PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO VOLUME II RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES NA DISCUSSÃO PÚBLICA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO VOLUME II RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES NA DISCUSSÃO PÚBLICA."

Transcrição

1 PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO VOLUME II RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES NA DISCUSSÃO PÚBLICA ABRIL de 2011 CÂMARA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA

2 PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO VOLUME II RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES NA DISCUSSÃO PÚBLICA ABRIL de 2011 CÂMARA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA Na capa: Fotografias da área de intervenção e extracto da proposta Empresa certificada pela NP EN ISO 9001:2008 Rua Paulo Jorge, CARCAVELOS PORTUGAL T F

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1 2. PONDERAÇÃO ANÁLISE 3 3. ALTERAÇÕES RESULTANTES DAS PARTICIPAÇÕES NA DISCUSSÃO PÚBLICA 9 4. SÍNTESE CONCLUSIVA 10 Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública

4

5 1. INTRODUÇÃO No âmbito da elaboração do Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho e ao abrigo do nº 3 do art.º 77º do RJIGT (na actual redacção do Decreto-Lei n.º 46/2009, de 20 de Fevereiro), a Câmara Municipal das Caldas da Rainha procedeu à abertura do período de Discussão Pública. O período de Discussão Pública foi previamente publicitado no Diário da República, 2ª série, n.º 37, de 22 de Fevereiro de 2011 por intermédio do Edital n.º 186/2011, tendo tido início em 1 de Março de 2011 e terminado a 1 de Abril de 2011, num total de 23 dias úteis. Este período foi ainda divulgado num jornal de âmbito nacional (Correio da Manhã), em vários meios de comunicação locais e no site da autarquia. Estiveram disponíveis para consulta pública, no Gabinete de Planeamento da Câmara Municipal das Caldas da Rainha e no site da autarquia, todos os elementos que constituem e acompanham o Plano, o respectivo Relatório Ambiental, bem como a acta da conferência de serviços realizada, os pareceres emitidos pelas diferentes entidades auscultadas e os resultados da concertação que decorreu após a referida conferência. Foram efectuadas duas sessões públicas: uma no dia 24 de Março de 2011 em Foz do Arelho (no Centro Social e Recreativo) e outra no dia 28 de Março de 2011 em Serra do Bouro (no Centro Cultural e Recreativo). Do processo de participação pública, há a registar um total de 5 participações recepcionadas. O presente relatório apresenta a ponderação das 5 participações recepcionadas, bem como a compilação das alterações a introduzir no Plano em resultado da apreciação favorável, ou parcialmente favorável das mesmas. No Quadro 1 encontram-se sistematizadas todas as participações. O Artigo 77º do RJIGT, no n.º 5 determina que após terminado o período de Discussão Pública a Câmara Municipal ponderará as reclamações, observações, sugestões e pedidos de esclarecimento apresentados pelos particulares, ficando obrigada a resposta fundamentada perante aqueles que invoquem, designadamente: a) A desconformidade com outros instrumentos de gestão territorial eficazes; b) A incompatibilidade ilidade com planos, programas e projectos que devessem ser ponderados em fase de elaboração; c) A desconformidade com disposições legais e regulamentares aplicáveis; d) A eventual lesão de direitos subjectivos. Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública 1

6 Concluída a ponderação, os resultados têm que ser divulgados através da comunicação social e da página da Câmara Municipal da internet. Independentemente do disposto no referido diploma, a Câmara Municipal decidiu que todas as participações com conteúdo legível serão objecto de resposta, mesmo que se trate de um simples esclarecimento. 2 Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública

7 2. PONDERAÇÃO ANÁLISE As participações foram analisadas individualmente, tendo sido identificado o requerente e se este possuía terrenos na área de intervenção. A avaliação das participações consistiu numa análise qualitativa das mesmas e da consequente apreciação da necessidade de alterar, ou não, algum elemento do Plano em consonância, em função de se considerar esta apreciação favorável (total ou parcialmente) ou desfavorável, respectivamente. O resultado da análise efectuada encontra-se reflectido no quadro seguinte. Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública 3

8 Quadro 1: Análise das participações N.º da participação 1 Identificação do requerente/participante Nome Sebop Sociedade Extracção Britagens e Obras Públicas, S. A. Residência Av. Duque D Ávila, n.º 20, 2º ( Lisboa) Proprietário na área de intervenção Sim Conteúdo da participação O requerente, que procede à exploração de calcários e é detentor de um número significativo de terrenos no interior da AI, nomeadamente no seu canto sueste, alega o direito de exploração sobre as massas minerais existentes no local, uma vez que tem licença de laboração emitida pelas entidades responsáveis. A Sebop apresenta vários documentos demonstrativos da legitimidade dos seus direitos de exploração da denominada Pedreira da Tojeira, concretamente: o plano de lavra da Pedreira, fotografia ografia aérea da pedreira, Carta da DRE-LVT com os vértices da área licenciada, carta topográfica, cadernetas prediais dos 12 terrenos que compõem a pedreira e comprovativo da inscrição dos 12 prédios como urbanos. Neste sentido, a Sebop apresenta as seguintes exigências: Retirar da Área de Intervenção do Plano de Pormenor a área de exploração licenciada da pedreira da Tojeira; Retirar a fotografia n.º 13 da Planta de Caracterização do Edificado, integrada no Volume I Apreciação Parcialmente favorável Observações A Área de Intervenção do Plano de Pormenor é a que consta do Plano Director Municipal (PDM) das Caldas da Rainha, não correspondendo a uma situação nova criada pela elaboração deste PP. Como tal, não pode existir qualquer alteração da Área de Intervenção. Refira-se, aliás, que o PDM não prevê qualquer área de extracção de inertes no interior da AI do PP, apesar de prever uma área para este uso no seu exterior e imediatamente adjacente. Não obstante, a área de exploração da Pedreira da Tojeira foi consagrada no PP e salvaguardada pelo Regulamento e pela sua inclusão na Planta de Condicionantes. A área onde se encontra a Pedreira, correspondente à Unidade de Execução UE2, foi remetida para uma das últimas fases de execução do Plano e a sua execução foi condicionada à cessação da actividade das pedreiras. Deixou-se aberta a possibilidade de, no âmbito dessa execução, existirem negociações entre os promotores do empreendimento para assegurar os interesses das duas partes, sendo que nunca é referido que a exploração da pedreira é incompatível com a exploração turística do empreendimento. A fotografia n.º 13 da Planta de Caracterização do Edificado, integrada no Volume I, que retrata a pedreira da Tojeira, será retirada da referida Planta uma vez que não se trata, efectivamente, de nenhuma estrutura edificada. 4 Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública

9 N.º da participação 2 3 Identificação do requerente/participante John Flynn Nome Patrick Junta de Freguesia da Foz do Arelho Residência 6 Croxton Close, Sale, Cheshire (M384WF Inglaterra) Rua Francisco Almeida Grandella, 9P (2500 Foz do Arelho) Proprietário na área de intervenção Sim Não Conteúdo da participação O requerente, alegando várias diligências anteriores junto da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, solicita que seja consagrada no PP a sua pretensão de construir um hotel nos seus terrenos, localizados na zona sudoeste da AI. Alega, ainda, que a proposta do PP toma em consideração apenas os interesses do maior proprietário (a NWI). O requerente chama a atenção para a necessidade de adequada recuperação e tratamento da água proveniente da rega que, pelo facto de conter nitratos e fosfatos, em situações de grande pluviosidade acabarão por atingir a Lagoa de Óbidos com claros impactos ambientais negativos. É ainda referido que seria desejável que o Plano fosse certificado de acordo com a Norma NP EN ISO 14001, o que conferiria uma garantia de qualidade ambiental adicional, para além de valorizar sobremaneira a imagem do empreendimento e do Município, atendendo ao públicoalvo a que é destinado. Apreciação Desfavorável Favorável uma vez que as questões levantadas já estão asseguradas no PPEA Observações A proposta do PPEA foi elaborada sem atender a ao interesse particular de qualquer proprietário, contemplando, inclusivamente, os mecanismos habituais de repartição de benefícios e custos, associados à denominada perequação. Estes mecanismos garantem que qualquer proprietário no interior da AI terá direitos directamente proporcionais à superfície de terrenos que detenha na AI face à superfície total, independentemente da qualificação de solo imposta aos terrenos ou da existência de condicionantes legais. Acrescente-se que, como é referido pelo requerente, os seus terrenos estão situados na faixa de 500 metros do POOC, o que, à luz da legislação vigente (nomeadamente após a entrada em vigor do PROT-OVT) é impeditivo de quaisquer pretensões edificatórias. A rega dos espaços verdes e do campo de golfe será efectuada a partir do tratamento de águas residuais domésticas que conterão os mais inócuos fertilizantes e pesticidas existentes e em quantidades monitorizadas para serem totalmente absorvidas pelos espaços regados. O campo de golfe funcionará em sistema fechado, o que não só evitará a infiltração de água para os lençóis freáticos como permitirá o seu reaproveitamento. A água será sempre recirculada e armazenada em lagos a partir dos quais é feita a rega do campo de golfe e dos espaços verdes. Nos lagos e nas zonas de descarga de emergência destes lagos para as linhas de água (onde existirão bacias de retenção e leitos de laminação de caudal) existirão macrófitas para absorver os nitratos e Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública 5

10 N.º da participação 4 Identificação do requerente/participante Nome Junta de Freguesia da Foz do Arelho Residência Rua Francisco Almeida Grandella, 9P (2500 Foz do Arelho) Proprietário na área de intervenção Não Conteúdo da participação É entendimento do requerente que os acessos previstos para o empreendimento a construir na área definida pelo Plano em discussão pública deveriam ser fixadas em localizações que promovessem um eixo de mobilidade efectivo entre o empreendimento e as povoações que lhe são mais próximas,, designadamente a Vila da Foz do Arelho. O acesso sul do empreendimento previsto pelo PP, junto à antiga Pedreira D'El Rei é considerado indesejável na medida em que permitirá atravessamentos ou cruzamentos de nível numa via com as características da Variante. Assim, o requerente propõe para acesso principal, a utilização na primeira rotunda já construída na Variante Atlântica na freguesia da Foz do Arelho (sentido Caldas - Foz), que é, nos projectos da freguesia e da Apreciação Parcialmente favorável Observações fosfatos existentes na água. Estes sistemas, se correctamente projectados, permitirão purificar a água em condições praticamente suficientes para a tornar potável e sempre muito mais puras do que as águas lixiviadas dos campos agrícolas circundantes. No artigo 9º do regulamento é referido que O Conjunto Turístico deve cumprir os critérios para atribuição do rótulo ecológico (Regulamento (CE) n.º 66/2010 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25/11/2009), dispor de um sistema de gestão ambiental certificado pela Norma ISO 14001:2004 e de um sistema de gestão da responsabilidade social certificado pela NP 4469, pelo que se consideram atendidas todas as preocupações do requerente. Refira-se, ainda, que o regulamento prevê também que o projecto do campo de golfe deve obter a certificação "Audubon Signature Programme" e a posterior certificação "Audubon Signature Sanctuary", ou outra internacionalmente reconhecida, que são garantes da sua sustentabilidade ambiental. A ligação do empreendimento à Variante sul, proposta pelo requerente, foi uma das opções que começou a ser estudada pela equipa do Plano. No entanto, foram imediatamente detectadas sérias condicionantes, tais como a necessidade de atravessar a Reserva Ecológica Nacional (existente em todo o limite sul da AI), a necessidade de transpor declives muito acentuados (superiores a 16% e frequentemente superiores a 30%) e a necessidade de atravessar áreas de habitats que se pretendem proteger, conforme expresso no 6 Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública

11 N.º da participação Identificação do requerente/participante Nome Residência Proprietário na área de intervenção Conteúdo da participação Câmara Municipal, o principal eixo de acesso da Variante ao centro da vila e que foi implantada nesse local aquando da construção da Variante, tendo em vista já a futura ligação ao empreendimento. É referido que a menos de 300 metros desta rotunda há já um acesso vicinal de dimensão bastante razoável que deverá ser utilizado para o efeito sem prejuízo ambiental. Apreciação Observações Relatório do Plano. Mesmo se estas duas últimas razões não se aplicassem, só o facto de ser proibida a abertura de novos caminhos em REN seria motivo suficiente para inviabilizar a proposta apresentada pelo requerente, ou, mesmo que assim não fosse, pelo menos atrasar significativamente a aprovação do Plano e tornar impossível cumprir o limite de 30 de Abril previsto no PROT. A escolha do acesso sul preconizado pelo PPEA foi minuciosamente estudada e a solução apresentada está associada à pré-existência de caminhos no local proposto, às características topográficas e à reduzida sensibilidade do mesmo. É entendimento da Câmara e da equipa projectista que, não obstante a necessidade, e importância, de contemplar um acesso que possibilite uma ligação directa à vila de Foz do Arelho e mais fácil à cidade das Caldas da Rainha - que por isso deve, necessariamente, ser localizado a sul (e associado à Variante), - a entrada principal do empreendimento, por razões emblemáticas e de imagem do conjunto turístico associadas à presença do mar, deve ser a Estrada Atlântica, tal como proposto no PPEA. Não obstante, na Planta de Implantação e de Apresentação estão indicados os caminhos que permitem fazer a ligação pedonal, ciclável e para veículos de emergência à variante sul. Foi alterada a Planta de Implantação e assinalado um dos caminhos como Acesso preferencial à Foz do Arelho, o que lhe confere maior importância e visibilidade e +oderá contribuir para realizar agumas obras de melhoramento. Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública 7

12 N.º da participação Identificação do requerente/participante Nome Residência Proprietário na área de intervenção Conteúdo da participação Apreciação Observações Propõe-se que se tenha em consideração numa futura revisão do Plano a inclusão do acesso pedido, presumivelmente com um contexto temporal diferente do presente. 5 Junta de Freguesia da Foz do Arelho Rua Francisco Almeida Grandella, 9P (2500 Foz do Arelho) Não O requerente refere que o conteúdo regulamentar do plano não acautela devidamente que o Campo de Golfe seja efectivamente construído. Este equipamento é visto como estrutural para o sucesso do empreendimento e como factor chave do turismo do município, mas o facto de a propriedade estar profundamente fragmentada pode ser um problema muito sério na sua efectiva execução. Favorável Foi alterado o Programa de Execução (pág. 15 e 16). O licenciamento e a construção do Campo de Golfe serão realizados na 1.ª Fase do Plano. 8 Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública

13 3. ALTERAÇÕES RESULTANTES DAS PARTICIPAÇÕES NA DISCUSSÃO PÚBLICA Como referido, na sequência da análise das participações, foram identificadas as alterações a introduzir no Plano em resultado das apreciações favoráveis e parcialmente favoráveis. Assim, registou-se se a necessidade de proceder às seguintes alterações ao Plano: Peça Desenhada n.º 01.1 (Volume III) Planta de Implantação Foi acrescentada a menção acesso preferencial à Foz do Arelho relativamente a um caminho público a sul da área de intervenção do Plano. Peça Desenhada n.º 13 (Volume I) Planta de Caracterização do Edificado - A fotografia n.º 13 da Planta de Caracterização do Edificado que retrata a pedreira da Tojeira, é retirada da Planta uma vez que a pedreira não é uma estrutura edificada. Relatório de Proposta (Volume II) - No capítulo das infraestruturas e no anexo referente às preocupações ambientais na concepção do campo de golfe é reforçada a preocupação com a gestão da água da rega e com a escolha e monitorização dos produtos de tratamento e é dado maior destaque aos mecanismos de tratamento de água de rega. Programa de Execução (Volume II) O Programa de Execução foi alterado no sentido de prever a construção do Campo de Golfe na 1.ª Fase de execução do Plano (pág. 15 e 16) ). Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública 9

14 4. SÍNTESE CONCLUSIVA O período de Discussão Pública do Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho decorreu entre o dia 1 de Março de 2011 e o dia 1 de Abril de Ocorreram, durante este período, um total de 5 participações, de três requerentes (ou participantes) diferentes. Da ponderação das participações na Discussão Pública resultam algumas pequenas alterações a introduzir ao Plano, essencialmente de pormenor ou de reforço daquilo que já eram objectivos do plano, mas que se considera que poderiam estar um pouco mais desenvolvidas. 10 Plano de Pormenor da Estrada Atlântica/Foz do Arelho Volume II - Relatório de Ponderação das Participações na Discussão Pública

Expansão da Plataforma Logística

Expansão da Plataforma Logística CÂMARA U1 Expansão da Plataforma Logística RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA DA PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO E RESPECTIVO PROGRAMA-BASE DIVISÃO DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO D EZ E M

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal

Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal Fase 4 Plano Diretor Municipal Relatório de Ponderação da Discussão Pública Junho 2015 E17133 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais

Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal

Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal Legislação de enquadramento A tramitação dos procedimentos exigíveis nos processos de elaboração e revisão de planos

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA PROJECTO DE EXECUÇÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO ÍNDICE DE PORMENOR 1. INTRODUÇÃO...1 2. PROCESSO DE

Leia mais

Aviso. Procedimento de Formação de Contrato para Planeamento. Elaboração do Plano de Pormenor da Ranha_UOPG16

Aviso. Procedimento de Formação de Contrato para Planeamento. Elaboração do Plano de Pormenor da Ranha_UOPG16 Aviso Procedimento de Formação de Contrato para Planeamento Elaboração do Plano de Pormenor da Ranha_UOPG16 Rui Rio, Presidente da Câmara Municipal do Porto, torna público que a Câmara Municipal, na 32.ª

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL de AVEIRO. Plano de Pormenor do Centro - ALTERAÇÃO. Relatório de Ponderação e Apuramento dos Resultados da Participação Pública

CÂMARA MUNICIPAL de AVEIRO. Plano de Pormenor do Centro - ALTERAÇÃO. Relatório de Ponderação e Apuramento dos Resultados da Participação Pública CÂMARA MUNICIPAL de AVEIRO Plano de Pormenor do Centro - ALTERAÇÃO Relatório de Ponderação e Apuramento dos Resultados da Participação Pública INDICE 1. Discussão Pública 1.1. Publicitação do Projecto

Leia mais

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE ÍNDICE 1- Introdução... 2 2 - Enquadramento Legal do Plano... 2 3 - Enquadramento Territorial da Área de Intervenção... 3 4 - Base Programática para o Desenvolvimento da Solução Urbanística... 5 4.1 Caracterização

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PARCIAL AO PLANO DE PORMENOR DA GAFANHA DA BOA HORA/FLORESTA

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PARCIAL AO PLANO DE PORMENOR DA GAFANHA DA BOA HORA/FLORESTA DECLARAÇÃO AMBIENTAL DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PARCIAL AO PLANO DE PORMENOR DA GAFANHA DA BOA HORA/FLORESTA Setembro de 2011 QUEROVENTO Serviços em Ambiente, Lda. AAE da Proposta de Alteração Parcial ao

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Identificação Designação do Projecto: Tipologia de Projecto: Localização: Proponente: Entidade licenciadora: Instalações de pecuária intensiva. Caso geral: 40 000 galinhas

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Identificação Designação do Projecto: Tipologia de Projecto: Localização: Proponente: Entidade licenciadora: Autoridade de AIA: Hotel de Apartamentos da Praia dos Moinhos

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 361/XI

PROJECTO DE LEI Nº 361/XI PROJECTO DE LEI Nº 361/XI ALTERA O REGIME JURÍDICO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL ESTABELECIDO PELO DECRETO-LEI Nº 69/2000, DE 3 DE MAIO, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 74/2001,

Leia mais

ALTERAÇÃO DO PDM PLATAFORMA LOGÍSTICA (Vale de Murta) e ZONA INDUSTRIAL (Pinhal da Gandra)

ALTERAÇÃO DO PDM PLATAFORMA LOGÍSTICA (Vale de Murta) e ZONA INDUSTRIAL (Pinhal da Gandra) 1. INTRODUÇÃO/ENQUADRAMENTO A região da Figueira da Foz encontra-se perante um conjunto de oportunidades que, devidamente aproveitadas, poderão potenciar novas dinâmicas de desenvolvimento e a atracção

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

CONTRATO PARA PLANEAMENTO

CONTRATO PARA PLANEAMENTO CONTRATO PARA PLANEAMENTO Entre a Primeira Outorgante: Câmara Municipal do Porto, representada, neste acto, pelo seu Presidente, Dr Rui Fernando da Silva Rio, com os poderes resultantes do disposto na

Leia mais

Parecer da Ordem dos Arquitectos sobre a. Proposta de revisão do decreto nº 73/37, de 28 de Fevereiro

Parecer da Ordem dos Arquitectos sobre a. Proposta de revisão do decreto nº 73/37, de 28 de Fevereiro Parecer da Ordem dos Arquitectos sobre a Proposta de revisão do decreto nº 73/37, de 28 de Fevereiro apresentada pelo IMOPPI e datada de 17 de Novembro 1. Questões prévias A forma de que se vai revestir

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Workshop - Regulamentação da cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Luis Rebolo ESTRUTURA DA

Leia mais

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) O Decreto-Lei n.º 251/98,

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

REGULAMENTO DE HORTAS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA 2011

REGULAMENTO DE HORTAS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA 2011 REGULAMENTO DE HORTAS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA 2011 Considerando a vontade da Câmara Municipal de Beja no aproveitamento do potencial das hortas urbanas enquanto espaços de fins múltiplos, nomeadamente

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE FIEAE - Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas ( FIEAE ) 4 de Junho de 2009 Capítulo I ÂMBITO Artigo 1º 1 - O presente regulamento define a tramitação dos procedimentos

Leia mais

(Regulamentação do D.L. N.º 68/2002, de 25 de Março)

(Regulamentação do D.L. N.º 68/2002, de 25 de Março) PROCEDIMENTOS DE LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE MICROPRODUÇÃO COM AUTOCONSUMO DO GRUPO II Aprovados por Despacho do Director-Geral de Energia, de 29 de Outubro de 2003. (Regulamentação do D.L.

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) SQ.E.O.01 - Dezembro 2008 Índice Página 1. Objectivo 2 2. Campo de aplicação 2 3. Documentos de referência

Leia mais

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional).

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional). A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 213/92, de 12 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com residência/sede em, código

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da a) OBRAS COM FINALIDADE AGRÍCOLA, QUANDO INTEGRADAS NA GESTÃO DAS EXPLORAÇÕES LIGADAS À ATIVIDADE AGRÍCOLA, NOMEADAMENTE, OBRAS DE EDIFICAÇÃO, OBRAS HIDRÁULICAS, VIAS DE ACESSO, ATERROS E ESCAVAÇÕES, E

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS

Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS (de acordo com Decreto-Lei nº217/2012 e Portarias nº 1188/2003 e nº 1515/2007) Introdução Por força do Programa de Simplificação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP Aprovado em reunião do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em 25 de Março de 2008 Capítulo I Disposições

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril FIGURA DO ALOJAMENTO LOCAL A figura

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM Procedimentos para a atribuição do título de Engenheiro Especialista em Segurança no Trabalho da Construção 1 Introdução...2 2 Definições...4

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

Regulamento Municipal sobre Bloqueamento, Remoção e Depósito de Veículos. Preâmbulo

Regulamento Municipal sobre Bloqueamento, Remoção e Depósito de Veículos. Preâmbulo Regulamento Municipal sobre Bloqueamento, Remoção e Depósito de Veículos Preâmbulo O presente regulamento visa regular a recolha, remoção e depósito de veículos em fim de vida abandonados na via pública,

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Considerando que: Compete ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos)

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos) ! " Capítulo I Introdução Geral Capítulo II Antecedentes do Projecto Capítulo III Conformidade com a DIA Capítulo IV Planos de Monitorização Ambiental Capítulo V Conclusões ANEXOS TÉCNICOS BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014 CÁLCULO DE MAIS VALIAS DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras 1 INTRODUÇÃO Considerando que o desenvolvimento das transformações de uso do solo resultantes

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Processo Nº / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE AGUÇADOURA. RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES NA DISCUSSÃO PÚBLICA e do parecer da CCDR Norte.

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE AGUÇADOURA. RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES NA DISCUSSÃO PÚBLICA e do parecer da CCDR Norte. PLANO DE URBANIZAÇÃO DE AGUÇADOURA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES NA DISCUSSÃO PÚBLICA e do parecer da CCDR Norte Setembro 2012 CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM PLANO DE URBANIZAÇÃO DE AGUÇADOURA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 310/2003, de 10 de Dezembro (que altera o Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINES Plano de Pormenor da Cidade Desportiva. Proposta de Plano. Regulamento

CÂMARA MUNICIPAL DE SINES Plano de Pormenor da Cidade Desportiva. Proposta de Plano. Regulamento CÂMARA MUNICIPAL DE SINES Plano de Pormenor da Cidade Desportiva Proposta de Plano Regulamento Novembro de 2011 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 1º OBJECTIVO E ÂMBITO 2 ARTIGO 2º RELAÇÃO COM OUTROS

Leia mais

Estacionamento tem novas regras em vigor

Estacionamento tem novas regras em vigor Estacionamento tem novas regras em vigor A presente edição do Almada Informa contém o Regulamento Geral de Estacionamento e Circulação das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada. O mesmo é complementado

Leia mais

Município de Macedo de Cavaleiros Câmara Municipal. Regulamento da Concessão de Pesca Desportiva na Albufeira do Azibo. Preâmbulo

Município de Macedo de Cavaleiros Câmara Municipal. Regulamento da Concessão de Pesca Desportiva na Albufeira do Azibo. Preâmbulo Regulamento da Concessão de Pesca Desportiva na Albufeira do Azibo Preâmbulo A Barragem do Azibo foi construída com o objectivo de fornecer água a vários regadios localizados no concelho de Macedo de Cavaleiros,

Leia mais

NORMA 3.2.2/GAL DOLMEN/2011 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE APLICAÇÃO DA ACÇÃO 3.2.2

NORMA 3.2.2/GAL DOLMEN/2011 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE APLICAÇÃO DA ACÇÃO 3.2.2 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição do regulamento específico de aplicação dos procedimentos relativos à abertura de concurso, à recepção, análise e decisão dos Pedidos de Apoio (PA),

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL Março de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS GERAIS E COMPLEMENTARES DO

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO Decreto-Lei n.º 39/2010 de 26 de Abril O Programa do XVIII Governo Constitucional estabelece como uma das principais linhas de modernização estrutural

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTALEGRE

MUNICÍPIO DE MONTALEGRE Procedimento concursal comum para a ocupação de diversos postos de trabalho em regime de contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado No uso da competência conferida pelo artigo 68º

Leia mais

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação TIPIFICAÇÃO DAS SITUAÇÕES DE RISCO NA ORLA COSTEIRA NAS ILHAS DOS AÇORES Planeamento e Ordenamento nas Zonas Costeiras Ana Maria Morais BARROCO Arqt.ª Paisagista, Quaternaire Portugal; +351213513200, abarroco@quaternaire.pt

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Considerando a necessidade de apoiar a criação e a consolidação de cooperativas residentes no concelho. Considerando a necessidade de incentivar a expansão

Leia mais

NORMA 3.1.3/GAL Leader Oeste/2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE APLICAÇÃO DA ACÇÃO 3.1.3

NORMA 3.1.3/GAL Leader Oeste/2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE APLICAÇÃO DA ACÇÃO 3.1.3 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição do regulamento específico de aplicação dos procedimentos relativos à abertura de concurso, à recepção, análise e decisão dos Pedidos de Apoio (PA),

Leia mais

Figura 3.1 Alcar-do-Algarve em flor... 4

Figura 3.1 Alcar-do-Algarve em flor... 4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O PROJECTO... 3 3. DESCRIÇÃO DO AMBIENTE AFECTADO... 3 4. PRINCIPAIS IMPACTES... 5 5. MEDIDAS MINIMIZADORAS... 6 6. PROGRAMAS DE MONITORIZAÇÃO... 6 ÍNDICE DE FIGURAS Figura

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

P l a n o d e P o r m e n o r da Á r e a d e L o c a l i z a ç ã o E m p r e s a r i a l da Be n e d i t a

P l a n o d e P o r m e n o r da Á r e a d e L o c a l i z a ç ã o E m p r e s a r i a l da Be n e d i t a Plano de Pormenor da Área de Localização Empresarial da Benedita Termos de Referência Setembro 2011 ÍNDICE 1. Nota Introdutória 4 1.1. Identificação dos Proprietários e dos Promotores 5 1.2. Enquadramento

Leia mais

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre Qualidade dos EIA Critérios para avaliação IMPACTES AMBIENTAIS 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 36 20 de Fevereiro de 2008 1147

Diário da República, 1.ª série N.º 36 20 de Fevereiro de 2008 1147 Diário da República, 1.ª série N.º 36 20 de Fevereiro de 2008 1147 2 O licenciamento a que respeita o presente artigo só pode ter lugar quando o requerente invoque e prove a necessidade urgente de habitação

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO Áreas de reabilitação urbana, Planos de pormenor de reabilitação urbana, Programas de Acção Territorial Outros instrumentos 1. Os elementos essenciais

Leia mais

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Estudo de Impacte Ambiental Volume III Relatório elaborado para: GestinViana Edifício de Apoio à Doca de Recreio 4900 Viana do Castelo IMA 12.05-03/26 FEVEREIRO

Leia mais

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE GÁS NATURAL FEVEREIRO 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21

Leia mais

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DO SOL DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO SPU PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS UOPG 3 TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO OUTUBRO 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. NOTAS

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes e Parcelas para instalação de Actividades Económicas

Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes e Parcelas para instalação de Actividades Económicas Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes e Parcelas para instalação de Actividades Económicas Nota Introdutória A existência de um Regulamento de cedência de lotes para a Zona Industrial de Moura,

Leia mais

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) Programas Operacionais Regionais do Continente REGULAMENTO ESPECÍFICO Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às acções de formação previstas na Medida 4 da Intervenção Operacional para a Ciência

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO VOLUME II. MAPA DE RUÍDO e MAPA DE RUÍDO PREVISIONAL. FEVEREIRO de 2011

PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO VOLUME II. MAPA DE RUÍDO e MAPA DE RUÍDO PREVISIONAL. FEVEREIRO de 2011 PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO VOLUME II MAPA DE RUÍDO e MAPA DE RUÍDO PREVISIONAL FEVEREIRO de 2011 CÂMARA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO CÂMARA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA RELATÓRIO AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO

PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO CÂMARA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA RELATÓRIO AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA/FOZ DO ARELHO CÂMARA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA RELATÓRIO AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO FEVEREIRO de 2011 PLANO DE PORMENOR DA ESTRADA ATLÂNTICA / FOZ DO ARELHO

Leia mais

Portaria n.º 376/2007 de 30 de Março

Portaria n.º 376/2007 de 30 de Março Portaria n.º 376/2007 de 30 de Março O Decreto-Lei n.º 96/2007, de 29 de Março, definiu a missão e atribuições do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, I. P., abreviadamente

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais