Tropa de Elite-Escrivão da PF Informática Linux Carlos Vianna

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tropa de Elite-Escrivão da PF Informática Linux Carlos Vianna"

Transcrição

1 Tropa de Elite-Escrivão da PF Informática Linux Carlos Vianna 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

2 Para inicio de Conversa Existem muitos sistemas operacionais famosos ao redor do mundo. Sem dúvida, o Linux é um dos mais conhecidos. A ideia do Linux é de criar um sistema operacional que possa ser modificado por milhões de usuários, assim, com a contribuição mundial, o sistema teria grande destaque. O Brasil adota oficialmente o Linux e isto justifica sua cobrança na prova. Então, vamos enfrentar mais esse desafio em direção ao seu sucesso nos concursos públicos. Bons Estudos! Dividiremos nosso conteúdo em 8 seções, a ver: Seção 1 Introdução Seção 2 Distribuições Linux Seção 3 Operações no Linux Seção 4 Gerenciador de Janelas - Ambientes Gráficos do Linux Seção 5 Processos Linux Seção 6 Samba Seção 7 Shell Linux Seção 8 Comandos Linux Prof. Carlos Vianna 2

3 Introdução Linux é uma cópia do conhecido Unix (o pai dos sistemas operacionais). O Linux foi densenvolvido por um finlandês chamado Linus Torvalds. Por isso o nome Linux (Linus + Unix) Linus Torvalds que na época era um estudante de ciência da computação em seu país e ele criou um clone do sistema Minix baseado no Unix. Hoje, ele ainda detém o controle do Kernel 1 do sistema. O primeiro Linux surgiu em março de 1992 surge, o Linux versão 1.0 Estima-se que sua base de usuários se situe hoje em torno de 10 milhões. 1 Kernel é o núcleo de um sistema operacional. Não se preocupe! Você vai aprender o que é Kernel. Eu só quis jogar a sementinha. Prof. Carlos Vianna 3

4 Linux como sistema Operacional Linux se refere ao Kernel O conjunto de aplicativos que são executados no Kernel chama-se distribuição. A função do Kernel é ser a interface entre o Hardware e os sistemas de gerenciamento de tarefas e aplicativos. O Kernel do Linux é mais leve que o de outros sistemas operacionais para servidores. São 12 milhões de linhas de código, enquanto outras versões do Unix têm 30 milhões e o Windows NT, 50 milhões. Isso significa que o Linux é três vezes mais rápido que outros Unix e até cinco vezes mais rápido que o Windows NT. Conjunto de Aplicativos para Linux (Distribuição) Sistema de gerenciamento de tarefas e aplicativos Núcleo do sistema operacional (Kernel Linux) Hardware Tabela 1.0.Conjunto Linux. Principais Características Linux Multiusuário: Permite que vários usuários possam rodar o sistema operacional, e não possui restrições quanto à licença. Permite vários usuários simultâneos, Prof. Carlos Vianna 4

5 utilizando integralmente os recursos de multitarefa. A vantagem disso é que o Linux pode ser distribuído como um servidor de aplicativos. Usuários podem acessar um servidor Linux através da rede local e executar aplicativos no próprio servidor. Multiplataforma: O Linux roda em diversos tipos de computadores, sejam eles RISC ou CISC. Multitarefa: Permite que diversos programas rodem ao mesmo tempo, ou seja, você pode estar imprimindo uma carta para sua vovó enquanto trabalha na planilha de vendas, por exemplo. Sem contar os inúmeros serviços disponibilizados pelo Sistema que estão rodando em background (de forma residente)e você provavelmente nem sabe. Multiprocessador: Permite o uso de mais de um processador. Já é discutida, há muitos anos, a capacidade do Linux de poder reconhecer mais de um processador e inclusive trabalhar com SMP,na qual uma máquina central controla os processadores das outras para formar uma só máquina. Protocolos: Pode trabalhar com diversos protocolos de rede (incluindo o TCP/IP que é nativo Unix). Sistemas de arquivos: Suporta diversos sistemas de arquivos, incluindo o HPFS, DOS, CDFS, UDF,Minix (Sistema de Arquivos criado por Andrew Tannenbaun, o autor pelo qual o professor de vocês, no caso, Carlos Viana, orienta-se), FAT, NTFS este último sem todas as funcionalidades. Sistema de arquivos - É uma forma de armazenamento de arquivos em estruturas (na maneira hierárquica) de diretórios. Assim, o usuário não precisa necessita conhecer detalhes técnicos do meio de armazenamento. Ele apenas precisa necessita conhecer a estrutura (árvore) de diretórios para poder navegar dentro dela e acessar suas informações. O Linux suporta os sistemas de arquivo Ext2, Ext3, ReiserFS. Lembre-se o Linux também suporta alguns sistemas de arquivos Microsoft, como Fat32. Consoles virtuais: Permite que o usuário tenha mais de um console para trabalhar, sendo que em cada console você pode ter diversas tarefas sendo executadas em background e mais em foreground (segundo plano e primeiro plano). Plugand Play. O Linux é um sistema operacional Plugand Play, ou seja, reconhece os Drives que são conectados junto a ele. Distribuições Linux Prof. Carlos Vianna 5

6 Distribuição nada mais é que um pacote Linux, composto por programas específicos e outras ferramentas particulares àquele pacote. AS PRINCIPAIS DISTRIBUIÇÕES Conectiva Linux: é a distribuição da empresa brasileira Conectiva. Um dos mais amigáveis Linux para o Brasil, apresenta uma interface de instalação muito boa (ou seja, ele é fácil de instalar!). O Conectiva pode ser usado tanto em casa como em servidores. RedHat: É uma distribuição Linux muito confiável utilizado em pequenas, médias e grande empresas. Hoje (2011) o RedHat é líder no mercado pago. Slackware: É uma distribuição alemã muito utilizada por usuários experts. Sua interface não é muito amigável e ela mais usada em servidores. Suse Linux:Uma outra distribuição alemã, todavia bem mais fácil e intuitiva do que a Slackware. A prova disso é o número des notebooks vendidos em lojas que essa distribuição instalada. Mandrake Linux: também muito fácil de usar, dando preferência aos usuários finais. O pessoal da Mandrake coloca sempre muitos recursos bons para que o Mandrake Linux possa ser usado em casa por qualquer usuário. Fedora Core: é o projeto de distro gratuita da empresa Red. É muito completa, cheia de recursos para servidores e usuários finais. Kurumim: Versão muito simpática feita pelo brasileiro Carlos Morimotto. Pode ser usado sem a necessidade de instalação, rodando através do CD. Ubutun: Distribuição Sul Africana. A Ubutun tem recursos fantásticos e é sistema operacional de gente grande. Hoje (2011) ele é líder em maior quantidade de distribuições. Operações no Linux Logon no Linux Para entrar no Linux, é necessário fazem Logon no sistema. Fazer logon significa entra com seu usuário (login) e senha (password). Assim, para entrar no Linux, é necessário temos um Login válido, cadastro, previamente, pelo super Usuário ou ROOT. Prof. Carlos Vianna 6

7 Super Usuário ROOT O ROOT ou super usuário é o administrador do sistema Linux.. Ele pode ver os arquivos de todos os usuários, realizar tarefas de administração de sistema e, se quiser, excluir todos os arquivos de seu sistema. Sabemos que o K na matemática é 1000, todavia, quando este K estiver junto ao byte, seu valor será de Portanto, 56 Kb = 56 x 1000 b 56 KB = 56 x 1024 B. A senha do Root é definida na hora da instalação do sistema, e deve ser guardado (ou memorizada) com cuidado, pois só poderemos alterar configurações, instalar programas e manipular internamente, atribuir permissões, criar novos usuários etc, se, no sistema, estiver logado o Root. Como o Linux organiza os Arquivos Diretório Raiz O Linux organiza todos os seus arquivos no diretório (ou pasta) raiz,ousistema de arquivo (nessas novas distribuições, essa nomenclatura também tem sido usada). É como se o diretório raiz representasse, simplesmente, o universo dentro do sistema Linux. Os demais diretórios estão dentro do sistema de arquivo. Para os mais tradicionalistas e para os comandos usados no sistema Linux, é comum ainda fazer referência a esse diretório principal como / (barra), simplesmente. Então fica simples: o Linux não tem unidade C:, nem D:, nem E:... Mas tem um único e grande repositório de informações que armazena todos os arquivos e diretórios contidos nas unidades de disco (Cds, disquetes, DVDs ainda vão continuar existindo, mas, no Linux, não ganham letras seguidas de dois pontos), em outras palavras, o diretório raiz, ou sistema de arquivo, ou ainda / (barra) é o início de tudo o que está armazenado no computador e a que o Linux tem acesso: tudo, no computador, está dentro do diretório raiz! Prof. Carlos Vianna 7

8 Só como um exemplo mais fácil de entender, quando se vai salvar algo no Linux, não se define aquele manjado endereço de C:\pasta\arquivo (é assim que salvamos no Windows, não é?). OK, no Linux a gente salva um arquivo em /pasta/arquivo (porque tudo, no micro, está localizado dentro de / - que, no endereço, é a primeira barra, antes do nome da pasta). Então, como você pode perceber, copiar e mover arquivos e pastas, organizar o conteúdo do seu computador (seus arquivos de documentos e músicas mp3, por exemplo) não será uma tarefa tão difícil, não acha? Usar o Linux, do ponto de vista de usuário leigo, se tornou muito mais fácil, porque, hoje em dia tudo está visualmente agradável. A prova disso é que todos os principais recursos e telas que mostramos parecem muito com as janelas no Windows, e isso é graças a programas conhecidos como Ambientes Gráficos. Figura 1. Repare como o endereço do arquivo file inicia como /. Gerenciador de Janelas - Ambientes Gráficos do Linux Prof. Carlos Vianna 8

9 Uma distribuição comum do sistema Linux é formada por uma série de programas, como venho dizendo há algumas páginas. Além do Kernel em si (que é a alma do sistema), temos vários aplicativos de escritório, utilitários de manutenção e até mesmo jogos de diversos estilos. Dentre os programas que acompanham o Linux (saiba que uma distribuição atual pode conter mais de 2000 programas diferentes), há uma categoria muito especial e bastante necessária para os usuários leigos no sistema: os Gerenciadores de Janelas (também conhecidos como Ambientes Gráficos). Um Ambiente Gráfico é um programa que permite que o Linux se apresente de forma amigável, como o Windows, através de janelas, ícones, menus, e botões. Um ambiente gráfico é considerado um programa extra porque o Linux, naturalmente, não apresenta a cara bonita que esses programas criam. Lembrese de que o Linux é baseado no UNIX, portanto, ele é nativamente textual (controlado através de comandos de texto! Tela preta, letras brancas). Uma distribuição do Linux pode conter diversos Ambientes Gráficos diferentes, mas os dois mais famosos são, sem dúvida, o KDE (K Desktop Environment) e o Gnome. A escolha entre um e outro vai simplesmente de decisão pessoal porque ambos são excelentes e a maioria (para não dizer todos) dos programas que funcionam em um também funcionam no outro. Prof. Carlos Vianna 9

10 Na figura acima é mostrado o ambiente Gnome com dois programas abertos: o GIMP (um programa de edição de imagens que chega a se comparar ao Photoshop da Adobe) e o OpenOffice.org Writer, a versão open-source do Microsoft Word. O outro conhecido Gerenciador de Janelas é chamado KDE. Note que é possível utilizar os mesmos programas que são utilizados no Gnome, e também é possível acessar os mesmos recursos (como diretórios e arquivos, por exemplo). Prof. Carlos Vianna 10

11 Figura 3. Na figura acima é mostrado o ambiente KDE com dois programas abertos: o GIMP (um programa de edição de imagens que chega a se comparar ao Photoshop da Adobe) e o OpenOffice.org Writer, a versão open-source do Microsoft Word. A escolha do Ambiente Gráfico que será utilizado acontece no momento no Logon: na parte inferior da tela de logon, normalmente, há um botão chamado Sessão que permitirá ao usuário escolher se deseja utilizar o KDE ou o Gnome (ou qualquer outro que esteja instalado no Linux). Os aplicativos (programas com funções definidas na resolução de problemas dos usuários), em sua maioria, são executados sobre as interfaces gráficas, ou seja: grande parte dos programas que iremos utilizar no Linux é apresentada em formato de janela, portanto, necessita de um ambiente de janelas funcionando. Por exemplo, o programa OpenOffice.org Writer (ou simplesmente Writer), mostrado nas figuras anteriores, só é executado (passa a funcionar) se um ambiente gráfico (como o KDE ou o Gnome) já estiver em execução. E isso vale para qualquer outro aplicativo dos que se podem acessar pelos menus dos ambientes. Prof. Carlos Vianna 11

12 Amigos, alunos, essa primeira parte foi uma breve introdução sobre Linux. Ela é necessária para que você entenda a segunda parte do nosso estudo Linux. Com certeza, essa segunda parte é a parte mais cobrada nas provas, principalmente os comandos Linux. Não esqueçam que a denifição de Kernel, explicada na parte um do nosso material, também é muito cobrada! Assim, vamospara parte dois e bons estudos! Processos no Linux Nos sistemas operacionais, um processo é a forma de representar um programa em execução. É o processo que utiliza os recursos do computador - processador, memória, etc - para a realização das tarefas para as quais a máquina é destinada. Veremos agora os principais conceitos relacionados a processos no Linux e as ferramentas usadas para manipulá-los e gerenciá-los. Composição de um processo O sistema operacional lida com uma infinidade de processos e, por isso, é necessário ter meios que permitam controlá-los. Para isso, os processos contam com um conjunto de características, dentre as quais: - Identificador do Processo - Proprietário do processo; - Estado do processo (em espera, em execução, etc); - Prioridade de execução; - Recursos de memória. O trabalho de gerenciamento de processos precisa contar com as informações acima e com outras de igual importância para que as tarefas sejam executadas da maneira mais eficiente. Um dos meios usados para isso é atribuir a cada processo um PID. Identificador do Processo - PID e PPID Um PID (ProcessIdentifier) é um número de identificação que o sistema dá a cada processo. Para cada novo processo, um novo número deve ser atribuído, ou seja, não se pode ter um único PID para dois ou mais processos ao mesmo tempo. Prof. Carlos Vianna 12

13 Os sistemas baseados em Unix precisam que um processo já existente se duplique para que a cópia possa ser atribuída a uma tarefa nova. Quando isso ocorre, o processo "copiado" recebe o nome de "processo pai", enquanto que o novo é denominado "processo filho". É nesse ponto que o PPID (ParentProcessIdentifier) passa a ser usado: o PPID de um processo nada mais é do que o PID de seu processo pai. Proprietário do processo - UID e GID Conforme já mencionado, cada processo precisa de um proprietário, um usuário que seja considerado seu dono. A partir daí, o sistema saberá, através das permissões fornecidas pelo proprietário, quem pode e quem não pode executar o processo em questão. Para lidar com os donos, o sistema usa os números UID e GID. O Linux gerencia os usuários e os grupos através de números conhecidos como UID (UserIdentifier) e GID (GroupIdentifier). Como é possível perceber, UID são números de usuários e GID são números de grupos. Os nomes dos usuários e dos grupos servem apenas para facilitar o uso humano do computador. Cada usuário precisa pertencer a um ou mais grupos. Como cada processo (e cada arquivo) pertence a um usuário, logo, esse processo pertence ao grupo de seu proprietário. Assim sendo, cada processo está associado a um UID e a um GID. Os números UID e GID variam de 0 a Dependendo do sistema, o valor limite pode ser maior. No caso do usuário root, esses valores são sempre 0 (zero). Assim, para fazer com que um usuário tenha os mesmos privilégios que o root, é necessário que seu GID seja 0. Estado do processo Quando um processo é criado, isso não significa que ele será imediatamente executado. Além disso, determinados processos podem ser temporariamente paralisados para que o processador possa executar um processo prioritário. Isso quer dizer que os processos, em certos momentos, podem estar em situações de execução diferentes. O Linux trabalha, essencialmente, com quatro tipos de situação, isto é, estados: Executável (TASK_RUNNING): Em execução ou aguardando para ser executado.; Dormente (TASK_INTERRUPTIBLE): o processo precisa aguardar alguma coisa para ser executado. Só depois dessa "coisa" acontecer é que ele passa para o estado executável; Prof. Carlos Vianna 13

14 Zumbi (TASK_ZOMBIE): o processo é considerado "morto", mas, por alguma razão, ainda existe; Parado (TASK_STOPPED): o processo está "congelado", ou seja, não pode ser executado. Sinais de um Processo Os sinais são meios usados para que os processos possam se comunicar e para que o sistema possa interferir em seu funcionamento. Por exemplo, se o usuário executar o comando kill para interromper um processo, isso será feito por meio de um sinal. Quando um processo recebe um determinado sinal e conta com instruções sobre o que fazer com ele, tal ação é colocada em prática. Se não houver instruções pré-programadas, o próprio Linux pode executar a ação de acordo com suas rotinas. Entre os sinais existentes, tem-se os seguintes exemplos: STOP - esse sinal tem a função de interromper a execução de um processo e só reativá-lo após o recebimento do sinal CONT; CONT - esse sinal tem a função de instruir a execução de um processo após este ter sido interrompido; SEGV - esse sinal informa erros de endereços de memória; TERM - esse sinal tem a função de terminar completamente o processo, ou seja, este deixa de existir após a finalização; ILL - esse sinal informa erros de instrução ilegal, por exemplo, quando ocorre divisão por zero; KILL - esse sinal tem a função de "matar" um processo e é usado em momentos de criticidade. O kill também é um comando que o usuário pode usar para enviar qualquer sinal, porém, se ele for usado de maneira isolada, ou seja, sem o parâmetro de um sinal, o kill por padrão executa o sinal TERM. A sintaxe para a utilização do comando kill é a seguinte: kill -SINAL PID Como exemplo, vamos supor que você deseja interromper temporariamente a execução do processo de PID Para isso, pode-se usar o seguinte comando: kill -STOP 4220 Prof. Carlos Vianna 14

15 Para que o processo 4220 volte a ser executado, basta usar o comando: kill -CONT 4220 Se o sinal precisa ser enviado a todos os processos, pode-se usar o número -1 no lugar do PID. Por exemplo: kill -STOP -1 Como já dito, usar o comando kill isoladamente - por exemplo, kill faz com que este use o sinal TERM por padrão. Esse sinal, no entanto, pode ser ignorado pelos processos. É por isso que é boa prática usar o comando "kill -9 PID" para "matar" um processo, pois o número nove representa o sinal kill e este não pode ser ignorado. Isso deixa claro que se você conhecer o número que é atribuído a um sinal, você pode usá-lo no lugar de seu nome. Com exceção de alguns sinais, a numeração de cada um pode mudar de acordo com a distribuição ou com a versão do kernel. Também é comum usar o kill da seguinte forma: kill -l PID. A opção "-l" (letra L minúscula) é usada para listar os processos que aceitaram o kill. Agora, imagine que você não saiba qual o PID de um processo e tenha se esquecido que o comando ps (visto mais à frente) descobre tal informação. Neste caso, pode-se usar o comando killall, desde que você saiba o nome do processo. A sintaxe é: killall -SINAL processo Por exemplo: killall -STOP vi Questão Comentada: 19. Um processo do sistema Linux que é interrompido ao receber um sinal STOP ou TSPS e reiniciado somente com o recebimento do sinal CONT encontra-se no estado de execução denominado (A) (B) (C) zumbi. espera. parado. Prof. Carlos Vianna 15

16 (D) (E) dormente. executável. Comentários: No sistema operacional, um processo nada mais é do que um programa em execução. Todo processo possui um estado. Estes estados podem ser alterados por Sinais de Processos. Sinais de Processos, basicamente, são comandos enviados aos processos. Sinais de Processos mais comuns: STOP - esse sinal interrompe um processo em execução. O Processo pode ser reativado por meio do sinal CONT; CONT - esse sinal tem a função de reiniciar a execução de um processo após este ter sido interrompido; KILL - esse sinal tem a função de "matar" um processo e é usado em momentos de criticidade. Estado dos processos Executável: o processo pode ser executado imediatamente; Dormente: o processo precisa aguardar alguma coisa para ser executado. Só depois dessa "coisa" acontecer é que ele passa para o estado executável; Zumbi: o processo é considerado "morto", mas, por alguma razão, ainda existe; Parado: o processo está "congelado", ou seja, não pode ser executado. Quando um processo é interrompido pelo sinal STOP ele entra no estado Parado Gabarito c Servidor Samba O Samba é um "software servidor"para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows. Assim, é possível usar o Linux como servidor de Prof. Carlos Vianna 16

17 arquivos, servidor de impressão, entre outros, como se a rede utilizasse servidores Windows (NT, 2000, XP, Server 2003). Funcionamento Com o servidor Samba, é possível compartilhar arquivos, compartilhar impressoras e controlar o acesso a determinados recursos de rede com igual ou maior eficiência que servidores baseados em sistemas operacionais da Microsoft. Mas, neste caso, o sistema operacional utilizado é o Linux. O Samba é compatível com praticamente qualquer versão do Windows, como NT 4.0, 9x, Me, 2000, XP e Server 2003, além de máquinas com o Linux, é claro. Todo trabalho feito pelo Samba é provido de grande segurança, uma vez que há grande rigor nos controles dos recursos oferecidos. Tanto é que existem empresas que usam o Samba como solução para conflitos existentes entre diferentes versões do Windows. Como não poderia deixar de ser, o Samba também permite que sua configuração seja feita por meio de computadores remotos. Para os casos mais críticos, o administrador da rede pode até ser notificado de anormalidades por (para isso é necessário usar um script específico que busca informações nos arquivos de log e cria um arquivo que pode ser enviado via ). Arquivos Linux Arquivos Comuns: Arquivos de Dados: Dados, Planilhas, documentos, figuras, fotos etc; Arquivos de texto Escrito por programas editores de texto simples; Arquivos de Shell Script Escrito em texto simples e serve de código para execuções de comandos Shell; Prof. Carlos Vianna 17

18 Arquivos binários (executáveis): programados em linguagem C e serão compilados para linguagem da máquina para serem executados; Diretórios: Tem seu conteúdo um apontador para outros arquivos dentro dele ; Links (Vínculos): Aponta para qualquer Arquivo, inclusive diretório; O Shell do Linux Um shell é um interpretador de comandos que analisa o texto digitado na linha de comandos e executa esses comandos produzindo algum resultado. O shell pode ser considerado como um ponto a partir do qual podemos iniciar todos os comandos do Linux, inclusive o modo gráfico no qual temos trabalhado até agora. Podemos efetuar as mesmas classes de aplicações que executamos até agora no modo gráfico, como, por exemplo, os editores de texto, e também modificar as configurações do sistema. Da mesma maneira que temos várias aplicações para editores de texto, cada uma com suas funcionalidades, existem também vários shells, cada um com suas configurações e funcionalidades específicas. A maior parte das diferenças existentes entre os shells mais conhecidos envolve facilidade de operação e tipos de configuração. Case-sensitive Os nomes de arquivos no Linux são case-sensitive, ou seja, distinguem maiúsculas de minúsculas e vice-versa. Sendo assim, um nome de arquivo como: Teste é diferente de teste e também de teste, assim como as possíveis variações de maiúsculas e minúsculas da palavra teste. Prof. Carlos Vianna 18

19 Note bem que aqui não utilizamos extensão de arquivos, como é necessário em outros sistemas operacionais. Na realidade, no Linux esta característica "não existe" de uma maneira que limite a implementação. Estruturas de Diretórios Vamos iniciar com alguns conceitos necessários para a utilização do shell e também com algumas noções sobre a organização do sistema de arquivos no Linux. O sistema de arquivos no Linux é semelhante a uma árvore de cabeça para baixo. Temos inicialmente o diretório raiz, e abaixo deste a estrutura que segue na Tabela 2.0 Diretório Descrição dos arquivos que estão nesse diretório / Diretório raiz do sistema de arquivos. É abaixo dele que se situam todos os outros. /bin /boot /dev /etc /home /lib /mnt /proc /root /sbin /tmp /usr /var Arquivos executáveis de comandos essenciais. Arquivos estáticos necessários à inicialização do sistema. Arquivos de dispositivos do sistema. Arquivos de configuração do sistema. Lugar onde ficam os diretórios locais dos usuários. Arquivos de bibliotecas essenciais ao sistema, utilizadas pelos programas em /bin. Usualmente é o ponto de montagem de dispositivos na máquina. Informações do kernel e dos processos. Diretório local do superusuário. Arquivos essenciais ao sistema. Normalmente só o superusuário tem acesso a estes arquivos. Diretório de arquivostemporários. Arquivos pertencentes aos usuários. (é a segunda maior hierarquia de diretórios presente no Linux, só perdendo para o diretório raiz). Diretório onde são guardadas informações variáveis sobre o sistema. Tabela 2.0. Estrutura de Diretórios do Linux Estrutura de comandos Prof. Carlos Vianna 19

20 diretório]$ usuario: login do usuário que está logado computador: nome do computador que se está usando diretório: nome do diretório atual (ou seja, a pasta onde se está trabalhando no momento). $ se o usuário logado é um usuário comum; # se o usuário logado é o root (administrador); Comandos do Modo Texto Comando cd (ChangeDirectory) Agora que já temos uma parte da teoria necessária, vamos começar com os comandos do Linux. Quando você entra no modo texto o shell já lhe deixa dentro de um diretório, que é o seu diretório local na máquina, também chamado de diretório home. É lá que você deverá colocar os seus arquivos, onde você tem permissão de criar, modificar e apagar seus arquivos e diretórios. Você já conhece a estrutura de diretórios do Linux, mas ainda não sabe como sair do diretório atual; o comando cd + diretório é o comando que se encarrega disto. A explicação de cd é changedirectory (mudar diretório). Com esse comando você pode mudar o seu diretório atual. Exemplo: cd / este comando fará com que seu diretório atual seja modificado para o diretório raiz. Tudo bem, mas como vou saber se estou no diretório raiz? Existe um comando que lhe mostra em qual diretório você está atualmente, é o comando pwd. Esse comando indica onde você está. Um exemplo de saída do comando pwd é: pwd Prof. Carlos Vianna 20

21 /home/usuario Vamos explicar, novamente, a tela anterior. A primeira parte da linha ) também é conhecida como prompt. O nome de usuário é usuario; a máquina se chama spaceghost e o diretório corrente se chama usuario porque estou no diretório home, tudo isso está entre colchetes e com um $ no final. A segunda linha indica em qual diretório você está. Veja agora a saída do comando cd / e o que retorna o comando pwd após termos mudado de diretório: cd / /]$ pwd / /]$ Agora que já estamos no diretório raiz, o que faremos? Antes de aprendermos a listar os arquivos presentes no diretório, vamos aprender a voltar rapidamente ao nosso diretório home. Para isso, basta digitarmos o comando cd sem argumentos. Com isso retornamos ao nosso diretório home. Outra alternativa é digitarmos cd~. O símbolo ~ é substituído pelo seu diretório home, não só com o comando cd, mas com todos os outros comandos do shell. Veja a saída dos comandoscitados: /]$ cd pwd /home/usuario cd /tmp /tmp]$ pwd /tmp /tmp]$ cd ~ pwd /home/usuario Prof. Carlos Vianna 21

22 Comando ls listar Já sabemos nos movimentar entre os diretórios, mas ainda não sabemos como listar o conteúdo desse diretório. O comando que lista os arquivos chama-se ls[opções][arquivo]. Esse comando exibe os arquivos do diretório utilizando as opções fornecidas. Examinaremos algumas das opções mais comuns do comando ls na Tabela 3.0 Opção Finalidade -a Exibe todos os arquivos, mesmo os arquivos ocultos. - - color Lista os arquivos com padrões de extensão/tipo reconhecidos com cores diferentes. -d Lista o nome do diretório em vez de seu conteúdo. -h Combinada com a opção -l, mostra os tamanhos de arquivo em formato mais fácil de ser lido. Ex: 1K, 20M, 5G. -l Lista a listagem de arquivos detalhada. -r Mostra os arquivos ordenados em ordem reversa. -1 Lista os nomes de arquivos um por linha. Tabela 3.0. Opções do Comando ls Nota: Arquivos começados com.(ponto) são considerados arquivos ocultos no Linux. Para vê-los, basta que você digite ls-a. Você verá alguns arquivos, como por exemplo: ls -a..xauthority.alias.bash_logout.bashrc.screenrc.xinitrc...xdefaults.bash_history.bash_profile.cshrc.viminfo mkdir MakeDirectory Esse comando cria um diretório (mesmo que MD Windows) mkdir nome (criará diretório no endereço atual) mkdir /caminho (criará diretório no endereço especificado) Prof. Carlos Vianna 22

23 mkdir diretório_1 diretório_ 2 diretório_ 3 (criará três diretórios) ex: Estando no shell, digite o seguinte: mkdir organiza Executando o comando ls você verá que o diretório organiza foi criado rm Sintaxe: rm[-opções] arquivo(s) Para apagar um suposto arquivo, chamado teste.txt, dentro da pasta usuário digite: rm teste.txt A seguir digite ls e veja que o arquivo não está mais lá. organiza ls Desta maneira apagamos o arquivo teste.txt. Note que NÃO há como recuperar o arquivo depois que ele for excluído. Veja que simplesmente o comando rm apaga o arquivo sem fazer perguntas, por isto você deve ter certeza do que está fazendo antes de apertar a tecla enter. Dica: Para que o comando rm pergunte antes de apagar cada arquivo, você pode incluir a opção -i na linha de comando. Exemplo: rm -i teste.txt rm: remover `teste.txt'? Vejamos agora na Tabela 4.0 algumas das opções do comando rm. Prof. Carlos Vianna 23

24 Opção Finalidade -f Force a remoção dos arquivos, NÃO pergunte!! -i Pergunte antes de fazer cada remoção. -r Remova recursivamente o conteúdo dos diretórios. -v Mostre o que está sendo feito. --help Mostre a mensagem de ajuda e saia. Tabela 4.0 Opções do Comando rm Depois de conhecermos as opções do comando rmveremos como apagar um diretório. Caso o diretório esteja vazio, utilizaremos o comando rmdirdiretorio_a_ser_removido rmdir Remove Directory Esse comando apaga diretórios vazios. Vale a pena lembrar que deve-se ter permissões para isso. Para apagar diretórios com conteúdos use o comando rm, conforme vismo no item Permissões As características dos arquivos são: d : Diretório - : Arquivos : Link r :read (leitura) w :write (escrita) x : executável Prof. Carlos Vianna 24

25 ex: No shell do linux, ao se digitar o comando ls -lh, na pasta provas, vejo o que ocorre: provas]$ ls -l total 16 drw-rw-r-- 1 carloscarlos 7 Jul 1 13:24 organiza -rw-rw-r-- 1 carloscarlos 2 Jul 1 13:24 carlos.viana.txt~ drw-rw-r-- 1 carloscarlos 8 Jul 1 13:25 linux -rw-rw-r-- 1 carloscarlos 2 Jul 1 13:24 trf2005.txt rw-rw-r-- 1 carloscarlos 2 Jul 1 13:24 trf2005.txt Veja, que nesse caso, existem duas pasta, organiza e linux, existem dois arquivos, carlos.viana.txt e trf2005, e um link janela. Também, pode ser visualizado as permissões dos arquivos, por exemplo, o arquivos carlos.viana.txt: Usuário (user) Grupo (group) Outros (other) rw rw r Alterando Permissões chmod (ChangeMode Mudar o Modo) Seu objetivo é mudar as permissões de um arquivo ou diretório. Esse "mudar as permissões" significa que o arquivo poderá ser acessado, modificado e executado por outras pessoas além daquelas que poderiam ter esses direitos. Prof. Carlos Vianna 25

26 Sintaxe: chmod<permissões><alvo> onde: chmod é o comando <permissões>é o dado destinado a informar quais os níveis de permissão que o arquivo vai ter... <alvo> é o arquivo em si, que terá suas permissões alteradas (ou diretório). Vamos a algo bem interessante: um comando ls para listar o conteúdo de um diretório, primeiramente... documentos]$ ls -lh total 188K drwxrwxr-x 2 carlosusers 4,0K Jul 8 18:40 apresentacoes -rw-rw-r-- 1 carlosusers 4,7K Jul 8 18:40 avisos.doc lrwxrwxrwx 1 carlosusers 14 Jul 8 19:07 dic.dic ->dicionario.dic -rw-rw-r-- 1 carlosusers 61K Jul 8 18:40 dicionario.dic -rw-rw-r-- 1 carlosusers 4,7K Jul 8 18:41 impressora_manual.doc -rw-rw-r-- 1 carlosusers 4,2K Jul 8 18:40 instrucoes.doc -rw-rw-r-- 1 carlosusers 31K Jul 8 18:40 jovem_galileu.mp3 -rwxr-xr-x 1 carlos users 14K Jul 8 18:40 lattes.rtf drwxrwxr-x 2 carlosusers 4,0K Jul 8 18:48 planilhas -rw-rw-r-- 1 carlosusers 31K Jul 8 18:41 poesia.pdf drwxrwxr-x 2 carlosusers 4,0K Jul 8 18:47 textos drwxrwxr-x 2 carlosusers 4,0K Jul 8 18:45 web Vamos tomar como exemplo o arquivo instrucoes.doc, que mostra o seguinte: Prof. Carlos Vianna 26

27 -rw-rw-r-- 1 carlosusers 4,2K Jul 8 18:40 instrucoes.doc Como vimos anteriormente, esse arquivo tem as seguintes informações: -rw-rw-r-- : permissões de acesso ao arquivo. 1 : quantidade de atalhos que apontam para esse arquivo carlosusers: esse arquivo pertence a um usuário chamado carlos e a um grupo chamado users 4,2K : tamanho do arquivo Jul 8 18:40: data e hora da última alteração do arquivo. 2: Quanto às permissões, que são o nosso alvo de interesse, é bom que se saiba que há três tipos de permissões para arquivos e diretórios: r (read - leitura): essa permissão diz que o arquivo pode ser lido (aberto); w (write - escrita): informa que o arquivo pode ser escrito (modificado, salvo); x (execute - executar): indica que o arquivo pode ser executado (ou seja, ele será considerado executável e poderá ser colocado na memória RAM como um programa, sem necessitar de outro programa qualquer para isso). Essa permissão, no caso de diretórios (pastas) é necessária para que a pasta seja acessada (ou seja, para que se possa ver seu conteúdo), então, em resumo é: para que um diretório seja acessado (seu conteúdo seja visto), é necessário que o indicador de x (execução) esteja ativado. Outra coisa: há três pessoas (ou grupos de pessoas) que podem ter permissões distintas sobre um arquivo qualquer: Usuário Dono (User): é o usuário cujo nome está descrito na primeira coluna do proprietário (no caso acima, carlos) Prof. Carlos Vianna 27

28 Grupo Dono (Group): é o grupo de usuários ao qual o arquivo pertence, que no caso anterior é users (um arquivo pode pertencer a somente um grupo) Outros usuários (Other): todos os demais usuários do sistema que não pertencem ao grupo dono. Aquelas informacoes sobre permissões, localizadas na primeira coluna da descrição mostrada no comando ls, são justamente as informações sobre leitura, escrita e execução destes três grupos, Veja só: - Primeiro caractere: Se for um "d", indica um diretório... Se for um "l", indica um atalho (link), se for um "-" (traço), indica que é um arquivo (isso não tem nada com as permissões, é apenas um indicativo do tipo do objeto). rw- (primeiro conjunto de três caracteres): permissões dadas ao USUÁRIO DONO do arquivo. rw- (segundo grupo de três caracteres): permissões dadas ao GRUPO DONO do arquivo. r-- (terceiro grupo de três caracteres): permissões dadas aos OUTROS USUÁRIOS do sistema. Cada um dos grupos de três caracteres pode ter rwx, onde, claro, r indica read, w indica write e x indica execute... O Traço (-) indica que aquela permissão não está dada (ou seja, não se tem permissão de realizar aquela operação). Portanto, rwsignifica direito de ler e modificar (escrever) um arquivo, mas não o direito de executá-lo Então, um conjunto de permissões rw-rw-r-- no arquivo instrucoes.doc significa que este arquivo pode ser lido e modificado (rw-) pelo seu DONO (carlos), também pode ser lido e modificado (rw-) pelos usuários que pertencem ao seu GRUPO (users) e pode ser apenas lido (r--) pelos OUTROS usuários do sistema. Esse arquivo não poderá ser executado (jogado na RAM como um programa) nem pelo DONO, nem pelo GRUPO nem pelos demais usuários. Prof. Carlos Vianna 28

29 É interessante entender que quando um arquivo é criado (um documento, como esse do exemplo, na primeira vez que é salvo), ele recebe imediatamente as permissões padrão do sistema (essas.. rw-rw-r--), mas essas permissões podem ser mudadas ao longo da utilização do sistema através do uso do comando chmod. IMPORTANTE: o comando chmod só pode ser usado em um arquivo pelo root ou pelo DONO do arquivo. Há várias maneiras de indicar as permissões que um arquivo vai ter no comando chmod... Vamos começar pelo "modo texto". sintaxe: chmod detentor=permissões alvo Seria assim: vamos supor que o arquivo instrucoes.doc vai ser alterado para ter permissão de ler, escrever e executar por parte do DONO, ler somente por parte do GRUPO e somente executar por parte dos DEMAIS USUÁRIOS... (ou seja, se você entendeu, sabe que ficará assim: rw-r----x)... O comando que faz isso é: documentos]$ chmod u=rwx,g=r,o=x instrucoes.doc documentos]$ ls -lh instrucoes.doc -rw-r----x 1carlosusers 4,2K Jul 8 18:40 instrucoes.doc as letras antes do sinal de = (igual) identificam as pessoas detentoras dos direitos, sendo que: "u" é para USUÁRIO DONO, "g" é para GRUPO DONO e "o" é para OUTROS USUÁRIOS, caso se queira definir para todos os três grupos de uma vez só, usa-se "a" (de all - todos). Claro que você já entendeu que as letras depois dos sinais de = são para identificar as permissões em si. Só para completar, note que para separar os detentores de permissões foi usada uma vírgula... Não é para escrever com espaços... é vírgula Prof. Carlos Vianna 29

30 mesmo! Outra coisa: não há ordem na colocação das cláusulas, o "o" pode vir primeiro, depois o "u" e depois o "g"... não tem problema! Se você quiser apenas adicionar ou retirar um tipo de permissão, fica simples: ao invés de usar o sinal de = (igual) use os sinais de + (mais) para colocar ou - (menos) para retirar permissões. Então, caso se deseje retirar o direito de modificar o arquivo para os usuários do GRUPO DONO, faz-se isso: documentos]$ chmod g-w instrucoes.doc Outro exemplo, caso se deseje adicionar as permissões de escrita e execução aos demais usuários do sistema para o arquivo instrucoes.doc, fazemos: documentos]$ chmodo+rx instrucoes.doc Comando shutdown Para finalizarmos o estudo de linux, vamos aprender o comando shutdown Esse comando pode ser usado tanto para desligar, como reiniciar o sistema, dependendo da opção (flag) utilizada: 15.1 shutdown para desligar shutdown h now(desliga o micro). Podemos, ainda, determinar o tempo em que o sistema será desligado ex: Shutdown h +1 Prof. Carlos Vianna 30

31 O sistema será desligado em 1 minto 15.2 shutdown para reiniciar shutdown r now(reiniciar o micro). Temos, também, opções para reinicialização: shutdown r +5 (reiniciar o micro após 5 minutos). Resumo de Comandos Linux: A relação a seguir mostra os comandos seguidos de uma descrição: Prof. Carlos Vianna 31

32 cal cat arquivo cd diretório chmod clear cp origem destino date df du diretório emacs file arquivo exibe um calendário; mostra o conteúdo de um arquivo. Por exemplo, para ver o arquivo carlos.txt, basta digitar catcarlos.txt; Abre/mudar um diretório. Por exemplo, para abrir a pasta /mnt, basta digitarcd /mnt. Para ir ao diretório raiz a partir de qualquer outro, digite apenas cd; comando para alterar as permissões de arquivos e diretórios. elimina todo o conteúdo visível, deixando a linha de comando no topo, como se o sistema acabasse de ter sido acessado; copia um arquivo ou diretório para outro local. Por exemplo, para copiar o arquivo infowester.txt com o nome infowester2.txt para /home, basta digitar cplinux.txt /home/linux.txt; mostra a data e a hora atual; mostra as partições usadas; mostra o tamanho de um diretório; abre o editor de textos emacs; mostra informações de um arquivo; Prof. Carlos Vianna 32

33 find diretório parâmetro termo name - busca por nome type - busca por tipo size - busca pelo tamanho do arquivo o comando find serve para localizar informações. Para isso, deve-se digitar o comando seguido do diretório da pesquisa mais um parâmetro (ver lista abaixo) e o termo da busca. Parâmetros mtime - busca por data de modificação Exemplo find /home nametristania Prof. Carlos Vianna 33

34 finger usuário free id usuário kill ls lpr arquivo lpq lprm lynx mv origem destino mkdir diretório passwd ps pwd reboot rm arquivo rmdir diretório shutdown reinicia o computador shutdown -h now exibe informações sobre o usuário indicado; mostra a quantidade de memória RAM disponível; mostra qual o número de identificação do usuário especificado no sistema; encerra processados em andamento. Saiba mais no artigo Processos no Linux; lista os arquivos e diretórios da pasta atual; imprime o arquivo especificado; mostra o status da fila de impressão; remove trabalhos da fila de impressão; abre o navegador de internet de mesmo nome; tem a mesma função do comando cp, só que ao invés de copiar, move o arquivo ou o diretório para o destino especificado; cria um diretório, por exemplo, mkdirinfowester cria uma pasta de nome infowester; altera sua senha. Para um administrador mudar a senha de um usuário, basta digitar passwd seguido do nome deste; mostra os processos em execução. mostra o diretório em que você está; reinicia o sistema imediatamente (pouco recomendável, preferível shutdown -r now); apaga o arquivo especificado; apaga o diretório especificado, desde que vazio; desliga ou reinicia o computador, vejashutdown -r now desliga o computador Prof. Carlos Vianna 34

35 O parâmetro now pode ser mudado. Por exemplo su telnet top uname useradd usuário userdel usuário uptime whereis nome w who digiteshutdown -r +10 e o sistema irá reiniciar daqui a 10 minutos; passa para o usuário administrador, isto é, root (perceba que o símbolo $ mudará para #); ativa o serviço de Telnet em uma máquina. Para acessar esse computador a partir de outros por Telnet, basta digitar telnetnomedamáquina ou telnetip. Por exemplotelnet Após abrir o Telnet, digite help para conhecer suas funções; exibe a lista dos processos, conforme os recursos de memória consumidos; mostra informações do sistema operacional e do computador. Digite uname -a para obter mais detalhes; cria uma nova conta usuário, por exemplo, useraddwester cria o usuário wester; apaga a conta do usuário especificado; mostra a quantas horas seu computador está ligado; procura pelo binário do arquivo indicado, útil para conhecer seu diretório ou se ele existe no sistema; mostra os usuários logados atualmente no computador (útil para servidores); mostra quem está usando o sistema. Questões de Concurso Estilo Cespe 1 -A respeito do sistema operacional Linux, assinale a opção correta. a) Kernel é a interface gráfica do Linux, que tem visual muito similar à interface do sistema operacional Windows XP. b) O Linux funciona em dezenas de plataformas, desde mainframes até relógios de pulso, passando por várias arquiteturas e dispositivos. Prof. Carlos Vianna 35

36 c) O KDE é o navegador nativo do Linux que permite acesso à Internet e envio de . d) O Linux adota a GPL, uma licença que permite aos interessados usá-lo, mas sem a possibilidade de redistribuí-lo. 2 -Acerca do sistema operacional Linux, assinale a opção correta. a) No Linux, um usuário comum não pode causar danos ao sistema operacional da máquina de forma acidental. b) Para gravar um CD em computadores que utilizam o Linux, é necessário instalar o programa Ubuntu que permite gerar discos de áudio e vídeo. c) O Gnome é um programa nativo do Linux para tratamento de imagens. d) Uma das desvantagens do Linux é a necessidade do usuário digitar comandos para realizar tarefas como gravar arquivos. 3 -Entre as diferentes distribuições do sistema operacional Linux estão a) Conectiva, OpenOffice, StarOffice e Debian. b) GNU, Conectiva, Debian e Kernel. c) KDE, Blackbox, Debian e Pipe. d) Debian, Conectiva, Turbo Linux e Slackware. e) Fedora, RedHat, Kurumim e Posix. 4 -O sistema operacional Linux não é a) capaz de dar suporte a diversos tipos de sistema de arquivos. b) um sistema monousuário. c) um sistema multitarefa. d) capaz de ser compilado de acordo com a necessidade do usuário. e) capaz de suportar diversos módulos de dispositivos externos. 5-Julgue os itens seguintes, com relação ao sistema operacional Linux e ao BROffice. Os comandos do Linux mkdir, rm, mv e ls permitem, respectivamente, criar diretórios, renomear arquivos, limpar a tela e enviar arquivo para impressão. ( ) Certo ( ) Errado 6-O Linux é utilizado por usuários de computadores do tipo PC pela facilidade de alterações e inclusões de novas funcionalidades. No entanto, o Linux não pode ser empregado em servidores pertencentes a uma rede de comunicação. ( ) Certo ( ) Errado Prof. Carlos Vianna 36

37 7-O sistema Linux permite a alteração do código-fonte para a criação de um novo kernel, com a finalidade, por exemplo, de se obter uma maior autonomia de controle de hardware dos computadores. ( ) Certo ( ) Errado GABARITOS: 1 - B 2 - A 3 - D 4 - B 5 - E 6 - E 7 - C Prof. Carlos Vianna 37

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Gerenciamento de Arquivos e Pastas Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Arquivo Todo e qualquer software ou informação gravada em nosso computador será guardada em uma unidade de disco,

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Introdução ao Linux Comandos Ubuntu/Linux Michelle Nery Agenda Comandos do Sistema Comandos para Processos

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013 1 2 INTRODUÇÃO A LINUX ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais Kernel núcleo do

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Conteúdo Programático Login e Logout Iniciando e Desligando o Sistema Tipos de arquivo Texto Binário Arquivos e Diretório Manipulação de

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO:

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO: SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br FUNÇÃO: GERENCIAR, ADMINISTRAR OS RECURSOS DA MÁQUINA. SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS MS-DOS WINDOWS 3.1 WINDOWS 95 WINDOWS

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux GNU / Linux Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009 Conceitos Básico O S.O. é case sensitive, ou seja, sensível à caixa; Exemplo: o arquivo apple.txt é diferente do arquivo Apple.txt e podem conviver juntos

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Informática Aula 03 Sistema Operacional Linux Objetivos Entender

Leia mais

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS Olá, pessoal, tudo bem? Vamos fazer um simulado com 10 questões de informática direcionadas para o cargo de TÉCNICO DO MPU? São questões já aplicadas pelo CESPE em certames anteriores, mas que podem ser

Leia mais

Labgrad. Usúario: Senha: senha

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha Suporte A equipe do Suporte é responsável pela gerência da rede do Departamento de Informática, bem como da manutenção dos servidores da mesma, e também é responsável pela monitoria do LabGrad e do LAR.

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 ÍNDICE Aula 1 Conhecendo o Linux... 3 Apresentação... 3 Tela de Logon... 4 Área de trabalho... 5 Explorando o Menu

Leia mais

Comandos básicos do Linux

Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Introdução Alguns comandos que você verá nesta página, equivalem aos utilizados no DOS. No entanto, saiba que conhecendo ou não o DOS, você poderá estranhar

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Informática. Aula 04/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aula 04/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aula 04/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Linux. Wagner de Oliveira

Linux. Wagner de Oliveira Linux Wagner de Oliveira Um computador, uma mesa, um usuário. Duas pessoas não podem trabalhar em paralelo, executando o Microsoft Word na mesma máquina, simultaneamente. Windows 2003 Advanced Server +

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Software Livre

Aula 2 Introdução ao Software Livre Aula 2 Introdução ao Software Livre Aprender a manipular o Painel de Controle no Linux e mostrar alguns softwares aplicativos. Ligando e desligando o computador através do sistema operacional Não é aconselhável

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

GNU/Linux/Bash. Aula 2

GNU/Linux/Bash. Aula 2 GNU/Linux/Bash Aula 2 O que é? Ubuntu GNU Linux Ubuntu 12.04 Ubuntu é um sistema operacional baseado em Linux desenvolvido pela comunidade e é perfeito para notebooks, desktops e servidores. Ele contém

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft.

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. WINDOWS O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. Área de Trabalho Ligada a máquina e concluída a etapa de inicialização, aparecerá uma tela, cujo plano de fundo

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft O OneDrive é um serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft que oferece a opção de guardar até 7 GB de arquivos grátis na rede. Ou seja, o usuário pode

Leia mais

Administração de Sistemas Livres

Administração de Sistemas Livres Administração de Sistemas Livres Introdução a Comandos GNU/Linux Prof. Lais Farias Alves Comandos GNU/Linux O Linux (na verdade, GNU/Linux), assim como qualquer sistema operacional moderno, é perfeitamente

Leia mais

Comandos Básicos do Linux/Unix

Comandos Básicos do Linux/Unix Comandos Básicos do Linux/Unix Vou partir do pressuposto que você sabe o básico de um sistema Linux/Unix. É importante para qualquer usuário de sistemas baseados em Unix aprender a trabalhar no modo texto

Leia mais

Laboratório de Sistemas Operacionais

Laboratório de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Módulo 1 Gerência de Memória e de Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Comandos para gerenciamento de processos: top, htop, ps, kill,

Leia mais

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Objetivos Detalhar conceitos sobre o sistema operacional Linux; Operar comandos básicos de sistemas Linux em modo Texto; Realizar a manutenção de arquivos

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

Treinamento para Manutenção dos Telecentros

Treinamento para Manutenção dos Telecentros Treinamento para Manutenção dos Telecentros Módulo II :: Utilizando o Linux Básico do Sistema Manoel Campos da Silva Filho Professor do IFTO/Palmas 1 2 Código Aberto/Open Source Programas (softwares/aplicativos)

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Universidade Federal de Goiás Ubuntu Desktop Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Conpeex / 2010 Agenda Introdução Conceitos Categorias de Software História do Linux Arquitetura do Linux Ubuntu Projeto

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Conceitos Básicos Sistema Operacional: Um Sistema Operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O Propósito do SO é fornecer

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon MDaemon GroupWare plugin para o Microsoft Outlook Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon Versão 1 Manual do Usuário MDaemon GroupWare Plugin for Microsoft Outlook Conteúdo 2003 Alt-N Technologies.

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais De modo semelhante ao Linux, o Windows é considerado um software microbásico. Uma característica desse tipo

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

Principais Comandos do Terminal no LINUX

Principais Comandos do Terminal no LINUX Principais Comandos do Terminal no LINUX Estes comandos não visam ser um compêndio completo de operação, haja vista que se possui mais comandos que esses aqui que serão listados, logo os comandos são:

Leia mais

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente?

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? Conteúdo 1 Comandos Básicos Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? a) shutdawn b) shutdown t now c) shutdown r now d) shutdwon h now e) shutdown h now Questão 2: Que comando

Leia mais

3. No painel da direita, dê um clique com o botão direito do mouse em qualquer espaço livre (área em branco).

3. No painel da direita, dê um clique com o botão direito do mouse em qualquer espaço livre (área em branco). Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 2 Criando e compartilhando uma pasta - Prática Autor: Júlio Battisti - Site: www.juliobattisti.com.br Neste tópico vamos criar e compartilhar uma pasta chamada

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.0 2010 1 1. INTRODUÇÃO Administradores públicos defrontam-se diariamente com grandes dificuldades para fazer com que processos administrativos, documentos, pareceres e informações

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SISTEMA OPERACIONAL DA EMPRESA MICROSOFT Interface gráfica WIMP GUI Windows, Icons, Menus, Pointer, Graphical User

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

1- Requisitos mínimos. 2- Instalando o Acesso Full. 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez

1- Requisitos mínimos. 2- Instalando o Acesso Full. 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez Manual Conteúdo 1- Requisitos mínimos... 2 2- Instalando o Acesso Full... 2 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez... 2 4- Conhecendo a barra de navegação padrão do Acesso Full... 3 5- Cadastrando

Leia mais

O computador. Sistema Operacional

O computador. Sistema Operacional O computador O computador é uma máquina desenvolvida para facilitar a vida do ser humano, principalmente nos trabalhos do dia-a-dia. É composto basicamente por duas partes o hardware e o software. Uma

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1

Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1 Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1 Autor: Júlio Battisti - Site: www.juliobattisti.com.br Segurança, sem dúvidas, é um dos temas mais debatidos hoje, no mundo da informática. Nesse tutorial

Leia mais

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional Windows Prof. Leandro Tonietto Cursos de Informática Unisinos Março-2008 O que é Sistema operacional? O que é Windows? Interface gráfica: Comunicação entre usuário e computador de forma mais eficiente

Leia mais

AULA 06 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS

AULA 06 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS AULA 06 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS O Windows XP fornece contas de usuários de grupos (das quais os usuários podem ser membros). As contas de usuários são projetadas para indivíduos. As contas de grupos são projetadas

Leia mais

Sistema Operacional GNU/Linux

Sistema Operacional GNU/Linux Sistema Operacional GNU/Linux Histórico: 1969 Bell Labs anuncia a primeira versão do Unix 1983 Criação do Projeto GNU 1987 Andrew Tenenbaum anuncia o Minux, versão do Unix para Desktops 1990 Microsoft

Leia mais

Manual de Utilização do Zimbra

Manual de Utilização do Zimbra Manual de Utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web (Firefox, Chrome e Internet Explorer) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário, tarefas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS

INTRODUÇÃO AO WINDOWS INTRODUÇÃO AO WINDOWS Paulo José De Fazzio Júnior 1 Noções de Windows INICIANDO O WINDOWS...3 ÍCONES...4 BARRA DE TAREFAS...5 BOTÃO...5 ÁREA DE NOTIFICAÇÃO...5 BOTÃO INICIAR...6 INICIANDO PROGRAMAS...7

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Serviços e Agendamento Sumário 1 SERVIÇOS NO LINX POSTOS AUTOSYSTEM...3 2 CRIAR SERVIÇO...3 2.1 Agendamento de Tarefas Windows...5 2.2 Criar Serviço e Agendar Tarefas no Ubuntu-LINUX...6

Leia mais

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS Objetivo da unidade Objetivo Geral Apontar as noções básicas do Windows Praticar o aprendizado sobre o Sistema Operacional Objetivos Específicos Entender como

Leia mais