Curso para Formação de Responsáveis Técnicos e Auditores de Produção Integrada de Morango - PIMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso para Formação de Responsáveis Técnicos e Auditores de Produção Integrada de Morango - PIMO"

Transcrição

1 Curso para Formação de Responsáveis Técnicos e Auditores de Produção Integrada de Morango - PIMO Campinas, 11 de Novembro de 2011 Helio Satoshi Watanabe Centro de Qualidade em Horticultura CEAGESP Fone: (11)

2 Comercialização de Morango no ETSP - CEAGESP

3 Principais Cultivares Comercializadas na CEAGESP - OSO GRANDE - CAMINO REAL - CAMAROSA - TUDLLA - PALOMAR - AROMAS - TOYOHIME - ETC

4 Ranking Setor de Frutas Volume Ordem Produto Volume (t) Particip. % 1º Laranja ,55 2º Mamão ,97 3º Maçã ,28 4º Tangerina ,66 5º Manga ,18 6º Melancia ,14 7º Pera ,41 8º Banana ,03 9º Limão ,75 10º Abacaxi , º Morango ,7 Total Outros

5 Ranking Setor de Frutas Valor Ordem Produto Valor(R$) Particip. % 1º Laranja ,64 12,09 2º Maçã ,05 11,50 3º Pera ,01 8,47 4º Uva ,62 7,52 5º Mamão ,39 7,02 6º Manga ,66 6,10 7º Tangerina ,52 4,80 8º Ameixa ,20 3,63 9º Abacaxi ,12 3,52 10º Maracujá ,12 3,50 11º º Morango ,75 2,40 Total (R$) ,30 100%

6 Evolução da Comercialização de Morango Comum + Oso Grande+ Camino Real no ETSP 2004/2010 ANO CAIXA (1,4 Kg) EVOLUÇÃO , , , , , ,15

7 Participação por Estado Estados Total (t) Particip.% Acumul.% Minas Gerais 6.362,55 58,46 58,46 São Paulo 3.378,00 31,04 89,50 Rio Grande do Sul 928,21 8,53 98,02 Paraná 168,50 1,55 99,57 Transferências 44,28 0,41 99,98 Santa Catarina 1,01 0,01 99,99 Bahia 0,88 0,01 100,00 Distrito Federal 0,33 0, Total (t) ,76 100

8 Principais Atacadistas que Comercializaram em 2010 Atacadistas Total (t) Participação % Acumulado % José Raimundo 773,60 7,11 7,11 Previtale 714,77 6,57 13,68 Frutamina 494,30 4,54 18,22 Govetri & Govetri 493,76 4,54 22,75 M. Kato 483,34 4,44 27,19 Pilon & Pilon Ltda 465,84 4,28 31,47 Barbosa 430,94 3,96 35,43 Araçatuba 343,07 3,15 38,59 Uniagre 336,57 3,09 41,68 DLG 330,27 3,03 44,71 Hgs 320,23 2,94 47,66 Belle Sampa 316,14 2,90 50,56 Helio Brollo 303,77 2,79 53,35 Campo Verde 303,70 2,79 56,14 Cobrasil 292,91 2,69 58,83 Roseira Ltda 258,76 2,38 61,21 Frutart 233,63 2,15 63,36 Josias Marques da Rosa 220,97 2,03 65,39 NK 205,41 1,89 67,27 Pauli 180,06 1,65 68,93 Outros 3.381,71 31, Total ,76 100

9 Principais Municípios que Enviaram Morango Camino Real para o ETSP CEAGESP Municípios Total (t) Particip.% Acumul.% Piedade SP 692,93 76,91 76,91 Mairinque SP 68,14 7,56 84,47 Atibaia Sp 58,22 6,46 90,93 Jarinú SP 53,42 5,93 96,86 Jundiaí SP 12,96 1,44 98,30 São Miguel Arcanjo SP 8,00 0,89 99,18 Pouso Alegre MG 3,43 0,38 99,56 Esp. Stº do Dourado MG 1,89 0,21 99,77 Cabreúva SP 1,64 0,18 99,96 Senador Amaral MG 0,40 0, Total (t) 901,02 100

10 Sazonalidade do Camino Real por Volume

11 Sazonalidade do Camino Real por Valor

12 Principais Municípios que Enviaram Morango Comum para o ETSP CEAGESP Municípios Total (t) Partip.% Acumul.% Estiva MG 3069,92 34,15 34,15 Pouso Alegre MG 1091,09 12,14 46,29 Senador Amaral MG 759,16 8,44 54,73 Espí. Stº Dd Dourado MG 679,19 7,56 62,28 Jarinú SP 434,66 4,83 67,12 Atibaia SP 384,64 4,28 71,40 Ipê RS 324,87 3,61 75,01 Munhoz MG 312,77 3,48 78,49 Vacaria RS 279,56 3,11 81,60 Piedade SP 258,21 2,87 84,47 Caxias Do Sul RS 216,14 2,40 86,88 Bom Repouso MG 208,68 2,32 89,20 Jundiaí SP 168,33 1,87 91,07 Outros 802,71 8, Total (t) 8989,92 100

13 Sazonalidade do Morango Comum por Volume

14 Sazonalidade do Comum por Valor

15 Principais Municípios que Enviaram Morango Oso Grande para o ETSP CEAGESP Municípios Total (t) Partip.% Acumul.% Atibaia SP 702,22 70,73 70,73 Jarinú SP 257,54 25,94 96,67 Senador Amaral MG 22,56 2,27 98,94 Esp. Stº do Dourado MG 6,94 0,70 99,64 Estiva Mg 2,01 0,20 99,84 Jundiaí MG 1,44 0,15 99,99 Cabreúva MG 0,11 0, Total (t) 992,82 100

16 Sazonalidade do Morango Oso Grande por Volume

17 Principais Municípios que Enviaram Morango Oso Grande para o ETSP CEAGESP Municípios Total (t) Participação % Atibaia SP 702,22 70,73 Jarinú 257,54 25,94 Senador Amaral MG 22,56 2,27 Espírito Santo do Dourado MG 6,94 0,70 Estiva MG 2,01 0,20 Jundiaí 1,44 0,15 Cabreúva 0,11 0,01 Total (t) 992,82 100

18 Quem são Clientes dos Atacadistas - Feirantes - Sacolões - Quitandas - Supermercados - Ambulantes - Restaurantes - Distribuidoras - Instituições Públicas - Etc

19 Quem Compra as Melhores Frutas -Ambulantes - Mercado Municipal (Cantareira) - Frutarias - Quitandas - Bons sacolões - Supermercados que buscam se diferenciar nas seções de frutas e hortaliças

20 Principais Problemas no Atacado -Colheita ( Vários) - Local de Classificação, Embalamento -Transporte inadequado ( Campo) - Descarga (Inadequada) - Embalagem Inadequada (Trapezoidal) - Refrigeração Inadequada ( Sistema) - Falta de rotulagem - Cumbuca com tampa ou Filme - Local Inadequado de Venda - Etc

21 Problemas no Varejo -Reclamação dos Consumidores - Falta de transparência na classificação - Frutos colhidos verdes - Podridão - Desconfiança com resíduos de agrotóxicos - Sabor - Identificação da Variedade

22 Classificação Distribuir em classes e nos respectivos grupos, de acordo com um sistema ou método de classificação (Houaiss)

23 Classificação Classificação é a separação do produto em lotes visualmente homogêneos e a sua descrição através de características mensuráveis, obedecendo a padrões préestabelecidos. Tamanho não é qualidade. Os lotes de morango são caracterizados por classe (tamanho) e categoria (qualidade)

24 Norma de Classificação Adesão Voluntária Programa Brasileiro para a Modernização da Horticultura

25 Classificação e Técnicas de Colheita Manutenção da rastreabilidade, respeito à carência, identificação sistema PIMO, ponto de colheita, pré-seleção dos frutos, colheita direta na embalagem, refrigeração imediata.

26 Grupo Organização das cultivares O agrupamento dos cultivares de morango é uma tarefa complexa. Os frutos dos cultivares de morango podem ser diferenciados por: tamanho, tipo de inserção de cálice, flexibilidade do pedicelo,coloração externa, coloração e firmeza da polpa, densidade e posição do aquênio, doçura e acidez

27 Grupo Grupo Suculento IAC Campinas IAC Princesa Isabel Reiko Toyonoka Seqóia Campidover Toyohime Piedade Grupo não Suculento Osogrande Tudla Seascape Dover Capitola Camarosa Cartuno Sweet Charlie Chandler Selva

28 Classe Garantia de homogeneidade de tamanho A classe agrupa frutos de tamanhos semelhantes. O tamanho é definido pelo maior diâmetro equatorial do fruto. A diferença do maior fruto poderá ser no máximo, 50% superior ao diâmetro do menor fruto na mesma embalagem. Multiplique o diâmetro do menor fruto por 1,5 para ter o diâmetro permitido para o maior fruto.

29 Categoria Garantia de padrão mínimo de qualidade Qualidade é a ausência de defeitos. As categorias caracterizam a qualidade de um lote de morango, e diferem na tolerância aos defeitos graves e leves. O produtor deve eliminar os produtos com defeitos graves, antes do seu embalamento.

30 Categoria Garantia de padrão mínimo de qualidade

31 Defeitos Graves Muito prejudiciais ao produto Defeitos graves inviabilizam o consumo e depreciam muito a aparência e o valor do produto.

32 Defeitos Graves Muito prejudiciais ao produto

33 Defeito Graves Muito prejudiciais ao produto

34 Defeitos Leves Pouco prejudiciais ao produto Defeitos leves não impedem o consumo do produto, mas depreciam o seu valor.

35 Defeitos Leves Pouco prejudiciais ao produto

36 Defeitos Leves Pouco prejudiciais ao produto

37 DOENÇAS PÓS-COLHEITA DO MORANGO

38 Doenças de Campo com Evolução Pós-Colheita

39 Doenças Pós-Colheita Associadas à Ferimentos

40 DANO FISIOLÓGICO DANO MECÂNICO

41 Comercialização no ETSP

42 Comercialização no ETSP

43 Comercialização no ETSP

44 Toyonoka

45 Importado

46 Rótulo Garantia do responsável O rótulo identifica o responsável pelo produto e a sua origem. A rotulagem é obrigatória e regulamentada pelo Governo Federal. O rótulo deve conter a descrição do produto de acordo com as regras estabelecidas pelas normas de classificação.

47

48 Identificação

49 Embalagem - Nova e resistente - Paletizavel 1,20 X 1,00 - Sub- multiplos: 600 X 400 mm; 500 X 300 mm - Se retornável permitir a lavagem e desinfecção - Quando queimar não poluir o ambiente

50 Descarga Paletizada

51 Segundo as Norma Técnicas da PIMO Obrigatórias -Obedecer os critérios de classificação e as normas de embalagem e rotulagem, com destaque ao sistema PI Morango vigentes ou forma a atender as exigências do mercado de destino - Utilizar sistema que permita a rastreabilidade completa - A embalagem deve conter somente frutos da mesma parcelas e ponto de maturação

52 Segundo as Norma Tecnicas da PIMO Recomendadas -Utilizar embalagens que permitam a acomodação de frutos de mesmo calibre - Não acondicionando frutos pequenos na camada inferior e grandes na superior

53 Segundo as Norma Técnicas da PIMO Proibido Selecionar, classificar e embalar frutos do Sistema Pi Morango em conjunto com morangos de outros sistemas de produção, sem a devida identificação

54 Colheita e Pós - Colheita Técnicas de Colheita

55 Técnicas de Colheita Obrigatório Colher a fruta de forma cuidadosa, evitando danos mecânicos Evitar a exposição ao sol e à chuva das frutas colhidas Recomendado Proibido Estabelecer o ponto de colheita para cada mercado de destino: Para mercados locais, colher morangos com, no mínimo, 75% de coloração vermelha Realizar pré-seleção dos frutos durante a colheita Colher frutos antes de ter completado o período de carência dos agrotóxicos Manter frutos produzidos em Sistema de Produção Integrada sem devida identificação junto de frutos produzidos em outros sistemas de produção Colher diretamente na embalagem definitiva Refrigerar imediatamente os frutos colhidos Se não possuir camara frigorífica deixar em local fresco e arejado

56 Colheita no Chile

57 Colheita no Chile

58 Caixas de Colheita Obrigatório Recomendado Proibido Usar caixas plásticas lavadas e higienizadas diariamente Usar as caixas exclusivamente para a colheita do morango Armazenar as caixas em locais limpos e sem riscos de contaminação química e biológica Evitar o enchimento excessivo das caixas de modo a causar danos durante o seu manuseio e transporte Usar papel jornal, papel reciclado ou outros materiais que possam agregar contaminação aos frutos

59 Caixas de Colheita - Madeira

60 Caixas de Colheita Cesto de Bambu

61 Caixas de Colheita - Plástico

62 Higiene na Colheita Obrigatório Proceder à limpeza e higienização de equipamentos e locais de trabalho Manter ambiente limpo e organizado Disponibilizar instalaçoes sanitárias e de lavagem de mãos aos trabalhadores a uma distância próxima ao local de trabalho Recomendado Proibido Estabelecer um programa de limpeza e higienização de utensílios, equipamentos e veículos a serem utilizados na colheita Proceder à desinfecção das mãos com álcool gel durante a manipulação dos frutos Usar produtos sanitizantes que não estejam recomendados para contato com alimentos Circulação de animais domésticos nas áreas de produção e manipulação de frutos

63

64 PRODUÇÃO INTEGRADA DE MORANGO (PIMo) Ciclo: CADERNO DE PÓS-COLHEITA Casa de Embalagem

65 Produção Integrada de Morango (PIMo) CADERNO DE PÓS-COLHEITA Ano: Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: IDENTIFICAÇÃO Nome do Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: CEP: Telefone: Celular: Fax: RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Endereço: Município: Estado: CEP: Telefone Celular: Fax: CREA: Carteirinha da PIMo: ( ) SIM (. ) NÃO Data de preenchimento:

66 TABELA 1. Controle de limpeza e sanitização Data Local* Produto Dosagem Forma de Aplicação Assinatura Equipamentos, embalagens, locais de trabalho ou de armazenamento, veículos, etc. OBS: Nas planilhas em formato eletrônico, o nome do responsável deverá ser digitado no campo de assinaturas

67 TABELA 2. Controle de Recepção dos Morangos IDENTIFICAÇÃO DEFEITOS Data Parcela Cultivar Coloraçã o inferior a 75% vermelho Passad o Defor mação grave Feridas abertas Dano superficial cicatrizado Deforma ção leve ( luvinha ) Podridão Lóculo aberto Perfeitos

68 Tabela de Categoria

69 Defeitos Graves e Leves Defeitos Graves Podridão Ausência de Cálice e Sépalas Dano Mecânico Imaturo Deformação Grave Lesão Profunda Passado Defeitos Leves Coloração não Características Dano Superficial Cicatrizado Deformação Leve Oco Presença de Materiais Estranhos

70 TABELA 3. Controle da Fruta Embalada Data Parcela Cultivar Nº de Caixas Classificadas Peso por caixa (g) Destino da Fruta Assinatura

71 TABELA 4. Monitoramento de Câmaras Frigoríficas (para quem tiver) Data Câmara n Temperatura ( C) Umidade Relativa (%) Assinatura

72 TABELA 5. Visitas de Inspeção (Informações de Uso da Instituição que Avalia a Conformidade) Observações Assinatura Carimbo Data

Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo

Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo Engenheiro Agrônomo Paulo Roberto Ferrari Centro de Qualidade, Pesquisa & Desenvolvimento Volume comercializado ETSP de frutas, hortaliças,

Leia mais

Curso Formação de Auditores COMERCIALIZAÇÃO DA GOIABA DE MESA MERCADO INTERNO. Campinas, 10 de Novembro de 2011

Curso Formação de Auditores COMERCIALIZAÇÃO DA GOIABA DE MESA MERCADO INTERNO. Campinas, 10 de Novembro de 2011 Curso Formação de Auditores COMERCIALIZAÇÃO DA GOIABA DE MESA MERCADO INTERNO Campinas, 10 de Novembro de 2011 Helio Satoshi Watanabe Engenheiro Agrônomo CEAGESP - A CEAGESP- Não compre e não vende nada

Leia mais

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG COMPRA DE HORTIFRUTICOLAS PARA A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ESPECIFICAÇÃO DO EDITAL CEASA MG CEAGESP ABACAXI PÉROLA OU HAWAÍ: De Primeira; Graudo. Classificação: Grupo I (Polpa Amarela), Subgrupo: Colorido (Até

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais

Janelas de mercado e novas cultivares de Morangueiro

Janelas de mercado e novas cultivares de Morangueiro CURSO EM TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E MERCADO DE MORANGO 2º ETAPA Janelas de mercado e novas cultivares de Morangueiro 1. 1 Um pouco de história Contemporanea 1994- e antes Dover Fl Campinas

Leia mais

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manuseio Mínimo Apoio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CEAGESP - CENTRO DE QUALIDADE EM

Leia mais

Classificação de Frutas e Hortaliças: Solução técnica para um problema comercial

Classificação de Frutas e Hortaliças: Solução técnica para um problema comercial Universidade Federal do Pampa Engenharia de Alimentos Tecnologia de Frutas e Hortaliças Classificação de Frutas e Hortaliças: Solução técnica para um problema comercial Por que a classificação de frutas

Leia mais

O Entreposto Terminal da CEAGESP e as embalagens

O Entreposto Terminal da CEAGESP e as embalagens O Entreposto Terminal da CEAGESP e as embalagens A Corrente da Produção ao Consumo Insumos Tecnologia Produção Transporte Atacado Consumo Varejo Serviço de Alimentação O negócio de frutas e hortaliças

Leia mais

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Centro de Qualidade em Horticultura CEAGESP Construção e adoção de ferramentas

Leia mais

ANEXO II TABELA DE REFERÊNCIA DE PREÇOS

ANEXO II TABELA DE REFERÊNCIA DE PREÇOS Item: 368043 - ALFACE COM FOLHAS BRILHANTES, MACIAS E SEM ÁREAS ESCURAS, FRESCAS, COM COLORAÇÃO E APARÊNCIA E QUALIDADE, LIVRE DE RESÍDUOS DE FERTILIZANTES. 21 FEIRA DE DOMINGO 2,50 3.025,00 22 FEIRA DE

Leia mais

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CIRCULAR TÉCNICA CEAGESP - CQH Nº 14 - JUNHO 2006 EU SEI PRODUZIR SÓ NÃO SEI COMERCIALIZAR!

Leia mais

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Comercialização de Uvas X Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia 161 Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida 1 Da mesma forma que botanicamente,

Leia mais

Produção Integrada de Caju - PI-Caju. Caderno de Pós Colheita

Produção Integrada de Caju - PI-Caju. Caderno de Pós Colheita Produção Integrada de Caju - PI-Caju Caderno de Pós Colheita Caderno de Pós Colheita Produção Integrada de Caju PI-Caju Identificação:... Nome do Produtor/Empresa:... Endereço:... Município:... Estado:...

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica ANEXO I Especificação Técnica UNIDADES ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABACAXI: Fruto colhido maduro, o que é indicado quando a malha do fruto estiver aberta; o padrão desejado são frutos com peso acima de 1,8 (um

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Realização da Visita: Recepção da fruta Conservação

Leia mais

A SAÚDE DO SEU PÊSSEGO NO MERCADO

A SAÚDE DO SEU PÊSSEGO NO MERCADO A SAÚDE DO SEU PÊSSEGO NO MERCADO A produção de pêssego no Brasil aumenta a cada ano. Se compararmos a produção brasileira de 2.000 com a de 1.993, observaremos um aumento de 45%. O período de safra é

Leia mais

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A produção de frutas e hortaliças para exportação obedece procedimentos estabelecidos pelos diferentes sistemas de certificação determinados pelo comprador,

Leia mais

CUIDADOS NA COLHEITA E PÓS- COLHEITA DE LARANJAS E TANGERINAS

CUIDADOS NA COLHEITA E PÓS- COLHEITA DE LARANJAS E TANGERINAS CUIDADOS NA COLHEITA E PÓS- COLHEITA DE LARANJAS E TANGERINAS CITROS DE MESA: da produção à comercialização 12 de julho de 2013 Roberto Yoshiharu FukugauB OBJETIVO DA COLHEITA E PÓS- COLHEITA MANTER AS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ 1. Objetivo: este regulamento tem por objetivo definir as características de identidade e qualidade da maçã. 2. Conceitos: para efeito deste

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

Programa de Rotulagem da CEAGESP

Programa de Rotulagem da CEAGESP Programa de Rotulagem da CEAGESP O RÓTULO É A IDENTIDADE DO ALIMENTO O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da lei que

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

Rastreabilidadee Alimento Seguro. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP

Rastreabilidadee Alimento Seguro. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Rastreabilidadee Alimento Seguro Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Algumas constatações O cumprimento das exigências legais édever de cada cidadão. Ninguém

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CONSERVAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS PELO CONTROLE DE UMIDADE VANTAGENS ECONÔMICAS: Menor

Leia mais

RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM

RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM O RÓTULO É A IDENTIDADE DO ALIMENTO O rótulo iden fica o produto, a sua quan dade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas

Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas Subgerência de Alimentos Martha Virgínia Gewehr Machado Maria Cristina Junqueira de Castro

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

O CAMINHO DO SABOR CIRCULAR TÉCNICA CEAGESP - CQH Nº

O CAMINHO DO SABOR CIRCULAR TÉCNICA CEAGESP - CQH Nº O CAMINHO DO SABOR CIRCULAR TÉCNICA CEAGESP - CQH Nº 16 - Novembro 2006 O CAMINHO DO SABOR Antigamente as pessoas moravam na roça ou tinham grandes quintais onde se encontravam árvores frutíferas e hortas

Leia mais

PROCEDÊNCIA E PERDAS PÓS-COLHEITA DE PRODUTOS HORTIFRUTÍCOLAS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES-MT

PROCEDÊNCIA E PERDAS PÓS-COLHEITA DE PRODUTOS HORTIFRUTÍCOLAS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES-MT PROCEDÊNCIA E PERDAS PÓS-COLHEITA DE PRODUTOS HORTIFRUTÍCOLAS COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES-MT Philipe dos Santos 1 (EALI/UNEMAT) ph_sinop@hotmail.com Elayne Vicente Siqueira 2 (EALI/UNEMAT)

Leia mais

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico José Antonio Alberto da Silva Pesquisador Científico APTA-Colina Coordenador da PIC no Estado de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 03/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 101312/2014-81 VIGÊNCIA: 01/04/2015 a 31/03/2016 A.L.M. CORTEZ - HORTIFRUTIGRANJEIROS - ME CNPJ: 08.453.366/0001-28 ITEM ESPECIFICAÇÃO QUANT.

Leia mais

FRUTAS E HORTALIÇAS FONTE DE PRAZER E SAÚDE

FRUTAS E HORTALIÇAS FONTE DE PRAZER E SAÚDE FRUTAS E HORTALIÇAS FONTE DE PRAZER E SAÚDE O que são frutas e hortaliças? Consumimos diferentes partes da planta. Chamamos de fruta a maioria dos frutos maduros e de sabor doce, e de hortaliça as diferentes

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

ANEXO MODELO DE PROPOSTA COMERCIALCOM VALORES

ANEXO MODELO DE PROPOSTA COMERCIALCOM VALORES ANEXO MODELO DE PROPOSTA COMERCIALCOM VALORES Itens Unid. QTD. Especificação detalhada dos Gêneros Alimentícios VALOR VALOR UNIT TOTAL ABACATE: Procedente de planta sadia, destinado ao consumo 4,18 6.311,80

Leia mais

ANEXO I GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA RELAÇÃO DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E SUAS ESPECIFICAÇÕES. GÊNERO ALIMENTÍCIO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/SARC Nº 001, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA/SARC Nº 001, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA/SARC Nº 001, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o inciso

Leia mais

Programa de Rotulagem

Programa de Rotulagem Programa de Rotulagem O rótulo é a identidade do alimento O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da lei que deve ser cumprida

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ 1. OBJETIVO: este regulamento tem por objetivo definir as características de identidade e qualidade da maçã. 2. CONCEITOS: para efeito deste regulamento,

Leia mais

Programa de rotulagem. O programa como um expositor de irregularidades

Programa de rotulagem. O programa como um expositor de irregularidades Programa de rotulagem O programa como um expositor de irregularidades RÓTULOS O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da

Leia mais

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS 1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS Organização de Produtores para produção e comercialização de laranjas in natura. MAURÍLIO SOARES GOMES - Engenheiro Agrônomo JOSÉ ROBERTO GOLFETE - Técnico

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE MORANGOS NO BRASIL. Luis Eduardo Corrêa Antunes 1, Carlos Reisser Junior 1

CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE MORANGOS NO BRASIL. Luis Eduardo Corrêa Antunes 1, Carlos Reisser Junior 1 CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE MORANGOS NO BRASIL Luis Eduardo Corrêa Antunes 1, Carlos Reisser Junior 1 Pesquisador. Embrapa - Centro de Pesquisa Agropecuário de Clima Temperado, Caixa Postal 403, CEP

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 9 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan orivaldo@tropsabor.com.br Produção de bananas no Brasil (toneladas) 4500000 4000000 Tendência 3500000 3000000 2500000 2000000 1500000 2011 2010 2009

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO PRODUTOS ORGÂNICOS

MANUAL ORIENTATIVO PRODUTOS ORGÂNICOS MANUAL ORIENTATIVO PRODUTOS ORGÂNICOS SUMÁRIO: Introdução... 01 Considerações... 02 Lista de produtos... 07 Ficha técnica dos produtos... 08 INTRODUÇÃO Definição Produtos Orgânicos: São produtos gerados

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Rastreabilidade e Segurança Alimentar. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP

Rastreabilidade e Segurança Alimentar. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Rastreabilidade e Segurança Alimentar Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Algumas constatações O cumprimento das exigências legais é dever de cada cidadão.

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

Inpeção da uva no armazenamento em SP

Inpeção da uva no armazenamento em SP Inpeção da uva no armazenamento em SP Data da Inspeção: 10/09/2013 Carreta: OGJ-7641-GO-0712 Liberação: MI-LAB-0715/13 Termógrafo Classificação da Uva RED GLOBE (Vermelha com semente) CLASSE DIÂMETRO (mm)

Leia mais

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Salvador, 07 de agosto de 2014 COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Diretoria de Vigilância á Saúde Vigilância Sanitária SPEIS COMIDA DE RUA: linhas de ação Ambulantes;

Leia mais

No Brasil, as frutas e

No Brasil, as frutas e FRUTAS E HORTALIÇAS: FONTE DE PRAZER E SAÚDE No Brasil, as frutas e hortaliças frescas são produzidas, em diferentes épocas do ano, por milhares de pequenos produtores, distribuídos por todo o país. A

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 10 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

Desperdício de Alimentos no Brasil um desafio político e social a ser vencido

Desperdício de Alimentos no Brasil um desafio político e social a ser vencido Desperdício de Alimentos no Brasil um desafio político e social a ser vencido ¹Antonio Gomes Soares A diminuição da disponibilidade de alimentos é um problema que se agrava com a expansão da população

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE FRUTAS E HORTALIÇAS. Ao contrário dos produtos de origem animal, como o leite ou a carne,

CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE FRUTAS E HORTALIÇAS. Ao contrário dos produtos de origem animal, como o leite ou a carne, CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE FRUTAS E HORTALIÇAS Ao contrário dos produtos de origem animal, como o leite ou a carne, frutas e hortaliças continuam vivas após a colheita, mantendo ativos todos seus processos

Leia mais

O vinho mais apreciado do Brasil faz jus a uma roupa nova!

O vinho mais apreciado do Brasil faz jus a uma roupa nova! NOVA GARRAFA NOVO RÓTULO A QUALIDADE QUE VOCÊ JÁ CONHECE O vinho mais apreciado do Brasil faz jus a uma roupa nova! A LINHA DE VinhoS de Mesa MioranZa ACABA DE GANHAR UMA NOVA EMBALAGEM. MODERNA E ELEGANTE,

Leia mais

NA CENTRAL DE EM- BALAGEM

NA CENTRAL DE EM- BALAGEM 96 9 MANEJO Frutas do Brasil, 39 DA FRUTA NA CENTRAL DE EM- BALAGEM César Luis Girardi Leonardo Raseira Maia César Valmor Rombaldi INTRODUÇÃO A maçã é um produto perecível, e, por isso, requer tecnologia

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PONTO DE COLHEITA EM ABOBRINHAS SANDY EDER JÚLIO DE JESUS 1 ; ALINE PRUDENTE MARQUES 2 ; POLIANA GASPAR TOSATO 2 RESUMO Um dos fatores que contribui para a extensão da vida útil dos produtos hortícolas

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Boas Práticas no setor de perecíveis: Hortifruti, Frios, Laticínios e Carnes.

Boas Práticas no setor de perecíveis: Hortifruti, Frios, Laticínios e Carnes. Boas Práticas no setor de perecíveis: Hortifruti, Frios, Laticínios e Carnes. Instrutor: Jones dos Reis Andrade, Administrador de Empresas. Tópicos Compras Transporte Recebimento Conferência Armazenagem

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

BIOLÓGICA CONTAMINAÇÃO. O risco invisível na era do Alimento Seguro CAPA. Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon

BIOLÓGICA CONTAMINAÇÃO. O risco invisível na era do Alimento Seguro CAPA. Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon CONTAMINAÇÃO BIOLÓGICA O risco invisível na era do Alimento Seguro Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon O consumidor, ao olhar aquela fruta linda no supermercado, não nota os perigos escondidos nela.

Leia mais

PERDAS INFLUENCIADAS PELO TRANSPORTE E MANUSEIO INADEQUADO DE FRUTAS 1

PERDAS INFLUENCIADAS PELO TRANSPORTE E MANUSEIO INADEQUADO DE FRUTAS 1 PERDAS INFLUENCIADAS PELO TRANSPORTE E MANUSEIO INADEQUADO DE FRUTAS 1 MICHELIM, Valquiria de Oliveira 2 ; HARTMANN, Ivana 3 ; NÖRNBERG, Marcele Leal 4 ; ZAGO, Pâmella Cassol 5 ; BENEDETTI, Franceliane

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS CENCI, S. A. ; GOMES, Carlos Alexandre Oliveira ; ALVARENGA, André Luis Bonnet ; JUINIOR, Murillo Freire. Boas Práticas de Processamento Mínimo de Vegetais

Leia mais

A COMERCIALIAÇÃO DO MARACUJÁ AMARELO NA CEASA DE RIBEIRÃO PRETO S.P.

A COMERCIALIAÇÃO DO MARACUJÁ AMARELO NA CEASA DE RIBEIRÃO PRETO S.P. A COMERCIALIAÇÃO DO MARACUJÁ AMARELO NA CEASA DE RIBEIRÃO PRETO S.P. GISELLE SMOCING ROSA(CPF: 218131888-31) MARIA INEZ ESPAGNOLI GERALDO MARTINS (CPF: 748443508-20) FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015 Prefeitura Municipal de Salvador- PMS Secretaria Municipal de Saúde- SMS Diretoria de Vigilância á Saúde- DVIS Subcoordenação de Vigilância Sanitária- VISA Setor de Produtos e Serviços de Interesse á Saúde-

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. AVALIAÇÃO DO EFEITO DOS EQUIPAMENTOS Agrocare DA AGROQUALITY NAS CÂMARAS FRIAS COM ATMOSFERA CONTROLADA NA QUALIDADE DE MAÇÃS FUJI. Equipe técnica: Dra Rosa Maria Valdebenito Sanhueza, Pesquisadora Vanderlei

Leia mais

A Diversificação na Agricultura no Oeste

A Diversificação na Agricultura no Oeste www.campotec.pt A Diversificação na Agricultura no Oeste Jorge Soares, Administrador Caldas da Rainha ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES HORTO-FRUTICOLAS Localizada na zona Oeste, tem como objetivos: - Orientar

Leia mais

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins)

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) 1.1 Sobre o Projeto Contratante: ABPM- Associação Brasileira de Produtores de Maçãs Objetivo: Desenvolvimento de um projeto de Análise

Leia mais

CAPA. Por Larissa Gui Pagliuca, Lucas Conceição Araújo, Patrícia Geneseli e Tárik Cannan Thomé Tanus. Fevereiro de 2015 - HORTIFRUTI BRASIL - 9

CAPA. Por Larissa Gui Pagliuca, Lucas Conceição Araújo, Patrícia Geneseli e Tárik Cannan Thomé Tanus. Fevereiro de 2015 - HORTIFRUTI BRASIL - 9 Por Larissa Gui Pagliuca, Lucas Conceição Araújo, Patrícia Geneseli e Tárik Cannan Thomé Tanus CAPA Identificar o melhor momento para ofertar sua safra é um desafio até mesmo para produtores experientes

Leia mais

APROVEITAMENTO INTEGRAL

APROVEITAMENTO INTEGRAL APROVEITAMENTO INTEGRAL DOS ALIMENTOS Fabiana Peres Nutricionista CRN2 6095 Especialista em Nutrição Humana Atualmente no Brasil, ainda existe grande desperdício de alimentos. Por isso, incentivar o aproveitamento

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENTREGA DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (MERCADOS) 2º SEMESTRE/2015 PRODUTOS PERECÍVEIS

CRONOGRAMA DE ENTREGA DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (MERCADOS) 2º SEMESTRE/2015 PRODUTOS PERECÍVEIS CRONOGRAMA DE ENTREGA DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR (MERCADOS) 2º SEMESTRE/2015 PRODUTOS PERECÍVEIS PRODUTO: ABACAXI (IN NATURA) FRUTA FRESCA, SEM BATIDAS E MACHUCADOS, GRAU MÉDIO DE AMADURECIMENTO (UNIDADE)

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Segurança Alimentar em cabo Verde Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Praia, 7,8,9 e 10 de Novembro de 2011 Segurança Alimentar em Cabo Verde 2 Mercado dos Géneros alimentícios

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA Antônio Carlos de Araújo Lúcia Maria Ramos Silva Ahmad Saeed Khan RESUMO: Estudou-se o comportamento do consumidor de iogurte

Leia mais

Produzir com Qualidade, Necessidade para Sobreviver. Implicações técnicas, etapas para as certificações PIM e EurepGap

Produzir com Qualidade, Necessidade para Sobreviver. Implicações técnicas, etapas para as certificações PIM e EurepGap Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina Gerência Regional de Caçador Estação

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR 78029 FRUTAS 49203 FRUTAS ABACATE; 1ª QUALIDADE; MADURO E ENTRE MADURO; TAMANHO E COLORACAO: UNIFORMES; TIPO: FRUTO SELECIONADO; ESTADO DA POLPA: FIRME E INTACTA; SEM DANOS FISICOS E ORIUNDOS DO MANUSEIO

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha Isolantes de Índice Instruções Gerais EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) 5 8 Luvas Isolantes de Borracha 10 Mangas Isolantes de Borracha 12 EPC s (Equipamentos de Proteção Coletiva) 14 Manta Isolante

Leia mais

Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite. UNOPAR Ituiutaba MG

Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite. UNOPAR Ituiutaba MG Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite UNOPAR Ituiutaba MG RESOLUÇÃO CONAMA 334 / 2003 Art. 2º Para efeito desta Resolução serão adotadas as seguintes definições: POSTO: unidade que se destina ao recebimento,

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso.

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ. Caderno de informações gerais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ. Caderno de informações gerais PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ Caderno de informações gerais Propriedade Nome do Proprietário: Nome da Propriedade: Cidade: Telefone: ( ) Organização PIC a que pertence: Número de registro na PIC: Ano Agrícola:

Leia mais

Morango orgânico: opção sustentável para produtores, consumidores e meio ambiente 1

Morango orgânico: opção sustentável para produtores, consumidores e meio ambiente 1 Morango orgânico: opção sustentável para produtores, consumidores e meio ambiente 1 Por Moacir Roberto Darolt A produção de morangos no Brasil concentra-se nas regiões sul e sudeste, sendo os maiores produtores

Leia mais

1 4 Suco de Frutas [Alimentos e medicamentos]

1 4 Suco de Frutas [Alimentos e medicamentos] 1 4 Suco de Frutas [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria 100% suco de frutas. Não indica, entretanto, se há a presença ou não de açúcar e outros adoçantes. Números de HS Commodity 2009.11-110,

Leia mais