ASSUNTO: Mercado Monetário Interbancário (MMI) ÍNDICE CAPÍTULO IV. PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSUNTO: Mercado Monetário Interbancário (MMI) ÍNDICE CAPÍTULO IV. PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES"

Transcrição

1 ASSUNTO: Mercado Monetário Interbancário (MMI) ÍNDICE CAPÍTULO I. DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES CAPÍTULO III. OPERAÇÕES DE PERMUTA DE LIQUIDEZ CAPÍTULO IV. PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES CAPÍTULO V. DISPOSIÇÕES FINAIS ANEXO A: AUTORIZAÇÃO PARA OPERADORES DO MERCADO MONETÁRIO ANEXO B: FAC-SIMILE DA ASSINATURA DE QUEM PODE SUBSCREVER OS DOCUMENTOS COMPROVATIVOS DAS OPERAÇÕES NEGOCIADAS NO MERCADO MONETÁRIO.

2 Assunto: Mercado Monetário Interbancário M Cabe ao Banco de Cabo Verde, como orientador e controlador da política monetária, regular o funcionamento do mercado monetário, por forma a reduzir os efeitos das assimetrias na distribuição da liquidez do sistema bancário. O Banco de Cabo Verde, no uso da competência que lhe é atribuída pelo nº2 do artigo 21º da Lei Orgânica, determina o seguinte: CAPITULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS I.1. O Mercado Monetário Interbancário (M. M. I.) é um segmento particular do mercado monetário do Escudo que constitui um mercado regulamentado, no qual as instituições autorizadas permutam fundos representados por saldos das suas contas de depósito à ordem no Banco de Cabo Verde visando equilibrar os excedentes e necessidades de moeda primária entre as instituições monetárias. CAPITULO II - INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES II.1. Podem participar no M.M.I. as instituições que, para o efeito, forem autorizadas pelo Banco de Cabo Verde. II.1.1. A participação de qualquer instituição no M.M.I. é limitada à realização de operações dos mercados interbancários em que a instituição estiver autorizada a operar. II.2. A autorização para utilizar o M.M.I. e intervir nos diversos segmentos do mercado que por essa via se realize deverá ser solicitada ao Departamento de Emissão e Mercados - Banco de Cabo Verde, Cx. Postal n.º 101, Praia.

3 II.3. As entidades aderentes ao M.M.I. deverão informar o Banco de Cabo Verde do nome, do apelido e do cargo da pessoa ou pessoas autorizadas a comunicar a realização de operações no mercado, por carta cujo modelo consta do anexo A. III.3.1. As entidades aderentes promoverão a actualização das autorizações por meio de carta do mesmo modelo. II.4. As instituições aderentes deverão informar o Banco de Cabo Verde, por carta cujo modelo consta do Anexo B, do nome e do cargo das pessoas autorizadas a assinar os documentos de confirmação das operações, enviando um fac-simile de cada assinatura e informação das condições em que as mesmas deverão ser utilizadas (isolada ou conjuntamente). II.4.1. As entidades aderentes promoverão a actualização destas autorizações por meio de carta do mesmo modelo. II.5. As entidades aderentes terão de respeitar as normas relativas aos mercados em que participem, bem como as normas operativas estabelecidas quanto ao funcionamento do M.M.I.. II.5.1. Poderão ser excluídas do acesso a todos ou parte dos serviços prestados pelo M.M.I. as entidades que, por incumprimento das presentes instruções ou por outra negligência, ocasionarem erro no funcionamento do M.M.I. ou colocarem em perigo a sua segurança. CAPITULO III - OPERAÇÕES DE PERMUTA DE LIQUIDEZ III.1. No M.M.I., as instituições financeiras previamente autorizadas pelo Banco de Cabo Verde, podem ceder, sob confiança, fundos detidos na sua conta de depósito à ordem no Banco de Cabo Verde a outras instituições autorizadas a participar no mercado. III.2. as instituições negociarão as operações, observando o seguinte:

4 a) os montantes das operações serão expressos em milhares de escudos, não podendo o valor de cada operação ser inferior a 1,0 Milhões de Escudos. b) as operações serão realizadas a prazo certo, o qual não poderá exceder um ano. c) as taxas de juro serão expressas até à centésima de ponto percentual. d) as operações contratadas serão realizadas pelo montante negociado. CAPITULO IV - PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES IV.1. As operações serão comunicadas ao Banco de Cabo Verde imediatamente após terem sido negociadas, por ambas as partes contratantes, através do envio de fax para o número , do Departamento de Emissão e Mercado. IV.2. Podem ser comunicadas, ao Banco de Cabo Verde, operações do mercado monetário a qualquer prazo até um ano, declarado em dias, com data-valor: a) do próprio dia; b) do dia útil imediatamente seguinte; c) do segundo dia útil seguinte. IV.3. Quando, no encerramento do mercado, se verifique a existência de operações que não podem ser fechadas por falta de comunicação de uma das partes ou por divergências entre os elementos transmitidos, serão contactadas as instituições registadas como intervenientes com vista à regularização da situação.

5 IV.4. O Banco de Cabo Verde divulgará, diariamente, com referência ao movimento do dia anterior, às instituições participantes, informação relativa aos montantes e às taxas de juro mínima, máxima e média das operações contratadas, de acordo com a datavalor das operações e para os diversos prazos, podendo estes serem agrupados em classes estatísticas representativas do mercado. CAPITULO V - DISPOSIÇÕES FINAIS V.1. A qualquer instituição autorizada a participar no MMI o Banco de Cabo Verde poderá suspender a realização das operações previstas na presente instrução. V.2. O Banco de Cabo Verde através do Departamento de Emissão e Mercados prestará os esclarecimentos que se revelam necessários. V.3. A presente instrução entra em vigor em 01/10/2003 e substitui a instrução nº 091, de 21/07/1999.

6 ANEXO A Departamento de Emissão e Mercados BANCO DE CABO VERDE CAIXA POSTAL Nº 101 PRAIA ASSUNTO: Autorização para Operadores do Mercado Monetário De acordo com o ponto II.3 das INSTRUÇÔES do Banco de Cabo Verde relativas ao Mercado Monetário Interbancário, solicitamos que tomem boa nota de que estão autorizados por esta instituição a comunicar ao Banco de Cabo Verde operações em todos os mercados a que tenhamos acesso, as seguintes pessoas: NOME CARGO APELIDO cessando como operadores para este efeito, as seguintes:

7 ANEXO B Departamento de Emissão e Mercados BANCO DE CABO VERDE CAIXA POSTAL Nº101 PRAIA ASSUNTO: Fac-Simile da assinatura de quem pode subscrever os documentos comprovativos das operações negociadas no Mercado Monetário. De acordo com o ponto II.4 das INSTRUÇÕES do Banco de Cabo Verde relativas ao Mercado Monetário Interbancário, solicitamos que tomem boa nota das assinaturas das pessoas autorizadas por esta instituição a subscrever os documentos comprovativos das operações negociadas: NOME CARGO ASSINATURA Esta instituição obriga-se pelas assinaturas de pessoa (s), cessando para este efeito as seguintes assinaturas:

Mercado de Operações de Intervenção (MOI)

Mercado de Operações de Intervenção (MOI) Mercado de Operações de Intervenção (MOI) CAPÍTULO I. DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES CAPÍTULO III. OPERAÇÕES DE MERCADO ABERTO III.1. MODALIDADES DE EXECUÇÃO DAS OPERAÇÕES III.1.1.

Leia mais

Instrução n. o 10/2015 BO n. o 7 15-07-2015

Instrução n. o 10/2015 BO n. o 7 15-07-2015 Instrução n. o 10/2015 BO n. o 7 15-07-2015 Temas Mercados Mercados Monetários Índice Texto da Instrução Anexo I Reporte de informação estática Anexo II Comunicação de operações de política monetária (em

Leia mais

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ANÁLISE INSTITUCIONAL DO MERCADO DE TÍTULOS 1 ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS 2 ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU CEE

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 09/2003 De 11 de Julho. ASSUNTO: TÍTULOS DA DÍVIDA PÚBLICA DIRECTA Obrigações do Tesouro e Bilhetes do Tesouro

INSTRUTIVO N.º 09/2003 De 11 de Julho. ASSUNTO: TÍTULOS DA DÍVIDA PÚBLICA DIRECTA Obrigações do Tesouro e Bilhetes do Tesouro INSTRUTIVO N.º 09/2003 De 11 de Julho ASSUNTO: TÍTULOS DA DÍVIDA PÚBLICA DIRECTA Obrigações do Tesouro e Bilhetes do Tesouro Os Decretos n.º 51/03 e n.º 52/03, ambos de 8 de Julho, que criam os títulos

Leia mais

Condições e formulários de aceitação DEGIRO

Condições e formulários de aceitação DEGIRO Condições e formulários de aceitação DEGIRO 1/25 Endereço para onde pode enviar este formulário: Pode enviar este formulário devidamente preenchido por e-mail para: clientes@degiro.pt 2/25 Condições para

Leia mais

Mercados Financeiros. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Definição e Classificação. Ricardo Diz

Mercados Financeiros. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Definição e Classificação. Ricardo Diz Mercados Financeiros Definição e Classificação Ricardo Diz i ve seen, learnt and done things i can t forget Conteúdo Mercado Financeiro Classificação do Mercado Financeiro 2 Mercado Financeiro O Mercado

Leia mais

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Finanfarma, S.A.,

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2011 de 18 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 07/2011 de 18 de Agosto INSTRUTIVO N.º 07/2011 de 18 de Agosto ASSUNTO: MERCADO MONETÁRIO INTERBANCÁRIO OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA Havendo necessidade de criar condições para a adequada e completa comunicação de informação

Leia mais

Instrução DGT nº. 2/2013 EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO

Instrução DGT nº. 2/2013 EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO Instrução DGT nº. 2/2013 EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO Ao abrigo do número 1, do artigo 11º, do Decreto-Lei nº 60/2009 de 14 de Dezembro, que estabelece o regime Jurídico das Obrigações do Tesouro (OT),

Leia mais

Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho

Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho www.pwc.pt/inforfisco Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho Índice DESPACHO NORMATIVO N.º 18-A/2010, DE 1 DE JULHO... 3 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

INSTRUTIVO Nº. 08/98

INSTRUTIVO Nº. 08/98 INSTRUTIVO Nº. 08/98 ASSUNTO: Central de Riscos de Crédito Com base no disposto no artigo 29., item 4, da Lei 5/91, de 20 de Abril, que dá competência ao Banco Nacional de Angola para criar um serviço

Leia mais

FICHA DE ABERTURA DE CLIENTE EMPRESA

FICHA DE ABERTURA DE CLIENTE EMPRESA FICHA DE ABERTURA DE CLIENTE EMPRESA AGÊNCIA Nº DE CLIENTE/CONTA DENOMINAÇÃO SOCIAL CONDIÇÕES DE MOVIMENTAÇÃO Individual: Solidária: Conjunta: Mista: ENTIDADE TIPO DOC IDENTIFICAÇÃO Nº DOC IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

MAXI RENDA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

MAXI RENDA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DE COTAS DO MAXI RENDA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII MAXI RENDA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA OFERTA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA T4F ENTRETENIMENTO S.A.

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA T4F ENTRETENIMENTO S.A. DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA T4F ENTRETENIMENTO S.A. MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA OFERTA DE VAREJO Performance do Período ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

I. ENVIO DE INFORMAÇÃO. 3. No preenchimento dos registos dos ficheiros de transmissão devem ser adoptadas as seguintes regras gerais:

I. ENVIO DE INFORMAÇÃO. 3. No preenchimento dos registos dos ficheiros de transmissão devem ser adoptadas as seguintes regras gerais: Anexo à Instrução nº 43/97 I. ENVIO DE INFORMAÇÃO 1. As especificações referidas neste capítulo deverão ser utilizadas no reporte de toda a informação, à excepção da apresentada no quadro T02 e da relativa

Leia mais

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado 2013 2013 Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado de Títulos do Tesouro, nomeadamente, as características

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO Decorrente do Dec.-Lei 316/97, de 19 de Novembro. CAPÍTULO I Das restrições ao uso de cheque Artigo 1. Rescisão da convenção de cheque

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março

AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março Considerando a necessidade de se regulamentarem as "câmaras de compensação" e os "subsistemas de compensação e liquidação" do- Sistema de Pagamentos de Angola (SPA) visando

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

BOLETIM OFICIAL. Normas e Informações 4 2014. 15 abril 2014 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP

BOLETIM OFICIAL. Normas e Informações 4 2014. 15 abril 2014 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL Normas e Informações 4 2014 15 abril 2014 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL Normas e Informações 4 2014 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 2.º 1150-012 Lisboa

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de mercadorias INSTRUTIVO N.08/99 de 21 de Maio Com vista a estabelecer os procedimentos operacionais decorrentes das operações de mercadorias, em conformidade com o

Leia mais

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da GE Consumer Finance,

Leia mais

5. Moeda e Política Monetária

5. Moeda e Política Monetária 5. Moeda e Política Monetária 5.1. Introdução 5.3. Procura de Moeda 5.4. Equilíbrio de curto Prazo no Mercado Monetário Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 9 Nota: A secção 5.2. é muito abreviada, porque

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PARA ACTUALIZAÇÃO DE SUB-CONTA LOYAL BANK

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PARA ACTUALIZAÇÃO DE SUB-CONTA LOYAL BANK FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PARA ACTUALIZAÇÃO DE SUB-CONTA LOYAL BANK Por favor, note que só serão processados os formulários de língua inglesa totalmente preenchidos e devidamente assinados, acompanhados

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA entre Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves e Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Vale do Dão e Alto Vouga, C.R.L. Cláusula 1ª (Intervenientes) Este Protocolo

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 IDENTIFICAÇÃO (Denominação Social) (Denominação Abreviada) Residente Sim Não ( da Sede) (Localidade) (Código Postal) (País) (1º Telefone Empresa) (2º Telefone Empresa)

Leia mais

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. (Companhia Aberta) C.N.P.J. n.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 AVISO AOS ACIONISTAS

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. (Companhia Aberta) C.N.P.J. n.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 AVISO AOS ACIONISTAS GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. (Companhia Aberta) C.N.P.J. n.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 AVISO AOS ACIONISTAS Nos termos da Instrução CVM nº 358/02, conforme alterada, a Gol Linhas

Leia mais

Serviço Carta-Cheque Fev.2014

Serviço Carta-Cheque Fev.2014 Fev.01 ÍNDICE 1 CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO COMO FUNCIONA? 5 A O Cheque B As Fases do Serviço OFERTA Millennium bcp 1 PRINCIPAIS VANTAGENS PARA A EMPRESA 17 5 19 NÍVEIS DE SERVIÇO 6 0 PROCESSO DE ADESÃO

Leia mais

Administrado por BOLETIM DE SUBSCRIÇÃO DE COTAS DA 2ª EMISSÃO

Administrado por BOLETIM DE SUBSCRIÇÃO DE COTAS DA 2ª EMISSÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO THE ONE Administrado por RIO BRAVO INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CNPJ n.º 72.600.026/0001-81 Avenida Chedid Jafet, n.º 222, bloco

Leia mais

a) A utilização da via informática para a troca da informação entre as instituições de crédito;

a) A utilização da via informática para a troca da informação entre as instituições de crédito; Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 26/96 ASSUNTO: Regulamento do Serviço de Compensação Com vista a proporcionar às instituições de crédito um serviço de compensação de valores dotado de maior

Leia mais

FATOR VERITA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

FATOR VERITA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII OFERTA PÚBLICA DE COTAS DE DISTRIBUIÇÃO DO FATOR VERITÁ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII FATOR VERITA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA PARA

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 1 ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO Regulamento n.º [ ] / 2014 Preâmbulo Inserido no contexto da reforma legislativa em curso no Direito dos valores mobiliários cabo-verdiano, o presente regulamento

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre 2015 I Regime Jurídico das Sociedades Financeiras de Crédito 2 II Legislação A. Direito

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA Emitente: Colep Portugal, S.A. Modalidade: Emissão de obrigações a taxa variável por oferta particular e direta. Moeda: Euro ( ). Montante

Leia mais

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa.

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. Dun-Trade As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. O que é o DUN-Trade? é um programa de partilha de informação, totalmente gratuito,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO 1 RESOLUÇÃO Nº 20 Documento normativo revogado pela Resolução 2735, de 28/06/2000. O BANCO CENTRAL DA REPÚBLICA DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 28.2.66,

Leia mais

PHC Factoring CS. A gestão dos contratos de Factoring

PHC Factoring CS. A gestão dos contratos de Factoring PHC Factoring CS A gestão dos contratos de Factoring A solução para a gestão integrada dos vários Contratos de Factoring, as respetivas cessões, adiantamentos, recibos e devoluções, bem como o controlo

Leia mais

REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU

REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU 24.9.2015 L 248/45 REGULAMENTO (UE) 2015/1599 DO BANCO CENTRAL EUROPEU que altera o Regulamento (UE) n. o de 10 de setembro de 2015 1333/2014 relativo às estatísticas de mercados monetários (BCE/2015/30)

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO)

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) A PAX CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, - doravante denominada simplesmente Corretora em atendimento ao disposto no art. 6º da Instrução

Leia mais

CONDIÇÕES DAS OBRIGAÇÕES

CONDIÇÕES DAS OBRIGAÇÕES CONDIÇÕES DAS OBRIGAÇÕES 15.1. Admissão à negociação e código ISIN A presente admissão à negociação na Euronext Lisbon diz respeito às Obrigações com o código ISIN PTJMRJOE0005 e destina-se a permitir

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ISII - Inquérito sobre Investimento Internacional Maio 2012 Lisboa, 2012 www.bportugal.pt ÍNDICE I Introdução 1 II Enquadramento legal 2 III Contatos 2 IV Página Inicial 3

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

FICHA DE ADESÃO EMPRESA

FICHA DE ADESÃO EMPRESA FICHA DE ADESÃO EMPRESA Nº CLIENTE/CONTA RELAÇÃO Nº CLIENTE/CONTA RELAÇÃO Nº CLIENTE/CONTA RELAÇÃO Nome/Denominação Social: DADOS DA EMPRESA * Morada da Empresa: Localidade: Caixa Postal: Nome do 1º Utilizador:

Leia mais

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior IESE A preencher pelos serviços Despacho DSSRES: Data: Índice n.º RD: Data: Selo de registo de entrada na DGES REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior Este formulário destina-se

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 8456-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 228 24 de Novembro de 2008 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 63-A/2008 de 24 de Novembro Estabelece medidas de reforço da solidez financeira das instituições de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990. Mensagem de veto Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de

Leia mais

PHC Factoring CS. A solução para a gestão dos contratos de Factoring, respectivas cessões, adiantamentos e recibos das entidades aderentes.

PHC Factoring CS. A solução para a gestão dos contratos de Factoring, respectivas cessões, adiantamentos e recibos das entidades aderentes. Este módulo permite aos aderentes fazer a gestão integrada dos vários Contratos de Factoring, nomeadamente das respectivas cessões, adiantamentos e recibos, bem como o controlo dos custos e comissões pelos

Leia mais

Instrução DGT nº.1/2013 EMISSÃO DE BILHETES DE TESOURO

Instrução DGT nº.1/2013 EMISSÃO DE BILHETES DE TESOURO Instrução DGT nº.1/2013 EMISSÃO DE BILHETES DE TESOURO Ao abrigo do número 1, do artigo 10º, do Decreto-Lei nº 59/2009 de 14 de Dezembro, que estabelece o regime Jurídico dos Bilhetes do Tesouro (BT),

Leia mais

Art. 2º A aquisição, de modo direto ou indireto, de ações de emissão da companhia, para permanência em tesouraria ou cancelamento, é vedada quando:

Art. 2º A aquisição, de modo direto ou indireto, de ações de emissão da companhia, para permanência em tesouraria ou cancelamento, é vedada quando: TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 10, DE 14 DE FEVEREIRO DE 1980, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 268, DE 13 DE NOVEMBRO DE 1997 E Nº 390, DE 8 DE JULHO DE 2003. Dispõe sobre a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002.

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Leia mais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Excertos do Código Comercial Carta de Lei de 28 de junho de 1888 Livro Segundo Dos Contratos Especiais de Comércio TÍTULO I Disposições gerais Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Os

Leia mais

Parte F REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA

Parte F REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA Termos utilizados nos Regulamentos: Utilizador o Cliente que solicitou ou utiliza o Sistema de Gestão de Conta à

Leia mais

INSTRUTIVO N. 03/98 ARTIGO 1. Estão sujeitas ao regime de limites de crédito todas as Instituições Bancárias que operam no País. ARTIGO 2.

INSTRUTIVO N. 03/98 ARTIGO 1. Estão sujeitas ao regime de limites de crédito todas as Instituições Bancárias que operam no País. ARTIGO 2. INSTRUTIVO N. 03/98 ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA - Operações de Crédito/ Limites.Regulamento Considerando a necessidade de se definir a metodologia de controlo do crédito a conceder pelos bancos, por forma

Leia mais

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO VIP PORTUGAL-ESPANHA

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO VIP PORTUGAL-ESPANHA CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO VIP PORTUGAL-ESPANHA ENTRE REN - GASODUTOS, S.A., na qualidade de concessionária da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 4082 Diário da República, 1.ª série N.º 150 3 de agosto de 2012 2 Os serviços dependentes agrupados nas subalíneas ii) e iv) da alínea a) e nas subalíneas ii) e iii) da alínea b) do número anterior são

Leia mais

DIÁRIODAREPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA ßÍÍÛÓÞÔÛ ß ÒßÝ ÑÒßÔ ß»³¾» Ò ½ ±². Preço deste número - Kz: 220,00

DIÁRIODAREPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA ßÍÍÛÓÞÔÛ ß ÒßÝ ÑÒßÔ ß»³¾» Ò ½ ±². Preço deste número - Kz: 220,00 DIÁRIODAREPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA Preço deste número Kz: 220,00 relativa a anúncio e assinaturas do «Diário da República», deve ser dirigida à Imprensa Nacional E.P., em Luanda, Rua

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros Conselho de Ministros Book 1.indb 43 10-05-2010 11:52:06 Book 1.indb 44 10-05-2010 11:52:06 DECRETO N.º 25/98 DE 7 DE AGOSTO Conselho de Ministros Publicado na Iª Série do Diário da República n.º 34 de

Leia mais

Lei nº 5/98. CAPÍTULO I Restrições ao uso do cheque. ARTIGO 1 (Rescisão da convenção de cheque)

Lei nº 5/98. CAPÍTULO I Restrições ao uso do cheque. ARTIGO 1 (Rescisão da convenção de cheque) Lei nº 5/98 Tornando-se necessário promover o prestígio e a dignidade do cheque como meio de pagamento, por forma a que este título possa circular com desembaraço e com a desejável confiança, a Assembleia

Leia mais

PHC Factoring CS. A solução para a gestão dos contratos de Factoring, respectivas cessões, adiantamentos e recibos das entidades aderentes.

PHC Factoring CS. A solução para a gestão dos contratos de Factoring, respectivas cessões, adiantamentos e recibos das entidades aderentes. PHCFactoring CS DESCRITIVO Este módulo permite aos aderentes fazer a gestão integrada dos vários Contratos de Factoring, nomeadamente das respectivas cessões, adiantamentos e recibos, bem como o controlo

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Homepage. Utilize este espaço para incluir sugestões, justificações referentes à sua resposta ou outras observações que julgue convenientes.

Homepage. Utilize este espaço para incluir sugestões, justificações referentes à sua resposta ou outras observações que julgue convenientes. INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10198 VÁLIDO ATÉ 2015/12/31 ICI - INQUÉRITO QUALITATIVO

Leia mais

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO Rede Ponto 24/ Electron SIMOrede BCI Private BCI Exclusivo DAKI Pronto a Usar Cartão SIMO BCI Cartões de Débito Particulares Agência/ OE Gestor Código da Agência Nº

Leia mais

PROPOSTA DE ADESÃO CARTÃO PRÉ-PAGO

PROPOSTA DE ADESÃO CARTÃO PRÉ-PAGO Particulares / Empresa PROPOSTA DE ADESÃO CARTÃO PRÉ-PAGO Agência Código da Agência N.º de Cliente/Conta Titular do Cartão Não Sim TITULAR DO CARTÃO - Particulares Nome do Titular Morada do Titular Estado

Leia mais

QUADRO M2 DISTRIBUIÇÃO DE ALGUMAS RESPONSABILIDADES POR PRAZOS

QUADRO M2 DISTRIBUIÇÃO DE ALGUMAS RESPONSABILIDADES POR PRAZOS Anexo à Instrução nº 2/96 ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS (Nome da Instituição) QUADRO M2 DISTRIBUIÇÃO DE ALGUMAS RESPONSABILIDADES POR PRAZOS SM (Responsável pela informação) 410 (Milhões de escudos)

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DA DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DAS COTAS DO GIF I - FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF: 08.872.941/0001-27

ANÚNCIO DE INÍCIO DA DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DAS COTAS DO GIF I - FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF: 08.872.941/0001-27 ANÚNCIO DE INÍCIO DA DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DAS COTAS DO GIF I - FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF: 08.872.941/0001-27 BEM DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. comunica o início

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Índice Texto do Aviso Texto do Aviso Assunto: Assunto Mod. 99999910/T 01/14 Com a publicação do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de junho, que transpôs para a ordem

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI Sistema de Apoio Financeiro à Agricultura Linha de Crédito ao Fundo de Maneio

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A UMUARAMA S/A C.T.V.M, denominada simplesmente Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto 1 - O presente regulamento

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

RELATÓRIO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR

RELATÓRIO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR RELATÓRIO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR IIIº Trimestre 2011 Banco de Cabo Verde Departamento de Supervisão e Estabilidade das Instituições Financeiras Área de Supervisão do Sector Segurador Avenida Amílcar

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários m Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 16º andar 04538-132 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 11) 2188-4000 Fax: (55 11) 2188-4074 Merrill Lynch S.A.

Leia mais

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Corretora, em atendimento ao disposto no art 6 da Instrução n 387, de 28 de abril de 2003, da Comissão de Valores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

PHC Factoring. A solução para a gestão dos contratos de Factoring, respectivas cessões, adiantamentos e recibos das entidades aderentes.

PHC Factoring. A solução para a gestão dos contratos de Factoring, respectivas cessões, adiantamentos e recibos das entidades aderentes. PHCFactoring DESCRITIVO Este módulo permite aos aderentes fazer a gestão integrada dos vários Contratos de Factoring, nomeadamente das respectivas cessões, adiantamentos e recibos, bem como o controlo

Leia mais

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

SP DOWNTOWN FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII

SP DOWNTOWN FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DA PRIMEIRA EMISSÃO DO SP DOWNTOWN FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII SP DOWNTOWN FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA OFERTA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA SECUNDÁRIA DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE AÇÕES (UNITS) ANHANGUERA EDUCACIONAL PARTICIPAÇÕES S.A. MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BM&FBOVESPA OFERTA VAREJO Performance do Período

Leia mais

AUTORIDADE MONETÁRIA E CAMBIAL DE MACAU. Aviso n.º 6/93-AMCM

AUTORIDADE MONETÁRIA E CAMBIAL DE MACAU. Aviso n.º 6/93-AMCM AUTORIDADE MONETÁRIA E CAMBIAL DE MACAU Aviso n.º 6/93-AMCM Em conformidade com o disposto na alínea a) do n.º3 do artigo 6.º do Regime Jurídico do Sistema Financeiro, aprovado pelo Decreto-Lei nº 32/M,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Data base da cotação para determinação do valor em reais na nota fiscal de exportação

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Data base da cotação para determinação do valor em reais na nota fiscal de exportação Data nota fiscal de exportação 25/04/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt

Leia mais