Critério de Classificação Begônia Vaso.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critério de Classificação Begônia Vaso."

Transcrição

1 Critério de Classificação Begônia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre toda a cadeia de produção. Produtores, atacadistas, varejistas, consumidores precisam seguir os mesmos critérios para determinar a qualidade do produto. Assim, haverá mais transparência na comercialização, valorização do melhor produto, maior qualidade e maior consumo. 1. PADRÃO. São as características mensuráveis do produto. O Padrão é determinado pela uniformidade do lote. O lote de Begônia padronizado é aquele que possui 90% de uniformidade quanto à altura da planta, a formação do vaso e a quantidade de flores por vaso Altura da planta É determinado pelo tamanho da planta desde a borda do vaso até a média final das hastes florais (intervalo médio entre a primeira e a última flor). De acordo com tamanho do vaso, o produto classificado deverá apresentar a seguinte classificação de acordo com a época do ano seguindo a tabela abaixo: Padrão de VERÃO (Outubro a Maio) Padrão de INVERNO (Junho a Setembro) Tamanho do Vaso Altura da Planta Mínima Inverno Altura da Planta Mínima Verão Altura da planta Máxima Inverno-Verão Pote 11 (A1) A1 10 cm A1 15 cm A1 25 cm Pote 11 (A2) A2 8 cm A2 10 cm A2 27 cm Pote 15 (A1) A1 18 cm A1 22 cm A1 36 cm Pote 15 (A2) A2 15 cm A2 18 cm A2 40 cm Para a montagem do lote, recomenda-se ao produtor uma diferença de até 5,0 cm entre o vaso mais alto e o mais baixo para que não haja desuniformidade do lote quanto à altura. OBS: Nos pedidos de intermediação enviados com lotes mistos, será admitida uma maior variação de altura entre plantas. Uniformidade do lote

2 1.2. Formação da planta Refere-se ao aspecto e constituição da planta. O vaso de Begônia deverá apresentar suas mudas bem distribuídas para que haja uma formação compacta tanto para folhas como para as flores, sem falhas, de formato redondo e com as flores no mesmo nível. Plantas com Formação A1

3 Plantas com Formação A2 Plantas com Formação B (Produto Devolvido)

4 1.3. Quantidade de flores/vaso Refere-se à porcentagem com a qual o vaso se encontra coberto por flores abertas na hora da comercialização. Deverão estar bem distribuídos pelo vaso. De acordo com o tamanho do vaso, segue a tabela: Tamanho do Vaso Pote 11 (A1) Pote 11 (A2) Pote 15 (A1) Pote 15 (A2) Nº Flores Abertas Min. 07 flores em ponto de abertura Min. 5 flores em ponto de abertura Mín. 70 % da área do vaso com flores, sendo no mínimo 50 % destas flores em ponto de abertura. Mín. 50 % da área do vaso com flores, sendo no mínimo 50% destas flores em ponto de abertura. Pontos de Abertura (A1) (P11) (P11) (P11)

5 (P15) (P15) (P15) (P15) (P15) (P15) Pontos de Abertura (A2) (P11) (P11) (P11) (P15) (P15) (P15)

6 (P15) (P15) (P15) 2. QUALIDADE. É a ausência de defeitos. A categoria caracteriza a qualidade do lote, estabelecendo tolerâncias diferentes para os defeitos graves e leves. O produtor deverá eliminar os defeitos graves antes do embalamento, entretanto alterações que podem ocorrer no produto durante o processo de comercialização exigem o estabelecimento de tolerâncias aos defeitos graves que poderá se desenvolver durante o transporte ou depois que o produto já estiver nas mãos de clientes. Defeitos (Nº vasos/camada) Defeitos Graves A1 A2 Danos de doenças (antracnose, botrytis) PT 11 PT 15 Danos de pragas (mosca branca, ácaro) PT 11 PT 15 Até 3 Até 2 Defeitos Leves A1 A2 Queima por fitotoxidez (leve intensidade) PT 11 PT 15 Resíduo químico (leve intensidade) PT 11 PT 15 Plantas sem sustentação PT 11 PT 15 Dano mecânico PT 11 PT 15 Tab.- Tabela para determinação da categoria de qualidade de acordo com a tolerância aos defeitos 2.1. Defeitos Graves São aqueles que depreciam a aparência e desvalorizam a qualidade do produto, podendo aumentar de intensidade com o tempo, restringindo ou inviabilizando sua comercialização.

7 Danos de doenças. Danos de diferentes características causadas pela infecção de agentes patogênicos, com apodrecimento do tecido da flor ou folha. A tolerância é para sintoma leve e controlado da doença; Botrytis Antracnose Danos de pragas. Danos de diferentes características causadas pela infestação de insetos, ácaros e outros Defeitos Leves São aqueles que depreciam a qualidade, mas não evoluem com o tempo causando mudança na aparência até o destino final. Queima por fitotoxidez. Mancha de diferentes características decorrentes da toxidez, geralmente apresenta aspecto de queima nas bordas. Não tolerável na flor e até 10 % da área folhear da camada inferior; Resíduo químico leve. Manchas difusas leves que recobrem a epiderme dando um aspecto esbranquiçado à planta;

8 Haste mole. Falta de sustentação da planta pela altura ou volume de flor, chegando a amassar a embalagem; Danos mecânicos. Dano com rompimento ou deformação superficial da epiderme provocada por ação mecânica e que não prejudique o padrão da planta; 2. INFORMAÇÕES ADICIONAIS. É necessária a colocação de tutores para assegurar a estrutura e firmeza do vaso; Deixar um espaço de no mínimo de 10 cm entre a divisória do carrinho e a ponta da flor, para evitar danos mecânicos; A planta será avaliada sem a embalagem; Produtos com Classificação B não serão comercializados e serão devolvidos para o fornecedor. Departamento de Qualidade..

BEGÔNIA DE VASO. OBS: Nos pedidos de intermediação enviados com lotes mistos, será admitida uma maior variação de altura entre plantas.

BEGÔNIA DE VASO. OBS: Nos pedidos de intermediação enviados com lotes mistos, será admitida uma maior variação de altura entre plantas. BEGÔNIA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

IXORA DE VASO. Altura da planta É determinado pelo tamanho da planta desde a borda do vaso até a média final das hastes florais ou folhas.

IXORA DE VASO. Altura da planta É determinado pelo tamanho da planta desde a borda do vaso até a média final das hastes florais ou folhas. IXORA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

Critérios de Classificação Ixora.

Critérios de Classificação Ixora. Critérios de Classificação Ixora. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica

Leia mais

DIEFFENBACHIA DE VASO

DIEFFENBACHIA DE VASO DIEFFENBACHIA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

ZANTEDESCHIA (CALLA) DE VASO

ZANTEDESCHIA (CALLA) DE VASO ZANTEDESCHIA (CALLA) DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a

Leia mais

Critérios de Classificação Pimenta Ornamental.

Critérios de Classificação Pimenta Ornamental. Critérios de Classificação Pimenta Ornamental. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Critérios de Classificação Flor de Maio.

Critérios de Classificação Flor de Maio. Critérios de Classificação Flor de Maio. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Critério de Classificação Poensettia Vaso.

Critério de Classificação Poensettia Vaso. Critério de Classificação Poensettia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Critério de Classificação Gérbera - Pote 14.

Critério de Classificação Gérbera - Pote 14. Critério de Classificação Gérbera - Pote 14. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

CRAVO E CRAVÍNEA DE VASO

CRAVO E CRAVÍNEA DE VASO CRAVO E CRAVÍNEA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Critérios de Classificação Hortênsia Vaso.

Critérios de Classificação Hortênsia Vaso. Critérios de Classificação Hortênsia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Critério de Classificação Poensettia Vaso.

Critério de Classificação Poensettia Vaso. Critério de Classificação Poensettia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Critério de Classificação Spathiphyllum.

Critério de Classificação Spathiphyllum. Critério de Classificação Spathiphyllum. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

HORTÊNSIA DE VASO. Formação da Planta Refere-se ao aspecto e constituição da planta.

HORTÊNSIA DE VASO. Formação da Planta Refere-se ao aspecto e constituição da planta. HORTÊNSIA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Critério de Classificação Cymbidium Vaso.

Critério de Classificação Cymbidium Vaso. Critério de Classificação Cymbidium Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Critérios de Classificação Peperômia.

Critérios de Classificação Peperômia. Critérios de Classificação Peperômia. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica

Leia mais

Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga.

Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga. Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

PIMENTA ORNAMENTAL DE VASO

PIMENTA ORNAMENTAL DE VASO PIMENTA ORNAMENTAL DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

MANACÁ DA SERRA DE VASO

MANACÁ DA SERRA DE VASO MANACÁ DA SERRA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Critérios de Classificação Palmeira Chamaedorea.

Critérios de Classificação Palmeira Chamaedorea. Critérios de Classificação Palmeira Chamaedorea. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

FRUTÍFERAS DE VASO. Tamanho do Vaso Altura da Planta Mínima Altura da Planta Máxima. Pote cm 70 cm Pote 24, 27 e C32 60 cm Sem limite

FRUTÍFERAS DE VASO. Tamanho do Vaso Altura da Planta Mínima Altura da Planta Máxima. Pote cm 70 cm Pote 24, 27 e C32 60 cm Sem limite FRUTÍFERAS DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Critério de Classificação Curcuma Vaso.

Critério de Classificação Curcuma Vaso. Critério de Classificação Curcuma Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

VIOLETA DE VASO. Mín. de 08 flores abertas e demais botões

VIOLETA DE VASO. Mín. de 08 flores abertas e demais botões VIOLETA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

SCINDAPSUS, PHILODENDRO, SYNGÔNIO E JIBÓIA DE VASO

SCINDAPSUS, PHILODENDRO, SYNGÔNIO E JIBÓIA DE VASO SCINDAPSUS, PHILODENDRO, SYNGÔNIO E JIBÓIA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

MARANTAS, CALATHEAS, CTENANTHES E STOMANTHES DE VASO

MARANTAS, CALATHEAS, CTENANTHES E STOMANTHES DE VASO MARANTAS, CALATHEAS, CTENANTHES E STOMANTHES DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

ANTÚRIO DE VASO. Tamanho do Vaso Altura Mínima da Planta Altura Máxima da Planta

ANTÚRIO DE VASO. Tamanho do Vaso Altura Mínima da Planta Altura Máxima da Planta ANTÚRIO DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

CRAVO E CRAVO SPRAY DE CORTE

CRAVO E CRAVO SPRAY DE CORTE CRAVO E CRAVO SPRAY DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a

Leia mais

BOCA DE LEÃO DE CORTE

BOCA DE LEÃO DE CORTE BOCA DE LEÃO DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Critério de Classificação Crisântemo Corte.

Critério de Classificação Crisântemo Corte. Critério de Classificação Crisântemo Corte. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo.

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo. ROSA DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

PHALAENOPSIS DE VASO (PT 15)

PHALAENOPSIS DE VASO (PT 15) PHALAENOPSIS DE VASO (PT 15) Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a

Leia mais

Critério de Classificação Gérbera Corte.

Critério de Classificação Gérbera Corte. Critério de Classificação Gérbera Corte. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Critério de Classificação Folhagem Corte.

Critério de Classificação Folhagem Corte. Critério de Classificação Folhagem Corte. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Critério de Classificação Jibóia Potes Grandes.

Critério de Classificação Jibóia Potes Grandes. Critério de Classificação Jibóia Potes Grandes. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

LÍRIO DE VASO. Altura da haste É determinado a partir da borda do vaso até a ponta do último botão inserido na haste principal.

LÍRIO DE VASO. Altura da haste É determinado a partir da borda do vaso até a ponta do último botão inserido na haste principal. LÍRIO DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

Critério de Classificação Phalaenopsis Mini, Midi e Multiflora Vaso.

Critério de Classificação Phalaenopsis Mini, Midi e Multiflora Vaso. Critério de Classificação Phalaenopsis Mini, Midi e Multiflora Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação

Leia mais

Critério de Classificação Phalaenopsis Vaso.

Critério de Classificação Phalaenopsis Vaso. Critério de Classificação Phalaenopsis Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Critério de Classificação Orquídeas Variadas.

Critério de Classificação Orquídeas Variadas. Critério de Classificação Orquídeas Variadas. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso.

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Critérios de Classificação Palmeira Geral.

Critérios de Classificação Palmeira Geral. Critérios de Classificação Palmeira Geral. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Critério de Classificação Flor do Campo.

Critério de Classificação Flor do Campo. Critério de Classificação Flor do Campo. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

EFEITO DOS SUBSTRATOS ORGÂNICOS SOBRE O POTENCIAL ORNAMENTAL DAS CULTIVARES DE PIMENTA PIRÂMIDE E VULCÃO (Capsicum sp.)

EFEITO DOS SUBSTRATOS ORGÂNICOS SOBRE O POTENCIAL ORNAMENTAL DAS CULTIVARES DE PIMENTA PIRÂMIDE E VULCÃO (Capsicum sp.) EFEITO DOS SUBSTRATOS ORGÂNICOS SOBRE O POTENCIAL ORNAMENTAL DAS CULTIVARES DE PIMENTA PIRÂMIDE E VULCÃO (Capsicum sp.) Raquel Maria da Conceição(1); Laiane Firmo de Lima (2); Danilo Dantas da Silva (3);

Leia mais

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, ACONDICIONAMENTO, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO TOMATE.

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, ACONDICIONAMENTO, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO TOMATE. NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, ACONDICIONAMENTO, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO TOMATE. 1.OBJETIVO Esta Norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, acondicionamento, embalagem

Leia mais

SELO DE QUALIDADE DA GRAMA: UMA PROPOSTA

SELO DE QUALIDADE DA GRAMA: UMA PROPOSTA SELO DE QUALIDADE DA GRAMA: UMA PROPOSTA Prof. Dr. Roberto Lyra Villas Bôas Prof. Dr. Leandro Jose Grava de Godoy Botucatu Maio/2010 Conceito de qualidade Conjunto de características que compõe o produto

Leia mais

ATO Nº 4, DE 24 DE OUTUBRO DE 2007 ANEXO I

ATO Nº 4, DE 24 DE OUTUBRO DE 2007 ANEXO I ATO Nº, DE DE OUTUBRO DE 00 ANEXO I INSTRUÇÕES PARA EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DE BEGÔNIA REX E SEUS HÍBRIDOS (Begonia rex-hybrid) I. OBJETIVO

Leia mais

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana Tecnologias para Produção de Citros na Propriedade de Base Familiar 63 7. Manejo de pragas Dori Edson Nava A cultura dos citros possui no Brasil mais de 50 espécies de artrópodes-praga, das quais pelo

Leia mais

AGREGADO... REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO TOMATE (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 99/94)

AGREGADO... REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO TOMATE (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 99/94) AGREGADO... MERCOSUL/XXVII SGT Nº 3/P. RES. Nº 01/07 Rev.1 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO TOMATE (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 99/94) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria NBR 7170/1983 Tijolo maciço cerâmico para alvenaria OBJETIVO: Fixar condições no recebimento de tijolos maciços cerâmicos destinados a obras de alvenaria, com ou sem revestimento; DEFINIÇÕES: 1. Tijolo

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim SACRAL - CONCAVE Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann

Leia mais

Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil

Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida Engenheiro Agrônomo, Dr. Centro de Qualidade em Horticultura - CEAGESP Centro de Qualidade em Horticultura TENDÊNCIAS

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. ATO No- 3, DE 24 DE MARÇO DE 2016

SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. ATO No- 3, DE 24 DE MARÇO DE 2016 SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ATO No- 3, DE 24 DE MARÇO DE 2016 Em cumprimento ao disposto no 2, do art. 4º, da Lei n 9.456, de 25 de abril de

Leia mais

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6 Número: EEM 80998 Rev.: 0 Fl. 1/6 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 00 06/10/2015 Emissão inicial em substituição a especificação EEM 80998 Rev07 Gerson Andreoti Coordenador CQ Mário Alonso

Leia mais

Regras para uso da pista de grama (atualizado em 28/7/15)

Regras para uso da pista de grama (atualizado em 28/7/15) Regras para uso da pista de grama (atualizado em 28/7/15) 1. INTRODUÇÃO Visando o melhor aproveitamento da pista de grama do Jockey Club Brasileiro, estamos apresentando as normas que achamos de extrema

Leia mais

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Leia mais

N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O

N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O ISSN 2237-6666 V. 12 N.1 2014 Repolho Brassica oleracea var. capitata L. Brassica oleracea var. sabauda L. PROGRAMA DE ADESÃO VOLUNTÁRIA 9 772237 666007 > N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O Classificação

Leia mais

a. METODOLOGIA DE MEDIÇÃO

a. METODOLOGIA DE MEDIÇÃO JOCKEY CLUB SÃO PAULO NORMAS DE USO PISTA DE GRAMA MARÇO 2014 1. INTRODUÇÃO Visando o melhor aproveitamento da pista de grama do Jockey Club São Paulo estamos apresentando as normas que achamos de extrema

Leia mais

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Introdução: A qualidade da fibra do algodão é influenciada direta e

Leia mais

REGULAMENTO. 2.1 Cada concorrente deverá preencher na totalidade a Ficha de Inscrição (Anexo I)

REGULAMENTO. 2.1 Cada concorrente deverá preencher na totalidade a Ficha de Inscrição (Anexo I) REGULAMENTO Podem ser apresentados a concurso os Azeites Virgem Extra de produtores individuais, de associações de produtores, de cooperativas e de empresas de embalamento devidamente registadas. 1 AZEITES

Leia mais

OCORRÊNCIA E INFESTAÇÃO DE Diatraea saccharalis (FABRICIUS, 1794) (LEPIDOPTERA: CRAMBIDAE) EM SALTO DO JACUÍ - RS 1

OCORRÊNCIA E INFESTAÇÃO DE Diatraea saccharalis (FABRICIUS, 1794) (LEPIDOPTERA: CRAMBIDAE) EM SALTO DO JACUÍ - RS 1 OCORRÊNCIA E INFESTAÇÃO DE Diatraea saccharalis (FABRICIUS, 1794) (LEPIDOPTERA: CRAMBIDAE) EM SALTO DO JACUÍ - RS 1 STACKE, Regis F. 4 ; GUEDES, Jerson V. C. 2 ; STEFANELO, Lucas da S. 4 ; TOMAZI, Bruno

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO.

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO. CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO Revisão I 04/10/2006 ELETROBRÁS/PROCEL DPS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ESTUDOS

Leia mais

Número: EEM Rev.: 2 Fl. 1/14

Número: EEM Rev.: 2 Fl. 1/14 Número: EEM-80779 Rev.: 2 Fl. 1/14 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 0 06/06/2013 1 15/07/2013 Emissão Inicial, em substituição ao documento EEM80779 revisão 14. Alteração das CPC s 80767

Leia mais

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica pro-t Perfil de transição entre pavimentos. Lâmina de metal em forma de T que se insere na junta de separação de dois pavimentos diferentes, permitindo cobrir ligeiras diferenças de altura.

Leia mais

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS O QUE SÃO AS MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS? POSICIONAMENTO TÉCNICO COERENTE E CONSISTENTE Dessecação antecipada e uso de inseticidas para manejo de pragas residentes

Leia mais

O conteúdo desse procedimento é válido para o Laboratório do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros.

O conteúdo desse procedimento é válido para o Laboratório do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros. PRI 638/326 DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE VOLUMÉTRICA DE SACOS PARA ACONDICIONAMENTO DE LIXO REVISÃO 03 PÁGINA 1 DE 8 INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS DOCUMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação

Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação Seminário Desenvolvimento e Avaliação de Embalagens de Transporte e Distribuição Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação Eng. Tiago B. H. Dantas Pesquisador - CETEA O que é Dimensionamento

Leia mais

Escalas. Análise Sensorial. Prof ª Drª Janaína Fernandes de Medeiros Burkert

Escalas. Análise Sensorial. Prof ª Drª Janaína Fernandes de Medeiros Burkert Escalas Análise Sensorial Prof ª Drª Janaína Fernandes de Medeiros Burkert Utilização de números ou palavras para expressar a intensidade de um determinado atributo Escalas: tornam os testes sensoriais

Leia mais

CVC. É comum o citricultor confundir os sintomas da CVC com deficiência de zinco ou sarampo.

CVC. É comum o citricultor confundir os sintomas da CVC com deficiência de zinco ou sarampo. CVC A Clorose Variegada dos Citros (CVC), conhecida como amarelinho, é uma doença causada pela bactéria Xylella fastidiosa, que atinge todas as variedades comerciais de citros. Restrita ao xilema (tecido

Leia mais

Rhynchophorus Ferrugineus* * Olivier, o inseto que destrói as nossas palmeiras.

Rhynchophorus Ferrugineus* * Olivier, o inseto que destrói as nossas palmeiras. Rhynchophorus Ferrugineus* * Olivier, o inseto que destrói as nossas palmeiras. O INSETO QUE DESTRÓI AS NOSSAS PALMEIRAS O Escaravelho Rhynchophorus Ferrugineus (Olivier) vulgarmente conhecido por escaravelho

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) Antropometria estática - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais, estando o indivíduo em posição estática; Antropometria dinâmica refere-se

Leia mais

SENSOMETRIA. Adilson dos Anjos. Curitiba, PR 31 de março de Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná

SENSOMETRIA. Adilson dos Anjos. Curitiba, PR 31 de março de Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná SENSOMETRIA Adilson dos Anjos Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná aanjos@ufpr.br Curitiba, PR 31 de março de 2015 1 / 24 SENSOMETRIA Métodos Discriminativos Tipos de escalas 2 /

Leia mais

CABO ÓPTICO SPEED STAR DROP FIGURA 8

CABO ÓPTICO SPEED STAR DROP FIGURA 8 ILUSTRAÇÃO Elemento de Sustentação Capa Externa Loose Tube Geléia Fio de Rasgamento (Rip Cord) Elemento de tração Fibra Óptica - Sem escala - Figura Ilustrativa - ELEMENTOS DO CABO Capa de Proteção Externa:

Leia mais

GTMMI, Lda. Condições Gerais de Venda

GTMMI, Lda. Condições Gerais de Venda GTMMI, Lda. Condições Gerais de Venda Estas Condições Gerais de Venda anulam automaticamente todas as anteriores. EXCEPTO QUANDO EXPRESSAMENTE ACORDADO EM CONTRÁRIO POR ESCRITO, TODAS AS VENDAS ESTÃO SUJEITAS

Leia mais

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção)

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Administração Geral e Aplicada Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Eduardo Alves Portela Santos

Leia mais

PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA

PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA SETH OSEI-AKOTO DIRETÓRIO DE SERVIÇOS DA COLHEITA MINISTÉRIO DOS ALIMENTOS E DA AGRICULTURA GANA E-mail: oakoto2012@gmail.com

Leia mais

2 - Considerações a respeito do projeto

2 - Considerações a respeito do projeto 2 - Considerações a respeito do projeto A resistência mecânica de peças de aço fundido depende inicialmente de: - composição química; - resistência real do metal fundido, em função da espessura das peças;

Leia mais

POLÍTICA DE TROCA. O desejo de cancelamento deve ser imediatamente comunicado à Hermitex Uniformes Executivos, seguindo as seguintes regras:

POLÍTICA DE TROCA. O desejo de cancelamento deve ser imediatamente comunicado à Hermitex Uniformes Executivos, seguindo as seguintes regras: POLÍTICA DE TROCA Com o objetivo de atender plenamente aos clientes da Hermitex Uniformes Executivos em nossa loja virtual, estabelecemos uma Política de Troca e Devolução de acordo com as necessidades

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

Suporte de Suspensão de Cabo Óptico

Suporte de Suspensão de Cabo Óptico Suporte de Suspensão de Cabo Óptico 1 - APLICAÇÃO: 1.1 - Produto desenvolvido de forma a proporcionar aplicação e sustentação de até 2 cabos ópticos aéreos CFOA, em vãos máximos de 200,0 metros, para diâmetros

Leia mais

RDC , BPF, HACCP, ISO 14001, ISO

RDC , BPF, HACCP, ISO 14001, ISO Descupinização A BIOMAX é especializada no Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas em indústrias de alimentos, medicamentos e embalagens, centros comerciais (shoppings), em redes hoteleiras e hospitalares

Leia mais

Gráficos de Barra e de Pareto Gráficos de Linha

Gráficos de Barra e de Pareto Gráficos de Linha Gráficos de Gerenciamento da Qualidade 1 Gráficos de Barra e de Pareto Gráficos de Linha Bibliografia e Gráficos Larry Ritzman Planejamento de Operações Logísticas Isnard Martins O gráfico de Pareto é

Leia mais

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE SUMÁRIO 1. Conceitos...3 2. Embasamento legal e agentes...4 3. Equipamentos de Proteção Individual...8 4. Normas Regulamentadoras...9 5. Sinopse...10 2 1. CONCEITOS ADICIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

NOVOS PORCELLANATOS GRIP e GRIP PLUS. Mais opções para áreas que exigem produtos com maior resistência ao escorregamento

NOVOS PORCELLANATOS GRIP e GRIP PLUS. Mais opções para áreas que exigem produtos com maior resistência ao escorregamento e GRIP PLUS Mais opções para áreas que exigem produtos com maior resistência ao escorregamento A Incepa apresentou em primeira mão na Revestir 2014 os porcellanatos com acabamento GRIP e GRIP PLUS. Além

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE PAPEL/CARTÃO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE PAPEL/CARTÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA A RETOMA DE (EXCEPTO ECAL) 1. OBJECTIVO Metodologia aplicável na retoma da matéria-prima papel/cartão, seu controlo e critérios de aceitação e/ou rejeição, para posterior reciclagem.

Leia mais

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/5

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/5 Número: EMP 82501 Rev.: 0 Fl. 1/5 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 00 26/07/2016 Emissão inicial. Robson Rodrigues Qualidade do Material Mário César Engenharia de Produto Número: EMP 82501

Leia mais

MURFOR Reforço de aço para alvenaria

MURFOR Reforço de aço para alvenaria Aços Longos MURFOR Reforço de aço para alvenaria Murfor : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos ARCE1109-0218_Folheto_Murfor_21x28cm.indd 2 MURFOR Reforço de aço para alvenaria Murfor é uma treliça

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um grupo

Leia mais

Oroplus FILMES PLASTICOS PARA COBERTURA DE VIDEIRAS

Oroplus FILMES PLASTICOS PARA COBERTURA DE VIDEIRAS Oroplus FILMES PLASTICOS PARA COBERTURA DE VIDEIRAS Oroplus Resistência Mecânica Proteção contra chuva e granizo Alta transmissão de luz Resistência aos raios ultravioletas Difusão de luz: Fotoseletividade:

Leia mais

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP 24 de novembro de 2015 Frutas e hortaliças frescas

Leia mais

O que é o Bicho-Furão. Prejuízos

O que é o Bicho-Furão. Prejuízos O que é o Bicho-Furão Uma praga cuja lagarta ataca os frutos das plantas cítricas, provocando queda e apodrecimento, tornando-os impróprios tanto para o consumo in natura quanto para o processamento pela

Leia mais

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Refletivo Prata 8910 Descrição O Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata 8910 foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança e em roupas

Leia mais

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação.

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação. Produto VEDACIT RÁPIDO CL proporciona rápido endurecimento e resistências iniciais ao cimento. Não deve ser usado em concretos estruturais armados e nem em argamassas armadas. Características Densidade:

Leia mais

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Este documento de procedimentos de processo de fabrico é distribuído a todos os colaboradores com responsabilidades a nível de operação de mistura. Todos os trabalhadores envolvidos na operação de mistura

Leia mais

Problemas típicos com a indicação de posição em válvulas de acionamento manual Eduardo de Oliveira 1

Problemas típicos com a indicação de posição em válvulas de acionamento manual Eduardo de Oliveira 1 Problemas típicos com a indicação de posição em válvulas de acionamento manual Eduardo de Oliveira 1 Assunto O presente artigo tem por objetivo descrever os problemas típicos para proceder à indicação

Leia mais

SPECIALTY COFFEE ASSOCIATION OF AMERICA

SPECIALTY COFFEE ASSOCIATION OF AMERICA METODOLOGIA SCAA DE AVALIAÇÃO DE CAFÉS ESPECIAIS GUIA RÁPIDO GREEN COFFEE 1. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS a. Avaliação Objetiva: qualidade quantificada, com escala decimal de zero a cem pontos SCAA. b. Metodologia

Leia mais

AULA FMEA FABIANO DROZDA

AULA FMEA FABIANO DROZDA AULA FMEA FABIANO DROZDA 1 Failure Modes Effects Analysis (FMEA) is used during the development of new products and processes to identify, control and eliminate the causes of failure, while mitigating

Leia mais

MESA PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO (Regulável em altura por sistema de pinos)

MESA PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO (Regulável em altura por sistema de pinos) UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) MESA PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO (Regulável

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA CLASSIFICAÇÃO DA MADEIRA AULA 2 EDER BRITO Classificação das árvores Pela Botânica as árvores são classificadas como vegetais superiores, denominados de fanerógamas, que apresentam

Leia mais