Império Brasileiro ( )

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Império Brasileiro ( )"

Transcrição

1 Império Brasileiro ( )

2 A independência D.Pedro fica no Brasil após o retorno da família real em decorrência da Revolução do Porto de A consolidação de algumas prerrogativas da revolução, como a diminuição das liberdades conquistadas pelos brasileiros atingiu em cheio o descontentamento de boa parte da elite brasileira que passa a se agrupar em torno de D.Pedro. A ideia de ruptura ganha força, sendo qualquer possibilidade de recolonização rejeitada.

3 Independência ou Morte?

4 Primeiro Reinado ( ) A consolidação da independência: Combates entre os favoráveis a independência e as tropas portuguesas presentes no Brasil Os EUA reconhecem a independência em Portugal reconhecem formalmente a independência em 1825, compensando a antiga metropóle com a quantia de 2 milhões de libras esterlinas e a não permissão de união com qualquer outra colônia.

5 Os ingleses retardaram o reconhecimento numa tentativa de forçar o Brasil a imediata abolição do tráfico, o que não ocorreu. No entanto, a Inglaterra obteve imensas vantagens com o reconhecimento da independência Renovação dos Tratados de 1810 Tomada de empréstimos com a Inglaterra para abater a dívida portuguesa herdada.

6

7 Particularidades do processo de Independência A emancipação do Brasil não resultou em maiores alterações da ordem social e econômica, ou da forma de governo. Contraste com o modelo atribulado de emancipação da América Espanhola A presença de D.João VI no Brasil nos anos anteriores auxilia na construção de uma tradição monárquica nas cidades mais importantes, como o Rio de Janeiro.

8 Constituinte de 1823 D.Pedro afirma defender a Constituição se fosse digna do Brasil e dele próprio. Isso reforçava a ideia de que a palavra final seria dele. A maioria dos constituintes adotava uma postura liberal moderada

9 Constituição da Mandioca Anteprojeto apresentado pela constituinte Utilização de alguns princípios iluministas como a soberania e o liberalismo econômico Caráter anticolonialista expresso no xenofobismo contra os portugueses. Limitação do poder do monarca, para tanto a Câmara se tornaria indissolúvel e as Forças Armadas ficariam sob o comando do Legislativo. Eleições indiretas e o voto censitário baseado nos alqueires plantados de mandioca, o que garantiria a elite brasileira o domínio da vida política O veto de D.Pedro I levou os constituintes ao episódio conhecido como Noite da Agonia

10 Constituição de 1824 A constituição vai ser Outorgada, ou seja imposta pelo imperador Mantém alguns princípios do antigo projeto como a noção de soberania Criação de uma nobreza de título Religião católica como sendo a oficial Senado Vitalício, cujos membros eram escolhidos pelo imperador Voto indireto e censitário O país foi dividido em províncias cujos presidentes eram nomeados pelo imperador Criação do Conselho de Estado Poder Moderador, concentrava poderes nas mãos do rei

11 Confederação do Equador (1824) Inspirados pelos levantes de 1817, um grupo de habitantes de Pernambuco iniciou um movimento antimonarquista. Tal oposição originou-se nas constantes crises da economia regional e as cargas tributárias impostas pelo governo. Os pernambucanos sentiram o peso do autoritarismo real quando D. Pedro I depôs o então governador, Manuel de Carvalho Paes de Andrade, e indicou um substituto para o cargo.

12 A Confederação, que se iniciou com a ação de lideranças e populares pernambucanos, logo tomou corpo e conseguiu a adesão de outros estados do nordeste. Rio Grande do Norte, Ceará e Paraíba também se juntaram ao movimento. Impassíveis às tentativas de negociação do Império, os revoltosos buscaram criar uma constituição de caráter republicano e liberal. Além disso, o novo governo resolveu abolir a escravidão e organizou forças contra as tropas imperiais. Frei Caneca, Cipriano Barata e Emiliano Munducuru acreditavam que a ampliação de direitos políticos e reformas no campo social eram medidas urgentes no novo poder estabelecido. Com isso, os integrantes da elite que apoiaram a Confederação se retiraram do levante

13 Dom Pedro I pediu empréstimos à Inglaterra e contratou mercenários ingleses para que lutasse contra os revoltosos. Não resistindo ao enfraquecimento interno do movimento e a dura reação imperial, a Confederação do Equador teve seu fim. Dezesseis envolvidos foram acusados e executados pelas instituições judiciárias do Império. Entre eles, Frei Caneca teve como pena a morte por fuzilamento.

14 Abdicação de D. Pedro I Guerra Cisplatina ( ) Província Cisplatina proclama independência do Brasil e incorpora-se às Províncias Unidas do Rio do Prata, futura Argentina A guerra se desenvolve entre o Brasil e Buenos Aires, sendo um desastre militar para os brasileiros A Inglaterra vai mediar a situação garantindo a independência do Uruguai como país independente.

15 Dificuldades econômicas: Gastos com militares, decadência do Banco do Brasil, desvalorização da moeda brasileira, aumento dos preços de produtos importados. O Exército foi-se afastando do imperador. A alta cúpula estava descontente com as derrotas militares e a presença de oficiais portugueses em postos de comando. A base do exército era formada por membros dos setores mais populares dos centros urbanos, que eram recrutados de forma obrigatória e viviam em péssimas condições.

16 O fracasso da viagem diplomática de D.Pedro I a Minas Gerais Noite das Garrafadas: Brasileiros (cabras) atacaram as casas iluminadas de portugueses ( pés-de-chumbo) e estes revidaram atirando garrafas e cacos de vidro. D. Pedro gozando de grande impopularidade abdica o trono em favor de seu filho, D.Pedro de Alcântara e segue para a Europa, em uma tentativa bem sucedida de recuperar o trono português.

17 Período Regencial ( ) Os liberais moderados (chimangos) logo assumiram o poder com o intuito de frear as agitações políticas da época. Os liberais exaltados (farroupilhas) viam nesse período a possibilidade de transformações na política brasileira com maior autonomia para as províncias, revestido de um cárater nacionalista Já os portugueses se organizam e formam a corrente dos restauradores (caramurus), que desejavam o retorno de D.Pedro I

18 Regência Trina Provisória (1831) Início do Avanço Liberal Nicolau Pereira de Campos Vergueiro, José Joaquim Carneiro de Campos e Francisco de Lima e Silva reintegraram o chamado ministério dos brasileiros A Câmara dos Deputados tiveram seus poderes ampliados, tendo o direito de interferir nas ações do governo regencial. Atuando por breves dois meses, a Regência Trina Provisória deu condições para que um novo governo fosse escolhido. Em 17 de junho de 1831, a assembléia promoveu um processo de escolha da chamada Regência Trina Permanente

19 Regência Trina Permanente ( ) Francisco Lima e Silva, João Bráulio Muniz e José da Costa Carvalho O Ministério da Justiça foi delegado ao padre Diogo Antônio Feijó, que se incumbiu da tarefa de retaliar quaisquer revoltas que ameaçassem a ordem nacional ou não reconhecessem os poderes da nova administração. Para tanto criou a Guarda Nacional, uma espécie de milícia que seria controlada por representantes das elites locais. Muitos dos chefes de tais milícias eram fazendeiros que compravam junto ao governo o título de coronel. È nesse momento em que observamos a ascensão dos poderes políticos regionais dos latifundiários brasileiros.

20 Ato Adicional de 1834: As províncias agora poderiam criar suas próprias Assembléias Legislativas A cidade do Rio de Janeiro tornou-se uma região politicamente autônoma O poder Moderador foi extinto e o próximo governo regencial deveria ser comandado por um único regente

21 Regência Una de Padre Feijó ( ) O regente tomou posse enfrentando oposição até dentro do próprio partido e uma grave situação de agitação no país Tentando reverter o quadro político desfavorável, Feijó e seus companheiros criam um novo partido, denominado Progressista. Contra ele logo se ergueu um grupo chamado Regressista porque queria o retorno à situação anterior ao ato adicional, ou seja, às condições políticas e institucionais anteriores às medidas descentralizadoras. Devido a sua política liberal e radical, muitas vezes, acaba isolado no poder renunciando ao cargo.

22 Regência Uma de Araújo Lima Regresso Conservador ( ) Lei Interpretativa do Ato Adicional de 1837 "Fui liberal; então a liberdade era nova no país, estava nas aspirações de todos, mas não nas leis, o poder era tudo: fui liberal. Hoje, porém, é diverso o aspecto da sociedade: os princípios democráticos tudo ganharam e muito comprometeram; a sociedade, que então corria risco pelo poder, corre agora risco pela desorganização e pela anarquia. Como então quis, quero hoje servi-la quero salvá-la; e por isso sou regressista - Bernardo Pereira de Vasconcelos

23 Revoltas Regenciais Várias rebeliões marcaram o período regencial.essas revoltas tinham como causas comuns: péssimas condições de vida da população mais pobre; a falta de autonomia das províncias, devido à centralização do governo imperial; o excesso de impostos, cobrados pelo governo central; a luta pelo poder entre partidos e grupos políticos.

24

25 Cabanagem ( ) Seus principais fatos foram: domínio sobre Belém durante um ano e lutas no interior, morte de 40% da população da província. A rebelião que explodiu no Pará teve como líderes: Malcher, Vinagre e Angelim. Causas: revolta dos liberais contra o presidente nomeado pelo governo regencial, situação de miséria dos cabanos. Entre 1835 e maio de 1836, os cabanos tiveram controle da província

26 Sabinada ( ) A rebelião que explodiu em Salvador da Bahia teve esse nome pois seu líder foi o médico Francisco Sabino. As causas foram a decadência econômica e insatisfação com as autoridades. Proclamou a República Bahiense, que, curiosamente, seria provisória: terminaria quando D. Pedro II assumisse o trono

27 Balaiada ( ) O movimento recebe esse nome pois o líder da revolta era um artesão de apelido Balaio. A revolta aconteceu no interior da então Província do Maranhão. A crise na exportação de algodão teve papel importante na revolta, apoiada pela população mais pobre, inclusive escravos. A repressão custou muitas vidas. Aos poucos, o movimento transformou-se em confronto racial e em protesto contra a miséria. Os fazendeiros e chefes políticos liberais retiraram o apoio ao movimento rebelde, temendo que ocorresse uma insurreição negra, o que prejudicaria seus interesses de proprietários de terra.

28 Revolta da Farroupilha ( ) Esta rebelião aconteceu na então província do Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Seus líderes foram Bento Gonçalves, Giuseppe Garibaldi.Os participantes da rebelião foram pecuaristas, escravos e população em geral.fatos principais: República de Piratini; República Juliana, anistia. Algumas de suas causas foram: altos impostos na comercialização de charque, entre outros, a exigência de mudanças políticas e econômicas. Ao contrário das outras rebeliões não houve represália aos participantes, que inclusive foram integrados ao exército brasileiro.por fim foi uma das revoltas que durou mais tempo e a participação do povo foi especial.

29

30 2º Reinado ( ) Clube da Maioridade José Bonifácio Golpe da Maioridade

31 Política Formação do Partido Liberal e do Partido Conservador Imediatamente após o golpe, organizou-se o ministério, o primeiro da maioridade, dominado pelos "maioristas", todos eles ligados ao Partido Liberal. Do novo gabinete participavam os irmãos Andrada (Antônio Carlos e Martim Francisco) e os irmãos Cavalcanti (futuros viscondes de Albuquerque e de Suassuna), donde decorreu o nome de Ministério dos Irmãos

32 Eleições do Cassete, garantiu a permanência dos liberais no poder legislativo Apesar das disputas políticas violentas, os partidos Conservador e Liberal eram diferentes apenas no nome. Um e outro eram integrados pelos grandes proprietários escravistas e defendiam os mesmos interesses. Para diminuir os atritos entre os poderes, foi criado, em 1847, a Presidência do Conselho de Ministros. Ficou convencionado que o impera dor nomearia apenas o presidente do Conselho, que, por sua vez, escolheria os demais ministros. O ministério era responsável perante o poder Moderador (imperador). O Parlamento (poder Legislativo) nada podia contra os ministros, que governavam ignorando-o e prestando contas apenas ao imperador. Por esse motivo, esse parlamentarismo brasileiro ganhou o nome de "parlamentarismo às avessas.

33 Economia Economia cafeicultora: Principal produto de exportação Vale do Paraíba: Técnicas produtivas atrasadas, utilização exclusiva de mão-deobra escrava Oeste Paulista: Terra Roxa, melhoria das técnicas produtivas, utilização de mão-deobra imigrante

34 Outras atividades agrícolas: Cacau- Bahia Algodão : cultivado em larga escala no Maranhão, Pernambuco e Ceará, passam a ser produtos expressivos na economia brasileira. Em 1860 o algodão chega a ser o segundo produto de exportação nacional. A expansão de sua cultura, nesse período, é conseqüência da Guerra de Secessão norteamericana ( ),

35 A pecuária, embora voltada para o mercado interno, é a mais importante atividade econômica na região centro-sul. Também é responsável pela efetiva ocupação e povoa-mento do chamado Triângulo Mineiro e sul do Mato Grosso.

36 Ciclo da Borracha: O ciclo da borracha viveu seu auge entre 1879 a 1912, tendo depois experimentado uma sobrevida entre 1942 a Bacia Amazônica Através da extração da borracha, surgiram as cidades de Manaus, Belém A idéia de construir uma ferrovia nas margens dos rios Madeira e Mamoré surgiu na Bolívia, em Como o país não tinha como escoar a produção de borracha por seu território, era necessário criar alguma alternativa que possibilitasse exportar a borracha através do Oceano Atlântico. No entanto, o projeto fica no papel até o período republicano.

37 Indústria As atividades industriais, pouco significativas nos primeiros decênios do século XIX, começam a crescer junto com a economia cafeeira, na segunda metade do século XIX. Enquanto de 1841 a 1845 apenas uma patente industrial é expedida, entre 1851 e 1855 esse número sobe para 40. Na década seguinte, são fundadas 62 empresas industriais; 14 bancos; 3 caixas econômicas; 20 companhias de navegação a vapor; 23 companhias de seguro; 4 companhias de colonização; 3 de transportes urbanos; 2 companhias de gás e construídas 8 estradas de ferro. Surgem grandes empreendedores no país, como Irineu Evangelista de Souza, o visconde de Mauá.

38 Importantes ações de Mauá: É pioneiro no campo dos serviços públicos: organiza companhias de navegação a vapor no Rio Grande do Sul e no Amazonas; em 1852 implanta a primeira ferrovia brasileira, entre Petrópolis e Rio de Janeiro, e uma companhia de gás para a iluminação pública do Rio de Janeiro, em Dois anos depois inaugura o trecho inicial da União e Indústria, primeira rodovia pavimentada do país, entre Petrópolis e Juiz de Fora. Em sociedade com capitalistas ingleses e cafeicultores paulistas, participa da construção da Recife and São Francisco Railway Company; da ferrovia dom Pedro II (atual Central do Brasil) e da São Paulo Railway (hoje Santos-Jundiaí). Inicia a construção do canal do mangue no Rio de Janeiro e é responsável pela instalação dos primeiros cabos telegráficos submarinos, ligando o Brasil à Europa. No final da década de 1850, o visconde funda o Banco Mauá, MacGregor & Cia., com filiais em várias capitais brasileiras e em Londres, Nova York, Buenos Aires e Montevidéu. Liberal, abolicionista e contrário à Guerra do Paraguai, torna-se persona non grata no Império. Suas fábricas passam a ser alvo de sabotagens criminosas e seus negócios são abalados pela legislação que sobretaxava as importações. Em 1875 o Banco Mauá vai à falência. O visconde vende a maioria de suas empresas a capitalistas estrangeiros.

39 Tarifa Alves Branco Em 1844 é criada a tarifa Alves Branco, que aumenta as taxas aduaneiras sobre 3 mil artigos manufaturados importados. Seu objetivo é melhorar a balança comercial brasileira, mas acaba impulsionando a substituição de importações e a instalação de inúmeras fábricas no país. Com o fim do tráfico negreiro, os capitais empregados no comércio de escravos também impulsionam a industrialização

40 Guerra do Paraguai A Guerra do Paraguai teve seu início no ano de 1864, a partir da ambição do ditador Francisco Solano Lopes, que tinha como objetivo aumentar o território paraguaio e obter uma saída para o Oceano Atlântico, através dos rios da Bacia do Prata. Ele iniciou o confronto com a criação de inúmeros obstáculos impostos às embarcações brasileiras que se dirigiam a Mato Grosso através da capital paraguaia.

41 Visando a província de Mato Grosso, o ditador paraguaio aproveitou-se da fraca defesa brasileira naquela região para invadi-la e conquistá-la. Fez isso sem grandes dificuldades e, após esta batalha, sentiu-se motivado a dar continuidade à expansão do Paraguai através do território que pertencia ao Brasil. Seu próximo alvo foi o Rio Grande do Sul, mas, para atingilo, necessitava passar pela Argentina. Então, invadiu e tomou Corrientes, província Argentina que, naquela época, era governada por Mitre.

42 Formação da Tríplice Aliança : Brasil, Argentina e Uruguai Esta guerra durou seis anos; contudo, já no terceiro ano, o Brasil via-se em grandes dificuldades com a organização de sua tropa, pois além do inimigo, os soldados brasileiros tinham que lutar contra o falta de alimentos, de comunicação e ainda contra as epidemias que os derrotavam na maioria das vezes. Importância da convocação de Duque de Caxias

43 Formação dos Voluntários da Pátria Após seis anos de conflito, contando com o apoio inglês, as tropas de Caxias conseguem derrotar o Paraguai, que a partir de então entra em franca decadência.

44 Declínio do Império ( ) Abolição da escravidão Bill Aberdeen:Em 1845, o Parlamento britânico aprovou uma lei, chamada Bill Aberdeen, conferindo à Marinha o direito de aprisionar qualquer navio negreiro. A lei Eusébio de Queirós (1850)

45 Lei do Ventre Livre (1871) Lei do Sexagenário (1885) Lei Áurea (1888)

46 Questão abolicionista: Os cafeicultores não se conformaram com a abolição da escravidão e com o fato de não terem sidos indenizados. Sentindo-se abandonados pela monarquia passaram a apoiar a causa republicana. Questão Militar: os militares envolvidos na Guerra do Paraguai não receberam nenhum tipo de condecoração ou mesmo pensão para as famílias de oficiais mortos. Além disso, crescia dentro do Exército as ideias repúblicas, baseadas no positivismo difundido por Benjamin Constant

47 Questão religiosa: Desde o período colonial a igreja católica era uma instituição submetida ao Estado, pelo regime do padroado, que dava ao imperador controle sobre o clero e assuntos eclesiásticos. O imperador tinha o direito de exercer o "beneplácito", ou seja, nenhuma ordem do papa poderia vigorar no Brasil sem antes ter sido aprovada por ele. Mas, em 1872, D. Vital e D. Macedo, bispos de Olinda e de Belém, respectivamente, resolveram seguir ordens do papa Pio IX, punindo os religiosos que apoiavam os maçons (membros da maçonaria). D. Pedro II, influenciado pela maçonaria, solicitou aos bispos que suspendessem as punições. Como eles se recusaram a obedecer ao imperador, foram condenados a quatro anos de prisão. Em 1875 receberam o perdão imperial e foram libertados, mas o episódio abalou as relações entre a igreja e o imperador.

48 Fim do Império O movimento pró-república no Brasil tomava proporções irreversíveis, mas para que a alteração na forma de governo se desse de forma democrática seria necessário uma Assembléia Geral majoritariamente republicana, o que parecia distante de ocorrer, pois a população não se mostrava simpática à derrocada da monarquia. Cientes desse problema, os republicanos viram-se obrigados a apelar para a força, e, em 15 de novembro de 1889, o marechal Deodoro da Fonseca proclama a república. D. Pedro II foi deposto do trono brasileiro. Deodoro recebeu o título de chefe do governo provisório. D. Pedro II foi obrigado a embarcar para a Europa com a família no dia 17 de novembro de 1889, na calada da noite, a fim de não gerar revolta popular. Ele estava muito doente e não conseguia mais governar o seu cargo.

BRASIL IMPÉRIO. Primeiro e Segundo Reinados. Prof. Rodrigo Toledo

BRASIL IMPÉRIO. Primeiro e Segundo Reinados. Prof. Rodrigo Toledo BRASIL IMPÉRIO Primeiro e Segundo Reinados Prof. Rodrigo Toledo PRIMEIRO REINADO Definição O primeiro Reinado do Brasil é o nome dado ao período em que D. Pedro I governou o Brasil como Imperador, entre

Leia mais

Período Regencial Prof. Thiago História C Aula 11

Período Regencial Prof. Thiago História C Aula 11 Período Regencial 1831-1840 Prof. Thiago História C Aula 11 Regência Trina Provisória formada desde que Dom Pedro I abdicou ao trono do Brasil, responsável organizar a eleição da Regência Trina Permanente.

Leia mais

14. Brasil: Período Regencial PÁGINAS 18 À 29.

14. Brasil: Período Regencial PÁGINAS 18 À 29. 14. Brasil: Período Regencial PÁGINAS 18 À 29. Política e economia Regência Trina Provisória: Formada pelos senadores Nicolau Vergueiro, José Joaquim de Campos e pelo brigadeiro Francisco de Lima e Silva

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO PERÍODO REGENCIAL

BRASIL IMPÉRIO PERÍODO REGENCIAL BRASIL IMPÉRIO PERÍODO REGENCIAL PERÍODO REGENCIAL Regência Trina Provisória (Abril Junho de 1831) senador Nicolau Pereira de Campos Vergueiro senador José Joaquim Carneiro de Campos brigadeiro Francisco

Leia mais

Regências e o 2º Reinado

Regências e o 2º Reinado Regências e o 2º Reinado Período Regencial (1831-1840) 2º Reinado, 1ª Fase (1840-1850) Prof. Thiago História C Aula 06 Regência Trina Provisória formada desde que Dom Pedro I abdicou ao trono do Brasil,

Leia mais

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C Segundo Reinado 2ª Fase e Crise Prof. Thiago Aula 07 Frente C O Ouro Verde Inicialmente produzido no Vale do Paraíba (RJ/SP) depois se expande ao Oeste de São Paulo; Estrutura semelhante à da cana de Açúcar:

Leia mais

Aula 10 - Primeiro Reinado

Aula 10 - Primeiro Reinado Aula 10 - Primeiro Reinado 1822-1831. 7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. Brasil Império Primeiro Reinado 1822-1831. Período Regencial 1831-1840. Segundo Reinado 1840-1889. Primeiro Reinado

Leia mais

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( )

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( ) ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO (1822-1831) Jean Baptiste Debret O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO BRASIL INDEPENDENTE Estados Unidos da América A Doutrina Monroe (A América para os americanos )

Leia mais

Primeiro reinado

Primeiro reinado Primeiro reinado 1822-1831 Professor: Tácius Fernandes Blog: www.proftaciusfernandes.wordpress.com Coroação de D. Pedro I (1 Dez 1822) Ordem social e econômica do período colonial: Latifúndio, monocultura,

Leia mais

PERÍODO REGENCIAL ( )

PERÍODO REGENCIAL ( ) PRIMEIRO REINADO 1822-1831 PERIODO REGENCIAL 1831-1840 SEGUNDO REINADO 1840-1889 CONTEXTO GERAL Após a abdicação de D. Pedro I, para seu filho, que na época era menor de idade. prefiro descer do trono

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO

BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO BRASIL IMPÉRIO PRIMEIRO REINADO PRIMEIRO REINADO Portugueses em várias províncias tentaram resistir à independência: Bahia Pará Cisplatina apareceram camadas populares para derrotar resistências portuguesas

Leia mais

PRIMEIRO REINADO ( )

PRIMEIRO REINADO ( ) PRIMEIRO REINADO (1822 1831) 7 de setembro de 1822 Independência ou morte? O grito do Ipiranga. Pedro Américo. 1888. A proclamação da Independência. François- René Moreaux. 1844. Os desafios após a independência

Leia mais

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C

Segundo Reinado 2ª Fase e Crise. Prof. Thiago Aula 07 Frente C Segundo Reinado 2ª Fase e Crise Prof. Thiago Aula 07 Frente C O Ouro Verde Inicialmente produzido no Vale do Paraíba (RJ/SP) depois se expande ao Oeste de São Paulo; Estrutura semelhante à da cana de Açúcar:

Leia mais

AS VÉSPERAS DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

AS VÉSPERAS DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL AS VÉSPERAS DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL CRISE DO SISTEMA COLONIAL Portugal perde colônias no Oriente e o monopólio da Produção de açúcar na América. Pressão da Metrópole x Enriquecimento de da elite Brasileira

Leia mais

Independência do Brasil 1822

Independência do Brasil 1822 Independência do Brasil 1822 A Independência se deu por meios pacíficos, proclamada por um membro da família real. Em 01 de Dezembro de 1822, Dom Pedro I foi coroado e consagrado Imperador e Defensor Perpétuo

Leia mais

O Primeiro Reinado

O Primeiro Reinado O Primeiro Reinado 1822-1831 Contexto Pós proclamação da independência : Em 7 de setembro de 1822. Independência ou Morte!(Autoria Pedro Américo,1888 Contexto A nova Nação necessitava de organização político-administrativa;

Leia mais

O golpe nada mais foi que a antecipação da maioridade de D. Pedro II, que contava então com um pouco mais de 14 anos.

O golpe nada mais foi que a antecipação da maioridade de D. Pedro II, que contava então com um pouco mais de 14 anos. GOLPE DA MAIORIDADE Desde 1838, estava claro tanto para os LIBERAIS, quanto para os CONSERVADORES que somente a monarquia plena poderia levar o país a superar a sua instabilidade política. O golpe nada

Leia mais

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil.

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. 7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. Brasil Império Primeiro Reinado 1822-1831. Período Regencial 1831-1840. Segundo Reinado 1840-1889. Primeiro Reinado 1822-1831 As primeiras dificuldades do

Leia mais

Primeiro Reinado. Professora Adriana Moraes História

Primeiro Reinado. Professora Adriana Moraes História Primeiro Reinado O Primeiro Reinado é a fase da História do Brasil que corresponde ao governo de D. Pedro I. Tem início em 7 de setembro de 1822, com a Independência do Brasil e termina em 7 de abril de

Leia mais

Revoltas provinciais no período Regencial Brasil século XIX. Colégio Ser! História 8º ano Profª Marilia Coltri

Revoltas provinciais no período Regencial Brasil século XIX. Colégio Ser! História 8º ano Profª Marilia Coltri Revoltas provinciais no período Regencial Brasil século XIX Colégio Ser! História 8º ano Profª Marilia Coltri Revoltas provinciais do período regencial Devido a excessiva centralização do poder político

Leia mais

PERÍODO REGENCIAL O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes

PERÍODO REGENCIAL O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes PERÍODO REGENCIAL 1831-1840 O Período Regencial corresponde ao período da História, em que o Brasil foi governado por Regentes REGENTES são governantes que substituem o rei ou Imperador se forem menores

Leia mais

PRIMEIRO REINADO NO BRASIL ( ) Professora : Daianne Luz.

PRIMEIRO REINADO NO BRASIL ( ) Professora : Daianne Luz. PRIMEIRO REINADO NO BRASIL (1822 1831) Professora : Daianne Luz. PRIMEIROS MOMENTOS Algumas províncias (antigas Capitanias Hereditárias), que eram favoráveis às Cortes (Parlamento) de Lisboa, recusaram-se

Leia mais

SEGUNDO REINADO ( )

SEGUNDO REINADO ( ) AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos RUBENS dos temas RAMIRO expostos. JUNIOR Todo exemplo (TODOS DIREITOS

Leia mais

A) POLÍTICA INTERNA L be b rais: Conservadores:

A) POLÍTICA INTERNA L be b rais: Conservadores: Segundo Reinado A) POLÍTICA INTERNA 3 fases: Consolidação (1840 1850): Conciliação (1850 1870): Crise (1870 1889): 2 correntes políticas: Liberais: profissionais liberais urbanos, latifundiários ligados

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO REVOLTAS REGENCIAIS. Professor: Edson Martins

BRASIL IMPÉRIO REVOLTAS REGENCIAIS. Professor: Edson Martins BRASIL IMPÉRIO REVOLTAS REGENCIAIS Professor: Edson Martins Cabanagem (1835 1840) A rebelião explodiu no Pará Causas: revolta dos liberais contra o presidente nomeado pelo governo regencial situação de

Leia mais

BRASIL NO SÉCULO XIX SEGUNDO REINADO

BRASIL NO SÉCULO XIX SEGUNDO REINADO BRASIL NO SÉCULO XIX SEGUNDO REINADO 1840-1889 POLÍTICA INTERNA PODER MODERADOR e CONSELHO DE ESTADO PARLAMENTARISMO ÀS AVESSAS (1847) LIBERAIS E CONSERVADORES NO GABINETE DE MINISTROS PARTIDO LIBERAL

Leia mais

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1820-1822 COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O 7 DE SETEMBRO: A INDEPENDÊNCIA FOI SOMENTE O GRITO DO IPIRANGA? OS SIGNIFICADOS DA INDEPENDÊNCIA Emancipação ou

Leia mais

CONSERVADORES LIBERAIS

CONSERVADORES LIBERAIS CONSERVADORES desejavam a criação de um governo fortemente centralizado, com uma monarquia dotada de amplos poderes LIBERAIS desejavam a criação de uma monarquia constitucional e a descentralização administrativa

Leia mais

Está correto o que se afirma somente em a) II e III. b) I. c) I e II. Página 1 de 5

Está correto o que se afirma somente em a) II e III. b) I. c) I e II. Página 1 de 5 1. (Uece 2014) O período historicamente conhecido como Período Regencial foi caracterizado a) por rebeliões populares cujas ações exigiam o retorno da antiga realidade social com a volta de Pedro I ao

Leia mais

O PERÍODO REGENCIAL ( ):

O PERÍODO REGENCIAL ( ): O PERÍODO REGENCIAL (1831 1840): Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (abr/jul 1831); Regência Trina Permanente (1831

Leia mais

O texto dos Confederados de 1824 revela um momento de insatisfação política contra a:

O texto dos Confederados de 1824 revela um momento de insatisfação política contra a: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSOR: AULUS DATA: 19 / 12 / 2017 VALOR: 20,0 NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 8º ANO TURMA: ANCHIETA ALUNO (A): Nº: Matéria da Prova: O conteúdo a ser estudado para

Leia mais

PRIMEIRO REINADO ( ) Prof. Victor Creti Bruzadelli

PRIMEIRO REINADO ( ) Prof. Victor Creti Bruzadelli PRIMEIRO REINADO (1822-1831) Prof. Victor Creti Bruzadelli Construindo o Estado Brasileiro Pontos fundamentais: Guerras de independência; Reconhecimento internacional da independência; Manutenção da unidade

Leia mais

O Primeiro Reinado ( )

O Primeiro Reinado ( ) O Primeiro Reinado (1822-1831) Quadro Independência ou Morte, de Pedro Américo (óleo sobre tela, 1888) Prof.ª. Maria Auxiliadora Problemas após o 07 de Setembro 1822 1º A luta pelo poder o príncipe, alta

Leia mais

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil.

7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. 7 de setembro de 1822 Independência do Brasil. Brasil Império Primeiro Reinado 1822-1831. Período Regencial 1831-1840. Segundo Reinado 1840-1889. Primeiro Reinado 1822-1831 As primeiras dificuldades do

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO ( )

BRASIL IMPÉRIO ( ) Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (abr/jul 1831); Regência Trina Permanente (1831 1834); Regência Una do Padre Feijó

Leia mais

BRASIL: SEGUNDO REINADO

BRASIL: SEGUNDO REINADO Período: 1840 1889 Golpe da Maioridade deu início ao Segundo Reinado CONSOLIDAÇÃO DO ESTADO As Eleições do Cacete Disputa eleitoral entre: Partido Conservador e Partido Liberal Nessas eleições aconteceram

Leia mais

H13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder.

H13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder. H13 - Analisar a atuação dos movimentos sociais que contribuíram para mudanças ou rupturas em processos de disputa pelo poder. Período Regencial no Brasil Situação política no Brasil Grupos e Disputas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO PRIMEIRO REINADO ( ) E PERIODO REGENCIAL. Professor: Cristóvão antônio

A CONSTRUÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO PRIMEIRO REINADO ( ) E PERIODO REGENCIAL. Professor: Cristóvão antônio A CONSTRUÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO PRIMEIRO REINADO (1822-1831) E PERIODO REGENCIAL Professor: Cristóvão antônio Projeto para o Brasil O processo de construção do Estado nacional brasileiro estende-se por

Leia mais

PRIMEIRO REINADO A formação do Estado nacional brasileiro

PRIMEIRO REINADO A formação do Estado nacional brasileiro PRIMEIRO REINADO 1822-1831 A formação do Estado nacional brasileiro 1. A Confederação do Equador A Confederação do Equador foi um movimento político e revolucionário ocorrido na região Nordeste do Brasil

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA BRASIL IMPÉRIO E PERÍODO REGENCIAL PRIMEIRO REINADO 1822-1831 PERIODO REGENCIAL 1831-1840 SEGUNDO REINADO 1840-1889

Leia mais

SEGUNDO REINADO D. PEDRO II

SEGUNDO REINADO D. PEDRO II SEGUNDO REINADO D. PEDRO II 1840 1889 Golpe da Maioridade Proclamação da República GOVERNO = MONARQUIA PARLAMENTARISTA Segundo Reinado, a estrutura e a organização política, econômica e social do Brasil,

Leia mais

MÓDULO 06 - O II REINADO( ) A) Política Interna Predomínio do Parlamentarismo às avessas : Inverso do modelo inglês Com o Poder Moderador, o

MÓDULO 06 - O II REINADO( ) A) Política Interna Predomínio do Parlamentarismo às avessas : Inverso do modelo inglês Com o Poder Moderador, o MÓDULO 06 - O II REINADO( 1840-1889) A) Política Interna Predomínio do Parlamentarismo às avessas : Inverso do modelo inglês Com o Poder Moderador, o Imperador reina, governa e administra Assegura a centralização,

Leia mais

POLÍTICA INTERNA 3 fases: Consolidação ( ): Conciliação ( ): Crise ( ):

POLÍTICA INTERNA 3 fases: Consolidação ( ): Conciliação ( ): Crise ( ): POLÍTICA INTERNA 3 fases: Consolidação (1840 1850): Conciliação (1850 1870): Crise (1870 1889): Partidos liberal e conservador. As disputas políticas entre progressistas (Feijó) e regressistas (Araújo

Leia mais

GUERRA DO PARAGUAI. Maior conflito armado da América do Sul

GUERRA DO PARAGUAI. Maior conflito armado da América do Sul GUERRA DO PARAGUAI Maior conflito armado da América do Sul Informações Gerais FICHA TÉCNICA Período: 1864-1870 Duração: quase 6 anos Local: América do Sul Países Envolvidos: Argentina, Brasil, Uruguai

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Os exercícios deverão ser feitos no livro. Livro Didático Língua Portuguesa Diálogo em gênero,

Leia mais

Primeiro Reinado ( )

Primeiro Reinado ( ) Primeiro Reinado (1822-1831) PROF. CRISTIANO CAMPOS CPII - HUMAITÁ II O que a Bandeira do Império pode nos informar sobre este momento da nossa história? Ordem de Cristo - herança portuguesa O rei como

Leia mais

PRIMEIRO REINADO SITUAÇÃO POLÍTICA PÓS INDEPENDÊNCIA

PRIMEIRO REINADO SITUAÇÃO POLÍTICA PÓS INDEPENDÊNCIA PRIMEIRO REINADO SITUAÇÃO POLÍTICA PÓS INDEPENDÊNCIA Lutas Pela Independência A INDEPENDÊNCIA do Brasil não foi aceita de modo pacífico por todos os estados. Declaração da Independência Batalha do Jenipapo

Leia mais

O QUE ACONTECEU DEPOIS?

O QUE ACONTECEU DEPOIS? Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2014. Londrina, de. Nome: Turma: Tempo: início: término: total: Edição VII MMXIV Fase 3 parte 2 Grupo B O QUE ACONTECEU DEPOIS? Conjuração Baiana Com a

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Caderno de Atividades 17 Os exercícios deverão ser feitos no livro e / ou no caderno. Livro

Leia mais

HISTÓRIA PERÍODO REGÊNCIAL

HISTÓRIA PERÍODO REGÊNCIAL HISTÓRIA PERÍODO REGÊNCIAL BRASIL IMPÉRIO 1822-1889 PRIMEIRO REINADO 1822-1831 PERIODO REGENCIAL 1831-1840 SEGUNDO REINADO 1840-1889 Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações

Leia mais

O Segundo Reinado Golpe da Maioridade

O Segundo Reinado Golpe da Maioridade O Segundo Reinado O Segundo Reinado foi o período da História do Brasil Império em que Dom Pedro II governou o país. Iniciou-se em 1840 com o Golpe da Maioridade e terminou com a Proclamação da República

Leia mais

Século XVIII no Brasil. Primeiras rebeliões separatistas

Século XVIII no Brasil. Primeiras rebeliões separatistas Século XVIII no Brasil Primeiras rebeliões separatistas 1789- Inconfidência Mineira Inspiração iluminista liberal Influência da Independência dos Estados Unidos Projeto liberal: capitalismo, desenvolver

Leia mais

Rio de Janeiro Brasil Império

Rio de Janeiro Brasil Império Rio de Janeiro Brasil Império As revoltas regencias foram movimentos armados contra o governo e ocorreram em vários pontos do país entre 1835 e 1845 CABANAGEM BALAIADA MALÊS SABINADA FARROUPILHA CABANAGEM

Leia mais

Aula 15- A Crise do Império de Novembro de 1889

Aula 15- A Crise do Império de Novembro de 1889 Aula 15- A Crise do Império 1870-1889 15 de Novembro de 1889 Silêncio! Dom Pedro está governando o Brasil. z z z Proclamação da República A Questão Militar A Questão Religiosa Questão Abolicionista A

Leia mais

- votaram: crianças, escravos. e mortos. PARTIDO LIBERAL E PARTIDO CONSERVADOR... OU SERÁ VICE-VERSA?

- votaram: crianças, escravos. e mortos. PARTIDO LIBERAL E PARTIDO CONSERVADOR... OU SERÁ VICE-VERSA? 1 - Eleições do cacete 1.1 - D. Pedro II - 1 Ministério composto por membros do Partido Liberal. 1.2 - Eleições para Câmara dos Deputados => fraudes - substituições: juizes, presidentes das províncias,

Leia mais

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL

REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS. 20 de setembro de de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL REVOLUÇÃO FARROUPILHA OU GUERRAS DOS FARRAPOS 20 de setembro de 1835-11 de setembro de 1845 LOCAL RIO GRANDE DO SUL FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO DA HISTÓRIA DO BRASIL GOVERNO PADRE FEIJÓ

Leia mais

A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL A EUROPA NO INÍCIO DO SÉCULO XIX Lutas pela hegemonia na Europa BLOQUEIO CONTINENTAL Inversão Política: Brasil sede da Monarquia. Fim do Pacto Colonial: Abertura dos Portos e

Leia mais

D. Pedro II: Sobe ao trono com 14 /15 anos início do Segundo Reinado 23/07/1840

D. Pedro II: Sobe ao trono com 14 /15 anos início do Segundo Reinado 23/07/1840 Segundo Reinado - Golpe da Maioridade (1840) Liberais no Poder Antecipada a Maioridade do Imperador As rebeliões são contidas Política estabilizada. D. Pedro II: Sobe ao trono com 14 /15 anos início do

Leia mais

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah

3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah PERÍODO JOANINO (1808-1821) Livro 3 / Módulo 12 (Extensivo Mega) 3º ANO / PRÉVEST PROF. Abdulah TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL O PROJETO BRAGANTINO (século XVII) de transmigração RAZÕES: - Proximidade com

Leia mais

Prof. Otávio Verri AULA BRASIL IMPÉRIO: PRIMEIRO REINADO E REGÊNCIAS CONTEÚDOS. Primeiro Reinado. Período Regencial. Golpe da Maioridade

Prof. Otávio Verri AULA BRASIL IMPÉRIO: PRIMEIRO REINADO E REGÊNCIAS CONTEÚDOS. Primeiro Reinado. Período Regencial. Golpe da Maioridade AULA 25 28 BRASIL IMPÉRIO: PRIMEIRO REINADO E REGÊNCIAS CONTEÚDOS Primeiro Reinado Período Regencial Golpe da Maioridade AMPLIANDO SEUS CONHECIMENTOS Primeiro Reinado Após proclamada a independência, D.

Leia mais

Rev. Liberais do Século XIX e Período Regencial

Rev. Liberais do Século XIX e Período Regencial Rev. Liberais do Século XIX e Período 1. (PUC-RJ) O Congresso de Viena, concluído em 1815, após a derrota de Napoleão Bonaparte, baseou-se em três princípios políticos fundamentais. Assinale a opção que

Leia mais

GOVERNO DEODORO DA FONSECA

GOVERNO DEODORO DA FONSECA GOVERNO DEODORO DA FONSECA GOVERNO PROVISÓRIO (1889/1891) 1- Primeiras medidas: Fim do Senado vitalício e do conselho de Estado, Dissolução da Câmara dos Deputados, Separação entre Igreja e Estado (extinção

Leia mais

Programa de Recuperação Paralela

Programa de Recuperação Paralela COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Programa de Recuperação Paralela 3ªEtapa / 2010 DISCIPLINA: História EDUCADOR: Gloria Maria ANO: 8º ano Ensino Fundamental II TURMAS: 8.1/8.2 *Caro educando, você está

Leia mais

A crise da monarquia, a Primeira República e seus movimentos sociais. Prof. Maurício Ghedin Corrêa

A crise da monarquia, a Primeira República e seus movimentos sociais. Prof. Maurício Ghedin Corrêa A crise da monarquia, a Primeira República e seus movimentos sociais. Prof. Maurício Ghedin Corrêa 1. A CRISE DA MONARQUIA: Elementos da crise: A luta anti-escravista A questão militar O movimento Republicano

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 8º História Carol Av. Subst./Optat. 24/11/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN SEGUNDO REINADO 1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS SEGUNDO REINADO Golpe da maioridade 1840 Novo gabinete do governo Liberal de curta existência. Conservadores retornam ainda no mesmo ano ao governo.

Leia mais

A abolição da escravatura e o fim do Império. Profª. Maria Auxiliadora

A abolição da escravatura e o fim do Império. Profª. Maria Auxiliadora A abolição da escravatura e o fim do Império Profª. Maria Auxiliadora Cronologia referente a extinção da escravidão 1810 Tratados de Comércio e Navegação/Aliança e Amizade: foi introduzida uma cláusula

Leia mais

Crise Colonial Primeiro Reinado Segundo Reinado. Prof.ª. Maria Auxiliadora

Crise Colonial Primeiro Reinado Segundo Reinado. Prof.ª. Maria Auxiliadora Crise Colonial Primeiro Reinado Segundo Reinado Prof.ª. Maria Auxiliadora Movimentos Emancipacionistas no Brasil Colônia COMPARAÇÃO ENTRE AS CONJURAÇÕES MINEIRA E BAIANA 1806 Napoleão Bonaparte decreta

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de ideias liberais

Leia mais

1º REINADO PERÍODO REGENCIAL 2º REINADO PROF. SORMANY ALVES

1º REINADO PERÍODO REGENCIAL 2º REINADO PROF. SORMANY ALVES 1º REINADO PERÍODO REGENCIAL 2º REINADO PROF. SORMANY ALVES O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA A ERA JOANINA D. JOÃO VI Em 1806 Napoleão Bonaparte, seguindo sua política expansionista, decreta o Bloqueio Continental,

Leia mais

A República Velha ( )

A República Velha ( ) Capítulo 52 A República Velha (1889 1930) A CRISE DA REPÚBLICA (1889-1894) A República Velha (1889 1930) 1889 1891 Governo Provisório 1891 1894 República da Espada 1891 Mal. Deodoro Da Fonseca 1891-1894

Leia mais

O Império se fortalece

O Império se fortalece A UA UL LA MÓDULO 5 O Império se fortalece Nesta aula A luta contra o autoritarismo de D. Pedro I não havia sido fácil. Foram praticamente nove anos de conflitos entre o imperador e as elites brasileiras.

Leia mais

9. América Latina: lutas pela emancipação política. Páginas 04 à 17.

9. América Latina: lutas pela emancipação política. Páginas 04 à 17. 9. América Latina: lutas pela emancipação política Páginas 04 à 17. Mas por que essa parte da América é denominada latina? TROCA DE IDEIAS LEITURA DO TEXTO PÁGINA 04. QUESTÕES 1 e 2 PÁGINA 05. América

Leia mais

Primeira República: 1 A Crise da República. 2 Governo do Mal. Deodoro da Fonseca. 3 Governo do Mal. Floriano Peixoto. Aula 15 Primeira República

Primeira República: 1 A Crise da República. 2 Governo do Mal. Deodoro da Fonseca. 3 Governo do Mal. Floriano Peixoto. Aula 15 Primeira República Aula 15 Primeira República: A República da Espada 1 A Crise da República Setor 1605 2 Governo do Mal. Deodoro da Fonseca 3 Governo do Mal. Floriano Peixoto Aula 15 Primeira República A República da Espada

Leia mais

QUESTÃO 01 EXPLIQUE o processo político que resultou na abdicação de D. Pedro I em 1831.

QUESTÃO 01 EXPLIQUE o processo político que resultou na abdicação de D. Pedro I em 1831. DISCIPLINA: História PROFESSORES: Leonardo, Renata e Paula. DATA: /12/2014 VALOR: 20,0 pts. NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 8º ANO/E.F. TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Caro Aluno (a), A avaliação

Leia mais

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na Atividade de Estudo Geo/História 5º ano Nome: 1- LIGUE os itens abaixo corretamente. 2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na América? 3- ASSINALE as afirmativas erradas

Leia mais

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real.

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. O que foram os movimentos de pré-independência? Séculos XVIII e XIX grandes mudanças afetaram o Brasil... MUNDO... Hegemonia das ideias

Leia mais

CP/CAEM/2005-2ª AVALIAÇÂO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO ( Valor 6,0 )

CP/CAEM/2005-2ª AVALIAÇÂO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO ( Valor 6,0 ) CP/CAEM/2005-2ª AVALIAÇÂO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO ( Valor 6,0 ) Analisar a influência das questões militar e religiosa na derrocada do Império do Brasil e na conseqüente

Leia mais

Período Regencial. Prof. Filipe Carota

Período Regencial. Prof. Filipe Carota Período Regencial Prof. Filipe Carota 1)Respeitar Regras de Sala 2) Pedir 3) Cumprir Dom Pedro II, imperador do Brasil O governo monárquico de Dom Pedro II foi marcado por uma série de temas como a escravidão,

Leia mais

Crise do Sistema Colonial: Rebeliões Coloniais e Tentativas de Emancipação

Crise do Sistema Colonial: Rebeliões Coloniais e Tentativas de Emancipação Aula 6 Crise do Sistema Colonial: Rebeliões Coloniais e Tentativas de Emancipação 1 O declínio colonial Setor 1605 2 A crise do Sistema Colonial ealvespr@gmail.com Contexto 1.1 O Declínio Colonial no Brasil

Leia mais

Aclamação de D. Pedro I

Aclamação de D. Pedro I Aclamação de D. Pedro I A esperança de novos ares a nos encher os pulmões foi dada com a emancipação política do Brasil. Tão logo passou a euforia do grito do Ipiranga, o povo percebeu que os novos ares

Leia mais

HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO

HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Revolução Industrial Inicia-se na Inglaterra em 1700. País torna-se fornecedor de produtos para Impérios Coloniais. Forte migração do campo para as cidades mão de

Leia mais

SEGUNDO REINADO ( )

SEGUNDO REINADO ( ) SEGUNDO REINADO historiaula.wordpress.com (1840 1889) 2ª. Parte A fórmula do sucesso... Foi um atributo: 1º. Do aumento da demanda pelo café nos mercados dos Estados Unidos da América do Norte e da Europa;

Leia mais

O Período Regencial

O Período Regencial O Período Regencial - 1831-1840 -> primeira experiência brasileira de poder -> "é concluído o processo de emancipação" (Caio Prado Júnior) -> "experiência republicana no seio da monarquia" (João Camilo

Leia mais

Mantendo a unidade. Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos MÓDULO 5. Abertura. Movimento. Rio de Janeiro, a nova Lisboa?

Mantendo a unidade. Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos MÓDULO 5. Abertura. Movimento. Rio de Janeiro, a nova Lisboa? A U A UL LA MÓDULO 5 Mantendo a unidade Abertura Segui, ó brasileiros, o exemplo dos bravos habitantes da zona tórrida; imitai os valentes das províncias que vão estabelecer seu governo debaixo do melhor

Leia mais

7 - CRISES, EMBATES IDEOLÓGICOS E MUTAÇÕES CULTURAIS NA PRIMEIRA METADE DO SÉC. XX 1 - AS TRANSFORMAÇÕES DAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO

7 - CRISES, EMBATES IDEOLÓGICOS E MUTAÇÕES CULTURAIS NA PRIMEIRA METADE DO SÉC. XX 1 - AS TRANSFORMAÇÕES DAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO 4.3.2. A Primeira República [11º ano] - Tomada do poder pelo Partido Republicano, de acordo com a decisão do 10º Congresso do PRP em Setúbal (23 e 24 abril 1909) - Primeira República: 5.out.1910 28.maio.1926

Leia mais

HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO

HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade IV Poder, Cultura e Tecnologia 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 15.1 Conteúdos Segundo Reinado no Brasil -

Leia mais

Período Regencial ( )

Período Regencial ( ) HISTÓRIA DO BRASIL Período Regencial (1831-40) No período que foi de 1831 até 1840, o Brasil foi governado por regentes, uma vez que D. Pedro de Alcântara (futuramente D. Pedro II) ainda era menor de idade

Leia mais

Assembléia Constituinte de 1823: no dia 3 de maio de 1823, reuniu-se, no Rio de Janeiro, uma Assembléia, composta, em sua maioria, de ricos

Assembléia Constituinte de 1823: no dia 3 de maio de 1823, reuniu-se, no Rio de Janeiro, uma Assembléia, composta, em sua maioria, de ricos Assembléia Constituinte de 1823: no dia 3 de maio de 1823, reuniu-se, no Rio de Janeiro, uma Assembléia, composta, em sua maioria, de ricos proprietários de terras, cujo objetivo era elaborar a primeira

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Cultivar e guardar a Criação Disciplina: História / ESTUDOS AUTÔNOMOS Ano:5º - Ensino Fundamental - Data: 14 / 6 / 2017 ESTUDOS AUTÔNOMOS DE HISTÓRIA Assunto: Chegada

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO ( ) II REINADO ( ) A) POLÍTICA INTERNA

BRASIL IMPÉRIO ( ) II REINADO ( ) A) POLÍTICA INTERNA A) POLÍTICA INTERNA 3 fases: Consolidação (1840 1850): Conciliação (1850 1870): Crise (1870 1889): 2 correntes políticas: Liberais: profissionais liberais urbanos, latifundiários ligados a produção para

Leia mais

História do Brasil. Conteúdos: Questão Abolicionista. Questão Religiosa. Questão Republicana. Transição do Império para a República

História do Brasil. Conteúdos: Questão Abolicionista. Questão Religiosa. Questão Republicana. Transição do Império para a República História do Brasil Profº. Esp. Diego Fernandes Custódio Historiador Especialista em História Social Mestrando em Educação 1 E. E. B. PROFª GRACINDA AUGUSTA MACHADO 5/26/2013 2 Conteúdos: Transição do Império

Leia mais

Proclamação da República

Proclamação da República Proclamação da República 15 novembro de 1889 Império do Brasil - (1822-1889) Estados Unidos do Brasil (1891-1967) Formas de Governo República : O poder deriva/vem da vontade popular, é exercido em teoria

Leia mais

Segundo Reinado ( )

Segundo Reinado ( ) HISTÓRIA DO BRASIL Segundo Reinado (1840-89) De 1840 a 1889 o Brasil foi governado pelo imperador D. Pedro II e viveu a fase final da monarquia, que deixou de existir a partir de um golpe promovido pelos

Leia mais

Brasil: do Império à República

Brasil: do Império à República E.E.B. Profª Gracinda A. Machado Brasil: do Império à República BRASIL IMPÉRIO (1822 1889) RELEMBRANDO... Cronologicamente, o regime imperial Brasileiro é convencionalmente dividido em três períodos distintos:

Leia mais

DATA: 19 / 12 / 2016 VALOR: 20,0 NOTA:

DATA: 19 / 12 / 2016 VALOR: 20,0 NOTA: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORES: AULUS e PAULA DATA: 19 / 12 / 2016 VALOR: 20,0 NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 8º Ano / E.F. II TURMAS: 8ºA E 8ºB ALUNO (A): Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO: O

Leia mais

Segundo Reinado ( )

Segundo Reinado ( ) Segundo Reinado (1840 1889) Política Interna Política Interna Golpe da Maioridade (1840) Liberais no Poder Antecipar a Maioridade do Imperador Conter rebeliões Estabilizar a crise política D. Pedro II:

Leia mais

6 A CIVILIZAÇÃO INDUSTRIAL ECONOMIA E SOCIEDADE: NACIONALISMOS E CHOQUES IMPERIALISTAS 4. PORTUGAL, UMA SOCIEDADE CAPITALISTA DEPENDENTE A 4.

6 A CIVILIZAÇÃO INDUSTRIAL ECONOMIA E SOCIEDADE: NACIONALISMOS E CHOQUES IMPERIALISTAS 4. PORTUGAL, UMA SOCIEDADE CAPITALISTA DEPENDENTE A 4. 6 A CIVILIZAÇÃO INDUSTRIAL ECONOMIA E SOCIEDADE: NACIONALISMOS E CHOQUES IMPERIALISTAS 4. PORTUGAL, UMA SOCIEDADE CAPITALISTA DEPENDENTE 4.3.2. A Primeira República 4.3.2. A Primeira República [11º ano]

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais