CONTROLE BIOLÓGICO EM CANA DE AÇÚCAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLE BIOLÓGICO EM CANA DE AÇÚCAR"

Transcrição

1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE MANEJO DE PRAGAS DA CANA DE AÇÚCAR CONTROLE BIOLÓGICO EM CANA DE AÇÚCAR Diogo Sartori Alarcon SET/2012

2 Localização das Unidades Buritizal Nova Independência Ribeirão Preto Sta. Rosa Viterbo 02

3 LEVANTAMENTO E CONTROLE BIOLÓGICO DE CIGARRINHA DAS RAÍZES (Mahanarva fimbriolata) 05

4 Cigarrinha das Raízes - Ciclo 5 dias 15 a 20 dias CICLO TOTAL: 60 a 80 dias 3 a 4 GERAÇÕES/ANO 30 a 40 dias 06

5 Cigarrinha das Raízes - Ciclo 07

6 Cigarrinha das Raízes - Levantamento 16 metros 8m 16m 33 metros 33 metros 16m 8m 8m 16m 16m 8m Ponto Amostral 1 linha 1 metro 18 ptos/ha 08

7 Cigarrinha das Raízes - Levantamento 09

8 Cigarrinha das Raízes Controle Controle Padrão Pedra Agroindustrial S/A Biológico: Cana Soca (Metarhizium anisopliae fungo) Ninfas/metro Recomendação 0,00 a 2,00 Não Controlar > 2,00 1,0 kg* de fungo/ha (tratorizada ou aérea líquida) *90 milhões de esporos/m² 10

9 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 11

10 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 11

11 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 11

12 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 11

13 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 11

14 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 12

15 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 12

16 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 12

17 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 12

18 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 13

19 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 13

20 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 13

21 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 14

22 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 14

23 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 15

24 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 15

25 Cigarrinha das Raízes Controle Produção 15

26 Cigarrinha das Raízes Controle Aplicação no Campo 25kg/15min 16

27 Cigarrinha das Raízes Dados Histórico de Áreas Amostradas Levantamento º LEVANTAMENTO ha ha ha ha ha 2º LEVANTAMENTO 762 ha 525 ha ha ha ha 3º LEVANTAMENTO 62 ha 0 ha ha 172 ha ha 4º LEVANTAMENTO 0 ha 0 ha 0 ha 0 ha ha TOTAL ha ha ha ha ha 17

28 Cigarrinha das Raízes Dados Áreas Levantadas ÁREAS 1º LEVANTAM. 2º LEVANTAM. 3º LEVANTAM. 4º LEVANTAM. TOTAL TOTAL REPRESENTADA ha ha ha ha ha LIBERADO APLICAÇÃO ha ha ha ha ha % 8% 39% 37% 47% 31% 18

29 Cigarrinha das Raízes Controle 4,50 Ninfas/metro Área 01 4,00 4,24 1º Levantamento: Ninfas/metro > 2,0 1º Controle: Aplicação de Fungo 2º Levantamento: Ninfas/metro > 2,0 2º Controle: Aplicação de Fungo 3º Levantamento: Realizado 3,50 3,00 2,50 2,00 2,28 2,18 2,68 1,50 Área Levantada: 443 ha 1,00 Área Representada: ha 0,50 0,00 1º LEV. 2º LEV. 3º LEV. 4º LEV. 19

30 Cigarrinha das Raízes Controle 4,50 Ninfas/metro Área 02 4,00 4,21 1º Levantamento: Ninfas/metro > 2,0 1º Controle: Aplicação de Fungo 2º Levantamento: Ninfas/metro > 2,0 2º Controle: Aplicação de Fungo 3º Levantamento: Ninfa/metro > 2,0 3,50 3,00 2,50 2,00 2,46 3,22 3,49 3º Controle: Aplicação de Fungo 1,50 4º Levantamento: Realizado 1,00 Área Levantada: 252 ha Área Representada: 681 ha 0,50 0,00 1º LEV. 2º LEV. 3º LEV. 4º LEV. 20

31 Cigarrinha das Raízes Controle 4,00 Ninfas/metro Área 03 3,50 1º Levantamento: Ninfas/metro < 2,0 1º Controle: n.a. 3,00 3,16 3,41 2º Levantamento: Ninfas/metro > 2,0 2,50 2º Controle: Aplicação de Fungo 2,00 2,27 3º Levantamento: Realizado 1,50 Área Levantada: ha Área Representada: ha 1,00 0,50 0,00 0,29 1º LEV. 2º LEV. 3º LEV. 4º LEV. 21

32 Cigarrinha das Raízes Controle 3,50 Ninfas/metro Área 04 1º Levantamento: Realizado 3,00 3,32 3,22 1º Controle: indiferente 2,50 2º Levantamento: Ninfas/metro > 2,0 2º Controle: Aplicação de Fungo 2,00 2,34 3º Levantamento: Realizado 1,50 Área Levantada: ha Área Representada: ha 1,00 0,50 0,00 0,59 1º LEV. 2º LEV. 3º LEV. 4º LEV. 22

33 Cigarrinha das Raízes Controle 4,50 Ninfas/metro Área 05 1º Levantamento: Realizado 1º Controle: indiferente 2º Levantamento: Ninfas/metro > 2,0 2º Controle: Aplicação de Fungo 3º Levantamento: Ninfas/metro > 2,0 4,00 3,50 3,00 2,50 2,00 3,69 3,99 2,79 3º Controle: Aplicação de Fungo 1,50 4º Levantamento: Realizado 1,00 Área Levantada: ha Área Representada: ha 0,50 0,00 0,66 1º LEV. 2º LEV. 3º LEV. 4º LEV. 23

34 Cigarrinha das Raízes Controle 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% 60,00% 70,00% FAZENDA % PARASITISMO Lagoinha Lagoinha 33,88% Santa Mariana Santa Mariana 13,45% Santa Eugênia Santa Eugênia 10,55% Vargem Rica Vargem Rica 25,27% Colorado Colorado 42,84% Retiro Velho São Carlos Sto. Ant. Aparecida Santa Luiza Morro Alto Flores Mataruna Catingueiro Lajeado Belo Horizonte 2 Santa Emília Morro Alto 37,88% Flores 33,24% Mataruna 46,55% Retiro Velho 16,39% São Carlos 25,45% Sto. Ant. Aparecida 22,66% Catingueiro 37,67% Lajeado 41,54% Belo Horizonte 2 45,85% Santa Emília 60,56% Santa Luiza 12,89% Cruzeiro do Sul 39,80% Cruzeiro do Sul Flores 2 23,34% Flores 2 24

35 Cigarrinha das Raízes Controle Levantamento Ninfas/m Pedra Buriti Ibirá Ipê 0,0-2,0 82,9% 71,5% 85,8% 84,8% 2,1-4,0 11,1% 10,1% 11,7% 2,3% 4,1-6,0 3,4% 5,3% 1,2% 2,4% 6,1-8,0 1,4% 4,0% 1,2% 2,1% 8,1-10,0 0,4% 2,6% 0,1% 2,0% > 10,0 0,9% 6,4% 0,0% 6,3% TOTAL 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 25

36 Cigarrinha das Raízes Controle 26

37 Cigarrinha das Raízes Controle 26

38 Cigarrinha das Raízes Controle 26

39 LEVANTAMENTO E CONTROLE BIOLÓGICO DE BROCA DA CANA (Diatraea saccharalis) 27

40 Broca da Cana - Ciclo 5 a 7 dias 4 a 9 dias CICLO TOTAL: 58 a 90 dias 4 a 5 GERAÇÕES/ANO 9 a 14 dias 40 a 60 dias 28

41 Broca da Cana - Levantamento 50 metros 25m 50m 100 metros 100 metros 50m 25m 25m 50m 50m 25m Ponto Amostral 2 linhas 5 metros 2 ptos/ha 29

42 Broca da Cana - Levantamento 30

43 Broca da Cana - Levantamento 30

44 Broca da Cana - Levantamento 30

45 Broca da Cana - Levantamento 30

46 Broca da Cana - Levantamento 30

47 Broca da Cana - Levantamento 30

48 Broca da Cana Controle Controle Padrão Pedra Agroindustrial S/A Biológico: Cana Planta e Cana Soca (Cotesia flavipes) F. Biológicas/ha Copos*/ha < Não Liberar a a a a a a a *30 massas/copo 31

49 Broca da Cana Controle 32

50 Broca da Cana Controle 32

51 Broca da Cana Controle 33

52 Broca da Cana Controle Histórico das Áreas Amostradas DENSIDADE PRÉ (ha) PRÉ (FB/ha) PÓS (FB/ha) % PARATERÉSIA 0% 4% 9% 18% 16% 13% % COTÉSIA 1% 33% 23% 38% 30% 35% % PARASITISMO 1% 37% 32% 56% 46% 47% PÓS REAL (FB/ha) I.I.% 2,19 3,08 1,56 1,89 1,96 0,46 34

53 Broca da Cana Controle Histórico das Áreas Amostradas PRÉ (ha) % PARASITISMO 60% 50% % % % % % 35

54 Broca da Cana Controle Histórico das Áreas Amostradas PÓS REAL (FB/ha) PRÉ (FB/ha)

55 Broca da Cana Controle Histórico das Áreas Amostradas PRÉ (FB/ha) PÓS REAL % PARASITISMO 56% 60% 50% % 46% 47% 40% % 30% % % 0 1% 0%

56 Broca da Cana Controle Histórico das Áreas Amostradas 38

57 Broca da Cana Controle Aumento da Área de Amostragem de Densidade em Cana Planta e Cana Soca, possibilitou uma melhor visualização do cenário real, Ataque as Áreas Problemáticas da Usina Ibirá, Crescimento Anual do Parasitismo de Broca de Cana, diminuindo o I.I.% da Safra Pós Real, com resultados menores que formas/ha, não necessitando de controle. 39

58 Broca da Cana Controle 40

59 OBRIGADO Diogo Sartori Alarcon 41

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Controle biológico de pragas Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Processo Produtivo Agrícola Tecnologia Plantas Daninhas Manejo físico do solo

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda CURSO: Manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda 16 e 17/10/2012 infobibos.com.br Cenários

Leia mais

PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE

PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisadora - Entomologia Agrícola Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios - APTA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS DA CANA- DE AÇÚCAR NA PRÁTICA Resumo Bruno Pereira Santos 1 ; Profa. Dra. Ana Maria Guidelli Thuler 2 1, 2 Universidade de Uberaba bruno pereira santos 1, bpereiira955@gmail.com

Leia mais

Pragas em cana crua: Monitoramento e controle

Pragas em cana crua: Monitoramento e controle Pragas em cana crua: Monitoramento e controle Eng.Agrº. Luiz Carlos de Almeida Especialista em Tecnologia Agroindustrial Email: almeida@ctc.com.br http://www.ctc.com.br Fone: (19)-34298210 (19)-81973557

Leia mais

PRAGAS AGRÍCOLAS. Engenheiro Agrônomo - Joelmir Silva PIRACICABA SP CULTURA: CANA-DE-AÇÚCAR

PRAGAS AGRÍCOLAS. Engenheiro Agrônomo - Joelmir Silva PIRACICABA SP CULTURA: CANA-DE-AÇÚCAR PRAGAS AGRÍCOLAS Engenheiro Agrônomo - Joelmir Silva PIRACICABA SP CULTURA: CANA-DE-AÇÚCAR 2010 2 Distribuição Espacial das Pragas < Produtividade Parte aérea Broca Formigas Solo Cupins Migdolus Cigarrinha

Leia mais

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq O Brasil é líder na Agricultura Tropical, com uma tecnologia própria Área (ha) 450.000 400.000 350.000 300.000 Área usada Área agricultável

Leia mais

Controle de pragas de solo através da irrigação por gotejamento subterrâneo

Controle de pragas de solo através da irrigação por gotejamento subterrâneo Controle de pragas de solo através da irrigação por gotejamento subterrâneo Eng. Agro. Daniel Pedroso Departamento Agronômico Netafim Brasil Ribeirão Preto, 28 de Setembro de 2012 SOBRE A NETAFIM SOBRE

Leia mais

Gestão do Controle de Pragas no Grupo Raízen. Ribeirão Preto 24/07/2014

Gestão do Controle de Pragas no Grupo Raízen. Ribeirão Preto 24/07/2014 Gestão do Controle de Pragas no Grupo Raízen Ribeirão Preto 24/07/2014 Números da Raízen Monitoramento de Pragas (Safra13/14): V Broca: 265.000 ha Pragas de Solo: 190.000 ha Cigarrinha: 330.000 ha M Q

Leia mais

Plantio de cana-de-açúcar

Plantio de cana-de-açúcar Plantio de cana-de-açúcar Época de plantio 1. Cana de ano e meio - Janeiro a maio; - Tempo de colheita (13 a 20 meses); - Variedades de ciclo precoce, médio e tardio; - Pode ser feito em solos de baixa,

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ATUAÇÃO NO MERCADO... 2 3 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL... 2 POLÍTICA DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE... 2 4 MONITORAMENTO DA FAUNA... 3 4.1 CORREDOR

Leia mais

Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Gestão Ambiental POLÍTICA AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Gestão Ambiental A área de Sistema de Gestão Ambiental da Usinas Itamarati tem iniciativas voltadas para preservar e desenvolver a natureza do entorno onde a empresa está inserida. A Usinas Itamarati assume

Leia mais

Desafios para o controle biológico em cana com ênfase em microrganismos entomopatogênicos. José Eduardo Marcondes de Almeida Pesquisador Científico

Desafios para o controle biológico em cana com ênfase em microrganismos entomopatogênicos. José Eduardo Marcondes de Almeida Pesquisador Científico Desafios para o controle biológico em cana com ênfase em microrganismos entomopatogênicos José Eduardo Marcondes de Almeida Pesquisador Científico CANA-DE-AÇÚCAR A área cultivada com cana-de-açúcar no

Leia mais

Desafios da Pesquisa em Controle Biológico na Agricultura no Estado de São Paulo

Desafios da Pesquisa em Controle Biológico na Agricultura no Estado de São Paulo Desafios da Pesquisa em Controle Biológico na Agricultura no Estado de São Paulo Controle biológico com fungos em cana-de-açúcar Antonio Batista Filho batistaf@biologico.sp.gov.br Desafio Produção de alimentos

Leia mais

Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO

Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO Dirceu Pratissoli 1 1 Departamento de Produção Vegetal,

Leia mais

José Corte CCE DuPont (19) 99441 9877 jose.corte@dupont.com. Fábio Henrique da Silva AT DuPpont (16) 99616 1130 fabiohsilva@hotmail.

José Corte CCE DuPont (19) 99441 9877 jose.corte@dupont.com. Fábio Henrique da Silva AT DuPpont (16) 99616 1130 fabiohsilva@hotmail. José Corte CCE DuPont (19) 99441 9877 jose.corte@dupont.com Fábio Henrique da Silva AT DuPpont (16) 99616 1130 fabiohsilva@hotmail.com TIPOS DE CONTROLE BIOLÓGICO QUÍMICO CONTROLE QUÍMICO Alto índice

Leia mais

Currículo. Mestre em Engenharia de Sistemas Agrícolas - ESALQ/USP 2013. Doutorando em Engenharia de Sistemas Agrícolas ESALQ/USP

Currículo. Mestre em Engenharia de Sistemas Agrícolas - ESALQ/USP 2013. Doutorando em Engenharia de Sistemas Agrícolas ESALQ/USP Gestão Financeira e Custo de Produção de Cana-de-açúcar Taquaritinga/SP Outubro/21 João Henrique Mantellatto Rosa PECEGE/ESALQ/USP jhmrosa@pecege.esalq.usp.br Currículo Formação: Engenheiro Agrônomo ESALQ

Leia mais

Workshop FAPESP Controle Biológico Cana-de-açúcar Enrico De Beni Arrigoni

Workshop FAPESP Controle Biológico Cana-de-açúcar Enrico De Beni Arrigoni Workshop FAPESP Controle Biológico Cana-de-açúcar Enrico De Beni Arrigoni Controle Biológico das pragas da cana SITUAÇÃO PROBLEMAS OPORTUNIDADES NOVOS DESAFIOS Pragas da cana no Brasil Diatraea saccharalis

Leia mais

Florescimento e Isoporização: Pagar Para Ver ou Prevenir?

Florescimento e Isoporização: Pagar Para Ver ou Prevenir? Florescimento e Isoporização: Pagar Para Ver ou Prevenir? Augusto Monteiro Agr. Desenv. Mercado Fisiologia e sua aplicação sobre florescimento e isoporização da cana de açúcar Miguel Angelo Mutton Como

Leia mais

Fungos entomopatogênicos como ferramenta no manejo integrado de pragas da cana-de-açúcar

Fungos entomopatogênicos como ferramenta no manejo integrado de pragas da cana-de-açúcar Fungos entomopatogênicos como ferramenta no manejo integrado de pragas da cana-de-açúcar Instituto Biológico 24/07/2014 José Eduardo Marcondes de Almeida Pesquisador Científico Instituto Biológico - APTA

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Ribeirão Preto/SP, 08/10/2014 PROGRAMA DE ADUBAÇÃO PARA ALTA PRODUTIVIDADE 1. Promover uma melhor exploração do sistema radicular, especialmente

Leia mais

AGRONOMIA. Questão 1 Padrão de resposta esperado:

AGRONOMIA. Questão 1 Padrão de resposta esperado: Questão 1 O Controle Biológico de pragas pode ser vantajoso em relação ao Controle Químico : Protegendo a biodiversidade. Não deixando resíduos nos alimentos, na água, no solo. Sendo específicos. Evitando

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Universidade Federal de Viçosa Departamento de Biologia Animal BAN 160 Entomologia Geral Manejo Integrado de Pragas Prof. Eliseu José G. Pereira eliseu.pereira@ufv.br O que é? Exemplos Organismo Praga

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. 07 de janeiro de 2014 São Paulo/SP

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. 07 de janeiro de 2014 São Paulo/SP Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico 07 de janeiro de 2014 São Paulo/SP 1 1 Missão Congregar as empresas de controle biológico buscando o fortalecimento e a representatividade do setor.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DO SETOR SUCROENERGÉTICO MTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DO SETOR SUCROENERGÉTICO MTA i UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DO SETOR SUCROENERGÉTICO MTA A demanda por Cotesia flavipes para controle da broca-da-cana dada a viabilidade econômica

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO E DO USO DE HERBICIDA NAS PRINCIPAIS PRAGAS DA CANA-DE-AÇUCAR COLHIDA MECANICAMENTE EM MIRASOL D OESTE MT

EFEITO DA ADUBAÇÃO E DO USO DE HERBICIDA NAS PRINCIPAIS PRAGAS DA CANA-DE-AÇUCAR COLHIDA MECANICAMENTE EM MIRASOL D OESTE MT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CÁCERES JANE VANINI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E BIOLÓGICAS - FACAB CURSO DE AGRONOMIA RENAN TOMAZ SALOMÃO EFEITO DA ADUBAÇÃO E DO USO

Leia mais

Quem Somos. Onde Estamos. Perfil

Quem Somos. Onde Estamos. Perfil Perfil Quem Somos O Grupo USJ produz álcool combustível (etanol), açúcares de diversas especificações e energia elétrica, com alta tecnologia e automação em seus processos agrícolas e industriais. Com

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS E DOENÇAS

CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS E DOENÇAS RELATÓRIO DA OFICINA CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS E DOENÇAS Dias 18 e 19 de Outubro Comunidade Palestina Carlinda, MT Instrutor: Prof. Vander de Freitas Rocha Monitores: Antônio Francimar de Souza José

Leia mais

IMPACTO DA COLHEITA SEM DESPALHA A FOGO SOBRE PRAGAS E DOENÇAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR. Enrico De Beni Arrigoni

IMPACTO DA COLHEITA SEM DESPALHA A FOGO SOBRE PRAGAS E DOENÇAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR. Enrico De Beni Arrigoni IMPACTO DA COLHEITA SEM DESPALHA A FOGO SOBRE PRAGAS E DOENÇAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR Enrico De Beni Arrigoni UNESP DRACENA 15/06/2012 1. INTRODUÇÃO CONAB / MAPA, 2008 Ítem Cana-de-açúcar (t) Produtividade

Leia mais

Maurício Razera RTC Cana - Piracicaba

Maurício Razera RTC Cana - Piracicaba Maurício Razera RTC Cana - Piracicaba Épossível possívelreduzir reduzircusto custoe produzir mais? Épossível possívelreduzir reduzircusto custoe produzir mais! Resultadosexperimentais em solo arenoso usando

Leia mais

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 1 Pragas de solo 1.1 - Cupins Importância econômica -se alimentam de celulose e possuem hábitos subterrâneos. Sintomas de danos -Atacam as sementes, destruindo-as

Leia mais

Uma startup criada há 11 anos por estudantes

Uma startup criada há 11 anos por estudantes _ agricultura { Inseto contra inseto Empresa multiplica vespas que atuam no controle biológico e é escolhida uma das 50 mais inovadoras do mundo Yuri Vasconcelos Uma startup criada há 11 anos por estudantes

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS E COMPETITIVIDADE AGRÍCOLA FORNECEDORES E USINAS

ANÁLISE DE CUSTOS E COMPETITIVIDADE AGRÍCOLA FORNECEDORES E USINAS ANÁLISE DE CUSTOS E COMPETITIVIDADE AGRÍCOLA FORNECEDORES E USINAS MATO GROSSO DO SUL VS. MICRORREGIÕES TRADICIONAIS DE SÃO PAULO E ESTADOS DO PARANÁ, MINAS GERAIS E GOIÁS CONFIDENCIAL São Paulo, Brasil

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

OBSERVADOR. Empresa Fornecedores de cana participam de reunião nas unidades da empresa p.05

OBSERVADOR. Empresa Fornecedores de cana participam de reunião nas unidades da empresa p.05 OBSERVADOR ano 44 n 512 junho de 2015 Empresa Fornecedores de cana participam de reunião nas unidades da empresa p.05 Formação Aprendiz Industrial Buriti começa programa com jovens p.02 Suprimentos Uso

Leia mais

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems ABCBio (Associação Brasileira das empresas de Controle Biológico) foi fundada em 2007, com a missão de congregar as empresas de

Leia mais

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Helicoverpa armigera Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Controle Biológico com ênfase a Trichogramma Postura no coleto Posturas nas folhas Trichogramma Manejo Integrado de Pragas com ênfase

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CANA DE AÇÚCAR

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CANA DE AÇÚCAR 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CANA DE AÇÚCAR I - INTRODUÇÃO Atualmente no Brasil a Cana de Açúcar ocupa uma área de aproximadamente 9,0 milhões de hectares, com produção estimada de 671 milhões de toneladas

Leia mais

Alexandre de Sene Pinto

Alexandre de Sene Pinto Alexandre de Sene Pinto transformação Crise dos alimentos Perdas na produção por fatores ambientais Crise dos alimentos Países estão comendo mais: China, Índia e Brasil Áreas agrícolas 450.000 Área (ha)

Leia mais

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha COMPOSIÇÃO: Novalurom 100 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Benzoilureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável (EC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: O RIMON

Leia mais

Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas.

Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas. FLUTUAÇÃO POPULACIONAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO COLORIDO BRS VERDE EM CATALÃO - GO. Nilton Cezar Bellizzi 2,4 ; David Hudson lopes Junior 1,4 ; Roberli Ribeiro Guimarães 3,4 ; Juliana Costa Biscaia 3,4

Leia mais

::observador:: Jornal Obsevador Uma história contada há 40 anos

::observador:: Jornal Obsevador Uma história contada há 40 anos ANO 39 Nº 462 NOV / DEZ DE 2010 ::segurança:: Sipat na Usina Ibirá Palestras e teatro tem foco em prevenção de acidentes e doenças P.3 ::observador:: Jornal Obsevador Uma história contada há 40 anos P.5

Leia mais

da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos

da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos Atuação da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos Rose Monnerat Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Núcleo de Controle Biológico Autores Dra.

Leia mais

Controle Alternativo da Broca do Café

Controle Alternativo da Broca do Café Engº Agrº - Pablo Luis Sanchez Rodrigues Controle Alternativo da Broca do Café Trabalho realizado na região de Ivaiporã, na implantação de unidade experimental de observação que visa o monitoramento e

Leia mais

CTC Centro de Tecnologia Canavieira

CTC Centro de Tecnologia Canavieira Título da Apresentação CTC Centro de Tecnologia Canavieira Autor Divulgação Livre CTC Centro de Tecnologia Canavieira 148 associadas 131 usinas e/ou destilarias 17 assoc. fornecedores de cana 214,5 milhões

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

A feira. O maior evento mundial do setor sucroenergético. 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil

A feira. O maior evento mundial do setor sucroenergético. 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil Resultados Fenasucro 2014 A feira 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil O maior evento mundial do setor sucroenergético O setor sucroenergético do Brasil já

Leia mais

Panorama Atual do Controle biológico de pragas no Brasil

Panorama Atual do Controle biológico de pragas no Brasil Panorama Atual do Controle biológico de pragas no Brasil Eng. Agro. Bruno Marin Arroyo Coordenador de Pesquisa e Desenvolvimento Bug agentes biológicos S/A, Piracicaba, SP Mudanças climáticas 2100 diminuição

Leia mais

CADEIAS PRODUTIVAS DA CANA-DE-AÇÚCAR, DO ALGODÃO E DE FRUTAS

CADEIAS PRODUTIVAS DA CANA-DE-AÇÚCAR, DO ALGODÃO E DE FRUTAS CADEIAS PRODUTIVAS DA CANA-DE-AÇÚCAR, DO ALGODÃO E DE FRUTAS Professor Me. Fabio da Silva Rodrigues Professor Me. Celso Daniel Seratto GRADUAÇÃO AGRONEGÓCIO MARINGÁ-PR 2012 Reitor: Wilson de Matos Silva

Leia mais

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA NOVO PROTOCOLO AMBIENTAL (Única, Orplana e Secretaria do Meio Ambiente) Áreas mecanizáveis Extinção das queimadas

Leia mais

Fundamentos do Controle Biológico

Fundamentos do Controle Biológico Fundamentos do Controle Biológico Fundamentos do Controle Biológico O que é o controle biológico? É a ação de organismos (biocontroladores) que mantém as densidades de outros organismos (organismo alvo)

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

AGRÍCOLA RIO CLARO. Manejo Varietal. Adilson José Rossetto Luiz Carlos Dalben Silvio Luiz Boso Ascana Agnaldo José da Silva Ascana

AGRÍCOLA RIO CLARO. Manejo Varietal. Adilson José Rossetto Luiz Carlos Dalben Silvio Luiz Boso Ascana Agnaldo José da Silva Ascana AGRÍCOLA RIO CLARO Manejo Varietal Adilson José Rossetto Luiz Carlos Dalben Silvio Luiz Boso Ascana Agnaldo José da Silva Ascana Março / 2012 LOCALIZAÇÃO LOCALIZAÇÃO VISTA PARCIAL Distância da Usina Município

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO NA LAVOURA CANAVIEIRA

IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO NA LAVOURA CANAVIEIRA IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO NA LAVOURA CANAVIEIRA PRODUZA MAIS COM MENOS Eng. Agro. Daniel Pedroso Departamento Agronômico Netafim Brasil Vitória ES, 25 de Setembro de 2014 APRESENTANDO - ME Daniel Botelho

Leia mais

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br 8 o Dia do HLB Cordeirópolis/SP 12 de Março 2015 Agronegócio Citrícola Brasileiro Agronegócio Citrícola Brasileiro 2010 PIB: US$ 6,5 bilhões (Ext. 4,39 + Int. 2,15)

Leia mais

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA 2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA Suleiman Hassuani 13º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial - STAB 2012 24 e 25 outubro / 2012 Ribeirão Preto - Taiwan Custo do sistema (5 m 3 /tc) Perda açúcar: 1,6% ATR

Leia mais

Comunicado Técnico 49

Comunicado Técnico 49 Comunicado Técnico 49 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Pragas da Fase Vegetativa e Reprodutiva Ivan Cruz 1 Paulo Afonso Viana José Magid Waquil Os danos causados pelas pragas

Leia mais

Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical?

Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical? Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical? O Brasil possui uma superfície de 470 milhões de ha de florestas nativas. Fonte: FAO 2005 Apenas 45% da cobertura florestal nativa é considerada

Leia mais

Manual e Especificação Técnica

Manual e Especificação Técnica Telhados verdes e jardins elevados Manual e Especificação Técnica Sistema Telhado Verde SkyGarden Paisagismo O sistema de telhado verde da SkyGarden é o resultado de décadas de pesquisas no Japão, em um

Leia mais

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas Unidade Portugal Ribeirão Preto, de de 2011. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE Eixo temático - Natureza amiga Disciplina/Valor Português 3,0 Matemática 3,0 Hist/Geo 3,0 Ciências

Leia mais

AVALIAÇÃO E PROJEÇÃO DO IMPACTO ECONÔMICO DO CONTROLE BIOLÓGICO DA CIGARRINHA DA RAIZ NA CANA-DE-AÇÚCAR (2000-2005) Autoria: Thomaz Fronzaglia

AVALIAÇÃO E PROJEÇÃO DO IMPACTO ECONÔMICO DO CONTROLE BIOLÓGICO DA CIGARRINHA DA RAIZ NA CANA-DE-AÇÚCAR (2000-2005) Autoria: Thomaz Fronzaglia AVALIAÇÃO E PROJEÇÃO DO IMPACTO ECONÔMICO DO CONTROLE BIOLÓGICO DA CIGARRINHA DA RAIZ NA CANA-DE-AÇÚCAR (2000-2005) Autoria: Thomaz Fronzaglia RESUMO Avalia-se o impacto econômico do controle biológico

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1. Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira

GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1. Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1 Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira PREDADOR Conceito Vida livre durante todo o ciclo de vida Maior Indivíduo mata e consome um grande número de presas

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL

Leia mais

Situação atual e perspectivas para a retomada do crescimento

Situação atual e perspectivas para a retomada do crescimento Setor de cana-de-açúcar no Brasil: Setor de cana-de-açúcar no Brasil: Situação atual e perspectivas para a retomada do crescimento Luiz Carlos Corrêa Carvalho Canaplan X Seminário Guarani, safra 12/13

Leia mais

V Encontro de Iniciação Científica Pesquisa como princípio e como fim

V Encontro de Iniciação Científica Pesquisa como princípio e como fim 11 ÀREA DE CONHECIMENTO 2 - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 12 EFEITO DA AUTO-HEMOTERAPIA NO TRATAMENTO DE CÃES PORTADORES DE PATOLOGIAS PERSISTENTES APÓS TERAPÊUTICA CONVENCIONAL Orientador: Prof. Dr. Wanderley Carvalho

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 02/2014 Dezembro, 2014 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA DA SAFRA A área destinada à produção de cana-deaçúcar na safra 2014/15 apresentou

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL ISBN 978-85-609-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 0 de outubro de 009 EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL Ricardo Gava ;

Leia mais

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Wilson Reis Filho 1 Mariane Aparecida Nickele 2 Entre os 15 gêneros existentes

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA Eles ocorrem em todas as regiões do Brasil e são divididos em rei, rainha, soldados e operários, cada um com um trabalho a fazer. São insetos sociais, operários

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas Giovani Theisen Soja em terras baixas» Manejo do solo e rotação» Implantação da cultura» Fixação biológica de nitrogênio» Manejo de pragas Soja requer

Leia mais

UNIVERSIDADE DE FRANCA - UNIFRAN CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE DE FRANCA - UNIFRAN CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE DE FRANCA - UNIFRAN CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Efeito dos fungos entomopatogênicos Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok. e Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. sobre ovos e lagartas de primeiro

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

Classificação de Grãos MT

Classificação de Grãos MT Classificação de Grãos MT Alex Utida Aprosoja MT Agosto, 2014 Documento Interno e de Uso Exclusivo da Aprosoja-MT Classificação de Grãos A entidade, consciente da importância que a produção de grãos tem

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 2ª fase - específicas www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 2ª fase - específicas www.planetabio.com 1- O quadro abaixo mostra diferenças que ocorrem no reino animal quanto ao plano corporal e aos sistemas digestório, circulatório e nervoso: Os anelídeos, por exemplo, apresentam as características A3,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes PRAGAS DO ALGODOEIRO Germano Leão Demolin Leite Vinicius Matheus Cerqueira Bom dia pessoal! Hoje vamos falar

Leia mais

Faculdades Integradas Fafibe. Curso de Ciências Biológicas

Faculdades Integradas Fafibe. Curso de Ciências Biológicas 9 Faculdades Integradas Fafibe Curso de Ciências Biológicas ANÁLISE DO CONTROLE QUÍMICO E BIOLÓGICO DA CIGARRINHA DA RAIZ Mahanarva fimbriolata (Stål) (Hemiptera: Cercopidae) EM CANA-DE-AÇUCAR Saccharum

Leia mais

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE BIOSSEGURANÇA Regulamentação de cana-de-açúcar GM: oportunidade e desafios Jesus Aparecido Ferro Departamento de Tecnologia da FCAV-UNESP de Jaboticabal Co-fundador da Alellyx

Leia mais

Relatório de Atividades Visita Técnica (Pré Campo)

Relatório de Atividades Visita Técnica (Pré Campo) PROJETO DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PIRAÍ À MONTANTE DE TÓCOS, NA REGIÃO HIDROGRÁFICA II GUANDU Outubro de 2011 ÍNDICE 1 Introdução... 5 2 Objetivo da visita técnica... 6 2.1 Objetivo

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 28 Predação e Resposta funcional

Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 28 Predação e Resposta funcional Roteiro de Aula Prática 3º ano Prática 28 Predação e Resposta funcional Pergunta: Qual a importância das relações ecológicas? São as formas de interação entre os diferentes organismos de um ecossistema.

Leia mais

Quem somos. A maior franquia de jardinagem do Brasil! Nosso foco é tratamento e nutrição de plantas e gramados;

Quem somos. A maior franquia de jardinagem do Brasil! Nosso foco é tratamento e nutrição de plantas e gramados; Conheça a maior franquia de jardinagem do Brasil! Sobre nós A Ecojardim partiu do sonho de um jovem técnico agrícola que tinha em suas mãos mais de 15 anos de experiência nos mercados de agricultura e

Leia mais

SUSTENTABILIDADE Pesquisas e manejo no campo se voltam para práticas mais naturais, econômicas e sem desperdício

SUSTENTABILIDADE Pesquisas e manejo no campo se voltam para práticas mais naturais, econômicas e sem desperdício ANO VII I Nº 29 I ABRIL DE 2015 I WWW.FUNDECITRUS.COM.BR APOSTA NA SUSTENTABILIDADE Pesquisas e manejo no campo se voltam para práticas mais naturais, econômicas e sem desperdício REVISTA CITRICULTOR 1

Leia mais

ETAPAS DA CONSERVAÇÃO EX SITU DOS RECURSOS FITOGENÉTICOS.

ETAPAS DA CONSERVAÇÃO EX SITU DOS RECURSOS FITOGENÉTICOS. ETAPAS DA CONSERVAÇÃO EX SITU DOS RECURSOS FITOGENÉTICOS. 1. Introdução As etapas da conservação do germoplasma são as seguintes: 1) Aquisição do germoplasma; 2) Multiplicação prévia e armazenamento; 3)

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA. Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA. Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho Introdução de Pragas Florestais no Brasil Globalização Turismo Internacional Fronteiras

Leia mais