SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS"

Transcrição

1 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS

2 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos e os recursos para desenvolver, implementar, atingir, analisar criticamente e manter a Política Ambiental.

3 POLÍTICA AMBIENTAL DA UFRGS A UFRGS, através de sua Administração Centralizada e da Direção de seus Órgãos, se compromete com a melhoria contínua de seu desempenho ambiental e com a prevenção à poluição, adotando procedimentos e práticas que visem à prevenção de impactos ambientais negativos, em conformidade com os requisitos legais, gerando alternativas que propiciem a sustentabilidade da comunidade universitária e de toda a sociedade, desenvolvendo uma estratégia de mudança cultural por meio de uma política pedagógica ambiental.

4 O QUE É A CGA? Responsável pela elaboração, implementação e acompanhamento do Sistema de Gestão Ambiental da UFRGS Está diretamente vinculada ao Gabinete do Reitor Atividades de capacitação, gerenciamento e planejamento ambiental na UFRGS

5 ESTRUTURA

6 OPERAÇÃO DO SGA DA UFRGS O SGA é estruturado em quatro programas, que levantam os problemas ambientais da UFRGS, e 16 projetos, que resolvem esses problemas. Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais dos Espaços Físicos da UFRGS Utiliza uma ferramenta de gestão, o FMEA, que objetiva priorizar os potenciais impactos ambientais de cada Unidade, auxiliando os diretores e os gestores no processo de tomada de decisões. Certificação Ambiental dos Espaços Físicos da UFRGS Aplicação de normas e requisitos legais a laboratórios, salas e demais espaços físicos da UFRGS. Educação Ambiental Difusão de conhecimentos sobre o ambiente, visando à formação de indivíduos capazes de compreender o mundo e de agir nele de forma crítica e coerente. Licenciamento Ambiental Programa realizado em parceria com a SUINFRA que visa à obtenção de licenças ambientais para a construção e a operação de diferentes atividades nos Campi da UFRGS.

7 Operação do SGA da UFRGS

8 LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Aspecto Ambiental Impacto Ambiental G Causa Potencial O Forma Atual de Controle D Ação Recomendada F IRA Ordem Resp. Climatização do ambiente Comprometim ento da saúde dos usuários. 7 Falta de limpeza dos filtros de ar condicionado. 10 Existe política em reduzir o uso sistemático do ar condicionado, só é ligado em dias de extremo calor 10 Sistematizar a limpeza do filtro removível do arcondicionado. Disposição de materiais a serem descartados. Obstrução física pela disposição inadequada de materiais. 7 Falta de responsável pelo setor de patrimônio Depósito de material (2 classes de sala de aula) 2 CPUS, Monitor CRT, teclado e 1 telefone Designar responsável pelo Patrimônio Transferir patrimônio para Faculdade de Veterinária. Encaminhar para setor de patrimônio. IRA TOTAL DA SALA DA CGA

9

10 LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Aspecto Ambiental Impacto Ambiental G Causa Potencial O Forma Atual de Controle D Ação Recomendada F IRA Ordem Resp. Climatização do ambiente Comprometim ento da saúde dos usuários. 7 Falta de limpeza dos filtros de ar condicionado. 10 Existe política em reduzir o uso sistemático do ar condicionado, só é ligado em dias de extremo calor 10 Sistematizar a limpeza do filtro removível do arcondicionado. Disposição de materiais a serem descartados. Obstrução física pela disposição inadequada de materiais. 7 Falta de responsável pelo setor de patrimônio Depósito de material (2 classes de sala de aula) 2 CPUS, Monitor CRT, teclado e 1 telefone Designar responsável pelo Patrimônio Transferir patrimônio para Faculdade de Veterinária. Encaminhar para setor de patrimônio. IRA TOTAL DA SALA DA CGA

11

12 LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Aspecto Ambiental Impacto Ambiental G Causa Potencial O Forma Atual de Controle D Ação Recomendada F IRA Ordem Resp. Climatização do ambiente Comprometim ento da saúde dos usuários. 7 Falta de limpeza dos filtros de ar condicionado. 10 Existe política em reduzir o uso sistemático do ar condicionado, só é ligado em dias de extremo calor 10 Sistematizar a limpeza do filtro removível do arcondicionado. Disposição de materiais a serem descartados. Obstrução física pela disposição inadequada de materiais. 7 Falta de responsável pelo setor de patrimônio Depósito de material (2 classes de sala de aula) 2 CPUS, Monitor CRT, teclado e 1 telefone Designar responsável pelo Patrimônio Transferir patrimônio para Faculdade de Veterinária. Encaminhar para setor de patrimônio. IRA TOTAL DA SALA DA CGA

13

14 LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Aspecto Ambiental Impacto Ambiental G Causa Potencial O Forma Atual de Controle D Ação Recomendada F IRA Ordem Resp. Climatização do ambiente Comprometim ento da saúde dos usuários. 7 Falta de limpeza dos filtros de ar condicionado. 10 Existe política em reduzir o uso sistemático do ar condicionado, só é ligado em dias de extremo calor 10 Sistematizar a limpeza do filtro removível do arcondicionado. Disposição de materiais a serem descartados. Obstrução física pela disposição inadequada de materiais. 7 Falta de responsável pelo setor de patrimônio Depósito de material (2 classes de sala de aula) 2 CPUS, Monitor CRT, teclado e 1 telefone Designar responsável pelo Patrimônio Transferir patrimônio para Faculdade de Veterinária. Encaminhar para setor de patrimônio. IRA TOTAL DA SALA DA CGA

15

16 LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Aspecto Ambiental Impacto Ambiental G Causa Potencial O Forma Atual de Controle D Ação Recomendada F IRA Ordem Resp. Climatização do ambiente Comprometim ento da saúde dos usuários. 7 Falta de limpeza dos filtros de ar condicionado. 10 Existe política em reduzir o uso sistemático do ar condicionado, só é ligado em dias de extremo calor 10 Sistematizar a limpeza do filtro removível do arcondicionado. Disposição de materiais a serem descartados. Obstrução física pela disposição inadequada de materiais. 7 Falta de responsável pelo setor de patrimônio Depósito de material (2 classes de sala de aula) 2 CPUS, Monitor CRT, teclado e 1 telefone Designar responsável pelo Patrimônio Transferir patrimônio para Faculdade de Veterinária. Encaminhar para setor de patrimônio. IRA TOTAL DA SALA DA CGA MARCO ZERO

17 PLANO DE AÇÃO (5W2H) MARCO DOIS Ordem no LAIA IRA MEDIDA PROCEDIMENTO RESPONSÁVEL PRAZO LOCAL RAZÃO ORÇAMENTO (O que?) (Como?) (Quem?) (Quando?) (Onde?) (Por que?) (Quanto?) Descartar corretamente as Evitar potencial lâmpadas contaminação fluorescrentes atmosférica para a Prefeitura causada pelo e controlar o mercúrio descarte Adequar à política de descarte das lâmpadas fluorescentes Elaborar plano de manutenção do reservatório de água Realizar o PPCI no prédio Elaborar planilha de controle do encaminhament o das lâmpadas fluorescentes para a Prefeitura Contatar empresa terceirizada solicitando plano de manutenção Elaborar planilha para controle da manutenção das caixas d`água Acompanhar o processo de implantação do PPCI Evitar potencial contaminação atmosférica causada pelo mercúrio Minimizar risco à saúde dos usuários melhorando a qualidade da água Minimizar risco à saúde dos usuários melhorando a qualidade da água Minimizar o risco de incêndio no prédio

18 N MEDIDA RESPONSÁVEL PRAZO LOCAL RAZÃO PROCEDIMENTO ORÇAMENTO O que? (Quem?) (Quando?) (Onde?) (Por que?) (Como?) (Quanto?) Previsto:19/1/2009 A falta de limpeza Sistematizar a limpeza do compromete a saude dos Checar o cumprimento filtro removível do arcondicionado. Andrea Sede CGA usuarios e aumenta o Realizado: 23/01/09 da planilha indice de consumo de R$ 0,00 energia Designar responsável pelo Patrimônio Transferir patrimônio para Faculdade de Veterinária. Encaminhar equipamentos eletronicos em desuso para setor de patrimônio. Campani Campani Campani 5 Márcia PLANO DE AÇÃO (5W2H) MARCO ZERO Previsto: 28/2/2009 Realizado: 09/03/09 Previsto:01/03/2009 (Depende do cumprimento da medida 13) Realizado: 10/03/09 Previsto: 01/3/2009(Depende do cumprimento da medida 13) Realizado (parcialmente): 01/ 04/09 Previsto: 30/04/2009(Depende do cumprimento da medida 15) Realizado: / /09 Mesa de reuniões Sede CGA Sede CGA Sede CGA Promover um destino aos materiais/objetos que não são necessários para a CGA. Promover um destino aos materiais/objetos que não são necessários para a CGA. Promover um destino aos materiais/objetos que não são necessários para a CGA. Promover um destino aos materiais/objetos que não são necessários para a CGA. Encaminhamento de oficio ao DEPATRI indicando o servidor responsavel Através do sistema, dar baixa no patrimonio Entrar em contato com o responsável pelo Patrimonio da Faculdade de Veterinária, solicitando o agendamendo da busca desse material. Através do sistema, dar baixa no patrimônio (falta 1 CPU) Solicitar o recolhimento ao DEPATRI. R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00

19 LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Aspecto Ambiental Impacto Ambiental G Causa Potencial O Forma Atual de Controle D Ação Recomendada F IRA Orde m Resp. Utilização de espaços físicos e mobiliário Risco à saúde dos usuários e potencial dano aos bens do prédio 9 7 Falta de PPCI no prédio Falta de um plano de controle de pragas. 10 LAIA 9 Realizar o PPCI no prédio LAIA 9 Elaborar plano de controle de pragas Disposição de materiais a serem descartados. Obstrução física pela disposição inadequada de materiais. 7 Depósito de material em local inadequado 10 LAIA 9 Organizar material (caixas de arquivos e pôsteres) Consumo de Energia Elétrica Comprometimento dos recursos naturais 6 Falta de plano de manutenção elétrica do prédio Elaborar plano de manunteção elétrica do prédio IRA TOTAL DA SALA DA CGA MARCO DOIS

20 PLANO DE AÇÃO (5W2H) MARCO DOIS Ordem no LAIA IRA MEDIDA PROCEDIMENT O RESPONSÁVEL PRAZO LOCAL RAZÃO ORÇAMENTO (O que?) (Como?) (Quem?) (Quando?) (Onde?) (Por que?) (Quanto?) Realizar o PPCI no prédio Localizar o processo Márcia T. 18/06/2010 CGA Risco à saúde dos usuários e potencial dano aos bens do prédio 0, Organizar material (caixas de arquivos e pôsteres) Desmontar as caixas de arquivos e dar destino aos pôsteres; verificar a solicitação de serviço Márcia T. 25/06/2010 CGA Obstrução física pela disposição inadequada de materiais. 0, Elaborar plano de controle de pragas organizar a manutenção do prédio através da escolha de um sindico para o prédio Campani 11/07/2010 CGA Risco à saúde dos usuários e potencial dano aos bens do prédio 0, Elaborar plano de manunteção elétrica do prédio organizar a manutenção do prédio através da escolha de um sindico para o prédio Campani 11/07/2010 CGA Comprometimen to dos recursos naturais 0,00

21 TABELA DE ACOMPANHAMENTO

22 A CGA E O SGA A CGA é a Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS. Sua equipe é responsável pelos levantamentos ambientais da Universidade e pela implantação de mecanismos em prol do ambiente, articulados dentro do SGA. Equipe: Coordenador Darci Barnech Campani Engenheiro Agrônomo Coordenadoria de Gestão Ambiental Eduardo Flores Cardoso Engenheiro Agrônomo Fernando Henrique Platt Biólogo Guta Teixeira - Jornalista e Bel. em Direito Paulo Robinson da Silva Samuel Engenheiro Civil Tereza Campezatto Bel. em Química Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos Alexandre Bazzo Bel. em Química Greice Vanin Oliveira Bel. em Química Setor de Licenciamento e Fiscalização Ambiental da SUINFRA Andrea P. Loguercio Engenheira Agrônoma Bolsistas de graduação de diferentes áreas

23 VOCÊ PODE CONHECER MAIS SOBRE SGA NA INTERNET:

24 CONTATO Endereço: Rua Luiz Englert, s/nº, Sala 6 - Prédio (ex-química) Bairro Farroupilha - CEP , Porto Alegre, RS Telefones: , Página:

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

V LAIA MARCO UM E O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO DO SGA NO PRÉDIO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA UFRGS

V LAIA MARCO UM E O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO DO SGA NO PRÉDIO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA UFRGS V-004 - LAIA MARCO UM E O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO DO SGA NO PRÉDIO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA UFRGS Leandro Ravel de Freitas Ventura (1) Licenciado em História pela PUC II de Uruguaiana, Graduando em

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL: IMPLANTAÇÃO EM UMA INSTITUÇÃO FEDERAL DE ENSINO SUPERIOR (IFES)

GESTÃO AMBIENTAL: IMPLANTAÇÃO EM UMA INSTITUÇÃO FEDERAL DE ENSINO SUPERIOR (IFES) GESTÃO AMBIENTAL: IMPLANTAÇÃO EM UMA INSTITUÇÃO FEDERAL DE ENSINO SUPERIOR (IFES) Paulo Robinson da Silva Samuel (1), Darci Barnech Campani (2), Leonardo Salvador Souza (3) (1) Universidade Federal do

Leia mais

Implantação e Desenvolvimento do Sistema de Gestão Ambiental no Departamento de Atenção a Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Implantação e Desenvolvimento do Sistema de Gestão Ambiental no Departamento de Atenção a Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Implantação e Desenvolvimento do Sistema de Gestão Ambiental no Departamento de Atenção a Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Cássio Krüger de Freitas kf.cassio@gmail.com Universidade Federal

Leia mais

2º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 28 a 30 de Abril de 2010

2º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 28 a 30 de Abril de 2010 Sistema de gestão ambiental na Escola de Administração UFRGS Augusto Capum Rodrigues¹, Darci Barnech Campani², Andrea Pinto Loguercio³, Sandra Regina Cela 4, Márcia Meira Winckler 5 Universidade Federal

Leia mais

Práticas ambientais desenvolvidas pela empresa Artecola Indústrias Químicas Fabiano de Quadros Vianna

Práticas ambientais desenvolvidas pela empresa Artecola Indústrias Químicas Fabiano de Quadros Vianna Práticas ambientais desenvolvidas pela empresa Artecola Indústrias Químicas Fabiano de Quadros Vianna Engenheiro Ambiental e de Segurança do Trabalho Coordenador de SMS nas Empresas Artecola Nossos negócios

Leia mais

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004 ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO 14.001:2004 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA O SGA é parte do Sistema de Gestão da IFSM Campus Inconfidentes-MG, englobando a estrutura organizacional, as atividades de

Leia mais

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES

Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES PERGUNTAS NORTEADORAS: 1) O que significa ambientalizar a universidade e o que se espera com isso? Ambientalização da universidade é a inserção

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

CAMINHOS PARA ADOÇÃO DE COMPRAS ECOEFICIENTES NA UFRGS

CAMINHOS PARA ADOÇÃO DE COMPRAS ECOEFICIENTES NA UFRGS Projeto de Compras Ecoeficientes Gestão Ambiental UFRGS OFICINA CAMINHOS PARA ADOÇÃO DE COMPRAS ECOEFICIENTES NA UFRGS Anne Krummenauer Prof. Coordenador Dr. Alvaro Meneguzzi SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Práticas Ambientais na Universidade Feevale

Práticas Ambientais na Universidade Feevale Práticas Ambientais na Universidade Feevale Engenheira de Gerenciamento Ambiental Sheila Maria Leuck Novembro/2014 Universidade Feevale Missão: Promover a produção do conhecimento, a formação dos indivíduos

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009 UNIVERSIDADE DANTA CECÍLIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL É preciso avaliar para mudar RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO ANO LETIVO DE 2009 PERÍODO FEVEREIRO

Leia mais

Título: A importância de um sistema de Gestão Ambiental em restaurantes universitários.

Título: A importância de um sistema de Gestão Ambiental em restaurantes universitários. Título: A importância de um sistema de Gestão Ambiental em restaurantes universitários. Autora: Diuliana Catlen Kuspik Pereira (1) Filiação: (1) Assessoria de Gestão Ambiental, Universidade Federal do

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 12 Sistemas de Gestão Ambiental Profº Heloise Knapik 1 Necessidade de sair de uma atitude reativa Faz-se algo apenas quando algo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PREFEITURA UNIVERSITÁRIA - PREUNI SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO - SEST

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PREFEITURA UNIVERSITÁRIA - PREUNI SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO - SEST PLANO DE TRABALHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SEGURANÇA DO TRABALHO - SEST TERESINA, FEVEREIRO DE 2017 A segurança faz parte do serviço que está sendo realizado tanto quanto

Leia mais

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIOS BÁSICOS - A ÁGUA É UM BEM DE DOMÍNIO PÚBLICO; - O RECONHECIMENTO DO VALOR ECONÔMICO DA ÁGUA; - USO PRIORITÁRIO PARA CONSUMO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental PHA2218 Introdução à Engenharia Ambiental Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Aula 10 Prof. Dr. Joaquin Bonnecarrere

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental PHA2218 Introdução à Engenharia Ambiental Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Aula 10 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof.

Leia mais

Cidade UF CEP DDD/Telefone DDD/FAX. Município UF DDD/Celular

Cidade UF CEP DDD/Telefone DDD/FAX. Município UF DDD/Celular PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADES DIGITAIS (PAC2) 1 DADOS CADASTRAIS Nome da prefeitura CNPJ Endereço da sede da prefeitura Cidade UF CEP DDD/Telefone DDD/FAX E-mail da prefeitura Nome do prefeito C.I./Órgão

Leia mais

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS Laboratórios da Área da Informática Política de Manutenção e Aquisição de Equipamentos Laboratórios da Área de Informática Universidade Anhembi Morumbi

Leia mais

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A. Krummenauer, D. Campani, P. Samuel Coordenadoria de Gestão Ambiental da Universidade Federal do Rio

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017 PRIMEIRA RETIFICAÇÃO A Prefeitura Municipal de Guaíra, Estado de São Paulo, torna público que realizará por meio do INSTITUTO EXCELÊNCIA LTDA - ME, na forma prevista no artigo 37, inciso IX, da Constituição

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

PROAD. Pró-Reitoria de Administração

PROAD. Pró-Reitoria de Administração PROAD Pró-Reitoria de Administração QUEM SOMOS E O FAZEMOS A Pró-Reitoria de Administração (PROAD) é o setor da Reitoria que avalia, propõe e controla as políticas de administração orçamentária, financeira

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 22-CEPE/UNICENTRO, DE 15 DE JUNHO DE 2012. Aprova o Regulamento de Normas e Utilização dos Laboratórios do Campus CEDETEG da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Aprovado por Márcia Rangel

Aprovado por Márcia Rangel Unidade Processo Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Desenvolvimento de Pessoas Realização de Eventos por Edital de Pregão Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Leia mais

PORTARIA REITORIA UESC Nº 772

PORTARIA REITORIA UESC Nº 772 PORTARIA REITORIA UESC Nº 772 A Reitora da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, RESOLVE Art. 1º - Retificar o Edital UESC nº 100/2016, que abriu inscrições para equipe

Leia mais

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade.

Leia mais

PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA A3P NA PROGESP

PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA A3P NA PROGESP Agenda Ambiental na Administração Pública 1 PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA A3P NA PROGESP 1. Introdução A Administração Pública precisa dar o exemplo das boas práticas nas atividades que lhe cabem. Com o intuito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DA FACULDADE CNEC FARROUPILHA

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DA FACULDADE CNEC FARROUPILHA REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DA FACULDADE CNEC FARROUPILHA TÍTULO I DOS FINS Art. 1º - Os Laboratórios de Química e Física da Faculdade CNEC Farroupilha seguirão as normas do

Leia mais

Ações para o ano de 2016 em relação à redução e à conscientização no uso de energia

Ações para o ano de 2016 em relação à redução e à conscientização no uso de energia MEMORANDO FCAT Nº 06/2016 Dracena, 12 de fevereiro de 2016. Prezado, A Comissão Interna de Conservação de Energia (CICE) apresenta um Plano de Ações para o ano de 2016 em relação à redução e à conscientização

Leia mais

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA O Centro Universitário Metodista IPA e a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, por

Leia mais

1. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO

1. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO 1. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO 1.1. PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO NÚMERO 124 de 05/04/2017 A PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS da Universidade Federal da Grande Dourados, no uso de suas

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS Petrolina Pernambuco 09 a 11/04/2013 MARCOS TEMÁTICOS 1. Plano Estadual de Ação Conjunta em Agrotóxicos 2. Marco Legal: Revisão da Lei Estadual

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Analisys of Surveys of Environmental Aspects and Impacts at the Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação of UFRGS

Analisys of Surveys of Environmental Aspects and Impacts at the Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação of UFRGS Análise dos Levantamentos de Aspectos e Impactos Ambientais na Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS Tailana Bubolz Jeske Graduanda de Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Rio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DAPARAÍBA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DAPARAÍBA RESOLUÇÃO N o XXX, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Estabelece a Política Ambiental da Universidade Federal da Paraíba. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA, no uso das competências que

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA A proposta de um Plano para o desenvolvimento da informática da FAUUSP deverá compreender os três objetivos da USP: ensino, pesquisa e serviços à comunidade. GRUPO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 07/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 07/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno da Oficina de Modelos e Maquetes MOMA, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de Centro de Educação

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1. Quais são os requisitos para obtenção de bolsa monitoria? a) o discente deve estar regularmente matriculado no período letivo em

Leia mais

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima menu NISAM20 04 menu inic ial Gerenciamento de resíduos químicos de laboratório Leny Borghesan Albertini Alberguini Maria Olímpia de O. Rezende próxima Gerenciamento de Resíduos Químicos de Laboratório

Leia mais

nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS

nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS POLÍTICA INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE POLÍTICA INTEGRADA Disponíveis nos murais e no site da empresa

Leia mais

CICLO MCT. Mentoring, Coaching e Training. Coordenador Estratégico de IES

CICLO MCT. Mentoring, Coaching e Training. Coordenador Estratégico de IES CICLO MCT Mentoring, Coaching e Training Coordenador Estratégico de IES Ciclo MCT Mentoring, Coaching e Training Coordenador Estratégico de IES Mentoring Inspira o participante a melhorar seu desempenho

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 1 XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 A ADOÇÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS COMO CAMINHO PARA O DESCARTE DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS Evandra Campos Castro Mauro José Kummer 2 RESUMO

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE FRANGO. Plano de Trabalho

CÂMARA TÉCNICA DE FRANGO. Plano de Trabalho CÂMARA TÉCNICA DE FRANGO Plano de Trabalho Março de 2016 PROGRAMA OESTE EM DESENVOLVIMENTO CÂMARA TÉCNICA DE AVES-FRANGO DE CORTE CONTEXTUALIZAÇÃO: A Câmara Técnica de Frango (CTF) do Programa Oeste em

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS IT. 26 08 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT. 28 Patrimônio. IT.27 Arquivo Geral e Correspondências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Controladoria

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Controladoria UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Controladoria Petrolina Junho de 2013 DADOS GERAIS E-mail : controladoriainterna@univasf.edu.br Endereço: Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Campus Universitário,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL - 2014 Disciplina: SHS 0382 Sustentabilidade e Gestão Ambiental TEXTO DE APOIO DIDÁTICO [material restrito da disciplina] Prof. Tadeu Fabrício Malheiros Monitora: Alejandra

Leia mais

Plano de Gerenciamento de resíduos da construção civil

Plano de Gerenciamento de resíduos da construção civil 1 Plano de Gerenciamento de resíduos da construção civil 2 Definição PGRS é parte integrante da Lei 12.305, de 2010, que instituiu o PNRS Plano Nacional de Resíduos Sólidos; PGRCC é um documento que aponta

Leia mais

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Realização: Guia de Descarte. Residuos. Centro de Ciências Rurais

Realização: Guia de Descarte. Residuos. Centro de Ciências Rurais Realização: Guia de Descarte de Residuos Guia de Descarte de Residuos Os resíduos sólidos recicláveis são depositados nas coletoras localizadas nos corredores e em frente aos prédios e são recolhidos pelos

Leia mais

Plano de Ação Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional

Plano de Ação Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional Plano de Ação 2013 Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional Áreas estratégicas Ensino Pesquisa Desenvolvimento Ins.tucional Administração Extensão Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional DIRETRIZES

Leia mais

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora).

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). 5453 - Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). Aula 1 Capítulo 1 - Fundamentos do TPM 1. Origem...26 2. Conceitos...28 3. Etapas de Implantação... 31 4.

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E SANEAMENTO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL - 2014 Disciplina: SHS 0382 Sustentabilidade e Gestão Ambiental TEXTO DE APOIO DIDÁTICO [material restrito da disciplina] Prof. Tadeu Fabrício Malheiros Monitora: Alejandra

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS

CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS Estado do Rio de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS Gabinete do Vereador Thimoteo Cavalcanti Projeto de Resolução N.º004/2015 O Projeto de Resolução cria a Escola Legislativa da Câmara Municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PREFEITURA UNIVERSITÁRIA SOLICITAÇÃO DE PROJETOS Projeto de Arquitetura e Engenharia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PREFEITURA UNIVERSITÁRIA SOLICITAÇÃO DE PROJETOS Projeto de Arquitetura e Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PREFEITURA UNIVERSITÁRIA SOLICITAÇÃO DE PROJETOS Projeto de Arquitetura e Engenharia COMO SOLICITAR UM PROJETO? Para solicitações de projetos de arquitetura e engenharia,

Leia mais

Resolução Socioambiental 4.327/14. Alexandre Reis Junho/2015

Resolução Socioambiental 4.327/14. Alexandre Reis Junho/2015 Resolução Socioambiental 4.327/14 Alexandre Reis Junho/2015 Agenda Resolução 4.327/14 Levantamento demanda por crédito Soluções Serasa Experian 2 Resolução 4.327/2014 Público e Pilares Emitida em 25 de

Leia mais

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL Metas a serem alcançadas

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL Metas a serem alcançadas Ações/Programas e Detalhamento PROGRAMA Unidades e áreas envolvidas e respectivos responsáveis Projeto de Boas práticas de gestão do serviço público: Redução dos gastos públicos e racionalização dos recursos

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

851 Tecnologia de Proteção do Ambiente

851 Tecnologia de Proteção do Ambiente 851 Tecnologia de Proteção do Ambiente Educação Ambiental de Adultos Destinatários Público em geral. Requisitos de acesso 9º ano de escolaridade. Modalidade de Formação Formação Continua. Objetivo Geral

Leia mais

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que?

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que? ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO CCSH Questão Geral 1.1 Como você percebe a utilização dos resultados da autoavaliação como subsídio à revisão, proposição e implementação das ações

Leia mais

QUADRO DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DOS NÚCLEOS E CENTROS DA UNCISAL

QUADRO DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DOS NÚCLEOS E CENTROS DA UNCISAL QUADRO DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DOS NÚCLEOS E CENTROS DA UNCISAL Competências/atribuições dos Núcleos e dos Centros. Documento gerado a partir das competências ou atribuições do setor Prazo de guarda

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º O Centro de Processamento de Dados, Órgão Suplementar

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO. Processo de implantação e atendimento do Suporte Técnico

SUPORTE TÉCNICO. Processo de implantação e atendimento do Suporte Técnico 1 SUPORTE TÉCNICO Processo de implantação e atendimento do Suporte Técnico Histórico de Alterações Revisão Data Autor Principais Alterações 1 08/09/15 Rafael Anselmo Criação do documento 2 05/12/16 Rafael

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13/2016 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 13/2016 CONSUNI CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2016 CONSUNI Estabelece a Política de Gestão de Documentos Arquivísticos da Universidade Federal da Fronteira Sul. O Conselho Universitário (CONSUNI) da Universidade

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

O uso de recursos da natureza. Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 10 e 11 de novembro

O uso de recursos da natureza. Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 10 e 11 de novembro O uso de recursos da natureza Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 10 e 11 de novembro IMPACTO E REFLEXOS DO LIXO Na sociedade má qualidade de vida e saúde perdas materiais e humanas ; atrai insetos

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ROTULAGEM DE ALIMENTOS - LABRA TÍTULO I DO REGULAMENTO E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ROTULAGEM DE ALIMENTOS - LABRA TÍTULO I DO REGULAMENTO E SEUS OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS ESCOLA DE NUTRIÇÃO - EN DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DOS ALIMENTOS - DCA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO

Leia mais

O Papel da Gestora Ambiental no Empreendimento Rodoviário UFV/DNIT

O Papel da Gestora Ambiental no Empreendimento Rodoviário UFV/DNIT seminário [Gestão Ambiental] O Papel da Gestora Ambiental no Empreendimento Rodoviário UFV/DNIT Salvador/BA, 23 de setembro de 2016 integração [Gerenciamento] PARTES INTERESSADAS GESTÃO AMBIENTAL, ABRANGENDO

Leia mais

DEPARTAMENTO LEGISLATIVO DA CÂMARA MUNICIPAL DE fortaleza, em iç" de ckr~uj. de 2011.

DEPARTAMENTO LEGISLATIVO DA CÂMARA MUNICIPAL DE fortaleza, em iç de ckr~uj. de 2011. INDICAÇÃO No02 5/_1_2_~ 11~ "Dispõe sobre a criação do Cargo de Coordenador de Creches no Município de Fortaleza e dá outras providências." o Vereador abaixo signatário, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017 Resumo Descreve os componentes do SCI Sistema de Controles Internos da Riviera Investimentos e estabelece as responsabilidades e procedimentos para a sua gestão. Sumário 1. Objetivo...2 2. Público-alvo...2

Leia mais

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência 25 de novembro de 2015 Centro de Formação, Capacitação e Treinamento - CEFOR da Câmara dos Deputados OBJETIVOS Geral:

Leia mais

Sistemas de gestão energética ISO 50001

Sistemas de gestão energética ISO 50001 Sistemas de gestão energética ISO 50001 Marisa Almeida Ambiente e sustentabilidade 6 Maio 2015 1 CTCV Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro Centro para a promoção da inovação e do desenvolvimento das

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

A3P GESTÃO AMBIENTAL NA

A3P GESTÃO AMBIENTAL NA A3P GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP O que é a A3P Uma estratégia para construção de uma nova cultura institucional inserindo critérios sócio-ambientais na administração pública Baseia-se na

Leia mais

SGi. SOLUÇÃO GESTÃO INTELIGENTE

SGi. SOLUÇÃO GESTÃO INTELIGENTE RELAÇÃO DE TREINAMENTOS 2017 www.sginteligente.com.br TREINAMENTOS PARA SUA EMPRESA - 1º SEMESTRE DE 2017 1 QUALIDADE Empresas e Profissionais interessados na ISO 9001 1.1 Interpretação da ISO 9001:2015

Leia mais

BOLSA PERMANÊNCIA DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES POR VAGA

BOLSA PERMANÊNCIA DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES POR VAGA BOLSA PERMANÊNCIA DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES POR VAGA 1. Atividades Administrativas 1.1. Bolsista - Departamento de Execução Orçamentária e Financeira Atividades de auxílio administrativo (estruturação de

Leia mais

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle.

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. Portaria No 3523, de 28 de Agosto de 1998, Ministério da Saúde; Resolução ANVISA - RE No 174 de 24 de Outubro de 2000. Resolução ANVISA - RE No 09 de 16 de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO PROFº PAULO DE TARSO VILARINHO CASTELO BRANCO. Eleição de Reitor e Diretor Geral de Campus. EDITAL 01/2016 Comissão Eleitoral Central

PLANO DE GESTÃO PROFº PAULO DE TARSO VILARINHO CASTELO BRANCO. Eleição de Reitor e Diretor Geral de Campus. EDITAL 01/2016 Comissão Eleitoral Central GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAMPUS TERESINA CENTRAL Eleição de Reitor e Diretor Geral de Campus EDITAL 01/2016 Comissão Eleitoral Central PLANO DE GESTÃO PROFº PAULO DE TARSO VILARINHO CASTELO

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Introdução A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos dos Municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória COOPMETRO é uma entidade

Leia mais

Procedimentos de Uso e Segurança. Procedimentos de Uso e Segurança

Procedimentos de Uso e Segurança. Procedimentos de Uso e Segurança Procedimentos de Uso e Segurança 1. Quanto ao agendamento para utilização dos laboratórios.... 1 2. Quanto à solicitação de materiais a serem utilizados durante a aula.... 1 3. Uso dos laboratórios....

Leia mais

REGULAMENTO DA EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DA EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Texto Aprovado CONSEPE Nº 2005-12 - Data:19/06/05 Texto Revisado e Atualizado CONSU Nº 2011-04 - Data: 24/03/11 2012-29 29/11/2012 REGULAMENTO DA EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º Este

Leia mais

BOLETIM UFSCar Araras 2012

BOLETIM UFSCar Araras 2012 BOLETIM UFSCar Araras 2012 Diretoria Diretoria Registramos a seguir ações executadas pela administração do Campus em 2012. Tivemos um ano marcado pelo aprendizado administrativo, apesar das greves que

Leia mais

PROCESSO SELETIVO CALCULUS

PROCESSO SELETIVO CALCULUS PROCESSO SELETIVO CALCULUS 2012.2 O processo seletivo ocorrerá no início dos semestres letivos da uneb. Nele, baseamo-nos em um perfil previamente estipulado, que seria o perfil do membro efetivo da Calculus.

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS BASE LEGAL - AÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS AÇOES DE GESTÃO DE RESÍDUOS - BASE LEGAL Lei nº 11.107/2005 Consórcios Públicos Decreto nº 6017/2007

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO- BRASILEIRA (UNILAB)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO- BRASILEIRA (UNILAB) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO- BRASILEIRA (UNILAB) RESOLUÇÃO N 03, DE 22 DE MARÇO DE 2013. Aprova o Regimento Interno do Polo de Apoio Presencial de

Leia mais