Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil"

Transcrição

1 Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Pesquisa 013

2 A caminho da maturidade A Governança Corporativa é um tema que está cada vez mais presente nas empresas que pretendem melhorar a sua gestão e se destacar nos mercados em que atuam. Essa é uma realidade para organizações dos mais diferentes portes e áreas de atuação, e não apenas para aquelas que já abriram ou planejam abrir capital. A geração de um ambiente financeiro vigoroso no Brasil passa pelo reconhecimento da importância da Governança Corporativa. Cada vez mais, as empresas são demandadas a adotar uma percepção estratégica de aspectos como gestão de riscos, gestão do desempenho e implementação de processos e sistemas de governança. No Brasil, a governança é um processo ainda em estruturação, que está sendo acompanhado de perto pela imprensa e pelo mercado. O nível de tolerância a erros é cada vez menor. Reconhecendo a importância desse tema, a Deloitte apresenta a pesquisa Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil, que retrata as percepções de conselheiros e executivos sobre as práticas de Governança Corporativa de 76 empresas que atuam no Brasil e identifica os principais elementos que compõem essa frente de preocupação nas organizações. A pesquisa indica que as empresas participantes se mostram cada vez mais conscientes da importância da criação de uma estrutura de governança, mas encontram entraves na aplicação prática desse conceito. A Deloitte espera que esta análise ajude a sua organização a identificar seus pontos fortes e possíveis áreas de aprimoramento, contribuindo para o fortalecimento de suas práticas de gestão. A geração de um ambiente financeiro vigoroso no Brasil passa pelo reconhecimento da importância da Governança Corporativa. Sumário Investimento na qualidade de gestão... 3 Amostra da pesquisa... 4 Percepções sobre a Governança Corporativa... 6 As oito dimensões da Governança Corporativa... 8 Governança em números...10 Diagnóstico do modelo de Governança Corporativa...14

3 Investimento na qualidade de gestão A implementação e o desenvolvimento de uma estrutura de Governança Corporativa é um processo contínuo, que, na maioria das vezes, demanda uma grande mudança na organização. Nos últimos anos, uma série de regulamentações foram criadas para apoiar a maior transparência nos negócios ao redor do mundo, com destaque para leis anticorrupção inclusive no Brasil. É preciso que os distintos componentes da governança sejam entendidos e incorporados por todos na cultura organizacional, respondendo às particularidades de cada empresa. Comunicação, liderança e transparência são elementos fundamentais para garantir uma mudança profunda e positiva na cultura das empresas no sentido da adoção das melhores práticas de governança. Para que as ações em governança sejam tomadas a fim de prever e mitigar riscos e não apenas como uma resposta a situações de crise, essa estrutura deve possuir uma abordagem preventiva. O mercado responde positivamente a esse tipo de investimento. Um exemplo desse impacto pode ser observado pela ascensão das companhias listadas na BM&FBovespa que apresentam as melhores práticas de Governança Corporativa. Esse grupo, representado pelo índice IGC, obteve, ao longo da última década, uma evolução significativamente superior à registrada pelo Ibovespa (veja gráfico abaixo). Esse resultado reflete que o investidor está disposto a pagar um prêmio maior por aquelas companhias que demonstram práticas reconhecidas de Governança Corporativa, que por sua vez ganha cada vez mais uma abordagem estratégica. As empresas, os investidores, o mercado e a sociedade só têm a ganhar com o aprimoramento dos mecanismos de governança nas organizações. O impacto positivo da governança Empresas com boas práticas de governança, representadas pelo índice IGC, são mais atraentes a investidores e garantem maior retorno aos acionistas. Evolução relativa do Ibovespa, IBrX, IBrX50 e IGC* IGC IBrX IBrX50 Ibovespa Jun 001 Dez 00 Dez 004 Dez 006 Dez 007 Jan 010 Mar 010 Mai 010 Jul 010 Set 010 Nov 010 Jan 011 Mar 011 Mai 011 Jul 011 Set 011 Nov 011 Jan 01 Mar 01 Mai 01 Jul 01 Set 01 Nov 01 Jan 013 Mar 013 Mai 013 Jul 013 Ago 013 * Base 100 em junho de 001 Fonte: Research Deloitte (a partir de dados disponíveis no site da BM&FBovespa) Transparência em movimento 3

4 Amostra da pesquisa Perfil dos respondentes A pesquisa foi realizada, por meio da aplicação de questionários eletrônicos, no mês de agosto de 013. Participaram do estudo 76 empresas. Veja abaixo o perfil das organizações contempladas no estudo. Origem de capital (em %) Controle (em %) Nacional Estrangeiro 79 Familiar Subsidiária de grupo empresarial Capital pulverizado Investidor institucional (fundos de investimento) Setores de atuação (em %) Faturamento anual (em %) 5 Número de funcionários na operação brasileira (em %) Prestação de serviços Atividades financeiras Alimentos Tecnologia Veículos e autopeças Químico Saúde Atacado Bebidas Farmacêutico Papel e celulose Construção Eletroeletrônicos Perfumaria, cosméticos e higiene pessoal Telecomunicação Varejo Outros* Até R$ 500 milhões De R$ 500 milhões a R$ 1 bilhão Mais de R$ 1 bilhão 1 a a a a Mais de * Açúcar e álcool, Metalurgia, Mineração, Energia e Agronegócio

5 Estrutura dos Conselhos de Administração Entre as empresas entrevistadas, 63% contam com Conselho de Administração. Em média, o conselho é formado por cinco membros. Há, também em média, duas mulheres em cada Conselho de Administração. Em apenas um quarto dos casos, o presidente executivo é também presidente do Conselho de Administração, o que revela uma preocupação das empresas com a independência dessa instância em relação ao executivo da organização. O Novo Mercado, grupo de companhias listadas na BM&FBovespa que adotam as mais avançadas medidas de governança, prevê a separação entre os cargos de presidente executivo e presidente do Conselho de Administração. Muitas dessas empresas, contudo, ainda estão em fase de adequação a esta norma, que representa uma nova exigência do segmento de listagem e visa aprimorar o modelo de gestão das empresas ao descentralizar decisões. Número de membros do Conselho de Administração (em %) 6 18 Há membros independentes no conselho? (em %) Menos de 3 Entre 3 e 5 Entre 6 e 10 Mais de 10 Sim Não O presidente executivo é presidente do conselho? (em %) Há mulheres no conselho? (em %) Sim Não Sim Não Transparência em movimento 5

6 Percepções sobre a Governança Corporativa Os respondentes da pesquisa demonstraram ter uma visão distinta sobre o que consideram importante e o que consideram efetivo em termos de Governança Corporativa. Grande parte dos entrevistados destacou como alta a importância de uma boa estrutura de governança. Porém, os desafios práticos para a implementação dessa estrutura se traduzem na percepção de que mais da metade das empresas avaliam como médio o grau de efetividade do seu framework de Governança Corporativa (veja quadro na página ao lado). Esse resultado indica que, embora entendam a importância da estrutura de governança, as empresas ainda têm um caminho a trilhar na aplicação dos conceitos envolvidos. É fundamental estabelecer mecanismos de comunicação com os diferentes públicos de interesse da organização, bem como compreender o seu impacto sobre as diferentes instâncias de decisão e ação (veja os mais importantes grupos de interesse no quadro à esquerda). Esse tem sido um dos principais desafios colocados às organizações no que diz respeito à governança (veja no quadro abaixo à direita os os temas mais relevantes). As motivações mais indicadas pelas empresas para a estruturação de sua governança são mais internas, no sentido da busca pela melhoria da sua qualidade de gestão, do que externas como pressões regulatórias e adequação à abertura de capital. Um resultado que mostra que a governança é vista como benéfica para a própria empresa, e não apenas uma resposta às regulamentações obrigatórias do mercado. Estrutura de governança e públicos de interesse Grupos de interesse Analistas financeiros Clientes Fornecedores Meios de comunicação Competidores Governo Meio ambiente Reguladores Auditorias independentes (interna e externa) Conselho de Administração Sustentabilidade Modelo de estrutura Agências de rating Investidores Conselho Fiscal Gestão de Riscos e Controles Internos Comitê de Auditoria Bancos Os principais desafios da governança 1. Economia Globalizada Turbulências geradas por fatores externos.. Gestão Integrada de Riscos Correto balanceamento do apetite e da tolerância a riscos da empresa. 3. Estratégia, Crescimento e Performance O quão ágil é a estratégia da empresa? 4. Gestão Operacional Um papel da gestão operacional. 5. Mercado de Capitais e Gestão da Liquidez Eficiência na gestão do caixa. 6. Fusões e Aquisições Todas as empresas estão no jogo. 7. Estrutura Organizacional Global, flexível e conectada. 8. Gestão de Talentos Criação de uma estratégia de retenção e reconhecimento do desempenho. 9. Sustentabilidade e Responsabilidade Social Componente vital na estratégia organizacional. 10. Regulações e Conformidade Um olhar para a próxima onda de regulamentações. 11. Transparência na Governança Corporativa Reporte da realidade. 1. Monitoramento As demandas e expectativas são crescentes. 6

7 Os desafios da governança na prática A governança é vista como importante para uma parcela significativa das empresas (68% da amostra). No entanto, pouco mais da metade (53%) considera médio o grau de efetividade do framework de governança adotado pela organização. O levantamento das medidas que as empresas já tomam e pretendem tomar (apresentadas com detalhes nas próximas páginas e pontuadas na tabela abaixo) confirma que o grau de efetividade ainda é visto como baixo em alguns aspectos. Nível de importância de uma boa estrutura de Governança Corporativa Grau de efetividade do framework de Governança Corporativa Alto 68% 5% Médio 9% 53% Baixo 3% % Medidas que as empresas consideram mais importantes, e que pretendem adotar nos próximos anos. Aspectos da importância da governança Capilaridade de conselhos e comitês Plano de investimento a longo prazo Sistemas de informação e comunicação Gestão de riscos Comunicação externa Compliance Avaliação do desempenho de conselhos e comitês Medidas que as empresas já adotam indicam onde a governança está aplicada de forma mais efetiva. Aspectos da efetividade da governança Plano ontológico Tomada de decisões e delegação de autoridade Comunicação interna Controladoria Auditoria independente Controles internos Definição de metas para conselheiros e executivos O que motiva ou motivou a sua organização para a estruturação do framework de Governança Corporativa? (em %) Aumento da transparência e qualidade das informações Profissionalização da gestão Garantir a adequada sucessão dos empreendedores Diferencial competitivo 1 1 Pressões regulatórias Internacionalização Redução do custo de captação Abertura de capital Respostas múltiplas Transparência em movimento 7

8 As oito dimensões da Governança Corporativa Os aspectos que permitem uma visão integrada da evolução do tema dentro da estrutura organizacional. 1. Diretrizes estratégicas. Estrutura e organização Plano ontológico missão, visão e valores Código de ética e conduta Regimentos internos Políticas corporativas destinação dos resultados e dividendos Acordo de acionistas Estatuto social Conselho e seus comitês Função de relação com os investidores 5. Gestão de riscos 6. Comunicação e informação Protocolo de gestão de riscos Papéis e responsabilidades Mapa de riscos e principais indicadores Estratégia de resposta e planos de mitigação Elaboração do formulário de referência Divulgação tempestiva de fatos relevantes Informação financeira e eventos corporativos Relatórios anuais 8

9 3. Plano de negócios 4. Processos e sistemas Desenvolvimento e acompanhamento da estratégia Projeção dos resultados Responsabilidade Social Corporativa (RSC) e sustentabilidade Modelo de tomada de decisões e delegação de autoridade Processos, riscos e controles internos Governança da tecnologia da informação Segurança e integridade da informação Processo de planejamento e análise financeira 7. Supervisão e controle 8. Gestão do desempenho Conselho Fiscal e Comitê de Auditoria Auditoria interna e externa Transações com partes relacionadas Programa de aderência a normas e regulamentações Mandato, competências, nomeação e retribuição dos conselheiros e executivos-chave Ferramentas de avaliação Planos de desenvolvimento Planos de sucessão A pesquisa realizada pela Deloitte traz um retrato do estágio das empresas participantes nos diversos aspectos de cada uma das oito dimensões da Governança Corporativa. Conheça os resultados nas páginas a seguir. Transparência em movimento 9

10 Governança em números 1. Diretrizes estratégicas As empresas participantes possuem maior aderência a práticas de governança em suas estruturas fundamentais. É em seu plano ontológico (definição de seus valores, missão e visão) e no estabelecimento de protocolos que as empresas mais investem em práticas de governança. As ações de caráter preventivo e os investimentos no monitoramento de questões éticas, fundamentais para a estratégia corporativa e para que a empresa possa se preparar para eventuais crises, são os que precisam ser mais bem desenvolvidos pelas organizações. Missão, visão e valores Código de ética e conduta Diretrizes para a destinação de resultados e dividendos Políticas corporativas documentadas Manual de políticas contábeis Política anticorrupção / antifraude Canal de denúncias Diretrizes para a aplicação de ações disciplinares O estágio das diretrizes estratégicas das organizações (em %) Existe em minha organização Pretendo adotar nos próximos dois anos Não pretendo adotar. Estrutura e organização Entre os principais desafios a serem endereçados, ainda há espaços para a melhor clarificação e desempenho dos órgãos de supervisão conselhos e comitês. Em geral, as empresas adotam as medidas em termos de formação dos principais conselhos e comitês, porém a capilaridade dessas instâncias ainda é pequena. Os comitês de auditoria estatutários são adotados por um número pequeno de empresas por conta de seu custo elevado, sendo muitas vezes substituídos pelo Conselho Fiscal turbinado. Conselho de Administração Política de contratação de familiares Acordo de acionistas Comitê de Pessoas / Remuneração Comitê de Ética / Conflitos de interesses Comitê de Riscos / Compliance Como as instâncias de governança estão estruturadas e organizadas (em %) Um espaço que apresenta grande oportunidade de aprimoramento é o estabelecimento de comitê de crises, necessário em diversos setores. Função de relação com investidores Conselho Fiscal Conselho Consultivo Comitê de Auditoria estatutário Comitê de Auditoria não estatutário Comitê de Crises Existe em minha organização Pretendo adotar nos próximos dois anos Não pretendo adotar 10

11 3. Plano de negócios Quando se trata do planejamento, mais uma vez se observa uma lacuna entre a implementação e a efetividade das medidas de governança. Uma parte substancial das organizações entrevistadas possui políticas e estratégias implementadas, porém, quase metade dos participantes declarou não ter um plano de investimentos de longo prazo. As oportunidades para aumento da efetividade do framework de governança estão no grande interesse que as empresas demonstram por adotar, em um futuro próximo, essas medidas. O impacto da governança nos planos de negócios (em %) Política de tomada de decisões e delegação de autoridade Estratégia de responsabilidade social corporativa e sustentabilidade Processo formal e periódico para o desenvolvimento e acompanhamento da estratégia de negócio Política de investimentos 69 9 Plano de investimentos de longo prazo (3 a 5 anos) 5 48 Ferramentas de Balanced ScoreCard Existe em minha organização Pretendo adotar nos próximos dois anos Não pretendo adotar Processos e sistemas Recursos que envolvem tecnologia da informação para a gestão de processos ainda são pouco adotados pelas organizações, principalmente porque oferecem um custo de caráter preventivo. Isso quer dizer que o seu retorno não é obtido de forma direta, mas sim indiretamente por conta da segurança e da eficiência que promovem. Monitorar e controlar internamente esses processos é fundamental para minimizar a exposição das empresas aos riscos. O grande interesse das organizações em adotar sistemas de controles internos se dá em virtude do ambiente regulatório atual e de mudanças previstas para ele no futuro. Plano de continuidade dos negócios Sistemas de controles internos processos, riscos e controles mapeados Política de segurança e integridade da informação Cadeia de valor e mapa de processos documentados Plano diretor de tecnologia da informação Governança da tecnologia da informação A aderência a sistemas e processos de controles (em %) Existe em minha organização Pretendo adotar nos próximos dois anos Não pretendo adotar 3 Transparência em movimento 11

12 5. Gestão de riscos Este é o aspecto que mais apresenta desafios às empresas, pois grande parte delas ainda não estruturou a sua prática de identificação, mitigação e prevenção de riscos. Os altos índices de intenção em adotar estas medidas nos próximos anos demonstram que há um entendimento sobre a importância do papel da gestão de riscos, bem como uma demanda por incorporar esse modelo nos processos de tomada de decisão. Papéis e responsabilidades definidos Apólice de seguro sobre a responsabilidade civil dos administradores Política / protocolo de gestão de riscos Indicadores de risco (key risk indicators KRIs) Mapa de riscos A adoção de medidas de gestão de riscos corporativos (em %) Estratégia de resposta ao risco e planos de mitigação Existe em minha organização Pretendo adotar nos próximos dois anos Não pretendo adotar 6. Comunicação e informação Os respondentes indicam que os processos de comunicação e informação com o público interno estão mais maduros do que os com o público externo. O contato com os investidores e o mercado em geral pode ser aprimorado por meio de uma estratégia que contemple a diversidade de canais de comunicação disponíveis. As empresas se demonstram atentas às novas mídias: as redes sociais surgem como uma ferramenta fundamental para a gestão da reputação corporativa. Calendário de preparação e divulgação da informação financeira Política de comunicação interna Mídias sociais Calendário anual de eventos corporativos Política de divulgação tempestiva de informações relevantes (fatos relevantes) Relatório de sustentabilidade Política de comunicação externa Os caminhos para a disseminação da informação (em %) A possível obrigatoriedade da produção de relatórios de sustentabilidade para as instituições financeiras (prevista pelo Edital 41/01, publicado pelo Banco Central) explica o grande interesse das organizações em adotar essa prática nos próximos anos. Ferramentas de comunicação com o público externo como site corporativo para acionistas e investidores, e formulário de referência são obrigatórias para as empresas de capital aberto. Os números indicam que essas ferramentas são pouco adotadas por organizações que não têm essa obrigatoriedade. Site corporativo para acionistas e investidores Processo para a elaboração / atualização do formulário de referência Treinamento sobre insider information e insider trading Programa anual de road shows Existe em minha organização Pretendo adotar nos próximos dois anos Não pretendo adotar 1

13 7. Supervisão e controle Os principais mecanismos de supervisão e controle são disseminados entre as organizações levantadas pelo estudo controladoria, auditoria externa, função de controles internos e sistema de controles internos. Em resposta à recente aprovação da lei anticorrupção brasileira, grande parte das empresas pretende adotar uma função específica e um programa estruturado de compliance no curto e médio prazos. No entanto, a função de auditoria interna ainda não conta com uma representatividade à altura de sua importância. Controladoria Auditoria independente Sistema de controles internos sobre a informação financeira Função de controles internos Função de auditoria interna Política de transações com partes relacionadas A adoção de mecanismos de supervisão e controle (em %) Uma visão estratégica de governança prevê mecanismos internos que definam e acompanhem a produção e a divulgação de informações financeiras. Função de compliance Programa de compliance Existe em minha organização Pretendo adotar nos próximos dois anos Não pretendo adotar 11 8 Os meios de definição e gestão do desempenho (em %) 8. Gestão do desempenho As empresas participantes da pesquisa têm definidos as metas e os objetivos para a performance de conselheiros e executivos. No entanto, ainda encontram dificuldade para realizar a avaliação dessas metas e do impacto desse desempenho nos negócios. A sucessão se coloca como uma questão ainda pouco estruturada, mas com uma forte tendência de se tornar um tema importante nos próximos anos. Esse indicador reflete a preocupação com a manutenção dos valores e do modelo de negócios das empresas, assim como sua visão de futuro. Acordos de metas para os executivos Política de nomeação e remuneração dos conselheiros e/ou executivos Modelo de competências dos executivos Ferramentas de avaliação dos conselheiros e/ou altos executivos Planos de desenvolvimento contínuo para os conselheiros e executivos Planos de sucessão Existe em minha organização Pretendo adotar nos próximos dois anos Não pretendo adotar Transparência em movimento 13

14 Diagnóstico do modelo de Governança Corporativa A Governança Corporativa tem se desenvolvido no Brasil, de forma a atender a pressão dos investidores, tanto locais quanto internacionais, e reforçando a estrutura de negócios, o relacionamento com stakeholders e a transparência das empresas. Esse esforço tem requerido grande comprometimento das organizações, representadas por seus executivos e membros de conselho, e também de seus colaboradores, responsáveis pela implementação das estratégias de governança. A pesquisa Transparência em movimento - O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil, realizada pela Deloitte, demonstra que tal esforço tem se revertido em benefícios para as empresas, independente do estágio de maturidade de sua governança. Além disso, confirma que o tema da Governança Corporativa é um caminho sem volta, evolutivo, e em constante melhoria. Um grande número de recomendações, códigos e princípios sobre Governança Corporativa surgiu nos últimos anos. Para ir além do atendimento às exigências de órgãos reguladores nacionais e internacionais, a implementação de boas práticas de Governança Corporativa destaca-se como um sistema integral para a geração de segurança e valor aos acionistas. Incorporar as boas práticas e recomendações sobre governança à cultura empresarial e dinâmica de negócios sem descuidar da gestão estratégica é, sem dúvida, um dos principais desafios atualmente impostos às organizações. A boa Governança Corporativa implica o desenvolvimento de um sistema que articule de forma eficiente e eficaz as relações entre acionistas, Conselho de Administração e gestão. O modo mais eficaz para avaliar um modelo de Governança Corporativa é a observação do incremento de valor e rentabilidade para o acionista no longo prazo, sem esquecer os aspectos que modelam o relacionamento da organização com suas partes interessadas empregados, clientes, fornecedores, comunidade e meio ambiente. Framework de governança corporativa O primeiro passo para o sucesso na implementação de um framework de Governança Corporativa é a realização de um diagnóstico do modelo atual, que vai direcionar os caminhos e os desafios para o desenvolvimento de um plano customizado que responda às particularidades de cada organização. Conselhos de administração, comitês de assessoramento e a alta direção das empresas devem estar alinhados quanto aos principais aspectos relativos à governança, tais como gestão de riscos, desenvolvimento sustentável, tomada de decisão e delegação de autoridade. O diagnóstico contribui para uma visão holística do cenário e da evolução da Governança Corporativa dentro da estrutura organizacional, apoiando as empresas em seus processos de reflexão estratégica e de estruturação e revisão dos componentes da governança. A partir dessa análise detalhada, são identificadas as recomendações que elevarão o modelo de Governança Corporativa às melhores práticas da atualidade, respeitando as necessidades e as possibilidades de cada organização. A boa Governança Corporativa implica o desenvolvimento de um sistema que articule de forma eficiente e eficaz as relações entre acionistas, Conselho de Administração e gestão. 14 Centro de Governança Corporativa da Deloitte Camila Gualda Araújo Sócia-líder do Centro de Governança Corporativa (11)

15 Coordenação da pesquisa: Centro de Governança Corporativa e Departamento de Research da Deloitte Produção do relatório: Departamento de Strategy, Brand & Marketing da Deloitte Arte: Mare Magnum O conteúdo deste relatório e todos os resultados e análises relacionados à pesquisa Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil foram produzidos pela Deloitte. A reprodução de qualquer informação inserida neste relatório requer autorização expressa da Deloitte, com o compromisso de citação da fonte. Para mais informações, contate a Deloitte pelo ou pelo telefone (11)

16 Deloitte refere-se à sociedade limitada estabelecida no Reino Unido Deloitte Touche Tohmatsu Limited e sua rede de firmas-membros, cada qual constituindo uma pessoa jurídica independente. Acesse para uma descrição detalhada da estrutura jurídica da Deloitte Touche Tohmatsu Limited e de suas firmas-membros. 013 Deloitte Touche Tohmatsu Limited. Todos os direitos reservados.

A caminho da transparência A evolução dos pilares da governança corporativa. Pesquisa 2015

A caminho da transparência A evolução dos pilares da governança corporativa. Pesquisa 2015 A caminho da transparência A evolução dos pilares da governança corporativa Pesquisa Governança corporativa: um esforço contínuo para a transformação Nenhuma grande transformação ocorre de uma hora para

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Governança Corporativa O ponto de equilíbrio entre as necessidades da sua empresa e as melhores práticas do mercado. 2012 Deloitte Touche Tohmatsu

Governança Corporativa O ponto de equilíbrio entre as necessidades da sua empresa e as melhores práticas do mercado. 2012 Deloitte Touche Tohmatsu Governança Corporativa O ponto de equilíbrio entre as necessidades da sua empresa e as melhores práticas do mercado 2012 Deloitte Touche Tohmatsu Abertura e boas vindas Principais objetivos do encontro

Leia mais

A Importância do Compliance para a Garantia da Ética e da Governança Corporativa Seminário de Controles Internos e Compliance

A Importância do Compliance para a Garantia da Ética e da Governança Corporativa Seminário de Controles Internos e Compliance A Importância do Compliance para a Garantia da Ética e da Governança Corporativa Seminário de Controles Internos e Compliance 7º CONSEGURO Setembro de 2015 Índice Planejamento para o Evento Painel de Notícias

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

Canal de Denúncia Fortaleça as bases da governança corporativa por meio da transparência

Canal de Denúncia Fortaleça as bases da governança corporativa por meio da transparência Canal de Denúncia Fortaleça as bases da governança corporativa por meio da transparência Desafios para os próximos anos Eventos de fraudes, irregularidades, comportamento antiético e má conduta corporativa

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

O Papel do RI na Criação e Preservação de Valor. Seminário / Workshop Novembro de 2015

O Papel do RI na Criação e Preservação de Valor. Seminário / Workshop Novembro de 2015 O Papel do RI na Criação e Preservação de Valor Seminário / Workshop Novembro de 2015 PROGRAMA Abertura e boas vindas 9:00 Painel 1: Introdução ao conceitos de value 9:10 Coffee Break 10:30 Painel 2: As

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações. Pesquisa 2015

Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações. Pesquisa 2015 Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações Pesquisa 2015 O agente do crescimento sustentável A Deloitte e a Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade (ABRAPS) apresentam

Leia mais

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Criação de valor em uma nova era de engajamento

Criação de valor em uma nova era de engajamento Governança Corporativa e Relações com Investidores Criação de valor em uma nova era de engajamento Pesquisa 015 O papel do RI na governança das empresas É com grande satisfação que a Deloitte e o Instituto

Leia mais

Termômetro tributário 2015 Tendências e desafios do profissional de impostos no Brasil

Termômetro tributário 2015 Tendências e desafios do profissional de impostos no Brasil Termômetro tributário 01 Tendências e desafios do profissional de impostos no Brasil Gestor tributário: aspirações e tendências Esta é mais uma edição do estudo da Deloitte sobre a área tributária no Brasil,

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? 10 REVISTA RI Abril 2014 Dois meses após a entrada em vigor da Lei de Combate à Corrupção (no 12.846), pesquisas de mercado

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros.

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros. Índice 1. Objetivo... 1 2. Escopo e Partes Afetadas... 1 3. Definições... 1 4. Princípios... 1 5. Objetivos, metas e programas... 2 6. Papéis e Responsabilidades... 5 7. Regulamentação Aplicável... 6 1.

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Evolução e perspectivas da governança corporativa no Brasil

Evolução e perspectivas da governança corporativa no Brasil Evolução e perspectivas da governança corporativa no Brasil José Écio Pereira da Costa Júnior Membro dos Comitês de Auditoria da Gafisa e Votorantim Dezembro de 2014 Tendências e Perspectivas Motivadores

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale Comparação das práticas de governança corporativa adotadas pela VALE com aquelas adotadas pelas companhias norte-americanas em cumprimento às exigências da Bolsa de Valores de Nova Iorque De acordo com

Leia mais

Indicadores Gestão da Ética

Indicadores Gestão da Ética Indicadores Gestão da Ética Identificação Segmento: Diversos Resultados Sua Pontuação: 0 Sua Avaliação: INICIANTE Descrição: A empresa utiliza muito pouco ou praticamente nenhuma ferramenta de gestão de

Leia mais

Guia prático para os Comitês de Auditoria das empresas brasileiras Da visão à operação

Guia prático para os Comitês de Auditoria das empresas brasileiras Da visão à operação Guia prático para os Comitês de Auditoria das empresas brasileiras Da visão à operação Desenvolvido pelo Centro de Governança Corporativa da Deloitte Conteúdo A importância da governança e o papel do Comitê

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E DESAFIOS Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 Agenda 1. Compliance conceito e missão 2. Atuação de Compliance nas instituições 3. Ferramentas de Compliance 4. Auditoria e Compliance

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

Política de Responsabilidade So cio Ambiental

Política de Responsabilidade So cio Ambiental Política de Responsabilidade So cio Ambiental Sumário 1. FINALIDADE:... 4 2. ABRANGÊNCIA:... 4 3. DIVULAGAÇÃO... 4 4. IMPLEMENTAÇÃO... 4 5. SUSTENTABILIDADE EM NOSSAS ATIVIDADES... 4 6. REVISÃO DA POLÍTICA...

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Lei Anticorrupção Um retrato das práticas de compliance na era da empresa limpa

Lei Anticorrupção Um retrato das práticas de compliance na era da empresa limpa Lei Anticorrupção Um retrato das práticas de compliance na era da empresa limpa Um novo cenário para o Brasil O Brasil está entrando em uma nova era de maturidade de seu ambiente de negócios. Com a entrada

Leia mais

Lei Anticorrupção Um retrato das práticas de compliance na era da empresa limpa

Lei Anticorrupção Um retrato das práticas de compliance na era da empresa limpa Lei Anticorrupção Um retrato das práticas de compliance na era da empresa limpa Um novo cenário para o Brasil O Brasil está entrando em uma nova era de maturidade de seu ambiente de negócios. Com a entrada

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Manual de Gestão de Crises para Relações com Investidores Comunicação e estratégia para a preservação de valor

Manual de Gestão de Crises para Relações com Investidores Comunicação e estratégia para a preservação de valor Manual de Gestão de Crises para Relações com Investidores Comunicação e estratégia para a preservação de valor Sumário 1. Introdução... 2 2. Operação padrão (dia a dia) versus cenários de crise... 2 3.

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Manual de Gestão de Crises para Relações com Investidores Comunicação e estratégia para a preservação de valor

Manual de Gestão de Crises para Relações com Investidores Comunicação e estratégia para a preservação de valor Manual de Gestão de Crises para Relações com Investidores Comunicação e estratégia para a preservação de valor Sumário Introdução... 02 Operação padrão (dia a dia) versus cenários de crise... 03 A relevância

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Indicadores de Risco. Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras

Indicadores de Risco. Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras Indicadores de Risco Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras Agenda Ambiente Atual de Negócios Indicadores de Risco Inteligência em Riscos Abordagem de Implementação

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

OS DESAFIOS DO RH BRASILEIRO EM 2015. Pantone 294 U

OS DESAFIOS DO RH BRASILEIRO EM 2015. Pantone 294 U Pantone 294 U C 95 R 10 M 70 G 50 HEX 0A3278 Sob uma forte demanda de assumir um papel mais estratégico dentro da organização, pesquisa exclusiva realizada pela Efix revela quais são as principais preocupações

Leia mais

Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios

Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios Pesquisa 2013 Índice Pontos de partida As empresas emergentes e o mercado de capitais no Brasil... 4 Metodologia

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Tema: Gestão de Riscos Empresariais

Tema: Gestão de Riscos Empresariais Tema: Gestão de Riscos Empresariais Equipe: Alessandro Gratão Marques (alessandro.gratao@yahoo.com.br) Magno Sergio Gomes Pereira (magno.pereira@zf.com) Zhang Jinyi (jinyi.zhang@adm.com) Sumário Gestão

Leia mais

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos.

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. 28 de Novembro de 2003 Dados do Projeto Colaboradores: Bancos ABN Amro Real Banco Ficsa Banco Itaú Banco Nossa Caixa Bradesco Caixa Econômica Federal HSBC Febraban

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI)

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº xx, de XX de XXXXXXX de 2011.

Leia mais

Segunda edição da pesquisa Inteligência em Gestão de Riscos

Segunda edição da pesquisa Inteligência em Gestão de Riscos O estágio atual da gestão de riscos Estratégias e ações para o crescimento sustentável Segunda edição da pesquisa Inteligência em Gestão de Riscos 2 Da estratégia ao cotidiano da organização A gestão de

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

Risk Audit Summit 28/04. Luciano Bordon Sócio - Advisory Grant Thornton. 2015 Grant Thornton International Ltd. All rights reserved.

Risk Audit Summit 28/04. Luciano Bordon Sócio - Advisory Grant Thornton. 2015 Grant Thornton International Ltd. All rights reserved. Risk Audit Summit 28/04 Luciano Bordon Sócio - Advisory Grant Thornton Empresas americanas objetivo da pesquisa foi de identificar como os departamentos de auditoria interna de empresas de grande porte

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Pesquisa 2013/2014 Existe uma percepção disseminada de que, além do peso de toda a carga tributária, as empresas

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

COMPLIANCE ANTICORRUPÇÃO IMPACTO E IMPORTÂNCIA AOS NEGÓCIOS

COMPLIANCE ANTICORRUPÇÃO IMPACTO E IMPORTÂNCIA AOS NEGÓCIOS COMPLIANCE ANTICORRUPÇÃO IMPACTO E IMPORTÂNCIA AOS NEGÓCIOS O QUE É COMPLIANCE COMPLIANCE Estar em conformidade e fazer cumprir regulamentos internos e externos CORRUPÇÃO É CONSEQUÊNCIA DA AUSÊNCIA DE

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Proposta de Modelo de Avaliação de Gestão e Governança para Bancos

Proposta de Modelo de Avaliação de Gestão e Governança para Bancos Proposta de Modelo de Avaliação de Gestão e Governança para Bancos Sílvia Marques de Brito e Silva Amaro Luiz de Oliveira Gomes Bacen/Denor Estrutura da Apresentação 1. Objetivo do trabalho 2. Importância

Leia mais

Reputação e Competitividade: A importância dos ativos intangíveis

Reputação e Competitividade: A importância dos ativos intangíveis Reputação e Competitividade: A importância dos ativos intangíveis Profa. Dra. Ana Luisa de Castro Almeida Novembro/2013 Reputation Institute, pioneiro e líder mundial em consultoria para gestão da reputação

Leia mais

Comunicação com o mercado Alinhamento estratégico para criação e preservação de valor Pesquisa 2014

Comunicação com o mercado Alinhamento estratégico para criação e preservação de valor Pesquisa 2014 Comunicação com o mercado Alinhamento estratégico para criação e preservação de valor Pesquisa 2014 A transformação da percepção em valor Na era da informação em que vivemos, os avanços em termos de transparência

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015

Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL Princípios de Governança TRANSPARÊNCIA EQUIDADE PRESTAÇÃO

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Jornada de Valor. Novembro de 2010

Jornada de Valor. Novembro de 2010 Jornada de Valor Novembro de 2010 Planejando o crescimento O valor da empresa em uma transação está diretamente relacionado à percepção de valor de investidores, à governança corporativa, transparência

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

Nossas soluções para o setor sucroenergético

Nossas soluções para o setor sucroenergético www.pwc.com.br Nossas soluções para o setor sucroenergético Centro PwC de Serviços em Agribusiness Outubro de 2013 Agrícola Gestão de fornecedores de cana Revisão da estrutura de relacionamento entre usina

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Governança de Tecnologia da Informação Setor Público

Governança de Tecnologia da Informação Setor Público Governança de Tecnologia da Informação Setor Público Abril de 2015 Índice Planejamento para o Evento Governança Corporativa 03 Governança Corporativa aplicada à TI 09 Metodologia Deloitte 24 Tendências

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Objetivo da Política... 1 1.2 Princípios e Diretrizes... 1 2 Governança... 2 3 Partes Interessadas... 2 4 Definição de Risco Socioambiental...

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES CRITÉRIOS PARA INCLUSÃO DE EMPRESAS NOS FUNDOS ETHICAL - 16 - PARTE A DESEMPENHO NA ÁREA AMBIENTAL (GRUPO 1: ESTRUTURA DA ÁREA DE GESTÃO AMBIENTAL) A1. A gestão

Leia mais