RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO NA REUNIÃO ANUAL DE LUCERNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO NA REUNIÃO ANUAL DE LUCERNA"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO NA REUNIÃO ANUAL DE LUCERNA Participante: Cássio B. Viotti O evento foi um sucesso com a participação de mais de 1000 pessoas, entre delegados e acompanhantes. Foi bem organizado e o simpósio contou com um grande número de trabalhos apresentados e bom nível técnico (www.swissdams.ch). No dia pela manhã participei da reunião do Comitê Técnico de Barragens e Hidrelétricas. Há um boletim em fase final de preparação, cuja minuta se encontra anexa a este. Contribuí com comentários no sentido de que só fossem lançados nas tabelas dados efetivamente ocorridos e não dados de produção de energia estimados e capacidades de geração ainda não instaladas. Pedi ao Sérgio Pimenta, representante brasileiro no Comitê de Registro de Barragens, para atualizar as informações sobre as hidrelétricas brasileiras. Por exemplo, parece-me que a produção anual de Tucuruí ainda é referente à primeira etapa somente. Há outras adições e correções necessárias. Evidentemente que contribuições de outros sócios para melhorar a informação sobre o Brasil são bem-vindas. No início do trabalho deste comitê enviei como contribuição o artigo Overview of hydro development in Latin America, with special reference to Brazil, Hydropower 2005, Villach, Austria, October 2005, onde foi feita uma análise da influência da hidreletricidade na melhoria da qualidade de vida da população brasileira, com correlação, possivelmente inédita à época, de IDH com disponibilidade de energia elétrica. Após a reunião de Lucerna enviei como contribuição o texto Review of the relocation of Nova Ponte town in Brazil, Hydropower & Dams, November 1995, escrito em parceria com Benjamim Campolina e Luiz Augusto Barcelos. No período da tarde, participei da última reunião do Comitê da Constituição (estatuto), a qual está descrita no relatório de Flávio Miguez. Esse comitê foi criado na minha gestão como Presidente por entender que o estatuto estava muito defasado em relação às necessidades da entidade. Flávio Miguez foi

2 nomeado Chairman por sua grande vivência das atividades da ICOLD, desde o início da década de A redação do novo estatuto e respectivo regulamento (By-Laws) sofreu alguns percalços, pois o meu sucessor na presidência Luis Berga, era da opinião que se fizessem modificações mínimas, o que evidentemente não resolveria o problema. Já na presidência atual de Jinsheng Jia, houve significativo progresso, tendo sido apresentadas na reunião de Hanoi, novas versões do estatuto e do regulamento. Nestas versões foram levadas em consideração inúmeras contribuições de membros do comitê e de outros colaboradores. Essas versões foram preparadas por Flávio Miguez (regulamento) e por mim (estatuto) com extensa troca de idéias entre nós e em seguida enviadas aos membros do comitê e à diretoria da ICOLD para comentários. Um dos pontos centrais do novo estatuto foi dar maiores atribuições aos 6 vicepresidentes. Anteriormente havia um Advisory Committee to the President, que se reunia somente uma vez por ano, durante as reuniões anuais, e os vicepresidentes eram figuras apenas decorativas. No meu período propus a extinção de tal comitê e passar suas atribuições aos vice-presidentes, através de pequena modificação estatutária apresentada pelo CBDB e, em seguida, aprovada. Desde essa época, a diretoria se reúne em Paris, pelo menos 2 vezes por ano, além de uma pequena reunião durante o período da chamada Reunião Anual e uma parte dos vice-presidentes se encarrega de acompanhar/verificar a movimentação financeira da entidade. Após a reunião de Hanoi (2010), quando se imaginava que os textos sofreriam apenas pequenas sugestões, foi preparada nova versão por representantes da ala anglo-saxônica (Robin Charlwood e Paul Roberts) com algumas boas sugestões e com uma porção de modificações inócuas ou inaceitáveis. Entre as inócuas, destaco frases do tipo todos os membros da diretoria deverão agir de boa-fé. Entre as inaceitáveis, estava a que submetia as decisões da ICOLD a votações entre os membros da diretoria. Essas votações tirariam muito da força da assembléia geral e colocariam a presidência à mercê dos vicepresidentes. Segundo a experiência dos ex-presidentes, a entidade deve ser

3 administrada pelo presidente e pelo secretário-geral, com os vice-presidentes atuando como conselheiros e tendo tarefas específicas. Não são aconselháveis votações nas decisões da diretoria, por vários motivos. A cada ano são eleitos 2 vice-presidentes, que chegam às reuniões sem um conhecimento da dinâmica de administração da entidade. Além disso, frequentemente são eleitos vices que têm grandes dificuldades com a língua inglesa ou são muito tímidos. Esta é uma situação que favorece à dominação da reunião pelos de fala inglesa, o que não é saudável para a entidade nem para o presidente. O próprio presidente recém-eleito leva um certo tempo para tomar pé da situação. Algumas pessoas, inclusive eu, achavam que o presidente deveria ser eleito um ano antes de tomar posse, mas essa idéia não vingou no comitê. A questão da necessidade de votação para tomada de decisões na diretoria resultou num extenso debate entre Robin Charlwood e eu. Após réplicas, tréplicas e mais, ele resolveu abdicar dessa proposição. Foi preparada nova versão do estatuto incluindo sugestões do grupo anglo-saxônico. A presidência houve por bem convocar uma reunião de diretoria para especificamente examinar o estatuto e o regulamento, apresentando sugestões. Após a inclusão de novos comentários, os textos foram submetidos aos comitês nacionais. Todo esse debate contribui para a redação de estatuto e regulamento com ampla participação, o que é um aspecto muito positivo. No dia 01.06, participei do Simpósio Dams and reservoirs under changing challenges. No dia 02.06, participei da excursão técnica que visitou as barragens de Lucendro (contrafortes 69m de altura) e Göscheneralp (enrocamento com núcleo impermeável 155m de altura). Está sendo projetado um alteamento de 8m nesta barragem. No dia 03.06, participei da reunião executiva, que passou a ser chamada de assembléia geral no novo estatuto (Ver abaixo fotos da reunião).

4 Como destaques menciono: -a aprovação de novos estatuto e regulamento, -a filiação de 3 novos membros (Foto), -a vitória de Alejandro Pujol da Argentina na eleição para vice da Zona Américas, derrotando candidato dos Estados Unidos, apoiado pelos chineses. A delegação brasileira se empenhou na eleição de Pujol. - a escolha de Seattle, Estados Unidos, para sediar a reunião anual de o congresso internacional do próximo ano será realizado em Kyoto no Japão. O eng. Sakamoto, atual presidente do Comitê Japonês, foi eleito vicepresidente para o sexto posto. É praxe que o país organizador do congresso tenha um vice-presidente durante o evento. O CBDB me deu uma ajuda de custo correspondente a uma passagem econômica ponto a ponto. Na qualidade de ex-presidente não paguei taxa de inscrição, o que evitou mais esse dispêndio pelo CBDB Plenário da Assembléia Geral visto de cima

5 Outra vista da Assembléia Geral Detalhes das bandeiras dos países membros

6 Novos países membros

Relatório de Participação na Reunião Anual de Hanoi

Relatório de Participação na Reunião Anual de Hanoi Relatório de Participação na Reunião Anual de Hanoi Cássio B. Viotti Na viagem de ida para Hanoi, via Paris, promovi uma visita de solidariedade ao Secretário Geral Michel de Vivo, cuja esposa faleceu

Leia mais

Relatório de viagem. The 78th ICOLD Annual Meeting in Hanoi 78ª Reunião Anual ICOLD. Committee Q85 Noris Costa Diniz delegada CBDB

Relatório de viagem. The 78th ICOLD Annual Meeting in Hanoi 78ª Reunião Anual ICOLD. Committee Q85 Noris Costa Diniz delegada CBDB Relatório de viagem The 78th ICOLD Annual Meeting in Hanoi 78ª Reunião Anual ICOLD Committee Q85 Noris Costa Diniz delegada CBDB 23 a 28 de maio de 2010 Hanoi Vietnam SUMÁRIO Página I INTRODUÇÃO 03 II

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS 1. Desenvolvimento das reuniões do Comitê Executivo 1.1 Ordem do dia 1.2

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) REGIMENTO INTERNO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) Este Regimento Interno, aprovado na Assembléia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), realizada em 29

Leia mais

ESTATUTO CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011

ESTATUTO CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011 ESTATUTO DA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011 1 TÍTULO I Denominação, natureza e objetivos Artigo 1 - A American Chamber of Commerce for Brazil", em português denominada Câmara de Comércio Americana

Leia mais

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro 1 ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objectivos Artigo Primeiro Denominação, duração e sede 1. É constituído o AMERICAN CLUB OF LISBON,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

Reunião do Conselho Deliberativo da ABGE - Gestão 2014/2015 Data: 15/04/2014 - Horário: 16h00 - Local: Sede da ABGE

Reunião do Conselho Deliberativo da ABGE - Gestão 2014/2015 Data: 15/04/2014 - Horário: 16h00 - Local: Sede da ABGE Reunião do Conselho Deliberativo da ABGE - Gestão 2014/2015 Data: 15/04/2014 - Horário: 16h00 - Local: Sede da ABGE Presentes: Adalberto, Bartorelli, Eduardo, Francisco N. Jorge, João Jerônimo, Kátia,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

CURRÍCULO PROFISSIONAL

CURRÍCULO PROFISSIONAL CURRÍCULO PROFISSIONAL 1. INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome : EDILBERTO MAURER. Data de Nascimento: 11 de março de 1942 Local de Nascimento: Curitiba Paraná - Brasil. Estado Civil: Casado. Telefone: 55 41 3324-8411.

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

(AICL, ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL COLÓQUIOS DA LUSOFONIA) REGULAMENTO INTERNO AICL

(AICL, ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL COLÓQUIOS DA LUSOFONIA) REGULAMENTO INTERNO AICL REGULAMENTO INTERNO AICL 1) Foi constituída em 28 outubro e legalizada em 6 de dezembro 2010, com início fiscal de atividades em 1 de janeiro de 2011, uma ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE FINS NÃO- LUCRATIVOS, denominados

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Guia do Al-Anon C-12 PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Este Guia define as funções e responsabilidades da Junta de Curadores dos Grupos Familiares Al-Anon do Brasil, bem

Leia mais

CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA

CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Franquia pressupõe uma parceria entre Franqueador e sua rede de Franqueados, visando benefícios recíprocos. Nesta

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

O Comitê Gestor da CEIHC é composto por postos deliberativos e postos consultivos.

O Comitê Gestor da CEIHC é composto por postos deliberativos e postos consultivos. REGIMENTO DA COMISSÃO ESPECIAL DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO (CEIHC-SBC) Data de Aprovação em Assembléia: 26 de outubro de 2011 1 Objetivo A Comissão Especial de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES 1 ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES CAPÍTULO II INDEPENDÊNCIA CAPÍTULO III ADMISSÃO, DIREITOS, DEVERES E PENALIDADES CAPÍTULO IV DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJETIVO Art. 1 o - A Associação Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental - ABGE - oriunda da transformação da Associação Paulista de Geologia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP REGIMENTO DO 6º CONGRESSO ESTATUTÁRIO DOS FUNCIONÁRIOS DA USP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA USP DATA: 27, 28, 29 E 30 DE ABRIL DE 2015. LOCAIS: ABERTURA DIA 27, ÀS 18H00 E INSTALAÇÃO DA PLENÁRIA PARA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação dos Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária.

Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação dos Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária. Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação dos Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária. I. Âmbito No presente documento figura o Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011)

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) I - Das disposições gerais II - Do processo eleitoral A) Da eleição para a Diretoria e o Conselho Fiscal B) Da eleição para o Conselho de Ética

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

ATA DA SEXTA ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO SUL AMERICANA DE ENGENHARIA ESTRUTURAL ATA DA ELEIÇÃO DO CONSELHO CIENTÍFICO

ATA DA SEXTA ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO SUL AMERICANA DE ENGENHARIA ESTRUTURAL ATA DA ELEIÇÃO DO CONSELHO CIENTÍFICO ATA DA SEXTA ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO SUL AMERICANA DE ENGENHARIA ESTRUTURAL ATA DA ELEIÇÃO DO CONSELHO CIENTÍFICO Às dezessete horas e vinte minutos do dia vinte e nove do mês de maio de 2002, reuniram-se

Leia mais

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto Regulamento Conselho Municipal de Desporto 30.abril.2015 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO Preâmbulo Considerando que as autarquias, pela sua proximidade com a população, são

Leia mais

Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais

Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais A eleição da nova Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais para o triênio 2014 / 2017 ocorreu no dia 26 de junho de 2014, em Belo Horizonte.

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL RESOLUÇÃO. 147º COSU MIGUEL PEREIRA Campo Grande - MS. 21 A 24 de Janeiro de 2014. RESOLUÇÃO nº 01 /147º COSU

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL RESOLUÇÃO. 147º COSU MIGUEL PEREIRA Campo Grande - MS. 21 A 24 de Janeiro de 2014. RESOLUÇÃO nº 01 /147º COSU nº 01 /147º COSU Interessado: IAB/DN e IAB-RJ Proponente: Grupo de Trabalho UIA2020Rio do 147º Conselho Superior do IAB Ementa: Organização do Congresso Mundial de Arquitetos UIA2020Rio Considerando: 1.

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

REGIMENTO DO DEPARTAMENTO DE NERVOS PERIFÉRICOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEUROCIRURGIA

REGIMENTO DO DEPARTAMENTO DE NERVOS PERIFÉRICOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEUROCIRURGIA REGIMENTO DO DEPARTAMENTO DE NERVOS PERIFÉRICOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEUROCIRURGIA CAPÍTULO I - Denominação, objetivo e funções Artigo 1.º Nome e afiliação Este departamento se denomina: Departamento

Leia mais

PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário.

PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário. 29GE PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário. A Conferência de Serviços Gerais é o corpo permanente autorizado a expressar

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH

ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação Interdisciplinar em Sociais e Humanidades Aprovado em 08 de maio de 2012 CAPÍTULO I Da Constituição, Denominação, Sede e Foro.

Leia mais

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Resolução n o 623, de 18 de Outubro de 2013 1. Qual a Resolução que trata sobre Conselho de Usuários e onde ela está disponível? Trata-se da Resolução n

Leia mais

Regulamento Geral Interno Associação dos Amigos do Armazém das Artes RI AAAA

Regulamento Geral Interno Associação dos Amigos do Armazém das Artes RI AAAA RegulamentoGeralInterno AssociaçãodosAmigosdoArmazémdasArtes RI AAAA CAPÍTULOPRIMEIRO DisposiçõesGerais Artigo1.º Sede 1. Opresenteregulamentogeralinterno,aprovadoemAssembleia Geral,regula ofuncionamentodaassociação,comsedenaruaeng.duartepacheco,nº38,

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL)

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL) Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego AVESTGL (Em fase de Publicação em DR) ESTATUTOS Capítulo I (Constituição e fins) Artigo 1º 1. É constituída uma associação

Leia mais

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto.

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto. Estatuto da Liga de Cirurgia da Universidade Federal de São Carlos. 08/05/2013 Da Disposição Geral Sobre a Liga de Cirurgia da UFSCar Art. 1 - A Liga de Cirurgia da UFSCar é uma instituição acadêmica,

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 O Grêmio Estudantil é o Grêmio geral da Escola Nossa Senhora das Graças, fundado no dia 07 de abril de 1992, com sede no estabelecimento e de duração

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR, elaborado nos termos do art.º 64.º n.º 2 do Código do Notariado, contendo os estatutos da associação denominada APIPSIQ - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INTERNOS DE PSIQUIATRIA. ESTATUTOS

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LEIRIA COMUNICADO OFICIAL N.º 051 Data: 2012.09.26 Para conhecimento dos Clubes filiados, Comunicação Social e demais interessados, se comunica: REGIMENTO INTERNO DO Cumprindo

Leia mais

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) rege-se pelos seus estatutos, regulamento eleitoral e por um regulamento

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG - Ambiental Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Foro. Art. 1º - A Associação Brasileira de Perícia e Gestão Ambiental ABPG - Ambiental

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN ESTATUTOS DO SINDICATO DOS PROFESSORES DO NORTE PROPOSTA DE ALTERAÇÃO 24.NOV.2009 TEXTO ACTUAL TEXTO DA PROPOSTA (alterações a vermelho e sublinhadas) Capítulo I - DA CONSTITUIÇÃO,

Leia mais

CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede, Fins e Duração

CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede, Fins e Duração ESTATUTO CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 o. - A Associação Brasileira de Autismo-ABRA, entidade civil sem fins lucrativos, com duração indeterminada, com sede e foro em Brasília-DF,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO BRASILEIRO DE EXECUTIVOS DE FINANÇAS IBEF NACIONAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO BRASILEIRO DE EXECUTIVOS DE FINANÇAS IBEF NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO BRASILEIRO DE EXECUTIVOS DE FINANÇAS IBEF NACIONAL De acordo com o art. 44 do Estatuto Social do IBEF Nacional este regulamento está incorporado ao mesmo para todos os

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ nº 13.649.902/0001-03 DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º - A Associação Brasileira

Leia mais

ASEC ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA CNPJ Nº

ASEC ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA CNPJ Nº ASEC ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA CNPJ Nº 54.796.016/0001-81 ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA REALIZADA EM 06 DE OUTUBRO DE 2004. Aos (6) seis dias

Leia mais

ATA DA PRIMEIRA ASSEMBLÉIA GERAL PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO SUL AMERICANA DE ENGENHARIA ESTRUTURAL ASSEMBLÉIA DE ENCERRAMENTO DAS

ATA DA PRIMEIRA ASSEMBLÉIA GERAL PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO SUL AMERICANA DE ENGENHARIA ESTRUTURAL ASSEMBLÉIA DE ENCERRAMENTO DAS ATA DA PRIMEIRA ASSEMBLÉIA GERAL PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO SUL AMERICANA DE ENGENHARIA ESTRUTURAL E ASSEMBLÉIA DE ENCERRAMENTO DAS "XXV JORNADAS SUL-AMERICANAS DE ENGENHARIA ESTRUTURAL" DATA: 15 de novembro

Leia mais

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos,

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, sendo um grupo de Diretores Administrativos e um grupo

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS LIGA ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS Art. 1- A Liga constituída em de de, é uma entidade civil, beneficente, sem fins lucrativos de assistência social e orientação, de pessoa jurídica de

Leia mais

MOVIMENTO DE CURSILHO DE CRISTANDADE GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER - NE II

MOVIMENTO DE CURSILHO DE CRISTANDADE GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER - NE II MOVIMENTO DE CURSILHO DE CRISTANDADE GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER - NE II REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1 O Grupo Executivo Regional GER. do Movimento de Cursilhos de Cristandade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I Das Finalidades e Organização Art. 1º - O presente Regimento Interno destina-se

Leia mais

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE ÍNDICE Artigo 1.... 4 Finalidades... 4 Artigo 2.... 4 Composição... 4 Artigo 3.... 4 Competências do Conselho Geral... 4 Artigo 4º... 5 Duração do Mandato... 5 Artigo 5º... 5 Perda do Mandato... 5 Artigo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803 REGULAMENTO VI CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO CAPITULO I DA REALIZAÇÃO Art. 1º A VI Conferência Municipal de Saúde de São Tiago é convocada e presidida pelo Prefeito Municipal e, na sua ausência

Leia mais

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro 1. A Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas tem por objectivo promover, desenvolver e divulgar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS ABERTURA Pessoa da cooperativa que não fará parte da mesa verifica o número de associados presentes certificando o quorum

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS PARA SEMINÁRIOS, SIMPÓSIOS E WORKSHOPS ORGANIZADOS PELO CBDB 1. INTRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS PARA SEMINÁRIOS, SIMPÓSIOS E WORKSHOPS ORGANIZADOS PELO CBDB 1. INTRODUÇÃO DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS PARA SEMINÁRIOS, SIMPÓSIOS E WORKSHOPS ORGANIZADOS PELO CBDB 1. INTRODUÇÃO Os trabalhos a serem apresentados deverão ser inéditos, não tendo sido publicados em

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CÂNCER GÁSTRICO Brazilian Gastric Cancer Association

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CÂNCER GÁSTRICO Brazilian Gastric Cancer Association ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CÂNCER GÁSTRICO Brazilian Gastric Cancer Association ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Artigo 1º - A Associação é denominada nacionalmente como Associação Brasileira

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º (Composição do Conselho de Administração) 1. O Conselho de Administração é composto por um número mínimo de três

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEDERAÇÃO UNICAFES PARANÁ

REGIMENTO INTERNO DA FEDERAÇÃO UNICAFES PARANÁ REGIMENTO INTERNO DA FEDERAÇÃO UNICAFES PARANÁ DIRETRIZES DO COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO O Cooperativo Solidário se constitui para promoção do desenvolvimento social e econômico da Agricultura Familiar e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 28/2012 Aprova o Regimento do Centro

Leia mais

Apresentação. Grupo de Trabalho Lívia Pommerening (Anauê 174/RS) Marjorie Friedrich (Guia Lopes 002/RS) Rebeca Pizzi Rodrigues (Novo Horizonte 137/RS)

Apresentação. Grupo de Trabalho Lívia Pommerening (Anauê 174/RS) Marjorie Friedrich (Guia Lopes 002/RS) Rebeca Pizzi Rodrigues (Novo Horizonte 137/RS) Apresentação Com o crescimento despontado da rede a cada ano, e havendo práticas já rotineiras, consolidadas em cima dos parâmetros nacionais, regimentos da UEB e as características fortes dos escoteiros

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEURORRADIOLOGIA DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA CNPJ Nº 02.070.253/0001-67 CAPÍTULO I DA ENTIDADE

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEURORRADIOLOGIA DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA CNPJ Nº 02.070.253/0001-67 CAPÍTULO I DA ENTIDADE ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEURORRADIOLOGIA DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA CNPJ Nº 02.070.253/0001-67 CAPÍTULO I DA ENTIDADE Art: 1º - A SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEURORRADIOLOGIA DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA,

Leia mais

Associação Desportiva e Recreativa Escolar Praiense

Associação Desportiva e Recreativa Escolar Praiense I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS 2 II ARTIGOS EXPRESSOS NOS ESTATUTOS 2 III REGULAMENTAÇÃO INTERNA Símbolos Identificativos Quotização / Outros Encargos Gestão Económico-financeira Conta Bancária da Associação

Leia mais

Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO)

Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO) Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO) Os Estados parte desta Constituição declaram, em conformidade com a Carta das Nações Unidas, que os seguintes princípios são basilares para a felicidade

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO I A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

CAPÍTULO I DA PESSOA JURÍDICA E SEUS FINS

CAPÍTULO I DA PESSOA JURÍDICA E SEUS FINS CENTRO DOS PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESTATUTO CAPÍTULO I DA PESSOA JURÍDICA E SEUS FINS Art. 1º - O CENTRO DOS PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPROJUS é uma

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar Regulamento do Ramo Pioneiro no Rio Grande do Sul TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

ESTATUTO DO CONSELHO DO PROJETO VIVATIVA

ESTATUTO DO CONSELHO DO PROJETO VIVATIVA ESTATUTO DO CONSELHO DO PROJETO VIVATIVA I CONCEITO E FINALIDADE a) o Conselho é associação livre de voluntários com a finalidade de organizar ações de cunho sócio/cultural/ambiental, pelos meios que os

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA CAPÍTULO I Da Assembleia Geral Artigo 1 Natureza A Assembleia Geral é constituída por todos os associados no pleno gozo dos seus

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

Associação Nacional de Livrarias. Regimento interno.

Associação Nacional de Livrarias. Regimento interno. Associação Nacional de Livrarias. Regimento interno. Diretrizes gerais. Artigo 1. A Associação Nacional de Livrarias, doravante denominada simplesmente por ANL de conformidade com seu estatuto social,

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO CRISTÃ INTERNACIONAL ICCC - BRASIL Entidade sem fins lucrativos CNPJ nº. 10.421.028/0001-56

CÂMARA DE COMÉRCIO CRISTÃ INTERNACIONAL ICCC - BRASIL Entidade sem fins lucrativos CNPJ nº. 10.421.028/0001-56 REGIMENTO INTERNO ORGANIZAÇÃO E SEDE 1. A associação, denominada Câmara de Comercio Cristã Internacional ICCC Brasil (International Christian Chamber of Commerce ICCC - BRAZIL), constituída em 24 de julho

Leia mais

Modelo de Implantação da CIPA

Modelo de Implantação da CIPA PROCEDIMENTOS PARA ELEIÇÃO É de responsabilidade do empregador convocar eleições para escolha dos representantes dos empregados na CIPA, no prazo mínimo de 60 dias antes do término do mandato em curso.

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÕES PARA O CONSELHO DELIBERATIVO ABHH QUADRIÊNIO 2016/ 2019

EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÕES PARA O CONSELHO DELIBERATIVO ABHH QUADRIÊNIO 2016/ 2019 EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÕES PARA O CONSELHO DELIBERATIVO ABHH QUADRIÊNIO 2016/ 2019 A Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular ABHH em cumprimento ao disposto em seu Estatuto

Leia mais

CNPJ 30.018.410/0001- - - 20 PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA RESOLUÇÃO

CNPJ 30.018.410/0001- - - 20 PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA RESOLUÇÃO Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA RESOLUÇÃO DAS REUNIÕES REGIONAIS DA ANPEd A mudança no Estatuto da nossa Associação, ocorrida na Reunião Anual de 2012,

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NUTRIÇÃO PARENTERAL E ENTERAL ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVO E FINS DA DENOMINAÇÃO E SEDE

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NUTRIÇÃO PARENTERAL E ENTERAL ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVO E FINS DA DENOMINAÇÃO E SEDE SOCIEDADE BRASILEIRA DE NUTRIÇÃO PARENTERAL E ENTERAL ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVO E FINS DA DENOMINAÇÃO E SEDE Art. 1º. A Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais