AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA No, DE DE 2005.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA No, DE DE 2005."

Transcrição

1 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA No, DE DE Altera dispositivos da Resolução no 24, de 27 de janeiro de 2000, que estabelece as disposições relativas à continuidade dos serviços públicos de energia elétrica nos seus aspectos de duração e freqüência, com prazo para republicação integral. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL, no uso de suas atribuições regimentais, de acordo com deliberação da Diretoria, tendo em vista o disposto no art. 6o da Lei no 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, no art. 25 da Lei no 9.074, de 7 de julho de 1995, no art. 2o da Lei no 9.427, de 26 de dezembro de 1996, no inciso III, art. 4o, Anexo I, do Decreto no 2.335, de 6 de outubro de 1997, o que consta no Processo no /00-42, e considerando que: as disposições relativas à continuidade da distribuição de energia elétrica, em face de suas Características e abrangência configuram-se em regulamento de especial importância para o setor elétrico brasileiro, devendo o mesmo ser dinâmico, flexível e ter suas regras continuamente aperfeiçoadas; e. as alterações de dispositivos da Resolução no 24, de 27 de janeiro de 2000, ora estabelecidas, visam aprimorar o relacionamento entre as concessionárias de serviço público de energia elétrica e os consumidores, bem como ampliar o escopo de sua aplicação; em função da Audiência Pública no XXX, realizada em XX de XXXXXXXXX de 2004, foram recebidas sugestões de diversos agentes do setor elétrico, bem como da sociedade em geral, que contribuíram para o aperfeiçoamento deste ato regulamentar, resolve: Art. 1o Alterar os arts. 1o ao 5o, 8o, 10, 15, 17 a 19, 21, 22, 26 e 28 a 30 da Resolução no 24, de 27 de janeiro de 2000, que passam a vigorar com a seguinte redação: Art. 1o Estabelecer, na forma que se segue, as disposições relativas à continuidade dos serviços públicos de energia elétrica, nos seus aspectos de duração e freqüência, a serem observadas pelas concessionárias e permissionárias de serviço público de distribuição. e de transmissão de energia elétrica às unidades consumidoras e nos pontos de conexão. Art. 2o A continuidade dos serviços públicos de energia elétrica deverá ser supervisionada, avaliada e controlada por meio de indicadores coletivos que expressem os valores vinculados a conjuntos de unidades consumidoras, bem como indicadores individuais associados a cada unidade consumidora e ponto de conexão. Art. 3 o...

2 I - Concessionária ou Permissionária Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços públicos de energia elétrica, referenciado, doravante, nesta Resolução, apenas pelo termo concessionária. II - Conjunto de Unidades Consumidoras Qualquer agrupamento de unidades consumidoras, global ou parcial, de uma mesma área de concessão de distribuição, definido pela concessionária ou permissionária e aprovado pela ANEEL. III - Consumidor Pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito, legalmente representada, que assumir a responsabilidade pelo pagamento das faturas de energia elétrica e pelas demais obrigações fixadas em normas e regulamentos da ANEEL, assim vinculando-se ao contrato de fornecimento, de uso e de conexão ou de adesão, conforme cada caso. IV Demais Instalações de Transmissão Instalações de energia elétrica de propriedade de concessionárias de transmissão, não integrantes da Rede Básica, disponibilizadas diretamente aos acessantes interessados contra o pagamento dos encargos correspondentes. V Dia Crítico Dia em que a quantidade de ocorrências emergenciais em um conjunto elétrico ultrapassar determinado limite, estabelecido como a média mais três desvios padrões, dos valores diários verificados nos 12 meses do ano anterior. Justificativa: No inciso I do Art. 22 é prevista a desconsideração de interrupções associadas à situação de emergência ou de calamidade pública quando decretada por órgão competente. No entanto, situações de proporções similares muitas vezes são registradas sem que tenha havido reconhecimento dos órgãos competentes como sendo de calamidade, principalmente nos grandes centros urbanos A regulação em alguns países na Europa nos USA, já prevê a ocorrência de tais situações, estabelecendo critérios para a definição de dias críticos. A própria ANEEL já reconheceu, através da Resolução 057/2004 a qual trata das condições de atendimento das CTA, metas de atendimento diferenciado com a possibilidade de expurgar os dias considerados como atípicos. VI Evento Crítico Designação para um evento que excede os limites operativos de um determinado Sistema Elétrico caracterizado pela ocorrência de uma condição atmosférica extrema precedida ou não por alerta meteorológico, onde resulta na ocorrência simultânea de uma grande quantidade de ocorrências emergências e que excedem o limite do Dia Crítico estabelecido nesta Resolução.

3 VII - Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (DEC) Intervalo de tempo que, em média, no período de observação, em cada unidade consumidora do conjunto considerado ocorreu descontinuidade da distribuição de energia elétrica. VIII - Duração de Interrupção Individual por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão (DIC). Intervalo de tempo que, no período de observação, em cada unidade consumidora ou ponto de conexão ocorreu descontinuidade da energia elétrica. IX - Duração Máxima de Interrupção Contínua por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão (DMIC). Tempo máximo de interrupção contínua de energia elétrica em uma unidade consumidora ou ponto de conexão. X - Encargo de Uso do Sistema de Distribuição. Valor, em moeda corrente nacional, devido mensalmente pelo uso das instalações de distribuição, e calculado proporcionalmente à tarifa de uso e ao montante de uso do sistema de distribuição. XI - Encargo de Uso do Sistema de Transmissão. Valor, em moeda corrente nacional, devido mensalmente pelo uso da Rede Básica, e calculado proporcionalmente à tarifa de uso e ao montante de uso do sistema de transmissão. XII - Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC). Número de interrupções ocorridas, em média, no período de observação, em cada unidade consumidora do conjunto considerado. XIII - Freqüência de Interrupção Individual por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão (FIC). Número de interrupções ocorridas, no período de observação, em cada unidade consumidora ou ponto de conexão. XIV - Indicador de Continuidade. Representação quantificável do desempenho de um sistema elétrico, utilizada para a mensuração da continuidade apurada e análise comparativa com os padrões estabelecidos. XV - Indicador de Continuidade Global.

4 Representação quantificável do desempenho de um sistema elétrico, agregado por empresa, estado, região ou país. XVI - Interrupção Descontinuidade do neutro ou da tensão disponível em qualquer uma das fases de um circuito elétrico que atende a unidade consumidora ou ponto de conexão. XVII - Interrupção de Longa Duração Toda interrupção do sistema elétrico com duração maior ou igual a 3 (três ) minutos. XVIII - Interrupção Programada Interrupção antecedida de aviso prévio, por tempo preestabelecido, para fins de intervenção no sistema elétrico da concessionária. XIX - Interrupção de Urgência Interrupção deliberada no sistema elétrico da concessionária, sem possibilidade de programação e caracterizada pela urgência na execução de serviços. XX - Metas de Continuidade Valores máximos estabelecidos para os indicadores de continuidade, a serem observados mensal, trimestral e anualmente nos períodos correspondentes ao ciclo de revisão das tarifas, conforme resolução específica. XXI - Ocorrência emergencial Evento na rede elétrica que prejudique a segurança e/ou a qualidade do serviço prestado ao consumidor, com conseqüente deslocamento de equipes de atendimento de emergências. XXII - Padrão de Continuidade Valor máximo estabelecido para um indicador de continuidade e utilizado para a análise comparativa com os valores apurados dos indicadores de continuidade. XXIII - Ponto de Conexão. É o equipamento ou conjunto de equipamentos que se destinam a estabelecer a conexão elétrica na fronteira entre os sistemas de dois ou mais Agentes. XXIV - Restabelecimento da Continuidade da Energia Elétrica

5 Retorno do neutro e da tensão disponível em todas as fases, com permanência mínima de tempo igual a 3 (três) minutos, no ponto de entrega de energia elétrica da unidade consumidora ou ponto de conexão. XXV - Serviço Essencial Serviço ou atividade caracterizado como de fundamental importância para a sociedade, desenvolvido em unidade consumidora a seguir exemplificada: a) unidade operacional do serviço público de tratamento de água e esgotos; b) unidade operacional de processamento de gás liquefeito de petróleo e de combustíveis; c) unidade hospitalar; d) unidade operacional de transporte coletivo; e) unidade operacional de serviço público de tratamento de lixo; f) unidade operacional de serviço público de telecomunicações; g) centro de controle público de tráfego aéreo, marítimo, rodoferroviário e metroviário; h) unidade operacional de distribuição de gás canalizado;e i) unidade operacional de segurança pública. XXVI - Unidade Consumidora Conjunto de instalações e equipamentos elétricos caracterizado pelo recebimento de energia elétrica em um só ponto de entrega, com medição individualizada e correspondente a um único consumidor. XXVII - Valor Líquido da Fatura Valor em moeda corrente resultante da aplicação das respectivas tarifas de fornecimento, sem incidência de encargos setoriais e encargos do serviço de distribuição e imposto sobre as componentes de consumo de energia elétrica ativa, de demanda de potência ativa, de uso do sistema, de consumo de energia elétrica e demanda de potência reativas excedentes. Justificativa: Como o valor líquido da fatura é utilizado para compensação ao consumidor pelo não atendimento dos índices de continuidade, o ressarcimento da concessionária deve ser baseado nos custos incorridos no serviço de distribuição, excluindo por condição os impostos e encargos setoriais como RTE, RGR, CVA, TFSEE e etc. Art. 4o... 5o Até 31 de dezembro de 2007, a concessionária deverá certificar o processo de coleta dos dados e de apuração dos indicadores individuais e coletivos estabelecidos nesta Resolução, com base nas normas ISO Justificativa: A certificação de processo, conforme a experiência em algumas concessionárias, demonstra, não é uma tarefa simples. Considerando a complexidade que envolve a coleta e apuração dos indicadores individuais e coletivos, envolvendo não apenas as equipes de campo, mas também atendimento, informática, etc. e, considerando que muitas empresas terão

6 que reescrever toda a documentação pertinente, o prazo a partir de 31/12/2007 é compatível para que as concessionárias possam se adequar a esta exigência. Art. 5o.... Sugestão Revogar o artigo Justificativas: considera-se que uma interrupção de duração até 1 minuto não pode ser considerada sustentada. Nos Estados Unidos e na Europa as empresas estão buscando se adequar às definições de interrupção sustentada e momentânea conforme o documento IEEE Std 1366 uma Interrupção Sustentada é qualquer interrupção não classificada como parte de uma interrupção momentânea, ou seja, qualquer interrupção que dure mais que 5 minutos e uma Interrupção Momentânea é uma interrupção cuja duração é limitada ao tempo requerido pelos dispositivos de proteção para restaurar o serviço. Esta definição contempla a quantidade de religamentos dos dispositivos da rede durante 5 minutos. Portanto, deve ser levado em consideração o caráter dos dispositivos de proteção da grande maioria dos sistemas de distribuição cujos religamentos automáticos, podem variar entre instalações, em função de uma série de fatores, incluindo também o fator risco para terceiros. Outro aspecto é quanto ao aumento do nível de automação nas subestações. Cada instalação possui características distintas de configuração ou mesmo de equipamentos, incluindo as mais variadas tecnologias de comunicação. Os métodos de comunicação também podem diferir, passando desde o antigo master slave até o mais recente exception repor. Em resumo, os tempos envolvidos nas sinalizações e detecções de falhas podem variar entre instalações, de modo que os operadores podem recebê-las com defasagens de tempo, cabendo a si próprios uma inferência em termos de tempo na análise dos fatos, auxiliados pelos sistemas de SOE (Sequence of Events) e respectivas estampas de tempo. Dessa forma, o tempo inferior a 3 minutos para a atribuição de falha permanente é um tanto limitante e fará com que naturalmente, os operadores tomem decisões mais apressadas e prematuras, trazendo riscos à segurança operativa dos sistemas elétricos sob sua supervisão. Finalmente, deve ser levado em consideração principalmente que, na grande maioria de processos produtivos dos consumidores, não haverá perdas significativas em função da duração da interrupção. DAS INTERRUPÇÕES A SEREM CONSIDERADAS PARA CÁLCULO DOS INDICADORES DE CONJUNTO Artigo 7 o.... Incluir também as seguintes exceções: III As interrupções decorrentes de obras programadas, desde que devidamente avisadas conforme premissas estabelecidas no artigo 14 o. IV As interrupções verificadas nos dias caracterizados como Dias Críticos.

7 Parágrafo único: Os registros de interrupção e de ocorrência que caracterizaram o Dia Crítico sofrerão analises pontuais e ficarão armazenadas na concessionária as disposições da ANEEL, pelo período de 5 anos. Justificativa: Considerando a característica das redes de distribuição, tipicamente aéreas, verifica-se que nos Dias Críticos, normalmente sob condições meteorológicas mais severas, a quantidade e gravidade das ocorrências emergenciais aumentam, resultando em grande probabilidade de violação dos indicadores individuais e coletivos. Normalmente nestes dias as empresas procuram aumentar as horas disponíveis das equipes, as horas-extras, bem como procuram aumentar a número de equipes disponíveis através da convocação de equipes adicionais; entretanto este aporte de recursos adicionais em alguns casos, não é suficiente para assegurar o resultado sem comprometimento dos indicadores de continuidade. Para as distribuidoras terem capacidade de atendimento nesses poucos dias, o dimensionamento dos recursos internos deveria considerar uma alta taxa de ociosidade, o que teria que ser refletida na modelagem da empresa de referência, que hoje utiliza, para dimensionamento dos recursos para a realização dos trabalhos, taxas de falha médias anuais de empresas do setor. A ANEEL já reconheceu a existência dos dias atípicos na resolução 057/2004 de 12/04/2004 que estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento - CTA, das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas de atendimento, devido justamente a característica atípica de volume de ligações quando de temporais. A resolução 057/2004 conceitua Dia Atípico como: Dia que apresenta volume de chamadas recebidas superior a 20% em relação à média dos últimos 4 dias típicos correspondentes em semanas anteriores, com apuração realizada individualmente por dia de semana. Esta resolução, no artigo 9 o. Parágrafo 2 o. determina que a concessionária poderá expurgar todos os dias atípicos para fins de cálculo dos indicadores A Norma americana IEEE Std 1366/2003 Guide for Electric Power Distribution Reliability Indices define, estabelece critérios bem como um método de quantificação para o Dia Crítico (Major Event Day), e tem sido amplamente utilizada como referência tanto nos Estados Unidos quanto da Europa. Destaca-se que a crescente preocupação das empresas Distribuidoras Brasileiras em direção a melhora da confiabilidade de seus Sistemas e a otimização de seus recursos financeiros, é compartilhada largamente no mundo; o desafio atual é o de buscar uma energia com custo e qualidade. Recentemente este assunto foi profundamente debatido num fórum internacional, com representantes de vários segmentos do setor elétrico (anexo). O termo confiabilidade está associado principalmente aos indicadores tradicionais, os quais determinam primariamente a capacidade dos sistemas sob determinadas condições durante um determinado período de tempo. O que se busca neste momento é criar uma relação a um outro termo, não usual, o qual permitirá destacar a habilidade ou capacidade do Sistema durante as condições atmosféricas extremas.

8 Entre alguns poucos métodos propostos, o critério baseado na norma americana em questão, o Método Beta (Beta Method) foi escolhido para exemplificar a justificativa, principalmente por de fácil implementação, haja vista que, historicamente, as empresas têm acompanhado o DEC Diário. Foram feitas algumas simulações de forma a verificar a adequação a este conceito e do critério proposto, detalhado no anexo a esta proposta, o qual complementa esta justificativa. V- interrupção em situação de emergência ou após prévio aviso, quando motivada por razões de ordem técnica ou de segurança das instalações; e, VI - por inadimplemento do consumidor, considerado o interesse da coletividade. Justificativa: A lei 8987/95, em seu Art. 6º Parágrafo 3º estabelece: Não se caracteriza como descontinuidade do serviço a sua interrupção em situação de emergência ou após prévio aviso, quando: I- Motivada por razões de ordem técnica ou de segurança das instalações; e, por inadimplemento do usuário, considerado o interesse da coletividade. Art. 8o... I - Quando um conjunto for subdividido ou re-agrupado deverão ser definidos novos padrões de continuidade, considerando-se os atributos físico-elétricos resultantes, bem como os registros históricos dos conjuntos a que deram origem a esta nova formação. Justificativa: é fundamental levar em consideração o histórico existente, pois entendemos que apenas os atributos físico-elétricos são insuficientes para uma adequada classificação da nova formação. Consideremos o caso em que seja proposta a subdivisão de um determinado conjunto. Este conjunto, de acordo com a metodologia ANEEL, foi classificado em um determinado cluster com suas respectivas metas estabelecidas. Como no primeiro estabelecimento das metas, foram levados em consideração os dados físico-elétricos (área, km rede, nº consumidores, consumo médio, potência) e o histórico existente, ao subdividirmos o referido conjunto, como haverá alterações dos dados físico-elétricos, estes novos conjuntos cairão em novo cluster que poderão imputar metas de qualidade mais rígidas que as anteriores, sem que as condições de atendimento naquela área tenham se alterado. Art o Em caso de racionamento de energia elétrica instituído por Lei, a concessionária deverá apurar e enviar à ANEEL os indicadores de continuidade de duas formas distintas: uma considerando o efeito do racionamento sobre os valores finais dos indicadores e a outra desconsiderando o referido efeito. 2o A partir de julho de 2005, a concessionária deverá enviar a ANEEL os indicadores DEC e FEC segregando os valores apurados em contribuições internas e externas ao sistema de distribuição.

9 Justificativa: Estes dados já são disponíveis pelas Concessionárias. Art Alterar a redação: Na apuração dos indicadores DIC, FIC e DMIC não deverão ser consideradas as interrupções a que se referem os incisos, I, II, III e IV no art. 7 o, bem como as interrupções oriundas de atuação de esquemas de alívio da carga, as interrupções oriundas dos desligamentos programados, desde que os consumidores sejam devidamente avisados, conforme procedimentos estabelecidos no art. 14o desta Resolução e, finalmente, aquelas interrupções vinculadas a racionamento instituído pelo Poder Concedente. Art o Anualmente, a concessionária deverá informar na fatura de energia elétrica de todas as unidades consumidoras, de forma clara e auto-explicativa, sobre o direito do consumidor em receber uma compensação, caso sejam violados os padrões de continuidade individuais relativos a unidade consumidora em questão sob sua responsabilidade.... Justificativa: As empresas já são obrigadas a informar, conforme Art. 21 quando da compensação. Entendemos que a divulgação desse direito anualmente cobre satisfatoriamente o objetivo, além de despoluir a fatura de energia. Alternativamente, estes direitos poderão ser incluídos no modelo de contrato de fornecimento de energia que o consumidor recebe no ato do pedido de ligação. Art.17. Os valores das metas anuais dos indicadores de continuidade dos conjuntos de unidades consumidoras serão estabelecidos em resolução específica, sendo facultada à concessionária propor a ANEEL, a partir de 1o de janeiro de 2005, revisão extraordinária das respectivas metas para os anos subseqüentes, devendo a proposta ser enviada até o mês de agosto de cada ano com as devidas justificativas técnicas. Justificativa: Os Programas de Universalização e Luz para Todos, com início de implantação em 2004, já impactam os indicadores, motivo pelo qual já se faz necessário possíveis revisões das metas. 1o No estabelecimento e/ou redefinição de metas de continuidade para os conjuntos de unidades consumidoras será aplicada a técnica de análise comparativa de desempenho da concessionária, tendo como referência os valores anuais dos atributos físico-elétricos e de históricos de DEC e FEC encaminhados à ANEELC e FEC encaminhados à ANEEL... Justificativa: Vide inciso I do Art. 8º 5o A partir de janeiro de 2005, o padrão mensal do indicador DMIC deverá corresponder a 80% (oitenta por cento) do padrão mensal do indicador DIC estabelecido nas tabelas 1 a 5

10 desta Resolução ou em resolução específica, adequando-se o resultado obtido, caso seja fracionário, ao primeiro inteiro superior. Justificativa: Devemos considerar que novas tecnologias de rede, via de regra, imputam maiores tempos de restabelecimento. A manutenção do limite de DMIC em 50% do DIC correspondente penaliza os investimentos em novas tecnologias. Art. 18. Até agosto de cada ano, a concessionária poderá propor padrões diferentes para os indicadores DIC e FIC, estabelecidos nas Tabelas 1 a 5 desta Resolução ou as tabelas das Resoluções específicas das empresas, observando os seguintes critérios: Justificativa: Ajustar texto. A idéia do Artigo é permitir que as concessionárias possam solicitar anualmente revisões dos padrões dos indicadores DIC e FIC. I - para as unidades consumidoras agrupadas em função da tensão de atendimento e discriminadas em áreas urbanas ou não-urbanas, conforme as Tabelas 1 a 5, deverão ser apresentadas as distribuições de freqüência anual acumulada de DIC e FIC reunidas por faixa de variação das metas de continuidade dos indicadores DEC e FEC de seus respectivos conjuntos; II - as distribuições de freqüência anual acumulada deverão possuir um histórico de dados de DIC e FIC de, no mínimo, 12 (doze) meses. Art.19. Para fins de estabelecimento de novos padrões, a concessionária deverá enviar a ANEEL as distribuições de freqüência anual acumulada dos indicadores individuais, observando os critérios fixados no art. 18 e demais orientações estabelecidas pela ANEEL.... 3o A concessionária que não enviar proposta de novos padrões de acordo com os critérios e/ou orientações, conforme o caput, deverá observar os padrões dos indicadores individuais definidos nesta Resolução ou em Resolução específica anterior caso haja. Justificativa: Melhorar entendimento do item e harmonizar com Art. 18. Art DICv = Duração de Interrupção por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão, conforme cada caso, verificada no período considerado, expresso em horas e centésimos de hora; DICp = Padrão de continuidade estabelecido no período considerado para o indicador de Duração de Interrupção por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão, expresso em horas e centésimos de hora; DMICv = Duração Máxima de Interrupção Contínua por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão, conforme cada caso, verificada no período considerado, expresso em horas e centésimos de hora;

11 DMICp = Padrão de continuidade estabelecido no período considerado para o indicador de Duração Máxima de Interrupção Contínua por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão, expresso em horas; FICv = Freqüência de Interrupção por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão, conforme cada caso, verificada no período considerado, expresso em número de interrupções; FICp = Padrão de continuidade estabelecido no período considerado para o indicador de Freqüência de Interrupção por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão, expresso em número de interrupções; CM = Média aritmética dos valores líquidos das faturas de energia elétrica ou dos encargos de uso dos sistemas de distribuição ou dos encargos de uso dos sistemas de transmissão, no que se aplicar, correspondentes aos meses do período de apuração do indicador. kei = Coeficiente de majoração, com faixa de variação de 10 a 50, e cujo valor fixado em 10 (dez), poderá ser alterado pela ANEEL a cada revisão periódica das tarifas. II Violação de Padrão do Indicador de Continuidade de Conjunto:... Penalidade: Pagamento de multa à ANEEL das violações dos padrões dos indicadores de continuidade de conjunto DEC e/ou FEC) ocorridas até dezembro de 2008, conforme procedimentos estabelecidos na Resolução 63, de 12 de maio de 2004, ou de suas eventuais atualizações. ( exclusão deste item) Justificativa: Como o consumidor já será compensado por violação dos indicadores individuais, a partir de 2005, a aplicação de penalidades às concessionárias por violação dos indicadores coletivos representará dupla penalização. Art I - interrupções associadas à situação de emergência ou de calamidade pública decretada por órgão competente, não serão consideradas para efeito de compensação e penalidades quando da violação dos padrões de indicadores individuais e coletivos respectivamente. Incluir também II As interrupções provocadas por fatores externos ao sistema elétrico, em que a concessionária fica impedida, por determinado tempo, do restabelecimento do fornecimento de energia elétrica, nos casos comprovados de segurança patrimonial e de terceiros, não serão consideradas para efeito de compensação e penalidades quando da violação dos padrões de indicadores individuais e coletivos respectivamente;

12 Justificativa: Ocorrem situações em que a concessionária de distribuição é convocada, por solicitação de autoridades públicas, a atuar no sistema elétrico, visando garantir a integridade patrimonial ou de terceiros (incêndios, enchentes, áreas de alta criminalidade etc). III - As interrupções ocorridas nos Dias Críticos conforme definição estabelecida no artigo 7 o, não serão consideradas para efeitos de compensação de transgressões às unidades consumidoras Justificativa: O sistema elétrico da concessionária de distribuição está sujeito a situações similares àquelas de emergência ou de calamidade pública sem, contudo, haver reconhecimento, pelos órgãos competentes. Com a inclusão deste dispositivo estaremos, além de otimizar os recursos operativos das concessionárias, reconhecendo que determinadas situações são inerentes à exposição do sistema à condições adversas e contribuindo para a modicidade tarifária IV As interrupções comprovadamente oriundas de falhas de Sistemas de Outras empresas de Distribuição ou de Transmissão, bem como da Rede Básica, não serão consideradas para efeitos de compensação de transgressões às unidades consumidoras. JUSTIFICATIVA: conforme redação sugerida ao inciso II do artigo 21 o não serão computadas multas quando da violação dos indicadores de conjunto. Art. 26. As concessionárias que não possuírem padrões de DIC e FIC vinculados às metas de DEC e FEC deverão observar os padrões anuais dos indicadores DIC e FIC estabelecidos na Tabela 6 abaixo: 1o Para os indicadores DIC e FIC, os padrões mensais e trimestrais deverão corresponder a 30% e 40%, respectivamente, dos padrões anuais fixados na Tabela 6 Art. 28. Os padrões de continuidade dos indicadores individuais de duração e freqüência, nos pontos de conexão dos usuários com a Rede Básica, serão estabelecidos em resolução específica, sendo utilizados como valores referenciais para a definição de acesso, expansão da

13 Rede Básica e avaliação da gestão da operação e manutenção da concessionária de serviço público de transmissão. Parágrafo 1 o. A conceituação, metodologia de apuração e a gestão desses padrões de continuidade individuais obedecerão ao disposto nos Procedimentos de Rede. Parágrafo 2 o. Enquanto não forem definidos e entrarem em vigor o estabelecido no caput, as interrupções oriundas da Rede Básica ou DITs não serão consideradas para efeito de penalidades por violação dos indicadores coletivos e individuais de responsabilidade das concessionárias de serviço público de distribuição Justificativa: As concessionárias de distribuição são impactadas pelos desligamentos oriundos da Rede Básica indenizando eventuais danos elétricos, além do desgaste de sua imagem junto à sociedade. Durante este tipo de ocorrência pouca ou nenhuma ação cabe às distribuidoras no processo de restabelecimento das cargas, pois o processo é coordenando pelo ONS. Art. 29. A concessionária de distribuição, quando acessada por outra concessionária de distribuição, deverá observar, por ponto de conexão, conforme o nível de tensão, aos padrões de continuidade estabelecidos em resolução especifica considerando: I DIC: valor em termos absolutos do padrão estabelecido para o conjunto da acessada onde se localiza o ponto de conexão, conforme estabelecidos naresolução específica da acessada; II DMIC: 80% ( oitenta por cento) do menor valor em termos absolutos do padrão mensal do DICp definido conforme inciso anterior; e III FIC: valor em termos absolutos do padrão estabelecido para o conjunto da acessada onde se localiza o ponto de conexão ou conforme estabelecidos na resolução específica da acessada. 1o As penalidades associadas às violações dos padrões dos indicadores DIC, FIC e DMIC, por ponto de conexão, deverão obedecer aos critérios de pagamento de penalidades estabelecidos nesta Resolução. Incluir o seguinte: 2 o Poderão ser ajustados entre a concessionária acessante e a ANEEL a adequação dos padrões de continuidade dos conjuntos atendidos pela conexão. Justificativas: conforme conceituação da Resolução 024/2000, para a definição dos padrões de continuidade, as concessionárias de distribuição segmentaram sua área de concessão, adotando conjuntos identificados por dados físico-elétricos e o histórico de DEC e FEC existentes. A ANEEL utilizando um aplicativo específico, classificou os mais de conjuntos em famílias, por intervalo de DEC e FEC, onde foram atribuídos para cada intervalo de DEC e FEC, os respectivos DIC, FIC e DMIC. No decorrer dos últimos 04 anos cada concessionária teve a oportunidade de ajustar com a ANEEL, sua metas de DEC, FEC, DIC, FIC e DMIC, possibilitando assim, a determinação de valores coerentes com a realidade.

14 A proposta CEMIG busca preservar os padrões de continuidade por conjunto já definidos em resolução específica para cada concessionária, evitando o estabelecimento, para uma mesma instalação pertencente a um determinado conjunto (de características físico-elétrica definida), de padrões de continuidade diferentes. Art. 30. Os padrões de continuidade dos indicadores individuais de duração e freqüência, nos pontos de conexão dos usuários com as Demais Instalações de Transmissão DIT s, serão estabelecidos em resolução específica, sendo utilizados como valores referenciais para a definição de acesso e avaliação da gestão da operação e manutenção da concessionária de serviço público de transmissão. Parágrafo único - Enquanto não forem definidos e entrarem em vigor o estabelecido no caput, as interrupções oriundas das DITs não deverão ser consideradas para efeito de penalidades por violação dos indicadores de continuidade coletivos e individuais de responsabilidade das concessionárias de serviços públicos de distribuição. Justificativa: A utilização dos padrões definidos por unidades consumidoras para apuração dos indicadores de continuidade individuais vinculados ao ponto de conexão, não reflete apropriadamente a cadeia de responsabilidade ao longo do sistema. A disponibilidade do ponto de conexão não é necessariamente refletida diretamente nos índices de continuidade dos consumidores. Portanto sugere-se que a Resolução específica, traduza adequadamente os padrões de disponibilidades de cada ponto de conexão, para a apuração dos índices de continuidade individuais. Art. 2o No prazo de 30 dias, a contar da data de publicação desta, a ANEEL fará a republicação atualizada da Resolução no 24, de Art. 3o Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. JOSÉ MÁRIO MIRANDA ABDO

IV - Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora ( DEC ) V - Duração de Interrupção Individual por Unidade Consumidora ( DIC )

IV - Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora ( DEC ) V - Duração de Interrupção Individual por Unidade Consumidora ( DIC ) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 24, DE 27 DE JANEIRO DE 2000. (*) Estabelece as disposições relativas à continuidade da distribuição de energia elétrica às unidades consumidoras.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Relatório Voto Módulos Acesso ao Texto Atualizado Aprova

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N O 505, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2001

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N O 505, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2001 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N O 505, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2001 Estabelece, de forma atualizada e consolidada, as disposições relativas à conformidade dos níveis de tensão de

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

Qualidade da energia elétrica no Brasil

Qualidade da energia elétrica no Brasil Qualidade da energia elétrica no Brasil Luiz Henrique Capeli Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Luanda 30 de maio de 2013 Agenda Qualidade da Energia Elétrica Evolução da Regulamentação Qualidade

Leia mais

A Influência da Metodologia de Regulação nos Indicadores de Continuidade DEC e FEC

A Influência da Metodologia de Regulação nos Indicadores de Continuidade DEC e FEC 1 A Influência da Metodologia de Regulação nos Indicadores de Continuidade DEC e FEC Mauren Pomalis Coelho da Silva, Roberto Chouhy Leborgne, Elton Rossini Resumo Este trabalho teve como objetivo fazer

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*)

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública 049/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo SRT Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública - 26/11/2008 - tarde Módulo 8 - Programação da operação eletroenergética

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos aplicáveis ao cumprimento do disposto no "caput" do art. 5º do Regulamento Conjunto

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título INTERRUPÇÕES PROGRAMADAS

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título INTERRUPÇÕES PROGRAMADAS PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título INTERRUPÇÕES PROGRAMADAS Código NTD-00.047 Data da emissão 19.10.1987 Data da última revisão 18.03.2010 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 727, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 R E S O L U Ç ÃO:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 727, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 R E S O L U Ç ÃO: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 727, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações da Universidade Federal

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Energética do Rio Grande

Leia mais

Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Aula 10 Qualidade do Serviço de Energia Elétrica (adptada por Prof. Fabiano)

Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Aula 10 Qualidade do Serviço de Energia Elétrica (adptada por Prof. Fabiano) Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Aula 10 Qualidade do Serviço de Energia Elétrica (adptada por Prof. Fabiano) 1 Qualidade de energia Após reestruturação do setor elétrico AEEL tem exigido

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da sexta Revisão Tarifária Periódica RTP da Escelsa. Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 506, DE 4 DE SETEMBRO DE 2012. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Voto Estabelece as condições de acesso ao sistema de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2015, as Tarifas de Energia TE e as Tarifas de Uso do

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº xxxx, DE xx DE xxxxx DE 20xx

RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº xxxx, DE xx DE xxxxx DE 20xx AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL [l1] Comentário: Maiúsculas RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº xxxx, DE xx DE xxxxx DE 20xx Estabelece procedimentos relativos ao Cadastro de Inadimplentes com Obrigações

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública 006/2015 de 15/06/2015.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 Nota Técnica n 253/2014-SRE/ANEEL Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 Voto Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 363, DE 22 DE ABRIL DE 2009

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 363, DE 22 DE ABRIL DE 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 363, DE 22 DE ABRIL DE 2009 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento - CTA das concessionárias e

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à Companhia

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

Reportamo-nos à solicitação referente à interrupção no fornecimento de energia elétrica à sua unidade consumidora.

Reportamo-nos à solicitação referente à interrupção no fornecimento de energia elétrica à sua unidade consumidora. ----- Original Message ----- From: ssau@sp.gov.br To: adm@smcp.org.br Sent: Monday, January 16, 2012 3:34 PM Subject: Enc: Solicitação de Ouvidoria nº 3020832481166 Este E-Mail transcreve o conteúdo da

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 001, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1999 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações POSIC, no âmbito do IPEA. O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA AP N O 071/2012

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA AP N O 071/2012 Anexo II da Nota Técnica n o 040/2012-SRC/ANEEL de 6/12/2012 RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA AP N O 071/2012 Obter contribuições para a minuta de resolução que estabelece

Leia mais

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi Audiência Pública ANEEL 027/2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 138, DE 10 DE MAIO DE 2000

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 138, DE 10 DE MAIO DE 2000 Acesso ao Texto Original AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 138, DE 10 DE MAIO DE 2000 Estabelece as condições gerais para a formação, funcionamento e operacionalização dos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.718, DE 16 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.718, DE 16 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.718, DE 16 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à AES

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.505, DE 5 DE ABRIL DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.505, DE 5 DE ABRIL DE 2013 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.505, DE 5 DE ABRIL DE 2013 Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Empresa Energética de Mato Grosso

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005

ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005 ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005 Fixação de Encargos da Concessionária ou Permissionária e cálculo da Participação Financeira do Consumidor nas obras. Assunto: ORÇAMENTO 16/Fevereiro/2006 CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 : Contribuições de 12/03/2009

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

MANUAL DE NORMAS ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA COM OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE TAXA DE CÂMBIO

MANUAL DE NORMAS ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA COM OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE TAXA DE CÂMBIO MANUAL DE NORMAS ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA COM OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE TAXA DE CÂMBIO VERSÃO: 01/7/2008 MANUAL DE NORMAS ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA COM OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE TAXA DE CÂMBIO 01/7/2008 2/8 ÍNDICE

Leia mais

MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE

MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE VERSÃO: 06/09/2010 MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE 2/13 ÍNDICE

Leia mais

MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO. Arquivo: Cpsa padrão- Geradoras epies - jul12.docx

MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO. Arquivo: Cpsa padrão- Geradoras epies - jul12.docx MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO Arquivo: Cpsa padrão- Geradoras epies - jul12.docx Motivo: Alterações das cláusulas referentes à Manutenção (conformidade com os PR) Nos casos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 2.655, DE 2 DE JULHO DE 1998. Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador

Leia mais

Objetivo da Audiência

Objetivo da Audiência Audiência Pública n o. 033/2005 Contribuição da CPFL Energia Objetivo da Audiência Obter subsídios e informações adicionais para o aprimoramento de ato regulamentar a ser expedido pela ANEEL, que estabelece

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS FORNECIMENTO

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA Código de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA APRESENTAÇÃO A Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Nota Técnica nº 115/2012-SRT-SRD/ANEEL. Em 10 de julho de 2012. Processo: 48500.000400/2011-71.

Nota Técnica nº 115/2012-SRT-SRD/ANEEL. Em 10 de julho de 2012. Processo: 48500.000400/2011-71. Nota Técnica nº 115/2012-SRT-SRD/ANEEL Em 10 de julho de 2012. Processo: 48500.000400/2011-71. Assunto: Alteração dos Contratos de Uso do Sistema de Transmissão CUST, de Prestação de Serviços de Transmissão

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 (Em vigor a partir de 01/01/2016) Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece a obrigatoriedade da

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA ANP Nº 251, DE 7.11.2000 - DOU 8.11.2000 - REPUBLICADA DOU 4.2.2002 E 7.2.2002 Estabelece critérios para o livre acesso, por terceiros

Leia mais

Contribuições da Cemig AP 043/2010

Contribuições da Cemig AP 043/2010 Contribuições da Cemig AP 043/2010 26/01/2011 Disponibilização de informações aos consumidores Proposta: Disponibilizar aos consumidores as informações relativas aos registros acumulados de energia elétrica

Leia mais

MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO. Arquivo: Cpsa padrão- Consórcios - jul13.docx

MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO. Arquivo: Cpsa padrão- Consórcios - jul13.docx MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO Arquivo: Cpsa padrão- Consórcios - jul13.docx Motivo: Ajuste de texto da cláusula 16ª Nos casos destacados em azul utilizar a redação conforme

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010.

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. RESOLUÇÃO N 3.518 Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo!

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo! GUIA DO CLIENTE Seja bem-vindo! É uma satisfação tê-lo como cliente. Aqui você encontrará informações importantes sobre os canais de atendimento, como usar a energia de forma adequada e segura, seus principais

Leia mais

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Encontro Temático Estadual - CEPAM Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Paulo Fernando Cunha Albuquerque Superintendente de Assuntos Energéticos 16/04/2013 A ARSESP é uma Agência multi

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.287, DE 8 DE MAIO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.287, DE 8 DE MAIO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.287, DE 8 DE MAIO DE 2012. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010. Regulamenta a Lei nº 11.934, de 5 de maio de 2009, no que se refere aos limites à exposição humana a campos

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 8.631, DE 4 DE MARÇO DE 1993. Dispõe sobre a fixação dos níveis das tarifas para o serviço público de energia elétrica, extingue o regime de remuneração

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009 DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 Dispõe sobre critérios para a elaboração de Planos de Controle de Poluição Veicular-PCPV e para a implantação

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2011

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2011 ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABRATE Associação Brasileira das Grandes Empresas de Transmissão de Energia Elétrica AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA

ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA 09/2008 Canal Energia Desde o acórdão proferido pela Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial - RESP 222810/MG (1999/00618904), no qual decidiu

Leia mais

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num...

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num... Página 1 de 9 DECRETO 44945, DE 13/11/2008 - TEXTO ORIGINAL Altera o Decreto nº 44.046, de 13 de junho de 2005, que regulamenta a cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio do Estado, e o Decreto

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI VERSÃO: 20/7/2009 2/8 MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 356, DE 3 DE JULHO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 356, DE 3 DE JULHO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 356, DE 3 DE JULHO DE 2006 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

Cópia válida somente na INTRANET

Cópia válida somente na INTRANET Página: 1/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de 1 OBJETIVO Estabelecer o procedimento a ser adotado para coleta dos dados e apuração dos padrões de atendimento comercial, de modo a atender ao que estabelece

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: obter

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

Marcelo Ap. Pelegrini marcelo.pelegrini@sinapsisenergia.com

Marcelo Ap. Pelegrini marcelo.pelegrini@sinapsisenergia.com 14º Encontro de Energia FIESP Qualidade dos Serviços de Distribuição de Energia Elétrica Marcelo Ap. Pelegrini marcelo.pelegrini@sinapsisenergia.com Qualidade da Energia Elétrica (QEE) Qualidade do Serviço

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2014 Altera a Resolução Normativa nº 334, de 21 de outubro de 2008, em relação aos controles prévio e a posteriori dos atos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução:

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução: RESOLUÇÃO N 3518 Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. O BANCO CENTRAL

Leia mais

1 Introdução. 1.1. O Setor de Energia Elétrica no Brasil

1 Introdução. 1.1. O Setor de Energia Elétrica no Brasil 1 Introdução 1.1. O Setor de Energia Elétrica no Brasil Ao longo dos anos, passando por processos de privatizações e estatizações, o setor de energia elétrica no Brasil cresceu de forma a comportar o crescimento

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010

Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010 Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010 (transferência de ativos de iluminação pública aos municípios) Associação Brasileira de Empresas de Serviços de Iluminação - Ramon

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN Campinas/SP, 08 de abril de 2004 Ao senhor José Mario Miranda Abdo M.D. Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Ref.: Aviso de Audiência Pública nº 011/2004 Senhor Diretor Geral,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DEZEMBRO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cgti@listas.ifbaiano.edu.br Site: http://www.ifbaiano.edu.br

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA CP Nº 006/2015

CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA CP Nº 006/2015 CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA CP Nº 006/2015 Situação atual das informações apresentadas na fatura de energia elétrica e discutir possíveis aprimoramentos da regulamentação. Rio de Janeiro Setembro/2015

Leia mais