Título do Projeto:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título do Projeto:"

Transcrição

1 RELATÓRIO DA ANÁLISE FINANCEIRA DATA Título do Projeto: Localização: O presente relatório apresenta e descreve as necessidades de investimento e custos para a industrialização de: Capacidade Operacional da Fábrica: (em litros/dia) Dias de funcionamento por ano: Processamento anual de Materia-Prima: Produção Anual: INDICADORES FINANCEIROS TIR (Taxa Interna de Retorno): TRC (Tempo de Retorno do Capital) - anos: VPL (Valor Presente Líquido): PE (Ponto de Equilíbrio): OBSERVAÇÕES:

2 QUADRO 1:GASTOS COM OBRAS CIVIS ITEM DESCRIÇÃO UNID. QUANTI. PREÇO / m2 VALOR (R$) SUB-TOTAL 12 Estudos e projetos de engenharia % 2, ,51 13 Supervisão de Construção % 3, ,26 Total a ser aplicado em Obras Civis Investimento fixo O investimento fixo é o destinado às imobilizações com terreno, construção da unidade industrial, equipamentos e outros gastos complementares. Para calcular o investimento necessário em construção ou reformas utilizaram-se preços médios de construção por m2 para todas as instalações (item 3, 4 e 5 do QUADRO 1) e incluem-se os custos referentes a estudos e projetos de engenharia e supervisão de construção que são estimados por um percentual sobre os custos de construção civil da área edificada, o perfil original aplica valores percentuais de acordo com as práticas do mercado. Nas construções auxiliares, estão incluídas todas as contruções que não sejam do prédio principal da indústria, e também não sejam a parte administrativa.

3 QUADRO 2: GASTOS COM AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ITEM DESCRIÇÃO UD. QUANTI. VALOR UNIT. (R$) VALOR (R$)

4 QUADRO 2: GASTOS COM AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ITEM DESCRIÇÃO UD. QUANTI. VALOR UNIT. (R$) VALOR (R$) Seção de Seção de -

5 QUADRO 2: GASTOS COM AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ITEM DESCRIÇÃO UD. QUANTI. VALOR UNIT. (R$) VALOR (R$) SUB-TOTAL Unidades de Apoio Complementares 141 Montagem % Materiais Permanentes diversos Linhas Externas % Segurança e Proteção contra Incêndio % Eventuais % ud Frete dos equipamentos % ud. Total a ser aplicado em EQUIPAMENTOS (67); (73) Calculado sobre o custo dos equipamentos (FOB) (68) Engloba móveis utensílios, materiais de escritório, linhas telefônicas etc. (69); (70) e (71) Calculado sobre o custo do equipamento montado

6 QUADRO 3: GASTOS COM EQUIPAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Item Descrição Total Unitário (R$) 1 Linhas telefônicas 2 Computador e uma impressora 3 Um Computador, uma impressora e um software para códigos de barras (incluso impostos) 4 Móveis e utensílios 5 Diversos 6 Escritório 7 Veículo para escritório 8 Supervisão de implantação Investimento Fixo para a ADMINISTRAÇÃO Total (R$) (5) Incorpora custos como fabricação de etiquetas, registros e outros gastos. (6) Trata-se do investimento necessário à aquisição do escritório seja por construção ou por meio de compra de salas em meio urbano. (7) O veículo considerado no perfil original trata-se de um utilitário com carga útil em torno de 650 kg, apropriado para rodar tanto em estradas vicinais quanto em rodovias urbanas. Este veículo visa atender às necessidades dos gerentes comercial e de processos da ADMINISTRAÇÃO. (8) Este item de investimento visa a suprir os serviços administrativos prestados durante a fase de implantação da UCAG e/ou das unidades agroindústriais.

7 QUADRO 4: NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO ITEM DESCRIÇÃO PRAZO (dias) 1 Matéria-prima principal 20 2 Bens em processo (Envelhecimento) 10 3 Bens em processo (Repouso) 10 4 Materiais secundários, ingredientes e insumos 7 5 Produtos acabados em estoque 7 6 Produção vendida a prazo 10 7 Reserva de caixa 5 8 Desconto bancário 15 Total a ser aplicado em CAPITAL DE GIRO UNIT. (R$) VALOR(R$) (4) Os insumos considerados aqui são gastos com água, energia e gás. Capital de giro A estimativa do investimento necessário à operação normal do empreendimento considerou itens que envolvem estoques mínimos de matéria-prima e materiais secundários, estoque de produtos acabados e em processo, reserva de caixa para compromissos de salários, a quantia necessária para cobrir um percentual das vendas que são realizadas a prazo e um desconto para reduzir as necessidades de capital de giro, correspondente a negociação de créditos com sistema bancário. Cada item foi calculado com base na quantidade mínima necessária para prover a indústria durante um determinado prazo. Os prazos referentes à estocagem, pagamento e reservas estão especificados no QUADRO 4, assim como as necessidades de capital de giro para cada item considerado.

8 QUADRO 5: DADOS APLICADOS NA ESTIMATIVA DE VENDAS À PRAZO E DESCONTOS BANCÁRIOS Percentual da produção vendida à prazo (% sobre o custo de produção referente à produção obtida durante o prazo de pagamento oferecido) Taxa de juros para o desconto de títulos (% sobre o valor das vendas à prazo) QUADRO 6: SALÁRIO MÍNIMO CONSIDERADO SALÁRIO MÍNIMO BASE (R$) TJLP (%) Imposto de Renda (%) Juros (%) Taxa Mínima de Atratividade - TMA (%) Periodicidade (meses) Dolar Comercial (este valor não será usado nos cálculos) O QUADRO 5 apresenta a parcela da produção vendida a prazo no período descrito no quadro anterior, e o valor cobrado pelo banco na negociação de desconto de títulos.

9 QUADRO 7: NECESSIDADE DE MÃO DE OBRA FIXA NA ADMINISTRAÇÃO FUNÇÃO Nº de Pessoas Encargos (%) Quant. De Salários Mínimos Custo Mensal por Pessoa (R$) TOTAL (R$) ITEM Gasto com mão de obra fixa da ADMINISTRAÇÃO 1 Gerente de comercialização 88 2 Gerente de processos 88 3 Contador (externo à fábrica) 88 4 Mecânico de Manutenção 88 5 Secretária 88 6 Serviços Gerias Gasto Anual com Salários Administrativos da ADMINISTRAÇÃO As necessidades de mão de obra fixa, ou custos administrativos, estão descritas no QUADRO 7 e englobam também os encargos sociais.

10 QUADRO 8: GASTOS COM INSUMOS E OUTROS CUSTOS FIXOS DA ADMINISTRAÇÃO ITEM Descrição Unidade Quantidade anual Custo unitário (R$) 1 Energia elétrica verba 2 Água verba 3 Telefone verba 4 Internet verba 5 Telefonia celular verba 6 7 Materiais de escritório e outros verba 8 9 Seguros e Impostos (da ADMINISTRAÇÃO) verba - Total dos Gastos com Insumos da ADMINISTRAÇÃO (9) O índice utilizado para estimativa dos seguros foi de 1% a.a. para investimentos com equipamentos e obras civis da ADMINISTRAÇÃO fora os veículos que foram segurados a um custo de 7,5 % de seu valor a.a.. Total anual (R$) Os gastos com insumos e outros custos fixos pertinentes somente à ADMINISTRAÇÃO são especificados no QUADRO 8.

11 QUADRO 9: DESPESAS FIXAS DE CAPITAL - ANUAL Gasto com Mão de Obra Fixa da UNIDADE INDUSTRIAL FUNÇÃO Nº de Encargos (%) Quantidade de Pessoas Salários Mínimos ITEM 1 Gerente Geral 88 ITEM DESCRIÇÃO Gasto anual com salários administrativos da ADMINISTRAÇÃO Insumos gastos na ADMINISTRAÇÃO (incluso seguros e impostos) Depreciação de equipamentos da ADMINISTRAÇÃO Depreciação da UNIDADE INDUSTRIAL Impostos e seguros da UNIDADE INDUSTRIAL Custo de opotunidade da UNIDADE INDUSTRIAL Descrição Custo Unitário (R$) Custo Mensal por Pessoa (R$) TOTAL (R$) VALOR ANUAL (R$) - - ESTIMATIVA DO CUSTO FIXO TOTAL ANUAL DA UNIDADE INDUSTRIAL O total dos custos administrativos considerados para o presente projeto está reapresentado no QUADRO 9. O índice utilizado para estimativa dos seguros foi de 1% a.a. para obras civis e instalações da fábrica; veículos foram segurados a um custo de 7,5 % de seu valor a.a.. Foi considerado um imposto territorial de 1 % a.a. sobre o investimento fixo em terreno. O custo de oportunidade do uso da terra destinada à fábrica foi considerado equivalente a 6% sobre o valor do terreno. A vida útil das edificações para fins de depreciação foi estimada em 50 anos. A vida útil para os equipamentos da fábrica foi considerada como sendo de 10 anos, enquanto para veículos o período é de 5 anos. Os valores estimados se encontram discriminados no QUADRO 9.

12 QUADRO 12: ESTIMATIVA DO CUSTO VARIÁVEL ANUAL ITEM INSUMOS UNID. QUANTI. CUSTO UNITÁRIO (R$) TOTAL (R$) Matéria Prima Principal Materiais secundários Insumos

13 Mão-de-Obra Operacional 49 Não - especializada Pessoas 50 Semi - especializada Pessoas 51 Especializada Pessoas Estimativas percentuais 52 Manutenção % 1,00 53 Custo financeiro % - 54 Diversos % - 55 Vendas % 2,50 56 ICMS % 8,00 TOTAL (R$) (45) Refere-se à demanda provável absorvida da rede. (46) Abreviação de Gás Liquefeito de Petróleo SUB-TOTAL (48) Refere-se ao conjunto de análises laboratoriais terceirizadas conforme (as especificações do plano de amostragem do perfil original são apresentadas no item de qualidade na seção descritiva do projeto) (52) Calculada sobre o total dos investimentos com equipamentos, montagem e instalações da UNIDADE INDUSTRIAL. (53) Calculada sobre o total dos custos operacionais (excluídas as estimativas %), refere-se aos gastos decorrentes de operações bancárias. (54) Calculada sobre o total dos custos operacionais (excluídas as estimativas %), refere-se à despesas eventuais não previstas que possam ocorrer com a fábrica em operação. (55) Calculado sobre a receita bruta anual, refere-se à comissão concedida aos vendedores. (56) Calculado sobre a receita bruta anual.

14 QUADRO 13: CUSTOS TOTAIS DE PRODUÇÃO ITEM DESCRICÃO TOTAL (R$) UNITÁRIO MÉDIO (R$/kg) 1 Custos Variáveis 2 Custos fixos Custo de Produção O custo de produção total, que permite obter o custo de produção médio para cada kg produto produzido, engloba os custos fixos e variáveis calculados anteriormente. Os custos unitários são importantes para se fazer comparações diretas com os preços de vendas. Os valores estão listados no QUADRO 13.

15 QUADRO 14: PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO RENDIMENTOS: Rendimento do processo (%): Processamento anual de Matéria-prima: PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO> Destino da Produção RENDIMENTO % Quantidade Unitária (%) (em Litros) DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Produção em Litros QUANTIDADE TOTAL 100,00 O custo de produção total, que permite obter o custo de produção médio para cada kg de produto, engloba os custos fixos e variáveis calculados anteriormente. Os custos unitários são importantes para se fazer comparações diretas com os preços de vendas. Os valores estão listados no QUADRO 13.

16 QUADRO 15: ESTIMATIVA DA RECEITA ANUAL ITEM Tipo de Embalagem QUANTIDADE Preço de Venda FOB (R$/unidade) RECEITA TOTAL ANUAL (R$) TOTAL ANUAL (R$) Custo (R$/unidade) Lucro (R$/unidade) Os valores que permitiram estimar a receita anual a ser alcançada estão no QUADRO 15.

17 QUADRO 16: INDICADORES FINANCEIROS DESCRIÇÃO DO INDICADOR UNIDADE VALOR CALCULADO Taxa Interna de Retorno (TIR) % Tempo de Retorno de Capital (TRC) ANOS Valor Presente Líquido (VPL) R$ Ponto de Equilíbrio (PE) %

18 QUADRO 17: ESQUEMA FINANCEIRO ITEM OBRAS EQUIPAMENTOS CAPITAL DE GIRO Investimento Inicial (R$) Limite de Crédito - Parcela Financiada (%) Recursos Próprios (R$) Recursos Financiados (R$) Prazo de Carência (anos) Prazo de Amortização (anos) Prazo Total (anos) Rebate (%) Taxa de Juros Total (%) Taxa de Juros Mensais Taxa de Juros da Periodicidade do Pagamento Quantidade de Prestações Prestação (R$) TOTAL Peridiocidade: o usuário deve inserir número de períodos (meses) corresponde ao intervalo entre um pagamento e outro das prestações da dívida. O sistema confirmará imediatamente a peridiocidade dos pagamentos (mensal, bimestral, trimestral, semestral ou anual) conforme o número inserido pelo usuário. O sistema permite apenas os números: 1, 2, 3, 6 e 12. Taxa mínima de atratividade (TMA): Esta é a taxa correspondente à melhor remuneração que se poderia obter com o emprego do capital em um investimento alternativo. Esta taxa é utilizada para o cálculo do VPL como taxa de desconto. O usuário deve considerá-la como padrão de referência para suas decisões de investimento. Pode ser considerada como a rentabilidade mínima abaixo da qual o investimento não seria realizado no projeto sob análise. No perfil original o valor padrão escolhido é de 10% a.a.. Se o usuário desejar, pode alterar este valor. Reduzindo-o, aumentam as chances de se ter resultados positivos de VPL na análise de rentabilidade. Porém a mesma não deve ser inferior a 6% ao ano e nem superior aos índices de inflação. A faixa limite considerada pelo sistema é de 6 a 50% a.a.. Rebate: é o valor que reduz a taxa de juros total cobrada, pode ser entendida como o subsídio oferecido em condições especiais de financiamento para programas estratégicos.

19 Taxa de juros cobrada: refere-se a taxa de juros que efetivamente vai incidir no cálculo das prestações. Nos planos de financiamento são definidos os prazos de carência máximo para pagamento da dívida e o prazo total para amortização da dívida. Nos contratos de cada projeto estes valores podem variar mediante acordo entre o agente financeiro e o beneficiário final. O prazo máximo de carência concedido no âmbito do AGROINDÚSTRIA e permitido pelo sistema é de 3 anos. O prazo considerado pelo perfil original foi de 6 meses após startup da agroindústria. Prazo de carência é o prazo após o startup da agroindústria onde ainda não são efetuadas pagamentos das prestações e os encargos são reincorporados ao SD. O prazo total para amortização da dívida permitido pelo AGROINDÚSTRIA é de 8 anos e pelo sistema é de 10 anos. O prazo de amortização consiste no período em que realmente está-se amortizando a dívida, em outras palavras é o prazo total deduzido do prazo de carência. A participação máxima do agente é o valor percentual do investimento que o agente financeiro está disposto a financiar. O sistema calcula automaticamente a quantidade de recursos próprios que o investidor deverá dispor para execução do projeto e o valor do recurso financiado. As prestações são calculadas automaticamente pelo sistema de acordo com a periodicidade de pagamento definida pelo usuário. O método de amortização da dívida utilizado pelo software é o de prestações constantes, amortização decrescente e os juros são incorporados no saldo devedor (SD) durante o período de carência. Como as prestações representam um valor desembolsável periodicamente, aparece como um valor negativo na tela do sistema.

20 QUADRO 18: NECESSIDADES DE CAPITAL NECESSIDADES DE CAPITAL (R$) OBRAS EQUIPAMENTOS CAPITAL DE GIRO TOTAL Investimento Inicial Recursos próprios Recurso financiado Prestação

21 QUADRO A1: PLANO DE AMORTIZAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE OBRAS CIVIS ANO PARCELA PRESTAÇÃO JUROS AMORTIZAÇÃO SALDO DEVEDOR NÚMERO DE PRESTAÇÕES A PAGAR ,34 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 7 (11.464,93) 6.727, , , ,00 8 (11.464,93) 6.690, , , ,00 9 (11.464,93) 6.653, , , ,00 10 (11.464,93) 6.616, , , ,00 11 (11.464,93) 6.578, , , ,00 12 (11.464,93) 6.540, , , ,00 13 (11.464,93) 6.502, , , ,00 14 (11.464,93) 6.463, , , ,00 15 (11.464,93) 6.424, , , ,00 16 (11.464,93) 6.385, , , ,00 17 (11.464,93) 6.345, , , ,00 18 (11.464,93) 6.305, , , ,00 19 (11.464,93) 6.265, , , ,00 20 (11.464,93) 6.225, , , ,00 21 (11.464,93) 6.184, , , ,00 22 (11.464,93) 6.143, , , ,00 23 (11.464,93) 6.102, , , ,00 24 (11.464,93) 6.060, , , ,00 25 (11.464,93) 6.018, , , ,00 26 (11.464,93) 5.975, , , ,00 27 (11.464,93) 5.933, , , ,00 28 (11.464,93) 5.890, , , ,00 29 (11.464,93) 5.846, , , ,00 30 (11.464,93) 5.802, , , ,00 31 (11.464,93) 5.758, , , ,00 32 (11.464,93) 5.714, , , ,00 33 (11.464,93) 5.669, , , ,00 34 (11.464,93) 5.624, , , ,00 35 (11.464,93) 5.579, , , ,00 36 (11.464,93) 5.533, , , ,00 37 (11.464,93) 5.487, , , ,00 38 (11.464,93) 5.440, , , ,00 39 (11.464,93) 5.393, , , ,00 40 (11.464,93) 5.346, , , ,00 41 (11.464,93) 5.298, , , ,00 42 (11.464,93) 5.250, , , ,00 43 (11.464,93) 5.202, , , ,00 44 (11.464,93) 5.153, , , ,00 45 (11.464,93) 5.104, , , ,00 46 (11.464,93) 5.055, , , ,00 47 (11.464,93) 5.005, , , ,00 48 (11.464,93) 4.954, , , ,00 49 (11.464,93) 4.904, , , ,00 50 (11.464,93) 4.853, , , ,00 51 (11.464,93) 4.801, , , ,00 52 (11.464,93) 4.749, , , ,00 53 (11.464,93) 4.697, , , ,00 54 (11.464,93) 4.645, , , ,00 55 (11.464,93) 4.591, , , ,00 56 (11.464,93) 4.538, , , ,00 57 (11.464,93) 4.484, , , ,00 58 (11.464,93) 4.430, , , ,00 59 (11.464,93) 4.375, , , ,00 60 (11.464,93) 4.320, , , ,00 61 (11.464,93) 4.264, , ,76 60

22 QUADRO A1: PLANO DE AMORTIZAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE OBRAS CIVIS ANO PARCELA PRESTAÇÃO JUROS AMORTIZAÇÃO SALDO DEVEDOR NÚMERO DE PRESTAÇÕES A PAGAR 6,00 62 (11.464,93) 4.208, , , ,00 63 (11.464,93) 4.152, , , ,00 64 (11.464,93) 4.095, , , ,00 65 (11.464,93) 4.037, , , ,00 66 (11.464,93) 3.980, , , ,00 67 (11.464,93) 3.921, , , ,00 68 (11.464,93) 3.863, , , ,00 69 (11.464,93) 3.803, , , ,00 70 (11.464,93) 3.744, , , ,00 71 (11.464,93) 3.684, , , ,00 72 (11.464,93) 3.623, , , ,00 73 (11.464,93) 3.562, , , ,00 74 (11.464,93) 3.501, , , ,00 75 (11.464,93) 3.439, , , ,00 76 (11.464,93) 3.376, , , ,00 77 (11.464,93) 3.313, , , ,00 78 (11.464,93) 3.250, , , ,00 79 (11.464,93) 3.186, , , ,00 80 (11.464,93) 3.121, , , ,00 81 (11.464,93) 3.056, , , ,00 82 (11.464,93) 2.991, , , ,00 83 (11.464,93) 2.925, , , ,00 84 (11.464,93) 2.859, , , ,00 85 (11.464,93) 2.792, , , ,00 86 (11.464,93) 2.724, , , ,00 87 (11.464,93) 2.656, , , ,00 88 (11.464,93) 2.588, , , ,00 89 (11.464,93) 2.518, , , ,00 90 (11.464,93) 2.449, , , ,00 91 (11.464,93) 2.379, , , ,00 92 (11.464,93) 2.308, , , ,00 93 (11.464,93) 2.237, , , ,00 94 (11.464,93) 2.165, , , ,00 95 (11.464,93) 2.093, , , ,00 96 (11.464,93) 2.020, , , ,00 97 (11.464,93) 1.946, , , ,00 98 (11.464,93) 1.872, , , ,00 99 (11.464,93) 1.797, , , , (11.464,93) 1.722, , , , (11.464,93) 1.646, , , , (11.464,93) 1.570, , , , (11.464,93) 1.493, , , , (11.464,93) 1.415, , , , (11.464,93) 1.337, , , , (11.464,93) 1.258, , , , (11.464,93) 1.179, , , , (11.464,93) 1.099, , , , (11.464,93) 1.018, , , , (11.464,93) 937, , , , (11.464,93) 855, , , , (11.464,93) 772, , , , (11.464,93) 689, , , , (11.464,93) 605, , , , (11.464,93) 521, , , , (11.464,93) 435, , , , (11.464,93) 350, , , , (11.464,93) 263, , , , (11.464,93) 176, , , , (11.464,93) 88, ,39 (0,00) 1

23 QUADRO A2: PLANO DE AMORTIZAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS ANO PARCELA PRESTAÇÃO JUROS AMORTIZAÇÃO SALDO DEVEDOR NÚMERO DE PRESTAÇÕES A PAGAR ,60 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 7 (20.388,78) , , , ,00 8 (20.388,78) , , , ,00 9 (20.388,78) , , , ,00 10 (20.388,78) , , , ,00 11 (20.388,78) , , , ,00 12 (20.388,78) , , , ,00 13 (20.388,78) , , , ,00 14 (20.388,78) , , , ,00 15 (20.388,78) , , , ,00 16 (20.388,78) , , , ,00 17 (20.388,78) , , , ,00 18 (20.388,78) , , , ,00 19 (20.388,78) , , , ,00 20 (20.388,78) , , , ,00 21 (20.388,78) , , , ,00 22 (20.388,78) , , , ,00 23 (20.388,78) , , , ,00 24 (20.388,78) , , , ,00 25 (20.388,78) , , , ,00 26 (20.388,78) , , , ,00 27 (20.388,78) , , , ,00 28 (20.388,78) , , , ,00 29 (20.388,78) , , , ,00 30 (20.388,78) , , , ,00 31 (20.388,78) , , , ,00 32 (20.388,78) , , , ,00 33 (20.388,78) , , , ,00 34 (20.388,78) , , , ,00 35 (20.388,78) 9.921, , , ,00 36 (20.388,78) 9.840, , , ,00 37 (20.388,78) 9.758, , , ,00 38 (20.388,78) 9.675, , , ,00 39 (20.388,78) 9.592, , , ,00 40 (20.388,78) 9.507, , , ,00 41 (20.388,78) 9.423, , , ,00 42 (20.388,78) 9.337, , , ,00 43 (20.388,78) 9.251, , , ,00 44 (20.388,78) 9.165, , , ,00 45 (20.388,78) 9.077, , , ,00 46 (20.388,78) 8.989, , , ,00 47 (20.388,78) 8.901, , , ,00 48 (20.388,78) 8.811, , , ,00 49 (20.388,78) 8.721, , , ,00 50 (20.388,78) 8.630, , , ,00 51 (20.388,78) 8.539, , , ,00 52 (20.388,78) 8.447, , , ,00 53 (20.388,78) 8.354, , , ,00 54 (20.388,78) 8.260, , , ,00 55 (20.388,78) 8.166, , , ,00 56 (20.388,78) 8.070, , , ,00 57 (20.388,78) 7.975, , , ,00 58 (20.388,78) 7.878, , , ,00 59 (20.388,78) 7.781, , , ,00 60 (20.388,78) 7.683, , , ,00 61 (20.388,78) 7.584, , ,68 60

24 QUADRO A2: PLANO DE AMORTIZAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS ANO PARCELA PRESTAÇÃO JUROS AMORTIZAÇÃO SALDO DEVEDOR NÚMERO DE PRESTAÇÕES A PAGAR 6,00 62 (20.388,78) 7.484, , , ,00 63 (20.388,78) 7.384, , , ,00 64 (20.388,78) 7.282, , , ,00 65 (20.388,78) 7.180, , , ,00 66 (20.388,78) 7.077, , , ,00 67 (20.388,78) 6.974, , , ,00 68 (20.388,78) 6.869, , , ,00 69 (20.388,78) 6.764, , , ,00 70 (20.388,78) 6.658, , , ,00 71 (20.388,78) 6.551, , , ,00 72 (20.388,78) 6.444, , , ,00 73 (20.388,78) 6.335, , , ,00 74 (20.388,78) 6.226, , , ,00 75 (20.388,78) 6.116, , , ,00 76 (20.388,78) 6.004, , , ,00 77 (20.388,78) 5.893, , , ,00 78 (20.388,78) 5.780, , , ,00 79 (20.388,78) 5.666, , , ,00 80 (20.388,78) 5.551, , , ,00 81 (20.388,78) 5.436, , , ,00 82 (20.388,78) 5.320, , , ,00 83 (20.388,78) 5.202, , , ,00 84 (20.388,78) 5.084, , , ,00 85 (20.388,78) 4.965, , , ,00 86 (20.388,78) 4.845, , , ,00 87 (20.388,78) 4.724, , , ,00 88 (20.388,78) 4.602, , , ,00 89 (20.388,78) 4.479, , , ,00 90 (20.388,78) 4.355, , , ,00 91 (20.388,78) 4.231, , , ,00 92 (20.388,78) 4.105, , , ,00 93 (20.388,78) 3.978, , , ,00 94 (20.388,78) 3.850, , , ,00 95 (20.388,78) 3.722, , , ,00 96 (20.388,78) 3.592, , , ,00 97 (20.388,78) 3.461, , , ,00 98 (20.388,78) 3.329, , , ,00 99 (20.388,78) 3.197, , , , (20.388,78) 3.063, , , , (20.388,78) 2.928, , , , (20.388,78) 2.792, , , , (20.388,78) 2.655, , , , (20.388,78) 2.517, , , , (20.388,78) 2.378, , , , (20.388,78) 2.238, , , , (20.388,78) 2.097, , , , (20.388,78) 1.954, , , , (20.388,78) 1.811, , , , (20.388,78) 1.666, , , , (20.388,78) 1.521, , , , (20.388,78) 1.374, , , , (20.388,78) 1.226, , , , (20.388,78) 1.077, , , , (20.388,78) 926, , , , (20.388,78) 775, , , , (20.388,78) 622, , , , (20.388,78) 468, , , , (20.388,78) 313, , , , (20.388,78) 157, ,32 (0,00) 1

25 QUADRO A3: PLANO DE AMORTIZAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE CAPITAL DE GIRO ANO PARCELA PRESTAÇÃO JUROS AMORTIZAÇÃO SALDO DEVEDOR NÚMERO DE PRESTAÇÕES A PAGAR ,93 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 7 (15.103,82) 8.862, , , ,00 8 (15.103,82) 8.814, , , ,00 9 (15.103,82) 8.765, , , ,00 10 (15.103,82) 8.716, , , ,00 11 (15.103,82) 8.666, , , ,00 12 (15.103,82) 8.616, , , ,00 13 (15.103,82) 8.565, , , ,00 14 (15.103,82) 8.514, , , ,00 15 (15.103,82) 8.463, , , ,00 16 (15.103,82) 8.411, , , ,00 17 (15.103,82) 8.359, , , ,00 18 (15.103,82) 8.307, , , ,00 19 (15.103,82) 8.254, , , ,00 20 (15.103,82) 8.201, , , ,00 21 (15.103,82) 8.147, , , ,00 22 (15.103,82) 8.093, , , ,00 23 (15.103,82) 8.038, , , ,00 24 (15.103,82) 7.983, , , ,00 25 (15.103,82) 7.928, , , ,00 26 (15.103,82) 7.872, , , ,00 27 (15.103,82) 7.816, , , ,00 28 (15.103,82) 7.759, , , ,00 29 (15.103,82) 7.702, , , ,00 30 (15.103,82) 7.644, , , ,00 31 (15.103,82) 7.586, , , ,00 32 (15.103,82) 7.528, , , ,00 33 (15.103,82) 7.469, , , ,00 34 (15.103,82) 7.409, , , ,00 35 (15.103,82) 7.349, , , ,00 36 (15.103,82) 7.289, , , ,00 37 (15.103,82) 7.228, , , ,00 38 (15.103,82) 7.167, , , ,00 39 (15.103,82) 7.105, , , ,00 40 (15.103,82) 7.043, , , ,00 41 (15.103,82) 6.980, , , ,00 42 (15.103,82) 6.917, , , ,00 43 (15.103,82) 6.853, , , ,00 44 (15.103,82) 6.789, , , ,00 45 (15.103,82) 6.724, , , ,00 46 (15.103,82) 6.659, , , ,00 47 (15.103,82) 6.593, , , ,00 48 (15.103,82) 6.527, , , ,00 49 (15.103,82) 6.460, , , ,00 50 (15.103,82) 6.393, , , ,00 51 (15.103,82) 6.325, , , ,00 52 (15.103,82) 6.257, , , ,00 53 (15.103,82) 6.188, , , ,00 54 (15.103,82) 6.119, , , ,00 55 (15.103,82) 6.049, , , ,00 56 (15.103,82) 5.978, , , ,00 57 (15.103,82) 5.907, , , ,00 58 (15.103,82) 5.836, , , ,00 59 (15.103,82) 5.764, , , ,00 60 (15.103,82) 5.691, , , ,00 61 (15.103,82) 5.618, , ,74 60

26 QUADRO A3: PLANO DE AMORTIZAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE CAPITAL DE GIRO ANO PARCELA PRESTAÇÃO JUROS AMORTIZAÇÃO SALDO DEVEDOR NÚMERO DE PRESTAÇÕES A PAGAR 6,00 62 (15.103,82) 5.544, , , ,00 63 (15.103,82) 5.470, , , ,00 64 (15.103,82) 5.395, , , ,00 65 (15.103,82) 5.319, , , ,00 66 (15.103,82) 5.243, , , ,00 67 (15.103,82) 5.166, , , ,00 68 (15.103,82) 5.089, , , ,00 69 (15.103,82) 5.011, , , ,00 70 (15.103,82) 4.932, , , ,00 71 (15.103,82) 4.853, , , ,00 72 (15.103,82) 4.773, , , ,00 73 (15.103,82) 4.693, , , ,00 74 (15.103,82) 4.612, , , ,00 75 (15.103,82) 4.530, , , ,00 76 (15.103,82) 4.448, , , ,00 77 (15.103,82) 4.365, , , ,00 78 (15.103,82) 4.281, , , ,00 79 (15.103,82) 4.197, , , ,00 80 (15.103,82) 4.112, , , ,00 81 (15.103,82) 4.027, , , ,00 82 (15.103,82) 3.941, , , ,00 83 (15.103,82) 3.854, , , ,00 84 (15.103,82) 3.766, , , ,00 85 (15.103,82) 3.678, , , ,00 86 (15.103,82) 3.589, , , ,00 87 (15.103,82) 3.499, , , ,00 88 (15.103,82) 3.409, , , ,00 89 (15.103,82) 3.318, , , ,00 90 (15.103,82) 3.226, , , ,00 91 (15.103,82) 3.134, , , ,00 92 (15.103,82) 3.041, , , ,00 93 (15.103,82) 2.947, , , ,00 94 (15.103,82) 2.852, , , ,00 95 (15.103,82) 2.757, , , ,00 96 (15.103,82) 2.661, , , ,00 97 (15.103,82) 2.564, , , ,00 98 (15.103,82) 2.466, , , ,00 99 (15.103,82) 2.368, , , , (15.103,82) 2.269, , , , (15.103,82) 2.169, , , , (15.103,82) 2.068, , , , (15.103,82) 1.967, , , , (15.103,82) 1.865, , , , (15.103,82) 1.762, , , , (15.103,82) 1.658, , , , (15.103,82) 1.553, , , , (15.103,82) 1.448, , , , (15.103,82) 1.341, , , , (15.103,82) 1.234, , , , (15.103,82) 1.126, , , , (15.103,82) 1.017, , , , (15.103,82) 908, , , , (15.103,82) 797, , , , (15.103,82) 686, , , , (15.103,82) 574, , , , (15.103,82) 461, , , , (15.103,82) 347, , , , (15.103,82) 232, , , , (15.103,82) 116, ,18 (0,00) 1

27 QUADRO A4: SOMA DAS PRESTAÇÕES ANO PARCELA PRESTAÇÃO JUROS AMORTIZAÇÃO SALDO DEVEDOR NÚMERO DE PRESTAÇÕES A PAGAR ,88 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 7 (46.957,54) , , , ,00 8 (46.957,54) , , , ,00 9 (46.957,54) , , , ,00 10 (46.957,54) , , , ,00 11 (46.957,54) , , , ,00 12 (46.957,54) , , , ,00 13 (46.957,54) , , , ,00 14 (46.957,54) , , , ,00 15 (46.957,54) , , , ,00 16 (46.957,54) , , , ,00 17 (46.957,54) , , , ,00 18 (46.957,54) , , , ,00 19 (46.957,54) , , , ,00 20 (46.957,54) , , , ,00 21 (46.957,54) , , , ,00 22 (46.957,54) , , , ,00 23 (46.957,54) , , , ,00 24 (46.957,54) , , , ,00 25 (46.957,54) , , , ,00 26 (46.957,54) , , , ,00 27 (46.957,54) , , , ,00 28 (46.957,54) , , , ,00 29 (46.957,54) , , , ,00 30 (46.957,54) , , , ,00 31 (46.957,54) , , , ,00 32 (46.957,54) , , , ,00 33 (46.957,54) , , , ,00 34 (46.957,54) , , , ,00 35 (46.957,54) , , , ,00 36 (46.957,54) , , , ,00 37 (46.957,54) , , , ,00 38 (46.957,54) , , , ,00 39 (46.957,54) , , , ,00 40 (46.957,54) , , , ,00 41 (46.957,54) , , , ,00 42 (46.957,54) , , , ,00 43 (46.957,54) , , , ,00 44 (46.957,54) , , , ,00 45 (46.957,54) , , , ,00 46 (46.957,54) , , , ,00 47 (46.957,54) , , , ,00 48 (46.957,54) , , , ,00 49 (46.957,54) , , , ,00 50 (46.957,54) , , , ,00 51 (46.957,54) , , , ,00 52 (46.957,54) , , , ,00 53 (46.957,54) , , , ,00 54 (46.957,54) , , , ,00 55 (46.957,54) , , , ,00 56 (46.957,54) , , , ,00 57 (46.957,54) , , , ,00 58 (46.957,54) , , , ,00 59 (46.957,54) , , , ,00 60 (46.957,54) , , , ,00 61 (46.957,54) , , ,17 60

28 QUADRO A4: SOMA DAS PRESTAÇÕES ANO PARCELA PRESTAÇÃO JUROS AMORTIZAÇÃO SALDO DEVEDOR NÚMERO DE PRESTAÇÕES A PAGAR 6,00 62 (46.957,54) , , , ,00 63 (46.957,54) , , , ,00 64 (46.957,54) , , , ,00 65 (46.957,54) , , , ,00 66 (46.957,54) , , , ,00 67 (46.957,54) , , , ,00 68 (46.957,54) , , , ,00 69 (46.957,54) , , , ,00 70 (46.957,54) , , , ,00 71 (46.957,54) , , , ,00 72 (46.957,54) , , , ,00 73 (46.957,54) , , , ,00 74 (46.957,54) , , , ,00 75 (46.957,54) , , , ,00 76 (46.957,54) , , , ,00 77 (46.957,54) , , , ,00 78 (46.957,54) , , , ,00 79 (46.957,54) , , , ,00 80 (46.957,54) , , , ,00 81 (46.957,54) , , , ,00 82 (46.957,54) , , , ,00 83 (46.957,54) , , , ,00 84 (46.957,54) , , , ,00 85 (46.957,54) , , , ,00 86 (46.957,54) , , , ,00 87 (46.957,54) , , , ,00 88 (46.957,54) , , , ,00 89 (46.957,54) , , , ,00 90 (46.957,54) , , , ,00 91 (46.957,54) 9.744, , , ,00 92 (46.957,54) 9.454, , , ,00 93 (46.957,54) 9.163, , , ,00 94 (46.957,54) 8.868, , , ,00 95 (46.957,54) 8.572, , , ,00 96 (46.957,54) 8.273, , , ,00 97 (46.957,54) 7.972, , , ,00 98 (46.957,54) 7.669, , , ,00 99 (46.957,54) 7.363, , , , (46.957,54) 7.055, , , , (46.957,54) 6.744, , , , (46.957,54) 6.431, , , , (46.957,54) 6.116, , , , (46.957,54) 5.798, , , , (46.957,54) 5.478, , , , (46.957,54) 5.155, , , , (46.957,54) 4.829, , , , (46.957,54) 4.502, , , , (46.957,54) 4.171, , , , (46.957,54) 3.838, , , , (46.957,54) 3.503, , , , (46.957,54) 3.164, , , , (46.957,54) 2.823, , , , (46.957,54) 2.480, , , , (46.957,54) 2.134, , , , (46.957,54) 1.785, , , , (46.957,54) 1.433, , , , (46.957,54) 1.079, , , , (46.957,54) 722, , , , (46.957,54) 362, ,89 (0,00) 1

29 QUADRO B: FLUXO DE CAIXA DO PROJETO ANO 0 ANO 1 ANO 2 ANO 3 ANO 4 ANO 5 ANO 6 ANO 7 ANO 8 ANO 9 ANO 10 Investimento Inicial: Fixo (Equipamentos e Obras)>> Capital de Giro>> ( ,11) ( ,93) Receita Operacional Custos de Produção Totais Lucro Operacional Imposto de Renda Fluxo de Caixa Bruto Depreciação Fluxo de Caixa Líquido ANO 0 ANO 1 ANO 2 ANO 3 ANO 4 ANO 5 ANO 6 ANO 7 ANO 8 ANO 9 ANO 10 Fluxo de Caixa Acumulado TRC - Tempo de Retorno de Capital (anos) >>> - - 3,

30 QUADRO C: CAPACIDADE DE PAGAMENTO DA EMPRESA COM PERIODICIDADE Ano Parcela Receita Custo Fixo Custo Variável Lucro Juros Lucro antes do I.R. Imposto de Renda Lucro Líquido Depreciação Capacidade de Pagamento Reembolso ou Amortização Disponibilidade Ano Parcela STARTUP STARTUP , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

7. Análise da Viabilidade Econômica de. Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de. Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Terminologia em Custos: Gasto Investimento Custo Despesa Perda Desembolso 1 7. Análise da Viabilidade Econômica de

Leia mais

Avaliação de Projetos e

Avaliação de Projetos e www.iem.efei.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iem.efei.br/edson 26 Introdução Para avaliação de Projetos e Negócios é necessário: Projetar Demonstração

Leia mais

Instituto de Economia - UFRJ IEE Economia do Empreendedorismo Professora: Renata La Rovere Tutor: Guilherme Santos

Instituto de Economia - UFRJ IEE Economia do Empreendedorismo Professora: Renata La Rovere Tutor: Guilherme Santos Instituto de Economia - UFRJ IEE 531 - Economia do Empreendedorismo 2016.2 Professora: Renata La Rovere Tutor: Guilherme Santos Ferramentas Mais Utilizadas: 1) Balanço Patrimonial 2) Demonstrativo de Resultados

Leia mais

III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS.

III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS. III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS. Método de custeio direto ou variável e margem de contribuição. A pousada Lagoa Azul possui 90 quartos para alugar, praticando um preço médio de R$ 56,00

Leia mais

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional e Plano Financeiro Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional 1.Layout Por meio do layout ou arranjo físico, você irá definir como será a distribuição dos diversos setores

Leia mais

Destina-se ao fornecimento de dados pessoais do proponente e de suas atribuições no projeto proposto.

Destina-se ao fornecimento de dados pessoais do proponente e de suas atribuições no projeto proposto. Introdução INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO Este é um plano de negócio simplificado com o objetivo exclusivo de permitir a avaliação de projetos para incubação. Procure ser objetivo e coerente

Leia mais

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS Wagner Viana SL 01 SL 02 SL 03 Oficina Objetivos Distinguir gestão do Fluxo de Caixa da apuração e análise de resultados; Apresentar

Leia mais

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0 1. Cenário: 1 A Empresa sec 5fabrica somente o produto. O processo orçamentário começa em outubro, antes do final do período contábil a 31 de Dezembro. Os resultados esperados no ano corrente, a se encerrar

Leia mais

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas Douglas Fabian Bacharel em Administração MBA Gestão Estratégica de Pessoas PLANO DE NEGÓCIOS PLANO DE NEGÓCIOS O que é um plano de negócios? INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO É um documento que especifica, em

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

Etapas do Plano de Negócios

Etapas do Plano de Negócios Etapas do Plano de Negócios Etapa 7. Plano financeiro Detalhes Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Etapa 7 Plano Financeiro Investimento

Leia mais

Etapa 7 Plano Financeiro

Etapa 7 Plano Financeiro 17/10/12 Etapas do Plano de Negócios Etapa Detalhes 7. Plano financeiro Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Investimento é tudo

Leia mais

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS 1. Introdução Os orçamentos que podem ocorrer em um projeto durante sua vida útil serão apresentados a seguir. Portanto, é importante estabelecer, também, a determinação da vida

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Assunto: Plano Financeiro (II parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

Documentos necessários Se sua empresa é cliente do BB: Entre em contato com sua agência de relacionamento.

Documentos necessários Se sua empresa é cliente do BB: Entre em contato com sua agência de relacionamento. BANCO DO BRASIL Corporate Produtos e Serviços Crédito FCO Empresarial Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Para você que deseja investir na região Centro-Oeste, o Banco do Brasil disponibiliza

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final Orçamento (continuação) Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas

Leia mais

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES 1 PLANO FINANCEIRO 2 PRINCÍPIOS GERAIS DE PLANEJAMENTO DIRETRIZES CENÁRIOS PREMISSAS PRÉ-PLANEJAMENTO PLANO DE MARKETING

Leia mais

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ):

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ): BNDES/GOIÁSFOMENTO CARTA-CONSULTA 1. RESUMO DA OPERAÇÃO PROPOSTA: 1.1. Sobre a Empresa 1.1.1. Empresa/Proponente: 1.1.2. Objetivo Social: 1.1.3. Localização do Empreendimento Proposto (município): 1.2.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - SUPERINTENSIVO 8 AULAS

MATEMÁTICA FINANCEIRA - SUPERINTENSIVO 8 AULAS MATEMÁTICA FINANCEIRA - SUPERINTENSIVO 8 AULAS SEFAZ-SALVADOR BANCA: FUNCAB 1. Juros simples. 2. Juros compostos. Taxa nominal, taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Capitalizacao

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos Fonte: Prof. Chiesa 1 Economia Empresa : Prof. Volney Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA

PLANO DE NEGÓCIOS. Plano de Negócios Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA PLANO DE NEGÓCIOS "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA Março/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores 1.3 Empreendimento

Leia mais

Exercícios - Soluções

Exercícios - Soluções Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exercícios - Soluções EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 Exercício 1 - Resposta Ativo imobilizado até a conclusão da obra (manutenção da atividade O

Leia mais

MODELO SIMPLIFICADO DE PLANO DE CONTAS ATUALIZADO COM A LEI Nº /07.

MODELO SIMPLIFICADO DE PLANO DE CONTAS ATUALIZADO COM A LEI Nº /07. MODELO SIMPLIFICADO DE PLANO DE CONTAS ATUALIZADO COM A LEI Nº 11.638/07. 1. ATIVO 1.1 Circulante 1.1.01 Disponível 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.01.01 Caixa pequenas despesas 1.1.01.02 Banco conta movimento

Leia mais

SSC570 - Empreendedorismo Profa. Ellen Francine ICMC/USP

SSC570 - Empreendedorismo Profa. Ellen Francine ICMC/USP SSC570 - Empreendedorismo Profa. Ellen Francine ICMC/USP 1 O sucesso de um empreendimento depende muito da capacidade de se administrar financeiramente o negócio. O acompanhamento sistemático das finanças

Leia mais

Gestão Financeira. Apresentação de práticas de gestão

Gestão Financeira. Apresentação de práticas de gestão Gestão Financeira Apresentação de práticas de gestão Registro financeiro REGIME DE COMPETÊNCIA REGIME DE CAIXA Registro financeiro Objetivos Contábil Fornece dados sobre valor e composição do patrimônio

Leia mais

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria)

Anexo III. Taxonomia M - SNC Microentidades. (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) Anexo III Taxonomia M - SNC (a que se refere o artigo 4.º da presente portaria) 1 11 Caixa 2 12 Depósitos à ordem 3 13 Outros depósitos bancários 4 14 Outros 5 211 Clientes - Clientes c/c 6 212 Clientes

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

UNIFEI Universidade Federal de Itajubá CUSTOS PARA DECISÃO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Custos para Decisão

UNIFEI Universidade Federal de Itajubá CUSTOS PARA DECISÃO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr.  Custos para Decisão UNIFEI Universidade Federal de Itajubá CUSTOS PARA DECISÃO Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. http://www.iem.efei.br/edson 71 Custos para Decisão Até agora vimos os conceitos utilizados para o cálculo

Leia mais

Orçamento. (continuação) 27/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final

Orçamento. (continuação) 27/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final Orçamento (continuação) Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

Seminário ABNT/BID Gestão dos Gases de Efeito Estufa. São Paulo, 04 de setembro de 2013

Seminário ABNT/BID Gestão dos Gases de Efeito Estufa. São Paulo, 04 de setembro de 2013 Seminário ABNT/BID Gestão dos Gases de Efeito Estufa São Paulo, 04 de setembro de 2013 Agenda 1. Informações Institucionais 2. Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas Projetos de Investimento Aquisição

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com ORÇAMENTO DE CUSTO DE PRODUÇÃO Orçamento do Custo de Produção

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Engenharia Econômica II Análise de Sensibilidade 21/08/2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Fluxo de Caixa ( + ) 0 1 2 3 n Parcela compostas por: ( - ) Investimento Receitas,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CALÇADOS MARIA "MARIA DAS NEVES FERNANDES NETA" Empreendedor(a): JOï ½O TEBERGE NETO

PLANO DE NEGÓCIOS CALÇADOS MARIA MARIA DAS NEVES FERNANDES NETA Empreendedor(a): JOï ½O TEBERGE NETO PLANO DE NEGÓCIOS CALÇADOS MARIA "MARIA DAS NEVES FERNANDES NETA" Empreendedor(a): JOï ½O TEBERGE NETO Junho/2015 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

EM NEGÓCIOS DOIS CONCEITOS SÃO FUNDAMENTAIS

EM NEGÓCIOS DOIS CONCEITOS SÃO FUNDAMENTAIS CUSTOS E DESPESAS EM NEGÓCIOS DOIS CONCEITOS SÃO FUNDAMENTAIS ECONÔMICO BENS / PATRIMÔNIO RESULTADOS FINANCEIRO DINHEIRO PAGAMENTOS / RECEBIMENTOS LUCROS / PREJUÍZOS TESOURARIA/ CAIXA PROCESSOS DECISÓRIOS

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

Função e Funcionamento das principais contas

Função e Funcionamento das principais contas 2017/09/22 13:54 1/15 e das principais contas e das principais contas 1.1.1.1 CAIXA Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa. Debita-se pelo recebimento

Leia mais

PREPARATÓRIO EXAME CFC MATEMÁTICA FINANCEIRA

PREPARATÓRIO EXAME CFC MATEMÁTICA FINANCEIRA PREPARATÓRIO EXAME CFC 2017.1 MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 7. MATEMÁTICA FINANCEIRA E ESTATÍSTICA a) Juros Simples e Compostos. b) Taxas Nominal, Proporcional, Efetiva e Equivalente.

Leia mais

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

Orçamento 29/08/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final. Orçamento de custos indiretos de fabricação

Orçamento 29/08/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final. Orçamento de custos indiretos de fabricação Orçamento Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas e administrativas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

Métodos de Apuração do Resultado

Métodos de Apuração do Resultado Métodos de Apuração do Resultado Prof. Flávio Smania Ferreira 4 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Terminologias: Gasto: é todo

Leia mais

Administração de Custos

Administração de Custos Administração de Custos Receitas Representa o faturamento da empresa Tipos de Custos Custos Diretos: Referem-se aos fatores diretamente utilizados na fabricação dos produtos e variam normalmente de forma

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes 1. Calcule as taxas mensal e diária que são proporcionais à taxa de 3,6 % ao trimestre. Resposta: 1,2% a.m. e 0,04% a.d. 2. Calcule as taxas

Leia mais

Conteúdo: Sistemas de inventário Critérios de avaliação de estoques Cálculo das compras líquidas CPC 16 - Estoques

Conteúdo: Sistemas de inventário Critérios de avaliação de estoques Cálculo das compras líquidas CPC 16 - Estoques Módulo 3 Egbert 1 Conteúdo: Sistemas de inventário Critérios de avaliação de estoques Cálculo das compras líquidas CPC 16 - Estoques 2 1. Operações com mercadorias O controle das mercadorias pode ser realizado

Leia mais

ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO

ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO À Secretaria Municipal de Obras, Infraestrutura e Transporte do Município de São Mateus Comissão Especial de Licitação Ref. Concorrência nº 002/2016

Leia mais

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho pedro.carvalho@fmu.br Finanças para Empreendedores Prof. Simulação de um orçamento para o fornecimento de materiais e serviços para uma rede LAN, em uma empresa.

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre os sócios, pois são responsáveis pela proposta do negócio. Caso ocorra necessidade, inserir mais campos, linhas ou colunas. Sócio 1 - Nome: Sócio 2 - Nome:

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

FEA RP - USP. Matemática Financeira Sistemas de Amortização. Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr.

FEA RP - USP. Matemática Financeira Sistemas de Amortização. Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. FEA RP - USP Matemática Financeira Sistemas de Amortização Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Sistemas de Amortização - Características Desenvolvidos para empréstimos e financiamentos de longo prazo;

Leia mais

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial:

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 2) Uma indústria apresentou, no mês de fevereiro de 2013, os seguintes custos de produção: 3) Uma sociedade empresária

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos CONTABILIDADE DE CUSTOS Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO 2.1 Custos diretos e custos indiretos Prof.: Marcelo Valverde CUSTOS Em relação a unidade produzida

Leia mais

wrof`e=ó=ofp`lp=lmbo^`flk^fp= = = = `lkaf Îbp=bpmb`f^fp== = = = ===ir`olp=`bpp^kqbp=

wrof`e=ó=ofp`lp=lmbo^`flk^fp= = = = `lkaf Îbp=bpmb`f^fp== = = = ===ir`olp=`bpp^kqbp= wrof`e=ó=ofp`lp=lmbo^`flk^fp= = = = `lkaf Îbp=bpmb`f^fp== = = = ===ir`olp=`bpp^kqbp= = = ==================séêë ç=ó=gìåüçlnp= = ============= = = = = mêçåéëëç=pìëéé==nrqnqkmmnvpnlommujmq===== PLANO DE

Leia mais

Associação Social e Cultural Paradense - NIF:

Associação Social e Cultural Paradense - NIF: Conta Saldo 11. Caixa 12. Depósitos à Ordem 13. Outros Depósitos Bancários Total Da Classe 1 687,51 D 19.428,20 D 200.000,00 D 220.115,71 D 21. Clientes 22. Fornecedores 23. Pessoal 24. Estado e Outros

Leia mais

1º LISTA DE EXERCÍCIOS EXTRA-SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

1º LISTA DE EXERCÍCIOS EXTRA-SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Cia Amazonense A Cia. Amazonense de

Leia mais

COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ

COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ A seguir, os comentários da Prova de Auditor Fiscal do ISS Jundiaí! Vislumbramos, a princípio, duas possibilidades de recursos. A questão 58, se confirmado

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 3 Demonstração do Resultado Abrangente 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Aula Nº 5 Custeio por Absorção

Aula Nº 5 Custeio por Absorção Aula Nº 5 Custeio por Absorção Objetivos da aula: O Custeio por Absorção é muito importante para os contadores, pois as empresas são obrigadas a apresentar suas demonstrações para o fisco utilizando-se

Leia mais

Fundamentos de Finanças Curso de Ciências Econonômicas Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Fundamentos de Finanças Curso de Ciências Econonômicas Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Fundamentos de Finanças Curso de Ciências Econonômicas Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Prof. Regis A. Ely Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Regis A. Ely Matemática

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP. Fornecedores Banco Conta Movimento. Duplicatas a pagar Aplicações Financeiras

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP. Fornecedores Banco Conta Movimento. Duplicatas a pagar Aplicações Financeiras CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalente de caixa Fornecedores Banco Conta Movimento Duplicatas a pagar Aplicações Financeiras

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS Elementos e Classificação de Custos: Com Relação aos Produtos, Com Relação ao Volume de Produção e Com Relação Progresso do Processo de Produção ELEMENTOS Custo Industrial (Custo

Leia mais

Solução dos Problemas Propostos - CAPÍTULO 5 e CAPÍTULO 6

Solução dos Problemas Propostos - CAPÍTULO 5 e CAPÍTULO 6 Solução dos Problemas Propostos - CAPÍTULO 5 e CAPÍTULO 6 As respostas indicam como resolver os problemas. Vocês devem utilizar a formulas financeiras do Excel e resolver os problemas em casa ou nas aulas

Leia mais

Análise de custo-volume-lucro

Análise de custo-volume-lucro Análise de custo-volume-lucro O estudo das relações entre receita (vendas), despesas (custos) e renda liquida (lucro líquido) é denominado análise-volume-lucro Análise de custo-volume-lucro A análise de

Leia mais

ORÇAMENTO DE VENDAS TOTAL = ,00 DADO 1. Demonstrativo 1. Preço de Venda. Unidades. Vendas Totais. Produto

ORÇAMENTO DE VENDAS TOTAL = ,00 DADO 1. Demonstrativo 1. Preço de Venda. Unidades. Vendas Totais. Produto ORÇAMENTO INDUSTRIA TÊXTIL SÃO JOSÉ ORÇAMENTO DE VENDAS Demonstrativo 1 Produto Unidades Preço de Venda Vendas Totais C de Casal 5000 210,00 1050000,00 C de Solteiro 6000 180,00 1080000,00 C de Criança

Leia mais

Exercício Avaliativo

Exercício Avaliativo 1 Exercício Avaliativo Alunos: Data: / / Data: / / Fórmulas: Juros simples: Juros Compostos: ou ou Taxas De uma taxa menor para uma taxa maior: { } { ( ) } ou De uma taxa maior para uma taxa menor: {[

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

Modelagem Financeira Market Place

Modelagem Financeira Market Place Modelagem Financeira Market Place 1 Introdução Um dos grandes desafios para os empreendedores de uma startup é transformar o modelo de negócios em números, ou seja, estimar as receitas, custos e despesas

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

2 Os estoques são apresentados na seguinte ordem do balanço patrimonial:

2 Os estoques são apresentados na seguinte ordem do balanço patrimonial: FUCAMP Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso: Disciplina Ano Letivo: Semestre: Ciências Auditoria Aplicada 2015 1º Contábeis 1 Os estoques são classificados

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre os sócios, pois são responsáveis pela proposta do negócio. Caso ocorra necessidade, inserir mais campos, linhas ou colunas. Sócio 1 - Nome: RG: Órgão Emissor:

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

O total das vendas foi de 500 mil reais. A vendeu 225 mil reais, B vendeu 175 mil reais. Portanto, C vendeu = 100 mil reais.

O total das vendas foi de 500 mil reais. A vendeu 225 mil reais, B vendeu 175 mil reais. Portanto, C vendeu = 100 mil reais. (TCE-SC 2016/CESPE-UnB) Em cada um dos itens a seguir, é apresentada uma situação hipotética relativa a proporcionalidade, porcentagem e juros, seguida de uma assertiva a ser julgada. 111. A participação

Leia mais

Orçamento dos Custos. Indiretos de Fabricação. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento dos Custos. Indiretos de Fabricação. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento dos Custos Indiretos de Fabricação Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento dos CIFs Conceito: É o orçamento que relaciona todos os gastos (custos e despesas) de fabricação ocorridos

Leia mais

Francisco Cavalcante Alocação dos gastos fixos para o contrato. Alocação da meta de lucro para o contrato

Francisco Cavalcante Alocação dos gastos fixos para o contrato. Alocação da meta de lucro para o contrato CASO PRÁTICO REAL (E ESPECIAL) COMO UMA EMPRESA DETERMINOU O PREÇO DE VENDA DO SEU PRODUTO PARA UM CLIENTE QUE CONTRATOU 30% DA SUA PRODUÇÃO PARA UM PERÍODO DE 3 ANOS Alocação dos gastos fixos para o contrato

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

CNPJ / CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 (Em R$ Mil)

CNPJ / CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 23.605 Fornecedores 29.103 Contas a Receber 7.623 Provisão Férias

Leia mais

Matemática Financeira. Parte I. Professor: Rafael D Andréa

Matemática Financeira. Parte I. Professor: Rafael D Andréa Matemática Financeira Parte I Professor: Rafael D Andréa O Valor do Dinheiro no Tempo A matemática financeira trata do estudo do valor do dinheiro ao longo do tempo. Conceito de Investimento Sacrificiozinho

Leia mais

Gerenciamento de Custos em Projetos: A Visão do PMBok

Gerenciamento de Custos em Projetos: A Visão do PMBok Gerenciamento de Custos em Projetos: A Visão do PMBok Definições... Gerenciamento de Custos do Projeto O gerenciamento de custos do projeto inclui os processos envolvidos em planejamento, estimativa, orçamentação

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S.A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.002

ROSSI RESIDENCIAL S.A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.002 ROSSI RESIDENCIAL S.A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.002 Estratégia e Performance Operacional: Durante o ano de 2001, a escassez de linhas de financiamentos e o

Leia mais

FAVENI Matemática Financeira com HP 12C

FAVENI Matemática Financeira com HP 12C APOSTILA DE MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS INICIAIS Conceitos básicos Capital O Capital é o valor aplicado através de alguma operação financeira. Também conhecido como: Principal, Valor Atual, Valor Presente

Leia mais

Finanças Trabalho de Conclusão de Módulo

Finanças Trabalho de Conclusão de Módulo Finanças Trabalho de Conclusão de Módulo A rede de hotéis Deluxe Suites tem a pretensão de construir um novo hotel, o Hotel Solarium, com 150 UHs em um ponto com grande atratividade turística e de negócios.

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE JANEIRO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 2.956 Fornecedores 38.696 Contas a Receber 53.851

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL Aula 9 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 05 Custeio Variável 5.1 Conceito de margem de contribuição 5.2 Custeio variável

Leia mais

CONTABILIDADE II CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP

CONTABILIDADE II CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP CONTABILIDADE II CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa Fornecedores Banco Conta Movimento Duplicatas a pagar Aplicações Financeiras ICMS a recolher Duplicatas a receber

Leia mais

Cooperzem Cooperativa de Distribuição de Energia Elétrica CNPJ.: / Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013

Cooperzem Cooperativa de Distribuição de Energia Elétrica CNPJ.: / Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013 I - Balanço Patrimonial ATIVO 2014 2013 Circulante 4.426.951,51 2.872.208,33 Caixa e Equivalentes de Caixa 861.325,60 288.821,15 Consumidores 3.656.496,12 2.707.364,68 Devedores Diversos 226.920,22 76.064,38

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 7.061 Fornecedores 33.947 Contas a Receber 41.832

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ACTIVO 2012 2011 PASSIVO E FUNDOS PRÓPRIOS 2012 2011 DISPONIBILIDADES 142,881,801 121,846,458 DEPÓSITOS APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Depósitos à ordem 355,298,564

Leia mais

1. CONTABILIDADE DE CUSTOS

1. CONTABILIDADE DE CUSTOS 1. CONTABILIDADE DE CUSTOS A Contabilidade de Custos é o processo ordenado de usar os princípios da contabilidade geral para registrar os custos de operação de um negócio, de tal maneira que, com os dados

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CIESA 2015 IV BIMESTRE

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CIESA 2015 IV BIMESTRE PONTO DE EQUILÍBRIO Até parece uma pergunta fácil de responder e, geralmente, vemos os empreendedores considerando apenas os custos diretos envolvidos na elaboração do produto ou prestação do serviço,

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Prof. Marcos Vinicius CON 2015/2 DESEMBOLSOS Saídas de dinheiro do caixa ou das contas bancárias das empresas, ou seja, entrega a terceiros de parte dos numerários

Leia mais

RELEMBRANDO ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NA MONTAGEM DO FLUXO DE CAIXA - PARTE l

RELEMBRANDO ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NA MONTAGEM DO FLUXO DE CAIXA - PARTE l RELEMBRANDO ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NA MONTAGEM DO FLUXO DE CAIXA - PARTE l! O tratamento da inflação na montagem do fluxo de caixa.! Imposto de renda e compensação de prejuízos fiscais.! Incentivos

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 01. RAZÃO SOCIAL: 02. NOME DE FANTASIA: 03. CNPJ: 04. INSCRIÇÃO ESTADUAL: 05. ENDEREÇO DA EMPRESA: Av ou Rua: Bairro: Município: Email: Nº:

Leia mais