniciais sobre a temática de pesquisa no Doutorado do Programa

Leia mais

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão Neste teste, a resolução da questão 1 exige a audição de uma sequência de três músicas que serão executadas sem interrupção: uma vez, no início do teste; uma vez, dez minutos após o término da primeira

Leia mais

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória.

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Projeto Leve Amor Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Vitória - ES RESUMO Exposição de conteúdo referente a idealização de um projeto

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

O FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1

O FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1 O FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E SUA RELAÇÃO COM O CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1 Benedito Anselmo Martins de Oliveira 2 A Economia Solidária no Brasil, em conformidade com as informações

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA CMESO: ASSESSORIA DE GRUPO INCUBADO PELA INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS- IESol

O SERVIÇO SOCIAL E CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA CMESO: ASSESSORIA DE GRUPO INCUBADO PELA INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS- IESol O SERVIÇO SOCIAL E CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA CMESO: ASSESSORIA DE GRUPO INCUBADO PELA INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS- IESol SOUZA, Jéssica Cavalheiro (estagio II), MOURA, Reidy

Leia mais

PROPOSIÇÕES METODOLÓGICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS SOCIAIS

PROPOSIÇÕES METODOLÓGICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS SOCIAIS PROPOSIÇÕES METODOLÓGICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS SOCIAIS O presente trabalho tem como foco o acompanhamento de ações realizadas por Organizações Sociais Populares que tem como missão o desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO. Somos o Projeto Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação.

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO. Somos o Projeto Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação. RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação HISTÓRICO DA AÇÃO Somos o Projeto Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação. Trabalhamos com experimentação,

Leia mais

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes.

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes. AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1 Andressa Cristina Coutinho BARBOZA Universidade Federal de Ouro Preto drecrist@ichs.ufop.br Resumo: O trabalho tem a proposta de

Leia mais

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Márcia Terezinha Brunatto Bittencourt Mestranda em Música da Universidade Federal de Goiás e-mail: marciatbbittencourt@yahoo.com.br Sumário: A

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2011 REGULAMENTO

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2011 REGULAMENTO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2011 REGULAMENTO 1. OBJETO 1.1. A CAIXA receberá, de 26 de abril a 18 de junho de 2010, projetos a serem realizados ao

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore A Junta de Freguesia de Silvares em parceria com a Comissão Representativa do Movimento Associativo da Freguesia

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais