PROCESSO N* ACÓRDÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO N* 13.583 ACÓRDÃO"

Transcrição

1 12 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N* ACÓRDÃO L/M ETC-H. Água aberta, naufrágio, perda total; sem vitimas; ação do mar tendo em vista a utilização da embarcação em área para qual não estava classificada, como também apresentando precárias condições de conservação de casco. Condenação. Vistos, relatados c discutidos os presentes autos. Trata-se de apreciar o naufrágio da lancha "ETC-II ocorrido no dia 05/06/88, cerca das 13:30h. ao norte do Portocel distante da costa do litoral do Espírito Santo, cerca de uma milha e meia. Nào houve vítimas, somente danos materiais. Consta dos autos que estando na posição Lat. I " S e Long ' W, a contrabordo do rebocador SEA OIL GRACE *, naufragou a lancha ETC-II, classificação G-2-a, tie armação de Engenharia Transportes Comercio ETC S/A. A Embarcação era empregada na faixa de amarração e desamarração de navios, no quadro de bóias do Terminal de l-agos Parda, da Pctrobrás distrito de Regência Linhares ES. Após participar da faina de desamarração do N/T CARAVELAS, cerca das 11::00h. a lancha ETC-H, juntamente com o rebocador SEA OIL GRACE, iniciaram a viagem de regresso para Portoccl. Segundo depoimento dos tripulantes da lancha ETC-H, na ocasião o mar se apresentava revolto com fortes vagas c, muito vento. A lancha ETC-II construída para navegar cm interior de porto, com porões de 2.5m dc largura por 4,5m dc comprimento fechados por tábuas dispostas lado a lado. com pequenas frestas entre elas. foi alagada por sucessivas vagas de mar. sem que a bomba de esgoto desse conta, advindo a paralisação do funcionamento do motor c da bomba do esgoto quando cobertos pela água do mar. Apesar de a tentativa de salvamento leita pelo rebocador SEA O il, GRACE, a lancha veio a afunda por volta das I3:05h. conforme Termo de Socorro, emitido por aquele rebocador ás lis 15/17. Do naufrágio resultou a perda total da embarcação sendo os seus 3 (três) tripulantes resgatados pelo RB SEA OILGRACE. A L/M ETC-H estava sobocom andodo Arrais José Alberto Martins c o RB SEA OIL GR ACE sob o comando de Pedro Mendes Cassimiro Filho. Josc Alberto Martins. Mestre da lancha ETC-II. disse que as duas bombas existentes a bordo não davam va/ão à água que entrava por cima do convcs, daí ter solicitado socorro via-rádio ao Rebocador SEA OIL GRACE que navegava nas proximidades; que sendo atendido, foi passado o cabo de reboque na lancha; que após uma hora de viagem a lancha afundou totalmente; que nào observou qualquer anormalidade com a lancha; que não sabia qual o motivo da lancha ETC-II. estar trafegando fora dos limites para a qual a mesma estava classificada. Pedro Mendes Cassimiro Hlho. Mestre do Rebocador SEA OIL GRACE, cont inuou que o tempo estava ruim e que atendendo at) pedido de socorro da ETC-H, passou o cabo e iniciou reboque da referida lancha; que quin/e minutos após iniciada a operação, o mestre da ETC-II comunicou que a bomba de esgoto sobressalente havia dado o fora e o rádio VHP trinta minutos depois, quando então os tripulantes da lancha avisaram que a embarcação não tinha mais condições de navegar; que fora

2 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 13 providenciada a transferência desses tripulantes e seus pertences para bordo do rebocador; que prosseguiu o reboque porem bem lentamente, devido a lancha estar totalmente alagada; que meia hora depois a lancha afundou. Esclareceu que devido as condições do tempo não foi possível fazer uma vistoria para verificar as condições de navegabilidade da lancha antes de iniciar o reboque; que a lancha possuia material de salvatagem. Finalmente, declarou que por ocasião da manobra de reboque o encarregado de manobras da Petrobrás, Sr. Sérgio, o eximiu de responsabilidades, visto as condições precárias da lancha. Sergio da Siqueira Albuquerque, disse que cm ocasião anteriores, a lancha já apresentara problemas de alagamento no porão da máquina e que durante a manobra do navio o tempo estava bom, favorável para a abordagem da lancha ao rebocar: que no entanto, quando da desamarração, as condições de tempo mudaram drasticamente, com ventos vindo da direção SSW 25 nós de intensidade c mar com vagas de 2m de altura; foi quando os problemas de estanqueidade com a lancha começaram a aparecer, pois ate então a mesma operava cm perfeitas condições. Quanto à ETC-U, classificada para interior do porto, estar operando em mar aberto disse que a mesma fora despachada coni a finalidade de viajar de Portocel ao quadro de bóias e realizar as fainas com navios, o que fazia acreditar que a Capitania dos Portos local tinha pleno conhecimento desta operação; disse que nào alertou aos seus superiores que a lancha ETC-H estava classificada tão somente para navegar cm interior de porto porque em outras fainas contratadas, todas as em barcações de apoio eram da mesma classificação c despachadas normal* mente para atendim ento a navios no terminal da Lagoa Parda com anuência da Capitania local. Finalmente declara que desde o início do contrato fez vera Empresa proprietária Engenharia Transporte e Comércio S/A. que a lancha ETC-U por possuir casco de madeira não era apropriada para o tipo de serviço para a qual estava sendo contratada, principalmente quando cni condições adversas de mar. Autode Exame Pericial indireto limitou-se a relatar o acidente conforme descrito pelos tripulantes, que atribuíram como causa determinante do mesmo o mau tempo enfrentado pela embarcação resultando no seu alagamento, sem que as bombas de esgotos dessem vazão, conseqüentemente a paralisação do motor quando coberto pela água do mar. Daí advindo o naufrágio e a perda total da embarcação. Documentação da lancha ETC -ll com vistorias em dia e outros de praxe acostados aos autos. O Encarregado do Inquérito concluiu que o fator material contribuiu para o acidente cm questão, uma vez que a embarcação naufragada estava apta apenas a navegar em águas interiores, devendo ser empregada no transporte de passageiros e carga de acordo com sua classificação G-2-a, no entanto, estava navegando cm mar aberto, sendo empregada em serviço para o qual não estava capacitada. As condições de estanqueidade da embarcação também eram precárias, uma vez que o porão da embarcação estava fechado por tábuas dispostas lado a lado com pequenas frestas (conforme Laudo Pericial de lis.). Contribuiu também o fator operacional pelo fato de o Mestre da embarcação José Martins e o Encarregado de Manobras da Petrobrás Sr. Sergio da Siqueira Albuquerque, utilizarem a embarcação fora dos limites de navegação permitidos e cm serviço para a qual não estava capacitada demonstrando a

3 14 TRIBUNAL MARÍTIMO im prudência de ambos no desem penho das suas atividades. Finalmente, apontou com o possível responsável direto pelo acidente o Arrais José Alberto M artins. M estre da L/M **ETC-II*\ por navegar fora dos limites permitidos, além dc empregar a embarcação em serviço para a qual não estava autorizada. Como possíveis responsáveis indiretos: O Encarregado da Petrobrás Sr. Sérgio da Siqueira Albuquerque por perm itir que a L/M ETC-II" fosse utilizada cm um serviço para o qual, como ele mesmo já havia constatado, não estava capacitada, conform e declarado em seu depoimento às fls. 61/62 c a Petrobrás - Petróleo B rasileiro S/A por perm itir que uma embarcação sem as devidas condições lhe prestassem serviço, ainda que. por duas vezes anteriores, a embarcação havia apresentado problemas semelhantes, porém dc menor intensidade, sendo tal falo registrado nos relatórios de amarração, conforme declarado pelo próprio encarregado de manutenção da Petrobrás em seu depoimento às lis. 61/62v. Notificados, os indiciados ofereceram defesas previas de fls. O Arrais José Alberto M artins, em sua defesa prévia, alega. eni síntese, que somente era um executor de ordens emanadas pelo representante da Petrobrás; que a lancha ETCi r já havia apresentado problemas anteriormente, sem que fossem tomadas providências pela Capitania dos Portos, Petrobrás e pela armadora da embarcação; que a em barcação estava operando fora dos seus limites dc navegação c que também cabia a Capitania dos Portos coibir as manobras, e paralelamente a Petrobrás, conform e contrato. Finalmente, alega que o mar sc encontrava bastante revolto, o que também propiciou o naufrágio da referida embarcação. O Encarregado da Petrobrás Sérgio Siqueira Albuquerque, por sua vez. alega que inúmeras vezes admoestara a Empresa proprietária da lancha sinistrada, mas aquela, sempre se dissera autorizada pelo órgão competente para prestar os serviços contratados, apresentando inclusive declaração à Petrobrás que a lancha ETC-II estava autorizada pela Capitania dos Portos de Vistória-ES para prestar serviços de am arração dc navios, transportes de passageiros, no porto de Barra do Riacho e Terminal de Lagoa Parda, Regência-ES. A Petrobrás, em sua defesa prévia, alega que não contratou a lancha ETC-II e sim embarcação fornecida pela Engenharia, Transportes e Comércio E TC S/A, para apoio aos serviços que. na forma da legislação em vigor, atendesse ao objeto contratado, ou seja, amarração e desamarração de petroleiros no Quadro de Bóias do Terminal de Regência. Que a contratada apresentou declaração que a lancha ETC-II ' eslava autorizada pela Capitania dos Portos de Vitória-ES para prestar tal serviço. Alega, ainda, que a embarcação procedente do Rio de Janeiro, singrou nada mais nada menos que os mares do Estado do Rio de Janeiro, atingindo a metade do Espírito Santo, na to/ do rio Doce. Finalmente, alega que considerando ler a lancha ETC-II prestado serviço da data da assinatura do contrato até o dia de seu naufrágio, é de sc supor, também, que. sc não houve qualquer ad\ crtência doórgao liscali/adorcompetente e x>rquc nao hav ia qualquer irregularidade a ser reparada. A Douta Procuradoria, após diligências, olcrcccu representaçao cm lace dc Engenharia Transporte Comerc lo F. I C S/A e Petróleo Brasileiro S/A com tulcro no Art 14 alínea a (Naufrágio )) Alt. 15 alínea a", (impropriedade da embarcação para o serviço cm que era ulili/ada) e letra e" do mesmo Artigo!5 (todos os

4 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 15 falos...) ambos da Lei N* 2180/54, por entender que as representadas são responsáveis pelo naufrágio da em barcação, que navegava em atividade nüo autorizada e fora de seus lim ites de navegação, consequentem ente pondo cm risco a própria lancha, as vidas c fazendas de bordo. Assim, fundamentou por imprudência, negligência e imperícia somado ao dolo de Falsidade Ideológica" por parte da I* representada c negligência e imperícia da 2 - representada. Recebida a representação, citadas, as representadas foram defendidas por Advogados constituídos. Defesas de fls e fls. Provas foram produzidas na fase instrutória. pelas partes. Em alegações finais Procuradoria e Petróleo Brasileiro S/A. manifestaramsc. ratificando suas peças iniciais. Examinados os presentes autos, verifica-se que as representadas não conseguiram destruirás acusações de que as mesmas foram imprudentes, imperitas c negligentes. A I- representada, na qualidade de proprietária e armadora da embarcação sinistrada, permitiu que a mesma atuasse em atividade para a qual não estava autori/ada (fls. 109) e fora dos limites de navegação para a qual estava classificada, conseqüentemente, pondo em risco a própria embarcação, as vidas c fazendas de bordo, fatores contribuintes para o acidente, acrescido do fato do mau estado da embarcação que. segundo testemunhas, já apresentara problemas de alagamento antes dessa última viagem. A 2- representada tambémi não obteve sucesso em sua defesa pois a cláusula 9a do contrato firmado entre os representados (lis. 41/57) diz que a 2- representada se obrigava a fiscalizaras operações desenvolvidas pela I - representada, inclusive recusar o emprego de equipamentos ou ferramentas impróprias ou inadequadas (clausula 9* itens 9.1.4). O próprio chefe de manutenção da Petrobrás, em seu depoimento às lis. 62, in fine, declara conhecedor da impropriedade daquela embarcação para o serviço, mesmo assim a 2* representada não invocou a cláusula 9? item 9.2 do referido contrato "sic - suspender os serviços em razão da impropriedade da embarcação, sustando assim os pagamentos à contratada, **ou seja, a I5 representada. Ressaltar-se ainda que qualquer observação deveria ser feita por escrito e não verbal, corno diz ter feito o representante da Petrobrás, em seu depoimento. Nào restam dúvidas de que os fatores acima, aliados ao mau tempo, sob o qual navegava a L/M "ETC-ir. foram causas preponderantes para o acidente em apreciação. Pelo exposto e considerando as provas testemunhais, auto de exame pericial e relatório do Encarregado do Inquérito: Considerando os documentos de lis. 2S. 4 1a e 109 dos presentes autos: Por tudo isto e por tudo o mais que dos autos consta, é de se julgar procedente a promoção da Douta Procuradoria, responsabilizando as representadas pelo acidente em apreciação. Deve-se esclarecer que no presente caso o fato o lato da navegação capitulado pela Douta Procuradoria em sua representação de fls. Artigo 15 letras "a" e "c*. da Lei n 2180/54. deve ser considerado como causa do acidente, portanto absorvido pelo Art. 14. letra a da mesma lei.

5 16 TRIBUNAL MARÍTIMO ACORDAM os Juizes do Tribunal Marítimo, por unanimidade: a) quanto ã natureza e extensão do acidente: água aberta, naufrágio com perda total da embarcação, sem vítimas; b) quanto à causa determinante: ação do mar tendo cm vista a utilização da embarcação em área para a qual não estava calssificada, como também apresentando precárias condições de conservação de casco; c) decisão: julgar o acidente da navegação previsto no Artigo 14, letra a", da Lei 2180/54, como decorrente de imperícia e negligência de Engenharia Transportes Comércio ETC S/A c Pctrobrás - Petróleo Brasileiro S/A. condenando-os à pena de multa de CR$ ,20 c CR$ ,50, respectivamente. Custas, proporcionais na forma legal. P.C.R. Rio de Janeiro, RJ., cm 2 1de março de EDSON FERRACCIÚ, Vice-Almirante (RRm) Juiz Presidente MARIA CRISTINA DE OLIVEIRA PADILHA. Juíza-Rclalora.

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO B/P BRUCUTU. Naufrágio com perda total e vítimas fatais. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata-se de analisar o naufrágio

Leia mais

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO N/T FO G Á S XV I - Explosão durante faina de transbordo de gás provocando ferimentos em dois tripulantes ccm a morte de um deles; uso indevido de equi* 408 TRIBUNAL MARÍTIMO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO Jangada "CARINA". Emborcamento quando navegava a 05 milhas da praia de Ponta Negra, Natal, RN. Sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO N/M BETELGEUSE. Não configurada a ocorrência de acidente e/ou fato da navegação elencados na Lei nº 2.180/54. Infração ao artigo 378 do RTM. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO Veleiro NIGHT JAR. Encalhe em banco de areia, resultando em naufrágio com perda total da embarcação, sem vítimas. Tráfego da embarcação em região de bancos,

Leia mais

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada.

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada. TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.383/05 ACÓRDÃO B/P GLORIA I. Naufrágio de barco de pesca que fica sem governo. Quebra da haste do leme manual. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos autos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO Moto-aquática não identificada X flutuante tipo BANANA BOAT, rebocado pela moto-aquática SPX-I. Abalroação resultando em lesões corporais de natureza grave

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO Rebocador RIO BRANCO. Acidente da Navegação. Naufrágio de rebocador no terminal da PETROBRAS da ilha D água, Rio de Janeiro, RJ, sem danos pessoais

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO R/E ASSO VENTI. Ferimento em tripulante durante faina de reinstalação de rede de resfriamento do diesel-gerador, provocando-lhe a amputação traumática parcial

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 03/06/04, cerca

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO Lancha de passageiros COMDUSA XII. Queda de passageira a bordo, provocando-lhe ferimentos graves, com fraturas múltiplas no ombro. Desequilíbrio sofrido

Leia mais

PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO

PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO 690 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO B/M VIDA NOVA". Naufrágio com danos materiais c o desaparecimento de 05 passageiros. Condições meteorológicas adversas, excesso de confiança do condutor,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO B/M VOVÔ ORLANDO CIDADE. Queda de tripulante na água, estando a embarcação atracada, da prancha de embarque/desembarque, colocada conforme os usos e costumes,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO Lancha "FARUSCA". Explosão seguida de incêndio. Causa não apurada. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos Autos que, no dia 13 outubro de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO N/M "RUBENS". Colisão com terminal de granéis sólidos. Falha do motor propulsor, devido a avaria do diafragma da válvula termo eletromagnética do motor propulsor.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO Aerobarco FLECHA DE IPANEMA e Chata DIALCAR II. Abalroação entre aerobarco e comboio formado por rebocador e chata, provocando avarias na proa do aerobarco,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO N/T MARTA. Acidente de Trabalho com trabalhador durante a montagem de andaime no tanque do navio que se encontrava docado no estaleiro. Não configurada a

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO L/M ILSA-MAR. Queda na água de condutor de lancha, provocando-lhe lesões leves. Falha do condutor da lancha na operação do motor da embarcação. Imperícia.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO Comboio Integrado pelas Chatas TQ-61 / TQ-38 com o empurrador TQ-25 e o batelão areeiro ER-II. Abalroação provocando avarias e o naufrágio parcial do batelão,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO Embarcação LEAL SANTOS 7. Avaria no motor principal deixando à deriva. Necessidade de assistência de reboque. Danos materiais sem ocorrência de acidentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO N/M "ASTERI". Morte de trabalhador em operação de raspagem no casco de navio mercante quando em faina de mergulho no porto de Sepetiba, RJ. Condenação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO B/P DOM ISAAC V. Abordagem de barco pesqueiro em plena viagem por pessoas desconhecidas que roubaram toda a carga. Delito cuja materialidade foi comprovada,

Leia mais

PROCESSO N 14.797/92

PROCESSO N 14.797/92 362 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 14.797/92 ACÓRDÃO Veleiro "ANGELUS". Encalhe. Erro de navegação do condutor do veleiro. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 10 de dezembro

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO Comboio R/E SM e Balsa NB II. Colisão de comboio contra casas de palafitas, provocando danos materiais, sem ocorrência de vítimas. Falta de condições físicas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO L/M "O VIGILANTE III". Emborcamento quando em faina de demanda do canal de Marapendi, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, com danos materiais e vítima com

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Emborcamento quando navegava no rio Paraná do Manaquiri, AM, com danos materiais e uma vítima fatal. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO B/P CANADÁ. Naufrágio, quando adentrava na barra do rio Mampituba, município de Torres, SC, com danos materiais, sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO N/M SOTIRIA. Quedas de carga n água, sacaria de açúcar, com sua perda, durante operação de carregamento, junto ao armazém nº 11 do porto de Santos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO Catamarã TURISMANDO. Avaria deixando a embarcação à deriva. Deficiência de manutenção. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO B/M LUANA. Naufrágio de embarcação provocando vítimas fatais e desaparecimento de passageiros. Causa, manobra brusca de embarcação ocasionando o deslocamento

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO N/M LORETA D. Queda de carga na água devido a não colocação de redes de proteção ao costado, com poluição ao meio ambiente marinho, sem vítima. Negligência.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO Catamarã JUMBO CAT II. Colisão de catamarã com pedras, seguida de encalhe, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência de vítimas. Avaria sofrida no

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO L/M CAVITOS. Impropriedade da embarcação para o serviço em que era utilizada e empregada para prática de ato ilícito previsto em lei como crime (descaminho).

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO Balsa ENCONTRO DAS ÁGUAS. Colisão de embarcação contra duas casas palafitas, situadas às margens do rio Solimões, proximidades do porto Careiro da

Leia mais

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento.

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM NORSUL PINDARé. Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. 848 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO B/P ITAPEVA. Avaria por ato de sabotagem. Ação dolosa de autoria indeterminada. Arquivamento, exculpando-se os representados. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO Lancha ARPEDI. Naufrágio no local de fundeio devido a admissão de água pelas obras vivas e pelas obras mortas. Defeito no calafeto do casco e do convés.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO B/M INDEPENDÊNCIA. Naufrágio. alagamento, imprudência do representado. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 11/08/00,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.874/06 ACÓRDÃO Canoa sem nome. Naufrágio de embarcação a remo com exposição a risco da referida embarcação e das vidas e fazendas de bordo, provocando a morte de uma passageira

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO REM JEAN FILHO XXXIV e Balsa CONAVE XVII. Colisão de comboio com muro de marina. Possíveis influência de fortes ventos. Arquivamento. Vistos os presentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO Canoa sem nome não inscrita. Naufrágio durante brincadeira dos passageiros. Embarcação desprovida de material de salvatagem. Condução por pessoa sem

Leia mais

PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No inquérito, foram ouvidas 11 (onze) testem unhas.

PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No inquérito, foram ouvidas 11 (onze) testem unhas. 18 TRIBUNAL MARfTlMO PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO N/M SANTOS DUMONT x N/M HAPPY MED. Abalroação. Desobediência às regras do RIPE AM. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata o

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Colisão com banhista na praia Mar de Minas, represa de Três Marias, no município de Três Marias, MG, com vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO L/M LAGOMAR II. Avaria no motor, deixando a embarcação á deriva, com assistência de reboque. Danos materiais, sem ocorrência de acidentes pessoais ou danos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO Moto-aquática VIPER. Colisão com altos fundos de corais, resultando em lesões corporais nos dois ocupantes, adolescentes inabilitados, e em avarias na embarcação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO R/E CAPITÃO JOSÉ ALECRIM VIII. Incêndio na praça de máquinas de rebocador / empurrador, provocando avarias no motor e nas suas partes elétricas e

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO N/M TEAL ARROW. Acidente com estivador a bordo. Trabalhador que se colocou no caminho de ponte rolante denotando imprudência. Ferimentos no representado

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O FPSO PETROBRAS 43. Acidente de trabalho com cinco vítimas não fatais, danos materiais, sem registro de poluição ao meio ambiente. Falha no sistema

Leia mais

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 85 PROCESSO N- 14.058 ACÓRDÃO N/T MERCANTIL CABO FRIO. Avarias em redes de carga e deficiência na dotação de equipamentos de combate a incêndio, colocando em risco a segurança

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO Jet-sky VADIO x veleiro BONS VENTOS I. Abalroação envolvendo veleiro e jet-sky não identificado. Causa indeterminada devido a falta de elementos de prova

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO L/M ARROZ. Colisão, seguida de encalhe, água aberta e naufrágio, de lancha de esporte e recreio, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO L/M MAKARI. Colisão de lancha contra seu próprio condutor e posteriormente contra trapiche, vindo a encalhar na margem do canal, colocando em risco a incolumidade

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO Embarcação DA SILVA. Naufrágio de embarcação que navegava fora de sua área de classificação, conduzida por pessoas não habilitadas. Morte de um de seus tripulantes.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO Plataforma NOBLE THERALD MARTIN. Acidente de trabalho a bordo, vítima não fatal. Desequilíbrio da própria vítima, durante operação com chave flutuante

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO Navio-Sonda PETROBRAS XXXI. Avaria em equipamento de carga de Navio-Sonda, resultando ferimentos em trabalhador durante operação de descarga de carga pesada.

Leia mais

TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO L/M THEMIS. Colisão de embarcação contra pedras existentes às margem de rio, quando navegava no canal de acesso, Santos, SP. Danos à embarcação,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO Moto aquática FEIO II e L/M PAPA LÉGUAS II. Exposição a risco que se materializou em abalroamento e no óbito de duas pessoas. Moto aquática imprópria

Leia mais

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 485 PROCESSO N 15.296/93 ACÓRDÃO

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 485 PROCESSO N 15.296/93 ACÓRDÃO ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 485 PROCESSO N 15.296/93 ACÓRDÃO N/M "CLIPPER SANTOS. Processo de fratura da solda no ponto de fixação de barra de ferro componente da guia do cabo de laborar do guindaste n 02,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO B/P TOCANTINS. Trumatismo sofrido por pescador que caiu no convés principal. Sendo a causa determinante provável descuido da própria vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO Moto-aquática SP 2318-01 X flutuante tipo banana boat, rebocado pela L/M KATITA. Abalroação resultando em lesões corporais em dois ocupantes do flutuante.

Leia mais

PROCESSO N 15.570/93

PROCESSO N 15.570/93 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 211 PROCESSO N 15.570/93 N/M "NOAH", de bandeira granadense. Avarias nas instalações da máquina. Arribada ao porto para reparos. Falta de manutenção adequada. Considerar a arribada

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO B/P DONA NORIS. Interceptação e apresamento de pesqueiro venezuelano por prática de pesca não autorizada na zona econômica exclusiva brasileira, aplicação

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO R/E CLOTILDES BERNARDES e Balsa JOSÉ BERNARDO DA SILVA. Queda de caminhão do convés de balsa de travessia, operada por tripulação inabilitada, nas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO N/M ALIANÇA IPANEMA. Colisão com píer em construção, pertencente à Delegacia da Capitania dos Portos, em Itajaí, resultando em avarias de grande monta na

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO N/M FLAMENGO. Ferimentos corto-contuso na região occipto-frontal e fratura de dentes sofridos por estivador durante faina de embarque de contêineres. Não

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 297 PROCESSO N 3.877

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 297 PROCESSO N 3.877 ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 297 PROCESSO N 3.877 ACÓRDÃO N aufrágio. Arrastamento do rebocador pela draga na ocasião do emborcamento. Imperfeita execução das manobras de suspender a lança para recolocar

Leia mais

PROCESSO N. 1.377 ACÓRDÃO

PROCESSO N. 1.377 ACÓRDÃO 122 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N. 1.377 ACÓRDÃO Abalroamento. Rabeando por efeito da maré, navio abolroa chata em operação de descarga. Provado que o acidente ocorreu devido ao mau fundeio do navio, condena-se

Leia mais

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO PLAO DE AUXÍLIO MÚTUO MARÍTIMO PAM-M ADEDO A DO APÊDICE V AO AEXO E COCEITO DA OPERAÇÃO DO 1. Conceituação: 1.1. AR - abreviatura do inglês "search and rescue" - Busca e alvamento - correspondente a socorro,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO N/M KAMARI. Colisão de navio estrangeiro com o píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, São Luiz, MA, durante estadia atracado, com danos materiais

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO Plataforma P-31. Incêndio no motor gerador da praça de máquinas a bordo de plataforma, tendo como causa determinante o rompimento de uma conexão da rede

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.331/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.331/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.331/01 ACÓRDÃO N/M HUASCO. Utilização de equipamento tipo guindaste móvel, com configuração imprópria para o içamento e manuseio de carga pesada durante embarque no navio,

Leia mais

30 TRIBUNAL MARÍTIMO

30 TRIBUNAL MARÍTIMO 30 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 6. 583 ACÓRDÃO Motor gerador de luz apresentando vasamento dt gasolina, origina incêndio e naufrágio com conseqüências funestas. O transporte de 82 colonos em lancha com

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 25.676/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 25.676/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 25.676/11 ACÓRDÃO Plataforma PRIDE VENEZUELA. Exposição a risco das vidas e fazendas de bordo. Imprudência e negligência. Condenação. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 18.671/00 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 18.671/00 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 18.671/00 ACORDÃO R/M HAVILA SCOTIA x Plataforma SEDCO-710. Abalroação durante aproximação de rebocador à contrabordo de plataforma posicionada na Bacia de Campos, RJ. Danos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO R/E A. H. GENOVA x Dique Flutuante PAULO FERRAZ. Abalroação de rebocador com dique flutuante, durante manobra de docagem, provocando avaria no costado

Leia mais

ANUARIO DE JURISPRUDÊNCIA 427 PROCESSO N 9.908

ANUARIO DE JURISPRUDÊNCIA 427 PROCESSO N 9.908 ANUARIO DE JURISPRUDÊNCIA 427 PROCESSO N 9.908 ACÓRDÃO Navio BRAZILIAN MARINA, de bandeira liberiana. volisão com pedras. Inexistência de influência das dimensões do navio com relação às do cana]. Não

Leia mais

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA E ABS GROUP Este ACORDO é celebrado em consonância com o estabelecido nas Normas da Autoridade Marítima para Reconhecimento

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.603/97 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.603/97 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.603/97 ACÓRDÃO N/M CONDOR. Ferimento de tripulante por imprudência do mesmo. Condenar o 1º representado, exculpando os demais. Vistos, relatados e discutidos os presentes

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO Embarcação a remo tipo Double Skiff sem nome e não inscrita. Naufrágio como resultado de navegação fora da raia destinada ao esporte por decisão dos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 26.032/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 26.032/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/MDG PROCESSO Nº 26.032/11 ACÓRDÃO N/M ALPHA. Morte de tripulante após queda de escada de portaló. Deficiência de manutenção de responsabilidade do imediato, condenando-o. Exculpar

Leia mais

PROCESSO N 6.721 ACORDÃ O

PROCESSO N 6.721 ACORDÃ O 136 PROCESSO N 6.721 ACORDÃ O Lancha pertencente à Inspetoria da Receita Federal do Estado da Guanabara, sob o comando de um arrais, empreende navegação fora da barra. Ao tentar retomar a Baía de («uanabara

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.103/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.103/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.103/99 ACÓRDÃO Balsa SANTA ALICE. Queda n água de bordo da balsa de veículo tipo carro forte. Morte do motorista. Descumprimento de normas de segurança que devem ser aplicadas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO INTRODUÇÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO Jurisdição anômala. Órgão Autônomo do Poder Executivo, auxiliar do Poder Judiciário, com responsabilidade para julgamento dos acidentes e fatos da navegação sob o aspecto marítimo. Responsável

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE ORDEM SF I. I - A.N.I. - MANUTENÇÃO UGI NORTE 1 SF-659/2012 SANDRA REGINA TEIXEIRA SANTIAGO CARLOS ALBERTO GUIMARÃES GARCEZ Processo: SF- 659/2012 Interessado: SANDRA REGINA TEIXEIRA

Leia mais

PROCESSO N 15.323/93

PROCESSO N 15.323/93 ANUÃRlO DE JURISPRUDÊNCIA PROCESSO N 15.323/93 a c ó r d ã o l ancha a motor "PIRANHA". Incêndio e explosão. Ignição dos vapores da gasolina que se achava acondicionada em tambores, no porao da embarcação.

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO ft' "flay, aimair.41 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO 4111 APELAÇÃO CRIMINAL N 001.2006.001528-4 / 001 RELATOR : DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA APELANTE : JACKSON ISíDIO DOS

Leia mais

AGTR 67.937-PB (2006.05.00.016506-6). RELATÓRIO

AGTR 67.937-PB (2006.05.00.016506-6). RELATÓRIO AGTR 67.937-PB (2006.05.00.016506-6). AGRTE : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. ADV/PROC : JUSTINIANO DIAS DA SILVA JÚNIOR E OUTROS. AGRDO : JOSELITA MARIA GOMES TORRES. AGRDO : ANTONIO SANTIAGO FREITAS TORRES.

Leia mais

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relatora Desa. : EUTÁLIA COUTINHO

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relatora Desa. : EUTÁLIA COUTINHO Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : APR Apelação Criminal Nº. Processo : 2000.01.1.047761-5 Apelante : Carlos Flávio Rodrigues Freitas Apelado : Ministério Público do Distrito Federal e Territórios

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NC PROCESSO Nº 23.384/08 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NC PROCESSO Nº 23.384/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NC PROCESSO Nº 23.384/08 ACÓRDÃO B/P SANTA ROSA R x baleeira MARAJÁ II. Abalroamento com perda total da última. Embriaguez confessada do condutor. Imperícia e imprudência provadas.

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: RELATÓRIO ESTADO DA PARAÍBA 21 PODER JUDICIÁRIO 1 Apelação Cível n. 888.2002.014.833-4/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: GM Factoring Sociedade de Fomento Comercial Ltda Advogada: Maria Irinea

Leia mais

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA XVII CONGRESSO INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DIREITO MARÍTIMO 05 A 07 DE NOVEMBRO DE 2012 - RIO DE JANEIRO - BRASIL DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Paulo Campos

Leia mais

Segurança Marítima: Busca e Salvamento

Segurança Marítima: Busca e Salvamento Segurança, condição essencial para a segurança marítima Escola Naval, 30 de Abril de 2014 : Busca e João 05-05-2014 Frade 2 1989 Introdução EXXON VALDEZ 1912 TITANIC CATÁSTROFE 2012 COSTA CONCORDIA 3 Gestão

Leia mais

Contrato de Locação Atendente: Telefone: Razão Social: FYC Locação de Embarcações Ltda ME Endereço: CNPJ: Nome: Telefone: CPF: RG: Endereço:

Contrato de Locação Atendente: Telefone: Razão Social: FYC Locação de Embarcações Ltda ME Endereço: CNPJ: Nome: Telefone: CPF: RG: Endereço: Contrato de Locação Atendente: Nelson Bertoluci Telefone: (24) 7835-7939 Locadora: Razão Social: FYC Locação de Embarcações Ltda ME Endereço: Rua do Badejo s/n Bloco 2B Loja E, Condomínio Studios Bracuhy,

Leia mais

PROCESSO N 2.161. Incêndio no porão do navio, atribuído (mas não comprovado) combustão espontânea da carga (juta). Acidente fortuito. Arquivamento.

PROCESSO N 2.161. Incêndio no porão do navio, atribuído (mas não comprovado) combustão espontânea da carga (juta). Acidente fortuito. Arquivamento. ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 115 PROCESSO N 2.161 ACÓRDÃO Incêndio no porão do navio, atribuído (mas não comprovado) combustão espontânea da carga (juta). Acidente fortuito. Arquivamento. Vistos, relatados

Leia mais

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO FEDERAL Gabinete do Ministro INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 183, DE 08 DE SETEMBRO DE 1986

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO FEDERAL Gabinete do Ministro INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 183, DE 08 DE SETEMBRO DE 1986 SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO FEDERAL Gabinete do Ministro INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 183, DE 08 DE SETEMBRO DE 1986 O MINISTRO DE ESTADO EXTRAORDINÁRIO PARA ASSUNTOS DE ADMINISTRAÇÃO, tendo em vista a competência

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

Assunto: Tomada de Contas Anual da Delegacia Regional da SUCAM no Rio Grande do Sul, exercício de 1987.

Assunto: Tomada de Contas Anual da Delegacia Regional da SUCAM no Rio Grande do Sul, exercício de 1987. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 196/92 - Plenário - Ata 20/92 Processo nº TC-649.016/88-2, Apensos: TC-006.834/88-4; TC-625.028/88-0; TC-625.402/87-1 e TC-625.407/87-3 Responsáveis:

Leia mais