Caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel"

Transcrição

1 Caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel Mota, C. A. M. (1); Nascimento, A. S.(1); Silva, D. A. S.(1); Sodré, R. M. R. (1); Medeiros, F. P.(1); Gil, M. R. (1); Sábio, A. D. (2); Silva Filho, C. B. A (2) RESUMO As soldas dissimilares foram depositadas pelo processo MIG automatizado em juntas ½ V compostas de um aço F22 e um aço carbono ASTM 1020 utilizando arame eletrodo de uma super liga de níquel, Inconel 625 e proteção gasosa composta por 75%Ar+25%He. Um tratamento estatístico selecionou os parâmetros da primeira etapa de soldagem em passe isolado de simples deposição a serem aplicados no amanteigamento e no enchimento do chanfro. Os corpos de provas soldados foram submetidos às análises metalúrgicas básica e ao perfil de microdureza nas regiões de interesse da seção transversal. Os resultados indicaram variações não significativas na morfologia microestrutural da seção transversal e de microdureza e ausência de defeitos metalúrgicos. Palavras-chave: Dissimilares, Níquel, Inconel 625, Amanteigamento, MIG INTRODUÇÃO Em operações de instalação ou manutenção realizada na indústria petroquímica é comum a utilização de válvulas e conexões fabricadas em aço inoxidável soldadas em tubulações de aço carbono. Tal condição, conhecida como soldagem dissimilar, pode torna-se crítica, considerando que os efeitos do ciclo térmico do processo de soldagem associado à diferentes condições químicas físicas e metalúrgicas dos materiais envolvidos, podem resultar em estruturas metalúrgicas que favorecem o desenvolvimento de defeitos de soldagem tais como, as trincas de solidificação, trincas por hidrogênio difusível (Sindo Kou, 1987) ou ainda perda localizada de propriedades mecânicas. Neste contexto, é fundamental o desenvolvimento e avaliação de técnicas de soldagem que possibilitem melhor controle da macro e microestrutura resultante em soldagem realizadas nestas condições, sobretudo em regiões críticas, como as zona de ligação e zona termicamente afetada. Diversos trabalhos nesta linha tem sido publicados ((Aguiar, 2001), (Miranda, 2002) e (Oliveira, 2013)). 5502

2 O principal objetivo deste trabalho foi avaliar a eficácia da técnica conhecida como amanteigamento, a qual consiste em aplicar camada de solda intermediária entre os metais de base e posterior metal de solda, procurando-se suavizar as acentuadas diferenças químicas físicas e metalúrgicas entre estas regiões, além de verificar as condições nas quais a deposição multipasses tem potencial para promover refino de grãos. Em seguida, foram executadas as deposições em camadas de uma liga de níquel sob o aço ASTM A182 F22 de tal forma que essas camadas venham revenir a zona afetada pelo calor (ZAC) da camada anterior. Neste contexto, a deposição em camadas é uma técnica conhecida como amanteigamento. MATERIAIS E METODOS O desenvolvimento deste trabalho foi planejado em duas fases experimentais. Na primeira fase as soldagens foram realizadas em simples deposição sobre chapas de aço ASTM 1020 com dimensões de 120 mm x 12 mm x 80 mm. O objetivo desta fase foi obter os pacotes operacionais e as condições de soldagem adequadas para a realização da soldagem de amanteigamento. Os parâmetros avaliados foram os parâmetros geométricos e microestruturais do cordão de solda, conforme critérios dos métodos Higuchi e Higuchi modificado (HIGUCHI,1980). As soldagens executadas neste procedimento experimental foram executadas através do processo de soldagem MIG, utilizando proteção gasosa de argônio com 25% de hélio. Como metal de adição foi utilizada a liga de níquel Inconel 625. A manipulação da tocha foi realizada através de um sistema semiautomático. O Quadro 01 mostra a matriz operacional da primeira fase experimental com as 23 (vinte e três) condições de soldagem testadas. Quadro 01 Parâmetros de soldagem para simples deposição. Condição Vel. Soldagem Vel. Alimentação DBCP Tensão T T T T T T T T T T T

3 T T T T T T T T T T21* T22* T23* DBCP=Distância bico de contato peça. * Com tecimento triangular. As amostras dos corpos de prova soldados foram seccionadas transversais ao cordão de solda em A, B e C para análise geométrica e metalográfica na região da solda de cada um dos cordões, conforme a Figura 01. Figura 01 Passes em simples deposição sobre chapas de aço ASTM Em detalhes na Figura 02, pedem ser vistas as regiões analisadas da seção transversal dos passes isolados. LINHA DE FUSÃO Figura 02 Seção transversal de um passe em simples deposição sobre chapas de aço ASTM Com base nos critérios de Higuchi e Higuchi modificado e nos resultados das análises dos passes isolados, montou-se o diagrama de decisão (elaborados conforme (MIRANDA, 2009)) o qual possibilitou a escolha das melhores combinações entre as condições mostradas no Quadro 01, de tal forma que, 5504

4 garanta o efeito de revenimento de uma camada sobre a ZAC da primeira camada. As Equações que estabelecem os critérios de aceitação são: PZM2-PZD1>0 (A) R1+P1-PZD2>0 PZACGF2-PZACGG1>0 (B) (C) ZF1-PZACGG2>0 (D) Sendo, PZM Profundidade da zona mole da segunda camada; PZD Profundidade da zona dura de primeira camada; R Reforço; P Penetração; PZACGF2 - Profundidade da zona afetada pelo calor de grão finos da segunda camada; PZACGG1 - Profundidade de grãos grosseiros na zona afetada pelo calor da primeira camada; ZF Zona fundida da primeira camada; PZACGG2 - Profundidade da zona afetada pelo calor de grão grosseiros da segunda camada. A sobreposição de camadas é representada na Figura 03. Figura 03. Sobreposição de camada (Aguiar, 2001) Neste trabalho, foram elaborados 23 (vinte e três) diagramas de decisão, sendo escolhidas às condições T01 e T09 para a primeira camada do amanteigamento. Das quais estas obedecem aos critérios de aceitação 5505

5 estabelecidos pelas Eq. A-D dentro do diagrama de decisão, como mostrado no exemplo na Figura 04, ou seja, valores acima de zero. Figura 04- Diagrama de decisão Na segunda etapa, foi realizado o procedimento de amanteigamento com as mesmas condições utilizadas nos passes em simples deposição, porém, neste caso, utilizando como metal de base o aço ASTM A182 F22 de composição química mostrada no quadro 02 e dimensões conforme a Figura 05. Para uma comparação posterior com a junta soldada, as duas amostras, somente amanteigadas, foram usinadas e seccionadas em suas extremidades, conforme a Figura 05. Quadro 02. Composição química do aço ASTM A182 F22 C P Mn S Si Ni Cr Ti Mo V Al Nb 0,178 0,019 0,422 0,0079 0,30 0,15 2,21 0,01 1,01 0,01 0,03 0,01 Figura 05 Amanteigamento sobre chapas de aço ASTM A182 F22. Conforme mostra a Figura 06, A e B, respectivamente, para o amanteigamento foram empregadas às condições T01 para as três camadas 5506

6 (AT01/T01/T01) assim como, a condição T09 para a primeira camada combinada com a condição T01 nas duas últimas camadas (AT09/T01/T01) sobre a chapa de aço ASTM F22 (A-B) com sobreposição de 50% e temperatura máxima de 340 C, entre passes. Figura 06. Camadas de amanteigamento em (A) e (B) com duas combinações aprovados pelo diagrama de decisão. Na sequência, a Figura 07 apresenta a junta de topo disposta com um membro amanteigado e o outro membro de aço ASTM 1020 chanfrado a 45. A Figura 06 destaca, ainda, a sequência de passes na ordem. A deposição foi executada pelo processo MIG, na posição plana, sentido empurrando, velocidades de soldagem de 40 cm/min e alimentação de arame de 12 m/min. Camadas de amanteigamento Figura 07. Junta de topo soldada Ao final do processo, cada uma das extremidades das juntas com a combinação de condições (JT01/T01/T01 e JT09/T01/T01) soldadas foi cortada em aproximadamente 10 mm nas seções transversais como demonstra a Figura 08, para os ensaios de microdurezas e análise microestrutura, na região da ZAC do membro amanteigado, as amostras foram lixadas até 2000 mesh, polidas com alumina e atacadas com nital 2%. Os ensaios de microdureza foram realizados com 20 endentações, sendo as cinco primeiras espaçadas em 0,1mm e o restante com passo de 0,2mm. 5507

7 Figura 08 Vista superior da junta soldada. RESULTADOS E DISCUSSÕES Neste item apresentam-se os resultados referentes ao estudo da caracterização de soldas dissimilares depositadas pelo processo MIG com uma superliga de níquel com base na metodologia descrita. Influência do amanteigamento na zona afetada pelo calor Neste sentido, constatou-se que as camadas de amanteigamento tiveram efeito de revenimento nos grãos localizados na extensão da ZAC a qual apresentou uma média de microdureza semelhante ao do metal de base (200HV), conforme pode ser visto na Figura 09 A e Figura 09 B. ZAC Metal de solda ZAC 100X M et al de so ld 100X (A) ZAC próxima à linha de fusão do amanteigamento. Combinações AT01/T01/T01 (E) ZAC próxima à linha de fusão do amanteigamento. Combinações AT09/T01/T01 Figura 09 Microestrutura do amanteigamento Influência do enchimento na condição multipasses na zona afetada pelo calor Entretanto, ao comparar a microestrutura antes e depois de sofrer o procedimento da união das juntas JT01/T01/T01 e JT09/T01/T01, verificou-se que para ambos os amanteigamentos nas condições T01/T01/T01 e T09/T01/T01/ a morfologia dos grãos não sofreram significativas alterações, ou seja, a camada de 5508

8 amanteigamento funcionou como uma barreira térmica a região da ZAC, conforme as Figuras 09 A e Figura 09 B. Metal de solda ZAC 100X A) ZAC próxima a linha de fusão da junta soldada com a condição T01/T01/T01 ( Metal de solda B) ZAC próxima a linha de fusão da junta soldada com a Condição T09/T01/T01 Figura 10 Microestrutura da ZAC da junta soldada Os valores de microdureza entre o amanteigamento e da junta soldada tiveram uma variação máxima de 10%. Conforme mostram os Gráficos 02 e 03. ZAC 100X ( Gráfico 02 Comparativo entre os perfis de microdureza das ZACs do amanteigamento (AT01/T01/T01) e da junta (JT01/T01/T01). 5509

9 Gráfico 03 - Perfis de microdureza entre as ZACs do amanteigamento (AT09/T01/T01) e da junta (JT09/T01/T01). CONCLUSÕES Como já era esperado, o procedimento de amanteigamento em três camadas funcionou como mecanismo de refino de grãos na região da ZAC. Após o enchimento das juntas não houve mudanças significativas na morfologia dos grãos na região da ZAC. Houve uma variação máxima de cerca de 10% entre às microdureza da ZAC de antes e depois o procedimento do enchimento da junta. A pesar deste aumento, ainda sim estes valores ainda estão quase no mesmo patamar do metal de base diminuindo a probabilidade do aparecimento de tricas nessa região crítica. AGRADECIMENTOS Grupo de Estudos em Tecnologia de Soldagem (GETSOLDA) REFERENCIAS AGUIAR, W. M. Soldagem de aço ABNT 4140 sem tratamento térmico posterior f. (Mestrado). Engenharia Metalúrgica e de materiais, Universidade Federal do Ceará CE. Fortaleza, MIRANDA, H. C. Aplicação da dupla camada na soldagem de aços ASTM A516 Gr. 70. Universidade federal do Ceará. Fortaleza, 2009 p 128 p. OLIVEIRA, G. L. G. Soldagem dissimilar dos aços AISI 8630m e ASTM A182 F22 para aplicações subaquáticas. Universidade federal do Ceará. Fortaleza, p. Kou Sindo. Welding Metallurgy. 1ed. New York: John Wiley & Sons, HIGUCHI, Makamoto, SAKAMOTO, Hiroshi, TANIOKA, Sinici. A Study on Weld Repair Through Half Bead Method. IHI Engenering Review. V.13, april/

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CARACTERIZAÇÃO DE SOLDAS DISSIMILARES DEPOSITADAS PELO PROCESSO MIG Belém-PA 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO

Leia mais

Estudo de Procedimentos de Soldagem MIG/MAG para Aplicação de Revestimentos de Liga de Níquel Inconel 625 em Aço Estrutural ASTM A387 Gr.

Estudo de Procedimentos de Soldagem MIG/MAG para Aplicação de Revestimentos de Liga de Níquel Inconel 625 em Aço Estrutural ASTM A387 Gr. Soldagem & Inspeção. 2016;21(1):70-82 http://dx.doi.org/10.1590/0104-9224/si2101.07 Estudo de Procedimentos de Soldagem MIG/MAG para Aplicação de Revestimentos de Liga de Níquel Inconel 625 em Aço Estrutural

Leia mais

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW.

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA Caracterização microestrutural do aço ASTM-A516-10-60 soldado por GMAW. Alunos: Alexandre Dutra Golanda Guilherme Souza Leite Paulo Ricardo

Leia mais

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães SOLDAGEM TIG Prof. Dr. Hugo Z. Sandim Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães Soldagem TIG Processo de soldagem TIG Fonte: www.infosolda.com.br e Welding Metallurgy

Leia mais

Trabalho de solidificação. Soldagem. João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza

Trabalho de solidificação. Soldagem. João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza Trabalho de solidificação Soldagem João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza Introdução A soldagem é um processo de fabricação, do grupo dos processos de união, que visa o revestimento,

Leia mais

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS Prof. Dr. Vicente A. Ventrella UNESP Campus de Ilha Solteira C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS 1. Introdução 2. Terminologia de Soldagem 3. Simbologia de

Leia mais

EFEITO DA TÉCNICA DA DUPLA CAMADA SOBRE A MICROESTRUTURA E TENACIDADE DA ZAC DO AÇO ABNT 4140 RECUPERADO POR SOLDAGEM.

EFEITO DA TÉCNICA DA DUPLA CAMADA SOBRE A MICROESTRUTURA E TENACIDADE DA ZAC DO AÇO ABNT 4140 RECUPERADO POR SOLDAGEM. EFEITO DA TÉCNICA DA DUPLA CAMADA SOBRE A MICROESTRUTURA E TENACIDADE DA ZAC DO AÇO ABNT 4140 RECUPERADO POR SOLDAGEM. Willys Machado Aguiar Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará CEFET-Ce. Rua

Leia mais

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn 3 Materiais e Procedimentos Experimentais 3.1 Materiais Utilizados Com o objetivo de se avaliar o efeito do Mn no comportamento do metal de solda depositado, foram produzidos experimentalmente pela CONARCO

Leia mais

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB)

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB) 85 5.5 ANÁLISES MICROESTRUTURAIS As micrografias obtidas na seção transversal do material nas condições: como recebido e pós-soldagem com tratamentos de revenido e niretação estão apresentadas nas Figuras

Leia mais

Seleção dos parâmetros através dos custos de soldagem para aplicação de revestimento com ligas de níquel depositadas pelo processo MIG/MAG

Seleção dos parâmetros através dos custos de soldagem para aplicação de revestimento com ligas de níquel depositadas pelo processo MIG/MAG Seleção dos parâmetros através dos custos de soldagem para aplicação de revestimento com ligas de níquel depositadas pelo processo MIG/MAG (Using the welding costs to select welding parameters for Weld

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO DAS ZONAS TERMICAMENTE AFETADA DO AÇO ABNT 1045 SOLDADO POR ELETRODO REVESTIDO E MAG

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO DAS ZONAS TERMICAMENTE AFETADA DO AÇO ABNT 1045 SOLDADO POR ELETRODO REVESTIDO E MAG TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO DAS ZONAS TERMICAMENTE AFETADA DO AÇO ABNT 1045 SOLDADO POR ELETRODO REVESTIDO E MAG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Terminologia de Soldagem Regiões e Geometria da Junta Soldada

Terminologia de Soldagem Regiões e Geometria da Junta Soldada Terminologia de Regiões e Geometria da Junta Soldada As regiões e a geometria da junta soldada possuem relação com a integridade estrutural da junta. Atribuir nomes às distintas regiões da junta equivale

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM 70 CAPÍTULO 10 DEFEITOS EM OPERAÇÕES DE SOLDAGEM 71 DESCONTINUIDADES MAIS FREQÜENTES NAS OPERAÇÕES DE SOLDAGEM Podemos definir descontinuidade como sendo uma interrupção das estruturas típicas de uma junta

Leia mais

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. LABATS DEMEC UFPR 1 Diagrama de Schaeffler (1) Formação de trincas de solidificação ou

Leia mais

Processo de Soldagem Eletroescória HISTÓRICO

Processo de Soldagem Eletroescória HISTÓRICO Processo de Soldagem Eletroescória HISTÓRICO Prof. Luiz Gimenes Jr. Prof. Manuel Saraiva Clara Os precursores do processo começaram ainda no século passado com a soldagem na posição vertical em um único

Leia mais

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J.

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX 2205 S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. Marcelo Av. dos Trabalhadores, n 420, Vila Santa Cecília, Volta Redonda,

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 METALURGIA DA SOLDAGEM A JUNTA SOLDADA Consiste: Metal de Solda, Zona Afetada pelo Calor (ZAC), Metal

Leia mais

DEFEITOS EM SOLDAGEM. Preparado por: Ramón S. C. Paredes, Dr. Engº.

DEFEITOS EM SOLDAGEM. Preparado por: Ramón S. C. Paredes, Dr. Engº. DEFEITOS EM SOLDAGEM Preparado por: Ramón S. C. Paredes, Dr. Engº. 1 Trinca longitudinal na ZTA. 2 Trinca longitudinal na ZF 3 Trinca de cratera Defeitos do metal de solda Alguns dos defeitos que podem

Leia mais

Análise da Soldagem FCAW com a Adição de Arame Frio Aplicado a Indústria Naval

Análise da Soldagem FCAW com a Adição de Arame Frio Aplicado a Indústria Naval VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil Análise

Leia mais

Estudo comparativo do reparo por soldagem dos aços inoxidáveis martensíticos aisi 410 e ca-6nm

Estudo comparativo do reparo por soldagem dos aços inoxidáveis martensíticos aisi 410 e ca-6nm Aldo Santos Pereira Augusto J. A. Buschinelli1, Carlos E. Niño2 Sérgio L. Henke Resumo. Esse trabalho reúne resultados de um estudo comparativo entre o aço inoxidável martensítico tradicional AISI 410

Leia mais

3 Materiais e Métodos

3 Materiais e Métodos 41 3 Materiais e Métodos Serão apresentados neste capitulo os materiais e os métodos que foram utilizados no desenvolvimento deste trabalho. Durante a experiência foram utilizados cinco eletrodos oxi-rutílicos

Leia mais

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III Eng. Ricardo Fedele, MSc. Engenheiro de Aplicação da Boehler Thyssen Técnica de Soldagem Ltda Prof. do Dep. de Eng. Mecânica e Metalúrgica da Escola

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DO REPARO POR SOLDAGEM DOS AÇOS INOXIDÁVEIS MARTENSÍTICOS AISI 410 E CA-6NM

ESTUDO COMPARATIVO DO REPARO POR SOLDAGEM DOS AÇOS INOXIDÁVEIS MARTENSÍTICOS AISI 410 E CA-6NM ESTUDO COMPARATIVO DO REPARO POR SOLDAGEM DOS AÇOS INOXIDÁVEIS MARTENSÍTICOS AISI 410 E CA-6NM Aldo Santos Pereira Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CEFET PR, Departamento de Mecânica Curitiba,

Leia mais

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico Ronaldo Paranhos Esta é uma aplicação muito comum na indústria. Os motivos para esta grande utilização incluem, do lado dos aços carbono e C-Mn de grau estrutural, o seu menor custo em relação aos aços

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PARÂMETROS DE SOLDAGEM COMO TENSÃO E CORRENTE NA TAXA DE DEPOSIÇÃO PARA DIFERENTES ESPESSURAS DE CHAPA

INFLUÊNCIA DE PARÂMETROS DE SOLDAGEM COMO TENSÃO E CORRENTE NA TAXA DE DEPOSIÇÃO PARA DIFERENTES ESPESSURAS DE CHAPA INFLUÊNCIA DE PARÂMETROS DE SOLDAGEM COMO TENSÃO E CORRENTE NA TAXA DE DEPOSIÇÃO PARA DIFERENTES ESPESSURAS DE CHAPA P. H. Ogata; D. Silva; D. Morais; F. Conte; paulo.ogata@fatec.sp.gov.br Faculdade de

Leia mais

3 MATERIAIS E MÉTODOS

3 MATERIAIS E MÉTODOS 40 3 MATERIAIS E MÉTODOS 3.1 MATERIAL O material utilizado para realização dos ensaios necessários para suportar este trabalho foi o aço baixa liga 2.1/4Cr 1Mo temperado e revenido, conforme especificação

Leia mais

5.3. ANÁLISE QUÍMICA 5.4. ENSAIO DE DUREZA

5.3. ANÁLISE QUÍMICA 5.4. ENSAIO DE DUREZA 35 5.3. ANÁLISE QUÍMICA A composição química dos parafusos foi determinada por Espectrometria de Emissão Óptica. A Tabela 04 apresenta a composição percentual dos elementos mais relevantes. A Norma SAE

Leia mais

Fluxo de Calor em Soldagem

Fluxo de Calor em Soldagem Fluxo de Calor em Soldagem Significado de alguns termos (obtido do livro do prof. Almir M Quites): -Calor: é um termo que designa a energia da vibração atômica de qualquer substância. Essa energia térmica

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

O tipo de Metal de Base (MB) escolhido é um aço ASTM A 36, de espessura 3/8 e

O tipo de Metal de Base (MB) escolhido é um aço ASTM A 36, de espessura 3/8 e A INFLUÊNCIA DAS VELOCIDADES DE VENTO NO CORDÃO DE SOLDA NO PROCESSO DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR AUTO PROTEGIDO Autores : Cristiano José TURRA¹; Mario Wolfart JUNIOR². Identificação autores: 1 Graduando,

Leia mais

Soldagem I Lista de Exercícios

Soldagem I Lista de Exercícios Soldagem I Lista de Exercícios 1. Defina soldagem com base em (a) suas características operacionais e (b) seus mecanismos de união. (c) Dois blocos de gelo colocados em contato com uma pequena pressão

Leia mais

SOLDAGEM MIG/MAG. Prof. Marcos Dorigão Manfrinato 1 MIG/MAG BIG MAC

SOLDAGEM MIG/MAG. Prof. Marcos Dorigão Manfrinato 1 MIG/MAG BIG MAC SOLDAGEM MIG/MAG Prof. Marcos Dorigão Manfrinato 1 MIG/MAG BIG MAC MIG 2 SOLDAGEM MIG/MAG A soldagem a arco com proteção gasosa (gás metal arc welding GMAW). A proteção do arco e da região da solda contra

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem mecanizada ao arco submerso. Familiarizar-se com

Leia mais

XLI CONSOLDA CONGRESSO NACIONAL DE SOLDAGEM SALVADOR - BA 12 a 15 de Outubro de 2015

XLI CONSOLDA CONGRESSO NACIONAL DE SOLDAGEM SALVADOR - BA 12 a 15 de Outubro de 2015 XLI CONSOLDA CONGRESSO NACIONAL DE SOLDAGEM SALVADOR - BA 12 a 15 de Outubro de 2015 Avaliação da Geometria do Cordão de Solda Depositado com Diferentes Gases pelo Processo GMAW (Evaluation of Weld Bead

Leia mais

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica.

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica. Caracterização Mecânica e Microestrutural de um Aço AISI 1060 submetido a diferentes Meios de Resfriamentos Angela de Jesus Vasconcelos 1, Daniele Cristina de Brito Lima Soares 1, Adriano Matos Mendes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DUREZA E MICRODUREZA DE UMA JUNTA SOLDADA DISSIMILAR

AVALIAÇÃO DA DUREZA E MICRODUREZA DE UMA JUNTA SOLDADA DISSIMILAR Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC 2016 Rafain Palace Hotel & Convention Center- Foz do Iguaçu - PR 29 de agosto a 1 de setembro de 2016 AVALIAÇÃO DA DUREZA E MICRODUREZA

Leia mais

SOLDA POR FRICÇÃO EM AÇO CARBONO

SOLDA POR FRICÇÃO EM AÇO CARBONO SOLDA POR FRICÇÃO EM AÇO CARBONO Autores: Adriano GAIO 1, Fernando Prando DACAS 2, Diego Rodolfo Simões de LIMA 3, Mario Wolfart JUNIOR 4. 1 Graduando em Engenharia Mecânica, Instituto Federal Catarinense

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

de soldagem. Rua Jordão Borghetti, Jardim Recreio, Sertãozinho - SP, (16)

de soldagem. Rua Jordão Borghetti, Jardim Recreio, Sertãozinho - SP, (16) PRODUÇÃO DA JUNTA SOLDADA DO AÇO ASTM A335 P11 PARA TUBULAÇÃO DE VAPOR EM CALDEIRAS: CARACTERIZAÇÃO POR ANÁLISE MICROESTRUTURAL E MICRODUREZA Péricles Bosquetti 1, Luiz Antonio Simões 2, Matheus Covre

Leia mais

5 Discussão Desempenho da soldagem

5 Discussão Desempenho da soldagem 5 Discussão 5.1. Desempenho da soldagem Na etapa experimental foram realizados testes para treinamento dos soldadores antes de executar a junta soldada com a finalidade de se adequar melhor ao material

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia : Técnico em Metalurgia Descrição do Perfil Profissional: O profissional Técnico em Metalurgia deverá ser capaz de realizar controle visual, dimensional e laboratorial de materiais e substâncias utilizadas

Leia mais

3- Materiais e Métodos

3- Materiais e Métodos 3- Materiais e Métodos 3.1. Caracterização do Material 3.1.1. Material Os materiais utilizados neste trabalho foram retirados de dois tubos de aço produzido pela Confab que atende a especificação API 5L

Leia mais

APLICAÇÃO DE UMA TÉCNICA VARIANTE DA DUPLA CAMADA NA SOLDAGEM DO AÇO 5%Cr-0,5%Mo

APLICAÇÃO DE UMA TÉCNICA VARIANTE DA DUPLA CAMADA NA SOLDAGEM DO AÇO 5%Cr-0,5%Mo APLICAÇÃO DE UMA TÉCNICA VARIANTE DA DUPLA CAMADA NA SOLDAGEM DO AÇO 5%Cr-0,5%Mo Adriano de Resende Silva Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia Mecânica resende@demec.ufmg.br

Leia mais

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil CORRELAÇÃO ENTRE A VELOCIDADE DE SOLDAGEM E DA ALIMENTAÇÃO DO ARAME NO PROCESSO DE SOLDAGEM GMAW COM A GEOMETRIA, MICROESTRUTURA E MACROESTRUTURA DO CORDÃO DE SOLDA F. C. Correia, G. E. Krung, P. H. Ogata,

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO 2016 Página: 1 de 7

PROVA DE SELEÇÃO 2016 Página: 1 de 7 Página: 1 de 7 1) Considerando as responsabilidades do Inspetor de Soldagem Nível 1, em relação à qualificação e certificação dos procedimentos de soldagem e às normas técnicas, identifique a única opção

Leia mais

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas

Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Consumíveis, Técnicas e Parâmetros, Defeitos e Causas Professor: Anderson Luís Garcia Correia Unidade Curricular de Processos

Leia mais

Soldagem com Arame Sólido sob Proteção Gasosa - GMAW

Soldagem com Arame Sólido sob Proteção Gasosa - GMAW Soldagem com Arame Sólido sob Proteção Gasosa - GMAW Histórico Concepção básica 1920 Processo de alta densidade de corrente utilizando pequenos diâmetros de eletrodos de metais específicos Alumínio e ligas

Leia mais

Processo d e soldagem

Processo d e soldagem Processo de soldagem Conteúdo Descrição do processo Equipamento e consumíveis Técnica de soldagem Principais defeitos e descontinuidades Aplicações Processo MMA ou SMAW Definição: soldagem a arco elétrico

Leia mais

Técnica Operatória da Soldagem SAW

Técnica Operatória da Soldagem SAW Técnica Operatória da Soldagem SAW Paulo José Modenesi Objetivos Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem mecanizada ao arco submerso. Familiaarizar-se com os consumíveis

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA E CUSTOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA E CUSTOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA E CUSTOS DE SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 FORMAÇÃO DO CORDÃO DE SOLDA Normalmente o cordão de solda é caracterizado pela

Leia mais

Metalurgia da Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex

Metalurgia da Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex Metalurgia da Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex Aspectos Gerais São ligas de uso relativamente recente. Microestrutura tipos austenitico e ferrítico. Em função de

Leia mais

Tratamentos Térmicos 032905

Tratamentos Térmicos 032905 Tratamentos Térmicos 032905 Prof. José Eduardo Spinelli Técnico: Rover Belo Instável Transformação Normal + Fe 3 C TÊMPERA Transição REVENIDO Programa Analítico 1) Fornos e atmosferas, medidas e controle

Leia mais

Reparação de moldes de injecção de plásticos por soldadura. B. Silva, I. Pires, L Quintino

Reparação de moldes de injecção de plásticos por soldadura. B. Silva, I. Pires, L Quintino Reparação de moldes de injecção de plásticos por soldadura B. Silva, I. Pires, L Quintino IDMEC, Instituto Superior Técnico, Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal Resumo Actualmente, a tecnologia

Leia mais

ESTUDO MICROESTRUTURAL EM SOLDAS DISSIMILARES COM O AÇO INOXIDAVÉL AUSTENITÍCO 316L EM UM AÇO ABNT 1020

ESTUDO MICROESTRUTURAL EM SOLDAS DISSIMILARES COM O AÇO INOXIDAVÉL AUSTENITÍCO 316L EM UM AÇO ABNT 1020 ESTUDO MICROESTRUTURAL EM SOLDAS DISSIMILARES COM O AÇO INOXIDAVÉL AUSTENITÍCO 316L EM UM AÇO ABNT 1020 H. V. M. Aguirre (1); R. M. R. Sodré (1); G. Pereira(2); A. S.do Nascimento (3) e C. A. M. da Mota

Leia mais

Soldagem de Alumínio MIG/TIG

Soldagem de Alumínio MIG/TIG Soldagem de Alumínio MIG/TIG Eng Augusto Franco Gerente de Produtos e Serviços Eutectic do Brasil Programa O Alumínio na industria brasileira Ligas de alumínio Seleção do material de adição Qualidade do

Leia mais

AÇOS CARBONO E BAIXA LIGA (DOCE - CORTEN - PATINAX - CORALDUR - SAC 50 - USIAR)

AÇOS CARBONO E BAIXA LIGA (DOCE - CORTEN - PATINAX - CORALDUR - SAC 50 - USIAR) MAC BLUE AÇOS CARBONO E BAIXA LIGA (DOCE - CORTEN - PATINAX - CORALDUR - SAC 50 - USIAR) DESENV. ESPECIAL (2,5=60-90) (3,2=80-120) (4,0=110-160) (5,0=150-200) Eletrodo Revest. Rutílico Posições de Soldagem:

Leia mais

ASPECTOS DA CORROSÃO INTERGRANULAR DOS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS AISI 304L, AISI 316L, AISI 321 E AISI 347, USADOS EM REFINARIAS

ASPECTOS DA CORROSÃO INTERGRANULAR DOS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS AISI 304L, AISI 316L, AISI 321 E AISI 347, USADOS EM REFINARIAS ASPECTOS DA CORROSÃO INTERGRANULAR DOS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS AISI 304L, AISI 316L, AISI 321 E AISI 347, USADOS EM REFINARIAS Adriano Sampaio Lima Hamilton Ferreira Gomes De Abreu Pedro de Lima

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE Autores : Lucas FERREIRA, Mario WOLFART Jr., Gianpaulo Alves MEDEIROS. Diego Rodolfo Simões de LIMA. Informações adicionais: (Bolsista

Leia mais

Processos de Soldagem Soldagem a Arco com Arame Tubular

Processos de Soldagem Soldagem a Arco com Arame Tubular Processos Soldagem a Arco com Arame Tubular A soldagem a arco com arame tubular - Flux Cored Arc Welding (FCAW), foi desenvolvida visando unir as vantagens do processo MIG/MAG (semiautomático ou automático)

Leia mais

INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE

INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE Bernardo Soares Engelke 1 Marcos Venicius Soares Pereira 2 1 Aluno de Graduação do curso de Engenharia

Leia mais

Revestimento de Níquel Depositado pela Soldagem MIG e MIG com Arame Frio

Revestimento de Níquel Depositado pela Soldagem MIG e MIG com Arame Frio Soldagem & Inspeção. 2016;21(4):483-496 http://dx.doi.org/10.1590/0104-9224/si2104.08 Artigos Técnicos Revestimento de Níquel Depositado pela Soldagem MIG e MIG com Arame Frio Carlos Alberto Mendes da

Leia mais

Descontinuidades na solda

Descontinuidades na solda Descontinuidade & Defeito 1. Dimensionais 2. Estruturais 3. Relacionadas com propriedades indesejáveis no perfil da solda 4. Relacionadas com as propriedades do metal de base 1.Descontinuidades Dimensionais:

Leia mais

Avaliação da Perfuração na Soldagem em Operação pelo Processo MIG/MAG de Dutos de Alta Resistência e Baixa Espessura

Avaliação da Perfuração na Soldagem em Operação pelo Processo MIG/MAG de Dutos de Alta Resistência e Baixa Espessura Avaliação da Perfuração na Soldagem em Operação pelo Processo MIG/MAG de Dutos de Alta Resistência e Baixa Espessura (Evaluation of Burnthrough in the MIG/MAG In-Service Welding of High Strength and Low

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE.

SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE. SOLDAGEM COM PLASMA E FORA DA GRAVIDADE. HISTÓRICO O processo de soldagem a Plasma (PAW) foi introduzido na indústria em 1964 como um método que possuía um melhor controle de soldagem em níveis mais baixos

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

Revestimentos e Metalização

Revestimentos e Metalização Revestimentos e Metalização Conteúdo Iniciação à engenharia de superfície (conceitos e aplicações); Revestimento x tratamento de superfícies; Aspersão térmica a gás fundamentos, processos, equipamentos,

Leia mais

Ivanilza Felizardo, MSc. Alexandre Queiroz Bracarense, Ph.D

Ivanilza Felizardo, MSc. Alexandre Queiroz Bracarense, Ph.D INFLUÊNCIA DO ÂNGULO DA TOCHA E DO SENTIDO DE SOLDAGEM NO CRESCIMENTO COLUNAR E NA PENETRAÇÃO DE CORDÕES DE SOLDA REALIZADOS COM O PROCESSO GMAW ROBOTIZADO Ivanilza Felizardo, MSc. ivanilza@demec.ufmg.br

Leia mais

ESTUDO DA SENSITIZA ÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 321 QUE OPERAM EM REFINARIA DE PETRÓLEO EM TEMPERATURAS ENTRE 500 E C.

ESTUDO DA SENSITIZA ÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 321 QUE OPERAM EM REFINARIA DE PETRÓLEO EM TEMPERATURAS ENTRE 500 E C. ESTUDO DA SENSITIZA ÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 321 QUE OPERAM EM REFINARIA DE PETRÓLEO EM TEMPERATURAS ENTRE 500 E 600 0 C. Gomes da Silva, M.J. Fortaleza, CE, Brasil, mgsilva@dem.ufc.br Mendes, M.P.

Leia mais

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Aula: Materiais e Vida da Ferramenta

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Aula: Materiais e Vida da Ferramenta SEM534 Processos de Fabricação Mecânica Aula: Materiais e Vida da Ferramenta Materiais para Ferramenta Propriedades desejadas: Dureza a Quente Resistência ao desgaste Tenacidade Estabilidade química Evolução

Leia mais

5(6,67,9,'$'((/e75,&$

5(6,67,9,'$'((/e75,&$ -817$62/'$'$ ³$ OyJLFD p LQ~WLO D PHQRV TXH YHQKD DFRPSDQKDGDFRPRVGDGRVHVVHQFLDLV )UDQN+HUEHW O material submetido ao processo de soldagem especificado no item 2.1 foi analisado em relação ao seu comportamento

Leia mais

Soldagem de Aços Inoxidáveis

Soldagem de Aços Inoxidáveis Soldagem de Aços Inoxidáveis Conceito de Soldabilidade Previsão da soldabilidade Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. LABATS DEMEC UFPR Soldagem de Aços Inoxidáveis A Americam Welding AWS define Soldabilidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSCEPTIBILIDADE À FORMAÇÃO DE TRINCAS A FRIO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL RESUMO INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DA SUSCEPTIBILIDADE À FORMAÇÃO DE TRINCAS A FRIO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL RESUMO INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DA SUSCEPTIBILIDADE À FORMAÇÃO DE TRINCAS A FRIO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL RAIMUNDO CARLOS SILVERIO FREIRE JÚNIOR, THEOPHILO M. MACIEL, PAULO GUEDES DA SILVA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

Influência dos Parâmetros de Soldagem sobre as Características de Revestimentos de Aço Inoxidável Aplicados Em Aço C-Mn pelo Processo FCAW.

Influência dos Parâmetros de Soldagem sobre as Características de Revestimentos de Aço Inoxidável Aplicados Em Aço C-Mn pelo Processo FCAW. Influência dos Parâmetros de Soldagem sobre as Características de Revestimentos de Aço Inoxidável Aplicados Em Aço C-Mn pelo Processo FCAW. (Influence of Welding Parameters on the Characteristics of Stainless

Leia mais

Avaliação do Efeito da Energia de Soldagem sobre as Tensões Residuais Resultantes em Juntas Soldadas com Multipasse

Avaliação do Efeito da Energia de Soldagem sobre as Tensões Residuais Resultantes em Juntas Soldadas com Multipasse Avaliação do Efeito da Energia de Soldagem sobre as Tensões Residuais Resultantes em Juntas Soldadas com Multipasse (Welding energy input evaluation on the final residual stresses in multipass welded joints)

Leia mais

Submerged Arc Welding

Submerged Arc Welding SOLDAGEM COM ARCO SUBMERSO SUBMERGED ARC WELDING (SAW) Definição SAW é um processo na qual a união de metais se dá pelo calor fornecido por um arco elétrico entre um eletrodo nu e uma peça. O nome desse

Leia mais

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 1 3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO O processo de soldagem com eletrodo revestido é um processo no qual a fusão do metal é produzida pelo aquecimento de um arco elétrico, mantido entre a ponta

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

Soldagem Mecanizada de Tanques de Estocagem com Alta Produtividade

Soldagem Mecanizada de Tanques de Estocagem com Alta Produtividade Soldagem Mecanizada de Tanques de Estocagem com Alta Produtividade Maio 2016 1 Documento Confidencial da White Martins Objetivo Apresentar tecnologias que possibilitam aumento de produtividade e/ou ganhos

Leia mais

CAPÍTULO 7 SOLDAGEM TIG

CAPÍTULO 7 SOLDAGEM TIG SOLDAGEM DOS METAIS 46 CAPÍTULO 7 SOLDAGEM TIG SOLDAGEM DOS METAIS 47 PROCESSO DE SOLDAGEM TIG (Tungsten Inert Gas) GTAW É um processo de soldagem por fusão, a arco elétrico que utiliza o calor gerado

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA E METALÚRGICA DE JUNTAS DISSIMILARES DE METAIS ALTA RESISTÊNCIA E BAIXA LIGA 1 Vagner Machado Costa 2

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA E METALÚRGICA DE JUNTAS DISSIMILARES DE METAIS ALTA RESISTÊNCIA E BAIXA LIGA 1 Vagner Machado Costa 2 CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA E METALÚRGICA DE JUNTAS DISSIMILARES DE METAIS ALTA RESISTÊNCIA E BAIXA LIGA 1 Vagner Machado Costa 2 Jefferson Haag 3 Bill Paiva dos Santos 3 Gabriel Cogo 4 Cleber Rodrigo de Lima

Leia mais

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8.

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8. 5 Discussão O estudo da fragilização ao revenido com base nos fenômenos de segregação tem como ponto de partida os resultados obtidos de experiências com pares de elementos liga e/ou impurezas, correspondendo

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A ArcelorMittal Inox Brasil Inoxidável Ferrítico ACE P444A transformando o amanhã 2 3 ACE P444A Tabela I Composição Química C Mn P S Si Cr Ni Outros 0,025 1,00 0,040 0,030 1,00 17,5-19,5 1,00 0,2+4(C+N)

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DO ENSAIO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DA SOLDA MIG CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: ESTUDO DO ENSAIO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DA SOLDA MIG CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS 16 TÍTULO: ESTUDO DO ENSAIO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DA SOLDA MIG CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): RAFAEL APARECIDO MOTA,

Leia mais

MIG pulsado: Estudo comparativo da variação da Distancia Bico pelo Contato Peça sob a geometria da solda na liga AA5052 em duas posições de soldagem.

MIG pulsado: Estudo comparativo da variação da Distancia Bico pelo Contato Peça sob a geometria da solda na liga AA5052 em duas posições de soldagem. MIG pulsado: Estudo comparativo da variação da Distancia Bico pelo Contato Peça sob a geometria da solda na liga AA5052 em duas posições de soldagem. Elivelton Luis da Silva 1, Paulo Miranda da Silva Neto

Leia mais

ESTUDO DE REVESTIMENTOS À BASE DE INCONEL 625 DEPOSITADOS ATRAVÉS DO PROCESSO DE SOLDAGEM MIG

ESTUDO DE REVESTIMENTOS À BASE DE INCONEL 625 DEPOSITADOS ATRAVÉS DO PROCESSO DE SOLDAGEM MIG ESTUDO DE REVESTIMENTOS À BASE DE INCONEL 625 DEPOSITADOS ATRAVÉS DO PROCESSO DE SOLDAGEM MIG Aureliano Xavier dos Santos 1 ; Theophilo Moura Maciel 2 ; Raimundo Quinderé Cruz Neto 2 ; Renato Alexandre

Leia mais

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing MIG BRAZING O processo MIG BRAZING é um processo de SOLDABRASAGEM porque ocorre a fusão parcial do metal de base e a capilaridade é mínima. Soldagem Fusão do MA e MB; Soldabrasagem Fusão do MA e parcial

Leia mais

João Carmo Vendramim 1 Jan Vatavuk 2 Thomas H Heiliger 3 R Jorge Krzesimovski 4 Anderson Vilele 5

João Carmo Vendramim 1 Jan Vatavuk 2 Thomas H Heiliger 3 R Jorge Krzesimovski 4 Anderson Vilele 5 O tratamento térmico de têmpera e revenimento a vácuo de um bloco de aço AISI H13, dimensões 300x300x300 mm, monitorado com quatro termopares de contato João Carmo Vendramim 1 Jan Vatavuk 2 Thomas H Heiliger

Leia mais

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Soldagem Tipos de Soldagem Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado

Leia mais

CT001 CT003 CT006 CT008 CT009 CT015 CT016 CT019 CT021 CT022 CT025 CT028 CT029 CT030 CT034 CT035 CT036 CT037 CT040 CT041 CT043 CT044 CT045 CT048 CT049

CT001 CT003 CT006 CT008 CT009 CT015 CT016 CT019 CT021 CT022 CT025 CT028 CT029 CT030 CT034 CT035 CT036 CT037 CT040 CT041 CT043 CT044 CT045 CT048 CT049 CT001 CT002 CT003 CT005 CT006 CT008 CT009 CT015 CT016 CT017 CT018 CT019 CT021 CT022 CT023 CT025 CT028 CT029 CT030 CT034 CT035 CT036 CT037 CT040 CT041 CT043 CT044 CT045 CT046 CT048 CT049 CT050 CT052 TÍTULO

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM MODOS DE TRANSFERÊNCIA METÁLICA MIG/MAG DEFEITOS EM SOLDAGEM E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM MODOS DE TRANSFERÊNCIA METÁLICA MIG/MAG DEFEITOS EM SOLDAGEM E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM MODOS DE TRANSFERÊNCIA METÁLICA MIG/MAG E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 MODOS DE TRANSFERÊNCIA METÁLICA MIG/MAG Forças que governam

Leia mais

MICROESTRUTURA E TENACIDADE DO AÇO API 5LX GRAU 70 SOLDADO COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 E ELETRODO REVESTIDO AWS E-8010-G

MICROESTRUTURA E TENACIDADE DO AÇO API 5LX GRAU 70 SOLDADO COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 E ELETRODO REVESTIDO AWS E-8010-G MICROESTRUTURA E TENACIDADE DO AÇO API 5LX GRAU 70 SOLDADO COM ARAME TUBULAR AWS E-81T1-Ni1 E ELETRODO REVESTIDO AWS E-8010-G Vicente Afonso Ventrella ventrella@dem.feis.unesp.br Prof. Assistente Doutor

Leia mais

Soldagem Dissimilar do Aço X-60 com Inconel 625. (Dissimilar Metal Welding of X-60 Steel with Inconel 625)

Soldagem Dissimilar do Aço X-60 com Inconel 625. (Dissimilar Metal Welding of X-60 Steel with Inconel 625) Soldagem Dissimilar do Aço X-60 com Inconel 625 (Dissimilar Metal Welding of X-60 Steel with Inconel 625) Norton Zanette Kejelin, Augusto José de Almeida Buschinelli, Carlos Enrique Niño Bohórquez. 1 Labsolda/EMC/UFSC,

Leia mais

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias);

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias); Ensaio de Fluência Adaptado do material do prof. Rodrigo R. Porcaro. Fluência é a deformação plástica que ocorre num material, sob tensão constante ou quase constante, em função do tempo ; A temperatura

Leia mais

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Fundamentos do processo É um processo de soldagem no estado sólido, que produz uma solda pelo impacto em alta velocidade das peças como resultado de uma detonação (explosão) controlada.

Leia mais

Preparação de Amostras Metalográficas. Curso de Preparação de Amostras Metalográficas. Karin Soldatelli Borsato

Preparação de Amostras Metalográficas. Curso de Preparação de Amostras Metalográficas. Karin Soldatelli Borsato Curso de Preparação de Amostras Metalográficas Preparação de Amostras Metalográficas Fornecer e fundamentar técnicas de preparação metalográfica. Engenheiros, técnicos, estudantes de graduação e pós-graduação

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

Edição 3 UDDEHOLM HOTVAR

Edição 3 UDDEHOLM HOTVAR Edição 3 UDDEHOLM HOTVAR Informações Gerais HOTVAR é um aço para trabalho a quente de alta performance ligado ao molibdênio-vanádio, que é caracterizado por: Alta resistência à abrasão a altas temperaturas

Leia mais

Leste Universitário Goiânia-GO.

Leste Universitário Goiânia-GO. INFLUÊNCIA DO GÁS DE PROTEÇÃO E CONDIÇÕES DE SOLDAGEM NA DILUIÇÃO E MOLHABILIDADE DE CORDÕES DE SOLDA DE AÇO INOXIDÁVEL E LIGA DE NÍQUEL DEPOSITADOS PELO PROCESSO MIG/MAG Gabriel Botelho Zilio, gabriel_zilio@yahoo.com.br

Leia mais

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 439 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 439 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 439 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR Willian Moreira de Lima 1 ; Susana Marraccini Giampietri Lebrão 2 1 Aluno de Iniciação Científica

Leia mais