A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575"

Transcrição

1 RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S/A A Experiência da MRV na Implantação da NBR REALIZAÇÃO Flávio Paulino de Andrade e Silva Leonardo da Costa Godinho Fernanda Isabella de Mattos Freire Arruda Godinho 22/03/2016

2 A Experiência da MRV na Implantação da NBR Flávio Paulino de Andrade e Silva Leonardo da Costa Godinho Fernanda Isabella de Mattos Freire Arruda Godinho 22/03/2016

3 A MRV Empresa de capital aberto: Fundada em 1979 e IPO em 2007; Incorpora, comercializa e constrói - Imóveis residenciais; Foco no faixa 02 e 03 do Minha Casa Minha Vida; Abrangência nacional: 141 cidades em 19 estados e DF; Constrói aptos por ano; unidades no prazo de manutenção; funcionários, 300 engenheiros; 1 a cada 250 brasileiros moram em um apartamento MRV; Sistemas construtivos principais: Alvenaria estrutural Parede de concreto.

4 Norma de Desempenho Vigência projetos protocolados a partir de 19/07/13. Avalia desempenho final dos sistemas da edificação. Níveis diferenciados de exigência. Foco no usuário final. Inovadora - quebra o paradigma das normas prescritivas. Estabelece critérios de comprovação de atendimento dos requisitos. Tira o mercado da zona de conforto. Não tem receita de bolo (diferentes formas de atender a norma). Fomenta desenvolvimento de pesquisa (projetistas, construtoras e fornecedores). Exige uma visão muito mais multidisciplinar dos projetistas e profissionais. Melhoria do produto e do processo produtivo. Elimina os curiosos indústria controle de qualidade. Reunião de todas as normas (233). Conceito de Vida Útil. Definição de responsabilidades: Projetista / Incorporador / Construtor / Fornecedor / Usuário.

5 Mudança para os Projetistas Responsabilidade do Projetista: Cabe ao projetista o papel de especificar os materiais, produtos e processos que atendam ao desempenho mínimo nesta parte da ABNT NBR com base nas normas prescritivas e no desempenho declarado pelos fabricantes dos produtos a serem empregados em projeto. Os projetistas devem estabelecer a vida útil de projeto (VUP) de cada sistema que compõe esta parte... Principais mudanças para projetistas: Mudança do escopo do projeto. Caracterização da condições do entorno e de exposição. Caracterização das condições de uso. Especificação por desempenho. Especificação da vida útil de projeto. Avaliação e mitigação dos riscos aos usuários. Visão multidisciplinar. Responsabilidade. Conhecimento amplo de todas as normas.

6 Adaptação à Norma Dificuldades encontradas: Atender a norma sem inviabilizar o produto. Aspecto multidisciplinar. Disciplinas novas. Exigência por desempenho. Desconhecimento e despreparo da maioria dos projetistas. A maioria dos fornecedores desconhecia seus próprios produtos. Não existia empresas de consultoria global. Decisão de internalizar o estudo - Pesquisa e Desenvolvimento.

7 Adaptação à Norma 1ª Etapa - Estudo da norma 2ª Etapa - Diagnóstico inicial 3ª Etapa - Estudo das soluções e adequação do produto 4ª Etapa Adequação do processo

8 Adaptação à Norma Primeira Etapa - Estudo da norma Formação de um grupo de trabalho interno multidisciplinar dividir responsabilidade. Contratação de consultorias. Várias por tema. Workshops com fornecedores e projetistas. Discussões no comitê técnico da ABRAINC. Participação de seminários e palestras (acontece até hoje).

9 Adaptação à Norma Segunda Etapa Diagnóstico inicial Caracterização dos sistemas construtivos e materiais utilizados. Mais de 100 ensaios próprios e 50 ensaios de fornecedores. Compartilhamento dos resultados com ABRAINC.

10

11 Adaptação à Norma Terceira Etapa Estudo das Soluções e adequações do produto Novos materiais e detalhes construtivos. Mais de 200 ensaios próprios e 50 de fornecedores. Protótipos em obra para validar diferentes soluções e diferentes sistemas. Análise técnica e de viabilidade financeira de cada opção. Cadernos técnicos de caracterização de cada sistema construtivo e suas variações com as respectivas comprovações de desempenho. Semelhante SINAT.

12 Adaptação à Norma Quarta Etapa Estudo e adequações do processo. em andamento Prospecção de terrenos e estudo de viabilidade. Incorporação. Check list de desempenho. Projetos executivos. Suprimentos Assistência técnica / Sistema da qualidade Adequação no escopo e processo de projeto. ATENÇÃO: Melhoria contínua!

13 Adaptação à norma - Prospecção de Terrenos Estudo de Viabilidade: Aumento do Custo. Check List de Compra: Estudo dos Solo. Estudos Ambientais. Identificação dos Riscos: Pedreiras, Contaminação do Solo, Fábricas, Rodovias, etc.

14 Adaptação à norma - Incorporação Desempenho Acústico: Laudo de Ruídos. Manual da Pró-acústica (Classe I, II, III).

15 Adaptação à norma - Incorporação Desempenho Térmico: Região Bioclimática. Padronização Tipologias. Simulações de Desempenho. Cores de Fachadas e Telhas.

16 Adaptação à norma - Incorporação Projeto de Arquitetura: Mudança do contrato. Riscos inerentes ao uso ao qual a edificação foi projetada são pensados/tratados. Uso das Normas Brasileiras e Internacionais citadas na Norma de Desempenho. Conforto antropodinâmico. Adequação do manual de projeto. Imagem: NBR 9050/2015

17 Adaptação à norma Check list de desempenho Check List de Desempenho para Produção Especificação Executiva customizada para atender as condições específicas de cada obra.

18 Adaptação à norma - Projetos Executivos Mudança do contrato. Adequação dos manuais de projeto. Memoriais Descritivos de Projetos: Especificações dos sistemas e materiais por desempenho. Descrever condições de uso e operações de cada ambiente. População considerada dimensionamento reservatórios, cálculo de elevadores, rotas de fuga, etc. Citar normas e versões utilizadas.

19 Adaptação à norma - Suprimentos Fornecedores. Caracterização dos materiais. Definição da vida útil do produto. Fornecedor Ficha de especificação de materiais.

20 Adaptação à norma - Assitência Técnica / Qualidade Manual do proprietário: Matriz com vida útil. Garantia. Condições de uso. Manutenções preventivas. Sistema de qualidade: Ajustes de PES. Treinamento. FVS. Arquivo técnico completo e duradouro (vida útil de projeto).

21 Adequação de Escopo e Processo de Projeto Processo anterior a norma. Projetos são terceirizados. Manuais de projetos. Terceirizados fidelizados participação nos manuais. Coordenação de projetos centralizada e ativa. Especificação por cor e tamanho.

22 Macro Fluxo de Projeto Antes da NBR 15575/2013 Estudo de viabilidade 1 Compra do terreno Memorial descritivo Foco acabamento Marcas Diretrizes de concessionárias e licenciamentos Projetos Complementares Análise pré-projeto arquitetônico Multidisciplinar Engenharia Simultânea Análise e Compatibilização de Projetos Padronização Compatibilização Dimensionamento Projeto legal Projeto Executivo 1 OBRA

23 Macro Fluxo de Projeto Após a NBR 15575/2013 A B Estudo de viabilidade 1 A Caracterização do Entorno Compra do terreno C Memorial descritivo F B Análise de Risco (usuário/empreendimento) C Especificação por DESEMPENHO Diretrizes de concessionárias e licenciamentos D E C Projetos Complementares F G D Vida Útil de Projeto (VUP) B Análise pré-projeto arquitetônico Análise e Compatibilização de Projetos E Memorial Descritivo de Projeto Projeto legal D C E B Projeto Executivo F G F G Manual do Proprietário Ficha de Especificação de Material 1 OBRA

24 O mercado se adapta Manuais da CBIC. Manuais de outras organizaçoes: ASBEA Pró-acústica ABRASIP Consultorias globais. Programas de capacitação. Fornecedores: caracterização completa dos produtos. Catálogo de desempenho do Ministério das Cidades. Novos laboratórios acreditados. Selo de desempenho acústico das janelas. Mapeamento acústico urbano feito pela prefeitura de Fortaleza. Surgimento de novos produtos. Melhoria de produtos existentes.

25

SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS. Proposta Técnica. Norma de Desempenho Adequação de Processos. Construção Civil ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR

SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS. Proposta Técnica. Norma de Desempenho Adequação de Processos. Construção Civil ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS Proposta Técnica Norma de Desempenho Adequação de Processos ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR Construção Civil 1 OBJETIVO Este documento tem por finalidade apresentar os

Leia mais

GT DESEMPENHO/BA Eng. Priscila Freitas

GT DESEMPENHO/BA Eng. Priscila Freitas GT DESEMPENHO/BA Eng. Priscila Freitas ENG. PRISCILA FREITAS Engenheira Civil, UEFS (2006) Especialista em Engenharia da Qualidade, UFBA (2007) Mestranda em Gestão e Tecnologia Industrial GETEC, SENAI

Leia mais

Lacunas de conhecimento tecnológico para o desempenho de edificações residenciais Luis Carlos Bonin

Lacunas de conhecimento tecnológico para o desempenho de edificações residenciais Luis Carlos Bonin 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Lacunas de conhecimento tecnológico para o desempenho de edificações residenciais Luis Carlos Bonin Esta apresentação mostra os resultados de um trabalho

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS Análise dos Critérios de Atendimento à Norma de Desempenho ABNT NBR 15.575 Estudo de caso em empresas do programa Inovacon-CE AGRADECIMENTOS Instituições de ensino INOVACON Programa

Leia mais

O projeto. Projeto Norma de Desempenho ABNT NBR 15575

O projeto. Projeto Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 O projeto Preocupado em qualificar suas empresas associadas para atender plenamente aos requisitos da norma, o Sinduscon NH firmou convênio em Março de 2012 com o Instituto Tecnológico de Desempenho ITT

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1)

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1) ENG 2333 (2016/1) Aula 01 - Norma de Desempenho DESAFIOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Patologias diversas e cada vez mais precoces; Manutenção complicada; Acidentes e desconfortos; Má durabilidade; Falta de parâmetros

Leia mais

Como definir a Vida Útil de Projeto segundo a NBR Arq. Barbara Kelch Colaboradora do GTNormas / AsBEA

Como definir a Vida Útil de Projeto segundo a NBR Arq. Barbara Kelch Colaboradora do GTNormas / AsBEA Como definir a Vida Útil de Projeto segundo a NBR 15.575 Arq. Barbara Kelch Colaboradora do GTNormas / AsBEA Norma de Desempenho ABNT NBR 15.575 Objetivo: Alavancar tecnicamente a qualidade requerida e

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

VISÃO SETORIAL E INSTITUCIONAL DA NBR NORMA DE DESEMPENHO

VISÃO SETORIAL E INSTITUCIONAL DA NBR NORMA DE DESEMPENHO VISÃO SETORIAL E INSTITUCIONAL DA NBR 15575 NORMA DE DESEMPENHO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA NBR 15575 Investimento da CEF através de Projeto FINEP com o objetivo de criar uma metodologia para avaliação de

Leia mais

ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO

ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO 04 de junho de 2009 Realização: Carlos Alberto de Moraes Borges caborges@tarjab.com.br Estrutura da apresentação Normalização e o Sistema regulatório

Leia mais

Perfil. Referência no mercado capixaba em: Inovação Tecnológica; Gestão da Produção; Sustentabilidade. Fundada em 1995 LOGO EMPRESA

Perfil. Referência no mercado capixaba em: Inovação Tecnológica; Gestão da Produção; Sustentabilidade. Fundada em 1995 LOGO EMPRESA Perfil Fundada em 1995 Referência no mercado capixaba em: Inovação Tecnológica; Gestão da Produção; Sustentabilidade. Primeira Reação. ABORDAGENS 1 2 3 4 5 6 Gestão do Conhecimento Participar de Grupos

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Antonio Pedro Alves de Carvalho Imagem: omnistudio.com.br Qualidades de uma solução arquitetônica: Funcionalidade Economia Beleza Flexibilidade Expansibilidade

Leia mais

Lilian Sarrouf Coordenadora Técnica do GT Manual

Lilian Sarrouf Coordenadora Técnica do GT Manual v Lilian Sarrouf Coordenadora Técnica do GT Manual HISTÓRICO 1997 SINDUSCON SP Guia para Redação e Produção do Manual de Operação, Uso e Manutenção de Imóveis 2000 - SECOVI SP Manual de Operação, Uso e

Leia mais

Audiência Pública. Registro de Preços para Construção de

Audiência Pública. Registro de Preços para Construção de Audiência Pública Registro de Preços para Construção de Estabelecimentos de Ensino Público Projeto Piloto: Construção Escolas ProInfância Desafio: Melhorar a eficiência do processo, e garantir:. Edifícios

Leia mais

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013.

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. Ensaios de Desempenho. Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. CONCREMAT INSPEÇÓES E LABORATÓRIOS. UMA MARCA DAS EMPRESAS CONCREMAT. Com mais de 60 anos de experiência no mercado nacional e

Leia mais

IMPACTOS DA NORMA DE DESEMPENHO NA INDÚSTRIA DE MATERIAIS

IMPACTOS DA NORMA DE DESEMPENHO NA INDÚSTRIA DE MATERIAIS I WORKSHOP DE DESEMPENHO MINASCON 2014 07/agosto/2014 IMPACTOS DA NORMA DE DESEMPENHO NA INDÚSTRIA DE MATERIAIS Laura Marcellini Diretora Técnica ABRAMAT IMPACTOS DA NORMA DE DESEMPENHO NA INDÚSTRIA DE

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ARQUITETURA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ARQUITETURA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ARQUITETURA Apresentação FERNANDA BASQUES - Arquiteta 18 Anos de experiência Sócia Diretora da Viabile Planejamento e Projetos 03 Grupos de Estudos da Norma 01 Diretora do

Leia mais

-CDC veda que se coloque no mercado de consumo produtos em desacordo com as Normas Técnicas (art. 39)

-CDC veda que se coloque no mercado de consumo produtos em desacordo com as Normas Técnicas (art. 39) -CDC veda que se coloque no mercado de consumo produtos em desacordo com as Normas Técnicas (art. 39) -Código Civil possibilita aos interessados rejeitar a obra ou recebê-la e reclamar o abatimento do

Leia mais

ABNT NBR ª edição - Edificações habitacionais Desempenho ASPECTOS JURÍDICOS ENIC GOIÂNIA Carlos Pinto Del Mar

ABNT NBR ª edição - Edificações habitacionais Desempenho ASPECTOS JURÍDICOS ENIC GOIÂNIA Carlos Pinto Del Mar ABNT NBR 15575 4ª edição - Edificações habitacionais Desempenho ASPECTOS JURÍDICOS ENIC GOIÂNIA 2014 Carlos Pinto Del Mar ABNT NBR 15575 4ª edição Edificações habitacionais Desempenho Aplicável aos projetos

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

O USO DO LIGHT STEEL FRAME NO EMPREENDIMENTO VIDA VIVA CLUBE CENTRO

O USO DO LIGHT STEEL FRAME NO EMPREENDIMENTO VIDA VIVA CLUBE CENTRO 3º Seminário de Tecnologia e Inovação da Construção Civil O USO DO LIGHT STEEL FRAME NO EMPREENDIMENTO VIDA VIVA CLUBE CENTRO ENGº JOÃO PAULO MARIA Melnick Even, com 23 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

Seminário de avaliação parcial

Seminário de avaliação parcial Seminário de avaliação parcial Rio de Janeiro, 22 de junho de 2005 1 MECANISMOS DE INOVAÇÃO DA GESTÃO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Membros UFSC Universidade Federal de

Leia mais

Seminário Construção Sustentável Gestão de Resíduos da Construção. Lilian Sarrouf

Seminário Construção Sustentável Gestão de Resíduos da Construção. Lilian Sarrouf Seminário Construção Sustentável Gestão de Resíduos da Construção Lilian Sarrouf Resíduos da Construção Civil 28 PNRS e a Construção Civil 28 Membro do GT Técnico MMA Política Nacional de Resíduos e a

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

Painel 1 Perícias de Engenharia e a Norma de Desempenho

Painel 1 Perícias de Engenharia e a Norma de Desempenho Diagnósticos Técnicos e a Preservação de Direitos na Construção Civil Painel 1 Perícias de Engenharia e a Norma de Desempenho Engº Msc. JERÔNIMO CABRAL PEREIRA FAGUNDES NETO Realização Apoio Técnico Apoio

Leia mais

CIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA AGUIRRE LTDA

CIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA AGUIRRE LTDA MINUTA DO RELATÓRIO TÉCNICO 16 de agosto de 2010 CIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA AGUIRRE LTDA Avaliação técnica complementar do desempenho térmico de sistema construtivo integrado por paredes de concreto

Leia mais

O que é Desempenho Desempenho, dos componentes, elementos e sistemas:

O que é Desempenho Desempenho, dos componentes, elementos e sistemas: O que é Desempenho Desempenho, dos componentes, elementos e sistemas: no ambiente criado (projeto) e ambiente construído (obra/edifício) Comportamento em uso de um produto, frente às condições de exposição.

Leia mais

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Os requisitos de desempenho acústico do ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Ruídos internos e externos aos edifícios - DESEMPENHO ACÚSTICO - Normas técnicas 1) Normas Técnicas

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO COMPLEXO INDUSTRIAL / PRÉDIO COMERCIAL. Otaviano Alves de Lima, nº Jardim das Graças SÃO PAULO SP

LAUDO DE AVALIAÇÃO COMPLEXO INDUSTRIAL / PRÉDIO COMERCIAL. Otaviano Alves de Lima, nº Jardim das Graças SÃO PAULO SP fls. 374 LAUDO DE AVALIAÇÃO COMPLEXO INDUSTRIAL / PRÉDIO COMERCIAL Otaviano Alves de Lima, nº. 2.724 Jardim das Graças SÃO PAULO SP fls. 375 Sumário 1. PRELIMINARES 4 2. DIAGNÓSTICO DE MERCADO 4 3. RESUMO

Leia mais

Impactos da Norma para as indústrias de materiais de construção

Impactos da Norma para as indústrias de materiais de construção Impactos da Norma para as indústrias de materiais de construção Walter Cover Presidente Executivo da ABRAMAT Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção ABRAMAT Novas incumbências para

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como

Leia mais

A importância do projeto na redução de custos e gestão de riscos da construção ROBERTO DE SOUZA

A importância do projeto na redução de custos e gestão de riscos da construção ROBERTO DE SOUZA A importância do projeto na redução de custos e gestão de riscos da construção ROBERTO DE SOUZA CENÁRIO Crise política DO PAÍS Retração da economia brasileira Pessimismo dos consumidores e do empresariado

Leia mais

ABNT NBR :2013 Níveis de Desempenho

ABNT NBR :2013 Níveis de Desempenho ABNT NBR 15.575:2013 Níveis de Desempenho Para todos os requisitos foi estabelecido um patamar mínimo de desempenho (M), que deve ser obrigatoriamente atendido. Caso o projeto não especifique, considera-se

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias)

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS Sistemas Prediais: (Instalações Elétricas e Hidrossanitárias) AGENDA 1 2 3 Apresentação Palestrante Informações necessárias no projeto Sistemas Prediais: Especialidades 4

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE SISTEMAS PREDIAIS

COMISSIONAMENTO DE SISTEMAS PREDIAIS AGENDA OBJETIVO DO COMISSIONAMENTO; PAPEL DO AGENTE/ EMPRESA DE COMISSIONAMENTO; PRINCIPAIS ATIVIDADES NA CADEIA DA CONSTRUÇÃO; CASES; BENEFÍCIOS DO COMISSIONAMENTO; AÇÕES DO COMISSIONAMENTO NO BRASIL;

Leia mais

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto ESTUDO DE CASO: CENPES II DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO Uma atitude ambiental inovadora na arquitetura brasileira Joana Gonçalves jocarch@usp.br Arquiteta Dra. Profa. FAU USP Pesquisadora do LABAUT/ FAU

Leia mais

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO PORTFÓLIO Prefácio A Máxime Consultoria e Engenharia foi fundada em 2004 pelos engenheiros e mestres em construção civil pela POLI/USP, Maurício Marques Resende

Leia mais

PROC IBR EDIF /2014

PROC IBR EDIF /2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.011/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Arquitetura e Urbanismo Café com Pesquisa SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos.

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos. Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. Empresas Afiliadas 62 x Empresas Afiliadas

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) Projeto Arquitetônico Projeto Estrutural TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + requisitos usuários + NBR 15220 + NBR 15220-3 + parâmetros e condições de contorno + estratégias

Leia mais

[ 1 ] ARQUITETO SUSTENTÁVEL Passo a passo para criar projetos de casas sustentáveis em Steel Frame e Container

[ 1 ] ARQUITETO SUSTENTÁVEL Passo a passo para criar projetos de casas sustentáveis em Steel Frame e Container [ 1 ] [ 2 ] Este e-book tem como objetivo explicar de forma direta e dinâmica com uma linguagem simples o passo a passo de como elaborar projetos de casas sustentáveis utilizando como forma construtiva

Leia mais

CBIC Projeto de Inovação Tecnológica / 2010

CBIC Projeto de Inovação Tecnológica / 2010 CBIC Projeto de Inovação Tecnológica / 2010 MODULO 4 - CÓDIGO DE OBRAS NACIONAL Contribuições AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (Fase preliminar das questões a serem abordadas)

Leia mais

RESULTADOS DE ENSAIOS DE DESEMPENHO DE ALVENARIAS DE BLOCOS DE CONCRETO

RESULTADOS DE ENSAIOS DE DESEMPENHO DE ALVENARIAS DE BLOCOS DE CONCRETO Em parceria com: Prof.Daniel Tregnago Pagnussat, Dr. UFRGS/CLN RESULTADOS DE ENSAIOS DE DESEMPENHO DE ALVENARIAS DE BLOCOS DE CONCRETO 1 Prof. Daniel Tregnago Pagnussat, Dr. PROFESSOR UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

PIT PROJETO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A NORMALIZAÇÃO

PIT PROJETO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A NORMALIZAÇÃO De 09 a 11 de junho de 2010 - Maceió - Alagoas PIT PROJETO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A NORMALIZAÇÃO Carlos Alberto de Moraes Borges carlos,borges@tarjab.com.br 10/06/2010 ABNT Associação Brasileira de

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR PARA ENGENHEIROS CIVIS E ARQUITETOS

PROGRAMA DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR PARA ENGENHEIROS CIVIS E ARQUITETOS PROGRAMA DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR PARA ENGENHEIROS CIVIS E ARQUITETOS Construção Civil: Desafios 2020 O estudo apresentou os seguintes direcionamentos em relação a formação dos : Ampliar a capacitação

Leia mais

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13 15.575 Desempenho Térmico O Que a Norma exige? 15575-1 Item 11 Desempenho Térmico 11.1 Generalidades: atender às exigências de desempenho térmico (ZB) a) Procedimento 1 simplificado b) Procedimento 2 medição

Leia mais

ABCIC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO SEMINÁRIO REGIONAL ABCIC BELO HORIZONTE

ABCIC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO SEMINÁRIO REGIONAL ABCIC BELO HORIZONTE ABCIC ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO SEMINÁRIO REGIONAL ABCIC BELO HORIZONTE ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS DE CONCRETO: DESEMPENHO E SUSTENTABILIDADE BELO HORIZONTE, 23 DE

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS Disposição final Planejamento Uso e Operação ENVELOPE ESTRUTURAS Projeto SISTEMAS PREDIAIS Construção Implantação PPI Conceituação Planejamento Definição Módulo escopoi Documentação Estudos de Projeto

Leia mais

BIM BUILDING INFORMATION MODELING. Eng. Paulo Sanchez

BIM BUILDING INFORMATION MODELING. Eng. Paulo Sanchez BIM BUILDING INFORMATION MODELING Eng. Paulo Sanchez CBIC - Responsável Desenvolvimento BIM V.P. Tecnologia e Qualidade SINDUSCON SP Diretor de Engenharia Sinco Engenharia 30 Anos no mercado da construção

Leia mais

A NORMA DE DESEMPENHO E O PROJETO ELÉTRICO

A NORMA DE DESEMPENHO E O PROJETO ELÉTRICO A NORMA DE DESEMPENHO E O PROJETO ELÉTRICO Versão inicial - 28/04/2014 Itens em itálico, são parte da NBR 15575 ETAPA 01 Interpretação da FE Projetos sobre os itens da Norma de Desempenho Parte 1 - Requisitos

Leia mais

WWW.PAINEISTERMOISOLANTES.COM.BR Sistema construtivo industrializado alinhado aos critérios da norma de desempenho para empreendimentos habitacionais Giovani Oliveira Gerente do Segmento Revestimentos

Leia mais

BOLETIM DE NORMALIZAÇÃO GRUPO DE ACOMPANHAMENTO DE NORMAS COMAT/CBIC

BOLETIM DE NORMALIZAÇÃO GRUPO DE ACOMPANHAMENTO DE NORMAS COMAT/CBIC BOLETIM DE NORMALIZAÇÃO GRUPO DE ACOMPANHAMENTO DE NORMAS COMAT/CBIC Reunião da Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade 05/março/2015 NORMAS ABNT EM CONSULTA NACIONAL Fonte: http://www.abntonline.com.br/consultanacional/

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 2. Deficiência x Excelência Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 7 Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa

Leia mais

Curso de Desenvolvimento e Aplicação de Metodologia de Coordenação de Projetos Profa. Dra. Ana Rocha Melhado

Curso de Desenvolvimento e Aplicação de Metodologia de Coordenação de Projetos Profa. Dra. Ana Rocha Melhado Curso de Desenvolvimento e Aplicação de Metodologia de Coordenação de Projetos Profa. Dra. Ana Rocha Melhado 25/01/2011 A Construtora Atuante no mercado há 44 anos, a Construtora A. C. Cruz tem seus trabalhos

Leia mais

Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses

Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses 1 Quem é a Yellowbrick Houses Somos uma incorporadora atuando no mercado de casas residenciais em Alphaville/Tamboré desde 2009 Nossos diferenciais:

Leia mais

Módulo IV - PIT CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES NACIONAL. (Fase preliminar) Princípios a serem abordados

Módulo IV - PIT CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES NACIONAL. (Fase preliminar) Princípios a serem abordados Módulo IV - PIT CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES NACIONAL (Fase preliminar) Princípios a serem abordados CONCEITOS FUNDAMENTAIS Viabilização dependente do sucesso do trinômio : DESEMPENHO X SUSTENTABILIDADE X RESPONSABILIDADE

Leia mais

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR)

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Nº Comité de Estudio: 11 Nº IV SESEP: CE.11.08e SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Irineu J. V. Finato ITAIPU BINACIONAL Ricardo Gonzalez Jacques ITAIPU BINACIONAL Edeltraut Eyng Thiel ITAIPU BINACIONAL

Leia mais

Profª Mônica Suely G. de Araujo

Profª Mônica Suely G. de Araujo Profª Mônica Suely G. de Araujo Desempenho Características Confiabilidade Reputação 2 1 Durabilidade Utilidade Resposta Estética 3 Projeto Conformidade Capabi lidade Atendi mento ao Cliente Cultura da

Leia mais

Edifícios a reabilitar Situação do edificado Processos de reabilitação. Estruturas Fogo Higrotérmica e Ventilação Acústica Térmica

Edifícios a reabilitar Situação do edificado Processos de reabilitação. Estruturas Fogo Higrotérmica e Ventilação Acústica Térmica INTRODUÇÃO OBJETIVOS DESTINATÁRIOS A intervenção da engenharia civil tem sofrido alterações ao longo do tempo em função da necessidade de resposta aos problemas concretos da sociedade. Hoje, em Portugal,

Leia mais

APLICABILIDADE DA NORMA NBR /2008 EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ CINCO PAVIMENTOS DESEMPENHO: ESTUDO DE CASO E ANÁLISE CRÍTICA

APLICABILIDADE DA NORMA NBR /2008 EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ CINCO PAVIMENTOS DESEMPENHO: ESTUDO DE CASO E ANÁLISE CRÍTICA APLICABILIDADE DA NORMA NBR 15.575/2008 EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ CINCO PAVIMENTOS DESEMPENHO: ESTUDO DE CASO E ANÁLISE CRÍTICA Rosana Elisa Mahl (1); Jairo José de Oliveira Andrade (2) (1) Arquiteta

Leia mais

Eng.º Ricardo Toscani Bairro Novo S.A.

Eng.º Ricardo Toscani Bairro Novo S.A. Eng.º Ricardo Toscani Bairro Novo S.A. Economia Mundial (PIB 2010) Economia Mundial (Taxa de Desemprego) Economia Mundial e Brasileira 2,0 % Economia Brasileira (Empregos Formais) Fonte: MTE Economia Brasileira

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em consultoria de engenharia para elaboração de laudo técnico de análise de patologias que geraram o desprendimento das pastilhas externas

Leia mais

Processo de Certificação. Grupo PMQ

Processo de Certificação. Grupo PMQ Processo de Certificação da Operadora RN 277 Grupo PMQ UNIMED São José do Rio Preto Cooperados 1391 Clínicas 137 Hospitais 27 Sendo 14 Santa Casas e 13 Hospitais privados Serviços de Diagnose 111 Laboratórios

Leia mais

Área de CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO

Área de CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO Palestra - NBR 15575 Desempenho das Edificações RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS REALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA APRESENTAÇÃO A Construtora Lage foi fundada em

Leia mais

Plano de franquia WebMais. Mais rapido, Mais seguro, Mais completo.

Plano de franquia WebMais. Mais rapido, Mais seguro, Mais completo. Plano de franquia WebMais Mais rapido, Mais seguro, Mais completo. Quem somos? A Webmais Sistemas é uma empresa de base nacional, no mercado desde de Novembro de 2005, especializada no desenvolvimento

Leia mais

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO TÍTULO PROJETO DE RQUITETUR ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Instrução. Projeto. rquitetura. INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/2005 1 de 11 PROVÇÃO PROCESSO PR 007476/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

Empreendimento. Porto Alegre V E M N O V A C O N Q U I S T A. Material de Treinamento

Empreendimento. Porto Alegre V E M N O V A C O N Q U I S T A. Material de Treinamento Empreendimento Porto Alegre Localização Porto Alegre / RS PARQUE MARINHA DO BRASIL HOSPITAL MÃE DE DEUS PUCRS BARRA SHOPPING RITTER DOS REIS ZAFFARI TERESÓPOLIS ESCOLA SÃO FRANCISCO GUION SOL NOVO SHOPPING

Leia mais

Como a TQS assegura a qualidade dos seus sistemas?

Como a TQS assegura a qualidade dos seus sistemas? Como a TQS assegura a qualidade dos seus sistemas? Como é feita a integração de desenhos entre as diversas disciplinas de projeto? É preciso do sistema AutoCAD para dar acabamento nos desenhos? Quais os

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 VisÇo Geral A NR18 é a norma que regulamenta a Segurança e Medicina do Trabalho na Indústria da Construção

Leia mais

Apresentação ao Comitê Diretivo

Apresentação ao Comitê Diretivo Ações de Desenvolvimento Tecnológico Industrial 31 de Março de 2011 Apresentação ao Comitê Diretivo Política Industrial Dirigida por Demanda Elementos Conceituais e Papel dos Agentes Indústria Nacional

Leia mais

Contato QUEM SOMOS ATUAÇÃO. A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem. Oscar Niemeyer

Contato QUEM SOMOS ATUAÇÃO. A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem. Oscar Niemeyer QUEM SOMOS A SENTIDO ARQUITETURA é uma empresa especializada em elaboração de Projetos, Regularização de Imóveis e Consultoria em legalização imobiliária. A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem.

Leia mais

Oliveira & Lemos. Assessoria Imobiliária e Regularização de Obras

Oliveira & Lemos. Assessoria Imobiliária e Regularização de Obras Oliveira & Lemos Assessoria Imobiliária e Regularização de Obras apresentação Diante a perspectiva positiva da realização de investimentos crescente no setor da construção civil aliado a necessidade de

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

PRÁTICAS DE GESTÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS

PRÁTICAS DE GESTÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS PRÁTICAS DE GESTÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS Atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Experimental e Engenharia Não Rotineira (P&D&E) Pesquisa Básica trabalho teórico ou experimental que tem por objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E AMBIENTAÇÃO DE INTERIORES SESC GUARULHOS

PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E AMBIENTAÇÃO DE INTERIORES SESC GUARULHOS ANEXO IV PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E AMBIENTAÇÃO DE INTERIORES SESC GUARULHOS CONCURSO O 01/2009 1 ÍNDICE 1. Escopo do Projeto de Arquiteura...03 2. Orientações Complementares...05

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS NBR :2006

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS NBR :2006 PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS NBR 12.721:2006 Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. NBR 12.721:2006 NBR 12.721: 2006 - Avaliação de custos unitários de construção para incorporação imobiliária

Leia mais

Os móveis, equipamentos e utensílios utilizados nas perspectivas ilustradas são de mera sugestão de decoração e não fazem parte do contrato de compra

Os móveis, equipamentos e utensílios utilizados nas perspectivas ilustradas são de mera sugestão de decoração e não fazem parte do contrato de compra conceito do Loft originou-se de espaços industriais antigos que foram reciclados em prédios residenciais sem, contudo, alterar as suas características originais. Inicialmente, esta transformação se dava

Leia mais

A Nova NBR Preparo, Controle e Recebimento de Concreto, com Foco na Durabilidade

A Nova NBR Preparo, Controle e Recebimento de Concreto, com Foco na Durabilidade A Nova NBR 12655 Preparo, Controle e Recebimento de Concreto, com Foco na Durabilidade Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 A Nova NBR 12655:2006 Principal exigência para

Leia mais

Simpósio Brasil-Alemanha Construção sustentável e com baixo consumo de energia. Implementação. - Temas - Cronograma - Relatores - Patrocinadores

Simpósio Brasil-Alemanha Construção sustentável e com baixo consumo de energia. Implementação. - Temas - Cronograma - Relatores - Patrocinadores Simpósio Brasil-Alemanha Construção sustentável e com baixo consumo de energia Implementação - Temas - Cronograma - Relatores - Patrocinadores Objetivos do Simpósio através de informações e discussões,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA AsBEA Fundada em 1973, a AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura é uma entidade independente, que congrega empresas de arquitetura

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DE BARREIRAS ACÚSTICAS EM ESTÁDIOS. ESTUDO DE CASO: ESTÁDIO DO ITAQUERÃO EM SÃO PAULO

TÍTULO: ANÁLISE DE BARREIRAS ACÚSTICAS EM ESTÁDIOS. ESTUDO DE CASO: ESTÁDIO DO ITAQUERÃO EM SÃO PAULO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DE BARREIRAS ACÚSTICAS EM ESTÁDIOS. ESTUDO DE CASO: ESTÁDIO DO ITAQUERÃO EM SÃO PAULO

Leia mais

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto Pedro Henrique Gobbo Prof. Dra. Sheyla Mara Baptista Serra Prof. Dr. Marcelo de Araújo Ferreira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Introdução sobre

Leia mais

garden juliana facebook.com/neocasabr www. neocasabrasil.com.br 1

garden juliana facebook.com/neocasabr www. neocasabrasil.com.br 1 garden juliana 1 neocasa há MAIS DE 25 anos, construindo sonhos. A NEOCASA acumula experiência de mais de 25 anos de mercado imobiliário e, em parceria com os seus sócios e gestores, desenvolveu grande

Leia mais

Empresa. ROKA Engenharia S/S Ltda - Serviços em NR12. Concept for standards

Empresa. ROKA Engenharia S/S Ltda - Serviços em NR12. Concept for standards Serviços em NR12 Empresa A ROKA ENGENHARIA foi fundada em 1992, com prestação de serviços em Engenharia Elétrica e Mecânica. Em 2009 ampliou as suas atividades para serviços em Gestão Integrada (Segurança

Leia mais

TEORIA & PROJETO. a. PROGRAMA DE NECESSIDADES b. ARQUITETURA RESIDENCIAL c. FERRAMENTAS DE AUXÍLIO AO PROJETO. Prof.

TEORIA & PROJETO. a. PROGRAMA DE NECESSIDADES b. ARQUITETURA RESIDENCIAL c. FERRAMENTAS DE AUXÍLIO AO PROJETO. Prof. TEORIA & PROJETO a. PROGRAMA DE NECESSIDADES b. ARQUITETURA RESIDENCIAL c. FERRAMENTAS DE AUXÍLIO AO PROJETO PROJETO & FASES 1. Programa de Necessidades: o que é? Como montar; 2. Perfil dos Usuários; 3.

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO.

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. 1. Levantamento de Informações 1.1.Projeto de arquitetura A escolha do projeto residencial 1.2. Lay out ocupação e uso do espaço Informações

Leia mais

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP Engenharia Ambiental Consolidação da Profissão e Perspectivas Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP zaiat@sc.usp.br Engenharia Ambiental Que curso é esse? O que faz esse profissional? Qual a estrutura do curso?

Leia mais

PA.06/201.95/11597/00

PA.06/201.95/11597/00 EQUIPE DE APOIO TÉCNICO ESPECIALIDADE PROFISSIONAL CREA/ CAU RUBRICA Arquitetura e Urbanismo Arq. Márcia Soldera CAU 54.2403 Christine Borges Reffatti (estagiária) REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA

Leia mais

Relatório 5 - Composição CUB/m² (Valores em R$/m²)

Relatório 5 - Composição CUB/m² (Valores em R$/m²) CUB/m² Relatório 5 - Composição CUB/m² (Valores em R$/m²) CUB/m² dados de Janeiro/2017, para ser usado em Fevereiro/2017 M.Obra com Encargos Sociais Desonerados Projetos-Padrão Residenciais - Baixo Item

Leia mais

SiNAT. Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores

SiNAT. Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores Maria Salette Weber Coordenadora Geral do PBQP-H Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades HISTÓRICO Década de 80: início

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003726A - Conforto Térmico II: Isolação e Ventilação Docente(s) Maria Solange Gurgel de Castro Fontes Unidade Faculdade de Arquitetura,

Leia mais

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Projeto Arquitetônico

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Projeto Arquitetônico Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Projeto Arquitetônico O Prêmio Planeta Casa 2012 busca valorizar empresas, organizações da sociedade civil e profissionais das áreas de arquitetura, design,

Leia mais

Planejamento e Projeto de Hotéis

Planejamento e Projeto de Hotéis Introdução Planejamento e Projeto de Hotéis O curso apresenta a história da evolução do turismo no mundo e, particularmente, no Brasil. Analisa o momento atual do turismo. Entre outros assuntos, apresenta

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Avaliação da Conformidade de Produtos com especificação GD&T Tolerância Geométrica e Dimensionamento Joel Alves da Silva JAS-METRO Soluções

Leia mais