CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"

Transcrição

1 CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PIS/COFINS (Regime Cumulativo e não Cumulativo com preenchimento do DACON e DCTF) 28/03/2014

2 2 Sumário CONTRIBUINTES EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO PRESUMIDO BASE DE CÁLCULO RECEITAS TRIBUTADAS À ALÍQUOTA ZERO RECEITAS TRIBUTADAS À ALIQUOTA ZERO RECEITA ISENTA E DEMAIS RECEITA RECEITA COM SUSPENSÃO RECEITA TRIBUTADO PELO PATRIMONIO DE AFETAÇÃO APURAÇÃO SOBRE AS RECEITAS pág.03 pág.04 pág.05 pág.06 pág.07 pág.08 pág.09 pág.10 pág.11 CASO PRÁTICO pág.12 PREENCHIMENTO DO DACON pág.13 PREENCHIMENTO DA DCTF pág.18 CASO PRÁTICO pág.23 PREENCHIMENTO DO DACON pág.24 PREENCHIMENTO DA DCTF pág. 28 EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL pág. 33 ISENÇÕES E EXCLUSÕES PERMITIDAS pág. 34 BASE DE CÁLCULO DA CONTRIBUIÇÃO pág. 35 CRÉDITOS A DESCONTAR pág. 36 DOS DIREITOS DE APROVEITAMENTO DOS CRÉDITOS pág. 44 CRÉDITO PRESUMIDO NOS ESTOQUES PESSOAS JURÍDICAS IMUNES AO REGIME DA NÃO CUMULATIVIDADE PRAZO PARA RECOLHIMENTO CASO PRÁTICO PREENCHIMENTO DO DACON PREENCHIMENTO DA DCTF pág.45 pág.47 pág.50 pág.51 pág.54 pág.73

3 3 CONTRIBUINTES SÃO CONTRIBUINTES AS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO DE FINS LUCRATIVOS E AS QUE LHES SÃO EQUIPARADAS PELA LEGISLAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA, QUE COMPREENDEM: a) As sociedades mercantis e as civis de fins lucrativos, inclusive empresas públicas e sociedades de economia mista e suas subsidiárias; b) As firmas ou empresas individuais equiparadas à pessoa jurídica pela legislação do Imposto de Renda; c) A filial, sucursais, agencia ou representações no País, de pessoas jurídicas com sede no exterior.

4 4 EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO PRESUMIDO (Regime Cumulativo) RECEITA BRUTA MENSAL ASSIM ENTENDIDA A TOTALIDADE DAS RECEITAS AUFERIDAS SOBRE O FATURAMENTO. (art.3º da Lei Complementar nº 7 de 07 de setembro de 1970) Linha 08A/01 Receita de Vendas de Bens e Serviços Alíquota de 0,65% No campo "Receita", deve ser informado o valor da receita bruta decorrente da venda de bens e serviços, sujeita à alíquota de 0,65%, diminuídas das receitas informadas nas Linhas 08A/05 a 08A/12, auferida por pessoas jurídicas:

5 5 BASE DE CÁLCULO (Exclusões Permitidas) Para apuração do valor a ser informado no campo "Base de Cálculo", poderão ser excluídos: a) descontos incondicionais concedidos, quando computados como receita bruta; b) vendas canceladas, após deduzidos os valores dos descontos incondicionais concedidos; c) IPI, quando destacado na nota fiscal; d) ICMS, quando recolhido na condição de substituto tributário; e) devoluções de vendas de mercadorias sujeitas à incidência cumulativa da Contribuição para o PIS/Pasep, no caso da pessoa jurídica estar sujeita a esse regime de incidência. f) reversões de provisões e recuperações de créditos baixados como perda que não representem ingresso de novas receitas; g) o resultado positivo da avaliação de investimentos pelo valor do patrimônio líquido; e h) os lucros e dividendos derivados de investimentos avaliados pelo custo de aquisição que tenham sido computados como receita.

6 6 Linha 08A/05 Receitas Tributadas à Alíquota Zero Informar nesta linha o valor das receitas auferidas pelas pessoas jurídicas que estejam sujeitas à alíquota zero da Contribuição para o PIS/Pasep, de acordo com a legislação vigente. Atenção: Para as pessoas jurídicas sujeitas ao regime de incidência cumulativo da Contribuição para o PIS/Pasep, as receitas financeiras, inclusive decorrentes de operações realizadas para fins de hedge e de juros sobre o capital próprio, devem ser informadas na Linha 08A/02. De acordo com a Lei 11941/2009, especificamente no inciso XII do Art. 79, foi revogado o 1º do art. 3º da Lei no 9.718/98 (Lei de PIS e COFINS do regime cumulativo). Vale dizer que este parágrafo revogado enquadrava como "receita bruta" (base de cálculo destas contribuições) indistintamente das classificações contábeis tudo o que as empresas auferissem a título de receitas.

7 7 Linha 08A/06 Receitas Tributadas à Alíquota Zero Revenda de Produtos Sujeitos à Tributação Monofásica a) combustíveis; b) famacêuticos; c) perfumaria, toucador e higiene pessoal; d) máquinas e veículos; e) auto peças, pneus novos de borracha e câmaras de ar de borracha; f) bebidas e embalagens. Linha 08A/07 Receita de Vendas de Bens do Ativo Permanente Linha 08A/08 Receita Sem Incidência da Contribuição - Exportação

8 8 Linha 08A/09 Receita Isenta e Demais Receita Sem Incidência da Contribuição As instituições privadas de ensino superior, com fins lucrativos ou sem fins lucrativos não beneficentes, que aderiram ao Programa Universidade para Todos (Prouni) devem informar nesta linha, o valor da receita decorrente da realização de atividades de ensino superior, proveniente de cursos de graduação ou cursos seqüenciais de formação específica (inciso IV do art. 8º da Lei nº , de 2005). Informar nesta linha a receita bruta decorrente de: 1) recursos recebidos a título de repasse, oriundos do Orçamento Geral da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, pelas empresas públicas e sociedades de economia mista; 2) fornecimento de mercadorias ou serviços para uso ou consumo de bordo em embarcações e aeronaves em tráfego internacional, quando o pagamento for efetuado em moeda conversível; 3) transporte internacional de cargas ou passageiros; 4) vendas efetuadas à empresa estabelecida na Amazônia Ocidental ou em área de livre comércio e à empresa estabelecida em zona de processamento de exportação; 5) atividades de construção, conservação, modernização, conversão e reparo de embarcações pré-registradas ou registradas no Registro Especial Brasileiro (REB), instituído pela Lei nº 9.432, de 1997, auferidas pelos estaleiros navais brasileiros; 6) frete de mercadorias transportadas entre o País e o exterior pelas embarcações registradas no REB; 7) vendas realizadas pelo produtor-vendedor às empresas comerciais exportadoras nos termos do Decreto-Lei nº 1.248, de 29 de novembro de 1972 desde que destinadas ao fim específico de exportação; 8) venda de energia elétrica pela Itaipu Binacional; 9) vendas de materiais e equipamentos, bem assim da prestação de serviços decorrentes dessas operações, efetuadas diretamente a Itaipu Binacional. 10) venda de querosene de aviação por pessoa jurídica não enquadrada na condição de importadora ou produtora.

9 9 Linha 08A/10 Receita com Suspensão da Contribuição Informar nesta linha a receita bruta decorrente de: Receita Bruta venda de gado bovino, carnes, couros, etc. Nota: A suspensão alcança as vendas efetuadas por pessoa jurídica, inclusive cooperativas, para pessoas jurídicas produtoras ou que industrialize bens e produtos de carnes bovinas. Obs. A Suspensão está condicionada as vendas efetuadas à pessoa jurídica tributada com base no lucro real. Linha 08A/11 Receita de Revenda Decorrente de Operações Sujeitas à Substituição Tributária Informar nesta linha a receita bruta decorrente da revenda: 1) de cigarros por comerciantes atacadistas e varejistas desses produtos; e 2) de veículos autopropulsados descritos nos códigos (semeadores, plantadores e transplantadores) e 87.11(motocicletas), ambos da TIPI, por comerciantes varejistas. Atenção: Não deve ser informada nesta linha a receita de revenda dos veículos autopropulsados (art. 43 da Medida Provisória nº , de 2001, derrogado pela Lei n o , de 2002, e alteração do art. 64 da Lei nº , de 2002) auferida pelos comerciantes atacadistas, hipótese em que as contribuições são devidas em cada uma das sucessivas operações de venda do produto (Ato Declaratório SRF nº 44, de 2000).

10 10 Linha 08A/12 Receita Tributada pelo RET Patrimônio de Afetação A pessoa jurídica que realizar incorporações imobiliárias e optar pelo Regime Especial Tributário do Patrimônio de Afetação, de que trata a Lei nº , de 2 de agosto de 2004, alterada pela Lei nº , de 2005, deve informar nesta linha a totalidade das receitas auferidas na venda das unidades imobiliárias que compõem a incorporação, bem como as receitas financeiras e variações monetárias decorrentes desta operação. Atenção: A receita da incorporação sujeita a tributação pelo RET não deve ser computada na apuração da base de cálculo da Contribuição para o PIS/Pasep devida pela incorporadora em virtude de suas outras atividades empresariais, inclusive incorporações não afetadas.

11 11 APURAÇÃO SOBRE AS RECEITAS (+) RECEITA BRUTA DE VENDAS E SERVIÇOS (-) EXCLUSÕES PERMITIDAS (=) BASE DE CÁLCULO (X) ALÍQUOTA (*) (=) CONTRIBUIÇÃO DEVIDA (-) RETENÇÕES NA FONTE (=) CONTRIBUIÇÃO A RECOLHER (*) PIS - 0,65% / COFINS 3,00 %

12 12 Casos Práticos: Lucro Presumido Admitindo-se que no mês de janeiro de X1, determinada empresa com atividade industrial, que apure o IRPJ e a CSLL através do lucro presumido apresentasse os seguintes dados: 1. Receita Bruta da Vendas de Produtos Mercado Interno R$ ,00 2. Receita Bruta da Venda de Produtos Mercado Externo R$ ,00 3. IPI R$ ,00 4. ICMS s/vendas R$ ,00 5. ICMS Substituição Tributária s/vendas R$ ,00 6. Vendas Canceladas e/ou Devolvidas; R$ ,00 7. Receitas de Aplicações Financeiras (Realizadas) R$ ,00 8. Receita de Aluguéis R$ ,00 Apurar e contabilizar o PIS e a COFINS.

13 13 PREENCHIMENTO DA DACON

14 14

15 15

16 16

17 17

18 PREENCHIMENTO DA DCTF 18

19 19

20 20

21 21

22 22

23 23 Admitindo-se que no mês de janeiro de X1, determinada empresa com atividade de prestação de serviços, que apure o IRPJ e a CSLL através do lucro presumido apresentasse os seguintes dados: 1. Receita da Prestação de Serviços (a vista) R$ ,00 2. ISS (Retido na Fonte) R$ ,00 3. Receitas de Aplicações Financeiras R$ ,00 4. Receita de Aluguéis R$ 5.000,00 5. Ganho na venda de ativo imobilizado R$ ,00 6. Ganho na equivalência patrimonial R$ ,00 Apurar e contabilizar PIS e COFINS sabendo-se que houve retenção na fonte de 4,65% efetuada pelo Cliente CNPJ /

24 24 PREENCHIMENTO DO DACON

25 25

26 26

27 27

28 28 PREENCHIMENTO DA DCTF

29 29

30 30

31 31

32 32

33 33 EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL (Regime da Não Cumulatividade) 1. Receita de Venda no Mercado Externo 2. Receita de Venda no Mercado Interno de Produtos de Fabricação Própria 3. Receita de Revenda de Mercadorias 4. Receita da Prestação de Serviços 5. Receita das Unidades Imobiliárias Vendidas 6. Receita da Atividade Rural 7. Demais Receitas Receitas Financeiras de Juros Sobre Capital Próprio (Decreto nº 5.442/2005)

34 34 ISENÇÕES E EXCLUSÕES PERMITIDAS 8. Receitas de Export. com Direito de Crédito de PIS/PASEP (Lei nº /02, art.5º, 1º). 9. Demais Receitas da Exportação 10. Receitas Isentas, não Alcançadas pela Incidência ou Sujeitas à Alíquota Zero. 11. Receitas de Variações Cambiais Auferidas no Mês 12. Reversão de Provisões e Recuperação de Créditos Baixados como Perda 13. Resultados Positivos em Participações Societárias e em SCP 14. Vendas de Bens do Ativo Permanente 15. Vendas de Produtos Sujeitos à Substituição 16. Vendas de Produtos Sujeitos à Alíquotas Diferenciadas e Por Unidade de Produto 17. Receitas Diferidas no Mês 18. Receitas de Vendas Auferidas no Âmbito do MAE 19. Receitas Auferidas Sujeitas à Incidência Cumulativa 20. Outras Exclusões (art.1º, 3 da Lei nº /2002 e art.1º, 3º da Lei nº /2003).

35 BASE DE CÁLCULO DA CONTRIBUIÇÃO PIS ALÍQUOTA DE 1,65% COFINS ALÍQUOTA DE 7,60% DEDUÇÕES 26. Contribuição Incidência Não-Cumulativa - Alíquotas Diferenciadas e por Unidade de Produto 27. (-) Créditos Descontados no Mês- - Incidência Não-Cumulativa 28. (-) Contribuições Retidas na Fonte por Órgão Público Federal 29. (-) Contribuições Retidas na Fonte por Outras Pessoas Jurídicas (Lei nº /03, art.30). 30. (-) Contribuições Retidas na Fonte por Est,DF e Mun. (Lei nº /03, art.33) 31.(-) Contribuições Retidas na Fonte por Sociedade Cooperativa 32.(-) Contribuições Retidas na Fonte por Fabricantes de Veículos e Maquinas 33.(-) Contribuições Retidas pela não Ocorrencia do Fato Gerador Presumido 34.(-) Crédito Presumido Medicamentos 35.(-) Créditos Admitidos no Regime Cumulativo 36.(-) Contribuições Pagas pelo Substituto Tributário 37.(-) Outras Deduções 38. CONTRIBUIÇÃO A PAGAR INCIDÊNCIA NÃO-CUMULATIVA 39. CONTRIBUIÇÃO A PAGAR INCIDÊNCIA CUMULATIVA

36 36 CRÉDITOS A DESCONTAR O CONTRIBUINTE PODERÁ DESCONTAR CRÉDITOS MEDIANTE A APLICAÇÃO DAS ALÍQUOTAS (1,65% e 7,6%) RESPECTIVAMENTE SOBRE: Linha 06A/01 INSUMOS E MERCADORIAS ADQUIRIDOS PARA REVENDA; Informar nesta linha o valor das aquisições, efetuadas no mercado interno, de bens ou mercadorias para revenda. (exceto as receitas auferidas pela pessoa jurídica revendedora, na revenda de mercadorias em relação às quais a contribuição seja exigida da empresa vendedora, na condição de substituta tributária ou submetida à incidência monofásica da contribuição). Atenção: 1) Não integra o custo dos bens e das mercadorias o IPI incidente na aquisição, quando recuperável pelo comprador. 2) O ICMS integra o custo dos bens e das mercadorias, exceto quando cobrado pelo vendedor na condição de substituto tributário. 3) Integram o custo de aquisição dos bens e das mercadorias o seguro e o frete pagos na aquisição, quando suportados pelo comprador.

37 37 Linha 06A/02 Bens Utilizados como Insumos Informar nesta linha o valor das aquisições, efetuadas no mercado interno, de bens utilizados como insumos na prestação de serviços e na produção ou fabricação de bens ou produtos destinados à venda. Entendem-se como insumos: 1) utilizados na fabricação ou produção de bens destinados à venda: a matéria-prima, o produto intermediário, o material de embalagem e quaisquer outros bens que sofram alterações, tais como o desgaste, o dano ou a perda de propriedades físicas ou químicas, em função da ação diretamente exercida sobre o produto em fabricação, desde que não estejam incluídos no ativo imobilizado; e 2) utilizados na prestação de serviços: os bens nela aplicados ou consumidos, desde que não estejam incluídos no ativo imobilizado. Linha 06A/03 Serviços Utilizados como Insumos Informar nesta linha o valor das aquisições, efetuadas no mercado interno, de serviços utilizados como insumos na prestação de serviços e na produção ou fabricação de bens ou produtos destinados à venda. Entendem-se como insumos os serviços prestados por pessoa jurídica domiciliada no país, aplicados ou consumidos na prestação de serviço e na produção ou fabricação de bens.

38 38 Linha 06A/04 Despesas de Energia Elétrica e Energia Térmica, inclusive sob a forma de vapor Informar nesta linha o valor dos custos e despesas, incorridos no mês, com energia elétrica e energia térmica, inclusive sob a forma de vapor, consumida nos estabelecimentos da pessoa jurídica. Linha 06A/05 Despesas de Aluguéis de Prédios Locados de Pessoas Jurídicas Informar nesta linha o valor do custo e/ou da despesa, incorridos no mês, com aluguéis de imóveis utilizados nas atividades da empresa, inclusive atividades administrativas, pagos a pessoas jurídicas domiciliadas no país.

39 39 Linha 06A/06 Despesas de Aluguéis de Máquinas e Equipamentos Locados de Pessoas Jurídicas Informar nesta linha o valor do custo e/ou da despesa, incorridos no mês, com aluguéis de máquinas e equipamentos utilizados nas atividades da empresa, inclusive atividades administrativas, pagos a pessoas jurídicas domiciliadas no país. Linha 06A/07 Despesas de Armazenagem e Frete na Operação de Venda A pessoa jurídica deve informar nesta linha os valores de armazenagem de mercadoria pagos a terceiros, bem como o valor do frete pago a terceiro na operação de venda de bens adquiridos para revenda e de bens de fabricação própria, quando o ônus for suportado pelo vendedor. Deve ser informado ainda nesta linha o frete pago a terceiro decorrente do transporte realizado entre matriz e filiais da empresa ou entre estas, desde que vinculado diretamente a uma operação de venda e que o ônus seja suportado pelo vendedor

40 40 Linha 06A/08 Despesas de Contraprestações de Arrendamento Mercantil Informar nesta linha o valor das contraprestações de arrendamento mercantil contratado junto a pessoas jurídicas domiciliadas no país, exceto quando estas forem optantes pelo Simples. Linha 06A/09 Sobre Bens do Ativo Imobilizado (Com Base nos Encargos de Depreciação) Informar nesta linha o valor dos encargos de depreciação incorridos no mês, relativamente às máquinas, equipamentos e outros bens incorporados ao ativo imobilizado, adquiridos no mercado interno ou fabricados a partir de 1º de maio de 2004, destinados à locação a terceiros ou utilização na prestação de serviços ou na produção de bens destinados à venda. Os referidos encargos deverão ser determinados mediante a aplicação da taxa de depreciação fixada pela Secretaria da Receita Federal do Brasil em função do prazo de vida útil do bem.

41 41 Linha 06A/10 Sobre Bens do Ativo Imobilizado (Com Base no Valor de Aquisição ou de Construção) Na hipótese de a pessoa jurídica optar pela recuperação acelerada de créditos relativos a bens do ativo imobilizado, prevista no 14 e 16, inciso I, do art. 3 o e no inciso II do art. 15 da Lei n o , de 2003, e no art. 2 o da Lei n o , de 2004, deve informar nesta linha: a) 1/48 (um quarenta e oito avos) do valor de aquisição de máquinas e equipamentos destinados ao ativo imobilizado; b) 1/12 (um doze avos) do valor de aquisição dos vasilhames de vidro retornáveis, classificados no código da Tipi, destinados ao envasamento de refrigerantes ou cervejas classificados nos códigos e da Tipi; c) 1/24 (um vinte e quatro avos) do valor de aquisição de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos, novos, relacionados nos Decretos n os 4.955, de 15 de janeiro de 2004, e 5.173, de 6 de agosto de 2004, conforme disposição constante do Decreto nº 5.222, de 30 de setembro de 2004, destinados ao ativo imobilizado e empregados em processo industrial do adquirente; d) 1/12 (um doze avos) do valor de aquisição de máquinas e equipamentos, novos, destinados à produção de bens e serviços, nos termos do art. 1º da Lei nº , de 17 de Setembro de 2008; Atenção: 1) Os valores informados na forma das alíneas "a" e "b" devem referir-se apenas à depreciação de máquinas e outros bens do ativo imobilizado, novos, adquiridos a partir de 1º de maio de 2004 para utilização na produção de bens destinados à venda ou utilizados na prestação de serviços. 2) O valor informado na forma da alínea "c" aplica-se somente a máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos, novos, adquiridos a partir de 1º de outubro de ) O valor informado na forma da alínea "e" aplica-se somente a bens de capital, novos, adquiridos a partir de 23 de outubro de ) O valor informado na forma da alínea "d" aplica-se somente a máquinas e equipamentos, novos, adquiridos a partir de maio de ) No cálculo do valor a ser inserido nesta linha não podem ser computados valores decorrentes de reavaliação. 6) Em relação aos bens parcialmente depreciados na data da opção pela recuperação acelerada de créditos de que trata esta linha, as frações de 1/48, 1/12 e 1/24 devem ser aplicadas sobre o valor residual dos bens àquela data.

42 42

43 43 Linha 06A/11 Encargos de Amortização de Edificações e Benfeitorias Informar nesta linha o valor dos encargos de amortização referentes a edificações e benfeitorias em imóveis de terceiros utilizados nas atividades da empresa, incorridos no mês, determinados mediante a aplicação da taxa de amortização em função do número de anos restantes do contrato de aluguel. Linha 06A/12 Devolução de Vendas Sujeitas à Alíquota de 1,65 % Informar nesta linha o valor das devoluções de vendas cuja receita tenha integrado o faturamento do mês ou de mês anterior e tenha sido tributada à alíquota de 1,65 % (um inteiro e sessenta e cinco centésimos por cento). Linha 06A/13 Outras Operações com Direito a Crédito Informar nesta linha outros custos, despesas e encargos, em relação aos quais a legislação autorize o cálculo de créditos à alíquota de 1,65 % (um inteiro e sessenta e cinco centésimos por cento), que não tenham sido contemplados nas linhas anteriores.

44 44 Nota: Na hipótese de a pessoa jurídica sujeitar-se à incidência não-cumulativa do PIS/COFINS, em relação apenas à parte de suas receitas, o crédito será apurado, exclusivamente, em relação aos custos, despesas e encargos vinculados a essas receitas. ( 7º do art.3º da Lei nº /03) DOS DIREITOS DE APROVEITAMENTO DOS CRÉDITOS 1) Caso a pessoa jurídica não aproveite o crédito em determinado mês, poderá fazê-lo em meses subseqüentes. 2) As pessoas jurídicas que auferirem receitas receita de exportação e obtiverem créditos não compensados conforme item 1 anterior poderão solicitar ressarcimento em dinheiro observada à legislação específica aplicável a matéria. art. 1º, 3º e 6º da Lei nº /2003

45 45 CRÉDITO PRESUMIDO NOS ESTOQUES A pessoa jurídica contribuinte submetida à apuração do valor devido, terá direito a desconto correspondente ao estoque de: a) Insumos, b) Produtos em elaboração e, c) Produtos acabados adquiridos de pessoa jurídica domiciliada no País, existentes em: 1º de dezembro de 2002 para o PIS e 1º de fevereiro de 2004 para a COFINS, observando que: o montante de crédito presumido será igual ao resultado da aplicação do percentual de sessenta e cinco centésimos e três por cento respectivamente sobre o valor do estoque o crédito presumido calculado, será utilizado em doze parcelas mensais, iguais e sucessivas, a partir de 1º e ;

46 46 CRÉDITO PRESUMIDO NOS ESTOQUES Mudança na forma de tributação A pessoa jurídica que, tributada com base no lucro presumido, passar a adotar o regime de tributação, com base no lucro real terá direito a desconto correspondente ao estoque de abertura dos bens, que será utilizado a partir da data em que for adotado o lucro real. CONTABILIZAÇÃO O valor dos créditos apurados de acordo com este artigo, não constitui receita da pessoa jurídica, servindo somente para dedução do valor devido da contribuição. ( 10 do art.3º da Lei nº /2003)

47 47 PESSOAS JURÍDICAS IMUNES AO REGIME DA NÃO- CUMULATIVIDADE NÃO CABE A APURAÇÃO E O RECOLHIMENTO NA MODALIDADE DA NÃO- CUMULATIVIDADE: (incisos I ao XIV, art.10º da Lei nº /2003). 1. TRIBUTADAS PELO LUCRO PRESUMIDO OU ARBITRADO; 2. PESSOAS JURÍDICAS OPTANTES PELO SISTEMA SIMPLES; 3. INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E EQUIPARADAS, SEGURADORAS E OPERADORAS DE PLANO DE SAÚDE, 4. EMPRESAS PARTICULARES QUE EXPLORAM SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E DE TRANSPORTES DE VALORES; 5. COOPERATIVAS (Exceto de Produção e Consumo); 6. AS PESSOAS JURÍDICAS IMUNES A IMPOSTOS; 7. ÓRGÃOS PÚBLICOS E AS AUTARQUIAS E FUNDAÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS, ESTADUAIS E MUNICIPAIS; 8. PRODUTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA; 9. AS RECEITAS DECORRENTES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES, CALL CENTER, TELEMARKETING, TELECOBRANÇA E TELE ATENDIMENTO EM GERAL;

48 AS RECEITAS DECORRENTES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DAS EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO; 11. AS RECEITAS DECORRENTES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE COLETIVO RODOVIÁRIO, METROVIÁRIO, FERROVIÁRIO E AQUAVIÁRIO DE PASSAGEIROS; 12. AS RECEITAS DECORRENTES DO SERVIÇO PRESTADO POR HOSPITAL, PRONTO-SOCORRO, CASA DE SAÚDE E DE RECUPERAÇÃO SOB ORIENTAÇÃO MÉDICA E POR BANCO DE SANGUE, CLÍNICA MÉDICA, ODONTOLÓGICA, FISIOTERÁPICA, FONOAUDIÓLOGA E LABORATÓRIO DE ANATOMIA PATOLÓGICA; 13. AS RECEITAS DECORRENTES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL, ENSINOS FUNDAMENTAL E MÉDIO E DE EDUCAÇÃO SUPERIOR; 14. AS RECEITAS DECORRENTES DA VENDA DE ALCOOL PARA FINS CARBURANTES; 15. AS RECEITAS SUJEITAS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA; 16. AS RECEITAS DE VENDA DE VEÍCULOS USADOS, ADQUIRIDOS PARA REVENDA; 17. AS RECEITAS DAS PESSOAS JURÍDICAS INTEGRANTES DO MERCADO ATACADISTA DE ENERGIA ELÉTRICA; 18. AS RECEITAS DECORRENTES DE CONTRATOS FIRMADOS ANTERIORES A ;

49 AS RECEITAS DECORRENTES DE VENDAS DE MERCADORIAS DE LOJAS FRANCAS EM AEROPORTOS E PORTOS PARA VENDA DE MERCADORIA NACIONAL OU ESTRANGEIRA A PASSAGEIROS EM VIAGENS SAINDO DO PAÍS OU EM TRANSITO; 20. AS RECEITAS AUFERIDAS POR PARQUES TEMÁTICOS, E AS DEDECORRENTES DE SERVIÇOS DE HOTELARIA E DE ORGANIZAÇÃO DE FEIRAS E EVENTOS, CONFORME ATO CONJUNTO DOS MINISTÉRIOS DA FAZENDA E TURISMO; 21. AS RECEITAS DECORRENTES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS POSTAIS E TELEGRÁFICOS PRESTADOS PELA EBCT; 22. AS RECEITAS DECORRENTES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE CONCESSIONÁRIAS OPERADORAS DE RODOVIAS; 23. AS RECEITAS DECORRENTES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS AGENCIAS DE VIAGENS E TURISMO; 24. AS RECEITAS AUFERIDAS POR EMPRESAS DE SERVIÇOS DE INFORMATICA, DECORRENTES DE ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE E SEU LICENCIAMENTO OU CESSÃO DE DIREITO DE USO, BEM COMO DE ANALISE, PROGRAMAÇÃO, INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO, ASSESSORIA, CONSULTORIA E SUPORTE TÉCNICO; 25. AS RECEITAS DECORRENTES DA REVENDA IMÓVEIS (CONTRATOS DE LONGO PRAZO FIRMADOS ANTERIORES A ).

50 50 PRAZO PARA RECOLHIMENTO Vigésimo quinto dia do mês subseqüente ao de ocorrência dos fatos geradores. (art.18 da M.P nº /2001, alterado pelo art. 1º da M.P nº. 447/2008) CÓDIGO DO DARF A INDICAR NO CAMPO (04) PIS/PASEP - Faturamento: 8109 PIS/PASEP - não-cumulativo: 6912 PIS/PASEP - Folha de Salários: 8301 PIS/PASEP - Pessoa Jurídica de direito público: 3703 PIS/PASEP - Entidades Financeiras e equiparadas : 4574 PIS/PASEP - Fabricantes/Importadores de Veículos em Substituição Tributária: 8946 PIS - Combustíveis: 6824 COFINS Faturamento: 2172 COFINS - Entidades Financeiras e equiparadas : 7987 COFINS - Fabricantes/Importadores de Veículos em Substituição Tributária: 8645 COFINS - Combustíveis: 6840 COFINS Não-Cumulativo: 5856

51 51 Caso Prático: Regime Não Cumulativo Apurar e contabilizar PIS e Cofins pelo Regime Não Cumulativo na competência janeiro/x2 considerando que a empresa foi optante pelo Lucro Presumido em X1. Receita Bruta de Vendas de Produtos de Fabricação Própria,sendo Mercado Interno ,00 Mercado Externo ,00 IPI s/ Venda de Produtos ,00 ICMS/ST ,00 Vendas Devolvidas sujeitas à incidência não-cumulativa ,00 Receita de Serviços Prestados Mercado Interno (*) ,00 Retenção na fonte de 4,65% ,00 Receita de Aplicação Financeira ,00 Ganho na venda de Ativo Imobilizado 8.000,00 Ganho na venda de participação societária ,00 Despesas com salários e encargos ,00 Despesas com Energia Elétrica ,00 Despesas Arrendamento Mercantil, onde Principal ,00 Encargos 5.000,00 Despesa de Aluguel pago a Pessoa Física ,00 Despesa de Aluguel pago à Pessoa Jurídica ,00

52 52 Encargos de Depreciação de Móveis e Utensílios da Administração 1.300,00 Encargos de Depreciação de Máquinas e Equipamentos vinculados à Produção (Adquiridos a partir de 05/2008) ,00 Estoque de insumos, acabados e em elaboração em 31/12/ ,00. Mercado Interno (R$) Aquisição de matérias primas a prazo (Total da nota fiscal) ,00 ICMS incidente ,00 IPI incidente ,00 Mercado Externo (R$) Declaração de Importação ,00 PIS ,00 Cofins ,00

53 53

54 54 PREENCHIMENTO DO DACON

55 55

56 56

57 57

58 58

59 59

60 60

61 61

62 62

63 63

64 64

65 65

66 66

67 67

68 68

69 69

70 70

71 71

72 72

73 PREENCHIMENTO DA DCTF 73

74 74

75 75

76 76

PIS/COFINS (Regime Cumulativo e Não Cumulativo) Expositor: Alberto Gonçalves

PIS/COFINS (Regime Cumulativo e Não Cumulativo) Expositor: Alberto Gonçalves PIS/COFINS (Regime Cumulativo e Não Cumulativo) contato@agmcontadores.com.br Maio-2015 2 Sumário CONTRIBUINTES EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO PRESUMIDO DEMAIS RECEITAS BASE DE CÁLCULO APURAÇÃO SOBRE AS RECEITAS

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos. Crédito de PIS_COFINS sobre valor do IPI - Federal

Orientações Consultoria de Segmentos. Crédito de PIS_COFINS sobre valor do IPI - Federal Crédito de 17/10/2016 Sumário 1 Questão... 3 2 Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1 Parecer do Setor Fiscal do Cliente... 5 3 Análise da Consultoria... 6 3.1 Base de Cálculo - Débito... 6 3.2 Dedução

Leia mais

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1 Contribuição para PIS/PASEP PIS contribuição para o Programa de Integração Social funcionários das empresas do setor privado; PASEP contribuição

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Altera a Instrução Normativa SRF nº 247, de 21 de novembro de 2002, que dispõe sobre o PIS/Pasep e a Cofins. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no

Leia mais

PIS/PASEP E COFINS - PROCEDIMENTOS PARA O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO - FATOS GERADORES A PARTIR DE DEZEMBRO DE 2002.

PIS/PASEP E COFINS - PROCEDIMENTOS PARA O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO - FATOS GERADORES A PARTIR DE DEZEMBRO DE 2002. PIS/PASEP E COFINS - PROCEDIMENTOS PARA O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO - FATOS GERADORES A PARTIR DE DEZEMBRO DE 2002. Incidência não-cumulativa 1) Da apuração do valor devido Permite o desconto de créditos

Leia mais

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED OUT/2010 REGIME NÃO-CUMULATIVO REGIME CUMULATIVO TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA VENDAS COM SUSPENSÃO VENDAS A ALÍQUOTA ZERO VENDAS COM ISENÇÃO

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14 21/07/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. Perguntas RFB... 3 2.2. Artigo Portal Tributário... 4 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Manual SPED...

Leia mais

LEI Nº , de 29 de dezembro de Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências.

LEI Nº , de 29 de dezembro de Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências. LEI Nº 10.833, de 29 de dezembro de 2003. Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 22 - Data 4 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP CRÉDITOS PARA DESCONTO DO PIS/PASEP. NÃO-CUMULATIVIDADE.

Leia mais

PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE

PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE PRINCÍPIO OU REGRA DE TRIBUTAÇÃO Professora Doutora Denise Lucena Cavalcante Gramado, 27/06/2008. PRINCÍPIO DA NÃO-CUMULATIVIDADE Princípio constitucional que tem por finalidade

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Registros 1300 e 1700 da EFD Contribuições.docx

Orientações Consultoria de Segmentos Registros 1300 e 1700 da EFD Contribuições.docx Registros.docx 04/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1. Parecer da Receita Federal... 6 4. Conclusão... 7 5. Informações

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT)

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) CONFIGURAÇÃO DO ARQUIVO TXT IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) O arquivo TXT deverá ser gerado da seguinte forma: Um registro por linha Campos separados por vírgulas Campos Alfanuméricos

Leia mais

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1 QUANDO O GOVERNO É HONESTO, O PAÍS TEM SEGURANÇA; MAS, QUANDO O GOVERNO COBRA IMPOSTOS DEMAIS, A NAÇÃO ACABA EM DESGRAÇA Provérbios, 29:4

Leia mais

Pós Graduação em Gestão Tributária e Contabilidade Digital. Prof. André Gomes

Pós Graduação em Gestão Tributária e Contabilidade Digital. Prof. André Gomes Pós Graduação em Gestão Tributária e Contabilidade Digital Prof. André Gomes 1 Nada é mais certo neste mundo do que a morte e os impostos Benjamin Franklin 2 Tributos sobre operações com produtos,mercadorias

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta 02/08/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins. Sistema Público de Escrituração Digital

Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins. Sistema Público de Escrituração Digital Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins Sistema Público de Escrituração Digital ARRECADAÇÃO FEDERAL 2008 Imposto de Renda Pessoa Jurídica (SPED - ECD): 72 Bilhões PJ Não Financeiras 12 Bilhões

Leia mais

Saiba tudo sobre PIS e COFINS e acabe com qualquer tipo de dúvida

Saiba tudo sobre PIS e COFINS e acabe com qualquer tipo de dúvida Saiba tudo sobre PIS e COFINS e acabe com qualquer tipo de dúvida Você com certeza já deve ter ouvido isto em algum lugar, pois bem, se ouviu, quem disse tem toda razão. Essa afirmação se deve pelas inúmeras

Leia mais

LEI Nº /2014. Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade. Edson Pimentel

LEI Nº /2014. Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade. Edson Pimentel LEI Nº 12.973/2014 Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade Edson Pimentel 1 SUMÁRIO Contexto e Breve Histórico Distribuição de Dividendos e JCP Adoção Inicial Conceito de Receita

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 PIS (PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL) COFINS (CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL) REGIME CUMULATIVO E NÃO-CUMULATIVO Para iniciar o estudo

Leia mais

www.celulaquattro.com.br PIS E COFINS INCIDÊNCIA CUMULATIVA A BC é a Receita Bruta da PJ. Exclui da Receita Bruta: (art. 3º. Lei 9718/98) 1. As vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos,

Leia mais

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo...

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo... PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo 1. Introdução... 2 2. Modalidades... 2 3. Regimes... 2 4. Regime cumulativo... 2 4.1 - Contribuintes expressamente incluídos no regime cumulativo...

Leia mais

PALESTRA ANEFAC - IBRACON. Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS

PALESTRA ANEFAC - IBRACON. Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS PALESTRA ANEFAC - IBRACON Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS Até 1998 PIS e COFINS incidiam sobre o faturamento à 2,65%; Era cumulativo; Poucas exceções; Legislação relativamente simples; Ônus

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 99 - Data 9 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP NÃO CUMULATIVIDADE. SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO

Leia mais

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo...

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo... PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo 1. Introdução... 2 2. Modalidades... 2 3. Regimes... 2 4. Regime cumulativo... 2 4.1 - Contribuintes expressamente incluídos no regime cumulativo...

Leia mais

Fretes, Espécies e a Interpretação do CARF na Tomada de Créditos

Fretes, Espécies e a Interpretação do CARF na Tomada de Créditos Fretes, Espécies e a Interpretação do CARF na Tomada de Créditos 1. Fundamentos Legais Aplicáveis à Matéria Artigo 195, 12, da CF: A lei definirá os setores de atividade econômica para os quais as contribuições

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços; permite depreciação

Leia mais

Tabela Mensal de Obrigações - Agosto/2016 Setor Contábil

Tabela Mensal de Obrigações - Agosto/2016 Setor Contábil Tabela Mensal de Obrigações - Agosto/2016 Setor Contábil Dia 03 (quarta-feira) Recolhimento do correspondente aos fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.07.2016, incidente sobre rendimentos de:

Leia mais

PIS/PASEP/COFINS ANO XXII ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2011

PIS/PASEP/COFINS ANO XXII ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2011 ANO XXII - 2011-5ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2011 PIS/PASEP/COFINS INCIDÊNCIA NÃO-CUMULATIVA DO PIS/PASEP E DA COFINS - EMPRESAS TRIBUTADAS PELO LUCRO REAL - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014

OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014 OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014 04/06-4 Feira Último dia para recolhimento do Imposto de Renda na Fonte referente a juros sobre o capital próprio, aplicações financeiras, títulos de capitalização;

Leia mais

APURAÇÃO COM BASE NO LUCRO REAL Pagamento da CSLL Trimestral

APURAÇÃO COM BASE NO LUCRO REAL Pagamento da CSLL Trimestral APURAÇÃO COM BASE NO LUCRO REAL Pagamento da CSLL Trimestral Sumário 1. Contribuintes1.1 - Entidades Submetidas à Liquidação e Falência 1.2 - Sociedades Cooperativas 1.3 - Sociedades Cooperativas de Consumo

Leia mais

6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 178, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008: EMENTA: DISTRIBUIDOR ATACADISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS E DE HIGIENE PESSOAL. CRÉDITOS. POSSIBILIDADE. Relativamente

Leia mais

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL As empresas tributadas pelo lucro real, que optaram pela apuração anual, deverão recolher mensalmente antecipações de IRPJ e CSLL com base em lucro estimado

Leia mais

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 240, DE 9 DE SETEMBRO DE 2008: A substituição de embalagens de produtos, alterando sua apresentação, exceto se destinada unicamente ao transporte

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 404, de 12 de março de 2004

Instrução Normativa SRF nº 404, de 12 de março de 2004 Instrução Normativa SRF nº 404, de 12 de março de 2004 DOU de 15.3.2004 Dispõe sobre a incidência não-cumulativa da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social na forma estabelecida pela Lei

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP, da COFINS, da Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação incidentes sobre

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I SUSPENSO O PAGAMENTO DE PIS/COFINS SOBRE A VENDA DE PRODUTOS SUÍNOS E AVICULÁRIOS E DE DETERMINADOS INSUMOS RELACIONADOS E CONCEDE CRÉDITO PRESUMIDO EM DETERMINADAS OPERAÇÕES

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta; a Lei nº 12.469, de 26 de agosto de

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 594 de 26/12/05

Instrução Normativa SRF nº 594 de 26/12/05 Instrução Normativa SRF nº 594 de 26/12/05 DOU 30/12/05 Obs.: Ret. DOU de 02/02/06 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep- Importação e

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) E PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL (COFINS) Em 31 de dezembro de 2002 e em

Leia mais

Mapeando o SPED PIS/COFINS

Mapeando o SPED PIS/COFINS Mapeando o SPED PIS/COFINS 1 SPED PIS/COFINS Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010 2 BLOCO DESCRIÇÃO QTDE REGISTROS 0 Abertura, Identificação e Referências 16 A Documentos Fiscais - Serviços

Leia mais

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI 12.973/2014 NO SETOR ELÉTRICO Sumário: Contratos de Concessão de Serviço Público (OCPC 05 e ICPC 01): PIS/Pasep e Cofins Regime Cumulativo e não-cumulativo: Atividade de Distribuição;

Leia mais

SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 15, DE 22 DE JANEIRO DE 2009

SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 15, DE 22 DE JANEIRO DE 2009 DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 8ª Região Fiscal SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 15, DE 22 DE JANEIRO DE 2009 Assunto: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - Cofins TRIBUTAÇÃO CONCENTRADA. REGIME DE APURAÇÃO

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 Índice 1. Deduções da base de cálculo...3 1.1 Base de cálculo, alíquotas e despesas... 3 1.2 Exemplo numérico com deduções... 3 2. Faturamento bruto/receita bruta regime

Leia mais

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo...

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo... PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo 1. Introdução... 2 2. Modalidades... 2 3. Regimes... 2 4. Regime cumulativo... 2 4.1 - Contribuintes expressamente incluídos no regime cumulativo...

Leia mais

Tributos Indiretos ISS / IPI / ICMS

Tributos Indiretos ISS / IPI / ICMS Fazer teste: AS_I Pergunta 1 Tributos Indiretos ISS / IPI / ICMS 1. Sabe-se que o ISS é um imposto de responsabilidade dos Municípios, porém, a LC 116/2003 determina a alíquota máxima de 5% (cinco por

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 ANO XXVII - 2016-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA DECLARAÇÃO SOBRE A OPÇÃO DE TRIBUTAÇÃO DE PLANOS PREVIDENCIÁRIOS DPREV 2016 INFORMAÇÕES GERAIS...

Leia mais

IV - elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos;

IV - elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos; Diário Oficial da União, Seção 1, Edição nº 201, p. 4, 17.10.2012 Decreto nº 7.828, de 16.10.2012 - Regulamenta a incidência da contribuição previdenciária sobre a receita devida pelas empresas de que

Leia mais

pis/pasep e Cofins - Como calcular e recolher

pis/pasep e Cofins - Como calcular e recolher pis/pasep e Cofins - Como calcular e recolher Cleônimo dos Santos É bacharel em Ciências Contábeis, com MBA em Controladoria Estratégica. Professor universitário em cursos de graduação e pós-graduação.

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2016 ANO XXVII - 2016-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2016 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE REMESSAS AO EXTERIOR DESTINADAS A COBERTURA DE GASTOS PESSOAIS, EDUCACIONAIS, CIENTÍFICOS OU CULTURAIS,

Leia mais

Page 1 of 40 Lei nº 10.833, de 29 de dezembro de 2003 DOU de 30.12.2003 Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências. Alterada pela Lei nº 10.865, de 30 de abril de 2004. Alterada pela

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - PIS COFINS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - PIS COFINS Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - 06/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de Impressão

Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de Impressão Page 1 of 6 Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de 2006 DOU de 25.7.2006 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a venda de produtos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 CSLL CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO CSLL CONTRIB. SOCIAL S/ LUCRO LÍQUIDO A CSLL é uma contribuição de competência da União instituída pela

Leia mais

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (31/01/11 a 04/02/11)

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (31/01/11 a 04/02/11) PIS/ COFINS NOTÍCIAS DA SEMANA (31/01/11 a 04/02/11) I- DESPESA DE FRETE ENTRE ESTABELECIMENTO DE MESMA PESSOA JURÍDICA NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO DE PIS/COFINS. II- NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) SUSPENSÃO

Leia mais

Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS. Fabio Rodrigues

Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS. Fabio Rodrigues Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS Fabio Rodrigues Fabio Rodrigues Advogado. Mestre em Ciências Contábeis. Professor do MBA em Contabilidade e Direito Tributário do IPOG. Coordenador,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELAINE FERREIRA NOLAÇO ANÁPOLIS 2012 Lucro arbitrado ou presumido Lucro arbitrado é uma forma

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 IRPJ LUCRO ARBITRADO Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

Lei nº , de 29 de dezembro de Impressão

Lei nº , de 29 de dezembro de Impressão Page 1 of 53 Lei nº 10.833, de 29 de dezembro de 2003 DOU de 30.12.2003 Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências. Alterada pela Lei nº 10.865, de 30 de abril de 2004. Alterada pela

Leia mais

MODELO SIMPLIFICADO DE PLANO DE CONTAS ATUALIZADO COM A LEI Nº /07.

MODELO SIMPLIFICADO DE PLANO DE CONTAS ATUALIZADO COM A LEI Nº /07. MODELO SIMPLIFICADO DE PLANO DE CONTAS ATUALIZADO COM A LEI Nº 11.638/07. 1. ATIVO 1.1 Circulante 1.1.01 Disponível 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.01.01 Caixa pequenas despesas 1.1.01.02 Banco conta movimento

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005 ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE Julho / 2005 TRIBUTOS QUE PODERÃO INCIDIR SOBRE A ENERGIA ELÉTRICA Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) Imposto

Leia mais

582, DOU1)

582, DOU1) Medida Provisória n 582, de 20 de setembro de 2012 (Pág. 2 - DOU1) Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços;

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 IRPJ LUCRO ARBITRADO Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Contribuições 27/01/2015 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD Contribuições - Bloco I tratamento para dedução e exclusões da Base de Cálculo da PIS/COFINS - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD Contribuições - Bloco I tratamento para dedução e exclusões da Base de Cálculo da PIS/COFINS - Federal EFD Contribuições - Bloco I tratamento para dedução e exclusões da Base de Cálculo da PIS/COFINS - Federal 13/03/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente...

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 126 - Data 19 de agosto de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP Atendidas as condições estabelecidas na

Leia mais

Gestão Tributária- Escrituração Fiscal- Prof.Ademir Macedo de Oliveira Senac São Paulo- Unidade 24 de Maio

Gestão Tributária- Escrituração Fiscal- Prof.Ademir Macedo de Oliveira Senac São Paulo- Unidade 24 de Maio 1 CST: ICMS - IPI PIS - COFINS e Quadro sinótico das fiscais e tratamento tributário com base nas Legislações: ICMS- RICMS-SP DECRETO 45.490/2000 IPI- LEGISLAÇÃO FEDERAL Tabelas: I- II III da Instrução

Leia mais

Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014

Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014 Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014 CÓDIGO DESCRIÇÃO DT_INI DT_FIM TIPO CONTA SUPERIOR NÍVEL NATUREZA 1 ATIVO 01012014 S 1 01 1.01 ATIVO CIRCULANTE 01012014 S 1 2 01 1.01.01 DISPONIBILIDADES

Leia mais

Função e Funcionamento das principais contas

Função e Funcionamento das principais contas 2017/09/22 13:54 1/15 e das principais contas e das principais contas 1.1.1.1 CAIXA Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa. Debita-se pelo recebimento

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL 28/04/2010 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Contribuição PIS e COFINS pela Sistemática Não Cumulativa... 4 3.2. Da

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CPRB LEGISLAÇÃO CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 195 - A seguridade social será financiada... seguintes contribuições sociais: I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes

Leia mais

CURSOS GUIA IOB DE CONTABILIDADE. Chat - Perguntas e Respostas. Fascículo 1

CURSOS GUIA IOB DE CONTABILIDADE. Chat - Perguntas e Respostas. Fascículo 1 CURSOS C GUIA IOB DE CONTABILIDADE Chat - Perguntas e Respostas Fascículo 1 CURSOS GUIA IOB DE CONTABILIDADE C Curso de Atualização Contábil do Novo Guia IOB de Contabilidade BEM-VINDO(A) Iniciamos agora

Leia mais

Relação de Ajustes e Alterações ao Leiaute da EFD-PIS/Cofins na versão 1.01 do Anexo Único do ADE Cofis nº 34, 28 de outubro de 2010.

Relação de Ajustes e Alterações ao Leiaute da EFD-PIS/Cofins na versão 1.01 do Anexo Único do ADE Cofis nº 34, 28 de outubro de 2010. Anexo Único do ADE Cofis nº 37 /2010 Relação de Ajustes e Alterações ao Leiaute da EFD-PIS/Cofins na versão 1.01 do Anexo Único do ADE Cofis nº 34, 28 de outubro de 2010. 2.6.1.1 Abertura do arquivo digital

Leia mais

Tabela Tabela Outros Produtos e Operações Sujeitos a Alíquotas Diferenciadas (CST 02): Crédito Alíquotas COFINS %

Tabela Tabela Outros Produtos e Operações Sujeitos a Alíquotas Diferenciadas (CST 02): Crédito Alíquotas COFINS % Tabela 4.3.17 - Tabela Outros Produtos e Operações Sujeitos a Alíquotas Diferenciadas (CST 02): Contribuição Contribuição Crédito Alíquotas Alíquotas Alíquotas Código Descrição do Produto NCM PIS COFINS

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

Simples nacional / lucro presumido

Simples nacional / lucro presumido Simples nacional / lucro presumido Exemplo 1: Anexo I comércio Uma Empresa comercial, que não auferiu receita decorrente de venda de mercadorias sujeitas à substituição tributária ou receita de exportação,

Leia mais

PIS-Cofins - Atualidades. Solon Sehn

PIS-Cofins - Atualidades. Solon Sehn PIS-Cofins - Atualidades Solon Sehn Conceito de Insumos: Lei nº 10.833/2003 Art. 3º [...] II - bens e serviços, utilizados como insumo na prestação de serviços e na produção ou fabricação de bens ou produtos

Leia mais

Edição Número 2 de 05/01/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 381, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003

Edição Número 2 de 05/01/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 381, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003 Edição Número 2 de 05/01/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 381, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas que menciona a outras

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL Tributo federal Lei Complementar 123/2006 e 128/2008 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO A disciplina está dividida em duas unidades. Unidade I 1. Objetivo do Planejamento Tributário 2. Sociedades Simples e Empresária 3.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE A atual legislação estabelece a sequencia de apresentação dos vários elementos da demonstração do resultado para efeitos de publicação. Uma estrutura baseada

Leia mais

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017.

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017. Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 17. DIAS OBRIGAÇÕES D E S C R I Ç Ã O FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 17.01 à 17.03.17 03 06 RAIS SALÁRIOS SECONCI O Ministério do Trabalho e Emprego,

Leia mais

Simples Nacional 2018

Simples Nacional 2018 Simples Nacional 2018 IMPACTOS E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA 2018 Mudança na legislação Simples Nacional e principais impactos; Cálculo das novas taxas (2018), com base nos resultados dos últimos meses.

Leia mais

REDAÇÃO FINAL DA MP 183 APROVADA NA CÂMARA NOS DEPUTADOS EM 7/7/2004.

REDAÇÃO FINAL DA MP 183 APROVADA NA CÂMARA NOS DEPUTADOS EM 7/7/2004. REDAÇÃO FINAL DA MP 183 APROVADA NA CÂMARA NOS DEPUTADOS EM 7/7/2004. Reduz as alíquotas do PIS/PASEP e da COFINS incidentes na importação e na comercialização do mercado interno de fertilizantes e defensivos

Leia mais

MÓDULO 2 IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS LUCRO PRESUMIDO E LUCRO ARBITRADO

MÓDULO 2 IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS LUCRO PRESUMIDO E LUCRO ARBITRADO MÓDULO 2 IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS LUCRO PRESUMIDO E LUCRO ARBITRADO I LUCRO PRESUMIDO As pessoas jurídicas não obrigadas à apuração do lucro real poderão optar pela apuração do Imposto trimestral

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF Fls. 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF Solução de Consulta nº 5.008 - Data 2 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA

Leia mais

Portaria ST nº 811, de 20/3/ DOE RJ de 22/3/2012

Portaria ST nº 811, de 20/3/ DOE RJ de 22/3/2012 Portaria ST nº 811, de 20/3/2012 - DOE RJ de 22/3/2012 Atualiza o manual de diferimento, ampliação de prazo de recolhimento, suspensão e de incentivos e benefícios de natureza tributária. O Superintendente

Leia mais

EXPORTAÇÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TRIBUTOS, INCENTIVOS FISCAIS E CUSTOS

EXPORTAÇÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TRIBUTOS, INCENTIVOS FISCAIS E CUSTOS EXPORTAÇÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TRIBUTOS, INCENTIVOS FISCAIS E CUSTOS TRIBUTOS: 1) Como são tributadas as operações de exportações de mercadorias? Alguns países adotam o princípio da não tributação

Leia mais

Considerações na Proposta Técnica

Considerações na Proposta Técnica Considerações na Proposta Técnica CRUZAMENTOS: 1-ECD x DIPJ No módulo de Cruzamento envolvendo arquivos ECD X DIPJ, o sistema IOB Auditor Eletrônico SPED trabalha na composição das fichas da DIPJ extraindo

Leia mais

AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 16 A 22 DE JUNHO DE 2016

AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 16 A 22 DE JUNHO DE 2016 AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 16 A 22 DE JUNHO DE 2016 Até: Quinta-feira, dia 16 ICMS - GIA Histórico: GIA Eletrônica A GIA Eletrônica relativa ao mês anterior deverá ser apresentada por meio da Internet (www.pfe.fazenda.sp.gov.br),

Leia mais

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008.

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. LEI Nº 11.827, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. Altera as Leis n os 10.833, de 29 de dezembro de 2003, e 11.727, de 23 de junho de 2008, relativamente à incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados

Leia mais

Disposições anteriores à MP 627/13. Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados

Disposições anteriores à MP 627/13. Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados Escrituração do Lucro Real e Lalur Disposições anteriores à MP 627/13 Principais alterações trazidas pe Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados

Leia mais

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Prof. Dr. Érico Hack IR Pessoa Jurídica Pessoa Física equiparada à pessoa jurídica (Empresas individuais) Empresário

Leia mais