CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY ( ) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1"

Transcrição

1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY ( ) 1 Angela Freire 2 O enfoque sócio-histórico da psicologia à teoria desenvolvida por Vygotsky tem como base a construção sócio-histórica ou histórica-cultural da mente. A sua preocupação centrava-se na questão de como os fatores sociais e culturais influenciavam o desenvolvimento intelectual, ou seja, a aquisição de conhecimentos pela interação do sujeito como o meio. O núcleo central de sua teoria trata de como os indivíduos, interagindo com agentes sociais mais instruídos (professores/as, colegas), constroem e internalizam o conhecimento. Enfatizou o papel da linguagem e da aprendizagem nesse desenvolvimento. A linguagem, sistema simbólico dos grupos humanos, representa um salto qualitativo na evolução da espécie. É ela que fornece os conceitos, as formas de organização do real e a mediação entre o sujeito e o objeto do conhecimento. É por meio dela que as funções mentais superiores são socialmente formadas e culturalmente transmitidas, portanto, sociedades e culturas diferentes produzem estruturas diferenciadas. Os fatores sociais, de acordo com esse psicólogo, desempenham um papel fundamental no desenvolvimento intelectual. Quando o conhecimento existente na cultura é internalizado (construído) pelas crianças, as funções e as habilidades intelectuais são provocadas a desenvolver. Desse modo, a aprendizagem conduz ao desenvolvimento. HOMEM SER BIOLÓGICO Nasce com as funções elementares: reflexo, atenção involuntária... CULTURA INTERAÇÃO SOCIAL (SIGNO / LINGUAGEM) HOMEM SER HUMANO Adquire funções psicológicas superiores: consciência, planejamento, armazenamento, capacidade de resolver problemas e a formação de conceitos. Desenvolve-se mentalmente APRENDIZAGEM DESENVOLVIMENTO A APRENDIZAGEM RESULTA EM DESENVOLVIMENTO O ser humano constitui-se enquanto tal na sua relação com o outro; estas relações são mediadas por sistemas simbólicos. O/a homem/mulher transforma-se de biológico em sóciohistórico, num processo em que a cultura é parte essencial da natureza humana. 1

2 Na concepção vygotskyana, todo homem se constitui ser humano pelas relações que estabelece com os outros sujeitos. O sujeito não é apenas ativo, mas interativo, porque forma conhecimentos e se constitui a partir de relações intra e interpessoais. Trata-se de um processo que caminha do plano social (relações interpessoais) para o plano individual (relações intrapessoais). Em outras palavras, é na troca com outros sujeitos e consigo próprio que se vão internalizando conhecimentos, papéis e funções sociais, o que permite a formação de conhecimentos e da própria consciência. PLANO SOCIAL RELAÇÕES INTERPESSOAIS PLANO INDIVIDUAL RELAÇÕES INTRAPESSOAIS HOMEM X HOMEM NA CULTURA CONHECIMENTOS, PAPÉIS E FUNCÕES SOCIAIS... A cultura fornece ao indivíduo os sistemas simbólicos de representação da realidade, ou seja, o universo de significações que permite construir a interpretação do mundo real. Ela dá o local de negociações no qual seus membros estão em constante processo de recriação e reinterpretação de informações, conceitos e significações. O funcionamento psicológico fundamenta-se nas relações sociais entre indivíduos e o mundo exterior. Nesta perspectiva, as funções psicológicas (por ex. linguagem, memória) são construídas ao longo da história social do homem, em sua relação com o mundo. Destacam-se aqui os conceitos de internalização e mediação. A INTERNALIZAÇÃO é um processo de reconstrução interna, intrassubjetiva. É fundamental para o desenvolvimento do funcionamento psicológico humano. Envolve uma atividade externa que deve ser modificada para tornar-se uma atividade interna. O desenvolvimento cognitivo é produzido pelo processo de internalização da interação social com materiais fornecidos pela cultura, sendo que o processo se constrói de fora para dentro. A MEDIAÇÃO é o processo de intervenção de um elemento numa relação. A relação do homem com o mundo não é uma relação direta, mas, fundamentalmente, mediada. Existem dois tipos de elementos mediadores: - Instrumentos (ferramentas): toda a atividade social é condicionada pelos aspectos materiais. - Signos: são meios auxiliares para solucionar um dado problema psicológico. Agem como um instrumento da ação psicológica, cujo objetivo é provocar mudanças e transformações nos objetos e na natureza, sendo orientados para o próprio sujeito, para dentro dele. A aprendizagem é o processo pelo qual o indivíduo adquire informações, habilidades, atitudes e valores a partir de seu contato com a realidade, com o meio ambiente e com pessoas. O aprendizado ocorre na interação social, no âmbito da zona proximal. Segundo Vygotsky, para compreender adequadamente o desenvolvimento de um indivíduo, deve-se considerar também os níveis de desenvolvimento real e potencial. A REAL é a capacidade que o indivíduo já adquiriu de realizar tarefas sozinho. Aqui, as funções psicológicas já estão consolidadas. 2

3 A POTENCIAL é a capacidade que o indivíduo tem para desempenhar tarefas e atividades com ajuda de adultos ou colegas mais experientes. Constitui-se por aspectos do desenvolvimento que, num determinado momento, estão em processo de realização. É manifestado, na escola, quando o/a aluno/a não consegue fazer a atividade sozinho/a, podendo resolvê-las com a intervenção do/a professor/a ou de um/a colega. A partir das Zonas de Desenvolvimento Real e Potencial, Vygotsky define a ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL como a distância ou o caminho que o indivíduo vai percorrer para desenvolver funções que estão em processo de amadurecimento e que, com a ajuda do outro, tornar-se-ão funções consolidadas e estabelecidas no nível de desenvolvimento real. PROXIMAL É a distância entre a Zona de Desenvolvimento Real e a Zona de Desenvolvimento Potencial. É determinado por aquilo que está próximo mais ainda não foi atingido. A aprendizagem interage com o desenvolvimento, produzindo abertura nas zonas de desenvolvimento proximal, potencialidades para aprender. REAL É determinado por aquilo que a criança é capaz de fazer sozinha, porque ela já tem um conhecimento consolidado. Solução independente do problema. POTENCIAL É determinado por aquilo que a criança ainda não domina, mas é capaz de realizar com auxílio de alguém mais experiente. Solução de problema sob orientação de alguém mais experiente. Implicações da teoria vygotskyana para a educação: O SOCIOINTERACIONISMO é a corrente teórica postulada por Vygotsky e o SOCIOCONSTRUTIVISMO é a corrente teórica postulada por Jean Piaget. Ambos são construtivistas em suas concepções do desenvolvimento intelectual. Ou seja, sustentam que a inteligência é construída a partir das relações recíprocas do homem com o meio. A EDUCAÇÃO: não fica à espera do desenvolvimento intelectual da criança. Diferentemente, sua leva o/a aluno/a adiante, pois quanto mais ele/a aprende, mais se desenvolve mentalmente. A ESCOLA: é o lugar onde a intervenção pedagógica intencional desencadeia o processo ensino aprendizagem. A escola organiza, planeja de maneira formal, científica, relacional os conhecimentos acumulados histórico-culturalmente pela humanidade. Sua função é fazer com que os conceitos espontâneos ou cotidianos (assistemáticos, informais), que as crianças desenvolvem na convivência social, evoluam para o nível dos conceitos científicos (sistemáticos, formais), adquiridos pelo ensino. Neste sentido, o/a professor/a assumirá o papel de mediador/a na formação do conhecimento. 3

4 A INTELIGÊNCIA: é habilidade para aprender. Vygotsky despreza as teorias que concebem a inteligência como resultante de aprendizagens prévias, já realizadas. O CONHECIMENTO: dá-se por meio da interação mediada por várias relações, ou seja, o conhecimento não está sendo visto como uma ação do sujeito sobre a realidade, assim como no construtivismo e sim, pela mediação feita por outros sujeitos. O outro social pode apresentar-se por meio de objetos, da organização do ambiente, do mundo cultural que rodeia o indivíduo. A APRENDIZAGEM: é a força propulsora do desenvolvimento intelectual. O desenvolvimento mental só pode realizar-se por intermédio do aprendizado. O aprendizado adequadamente organizado resulta em desenvolvimento mental. O ERRO: faz parte do processo de aprendizado, mas o/a professor/a deve apontá-lo sempre para que a criança o corrija. Não se pode esperar que o/a aluno/a descubra sozinho/a que errou. O ENSINO: é uma intervenção intencional nos processos intelectuais, sociais e afetivos do/a aluno/a, buscando sua relação consciente e ativa com os objetos de conhecimento. O objetivo maior do ensino é a construção do conhecimento por eles/as, de modo que todas as ações devem estar voltadas para sua eficácia do ponto de vista dos resultados no conhecimento e desenvolvimento do mesmo. O PAPEL DO/A PROFESSOR/A é provocar avanços nos/as alunos/as e isso se torna possível com sua interferência na zona proximal. Ao observá-la, ele/a deve orientar o aprendizado no sentido de adiantar o desenvolvimento potencial de uma criança, tornando-o real. Ele será um/a interventor/a, mediador/a e provocador/a de situações que levem as crianças a aprenderem a aprender. O/a professor/a mediador/a é quem ajuda a criança concretizar um desenvolvimento que ela ainda não atinge sozinha. MEDIADOR/A: é quem ajuda a criança concretizar um desenvolvimento que ela ainda não atinge sozinha. Na escola, o/a professor/a e os/as colegas mais experientes são os principais mediadores/as. O/A ALUNO/A: não é tão somente o sujeito da aprendizagem, mas, aquele que aprende junto ao outro o que o seu grupo social produz, tal como: valores, linguagem e o próprio conhecimento. No TRABALHO EM DUPLAS: o/a professor/a explica um assunto e os/as alunos/as fazem discussões ou trabalhos em pequenos grupos, principalmente em duplas. O tamanho reduzido das equipes amplia as interações, facilitando o processo de aprendizado. Essas equipes podem ser formadas espontaneamente, mas podem também ser determinada pelo/a professor/a. O que se busca é exatamente o confronto de diferenças que levem a novas descobertas. Não se trata de fazer trabalho em grupo para que todo mundo pense igual e produza a mesma coisa. Outro aspecto positivo do estudo em parcerias é o estímulo à autonomia. Em cada trabalho com seus/suas colegas, os/as alunos/as caminham claramente de um nível de alta dependência do/a professor/a para a completa independência na formulação de hipóteses. Na ASSISTÊNCIA INDIVIDUAL: o/a professor/a acompanha cada aluno/a para auxiliá-lo/a na superação das dificuldades. É quando se trabalha diretamente com o conceito de desenvolvimento proximal. O/a professor/a precisa conhecer o desenvolvimento real da criança, mas não pode parar aí. É pelo auxílio direto, com explicações, pistas e sugestões, que o/a aluno/a avança, consolidando o desenvolvimento que era apenas potencial. No trabalho individual respeita-se a zona proximal de cada um, pois ela não é homogênea para todo o grupo. 4

5 Na ATIVIDADE DE LINGUAGEM: se a linguagem é o principal instrumento de intermediação do conhecimento e corresponde ao desenvolvimento de uma linguagem interna, as atividades de fala, escrita e leitura ganham a maior importância. Os/as professores/as buscam então diversificar técnicas que enfatizem essas ações. Uma delas são os textos sugeridos, em que eles/as desafiam o/a aluno/a a escrever a partir de diferentes modelos. Pela análise das características estruturais um texto, as crianças devem criar suas histórias seguindo aquele padrão. Mas os textos livres também são estimulados. Outra atividade é a roda da leitura, em que as crianças debatem suas interpretações. Uma das estratégias é o conto e reconto, em que elas ouvem uma história e devem recontá-la do seu ponto de vista. REFERENCIAS REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma Perspectiva Histórico-cultural da Educação. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, VIGOTSKY, L. S. A formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, NOTAS 1 O texto aborda alguns conceitos da Teoria Sociointeracionista de Lev Vygotsky, que é um dos referencias que dão sustentação teórica ao CEB. Tem a finalidade de subsidiar o saber-fazer pedagógico do/a professor/a para que ele/a possa promover ações educativas reais e significativas, à luz dos constructos teóricos. 2 Texto elaborado e sistematizado por Angela Freire, Pedagoga graduada pela UCSAL, Psicopedagoga (UFBA) e Coordenadora Pedagógica lotada na Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico (CENAP) / Núcleo de Tecnologia Educacional (NET-17), na Fábrica do Saber. 5

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA

LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA Casou-se em 1924. Pesquisou profundamente sobre o comportamento e desenvolvimento humanos. Dizia que o conhecimento é decorrente da interação da história social e pessoal. Escreveu

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

Palavras-chave: Educação; Funções Psicológicas Superiores; Consciência

Palavras-chave: Educação; Funções Psicológicas Superiores; Consciência AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PSICOLÓGICA SÓCIO HISTÓRICA PARA A EDUCAÇÃO E A CONSTITUIÇÃO DOS PROCESSOS E FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES E DA CONSCIÊNCIA Mara Silvia Cabral de Melo Kato marakatto@yahoo.com.br

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR 1 CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR Paulo Gomes Lima Prof. Adjunto da FAED/UFGD MS. Área Fundamentos da Educação A Psicologia Educacional,

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil.

ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil. ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil. Fabricia Pereira Teles Profª da rede pública e particular de ensino Introdução

Leia mais

TEORIAS DA APRENDIZAGEM: DA TEORIA À PRÁTICA

TEORIAS DA APRENDIZAGEM: DA TEORIA À PRÁTICA TEORIAS DA APRENDIZAGEM: DA TEORIA À PRÁTICA José Edivam Braz Santana UEPB edivamsantana@hotmail.com André Ferreira de Lima UEPB andre_lyma@hotmail.com Gilberto Beserra da Silva Filho UEPB gilbertobeserra.filho@bol.com.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS 175 ANAIS III FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS Marta Deckert * RESUMO: Como

Leia mais

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA Nome: Dilma Célia Mallard Scaldaferri GT do Ensino de História e Educação Área temática: Teoria, historiografia e metodologia - Simpósio 37 O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA...

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

O Jogo e os Processos de Aprendizagem e Desenvolvimento: Aspectos Cognitivos e Afetivos

O Jogo e os Processos de Aprendizagem e Desenvolvimento: Aspectos Cognitivos e Afetivos O Jogo e os Processos de Aprendizagem e Desenvolvimento: Aspectos Cognitivos e Afetivos Autora: Thaís Cristina Rodrigues Tezani Profissionais da área educacional, comprometidos com a qualidade da sua prática

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

AS SEMELHANÇAS, DIFERENÇAS E CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET E VYGOTSKY PARA FORMAÇÃO DOCENTE

AS SEMELHANÇAS, DIFERENÇAS E CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET E VYGOTSKY PARA FORMAÇÃO DOCENTE AS SEMELHANÇAS, DIFERENÇAS E CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET E VYGOTSKY PARA FORMAÇÃO DOCENTE 2010 Michael de Oliveira Lemos Diplomado pela Faculdade Anhanguera de São Caetano(Brasil) Orientadora: Professora Heloisa

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais

DIFERENTES OLHARES E CONCEPÇÕES SOBRE DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM

DIFERENTES OLHARES E CONCEPÇÕES SOBRE DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM DIFERENTES OLHARES E CONCEPÇÕES SOBRE DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM FRONER 1, Carolina Miara UEPG carolmiara@gmail.com PINTO 2, Juliana da Silva UEPG cajuzinha@gmail.com Resumo A tarefa de ensinar exige

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

UMA TEORIZAÇÃO SOBRE A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM DOS SURDOS A PARTIR DA ABORDAGEM INTERACIONISTA

UMA TEORIZAÇÃO SOBRE A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM DOS SURDOS A PARTIR DA ABORDAGEM INTERACIONISTA 1 UMA TEORIZAÇÃO SOBRE A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM DOS SURDOS A PARTIR DA ABORDAGEM INTERACIONISTA Miriam Cristina Silva dos Santos 1 RESUMEN: Este estudio tiene como objetivo mostrar cómo es la adquisición

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Atividade Psicomotora. Funções Psicológicas Superiores. Imaginação. Pré-Escola.

Resumo. Palavras chave: Atividade Psicomotora. Funções Psicológicas Superiores. Imaginação. Pré-Escola. A CRIANÇA EM IDADE PRÉ-ESCOLAR E AS FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES: FOCANDO A ATIVIDADE LUDO- PEDAGÓGICA PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO Janaína Pereira Duarte Bezerra Irineu A. Tuim

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas *Vanessa Ferreira Silva Breve histórico da psicopedagogia De acordo com Bossa (2000, p.37) a psicopedagogia surgiu na Europa, mais precisamente

Leia mais

Teorias de Aprendizagem: uma contribuição metodológica ao ensino da dança de salão.

Teorias de Aprendizagem: uma contribuição metodológica ao ensino da dança de salão. Teorias de Aprendizagem: uma contribuição metodológica ao ensino da dança de salão. Arquiteta Urbanista, especialista em Arquitetura Contemporânea, em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente, em Planejamento

Leia mais

MEDIAÇÃO E ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL (ZDP): ENTRE PENSAMENTOS E PRÁTICAS DOCENTES

MEDIAÇÃO E ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL (ZDP): ENTRE PENSAMENTOS E PRÁTICAS DOCENTES MEDIAÇÃO E ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL (ZDP): ENTRE PENSAMENTOS E PRÁTICAS DOCENTES Resumo SOUZA, Audrey Pietrobelli de UEPG audrey@uepg.br ROSSO, Ademir José UEPG ajrosso@uepg.br Eixo Temático: Cultura,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Concepção histórico-cultural pedagogia histórico-crítica Vila Princesa Interação social - processos psicológicos superiores.

Palavras-chave: Concepção histórico-cultural pedagogia histórico-crítica Vila Princesa Interação social - processos psicológicos superiores. AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DE VYGOTSKY DANDO ÊNFASE AOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS SUPERIORES NO ASPECTO EDUCACIONAL DE CRIANÇAS DE CINCO E SEIS ANOS: UMA EXPERIÊNCIA NA COMUNIDADE DA VILA PRINCESA Cilene

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS

PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS Piaget PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS Vygotsky Wallon Freire EXPERIÊNCIA BASE COGNITIVA INTERNA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO UM DOS MECANISMOS DA CONSTRUÇÃO DO SABER ESFORÇO DE COMPREENDER E DAR SIGNIFICADO

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE E O LÚDICO NA ALFABETIZAÇÃO. Palavras-chave: Criança.Aprendizado.Lúdico.Alfabetização.Prática.

FORMAÇÃO DOCENTE E O LÚDICO NA ALFABETIZAÇÃO. Palavras-chave: Criança.Aprendizado.Lúdico.Alfabetização.Prática. FORMAÇÃO DOCENTE E O LÚDICO NA ALFABETIZAÇÃO Ana Claudia Rodrigues - Graduanda de Pedagogia - UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia - UEPB Ana Paula Martins Costa - Graduanda de Pedagogia

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

A mediação nos cursos de graduação a distância: que mediação é essa?

A mediação nos cursos de graduação a distância: que mediação é essa? A mediação nos cursos de graduação a distância: que mediação é essa? Noelma Silva 1 Universidade Estadual de Goiás - UEG noelmasilv@yahoo.com.br Resumo: Este artigo pretende problematizar a importância

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. ELABORAÇÃO: Carla Juliane dos Santos Rubian Mara de Paula

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. ELABORAÇÃO: Carla Juliane dos Santos Rubian Mara de Paula PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ELABORAÇÃO: Carla Juliane dos Santos Rubian Mara de Paula COLABORAÇÃO: Adriana da Silva Adriana de Souza Alves Elis Regina da Silva Otto

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

TEORIAS SÓCIO-HISTÓRICAS MODELO HISTÓRICO CULTURAL DE LEV VYGOTSKY

TEORIAS SÓCIO-HISTÓRICAS MODELO HISTÓRICO CULTURAL DE LEV VYGOTSKY TEORIAS SÓCIO-HISTÓRICAS MODELO HISTÓRICO CULTURAL DE LEV VYGOTSKY PLANOS GENÉTICOS FILOGÊNESE ONTOGÊNESE SOCIOGÊNESE MICROGÊNESE PLANOS GENÉTICOS história da espécie humana FILOGÊNESE ONTOGÊNESE SOCIOGÊNESE

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE EMÍLIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE EMÍLIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE EMÍLIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY 1 Angela Freire

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

O ESSENCIAL DA DIDÁTICA E O TRABALHO DE PROFESSOR EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS

O ESSENCIAL DA DIDÁTICA E O TRABALHO DE PROFESSOR EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS 1 O ESSENCIAL DA DIDÁTICA E O TRABALHO DE PROFESSOR EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS José Carlos Libâneo Os alunos mais velhos comentam entre si: Gosto dessa professora porque ela tem didática. Os mais novos

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO Portaria de Autorização 293 de 15/02/2001 D.O.U de 19/02/2001 TEORIAS PEDAGÓGICAS E AS NOVAS TECNOLOGIAS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO Portaria de Autorização 293 de 15/02/2001 D.O.U de 19/02/2001 TEORIAS PEDAGÓGICAS E AS NOVAS TECNOLOGIAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO Portaria de Autorização 293 de 15/02/2001 D.O.U de 19/02/2001 TEORIAS PEDAGÓGICAS E AS NOVAS TECNOLOGIAS Os grandes mestres como Jean Piaget, Lev S. Vygotsyky e Seymour Papert são

Leia mais

Vygotsky e o desenvolvimento humano

Vygotsky e o desenvolvimento humano Vygotsky e o desenvolvimento humano Elaine Rabello José Silveira passos O que é Desenvolvimento Humano? A noção de desenvolvimento está atrelada a um contínuo de evolução, em que nós caminharíamos ao longo

Leia mais

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS?

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS? SEMINÁRIO DE PESQUISA OBJETIVO DEBATER E PROBLEMATIZAR QUESTÕES RELACIONADAS ÀS PRÁTICAS DOCENTES NA EDUCAÇÃO INAFANTIL, BEM COMO ESTABELECER DIÁLOGO COM TEÓRICOS DA PEDAGOGIA, DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DAS

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Elisa Nélia da Cunha Brasiliense 1 Resumo: O objetivo deste texto é expor, segundo Vygotsky, a importância das brincadeiras de fazde-conta

Leia mais

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 42 Luciene Rodrigues Ximenes lrximenes@hotmail.com Pós-Graduada em Alfabetização, leitura e escrita pela UFRJ. Atualmente é professora e coordenadora

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

OS ESPAÇOS NO COTIDIANO DAS CRIANÇAS NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

OS ESPAÇOS NO COTIDIANO DAS CRIANÇAS NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL OS ESPAÇOS NO COTIDIANO DAS CRIANÇAS NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Carmen Isabel Pieper Universidade Federal de Pelotas belpiper@hotmail.com INTRODUÇÃO O trabalho consiste em um ensaio que discute algumas

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR MEDIADOR NA PRESPECTIVA DE VIGOTSKY

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR MEDIADOR NA PRESPECTIVA DE VIGOTSKY Universidade Candido Mendes Instituto a Vez do Mestre A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR MEDIADOR NA PRESPECTIVA DE VIGOTSKY Elizabeth da Cruz Ribeiro Prof. Orientador Vilson Sergio Rio de Janeiro/ Tijuca

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

TEORIA DA MEDIAÇÃO DE LEV VYGOTSKY

TEORIA DA MEDIAÇÃO DE LEV VYGOTSKY TEORIA DA MEDIAÇÃO DE LEV VYGOTSKY Sérgio Choiti Yamazaki Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Lev Semenovich Vygotsky (1896-1934) estudou literatura na Universidade de Moscou, interessando-se primeiramente

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

O PAPEL DOS JOGOS LÚDICOS NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA

O PAPEL DOS JOGOS LÚDICOS NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA O PAPEL DOS JOGOS LÚDICOS NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA Patrícia Raffin Ancinelo 1 Leia Palma Caldeira 2 Resumo A utilização de jogos lúdicos auxilia o sujeito aprendente durante a construção de novas estruturas

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

O PAPEL DA MEDIAÇÃO FRENTE AO ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

O PAPEL DA MEDIAÇÃO FRENTE AO ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES O PAPEL DA MEDIAÇÃO FRENTE AO ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Fabiana Neves Bertolin 1 - UFPR Resumo Grupo de Trabalho Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não

Leia mais

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL.

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. RICOMINI, Ingrid da Silva; GIROTTO, Cyntía Graziella Guizelim Simões.

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Psicologia da Aprendizagem Carga Horária: 75h Teórica: 60 Prática: 00 Semestre: 2013.2 Professora: Rosilande Ribeiro Nunes Bandeira

Leia mais

12 Leitura, literatura e meio-ambiente: Amazônia, berço da vida, clama por consciência e esperança

12 Leitura, literatura e meio-ambiente: Amazônia, berço da vida, clama por consciência e esperança 12 Leitura, literatura e meio-ambiente: Amazônia, berço da vida, clama por consciência e esperança Tânia Maria Mandial Rosa 1 RESUMO Este artigo tem como propósito apresentar o projeto integrado Leitura,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana Introdução

Leia mais

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Ana Lúcia Silva Vargas 1 Ana Maria Lara Lopes 2 Resumo A aprendizagem de crianças de 7 a 10 anos nas séries

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL Ana Virgínia Carvalho Moreira * Emanuela Maciel Cariri dos Santos * Fabiana Sousa dos Anjos * Geovânio Alves da Silva * Jardel Britto Ferreira *

Leia mais

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL. Brasília DF, 05/2014

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL. Brasília DF, 05/2014 1 A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL Brasília DF, 05/2014 Camila Aparecida de Carvalho Universidade Católica de

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE ENSINO (OU DE UNIDADES DIDÁTICAS) CONFORME A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL ( * )

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE ENSINO (OU DE UNIDADES DIDÁTICAS) CONFORME A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL ( * ) A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE ENSINO (OU DE UNIDADES DIDÁTICAS) CONFORME A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL ( * ) José Carlos Libâneo Raquel A. M. da Madeira Freitas http://professor.ucg.br/sitedocente/home/disciplina.asp?key=5146&id=3552

Leia mais

AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA COLABORAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DA CRIANÇA RESUMO

AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA COLABORAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DA CRIANÇA RESUMO AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA COLABORAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DA CRIANÇA R. L. C. M./ Professora. CAIC 1 R. K. G. F./ Professor. UESPI 2 RESUMO O presente artigo trata-se de uma

Leia mais

A LEITURA E A ESCRITA NO COTIDIANO ESCOLAR: DESCOBERTAS, ENCANTOS E DESENCANTOS

A LEITURA E A ESCRITA NO COTIDIANO ESCOLAR: DESCOBERTAS, ENCANTOS E DESENCANTOS A LEITURA E A ESCRITA NO COTIDIANO ESCOLAR: DESCOBERTAS, ENCANTOS E DESENCANTOS Alessandra da Paixão de Jesus Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB alessandrav70@hotmail.com Lucinea Costa de Jesus

Leia mais

III Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul Porto Alegre 29 de novembro a 1º de dezembro de 2000.

III Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul Porto Alegre 29 de novembro a 1º de dezembro de 2000. III Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul Porto Alegre 29 de novembro a 1º de dezembro de 2000. PESQUISA COMO SUPERAÇÃO DA AULA COPIADA Lourdes Maria Bragagnolo Frison Faculdade Porto - Alegrense

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A CONSTRUÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL DA CRIANÇA NA VISÃO DE PIAGET E VYGOTSKY Por: Sheila Soares Rozenbaum Orientador

Leia mais

POSSIBILIDADES PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO HUMANO

POSSIBILIDADES PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO HUMANO POSSIBILIDADES PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO HUMANO Fábia Almeida Marinêz Alves 1 RESUMO: A construção do conhecimento humano alicerça-se nas experiências cultural e social do homem, a partir de sua

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

ABORDAGEM DA APRENDIZAGEM: EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E INCLUSÃO DO ALUNO AUTISTA.

ABORDAGEM DA APRENDIZAGEM: EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E INCLUSÃO DO ALUNO AUTISTA. ABORDAGEM DA APRENDIZAGEM: EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E INCLUSÃO DO ALUNO AUTISTA. Ana Lidia Felippe Guimarães Maria Judith Sucupira da Costa Lins Resumo: O presente artigo diz respeito a um ensaio referente

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais