O VALOR DOS ATIVOS INTANGÍVEIS DIANTE DA MUDANÇA DOS CENÁRIOS COMPETITIVOS: UM ENSAIO SOBRE O PROCESSO BRASILEIRO DE PRIVATIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O VALOR DOS ATIVOS INTANGÍVEIS DIANTE DA MUDANÇA DOS CENÁRIOS COMPETITIVOS: UM ENSAIO SOBRE O PROCESSO BRASILEIRO DE PRIVATIZAÇÃO"

Transcrição

1 O VALOR DOS ATIVOS INTANGÍVEIS DIANTE DA MUDANÇA DOS CENÁRIOS COMPETITIVOS: UM ENSAIO SOBRE O PROCESSO BRASILEIRO DE PRIVATIZAÇÃO Eduardo Kazuo Kayo Universidade Mackenzie Diógenes M. L. Martín - Universidade Mackenzie Wilson Toshiro Nakamura - Universidade Mackenzie Resumo O valor de uma empresa, do ponto de vista financeiro, é resultado da soma dos ativos tangíveis e intangíveis. Os ativos intangíveis, em particular, têm crescido em importância na formação do valor das empresas. No caso das empresas estatais, no período anterior à privatização, um dos ativos intangíveis mais importantes é o monopólio. Com o processo de privatização e o surgimento da concorrência, o valor correspondente ao monopólio passa a não existir mais. Dessa forma, para que o valor da empresa como um todo não sofra profunda desvalorização é preciso que o valor relacionado ao monopólio seja substituído por outro(s) ativo(s) intangível(is). A marca, por exemplo, se destaca como um dos mais relevantes na substituição do monopólio. O principal objetivo deste ensaio é analisar as posturas estratégicas das empresas em relação aos ativos intangíveis diante das mudanças no cenário competitivo. 1. Introdução Do ponto de vista financeiro, o valor de uma empresa pode ser entendido como a soma dos seus ativos tangíveis e intangíveis. O maior desafio estratégico da gestão financeira é a maximização desses valores porque, dessa forma, a riqueza do acionista ou proprietário da empresa também é maximizado. As últimas décadas do século XX mostram evidências de uma crescente importância relativa dos ativos intangíveis. Reflexo disso é o crescimento do índice Valor de Mercado/Valor Contábil (Market-to-Book ratio), que pode ser considerado um indicador do nível de intangibilidade das empresas. De acordo com Lev (2001: 8), esse índice médio das empresas relacionadas no S&P 500 subiu de 1, no início dos anos 80, para 6, em O estudo dos ativos intangíveis não é um fenômeno recente mas tem despertado um crescente interesse da comunidade acadêmica e de negócios nos últimos anos. Isso se deve, principalmente, ao esforço das empresas em se diferenciarem de seus concorrentes. Na medida em que as empresas têm acesso relativamente fácil à aquisição de ativos tangíveis (terrenos, edifícios, máquinas, equipamentos, etc.), o que passa a diferenciar umas das outras é a sua carteira de ativos intangíveis, cuja principal característica é a singularidade. De acordo com Lev (2001: 9), a onda de interesse sobre os intangíveis a partir da década de 80 está ligada à combinação de duas forças econômicas: a competição intensificada entre as empresas e o desenvolvimento da tecnologia da informação. A primeira força diz respeito à globalização dos negócios e à desregulamentação de setores-chave da economia como, por exemplo, telecomunicações, eletricidade, transporte, etc. A segunda força diz respeito ao desenvolvimento das comunicações, principalmente, com o advento da Internet. Tomados

2 2 isoladamente, a desregulamentação e privatização de empresas estatais traz um novo desafio aos seus gestores, qual seja, a de manter e fazer crescer a competitividade e os valores dessas empresas diante de uma mudança no cenário competitivo. O processo de privatização brasileiro provoca uma ruptura nas tradicionais estratégias das antigas estatais e as força a procurar outros meios para manter seus valores intrínsecos e de mercado. O principal objetivo deste ensaio é analisar as posturas estratégicas de empresas (como as antigas estatais) em relação aos ativos intangíveis diante da mudança em seu cenário competitivo. Chama-se atenção para a aplicabilidade de teorias como a Teoria dos Jogos, Opções Reais, Programação Dinâmica, entre outras, nesse processo de posicionamento estratégico. É importante ressaltar que as considerações feitas neste ensaio são aplicáveis a outros setores econômicos ou empresas que possam enfrentar mudanças semelhantes em seu cenário competitivo. 2. Os Ativos Intangíveis e sua Importância Estratégica 2.1. Definição de Ativos Intangíveis Do ponto de vista estratégico, a gestão apropriada dos ativos intangíveis exerce um papel fundamental na formação do valor de uma empresa. Para se definir ativos intangíveis, é preciso que se entenda, em primeiro lugar, o que é ativo. Para alguns autores mais tradicionais, como Anthony (apud Martins, 1972: 26), os ativos são recursos de propriedade de uma empresa adquiridos a um custo mensurável em dinheiro. Entretanto, como afirma Martins (1972: 26), essa não parece ser uma definição adequada. A mensurabilidade em dinheiro limita demasiadamente a definição de ativo. Um bem recebido gratuitamente, por exemplo, não seria qualificado como ativo, mesmo que tivesse valor econômico e pertencesse à empresa (Martins, 1972: 27). Uma definição mais adequada de ativo parece ser fundamentada em termos econômicos. A definição de Martins (1972: 30), que se baseia nisso, conceitua ativo com sendo o futuro resultado econômico que se espera obter de um agente. Esse conceito é consistente com o método do fluxo de caixa descontado, pelo qual o valor de um ativo (ou capital) é obtido pela soma dos fluxos de caixa futuros, descontados a uma taxa apropriada ao seu nível de risco (Copeland, Koller e Murrin, 1996: 73). Portanto, um ativo, seja tangível ou intangível, vale pelo que ele é capaz de gerar no futuro. Dessa forma, as estratégias definidas pela empresa afetam positiva ou negativamente a valorização das empresas. Lev (2001: 5) define ativo intangível como um direito a benefícios futuros que não possui corpo físico ou financeiro (ações ou títulos de dívida) Os Direcionadores dos Ativos Intangíveis Uma outra forma de entender os ativos intangíveis é analisando o que são ativos tangíveis. Reilly e Schweihs (1998: 10) caracterizam os ativos tangíveis por sua existência física e por serem perceptíveis ao toque. Entretanto, como afirma Hendriksen (1965: 337), a existência física não serve de base para se diferenciar ativos tangíveis e intangíveis. Afinal, os ativos intangíveis devem ter um respaldo tangível, como lembra Reilly e Schweihs (1998: 10). Isto é, ativos intangíveis, como marcas, patentes, bancos de dados, entre outros, devem estar devidamente registrados e/ou mostrar evidências físicas de sua existência. Por outro lado, alguns ativos representados por direitos, e portanto nada corpóreos, como depósitos bancários, contas a receber, seguros e títulos de investimento, são considerados tangíveis (Monobe, 1986: 42).

3 3 Dadas essas controvérsias na definição de ativos tangíveis e intangíveis, resta então a questão: como diferenciar um do outro? Uma forma aparentemente efetiva de se chegar a isso é por meio do entendimento do que direciona a existência do valor intangível. Segundo Feltham e Ohlson (1995: 691), o valor dos intangíveis resulta da geração de lucros acima do normal. Evidentemente, para que esse lucro ocorra as receitas com as vendas dos produtos e serviços precisam ser maximizadas e os diversos tipos de gasto (custos, despesas, etc) precisam ser minimizados. Para que as vendas sejam maximizadas é preciso se entender porque os consumidores compram determinados produtos e serviços de uma empresa e não de seu concorrente. O que leva, por exemplo, um consumidor a comprar um automóvel luxuoso como o Mercedez e não um carro popular como o VW Gol? Pode-se supor que esse consumidor esteja interessado em atributos como: status, tradição, alta tecnologia, estabilidade, dirigibilidade, conforto, entre vários outros. Esses atributos formam os chamados direcionadores de compra. Os dois primeiros direcionadores (status e tradição) possuem natureza essencialmente intangível. A alta tecnologia pode ter influências tangíveis (como a utilização de computadores de bordo) e intangíveis (como resultado de pesquisa e desenvolvimento). Por fim, estabilidade, dirigibilidade e conforto são essencialmente tangíveis, porque dependem de atributos físicos. Cada tipo de ativo, seja tangível ou intangível, exerce influências diferenciadas sobre cada direcionador. A marca, por exemplo, pode exercer uma grande influência sobre os direcionadores status e tradição. Como status e tradição são direcionadores por natureza intangíveis, pode-se deduzir que a marca seja um ativo intangível Uma Proposta de Classificação dos Ativos Intangíveis As primeiras propostas de classificação dos ativos intangíveis remontam a várias décadas, como a de Paton e Paton Jr. (apud Martins, 1972, 74-75). Propostas mais recentes de classificação dos ativos intangíveis podem ser atribuídas a autores como Sveiby (1997), Stewart (1999), Lev (2001), Reilly e Schweihs (1998), Barbosa e Gomes entre outros. Algumas dessas propostas de classificação são mais amplas e outras mais restritas. Tomando por base esses autores, Kayo (2002: 19) propõe a classificação mostrada no Quadro 1. É importante ressaltar que a lista de ativos intangíveis não é exaustiva. Quadro 1 Uma proposta de classificação dos ativos intangíveis Tipo de Intangível Ativos Humanos Ativos de Inovação Ativos Estruturais Principais componentes conhecimento, talento, capacidade, habilidade e experiência dos empregados; administração superior ou empregados-chave; treinamento e desenvolvimento; entre outros. pesquisa e desenvolvimento; patentes; fórmulas secretas; know-how tecnológico; entre outros. processos; softwares proprietários; bancos de dados; sistemas de informação; sistemas administrativos; inteligência de mercado; canais de mercado;

4 4 Ativos de Relacionamento (com públicos estratégicos) Fonte: Kayo (2002: 19) entre outros. marcas; logos; trademarks; direitos autorais (de obras literárias, de softwares, etc); contratos com clientes, fornecedores, etc.; contratos de licenciamento, franquias, etc.; direitos de exploração mineral, de água, etc.; entre outros. Além desses ativos intangíveis relacionados no Quadro 1, um outro pode ser acrescido, talvez na classe de Ativos de Relacionamento. Trata-se do monopólio. O monopólio pode estar presente em diversos setores da economia. No Brasil, o monopólio se mostra com mais evidência entre as empresas estatais, notadamente no período anterior ao Programa Nacional de Desestatização Vantagens Competitivas Stewart (1999: 152) chama atenção para a necessidade de se analisar a cadeia de valor dos ativos intangíveis e não apenas a dos tangíveis. A cadeia de valor, como proposto por Porter (1989: 31), desagrega uma empresa nas suas atividades de relevância estratégica para que se possa compreender o comportamento dos custos e as fontes existentes e potenciais de diferenciação. Segundo Stewart, o valor dos intangíveis está concentrado, principalmente, nas chamadas atividades de apoio (recursos humanos, desenvolvimento de tecnologia, infra-estrutura da empresa, etc). Se é verdade que os ativos tangíveis são essenciais para se entrar em um negócio, também é verdade que a sobrevivência da empresa é, em grande parte, suportada pelos ativos intangíveis. A ausência, por exemplo, dos Ativos Humanos em uma organização é inimaginável. Segundo Stewart (2001: 25), não se pode ter vantagem competitiva a partir de pessoas sem habilidade. Outra fonte de obtenção e manutenção da vantagem competitiva são os investimentos em pesquisa e desenvolvimento. Esses investimentos não precisam necessariamente ser voltados à pesquisa pura mas também podem incluir o desenvolvimento de produtos, processos e até de marcas. Lev e Zarowin (1999: 354) afirmam que os investimentos em ativos intangíveis como pesquisa e desenvolvimento, tecnologia da informação, marcas e recursos humanos constantemente alteram os produtos, operações, condições econômicas e valores de mercado das empresas. Os investimentos em pesquisa e desenvolvimento, em particular, são considerados os maiores direcionadores de mudança nos negócios, criando novos produtos e melhorando os processos de produção (Lev e Zarowin, 1999: 371) Economia dos Ativos Intangíveis Do ponto de vista econômico, segundo Lev (2001: 22), os ativos intangíveis apresentam duas importantes características: não-rivalidade e capacidade de escala. A não-rivalidade dos intangíveis diz respeito à capacidade de serem utilizados simultaneamente de diversas formas diferentes. A utilização de um ativo intangível não o impede de ser aplicado a um uso alternativo ao mesmo tempo. Por outro lado, os ativos tangíveis não podem ser utilizados ao mesmo tempo em situações diferentes. Uma máquina não pode fabricar dois produtos diferentes simultaneamente,

5 5 assim como uma plataforma de petróleo não pode estar em dois locais diferentes ao mesmo tempo (Kayo, 2002: 21). A utilização dos ativos tangíveis é limitada por sua capacidade de produção ou por outras limitações físicas. Por outro lado, segundo Lev (2001: 23), os ativos intangíveis são limitados apenas pelo tamanho do mercado. Não existe limitação física para a utilização de um ativo intangível. Uma marca conhecida e respeitada mundialmente, por exemplo, pode expandir seu mercado por meio do seu licenciamento a uma empresa que se responsabilizaria pela fabricação e comercialização do produto sem a necessidade da proprietária da marca se imobilizar (Kayo: 2002: 21). Segundo Lev (2001: 11), a empresa tradicional, verticalmente integrada e capital-intensiva, é desenhada para explorar economias de escala. Na medida em que essas economias de escala se exaurem, a produção se transforma em simples commodity e a empresa não consegue mais sustentar seu crescimento e suas vantagens competitivas. De acordo Lev (2001: 12), a tradicional economia de escala pode ser complementada e, às vezes, substituída pelo fenômeno da externalidade de rede. Externalidades de rede surgem quando a demanda exercida por uma pessoa pode vir a ser influenciada pelo número de outros consumidores que já tenham adquirido a mercadoria (Pindyck e Rubinfeld, 1994: 150). As externalidades podem ser positivas ou negativas. Nas positivas, também conhecidas por Efeito Imitação (Pindyck e Rubinfeld, 1994: 150), há um aumento da quantidade demandada quando outros consumidores adquirem a mesma mercadoria (exemplos típicos são os programas de computador, os próprios computadores, as fitas de vídeo VHS, o crescente uso do DVD, etc). Nesse caso, os benefícios de se fazer parte de uma rede é maior, quanto maior for o número de pessoas ou empresas que façam parte da mesma. Nas externalidades negativas, também conhecidas por Efeito Esnobação (Pindyck e Rubinfeld, 1994: 153), acontece o contrário, ou seja, a quantidade diminui quando muitos consumidores adquirem o produto (como é o caso de produtos muito luxuosos). Essas questões econômicas têm implicações importantes na avaliação e gestão dos ativos intangíveis. Tome-se, por exemplo, a gestão da identidade da marca, um dos intangíveis mais importantes da empresa. Identidade da marca, como define Aaker e Joachimsthaler (2000: 40), é uma série de associações que o estrategista de marca procura criar e manter. Essas associações são permeadas por uma série valores (como qualidade, inovação, etc.) que a organização deseja ter e transmitir a seus consumidores. Para Aaker e Joachimsthaler, se algum elemento importante do trabalho de identidade da marca estiver ausente é improvável que a marca alcance todo o seu potencial. O desenvolvimento dos valores da empresa deve ser acompanhado do pleno conhecimento do público consumidor que se quer atingir. Para isso, conhecer os efeitos de externalidades de rede é muito importante. A partir desse ponto, a empresa tem condições de dimensionar os investimentos necessários no capital tangível e intangível. 3. A Avaliação dos Intangíveis A avaliação dos ativos intangíveis é um processo importante por várias razões. Isso pode, por exemplo, servir de base para uma operação de fusão ou aquisição. Também pode servir como sustentação para operações de securitização ou garantias de empréstimos, como sugerem Reilly e Schweihs (1999: 31). Entretanto, o motivo mais importante talvez seja sua utilização para a gestão estratégica dos ativos intangíveis. O processo de gestão é facilitado quando se sabe o valor do que se quer gerir. A gestão de caixa, do imobilizado entre outros ativos tangíveis é relativamente fácil porque lhes é atribuído um

6 6 valor. Na medida em que são atribuídos valores também aos intangíveis, o seu processo de gestão também é facilitado. Para o processo de avaliação dos intangíveis, um dos métodos que pode ser aplicado é o EVA Economic Value Added, ou Valor Econômico Adicionado como proposto por Stewart III (1999: 118). O conceito do EVA é semelhante ao do Lucro Residual, como sugere Rappaport (1998: 121). O Lucro Residual, ou Residual Income, inicialmente proposto pela General Electric em 1950, é definido como o lucro operacional líquido depois dos impostos (NOPAT) menos um encargo sobre o capital investido (Rappaport, 1998: 121). Quando se trata da avaliação dos intangíveis pelo método do EVA, três questões importantes devem ser consideradas: (1) projeção dos resultados econômico-financeiros, (2) identificação e separação dos ativos tangíveis e intangíveis e (3) custo de capital apropriado a cada tipo de ativo. O primeiro passo na projeção dos resultados econômico-financeiros é o cálculo do valor econômico adicionado. O EVA, segundo Stewart III (1999: 137), é a diferença entre os lucros que a empresa obtém de suas operações e o custo incorrido pelo uso do capital, como mostra a Equação 1. EVA = NOPAT c* x capital Equação 1 onde: NOPAT = lucro operacional líquido depois do imposto de renda c* = custo do capital capital = capital tangível total, ou seja, ativo imobilizado e capital de giro operacional O MVA, por sua vez, resulta da soma de todos os EVA s projetados e trazidos a valor presente por uma taxa de desconto adequada, como mostra a Figura 1. Valor Prêmio Valor de Mercado Adicion. EVA EVA 1 2 ( 1 c* ) ( 1 c* ) Valor de Mercado Capital [tangível] Figura 1 Relação entre EVA e MVA Fonte: Stewart III (1999: 154) Comparado ao modelo do capital intelectual, de Stewart (2001: 13), o MVA corresponde ao valor dos ativos intangíveis, como mostra a Figura 2.

7 7 Ativos Tangíveis Valor de Mercado Total Ativos Intangíveis Figura 2 Modelo do Capital Intelectual Fonte: Stewart (2001: 13) A segunda etapa na avaliação dos ativos intangíveis é a identificação e separação, em primeiro lugar, dos ativos tangíveis dos intangíveis e, em segundo lugar, do vários tipos de intangíveis. A separação entre tangíveis e intangíveis já é contemplada no cálculo do EVA em função da subtração do custo sobre a utilização do capital tangível. Mesmo assim, é complexo definir os limites entre o que é tangível e o que é intangível. Ainda mais complexa é a separação dos diversos tipos de intangíveis. Essa é uma tarefa bastante subjetiva. Uma das formas de se resolver essa questão é através da análise de direcionadores que contribuem para a geração do valor adicionado, mas essa questão não faz parte do escopo deste ensaio. Depois que os resultados econômico-financeiros são projetados e as contribuições de cada ativo intangível são conhecidas, o passo final é trazer a valor presente, por uma taxa de desconto adequada, os resultados atribuídos a cada tipo de intangível. A conclusão dessas três fases deve gerar o valor de cada ativo intangível, como ilustra a Figura 3. Σ t = 1 EVA Ht ( 1 k ) t H Σ t = 1 EVA ( 1 k ) t I It Ativos Humanos Σ t = 1 EVA Et ( 1 k ) t E Ativos de Inovação Σ t = 1 EVA Rt ( 1 k ) t R Ativos Estruturais Ativos de Relacion. MVA Valor de Mercado Adicion. = Valor Total dos Intangíveis Figura 3 MVA e o valor dos ativos intangíveis Fonte: Kayo (2002: 51)

8 8 Evidentemente, como observa Kayo (2002: 52), a separação dos ativos intangíveis não deve se limitar ao que é proposto na Figura 3. Cada uma das quatro classes de intangíveis pode apresentar várias outras sub-divisões. O valor da marca, por exemplo, faz parte dos chamados ativos de relacionamento. O valor do monopólio, da mesma forma, pode ser classificado como um ativo de relacionamento. 4. Teorias Relacionadas com a Tomada de Decisões A Teoria de Opções Reais extrai seus fundamentos da teoria de opções de ativos financeiros. Uma opção real é o direito de exercer uma ação de adiamento, expansão ou abandono de um projeto de investimento a um custo pré-determinado (preço de exercício da opção), durante o prazo da opção. O valor da opção é função do valor do ativo objeto (por exemplo, um projeto de investimento para criação e fixação de uma marca), do preço de exercício (valor de contrato do projeto), de restante de duração da opção, do desvio-padrão do valor do ativo objeto, da taxa de juros e de eventuais rendas que o ativo objeto possa oferecer. As opções reais são classificadas em razão de seu grau de flexibilidade. Uma opção de adiamento de um projeto é um opção de compra que pode ser exercida a qualquer momento. Uma opção de abandono do projeto ou opção de se desfazer de parte de um projeto são opções de venda que podem ser exercidas a qualquer momento. Uma opção de expandir um projeto ou estender a vida de um projeto são opções de compra que podem ser exercidas a qualquer momento. Como qualquer outro investimento, os investimentos em ativos intangíveis também podem oferecer opções de adiamento, expansão ou abandono. Switching options é uma carteira de opções de compra e venda que poderá ser exercida a qualquer momento, permitindo ao seu possuidor fazer a troca a um custo fixo entre dois modos de operação. As compound options referem-se a projetos que podem ser divididos em várias fases, onde cada fase depende da anterior. Por fim, as rainbow options referem-se às opções cujo valor depende de várias fontes de incerteza. Normalmente em projetos de investimento aparecem as compound rainbow options. Black, Scholes e Merton durante a década de setenta desenvolveram uma série de equações que permitem avaliar qual é o valor intrínseco da opção. No caso de telecomunicações o conjunto de investimentos relativos a telefonia fixa e móvel poderia ser modelado utilizando-se da Teoria de Opções Reais. A Pesquisa Operacional surge durante a Segunda Guerra Mundial com aplicação da abordagem científica, especialmente com utilização de matemática e estatística, na resolução de problemas de gestão. É denominada também de Management Science. Pode-se citar algumas ferramentas como a Programação Linear e Não-Linear e a Simulação que compõem o conjunto de ferramentas de resolução. Genericamente, pode-se dizer que estas juntamente com a Teoria dos Jogos, Programação Dinâmica e Teoria da Decisão compõem também o conjunto de métodos de resolução de problemas da Pesquisa Operacional. Segundo Blackwell e Girshick (1979: VII) a Teoria do Jogos surge com Borel em 1921 e é expandida por Von Neumann em 1928, ganhando sua forma definitiva com a obra Theory of Games and Economic Behavior de Von Neumann e Morgenstern de Originariamente era denominada de Jogos de Estratégia. O conceito fundamental em Teoria dos Jogos é a estratégia. A estratégia é a completa enumeração de todas as ações possíveis em função das circunstâncias ou contingências derivadas do acaso ou do movimento do oponente. A seleção da estratégia desenvolve-se em função da racionalidade e do bem-estar do agente, podendo a informação ser completa ou não. Informação completa refere-se ao conhecimento da função retorno do oponente.

9 9 A função retorno enumera os ganhos positivos ou negativos dos jogadores. Quando os oponentes escolhem estratégias ótimas o valor da função retorno para um determinado oponente é denominado valor do jogo, neste caso, por exemplo, um jogo com valor igual a zero é considerado um fair game (jogo justo). O teorema fundamental de Teoria dos Jogos é o minimax, ou seja, os oponentes devem minimizar as suas perdas máximas. No caso de telecomunicações, uma campanha de propaganda com o objetivo de fixação da marca da empresa poderia ser modelada utilizando-se da Teoria dos Jogos. A Programação Dinâmica surge com Richard Bellman durante a década de cinqüenta. Uma característica fundamental da Programação Dinâmica é a presença de estágios múltiplos que podem ser sucessão de estados, em função da cronologia ou da lógica dos mesmos. Em cada estado existe um conjunto de variáveis ou funções, denominado vetor do estado. Portanto, é possível ter um número finito ou infinito de estados, contínuos ou discretos. O número de variáveis do estado é a dimensão do sistema. A escolha de um valor da variável ou dos argumentos da função é considerada uma decisão. Esta decisão deve ser feita de modo a maximizar uma função critério ou retorno associada ao vetor de estado. A escolha de uma seqüência de decisões nos vários estados constitui-se em uma política, que é ótima se maximizar a função retorno no conjunto de estados. Assim uma decisão deve ser tomada pela análise de suas conseqüências ao longo de uma trajetória e não apenas pontualmente. O teorema fundamental de Programação Dinâmica é o Princípio do Ótimo, ou seja, uma política é considerada ótima se independente do estado e da decisão iniciais, as demais decisões resultantes de estados anteriores permanecem ótimas. No caso de telecomunicações, um projeto de investimento em telefonia celular poderia ser modelado, utilizandose da Programação Dinâmica. Segundo Blackwell e Girshick (1979: VII), a Teoria da Decisão surge com Wald em 1939 e refere-se à utilização da teoria de probabilidade e estatística aplicada a decisão. Sua origem confunde-se um pouco com a Teoria dos Jogos. Podemos sintetizar da seguinte maneira: dado um conjunto de possíveis ações que dependem de estados da natureza é possível considerar as várias conseqüências de cada ação. É denominada estratégia a receita que informa qual deve ser o procedimento de reação para estado da natureza (função perda). A característica fundamental refere-se ao mecanismo de geração do conjunto de estados da natureza ou das ações, podendo obedecer a famílias de distribuições de probabilidades já conhecidas. A partir da análise das características fundamentais de cada abordagem teórica acima citada, é possível relacionar os seguintes elementos da estratégia: (1) objetivos e a (2) reação do oponente, (3) a seqüência de estados ao longo do tempo, (4) a probabilidade de ocorrência de certos eventos de interesse e a (5) flexibilidade. Esses elementos deveriam estar presentes no processo de estratégia de qualquer empresa, especialmente naquelas cujas mudanças no cenários competitivo fossem mais drásticas. O processo de privatização das empresas estatais brasileiras, por exemplo, pode ser considerado um exemplo dessa mudança. 5. A Privatização da Embratel A Embratel foi privatizada em 1998, sendo vendida para a MCI, empresa de telecomunicações americana, pelo montante de R$ 2,65 bilhões. O modelo do governo federal previa a criação de uma empresa espelho com as mesmas atribuições e abrangência da Embratel. No primeiro semestre de 1999, a MCI foi comprada pela WorldCom, também americana, pelo valor de US$ 53 bilhões, passando a denominar-se MCI-WorldCom.

10 10 Em outubro de 1999, a WorldCom, através da MCI, adquiriu o controle acionário da Sprint, uma de suas concorrentes americanas no segmento de telefonia a longa distância. Nessa ocasião a Sprint já tinha se tornado sócia da Intelig, com 25% de participação. Esse negócio envolveu algo em torno de US$ 129 bilhões. Conforme é fácil depreender, tal fato veio a criar um problema para a Anatel, dada a criação de um monopólio privado no país no setor de comunicações a longa distância. A WorldCom está em processo de concordata atualmente nos Estados Unidos. Provavelmente irá se desfazer de seus ativos no exterior. A Embratel é independente de sua controladora, pois desde a sua privatização mantém uma direção independente e não recebeu novos aportes da WorldCom. Ela possui 49% da receita de comunicação de dados do Brasil, a única rede nacional do país e receita de R$ 3,61 bilhões na primeira metade de A Embratel conquistou o direito de explorar a telefonia local ao antecipar as metas de universalização. Desde a privatização, instalou mais de mil telefones de uso público via satélite em todo o país. Também expandiu a rota de fibra óptica que interliga as capitais brasileiras e a infraestrutura de cabos submarinos, por meio de parcerias com outros países. O mercado de telefonia fixa no Brasil deverá ultrapassar 38 milhões de linhas no final de 2002, dos quais 2,4 milhões são linhas-tronco destinadas a empresas. É particularmente nesse mercado corporativo que a Embratel pretende atuar inicialmente. Para chegar ao assinante residencial a empresa precisa resolver a questão de desagregação da rede. A operadora quer a separação da infra-estrutura de rede das concessionárias da área de prestação de serviços, o que garantiria o acesso de outras operadoras à rede das prestadoras de serviço local e, dessa forma, atingir o assinante sem a necessidade de montar uma infra-estrutura própria, pagando uma espécie de aluguel à dona da rede. 6. A Mudança Estratégica Diante da Quebra do Monopólio Este é o cenário que a Embratel vive até o momento, ou seja, de desregulamentação e crescimento da concorrência. Esse é o mesmo cenário que vive qualquer empresa que passa pelo processo de privatização. Um dos mais importantes efeitos desse processo, no caso de telecomunicações, é a quebra do monopólio e a entrada de novos concorrentes no mercado. Com a quebra do monopólio, a Embratel e outras antigas estatais passam a viver num ambiente que lhes era estranho: o da concorrência. Diante desse novo cenário, as antigas estatais necessitam se adaptar a um novo tipo de gestão. Essa nova gestão deve contemplar, entre outros fatores, o valor dos ativos intangíveis. O valor total de uma empresa, como mostrado na Figura 1e na Figura 2, é formado pela soma dos ativos tangíveis e intangíveis. A Figura 4 mostra uma possível formação do valor de uma empresa antes e depois de um processo de privatização. Como se pode observar, um dos ativos mais importantes no período pré-privatização é o monopólio. Outros ativos intangíveis podem ter a sua relevância, mas o valor do ativo monopólio poderia ser responsável por grande parte do valor total da empresa, dada a impossibilidade do cliente em escolher outros fornecedores de serviços.

11 11 Pré-Privatização Monopólio Pós-Privatização Marca Outros Ativos Relacion. Outros Ativos Relacion. Ativos Estruturais Ativos Inovação Ativos Humanos Ativos Estruturais Ativos Inovação Ativos Humanos Ativos Tangíveis Ativos Tangíveis Observação: a figura acima tem caráter meramente ilustrativo e não corresponde aos reais valores das empresas em questão Figura 4 O valor de empresa pré e pós-privatização Com a privatização e o surgimento da concorrência, o monopólio e seu correspondente valor deixam de existir. Assim, para que o valor da empresa em privatização não seja dilapidado é necessário que o monopólio seja substituído por outro ativo intangível. Um desses ativos pode ser a marca. Notadamente no caso da Embratel, notam-se crescentes investimentos em uma de suas principais marcas: o 21 (número que corresponde ao código da operadora). Outros ativos intangíveis também podem ajudar a substitui o monopólio. As empresas em geral podem investir na pesquisa e desenvolvimento (Ativos de Inovação) de novos produtos e serviços. Também podem investir novas redes de informação ou sistemas de comunicação (Ativos Estruturais) ou no treinamento e desenvolvimento de seus empregados (Ativos Humanos). Alternativas não faltam a esse processo de mudança. Esse problema atinge não apenas a Embratel, mas todas as empresas privatizadas ou em fase de privatização. O investimento na marca, por exemplo, oferece vários benefícios. Segundo Keller (1998: 53), alguns dos benefícios de se ter uma marca forte são: maior lealdade, menor vulnerabilidade às ações de marketing da concorrência, menor vulnerabilidade às crises de marketing, margens de lucro maiores, maior inelasticidade a aumentos de preço, maior elasticidade a reduções de preço, possíveis oportunidades de licenciamento ou extensão da marca, etc. Esses e outros benefícios resultantes de uma marca forte proporcionam lucros operacionais maiores e mais consistentes ao longo do tempo relativamente a um produto sem marca (Barth, Clement, Foster et al, 1998: 42). A marca, portanto, pode contribuir para a geração de resultados econômicos futuros em substituição ao antigo monopólio. O investimento na marca e em outros ativos intangíveis pode ser uma importante estratégia para a manutenção e crescimento do valor da empresa diante do crescimento da concorrência. No caso da Embratel, especificamente, tais investimentos podem criar atributos importantes entre os consumidores e, assim, contribuir para que eles se tornem clientes fiéis. Isso pode acabar criando um bom exemplo de externalidade de rede positiva. No processo de gestão estratégica da empresa, na qual inclui-se a gestão dos intangíveis bem como dos tangíveis, as teorias expostas neste ensaio podem exercer importantes contribuições. A aplicação da Teoria dos Jogos, por exemplo, já pode ser percebida. A Teoria de Opções Reais

12 12 também poderia ser amplamente aplicada em situações semelhantes, bem como poderiam ser aplicadas as teorias de programação dinâmica. Cada teoria enfatiza um aspecto estratégico importante. Entretanto, é o conjunto dos elementos estratégicos de cada teoria que deve ser considerado, a saber: (1) objetivos e a (2) reação do oponente, (3) a seqüência de estados ao longo do tempo, (4) a probabilidade de ocorrência de certos eventos de interesse e a (5) flexibilidade. 7. Considerações Finais Este ensaio tem por objetivo analisar a postura estratégica das empresas em relação a seus ativos intangíveis diante da mudança do cenário competitivo. Com a finalidade de se exemplificar essa análise, toma-se o caso da privatização da Embratel, antiga estatal do setor de telecomunicações. Adicionalmente, chama-se atenção para a aplicabilidade da Teoria dos Jogos, Opções Reais, Programação Dinâmica entre outras teorias nesse processo de posicionamento estratégico. Sugere-se que a quebra do monopólio, como conseqüência da privatização, faz surgir a necessidade da empresa repensar seu posicionamento estratégico em relação aos ativos intangíveis. Nesse caso, o monopólio (que pode ser considerado um ativo intangível) deve ser substituído por outro tipo de ativo de forma que o valor intrínseco da empresa não seja dilapidado. A privatização é um exemplo drástico da ruptura que existe na mudança dos cenários competitivos. Entretanto, a mesma situação pode ocorrer, em maior ou menor grau, em qualquer tipo de empresa, pública ou privada. O que se pretende com este ensaio é chamar atenção para a importância da gestão dos intangíveis nesse processo de mudança. 8. Bibliografia AAKER, David A.; JOACHIMSTHALER, Erich. Brand leadership. New York : The Free Press, BARBOSA, José Geraldo P.; GOMES, Josir Simeone. Um estudo exploratório do controle gerencial de ativos e recursos intangíveis em empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, v.6, n.2, p.29-48, maio/agosto de BARTH, Mary E.; CLEMENT, Michael B.; FOSTER; George; et al. Brand values and capital market valuation. Review of Accounting Studies, v.3, n.1 e 2, p.41-68, BLACKWELL, D.; GIRSHICK, M.A. Theory of games and statistical decisions. New York : Dover, COPELAND, Thomas E.; KOLLER, Tim; MURRIN, Jack. Valuation: Measuring and Managing the Value of Companies. 2.ed (University edition). New York : John Wiley & Sons, FELTHAM, Gerald A.; OHLSON, James A. Valuation and clean surplus accounting for operating and financial activities. Contemporary Accounting Research, v.11, n.2, p , Spring HENDRIKSEN, Eldon S. Accounting theory. Illinois: Richard D.Irwin, KAYO, Eduardo Kazuo. A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangívelintensivas: uma contribuição ao estudo da valoração de empresas. Tese (Doutorado em

13 13 Administração) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, KELLER, Kevin L. Strategic brand management: building, measuring, and managing brand equity. New Jersey : Prentice Hall, LEV, Baruch. Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington : Brookings, ; ZAROWIN, Paul. The boundaries of financial reporting and how to extend them. Journal of Accounting Research, v.37, n.2, p , Autumn MARTINS, Eliseu. Contribuição à avaliação do ativo intangível. Tese (Doutorado em Contabilidade) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, MONOBE, Massanori. Contribuição a mensuração e contabilização do goodwill não adquirido. Tese (Doutorado em Contabilidade) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, PINDYCK, Robert S.; RUBINFELD, Daniel L. Microeconomia. São Paulo : Makron Books, PORTER, Michael. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro : Campus, RAPPAPORT, Alfred. Creating shareholder value: a guide for managers and investors. 2.ed. New York : The Free Press, 1998 REILLY, Robert F.; SCHWEIHS, Robert P. Valuing intangible assets. New York : McGraw- Hill, STEWART, Thomas A. Intellectual capital: the new wealth of organizations. New York : Doubleday, The wealth of knowledge: intellectual capital and the twenty-first century organization. New York : Doubleday, STEWART III, G. Bennett. The quest for value. USA : HarperCollins, SVEIBY, Karl E. The new organizational wealth: managing and measuring. San Francisco: Berrett-Koehler, 1997.

Ativos Intangíveis, Ciclo de Vida e Criaçăo de Valor

Ativos Intangíveis, Ciclo de Vida e Criaçăo de Valor Ativos Intangíveis, Ciclo de Vida e Criaçăo de Valor Eduardo Kazuo Kayo Herbert Kimura Diógenes Manoel Leiva Martin Wilson Toshiro Nakamura RESUMO O valor econômico de uma empresa é resultado da soma dos

Leia mais

Ativo Intangível: um fator competitivo entre as empresas (junto com Andréa Alves Silveira Monteiro)

Ativo Intangível: um fator competitivo entre as empresas (junto com Andréa Alves Silveira Monteiro) Ativo Intangível: um fator competitivo entre as empresas (junto com Andréa Alves Silveira Monteiro) Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis v.4 n 1 1999 1 - INTRODUÇÃO A cada semana

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas O Valor Patrimonial das Empresas Em situações específicas: Utilização Determinar o valor de liquidação de uma empresa em condição de concordata ou falência; Avaliação de ativos não

Leia mais

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Avaliação de Intangíveis Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Brasília 2014 Conceitos básicos em Combinação de negócios (CPC 15 / IFRS 13) A definição de ativo intangível

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN

UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN Danilo Bezerra Araújo 1 UFRN José Leão Lopes de Macedo Ferreira 2 UFRN Megaron Montanaro Batista de Macedo

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO 1. ATIVO E SUA MENSURAÇÃO De acordo com Iudícibus e Marion (1999), as empresas fazem uso de seus ativos para manutenção de suas operações, visando a geração de receitas capazes de superar o valor dos ativos

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27 Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz OBJETIVO É estabelecer o tratamento contábil para ativos imobilizados, de forma que os usuários possam discernir a informação sobre o investimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas Prof. Mestre Renato silva 1 Resumo: Este artigo tem o propósito de apresentar a importância da contabilidade gerencial no contexto da geração

Leia mais

Uberlândia / MG, maio de 2010.

Uberlândia / MG, maio de 2010. FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTONIO CARLOS 1 TEORIA DA CONTABILIDADE ATIVO INTANGIVEL Uberlândia / MG, maio de 2010. Paulo Cesar da Silva ATIVO INTANGIVEL: FUNDAMENTO LEGAL 2 De acordo com o art. 179, inciso

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 1. PATRIMONIO LIQUIDO 1.1. INTRODUÇÃO Estaticamente considerado, o patrimônio liquido pode ser simplesmente definido como a diferença, em determinado momento, entre o valor do ativo e do passivo, atribuindo-se

Leia mais

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS José Lúcio Alves Silveira 1 RESUMO O trabalho apresenta que o importante desafio para o País consiste na União

Leia mais

demonstrativos de resultados, e consequentemente a quantificação da riqueza dos acionistas.

demonstrativos de resultados, e consequentemente a quantificação da riqueza dos acionistas. A gestão das empresas vem revelando importantes avanços em sua forma de atuação, saindo de uma postura convencional de busca do lucro e rentabilidade para um enfoque preferencialmente voltado à riqueza

Leia mais

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Para se aplicar a Teoria dos Jogos em situações reais, é preciso em primeiro lugar saber como modelar esses processos e como analisá-los,

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

Aquisição da Microlins. Agosto 2008

Aquisição da Microlins. Agosto 2008 Aquisição da Microlins Agosto 2008 Overview da Transação A Anhanguera adquiriu uma participação de 30% na Microlins, a maior rede de cursos profissionalizantes do país Overview 657 franquias em todo Brasil

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB 1 ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB Paulo Schmidt * José Luiz dos Santos ** Luciane Alves Fernandes *** Resumo: A cada dia que passa, maior se torna a dependência entre mercados e países,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA Revista Conjuntura Econômica 01/2000 Oscar Malvessi* COMPETIVIDADE, A VELOCIDADE COM QUE ESTÁ OCORRENDO A TRANSFORMAÇÃO dos negócios, a globalização dos mercados

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

REGULAÇÃO E COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA II. Profº Alex Barborsa

REGULAÇÃO E COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA II. Profº Alex Barborsa REGULAÇÃO E COMPOSIÇÃO TARIFÁRIA II Profº Alex Barborsa Natal, 15 de abril de 2014 Ativo intangível IAS 38 CPC 04 Principais Pontos tratados pela IAS 38 1. Natureza; 2. Reconhecimento; 3. Mensuração; 4.

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

VARIAÇÃO DO GRAU DE INTANGIBILIDADE REFLETIDO PELO PREÇO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO.

VARIAÇÃO DO GRAU DE INTANGIBILIDADE REFLETIDO PELO PREÇO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO. VARIAÇÃO DO GRAU DE INTANGIBILIDADE REFLETIDO PELO PREÇO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO. Daiane Cambruzi (ICSEC Pós-Graduação):daicambruzzi@yahoo.com.br; João Francisco Morozini (PqC/UNICENTRO):

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

Introdução as Opções Reais

Introdução as Opções Reais Introdução as Opções Reais Capitulo 1 - Uma nova visão de investimento A economia define investimento como ato de incorrer em custo imediato na expectativa de recompensas futuras. Firmas que constroem

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário.

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário. Viabilidade do Negócio Imobiliário Uma Gestão Consciente Prof. Daniel F. Falcão daniel.falcao@agexconsult.com.br Objetivo Central Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CCSADFCMT01 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Marília Caroline Freire Cunha (1) ; Maria Sueli Arnoud Fernandes (3). Centro de Ciências Sociais Aplicadas/Departamento

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que a taxa de juro seja de 10%. Qual é o valor de um título com cupom que paga $80 por ano, durante cada um dos próximos 5

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS QUANTITATIVOS PELA CONTABILIDADE PARA OTIMIZAÇÃO DE RECEITAS E RACIONALIZAÇÃO DE CUSTOS

A UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS QUANTITATIVOS PELA CONTABILIDADE PARA OTIMIZAÇÃO DE RECEITAS E RACIONALIZAÇÃO DE CUSTOS 1 A UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS QUANTITATIVOS PELA CONTABILIDADE PARA OTIMIZAÇÃO DE RECEITAS E RACIONALIZAÇÃO DE CUSTOS Sandra Figueiredo Heber Moura RESUMO A utilização de modelos contábeis baseados em métodos

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

O QUE É ATIVO INTANGÍVEL?

O QUE É ATIVO INTANGÍVEL? O QUE É ATIVO INTANGÍVEL?! Quais as características do Ativo Intangível?! O problema da mensuração dos Ativos Intangíveis.! O problema da duração dos Ativos Intangíveis. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL - 2004 Sumário Mudanças na Sociedade Industrial - fatores e tendências Novos caminhos da organização Elementos críticos do diferencial competetitivo Os recursos

Leia mais

CODIM MINUTA PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA DE 28/01/2016 A 29/02/2016

CODIM MINUTA PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA DE 28/01/2016 A 29/02/2016 CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP - ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD - ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) MINUTA PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA DE 28/01/2016

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios Creating and managing brand value TM Interbrand Pg. 2 Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios

Leia mais

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos.

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos. NBC TSP 5 Custos de Empréstimos Objetivo Esta Norma indica o tratamento contábil dos custos dos empréstimos. Esta Norma geralmente exige o reconhecimento imediato no resultado do exercício dos custos dos

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV)

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV) OBJETIVO: Capacitar profissionais, de qualquer área de atuação, para a carreira executiva, desenvolvendo as principais habilidades gerenciais, tais como: liderança, comunicação interpessoal e visão estratégica,

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE)

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) Ativo Imobilizado e Intangível OBJETIVOS Possibilitar a compreensão da importância da informação contábil adequada do Ativo Imobilizado e sua gestão, apuração

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 36 Impairment of Assets No CPC: CPC 01 (R1) Redução ao valor recuperável

Leia mais

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado)

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 14 (Nova) -->Início Confirmado:05/07/2013 Mercados dinâmicos têm imposto desafios crescentes para as empresas:

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Termos usados em Segurança Empresarial:

Termos usados em Segurança Empresarial: Termos usados em Segurança Empresarial: Ameaça: É qualquer indicação, circunstância ou evento com potencial de causar dano ou perda. Ativo: É qualquer equipamento, infraestrutura, material, informação,

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Medidas de Avaliação de Desempenho Financeiro e Criação de Valor: Um Estudo com Empresas Industriais

Medidas de Avaliação de Desempenho Financeiro e Criação de Valor: Um Estudo com Empresas Industriais Medidas de Avaliação de Desempenho Financeiro e Criação de Valor: Um Estudo com Empresas Industriais Elizabeth Krauter ekrauter@usp.br Universidade de São Paulo (USP), FEA São Paulo, SP, Brasil RESUMO

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais