ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PARA PROJETO DE LINHA DE. TRANSMISSÃO 69 kv

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PARA PROJETO DE LINHA DE. TRANSMISSÃO 69 kv"

Transcrição

1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PARA PROJETO DE LINHA DE TRANSMISSÃO 69 kv 1

2 ÍNDICE PÁGINA 1 OBJETIVO 03 2 ESCOLHA E IMPLANTAÇÃO DO TRAÇADO 03 ESTUDOS E EXPLORAÇÒES DE CAMPO 03 3 IMPLANTAÇÃO DO TRAÇADO 04 FATORES RESTRITIVOS À IMPLANTAÇÃO DO TRAÇADO 05 4 LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO 06 GENERALIDADES 06 PLANIMETRIA E ALTIMETRIA 06 ESTAQUEAMENTO, MARCOS E NUMERAÇÕES 07 PRECISÃO DO LEVANTAMENTO 09 5 CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES 09 6 PROJETO DETALHADO DAS TRAVESSIAS, APROXIMAÇÒES E PARALELISMOS 11 GENERALIDADES 11 OBSTÁCULOS QUE NECESSITAM PROJETOS DE TRAVESSIAS 11 OBSTÁCULOS QUE NÃO NECESSITAM PROJETOS DE TRAVESSIAS 11 APROXIMAÇÕES 12 PARALELISMOS 13 7 APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS 13 DOCUMENTAÇÃO 14 PLANTA DO TRAÇADO 14 PLANTA PERFIL 14 CADERNETAS DE CAMPO DO LEVANTAMENTO DO EIXO DA LINHA 17 8 DESENHOS PARA PROJETOS DE TRAVESSIAS 18 9 OBSERVAÇÕES GERAIS RECOMENDAÇÕES ENTREGA DOS SERVIÇOS APROVAÇÃO DOS TRABALHOS 19 2

3 1. OBJETIVO A presente especificação tem por objetivo estabelecer os requisitos técnicos para execução dos trabalhos de estudo e implantação de traçado, cadastramento de faixa de servidão e levantamento plani-altimétrico para projeto da Linhas de Transmissão em 69,0 kv de Porto Velho à Itapuã do Oeste, trifásica utilizando estruturas de concreto, circuito simples. 2. ESCOLHA E IMPLANTAÇÃO DO TRAÇADO 2.1 ESTUDOS E EXPLORAÇÃO DE CAMPO A Fiscalização indicará ao Empreiteiro a diretriz básica do traçado para es ta linha de distribuição a ser levantada. Indicará em campo a prevista para o eixo da linha e da faixa de servidão, bem como pontos intermediários de passagem obrigatória, e os pontos terminais (pórtico das SE s) Qualquer planta que for fornecida pela fiscalização com a diretriz básica do traçado, não implicará em que o Empreiteiro, com o objetivo da escolha do melhor traçado entre os pontos de passagem obrigatória, não apresente soluções alternativas, sempre que julgar necessário Empreiteiro apresentará uma Memória Descritiva para cada uma das soluções propostas, explicando as razões das mesmas e descrevendo as zonas atravessadas quanto a grandes elevações, ângulos, natureza do solo, vegetação, obstáculos (incluindo edificações), ocorrências de chuvas, acessos e tudo o mais que possa interessar ao projeto e construção de linha A Memória Descritiva deverá ser acompanhada de croquis dos pontos de maior importância, tais como: - Vizinhanças inevitáveis com aeroportos, estações transmissoras e receptoras de rádio e televisão, sistemas de comunicação, áreas de lazer; - Paralelismo e/ou travessias com linhas de força ou comunicação, rodovias, rios Em particular, no caso de vizinhanças com aeroportos, deverá ser indicada a cota mais elevada do traçado nessas vizinhanças, em relação à cota da pista, mesmo que isto implique na execução de um levantamento altimétrico expedito. Tal providência visa verificar a possível interferência com as áreas de proteção dos aeroportos, conforme Decreto Lei n.º3.399, de , publicado no Diário Oficial de

4 2.1.6 Com base nas Memórias Descritivas das alternativas propostas pelo Empreiteiro, a Fiscalização escolherá o traçado que melhor convier à CERON O reconhecimento do traçado deverá ser feito com amarrações em acidentes estáveis do terreno, como por exemplo, montanhas, lagos, linhas (distribuição, ou telefônicas), rodovias, ferrovias, estradas de acesso situadas na região, localidades vizinhas e benfeitorias próximas ou atingidas. Essas amarrações, pontos de controle para referência futura, serão constituídas por marcos e tripés de madeira que permitam boa visada com teodolito tanto à ré como a vante. 2.2 IMPLANTAÇÃO DO TRAÇADO Deverão ser reduzidos ao mínimo, tanto em grandeza como em quantidade, as deflexões da linha projetada. Nas áreas urbanas poderá ser permitido um maior número de deflexões, tendo em vista a necessidade do traçado desenvolver-se ao longo das vias de acesso e apoio Nos casos em que, pelos acidentes encontrados, se torne necessária ou obrigatória uma deflexão grande, deverá ser levado em consideração o seu possível desdobramento. - Tais deflexões deverão ser evitadas junto a travessia sobre rodovias, ferrovias, linhas de transmissão ou vias navegáveis. Nos casos inevitáveis, o vértice deve localizar-se, no mínimo, a 10 metros dos limites da faixa de domínio ou servidão do obstáculo cruzado o Traçado deverá permitir acesso fácil, desenvolvendo-se próximo a estrada sempre que possível, em terrenos não muito acidentados e por encostas laterais Deverão ser evitadas industrias que emanem fumaças ou gases corrosivos, que ataquem a galvanização das estruturas e ferragem ou os cabos de alumínio e provoquem a poluição dos isoladores, sobretudo nos casos de ventos dominantes na região favorecerem a ação nociva desses elementos Analogamente, o traçado procurará se afastar de pedreiras em exploração ou possível exploração futura, depósitos de explosivos ou combustíveis e fornos de cal. 4

5 2.2.6 Deverão ser verificados ao longo dos traçados a existência ou projetos de rodovias, ferrovias, adutoras, rede de esgotos, rede subterrânea elétrica e telefônica, linhas aéreas e subterrâneas, obras existentes ou planejadas, tais como loteamento, monumentos, barragens, aeroportos, áreas de lazer e tudo Para esta verificação deverão ser colhidos dados perante às Prefeituras e outros órgãos regulares, tais como: DNIT, CAERD, SEPLAN, BRASIL TELECON, EMBRATEL, SEDAN, etc Os seguintes ângulos mínimos para cruzamentos deverão ser observados: - Rodovias (DER e DNER), ruas e avenidas º - Ferrovias º - Linhas elétricas de distribuição º - Linhas de telecomunicações importantes º - Vias navegáveis º - Adutoras º No caso de linhas de telecomunicações e adutoras, deverão ser evitados longos trechos em paralelo de modo a prevenir problemas de indução O eixo do traçado deverá situar-se o mais possível das estações emissoras de rádio, de estações receptoras de rádio e de retransmissoras de televisão Para os obstáculos em que esta Especificação se mostre omissa, deverão prevalecer os critérios estabelecidos pela Norma ABNT NB-182, em sua última revisão No caso de linhas de telecomunicações e adutoras, deverão ser evitados longos trechos em paralelo de modo a prevenir problemas de indução. 2.3 FATORES RESTRITIVOS À IMPLANTAÇÃO DO TRAÇADO Na implantação do traçado deverão ser seguidas as instruções fornecidas pela Fiscalização. Se ocorrer qualquer problema de passagem a Fiscalização deverá ser imediatamente notificada, para que medidas apropriadas possam ser instituídas. O Empreiteiro não dará, por qualquer razão, informações falsas aos proprietários ou locatários das terras atravessadas, referentes à locação de estruturas, posicionamento da linha, etc. 5

6 2.3.2 Entre outros, podem ser os seguintes os fatores determinantes de possíveis modificações, por dificultarem ou impedirem a implantação do traçado da linha de distribuição em condições econômicas: a) Travessias sobre linhas de distribuição, cujos condutores superiores apresentam cotas elevadas; b) Áreas que requeiram desmatamento excessivo (reservas florestais, castanhais, etc.); c) Obras de interesse social (cemitérios, escolas, hospitais, igrejas, etc.) d) Áreas povoadas, loteadas ou edificadas; e) Terrenos inacessíveis ou muito valorizados; f) Terrenos geologicamente instáveis (erosão); g) Travessias sobre rios, canais ou reservatórios, especialmente quando navegáveis; h) Terrenos pantanosos ou que requeiram fundação especial; i) Picos altos, regiões muito elevadas e/ou excessivamente acidentadas; Áreas restritivas - Qualquer modificação que pareça necessária, deverá ser conveniente caracterizada e submetida, juntamente com uma variante a Fiscalização, que decidirá sobre a conveniência da modificação. A variante proposta deverá ser acompanhada de Memória Descritiva, conforme especificado no item 2 desta Seção. 3. LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO 3.1 GENERALIDADES O levantamento topográfico (plani-altimétrico) do eixo da Linha será iniciado após a implantação do traçado no campo Considerar-se-ão para faixa de servidão as seguintes larguras: 6

7 a) Área rural CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - Faixa de servidão : 20 metros. b) Área urbana - Deverá ser providenciado pela CERON o direito de passagem pelas ruas e avenidas. O afastamento mínimo do eixo da linha às fachadas das edificações de projeções de marquises e tetos deverá ser de 2 metros PLANIMETRIA E ALTIMETRIA O levantamento do eixo da linha será feito tendo como base pontos de controle colocados durante a implantação do traçado e as variações previamente aprovadas pela Fiscalização. Poderá ser executado pelo sistema estadimétrico ou a critério do Empreiteiro, pelo sistema de trena, trânsito e nível Sempre que a declividade do terreno, na direção normal ao eixo da linha for superior a 7%haverá necessidade do levantamento do perfil laterial superior. Os pontos a serem levantados para determinação desse perfil deverão situarse na posição mais elevada do terreno, dentro de uma distância máxima de 5m do eixo da linha Deverão ser amarrados ao eixo da linha, referidos a marcos ou piquetes, todos os obstáculos e/ou acidentes do terreno situados na faixa de servidão ou nas suas imediações, conforme discriminados a seguir: - represas, lagos, cursos d água, canais e igarapés; - áreas de possíveis condições corrosivas ou poluidoras; - edificações e pontes rodoviárias; - áreas fortemente arborizadas ou de alto valor extrativo; - limites de propriedade; - pontos de quebra topográfica; - pontos de referência de nível; - pântanos, brejos, pedreiras e áreas sujeitas a inundação ou a erosão; - estradas, ainda que somente carroçáveis, e ferrovias; - linhas de distribuição aéreas e de telecomunicações; - demais acidentes que possam interessar ao estabelecimento do eixo da linha. 7

8 Tendo em vista as distâncias mínimas a serem mantidas dos condutores aos obstáculos existentes, deverão ser levantados, especialmente nas áreas urbanas, os contornos dos mesmos (prédios, casas, galpões, etc.) situados dentro da faixa e do mesmo lado do passeio por onde corre traçado da linha, cuja amarração em relação ao eixo da mesma deverá ser representada em planta, em escala apropriada. Todos os obstáculos situados no eixo da linha deverão ser levantados e suas cotas (mínima e máxima) representadas no perfil da mesma. 3.3 ESTAQUEAMENTO, MARCOS E NUMERAÇÕES Ao longo do eixo da linha, especialmente fora das áreas urbanas, deverão ser colocados marcos de madeira numerados em ordem crescente, a partir do quilômetro zero de cada frente, devendo a numeração ser característica para cada trecho. Os marcos serão, obrigatoriamente, colocados nas seguintes posições: - vértices das deflexões; - alinhamentos adjacentes a cada vértice; - pontos de partida e chegada; - pontos considerados necessários, a critério do Empreiteiro; - pontos recomendados pela Fiscalização; - a intervalos de quinhentos quilômetros, no máximo, nos alinhamentos longos Os marcos deverão ser colocados, de preferência em locais altos, junto às cercas divisórias de propriedade e/ou pontos de fácil acesso e em terreno estável Sempre que possível, deverá ser evitada a colocação de marcos em áreas agrícolas que estejam trabalhadas por meios mecânicos Além dos marcos de madeira acima mencionados, deverão ser instalados piquetas de madeira em locais apropriados, ditados pela configuração do terreno, numerados em ordem crescente, a partir do início de cada trecho O conjunto de estações, ou seja, pontos estaqueados por meio de marcos ou piquetas, deverá ser suficiente para permitir a perfeita caracterização do eixo da linha. A distância entre duas estações não poderá exceder 150metros Entre estações, deverão ser levantados pontos intermediários situados no eixo da linha ou fora dele, em número suficiente para permitir o traçado do perfil de modo a propiciar os elementos necessários a uma segura plotação das estruturas. A distância entre dois pontos intermediários não poderá exceder 25metros. 8

9 Deverão ser estaqueados no eixo da linha os limites de todos os obstáculos e/ou acidentes de terreno que possam ter influência na plotação das estruturas, conforme já discriminado no item 2.3 desta Seção Os marcos de madeira deverão ter a forma de seção reta quadrada, com 40cm de altura e bases superior e inferior com 10 e 20cm de lado, respectivamente, ou cilíndrico com 15cm e altura de 40 cm. Os piquetes deverão ser de madeira de lei, com dimensões mínima de 4 x 4 x 20cm. Ambos serão firmemente enterrados no solo de modo a ficar com apenas 5cm aparentes e receberão um cravo em sua face superior, que definirá seu alinhamento Serão colocados estacas testemunhas, aproximadamente 30 cm à direita de todos os piquetes, para caracterizá-los. Essas estacas deverão ser de madeira de lei com dimensões mínimas de 5 x 2 x 50 cm e terão a face maior voltada para o piquete, e numerada a tinta indelével ou a fogo, em ordem crescente, a partir do início de cada trecho Os marcos receberão estacas testemunhas de modo análogo ao do indicado anteriormente. Contudo, os marcos em tangente serão precedidos da letra M e os marcos situados em deflexões precedidos da letra V De forma a permitir uma rápida identificação da diretriz da linha, por todos aqueles que tiverem que voltar ao campo após o levantamento plani-altimétrico, deverão ser colocadas bandeiras em todos os vértices e nos alinhamentos longos, em marcos razoavelmente afastados, permit indo visão das bandeiras adjacentes, tanto à ré como à vante. As bandeiras deverão ser instaladas de modo a resistir à ação do tempo e de animais, devendo ter as dimensões mínimas indicadas na figura Anexo I Nas áreas urbanas, onde não haja possib ilidade de se colocarem marcos de madeira, poderá ser adotado outro processo de materialização (cravação de pinos de ferro, marcações com tinta indelével, etc.) desde que seja garantida a sua permanência de identificação posterior no local. As dúvidas a respeito serão dirimidas com a Fiscalização PRECISÃO DO LEVANTAMENTO Estadimetria Considera-se erro numa dada medida, a diferença entre uma das duas leituras uma à vante e uma à ré Os erros máximos admissíveis nas medidas da distância horizontal e do desnível entre dois pontos são os seguintes: 9

10 - distância horizontal: e = + ou - (10 + 0,15D) - desnível: e = + ou - (8 + 0,12H) Onde: D = média aritmética entre as duas distâncias horizontais, em metros; H = média aritmética entre as duas medidas de desníveis, em metros; E = erro máximo admissível, em centímetros O afastamento máximo entre os piquetes internos, com relação à linha reta que une dois vértices consecutivos, não deverá exceder a 0,0001 d, em metro, sendo d a distância do piquete ao vértice mais próximo, em metro. 3.5 CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES Deverão ser levantados todos os obstáculos e/ou acidentes do terreno compreendido, total ou parcialmente, na faixa de servidão da linha de distribuição, tais como: - cercas e benfeitorias; - represas, lagoas, cursos d água e canais; - linhas elétricas aéreas e de telecomunicações; - rodovias e ferrovias; - pedreiras e outros relevantes As propriedades deverão ter seus limites indicados no eixo da linha materializados por piquetes de madeira de lei com dimensões mínimas de 4 x 4 x 20cm Deverá ser identificado o uso predominante do solo em cada propriedade, assim como o tipo de vegetação (mata, mato, campo, cultura) e o tipo do solo (argiloso, arenoso, cascalho, rocha, brejo, pântano, lagoa, rio, etc.) Para cada propriedade atravessada deverá ser identificado o proprietário, de acordo com as informações locais obtidas; 4. PROJETOS DETALHADOS DAS TRAVESSIAS APROXIMAÇÃO E PARALELISMO 4.1 GENERALIDADES 10

11 Todos os serviços discriminados nesta Seção deverão ser executados por ocasião do levantamento plani-altimétrico, dos eixos da linha Os serviços deverão ser executados com a precisão adequada a cada caso, devendo ser feito um levantamento à parte do acidente, contendo as informações necessárias à sua perfeita caracterização Nos casos de travessias com linhas aéreas, deverá ser tomado o máximo cuidado no levantamento plani-altimétrico dos pontos situados abaixo dos cabos da linha atravessada, assim como de todas as estações estabelecidas no intervalo de 300metros, antes e depois do cruzamento. A altura dos cabos da linha atravessada deverá ser determinada por visadas de pontos antes e depois do cruzamento. O valor adotado será a média das visadas, sendo o erro máximo admissível e especificado no item 4 da Seção OBSTÁCULOS QUE NECESSITAM PROJETOS DE TRAVESSIAS Os seguintes obstáculos necessitam projetos especiais de travessia, a serem desenvolvidos pela Fiscalização, para a apresentação ao proprietário ou responsável pelos mesmos: - Rodovias federais, estaduais e municipais, asfaltados ou não; - Vias navegáveis; - Rios de grandes larguras; - Casos especiais a serem especificados pela Fiscalização. 4.3 OBSTÁCULOS QUE NÃO NECESSITAM PROJETOS DE TRAVESSIAS Tais obstáculos e/ou acidentes existentes na faixa de servidão ou na sua proximidade deverão ser caracterizados conforme indicado a seguir: - Cercas, loteamentos, muros, valos divisórios. Indicar natureza, posição em planta, elevação e identificação, se houver; -Obstáculos isolados como edificações, blocos de pedra, etc. Indicar natureza, contorno, cota do topo, tipo e finalidade da construção (no caso de edificações) e proprietário ou responsável; - Culturas e reservas florestais 11

12 Indicar natureza, contorno, altura máxima das culturas, proprietário ou responsável; - - Terrenos ao longo da faixa Indicar classificação superficial do solo, natureza da vegetação, contorno, divisas e proprietário ou responsável; Cursos d água, canais, represas (quando não navegáveis) Indicar contorno das margens, identificação, nível d água na data do levantamento, estimativa para o nível de água máximo, direção da corrente e nome do proprietário ou responsável; - Estradas secundárias, caminhos vacinais e carroçáveis. Indicar contorno, identificação, nome das localidades a que servem o proprietário ou responsável; -Redes elétricas inferiores a 15 KV, inclusive linhas telefônicas. Indicar ângulo do cruzamento com eixo da linha e nome do proprietário ou responsável e altura da mesma; -Locais pantanosos, barrocas, pedreiras, terrenos alagadiços ou sujeitos a erosão e outros impróprios para locação de estruturas. Indicar contorno, identificação e, no caso de terrenos alagadiços, a cota máxima de inundação prevista; Indicar contorno, altura e identificação conforme a importância que possam ter para o projeto da linha de transmissão. - Outros acidentes 4.4. APROXIMAÇÕES Indicar contorno, altura e identificação conforme a importância que possam ter para o projeto da linha de transmissão Quando o eixo da linha projetada se aproximar de aeroportos e campos de pouso particulares, o Empreiteiro deverá fazer um levantamento à parte, indicando todas as informações, distâncias e elevações, devendo estar de acordo com a publicação do Ministério da Aeronáutica FMA de , intitulada Restrições Especiais do Aproveitamento das Propriedades Vizinhas aos Aeródromos Nos casos das aproximações com sistema de estações transmissoras ou receptoras de rádio, retransmissoras de televisão e torres de microondas, o Empreiteiro deverá fazer sua amarração ao eixo da linha, devendo executar o 12

13 levantamento à parte, com detalhes e medidas adequadas para caracterizar perfeitamente esses obstáculos Qualquer outro obstáculo que exista numa faixa de 100metros de cada lado do eixo da linha e que possa influenciar o projeto, construção ou operação da linha ou vir a sofrer influências desta, deverá ser amarrado ao eixo da linha e perfeitamente caracterizado, executado os levantamentos à parte PARALELISMOS Paralelismo com Linhas Aéreas Nos casos de linhas existentes ou com suas estruturas já locadas no terreno, a posição e numeração da mesma deverá ser levantada. Se a linha já estiver montada, deverão ser levantadas também as cotas da base e do cabo mais baixo, em cada estrutura. Os dados acima deverão ser registrados no desenho de planta e perfil, conforme especificado na Seção Nos casos de linhas somente implantadas, a amarração do seu eixo deverá ser efetuada em todos os marcos do eixo da linha em levantamento, devendo ser indicados no desenho de planta e perfil conforme especificado na Seção Em ambos os casos, a linha deverá ser perfeitamente caracterizada, de modo análogo ao indicado nos itens 02 e 03 desta Seção, onde aplicável Deverão ser consideradas como paralelas as linhas situadas a menos de 30 metros do eixo da linha que está sendo levantada. 5. APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS DOCUMENTAÇÃO O Empreiteiro deverá apresentar à Fiscalização nos prazos contratuais, os seguintes documentos: Planta do traçado Planta e perfil Cadernetas de campo do levantamento do traçado Cadastro dos Proprietários de terrenos conforme modelo anexo 13

14 Folhas de dados para projetos de travessias Esses documentos deverão ser acompanhados por memórias descritivas, triangulação, detalhes de obstáculos e tudo mais requerido nestas Especificações ou ainda julgado relevante pelo Empreiteiro Todos os documentos deverão ser entregues em 2 (duas) vias a Fiscalização, para análise e aprovação. 5.2 PLANTA DO TRAÇADO As folhas deverão Ter as dimensões do formato padrão ABNT-(A2), normal ou alongado (420 X 594, 841 ou 1189mm), em escala 1:50.000, Os originais deverão indicar o responsável técnico pelos serviços e sua assinatura As seguintes informações, pelo menos, deverão constar desses desenhos: Largura da faixa de servidão e localização do eixo, da linha dentro da mesma Pontos de deflexão, numerados de forma idêntica ao especificado no item 3 da Seção 3, com os valores dos ângulos e das respectivas distâncias progressivas indicadas Comprimento das tangentes Tabela contendo todos os pontos de deflexão, comprimento das tangentes, progressivas acumuladas possíveis igualdades de estações Norte verdadeiro, norte magnético Cidades e povoados, ferrovias, rodovias, pontes, linhas, rios, lagos, benfeitores, etc. que se situem próximas da linha ou cruzem seu eixo Detalhes em escala maior dos cruzamentos e aproximações importantes Divisas dos municípios e respectivos nomes. 5.3 PLANTA PERFIL Os desenhos terão as dimensões do padrão ABNT A-1 (841 mm x 594 mm). Todos os originais deverão indicar os e serem devidamente assinados pelo engenheiro responsável. 14

15 As seguintes escalas serão adotadas em todos os desenhos, independentes do tipo de terreno atravessado: horizontal : 1:5000 vertical : 1:500 Em cada desenho serão representados três quilômetros do levantamento, e mais 300 metros da folha anterior e 300 metros da folha posterior. Nas áreas urbanas, dependendo da quantidade de acidentes situados na faixa e a critério da Fiscalização poderão ser utilizadas escalas maiores para representação dos desenhos de planta e perfil Representação nos Desenhos Planta Será localizada na parte inferior do desenho, não milimetrada, devendo conter, no mínimo, as seguintes informações: a) Posição e numeração dos marcos (ou outro qualquer tipo de identificação utilizado nas áreas urbanas) e piquetes; a numeração dos marcos será precedida pela letra M (marcos de alinhamento) ou V (marcos em deflexão); b) Indicação das seguintes características da região atravessada: - natureza do terreno (rochoso, pedregoso, argiloso, arenoso, brejo, etc.); - natureza da vegetação (mato alto, capoeira, pasto, castanhal, etc.); - divisas de propriedades e nome completo dos proprietários: - divisas dos municípios e respectivos nomes. c) Eixo da linha projetada, numa linha reta horizontal, traçada paralelamente à linha do quadro do desenho. d) Indicação do norte verdadeiro no início e final da LD, e azimute em todos os alinhamentos. e) Indicação dos pontos de deflexão por uma linha inclinada interceptando o eixo nesse ponto; com os respectivos ângulos de deflexão. f) Locação e identificação dos obstáculos permanentes (topografia geral) situados dentro de uma faixa de 10m à direita e à esquerda do eixo da linha projetada, quando fora da área urbana. 15

16 Nas áreas urbanas, devido às características especiais de passagem da linha ao longo das ruas e avenidas e/ou seus passeios, deverão ser representados em planta os elementos importantes existentes na faixa (no caso de passagem por centeiros centrais de ruas ou avenidas) ou referentes ao lado do passeio por onde a linha deverá passar (contornos dos prédios, casas, etc.) g) Contorno das edificações, formações rochosas (indicando a cota de elevação do topo desses obstáculos) brejos e/ou terrenos em condições fora do usual; castanhais ou áreas de árvores de grande valor extrativo (indicando a cota do topo das árvores) ou qualquer acidente, que impeça ou dificulte a Locação das estruturas, quando tais acidentes estiverem localizados dentro da faixa de servidão; h) A largura da faixa de servidão e posição do eixo da linha dentro da mesma, indicando a localização de outras linhas existentes ou planejadas para a mesma faixa; no caso de linhas existentes, deverá ser indicada a posição e número de identificação de suas estruturas, bem como seu proprietário e suas características principais; i) Locação e identificação completa dos obstáculos que necessitem de projetos de travessias e indicação do número do desenho em que são fornecidos os detalhes relativos aos obstáculos, de acordo com o item 2 da Seção 4 desta Especificação; j) Identificação e locação completa dos obstáculos que não necessitam projetos de travessias, de acordo com o item 3 da Seção 4 desta Especificação Perfil Será localizada na parte superior do desenho em fundo milimetrado, devendo conter, no mínimo, as seguintes informações. a) Indicação em linha cheia e contínua dos três km do perfil do levantamento topográfico do traçado da LD; b) Indicação em linhas tracejada dos perfis laterais de acordo com o item 2.2 da Seção 3 desta Especificação. Os perfis laterais terão a indicação do lado do eixo da linha em que se situem, caracterizado pela letra E (esquerda) ou D (direita); 16

17 c) Indicação das deflexões do eixo da linha, por um traço vertical, intersecionado por outro, conforme o ângulo seja à esquerda ou à direita, com indicação do vértice e do respectivo ângulo. d) Indicação das elevações, em intervalos de 25 metros, na parte esquerda da folha e em todos os pontos em que for necessário o deslocamento vertical do perfil. e) Representação sumária dos perfis de todos os obstáculos e/ou acidentes, cotando as alturas Numeração dos desenhos Os originais de perfil e planta deverão ter um único número de origem do Empreiteiro, variando as folhas seqüencialmente, de 1 a n, de subestação a subestação Quando ocorrerem áreas embargadas, deverá ser feito uma estimativa da extensão do trecho, reservando-se os números correspondentes à quantidade de folhas representativas do trecho embargado e prosseguindo-se a numeração seqüencialmente nas folhas seguintes Ao ser levantado o embargo, caso o trecho tenha comprimento superior ao estimado, as folhas correspondentes ao excesso serão numeradas numa seqüência alfanumérica (exemplo: 2, 2 A, etc.). Quando for levantada uma variante entre duas folhas, com comprimento superior ao valor primitivo, o mesmo sistema de numeração alfanumérica deverá ser utilizado As legendas serão repetidas em todas as folhas, devendo indicar o nome do Empreiteiro e serem devidamente assinadas pelo responsável Cada folha deverá indicar, no local apropriado, sua articulação com a folha anterior e posterior CADERNETAS DE CAMPO DO LEVANTAMENTO DO EIXO DA LINHA As cadernetas deverão ser preenchidas com clareza e conter o nome do Empreiteiro que executar o serviço. Qualquer observação deverá ser escrita no verso das folhas, não sendo permitidas anotações na frente da folha, além das especificadas a seguir Todos os valores deverão ser preenchidos na caderneta, de modo que o último caracter seja escrito na última coluna, à direita do campo para ele reservado. 17

18 Para cada estação, serão executadas uma visada à ré e uma à vante. O teodolito deverá ser orientado sempre de maneira que o ângulo horizontal seja o 0º para a primeira visada à ré. O aparelho será então girando em torno de seus eixos vertical e horizontal, fazendo-se a seguinte visada à vante com ângulo horizontal de 180º Analogamente, exceto nas estações onde houver deflexão, o ângulo horizontal das duas visadas à vante será de 180º e 0º, respectivamente, antes e após girar-se o aparelho em torno dos eixos vertical e horizontal O formato da caderneta deverá ser preenchida no anexo II, devidamente preenchida Será indicado o tipo de aparelho utilizado, de forma a identificar a orientação de seu limbo vertical As estações serão identificadas por sistema alfanumérico. Não poderão ser utilizadas as letras M, O e V para as estações A altura do instrumento será dada em milímetros, através de um número inteiro com quatro dígitos Quando a mira for uma estação, esta será indicada conforme item acima. Quando a mira for um ponto intermediário qualquer, o mesmo será indicado numericamente Os azimutes e os zênites serão fornecidos através de cinco dígitos, sendo os três primeiros para graus e os dois últimos para minutos As leituras das miras serão fornecidas através de quatro dígitos para cada fio estadimétrico. 5.5 DESENHOS PARA PROJETOS DE TRAVESSIAS Os desenhos para projeto de travessias deverão ser apresentados de acordo com as seguintes escalas: - Horizontal: 1: Vertical: 1: Outras escalas poderão ser adotadas para o perfeito detalhamento do projeto. 6. OBSERVAÇÕES GERAIS RECOMENDAÇÕES 18

19 O empreiteiro obriga-se a respeitar as disposições determinadas pela Legislação Federal, Estadual e Municipal, respondendo pelas infrações que cometer O empreiteiro não procederá ao corte de árvores ou arbustos (em reservas, pomares, culturas, etc.), sem previamente cientificar-se junto à Fiscalização de que em cada trecho o respectivo proprietário das terras concede licença para execução dos serviços Na hipótese de eventual oposição de qualquer proprietário ou terceiros, à execução dos serviços, o Empreiteiro deverá comunicar o fato, por escrito à Fiscalização, dentro de vinte e quatro (24) horas da ocorrência O Empreiteiro é responsável pela adoção de todas as medidas para a preservação de bens e interesses próprios da Fiscalização e de terceiros em geral, inclusive dos empregados da obra A Fiscalização terá livre acesso aos escritórios do Empreiteiro para verificação de seus serviços O Empreiteiro não poderá fornecer plantas, informações ou dados de campo a terceiros O Empreiteiro deverá sempre efetivar consultas por escrito, no caso de dúvidas Os casos omissos na presente Especificações serão resolvidos entre o Empreiteiro e a Fiscalização. 6.2 ENTREGA DOS SERVIÇOS A entrega dos serviços de topografia será conforme o edital. 6.3APROVAÇÃO DOS TRABALHOS A aprovação de todos os trabalhos do levantamento topográfico caberá à fiscalização A aceitação dos trabalhos por parte da Fiscalização não implica na cessação das responsabilidades do Empreiteiro. Porto Velho, 11 de Março de 2009 Eng.º Éder Antoniassi EXPANSÃO DE SISTEMAS 19

ESPECIFICAÇÃO PARA LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE LT 34,5 KV

ESPECIFICAÇÃO PARA LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE LT 34,5 KV ESPECIFICAÇÃO PARA LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE LT 34,5 KV LD CASTELINHO / ABUNÃ 1 ÍNDICE PÁGINA 1 OBJETIVO 03 2 ESCOLHA E IMPLANTAÇÃO DO TRAÇADO 03 ESTUDOS E EXPLORAÇÒES DE CAMPO 03 3 IMPLANTAÇÃO DO TRAÇADO

Leia mais

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE 002/2003 R-01 SERVIÇOS DE TOPOGRAFIA

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE 002/2003 R-01 SERVIÇOS DE TOPOGRAFIA CE 002/2003 R-0 DOCUMENTO NORMATIVO I APRESENTAÇÃO Este documento apresenta diretrizes e critérios básicos necessários para Execução de Levantamento Topográfico de Linhas de Transmissão, Redes de Distribuição

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer critérios e recomendações para levantamento topográfico efetuado pela CELPA ou empresas contratadas, de forma a auxiliar as atividades de cadastramento,

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO AMPLA CEA-002/2014 R-00

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO AMPLA CEA-002/2014 R-00 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /2014 CRITÉRIO DE EXECUÇÃO AMPLA /2014 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Este documento apresenta diretrizes e critérios

Leia mais

0 Emissão Inicial 07/02/2011 N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO

0 Emissão Inicial 07/02/2011 N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO 0 Emissão Inicial 07/02/2011 N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO DES DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DO SISTEMA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. DATA: DATA SISTEMA ELETROSUL

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR/001/12

TERMO DE REFERÊNCIA TR/001/12 TERMO DE REFERÊNCIA TR/001/12 Contratação de empresa especializada em serviços de topografia para Levantamento Topográfico da linha de distribuição 69 kv SE Areal / SE Centro em Porto Velho/RO e da linha

Leia mais

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE-002/2014 R-02

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE-002/2014 R-02 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2014 CRITÉRIO DE EXECUÇÃO /2014 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Este documento apresenta diretrizes e critérios básicos necessários para Execução

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 06 - LOCAÇÃO DE OBRAS Introdução: A locação da obra é o processo de transferência da planta baixa do projeto da edificação para o terreno, ou seja, os recuos, os afastamentos, os alicerces, as paredes,

Leia mais

Figura 17.1 Exemplo de locação.

Figura 17.1 Exemplo de locação. 196 17 Locação 17.1 - INTRODUÇÃO Uma das atividades vinculadas à Topografia é a locação de pontos no terreno. Para a construção de uma obra, por exemplo, inicialmente é necessário realizar-se o levantamento

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE TOPOGRAFIA SUMÁRIO 1.0 - INTRODUÇÃO 1.1 - ESPECIFICAÇÕES CORRELATAS 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO 2.1 - POLIGONAIS DE 1

Leia mais

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 03 MARCAÇÃO DE OBRA

EDIFICAÇÕES. Técnicas construtivas Memória de aula 03 MARCAÇÃO DE OBRA 1. LOCAÇÃO DA OBRA Professora Carolina Barros EDIFICAÇÕES Técnicas construtivas Memória de aula 03 MARCAÇÃO DE OBRA A locação de uma obra consiste em marcar no solo a posição de cada um dos elementos constitutivos

Leia mais

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO 1- As normas técnicas objetivam a caracterização de imóveis rurais pelo levantamento e materialização de seus limites,

Leia mais

ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES

ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES Topografia Medições de Distâncias ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES Ponto topográfico: É todo e qualquer ponto do terreno, que seja importante e levado em conta na medição da área. Ao final de cada alinhamento

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

Tecnologia das Construções IV aula 3 - Prof. Ederaldo Azevedo

Tecnologia das Construções IV aula 3 - Prof. Ederaldo Azevedo 1-Locação de Obras 1.1 Introdução: A locação da obra é o processo de transferência da planta baixa do projeto da edificação para o terreno, ou seja, os recuos, os afastamentos, os alicerces, as paredes,

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA SONDAGENS IN-04/94 Instrução Normativa

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Terra Departamento de Geomática Profa. Dra. Regiane Dalazoana LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 a) Cálculo de Volumes

Leia mais

1.1. Locação da rede de distribuição

1.1. Locação da rede de distribuição 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação da

Leia mais

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE CURSO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MEDIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL, COM ÊNFASE EM CANTEIRO DE OBRAS 2ª parte: Altimetria e Planialtimetria (APLICÁVEL

Leia mais

LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO

LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO A NECESSIDADE DE UM LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO O LP deve ser feito a partir da entrevista com o cliente atendendo as condições solicitadas num programa de necessidades.

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 114

Norma Técnica Interna SABESP NTS 114 Norma Técnica Interna SABESP NTS 114 LOCAÇÃO E LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO DE SEÇÕES TOPOGRÁFICAS Especificação Agosto - 2000 NTS 114: 2000 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1. OBJETIVO...1

Leia mais

Topografia Aplicada a Terraplenagem

Topografia Aplicada a Terraplenagem Topografia Aplicada a Terraplenagem ALTIMETRIA Nivelamento Geométrico Método das Visadas Extremas PLANIMETRIA Malha Regular PLANIMETRIA IMPLANTAÇÃO DA MALHA REGULAR Equipamentos: 1 Teodolito (Utilizado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS METÁLICAS Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-08/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de estacas

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Introdução à Topografia

Introdução à Topografia Topografia Introdução à Topografia Etimologicamente a palavra TOPOS, em grego, significa lugar e GRAPHEN descrição, assim, de uma forma bastante simples, Topografia significa descrição do lugar. O termo

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR 81,9(56,'$'()('(5$/'&($5È '(3$57$0(17'((1*(1+$5,$(6758785$/( &16758d &,9,/ 17$6'($8/$6 &16758d '((',)Ë&,6, /&$d '$%5$ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, /RFDomRGDEUD -7 /&$d '$%5$,175'8d

Leia mais

Exercícios de Altimetria

Exercícios de Altimetria UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Exercícios de Altimetria Nivelamento Geométrico e Trigonométrico Autores: Prof. Fernando José de Lima Botelho Prof. Eduardo Oliveira Barros Prof. Glauber Carvalho

Leia mais

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA 1. Introdução. 2. Medida Direta de Distâncias. 2.1. Equipamentos utilizados na Medida Direta de Distâncias. 2.2. Cuidados na Medida Direta de Distâncias. 2.3. Método na Medida

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PUBLICADO NO DOM N o 80 DE 20 / OUTUBRO / 2005 DECRETO N o 1.255 Regulamenta a Lei n o 11.035/04 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S GRUPO: 010000 CANTEIRO DE OBRAS ET: ET 01/05 010500 FOLHA: SUMÁRIO 1. OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.1 OBJETIVO:...1 1.2 DEFINIÇÕES:...1 2. EQUIPAMENTOS...6 3. EXECUÇÃO DE SERVIÇOS TOPOGRÁFICOS...6 3.1. NORMAS

Leia mais

LOCAÇÃO DE OBRAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

LOCAÇÃO DE OBRAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I LOCAÇÃO DE OBRAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I O QUE É? Implantação de um projeto no terreno, de modo a determinar todos os referenciais

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA]

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA] 2009 [APOSTILA DE TOPOGRAFIA] - SENAI-DR/ES CEP HRD APOSTILA DE TOPOGRAFIA Apostila montada e revisada pela Doc. Regiane F. Giacomin em março de 2009. Tal material foi baseado, e recortado em alguns momentos

Leia mais

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 1 - PROJETO - ESTUDOS PRELIMINARES APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Elaborar um bom projeto arquitetónico; Utilizando métodos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ 1. Objeto Contratação de serviço especializado de topografia plani-altimétrica georeferenciada

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEI N.º 1.265/2003 CAPÍTULO I

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEI N.º 1.265/2003 CAPÍTULO I LEI N.º 1.265/2003 Dispõe sobre a instalação de estações transmissoras de rádio, televisão, telefonia celular, telecomunicações em geral e outras antenas transmissoras de radiação eletromagnética no Município

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de polidutos (oleodutos, gasodutos, tubulações diversas, etc) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

Dimensionando uma estrutura vertical Aspectos fundamentais de projeto Análise NBR 6123

Dimensionando uma estrutura vertical Aspectos fundamentais de projeto Análise NBR 6123 Dimensionando uma estrutura vertical Aspectos fundamentais de projeto Análise NBR 6123 Quando um cliente necessita de uma estrutura vertical para telecomunicações, deve informar os seguintes itens que

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS RURAIS

REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS RURAIS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº DA VIGÊNCIA R2 13/05/2013 R2 13/05/2013 SUMÁRIO 1 Finalidade... 3 2 Âmbito de Aplicação... 3 3 Conceitos Básicos... 3 4 Referências... 7 5 Considerações Gerais... 9 6 Planejamento...

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

1 - PROJETO - ESTUDOS PRELIMINARES

1 - PROJETO - ESTUDOS PRELIMINARES 1 - PROJETO - ESTUDOS PRELIMINARES APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Elaborar um bom projeto arquitetônico; Utilizando métodos simples, definir a planimetria e a altimetria de um terreno;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 200784 Topografia I PLANO DE ENSINO Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE ENSINO: 1. TOPOGRAFIA: Definições, Objetivos e Divisões.

Leia mais

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA TOPOGRAFIA E GEODÉSIA Algumas Novidades da Versão Office: Reformulação das Planilhas de Cálculos; GeraçãodeLayoutsdeImpressão; Inserção e Georreferenciamento de Imagens Raster;

Leia mais

Disciplina: Topografia I

Disciplina: Topografia I Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia I Indrodução atopografia definição Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos"

Leia mais

NT CRITÉRIO PARA PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE E.E IT PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL TRIFÁSICA.

NT CRITÉRIO PARA PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE E.E IT PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL TRIFÁSICA. 1 de 66 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS COMPLEMENTARES 4. DEFINIÇÕES 5. ANTEPROJETO 6. CONTEÚDO DE PROJETO 7. SIMBOLOGIA 8. LEVANTAMENTO 9. ESTIMATIVA DE DEMANDA 10. PROJETO CONVENCIONAL

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS DO SISTEMA RODOVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL 1. OBJETIVO Estabelecer complementação visando instruir

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro eletrônico faz tudo Faz quase tudo Faz quase tudo Mas ele é mudo. O cérebro eletrônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto aos procedimentos administrativos

Leia mais

DICAS PARA COMPRAR UM TERRENO

DICAS PARA COMPRAR UM TERRENO DICAS PARA COMPRAR UM TERRENO Informações úteis para uma boa escolha do terreno Jamais desconsidere a assistência técnica de um profissional na avaliação do terreno que se pretende adquirir Na escolha

Leia mais

Introdução da Topografia

Introdução da Topografia UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1 Introdução da Topografia Aula 1 Recife, 2014 O QUE É TOPOGRAFIA Grego Português Topo Lugar Grafia Descrição

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL

PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL Divisão de Áreas Introdução Para a realização de um loteamento, o primeiro passo é o levantamento topográfico do terreno. Depois, a elaboração do projeto arquitetônico,

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-10/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Altera a Resolução SMU n.º 703 de 29/12/2006 que consolida, organiza e atualiza as normas, os procedimentos e a padronização para a elaboração e aprovação dos

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de adutoras de água e emissário de esgoto nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto

Leia mais

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien e Fabrício AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO Lucas Bach Adada 1 Conteúdo Programático Definição de Projeto Geométrico; Classificação das Vias e Rodovias ; Critérios

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS SOB JURISDIÇÃO DO DER/DF 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMETRO NO MUNICÍPIO DE ALTAMIRA: CARACTERIZAÇÃO DA COTA 100 NO NÚCLEO URBANO

RELATÓRIO TÉCNICO DE LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMETRO NO MUNICÍPIO DE ALTAMIRA: CARACTERIZAÇÃO DA COTA 100 NO NÚCLEO URBANO Universidade Federal do Pará RELATÓRIO TÉCNICO DE LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMETRO NO MUNICÍPIO DE ALTAMIRA: CARACTERIZAÇÃO DA COTA 100 NO NÚCLEO URBANO SOLICITANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico

Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Departamento de Engenharia Civil Métodos de Levantamento Clássico Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 006 / 007 1. INTRODUÇÃO O levantamento clássico utiliza aparelhos como a prancheta e respectiva

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

ISF 204: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS EXECUTIVOS DE FERROVIAS

ISF 204: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS EXECUTIVOS DE FERROVIAS ISF 204: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS EXECUTIVOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes dos Estudos Topográficos a serem desenvolvidos nos Projetos Executivos de Engenharia.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Araripina PE OBRA: Construção de Pavimentação em Araripina LOTE III LOCAL: Rua Trav.

Leia mais

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo Materiais e Tecnologia Construtiva I Prof. Angelo Just da Costa e Silva Escolha do terreno Demolição Limpeza do terreno CONCEITOS INICIAIS Instalações provisórias

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA TOPOGRÁFICA. 5.1.1 Conceitos

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA TOPOGRÁFICA. 5.1.1 Conceitos CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais