ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA"

Transcrição

1 ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 3. - SISTEMATIZAÇÃO DE CONCEITOS E REVISÃO DA LITERATURA INTERPOLAÇÃO ESPACIAL DE INFORMAÇÃO ASSOCIADA A PONTOS Interpolação polinomial Interpolação polinomial simples Regressão linear Interpolação polinomial ajustada por mínimos quadrados Interpolação em função da distância Média aritmética simples e média móvel Polígonos de influência Triangulação Interpolação em função do inverso da distância Métodos geoestatísticos Krigagem ordinária Krigagem com deriva externa Cokrigagem Splines Interpolação multi-quádrica Diferenças finitas Séries de Fourier MEDIDAS DE AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DE DIVERSOS MODELOS DE ESTIMAÇÃO i

2 3.3 - INTERPOLAÇÃO ESPACIAL DE PRECIPITAÇÃO Associação da precipitação com aspectos fisiográficos e climáticos Modelação da estrutura espacial da precipitação Estimação de precipitação anual e mensal Estimação de precipitações diárias Estimação de precipitações com durações inferiores à diária Influência da densidade de amostragem e da resolução espacial na estimação da precipitação Estimação da precipitação média afecta a uma área geográfica SUBDIVISÃO DO DOMÍNIO ESPACIAL EM ÁREAS HOMOGÉNEAS COM BASE NA PRECIPITAÇÃO E OUTROS FACTORES CLIMÁTICOS E OROGRÁFICOS AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA VARIAÇÃO DA RESOLUÇÃO ESPACIAL / ESCALA DESENHO E REDIMENSIONAMENTO DE REDES DE MONITORIZAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO LACUNAS 4. - METODOLOGIA SELECÇÃO, AJUSTAMENTO E COMPLETAMENTO DAS SÉRIES DE PRECIPITAÇÃO ANALISADAS ORGANIZAÇÃO E CRIAÇÃO DE INFORMAÇÃO TEMÁTICA EM AMBIENTE SIG MODELAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS PRODUZIDOS POR DIFERENTES MODELOS DE INTERPOLAÇÃO PESQUISA DE REGIÕES COM CARACTERÍSTICAS PLUVIOMÉTRICAS E FISIOGRÁFICAS AFINS CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA REDE DE MONITORIZAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO ADOPTADA 5. - APLICAÇÃO A PORTUGAL CONTINENTAL 5.1 CONTEXTO Sobre o clima de Portugal Continental e os aspectos orográficos mais influentes Variabilidade espacial e temporal da precipitação Experiências de interpolação e mapeamento da precipitação aplicadas a Portugal Continental ii

3 5.2 - TRABALHO DESENVOLVIDO Selecção, ajustamento e completamento das séries de precipitação analisadas Selecção inicial de postos com base no comprimento das séries de precipitação disponíveis Cálculo de distâncias entre postos Avaliação de estatísticas descritivas Análise da associação linear entre séries de precipitação anual Detecção de inconsistências e remoção de tendências nas séries de precipitação anual Análise de aleatoriedade Desenvolvimento de ensaios de dupla acumulação Remoção de tendências nas séries de precipitação anual Preenchimento de falhas nas séries de precipitação anual Correcção das séries de precipitação mensal Preenchimento de falhas nas séries de precipitação mensal Cálculo de períodos de retorno para as séries de precipitação máxima diária anual Organização e criação de informação temática em sistema de informação geográfica Determinação de áreas de influência dos postos de medição de precipitação Cálculo de distâncias ao mar Criação dos modelos digitais do terreno Desenvolvimento de procedimentos para validação da informação de base utilizada na criação dos modelos digitais do terreno Modelação altimétrica Criação de informação associada aos modelos digitais do terreno Declives, exposições e variáveis calculadas a partir do declive Patamares altimétricos Obstruções ao avanço das massas de ar Barreiras e diferenças altimétricas avaliadas numa vizinhança local iii

4 Análise e modelação da continuidade espacial da precipitação Análise da estrutura fractal da precipitação Modelação da distribuição espacial da precipitação Estimação da precipitação através de métodos uni-variados Interpolação polinomial ajustada por mínimos quadrados Interpolação por Thin Plate Splines Polígonos de influência (Thiessen) Triangulação de Delaunay Interpolação em função do inverso da distância Krigagem ordinária Estimação da precipitação com recurso a variáveis auxiliares Krigagem com deriva externa Cokrigagem Regressão linear uni-variada desenvolvida sobre uma vizinhança móvel Regressão linear multi-variada Pesquisa de regiões com características pluviométricas e fisiográficas afins Caracterização da rede de monitorização de precipitação adoptada Configuração espacial e aspectos fisiográficos associados à rede de monitorização da precipitação Classificação qualitativa das séries de precipitação anual ANÁLISE E DISCUSSÃO DE RESULTADOS Avaliação dos resultados de estimação da precipitação Análise comparativa dos modelos ensaiados na estimação da precipitação Precipitação total anual Precipitação em ano seco Precipitação em ano húmido Precipitação média de Janeiro Precipitação média de Fevereiro Precipitação média de Março iv

5 Precipitação média de Abril Precipitação média de Maio Precipitação média de Junho Precipitação média de Julho Precipitação média de Agosto Precipitação média de Setembro Precipitação média de Outubro Precipitação média de Novembro Precipitação média de Dezembro Precipitação máxima diária anual para um período de retorno de 100 anos Precipitação máxima diária anual para um período de retorno de 2 anos Síntese da comparação de modelos Análise da influência da variação do nível de desagregação espacial das variáveis auxiliares na estimação da precipitação Contributo da utilização de regiões homogéneas para a melhoria das estimativas de precipitação Comparação dos mapas de precipitação total anual relativos aos períodos e 1959/ / Contributo para a reestruturação da rede de monitorização de precipitação de Portugal Continental DISPONIBILIZAÇÃO DOS MAPAS DE PRECIPITAÇÃO AO PÚBLICO 6. - CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO 7. - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Anexo I - Anexo II - Anexo III - auxiliares Anexo IV - Dicionário de variáveis Análise da continuidade espacial da precipitação Associação linear existente entre a precipitação e diversas variáveis Modelos de regressão múltipla utilizados na estimação da precipitação v

6 Anexo V - precipitação Medidas de avaliação dos modelos testados na estimação da Anexo VI - Classificação qualitativa das séries de precipitação anual Anexo VII - Mapas, alternativos aos seleccionados, desenvolvidos para avaliação de modelos de estimação da precipitação vi

CAPÍTULO 4 - METODOLOGIA

CAPÍTULO 4 - METODOLOGIA 4. METODOLOGIA No presente capítulo descreve-se a metodologia adoptada no desenvolvimento da componente prática da dissertação. Tendo por objectivo a produção de mapas caracterizadores da distribuição

Leia mais

Nivelamento: conceitos básicos sobre geoestatística. Dr. Diego Silva Siqueira Colaborador no Grupo de Pesquisa CSME

Nivelamento: conceitos básicos sobre geoestatística. Dr. Diego Silva Siqueira Colaborador no Grupo de Pesquisa CSME Nivelamento: conceitos básicos sobre geoestatística Dr. Diego Silva Siqueira Colaborador no Grupo de Pesquisa CSME Panorama atual: conhecimento da variabilidade Tecnologia de sementes OK Insumos OK Engenharia

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 9 -Métodos estatísticos aplicados à hidrologia ANO 2016

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 9 -Métodos estatísticos aplicados à hidrologia ANO 2016 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 9 -Métodos estatísticos aplicados à hidrologia ANO 2016 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Caracterização

Leia mais

Prof: Felipe C. V. dos Santos

Prof: Felipe C. V. dos Santos Prof: Felipe C. V. dos Santos Goiânia 04, 03 2016 PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL HIDROLOGIA APLICADA Prof. M. Sc. Felipe Corrêa

Leia mais

Aplicações SIG em Climatologia e Meteorologia no IPMA

Aplicações SIG em Climatologia e Meteorologia no IPMA Aplicações SIG em Climatologia e Meteorologia no IPMA Álvaro Pimpão Silva Agradecimentos: Fátima Espírito Santo, Pedro Viterbo, Sofia Cunha, Natália Câmara, Jorge Neto, Manuel Mendes, Vanda Pires, Jorge

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA E PREVISÃO INDICE

ESTATÍSTICA DESCRITIVA E PREVISÃO INDICE ESTATÍSTICA DESCRITIVA E PREVISÃO INDICE CAPITULO L APRESENTAÇÃO DE DADOS, pag 1 1.1 Introdução, 2 1.2. Quadros ou Tabelas, 3 1.3 Distribuições de Frequência, 4 1.4 Classificação de Dados, 7 1.5 Distribuição

Leia mais

13 DOTAÇÕES DE REGA 13.1 Introdução 13.2 Evapotranspiração Cultural 13.3 Dotações de Rega 13.4 Exercícios Bibliografia

13 DOTAÇÕES DE REGA 13.1 Introdução 13.2 Evapotranspiração Cultural 13.3 Dotações de Rega 13.4 Exercícios Bibliografia PREFÁCIO 1 INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA E AOS RECURSOS HÍDRICOS 1.1 Conceitos Gerais 1.2 Breve Nota Sobre a Evolução da Ciência da Hidrologia 1.2.1 A hidrologia na Antiguidade Oriental 1.2.2 A hidrologia na

Leia mais

Formação das precipitações

Formação das precipitações 6.1. Definição A precipitação consiste no produto da condensação atmosférica depositado no solo. As formas mais comuns de precipitação entre outras são a chuva, a neve, o granizo e o orvalho. Formação

Leia mais

Modelo Digital do Terreno. Modelação do Relevo. Representação. Representação. Grandezas que se pode obter. Dados altimétricos: amostragem

Modelo Digital do Terreno. Modelação do Relevo. Representação. Representação. Grandezas que se pode obter. Dados altimétricos: amostragem Sistemas de Informação Geográfica Modelação do Relevo. Modelo Digital do Terreno. Representação 3. Declive, Orientação, Curvatura 4. Caracterização morfológica. TIN Redes irregulares trianguladas 6. Isolinhas

Leia mais

~J',164x" Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA

~J',164x Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA .-...--~'" ) ~J',164x" Marcelo Guimarães Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA Dissertação apresentada ao Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, para a obtenção de

Leia mais

CALENDÁRIO DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

CALENDÁRIO DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 2016-2020 2016 3 a 10 fevereiro 6 fevereiro 9 fevereiro - Exposições e 7 a 17 abril 9 abril 10 abril 17 abril 4, 11, 18 e 25 junho 28 agosto a 11 setembro 4 setembro 5 a 11 setembro 10 setembro 15 a 17

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir a importância

Leia mais

Análise de Dados Espaciais: Baseadas na Distância

Análise de Dados Espaciais: Baseadas na Distância Análise de Dados Espaciais: Baseadas na Distância Flávia F. Feitosa Disciplina PGT 035 Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento e Gestão do Território Aula disponível em: https://flaviafeitosa.wordpress.com/talksteaching/geopgt/

Leia mais

Apontamentos de Introdução às Probabilidades e à Estatística

Apontamentos de Introdução às Probabilidades e à Estatística i Índice 1. Introdução 1 1.1. Enquadramento e objectivos 2 1.2. Organização 5 1.3. Noções base da Estatística 7 1.3.1. Distinção entre população e amostra 8 1.3.2. Amostragem 10 1.3.3. Unidade estatística

Leia mais

ESTUDO DE VARIABILIDADE DAS PRECIPITAÇÕES EM RELAÇÃO COM O EL NIÑO OSCILAÇÃO SUL (ENOS) EM ERECHIM/RS, BRASIL.

ESTUDO DE VARIABILIDADE DAS PRECIPITAÇÕES EM RELAÇÃO COM O EL NIÑO OSCILAÇÃO SUL (ENOS) EM ERECHIM/RS, BRASIL. ESTUDO DE VARIABILIDADE DAS PRECIPITAÇÕES EM RELAÇÃO COM O EL NIÑO OSCILAÇÃO SUL (ENOS) EM ERECHIM/RS, BRASIL. Josué Vicente Gregio 1 jvgregio@gmail.com Fabio de Oliveira Sanches 2 fsanches@uffs.edu.br

Leia mais

Distribuição Da Precipitação Média Na Bacia Do Riacho Corrente E Aptidões Para Cultura Do Eucalipto

Distribuição Da Precipitação Média Na Bacia Do Riacho Corrente E Aptidões Para Cultura Do Eucalipto Distribuição Da Precipitação Média Na Bacia Do Riacho Corrente E Aptidões Para Cultura Do Eucalipto Jailson Silva Machado ( ¹ ) ; João Batista Lopes da Silva (2) ; Francisca Gislene Albano (3) ; Ilvan

Leia mais

DesertWatch Extension to Portuguese Partners

DesertWatch Extension to Portuguese Partners DesertWatch Extension to Portuguese Partners 2009 Critical Software S.A. Ocupação do Solo Resumo Objectivos Ocupação do Solo Áreas de Estudo Nomenclatura DW-E Dados de Observação da Terra Comparação dos

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Precipitação: análise de dados pluviométricos. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Precipitação: análise de dados pluviométricos. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: análise de dados pluviométricos Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Identificar erros em séries de dados

Leia mais

ANÁLISE GEOESTATÍSTICA: UMA INTRODUÇÃO. Célia Regina Grego

ANÁLISE GEOESTATÍSTICA: UMA INTRODUÇÃO. Célia Regina Grego ANÁLISE GEOESTATÍSTICA: UMA INTRODUÇÃO Célia Regina Grego crgrego@cnpm.embrapa.br CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE EXPLORATÓRIA 3. SEMIVARIOGRAMA 4. INTERPOLAÇÃO 5. CONSTRUÇÃO DE MAPAS 1. INTRODUÇÃO SURGIMENTO

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SUPERFÍCIES: MODELO MATRICIAL (RASTER) GEOMÁTICA - 17ª aula

REPRESENTAÇÃO DE SUPERFÍCIES: MODELO MATRICIAL (RASTER) GEOMÁTICA - 17ª aula REPRESENTAÇÃO DE SUPERFÍCIES: MODELO MATRICIAL (RASTER) GEOMÁTICA - 17ª aula Modelo de dados raster As estruturas Raster representam os objectos geográficos dividindo a superfície em células rectangulares

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS ( ) CADERNOI INFORMAÇÃO DE BASE. Índice

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS ( ) CADERNOI INFORMAÇÃO DE BASE. Índice Índice Análise biofísica e socioeconómica sumária, nos aspetos com relevância para a determinação do risco de incêndio ------------------------------------------------------------- 1 1. Caracterização

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos de Marketing e Marketing Research

Capítulo 1 Conceitos de Marketing e Marketing Research Índice Prefácio 21 Introdução 25 PARTE I Capítulo 1 Conceitos de Marketing e Marketing Research 1. Evolução do Marketing 33 2. Evolução do conceito de Marketing 35 3. Modelo do sistema de Marketing 38

Leia mais

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria.

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. HABILITAÇÃO: BACHARELADO 1ª Série 6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. 6GEO054 CLIMATOLOGIA Bases teóricas da climatologia:

Leia mais

Referência Banco de dados FioCruz Doc LAB1_GEO.doc. Autor Eduardo C. G. Camargo Versão 1.0 Data DEZ / Revisão Versão Data

Referência Banco de dados FioCruz Doc LAB1_GEO.doc. Autor Eduardo C. G. Camargo Versão 1.0 Data DEZ / Revisão Versão Data Ministério da Ciência e Tecnologia Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Análise Espacial de Dados Geográficos Laboratório Módulo: Geoestatística Linear Referência Banco de dados FioCruz Doc LAB_GEO.doc

Leia mais

Tutorial QGIS Modelagem Numérica de Terreno

Tutorial QGIS Modelagem Numérica de Terreno Tutorial QGIS Modelagem Numérica de Terreno Sistemas de Informações Geográficas Engenharia de Agrimensura e Cartográfica 7º Período Alunos: Valter Antônio da Silva Thomas Lucas Ricardo Professor: Ângelo

Leia mais

Redes Neurais. A Rede RBF. Redes RBF: Função de Base Radial. Prof. Paulo Martins Engel. Regressão não paramétrica. Redes RBF: Radial-Basis Functions

Redes Neurais. A Rede RBF. Redes RBF: Função de Base Radial. Prof. Paulo Martins Engel. Regressão não paramétrica. Redes RBF: Radial-Basis Functions Redes RBF: Função de Base Radial Redes Neurais A Rede RBF O LP é baseado em unidades que calculam uma função não-linear do produto escalar do vetor de entrada e um vetor de peso. A rede RBF pertence a

Leia mais

Riscos de inundações fluviais e estuarinas

Riscos de inundações fluviais e estuarinas Riscos de inundações fluviais e estuarinas Elsa Alves Marta Rodrigues Iniciativa Riscos Ciclo de Encontros Riscos Naturais 20 de Setembro de 2012, Fundação Calouste Gulbenkian Riscos de inundações fluviais

Leia mais

CAPÍTULO 5 - APLICAÇÃO A PORTUGAL CONTINENTAL

CAPÍTULO 5 - APLICAÇÃO A PORTUGAL CONTINENTAL 5. APLICAÇÃO A PORTUGAL CONTINENTAL O presente capítulo inicia-se com o enquadramento geográfico e temporal do trabalho prático realizado. Em seguida descrevem-se as tarefas desenvolvidas e apresentam-se

Leia mais

MODELAGEM DE SUPERFÍCIES. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

MODELAGEM DE SUPERFÍCIES. Prof. Dr. Cristiano Zerbato MODELAGEM DE SUPERFÍCIES Prof. Dr. Cristiano Zerbato Introdução MODELO DIGITAL DO TERRENO: DTM - DIGITAL TERRAIN MODEL: Termo introduzido em 1958, por Miller e La Flame. Modelo Digital de Terreno MDT Digital

Leia mais

Modelo Digital do Terreno. Modelação do Relevo. Representação. Representação. Matricial. Declive

Modelo Digital do Terreno. Modelação do Relevo. Representação. Representação. Matricial. Declive Sistemas de Informação Geográfica Modelação do Relevo. Modelo Digital do Terreno. Representação 3. Declive, Orientação, Curvatura 4. Caracterização morfológica. TIN. Isolinhas 7. GRID vs. TIN vs. Isolinhas

Leia mais

4.2.1 CONSISTÊNCIA DOS DADOS

4.2.1 CONSISTÊNCIA DOS DADOS 28 4.2 MÉTODOS Após a coleta de dados e análise de estudos sobre o comportamento das chuvas em diversas cidades e sua variabilidade espacial, sobretudo nas regiões intertropicais, a fim de se fundamentar

Leia mais

PREENCHIMENTO DE FALHAS EM SÉRIE DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS DE URUGUAIANA (RS) E ANÁLISE DE TENDÊNCIA

PREENCHIMENTO DE FALHAS EM SÉRIE DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS DE URUGUAIANA (RS) E ANÁLISE DE TENDÊNCIA PREENCHIMENTO DE FALHAS EM SÉRIE DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS DE URUGUAIANA (RS) E ANÁLISE DE TENDÊNCIA Fabio de Oliveira SANCHES¹, ², Roberto VERDUM², Gilberto FISCH³ ¹UFFS (Erechim), ²UFRGS, ³IAE/CTA fsanches@uffs.edu.br

Leia mais

Multi-Layer. Perceptron. Sumário. Aplicações de Redes Neurais. Previsão de Séries Temporais. Aplicações de Previsão

Multi-Layer. Perceptron. Sumário. Aplicações de Redes Neurais. Previsão de Séries Temporais. Aplicações de Previsão Aplicações de Redes Neurais Multi-Layer Perceptron Previsão de Séries Temporais Inferência da Qualidade de Produtos de Destilação (Soft Sensors) Classificação de Imagens Determinação da Carga Limite em

Leia mais

Modelagem de fenômenos naturais ANÁLISE ESTATÍSTICA DE VARIÁVEIS REGIONALIZADAS

Modelagem de fenômenos naturais ANÁLISE ESTATÍSTICA DE VARIÁVEIS REGIONALIZADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS UNESP, campus de Botucatu Programa de Pós-Graduação ANÁLISE ESTATÍSTICA DE VARIÁVEIS REGIONALIZADAS Paulo M. Barbosa Landim paulomblandim@gmail.com 11/07 Análise espacial

Leia mais

Cartografia Digital e Geoprocessamento

Cartografia Digital e Geoprocessamento Cartografia Digital e Geoprocessamento Processo/ Fenômeno Dado Espacial/ Geodado Espaço Geográfico Redução de Dimensionalidade Espaço (Representado) Mapas Representações Computacionais De ALGUMAS Dimensões

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE MÉTODOS DE INTERPOLAÇÃO PARA A ESPACIALIZAÇÃO DOS PERCENTIS 75 DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA ANUAL PARA O ESTADO DO PIAUÍ

ANÁLISE COMPARATIVA DE MÉTODOS DE INTERPOLAÇÃO PARA A ESPACIALIZAÇÃO DOS PERCENTIS 75 DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA ANUAL PARA O ESTADO DO PIAUÍ ANÁLISE COMPARATIVA DE MÉTODOS DE INTERPOLAÇÃO PARA A ESPACIALIZAÇÃO DOS PERCENTIS 75 DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA ANUAL PARA O ESTADO DO PIAUÍ F. E. P. MOUSINHO 1 ; A. S. ANDRADE JÚNIOR. 2 ; J. A. FRIZZONE

Leia mais

ESTUDOS ECOLÓGICOS. Unidade de observação é um grupo de pessoas e não o indivíduo

ESTUDOS ECOLÓGICOS. Unidade de observação é um grupo de pessoas e não o indivíduo Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia Estudos

Leia mais

Livro: Sistemas e Ciências da Informação Geográfica. SUMÁRIO 1 Introdução

Livro: Sistemas e Ciências da Informação Geográfica. SUMÁRIO 1 Introdução Livro: Sistemas e Ciências da Informação Geográfica SUMÁRIO 1 Introdução Sistemas, Ciência e Estudo 3 1.1 Introdução: Por que os SIG são importantes? 4 O espacial é especial 11 1.2 Dados, informação, conhecimento,

Leia mais

ÍNDICE Janelas Menus Barras de ferramentas Barra de estado Caixas de diálogo

ÍNDICE Janelas Menus Barras de ferramentas Barra de estado Caixas de diálogo XXXXXXXX ÍNDICE INTRODUÇÃO 15 1. VISÃO GERAL DO SPSS PARA WINDOWS 17 1.1. Janelas 17 1.2. Menus 20 1.3. Barras de ferramentas 21 1.4. Barra de estado 21 1.5. Caixas de diálogo 22 2. OPERAÇÕES BÁSICAS 23

Leia mais

Modelo matricial. Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Aula 6 Modelo matricial. Modelo matricial. Modelo matricial. Resolução espacial

Modelo matricial. Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Aula 6 Modelo matricial. Modelo matricial. Modelo matricial. Resolução espacial Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica ula 6 Modelo matricial lexandre Gonçalves DECivil - IST alexandre.goncalves@tecnico.ulisboa.pt Modelo matricial 1. Resolução 2. Tipos de valores e dados

Leia mais

Caracterização do regime de ventos no litoral

Caracterização do regime de ventos no litoral CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO NO LITORAL ABRANGIDO PELA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Estudo do litoral na área de intervenção da APA, I.P.

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Civil

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Civil Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Civil CURSO: Engenharia Civil DISCIPLINA: HIDROLOGIA ANO: 3º SEMESTRE: 6º ANO LECTIVO: 2016 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 64

Leia mais

Estudos de tendências de índices de precipitação sobre o estado da Bahia

Estudos de tendências de índices de precipitação sobre o estado da Bahia Estudos de tendências de índices de precipitação sobre o estado da Bahia Rayana Santos Araújo 1, José Ivaldo Barbosa de Brito 2, 1 Aluna de Graduação em Meteorologia, Bolsista PIBIC/CNPq, Unidade Acadêmica

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA Cristina HENRIQUES Faculdade de Arquitectura Universidade Técnica de Lisboa e-geo Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional Universidade

Leia mais

Funções do SIG. Todos os SIG s têm a capacidade de realizar operações de Superposição Banco de Dados consistente e bem planejado

Funções do SIG. Todos os SIG s têm a capacidade de realizar operações de Superposição Banco de Dados consistente e bem planejado Funções do SIG Todos os SIG s têm a capacidade de realizar operações de Superposição Banco de Dados consistente e bem planejado O SIG opera no meio digital, trabalha com dados georeferenciados, possui

Leia mais

DISCIPLINA DE MATEMÁTICA OBJETIVOS: 1ª Série

DISCIPLINA DE MATEMÁTICA OBJETIVOS: 1ª Série DISCIPLINA DE MATEMÁTICA OBJETIVOS: 1ª Série Compreender os conceitos, procedimentos e estratégias matemáticas que permitam a ele desenvolver estudos posteriores e adquirir uma formação científica geral.

Leia mais

TRANSPORTE DE SEDIMENTOS NO SUL DE PORTUGAL. Rios Tejo e Guadiana

TRANSPORTE DE SEDIMENTOS NO SUL DE PORTUGAL. Rios Tejo e Guadiana TRANSPORTE DE SEDIMENTOS NO SUL DE PORTUGAL Rios Tejo e Guadiana A metodologia proposta baseia-se na integração de modelos hidrológicos com Sistemas de Informação Geográfica, de uma forma distribuída,

Leia mais

Análise Multicritério e Modelagem de Dados Ambientais. Web Treinamento do Instituto GEOeduc Autor: Arthur Paiva

Análise Multicritério e Modelagem de Dados Ambientais. Web Treinamento do Instituto GEOeduc Autor: Arthur Paiva Análise Multicritério e Modelagem de Dados Ambientais Web Treinamento do Instituto GEOeduc Autor: Arthur Paiva SUMÁRIO Análise Espacial e Geoprocessamento Mapeamento Temático no Ambiente SIG Conceito de

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO Francisco José Silva Soares Mendes Graduando em Geografia pela Universidade Federal do Ceará- UFC/Fortaleza-CE. mendesfjss@yahoo.com.br.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO - UNEMAT. Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET / Sinop Curso de Bacharelado em Engenharia Elétrica

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO - UNEMAT. Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET / Sinop Curso de Bacharelado em Engenharia Elétrica REDES DE FUNÇÃO DE BASE RADIAL - RBF Prof. Dr. André A. P. Biscaro 1º Semestre de 2017 Funções de Base Global Funções de Base Global são usadas pelas redes BP. Estas funções são definidas como funções

Leia mais

Nota Introdutória... IX. Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI. Capítulo 1 A Metrologia em Portugal...

Nota Introdutória... IX. Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI. Capítulo 1 A Metrologia em Portugal... Índice Nota Introdutória... IX Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI Capítulo 1 A Metrologia em Portugal... 1 1.1 CONCEITO DE METROLOGIA... 1 1.2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA METROLOGIA

Leia mais

MODELAÇÃO HIDROLÓGICA DISTRIBUÍDA APLICAÇÃO À BACIA DO RIO GUADIANA.

MODELAÇÃO HIDROLÓGICA DISTRIBUÍDA APLICAÇÃO À BACIA DO RIO GUADIANA. MODELAÇÃO HIDROLÓGICA DISTRIBUÍDA APLICAÇÃO À BACIA DO RIO GUADIANA. Fernanda GOMES ( 1 ) e Rui RODRIGUES ( 2 ) RESUMO A transformação da precipitação em escoamento é um processo extremamente complexo

Leia mais

Avaliação por modelação em SIG da contaminação mineira por drenagem ácida em S. Domingos (Faixa Piritosa, Alentejo)

Avaliação por modelação em SIG da contaminação mineira por drenagem ácida em S. Domingos (Faixa Piritosa, Alentejo) Ciências da Terra (UNL), Lisboa, nº esp. V, CD-ROM, pp. M6-M10 Avaliação por modelação em SIG da contaminação mineira por drenagem ácida em S. Domingos (Faixa Piritosa, Alentejo) M. J. Batista (a,1), M.

Leia mais

Vanda Pires. Divisão de Clima e Alterações Climáticas Agradecimentos: Fátima E. Santo e Álvaro Silva

Vanda Pires. Divisão de Clima e Alterações Climáticas Agradecimentos: Fátima E. Santo e Álvaro Silva Aplicações Estatísticas em Climatologia Statistical Applications in Climatology Vanda Pires Agradecimentos: Fátima E. Santo e Álvaro Silva Divisão de Clima e Alterações Climáticas vanda.cabrinha@ipma.pt

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA A informação disponibilizada na página do Instituto da Água, I.P. (INAG) refere-se aos dados recolhidos

Leia mais

Espacialização das estimativas das temperaturas máximas, médias e mínimas anuais para o Vale do Taquari - RS - Brasil, pelo método de regressão linear

Espacialização das estimativas das temperaturas máximas, médias e mínimas anuais para o Vale do Taquari - RS - Brasil, pelo método de regressão linear Espacialização das estimativas das temperaturas máximas, médias e mínimas anuais para o Vale do Taquari - RS - Brasil, pelo método de regressão linear Vianei Luís Diedrich 1 Everaldo Rigelo Ferreira 1

Leia mais

CORRELAÇÃO LINEAR. Referência Cap. 7 - Métodos Estatísticos para Geografia

CORRELAÇÃO LINEAR. Referência Cap. 7 - Métodos Estatísticos para Geografia CORRELAÇÃO LINEAR Referência Cap. 7 - Métodos Estatísticos para Geografia Correlação linear - Definição Permite verificar se duas variáveis independentes estão associadas uma com a outra Questionamentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES FLUVIOMÉTRICAS E PLUVIÔMETRICAS PARA O ESTUDO DA HIDROLOGIA: CASO DA BACIA DO RIO JUQUERIQUERÊ

A IMPORTÂNCIA DA INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES FLUVIOMÉTRICAS E PLUVIÔMETRICAS PARA O ESTUDO DA HIDROLOGIA: CASO DA BACIA DO RIO JUQUERIQUERÊ PROFA. MSC. VASSILIKI T. G. BOULOMYTIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA IFSP, CAMPUS CARAGUATATUBA DOCENTE DEPT. DE CONSTRUÇÃO CIVIL E RECURSOS NATURAIS, VASSILIKI@IFSP.EDU.BR INSTITUTO

Leia mais

Configuração. Modo de Cálculo do Programa

Configuração. Modo de Cálculo do Programa Configuração Modo de Cálculo do Programa Define como as reduções dos cálculos de poligonal e irradiações serão efetuadas, de acordo com as opções: Topográfico: Indica que o cálculo será feito sobre um

Leia mais

RELATÓRIO DO LABORATÓRIO 5 GEO-ESTATÍSTICA

RELATÓRIO DO LABORATÓRIO 5 GEO-ESTATÍSTICA RELATÓRIO DO LABORATÓRIO 5 GEO-ESTATÍSTICA Igor Ogashawara Relatório apresentado do Laboratório 5 na disciplina de Geoprocessamento (SER 300). INPE São José dos Campos 2012 1. RESUMO O laboratório 5 teve

Leia mais

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente NP ISO 1996 2:2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 NP ISO 1996 2:2011 7 Condições meteorológicas

Leia mais

Previsão meteorológica em Portugal Continental utilizando o modelo operacional e de investigação MM5

Previsão meteorológica em Portugal Continental utilizando o modelo operacional e de investigação MM5 6º encontro Nacional de Ecologia, de Novembro de, Lisboa Previsão meteorológica em Portugal Continental utilizando o modelo operacional e de investigação MM Tânia A. S. C. Sousa José J. Delgado Domingos

Leia mais

Teoria Elementar dos Erros, precisão e acurácia e Escala. ProfªMA Agnes Silva de Araujo

Teoria Elementar dos Erros, precisão e acurácia e Escala. ProfªMA Agnes Silva de Araujo Teoria Elementar dos Erros, precisão e acurácia e Escala ProfªMA Agnes Silva de Araujo AULA 04 Objetivos Apresentar as diferentes classificações de erros de observação; Levar a compreensão a relação entre

Leia mais

COTAÇÃO DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017

COTAÇÃO DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017 DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017 29/12/16 10,75 1,60% 2.776 4.633.800 0,75% ABERTURA 10,48-2,51% 0,75% 02/01/17 10,54 0,57% 2.255 1.131.700-1,06% 03/01/17 10,60 0,56% 4.985 2.903.200 3,73%

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados

Métodos Quantitativos Aplicados Métodos Quantitativos Aplicados Mestrados Economia e Gestão de Ciência, Tecnologia e Inovação, Economia e Políticas Públicas, Economia Internacional e Estudos Europeus Aula 1 Docente: Vítor Escária vescaria@iseg.ulisboa.pt

Leia mais

JANEIRO / 2013 Versão 1.0 N O 1

JANEIRO / 2013 Versão 1.0 N O 1 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM BOLETIM MENSAL DE METEOROLOGIA JANEIRO / 2013 Versão 1.0 N O 1 EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL Marcelo José Gama da Silva

Leia mais

Mais Informações sobre Itens do Relatório

Mais Informações sobre Itens do Relatório Mais Informações sobre Itens do Relatório Amostra Tabela contendo os valores amostrados a serem utilizados pelo método comparativo (estatística descritiva ou inferencial) Modelos Pesquisados Tabela contendo

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

EFEITO DA ACUMULAÇÃO EM 2D EM ESTIMATIVAS DE MINÉRIO FOSFÁTICO

EFEITO DA ACUMULAÇÃO EM 2D EM ESTIMATIVAS DE MINÉRIO FOSFÁTICO EFEITO DA ACUMULAÇÃO EM 2D EM ESTIMATIVAS DE MINÉRIO FOSFÁTICO Diego Machado Marques, UFRGS, diegommarques@yahoo.com.br João Felipe C. L. Costa, UFRGS, jfelipe@ufrgs.br Ricardo Hundelshaussen UFRGS, rhundelshaussen@gmail.com

Leia mais

Cartografia Temática. Cartografia Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Cartografia Temática. Cartografia Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Temática Cartografia Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Cartografia Temática Os produtos da cartografia temática são as cartas, mapas ou plantas em qualquer escala, destinadas a um tema específico. A representação

Leia mais

Caracterização do regime de extremos do nível do mar. Estudo do litoral na área de intervenção da APA, I.P. /ARH do Tejo. Entregável

Caracterização do regime de extremos do nível do mar. Estudo do litoral na área de intervenção da APA, I.P. /ARH do Tejo. Entregável CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO NO LITORAL ABRANGIDO PELA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Estudo do litoral na área de intervenção da APA, I.P.

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DE DADOS GEOGRÁFICOS. Permite mensurar propriedades e relacionamentos considerando a localização espacial do fenômeno

ANÁLISE ESPACIAL DE DADOS GEOGRÁFICOS. Permite mensurar propriedades e relacionamentos considerando a localização espacial do fenômeno ANÁLISE ESPACIAL DE DADOS GEOGRÁFICOS Permite mensurar propriedades e relacionamentos considerando a localização espacial do fenômeno Relação entre análise espacial e as teorias disciplinares Dados Físicos

Leia mais

Estudos iniciais. Definição do âmbito. Estudo de Impacte Ambiental Normas Técnicas

Estudos iniciais. Definição do âmbito. Estudo de Impacte Ambiental Normas Técnicas Licenciatura em Engenharia Território 4º ano / 8º semestre Estudos iniciais. Definição do âmbito. Estudo de Impacte Ambiental Normas Técnicas IMPACTES AMBIENTAIS 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO ESTADO DE SÃO PAULO: COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE INTERPOLAÇÃO 1

ANÁLISE ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO ESTADO DE SÃO PAULO: COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE INTERPOLAÇÃO 1 ANÁLISE ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO ESTADO DE SÃO PAULO: COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE INTERPOLAÇÃO 1 JOSÉ R. P. DE CARVALHO 2, EDUARDO D. ASSAD 3 RESUMO: O objetivo deste trabalho é comparar

Leia mais

Precipitação. Capítulo. Importância da precipitação. Formação das chuvas

Precipitação. Capítulo. Importância da precipitação. Formação das chuvas Capítulo 5 Precipitação A água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada é denominada precipitação. Na realidade brasileira a chuva é a forma mais

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos processos do Tribunal de Contas Código: 482 Versão: 1.0 Março de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos processos do Tribunal

Leia mais

Séries cronológicas de área queimada anual e tendências lineares. DGRF estatísticas de campo. ISA classificação de imagens de satélite (Landsat).

Séries cronológicas de área queimada anual e tendências lineares. DGRF estatísticas de campo. ISA classificação de imagens de satélite (Landsat). GEOGRAFIA E ECOCLIMATLOGIA DOS FOGOS RURAIS EM PORTUGAL CONTINENTAL José Miguel Cardoso Pereira Centro de Estudos Florestais ISA / UTL Padrões espaciais e temporais dos fogos nos últimos 3 anos Relações

Leia mais

VANDA PIRES, IPMA. 1º Encontro Riscos Naturais Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 20 setembro

VANDA PIRES, IPMA. 1º Encontro Riscos Naturais Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 20 setembro VANDA PIRES, IPMA vanda.cabrinha@meteo.pt 1º Encontro Riscos Naturais Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 20 setembro 2012 Sistema de Acompanhamento da Seca meteorológica e Agrícola 1. Introdução 2. Monitorização

Leia mais

1. Apresentação. 2. Legislação de enquadramento. 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma. 5. Anexos NORMA DE PROCEDIMENTOS RM

1. Apresentação. 2. Legislação de enquadramento. 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma. 5. Anexos NORMA DE PROCEDIMENTOS RM NORMA DE PROCEDIMENTOS Janeiro de 2005 RM 1E / AM Tramitação do Relatório de Monitorização 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma 5. Anexos 1/10 2/10 RM

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA IDENTIFICAÇÃO DE TENDÊNCIAS NO REGIME DE CHUVAS PARA O AGRESTE MERIDIONAL DO ESTADO DE PERNAMBUCO

ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA IDENTIFICAÇÃO DE TENDÊNCIAS NO REGIME DE CHUVAS PARA O AGRESTE MERIDIONAL DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA IDENTIFICAÇÃO DE TENDÊNCIAS NO REGIME DE CHUVAS PARA O AGRESTE MERIDIONAL DO ESTADO DE PERNAMBUCO Antonio Ricardo Santos de Andrade 1 ; Anizio Honorato Godoi Neto 1 ; Adiel Felipe

Leia mais

Medidas Territoriais: Bairro, Distrito, Zona, Interdistrital, Intradistrital, Intermunicipal e outros Recortes do Espaço Urbano

Medidas Territoriais: Bairro, Distrito, Zona, Interdistrital, Intradistrital, Intermunicipal e outros Recortes do Espaço Urbano INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Ministério da Ciência e Tecnologia Medidas Territoriais: Bairro, Distrito, Zona, Interdistrital, Intradistrital, Intermunicipal e outros Recortes do Espaço Urbano

Leia mais

Análise da variação espacial do teor de argila sobre a Fazenda Canchim.

Análise da variação espacial do teor de argila sobre a Fazenda Canchim. SER - 300 - INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Laboratório 5 Geoestatística Linear Análise da variação espacial do teor de argila sobre a Fazenda Canchim. Professor(es) coordenador(es): Dr. Antonio Miguel

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - Análise de Resíduos

Modelos de Regressão Linear Simples - Análise de Resíduos Modelos de Regressão Linear Simples - Análise de Resíduos Erica Castilho Rodrigues 1 de Setembro de 2014 3 O modelo de regressão linear é dado por Y i = β 0 + β 1 x i + ɛ i onde ɛ i iid N(0,σ 2 ). O erro

Leia mais

Modelação de riscos naturais à escala municipal. Casos em Coimbra e Torres Novas

Modelação de riscos naturais à escala municipal. Casos em Coimbra e Torres Novas Modelação de riscos naturais à escala municipal. Casos em Coimbra e Torres Novas Lúcio Cunha CEGOT Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território Universidade de Coimbra luciogeo@ci.uc.pt A

Leia mais

Atlas Climático de Portugal Continental Modelação SIG da Precipitação e da Temperatura do Ar

Atlas Climático de Portugal Continental Modelação SIG da Precipitação e da Temperatura do Ar Atlas Climático de Portugal Continental 1971-2000 Modelação SIG da Precipitação e da Temperatura do Ar S.Cunha, Á.Silva, F.E.Santo Coelho, L.F.Nunes, V.Pires, L. Mendes, T. Cota, M. Belo, J. Neto, M. Mendes

Leia mais

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO ANEXO 5.2 - CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO PNSB E DA ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.2.1 REGIME PLUVIOMÉTRICO O regime pluviométrico das áreas do PNSB e de sua Zona de Amortecimento foi avaliado com base nos dados

Leia mais

Projeto BDG OTSS - Base de Dados Geoespaciais, Geoprocessamento e Disponibilização de Geoinformação

Projeto BDG OTSS - Base de Dados Geoespaciais, Geoprocessamento e Disponibilização de Geoinformação Projeto BDG OTSS - Base de, Geoprocessamento e Disponibilização de Geoinformação Objetivo Geral: Geral: Planejar, desenvolver e implantar a Base de do Projeto OTSS. Linhas de Ação: Desenho e elaboração

Leia mais

Tabela Taxa de desocupação na semana de referência por grupos de idade. Unidade Territorial - Total das áreas

Tabela Taxa de desocupação na semana de referência por grupos de idade. Unidade Territorial - Total das áreas março 2002 23,5 abril 2002 23,2 maio 2002 21,3 junho 2002 21,0 julho 2002 22,2 agosto 2002 21,9 setembro 2002 21,2 outubro 2002 21,2 novembro 2002 20,8 dezembro 2002 19,4 janeiro 2003 20,8 fevereiro 2003

Leia mais

MAPAS SÃO DADOS, NÃO DESENHOS!! (PARTE 2)

MAPAS SÃO DADOS, NÃO DESENHOS!! (PARTE 2) MAPAS SÃO DADOS, NÃO DESENHOS!! (PARTE 2) Na primeira parte deste artigo (publicada na revista InfoGeo no 5), analisamos o problema de integração de dados em estudos ambientais, e mostramos que as técnicas

Leia mais

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h INICIAÇÃO AO SPSS 9, 16 e 23 Abril - 9h às 12h e 13h às 16h INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS QUALITATIVOS 30 Abril - 9h às 13h e 14h às 18h ANÁLISE DE DADOS MULTIVARIADA 7 e 14 Maio - 9h às 13h e 14h às 18h CONSTRUÇÃO

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h CONSTRUÇÃO ONLINE DE QUESTIONÁRIOS 21 e 28 Maio - 9h às 16h ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h A ESCRITA DA ESCRITA CIENTÍFICA 18 e 25 Junho -

Leia mais

Prototipagem Digital 3D no contexto do ensino do Design. Seu Papel na Fase Conceptual de Desenvolvimento de Produtos Industriais ÍNDICE

Prototipagem Digital 3D no contexto do ensino do Design. Seu Papel na Fase Conceptual de Desenvolvimento de Produtos Industriais ÍNDICE ÍNDICE AGRADECIMENTOS... I RESUMO... II ABSTRACT... IV RESUMEN... VI RESUM... VIII ÍNDICE... X LISTA DE FIGURAS...XV LISTA DE QUADROS...XVIII LISTA DE GRÁFICOS... XXV ABREVIATURAS... 26 3. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº38 aprovado pela portaria Cetec nº 6 de 06/01/2009 Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: : GESTÃO E NEGÓCIOS

Leia mais

Interpoladores geoestatísticos na análise da distribuição espacial da precipitação anual e de sua relação com altitude

Interpoladores geoestatísticos na análise da distribuição espacial da precipitação anual e de sua relação com altitude Interpoladores geoestatísticos na análise da distribuição espacial da precipitação anual e de sua relação com altitude José Ruy Porto de Carvalho (1), Eduardo Delgado Assad (1) e Hilton Silveira Pinto

Leia mais

IGOT. SIG & DR Sistemas de Informação Geográfica e Detecção Remota

IGOT. SIG & DR Sistemas de Informação Geográfica e Detecção Remota SIG & DR Sistemas de Informação Geográfica e Detecção Remota Operações de sobreposição de mapas e reclassificação 1.Tipos de operações de análise espacial em modelos raster 2. Operações de sobreposição

Leia mais

Caracterização de anos secos e chuvosos no Alto do Bacia Ipanema utilizando o método dos quantis.

Caracterização de anos secos e chuvosos no Alto do Bacia Ipanema utilizando o método dos quantis. Caracterização de anos secos e chuvosos no Alto do Bacia Ipanema utilizando o método dos quantis. Lilian Danielli da Silva (1), Abelardo Antônio de Assunção Montenero (2), Adriana Guedes Magalhães (3)

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O GRUPO PROFISSIONAL DO PESSOAL AUXILIAR Avaliador Cargo NIF A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira Categoria NIF Período

Leia mais

Boletim Agrometeorológico

Boletim Agrometeorológico 3 oletim grometeorológico Embrapa grossilvipastoril, Sinop, MT Julho, 2017 companhamento da 2 a safra 2016/2017 em Mato Grosso Cornélio lberto Zolin, Embrapa grossilvipastoril, cornelio.zolin@embrapa.br

Leia mais

CORRELAÇÃO LINEAR. Referência Cap. 7 - Métodos Estatísticos para Geografia

CORRELAÇÃO LINEAR. Referência Cap. 7 - Métodos Estatísticos para Geografia CORRELAÇÃO LINEAR Referência Cap. 7 - Métodos Estatísticos para Geografia Correlação linear Permite verificar se duas variáveis independentes estão associadas uma com a outra Questionamentos iniciais:

Leia mais

Informações Climáticas para Estudos Hidrológicos no Distrito Federal. Pablo Borges de Amorim

Informações Climáticas para Estudos Hidrológicos no Distrito Federal. Pablo Borges de Amorim Informações Climáticas para Estudos Hidrológicos no Distrito Federal Pablo Borges de Amorim Florianópolis, 18 de Agosto de 2016 1 Sumário 1. Pergunta científica 2. Objetivos 3. Clima recente 4. Projeções

Leia mais