QUALIDADE E VIDA ÚTIL PÓS-COLHEITA DO MELÃO GOLD MINE PRODUZIDO NA ÉPOCA DAS CHUVAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE E VIDA ÚTIL PÓS-COLHEITA DO MELÃO GOLD MINE PRODUZIDO NA ÉPOCA DAS CHUVAS"

Transcrição

1 ISSN: QUALIDADE E VIDA ÚTIL PÓS-COLHEITA DO MELÃO GOLD MINE PRODUZIDO NA ÉPOCA DAS CHUVAS Janilson Kleber Menezes Mota 1, Josivan Barbosa Menezes 2, Glauber Henrique de Sousa Nunes 3, Railene Hérica Carlos Rocha 4 RESUMO Instalou-se um experimento no Laboratório de Pós-Colheita de Frutos da Escola Superior de Agricultura de Mossoró-ESAM, com o objetivo de avaliar a qualidade e vida útil pós-colheita do melão Gold Mine (Cucumis melo L. var. inodorus Naud.) produzido no período chuvoso, provenientes de três empresas agrícolas instaladas no Agropolo Mossoró-Açu/RN. Adotou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 x 6 com três repetições e 12 frutos por parcela, sendo que o primeiro fator considerado foi temperaturas de armazenamento (ambiente 2 ºC + 2 ºC, UR % + % e refrigerado 11 ºC + 2 ºC, UR 9 % + %) e o segundo fator tempos de armazenamento (, 7, 14, 21, 28, 3). As características avaliadas foram: firmeza de polpa, perda de peso, aparência externa e interna e conteúdo de sólidos solúveis totais. A vida útil pós-colheita dos frutos foi estimada em 3 dias para o armazenamento a temperatura ambiente e refrigerada, mantendo boa aparência interna e externa, notas acima de 4,, porém baixos conteúdos de sólidos solúveis, próximo a 7,8% e firmeza de polpa em torno de 18 N, inadequados para comercialização à longa distância. Palavras-chave: Cucumis melo L., armazenamento, temperatura, manejo QUALITY AND SHELF LIFE OF GOLD MINE MELON CULTIVATED IN THE RAINFALL GROWING SEASON ABSTRACT This work aimed to evaluate the quality and that s shelf life of Gold Mine melon (Cucumis melo L. var. inodorus Naud.) that s cultivated in the rain season. The experiment was carried out at the fruit post harvest laboratory Chemistry and Technology of the Escola Superior de Agricultura de Mossoró-ESAM. The fruits were harvested in Mossoró-Açu, Rio Grande do Norte State. The experiment was carried out in a completely randomized design in a 2 x 6 factorial scheme with three replications and twelve fruits per plot. The first considered factor was the storage temperature (ambient temperature: 2ºC 2ºC and % % U. R and at cooled ambient: 11ºC 2ºC and 9% % U. R) and the second factor was the storage time (, 7, 14, 21, 28 and 3 days of storage). The following traits were evaluated during this period: weight loss, internal and external fruit appearance, pulp firmness and total soluble solids. The post harvest shelf life of Gold Mine melon was esteemed in 3 days for fruits storage at environment and refrigerated conditions, maintaining good external and internal appearance with superior note to 4,, however with low soluble solids contents, near to 7,8%, and pulp firmness around 18 N, that inadequate for commercialization that are long distance. Keywords: Cucumis melo L., storage, temperature, handling Protocolo de 21/2/21 1 Engº Agrº, Departamento de Química e Tecnologia da ESAM, c. p. 137, CEP , Mossoró-RN. Fone: Professor Doutor do departamento de Química e Tecnologia da ESAM, c. p. 137, CEP , Mossoró-RN. Fone: Dr. Bolsista de DCR-CNPq-ESAM, c. p. 137, CEP , Mossoró-RN. Fone: Bolsista do CNPq, estudante do curso de mestrado em Agronomia: Fitotecnia da ESAM, c. p. 137, CEP , Mossoró-RN. Fone:

2 24 INTRODUÇÃO A importância econômica do melão tem estimulado a intensificação das pesquisas nos últimos anos, sobre fisiologia, bioquímica e tecnologia pós-colheita do fruto (Menezes et al., 1997). Essa cultura destaca-se como a principal olerícola cultivada na Região Nordeste do país, sendo responsável por mais de 91% da produção nacional (IBGE, 1997). Constituindose, também, na maior expressão econômica e social para a Região Nordeste do Brasil. O Rio Grande do Norte, é considerado o maior produtor brasileiro, destacando-se em 1996, com 6,12 % de área plantada e 63,36 % da produção total (Dias et al., 1998). As variedades de melão existentes, no mundo, estão reunidas em três categorias, do ponto de vista comercial: grupo reticulatus, inodorus e cantaloupenses (Gayet, 1994). O Brasil vem produzindo, principalmente, o melão amarelo (Cucumis melo L. grupo inodorus), conhecido no mercado como melão espanhol, isto porque esse grupo de melão possui maior conservação pós-colheita (Souza et al., 1994). Aproximadamente 98% do melão produzido, no Brasil, são ainda do grupo Amarelo (inodorus), onde fazem parte diversas cultivares e híbridos. O melão inodorus apresenta vida útil póscolheita de três a quatro semanas, podendo estender-se até cinco ou seis semanas, dependendo da cultivar (Menezes et. al., 1998). A umidade do ar e do solo, também, apresenta influência sobre a produção e qualidade do fruto. Condições de umidade elevada favorecem a formação de frutos de má qualidade e propiciam condições favoráveis para o desenvolvimento de doenças fúngicas, bacterianas e viróticas. Os melões produzidos nessas condições são em geral pequenos e de sabor desagradável, com baixo teor de açúcares devido à ocorrência de doenças que causam a queda das folhas e o excesso de umidade que afeta a fisiologia da planta. Na maioria dos países produtores de melão, evita-se o plantio na época das chuvas, porque além de favorecer o aparecimento de doenças, existe uma correlação negativa com a qualidade do fruto. Um exemplo é a região de Mossoró-Baraúna, principal pólo produtor de melão do Brasil, onde geralmente se planta no período de junho a fevereiro. O objetivo deste trabalho é avaliar a qualidade do melão Gold Mine (Cucumis melo L. var. inodorus Naud.) produzido na época das chuvas e determinar a vida útil pós-colheita do híbrido armazenado em condições ambiente (2 ºC + 2 ºC, UR % + %) e em câmara fria (11 ºC + 2 ºC, UR 9 % + %). MATERIAIS E MÉTODOS Os frutos foram colhidos no estádio de maturação comercial (7 dias após a semeadura) sendo provenientes de três empresas agrícolas do Agropólo Mossoró- Açu, Município de Baraúna-RN, com clima semi-árido, temperatura média em torno de 27,4 o C e período invernoso de fevereiro a junho, umidade relativa média 7% e precipitações média, máxima e mínima 82,9 mm, 2.662,2 mm e 171,7 mm anuais, respectivamente, distribuídas irregularmente, sendo março e abril os meses mais chuvosos. O genótipo estudado, o híbrido Gold Mine, tipo Amarelo é muito produtivo, menos exigente em água e que tem apresentado boa tolerância de campo a oídio e míldio. Os frutos são uniformes, com peso médio em torno de 1.8 g, pequena cavidade interna, sem odor e polpa de coloração branco-creme. Fez-se uma seleção dos frutos no campo, eliminando-se aqueles com imperfeições facilmente detectáveis tais como: ferimento mecânico, rachaduras, depressões superficiais e ataque de fungos ou brocas. Os melões foram classificados por tipo e acondicionados em caixas estilos mercado externos, em seguida foram transportados para o laboratório do Núcleo de Estudos em Pós-Colheita da Escola Superior de Agricultura de Mossoró ESAM. Após serem enumeradas ao acaso, uma parte dos frutos foram armazenados em uma sala sob condições ambiente (2 ºC + 2 ºC, UR % + %), e a outra parte foi acondicionada em câmara fria (11 ºC + 2 ºC, UR 9 % + %). O experimento foi instalado em delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 x 6 com três repetições e 12 frutos por parcela, sendo o primeiro fator considerado temperaturas de armazenamento (ambiente e 11 ºC + 2 ºC) e o segundo fator tempos de armazenamento (, 7, 14, 21, 28, 3 dias). As avaliações foram feitas, em intervalos de sete dias, durante 3 dias. Os frutos foram cortados longitudinalmente e parte do mesocarpo foi homogeneizada em liqüidificador doméstico para análises químicas.

3 Firmeza (N) As características avaliadas foram: perda de peso, firmeza da polpa, aparências externa e interna e teor de sólidos solúveis. A perda de peso foi determinada, considerando-se a diferença entre o peso inicial e o obtido em cada intervalo de amostragem (sete dias). A determinação da firmeza da polpa foi feita no fruto, dividido longitudinalmente em duas partes, sendo que em cada uma delas procederam-se duas leituras (em regiões diferentes) feitas com o penetrômetro Mc Cormick modelo FT 327, com plunger de 8 mm de diâmetro e os resultados expressos em Newton (N). Para as aparências externa e interna, os frutos foram avaliados através de escala subjetiva, considerando-se a ausência ou presença dos seguintes defeitos: aparência externa: depressão; murcha; e/ou ataque fúngico; aparência interna: colapso interno, sementes soltas e/ou líquidos na cavidade das sementes e injúria pelo frio: surgimento de pequenas manchas escuras na superfície do fruto. Utilizou-se uma escala subjetiva correspondente às notas: 1 defeitos extremamente severos (acima de %), 2 severos (31 a %), 3 moderados (11 a 3%), 4 leve (1 a 1%) e ausente (%), considerando-se frutos com nota 3 como indesejável para o consumo. Foi considerado como fruto inadequado para a comercialização aquele cuja nota apresentar valor igual ou inferior a três para quaisquer das avaliações. O conteúdo de sólidos solúveis totais (SST) foi determinado em refratômetro digital, conforme normas da AOAC (1992) e expressos em porcentagem. As análises de variância e regressão foram feitas no software SAS (Statistical Analisys System ) por meio dos procedimentos PROC GLM e PROC REG. RESULTADOS E DISCUSSÃO Verificou-se redução, na firmeza da polpa até o final do período experimental para os tratamentos (Figura 1). Os frutos armazenados na temperatura ambiente apresentaram aos 2 dias, firmeza de polpa próxima a 2 N, valor equivalente ao obtido aos 3 dias de armazenamento refrigerado, indicando necessidade de refrigeração para manutenção da firmeza do fruto. 2 O amolecimento do melão pode estar relacionado com a perda de integridade de membranas das células mesocárpicas hipodermal (Lester & Stein, 1993) como também pode estar relacionado a fatores précolheita, tais como, equilíbrio cálcio/nitrogênio. Para Awad (1993), a textura depende da coesividade, do tamanho, da forma e da turgidez das células que compõem o tecido. A firmeza média dos frutos no experimento foi 2 N. O melão amarelo Agroflora 646, produzido no período de verão e armazenado, a temperatura ambiente apresenta firmeza de polpa variando de 83,63 N a 33,7 N, no início e final de 4 dias de armazenamento, respectivamente (Menezes et al, 199). Sob o ponto de vista de manuseio pós-colheita, a firmeza é essencial, já que os frutos com maior firmeza são mais resistentes a injúrias mecânicas durante o transporte e comercialização (Menezes et. al, 1998) (11ºC) y = 4,34 7,2x +,67x 2 r 2 =,84 (2ºC) y = 33,91 3,78x r 2 =,78 2º C Figura 1. Firmeza da polpa do melão Gold Mine, armazenado durante 3 dias sob refrigeração de 11 2ºC, U. R. 9 %, ou sob condições ambiente 2 2ºC, U. R. %. ESAM Mossoró-RN, 21. A perda de peso nos frutos ocorreu de forma crescente em função do tempo de armazenamento (Figura 2). Foi observada que os frutos armazenados sob condição ambiente tiveram perda de peso maior em relação àquela obtida em frutos submetidos à refrigeração. O déficit de pressão de vapor é maior em temperaturas mais elevadas, e os principais fatores que atuam na perda de água em frutos são a temperatura, e a umidade relativa do ar. Este comportamento crescente da perda de peso também foi observado em seis

4 Aparência interna (nota 1-) Perda de peso (%) Aparência externa (nota 1-) 26 cultivares de melão do grupo inodorus estudadas por Miccolis & Saltveit (199). A perda d água pode ser uma das principais causas de deterioração, pois resulta não apenas em perda quantitativa (perda de peso vendável), mas também provoca perdas em aparência (devido ao muchamento), qualidade textural (amolecimento, flacidez, fragilidade e suculência) e qualidade nutricional. No final do período de armazenamento, as perdas de peso médias dos frutos armazenados nas temperaturas (11 ºC e ambiente) foram respectivamente, 2,33% e,44%. Em melão pele de sapo sob condição ambiente, Gonçalves (1994) constatou o período de vida útil pós-colheita de 28 dias, com perda de peso 3,86% que corresponde a aproximadamente 39 kg/ton (11ºC) y =,74 +,36x r 2 =,92** (2ºC) y = 1,139,83x r 2 =,98** 2º C Figura 2. Perda de peso do melão Gold Mine, armazenado durante 3 dias sob refrigeração de 11 2ºC, U. R. 9 %, ou sob condições ambiente 2 2ºC, U. R. %. ESAM Mossoró-RN, 21. Os frutos armazenados a 11 ºC, mostraram-se mais susceptíveis à incidência de manchas escuras na superfície da casca, sendo aparente a partir do 21º dia de armazenamento, entretanto isto não comprometeu aparência, visto que ao final do período experimental, os frutos armazenados nas temperaturas (11 + 2º e ambiente) estavam em plena condição de comercialização (nota > 3,) (Figura 3). Na aparência interna, verificou-se que os frutos mantidos a 11 2 ºC apresentam-se mais susceptíveis a sintomas característicos de colapso interno (amolecimento da polpa) a partir dos 21 dias de armazenamento, sem comprometer, entretanto, a comercialização, com notas acima de 3 (Figura 4). O conteúdo de sólidos solúveis não foi influenciado de forma significativa durante o período de armazenamento, observando-se no final desse período uma média igual a 8,% nas duas condições pré-estabelecidas (Tabela 1). De acordo com Cohen & Hicks (1986) o valor mínimo aceito acerto para comercialização é de 9, % (11ºC) y =,28 +,2x r 2 =,8 (2ºC) y =,11,1x r 2 =,7 2º C Figura 3. Aparência externa do melão Gold Mine, armazenado durante 3 dias sob refrigeração de 11 2ºC, U. R. 9 %, ou sob condições ambiente 2 2ºC, U. R. %. ESAM Mossoró-RN, (11ºC) y =,36 +,23x r 2 =,92 (2ºC) y =,1,12x r 2 =,7 2º C Figura 4. Aparência interna do melão Gold Mine, armazenado durante 3 dias sob refrigeração de 11 2ºC, U. R. 9 %, ou sob condições ambiente 2 2ºC, U. R. %. ESAM Mossoró-RN, 21. Esse baixo teor de SST provavelmente está relacionado com problemas de manejo, época de plantio (inverno) e de determinação do ponto de colheita. O melão contém alta concentração de açúcar, quando maduro,

5 acumulando-o antes da colheita e não acumula carboidratos de reserva, não aumentando o conteúdo de açúcares após a colheita. Miccolis & Saltveit (199), também relataram a ausência do efeito da temperatura de armazenamento sobre o teor de sólidos solúveis totais. Em melão Valenciano Amarelo CAC, armazenado sob refrigeração em temperatura de 12 ºC e umidade relativa do ar de 9 %, Costa (1997) 27 determinou um teor de SS de 12,4 % após 21 dias de armazenamento. Lester (1998), estudando o comportamento físico-químico do híbrido Honey Dew, verificou que a concentração de sólidos solúveis atingiu 78 % do seu valor máximo aos 4 dias após à antese, sendo considerada importante mudança qualitativa no conteúdo de açucares dos frutos. Tabela 1 - Sólidos Solúveis Totais (%) do melão Gold Mine, produzido na época das chuvas, e armazenado em condições ambientes (2 ºC 2 ºC e U. R. = % %) ou sobre refrigeração de (11 ºC 2 ºC e U. R. = 9% %). ESAM, Mossoró-RN, 2. Temperatura Armazenamento (ºC) Média Controle 8,7 Aa* 8,3 Aa 7,9 Aa 7,7 Aa 7,7 Aa 7,4 Aa 7,9 a ,7 Aa 7,9 Aa 8,2 Aa 7,8 Aa 8, Aa 8, Aa 8,1 a Média 8,7 A 8,1 A 8, A 7,8 A 7,8 A 7,7 A DMS 1 1,69 DMS 2,6 * Médias seguidas da mesma letra (nas linhas e colunas) não diferem entre si a % de probabilidade pelo teste de Tukey. Letra maiúscula: compara as médias dentro de cada temperatura de armazenamento (DMS 2). Letra minúscula: compara as médias dentro de cada tempo de armazenamento (DMS 1). CONCLUSÕES A vida útil pós-colheita do melão Amarelo híbrido Gold Mine produzido na época das chuvas foi estimada em 3 dias para o armazenamento a temperatura ambiente e refrigerada, mantendo boa aparência interna e externa, notas acima de 4,, porém baixos conteúdos de sólidos solúveis, próximo a 7,8% e firmeza de polpa em torno de 18 N, inadequados para comercialização à longa distância. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS A.O.A.C. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemistry. 11 ed. Washington: AOAC, 1992, 111 p. Awad, M. Fisiologia Pós-colheita de frutos, São Paulo: Nobel, p. Cohen, R.A.; Hicks, J.R. Effect of storage on quality and sugars in muskmelon. Journal of the American Society for Horticultural Science, Alexandria, v. 111, n. 4, p. 3-7, Costa, J.E.S. Análise físico-química do melão produzido em casa de vegetação e irrigação pelos sistemas de jato-pulsante e gotejamento, Jaboticabal: Unesp, p. (Monografia de Graduação). Dias, R. de C.S.; Costa, N.D.; Cerdan, C.; Silva, P.C.G.; Queiroz, M.A.; Zuza, F.; Leite, L.A. de S.; Pessoa, P.F.A. de; Terad, D.A. Cadeia produtiva de melão no Nordeste. In: Castro, A.M. Gomes de; Lima, S.M.V.; Goedert, W.J.; Freitas Filho, A. de; Vasconcelos, J.R.P. Cadeia Produtivas e Sistemas Naturais. Brasília: MAA/EMBRAPA, p Gayet, J. P. Melão para exportação: procedimentos de colheita e póscolheita. Brasília, MAARA/FRUPEX, p (Série publicações técnicas). Gonçalves, F. C.; Armazenamento de melão pele de sapo sob condições ambiente. Mossoró: ESAM, p. Monografia (Monografia de Graduação). IBGE. Anuário Estatístico do Brasil, Rio de Janeiro, v.6, 1997.

6 28 Lester, G. Physicochemical characterization of Hydrid Honey Dew muskmelo fruit (Cucumis melo L. var. inodorus Naud.) following maturation, abscission, and postharvest storage. Journal of the American Society for Horticultural Science. v.123, n.1, p Lester, G.; Stein, E. Plasma membrane physicochemical changes during maturation and postharvest storage of muskmelon fruit. Journal of the American Society for Horticultural Science, v. 18, n. 2, p , Menezes, J.B.. Chitarra, A.B.; Chitarra, M.I.F; Carvalho, H.A. de. Caracterização póscolheita do melão Agroflora 646. Horticultura Brasileira, v.13, n.2, p.1-13, nov Menezes, J.B.. Chitarra, A.B.; Chitarra, M. I. F.; Bicalho, U.O. Modificações dos componen-tes de parede celular do melão tipo gália durante o armazenamento sob refrigeração. Ciências Tecnologia de Alimentos., v.17, n.3, p , set-dez Menezes, J.B.; Castro, E. B. de; Praca, E. F.; Grangeiro, L.C.; Costa, L.B.A. Efeito do tempo de insolação pós-colheita sobre a qualidade do melão amarelo. Horticultura Brasileira, Brasília, v.16, n.1, p.8-81, maio, Miccolis, V.; Salteveit, M.E. Inflence of storage period and temperature on the postharvest characteristics of six melon (Cucumis melo L., Inodorus Group) cultivars. Postharvest Biology and Tecnology, Amsterdam, v., p , 199. Souza, M.C.; Menezes, J.B.; Alves, R.E. Tecnologia pós-colheita e produção de melão no Estado do Rio Grande do Norte, Horticultura Brasileira, Brasília, v.12, n.2, p , 1994.

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação.

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Manoella Ingrid de O. Freitas; Maria Zuleide de Negreiros; Josivan

Leia mais

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU Wadson de Menezes Santos 1 ; Maria Priscilla Celestino Silveira 1 ; Raul Santos Macedo 2 ; Christtianno de Lima Rollemberg

Leia mais

ARMAZENAMENTO REFRIGERADO DE MELÃO GALIA SOLARKING SOB ATMOSFERA MODIFICADA.

ARMAZENAMENTO REFRIGERADO DE MELÃO GALIA SOLARKING SOB ATMOSFERA MODIFICADA. REVISTA CAATINGA ISSN 1-31X ARMAZENAMENTO REFRIGERADO DE MELÃO GALIA SOLARKING SOB ATMOSFERA MODIFICADA. 377 Pahlevi Augusto de Souza Engº. Agr. D. Sc. em Agronomia: Fitotecnia - pahlevi1@hotmail.com Josivan

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PONTO DE COLHEITA EM ABOBRINHAS SANDY EDER JÚLIO DE JESUS 1 ; ALINE PRUDENTE MARQUES 2 ; POLIANA GASPAR TOSATO 2 RESUMO Um dos fatores que contribui para a extensão da vida útil dos produtos hortícolas

Leia mais

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Costa e Vivian Loges Introdução Um dos critérios para

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Carlos Rocha, Railene Hérica; Barbosa Menezes, Josivan; Carvalho Nascimento, Selma Rogéria de; Souza

Leia mais

DE HÍBRIDOS COMERCIAIS DE MELÃO AMARELO, CULTIVADOS NAS CONDIÇÕES DO LITORAL DO CEARÁ 1

DE HÍBRIDOS COMERCIAIS DE MELÃO AMARELO, CULTIVADOS NAS CONDIÇÕES DO LITORAL DO CEARÁ 1 756 COMPORTAMENTO PRODUTIVO MIGUEL, E A. CARACTERÍSTICAS A. et al. PÓS-COLHEITA DE HÍBRIDOS COMERCIAIS DE MELÃO AMARELO, CULTIVADOS NAS CONDIÇÕES DO LITORAL DO CEARÁ 1 Yield and postharvest quality of

Leia mais

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas.

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. João R. Crisóstomo 1 ; Lorna F. Falcão 2 ; Fernando A. S. de Aragão 3 ; Jalmi G. Freitas 4 ; Jefté F.

Leia mais

Biologia floral do meloeiro em função de doses de nitrogênio em ambiente protegido.

Biologia floral do meloeiro em função de doses de nitrogênio em ambiente protegido. Biologia floral do meloeiro em função de doses de nitrogênio em ambiente protegido. Roberto Cleiton Fernandes de Queiroga 1 ; Mário Puiatti 1 ; Paulo Cezar Rezende Fontes 1 ; Paulo Roberto Cecon 2 ; Ancélio

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

Características físico-química do melão amarelo AF-646, submetidos a diferentes ph de soluções de Ethrel

Características físico-química do melão amarelo AF-646, submetidos a diferentes ph de soluções de Ethrel Características físico-química do melão amarelo AF-646, submetidos a diferentes ph de soluções de Ethrel Iarajane B. do Nascimento 1 ; Renato Innecco 1 ; José Francismar de Medeiros 2, Edna Maria Mendes

Leia mais

Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação.

Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação. Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação. Saint Clair Lira Santos 1 ; José Francismar de Medeiros 1 ; Maria Zuleide de Negreiros 1 ; Maria José Tôrres

Leia mais

OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU

OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU Tânia Bené Florêncio de Amorim, Maria Auxiliadora Coêlho

Leia mais

Tecnologia de Alimentos. QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES

Tecnologia de Alimentos. QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES p. 1/5 Tecnologia de Alimentos QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES 1 Rufino Fernando Flores Cantillano, 2 Maurício Seifert*, 2 Jardel Araujo

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

FIRMEZA DE MAMÃO GOLDEN SOB RECOBRIMENTOS A BASE DE QUITOSANA E ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO

FIRMEZA DE MAMÃO GOLDEN SOB RECOBRIMENTOS A BASE DE QUITOSANA E ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO FIRMEZA DE MAMÃO GOLDEN SOB RECOBRIMENTOS A BASE DE QUITOSANA E ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO Luciana Gomes Soares 1, Valdenia Cardoso da Silva Ferreira 1, Silvanda de Melo Silva 1, Antônio Augusto Marques

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009.

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E ENZIMÁTICA EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE DESENVOLVIMENTO DA FRUTA DE UVAIEIRA (EUGENIA PYRIFORMIS CAMBESS), CULTIVADA NO TRIÂNGULO MINEIRO AZEVEDO, K.P. 1 ; GONÇALVES, C.A. 2 ; CIABOTTI,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE R. M. Torres Faculdade de Agronomia e Engenharia Floresta - FAEF A. C. S.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima.

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Kátia de Lima Nechet (1) ; Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira (1) ; Paulo Roberto Valle da Silva

Leia mais

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Edar Ferrari Filho 2, Luidi Eric Guimarães Antunes 2, Roberto Gotardi 2, Rafael Gomes Dionello 3, Paulo Andre Rocha Petry

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Armazenamento de laranja Pera produzida em Sergipe. Marina F. da Vitória 1 ; Julie Anne E. Amorim²; Dalyla Natane

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

Produção de Meloeiro Cultivado em Cambissolo Háplico do Semi- Arído Norte-Rio-Grandense Usando Princípios da Agricultura Orgânica.

Produção de Meloeiro Cultivado em Cambissolo Háplico do Semi- Arído Norte-Rio-Grandense Usando Princípios da Agricultura Orgânica. Produção de Meloeiro Cultivado em Cambissolo Háplico do Semi- Arído Norte-Rio-Grandense Usando Princípios da Agricultura Orgânica. Letúzia M. de Oliveira 1, Paloma M. D. B. de Araújo 1, Maurício de Oliveira

Leia mais

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal.

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Flávia M. V. Teixeira Clemente, Francisco V. Resende, Jairo V. Vieira Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70.359-970,

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA,

CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, Qualidade fisicoquímica de genótipos de melancia Fátima Alves Teixeira 1 ; Rita de Cássia Souza Dias²; Manoel Abílio de Queiroz¹, Léia Santos Damaceno¹; Maria Auxiliadora Coêlho de Lima². 1 Embrapa Semiárido:

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins.

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Luciano Marcelo Fallé Saboya 1 ; Rita de Cassia Cunha Saboya 2 ; Valdeci Pinheiro Júnior 3 ; Jacinto Pereira da Silva

Leia mais

Desempenho de cultivares de alface lisa em casa de vegetação, com e sem cobertura de solo.

Desempenho de cultivares de alface lisa em casa de vegetação, com e sem cobertura de solo. Desempenho de cultivares de alface lisa em casa de vegetação, com e sem cobertura de solo. Hamilton César de Oliveira Charlo 1 ; Renata Castoldi; Leila Trevizan Braz 1 Depto. de Produção Vegetal, Via de

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal.

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Nuno R. Madeira 1 ; Francisco V. Resende 1 ; Dejoel B. Lima 1 ; Hugo C. Grillo 1 1 Embrapa Hortaliças,

Leia mais

Avaliação de clones de batata tolerantes ao calor.

Avaliação de clones de batata tolerantes ao calor. Avaliação de clones de batata tolerantes ao calor. Alexsandro L.Teixeira 1 ; César A. Brasil P. Pinto 1; César A. T. Benavente 1 1 Universidade Federal de Lavras Departamento de Biologia (C.P. 3037, CEP

Leia mais

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Produção de Melão Cantaloupe Com Diferentes Tipos de Cobertura do Solo e Lâminas de Irrigação.

Produção de Melão Cantaloupe Com Diferentes Tipos de Cobertura do Solo e Lâminas de Irrigação. Produção de Melão Cantaloupe Com Diferentes Tipos de Cobertura do Solo e Lâminas de Irrigação. Priscillianna Carla dos S.G. Andrade; Maria Zuleide de Negreiros; José Francismar de Medeiros; Ozail Jácome

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Novos resultados de pesquisas aplicáveis à pós-colheita de citros.

Novos resultados de pesquisas aplicáveis à pós-colheita de citros. Novos resultados de pesquisas aplicáveis à pós-colheita de citros. Lenice Magali do Nascimento PqC Centro de Citricultura Sylvio Moreira IAC Maio/2015 Aplicação de ceras em pós-colheita de tangerinas Ponkan

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

Teores de vitamina C, licopeno e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro produzidos em ambiente protegido e no campo

Teores de vitamina C, licopeno e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro produzidos em ambiente protegido e no campo Teores de vitamina C, licopeno e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro produzidos em ambiente protegido e no campo Fabiano Ricardo Brunele Caliman; Derly José Henriques da Silva 1 ; Camilo

Leia mais

Qualidade pós-colheita de melão tipo cantaloupe, colhido em dois estádios de maturação.

Qualidade pós-colheita de melão tipo cantaloupe, colhido em dois estádios de maturação. GOMES JUNIOR, J.; MENEZES, J.B.; NUNES, G.H.S.; COSTA, F.B.; SOUZA, P.A. Qualidade pós-colheita do melão tipo cantaloupe, colhido em dois estádios de maturação. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 19,

Leia mais

RESPOSTAS FISIOLÓGICAS DA MAMONEIRA À DIFERENTES TENSÕES DE ÁGUA NO SOLO

RESPOSTAS FISIOLÓGICAS DA MAMONEIRA À DIFERENTES TENSÕES DE ÁGUA NO SOLO RESPOSTAS FISIOLÓGICAS DA MAMONEIRA À DIFERENTES TENSÕES DE ÁGUA NO SOLO GABRIEL FRANKE BRIXNER¹, MARÍLIA ALVES BRITO PINTO², LUÍS CARLOS TIMM³, CARLOS REISSER JUNIOR 4, FABIANO SIMÕES LOPES 5 ¹Eng. Agrônomo,

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Efeito da reidratação na coloração da salsinha. Zeuxis R. Evangelista 1 ; Kari K. S. Araújo 1, Carolina C. Sena

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Cândido Alves da Costa; Sílvio Júnio Ramos; Simone Nassau Zuba; Wagner Fabian. UFMG-Núcleo de Ciências Agrárias, C. Postal

Leia mais

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET.

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. Previero, Conceição Aparecida, CEULP/ULBRA, conceicaopreviero@gmail.com, Moraes, Eriel Dantas

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DINÂMICA DE SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

Leia mais

COMPARAÇÃO DE SONDAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DA CANA EM DUAS SAFRAS SAMPLES PROBES COMPARISON FOR SUGARCANE ANALYSIS ON TWO SEASON

COMPARAÇÃO DE SONDAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DA CANA EM DUAS SAFRAS SAMPLES PROBES COMPARISON FOR SUGARCANE ANALYSIS ON TWO SEASON COMPARAÇÃO DE SONDAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DA CANA EM DUAS SAFRAS SAMPLES PROBES COMPARISON FOR SUGARCANE ANALYSIS ON TWO SEASON Leonardo Lucas Madaleno (1) Reginaldo Soares Santos (2) Juliana Freire

Leia mais

FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO

FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO C. A. Soares 1 ; A. F. Rocha Júnior 2 ; N. S. da Silva 2 ; E. R. Gomes 3 ; F. E. P. Mousinho 4

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO Página 1376 ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Osório Lima Vasconcelos 3 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire 4 ; Flávio Rodrigo Gandolfi

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Caracterização físico-química das principais variedades de mamão solo comercializadas na CEAGESP/SP

Caracterização físico-química das principais variedades de mamão solo comercializadas na CEAGESP/SP ISSN 2236-4420 Caracterização físico-química das principais variedades de mamão solo comercializadas na CEAGESP/SP Rafael Augusto Ferraz 1 ; Diógenes Martins Bardiviesso 1 ; Sarita Leonel 1 1 Faculdade

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE TOMATE

DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE TOMATE Nº 35, dezembro de 1999, p.1-6 DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE TOMATE Rita de Fátima Alves Luengo¹ Antônio Willians Moita² Termos para indexação: embalagem, hortaliça,

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO J. R. G. de Paiva 1 ; L. F. de Figueredo 2 ; T. H. da Silva 3 ; R. Andrade 4 ; J. G. R. dos Santos 4 RESUMO: O manejo

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO A Estatística Experimental tem por objetivo o estudo dos experimentos, incluindo o planejamento, execução, análise dos dados e interpretação

Leia mais

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015 MONITORAMENTO DA MATURAÇÃO PÓS-COLHEITA DE TOMATE VERDE MADURO DOS GRUPOS ITALIANO PIZZADORO E SALADETE ALAMBRA ANJOS, Valéria Delgado de A 1 ; ZANINI, Juliana Salvetti 2 ; ABRAHÃO, Roberta Maria Soares

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC.

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. Gustavo Ribeiro Bonatto 1 ; Marinês Kerber 2 INTRODUÇÃO Atualmente se busca qualidade

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139 Página 2139 QUIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) ARMAZENADAS 1 Givanildo Zildo da Silva¹; Joel Martins Braga Júnior¹; Riselane de Alcântara Bruno¹; Cibele dos Santos Ferrari¹;

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

SEÇÃO 1 TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL

SEÇÃO 1 TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL SEÇÃO 1 TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL BIOFILME COMESTÍVEL E EMBALAGEM DE PVC NA CONSERVAÇÃO PÓS- COLHEITA DE TOMATE EM DIFERENTES TEMPERATURAS Vanderleia Schoeninger 1, Tábata Zingano

Leia mais

DETERMINAÇÃO VITAMINA C E AÇÚCARES DE TREZE VARIEDADES DE LARANJA PRODUZIDA NA REGIÃO DE TRÊS PONTAS MG

DETERMINAÇÃO VITAMINA C E AÇÚCARES DE TREZE VARIEDADES DE LARANJA PRODUZIDA NA REGIÃO DE TRÊS PONTAS MG DETERMINAÇÃO VITAMINA C E AÇÚCARES DE TREZE VARIEDADES DE LARANJA PRODUZIDA NA REGIÃO DE TRÊS PONTAS MG HELOISA HELENA DE SIQUEIRA 1, KELEN CRISTINA DOS REIS 2, LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA LIMA 3, JOSÉ DARLAN

Leia mais

Influência do armazenamento refrigerado na qualidade pós-colheita de mirtilo

Influência do armazenamento refrigerado na qualidade pós-colheita de mirtilo 1 2 Influência do armazenamento refrigerado na qualidade pós-colheita de mirtilo 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 José G. S. Medeiros 1 ; Jessica

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana

Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana Simone Silmara Werner Gurgel do Amaral Sara Regina Kulzer 2 Marcus Vinícius Silva Gurgel do Amaral Sílvia

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Alimentos ISSN: 0101-2061 revista@sbcta.org.br. Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Ciência e Tecnologia de Alimentos ISSN: 0101-2061 revista@sbcta.org.br. Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Ciência e Tecnologia de Alimentos ISSN: 0101-2061 revista@sbcta.org.br Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos Brasil Marques PINHEIRO, Ana Carla; de Barros VILAS BOAS, Eduardo Valério;

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

Características físico-químicas de alho (Allium sativum L.) submetido a diferentes reposições de água no solo.

Características físico-químicas de alho (Allium sativum L.) submetido a diferentes reposições de água no solo. HONÓRIO JP; CIABOTTI S; SANTANA MJ de; COSTA LL; BORGES EJ; CRUZ OC da. 2010. Características Características físico-químicas de alho (Allium sativum L.) submetido a diferentes reposições de água no solo.

Leia mais

Produção e eficiência de uso da radiação fotossinteticamente ativa pelo morangueiro em diferentes ambientes de cultivo.

Produção e eficiência de uso da radiação fotossinteticamente ativa pelo morangueiro em diferentes ambientes de cultivo. Produção e eficiência de uso da radiação fotossinteticamente ativa pelo morangueiro em diferentes ambientes de cultivo. Jaime Duarte Filho 1 ; Silvana C. S. Bueno 2 1 Fazenda Experimental de Caldas EPAMIG,

Leia mais

Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil ALVES, Antonio Carlos; Shong LIN, Hiow TIPO DE EMBALAGEM, UMIDADE INICIAL E PERÍODO DE ARMAZENAMENTO EM SEMENTES DE

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO MORFOLÓGICA

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ 1. Objetivo: este regulamento tem por objetivo definir as características de identidade e qualidade da maçã. 2. Conceitos: para efeito deste

Leia mais

Características físico-químicas de variedades de manga cultivadas em sistema orgânico

Características físico-químicas de variedades de manga cultivadas em sistema orgânico Características físico-químicas de variedades de manga cultivadas em sistema orgânico Physical-chemistries characteristics of mango varieties cultivated in organic system GALLI, Juliana Altafin 1 ; ARRUDA-PALHARINI,

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO Fernanda Martins Dias 1 ; Simone Janaína da Silva Morais 1 ; Ricardo Caetano Rezende 2 1 Licenciada

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL

ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL Renan Soares de Souza 1 ; Roberto Rezende 2 ; Paulo Sérgio Lourenço de Freitas 3 ;

Leia mais

Physical and chemical characterization of cambuci fruits produced in Salesopolis - SP

Physical and chemical characterization of cambuci fruits produced in Salesopolis - SP 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Caracterização física e química de cambucis produzidos em Salesópolis SP. Tatiane de Oliveira Tokairin 1 ; Ana

Leia mais

RELAÇÕES HÍDRICAS E AJUSTAMENTO OSMÓTICO DE GENÓTIPOS DE AMENDOIM SUBMETIDOS AO DÉFICIT HÍDRICO

RELAÇÕES HÍDRICAS E AJUSTAMENTO OSMÓTICO DE GENÓTIPOS DE AMENDOIM SUBMETIDOS AO DÉFICIT HÍDRICO Página 929 RELAÇÕES HÍDRICAS E AJUSTAMENTO OSMÓTICO DE GENÓTIPOS DE AMENDOIM SUBMETIDOS AO DÉFICIT HÍDRICO Jacqueline W. de Lima Pereira 1 ; Manoel Bandeira de Albuquerque 2 ; Rejane J. Mansur C. Nogueira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INICIAL DO UMBUZEIRO (Spondias tuberosa ARRUDA) NO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO

DESENVOLVIMENTO INICIAL DO UMBUZEIRO (Spondias tuberosa ARRUDA) NO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO DESENVOLVIMENTO INICIAL DO UMBUZEIRO (Spondias tuberosa ARRUDA) NO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO Marcos Antônio Drumond, Clóvis Eduardo S. Nascimento, Luiz Balbino Morgado, Embrapa Embrapa Semi-Árido, CP 23,

Leia mais

RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS S1 DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) À MANCHA-PARDA, QUEIMA DAS FOLHAS E MANCHA-BRANCA

RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS S1 DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) À MANCHA-PARDA, QUEIMA DAS FOLHAS E MANCHA-BRANCA RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS S1 DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) À MANCHA-PARDA, QUEIMA DAS FOLHAS E MANCHA-BRANCA Saulo Alves Santos de Oliveira 1, Juan Paulo Xavier de Freitas 2, Fabiana Ferraz Aud

Leia mais

Postharvest conservation mangaba under ambient atmosphere

Postharvest conservation mangaba under ambient atmosphere 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Conservação pós-colheita da mangaba sob atmosfera ambiente. Maria P. C. Silveira 1 ; Abraão A. Santos 1 ; Alexandre

Leia mais

NECESSIDADES HÍDRICAS DAS CULTIVARES TERRA MARANHÃO E TERRINHA NA REGIÃO DO RECÔNCAVO BAIANO

NECESSIDADES HÍDRICAS DAS CULTIVARES TERRA MARANHÃO E TERRINHA NA REGIÃO DO RECÔNCAVO BAIANO NECESSIDADES HÍDRICAS DAS CULTIVARES TERRA MARANHÃO E TERRINHA NA REGIÃO DO RECÔNCAVO BAIANO R. C. Oliveira 1 ; E. F. Coelho 2 ; M. S. Amorim 3 ; R. T. M. Araújo 1 ; T. P. Andrade 4 ; D. L. Barros 1 RESUMO:

Leia mais