ESTUDO E OTIMIZAÇÃO DE PLANTA DE COGERAÇÃO INDUSTRIAL PARA APROVEITAMENTO DE GÁS POBRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO E OTIMIZAÇÃO DE PLANTA DE COGERAÇÃO INDUSTRIAL PARA APROVEITAMENTO DE GÁS POBRE"

Transcrição

1 ESTUDO E OTIMIZAÇÃO DE PLANTA DE COGERAÇÃO INDUSTRIAL PARA APROVEITAMENTO DE GÁS POBRE Diego Costa Lopes Esola Politénia da USP - EPUSP Resumo. O projeto onsiste no estudo de uma planta industrial de ogeração, que gera energia e produz vapor para proesso, utilizando omo ombustível o tail gas, gás pobre que é rejeito do proesso de produção de negro de fumo. Também faz parte do projeto a otimização desta planta, visando uma menor utilização de ombustível e maior rendimento do ilo. Uma análise de viabilidade ténio-eonômia será efetuada levando em onsideração a utilização de um ilo Rankine tradiional, Brayton e ilo ombinado. Palavras have: ogeração, termodinâmia, energia, gás pobre. 1. Introdução Uma planta de ogeração onsiste, basiamente, da geração de trabalho e alor útil provenientes de uma mesma fonte térmia. Em outras palavras, uma planta de ogeração produz energia elétria e vapor para proesso, a partir de um mesmo insumo ou onjunto de insumos energétios. É intuitivo, e omprovado na prátia, que a utilização da ogeração para atender a ambas as demandas simultaneamente resulta em uma utilização menor de energia, se omparada om o atendimento a estas mesmas demandas separadamente. As plantas de ogeração vêm sendo extensivamente estudadas no ramo industrial nos últimos anos. A neessidade ada vez maior de uma utilização raional da energia, influeniada pela resente preoupação om o meio ambiente e pelos altos preços dos ombustíveis derivados de petróleo após a déada de 70, forçou a indústria a busar maneiras de otimizar suas plantas, utilizar rejeitos térmios omo insumo energétio, e interligar os proessos de produção de energia elétria e vapor. Entretanto, as primeiras apliações de ogeração não são reentes. James Watt, no séulo XVIII, sugeriu que o vapor de exaustão de sua máquina a vapor fosse utilizado para aqueimento residenial. Tão onveniente foi esta solução, que hoje na Europa ela ainda é largamente utilizada, em espeial nos países om inverno mais rigoroso. Horlok (1997) estima que a utilização de rejeito térmio de plantas de ogeração para aqueimento distrital atende entre 8% e 15% da arga térmia total em países omo Dinamara, Suéia e Finlândia. A planta de ogeração a ser estudada opera em onjunto om uma unidade de produção de negro de fumo. O negro de fumo é um material similar à fuligem, produzido pela ombustão sub-estequiométria de óleos pesados, alatrão e alguns óleos vegetais, e é utilizado prinipalmente omo pigmento e omo reforço em produtos fabriados om borraha e plástios. A produção deste material tem omo sub-produto grandes quantidades de tail gas, um gás pobre omposto de uma mistura de gases inflamáveis e inertes. Este gás é usualmente queimado em flares nas plantas de negro de fumo, portanto desperdiçando potenial energétio onsiderável. A planta de ogeração que é objeto deste estudo foi projetada, portanto, para aproveitar este gás pobre para geração de energia elétria, utilizada na própria planta, e vapor, que é vendido para outras plantas exeto por uma pequena quantidade, utilizada internamente. Um estudo ompleto desta planta (que opera utilizando um ilo Rankine tradiional) será efetuado. O objetivo iniial do estudo é obter as troas de alor efetuadas e potênia elétria gerada, a fim de determinar os rendimentos energétios e exergétios. Após esta fase iniial, serão analisadas modifiações a serem implementadas na planta, visando melhorar estes rendimentos e diminuir ustos de operação. As modifiações a serem propostas inluem a substituição do ilo Rankine em operação por um ilo Brayton ou ilo ombinado, além da utilização de ombustíveis adiionais e alterações na estrutura da planta. Por fim, uma análise de viabilidade ténia-eonômia será feita, busando esolher a onfiguração da planta que melhor atende aos requisitos de geração de energia elétria e demanda de vapor. 2. Desrição da planta Na Fig. (1) é mostrado um fluxograma da planta estudada, detalhando o funionamento do ilo. Os losangos numerados representam os estados de interesse para os balanços de massa, energia e exergia da planta. Os hexágonos identifiam as válvulas de ontrole presentes no ilo. O funionamento da planta é similar aos ilos Rankine tradiionais. Vapor superaqueido é expandido na turbina, ondensado e bombeado até o onjunto de desaerador e tanque de ondensado. O desaerador também reebe ondensado dos proessos 1 e 2, além de retorno da água de resfriamento e vapor proveniente do troador de alor indiado entre os estados 16 e 17, que é um aqueedor do ar de ombustão. O ondensado proveniente do desaerador é bombeado até a aldeira, que produz vapor saturado. Parte deste vapor é desviada até o aqueedor do ar de ombustão. O restante é enviado para os proessos 1 e 2, e para a turbina, fehando o ilo. Na Tab. (1) são forneidos os parâmetros de operação para os estados numerados na figura.

2 Figura 1. Fluxograma da planta atual detalhando o ilo. Tabela 1. Parâmetros do proesso. Estado Pressão Temperatura Vazão Mássia bara K kg/h 1 46, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,5 4306

3 Adiionalmente, são forneidos os seguintes dados do ombustível e do funionamento da aldeira e turbina: Tabela 2. Consumo e dados energétios e exergétios do ombustível. Dados do ombustível PCI do tail gas kj/kg 2259 Exergia químia do tail gas kj/kg 2460 Tabela 3. Efiiênias da aldeira, superaqueedor e turbina. 3. Metodologia Dados dos equipamentos Efiiênia da aldeira Ad. 0,790 Efiiênia do superaqueedor Ad. 0,790 Efiiênia isoentrópia da turbina Ad. 0,789 A fim de determinar os balanços de massa, energia e exergia do ilo e de seus elementos individuais, serão utilizadas a primeira e segunda lei da termodinâmia (Van Wylen et al., 2003) e os ritérios de avaliação de plantas de ogeração (Horlok, 1997). Para a adoção deste onjunto de equações a hipótese de esoamento em regime permanente foi adotada, assim omo foi desprezada a atuação das energias inétia e potenial. Equação da ontinuidade: = s m me (1) Primeira lei da termodinâmia para um volume de ontrole: Q v. W v.. m s me. = hs he (2) Balanço de exergia para um volume de ontrole: T = 0 W v 1 Q v+ m e e m sψ s T0 S ger Ti ψ (3) Após os álulos individuais para ada equipamento, é possível obter os oefiientes de desempenho da planta. Fator de utilização de energia: FUE W + Qútil = (4) m PCI Rendimento de segunda lei: Ψ = + Q i 1 W m ψ To T i (5) Índie de Poupança de Energia:

4 IPE = 1 m PCI (6) η W pot _ padrão Q + η útil ald _ padrão Índie de Geração de Potênia: IGP Q útil PCI ηald m W = (7) Razão Potênia-Calor: RPC W = (8) Q útil onde: he - entalpia do estado de entrada (kj/kg); h - entalpia do estado de saída (kj/kg); s m - fluxo mássio de ombustível (kg/s); m e - fluxo mássio que penetra o volume de ontrole (kg/s); m s - fluxo mássio que deixa o volume de ontrole (kg/s); PCI - Poder alorífio inferior do ombustível (kj/kg); Q i - potênia térmia útil individual (kw); Q útil - potênia térmia útil total produzido pela planta (kw); Q v.. - fluxo de alor que ultrapassa o volume de ontrole (kw); T - temperatura na qual o alor é forneido (K); i T - temperatura do estado de referênia (K); 0 T S 0 ger - exergia destruída (kw); W - potênia gerada na planta (kw); W v.. - potênia no volume de ontrole (kw); ψ - exergia do estado de entrada (kj/kg); e ψ - exergia do estado de saída (kj/kg); s ψ - exergia químia do ombustível (kj/kg); η - rendimento de uma planta de potênia padrão; pot _ padrão η ald _ padrão - rendimento de uma aldeira padrão; η ald - rendimento da aldeira da planta;

5 Os balanços de energia e exergia nos forneem as troas de alor, potênia gerada e irreversibilidades em ada equipamento, enquanto que os oefiientes de desempenho permitem uma análise omparativa do ilo, a fim de ataar eventuais inefiiênias om maior lareza. 4. Análise da planta As propriedades termodinâmias de interesse foram obtidas por simulação numéria utilizando a formulação padrão para a indústria (IFC-97). Os resultados são apresentados abaixo. Tabela 4. Resultados do balanço de energia. Balanços de energia Potênia gerada pela turbina MW 4,52 Calor rejeitado no ondensador MW -13,18 Calor forneido na aldeira MW 61,62 Calor forneido no superaqueedor MW 9,30 Calor útil para o proesso 1 MW 33,25 Calor útil para o proesso 2 MW 1,41 Potênia total de bombeamento kw 146,90 Tabela 5. Coefiientes de desempenho da planta. 5. Alternativas Coefiientes de desempenho Fator de Utilização de Energia 0,5505 Índie de Poupança de Energia -0,2494 Índie de Geração de Potênia 0,1650 Razão Potênia-Calor 0,1287 O objetivo prinipal deste estudo é a melhoria da planta em questão, que apresenta sérias inefiiênias. Para alançar este objetivo, são propostas três alternativas de onfiguração da planta, desritas abaixo: 5.1. Alternativa A Cilo Rankine Modifiado Esta alternativa prevê apenas a remoção das fontes de inefiiênia da planta original. As válvulas de ontrole foram eliminadas, e o vapor de proesso é parialmente expandido na turbina para aumentar a geração de potênia elétria. O fluxograma é apresentado abaixo: Figura 2. Fluxograma do Cilo Rankine Modifiado

6 Tabela 6. Parâmetros do ilo Rankine Modifiado. Estado Pressão Temperatura Vazão Mássia bara K kg/h 1 46, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Alternativa B Cilo Brayton Esta alternativa prevê a geração de potênia por uma turbina a gás alimentada pelo mesmo ombustível das alternativas anteriores. O vapor de proesso neessário é obtido através da reuperação de alor dos gases exaustos da turbina. Cuidados devem ser tomados devido ao fato de que o gás a ser queimado é um gás pobre, portanto o ompressor do ombustível deve ser de um maior porte. A temperatura dos gases na saída da âmara de ombustão é menor pelo mesmo motivo, portanto um menor exesso de ar é neessário. O fluxograma é apresentado abaixo: Figura 3. Fluxograma do Cilo Brayton Tabela 7. Parâmetros do ilo Brayton Estado Pressão Temperatura Vazão Mássia bara K kg/h 1 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

7 5.3. Alternativa C Cilo Combinado No ilo ombinado, o vapor gerado na aldeira de reuperação é utilizado também para a geração de potênia. Essa planta deve ter um porte maior, justamente para omportar a maior vazão de gases exaustos da turbina a gás. O fluxograma é apresentado abaixo: Figura 4. Fluxograma do Cilo Combinado. Tabela 8. Parâmetros do Cilo Combinado. 6. Resultados Estado Pressão Temperatura Vazão Mássia bara K kg/h 1 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Abaixo são apresentadas as tabelas resumindo os dados enontrados para ada alternativa:

8 Tabela 6. Resultados do Cilo Rankine Modifiado. Tabela 7. Resultados do Cilo Brayton. Alternativa A Fator de Utilização de Energia Ad. 0,6277 Índie de Poupança de Energia Ad. -0,0417 Índie de Geração de Potênia Ad. 0,3168 Razão Potênia-Calor Ad. 0,2094 Potênia útil gerada MW 7,95 Calor útil gerado MW 37,97 Combustível onsumido kg/s 32,38 Investimento neessário kr$ Luro operaional kr$ Taxa interna de retorno % 10,80% Alternativa B Fator de Utilização de Energia Ad. 0,7703 Índie de Poupança de Energia Ad. 0,3323 Índie de Geração de Potênia Ad. 0,6190 Razão Potênia-Calor Ad. 0,9397 Potênia útil gerada MW 31,25 Calor útil gerado MW 33,25 Combustível onsumido kg/s 37,06 Investimento neessário kr$ Luro operaional kr$ Taxa interna de retorno % 24,46% Tabela 8. Resultados do Cilo Combinado. 7. Análise dos Resultados Alternativa C Fator de Utilização de Energia Ad. 0,6286 Índie de Poupança de Energia Ad. 0,2414 Índie de Geração de Potênia Ad. 0,5092 Razão Potênia-Calor Ad. 1,5845 Potênia útil gerada MW 52,22 Calor útil gerado MW 37,97 Combustível onsumido kg/s 69,10 Investimento neessário kr$ Luro operaional kr$ Taxa interna de retorno % 8,12% Com todos os resultados relevantes apresentados, é possível fazer uma análise dos mesmos 7.1. Cilo Rankine Modifiado É fáil observar que o funionamento da planta é signifiativamente melhorado om estas modifiações bastante simples. O Fator de Utilização de Energia sobe de 55,05% para 62,76%, um aumento relativo de 14,00%. Mais importante, o Índie de Poupança de Energia passou de -25,43% para -4,17%. Isto implia diretamente em uma redução do onsumo de ombustível espeifio por kilowatt de energia útil gerada. O rendimento de segunda lei do ilo também passa de 24,47% para 34,14%, um aumento relativo de 39,49%. Todas estas melhorias são onseqüênia da melhor utilização do vapor de saída da aldeira, que na onfiguração anterior era parialmente expandido em várias válvulas de ontrole, diminuindo assim a efiiênia do ilo, e da expansão parial do vapor do proesso, que é responsável por 34% da nova potênia gerada. Entretanto, é fáil onstatar que a planta ainda é inefiiente, e existiria o espaço para melhorias onsideráveis nos aspetos térmios da planta.

9 A grande vantagem desta alternativa é o baixo investimento neessário, devido ao fato de ser neessária a aquisição de uma nova turbina a vapor apenas. A taxa interna de retorno de 10,80% é sufiientemente alta para justifiar este investimento Cilo Brayton Com o ilo Brayton, obtiveram-se os melhores resultados, tanto ténios quanto eonômios. O rendimento de primeira lei de 77,03% é exelente em omparação om as outras alternativas, enquanto que o índie de eonomia de energia de 33,23% india que esta planta efetivamente eonomiza ombustível em omparação om a geração de potênia e vapor em ilos separados. O investimento a ser feito é alto, entretanto o aumento expressivo no luro operaional justifia este investimento, o que é denuniado pela taxa interna de retorno alta, valendo 24,46%. O ponto negativo desta alternativa é a retirada do vapor do proesso 2. Por ter uma vazão baixa, a implementação de um segundo nível de pressão na aldeira de reuperação não faria sentido do ponto de vista eonômio, pois exigiria um investimento onsiderável, sendo mais rentável gerar esta baixa vazão de vapor em uma aldeira tradiional Cilo Combinado O desempenho do ilo Combinado fiou abaixo do esperado. O rendimento de primeira lei é apenas de 62,86%, muito similar ao rendimento do ilo Rankine modifiado. Existe uma eonomia de energia signifiativa de 24,14%, devido a maior geração de potênia em omparação ao alor útil. Entretanto, tanto os aspetos ténios quanto os eonômios (taxa interna de retorno de 8,12%) estão abaixo do que era esperado. Existem vários motivos para este baixo desempenho. Devido a neessidade de aqueer o vapor até uma temperatura de 400 C, a vazão mássia de gases exaustos da turbina preisa ser maior. O onsumo de ombustível aumenta em 86% em omparação ao ilo Brayton, entretanto existe um aumento de 67% na potênia líquida da turbina a gás, devido à mudança na razão de ompressão. Mesmo se as razões de ompressão fossem idêntias, ainda assim este ilo seria inefiiente, pois o alor útil gerado é o mesmo, e há um arésimo de apenas 8 MW gerados na turbina a vapor. Havendo liberdade maior para a modifiação de alguns parâmetros da planta, possivelmente o desempenho do ilo ombinado seria melhor, em espeial a modifiação da pressão de alta no ilo de vapor. Entretanto, isto impliaria em uma substituição de pratiamente todo o ilo de vapor, e devido ao alto investimento para uma planta de pequeno porte, ela não foi onsiderada. 8. Conlusões Neste presente trabalho foi efetuada uma análise ompleta do funionamento de uma planta de ogeração real em operação. Constatadas as inefiiênias da planta, foram analisadas três alternativas de melhoria para a mesma, variando desde pequenas modifiações na planta existente, até a substituição total do proesso de funionamento. Feitas as análises ténias, um estudo eonômio foi feito, om o objetivo de omparar os dados ténios e finaneiros e esolher a melhor alternativa de otimização. A opção esolhida para a implementação na planta em questão foi a substituição do ilo presente por um ilo Brayton om aldeira de reuperação. Tanto em aspetos ténios quanto eonômios esta alternativa se demonstrou a melhor dadas as restrições da plantas e o porte da mesma. 9. Referênias HORLOCK, J.H., Cogeneration Combined Heat and Power (CHP): Thermodynamis and Eonomis, Florida, USA, Krieger Publishing Company, 1997, 226p. VAN WYLEN, Gordon J.; SONNTAG, Rihard E., Fundamentos de Termodinâmia Clássia, São Paulo, Blüher, p. WAGNER, W., A. Kruse, A., Properties of Water and Steam, Berlin, Springer-Verlag, CÉSPEDES, João P. C., OLIVEIRA JÙNIOR, S., Análise termoeonômia de plantas de ogeração, Revista Brasileira de Engenharia Químia, vol.17 - n 4 Dez. 97/Jan. 98, pp RAMOS, Riardo A. V. et al., Análise energétia e exergétia de uma usina suro-alooleira om sistema de ogeração de energia em expansão, Congresso latino-ameriano de geração e transmissão de energia elétria, MORAN, Mihael J., SHAPIRO, Howard N., Fundamentals of engineering thermodynamis, Wiley, Direitos autorais O autor é o únio responsável pelo onteúdo do material impresso inluído neste trabalho.

10 STUDY AND OPTIMIZATION OF AN INDUSTRIAL COGENERATION PLANT FOR USAGE OF LEAN GAS Diego Costa Lopes EPUSP - Polytehni Shool of University of São Paulo Abstrat. This projet onsists of a study of a ogeneration industrial plant, whih generates power and steam, using as fuel the tail gas, a type of lean gas obtained as a by-produt of the prodution proess of arbon blak. Also inluded on this study is the optimization of this plant, aiming at a lower fuel usage and higher yle effiieny. A tehnial-eonomial feasibility study will be made onsidering as alternatives the usage of a traditional Rankine yle, Brayton yle and a ombined yle. Keywords: ogeneration, thermodynamis, energy, lean gas.

A Atribuição de Custos em Sistemas Energéticos: A Termoeconomia como base de cálculo

A Atribuição de Custos em Sistemas Energéticos: A Termoeconomia como base de cálculo A Atribuição de Custos em Sistemas Energétios: A Termoeonomia omo base de álulo Luiz Felipe Pellegrini (USP) luiz.pellegrini@poli.usp.br Reinaldo Paheo da Costa (USP) rposta@usp.br Silvio de Oliveira Jr

Leia mais

APLICAÇÃO DAS FUNÇÕES DE PARTIDA E EQUAÇÕES CÚBICAS DE ESTADO NOS CICLOS TERMODINÂMICOS DE POTÊNCIA A VAPOR

APLICAÇÃO DAS FUNÇÕES DE PARTIDA E EQUAÇÕES CÚBICAS DE ESTADO NOS CICLOS TERMODINÂMICOS DE POTÊNCIA A VAPOR APLICAÇÃO DAS FUNÇÕES DE PARTIDA E EQUAÇÕES CÚBICAS DE ESTADO NOS CICLOS TERMODINÂMICOS DE POTÊNCIA A VAPOR A. M. do NASCIMENTO, P. F. ARCE-CASTILLO Universidade de São Paulo, Esola de Engenharia de Lorena

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tenologia Deartamento de Engenharia Meânia TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Os sistemas de refrigeração or omressão a vaor

Leia mais

SIMULAÇÃO DE UMA USINA COM CICLO SIMPLES A VAPOR (CICLO RANKINE)

SIMULAÇÃO DE UMA USINA COM CICLO SIMPLES A VAPOR (CICLO RANKINE) SIMULAÇÃO DE UMA USINA COM CICLO SIMPLES A VAPOR (CICLO RANKINE) Glauber Rocha 1 Adilson Luiz da Silva 2 Fausto Neves Silva 3 RESUMO Para gerar vapor necessário aos processos de uma usina existe na caldeira

Leia mais

4 Otimização de Portfólio na Área de Refino Modelo de Solução

4 Otimização de Portfólio na Área de Refino Modelo de Solução 4 Otimização de Portfólio na Área de Refino Modelo de Solução 4.. Introdução Este apítulo visa apresentar um modelo simplifiado de otimização de portfólio na área de petróleo e derivados om riso assoiado

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS E PROCESSOS CONTÍNUOS

MÁQUINAS TÉRMICAS E PROCESSOS CONTÍNUOS MÁQUINAS TÉRMICAS E PROCESSOS CONTÍNUOS AULA 4-5 SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA Modelando Sistemas de Potência a Vapor A grande maioria das instalações elétricas de geração consiste em

Leia mais

ANÁLISE DE CICLOS DE MOTORES TÉRMICOS

ANÁLISE DE CICLOS DE MOTORES TÉRMICOS ANÁLISE DE CICLOS DE OTORES TÉRICOS José Eduardo autone Barros JEB - dezembro de 2 - ranha rinípios de Termodinâmia Grandezas L [m] t [s] [kg] g [m/s 2 ] F [N] τ [N.m] T [K] [a] N [rad/s] [kmol/kg] ot[w]

Leia mais

6 CONDENSADORES 6.1 CONDENSADORES RESFRIADOS A ÁGUA:

6 CONDENSADORES 6.1 CONDENSADORES RESFRIADOS A ÁGUA: 79 6 CONDENSADORES São troadores de alor aonde o refrigerante que vem do ompressor a alta pressão e temperatura, troa alor om a água ou ar mudando de estado, passando de vapor para líquido-ondensado. Um

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor Termodinâmica Ciclos motores a vapor 1 v. 1.1 Por que estudar ciclos? Pergunta: Quanto custa operar uma usina termelétrica de 1000 MW de potência elétrica, queimando combustível fóssil, operando segundo

Leia mais

Introdução. Electricidad Térmica. e η =40% η =38% 40u. Cogeração Diesel. 100u

Introdução. Electricidad Térmica. e η =40% η =38% 40u. Cogeração Diesel. 100u Introdução ntende-se por cogeração processos em que há produção simultânea de energia térmica e energia mecânica (normalmente convertida em energia eléctrica), destinados a consumo próprio ou de terceiros,

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Geração Termoelétrica Ciclo Joinville, 09 de Maio de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Conceitos básicos de termodinâmica; Centrais Térmicas Ciclo : Descrição de Componentes;

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análise através de volume de controle Segunda lei da termodinâmica Conversão de energia EM-54 Fenômenos de Transporte Variação de entropia em um sistema Num sistema termodinâmico a equação

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR 2 SIST. POTÊNCIA A VAPOR Diferente do ciclo de potência a gás, no ciclo de potência

Leia mais

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Grupo Light Distribuição Geração Serviços de Energia Restrita a parte do estado do RJ (incluindo a Grande Rio) Light Energia Itaocara Paracambi

Leia mais

Máquinas Térmicas Turbinas a Gas. Jurandir Itizo Yanagihara

Máquinas Térmicas Turbinas a Gas. Jurandir Itizo Yanagihara Máquinas Térmicas Turbinas a Gas 1 Vantagens da Vantagens Turbinas a gás tendem a ser mais compactas, isto é, tem uma maior razão potência/peso (até 70% em relação a outros motores). Por isso, elas são

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 O objetivo dessa aula é relembrar os conceitos termodinâmicos do ciclo Rankine e introduzir aos equipamentos que

Leia mais

Introdução. Produção simultânea de potência mecânica ou elétrica e de calor útil a partir de uma única fonte de calor

Introdução. Produção simultânea de potência mecânica ou elétrica e de calor útil a partir de uma única fonte de calor Cogeração Parte 1 Introdução Cogeração Produção simultânea de potência mecânica ou elétrica e de calor útil a partir de uma única fonte de calor OBS: alguns consideram também ciclo combinado como cogeração

Leia mais

ANÁLISE EXERGÉTICA DE UM CICLO RANKINE EM CONDIÇÕES SUPERCRÍTICAS UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE ESTADO DE PENG-ROBINSON E FERRAMENTAS DO MATLAB (GUI)

ANÁLISE EXERGÉTICA DE UM CICLO RANKINE EM CONDIÇÕES SUPERCRÍTICAS UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE ESTADO DE PENG-ROBINSON E FERRAMENTAS DO MATLAB (GUI) ANÁLISE EXERGÉTICA DE UM CICLO RANKINE EM CONDIÇÕES SUPERCRÍTICAS UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE ESTADO DE PENG-ROBINSON E FERRAMENTAS DO MATLAB (GUI) J. V. L. R. FERRAZ, P. F. ARCE CASTILLO Universidade de São

Leia mais

Fatores básicos para o dimensionamento de um condutor:

Fatores básicos para o dimensionamento de um condutor: 4 Dimensionamento de Ciruitos de Motores 1 Fatores básios para o dimensionamento de um ondutor: fator de tipo de sistema: método de potênia da 1f, 2f, 3f instalação arga potênia ou orrente da arga natureza

Leia mais

MODELO SIMPLIFICADO PARA TROCADORES DE CALOR TUBO CAPILAR- LINHA DE SUCÇÃO

MODELO SIMPLIFICADO PARA TROCADORES DE CALOR TUBO CAPILAR- LINHA DE SUCÇÃO MODELO SIMPLIFICADO PARA TROCADORES DE CALOR TUBO CAPILAR- LINHA DE SUCÇÃO Cezar O. R. Negrão Centro Federal de Eduação Tenológia do Paraná CEFET-PR Departamento Aadêmio de Meânia, Rua Sete de Setembro,

Leia mais

CICLOS MOTORES A VAPOR. Notas de Aula. Prof. Dr. Silvio de Oliveira Júnior

CICLOS MOTORES A VAPOR. Notas de Aula. Prof. Dr. Silvio de Oliveira Júnior CICLOS MOTORES A VAPOR Notas de Aula Prof. Dr. Silvio de Oliveira Júnior 2001 CICLO RANKINE ESQUEMA DE UMA CENTRAL TERMELÉTRICA A VAPOR REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA TERMELÉTRICA DIAGRAMAS DO CICLO IDEAL

Leia mais

Módulo I Ciclo Rankine Ideal

Módulo I Ciclo Rankine Ideal Módulo I Ciclo Rankine Ideal Sistema de Potência a Vapor As usinas de potência a vapor são responsáveis pela produção da maior parte da energia elétrica do mundo. Porém, para o estudo e desenvolvimento

Leia mais

2. Modelagem de ciclo motor em regime permanente

2. Modelagem de ciclo motor em regime permanente 2. Modelagem de ilo motor em regime permanente Este apítulo ontém uma desrição dos proessos mais importantes e pertinentes à modelagem matemátia do sistema motriz da embaração. Alguns trabalhos sobre motores

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA... 1 1.1 Variáveis e Transformações Termodinâmicas... 1 1.2 Primeiro Princípio da Termodinâmica... 1 1.3 Segundo Princípio da Termodinâmica... 2 1.4 Expressões das Variáveis

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO UTILIZANDO A MISTURA AMÔNIA-ÁGUA.

ANÁLISE ENERGÉTICA DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO UTILIZANDO A MISTURA AMÔNIA-ÁGUA. ANÁLISE ENERGÉTICA DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO UTILIZANDO A MISTURA AMÔNIA-ÁGUA. Luís Felipe Ribeiro Romano [Voluntário], Rubens Gallo [orientador], Rafael Santiago de Campos [Colaborador]

Leia mais

REFRIGERAÇÃO TERMO - ACÚSTICA

REFRIGERAÇÃO TERMO - ACÚSTICA 7º Simpósio do Programa de Pós-graduação em Engenaria Meânia Fauldade de Engenaria Meânia REFRIGERAÇÃO ERMO - ACÚSICA Andreia Aoyagui Nasimento Avenida João Naves de Ávila, 60, Campus Santa Mônia - Bloo

Leia mais

RSE VERSÃO A ... Alternativa correta: D ,6 6,6 Alternativa correta: A SIMULADO DE FÍSICA - 1º TRIMESTRE 2012

RSE VERSÃO A ... Alternativa correta: D ,6 6,6 Alternativa correta: A SIMULADO DE FÍSICA - 1º TRIMESTRE 2012 SIMULADO DE ÍSIA - 1º TRIMESTRE 2012 RSE Nome: 3º ANO Nº ENSINO MÉDIO Professor (a): ARLOS ALBERTO Data: / /2012 NOTA: Objetivos: Verifiar a desenvoltura do aluno na apliação dos oneitos aprendidos, em

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 TURBINAS A GÁS TURBINAS A GÁS Turbogeradores são sistemas de geração de energia onde o acionador primário é uma

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PALHA DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA AUMENTO DA CAPACIDADE ENERGÉTICA DE PLANTAS DE UTILIDADES

UTILIZAÇÃO DA PALHA DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA AUMENTO DA CAPACIDADE ENERGÉTICA DE PLANTAS DE UTILIDADES UTILIZAÇÃO DA PALHA DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA AUMENTO DA CAPACIDADE ENERGÉTICA DE PLANTAS DE UTILIDADES Luigi Mariani Filho luigi.mariani@poli.usp.br Resumo: O objetivo do trabalho em questão é avaliar a

Leia mais

Fabiano Pagliosa Branco

Fabiano Pagliosa Branco UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE TERMOECONÔMICA

Leia mais

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto Universidade Federal do ABC BC1309 Termodinâmica Aplicada Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto ana.neto@ufabc.edu.br Segunda ei da Termodinâmica 1 Segunda ei da Termodinâmica Comparação com a 1ª ei da Termodinâmica;

Leia mais

METODOLOGIA DE ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA EM SISTEMAS DE TRIGERAÇÃO

METODOLOGIA DE ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA EM SISTEMAS DE TRIGERAÇÃO Proeedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sienes and Engineering -- ENCIT 2006 Braz So of Mehanial Sienes and Engineering -- BCM, Curitiba, Brazil, De 58, 2006 METODOLOGI DE NÁLISE ENERGÉTIC

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS E PROCESSOS CONTÍNUOS

MÁQUINAS TÉRMICAS E PROCESSOS CONTÍNUOS MÁQUINAS TÉRMICAS E PROCESSOS CONTÍNUOS AULA 13 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA Usinas Termoelétricas As turbinas a vapor são máquinas que utilizam a elevada energia cinética da massa de vapor expandido

Leia mais

Guia de Saúde, Segurança e Instalação

Guia de Saúde, Segurança e Instalação Guia de Saúde, Segurança e Instalação PT PORTUGUÊS Guia de Saúde e Segurança 3 Guia de Instalação 6 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA PT AVISOS IMPORTANTES QUE DEVERÁ LER E CUMPRIR Antes de utilizar o aparelho,

Leia mais

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada TMFA Termodinâmica Aplicada 1) Considere a central de potência simples mostrada na figura a seguir. O fluido de trabalho utilizado no ciclo é água e conhece-se os seguintes dados operacionais: Localização

Leia mais

ESTUDO ANALÍTICO/NUMÉRICO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR UNIDIMENSIONAL EM ALETAS Analytical/numerical study of one-dimensional heat transfer in fins

ESTUDO ANALÍTICO/NUMÉRICO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR UNIDIMENSIONAL EM ALETAS Analytical/numerical study of one-dimensional heat transfer in fins ESTUDO ANALÍTICO/NUMÉRICO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR UNIDIMENSIONAL EM ALETAS Analytial/numerial study of one-dimensional heat transfer in fins Estaner Claro ROMÃO Fauldade de Jaguariúna RESUMO: Este traalho

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos PPGEM Programa de Pós-Graduação de Engenharia Mecânica

Universidade do Vale do Rio dos Sinos PPGEM Programa de Pós-Graduação de Engenharia Mecânica Universidade do Vale do Rio dos Sinos PPGEM Programa de Pós-Graduação de Engenharia Mecânica SIMULAÇÃO DE CICLO TÉRMICO COM DUAS CALDEIRAS EM PARALELO: COMBUSTÃO EM GRELHA E EM LEITO FLUIDIZADO Herson

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I Máquinas Térmicas I "Existem três tipos de pessoas: as que sabem e as que não sabem contar...

Leia mais

Máquinas de Fluxo Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos

Máquinas de Fluxo Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos 1 Máquinas de Fluxo Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos 2 Introdução Fontes primárias de energia: óleo, carvão, fissão

Leia mais

PARTIDA A FRIO DE MOTORES MOVIDOS A ETANOL E MISTURAS ETANOL- GASOLINA - INFLUÊNCIA DA VAPORIZAÇÃO DE COMBUSTÍVEL NO COLETOR DE ADMISSÃO

PARTIDA A FRIO DE MOTORES MOVIDOS A ETANOL E MISTURAS ETANOL- GASOLINA - INFLUÊNCIA DA VAPORIZAÇÃO DE COMBUSTÍVEL NO COLETOR DE ADMISSÃO PARTIDA A FRIO DE MOTORES MOVIDOS A ETANOL E MISTURAS ETANOL- GASOLINA - INFLUÊNCIA DA VAPORIZAÇÃO DE COMBUSTÍVEL NO COLETOR DE ADMISSÃO Marelo V. Feitosa - feitosausp@hotmail.om Mário T. Ávila - mtavila@s.usp.br

Leia mais

COGERAÇÃO COM TURBINA A GÁS ASSOCIADA AO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO: UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE EXERGOECONÔMICA

COGERAÇÃO COM TURBINA A GÁS ASSOCIADA AO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO: UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE EXERGOECONÔMICA COGERAÇÃO COM TURBINA A GÁS ASSOCIADA AO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR ABSORÇÃO: UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE EXERGOECONÔMICA Júlio Santana Antunes 1 José Luz Silveira 2 José Antônio Perrella Balestieri

Leia mais

Alessandro Tomio Takaki

Alessandro Tomio Takaki UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE DO APROVEITAMENTO

Leia mais

PROCESSAMENTO TÉRMICO POR MICROONDAS DE PÓS DE U 3 O 8 PARA APLICAÇÕES EM DISPERSÕES UTILIZADAS EM COMBUSTÍVEIS NUCLEARES

PROCESSAMENTO TÉRMICO POR MICROONDAS DE PÓS DE U 3 O 8 PARA APLICAÇÕES EM DISPERSÕES UTILIZADAS EM COMBUSTÍVEIS NUCLEARES PROCESSAMENTO TÉRMICO POR MICROONDAS DE PÓS DE U 3 O 8 PARA APLICAÇÕES EM DISPERSÕES UTILIZADAS EM COMBUSTÍVEIS NUCLEARES Aldo Furlan Neto, Clauer Trenh de Freitas, Paulo E. O. Lainetti Departamento de

Leia mais

ESTUDO TERMO-ESTOCÁSTICO DE CIRCUITOS SIMPLES

ESTUDO TERMO-ESTOCÁSTICO DE CIRCUITOS SIMPLES ESTUDO TERMO-ESTOCÁSTICO DE CIRCUITOS SIMPLES Aluno: Maro Antônio Guimarães Auad Barroa Orientador: Welles Antônio Martinez Morgado Introdução Foi feito a análise de iruitos isolados e aoplados baseando-se

Leia mais

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Miguel Gil Mata 29 Maio 2009 FEUP Semana da Energia e Ambiente 1 Centrais de Cogeração em edifícios o caso da Sonae Sierra 1. O conceito de Cogeração

Leia mais

3 Regime Permanente de Turbinas a Gás

3 Regime Permanente de Turbinas a Gás 3 Regime Permanente de Turbinas a Gás 3.1. Desempenho de Turbinas a Gás em Ponto de Projeto 3.1.1. Introdução O primeiro passo no projeto de uma turbina a gás é o cálculo termodinâmico do ponto de projeto,

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO CÓDIGO DISCIPLINA PERÍODO IDEAL PRÉ-REQUISITO CO-REQUISITO ANUAL SEMESTRAL NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA

PROGRAMA DE ENSINO CÓDIGO DISCIPLINA PERÍODO IDEAL PRÉ-REQUISITO CO-REQUISITO ANUAL SEMESTRAL NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA PROGRAMA DE ENSINO UNIDADE UNIVERSITÁRIA: UNESP CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA CURSO: ENGENHARIA MECÂNICA (Resolução UNESP n O 74/2004 - Currículo: 4) HABILITAÇÃO: OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: ENGENHARIA

Leia mais

Cap. 4: Análise de Volume de Controle

Cap. 4: Análise de Volume de Controle Cap. 4: Análise de Volume de Controle AR Ar+Comb. www.mecanicavirtual.org/carburador2.htm Cap. 4: Análise de Volume de Controle Entrada, e Saída, s Conservação da Massa em um Sistema dm dt sist = 0 Conservação

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a ar

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a ar Termodinâmica Ciclos motores a ar 1 v. 1.2 Ciclo padrão a ar Trata-se de um modelo simplificado para representar alguns sistemas de potência com processos complexos. Exemplos: Motores de combustão interna

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS AVALIAÇÃO DE MÉTODOS DE TRANSLAÇÕES DE VOLUME NA PREDIÇÃO DO VOLUME MOLAR DE HIDROCARBONETOS NA REGIÃO DE SATURAÇÃO Bezerra, E. M. 1, Cartaxo, S., de Sant

Leia mais

Aula 24 Trocadores de Calor

Aula 24 Trocadores de Calor Aula 24 roadores de Calor UFJF/Departamo de Engenharia de Produção e Meânia Pro. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohoruez roadores de Calor Análise de roadores de Calor 1- Método da Média Logarítmia das

Leia mais

Fabiano Pagliosa Branco

Fabiano Pagliosa Branco UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE TERMOECONÔMICA

Leia mais

Capítulo 4. Ciclos de Potência a Vapor

Capítulo 4. Ciclos de Potência a Vapor Capítulo 4 Ciclos de Potência a Vapor Objetivos Estudar os ciclos de potência em que o fluido de trabalo é alternadamente vaporizado e condensado. Fornecer uma introdução aos processos de co-geração. 4..

Leia mais

ANÁLISE EXERGÉTICA DE UM COLETOR SOLAR DE PLACA PLANA

ANÁLISE EXERGÉTICA DE UM COLETOR SOLAR DE PLACA PLANA ANÁLISE EXERGÉTICA DE UM COLETOR SOLAR DE PLACA PLANA Marcos Vinicius Barbosa [Voluntário] 1, Santiago Del Rio Oliveira [Orientador] 2, Rubens Gallo [Colaborador] 3, Romulo Luis de Paiva Rodrigues [Colaborador]

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende Universidade do Estado do io de Janeiro ampus egional de esende Tratamentos ísio-químios de Águas Prof. esar Pereira MÓULO I 1. ALEIAS No estudo dos tratamento de águas para aldeiras, onentraremos nossa

Leia mais

PROJETO DO EJETOR DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR JATO COMPRESSÃO DE VAPOR

PROJETO DO EJETOR DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR JATO COMPRESSÃO DE VAPOR PROJETO DO EJETOR DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR JATO COMPRESSÃO DE VAPOR Luiz Carlos Pereira VARGAS (1); Cleiton Rubens Formiga BARBOSA, (); Franiso de Assis Oliveira FONTES (3); Igor Marel Gomes ALMEIDA

Leia mais

Grupos formados por três alunos da disciplina. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Grupos formados por três alunos da disciplina. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez MEC010 TRANSFERÊNCIA DE CALOR Projeto: Dimensionamento dos trocadores de calor de uma caldeira de recuperação Grupos formados por três alunos da disciplina Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Leia mais

SOBRE O PAPEL DA RESOLUÇÃO LITERAL DE PRO- BLEMAS NO ENSINO DA FÍSICA: EXEMPLOS EM ME- CÂNICA +

SOBRE O PAPEL DA RESOLUÇÃO LITERAL DE PRO- BLEMAS NO ENSINO DA FÍSICA: EXEMPLOS EM ME- CÂNICA + SOBRE O PAPEL DA RESOLUÇÃO LITERAL DE PRO- BLEMAS NO ENSINO DA FÍSICA: EXEMPLOS EM ME- CÂNICA + Luiz O.Q. Peduzzi Sônia Silveira Peduzzi Departamento de Físia - UFSC Florianópolis - SC Resumo Neste trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA UNERSDADE ESTADUAL AULSTA JULO DE MESQUTA FLHO FACULDADE DE ENGENHARA - DEARTAMENTO DE ENGENHARA ELÉTRCA ELETROTÉCNCA Experiênia 05: Ensaios em transformadores monofásios Objetivo: Determinar os parâmetros

Leia mais

Lista de Exercícios Solução em Sala

Lista de Exercícios Solução em Sala Lista de Exercícios Solução em Sala 1) Um conjunto pistão-cilindro área de seção transversal igual a 0,01 m². A massa do pistão é 101 kg e ele está apoiado nos batentes mostrado na figura. Se a pressão

Leia mais

Capítulo 5. Ciclos de Refrigeração

Capítulo 5. Ciclos de Refrigeração Capítulo 5 Ciclos de Refrigeração Objetivos Estudar o funcionamento dos ciclos frigoríficos por compressão de vapor idealizados e reais Apontar as distinções entre refrigeradores e bombas de calor 5.1.

Leia mais

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO USINA TERMOELÉTRICA USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO O QUE É USINA TERMOELÉTRICA? Uma instalação industrial que serve para gerar energia através da queima de combustíveis fosseis.

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC BASES ONEITUAIS DA ENERGIA Pedro. R. Rossi (pedro.rossi@ufabc.edu.br) UFAB ombustíveis ombustíveis fósseis Resultado de restos fossilizados de plantas e animais. Processo ocorre ao longo de milhares de

Leia mais

Gestão de energia : 2010/2011

Gestão de energia : 2010/2011 Gestão de energia : 2010/2011 Aula # P1 Balanços de energia Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt PROBLEMA 1 - Permutador Uma fábrica textil tem um efluente resultante de águas sujas quentes cujo

Leia mais

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto 4/0/0 Uniersidade Federal do ABC BC309 ermodinâmia Aliada Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto ana.neto@ufab.edu.br Entroia BC309_Ana Maria Pereira Neto 4/0/0 Entroia Desigualdade de Clausius; Definição

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM AMORTECEDOR SEMI-ATIVO PARA VIBRAÇÕES DE CORPO INTEIRO

DESENVOLVIMENTO DE UM AMORTECEDOR SEMI-ATIVO PARA VIBRAÇÕES DE CORPO INTEIRO DESENVOLVIMENTO DE UM AMORTECEDOR SEMI-ATIVO PARA VIBRAÇÕES DE CORPO INTEIRO Euzébio D. de Souza UFMG - euzebiod@ufmg.br Maria Lúia Mahado Duarte UFMG - mlduarte@dedalus.i.ufmg.br Eduardo José Lima UFMG

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE BIODIGESTORES RURAIS 1 ZARA APARECIDA PORTES ² & HELENICE DE OLIVEIRA FLORENTINO³

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE BIODIGESTORES RURAIS 1 ZARA APARECIDA PORTES ² & HELENICE DE OLIVEIRA FLORENTINO³ APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE BIODIGESTORES RURAIS 1 ZARA APARECIDA PORTES ² & HELENICE DE OLIVEIRA FLORENTINO³ ¹ Parte da dissertação de mestrado do 1º autor intitulada: Apliativo

Leia mais

TERMODINÂMICA I 1º SEMESTRE DE 2015 Docente: Anderson H.R. Ferreira 2º LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE II PROPRIEDADES TERMODINÂMICAS

TERMODINÂMICA I 1º SEMESTRE DE 2015 Docente: Anderson H.R. Ferreira 2º LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE II PROPRIEDADES TERMODINÂMICAS 1 TERMODINÂMICA I 1º SEMESTRE DE 2015 Docente: Anderson H.R. Ferreira 2º LISTA DE EXERCÍCIOS Instruções: Tenha sempre em mãos uma Calculadora Científica, pois a mesma será utilizada exaustivamente no curso

Leia mais

PROJETO DE MOTOR FOGUETE BIPROPELENTE LÍQUIDO

PROJETO DE MOTOR FOGUETE BIPROPELENTE LÍQUIDO PROJETO DE MOTOR FOGUETE BIPROPELENTE LÍQUIDO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Brunno Barreto Vasques (UNESP, Bolsista PIBIC/CNPq) E-mail: me04017@feg.unesp.br Luís

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-82 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos 2.5 EXEMPLOS ILUSTRATIVOS Procedimentos para

Leia mais

Aplicação de um modelo da análise custo-volume-lucro na criação de suínos.

Aplicação de um modelo da análise custo-volume-lucro na criação de suínos. Silva, A T; Resende, A L; Freire Filho, A A de S. 9 Apliação de um modelo da análise usto-volume-luro na riação de suínos. ésar Augusto Tibúrio Silva Doutor em ontabilidade pela USP. Instituição: Programa

Leia mais

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br Osmometria de Membrana Riardo Cunha Mihel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmihel@ima.ufrj.br O Fenômeno da Osmose * A osmose pode ser desrita omo sendo o resultado da tendênia do solvente em meslar-se

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

1ª Lei da Termodinâmica lei da conservação de energia

1ª Lei da Termodinâmica lei da conservação de energia 1ª Lei da Termodinâmica lei da conservação de energia É de bastante interesse em análises termodinâmicas conhecer o balanço energético dos sistemas, principalmente durante trocas de estado A 1ª Lei da

Leia mais

Nome:... No.USP:... Assinatura:... n, ou f. , para 1 n. T

Nome:... No.USP:... Assinatura:... n, ou f. , para 1 n. T MF-015 eleomuniação 1ª parte Espeialização em Metro-Ferroviária Programa de Eduação Continuada em Engenharia - PECE Prof. Antonio Fisher de oledo 1ª Prova 06/06/2009 Esolha 5 (ino) dentre as 12 (onze)

Leia mais

POTÊNCIA CONSUMIDA E GERAÇÃO DE CALOR NO PROCESSO DE TORNEAMENTO

POTÊNCIA CONSUMIDA E GERAÇÃO DE CALOR NO PROCESSO DE TORNEAMENTO POTÊNCIA CONSUMIDA E GERAÇÃO DE CALOR NO PROCESSO DE TORNEAMENTO Anderson Clayton A. de Melo Edvon A.Cordeiro Álisson R. Mahado Gilmar Guimarães Universidade Federal de Uberlândia, Departamento de Engenharia

Leia mais

MICROELETRO) NICA LISTA DE EXERCI0CIOS UNIDADE 1

MICROELETRO) NICA LISTA DE EXERCI0CIOS UNIDADE 1 MIROELETRO) NIA LISTA DE EXERI0IOS UNIDADE ernando Moraes 8/JANEIRO/206 ) Expliar na tabela abaixo a influênia dos prinipais parâmetros do transistor MOS na orrente I ds (orrente dreno-soure). Parâmetro

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COMPONENTES DE RISCO DOS FUNDOS DE

AVALIAÇÃO DOS COMPONENTES DE RISCO DOS FUNDOS DE AVALAÇÃO DOS COMPONENTES DE RSCO DOS FUNDOS DE RENDA FXA Autoria: José Roberto Seurato, Edson Roberto Abe e Vitor Mihele Ziruolo RESUMO: Este artigo apresenta a resolução do sistema de equações proposto

Leia mais

Energética Industrial

Energética Industrial Universidade do Minho Departamento de Engenharia Mecânica Energética Industrial Problemas propostos José Carlos Fernandes Teixeira 1) 1.5 kg de gelo à temperatura de 260 K, funde-se, à pressão de 1 bar,

Leia mais

Prof. Luís Fernando Pagotti

Prof. Luís Fernando Pagotti Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti energia não pode ser criada nem destruída, só pode ser transformada! Como Converter Energia? Combustores;

Leia mais

3. Um gás ideal passa por dois processos em um arranjo pistão-cilindro, conforme segue:

3. Um gás ideal passa por dois processos em um arranjo pistão-cilindro, conforme segue: 1. Um arranjo pistão-cilindro com mola contém 1,5 kg de água, inicialmente a 1 Mpa e título de 30%. Esse dispositivo é então resfriado até o estado de líquido saturado a 100 C. Calcule o trabalho total

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE AQUECEDOR SOLAR VISANDO AQUECIMENTO DE ÁGUA

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE AQUECEDOR SOLAR VISANDO AQUECIMENTO DE ÁGUA MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE AQUECEDOR SOLAR ISANDO AQUECIMENTO DE ÁGUA S. R. TAARES 1 e N. G. SOUSA 1 1,2 Univeridade Federal do Triângulo Mineiro, Departamento de Engenaria Químia 2 E-mail para ontato: nadiagoua@gmail.om

Leia mais

ISOTERMAS DE EQUILÍBRIO PARA PAPEL ARTESANAL: INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA

ISOTERMAS DE EQUILÍBRIO PARA PAPEL ARTESANAL: INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA VI Congresso Brasileiro de Engenharia Químia em Iniiação Científia 1/6 ISOTERMAS DE EQUILÍBRIO PARA PAPEL ARTESANAL: INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA Mahado, G.D. 1, Luheis, R.M. 2, Motta Lima, O.C. 3 *, Sousa,

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Elétrica PROGRAMA. Pré-Requisito: ELET0053 MATERIAIS ELÉTRICOS ELET0031 ELETROMAGNETISMO 2

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Elétrica PROGRAMA. Pré-Requisito: ELET0053 MATERIAIS ELÉTRICOS ELET0031 ELETROMAGNETISMO 2 PROGRAMA Disciplina: MÁQUINAS PRIMÁRIAS Código: ELET0052 Carga Horária Semestral: 60 HORAS Obrigatória: sim Eletiva: Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: ELET0053 MATERIAIS

Leia mais

η = potência de saída potência de entrada energia de saída energia de entrada P = Quantidade escalar: du du dt

η = potência de saída potência de entrada energia de saída energia de entrada P = Quantidade escalar: du du dt Objetivos MEÂNI - DINÂMI Dinâmia de um onto Material: Trabalho e Energia ap. 4 Desenvolver o prinípio do trabalho e energia e apliálo à solução de problemas que envolvem força, veloidade e desloamento.

Leia mais

ANÁLISES ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DE CENTRAIS DE CO-GERAÇÃO A PARTIR DE RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS

ANÁLISES ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DE CENTRAIS DE CO-GERAÇÃO A PARTIR DE RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS ANÁLISES ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DE CENTRAIS DE CO-GERAÇÃO A PARTIR DE RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS Marcelo Rodrigues de Holanda José Antonio Perrella Balestieri Universidade Estadual Paulista, Departamento

Leia mais

TERMOECONOMIA APLICADA NO ESTUDO DOS CICLOS DE OPERAÇÃO DE UMA USINA TERMELÉTRICA A GÁS NATURAL

TERMOECONOMIA APLICADA NO ESTUDO DOS CICLOS DE OPERAÇÃO DE UMA USINA TERMELÉTRICA A GÁS NATURAL Proceedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sciences and Engineering -- ENCIT 2006 Braz. Soc. of Mechanical Sciences and Engineering -- ABCM, Curitiba, Brazil, Dec. 5-8, 2006 TERMOECONOMIA APLICADA

Leia mais

4. Transformação de ondas

4. Transformação de ondas 4. Transformação de ondas (Propagação de ondas em águas de profundidade variável) Definem-se ortogonais ou raios de onda as linhas perpendiulares às ristas (e à frente de onda). Estas linhas indiam assim

Leia mais

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 LANXESS Porto Feliz Uma importante unidade da área de produção de IPG

Leia mais

PRODUÇÃO DE UMA INTERFACE GRÁFICA (SOFTWARE ACADÊMICO) PARA SIMULAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO

PRODUÇÃO DE UMA INTERFACE GRÁFICA (SOFTWARE ACADÊMICO) PARA SIMULAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PRODUÇÃO DE UMA INTERFACE GRÁFICA (SOFTWARE ACADÊMICO) PARA SIMULAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO F. L. BEZERRA 1, C.H. SODRÉ 2 e A. MORAIS Jr 3 1,2 Universidade Federal de Alagoas, Centro de Tecnologia

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE UM COMBUSTOR DE GÁS NATURAL EM LEITO FLUIDIZADO. Félix Severino de Farias Júnior

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE UM COMBUSTOR DE GÁS NATURAL EM LEITO FLUIDIZADO. Félix Severino de Farias Júnior UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA

Leia mais

CONCEPÇÃO, DESENVOLVIMENTO E FABRICO PORTUGUÊS AQUAPURA MONOBLOC ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA BOMBAS DE CALOR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUAS SANITÁRIAS

CONCEPÇÃO, DESENVOLVIMENTO E FABRICO PORTUGUÊS AQUAPURA MONOBLOC ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA BOMBAS DE CALOR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUAS SANITÁRIAS ONEPÇÃO, DESENVOLVIMENTO E FABIO POTUGUÊS MONOBLO EONOMIA ONFOTO EOLOGIA BOMBAS DE ALO PAA AQUEIMENTO DE ÁGUAS SANITÁIAS TEMOAUMULADO EM AÇO INOX Selecionamos os melhores componentes e sujeitamos os nossos

Leia mais

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia De Energia

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia De Energia I Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia De Energia ANÁLISE DO FLUXO ENERGÉTICO DE UMA TERMELÉTRICA A BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Autor: Ediane Teixeira Neves Orientador:

Leia mais

DINÂMICA E ESTABILIDADE DE UM CONVERSOR DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO DE RESÍDUO. Mônica Einsfeldt

DINÂMICA E ESTABILIDADE DE UM CONVERSOR DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO DE RESÍDUO. Mônica Einsfeldt DINÂMICA E ESTABILIDADE DE UM CONVERSOR DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO DE RESÍDUO Mônia Einsfeldt TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica. Projeto e simulação de sistemas térmicos

Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica. Projeto e simulação de sistemas térmicos Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Projeto e simulação de sistemas térmicos Conteúdo programático: Introdução. Projeto em engenharia. Conceitos

Leia mais

Processamento da Energia de Biocombustíveis

Processamento da Energia de Biocombustíveis Processamento da Energia de Biocombustíveis Professor: Marcello Mezaroba Dr. Email: marcello.mezaroba@udesc.br Junho de 2016 Sumário I. Biomassa II. Cogeração de energia a partir de biocombustíveis III.

Leia mais

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa NOTA TÉCNICA V PROPOSTA DE REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS PARA FINANCIAMENTO PELO BNDES DE PROJETOS DE BIOMASSA COM TECNOLOGIAS EFICIENTES VERSÃO 2.0 30 DE AGOSTO DE 2001 1. Introdução As vantagens estratégicas,

Leia mais

Alternativas para o setor Energético

Alternativas para o setor Energético Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG Alternativas para o setor Energético Viçosa, 27 de agosto de 2009 IV SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS I WORKSHOP INTERNACIONAL DE SUSTEMTABILIDADE ENERGÉTICA

Leia mais