NECESSIDADES EM ÁGUA DAS CULTURAS REGIÃO DO ALENTEJO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NECESSIDADES EM ÁGUA DAS CULTURAS REGIÃO DO ALENTEJO"

Transcrição

1 NECESSIDADES EM ÁGUA DAS CULTURAS REGIÃO DO ALENTEJO Campanha de Rega de 2010/11 BEJA 2012 Necessidades em água das culturas Enquadrado na actividade desenvolvida pelo serviço SAGRA - Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no Alentejo, com base nos dados meteorológicos, tem sido determinada, desde 2002, a evapotranspiração cultural () recorrendo à metodologia recomendada pela FAO. Os quadros apresentados no presente documento, referente ao ano agrícola de 2010/11, apresentam as culturas e datas de sementeira mais representativas da zona de influência de cada estação meteorológica na região do Alentejo, e mostram o balanço entre a evapotranspiração da cultura e a precipitação efectiva () ocorrida durante o ciclo cultural, possibilitando assim conhecer, de modo aproximado, as necessidades em água de rega, ou seja, a dotação total de rega para satisfazer a parte das necessidades em água das culturas não satisfeitas pela precipitação. Nos quadros não é considerada a água disponível no perfil do solo. Em valores médios, no ano agrícola 2010/11 verificouse que a evapotranspiração da cultura de referencia (ETo) acumulada durante o período foi em média para a região de 1009 mm. A precipitação ocorrida em média foi de 719 mm, resultado de uma primavera chuvosa, o que nos quadros seguintes mostrou uma menor necessidade em água das culturas. Informação agrometeorológica actualizada diariamente, poderá ser consultada através do sitio Web do COTR, em 2

2 Morango* - Evapotranspiração da cultura; - Precipitação Efectiva, considerada 80% da precipitação ocorrida durante o ciclo; - Necessidades em água de rega (mm ou l/m2) desprezando a água armazenada no perfil de solo. A determinação das necessidades em água do olival foram adaptadas às condições da região, considerando que: Olival Intensivo com compasso de 7 x 6 m, diâmetro médio de copa de 4 m, corresponde a uma fracção de cobertura do solo de 30% (aprox.); Olival novo com compasso de 7 x 6 m, diâmetro médio de copa de 1,5 m, corresponde a uma fracção de cobertura do solo de 5% (aprox.). Olival superintensivo com compasso 4 x 1,35 m, diâmetro médio da copa na entrelinha de 2 m, corresponde a uma fracção de cobertura de 50% (aprox.). Olival tradicional com compasso de 10 x 10 m, diâmetro médio de copa de 5 m, corresponde a uma fracção de cobertura do solo de 20% (aprox.) ,7 557, ,8 584,6-240 dias ,0 581, ,5 538,7 026 Citrinos 20 % 504,5 - Citrinos 50 % dias 668,0 578,0 090 Citrinos 70% 722,5 144 Batata Doce Batata Branca Milho Forragem ODEMIRA ,7 182, ,6 180, dias 556,0 181, ,9 080, ,3 061, ,9 155, dias ,5 060, ,4 154, dias ,0 054, ,5 063, dias ,1 028,9 274 * Na produção em túnel deve-se considerar uma redução da em 15% e as a aplicar serão iguais a esse valor. Ervilha BEJA ,6 395, ,9 347, ,3 379, ,1 347, ,8 403, ,3 373, ,7 361, ,6 364, ,7 339, ,3 305, ,1 279, ,3 254, ,0 311, dias 473,2 279, ,7 254,5 292 Citrinos 20 % 591,5 120 Citrinos 50 % dias 784,1 471,7 312 Citrinos 70% 848,3 377 Olival Intensivo 357,1 - Olival Novo 053, dias 411,0 Olival Superintensivo 535,7 125 Olival Tradicional 184,5 - Vinha de Vinho* dias 234,6 219,7 015 Nogueira ,8 219, dias 1093,1 270, ,3 345, ,2 172, ,4 170, dias 747,5 217, ,7 142, ,6 136, ,1 165, dias 583,8 170, ,0 095, ,8 170, ,2 154, ,2 170, dias 699,7 136, ,8 111,

3 FERREIRA DO ALENTEJO ,2 429, ,1 389, ,3 468, ,0 389, ,3 468, ,7 441, ,3 458, ,9 403, ,2 346, ,4 331,6 073 Olival Intensivo 332,6 - Olival Novo 49, dias 363,9 Olival Superintensivo 498,9 135 Olival Tradicional 171,9 - Vinha para Vinho* dias 219,3 191,8 027 reira dias 839,4 191,8 648 Nogueira ,4 191, dias 1009,6 238, ,0 292, ,8 185, ,5 181, dias 689,0 186, ,3 094, ,9 075, ,6 181, dias 549,3 180, ,9 092, ,5 181, ,5 048, ,1 180, dias 590,5 088, ,5 075, ,3 180, dias 641,3 075, ,4 020, ALJUSTREL ,6 394, ,1 368, ,1 387, ,5 368, ,8 419, ,2 384, ,6 461, ,6 355, ,7 240, ,5 349, ,2 315,2 141 Citrinos 20 % 557,3 054 Citrinos 50 % dias 738,8 503,4 235 Citrinos 70% 799,4 296 Olival Intensivo 335,8 - Olival Novo 050, dias 412,3 Olival Superintensivo 503,6 091 Olival Tradicional 173,5 - Vinha para vinho* dias 221,4 218, ,6 198, ,7 208, dias ,5 142, ,2 130, ,7 197, dias 556,6 197, ,4 134, ,4 197, dias ,9 180, ,7 197, dias 604,8 131, ,7 130,0 463

4 ALVALADE DO SADO ,1 432, ,3 385, ,3 404, ,1 385, ,9 430, ,1 398, ,6 410, ,0 358, ,3 370, ,1 326, ,5 288, ,0 253,4 218 Citrinos 20 % 582,7 160 Citrinos 50 % dias 772,3 422,3 350 Citrinos 70% 835,5 413 Olival Intensivo 351,7 031 Olival Novo dias 052,7 320,6 - Olival Superintensivo 527,5 207 Pimento ,9 147, ,2 143, dias 716,6 153, ,6 288, ,6 080, ,2 140, dias 565,0 142, ,2 079, ,1 143, ,3 126, ,5 142, dias 612,8 079, ,4 080, ,8 142, dias 571,9 079, ,9 080, ,5 454, ,8 455, ,3 481, ,3 455, ,1 523, ,2 455, ,9 478, ,1 432, ,2 409, ,3 415, ,7 373, ,5 313,8 144 Olival Intensivo 341,4 - Olival Novo 051, dias 381,4 Olival Superintensivo 512,0 131 Olival Tradicional 176,4 - Vinha para Vinho* dias 224,2 215,4 009 ÉVORA ,5 188, ,9 177, dias 717,3 204, ,4 122, ,5 120, ,6 177, dias 619,5 095, ,1 120,

5 ,7 362, ,3 312, ,6 322, ,7 312, ,4 341, ,7 318, ,4 315, ,1 299, ,1 292, ,8 283, ,8 241, ,5 209,3 224 Olival Intensivo 325,5 040 Olival Novo 048, dias 285,8 Olival Superintensivo 486,8 201 Olival Tradicional 217,0 - MOURA ,3 121, ,6 116, dias 703,8 144, ,0 92, ,2 85, ,5 105, dias 552,5 114, ,1 74, ,3 114, ,9 96,2 493 Luzerna* dias* 744,0 144,2 600 * durante o ciclo da luzerna consideram-se 3 cortes Fava Cebola ,3 387, ,9 349, ,0 375, ,2 144, ,4 233, ,8 393, ,9 381, ,2 353, ,4 361, ,9 342, ,4 279, ,0 386, dias 591,7 353, ,9 279, ,0 098, ,9 070,7 081 Olival Intensivo 337,3 - Olival Novo 050, dias 355,8 Olival Superintensivo 505,9 150 Olival Tradicional 174,2 - Vinha para Vinho* dias 227,3 167,8 059 SERPA ,8 155, ,0 147, dias 724,9 159, ,1 074, ,0 057, ,9 135, dias 555,6 147, ,9 064, ,7 147, ,4 111,0 487

6 REDONDO ,6 371, ,3 344, ,0 383, ,4 344, ,2 406, ,3 375, ,0 357, ,6 301, ,9 331, ,8 274, ,5 258, ,6 221,3 055 Olival Intensivo 384,4 062 Olival Novo 57, dias 322,8 Olival Superintensivo 576,6 254 Olival Tradicional 198,6 - Vinha para Vinho* dias 249,9 144, ,5 130, ,0 127, dias 802,5 141, ,5 068, ,2 065, ,4 120, dias 619,8 127, ,2 054, ,7 127, ,7 068, ,0 127, dias 752,3 065, ,3 024, ,4 127, dias 689,6 054, ,8 065, ,2 420, ,2 368, ,6 416, ,9 368, ,1 434, ,4 407, ,5 405, ,9 401, ,1 363, ,4 344, ,4 361, ,0 290,9 170 Olival Intensivo ,5-270 dias 414,9 Olival Novo ,9 - Milho Forragem VIA ALENTEJO ,0 203, ,4 202, dias 730,6 244, ,1 164, ,2 153, ,7 177, dias 695,3 162, ,6 153, ,7 173, dias ,1 111,2 352

7 VIDIGUEIRA ,0 351, ,1 320, ,0 361, ,2 320, ,8 383, ,8 352, ,9 331, ,0 289, ,7 313, ,3 278, ,0 234, ,3 212,2 053 Citrinos 20 % 577,2 179 Citrinos 50 % dias 765,4 397,7 368 Citrinos 70% 828,1 430 Olival Intensivo 347,8 338, dias Olival Novo 052,2 338,2 - Vinha para Vinho* dias 233,1 338, ,8 120, ,7 116, dias 745,0 160, ,3 087, ,5 083,8 589 Milho Forragem ,9 361, ,7 332, ,9 359, ,8 335, ,1 332, ,9 359, ,4 335, ,9 341, ,6 288, ,1 292, ,2 266, ,9 224, ,9 146, ,3 145, dias 764,2 169, ,6 118, ,4 118, ,5 115, dias ,1 090, ,2 142, dias 656,7 094, ,4 118, ,8 142, ,5 131,0 506 Olival Intensivo 350,4 011 Olival Novo 052, dias 339,3 Olival Superintensivo 525,6 186 Olival Tradicional 181,0 - ELVAS ,9 142, dias 728,2 118, ,1 118,

8 Olival Intensivo 314, dias 384,2 Olival Novo 047,1 - Vinha para Vinho* dias 209,5 220,6 - Nogueiras ESTREMOZ ,1 220, dias 957,4 245, ,8 318, ,6 193, ,5 183, dias 666,6 210, ,5 094, ,9 091,0 517 CONTACTOS: Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio Quinta da Saúde Apartado BEJA Tel..: Fax: CASTRO VERDE ,3 304, ,9 271, ,0 319, ,9 271, ,6 322, ,4 320, ,8 341, ,7 303, ,7 306, ,5 292, ,8 261, ,7 240,6 204 Olival Intensivo ,8-270 dias 355,4 Olival Novo , ,1 139, dias 709,6 109, ,1 070,

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008 Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 28 No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

Climatologia Agrícola Ano de 2007

Climatologia Agrícola Ano de 2007 Climatologia Agrícola Ano de 27 Relatório Anual No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

informa Ano I - Nº 2 - Trimestral Junho 2003 Jornadas Tecnicas

informa Ano I - Nº 2 - Trimestral Junho 2003 Jornadas Tecnicas Boletim informativo do Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR informa Ano I - Nº 2 - Trimestral Junho 2003 Nesta Edição Jornadas Técnicas COTR na Ovibeja Visitas ao COTR Área da Informação Área

Leia mais

Comentários ao Documento de Regulamento de Autenticação, funcionamento e supervisão das entidades reconhecedoras de regantes

Comentários ao Documento de Regulamento de Autenticação, funcionamento e supervisão das entidades reconhecedoras de regantes 27 Abril 2015 Comentários ao Documento de Regulamento de Autenticação, funcionamento e supervisão das entidades reconhecedoras de regantes 1 O artº 1º não existe nº 1 nem nº 2 do artº 2º da Portaria, pelo

Leia mais

informa Ano I - Nº 3 - Trimestral Outubro 2003

informa Ano I - Nº 3 - Trimestral Outubro 2003 Boletim informativo do Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR informa Ano I - Nº 3 - Trimestral Outubro 2003 Nesta Edição Nota Editorial Área da Experimentação Área Laboratorial SAGRA Área da

Leia mais

Evapotranspiração cultural. Coeficiente cultural

Evapotranspiração cultural. Coeficiente cultural Evapotranspiração cultural Coeficiente cultural Metodologia da FAO para a determinação dos consumos hídricos das culturas A resistência aerodinâmica varia com as condições climáticas e a rugosidade da

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Agosto 2008

Boletim Climatológico Mensal Agosto 2008 Boletim Climatológico Mensal Agosto 2008 CONTEÚDOS IM 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Outros elementos

Leia mais

O SISTEMA AGROMETEOROLÓGICO PARA A GESTÃO DA REGA NO ALENTEJO SAGRA COMO FERRAMENTA DE APOIO AO REGANTE DO ALENTEJO

O SISTEMA AGROMETEOROLÓGICO PARA A GESTÃO DA REGA NO ALENTEJO SAGRA COMO FERRAMENTA DE APOIO AO REGANTE DO ALENTEJO O SISTEMA AGROMETEOROLÓGICO PARA A GESTÃO DA REGA NO ALENTEJO SAGRA COMO FERRAMENTA DE APOIO AO REGANTE DO ALENTEJO Isaurindo Oliveira & Jorge Maia Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio Quinta da

Leia mais

Boletim Agrometeorológico

Boletim Agrometeorológico 1 Boletim Agrometeorológico Início da 1 a safra 2016/2017 em Mato Grosso Cornélio Alberto Zolin, Embrapa Agrossilvipastoril, cornelio.zolin@embrapa.br Jorge Lulu, Embrapa Agrossilvipastoril, jorge.lulu@embrapa.br

Leia mais

NOVOS CAMINHOS PARA A ÁGUA

NOVOS CAMINHOS PARA A ÁGUA Uso Eficiente da Água no Regadio O Caso do EFMA José Pedro Salema 6 de março de 2015 REDE PRIMÁRIA» TERCIÁRIA PLANEAMENTO» EXPLORAÇÃO Rio Guadiana Alqueva 2800 hm 3 /ano Blocos de Rega 63 500 ha 11 Perímetros

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES

PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES PLANO DE FORMAÇÃO 2007 - COTR - CRIAR CONHECIMENTOS E CAPACIDADES O que é COTR? O Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR - é uma Associação de direito privado sem fins lucrativos, criada no dia

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura Boletim meteorológico para a agricultura Nº 52, abril 2015 CONTEÚDOS IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 12 Situação agrícola

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO MANEJO DA

MANEJO DA IRRIGAÇÃO MANEJO DA MANEJO DA IRRIGAÇÃO Prof o Dr. Marcos Vinícius Folegatti LER 1571 Irrigação EVAPOTRANSPIRAÇÃO E O MANEJO DA IRRIGAÇÃO ETP, ETo & ETR Penman Monteith (FAO56) Tanque Classe A Thornthwaite Camargo Hangreves

Leia mais

HERDADE DA TORRE DAS FIGUEIRAS E ANEXAS

HERDADE DA TORRE DAS FIGUEIRAS E ANEXAS HERDADE DA TORRE DAS FIGUEIRAS E ANEXAS CASE STUDY DE ADAPTAÇÃO DUMA EXPLORAÇÃO AOS CONDICIONALISMOS AGROCLIMÁTICOS AO NÍVEL DO SOLO + ÁGUA + CULTURAS UMA ESTRATÉGIA MULTIGERACIONAL DE ADAPTAÇÃO ÀS IMPONDERÁVEIS

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Nº 66, junho 2016 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 10 Previsão 11 Situação agrícola

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental DEZEMBRO de 2014 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 5 7 8 Figura 1 Variabilidade

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Nº 58, outubro 2015 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 08 Previsão 09 Situação agrícola

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Nº 61, janeiro 2016 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 13 Situação agrícola

Leia mais

O ano 2015 em Portugal Continental, foi extremamente seco e muito quente (Figura 1). Figura 1 - Temperatura e precipitação anual (período )

O ano 2015 em Portugal Continental, foi extremamente seco e muito quente (Figura 1). Figura 1 - Temperatura e precipitação anual (período ) Resumo Boletim Climatológico Anual 2015 Portugal Continental O ano 2015 em Portugal Continental, foi extremamente seco e muito quente (Figura 1). O valor médio anual da temperatura média do ar no ano de

Leia mais

Tempo extremamente quente - 5 e 6 de setembro de de setembro dia mais quente do ano

Tempo extremamente quente - 5 e 6 de setembro de de setembro dia mais quente do ano Tempo extremamente quente - 5 e 6 de setembro de 2016 6 de setembro dia mais quente do ano A localização de um anticiclone sobre a Península Ibérica e Norte de África, estendendo-se na vertical aos vários

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Nº 67, julho 2016 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 10 Previsão 11 Situação agrícola

Leia mais

A rede de estações meteorológicas automáticas

A rede de estações meteorológicas automáticas A rede de estações meteorológicas automáticas Paulo Oliveira Engº Mecânico (ramo Termodinâmica) As redes agrometerológicas no mundo e em Portugal Organização Meteorológica Mundial (OMM) - agência especializada

Leia mais

PEDIDO DE PATENTE, MODELO DE UTILIDADE OU DE TOPOGRAFIA DE PRODUTOS SEMICONDUTORES

PEDIDO DE PATENTE, MODELO DE UTILIDADE OU DE TOPOGRAFIA DE PRODUTOS SEMICONDUTORES Campo das Cebolas - 1149-035 Lisboa - Portugal Tel: +351 218818100 / Linha Azul: 808 200689 / Fax: +351 218875308 / Fax: +351 218860066 / E-mail: atm@inpi.pt / www.inpi.pt Nº CÓDIGO DATA E HORA DE RECEPÇÃO

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura ISSN 2182-0597 Publicação Mensal DIRETOR: Jorge Miguel Miranda Boletim meteorológico para a agricultura Nº38, fevereiro 2014 CONTEÚDOS IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Descrição Meteorológica 03 Descrição Agrometeorológica

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROJECTOS AGRO / PEDIZA ( ) CULTURAS DE REGADIO

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROJECTOS AGRO / PEDIZA ( ) CULTURAS DE REGADIO APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROJECTOS AGRO / PEDIZA (2001-2004) CULTURAS DE REGADIO Beja 4 de Novembro de 2004 OBJECTIVOS Uma das funções do COTR, tal como consta dos objectivos dos projectos, consiste

Leia mais

C ARTA C IRCULAR N.º 01/2004

C ARTA C IRCULAR N.º 01/2004 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO C ARTA C IRCULAR N.º /2004 DATA DE EMISSÃO: 30-11-2004 : 30-11-2004 Assunto: Âmbito: Linha de Crédito de Curto Prazo - Agricultura, Silvicultura e Pecuária Continente Os agricultores

Leia mais

Boletim climatológico mensal Junho 2011

Boletim climatológico mensal Junho 2011 Boletim climatológico mensal Junho 2011 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 06 Precipitação Total 08 Insolação

Leia mais

COTR. informa REGA E DRENAGEM CONCLUSÕES DO I CONGRESSO NACIONAL DE. Boletim informativo do Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio

COTR. informa REGA E DRENAGEM CONCLUSÕES DO I CONGRESSO NACIONAL DE. Boletim informativo do Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio Boletim informativo do Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR informa Ano IV - Nº 8 Janeiro 2006 CONCLUSÕES DO I CONGRESSO NACIONAL DE REGA E DRENAGEM CONCLUSÕES DO I CONGRESSO NACIONAL DE REGA

Leia mais

GESTÃO DE REGA EM PEQUENOS FRUTOS. Onno Schaap António Ramos

GESTÃO DE REGA EM PEQUENOS FRUTOS. Onno Schaap António Ramos GESTÃO DE REGA EM PEQUENOS FRUTOS Onno Schaap António Ramos Porto, 24.Jan.2013 QUEM SOMOS Desde 1998 a Aquagri ACE é uma empresa especializada em Serviços e Equipamentos para Gestão de Água de Rega; Equipa

Leia mais

IT AGRICULTURA IRRIGADA

IT AGRICULTURA IRRIGADA 4 Manejo da irrigação 4.1 Introdução A água é fator limitante para o desenvolvimento agrícola, sendo que tanto a falta ou excesso afetam o crescimento, a sanidade e a produção das plantas. O manejo racional

Leia mais

GESTÃO DA ÁGUA E FERTILIZAÇÃO

GESTÃO DA ÁGUA E FERTILIZAÇÃO GESTÃO DA ÁGUA E FERTILIZAÇÃO A BASE AMBIENTAL DA PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA II Congresso Nacional de Citricultura A água é um recurso limitado e esgotável que está sujeito a uma pressão de consumo cada vez

Leia mais

A Importância da Meteorologia na Agricultura

A Importância da Meteorologia na Agricultura Jornadas Técnicas A Importância da Meteorologia na Agricultura Beja, 28 de Março de 2008 A importância da meteorologia no uso eficiente da água na agricultura 1 - Introdução Jorge Maia 1 Marta Santos 2

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA E BALANÇO HÍDRICO DO RESERVATÓRIO POÇO DA CRUZ (PE) Alfredo Ribeiro Neto Cristiane Ribeiro de Melo Djalena Marques de Melo José Almir Cirilo Objetivo O objetivo deste trabalho é simular

Leia mais

Aproveitamento Hidroagrícola do Roxo (existente)

Aproveitamento Hidroagrícola do Roxo (existente) ESTUDOS DO BLOCO DE REGA ROXO S A D O E R E F O R Ç O D E A BA S T E C I M E N TO A M O RG AV É L (EFMA) João Afonso Engº Civil CENOR, Lisboa Luís Santafé Engº Agrónomo CINGRAL, Saragoza Projecto de Execução

Leia mais

Anuário Agrícola de Alqueva 2016

Anuário Agrícola de Alqueva 2016 Anuário Agrícola de Alqueva 2016 Direção de Economia da Água e Promoção do Regadio Departamento de Planeamento e Economia da Água Beja, fevereiro de 2017 Avisos legais Declaração de exoneração de responsabilidade

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura ISSN 2182-0597 Publicação Mensal DIRETOR: Jorge Miguel Miranda Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Nº28, abril 2013 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Descrição Meteorológica 03 Descrição Agrometeorológica

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA ANO Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Instituto de Meteorologia, I. P.

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA ANO Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Instituto de Meteorologia, I. P. CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA ANO 2007 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Instituto de Meteorologia, I. P. Rua C Aeroporto de Lisboa Tel.: (+351) 21 844 7000 e-mail:informacoes@meteo.pt 1749-077

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Nº 68, agosto 2016 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 10 Previsão 11 Situação agrícola

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura BOLETIM METEOROLÓGICO PARA A AGRICULTURA Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Nº 63, março 2016 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica

Leia mais

PROPOSTA PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2007

PROPOSTA PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2007 PROPOSTA PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2007 Beja Dezembro de 2006 INDICE DE TEXTO 1 INTRODUÇÃO 2 2 PLANO DE ACTIVIDADES 3 2.1 - Área da Informação/Formação 3 2.2 - Área da Assistência Técnica aos

Leia mais

Balanço Fitossanitário Alentejo 2016

Balanço Fitossanitário Alentejo 2016 Balanço Fitossanitário Alentejo 2016 Do ano vitícola de 2015/2016 destacam-se as condições meteorológicas verificando-se este verão o mais quente desde que existem registos (135 anos). As temperaturas

Leia mais

Situação de Seca Meteorológica 30 Setembro 2016

Situação de Seca Meteorológica 30 Setembro 2016 Situação de Seca Meteorológica 30 Setembro 2016 1. TEMPERATURA EM SETEMBRO O mês de setembro 2016, em Portugal Continental foi muito quente e seco. O valor médio da temperatura média do ar foi de 21.51

Leia mais

José Luís Tirapicos Nunes Depart. de Medicina Veterinária - Universidade de Évora Ap ÉVORA

José Luís Tirapicos Nunes Depart. de Medicina Veterinária - Universidade de Évora Ap ÉVORA José Luís Tirapicos Nunes Depart. de Medicina Veterinária - Universidade de Évora Ap. 94 7002-554 ÉVORA Recuperação do presunto de Barrancos numa perspectiva de sustentabilidade em finais do século XX

Leia mais

CVRA - COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA

CVRA - COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA CVRA - COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA Horta das Figueiras - Rua A, Nº 14 Apartado 498 7002-506 ÉVORA Telefs. (066) 29422-771053-771054. Fax (066) 700591 e-mail: cvralentejo@mail.telepac.pt A

Leia mais

O SISTEMA AGROMETEOROLÓGICO PARA A GESTÃO DA REGA NO ALENTEJO SAGRA COMO SERVIÇO DE AVISOS DE REGA PARA O ALENTEJO

O SISTEMA AGROMETEOROLÓGICO PARA A GESTÃO DA REGA NO ALENTEJO SAGRA COMO SERVIÇO DE AVISOS DE REGA PARA O ALENTEJO O SISTEMA AGROMETEOROLÓGICO PARA A GESTÃO DA REGA NO ALENTEJO SAGRA COMO SERVIÇO DE AVISOS DE REGA PARA O ALENTEJO I. Oliveira; J. Maia & J. L. Teixeira Isaurindo OLIVEIRA Eng. Agrónomo, COTR, Quinta da

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura ISSN 2182-0597 Publicação Mensal DIRETOR: Jorge Miguel Miranda Boletim meteorológico para a agricultura Nº37, janeiro 2014 CONTEÚDOS IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Descrição Meteorológica 03 Descrição Agrometeorológica

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro 2010

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro 2010 Boletim Climatológico Mensal Fevereiro 2010 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 05 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Outros

Leia mais

Salinização do Solo: Causas e Prevenção

Salinização do Solo: Causas e Prevenção Salinização do Solo: Causas e Prevenção M. C. Gonçalves, J. C. Martins, T. B. Ramos INIAV UEIS Sistemas Agrários e Florestais e Sanidade Vegetal Laboratório de Solos, Oeiras Av. da República, Quinta do

Leia mais

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical Produção de Uvas no Brasil Produção de Uvas no Brasil 16% 12% 57% 52%

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 7 CLIMA 7.1 Introdução Para a caracterização do clima de uma região, no que respeita à água, uma das técnicas correntemente utilizadas consiste na realização do balanço sequencial mensal da água no solo.

Leia mais

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS II Congresso Brasileiro de Plantas Oleagisas, Óleos, Gorduras e Biodiesel PROBABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO SUPRIR A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DA CULTURA DA SOJA PARA SIMULAÇÕES DE SEMEADURAS EM DECÊNDIOS NA REGIÃO

Leia mais

Seminário " Rega dos Cereais Praganosos" Abril 2010, Elvas 1

Seminário  Rega dos Cereais Praganosos Abril 2010, Elvas 1 O custo da Rega em Portugal Exploração Agrícola em Elvas Gabriela Cruz Seminário " Rega dos Cereais Praganosos" Abril 2010, Elvas 1 Importância da Agricultura? Benefícios da água? Custos Investimento em

Leia mais

VALORIZAÇÃO DA QUALIDADE DOP IGP ETG

VALORIZAÇÃO DA QUALIDADE DOP IGP ETG VALORIZAÇÃO DA QUALIDADE DOP IGP ETG 1 PRODUTOS DA REGIÃO ALENTEJO PRODUTOS DENOMINAÇÃO AGRUPAMENTO GESTOR TEL /Mail COORDENADAS Morada FRUTOS FRESCOS Maçã de Portalegre IGP APAFNA - Agrupamentos geral@aadportalegre.pt

Leia mais

2014: ANO INTERNACIONAL DA. AGRICULTURA FAMILIAR Reassentamentos e produção alimentar: o caso de Cateme, Moatize

2014: ANO INTERNACIONAL DA. AGRICULTURA FAMILIAR Reassentamentos e produção alimentar: o caso de Cateme, Moatize 2014: Ano internacional da 2014: ANO INTERNACIONAL DA AGRICULTURA FAMILIAR (ONU-FAO) AGRICULTURA FAMILIAR Reassentamentos e produção alimentar: o caso de Cateme, Moatize (Resultados preliminares) António

Leia mais

Climatológico Sazonal. Boletim Climatológico Sazonal Verão de 2016

Climatológico Sazonal. Boletim Climatológico Sazonal Verão de 2016 ISSN 2183-1084 Boletim Climatológico Sazonal Verão 2016 Resumo O verão de 2016 (junho, julho, agosto) em Portugal Continental foi caracterizado por valores da temperatura média do ar muito superiores ao

Leia mais

Palavras-Chave: Hidroquímica, Águas subterrâneas, Condutividade eléctrica, ph, Rochas metamórficas, Rochas ígneas, Rochas Sedimentares

Palavras-Chave: Hidroquímica, Águas subterrâneas, Condutividade eléctrica, ph, Rochas metamórficas, Rochas ígneas, Rochas Sedimentares CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE ARRAIOLOS - NOTA PRÉVIA Patrícia AIRES (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO A área objecto de estudo

Leia mais

Distrito - BEJA. SINISTRALIDADE Dez de Observatório de Segurança Rodoviária Relatório - Distrito 1

Distrito - BEJA. SINISTRALIDADE Dez de Observatório de Segurança Rodoviária Relatório - Distrito 1 Distrito - BEJA SINISTRALIDADE Dez de 2014 Observatório de Segurança Rodoviária 1 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 EVOLUÇÃO 2005-2014... 4 1. com... 4 2.... 5 ACIDENTES E VÍTIMAS... 6 1. e 2005/2014... 6 2. e por

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS

Leia mais

Padrão: água pura isenta de sais, submetida a condições normais de pressão (pressão relativa = 0) e sobre a superfície do solo.

Padrão: água pura isenta de sais, submetida a condições normais de pressão (pressão relativa = 0) e sobre a superfície do solo. 7 POTENCIAIS DE ÁGUA NO SOLO Potencial de água no solo define o estado de energia em que a água se encontra no solo em relação a um potencial padrão Padrão: água pura isenta de sais, submetida a condições

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO E CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA PARA O MUNICÍPIO DE ITUPORANGA SC

BALANÇO HÍDRICO E CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA PARA O MUNICÍPIO DE ITUPORANGA SC BALANÇO HÍDRICO E CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA PARA O MUNICÍPIO DE ITUPORANGA SC Julio M. CATONI 1 ; Leonardo NEVES 2 ;João Célio ARAUJO 3 ; Evandro C. de OLIVEIRA 4 ; Roberto HAVEROTH 5 ; Katiani ELI 1 ; Elizabete

Leia mais

Organizações de Produtores. DRAP Alentejo Ano 2016

Organizações de Produtores. DRAP Alentejo Ano 2016 Organizações de Produtores DRAP Alentejo Ano 2016 Portaria N.º 25/2016, de 12 de fevereiro Regulamento (UE) n.º 1308/2013, de 17 de dezembro Organizações de Produtores (OP) reconhecidas na DRAP Alentejo

Leia mais

As Cheias em Portugal. Os locais mais propícios a cheias.

As Cheias em Portugal. Os locais mais propícios a cheias. As Cheias em Portugal Os locais mais propícios a cheias. Em Portugal as situações de cheias encontram-se associadas às condições atmosféricas instáveis que ocorrem, no nosso país,geralmente no Outono,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave:

Leia mais

MOBILIZAÇÃO DE CONSERVAÇÃO DO SOLO 1

MOBILIZAÇÃO DE CONSERVAÇÃO DO SOLO 1 MOBILIZAÇÃO DE CONSERVAÇÃO DO SOLO 1 Henrique Chia 2 & Vasco Correia 3 2 Engº Agrónomo - Ecotill Consultores de Agricultura de Conservação - Rua Distrito de Évora, 48-7000Évora; hchia@sapo.pt 3 Engº Agrónomo

Leia mais

Quadro - Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal

Quadro - Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal Quadro Colheitas seguráveis e períodos de cobertura seguro horizontal ABACATE ABÓBORA AGRIÃO AIPO ALFACE ALFARROBA ALGODÃO Geada e ALHO ALHO FRANCES ALPERCE plena floração ALPISTA emborrachamento AMEIXA

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte ARBORICULTURA II Manutenção do Solo 1ªParte 2004-2005 As técnicas de manutenção do solo Mobilização Solo sem vegetação Sem mobilização Herbicida total Orgânico Mulching Inerte Solo coberto Cobertura vegetal

Leia mais

informa Ano III - Nº 6 Janeiro 2005

informa Ano III - Nº 6 Janeiro 2005 Boletim informativo do Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR informa Ano III - Nº 6 Janeiro 2005 Nesta Edição Nota Editorial SAGRA Climatologia Agricola - Ano 2004 Área da Assistencia Técnica

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012. Situação de Seca Meteorológica em 15 de setembro Contributo do Instituto de Meteorologia, I.P. para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica A situação de

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental NOVEMBRO de 2014 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 4 7 8 Figura 1 Variabilidade

Leia mais

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global Fatores de correção para a evapotranspiração de referência estimada para uso no software IrrigaFácil Paulo

Leia mais

JOSÉ MANUEL GODINHO CALADO

JOSÉ MANUEL GODINHO CALADO (BIO)ENERGIA JOSÉ MANUEL GODINHO CALADO ABRIL 2013 Bioetanol Biodiesel Biogás Biocombustíveis Biometanol Bioéster dimetílico Biocombustíveis sintéticos Biohidrogénio Bioetanol O bioetanol é obtido por

Leia mais

2ºAno Turma B. Maio de Pesquisa elaborada pelos alunos nas aulas de Cidadania, ao longo do 2º período, em colaboração com as suas famílias.

2ºAno Turma B. Maio de Pesquisa elaborada pelos alunos nas aulas de Cidadania, ao longo do 2º período, em colaboração com as suas famílias. SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS LAJES DO PICO 2ºAno Turma B Pesquisa elaborada pelos alunos nas aulas de Cidadania, ao longo

Leia mais

Impactos da deficiência hídrica na produtividade de soja e milho no Estado do Paraná

Impactos da deficiência hídrica na produtividade de soja e milho no Estado do Paraná Impactos da deficiência hídrica na produtividade de soja e milho no Estado do Paraná Geovanna C. Zaro Bolsista do CNPq/Finep IAPAR/SIMEPAR Wilian da S. Ricce Pesquisador EPAGRI/CIRAM Paulo. H. Caramori

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Inverno de 2015/16. Climatológico Sazonal

Boletim Climatológico Sazonal Inverno de 2015/16. Climatológico Sazonal ISSN 2183-1084 Resumo Boletim Climatológico Sazonal Inverno 2015/16 O inverno 2015/2016 (dezembro, janeiro e fevereiro) em Portugal Continental classificou-se como muito quente em relação à temperatura

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Projecto AGRO nº 5 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Boletim Informativo nº1 Beja, Agosto de 2002 Nesta Edição 1- Introdução 1- INTRODUÇÃO 2- Objectivos 3-

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO TÉCNICA PARA CONCESSÃO DE ADITIVO EM CONTRATOS DE OBRAS PÚBLICAS DECORRENTE DE CHUVAS EXCEPCIONAIS

MÉTODO DE AVALIAÇÃO TÉCNICA PARA CONCESSÃO DE ADITIVO EM CONTRATOS DE OBRAS PÚBLICAS DECORRENTE DE CHUVAS EXCEPCIONAIS MÉTODO DE AVALIAÇÃO TÉCNICA PARA CONCESSÃO DE ADITIVO EM CONTRATOS DE OBRAS PÚBLICAS DECORRENTE DE CHUVAS EXCEPCIONAIS FERNANDO DAVIS GOLBERT, Agente Fiscal do Tesouro do Estado - SEFAZ RS HUMBERTO CALOS

Leia mais

INFORMAÇÃO CLIMÁTICA JANEIRO 2007

INFORMAÇÃO CLIMÁTICA JANEIRO 2007 INFORMAÇÃO CLIMÁTICA JANEIRO 27 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Instituto de Meteorologia, I. P. Rua C Aeroporto de Lisboa Tel.: (351) 21 7 e-mail: informacoes@meteo.pt 179-77 Lisboa

Leia mais

SIMULAÇÃO DA PRODUTIVIDADE, EM UM MODELO APLICADO AO PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO CAFEEIRO 1

SIMULAÇÃO DA PRODUTIVIDADE, EM UM MODELO APLICADO AO PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO CAFEEIRO 1 SIMULAÇÃO DA PRODUTIVIDADE, EM UM MODELO APLICADO AO PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO CAFEEIRO 1 Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3 RESUMO: As funções de produção

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 01 a 10 de Fevereiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 01 a 10 de Fevereiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 01 a 10 de Fevereiro de 2011 Ausência de chuva e forte calor marcaram o primeiro decêndio de fevereiro em Minas Gerais, ampliando

Leia mais

ÁREA EDUCATIVA DO BAIXO ALENTEJO E ALENTEJO LITORAL

ÁREA EDUCATIVA DO BAIXO ALENTEJO E ALENTEJO LITORAL Aljustrel Ervidel Actividade física e saúde 10 17:00-19:30 2ª a Jungeiros Actividade física e saúde 10 18:00-20:30 2ª a Almodôvar Santa Clara Centro Paroquial Gomes Aires Centro Cultural Aldeia dos Fernandes

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Inverno 2014/2015

Boletim Climatológico Sazonal Inverno 2014/2015 ISSN 2183-1084 Resumo Boletim Climatológico Sazonal Inverno 2014/2015 O inverno 2014/2015 (dezembro, janeiro e fevereiro) em Portugal Continental foi frio e muito seco. O trimestre, com uma temperatura

Leia mais

Precipitação atenua quebra do rendimento dos cereais de outono/inverno mas prejudica cereja

Precipitação atenua quebra do rendimento dos cereais de outono/inverno mas prejudica cereja 21 de junho de 2012 PREVISÕES AGRÍCOLAS 31 maio 2012 Precipitação atenua quebra do rendimento dos cereais de outono/inverno mas prejudica cereja As previsões agrícolas, em 31 de maio de 2012, apontam para

Leia mais

- Situação atual dos sistemas separativos: perspetiva da entidade gestora em alta

- Situação atual dos sistemas separativos: perspetiva da entidade gestora em alta Organização: Núcleo Regional do Sul da APRH 2.º Bloco - Otimização e gestão eficiente de infraestruturas de saneamento básico em Portugal - Situação atual dos sistemas separativos: perspetiva da entidade

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 ISSN 2183-1084 Resumo Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 O verão 2015 (junho, julho, agosto) em Portugal Continental foi caracterizado por valores da temperatura média do ar superiores ao valor normal

Leia mais

Clima(s) CLIMAS - SOLOS E AGRICULTURA TROPICAL. Mestrado em Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural UC: Agricultura Tropical.

Clima(s) CLIMAS - SOLOS E AGRICULTURA TROPICAL. Mestrado em Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural UC: Agricultura Tropical. CLIMAS - SOLOS E AGRICULTURA TROPICAL Mestrado em Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural UC: Agricultura Tropical Óscar Crispim Machado (omachado@esac.pt) ESAC, abril de 2012 Clima(s) Aula 5 Zonas

Leia mais

2ª e 4ª feira 3ª e 5ª feira 2ª, 3ª e 4ª - feira 5ª - feira. Avis Benavila. Conservação e Restauro. Avis 10 18:00-20:00 15:00-16:00 15:00-17:00

2ª e 4ª feira 3ª e 5ª feira 2ª, 3ª e 4ª - feira 5ª - feira. Avis Benavila. Conservação e Restauro. Avis 10 18:00-20:00 15:00-16:00 15:00-17:00 Avis Avis Benavila Conservação e Restauro Campo Maior Campo Maior Reviver o Passado Elvas Elvas Desenho Artístico / Materiais e Novas Tendências Gavião Ferraria Tapeçaria de Arraiolos 10 Monforte Monforte

Leia mais

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social identificação fiscal nº, residência/sede

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO WINETech - SOE1/P1/E071 PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO 2007-2013 MATRIZ CRUZADA DE OPORTUNIDADES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICA (09/06/2011) Entregável E.5.1. 1.

Leia mais

RNCCI e RNCP da ARS Alentejo

RNCCI e RNCP da ARS Alentejo Natureza do prestador NIPC da entidade Denominação Morada do estabelecimento C-Postal Tipologia Observação Social 503 364 657 A ANTA - Associação Cultural e de Desenvolvimento da Beirã Rua D. João da Câmara

Leia mais

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Tanque para evaporaçao Classe A Varejao-Silva, 2005 1-1 SUMÁRIO Ordem Assunto 1.1 Introdução 1.2 Método de Thornthwaite, 1945 1.3 Conclusão 1.4 Bibliografia e livros

Leia mais

XIX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros. Os Desafios de Alqueva. A Sociedade, Território e Ambiente

XIX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros. Os Desafios de Alqueva. A Sociedade, Território e Ambiente XIX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros A Sociedade, Território e Ambiente Os Desafios de Alqueva O caso do Aproveitamento Hidroagrícola do Roxo António Manuel Parreira ( ABROXO) Carlos Manuel

Leia mais

Introdução CUSTO ENERGÉTICO DA ÁGUA NA AGRICULTURA Avaliação económica de tarifas de água no uso agrícola

Introdução CUSTO ENERGÉTICO DA ÁGUA NA AGRICULTURA Avaliação económica de tarifas de água no uso agrícola Introdução CUSTO ENERGÉTICO DA ÁGUA NA AGRICULTURA Avaliação económica de tarifas de água no uso agrícola - Tarifário que estabelece o preço da água destinada a rega para uso agrícola fornecida pela EDIA

Leia mais

Pratos apresentados: Gaspacho; Costeletas de molho de tomate; Javali de molho de tomate

Pratos apresentados: Gaspacho; Costeletas de molho de tomate; Javali de molho de tomate Semana Gastronómica do Gaspacho e Tomatada 21 a 27 de Julho Aljustrel, Alvito, Beja, Castro Verde, Ferreira do Alentejo, Mértola, Moura, Odemira, Ourique, Serpa e Vidigueira RESTAURANTES ALJUSTREL Pires

Leia mais

Avaliação das. externalidades. do regadio em. Portugal. Sumário executivo

Avaliação das. externalidades. do regadio em. Portugal. Sumário executivo Avaliação das externalidades do regadio em Portugal Sumário executivo Março 2013 Dada a reconhecida importância do sistema de produção agrícola em regadio no desenvolvimento social e económico das regiões

Leia mais

Boletim climatológico mensal da Madeira junho 2011

Boletim climatológico mensal da Madeira junho 2011 Boletim climatológico da Madeira junho 2011 CONTEÚDOS DRM - OMF 01 Resumo 02 Resumo das condições meteorológicas 02 Caracterização climática 02 Temperatura do ar 05 Precipitação total 07 Outros elementos

Leia mais

Aumento significativo da produtividade da cereja

Aumento significativo da produtividade da cereja 18 de junho de 2015 PREVISÕES AGRÍCOLAS 31 de maio 2015 Aumento significativo da produtividade da cereja As previsões agrícolas, em 31 de maio, apontam para uma diminuição da área de milho para grão, que

Leia mais