Sensores de Posição, Deslocamento e Deformação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sensores de Posição, Deslocamento e Deformação"

Transcrição

1 Outubro de 2011

2 1 Potenciômetros 2 Extensômetros 3 Encoders 4 LVDTs 5 Resolvers e Synchros 6 Inductosyn

3 Potenciômetros São elementos sensores mecânicos por meio dos quais é possível medir deslocamentos de translação ou de rotação: Potenciômetro industrial Especificações correspondentes Princípio Físico Variação da resistência elétrica com o deslocamento do cursor.

4 Potenciômetros Aspectos Construtivos I Os potenciômetros podem ser rotativos ou translacionais. Em ambos os casos a ideia básica é a de um cursor que se movimenta sobre um material resistivo: Fita resistiva 3 Fita resistiva 1 Cursor Cursor Símbolo correspondente Rotacional Translacional A resistência total R T é constante entre os terminais 1-3, e tem-se resistências variáveis R a e R b entre os pares de terminais 1-2 e 2-3.

5 Potenciômetros Aspectos Construtivos II Mais detalhadamente: Potenciômetro rotativo Imagens obtidas em (10/2011). Potenciômetro translacional

6 Circuitos Eletrônicos Típicos I É preciso observar o problema de carregamento que pode ocorrer quando se usa potenciômetros diretamente conectados a estágios com impedância de entrada finita: V 1 2 Próximo Estágio R th Próximo Estágio V m R in V th V m R in 3 Circuito equivalente de Thévenin para análise de carregamento.

7 Circuitos Eletrônicos Típicos II Note que, para R 13 = R T, R 12 = R a e R 23 = R b, os parâmetros do circuito equivalente de Thévenin são: ( ) V V th = R b, R T R th = R a R b. Portanto, a tensão de saída para R in é diretamente proporcional ao valor de R b (que é diretamente proporcional ao deslocamento em potenciômetros lineares): Tensão de Saída sem Carregamento [ V V m = R T ] R b

8 Circuitos Eletrônicos Típicos III Entretanto, para valores finitos de R in, tem-se que: V m = V R a + (R b R in ) (R b R in ), que conduz a uma relação não linear entre V m e R b : Tensão de Saída com Carregamento [ ] { } V R in R T V m = R b R T (R T R b )(R in + R b ) + R b R in Para minimizar o problema, deve-se garantir que o valor de R th seja muito menor (pelo menos 10 menor) do que a impedância de entrada do próximo estágio.

9 Circuitos Eletrônicos Típicos IV O maior valor possível para R th = R a R b ocorre quando R a = R b = R T /2. Portanto, deve-se escolher um potenciômetro cuja resistência total Rth max R in R T 4 < R in 10 R T < R in 2,5. Quando isto não for possível ou desejável (quanto menor R T, maior a potência dissipada pelo potenciômetro aquecimento), pode-se lançar mão de um circuito de acoplamento para garantir que a impedância de entrada do estágio conectado ao potenciômetro é suficientemente alta.

10 Circuitos Eletrônicos Típicos V V 1 2 Próximo Estágio V m V m R in 3 Circuito seguidor de Tensão com impedância de entrada alta Eliminando o efeito do carregamento.

11 Extensômetros de Resistência Elétrica Mais conhecidos como Strain Gauges, os extensômetros são usados para medir micro-deformações. Exemplo de Aplicação (colado em um tubo metálico) Partes de um extensômetro Princípio Físico Variação da resistência elétrica com a deformação.

12 Direção de Maior Sensibilidade Os extensômetros são fabricados depositando-se material condutor sobre uma base não condutora, em um padrão em zig-zag que os tornam mais sensíveis a deformações realizadas em uma determinada direção. s/ deformação pequena variação de resistência total grande variação de resistência total

13 Modelagem Matemática I Fator do Extensômetro Um parâmetro importante para um strain gauge é coeficiente que relaciona a variação relativa de resistência com a deformação: G = R R L L = α A resistência total do extensômetro depende de seu comprimento e sua área. Considere que: (Resistência total) R = ρ L A, πd2 (Área da seção transversal) A = 4, } R = 4ρL πd 2.

14 Modelagem Matemática II Neste caso, α pode ser estimado observando-se que: dr = 4L πd 2 dρ + 4ρ 8ρL dl + πd2 πd 3 dd, dr R = dρ ρ + dl L 2dD D, dr/r dl/l = 1 + dρ/ρ dl/l 2dD/D dl/l. Além disso, a variação relativa do diâmetro com a variação relativa do comprimento é determinada pelo coeficiente de Poisson u, tal que dd D = udl L. com 0,25 u 0,35 para a maioria dos metais. Portanto, tem-se que:

15 Modelagem Matemática III Estimativa para o Fator do Extensômetro α = dr/r dl/l = 1 + 2u + dρ/ρ dl/l. Já o fator que determina a variação relativa dρ/ρ da resistividade devido à deformação dl/l depende do tipo de material condutor usado na construção do extensômetro. O tipo de material também determina a deriva de α devido à temperatura ambiente. Material α Deriva de α (ppm/ o F) 80% Ni, 20% Cr 2, % Ni, 55% Cu 2,0 6 36% Ni, 8% Cr 3, % Cu 0,47 6

16 Extensômetros Semicondutores É possível construir extensômetros cujos elementos condutivos são semicondutores intrínsecos (não dopados) ou extrínsecos (dopados com impurezas). Neste caso obtém-se valores muito maiores para α; e.g. α = 150; ao custo de uma maior não-linearidade e maior sensibilidade a variação de temperatura. O princípio físico, neste caso, é a variação da resistividade do semicondutor; e.g. siĺıcio; devido a deformação do cristal efeito conhecido como piezoresistividade 1. Uma grande vantagem desse tipo de extensômetro é a possibilidade de incorporá-lo ao substrato do circuito integrado onde outros sub-sistemas eletrônicos podem ser fabricados. 1 Não confundir com piezoeletricidade.

17 Formatos de Extensômetros É possível produzir strain gauges nos mais diversos formatos e tamanhos:

18 Circuitos Eletrônicos Típicos I Os strain gauges são geralmente utilizados interconectados em uma Ponte de Wheatstone: R 1 R 1 R 4 R 4 V s R 2 R 3 V s R 2 R 3 Meia Ponte Ponte Completa Um valor típico de resistência na ausência de deformação é R 350Ω. Considerando ( máximas deformações adimissíveis da ordem de dl ) L µ = 1 max 10 2, para um strain gauge metálico típico (α = 2) a variação máxima de resistência seria da ordem de R max 7Ω = 2%.

19 Circuitos Eletrônicos Típicos II Para o exemplo acima, supondo uma tensão de alimentação V s = 10 V para uma ponte de Wheatstone completa, a maior tensão na saída da ponte seria da ordem de Vo max 10 V R R = 0,2 V. Por isso geralmente se utiliza Amplificadores de Instrumentação para amplificar V o. R 1 R 4 V s V o V a R 2 R 3 Amplificador de instrumentação

20 Circuitos Eletrônicos Típicos III Um exemplo típico de circuito integrado comercial para ser usado em conjunto com Pontes de Wheatstone é o INA125 da empresa Burr-Brown. Neste circuito integrado encontra-se tanto um circuito Amplificador de Instrumentação, quanto um circuito de Fonte de Alimentação de Precisão para energização da Ponte de Wheatstone. Note que o valor de R G determina o ganho do circuito de amplificação.

21 Encoders Rotativos Os encoders rotativos são elementos sensores usados para se medir posição angular, por natureza digitais, isto é, produzem sinais de saída que pertencem a um conjunto enumerável de possibilidades. Há dois tipos: 1 Relativos: produzem pulsos a medida que a posição angular de seus eixos é variada; 2 Absolutos: produzem palavras binárias correspondentes a posição angular em que seus eixos se encontram.

22 Encoders Rotativos Relativos ou Incrementais Um típico encoder ótico incremental possui emissores e receptores de luz que registram o movimento de uma parte rotativa como mostrado abaixo: Um disco simples com apenas uma trilha (track).

23 Encoders Rotativos Relativos Direção do Movimento A direção do movimento pode ser determinada a partir da defasagem entre os sinais de trilhas A e B de geração de pulsos que estejam defasadas espacialmente. A A θ (graus) θ (graus) B B Sentido Anti Horário θ (graus) Sentido Horário Podemos dobrar a resolução do encoder usando a operação XOR entre os canais A e B. No exemplo acima há ainda o sinal da trilha Z que é usado como referência de posição inicial. θ (graus)

24 Encoders Rotativos Absolutos Nos encoders absolutos tem-se N trilhas marcadas de forma que são produzidas diretamente palavras de N bits que representam a posição angular de forma absoluta. Em geral as marcas representam palavras binárias que seguem o código Gray, em que apenas 1 bit muda de uma posição angular para outra adjacente, facilitando a detecção de erros.

25 LVDT Transformador Diferencial Linear Variável Os LVDTs Linear Variable Differential Transformers são elementos sensores bastantes utilizados na indústria para medição de posição. Princípio Físico Variação do acoplamento magnético entre enrolamentos de um transformador devida ao deslocamento do núcleo.

26 Acoplamento Magnético Variável I Um LVDT possui 1 enrolamento primário e 2 enrolamentos secundários. O acoplamento entre o primário e cada um dos secundários depende da posição relativa do núcleo. Note que os secundários estão ligados em anti-série, de modo que a tensão alternada resultante corresponde à subtração das tensões induzidas em cada um dos enrolamentos secundários.

27 Acoplamento Magnético Variável II O primário é excitado com uma tensão AC de frequência f conhecida, e a tensão resultante v out = v 1 v 2 é também alternada e na mesma frequência f.

28 Acoplamento Magnético Variável III A medida que o núcleo do LVDT é deslocado, a amplitude da tensão alternada de saída aumenta ou diminui. Com o núcleo na posição central, idealmente tem-se v out = 0 V. Ou seja, v out é um sinal AM modulado em amplitude pelo deslocamento do núcleo. v (V) out 0 x (mm) Faixa de utilização

29 Acoplamento Magnético Variável IV A informação da direção de deslocamento do núcleo está na defasagem do sinal v out (t) em relação ao sinal de excitação do primário.

30 Circuitos Necessários Para se utilizar um LVDT é preciso providenciar uma fonte de excitação e um circuito demodulador AM (sensível à fase caso se queira conhecer a direção do movimento). LVDT Fonte de Excitação Demodulador AM sensível à fase Atualmente os circuitos necessários têm sido integrados no próprio corpo do LVDT, criando os chamados DC LVDTs.

31 RVDTs LVDTs rotativos Usando o mesmo princípio dos LVDTs, é possível criar elementos primários para medição de deslocamentos angulares, chamados de Rotary Variable Differential Transformers.

32 Vantagens dos LVDTs Dentre os pontos positivos dos LVDTs podemos destacar: 1 Podem ser encontrados nos mais diferentes tamanhos, para faixas de medição que vão de unidades de miĺımetro até centenas de miĺımetros; 2 Apresentam baixo desgaste mecânico e relativa robustez a vibrações, altas temperaturas, etc; 3 Imunidade a ruído eletromagnético em frequências diferentes daquela em que o LVDT é excitado (como resultado da modulação AM intrínseca ao dispositivo);

33 Aplicações dos LVDTs

34 Resolvers e Synchros I Para medição da posição angular os synchros e os resolvers são bastante utilizados em máquinas elétricas, braços robóticos e aeronaves. Princípio Físico Indução eletromagnética nos enrolamentos do estator, dependendo da posição angular do rotor excitado por uma tensão alternada.

35 Resolvers e Synchros II A diferença principal entre os synchros e os resolvers está no número de enrolamentos do estator, e sua correspondente defasagem espacial: V a V graus 90 graus V 2 V b V c Resolver Synchro As amplitudes das tensões induzidas dependem do alinhamento do rotor com cada um dos enrolamentos do estator.

36 Resolvers e Synchros III Uma interessante aplicação é a transmissão de deslocamentos angulares por meio de um acoplamento especial entre dois synchros. V a Deslocamento angular Mestre Deslocamento angular Escravo V c V b

37 Resolvers e Synchros IV Adição de um sistema em malha fechada para rastrear o ponto de máxima indução eletromagnética no synchro escravo, melhorando o tempo de resposta e reduzindo o erro em regime permanente: V a Deslocamento angular servomotor Amplificador V c V b O synchro da esquerda é chamado de transmissor, e o da direita de receptor.

38 Inductosyn I Para medir deslocamentos de translação com grande resolução, pode-se usar um inductosyn. Uma aplicação típica é na medição da posição da ferramenta em uma máquina CNC. Princípio Físico Indução eletromagnética nos enrolamentos do cursor, dependendo da posição linear do mesmo sobre o estator excitado por uma tensão alternada.

39 Inductosyn II No inductosyn um cursor, com dois enrolamentos defasados espacialmente em 90 o, é movido sobre um estator excitado com tensão alternada: O funcionamento é similar ao de um resolver em que os enrolamentos foram esticados sobre um estator e cursor lineares.

40 Inductosyn III Usando demodulação sensível à fase para se obter valores positivos e negativos de amplitude de tensão para cada enrolamento do cursor, é possível obter a direção do movimento, pois as amplitudes em cada enrolamento são proporcionais ao seno e ao cosseno, respectivamente, do deslocamento x (similar ao resolver). V 2 demod x V 1 demod Usando-se esse método, obtém-se incertezas de ±40 µin ±0,001 mm (informação obtida em Para cada intervalo espacial de 1 espira repete-se o padrão senoidal de cada saída.

41 Inductosyn IV Outras características interessantes: Pode ser montado para medir posição linear usando uma régua/escala de comprimento arbitrário; Pode ser utilizado em temperaturas próximas do zero absoluto e em temperaturas mais altas; Os elementos do sensor não têm contato entre si não há desgaste. Além disso, como nos LVDTs, a intrínseca modulação AM pode ser aproveitada para eliminar grandezas de influência interferentes.

1 ESCOLA POLITÉCNICA DA USP Sensores Eduardo L. L. Cabral ESCOLA POLITÉCNICA DA USP

1 ESCOLA POLITÉCNICA DA USP Sensores Eduardo L. L. Cabral ESCOLA POLITÉCNICA DA USP elcabral@usp.br 1 PMR2560 Robótica Sensores Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br elcabral@usp.br 2 Objetivos Sensores utilizados nos robôs industriais. Sensores internos; Sensores externos. Sensores de

Leia mais

Transdutores de Deslocamento

Transdutores de Deslocamento Transdutores de Deslocamento Potenciômetros são formados por um material condutor resistivo depositado em superfície isolante, com contatos fixos nas duas extremidades e um contato móvel (cursor) que se

Leia mais

5 Transdutor Indutivo

5 Transdutor Indutivo 5 Transdutor Indutivo De modo análogo aos transdutores resistivos e capacitivos, os transdutores indutivos são transdutores ativos que requerem uma fonte de excitação externa para proporcionar uma tensão

Leia mais

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques TM247 - Sistemas de Medição Prof. Alessandro Marques amarques@ufpr.br www.metrologia.ufpr.br Circuitos e medições elétricas Elementos elétricos Resistividade e resistência elétrica Em um material homogêneo

Leia mais

SENSORES. Acelerômetro. Sensore de temperatura. Sensore de luminosidade. Chave de fim de curso. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro

SENSORES. Acelerômetro. Sensore de temperatura. Sensore de luminosidade. Chave de fim de curso. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro SENSORES São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e que transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 SENSORES Acelerômetro

Leia mais

Medição dimensional e de movimento. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama

Medição dimensional e de movimento. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama Sensor por efeito piezo-elétrico: Funciona a partir do efeito piezo-elétrico; Fenômeno físico reversível; Fornece tensão com a deformação do elemento

Leia mais

Tutorial: Componentes passivos.

Tutorial: Componentes passivos. Tutorial: Componentes passivos. Autor: Samuel Cerqueira Pinto T-16 Data: 24/02/2013 Componentes Passivos Componentes passivos são os componentes eletrônicos que não possuem a capacidade de amplificar um

Leia mais

Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica / Instrumentação. Extensometria. Prof. Marlio Bonfim.

Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica / Instrumentação. Extensometria. Prof. Marlio Bonfim. Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica / Instrumentação Prof. Dr. Marlio Bonfim Fevereiro de 2009 1 Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Robótica Industrial Aula 5 - Componentes III Sensores Controlador / Eletrônica de Controle Software / Programação IHM Eletrônica de Potência Classificação dos Sensores

Leia mais

ELT030. 2º Semestre-2016

ELT030. 2º Semestre-2016 ELT030 Instrumentação 2º Semestre-2016 Estrutura típica de um instrumento de medição Em geral, um instrumento de medição possui um elemento sensor ou transdutor, um tratamento de sinais e um elemento de

Leia mais

Inst Ins rumen t t rumen aç t ão aç Eletrô Eletr nic ô a nic (2008.2) Ana Angélica Melo

Inst Ins rumen t t rumen aç t ão aç Eletrô Eletr nic ô a nic (2008.2) Ana Angélica Melo Instrumentação Eletrônica (2008.2) 2) Ana Angélica Melo Tópicos Abordados Introdução Visão Geral Histórico Conceitos Básicos Características Esquemas Aplicações Evolução LVDTs comerciais RVDT Conclusões

Leia mais

ELT030. 2º Semestre-2016

ELT030. 2º Semestre-2016 ELT030 Instrumentação 2º Semestre-2016 SENSORES: Proximidade e Deslocamento SENSORES DE PROXIMIDADE SENSORES INDUTIVOS SENSORES CAPACITIVOS SENSORES FOTOELÉTRICOS SENSORES DE DESLOCAMENTO SENSORES DE DESLOCAMENTO

Leia mais

MEDIDAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS

MEDIDAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS MEDIDAS ELÉRICAS CONCEIOS BÁSICOS Os sistemas mecânicos de medidas são muito limitados devido a fatores tais como atrito, inércia, etc. ambém, a necessidade de rigidez faz com que estes sistemas tornem-se

Leia mais

Acionamentos e Sensores para Máquinas CNC

Acionamentos e Sensores para Máquinas CNC PMR2450 - Projeto de Máquinas Mecatrônica - EPUSP Acionamentos e Sensores para Máquinas CNC Julio Cezar Adamowski setembro/2005 Acionamentos Motores elétricos Características: linearidade torque velocidade

Leia mais

TRANSDUTORES PARA MEDIDA DE DESLOCAMENTOS LINEARES. Notas de aula

TRANSDUTORES PARA MEDIDA DE DESLOCAMENTOS LINEARES. Notas de aula ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO LEM / PEF TRANSDUTORES PARA MEDIDA DE DESLOCAMENTOS LINEARES Notas de aula Dr. Pedro Afonso de Oliveira Almeida Professor Doutor PEF-EP/USP Notas de aula

Leia mais

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros.

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Outubro de 21 1 Sensores Indutivos 2 Sensores Capacitivos 3 Sensores Piezoelétricos 4 Acelerômetros Sensores Indutivos I Princípio Físico

Leia mais

Arduino Lab 09 Leitura de

Arduino Lab 09 Leitura de Arduino Lab 09 Leitura de um encoder industrial Heidenhain com o Arduino Neste Lab explicaremos o funcionamento e teste de um encoder industrial de quadratura, muito utilizado na indústria como sistema

Leia mais

Máquinas Elétricas I PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Máquinas Elétricas I PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Máquinas Elétricas I PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 1. PARTES PRINCIPAIS As Máquinas elétricas tem duas partes principais (Figuras 1): Estator Parte estática da máquina. Rotor Parte livre para girar Figura

Leia mais

2 Fundamentos teóricos

2 Fundamentos teóricos 20 2 Fundamentos teóricos 2.1. Motores de passo Motores de passo são atuadores eletromecânicos incrementais não-lineares. Permitir um controle preciso de posição e velocidade, aliado a um baixo custo,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: 13 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 35 É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: a) A soma do ângulo de fator de potência interno do transformador com o

Leia mais

Máquinas Elétricas. Máquinas CA Parte I

Máquinas Elétricas. Máquinas CA Parte I Máquinas Elétricas Máquinas CA Parte I Introdução A conversão eletromagnética de energia ocorre quando surgem alterações no fluxo concatenado (λ) decorrentes de movimento mecânico. Nas máquinas rotativas,

Leia mais

Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL

Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL Aplicações com amplificadores

Leia mais

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 Cite 08 tipos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia EXPERIÊNCIA: ENSAIOS EM CURTO E VAZIO DE TRANSFORMADORES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE. ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. ATPS. Circuitos resistivos. Lei de Ohm.

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE. ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. ATPS. Circuitos resistivos. Lei de Ohm. CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE. ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Nome: Luciano dos Santos Benevides RA: 3773769606 ATPS. Circuitos resistivos. Lei de Ohm. CAMPO GRANDE-MS 2013 Nome:

Leia mais

Lei de Ohm e Resistores reais Cap. 2: Elementos de circuito

Lei de Ohm e Resistores reais Cap. 2: Elementos de circuito 2. Análise de Circuitos Elétricos Simples REDES e CIRCUITOS: A interconexão de dois ou mais elementos de circuitos simples forma uma rede elétrica. Se a rede tiver pelo menos um caminho fechado, ela é

Leia mais

Medição de Deformação e Força I.B De Paula

Medição de Deformação e Força I.B De Paula INTRODUÇÃO O projeto de componentes sujeitos a carga para máquinas e estruturas requer informações sobre as distribuições de forças e deformações a que esses componentes estão submetidos. A mecânica dos

Leia mais

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza 3.1 Resistência Elétrica Resistência Elétrica

Leia mais

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal 5 5.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; resistor de 1 kω; indutores de 9,54, 23,2 e 50 mh. 5.2 Introdução Nas aulas anteriores estudamos

Leia mais

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Experimento 4 Transistor Bipolar Amplificador

Leia mais

TRANSDUTORES E AQUISIÇÃO DE DADOS

TRANSDUTORES E AQUISIÇÃO DE DADOS TRANSDUTORES E AQUISIÇÃO DE DADOS O QUE É UM TRANSDUTOR? Aparelho de medida que transforma uma grandeza física / química (temperatura, deslocamento, alcalinidade, etc.) num sinal mensurável (sinal eléctrico,

Leia mais

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua.

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua. Capítulo 6 Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua. 6.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; resistor de 1 kω; indutores de 9,54, 23,2 e 50 mh. 6.2 Introdução

Leia mais

Introdução aos princípios de aquisição de dados e terminologia

Introdução aos princípios de aquisição de dados e terminologia Introdução aos princípios de aquisição de dados e terminologia Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI O que é aquisição de dados (DAQ)? 2 Por que fazer medição? Os engenheiros precisam determinar

Leia mais

Resistência elétrica de uma barra (prismática ou cilíndrica) de área A e comprimento L

Resistência elétrica de uma barra (prismática ou cilíndrica) de área A e comprimento L Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. Ricardo uiz Viana Referências bibliográficas: H. 28-4, 29-4, 29-6 S. 26-4, 27-2 T. 22-2 ula Resistores

Leia mais

TRANSFORMADORES. Fonte: itu.olx.com.br

TRANSFORMADORES. Fonte: itu.olx.com.br Fonte: itu.olx.com.br OBJETIVO Ao final deste capitulo o aluno estará apto a entender, aplicar e realizar cálculos referentes Transformadores. Transformador é uma máquina elétrica estática, sem partes

Leia mais

Máquinas CA são ditas: 1. Síncronas: quando a velocidade do eixo estiver em sincronismo com a freqüência da tensão elétrica de alimentação;

Máquinas CA são ditas: 1. Síncronas: quando a velocidade do eixo estiver em sincronismo com a freqüência da tensão elétrica de alimentação; AULA 10 MÁQUINAS DE INDUÇÃO (ou assíncronas) Descrição e construção da máquina Formação do campo magnético rotativo Tensões, frequências e correntes induzidas Produção de conjugado no eixo Máquinas Elétricas

Leia mais

AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES

AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Retificadores (ENG - 20301) AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES 1 INTRODUÇÃO Os transformadores e indutores são componentes

Leia mais

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Instrumentação Eletroeletrônica Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Transdutores Instrumentação Eletroeletrônica 2 Processo Instrumentação Eletroeletrônica 3 Transdutores x Sensores SENSOR: é um elemento

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA Os circuitos magnéticos dos transformadores e das máquinas CA são excitados por fontes CA. Com excitação CA, a indutância influi no comportamento do regime permanente. Joaquim Eloir Rocha 1 Com excitação

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

Conceitos Básicos. Prof. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade UnB Gama

Conceitos Básicos. Prof. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade UnB Gama Prof. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade UnB Gama Os sensores e instrumentos de medição Compostos por elementos funcionais; Algums elementos podem ou não estar presentes em determinado sensor

Leia mais

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Magnéticos Os circuitos magnéticos são empregados com o intuito de concentrar o efeito magnético em uma dada região do espaço.

Leia mais

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA ELETRÔNICA GERAL Prof. Jhonatan

Leia mais

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM MECATRÔNICA ELETRÔNICA GERAL Prof. Jhonatan Machado

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 13 PREFÁCIO... 15 1 INTRODUÇÃO E DEFINIÇÕES GERAIS... 19 1.1 Aplicações da Simulação Dinâmica... 20 1.2 Tipos de Modelos para Sistemas Dinâmicos... 21 1.3 Modelos Matemáticos...

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação 2014 Última Aula Lei de Ohm Associação de Resistores

Leia mais

Métodos Experimentais para Vibrações Mecânicas

Métodos Experimentais para Vibrações Mecânicas Métodos Experimentais Métodos Experimentais para Vibrações Mecânicas Prof. Aline Souza de Paula Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Introdução A maioria

Leia mais

4 Transdutores capacitivos

4 Transdutores capacitivos 4 Transdutores capacitivos Um outro transdutor (ativo segundo nossa definição) que pode ser utilizado de modo similar aos transdutores resistivos é o transdutor capacitivo. De modo análogo, uma certa fonte

Leia mais

Detecção de Pressão. Bruno Canalli Zagueto Caio de Pauli Cordeiro Marina dos Reis Martins Renan D Orazio Bucco

Detecção de Pressão. Bruno Canalli Zagueto Caio de Pauli Cordeiro Marina dos Reis Martins Renan D Orazio Bucco Detecção de Pressão Bruno Canalli Zagueto Caio de Pauli Cordeiro Marina dos Reis Martins Renan D Orazio Bucco Introdução Medir e controlar a pressão são processos essenciais hoje em dia, para diversas

Leia mais

Experiência 1 Resistores e Código de Cores

Experiência 1 Resistores e Código de Cores TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Fundamentos de Eletricidade Prof. Ronaldo Mendes Evaristo Experiência 1 Resistores e Código de Cores Objetivos: Conhecer os resistores. Ler o valor nominal de resistores

Leia mais

Circuitos Magneticamente Acoplados. Prof. André E. Lazzaretti

Circuitos Magneticamente Acoplados. Prof. André E. Lazzaretti Circuitos Magneticamente Acoplados Prof. André E. Lazzaretti lazzaretti@utfpr.edu.br Ementa Função de excitação senoidal Conceitos de fasor Análise de circuitos em CA Potência em circuitos CA Circuitos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

Medidores de grandezas elétricas

Medidores de grandezas elétricas LEB 5030 Instrumentação e Automação para Sistemas Agrícolas Medidores de grandezas elétricas Prof. Dr. Rubens Tabile tabile@usp.br FZEA - USP INSTRUMENTOS ANALÓGICOS E DIGITAIS Instrumentos de medidas

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

Indicadores Digitais DG48/96

Indicadores Digitais DG48/96 [1] Introdução Os indicadores digitais DG 48 e DG 96 são instrumentos para medição de tensão, corrente, temperatura ou outra variável de processo. A indicação é sempre feita de forma linear. [2] Princípio

Leia mais

O MOTOR DE INDUÇÃO - 1

O MOTOR DE INDUÇÃO - 1 PEA 2211 Introdução à Eletromecânica e à Automação 1 O MOTOR DE INDUÇÃO - 1 PARTE EXPERIMENTAL Conteúdo: 1. Introdução. 2. Observando a formação do campo magnético rotativo. 3. Verificação da tensão e

Leia mais

Posição x Deslocamento

Posição x Deslocamento 1 SENSORES Parte 5 Prof. Dr.-Ing. Fernando A.N. Castro Pinto Curso de Pós Graduação em Mecatrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro Depto/Programa LAVI Engenharia Mecânica Lab. Acústica & Vibrações

Leia mais

CONTROLE TRADICIONAL

CONTROLE TRADICIONAL CONTROLE TRADICIONAL Variação da tensão do estator Os acionamentos de frequência e tensão variáveis são os mais eficientes Existem também acionamentos com tensão variável e frequência fixa Para um acionamento

Leia mais

1. Um feixe permamente de partículas alfa (q = +2e) deslocando-se com energia cinética constante de 20MeV transporta uma corrente de 0, 25µA.

1. Um feixe permamente de partículas alfa (q = +2e) deslocando-se com energia cinética constante de 20MeV transporta uma corrente de 0, 25µA. 1. Um feixe permamente de partículas alfa (q = +2e) deslocando-se com energia cinética constante de 20MeV transporta uma corrente de 0, 25µA. (a) Se o feixe estiver dirigido perpendicularmente a uma superfície

Leia mais

Conversores Estáticos

Conversores Estáticos Conversores Estáticos Circuitos Retificadores Monofásicos 08/03/2009 www.corradi.junior.nom.br Sinal Senoidal Os circuitos eletrônicos podem trabalhar com tensões e correntes continuas e alternadas. Um

Leia mais

Universidade Federal do Paraná - Engenharia Mecânica DEMEC Prof. Alessandro Marques Disciplina: Sistemas de Medições 1 (Exercícios)

Universidade Federal do Paraná - Engenharia Mecânica DEMEC Prof. Alessandro Marques Disciplina: Sistemas de Medições 1 (Exercícios) 1) Um manômetro foi construído com estes módulos: a) Transdutor extensométrico Faixa de medição: 0 a 20 bar Sensibilidade: 2 mv/bar Incerteza Expandida (U TE ): ± 0,02 mv b) Amplificador Faixa de medição:

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DE GERADOR SINCRONO

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DE GERADOR SINCRONO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO DE GERADOR SINCRONO UNEMAT Campus de Sinop 2016

Leia mais

Eletrotécnica geral. A tensão alternada é obtida através do 3 fenômeno do eletromagnetismo, que diz:

Eletrotécnica geral. A tensão alternada é obtida através do 3 fenômeno do eletromagnetismo, que diz: Análise de circuitos de corrente alternada Chama-se corrente ou tensão alternada aquela cuja intensidade e direção variam periodicamente, sendo o valor médio da intensidade durante um período igual a zero.

Leia mais

Experimento 6 Corrente alternada: circuitos resistivos

Experimento 6 Corrente alternada: circuitos resistivos 1. OBJETIO Experimento 6 Corrente alternada: circuitos resistivos O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos resistivos em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada.

Leia mais

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte III

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte III Máquinas Elétricas Máquinas CC Parte III Máquina CC Máquina CC Máquina CC Comutação Operação como gerador Máquina CC considerações fem induzida Conforme já mencionado, a tensão em um único condutor debaixo

Leia mais

Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica / Instrumentação. Tópicos abordados:

Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica / Instrumentação. Tópicos abordados: Dep. de Engenharia Elétrica Curso de Especialização Engenharia Elétrica / Instrumentação Tópicos abordados: 1.Introdução 2.Extensômetros 3.Tipos de Extensômetros 4.Ponte de Wheatstone 5.Configurações de

Leia mais

236 Conjunto eletrômetro

236 Conjunto eletrômetro 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP Equipamentos 127 V 220 V Multímetro digital 07134.00 07134.00 1 Cabo de conexão, 32A, 50cm, vermelho

Leia mais

ENCONTRO 4 AMPLIFICADOR DE INSTRUMENTAÇÃO

ENCONTRO 4 AMPLIFICADOR DE INSTRUMENTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA II PROFESSOR: VLADEMIR DE J. S. OLIVEIRA ENCONTRO 4 AMPLIFICADOR DE INSTRUMENTAÇÃO 1. COMPONENTES DA EQUIPE Alunos Nota: Data: 2. OBJETIVOS - Implementação

Leia mais

Instrumentação Transdutor de Posição com LVDT

Instrumentação Transdutor de Posição com LVDT Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Controle e Automação I Instrumentação Transdutor de Posição com LVDT Prof. José Carlos Rodrigues de Oliveira, Dr.

Leia mais

1. Potenciômetros 2. LVDTs 3. RVDTs 4. Resolver (Singlsyn ) 5. Encoders 6. Tacogeradores

1. Potenciômetros 2. LVDTs 3. RVDTs 4. Resolver (Singlsyn ) 5. Encoders 6. Tacogeradores Sensores de Posição e Velocidade 1. Potenciômetros 2. LVDTs 3. RVDTs 4. Resolver (Singlsyn ) 5. Encoders 6. Tacogeradores Potenciômetros FUNCIONAMENTO OBJETIVO Medir movimentos lineares e angulares Resistência

Leia mais

CIRCUITO EQUIVALENTE MAQUINA

CIRCUITO EQUIVALENTE MAQUINA CIRCUITO EQUIVALENTE MAQUINA Se o circuito do induzido for fechado sobre uma carga, vai circular por ele uma corrente que será responsável por perdas por efeito de Joule na resistência do próprio enrolamento,

Leia mais

ELT030 Instrumentação 1

ELT030 Instrumentação 1 ELT030 Instrumentação Universidade Federal de Itajubá Engenharia Eletrônica Sensores Inteligentes ELT030 Instrumentação 1 Transmissor eletrônico Um transdutor converte uma grandeza física qualquer para

Leia mais

SEL 0412 Tecnologia Digital Teoria

SEL 0412 Tecnologia Digital Teoria SEL 0412 Tecnologia Digital Teoria Aquisição de Dados Profa. Tania Regina Tronco Conceito É a coleta de informações para fins de análise dos dados e consequente controle e monitoramento de um processo;

Leia mais

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte IV

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte IV Máquinas Elétricas Máquinas CC Parte IV Máquina CC eficiência Máquina CC perdas elétricas (perdas por efeito Joule) Máquina CC perdas nas escovas Máquina CC outras perdas a considerar Máquina CC considerações

Leia mais

Comandos Eletroeletrônicos

Comandos Eletroeletrônicos Comandos Eletroeletrônicos Sensores Prof. Gilmário Lima Parte 1 Sensores de Proximidade !!! " #! ASPECTO Sensor de corpo tubular Plástico Metálico Face translúcida (óptico) SÍMBOLOS INDUTIVO MAGNÉTICO

Leia mais

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Apostila 3 Continuação de Diodos III - CIRCUITOS COM DIODOS 1 - Sinal senoídal Um dos sinais elétricos alternados mais comuns é o senoídal. O sinal senoídal pode ser representado

Leia mais

Introdução às máquinas CA

Introdução às máquinas CA Introdução às máquinas CA Assim como as máquinas CC, o princípio de funcionamento de máquinas CA é advindo, principalmente, do eletromagnetismo: Um fio condutor de corrente, na presença de um campo magnético,

Leia mais

Eletricidade Aula 6. Corrente Alternada

Eletricidade Aula 6. Corrente Alternada Eletricidade Aula 6 Corrente Alternada Comparação entre Tensão Contínua e Alternada Vídeo 7 Característica da tensão contínua A tensão contínua medida em qualquer ponto do circuito não muda conforme o

Leia mais

Transdução de Grandezas Biomédicas

Transdução de Grandezas Biomédicas Transdução de Grandezas Biomédicas Mestrado em Eng. Biomédica Docente: > Marcelino M. de Andrade A Aula! O Erro em Medidas Não existe medida realizada sem erro, e o erro poder ser somente minimizado!!!

Leia mais

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Um elemento pode ser ativo (capaz de gerar energia), passivo (apenas dissipam

Leia mais

Projeto Físico de Indutores e Transformadores em Alta Freqüência

Projeto Físico de Indutores e Transformadores em Alta Freqüência Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica e Transformadores em Alta Freqüência Eletrônica de Potência II - Laboratório Instituto de Eletrônica de Potência Introdução Projeto

Leia mais

Fundamentos para Eletrônica e Sistemas de Medidas

Fundamentos para Eletrônica e Sistemas de Medidas Fundamentos para Eletrônica e Sistemas de Medidas Prof.: Geraldo Cernicchiaro geraldo@cbpf.br O curso pretende apresentar fundamentos físicos para se entender a eletrônica, e as bases de tecnologia moderna,

Leia mais

Máquina de Indução - Lista Comentada

Máquina de Indução - Lista Comentada Máquina de Indução - Lista Comentada 1) Os motores trifásicos a indução, geralmente, operam em rotações próximas do sincronismo, ou seja, com baixos valores de escorregamento. Considere o caso de alimentação

Leia mais

Circuitos com Diodos

Circuitos com Diodos Circuitos com Diodos Professor: Cláudio Kitano Setembro - 2017 01 - Circuitos Limitadores (clipper): limitador negativo Diodos podem ser usados para ceifar porções de um sinal de tensão (acima ou abaixo

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

Medição de Força e Torque. Capítulo V

Medição de Força e Torque. Capítulo V Medição de Força e Torque Capítulo V 1 Métodos Básicos de Medição de Força Contrabalanceando a força gravitacional sobre massas padrões diretamente ou através de sistemas com alavancas. Medindo-se a aceleração

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DESCRIÇÃO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DESCRIÇÃO SISTEMA DE MEDIÇÃO Um sistema de medição é constituído de múltiplos componentes INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO FF TRANS. CSE-1 CSE-2 CSE-n CABOS CSI-1 CSI-n FONTES DE INTERFERÊNCIA Legenda: FF - Fenômeno físico

Leia mais

Medição de temperatura. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama

Medição de temperatura. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama Medição de temperatura Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama Medição de temperatura Conceitos básicos sobre medição de temperatura: Corpos com temperatura diferente quando unidos tendem a

Leia mais

UTFPR DAELN CORRENTE ALTERNADA, REATÂNCIAS, IMPEDÂNCIA & FASE

UTFPR DAELN CORRENTE ALTERNADA, REATÂNCIAS, IMPEDÂNCIA & FASE UTFPR DAELN CORRENTE ALTERNADA, REATÂNCIAS, IMPEDÂNCIA & FASE 1) CORRENTE ALTERNADA: é gerada pelo movimento rotacional de um condutor ou um conjunto de condutores no interior de um campo magnético (B)

Leia mais

Partes de uma máquina síncrona

Partes de uma máquina síncrona Oque são geradores síncronos Um dos tipos mais importantes de máquinas elétricas rotativas é o Gerador Síncrono, que é capaz de converter energia mecânica em elétrica quando operada como gerador. Os Geradores

Leia mais

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M

Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: L M Análise de Circuitos Acoplados Com a finalidade de mostrar os sentidos dos enrolamentos e seus efeitos sobre as tensões de inductância mútua: a) L M = L ( + ) e e L M d = L + L d = L + L = L = L M M d

Leia mais

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo Aula 3 Instrumentos de Pressão Prof. Gerônimo Instrumentos para medir Pressão As variáveis mais encontradas nas plantas de processos são: pressão, temperatura, vazão e nível. Estudando instrumentos de

Leia mais

CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET

CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET Definição : O offset é definido como uma tensão residual que aparece na saída do Amplificador Operacional quando

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 Robótica Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 2 a Aula Parte B Detalhando os objetivos Sensores Definições Classificação: Mecânicos. Elétricos. Magnéticos. Térmicos. Outros. Diversos

Leia mais

Unidade III. Conversores CC-CC (Choppers) Eletrônica de Potência 1

Unidade III. Conversores CC-CC (Choppers) Eletrônica de Potência 1 Unidade III Conversores CC-CC (Choppers) Eletrônica de Potência 1 Introdução Conversores CC-CC são circuitos eletrônicos de potência que convertem a tensão contínua a um nível de tensão CC diferente, idealmente

Leia mais

Sensores de Aceleração

Sensores de Aceleração Sensores de Aceleração Sensores de aceleração (acelerômetros e giroscópios) são componentes do tipo inercial que fornecem um sinal elétrico proporcional à aceleração do sistema. São transdutores que convertem

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considere as seguintes informações: a expressão é utilizada para definir determinada propriedade elétrica de um condutor, em que A é a área da seção reta do condutor e l, o seu

Leia mais