Sensores de Posição, Deslocamento e Deformação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sensores de Posição, Deslocamento e Deformação"

Transcrição

1 Outubro de 2011

2 1 Potenciômetros 2 Extensômetros 3 Encoders 4 LVDTs 5 Resolvers e Synchros 6 Inductosyn

3 Potenciômetros São elementos sensores mecânicos por meio dos quais é possível medir deslocamentos de translação ou de rotação: Potenciômetro industrial Especificações correspondentes Princípio Físico Variação da resistência elétrica com o deslocamento do cursor.

4 Potenciômetros Aspectos Construtivos I Os potenciômetros podem ser rotativos ou translacionais. Em ambos os casos a ideia básica é a de um cursor que se movimenta sobre um material resistivo: Fita resistiva 3 Fita resistiva 1 Cursor Cursor Símbolo correspondente Rotacional Translacional A resistência total R T é constante entre os terminais 1-3, e tem-se resistências variáveis R a e R b entre os pares de terminais 1-2 e 2-3.

5 Potenciômetros Aspectos Construtivos II Mais detalhadamente: Potenciômetro rotativo Imagens obtidas em (10/2011). Potenciômetro translacional

6 Circuitos Eletrônicos Típicos I É preciso observar o problema de carregamento que pode ocorrer quando se usa potenciômetros diretamente conectados a estágios com impedância de entrada finita: V 1 2 Próximo Estágio R th Próximo Estágio V m R in V th V m R in 3 Circuito equivalente de Thévenin para análise de carregamento.

7 Circuitos Eletrônicos Típicos II Note que, para R 13 = R T, R 12 = R a e R 23 = R b, os parâmetros do circuito equivalente de Thévenin são: ( ) V V th = R b, R T R th = R a R b. Portanto, a tensão de saída para R in é diretamente proporcional ao valor de R b (que é diretamente proporcional ao deslocamento em potenciômetros lineares): Tensão de Saída sem Carregamento [ V V m = R T ] R b

8 Circuitos Eletrônicos Típicos III Entretanto, para valores finitos de R in, tem-se que: V m = V R a + (R b R in ) (R b R in ), que conduz a uma relação não linear entre V m e R b : Tensão de Saída com Carregamento [ ] { } V R in R T V m = R b R T (R T R b )(R in + R b ) + R b R in Para minimizar o problema, deve-se garantir que o valor de R th seja muito menor (pelo menos 10 menor) do que a impedância de entrada do próximo estágio.

9 Circuitos Eletrônicos Típicos IV O maior valor possível para R th = R a R b ocorre quando R a = R b = R T /2. Portanto, deve-se escolher um potenciômetro cuja resistência total Rth max R in R T 4 < R in 10 R T < R in 2,5. Quando isto não for possível ou desejável (quanto menor R T, maior a potência dissipada pelo potenciômetro aquecimento), pode-se lançar mão de um circuito de acoplamento para garantir que a impedância de entrada do estágio conectado ao potenciômetro é suficientemente alta.

10 Circuitos Eletrônicos Típicos V V 1 2 Próximo Estágio V m V m R in 3 Circuito seguidor de Tensão com impedância de entrada alta Eliminando o efeito do carregamento.

11 Extensômetros de Resistência Elétrica Mais conhecidos como Strain Gauges, os extensômetros são usados para medir micro-deformações. Exemplo de Aplicação (colado em um tubo metálico) Partes de um extensômetro Princípio Físico Variação da resistência elétrica com a deformação.

12 Direção de Maior Sensibilidade Os extensômetros são fabricados depositando-se material condutor sobre uma base não condutora, em um padrão em zig-zag que os tornam mais sensíveis a deformações realizadas em uma determinada direção. s/ deformação pequena variação de resistência total grande variação de resistência total

13 Modelagem Matemática I Fator do Extensômetro Um parâmetro importante para um strain gauge é coeficiente que relaciona a variação relativa de resistência com a deformação: G = R R L L = α A resistência total do extensômetro depende de seu comprimento e sua área. Considere que: (Resistência total) R = ρ L A, πd2 (Área da seção transversal) A = 4, } R = 4ρL πd 2.

14 Modelagem Matemática II Neste caso, α pode ser estimado observando-se que: dr = 4L πd 2 dρ + 4ρ 8ρL dl + πd2 πd 3 dd, dr R = dρ ρ + dl L 2dD D, dr/r dl/l = 1 + dρ/ρ dl/l 2dD/D dl/l. Além disso, a variação relativa do diâmetro com a variação relativa do comprimento é determinada pelo coeficiente de Poisson u, tal que dd D = udl L. com 0,25 u 0,35 para a maioria dos metais. Portanto, tem-se que:

15 Modelagem Matemática III Estimativa para o Fator do Extensômetro α = dr/r dl/l = 1 + 2u + dρ/ρ dl/l. Já o fator que determina a variação relativa dρ/ρ da resistividade devido à deformação dl/l depende do tipo de material condutor usado na construção do extensômetro. O tipo de material também determina a deriva de α devido à temperatura ambiente. Material α Deriva de α (ppm/ o F) 80% Ni, 20% Cr 2, % Ni, 55% Cu 2,0 6 36% Ni, 8% Cr 3, % Cu 0,47 6

16 Extensômetros Semicondutores É possível construir extensômetros cujos elementos condutivos são semicondutores intrínsecos (não dopados) ou extrínsecos (dopados com impurezas). Neste caso obtém-se valores muito maiores para α; e.g. α = 150; ao custo de uma maior não-linearidade e maior sensibilidade a variação de temperatura. O princípio físico, neste caso, é a variação da resistividade do semicondutor; e.g. siĺıcio; devido a deformação do cristal efeito conhecido como piezoresistividade 1. Uma grande vantagem desse tipo de extensômetro é a possibilidade de incorporá-lo ao substrato do circuito integrado onde outros sub-sistemas eletrônicos podem ser fabricados. 1 Não confundir com piezoeletricidade.

17 Formatos de Extensômetros É possível produzir strain gauges nos mais diversos formatos e tamanhos:

18 Circuitos Eletrônicos Típicos I Os strain gauges são geralmente utilizados interconectados em uma Ponte de Wheatstone: R 1 R 1 R 4 R 4 V s R 2 R 3 V s R 2 R 3 Meia Ponte Ponte Completa Um valor típico de resistência na ausência de deformação é R 350Ω. Considerando ( máximas deformações adimissíveis da ordem de dl ) L µ = 1 max 10 2, para um strain gauge metálico típico (α = 2) a variação máxima de resistência seria da ordem de R max 7Ω = 2%.

19 Circuitos Eletrônicos Típicos II Para o exemplo acima, supondo uma tensão de alimentação V s = 10 V para uma ponte de Wheatstone completa, a maior tensão na saída da ponte seria da ordem de Vo max 10 V R R = 0,2 V. Por isso geralmente se utiliza Amplificadores de Instrumentação para amplificar V o. R 1 R 4 V s V o V a R 2 R 3 Amplificador de instrumentação

20 Circuitos Eletrônicos Típicos III Um exemplo típico de circuito integrado comercial para ser usado em conjunto com Pontes de Wheatstone é o INA125 da empresa Burr-Brown. Neste circuito integrado encontra-se tanto um circuito Amplificador de Instrumentação, quanto um circuito de Fonte de Alimentação de Precisão para energização da Ponte de Wheatstone. Note que o valor de R G determina o ganho do circuito de amplificação.

21 Encoders Rotativos Os encoders rotativos são elementos sensores usados para se medir posição angular, por natureza digitais, isto é, produzem sinais de saída que pertencem a um conjunto enumerável de possibilidades. Há dois tipos: 1 Relativos: produzem pulsos a medida que a posição angular de seus eixos é variada; 2 Absolutos: produzem palavras binárias correspondentes a posição angular em que seus eixos se encontram.

22 Encoders Rotativos Relativos ou Incrementais Um típico encoder ótico incremental possui emissores e receptores de luz que registram o movimento de uma parte rotativa como mostrado abaixo: Um disco simples com apenas uma trilha (track).

23 Encoders Rotativos Relativos Direção do Movimento A direção do movimento pode ser determinada a partir da defasagem entre os sinais de trilhas A e B de geração de pulsos que estejam defasadas espacialmente. A A θ (graus) θ (graus) B B Sentido Anti Horário θ (graus) Sentido Horário Podemos dobrar a resolução do encoder usando a operação XOR entre os canais A e B. No exemplo acima há ainda o sinal da trilha Z que é usado como referência de posição inicial. θ (graus)

24 Encoders Rotativos Absolutos Nos encoders absolutos tem-se N trilhas marcadas de forma que são produzidas diretamente palavras de N bits que representam a posição angular de forma absoluta. Em geral as marcas representam palavras binárias que seguem o código Gray, em que apenas 1 bit muda de uma posição angular para outra adjacente, facilitando a detecção de erros.

25 LVDT Transformador Diferencial Linear Variável Os LVDTs Linear Variable Differential Transformers são elementos sensores bastantes utilizados na indústria para medição de posição. Princípio Físico Variação do acoplamento magnético entre enrolamentos de um transformador devida ao deslocamento do núcleo.

26 Acoplamento Magnético Variável I Um LVDT possui 1 enrolamento primário e 2 enrolamentos secundários. O acoplamento entre o primário e cada um dos secundários depende da posição relativa do núcleo. Note que os secundários estão ligados em anti-série, de modo que a tensão alternada resultante corresponde à subtração das tensões induzidas em cada um dos enrolamentos secundários.

27 Acoplamento Magnético Variável II O primário é excitado com uma tensão AC de frequência f conhecida, e a tensão resultante v out = v 1 v 2 é também alternada e na mesma frequência f.

28 Acoplamento Magnético Variável III A medida que o núcleo do LVDT é deslocado, a amplitude da tensão alternada de saída aumenta ou diminui. Com o núcleo na posição central, idealmente tem-se v out = 0 V. Ou seja, v out é um sinal AM modulado em amplitude pelo deslocamento do núcleo. v (V) out 0 x (mm) Faixa de utilização

29 Acoplamento Magnético Variável IV A informação da direção de deslocamento do núcleo está na defasagem do sinal v out (t) em relação ao sinal de excitação do primário.

30 Circuitos Necessários Para se utilizar um LVDT é preciso providenciar uma fonte de excitação e um circuito demodulador AM (sensível à fase caso se queira conhecer a direção do movimento). LVDT Fonte de Excitação Demodulador AM sensível à fase Atualmente os circuitos necessários têm sido integrados no próprio corpo do LVDT, criando os chamados DC LVDTs.

31 RVDTs LVDTs rotativos Usando o mesmo princípio dos LVDTs, é possível criar elementos primários para medição de deslocamentos angulares, chamados de Rotary Variable Differential Transformers.

32 Vantagens dos LVDTs Dentre os pontos positivos dos LVDTs podemos destacar: 1 Podem ser encontrados nos mais diferentes tamanhos, para faixas de medição que vão de unidades de miĺımetro até centenas de miĺımetros; 2 Apresentam baixo desgaste mecânico e relativa robustez a vibrações, altas temperaturas, etc; 3 Imunidade a ruído eletromagnético em frequências diferentes daquela em que o LVDT é excitado (como resultado da modulação AM intrínseca ao dispositivo);

33 Aplicações dos LVDTs

34 Resolvers e Synchros I Para medição da posição angular os synchros e os resolvers são bastante utilizados em máquinas elétricas, braços robóticos e aeronaves. Princípio Físico Indução eletromagnética nos enrolamentos do estator, dependendo da posição angular do rotor excitado por uma tensão alternada.

35 Resolvers e Synchros II A diferença principal entre os synchros e os resolvers está no número de enrolamentos do estator, e sua correspondente defasagem espacial: V a V graus 90 graus V 2 V b V c Resolver Synchro As amplitudes das tensões induzidas dependem do alinhamento do rotor com cada um dos enrolamentos do estator.

36 Resolvers e Synchros III Uma interessante aplicação é a transmissão de deslocamentos angulares por meio de um acoplamento especial entre dois synchros. V a Deslocamento angular Mestre Deslocamento angular Escravo V c V b

37 Resolvers e Synchros IV Adição de um sistema em malha fechada para rastrear o ponto de máxima indução eletromagnética no synchro escravo, melhorando o tempo de resposta e reduzindo o erro em regime permanente: V a Deslocamento angular servomotor Amplificador V c V b O synchro da esquerda é chamado de transmissor, e o da direita de receptor.

38 Inductosyn I Para medir deslocamentos de translação com grande resolução, pode-se usar um inductosyn. Uma aplicação típica é na medição da posição da ferramenta em uma máquina CNC. Princípio Físico Indução eletromagnética nos enrolamentos do cursor, dependendo da posição linear do mesmo sobre o estator excitado por uma tensão alternada.

39 Inductosyn II No inductosyn um cursor, com dois enrolamentos defasados espacialmente em 90 o, é movido sobre um estator excitado com tensão alternada: O funcionamento é similar ao de um resolver em que os enrolamentos foram esticados sobre um estator e cursor lineares.

40 Inductosyn III Usando demodulação sensível à fase para se obter valores positivos e negativos de amplitude de tensão para cada enrolamento do cursor, é possível obter a direção do movimento, pois as amplitudes em cada enrolamento são proporcionais ao seno e ao cosseno, respectivamente, do deslocamento x (similar ao resolver). V 2 demod x V 1 demod Usando-se esse método, obtém-se incertezas de ±40 µin ±0,001 mm (informação obtida em Para cada intervalo espacial de 1 espira repete-se o padrão senoidal de cada saída.

41 Inductosyn IV Outras características interessantes: Pode ser montado para medir posição linear usando uma régua/escala de comprimento arbitrário; Pode ser utilizado em temperaturas próximas do zero absoluto e em temperaturas mais altas; Os elementos do sensor não têm contato entre si não há desgaste. Além disso, como nos LVDTs, a intrínseca modulação AM pode ser aproveitada para eliminar grandezas de influência interferentes.

Transdutores de Deslocamento

Transdutores de Deslocamento Transdutores de Deslocamento Potenciômetros são formados por um material condutor resistivo depositado em superfície isolante, com contatos fixos nas duas extremidades e um contato móvel (cursor) que se

Leia mais

5 Transdutor Indutivo

5 Transdutor Indutivo 5 Transdutor Indutivo De modo análogo aos transdutores resistivos e capacitivos, os transdutores indutivos são transdutores ativos que requerem uma fonte de excitação externa para proporcionar uma tensão

Leia mais

Tutorial: Componentes passivos.

Tutorial: Componentes passivos. Tutorial: Componentes passivos. Autor: Samuel Cerqueira Pinto T-16 Data: 24/02/2013 Componentes Passivos Componentes passivos são os componentes eletrônicos que não possuem a capacidade de amplificar um

Leia mais

2 Fundamentos teóricos

2 Fundamentos teóricos 20 2 Fundamentos teóricos 2.1. Motores de passo Motores de passo são atuadores eletromecânicos incrementais não-lineares. Permitir um controle preciso de posição e velocidade, aliado a um baixo custo,

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Robótica Industrial Aula 5 - Componentes III Sensores Controlador / Eletrônica de Controle Software / Programação IHM Eletrônica de Potência Classificação dos Sensores

Leia mais

ELT030. 2º Semestre-2016

ELT030. 2º Semestre-2016 ELT030 Instrumentação 2º Semestre-2016 Estrutura típica de um instrumento de medição Em geral, um instrumento de medição possui um elemento sensor ou transdutor, um tratamento de sinais e um elemento de

Leia mais

Máquinas Elétricas I PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Máquinas Elétricas I PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Máquinas Elétricas I PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 1. PARTES PRINCIPAIS As Máquinas elétricas tem duas partes principais (Figuras 1): Estator Parte estática da máquina. Rotor Parte livre para girar Figura

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: 13 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 35 É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: a) A soma do ângulo de fator de potência interno do transformador com o

Leia mais

Acionamentos e Sensores para Máquinas CNC

Acionamentos e Sensores para Máquinas CNC PMR2450 - Projeto de Máquinas Mecatrônica - EPUSP Acionamentos e Sensores para Máquinas CNC Julio Cezar Adamowski setembro/2005 Acionamentos Motores elétricos Características: linearidade torque velocidade

Leia mais

TRANSDUTORES PARA MEDIDA DE DESLOCAMENTOS LINEARES. Notas de aula

TRANSDUTORES PARA MEDIDA DE DESLOCAMENTOS LINEARES. Notas de aula ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO LEM / PEF TRANSDUTORES PARA MEDIDA DE DESLOCAMENTOS LINEARES Notas de aula Dr. Pedro Afonso de Oliveira Almeida Professor Doutor PEF-EP/USP Notas de aula

Leia mais

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza 3.1 Resistência Elétrica Resistência Elétrica

Leia mais

4 Transdutores capacitivos

4 Transdutores capacitivos 4 Transdutores capacitivos Um outro transdutor (ativo segundo nossa definição) que pode ser utilizado de modo similar aos transdutores resistivos é o transdutor capacitivo. De modo análogo, uma certa fonte

Leia mais

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Experimento 4 Transistor Bipolar Amplificador

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros.

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Outubro de 21 1 Sensores Indutivos 2 Sensores Capacitivos 3 Sensores Piezoelétricos 4 Acelerômetros Sensores Indutivos I Princípio Físico

Leia mais

Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL

Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL Aplicações com amplificadores

Leia mais

TRANSDUTORES E AQUISIÇÃO DE DADOS

TRANSDUTORES E AQUISIÇÃO DE DADOS TRANSDUTORES E AQUISIÇÃO DE DADOS O QUE É UM TRANSDUTOR? Aparelho de medida que transforma uma grandeza física / química (temperatura, deslocamento, alcalinidade, etc.) num sinal mensurável (sinal eléctrico,

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Instrumentação Eletroeletrônica Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Transdutores Instrumentação Eletroeletrônica 2 Processo Instrumentação Eletroeletrônica 3 Transdutores x Sensores SENSOR: é um elemento

Leia mais

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo Aula 3 Instrumentos de Pressão Prof. Gerônimo Instrumentos para medir Pressão As variáveis mais encontradas nas plantas de processos são: pressão, temperatura, vazão e nível. Estudando instrumentos de

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 13 PREFÁCIO... 15 1 INTRODUÇÃO E DEFINIÇÕES GERAIS... 19 1.1 Aplicações da Simulação Dinâmica... 20 1.2 Tipos de Modelos para Sistemas Dinâmicos... 21 1.3 Modelos Matemáticos...

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Trifásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Apostila 3 Continuação de Diodos III - CIRCUITOS COM DIODOS 1 - Sinal senoídal Um dos sinais elétricos alternados mais comuns é o senoídal. O sinal senoídal pode ser representado

Leia mais

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DE GERADOR SINCRONO

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DE GERADOR SINCRONO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DE GERADOR SINCRONO UNEMAT Campus de Sinop 2016

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

Universidade Federal do Paraná - Engenharia Mecânica DEMEC Prof. Alessandro Marques Disciplina: Sistemas de Medições 1 (Exercícios)

Universidade Federal do Paraná - Engenharia Mecânica DEMEC Prof. Alessandro Marques Disciplina: Sistemas de Medições 1 (Exercícios) 1) Um manômetro foi construído com estes módulos: a) Transdutor extensométrico Faixa de medição: 0 a 20 bar Sensibilidade: 2 mv/bar Incerteza Expandida (U TE ): ± 0,02 mv b) Amplificador Faixa de medição:

Leia mais

Projeto Físico de Indutores e Transformadores em Alta Freqüência

Projeto Físico de Indutores e Transformadores em Alta Freqüência Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica e Transformadores em Alta Freqüência Eletrônica de Potência II - Laboratório Instituto de Eletrônica de Potência Introdução Projeto

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA Os circuitos magnéticos dos transformadores e das máquinas CA são excitados por fontes CA. Com excitação CA, a indutância influi no comportamento do regime permanente. Joaquim Eloir Rocha 1 Com excitação

Leia mais

Instrumentação Transdutor de Posição com LVDT

Instrumentação Transdutor de Posição com LVDT Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Controle e Automação I Instrumentação Transdutor de Posição com LVDT Prof. José Carlos Rodrigues de Oliveira, Dr.

Leia mais

Introdução 5. Amplificador em coletor comum 6. Princípio de funcionamento 7

Introdução 5. Amplificador em coletor comum 6. Princípio de funcionamento 7 Sumário Introdução 5 Amplificador em coletor comum 6 Princípio de funcionamento 7 Parâmetros do estágio amplificador em coletor comum 10 Ganho de tensão 10 Ganho de corrente 10 Impedância de entrada 10

Leia mais

CONTROLE TRADICIONAL

CONTROLE TRADICIONAL CONTROLE TRADICIONAL Variação da tensão do estator Os acionamentos de frequência e tensão variáveis são os mais eficientes Existem também acionamentos com tensão variável e frequência fixa Para um acionamento

Leia mais

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista IFBA 1 a Parte CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 JFET s - estrutura e símbolo Transistor de junção por efeito de campo (Junction

Leia mais

Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica / Instrumentação. Tópicos abordados:

Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica / Instrumentação. Tópicos abordados: Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica / Instrumentação Tópicos abordados: 1.Introdução 2.Extensômetros 3.Tipos de Extensômetros 4.Ponte de Wheatstone 5.Configurações de

Leia mais

CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET

CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET Definição : O offset é definido como uma tensão residual que aparece na saída do Amplificador Operacional quando

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DESCRIÇÃO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DESCRIÇÃO SISTEMA DE MEDIÇÃO Um sistema de medição é constituído de múltiplos componentes INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO FF TRANS. CSE-1 CSE-2 CSE-n CABOS CSI-1 CSI-n FONTES DE INTERFERÊNCIA Legenda: FF - Fenômeno físico

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip As máquinas de corrente contínua podem ser utilizadas tanto como motor quanto como gerador. 1 Uma vez que as fontes retificadoras de potência podem gerar tensão contínua de maneira controlada a partir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1 INRODUÇÃO A análise de circuitos em corrente

Leia mais

1. Potenciômetros 2. LVDTs 3. RVDTs 4. Resolver (Singlsyn ) 5. Encoders 6. Tacogeradores

1. Potenciômetros 2. LVDTs 3. RVDTs 4. Resolver (Singlsyn ) 5. Encoders 6. Tacogeradores Sensores de Posição e Velocidade 1. Potenciômetros 2. LVDTs 3. RVDTs 4. Resolver (Singlsyn ) 5. Encoders 6. Tacogeradores Potenciômetros FUNCIONAMENTO OBJETIVO Medir movimentos lineares e angulares Resistência

Leia mais

Transdução de Grandezas Biomédicas

Transdução de Grandezas Biomédicas Transdução de Grandezas Biomédicas Mestrado em Eng. Biomédica Docente: > Marcelino M. de Andrade A Aula! O Erro em Medidas Não existe medida realizada sem erro, e o erro poder ser somente minimizado!!!

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

236 Conjunto eletrômetro

236 Conjunto eletrômetro 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP Equipamentos 127 V 220 V Multímetro digital 07134.00 07134.00 1 Cabo de conexão, 32A, 50cm, vermelho

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

Eletricista de Instalações

Eletricista de Instalações Eletricista de Instalações UFCD 1183- Variadores de velocidade - instalação e ensaio 2014/ 2015 Aperfeiçoamento nos métodos de produção e sua racionalização, mediante a automação e o controle os processos.

Leia mais

Introdução teórica Aula 8: Fonte de Tensão Regulada. Regulador LM7805. Fonte de tensão regulada. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 8 EEL/CTC/UFSC

Introdução teórica Aula 8: Fonte de Tensão Regulada. Regulador LM7805. Fonte de tensão regulada. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 8 EEL/CTC/UFSC Introdução teórica Aula 8: Fonte de Tensão Regulada Regulador LM7805 78xx é o nome de uma popular família de reguladores positivos de tensão. É um componente comum em muitas fontes de alimentação. Eles

Leia mais

Conversores Estáticos

Conversores Estáticos Conversores Estáticos Circuitos Retificadores Monofásicos 08/03/2009 www.corradi.junior.nom.br Sinal Senoidal Os circuitos eletrônicos podem trabalhar com tensões e correntes continuas e alternadas. Um

Leia mais

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Disciplina: Laboratório de Circuitos Elétricos Corrente Alternada 1. Objetivo Uma medida elétrica é a

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 Robótica Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 2 a Aula Parte B Detalhando os objetivos Sensores Definições Classificação: Mecânicos. Elétricos. Magnéticos. Térmicos. Outros. Diversos

Leia mais

4 Controle de motores de passo

4 Controle de motores de passo 36 4 ontrole de motores de passo O controle em malha aberta é o mais comum em motores de passo. Entretanto, o motor deve operar razoavelmente abaixo de sua capacidade para evitar a perda de passos. As

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 6.1 Máquinas Síncronas Prof. João Américo Vilela Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução à Eletrônica

Leia mais

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua).

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Como vimo anteriormente, para que haja fluxo de corrente pelo circuito,

Leia mais

Introdução teórica Aula 10: Amplificador Operacional

Introdução teórica Aula 10: Amplificador Operacional Introdução Introdução teórica Aula 10: Amplificador Operacional O amplificador operacional é um componente ativo usado na realização de operações aritméticas envolvendo sinais analógicos. Algumas das operações

Leia mais

CFM - Descrição técnica de motor sem escova

CFM - Descrição técnica de motor sem escova CFM - Descrição técnica de motor sem escova Motor elétrico sem escova (BLDC motors, BL motors) também conhecido como motor eletronicamente comutada (EC motors) são motores síncronos que são alimentadas

Leia mais

ELETRÔNICA II CAPÍTULO 3

ELETRÔNICA II CAPÍTULO 3 ELETRÔNICA II CAPÍTULO 3 SUPERPOSIÇÃO DE AMPLIFICADORES O fato do sinal de áudio apresentar-se em corrente alternada (c.a.), a qual difere daquela que polariza o transistor (que é c.c., neste caso), nos

Leia mais

Parte 1 Retificadores Não-Controlados e Introdução a Eletrônica de Potência

Parte 1 Retificadores Não-Controlados e Introdução a Eletrônica de Potência Parte 1 Retificadores Não-Controlados e Introdução a Eletrônica de Potência As paredes entre a arte e a engenharia existem apenas em nossas mentes. Theo Jansen 1 Problema 1 Enquanto a Fig. 1.1 mostra uma

Leia mais

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 04 Tensão e Corrente alternada Ondas senoidais Ondas quadradas Ondas triangulares Frequência e período Amplitude e valor

Leia mais

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo 01) Para o eletroimã da figura abaixo, determine: a) Calcule a densidade de fluxo no núcleo; b) Faça um esboço das linhas de campo e

Leia mais

Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro

Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro Objetivos: - Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; - Utilizar o ohmímetro para as medidas de resistência elétrica. Teoria.

Leia mais

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica TE149 Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica Sinais elétricos Mundo Mundo Real Real Grandezas Físicas Físicas Sensor Atuador Condicionamento e Processamento

Leia mais

Aula Prática 01. O Amplificador Diferencial e Aplicações

Aula Prática 01. O Amplificador Diferencial e Aplicações Aula Prática 01 I - Objetivos O objetivo desta aula prática é estudar o amplificador diferencial, suas propriedades e aplicações. A técnica adotada é reforçar a noção de associação de amplificadores em

Leia mais

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: a) L M = L ( + ) e e L M d = L + L d = L + L = L = L M M d

Leia mais

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE 10.1 OBJETIVOS Determinar o valor da componente horizontal da indução magnética terrestre local. 10.2 INTRODUÇÃO Num dado lugar

Leia mais

c) Se o valor da amplitude de v I for reduzido em 10%, quais são os novos valores máximo e médio de i B?

c) Se o valor da amplitude de v I for reduzido em 10%, quais são os novos valores máximo e médio de i B? Folha 4 Díodos. 1. Para cada um dos circuitos das figuras abaixo a entrada v I é sinusoidal com 10 V de amplitude e frequência 1kHz. Considerando os díodos ideais represente graficamente o sinal de saída

Leia mais

Lógica Matemática e Elementos de Lógica Digital (Representação analógica e digital)

Lógica Matemática e Elementos de Lógica Digital (Representação analógica e digital) Lógica Matemática e Elementos de Lógica Digital (Representação analógica e digital) Curso: Ciência da Computação Lívia Lopes Azevedo livia@ufmt.br Lógica Matemática e Elementos de Lógica Digital Circuitos

Leia mais

Eletrônica Analógica

Eletrônica Analógica UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Eletrônica Analógica Amplificadores Operacionais Professor Dr. Lamartine Vilar de Souza lvsouza@ufpa.br www.lvsouza.ufpa.br

Leia mais

CAPÍTULO 2 MÉTODOS DE MEDIÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO

CAPÍTULO 2 MÉTODOS DE MEDIÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO CAPÍTULO 2 MÉTODOS DE MEDIÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO 2.1. Métodos de Medição Definição: Um método de medição é uma sequência lógica de operações, descritas genericamente, utilizadas na execução de medições [VIM

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Junção - JFET. Prof. Dr. Ulisses Chemin Netto ET74C Eletrônica 1

Transistor de Efeito de Campo de Junção - JFET. Prof. Dr. Ulisses Chemin Netto ET74C Eletrônica 1 Transistor de Efeito de Campo de Junção - JFET Prof. Dr. Ulisses Chemin Netto (ucnetto@utfpr.edu.br) 11 de Novembro de 2015 Objetivo da Aula Conhecer a estrutura e operação do Transistor de efeito de campo

Leia mais

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma:

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: P3 1/6/13 PUC-IO CB-CTC P3 DE ELETOMAGNETISMO 1.6.13 quarta-feira Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: NÃO SEÃO ACEITAS ESPOSTAS SEM JUSTIFICATIVAS E CÁLCULOS EXPLÍCITOS. Não é permitido destacar folhas

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO II

LABORATÓRIO INTEGRADO II FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO II Experiência 05: MOTOR TRIFÁSICO DE INDUÇÃO ENSAIOS: VAZIO E ROTOR BLOQUEADO Prof. Norberto Augusto Júnior

Leia mais

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA 1 INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA Na eletricidade básica existem três grandezas fundamentais que são a tensão elétrica, a corrente elétrica, a resistência elétrica. Para estuda-las utilizaremos o conceito

Leia mais

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores

Leia mais

Ohmímetro, Amperímetro e Voltímetro

Ohmímetro, Amperímetro e Voltímetro PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DE GOIÁS ESCOL DE ENGENHRI Engenharia de Controle e utomação (Mecatrônica) Exper. 1 Ohmímetro, mperímetro e oltímetro Objetivo Realizar medidas de resistência, tensão e corrente

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DESCRIÇÃO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DESCRIÇÃO SISTEMA DE MEDIÇÃO Um sistema de medição é constituído de múltiplos componentes INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO FF TRANS. CSE-1 CSE-2 CSE-n CABOS CSI-1 CSI-n FONTES DE INTERFERÊNCIA Legenda: FF - Fenômeno físico

Leia mais

TRANSISTOR DE UNIJUNÇÃO (UJT)

TRANSISTOR DE UNIJUNÇÃO (UJT) TRANSISTOR DE UNIJUNÇÃO (UJT) OBJETIVOS: Verificar experimentalmente o funcionamento de um transistor de unijunção, através de um oscilador de relaxação. INTRODUÇÃO TEÓRICA O transistor de unijunção (UJT

Leia mais

Indução Magnética. E=N d Φ dt

Indução Magnética. E=N d Φ dt Indução Magnética Se uma bobina de N espiras é colocada em uma região onde o fluxo magnético está variando, existirá uma tensão elétrica induzida na bobina, e que pode ser calculada com o auxílio da Lei

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 11. Introdução teórica Aula 11: Fotossensor

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 11. Introdução teórica Aula 11: Fotossensor Introdução teórica Aula 11: Fotossensor Um sensor fotoelétrico ou fotocélula é um dispositivo electrônico que responde à alteração da intensidade da luz. Eles são projetados especialmente para a detecção,

Leia mais

Encoders & Resolvers:

Encoders & Resolvers: Encoders & Resolvers: Como escolher a melhor opção em Feedback Este White Paper resume a diferença entre as tecnologias de Encoder e Resolver, ajudando o leitor a compreender que tipo de controle de movimento

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

APÊNDICE C. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBGC-HGW560-75kW

APÊNDICE C. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBGC-HGW560-75kW APÊNDICE C Ensaio da Performance do Protótipo MATRBGC-HGW560-75kW 298 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBGC 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI.

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI. Sumário Introdução 5 Resistores ajustáveis 6 Resistores ajustáveis de fio 7 Trimpot 8 Características dos resistores ajustáveis 10 Simbologia 12 Potenciômetros 13 Funcionamento 13 Simbologia 14 Tipos de

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica COB781 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1

Leia mais

INTRODUÇÃO À EXTENSOMETRIA ELÉTRICA DE RESISTÊNCIA

INTRODUÇÃO À EXTENSOMETRIA ELÉTRICA DE RESISTÊNCIA scola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de nenharia de struturas e Fundações Laboratório de struturas e Materiais struturais INTODUÇÃO À XTNSOMTIA LÉTICA D SISTÊNCIA Notas de aula Dr.

Leia mais

Introdução 5. Amplificador em base comum 6. Princípio de funcionamento 8 Com sinal de entrada positivo 8 Com sinal de entrada negativo 10

Introdução 5. Amplificador em base comum 6. Princípio de funcionamento 8 Com sinal de entrada positivo 8 Com sinal de entrada negativo 10 Sumário Introdução 5 Amplificador em base comum 6 Princípio de funcionamento 8 Com sinal de entrada positivo 8 Com sinal de entrada negativo 10 Parâmetros do estágio amplificador em base comum 12 Ganho

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Revisão da aula anterior... Banda passante e largura de banda Hz e bps Banda

Leia mais

PSI 3263 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I 2016

PSI 3263 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I 2016 PSI 3263 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I 2016 Relatório da Experiência 6 Condutores e Dispositivos de Proteção Nomes: N o USP: 1. Procedimento experimental 1.1 - Levantamento de curva de aquecimento

Leia mais

Considerações gerais sobre medidas elétricas

Considerações gerais sobre medidas elétricas Considerações gerais sobre medidas elétricas Medidas de distorções, ruído e relação sinal/ruído (S/N) Distorção e ruído estão presentes em qualquer sistema físico real e normalmente contribuem para a deterioração

Leia mais

TRANSFORMADOR CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS

TRANSFORMADOR CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS EXPERIÊNCIA TRANSFORMADOR OBJETIVOS: - Verificar experimentalmente, o funcionamento de um transformador; - Conhecer as vantagens e desvantagens dos transformadores. CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS O transformador

Leia mais

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo Ánalise de Circuitos 1. Método Intuitivo Ramo de um circuito: é um componente isolado tal como um resistor ou uma fonte. Este termo também é usado para um grupo de componentes sujeito a mesma corrente.

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC)

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC) As termoresistências, ou termómetros de resistência, são sensores de alta precisão e excelente repetibilidade de leitura. O seu funcionamento baseia-se na variação da resistência eléctrica de modo proporcional

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 10

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 10 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL 40 Módulo 10 Drawing of Michael Faraday's 1831 experiment showing electromagnetic induction between coils of wire, using 19th century apparatus,

Leia mais

Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos?

Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos? Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos? Exercício 2) Em um átomo, quais são as três fontes de campo magnético existentes? Exercício

Leia mais

Capítulo. Meta deste capítulo Relembrar os principais conceitos e circuitos envolvendo amplificadores operacionais.

Capítulo. Meta deste capítulo Relembrar os principais conceitos e circuitos envolvendo amplificadores operacionais. 3 Amplificadores Capítulo Operacionais Meta deste capítulo Relembrar os principais conceitos e circuitos envolvendo amplificadores operacionais objetivos Identificar as principais características dos amplificadores

Leia mais

Relatório do Projeto do 3º Estágio Análogos Elétricos

Relatório do Projeto do 3º Estágio Análogos Elétricos UFCG Universidade Federal de Campina Grande CCT Centro de Ciências e Tecnologia UAF Unidade Acadêmica de Física Mecânica II Turma 01 Professor: Rômulo Rodrigues Relatório do Projeto do 3º Estágio Análogos

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (L2)

Lista de Exercícios 2 (L2) 1 ELETRÔNICA DE POTÊNICA II Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Lista de Exercícios 2 (L2) 1) Um inversor monofásico de meia-ponte alimenta uma carga resistiva R=10Ω e possui a tensão de entrada Vcc=220V.

Leia mais

COMPONENTES SIMÉTRICAS

COMPONENTES SIMÉTRICAS COMPONENTES SIMÉTRICAS COMPONENTES SIMÉTRICAS Uma das melhores ferramentas para lidar com circuitos polifásicos desbalanceados é o método das componentes simétricas introduzido por C. L. Fortescue; Neste

Leia mais

Posição x Deslocamento

Posição x Deslocamento 1 SENSORES Parte 5 Prof. Dr.-Ing. Fernando A.N. Castro Pinto Curso de Pós Graduação em Mecatrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro Depto/Programa LAVI Engenharia Mecânica Lab. Acústica & Vibrações

Leia mais