INTERFACES CULTURAIS E SUA ATUALIZAÇÃO PELO PINTEREST 1 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERFACES CULTURAIS E SUA ATUALIZAÇÃO PELO PINTEREST 1 RESUMO"

Transcrição

1 1 INTERFACES CULTURAIS E SUA ATUALIZAÇÃO PELO PINTEREST 1 RESUMO Bárbara Zilda Grebin 2 O site Pinterest e as novidades trazidas por meio de e com ele alteram e causam desequilíbrio no ambiente cultural do qual ele faz parte, estas mudanças, além de causarem outras consequências, atualizam aquilo que Lev Manovich (2001) chama de interfaces culturais. O autor aponta que as transformações oriundas do impresso, do cinema e das interfaces humano-computador tensionam a linguagem das interfaces gráficas e que existem nessas formas culturais modalidades específicas de organização que estruturam a experiência humana. Para compreender como o Pinterest atualiza as interfaces culturais, far-se-á uso de um processo chamado por Fischer (2012) de agir arqueológico, procedimento por meio do qual interfaces são paralizadas tecnicamente, através de imagens instantâneas, em seguida dissecadas e analisadas, evitando aspectos cronológicos e buscando elementos cíclicos. PALAVRAS-CHAVE: Metodologia. Pinterest. Interfaces Culturais. 1. CRIAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA Antes mesmo de começar a pensar sobre técnicas e procedimentos metodológicos para a realização de alguma pesquisa, é fundamental realizar uma reflexão profunda sobre o problema de pesquisa que se deseja investigar. Deve-se adotar um ponto de vista problematizante, perguntando-se o que se quer saber sobre o objeto de pesquisa escolhido que ainda não se sabe? Para me auxiliar no processo de criação do meu problema de pesquisa, recorri ao método intuitivo bergsoniano, que se tornou mais acessível a mim a partir da leitura e da interpretação que o filósofo Gilles Deleuze fez da obra de Henri Bergson. 1 Artigo apresentado no GT Teorias e análises de audiovisual interfaceado na XI Semana da Imagem realizada de 20 a 23 de maio de Mestranda do Programa de Pós-Graduação de Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Endereço eletrônico:

2 2 Deleuze (2004) explica o método da intuição de Bergson utilizando-se de três regras: a primeira delas sendo sobre criação de problemas; a seguinte, sobre diferenças de natureza; a última, sobre apreensão do tempo real. A primeira regra fala sobre a existência de verdadeiros problemas e de falsos problemas; os falsos, que devem ser extinguidos, se valem de perguntas quantitativas, do tipo cuja resposta é simplesmente sim ou não, empobrecendo a pesquisa, e de mistos elaborados de forma incorreta, resultando em uma mistura impura. A segunda regra aponta que um problema bem colocado tende a responder a si mesmo e, para tanto, seu misto (duas tendências, que não são uma dualidade) deve ser composto por elementos de natureza diferentes. A terceira regra diz respeito ao tempo, entendido por Bergson como fluxo incessante, e como ele diferencia-se, qualitativamente, de si mesmo (DELEUZE, 2004). Refletindo sobre as tendências do meu empírico, sob a luz das regras bergsonianas explicadas por Deleuze e dos mistos (espírito-matéria, espaço-tempo, fluxo-fixo) incitados por Bergson (2006), cheguei ao misto da minha pesquisa, que é formado por interfaces culturais, em seu lado virtual, e pelo site Pinterest, em sua porção atual. Ou seja, me proponho a investigar como as interfaces culturais se atualizam no Pinterest? O processo de formulação do problema de pesquisa é árduo, pois não se trata de descobrir algo que está escondido, mas sim de inventar um problema que não existia: Mas a verdade é que se trata, na filosofia e mesmo alhures, de encontrar o problema e, por conseguinte, de pô-lo, muito mais do que resolvê-lo. Pois um problema especulativo está resolvido assim que é bem posto. Entendo com isso que a sua solução existe então imediatamente, ainda que possa permanecer escondida e, por assim dizer, encoberta: só falta, então descobrila. Mas pôr o problema não é simplesmente descobrir, é inventar. (BERGSON, 2006, p. 54) A partir da invenção do misto, comecei a pensar sobre os vieses guiadores de todo o processo de pesquisa e para me ajudar a ir mais fundo no meu empírico, fiz uso da metodologia de ecologia das mídias de McLuhan, que se baseia nos conceitos de figura e de fundo desenvolvidos pelo autor canadense. A figura (que pode ser qualquer coisa, desde uma pessoa a uma ideia) só será entendida, se o fundo (o contexto em que a figura está inserida) for considerado na análise. Embora o fundo seja o lugar onde a figura funciona, ele não deve ser considerado como um recipiente, deve ser visto como ambiente implícito, onde as mudanças acontecem antes do que na figura, que é aparente. McLuhan diz que cada vez que surge um novo meio, um novo equilíbrio é buscado para recuperar a estabilidade do ambiente que foi abalado pela novidade. Para

3 3 visualizar, de forma simultânea, todos os efeitos do novo meio inserido na sociedade, faz-se uso das quatro leis da mídia, representadas na imagem da tétrade. A primeira lei (a) diz respeito aquilo que o novo meio amplia ou realça; a segunda (b), faz menção aquilo que o novo meio tornou obsoleto; a terceira (c), menciona aquilo que o novo meio recupera; a quarta (d), refere-se à inversão, aquilo que acontece quando o novo meio é levado ao extremo. Na tétrade, as leis da mídia estão dispostas de uma forma em que se pode visualizar cada uma das leis atreladas aos conceitos de fundo ou de figura: a primeira e a quarta leis são figuras, enquanto que a segunda e a terceira leis são fundos (MCLUHAN, 1993). Figura 1: Tétrade de McLuhan. Pensando o meu empírico sob o guiamento das leis da mídia, cheguei às seguintes constatações: o site Pinterest ampliou a indexação, o compartilhamento e a circulação de imagens e audiovisuais pela web; ao mesmo tempo em que tornou obsoleto outras formas de armazenar páginas da internet interessantes para o usuário, como o botão de favoritos dos navegadores e até mesmo outros sites como o Delicious, ferramenta de indexação social de links favoritos; recuperou o ato de catalogar itens, como acontecia nos sites de busca, no início da internet, do tipo diretório; e, se levado ao extremo, a lógica sob a qual o Pinterest opera pode levar o usuário do site a pensar exclusivamente de forma categorizada e acabar tornando insuficientes as formas que o Pinterest oferece aos seus usuários para catalogar seus interesses. Alguns usuários do site já têm requisitado na central de ajuda ao usuário do Pinterest, a criação de subpainéis para que a experiência de catalogação proporcionada pelo site seja mais organizada (HAGAN, 2013).

4 4 2. INTERFACES CULTURAIS O artefato Pinterest e as novidades trazidas por meio de e com ele alteram e causam desequilíbrio no ambiente cultural do qual o site faz parte, estas mudanças, além de causarem outras consequências, atualizam aquilo que Lev Manovich (2001, p. 79) chama de interfaces culturais: Eu introduzi o termo interfaces culturais para descrever as interfaces usadas pela hipermídia autônoma (CD-ROM e DVD títulos), sites, jogos de computador e outros objetos culturais distribuídos através de um computador. Acho que precisamos de um termo, pois como o papel do computador está se deslocando de ser uma ferramenta para uma máquina de mídia universal, estamos cada vez mais interfaceando com dados predominantemente culturais: textos, fotografias, filmes, músicas, documentos multimídia, ambientes virtuais. Portanto, a interface humano-computador está sendo complementada pela interface humano-computador-cultura, que eu abrevio como interface cultural. De acordo com Fischer (2012, p ), Manovich percebe as interfaces como resultado de processos acumulativos de tipos de tela de diferentes tecnologias representativas: a estática (pintura), a dinâmica (cinema e vídeo), em tempo real (inaugurada pela invenção do radar) e interativa (altamente presente nos softwares e por consequência na web). Manovich (2001) aponta que as transformações oriundas do impresso, do cinema e das interfaces humano-computador tensionam a linguagem das interfaces gráficas, da qual fazem parte sites como o Pinterest, e que existem nessas formas culturais modalidades específicas de organização que estruturam a experiência humana. 3. AGIR ARQUEOLÓGICO Para compreender como o Pinterest atualiza as interfaces culturais, quer-se estruturar a pesquisa por meio de um processo já bastante utilizado por Fischer (2012), chamado de agir arqueológico. Com o procedimento, interfaces são resgatadas, recuperadas e coletadas, paralizando tecnicamente os observáveis, através de imagens instantâneas, que depois serão dissecadas e analisadas. Todo o processo tem como parâmetro o conceito de arqueologia da mídia, método que Zielinski (2006, p. 53) salienta que não tem absolutamente nada a ver com a perambulação e o ziguezague sem rumo. Com o intuito de levar luz ao trabalho de arqueólogo da mídia, o autor discorre sobre a função:

5 5 Ao procurar, coletar e classificar, o arqueólogo atribui significados; e esses significados podem ser totalmente diferentes daqueles que os objetos tinham riginalmente. O envolvimento nesse trabalho suscita um paradoxo; isto é, dependemos dos instrumentos das técnicas culturais para ordenação e classificação, enquanto, ao mesmo tempo, nosso objetivo é respeitar a diversidade e a especificidade. A única solução para esse dilema é rejeitar a ideia de que esse trabalho é inovador: renunciar ao poder, do qual podemos facilmente nos apossar, é muito mais difícil do que alcançar uma posição que seja possível manejar. (ZIELINSKI, 2006, p. 44) O agir arqueológico é baseado nas ações metodológicas de escavar imagens, dissecar interfaces, identificar molduras e analisar os tensionamentos culturais oriundos dos observáveis selecionados. Lembrando que, de acordo com os preceitos da arqueologia da mídia, os elementos buscados durante a escavação não devem apresentar aspectos cronológicos, mas cíclicos (FISCHER, 2012). O processo de dissecação e o conceito de molduras, ambos desenvolvidos por Kilpp (2003, 2010), andam juntos, já que a dissecação é realizada com o intuito de identificar molduras. Kilpp (2003) associa a dissecação com a ação de cartografar molduras, que estariam sobrepostas, e verificar como tais molduras interagem, afetam umas às outras e causam tensionamentos. Durante a dissecação, momento em que se está resgatando interfaces, o processo é organizado por meio de um quadro, elemento organizacional, e então dá-se a autenticação de molduras, conceito que foi, em princípio, criado por Kilpp para estudar a televisão, mas que nesta pesquisa será utilizado para servir de instrumento na estruturação e organização da visão analítica do pesquisador sobre os observáveis percebidos e coletados para o projeto de pesquisa. Molduras são líquidas, fluentes, e só se tornam perceptivas por meio do quadro da experiência e da significação; molduras não possuem função de sentido, sua função é estética, entretanto produzem oferta de sentido, que, no final, é agenciado entre emissão e recepção; molduras tem papel instrumental de explicitar potencialidades das interfaces e suas lógicas operativas. As molduras não têm sentido em si mesmas, mas estão aí para produzir os sentidos. Quase sempre elas se encontram discretizadas em relação ao principal, quer dizer, são imagens de grande opacidade, que não estão aí para ser percebidas, mas ao contrário, para esconder e disfarçar os modos da produção das imagens principais (as que são percebidas na expectação habituada). (KILPP, 2010, p. 25) A metodologia das molduras exige uma grande sensibilidade por parte do pesquisador para perceber os diferentes tipos de molduras (as fixas, as flexíveis, as que

6 6 surgem dentro de outras molduras, as intrínsecas e discretizadas, que representam opacidade), para ler as dinâmicas de interação existentes entre os diferentes tipos de molduras citados e para identificar os recortes limítrofes, por vezes sutis, que traçam territórios de significação. [ ] a metodologia das molduras é um conjunto de procedimentos de análise de audiovisualidades, que são articulados por uma conjunção de referências teóricometodológicas, e que se orienta (às vezes desorienta) pelo rigor de princípios epistemológicos, filosóficos, políticos e estratégicos. Ela articula intuição, cartografias, desconstrução e dissecação, ao mesmo tempo em que busca assegurar o rigor de um princípio ético-estético (a diferença solidária de Guattari) que é anterior a tudo: o de manter a pesquisa sempre em aberto; de autenticar linhas de fuga e inventar platôs nós articuladores ou conexões entre as linhas ; de acessar e atualizar níveis da memória do objeto, sua duração, devir e potência. (KILPP, 2010, p ) Os procedimentos metodológicos para a realização da pesquisa pretendida são baseados em uma estrutura que inclui a estagnação de partes do fluxo do empírico, a construção e a autenticação de molduras, demarcações de territórios de significação e experiência, processos de dissecação e de desconstrução do material coletado, que colocam o pesquisador também no papel de dissecador e desconstrutor, para que, por meio da investigação, estudo e análise do corpus da pesquisa, possa-se identificar as características constituintes e entender as funcionalidades de interfaces culturais tensionadas técnica e culturalmente pelo objeto Pinterest. CULTURAL INTERFACES AND ITS UPDATE BY PINTEREST ABSTRACT The website Pinterest and the novelties brought by and with it change and cause imbalance in the cultural environment of which it is part, these changes, in addition to other consequences, update what Lev Manovich (2001) calls cultural interfaces. The author points out that the transformations derived from print, film and the humancomputer interfaces tighten the language of graphical interfaces and that there are in these cultural forms specific modalities of organization that structure human experience. To understand how Pinterest updates cultural interfaces, it will be used a process called by Fischer (2012) of archaeological act, procedure through which interfaces are technically paralyzed through snapshots, then dissected and analyzed, avoiding chronological aspects and seeking cyclical elements.

7 7 KEYWORDS: Methodology. Pinterest. Cultural interfaces. REFERÊNCIAS BERGSON, Henri. O pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes, DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. São Paulo: Editora 34, FISCHER, Gustavo Daudt. Desencavando interfaces: reflexões sobre arqueologia da mídia e procedimentos de resgate de páginas web. In: STEFEN, Cezar; BENVENUTO, Álvaro. (Org.). Tecnologia pra quê? As reconfigurações no campo da Comunicação Social. Porto Alegre: Armazém Digital, Interfaces culturais e remixabilidade nas lógicas operativas dos websites. In: MONTAÑO, Sonia; KILPP, Suzana; FISCHER, Gustavo. (Org.). Impacto das novas mídias no estatuto da imagem. 1. ed. Porto Alegre: Sulina, HAGAN. Sub-boards. [23 ago. 2012]. Disponível em: <help.pinterest.com/entries/ sub-boards>. Acesso em: 7 maio KILPP, Suzana. Ethicidades televisivas. São Leopoldo: Unisinos, A traição das imagens: espelhos, câmeras e imagens especulares em reality shows. Porto Alegre: Entremeios, MANOVICH, Lev. Software takes command. Unpublished book. Disponível em: <http://softwarestudies.com/softbook/manovich_softbook_11_20_2008.pdf>. Acesso em: 29 nov The language of new media. Londres: The MIT Press, MCLUHAN, Marshall. POWERS, Bruce. La aldea global. Barcelona: Gedisa, ZIELINSKI, Siegfried. Arqueologia da mídia: em busca do tempo remoto das técnicas do ver e do ouvir. São Paulo: Annablume, 2006.

Estrelas, molduras e fragmentos: ferramentas e métodos para a pesquisa em moda. Stars, frames and fragments: tools and methods for fashion research.

Estrelas, molduras e fragmentos: ferramentas e métodos para a pesquisa em moda. Stars, frames and fragments: tools and methods for fashion research. Estrelas, molduras e fragmentos: ferramentas e métodos para a pesquisa em moda. Stars, frames and fragments: tools and methods for fashion research. André Conti Silva (Bacharelado em Moda - Universidade

Leia mais

IMPACTO DAS NOVAS MÍDIAS NO ESTATUTO DA IMAGEM

IMPACTO DAS NOVAS MÍDIAS NO ESTATUTO DA IMAGEM IMPACTO DAS NOVAS MÍDIAS NO ESTATUTO DA IMAGEM Conselho Editorial Alex Primo UFRGS Álvaro Nunes Larangeira UTP Carla Rodrigues PUC-RJ Ciro Marcondes Filho USP Cristiane Freitas Gutfreind PUCRS Edgard de

Leia mais

TECNOCULTURA AUDIOVISUAL. Temas, metodologias e questões de pesquisa

TECNOCULTURA AUDIOVISUAL. Temas, metodologias e questões de pesquisa TECNOCULTURA AUDIOVISUAL Temas, metodologias e questões de pesquisa Conselho Editorial Alex Primo UFRGS Álvaro Nunes Larangeira UTP Carla Rodrigues PUC-RJ Ciro Marcondes Filho USP Cristiane Freitas Gutfreind

Leia mais

Interfaces culturais e agir arqueológico: reflexões teóricometodológicas para dissecar websites e softwares que operam pela Internet

Interfaces culturais e agir arqueológico: reflexões teóricometodológicas para dissecar websites e softwares que operam pela Internet Interfaces culturais e agir arqueológico: reflexões teóricometodológicas para dissecar websites e softwares que operam pela Internet Gustavo D. Fischer 1 Bárbara Z. Grebin 2 Resumo O presente artigo traz

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

CINEMAGRAPHS: o sincretismo imagético como desafio metodológico RESUMO

CINEMAGRAPHS: o sincretismo imagético como desafio metodológico RESUMO 1 CINEMAGRAPHS: o sincretismo imagético como desafio metodológico Marcelo Salcedo Gomes 1 RESUMO Propõe-se, neste trabalho, a necessidade de se repensar metodologias para a investigação de certas imagens

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

Análise psicológica das cores no contexto do design de interação sob a visão da Psicologia Analítica

Análise psicológica das cores no contexto do design de interação sob a visão da Psicologia Analítica 376 Análise psicológica das cores no contexto do design de interação sob a visão da Psicologia Analítica Brenda Ludovico Vieira Nascimento 1, Cleomar de Souza Rocha 2 1 Faculdade de Educação Universidade

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Francisco Rolfsen Belda e-mail: belda@faac.unesp.br Danilo Leme Bressan e-mail: danilo.bressan@gmail.com.br

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL

BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL 1 BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL BALLESTÉ, Adriana Olinto * GNATTALI, Roberto ** RESUMO Radamés Gnattali é um dos mais importantes

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NÍVEL MESTRADO GILSON MORAES LORENA FILHO DEVIRES MACHINIMA NA CULTURA

Leia mais

contemporanea comunicação e cultura

contemporanea comunicação e cultura contemporanea comunicação e cultura W W W. C O N T E M P O R A N E A. P O S C O M. U F B A. B R ESTATUTO DO AUDIOVISUAL DE TV NA INTERNET STATUTE OF TV AUDIOVISUAL ON THE INTERNET Suzana Kilpp 1 Lorena

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Gabriel da Costa Patrocínio Universidade Anhembi Morumbi patrocínio.design@gmail.com O presente artigo tem como proposta analisar

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido NOTAS ACERCA DO VIRTUAL Celso Candido A fim de tornar mais claro o conceito de virtual, pressuposto neste trabalho, vai-se abordar este problema a partir de uma leitura de Pierre Lévy e Gilles Deleuze.

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

Seminário em volta de D. N. Rodowick, 16 Mar. 2010

Seminário em volta de D. N. Rodowick, 16 Mar. 2010 1 Seminário em volta de D. N. Rodowick, 16 Mar. 2010 A Máquina do Tempo de Deleuze Resumo de Gilles Deleuze s Time Machine (Durham, NC: Duke University Press, 1997) por Susana Viegas Excerto: Conclusion:

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

3 Ferramentas de busca

3 Ferramentas de busca 3 Ferramentas de busca A Internet se transformou em um vasto repositório de informações. Podemos encontrar sites sobre qualquer assunto, de futebol a religião. O difícil, porém é conseguir encontrar a

Leia mais

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO O QUE É MÍDIA DIGITAL? É conjunto de meios de comunicação baseados em tecnologia digital, permitindo a distribuição de informação na forma escrita, sonora

Leia mais

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Artes Pós Graduação em Multimeios 1º sem/2002 Disciplina: Multimeios e Educação Ministrada por: José Armando Valente Aluno: Álvaro E.M. Marinho

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries MEDIA KIT http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06 ESTATÍSTICAS

Leia mais

História do Desenvolvimento das GUI

História do Desenvolvimento das GUI História do Desenvolvimento das GUI A história dos hiperdocumentos ou da IHC não pode ser descrita sem a associação indissolúvel com a a história das Graphical (or Good) User Interfaces. O conceito de

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA 1. DO OBJETO Constitui-se como objeto da Ata de Registro de Preço a aquisição de materiais didáticos e paradidáticos em tecnologia educacional para

Leia mais

Outras mediações Mediação Técnica

Outras mediações Mediação Técnica Mediação pedagógica A tutoria online é uma tarefa complexa por abranger múltiplas funções. O tutor de cursos na Web assume funções comuns à educação em geral (seja ela presencial ou a distância), mas é

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ano Letivo 2014/15 Planificação Grupo 510 8º Ano e 7º( subdomínios em falta) Ciências Físico-Químicas Gestão Temporal 8º

Leia mais

Esclarecimento: As versões dos navegadores a serem utilizadas pelo PSIM estão descrito no item 2.4.1.12 do projeto básico.

Esclarecimento: As versões dos navegadores a serem utilizadas pelo PSIM estão descrito no item 2.4.1.12 do projeto básico. 1 Dúvida: Por favor, nos explique alguns casos tipicos de uso para o monitoramento central? Esclarecimento: Recepção e tratamento de eventos provenientes da central de alarme, validação de ocorrências

Leia mais

IMAGENS MÉDIAS DO TEMPO-ACONTECIMENTO TELEVISIVO 1. Suzana Kilpp 2

IMAGENS MÉDIAS DO TEMPO-ACONTECIMENTO TELEVISIVO 1. Suzana Kilpp 2 IMAGENS MÉDIAS DO TEMPO-ACONTECIMENTO TELEVISIVO 1 Suzana Kilpp 2 Resumo: O artigo reflete um momento da pesquisa Devires de imagem-duração. A partir das teses de Bergson sobre duração, memória, élan vital

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA Cronograma de Evolução da Mídia Audiovisual no Brasil Gráfico representativo do desenvolvimento de mídia audiovisual no Brasil década a década A

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL RESUMO Enio Giotto Elódio Sebem Doádi Antônio Brena Universidade Federal de Santa

Leia mais

TV Digital Interativa e Internet: O Caso Brasileiro. Prof. Dr. Marcos Tuca Américo UNESP Bauru, SP / Brasil tuca@faac.unesp.br

TV Digital Interativa e Internet: O Caso Brasileiro. Prof. Dr. Marcos Tuca Américo UNESP Bauru, SP / Brasil tuca@faac.unesp.br TV Digital Interativa e Internet: O Caso Brasileiro Prof. Dr. Marcos Tuca Américo UNESP Bauru, SP / Brasil tuca@faac.unesp.br Consumo global de mídias durante o lazer por faixas etárias. Fonte: ITU - Digital

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

social media para bares, restaurantes e afins

social media para bares, restaurantes e afins BARTIPS social media para bares, restaurantes e afins O que buscamos? Divulgar seu estabelecimento para milhares de potenciais consumidores. Fazer você ser parte do dia-a-dia de seu cliente Ter suas novidades,

Leia mais

ENCUENTRO LATINOAMERICANO DE DISEÑO. Universidad de Palermo. Para ser publicado en Actas de Diseño.

ENCUENTRO LATINOAMERICANO DE DISEÑO. Universidad de Palermo. Para ser publicado en Actas de Diseño. ENCUENTRO LATINOAMERICANO DE DISEÑO. Universidad de Palermo. Para ser publicado en Actas de Diseño. Autores: HOMMERDING, Tales. ; BERARD, Rafael de Moura. ; MERINO, Eugênio. Título: A contribuição do design

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

IMAGENS DE INTERCOMUNICAÇÃO AUDIOVISUAL NO DISPOSITIVO DA CULTURA RESUMO

IMAGENS DE INTERCOMUNICAÇÃO AUDIOVISUAL NO DISPOSITIVO DA CULTURA RESUMO 1 IMAGENS DE INTERCOMUNICAÇÃO AUDIOVISUAL NO DISPOSITIVO DA CULTURA Alex Damasceno 1 RESUMO Para apresentar o estágio atual da pesquisa de doutorado que desenvolvemos, este artigo se divide em dois momentos.

Leia mais

DWEB. Design para Web. Fundamentos Web I. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

DWEB. Design para Web. Fundamentos Web I. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico DWEB Design para Web Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico Fundamentos Web I E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 informações: 1.º 2.º 3.º CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

Daniel Gondim. Informática

Daniel Gondim. Informática Daniel Gondim Informática Microsoft Windows Sistema Operacional criado pela Microsoft, empresa fundada por Bill Gates e Paul Allen. Sistema Operacional Programa ou um conjunto de programas cuja função

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Nós fazemos fácil o difícil

Nós fazemos fácil o difícil TrustThisProduct - Um serviço de marketing on-line internacional para fabricantes do mundo todo. As principais características que o serviço TrustThisProduct fornece aos fabricantes: - Criação e edição

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Processo de Comunicação Emissor Mensagem Receptor Canal / Meio Processo de Comunicação Interpretação da Mensagem pode sofrer distorção (ruídos) Após interpretação,

Leia mais

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados.

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O objetivo do capítulo é enfatizar o gerenciamento dos recursos de dados de organizações que utilizam computadores. O

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE

MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE Caro Aluno, Este Manual tem por finalidade orientá-lo na utilização do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). 1. O que é ambiente virtual de aprendizagem

Leia mais

O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 )

O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 ) O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 ) Ao lado de Greenaway, Dziga Vertov pode ser considerado um dos grandes "cineastas de banco-de-dados" do século

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual

Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual 24º Congresso Brasileiro de Manutenção Olinda PE Eixos para Reflexão Estratégia Cenário atual Oportunidades Eixos para Reflexão Cenário atual Mundo

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Ilustração Alessandro Lima As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Arlindo Machado por Mônica Ramos Arlindo Machado é professor de Comunicação e Semiótica da PUC-SP

Leia mais

2º SEMESTRE CARGA HORÁRIA

2º SEMESTRE CARGA HORÁRIA ESTRUTURA CURRICULAR Universidade Estadual da Paraíba UEPB Campina Grande - Campus I DIURNO 1º SEMESTRE CARGA HORÁRIA História da Comunicação (básica) 30 02 Filosofia da Comunicação (complementar) 30 02

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO No ano 2000, surgiu no mundo uma nova geração de seres. Esses estranhos personagens postulavam que a realidade virtual era mais importante do que a vida real. Comunicavam-se

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática

Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática Profa. Dra. Maria Raquel Miotto Morelatti Departamento de Matemática, Estatística e Computação mraquel@fct.unesp.br O que são TIC? Recursos tecnológicos que

Leia mais

Concurso Público Edital Nº14 - Prova Prática 16 e 17 de junho de 2012

Concurso Público Edital Nº14 - Prova Prática 16 e 17 de junho de 2012 EDITAL COMPLEMENTAR PROVA PRÁTICA Este Edital complementa o subitem 7.1 do edital PROREH Nº 014 de 12/03/2012 e estabelece uma nova retificação da retificação Nº 04, publicada em 08/05/2012. Concurso Público

Leia mais

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação.

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Transcinema e a estética da interrupção Kátia Maciel Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Se o cinema

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que é Internet? Apesar de muitas vezes ser definida como a "grande rede mundial de computadores, na verdade compreende o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam e que permitem

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS 1 - Objetivos Existe uma grande distância entre os circuitos eletrônicos e dispositivos de hardware e os programas aplicativos em software. Os circuitos são complexos, acessados através de interfaces de

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31.

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. RESUMO INTERAÇÃO SER HUMANO COMPUTADOR: ASPECTOS DAS INTERFACES DE UM CURSO A DISTÂNCIA

Leia mais

Oficina MAPAS. Oficina CH/EF Material do Aluno. Caro Aluno,

Oficina MAPAS. Oficina CH/EF Material do Aluno. Caro Aluno, Oficina MAPAS Caro Aluno, Esta oficina tem o objetivo de apresentar os diferentes elementos dos mapas, bem como as principais formas de elaboração das representações espaciais. Observar e registrar lugares

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES EMENTÁRIO 1 ANO ATIVIDADES COMPLEMENTARES DESIGN GRÁFICO E EDITORAÇÃO Ementa: A história do design gráfico e sua relação com as várias formas de linguagens (gravura, desenho, pintura, fotografia e vídeo).

Leia mais

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada OS ATLAS ELETRÔNICOS E O DESENVOLVIMENTO DO APLICATIVO PARA A PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL TerraViewWeb

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. para tv TV101

MANUAL DO USUÁRIO. para tv TV101 MANUAL DO USUÁRIO adaptador android para tv TV101 Índice Exibição do Produto 03 Instruções para Uso 03 Menu Principal 04 Configurações de Wi-Fi 04 Navegando por Arquivo ou Pasta 05 Conexão USB 06 Instalando/

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

Projeto de Sites da Web

Projeto de Sites da Web Introdução Projeto de Sites da Web Mário Meireles Teixeira UFMA DEINF Hipertexto É um documento composto por um conjunto de nós contendo texto, imagens, sons e ações, a interligados entre si e formando

Leia mais

ClinicalKey 2.0. Guia do usuário

ClinicalKey 2.0. Guia do usuário ClinicalKey 2.0 Guia do usuário 2 Agenda 1. Introdução 2. Selecionando o navegador 3. Como acessar ClinicalKey 4. Como pesquisar no ClinicalKey 5. A informação que você precisa 6. Topic Pages 7. Página

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Design 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Fiery EXP50 Color Server. Impressão de dados variáveis

Fiery EXP50 Color Server. Impressão de dados variáveis Fiery EXP50 Color Server Impressão de dados variáveis 2006 Electronics for Imaging, Inc. As informações nessa publicação são cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 45055404 12

Leia mais