Manual de orientações gerais para o dia a dia do ARPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de orientações gerais para o dia a dia do ARPA"

Transcrição

1 Manual de orientações gerais para o dia a dia do ARPA

2 1 - PE SERRA RICARDO FRANCO 2 - PE DA SERRA DOS MARTÍRIOS/ANDORINHAS 3 - ESEC DO GRÃO PARÁ 4 - ESEC SERRA DOS TRÊS IRMÃOS 5 - PE RIO NEGRO SETOR SUL 6 - PE DO XINGU 7 - PE DO MATUPIRI 8 - ESEC DO RIO ROOSEVELT 9 - REBIO DE MAICURU 10 - ESEC DO RIO RONURO 11 - RDS AMANÃ 12 - RESEX RIO PRETO- JACUNDÁ 13 - RESEX RIO CAUTÁRIO 14 - RDS DO JUMA 15 - RDS PIAGAÇU PURUS 16 - RDS RIO AMAPÁ 17 - RESEX DO RIO GREGÓRIO 18 - RESEX CANUTAMA 19 - RDS DO RIO IRATAPURU 20 - RDS DO RIO NEGRO 21 - RDS DO UATUMÃ 22 - RESEX GUARIBA- ROOSEVELT 23 - RDS IGAPÓ-AÇU 24 - RDS DO RIO MADEIRA 25 - PE IGARAPÉS DO JURUENA 26 - PE DE GUAJARÁ-MIRIM 27 - PE CRISTALINO 28 - PE RIO NEGRO SETOR NORTE 29 - PE DE CORUMBIARA 30 - PE CHANDLESS 31 - PE DO CANTÃO 32 - RESEX CATUÁ-IPIXUNA 33 - RDS CUJUBIM 34 - RDS UACARÍ 35 - PARNA SERRA DA MOCIDADE 36 - PARNA DA SERRA DA CUTIA 37 - PARNA DO JURUENA 38 - PARNA NASCENTES DO LAGO JARI 39 - ESEC DE MARACÁ JIPIOCA 40 - ESEC DE NIQUIÁ 41 - PARNA DA SERRA DO DIVISOR 42 - ESEC DO JARI 43 - PARNA DO RIO NOVO 44 - RESEX MARACANÃ 45 - RESEX MÉDIO JURUÁ 46 - RESEX ALTO TARAUACÁ 47 - RESEX DE CURURUPU 48 - RESEX ARAPIXI 49 - RESEX DO RIO JUTAÍ 50 - RESEX DO MÉDIO PURUS 51 - RESEX RIO CAJARI 52 - RESEX RENASCER 53 - RESEX RIO UNINI 54 - RESEX IPAÚ-ANILZINHO 55 - RESEX ARIÓCA PRUANÃ 56 - RESEX MAPUÁ 57 - RESEX ITUXI 58 - RESEX TERRA GRANDE PRACUUBA 59 - RESEX RIO XINGU 60 - RESEX RIOZINHO DA LIBERDADE 61 - RESEX DO RIO CAUTÁRIO 62 - RESEX BARREIRO DAS ANTAS 63 - RDS ITATUPÃ-BAQUIÁ 64 - ESEC RIO ACRE 65 - ESEC DE MARACÁ 66 - PARNA MONTANHAS DO TUMUCUMAQUE 67 - REBIO DO RIO TROMBETAS 68 - PARNA VIRUÁ 69 - REBIO DO GURUPI 70 - PARNA DO JAÚ 71 - PARNA DOS CAMPOS AMAZÔNICOS 72 - ESEC DA TERRA DO MEIO 73 - REBIO DO LAGO PIRATUBA 74 - PARNA DA SERRA DO PARDO 75 - PARNA DO JAMANXIM 76 - ESEC JUAMI-JAPURÁ 77 - REBIO DO UATUMÃ 78 - PARNA DO CABO ORANGE 79 - PARNA DE ANAVILHANAS 80 - REBIO DO TAPIRAPÉ 81 - REBIO DO JARU 82 - RESEX RIOZINHO DO ANFRÍSIO 83 - RESEX BAIXO JURUÁ 84 - RESEX RIO OURO PRETO 85 - RESEX CHICO MENDES 86 - RESEX AUATÍ-PARANÁ 87 - RESEX RIO IRIRI 88 - RESEX DO LAGO DO CAPANÃ GRANDE 89 - RESEX VERDE PARA SEMPRE 90 - RESEX CAZUMBÁ- IRACEMA 91 - MOSAICO DO APUÍ OBS: O Arpa apoia atualmente 95 UCs (05 UCs inseridas no Mosaico do Apuí). Destas, 54 unidades estão no Grau I de Consolidação e 37 estão no Grau II. Além dessas, há ainda o apoio a 20 processos de criação de UCs.

3 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Manual de Orientações gerais para o dia a dia Funbio Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Rio de Janeiro, Maio 2015 Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 3

4 Elaborado pela Gerência do Programa ARPA, com apoio da equipe do Funbio. Gerência Arpa Danielle Calandino Gerente do ARPA Ilana Nina Gerente suplente do ARPA Nathalia Dreyer Clarissa Pimenta Flávia Gomes Projeto Gráfico e Diagramação: Rômulo Carrijo Foto da Capa: Daniela Leite Impressão: Funbio Catalogação na Fonte Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Funbio M294 Manual de orientações gerais para o dia a dia do ARPA/ Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Rio de Janeiro: Funbio, p. : il. : color. ; 21 cm. 1. Áreas Protegidas Amazônia. 2. Biodiversidade Conservação. 3. Compras. 4. Contratos Administrativos. 5. Serviços de Consultoria. I. Funbio. CDD Fundo Brasileiro para a Biodiversidade - Funbio Rua Voluntários da Pátria, 286, 5º andar Botafogo Rio de Janeiro/RJ Tel: (21) Fax: (21) Website: 4 Maio de 2015

5 ÍNDICE Apresentação... 8 Introdução... 9 Solicitações Bens Serviços Serviços Pessoa Física Serviços Pessoa Jurídica Consultorias Consultoria Pessoa Jurídica Consultoria Pessoa Física Classificação de categorias Profissionais Habilitação para atividades Obras Passos para contratação de obras Reforma de pequeno porte Nova construção ou reforma de grande porte (reforma que impacta na estrutura) Gestão de Contratos Passagens Aéreas Quem tem direito a usar passagens pagas pelo Arpa? Como solicitar passagens aéreas? Procedimento: Datas e Horários Preferenciais O que fazer em caso de viagem cancelada depois de emitido o bilhete? Diárias Solicitação de Diárias Tipos de Diárias Diárias Unificadas de Campo/cidade Diárias de Capital Diárias Internacionais Auxílio Transporte Valores e Quantidades Valor da Diária Quantidade de Diárias Procedimentos de Recebimento e Devolução Recebimento de Diárias Diárias Não Pagas Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 5

6 Devolução de Diárias Conta Vinculada As Contas Correntes Vinculadas Abertura Da Conta Vinculada Procedimentos para inclusão de novos gestores na Conta Vinculada Validade dos substabelecimentos Utilização dos Recursos Depósitos Suspensão dos Depósitos CANCELAMENTO DA CONTA VINCULADA LIMITE DA CONTA VINCULADA SANÇÕES PARA MAU USO DE RECURSOS DA CONTA VINCULADA Recolhimento de Impostos Pendências Que Podem Suspender a Emissão de Recibos de Pessoa Física Imposto de renda IRRF Prestação de Contas Documentos Fiscais Nota Fiscal (NF) Modelos de Nota Fiscal para aquisição de Mercadorias Notas Fiscais para aquisição de Serviços Incorreções na Nota Fiscal Carta de correção Incorreções na Nota Fiscal Eletrônica Carta de correção eletrônica Documentos para auxiliar a Prestação de Contas Recibo de Adiantamento para viagem/missão Recibo de pessoa jurídica Recibo de Prestação De Serviço Sem Vinculo Passo a passo da Prestação de Contas no Sistema Cérebro CEDOC Centro de Documentação Anexos Anexo A - Serviços solicitados com Frequência Reparos de equipamentos Sobrevôos Organização de eventos Eventos de pequeno porte Eventos de grande porte Modelo de Especificação de serviços para contratação de empresa de eventos Especificações para o evento Modelo de especificação de serviços para contratação de moderador para reunião do conselho consultivo da UC xx Anexo B - Documentos para seleção de Consultor Termo de Referência (TdR) Quadro de Avaliação Anexo C - Lista de itens elegíveis Maio de 2015

7 Lista Positiva Lista Negativa Anexo D - Termo de Compromisso e Responsabilidade Anexo E - Substabelecimento Anexo F - Tabela de Contribuição Mensal do INSS Guia da Previdência Social GPS Anexo G - Passo a passo para Gerar a GPS Anexo H - Passo a Passo Para Registro no PIS/PASEP Anexo I - Tabela de Imposto de Renda Retido na Fonte Anexo J - Preenchimento do DARF para IRRF de Pessoa Física Anexo K - Passo a passo para instalação do SICALC Anexo L - Modelo prestação de contas Relatório Financeiro Anexo M - Modelo prestação de contas Relatório conciliado Anexo N - Exemplo de Nota Fiscal Anexo O - Nota Fiscal Eletrônica Anexo P - Nota Fiscal Eletrônica DANFE Anexo Q - Cupom Fiscal Anexo R - Modelo - Carta de correção Anexo S - Prestação de contas de adiantamento de Viagem/missão Anexo T - Recibo de pessoa jurídica Anexo U - Recibo de Prestação De Serviço Sem Vinculo Anexo V - Recibo de declaração Anexo W - Atividades e itens elegíveis por subprojeto A quem recorrer Funbio Gerência Arpa Compras Financeiro Comunicação Cedoc Tecnologia da Informação Unidade de Coordenação do Programa - UCP/MMA ICMBIO OEMA OEMA AC OEMA AM OEMA AP OEMA MT OEMA PA OEMA RO OEMA TO ICMBio CR (Coordenação Regional) Anotações Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 7

8 APRESENTAÇÃO Prezado (a) gestor (a), Este manual tem o objetivo de orientá-lo (a) sobre diversos procedimentos usados cotidianamente pelas unidades de conservação apoiadas pelo Programa Arpa. Eventualmente, os procedimentos descritos neste material podem ser atualizados, de acordo com orientações negociadas e estabelecidas pelas instituições parceiras nas diversas instâncias de acompanhamento da execução do programa: reuniões de dias fixos, fóruns técnicos, missões de supervisão de doadores, grupos de trabalho e outros espaços. Caso seja necessário, comunicaremos prontamente novos procedimentos ou mudanças no conteúdo atual. A contribuição de todos os envolvidos na operacionalização do Programa Arpa é fundamental para seu aprimoramento. Por isso, se tiver críticas e sugestões quanto ao formato e conteúdo deste manual, não deixe de nos procurar. Da mesma forma, estamos à disposição para esclarecer as dúvidas que possam surgir no dia a dia. Um abraço, Gerência do Programa Arpa no Funbio 8 Maio de 2015

9 INTRODUÇÃO O Programa Arpa recebe recursos de doação de diferentes fontes que chegam até as UCs por meio do Funbio, instituição responsável pela gestão financeira do Programa. Para a execução dos recursos, via Funbio, o Arpa lança mão de duas alternativas: a) aquisições e contratações feitas pelo Funbio e b) despesas de pequeno valor efetuadas diretamente pelas equipes das UCs, por meio da Conta Vinculada: espécie de conta corrente conjunta entre Funbio e UCs. Este manual está divido em dois módulos, que contemplam procedimentos, regras e orientações sobre os dois modos de execução de recursos. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 9

10 Solicitações Solicitações

11 Solicitações SOLICITAÇÕES A solicitação de bens, serviços, consultorias, obras, passagens e diárias deve ser feita de acordo com o previsto no POA aprovado. Isso quer dizer que os gestores, no momento da elaboração do POA, devem prever as necessidades de cada insumo para o período correspondente. O planejamento orçamentário de aquisições e contratações deve contemplar não somente o valor do item, mas também custos relativos à logística de entrega, seguro, taxas, impostos etc. Caso o gestor não tenha estes custos, valores de referência podem ser solicitados à Gerência do Arpa no Funbio Todas as solicitações de insumos previstos nos POAs ou autorizadas após sua elaboração deverão ser encaminhadas exclusivamente via sistema Cérebro, com a antecedência mínima prevista na tabela abaixo, retirada do Manual Operacional do ARPA: Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 11

12 Solicitações BENS As solicitações de bens são feitas pelo Sistema Cérebro e, ao fazê-las, os gestores contam com especificações-padrão elaboradas pela Unidade Operacional Compras do Funbio, a partir da experiência adquirida com o programa. Ainda que o gestor opte por solicitar bens fora das especificações sugeridas pelo Funbio, os itens que constam no sistema devem ser considerados e informados na especificação. No caso de equipamentos eletro-eletrônicos, por exemplo, há necessidade de especificar voltagem e acessórios requeridos. A aquisição de bens pelo Programa Arpa, com recursos de doação e através do Funbio, usualmente é feita em lotes determinados pelo tipo de produto. Portanto, para proceder à aquisição, a Unidade Operacional Compras deve, preferencialmente, agrupar as solicitações e, juntamente com a Gerência do Arpa, planejar a formação de lotes, convocando as UCs a solicitarem os bens previstos nos seus POAs, dentro de prazos comuns a todas. As especificações encaminhadas podem sofrer ajustes por todas as instâncias do programa (ponto focal, UCP e Gerência) ou pela Unidade de Compras, ao longo do processo de aprovação, sempre com conhecimento e anuência do solicitante. O valor total da aquisição, que é igual à soma de todas as solicitações de todas as UCs para um mesmo grupo de bens, define a modalidade de aquisição. Como exemplos de grupos de bens, temos equipamentos de informática, softwares e periféricos e eletrodomésticos. As modalidades de aquisição usadas no Programa Arpa foram estabelecidas pelos doadores e envolvem procedimentos e prazos diferentes. SERVIÇOS A contratação de terceiros para executar atividades que requerem habilidades ou conhecimentos específicos, mas que não envolvem produção intelectual para o resultado final, é considerada, pelo Programa Arpa, prestação de serviços. Para auxiliar a contratação de serviços, constam no Anexo A, os procedimentos para os serviços contratados com maior frequência: reparos de equipamentos, sobrevoos e organização de eventos. SERVIÇOS PESSOA FÍSICA Entre os serviços de pessoa física (PF) utilizados com mais freqüência no Programa Arpa estão: moderação de reuniões, facilitação de cursos, tradução, contratação de barqueiros, mateiros e cozinheiras. 12 Maio 2015

13 Solicitações Para contratação de serviço PF pelo Funbio, deve ser encaminhada especificação técnica detalhada do serviço a ser prestado. O solicitante deve indicar pessoas com comprovada capacidade de execução, que poderão ser incluídas no processo de tomada de preços. É feita uma comparação de preços entre, no mínimo, três propostas. A que apresentar o menor preço será a selecionada. Ao fazer a solicitação de serviço de pessoa física, o solicitante deverá levar em consideração os impostos que incidem sobre a contratação. Entretanto, o sistema Cérebro calcula automaticamente o valor de 20% sobre o bruto do serviço, destinado à contribuição patronal do INSS. Portanto, o valor previsto no POA será igual ao valor bruto do serviço acrescido de 20%. Os descontos referentes ao INSS do contratado (Anexo F) e IRRF (consultar tabela no Anexo J) são de responsabilidade do prestador de serviço, e serão descontados do valor bruto cobrado pelo serviço. Atenção: Contratação de barqueiro, cozinheiro, mateiro, bem como especialistas para reparos ou manutenção de pequeno valor, ou ainda para a realização de eventos de pequeno porte, poderão ser feitos com recursos da Conta Vinculada. (Ver módulo sobre Conta Vinculada). SERVIÇOS PESSOA JURÍDICA A contratação de serviço de pessoas jurídicas (PJ) é feita para atividades como: logística de expedições, sobrevôos, realização de eventos, confecção de placas de sinalização, confecção e impressão de material de divulgação, manutenções diversas e aluguel de veículos. Para contratação de serviço PJ pelo Funbio, deve ser encaminhada especificação técnica detalhada do serviço a ser prestado. O solicitante deve indicar empresas com comprovada capacidade de execução, que poderão ser incluídas no processo de tomada de preços. É feita uma comparação de preços entre, no mínimo, três propostas. A que apresentar o menor preço será a selecionada. Para solicitação de confecção de placa de sinalização e sobrevoos deve-se aguardar a abertura de lote a ser informado pela Gerência Arpa. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 13

14 Solicitações CONSULTORIAS Consultoria é todo trabalho que exige produção intelectual e que agrega algum tipo de conhecimento ao objeto da contratação. Exemplos: elaboração de planos de manejo, levantamento de informações a respeito de recursos naturais (como fauna e flora), levantamentos socioeconômicos, levantamento cartográfico e consultorias em SIG. Quando o trabalho exige a participação de mais de uma pessoa, como é o caso de levantamentos de campo para a elaboração de planos de manejo, recomenda-se a contratação de Pessoa Jurídica. A Consultoria Pessoa Física é indicada quando o trabalho pode ser desenvolvido por apenas uma pessoa, sem a necessidade de uma equipe interdisciplinar. No caso de um levantamento de campo muito pontual, que pode ser feito com apoio da equipe da UC ou de outros parceiros, por exemplo, deve ser contratada pessoa física. Atenção: Trabalhos nos quais a informação será apenas compilada, organizada ou reproduzida não são considerados consultoria. Exemplos: preparação de cursos em geral, diagramação de materiais, tradução de textos e moderação de reuniões quando não há entrega de relatórios analíticos. CONSULTORIA PESSOA JURÍDICA Quando o trabalho exige a participação de mais de uma pessoa, recomenda-se que se contrate uma consultoria de pessoa jurídica. O processo para contratação PJ dura de 4 a 6 meses, e por isso exige da equipe gestora capacidade de planejar suas atividades com antecedência. Este processo é mais longo, porém mais eficiente na maioria dos casos. Com a contratação PJ, o trabalho da equipe da UC na gestão técnica do contrato, ou seja, no acompanhamento dos serviços e na avaliação dos produtos diminui sensivelmente. A UC também não precisa se preocupar com passagens, diárias e na conciliação das diversas agendas de consultores, como acontece quando são contratados vários profissionais em separado, como pessoa física. Toda a logística também fica por conta da empresa contratada. A solicitação de contratação de consultoria PJ demanda a elaboração do Termo de Referência (TdR) (Anexo B), que deve ser enviado em formato compactado.zip. Após a aprovação do TdR no Sistema Cérebro, o Funbio se encarrega de todos os procedimentos para contratação da empresa, feita através de edital. Os gestores participam diretamente no processo de análise das propostas e seleção da empresa, através da Comissão de Licitação (COLIC) e em acordo com as regras determinadas pelos doadores. 14 Maio 2015

15 Solicitações CONSULTORIA PESSOA FÍSICA A Consultoria Pessoa Física é indicada quando o trabalho pode ser desenvolvido por apenas uma pessoa, sem a necessidade de uma equipe interdisciplinar. O processo para a contratação de Pessoa Física demanda procedimentos específicos e diferenciados ao de Pessoa Jurídica. No ato da solicitação no Sistema Cérebro, além do TdR, o gestor deve anexar 3 currículos e quadro de avaliação, também em formato compactado.zip. Os modelos desses documentos podem ser encontrados no Anexo B deste manual. Atentar que no momento da solicitação não devem ser anexadas à solicitação as propostas de trabalho, já que estas serão solicitadas pela equipe de compras do Funbio. Alguns fatores deverão ser observados ao se solicitar um consultor Pessoa Física, tais como a natureza da atividade realizada e o seu grau de complexidade. É importante observar que nem sempre o perfil com maior qualificação é o mais indicado para determinado trabalho e pode elevar os custos ao ponto de inviabilizar a atividade, além de onerar o Programa. A seguir seguem os quadros de definição de categoria de consultor e de recomendação de categoria para atividades a serem desenvolvidas. CLASSIFICAÇÃO DE CATEGORIAS PROFISSIONAIS Categorias Experiência profissional Tarefas Sênior Pleno Mais de 10 anos de formação e experiência significativa na área em questão Entre 5 e 10 anos de formação e experiência significativa na área em questão. Júnior II Entre 3 e 5 anos de formação, com pelo menos 3 experiências de trabalho significativas na área específica. Júnior I Até 3 anos de formação, com pelo menos 2 experiências de trabalho na área específica. Complexas e exigentes, com parecer e recomendações anexados. Complexas e exigentes, com parecer e recomendações anexados. Estudos com parecer e recomendações. Estudos com relatório técnico qualificado. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 15

16 Solicitações HABILITAÇÃO PARA ATIVIDADES O quadro a seguir sugere uma padronização de categorias profissionais para a realização de uma determinada atividade, sendo XX = mais indicadas e X = menos indicadas. Atividade Júnior I Júnior II Pleno Sênior Coordenação de estudos para plano de manejo, avaliação ecológica rápida e outros estudos de maior complexidade. Laudos biológicos, socioeconômicos, histórico-culturais e outros estudos. Diagnóstico de situação fundiária, elaboração de planos de regularização fundiária. xx xx xx x x Plano de marketing e divulgação xx xx xx x Geoprocessamento. xx xx x Elaboração de projetos de construção e/ou reformas. xx xx xx xx xx xx Atenção: A contratação de pessoa física implica o recolhimento de imposto de renda e de INSS do contratado. Portanto, o valor líquido a ser recebido pelo contratado é igual ao valor bruto do contrato menos os descontos mencionados acima. No momento de lançar o valor da consultoria no POA da UC, o gestor deve atentar ao fato de que o sistema Cérebro já planeja 20% valor bruto referente ao recolhimento de INSS do contratante, pago pelo Funbio. OBRAS Para o Programa Arpa, tanto os processos de construção, quanto os de reforma, se enquadram na categoria de obras. Cada obra depende das características da UC em questão e não existe uma especificação padrão. No entanto, construções e reformas exigem documentos específicos e imprescindíveis para sua adequada contratação. 16 Maio 2015

17 Solicitações PASSOS PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS REFORMA DE PEQUENO PORTE Requer a elaboração e apresentação dos seguintes documentos: 1. Memorial descritivo (especificação técnica de serviços); 2. Planilha orçamentária em itens que correspondam exatamente ao memorial descritivo; 3. Cronograma físico-financeiro. NOVA CONSTRUÇÃO OU REFORMA DE GRANDE PORTE (REFORMA QUE IMPACTA NA ESTRUTURA) Elaboração do projeto Deverá ser prevista no POA da UC a contratação de profissional habilitado (consultoria Pessoa Física) para a elaboração do projeto e documentação necessária. Caso o órgão gestor tenha disponível profissional para elaborar o projeto, isto será considerado como contrapartida. Documentos: 1. O projeto completo; 2. Memorial descritivo (especificação técnica de serviços); 3. Planilha orçamentária em itens que correspondam exatamente ao memorial descritivo; 4. Cronograma físico-financeiro, que poderá ser alterado no momento da visita técnica das empresas ao local da Obra. Fiscalização da obra Também deverá ser prevista no POA da UC, a contratação de profissional habilitado (consultoria Pessoa Física) para a fiscalização da obra, sendo indicado inclusive que seja o mesmo que elaborou o projeto. No entanto, devem ser feitos TdR específicos para cada etapa, em função de prazos diferenciados para cada uma delas. Caso o órgão gestor tenha disponível profissional para fiscalizar a obra, isto será considerado como contrapartida. Atenção: 1. O planejamento e dimensionamento das instalações, bem como o orçamento da obra, devem ser compatíveis com os tetos orçamentários estipulados pela UCP. 2. A solicitação de uma construção ou de uma reforma de porte deve ser chancelada pelo Órgão Gestor. 3. Durante a execução da obra, nenhuma alteração contratual poderá ser realizada sem prévia anuência do Funbio, mesmo que a empresa executora da obra e o solicitante entendam que sejam necessárias. Qualquer alteração só poderá ser feita após assinatura de termo aditivo ao contrato. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 17

18 Solicitações GESTÃO DE CONTRATOS A gestão de contratos de consultoria e de obras é realizada através do acompanhamento do cronograma físico-financeiro e do cumprimento das cláusulas contratuais. O Funbio mantém na Unidade Operacional Compras um profissional dedicado exclusivamente à gestão de contratos. No entanto, a responsabilidade pela gestão técnica do contrato é do supervisor indicado no TdR, representante do órgão gestor. Problemas na execução, necessidade de alterações contratuais, ou mesmo de substituição do contratado, devem ser comunicadas imediatamente ao Funbio, por meio da Gerência do Arpa, para que as providências cabíveis sejam tomadas em conjunto com a Unidade Operacional Compras. A seguir são descritos responsabilidades e procedimentos relativos a diferentes aspectos da gestão de contratos. Assinatura de contrato e aditivos: o contratado só deve iniciar suas atividades após a assinatura do contrato ou do termo aditivo. Em caso de Obra, é encaminhado junto com a via do contratado assinada, o Termo de Inicio de Obra para inicio das atividades. O gestor da UC e o ponto focal são responsáveis por evitar que o contratado execute trabalhos antes disso. Não há nenhuma garantia de contratação antes da formalização, que se dá com a assinatura do contrato. Escopo dos serviços e prazos de execução: o gestor da UC deverá observar o cumprimento tanto do escopo quanto dos prazos estabelecidos em contrato. Havendo necessidade de alteração, deverá comunicar ao Funbio o fato, enviando uma justificativa com a revisão do escopo de serviço e proposição de novo cronograma para que seja verificada a possibilidade de alteração junto ao contratado. Valor do contrato: para eventual alteração no valor de um contrato, em função de mudança de escopo, deverá ser respeitado o percentual limite de 15% do valor total do contrato. Caso o valor da alteração ultrapasse este limite, o Funbio precisa solicitar não objeção junto ao doador. Cronograma financeiro: os pagamentos somente serão efetuados após análise e aprovação dos produtos (parciais ou finais) pelo gestor e envio dos Termos de Recebimento e Aceite corretamente preenchidos no Sistema Cérebro. Os originais assinados deverão ser encaminhados posteriormente ao Funbio. Cancelamento de contrato: somente após análise das justificativas apresentadas pelo solicitante, o Funbio procederá ou não o cancelamento de um contrato, sempre respeitando as cláusulas contratuais que tratam do assunto. Este cancelamento é formalizado pelo Funbio através de carta ao contratado. 18 Maio 2015

19 Solicitações Substituição do contratado: o Funbio procederá ou não a substituição de um contratado após analise das justificativas, do saldo de recursos disponíveis e dos prazos/cronograma da execução dos serviços. No caso de substituição, o processo de contratação deverá ser reiniciado, com toda a documentação necessária revisada e ajustada pelo solicitante. PASSAGENS AÉREAS O Funbio, por determinação dos doadores, mantém contrato exclusivo com uma agência de viagens para o fornecimento de passagens aéreas para o Programa Arpa. QUEM TEM DIREITO A USAR PASSAGENS PAGAS PELO ARPA? Analistas ambientais, consultores e outros profissionais comprovadamente envolvidos em atividades da Unidade de Conservação apoiadas pelo Programa Arpa. No caso de serviços e consultorias, somente Pessoas Físicas têm direito a passagens e diárias para a execução das atividades descritas em seu TdR. O direito a diárias não é concedido quando a UC fornecer infra-estrutura e alimentação ou quando o mesmo estiver participando de uma expedição ou outra atividade que ofereça hospedagem e alimentação. COMO SOLICITAR PASSAGENS AÉREAS? A solicitação de passagens aéreas deve ser feita através do Sistema Cérebro, com a devida justificativa, ou seja, com a descrição dos objetivos da viagem e sua relação direta com o Programa Arpa. A solicitação deve chegar ao Funbio com o máximo de antecedência possível, pois alguns trechos na região amazônica dispõem de pouca oferta de vôos e horários. Além disso, bilhetes emitidos com maior antecedência a data da viagem são comprados por preços melhores. PROCEDIMENTO: Para emissão de qualquer passagem aérea: 1. A passagem deve ser solicitada pela UC, via Sistema Cérebro. 2. A aprovação pelo ponto focal deve ser feita com, no mínimo, 5 dias úteis de antecedência à data de embarque. 3. Após a viagem, deverá ser enviado ao Funbio uma cópia do ticket aéreo (cartão de embarque) para o da Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 19

20 Solicitações 4. O usuário do Sistema Cérebro que solicitou a passagem é o responsável por enviar ao Funbio o ticket aéreo, mesmo que não tenha sido ele o passageiro. O prazo para recebimento do ticket pelo Funbio é de 10 dias úteis após a realização da viagem, ficando o passageiro impedido de receber novos bilhetes caso os comprovantes das viagens anteriores não tenham sido enviados. Caso o mesmo passageiro necessite viajar, em prazo curto em relação à viagem anterior e antes do recebimento do ticket pelo Funbio, a solicitação da nova viagem será aceita como exceção e não elimina a necessidade de comprovar as viagens feitas de forma sucedânea. Atenção: Qualquer alteração na passagem por motivos pessoais, deverá ser feita pelo próprio passageiro, através de contato direto com a companhia aérea no aeroporto. O Funbio se responsabiliza por alterações somente com justificativa relacionada ao Programa Arpa, encaminhada com prazo mínimo de 2 dias úteis antes da viagem pelo ponto focal diretamente para a Gerência Pedidos feitos diretamente para o funcionário da agência de viagem, por telefone ou , não serão considerados, uma vez que o mesmo não tem mandato para tomar qualquer decisão a respeito. DATAS E HORÁRIOS PREFERENCIAIS Na solicitação devem estar indicados datas e horários preferenciais, o que será atendido caso os bilhetes tenham o menor preço e estejam disponíveis. Se houver variação de tarifa em horários próximos, a agência efetua a compra do bilhete de menor tarifa. Caso o horário seja muito diferente, a agência entra em contato com o solicitante para consultá-lo sobre a troca de horário. Ainda que a orientação da política de compras do Programa Arpa seja adquirir pelo menor preço, o Funbio recomenda a agência de viagens a não comprar passagens nos horários da madrugada ou com muitas escalas/conexões, a menos que o solicitante expresse claramente sua preferência por esses horários e condições. O Funbio entende que os passageiros devem viajar com o maior conforto possível. Se houver alguma emissão de passagem aérea fora destes padrões, pedimos que a Gerência seja comunicada imediatamente. O problema só poderá ser resolvido se o prazo mínimo para a solicitação tiver sido respeitado. O QUE FAZER EM CASO DE VIAGEM CANCELADA DEPOIS DE EMITIDO O BILHETE? O solicitante da passagem é o responsável por comunicar a Gerência Arpa o cancelamento de viagens, com no mínimo 12 horas de antecedência do embarque, de forma que o Funbio possa requerer o reembolso da companhia aérea antes de se caracterizar um caso de no show (não comparecimento do passageiro com reserva confirmada). 20 Maio 2015

21 Solicitações Caso o passageiro não compareça ao embarque, todos os custos decorrentes da não utilização do bilhete aéreo emitido, como taxas cobradas pela remarcação de passagens e outras despesas decorrentes, são de responsabilidade do mesmo. DIÁRIAS As diárias do Programa Arpa servem para o custeio de despesas com hospedagem, alimentação e deslocamento em viagens relacionadas às atividades do Programa e aos seus objetivos. SOLICITAÇÃO DE DIÁRIAS As diárias devem ser solicitadas quando há atividades fora do município onde o gestor está lotado ou quando há incursões dentro da Unidade de Conservação, como ações de fiscalização e acompanhamento de expedições e estudos. Todas as diárias devem ser solicitadas através do Sistema Cérebro Arpa. As solicitações deverão conter justificativa e objetivos da viagem, e apenas o chefe e os funcionários da UC que receberam treinamento para uso do Sistema Cérebro Arpa poderão solicitar diárias no Programa. Por uma questão de transparência, as diárias não poderão ser solicitadas pela própria pessoa que irá recebê-la, assim, outro gestor da Unidade deverá realizar esta solicitação. Podem receber diárias: A equipe gestora da UC; funcionários do órgão gestor; membros dos conselhos gestores da UC; agentes de fiscalização (fiscais do IBAMA e OEMAS, policiais, bombeiros e afins); pesquisadores ; demais parceiros do Programa Arpa; colaboradores eventuais da UC ou do Arpa; consultores em atividades fora de sua cidade de origem e fora da UC, para a cobertura de despesas de alimentação e hospedagem. Não recebem diárias quando em atividades dentro da Unidade de Conservação, uma vez que suas despesas poderão ser custeadas diretamente pela Unidade, através da Conta Vinculada. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 21

22 Solicitações Atenção: O beneficiário deve ter vínculo empregatício com alguma instituição. As diárias não devem ser usadas para pagamento de serviços de campo tais como os de barqueiros, cozinheiras (os), mateiros, etc. Esses serviços devem estar discriminados separadamente no POA da UC e deverão ser pagos com recursos da Conta Vinculada. TIPOS DE DIÁRIAS DIÁRIAS UNIFICADAS DE CAMPO/CIDADE Quando houver incursões que demandem pernoite dentro da área da UC, para a equipe da UC não residente na unidade ou parceiros envolvidos na atividade ou quando o beneficiário sair do município de sua residência (ou sede da UC) para uma área urbana. DIÁRIAS DE CAPITAL capital. Quando o beneficiário sair do município de sua residência (ou sede da UC) para uma DIÁRIAS INTERNACIONAIS Quando o beneficiário sair do país de sua residência (ou sede da UC) para outra área urbana. Serão concedidas diárias internacionais quando previstas no POA da UC. AUXÍLIO TRANSPORTE O auxílio transporte visa cobrir os custos com deslocamento para aeroportos, normalmente afastados dos centros urbanos. Será concedida meia diária adicional por viagem (ida/volta) de acordo com o destino (capital ou cidade). Em caso de solicitação de viagem para apenas um trecho (ida ou volta) ou em situações nas quais a equipe local providencie o transporte o beneficiário fará jus a meio auxílio transporte. VALORES E QUANTIDADES O número de diárias e seus valores variam de acordo com as características da viagem e do destino. As tabelas a seguir mostram o valor e a quantidade de diárias por situação, respectivamente. 22 Maio 2015

23 Solicitações VALOR DA DIÁRIA Tipo de Diária Valor 1 Diária Unificada Campo/Cidade R$ 177,00 Capital R$ 240,00 Internacional - América do Sul e América Central U$ 190,00 Internacional - América do Norte, Europa, Ásia, África e Oceania U$ 250,00 QUANTIDADE DE DIÁRIAS Quando a viagem exigir pernoite Não for fornecida hospedagem e alimentação Quando fornecido alojamento ou outra forma de hospedagem. Quando fornecida alimentação, com recursos da conta vinculada da UC ou por outro meio. Quando fornecida hospedagem e alimentação pela UC ou alguma outra instituição. 1 diária ½ Diária ½ Diária Sem diária Quando a viagem não exigir pernoite: No Campo Na Cidade ou Capital, quando a viagem ultrapassar 15h de deslocamento Na Cidade ou Capital, com a chegada do colaborador antes das 5 h da manhã Sem diária 1 diária 1 diária Deslocamento Quando o deslocamento for superior a 1 dia antes de chegar ao local de destino. Ex.: Viagens de barco e ônibus. ½ Diária Atenção: A solicitação de diárias em finais de semana, feriados ou pontos facultativos deve ser precedida de justificativa específica para o período quando na solicitação no sistema Cérebro, cabendo ao ponto focal a avaliação sobre a pertinência da solicitação. É vedada a concessão de diárias retroativas, salvo se expressamente justificadas pelo proponente em sua solicitação, sendo a relevância da justificativa avaliada pelo Ponto Focal e em última instância pela UCP. 1 Os valores das diárias são os mesmos para qualquer pessoa. Não há diferenças por cargo ou grau de escolaridade. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 23

24 Solicitações PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO E DEVOLUÇÃO RECEBIMENTO DE DIÁRIAS O recebimento de novas diárias é condicionado à elaboração de um Relatório de Viagem, para o acompanhamento de todas as diárias por ele já recebidas. O relatório deverá ser enviado até 5 dias úteis após o final de cada viagem (o relatório é eletrônico e estará disponível para o solicitante no Sistema Cérebro Arpa a partir do último dia da viagem). Caso o Relatório de Viagem não seja entregue no prazo, todos os beneficiários de diárias daquela solicitação ficarão impossibilitados de receber novas diárias. O sistema indicará automaticamente estes casos e não aceitará o pedido. Caso o solicitante tenha três solicitações de diárias sem os respectivos relatórios, a unidade pela qual é responsável ficará impedida de solicitar novas diárias até que a situação se normalize. O desbloqueio das solicitações será realizado automaticamente após o envio do relatório digital. O Funbio e os órgãos gestores farão o monitoramento do uso de diárias. No caso de serem detectadas inconsistências entre as solicitações e as atividades realizadas será realizada uma consulta oficial aos envolvidos, sendo comunicado ao beneficiário, ao solicitante e aos seus superiores. É resguardada à UCP a suspensão do POA caso fique constatada a má versação de recursos. Os beneficiários envolvidos perderão, em definitivo, o direito ao recebimento de novas diárias. Em caso de reincidência envolvendo o solicitante, este terá cancelado o acesso ao sistema Cérebro e o direito ao recebimento de diárias. O POA da unidade pela qual é responsável será suspenso até que seja realizada uma reunião entre o MMA e o órgão gestor para que seja avaliada a atuação dessa unidade. Atenção: As diárias poderão ser depositadas em contas conjuntas. Porém, se o beneficiário não for o titular da conta, deverá ser apresentado comprovante de co-titularidade. Excepcionalmente, quando o beneficiário não possuir conta em banco, o pagamento poderá ser feito via ordem de pagamento. Tal opção deverá ser explicitamente informada na solicitação e o beneficiário deverá efetuar o saque exclusivamente em agências do Banco do Brasil, portando documento de identidade, CPF e o número da ordem de pagamento. DIÁRIAS NÃO PAGAS Caso a diária não tenha sido depositada, o usuário deverá verificar o Status do protocolo na área Diárias Solicitadas do Cérebro Arpa. Caso o Status conste como Aprovado, o solicitante deverá aguardar o lançamento da Data de Vencimento. Caso o prazo descrito na Data de Vencimento tenha sido ultrapassado, entrar em contato com a Gerência Arpa 24 Maio 2015

25 Solicitações Caso a diária tenha sido reprovada, o solicitante deverá entrar no protocolo da solicitação e verificar a justificativa de reprovação. Caso no status conste Aguardando Providência, o solicitante deverá verificar a observação na coluna ao lado (Histórico), para ajuste da solicitação. A grande maioria dos atrasos nos pagamentos das diárias acontece por causa de erros na informação dos dados pessoais ou bancários, como: nome digitado de forma errada; CPF não válido; CPF em nome de terceiros (ex.: CPF do José Silva numa diária para o João Santos); números de agência e conta errados (ex. conta não é igual a 1234). Para qualquer esclarecimento adicional, entrar em contato com a Gerência Arpa DEVOLUÇÃO DE DIÁRIAS O colaborador está obrigado a devolver os valores recebidos a título de diárias quando: Deixar de viajar por qualquer motivo, situação em que a devolução será do valor integral; Retornar antes da data final prevista para o seu afastamento, sendo que a devolução será das diárias recebidas em excesso. O prazo para que o solicitante comunique ao Funbio do adiamento ou cancelamento da solicitação será até a data de início de contagem do período. Caso seja por antecipação do período de retorno, deverá ser até 5 dias após o final do período originalmente solicitado. O solicitante deverá informar ao Funbio com cópia para o número de diárias não utilizadas. O solicitante ainda será o responsável por contatar o beneficiário para efetuar a devolução das diárias, conforme instruções a seguir. O beneficiário deverá: Devolver os valores correspondentes das diárias não utilizadas até o quinto dia útil do mês subseqüente à solicitação. Enviar o comprovante de depósito por para com cópia para informando o nome e CPF do beneficiário e o número do protocolo. Atenção: Após o envio do informando quanto ao número de diárias não utilizadas, a gerência informará ao solicitante o número da agência e conta corrente que deverá ser realizado o depósito. As devoluções sempre serão em nome do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade CNPJ / e no Banco do Brasil (nº 001). Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 25

26 Conta Vinculada Solicitações

27 Conta Vinculada CONTA VINCULADA O Funbio criou a Conta Vinculada para facilitar o dia a dia dos gestores das UCs, possibilitando a realização de gastos elegíveis com agilidade. Aqui serão apresentados os procedimentos necessários para utilização das contas correntes vinculadas, tomando por base o Manual de Orientações Gerais para o dia-a-dia do Programa Arpa, acordado entre os órgãos gestores, coordenação, doadores e o Funbio. Tanto as práticas de administração da conta corrente, quanto os procedimentos e regras de contratação e aquisição aqui expostos, devem ser incorporados ao cotidiano dos responsáveis pelas contas correntes vinculadas ao Arpa. Este módulo traz instruções detalhadas sobre como preencher os documentos necessários ao acompanhamento do uso dos recursos. Tenha estas orientações sempre à mão quando for movimentar a conta corrente ou precisar tirar dúvidas com o Funbio. A correta aplicação das regras descritas nas próximas páginas é a garantia da manutenção do fluxo de recursos entre o Funbio e as UCs. AS CONTAS CORRENTES VINCULADAS A Conta Vinculada é um mecanismo desenvolvido pelo Funbio e aprovado pelos doadores do Arpa para facilitar a realização de gastos de pequeno valor localmente, ou seja, nas regiões das UCs. Esta solução foi criada devido à dificuldade de se aplicarem as regras de compras definidas pelos doadores nos territórios onde se localiza a maior parte das UCs apoiadas pelo Arpa. Caso não existisse esse recurso, seria muito difícil executar com eficiência e economia boa parte das atividades previstas nos Planos Operativos Anuais (POAs), elaborados pelas equipes das UCs. Cada UC contemplada pelo Arpa pode gerenciar uma Conta Vinculada, cujos recursos estão exclusivamente destinados à realização de gastos solicitados pelas suas equipes, aprovados no POA e autorizados pelos doadores do Programa. A Conta Vinculada é aberta pelo Funbio para ser movimentada, em conjunto, por, no mínimo, dois funcionários públicos, gestores de UCs, indicados por ofício ao Funbio pelo Órgão Gestor da UC, qual seja o ICMBio ou Secretaria Estadual de Ambiente. A titularidade da conta é do Funbio e sua movimentação pelos gestores das UCs se dá por meio de outorga de mandato através de substabelecimento 2. 2 Cada conta vinculada recebe uma denominação que se inicia por Funbio, seguida do nome da UC. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 27

28 Conta Vinculada Para a utilização da conta, os gestores são capacitados pelo Funbio, após o que recebem outorga de poderes para que possam movimentar diretamente a conta. O exercício dos poderes de movimentação da conta está condicionado às regras deste manual, do Manual de Orientações Gerais para o dia-a-dia do Arpa, aos princípios de probidade administrativa e à legislação aplicável. A gestão da CV é realizada pelo Funbio que irá realimentá-la após a avaliação de cada prestação de contas e de acordo com o POA aprovado ou remanejamento autorizado. Como gestor dos recursos financeiros do Arpa, o Funbio é a instituição que faz a intermediação do fluxo de recursos entre as contas correntes principais (destinadas aos gastos de médio e grande valor) e as contas vinculadas. Para concretizar essa autonomia, o Funbio providenciou a abertura das contas correntes específicas para cada UC. Para uso exclusivo do projeto. ABERTURA DA CONTA VINCULADA Os órgãos gestores Pontos Focais (ICMBIO e secretarias estaduais de meio ambiente) designam no mínimo dois funcionários que trabalham na UC para a abertura da conta: o chefe da unidade, ou o responsável designado especialmente para este fim, e um funcionário do quadro permanente. Ambos serão responsáveis pela movimentação conjunta e solidária da conta vinculada. O Funbio providencia a abertura da conta em uma agência no Rio de Janeiro, onde o Funbio tem sede, seguindo o processo descrito a seguir em Procedimentos para inclusão de novos gestores na Conta Vinculada. Os gestores responsáveis devem indicar a agência do Banco do Brasil mais próxima do escritório da unidade de conservação, onde será feita a movimentação da conta corrente (vinculada). Após abertura da conta na agência do Rio de Janeiro e a indicação de uma agência no município onde está o escritório da unidade de conservação: O gestor irá procurar a agência para realizar os procedimentos internos da própria agência, dentre eles a assinatura do cartão de autógrafos (Assinatura obrigatória para emissão de cheques). Solicitação de acesso a conta via internet, para consulta de saldo e impressão e/ou consulta de extratos bancários da conta corrente. Atenção: A solicitação de acesso à conta via internet Bank é feita na agência indicada para movimentação da conta corrente vinculada pelo responsável. Este deve se cadastrar no site do banco e, após serem realizados os procedimentos indicados pela agência, deve entrar em contato com o Funbio via solicitando que o acesso seja liberado. Porém, quando a conta for aberta pela agência (Rio de Janeiro), a chave de acesso será criada pela mesma e o Funbio a enviará para os gestores responsáveis pela conta. Os demais procedimentos serão os mesmo das agências fora do Rio de Janeiro. 28 Maio 2015

29 Conta Vinculada Informar: Número da conta, nome da unidade de conservação, nome completo dos responsáveis cadastrados, número de série do computador cadastrado e o apelido do computador, este último cadastrado no site do banco. PROCEDIMENTOS PARA INCLUSÃO DE NOVOS GESTORES NA CONTA VINCULADA Capacitação dos gestores designados pelos órgãos gestores para movimentar a conta vinculada, através do curso de procedimentos. Abertura da Conta Providenciada pelo o Funbio. (Somente em casos de unidades novas no programa ARPA). O Funbio elabora um termo de compromisso e responsabilidade com o número da conta a ser movimentada (Anexo D), que será assinado por cada funcionário designado, na condição de compromissário, e pelo órgão responsável pela gestão da UC (ICMBIO ou secretarias estaduais de meio ambiente), na condição de interveniente-anuentes. O Funbio elabora um substabelecimento: (Anexo E) para os funcionários que movimentarão a conta, em nome do Funbio, o mesmo será assinado por ambas às partes, Funbio e responsáveis designados pelos órgãos gestores. Atenção: Quando os funcionários com o substabelecimento do Funbio se desligam da UC, o órgão gestor responsável pela UC se obriga a informar imediatamente ao Funbio, que providencia o cancelamento do substabelecimento, enquanto não é designado um novo funcionário a conta passa a ser movimentada somente pelo Funbio. Até que novos funcionários sejam designados e credenciados, e que novos Termos de Compromisso e Responsabilidade e Procurações sejam assinados e encaminhados à agência bancária correspondente. VALIDADE DOS SUBSTABELECIMENTOS O prazo de validade dos substabelecimentos está compreendido no período do mandato da Secretária Geral determinado por meio de Reunião do Conselho Deliberativo do Funbio. Quando o mandato da Secretária Geral do Funbio é prorrogado ou instituído outra pessoa no cargo, os substabelecimentos são renovados seguindo o seguinte processo: O Funbio comunica aos responsáveis e solicita cópias dos seus documentos pessoais, RG, CPF e comprovante de residências dos últimos 90 (noventa) dias; É providenciado um novo substabelecimento. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 29

30 Conta Vinculada Atenção: O Funbio se compromete avisá-los deste procedimento sempre que for necessário. Através do sistema cérebro e/ou s. UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS Algumas regras devem ser seguidas para utilização dos recursos das contas vinculadas: Utilizar os recursos e os bens adquiridos exclusivamente para as finalidades estabelecidas no POA aprovado. Manter o controle sobre eventuais adiantamentos de recursos em espécie, comprovando a natureza de sua utilização. Garantir que toda utilização de recursos esteja respaldada pela documentação adequada. Pagar em uma única vez quaisquer aquisições de bens, obras ou serviços, mediante a entrega do produto ou serviço. Não realizar compras a prazo, ou fiado. Não fracionar as despesas. Por se tratar de conta bancária que aloca valores baixos, garante-se com este cuidado maior eficiência no uso dos recursos. Ter cópias arquivadas de todos os relatórios, em ordem cronológica, na sede administrativa da UC e sob os cuidados dos responsáveis pela Conta Vinculada durante todo o seu prazo de execução. Encaminhar os documentos originais ao Funbio com a prestação de contas. Atenção: O prazo máximo para o envio dos documentos originais é de 60 (sessenta) dias a contar da aprovação da prestação de contas, que será informado por pelo FUNBIO. A UC terá a realimentação da conta vinculada suspensa nos seguintes casos: O não envio dos documentos originais até o prazo máximo estabelecido; Constatando duas ou mais prestações de contas pendentes de envio de documentação original, mesmo estando dentro do prazo limite de 60 (sessenta) dias. As despesas obrigatoriamente devem ser realizadas nas localidades próximas a unidade de conservação. Em casos de aquisições em outros estados, antes de realizar as aquisições, é necessária uma prévia autorização da gerência do ARPA. 30 Maio 2015

31 Conta Vinculada DEPÓSITOS O valor de R$ ,00 (quinze mil reais) é o limite padrão para a disponibilização de recursos pelo Funbio em contas vinculadas. O Funbio fará um depósito inicial de adiantamento no valor de R$15.000,00 ou valor definido para cada UC. Este depósito é realizado na ocasião da abertura da Conta Vinculada. A realimentação da Conta Vinculada será feita através de depósitos referente ao valor do teto subtraindo o valor do saldo do projeto apresentado na prestação de contas e aprovada pelo Funbio. SUSPENSÃO DOS DEPÓSITOS Os depósitos serão suspensos quando não forem cumpridas as condições estabelecidas para utilização da Conta Vinculada, mais especificamente nas seguintes situações: Não envio dos documentos originais da Prestação de Contas (relatórios completo e conciliado, bem como os comprovantes de despesas). Movimentação de conta corrente em desacordo com este manual ou não devidamente justificada no relatório financeiro. Realização de pagamentos de salários ou qualquer forma de remuneração de pessoal envolvido na administração da UC, ou de profissionais e técnicos vinculados ao quadro de pessoal da UC, e os decorrentes encargos sociais. Realização de pagamentos de encargos sociais e indenizações oriundas de cessação de vínculo empregatício. Realização de despesas com aluguel ou compra de imóveis. Realização de empréstimos, investimentos ou repasses a outros projetos e/ou entidades. Realização de despesas com multas, juros, inclusive referentes a pagamentos ou recolhimentos fora do prazo. Emissão de recibos de pessoa física em desacordo com as normas préestabelecidas. Emissão de cheques sem fundo. CANCELAMENTO DA CONTA VINCULADA Contas vinculadas inativas por tempo superior a quatro meses poderão ser canceladas pelo Funbio, após aviso ao órgão gestor e UCP, para que não incorram os custos mensais relativos à manutenção das mesmas. Excepcionalidades serão analisadas pelo Funbio. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 31

32 Conta Vinculada LIMITE DA CONTA VINCULADA Cada UC ARPA deverá ter, no mínimo, dois responsáveis para movimentação da conta vinculada. O padrão para o estabelecimento do limite é a UC. Este critério é utilizado para as UCs cujos responsáveis respondam por uma única conta vinculada compartilhada com o Funbio. Caso o gestor responda por mais de uma unidade, o limite é definido por gestor e não por unidade. Neste caso o teto será repartido entre as UCs, de modo que o montante máximo de responsabilidade de um determinado gestor, não ultrapasse o teto determinado. A regra acima é válida mesmo que seja uma conta vinculada associada a outro Programa/Projeto executado pelo Funbio. SANÇÕES PARA MAU USO DE RECURSOS DA CONTA VINCULADA Relativamente à execução do Programa as sanções para o mau uso de recursos da Conta Vinculada serão as seguintes: No 1º caso de cheque devolvido: advertência. No 2º caso de cheque devolvido: suspensão da conta vinculada da UC e demais contas que estiverem sob responsabilidade do gestor por até seis meses e até que os responsáveis pela movimentação da conta façam nova capacitação nos procedimentos operacionais do Programa. Caso haja reapresentação do cheque sem solução do problema, haverá perda do direito ao mandato (não terá mais substabelecimento). Caso um cheque seja devolvido duas vezes e o nome do Funbio incluso no SERASA, todas as contas vinculadas de todas as UCs do Arpa e outros projetos do Funbio serão paralisadas até que a situação seja regularizada. Relativamente à pessoa do gestor: No caso de uso indevido de recursos, serão aplicadas as sanções previstas no Termo de Compromisso, aplicando-se a responsabilidade pessoal do gestor, que deverá devolver ao Funbio o valor indevidamente gasto, independentemente de sanções cíveis e/ou penais previstas em lei. No caso de devolução de cheques e inclusão do nome do FUNBIO no SERASA serão aplicáveis perdas e danos na forma prevista na legislação brasileira. 32 Maio 2015

33 Conta Vinculada RECOLHIMENTO DE IMPOSTOS Recibos de Pessoa Física: As cópias dos recibos e as Guias da Previdência Social GPS e/ou DARF emitidas e recolhidas pela UC em nome do FUNBIO, obrigatoriamente deverão ser enviadas assim que forem pagos. O INSS e os impostos, quando houver, devem ser enviados por fax ou . As guias devem ser enviadas até o último dia útil do mês em que o serviço foi pago, pois esta informação deverá constar no relatório enviado obrigatoriamente a Secretaria da Receita Previdenciária a cada mês, ou seja, a SEFIP Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social, onde entram todas as informações dos prestadores com e sem vínculo empregatício. E caso o FUNBIO não tenha estas informações no final do mês o relatório irá incompleto, sendo assim, terá que fazer inúmeras retificações em um relatório que deve ser mensal e que por lei deve conter todas as informações pertinentes ao mês corrente. As guias originais fazem parte da prestação de contas da Conta Vinculada e as guias de GPS devem ser individuais, não podendo conter valores agrupados, ou seja, cada recibo terá uma guia de GPS e/ou DARF individual. Estes devem ser lançados no sistema cérebro (valores individuais). Caso a UC tenha pendências de recibos de PF, não será possível a emissão de novos recibos, até a regularização das pendências. Atenção: Caso a UC tenha pendências de recibos de PF, (Pessoa Física) não será possível a emissão de novos recibos, até a regularização da situação. PENDÊNCIAS QUE PODEM SUSPENDER A EMISSÃO DE RECIBOS DE PESSOA FÍSICA Envio de recibos GPS ou DARF em atraso; Nome do prestador de serviços errado; Número do PIS ou CPF incompletos ou com erros; Guias de GPS ou DARF em desacordo com o recibo; Campos dos recibos incompletos, em branco ou preenchido com informações erradas. Estes erros podem ser evitados se forem observados pontos importantíssimos na elaboração dos recibos, como observar se os números do PIS e CPF realmente têm 11 dígitos. Em caso de dúvidas quanto ao nome do prestador de serviços, consultar pelo número do CPF. O responsável pela conta vinculada deve acessar o portal da Secretaria da Fazenda, através do website: Atenção: Caso a UC tenha pendências no que diz respeito à emissão de recibos de pessoa física e não regularize a sua situação e/ou não responda aos contatos feitos pela equipe da CV, na terceira tentativa, o FUNBIO deverá entrar em contato com o ponto focal responsável. A partir dessa comunicação, a UC terá um mês para regularizar a situação, caso contrário, os depósitos de realimentação poderão ser SUSPENSOS. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 33

34 Conta Vinculada A data da Guia de GPS é de acordo com a data em que o tomador de serviços (neste caso a Unidade de Conservação) faz o pagamento ao prestador de serviços; Exemplo: O prestador de serviços fez o trabalho em 25/01/14, mas por algum motivo o gestor da UC somente realizou o pagamento em 05/02/14. A competência de ambas as Guias será mês/ano, ou seja, 02/14 (data em que o pagamento foi feito ao prestador de serviços) e não 01/14, (data em que o serviço foi prestado). Atenção: O Cálculo para recolhimento de INSS é feito da seguinte forma: 20% de contribuição patronal, paga pelo contratante dos serviços; (Pago pela UC, em nome do Funbio); E 11% de contribuição por parte do prestador de serviços; De acordo com valor bruto; Sendo essa a soma do cálculo da guia de GPS a ser paga e enviada ao Funbio junto com os demais documentos da prestação de contas, cópias e posteriormente os originais. As tabelas com as informações para recolhimento do IRRF e INSS estão em anexo, (Anexo J, IRRF) e (Anexo F, INSS). IMPOSTO DE RENDA IRRF Serviços com valores de até R$ 1.903,98, (Mil novecentos e três reais e noventa e oito centavos), não sofrerão retenção de imposto de renda (DARF). Valores superiores a R$ 1.903,99 (Mil novecentos e três reais e noventa e nove centavos), sofrem retenção de imposto de renda. Atenção: O Funbio se compromete a manter atualizadas as tabelas para recolhimento dos impostos e enviá-las aos responsáveis pela Conta Vinculada. A emissão de guias de GPS e DARF é de inteira responsabilidade do gestor da UC. O Funbio não se responsabilizará por eventuais multas referentes a atrasos no recolhimento de tais encargos. PRESTAÇÃO DE CONTAS Toda a movimentação na conta deverá ser discriminada nos relatórios financeiros e estar respaldada pela devida documentação original, conferida e assinada pelos responsáveis. Tratando-se de prestação de serviço de pessoa jurídica, o comprovante deverá ser a nota fiscal ou o Recibo de pessoa jurídica, sendo o último para casos excepcionais. No caso de despesa com combustível, a nota fiscal deverá conter a quantidade fornecida e o valor unitário do litro de combustível. 34 Maio 2015

35 Conta Vinculada A prestação de contas deverá ser elaborada no sistema cérebro 2.0 e enviada para aprovação. Será necessário emitir o extrato bancário no dia seguinte ao do período final da Prestação de Contas, para que todas as movimentações feitas naquele dia sejam efetivamente registradas e os valores informados corretamente. Deverão ser enviadas ao Funbio, via ou inserido no sistema cérebro 2.0, as cópias dos comprovantes que a compõe e o extrato bancário do período referente. Atenção: Para anexar o arquivo no sistema cérebro 2.0 será necessário zipar os documentos em pastas para posteriormente inseri-los. Caso os documentos sejam encaminhados por é importante atentar que a caixa de do Funbio tem capacidade máxima de 10mb por arquivo, ou seja, caso o arquivo enviado seja maior que este tamanho não será recebido. Neste caso será necessário enviar o arquivo em duas ou mais partes. O Funbio será avisado por ou pelo sistema cérebro 2.0 quando a prestação de conta vinculada da UC for finalizada. Após receber as cópias dos comprovantes da prestação de contas, o Funbio terá até 5 (cinco) dias úteis para analisar a PCV (prestação de conta vinculada) e, caso ela não apresente nenhuma irregularidade, o Funbio realimentará a conta. Caso a prestação de contas tenha pendências, o Funbio entrará em contato com os responsáveis pela prestação de contas, solicitando que a mesma seja corrigida e após a regularização por parte dos gestores, o Funbio terá até 5 (cinco) dias úteis para analisar se todas as pendências foram sanadas. Regularizando as pendências o Funbio aprovará a PCV e realimentará a conta e em seguida comunicará aos gestores, através de . Somente após o comunicado os gestores deverão encaminhar via Sedex os seguintes documentos originais: 1 via do relatório completo com status baixado; Assinado pelos responsáveis pela conta Vinculada (Anexo M). 1 via do relatório conciliado com status baixado; Assinado pelos responsáveis pela conta Vinculada (Anexo N). Comprovantes originais declarados na prestação; Extrato bancário referente ao período da prestação de contas. Atenção: As prestações de contas obrigatoriamente devem ter periodicidade máxima mensal e estar no Funbio até o dia 7 de cada mês, ou quando os gastos atingirem 80% do valor total da conta vinculada. É extremamente proibido realizar depósitos na conta vinculada que não sejam oriundos do FUNBIO, sendo assim, o Funbio é o único autorizado a realizar depósitos na conta do projeto. Na emissão de cheques é extremamente importante verificar a autenticidade e legibilidade do mesmo. Não é permitida em hipótese alguma a emissão de cheques com valores superiores ao existente na conta bancária. Qualquer irregularidade apresentada pela UC, o gestor poderá ser excluído da CV (conta vinculada). Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 35

36 Conta Vinculada DOCUMENTOS FISCAIS NOTA FISCAL (NF) É o documento oficial, prescrito em lei, destinado a documentar a realização de uma operação mercantil. Ela documenta a procedência e o destino das mercadorias em trânsito e serve para definir o montante das operações realizadas. Há necessidade do preenchimento correto dos dados do emitente e do destinatário. (Nome, data, endereço) Principais características: A NF não tem valor de recibo de quitação da transação comercial. Utilizada apenas como documento suporte da circulação da mercadoria e/ou da execução do serviço. Depois de emitida, a NF não comprova que a dívida do cliente com seu fornecedor está quitada. Perde a validade quando rasurada. Ou seja, torna-se inidônea (sem valor), tal como quaisquer documentos fiscais que contenham indicações inexatas, emendas e/ou rasuras que lhes prejudique a clareza. O mais importante na Nota Fiscal Conter o número tipograficamente impresso (dentro do intervalo autorizado para impressão). Estar dentro do limite para a data de emissão. Que todas as vias tenham igual teor. Que não contenha rasuras. Contenha nome fantasia (se tiver), razão social e endereço. Atenção: Atentar-se a data limite para emissão da NF. Localizada na parte superior ou inferior da NF do lado direito. Pois não serão aceitas notas fiscais com a data limite para emissão fora do prazo. MODELOS DE NOTA FISCAL PARA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS Nota Fiscal, Modelo 1: Nota fiscal convencional geralmente é mais encontrada nos estabelecimentos. Seguem as especificações e as características em anexo. (Anexo O). 36 Maio 2015

37 Conta Vinculada Existem outros dois tipos de notas fiscais, um semelhante ao modelo 1, emitido na posição horizontal, que contém as mesmas informações do modelo 1. Outro modelo similar ao modelo 1 contém menos informações e é emitido em tamanho menor. Geralmente esta NF é encontrada em estabelecimentos pequenos sendo destinado somente aos consumidores finais. Nota Fiscal Eletrônica: A Nota Fiscal Eletrônica apresenta como campo mais importante a Situação Atual, que deverá constar o status Autorizado. Esse é o campo que garante a validade da Nota Fiscal. Até 180 dias corridos, a mesma fica disponível no portal do Ministério da Fazenda. Após a emissão da nota, ela apresenta todos os dados que constam no modelo de nota fiscal modelo 1. Após essa data, a visualização é apresentada de forma resumida, como consta na imagem em anexo. (Anexo P). O Cupom Fiscal; É a forma mais simples de emissão de documento fiscal. É o padrão de documento fiscal de postos de gasolina e supermercados. (Anexo R). Atenção: A legislação não permite embutir serviços em notas de vendas de mercadorias, salvo se o serviço for de instalação da mercadoria e/ou equipamento vendido. A nota fiscal eletrônica deve ser impressa e enviada ao Funbio juntamente com os demais comprovantes que fazem parte da prestação de contas. Obrigatoriamente todas as Notas Fiscais devem ser emitidas em nome do Fundo Brasileiro Para a Biodiversidade Funbio com sede no Rio de Janeiro: Rua: Voluntários da Pátria Nº 286 5º andar CEP: RJ CPJ / NOTAS FISCAIS PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS No caso de aquisição de serviços, existem: os prestadores autônomos (pessoa física), a empresa individual e as sociedades (pessoas jurídicas). A empresa individual cadastrada no CEI, (Cadastro Específico do INSS) deverá ter o tratamento de Pessoa Física e sofrerá retenção conforme a tabela progressiva do INSS através de Recibo de Pessoa Física e Imposto de Renda (PF). Tabela INSS, (Anexo F), IRRF (Anexo I). Atenção O valor mínimo para recolhimento do INSS e IRRF é de R$ 10,00 (dez Reais). Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 37

38 Conta Vinculada Empresa individual com CNPJ Somente por ter CNPJ não significa que ela será equiparada a uma Pessoa Jurídica. Caberá ao responsável pela conta vinculada verificar se o tipo de serviço poderá ser considerado conforme art.150 do Decreto 3.000/99 que diz: Pessoas físicas equiparadas à pessoa jurídica quando a prestação de serviços colegiada for sistemática, habitual, sempre sob a responsabilidade do mesmo profissional, que recebe em nome próprio valor total pago pelo cliente e paga os serviços dos demais profissionais, estará configurada a condição de empresa individual equiparada à pessoa jurídica, por se tratar de venda, habitual e profissional, de serviços próprios e de terceiros, e não apenas de prestação pessoal de serviços profissionais a que se refere o 2º do mesmo dispositivo legal (PN CST 38/75). Serviço de transporte: O rendimento advindo da prestação de serviços de transporte seja de carga ou de passageiros, bem assim aqueles referentes a fretes e carretos, aos prestados com tratores, máquinas de terraplenagem, colheitadeiras e semelhantes, barcos, chatas, carros, camionetas, caminhões, aviões etc., poderão ser considerados como de pessoa física ou jurídica. Atenção: Em alguns serviços incide a contribuição para o INSS por parte do Funbio como tomador dos serviços. (NF emitida por PF). Sendo assim, deve ser emitida uma guia de GPS, o calculo deve ser em cima do valor bruto, a soma da guia de GPS é 20% de contribuição patronal por parte do Funbio e 11% por parte do prestador de serviços. A responsabilidade de recolher a contribuição para o INSS é do responsável pela conta corrente vinculada. NF emitida pela prefeitura não está livre de impostos, incluso INSS e IRRF, este ultimo de acordo com o valor da NF. Portanto todos os impostos devem ser recolhidos. Cabe ao responsável pela conta vinculada verificar, antes de contratar os serviços, em qual das categorias descritas acima a empresa a ser contratada se enquadra. E assim proceder com a contração. Em caso de dúvidas, entrar em contato com o Funbio, setor de conta vinculada e solicitar maiores esclarecimentos. INCORREÇÕES NA NOTA FISCAL CARTA DE CORREÇÃO Se forem constatadas irregularidades na nota fiscal, (Convencional emitida em papel físico) é possível, em alguns casos, providenciar uma carta de correção dos dados impressos, não havendo necessidade de substituir ou refazer o documento. Em casos de erros que alteram o remetente ou destinatário não são aceitas carta de correção, devendo-se cancelar a NF e emitir uma nova. O nome oficial desta carta de correção é Conferência de Documento Fiscal e Comunicação de Incorreções, e encontra-se à venda em papelarias. A Nota Fiscal pode ser corrigida por declaração em papel timbrado da empresa e com carimbo de CNPJ. Fica permitida a utilização de carta de correção, para regularização de erro ocorrido na emissão de documento fiscal, desde que o erro não esteja relacionado com: 38 Maio 2015

39 Conta Vinculada I - as variáveis que determinam o valor do imposto tais como: base de cálculo, alíquota, diferença de preço, quantidade, valor da operação ou da Prestação; II - a correção de dados cadastrais que implique mudança do remetente ou do destinatário; III - A data de emissão ou de saída. Encontra-se um modelo da carta de correção convencional de papel em anexo, (S). INCORREÇÕES NA NOTA FISCAL ELETRÔNICA CARTA DE CORREÇÃO ELETRÔNICA Cabe ao responsável (gestor) pela conta corrente vinculada, consultar se o Estado de origem da NFe emite carta de correção, permite cancelamento da NFe, e/ou faz Substituições e quais são os procedimentos. Essas informações podem ser obtidas através de consulta na Prefeitura do município ou cidade onde a NFe foi emitida. Atenção: Para notas fiscais eletrônicas somente é aceita a carta de correção eletrônica. DOCUMENTOS PARA AUXILIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS RECIBO DE ADIANTAMENTO PARA VIAGEM/MISSÃO Este recibo tem como finalidade demonstrar uma retirada de recursos para despesas a serem realizadas em viagens. Servirá também como documentação de apoio ao relatório financeiro, caso haja, uma prestação de contas cuja documentação de suporte (comprovantes, notas fiscais, recibos) ainda não tenha sido entregue. Isto é comum ocorrer quando os responsáveis pela conta vinculada ficam por períodos prolongados em viagens ou outros afastamentos. (Anexo S) Este recibo será emitido em duas vias. A 1ª para a Unidade de Conservação é devolvida ao favorecido pelo adiantamento, quando a prestação de contas for concluída. A 2ª via será encaminhada ao Funbio junto ao relatório financeiro. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 39

40 Conta Vinculada Quando o responsável retornar à UC, será preparada a Prestação de Contas de Adiantamento (Anexo R) demonstrando as despesas referentes a compras e outros gastos emergenciais, conforme previsto no POA e neste Manual. Nesse momento, o Recibo Provisório de Adiantamento será devolvido ao favorecido pelo adiantamento e substituído pelos comprovantes, podendo haver reembolso, se os gastos ultrapassarem o adiantamento, ou devolução de recursos para o saldo em caixa da conta vinculada da UC, se os gastos forem menores que o adiantamento. As diárias de viagem são pagas diretamente pelo Funbio, e nunca pela Conta Vinculada. Caso haja devolução de recursos, eles não podem ser depositados na conta vinculada, ficando na UC como recursos disponíveis em caixa. Atenção: É permitido somente um adiantamento de viagem/missão por prestação de contas. Outra solicitação só poderá ser feita quando a anterior concluída, ou seja, após a realização da prestação de contas. RECIBO DE PESSOA JURÍDICA O recibo de pessoa jurídica serve como um suporte para despesas com aquisição ou contratação de bens e serviços de Pessoa Jurídica em áreas remotas, onde não existir nota fiscal. Poderá ser preenchido pelo responsável pela Conta Corrente Vinculada. Para emissão do Recibo de Pessoa Jurídica o prestador de serviços e/ou estabelecimento deve ter CNPJ. Está em anexo as instruções para preenchimento deste recibo, (anexo T). RECIBO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO SEM VINCULO Este recibo só pode ser utilizado se o prestador de serviços (pessoa física) tiver inscrição no INSS ou PIS. Caso o prestador de serviços não seja inscrito no INSS ou no PIS, mas tenha CPF, o responsável pela conta corrente vinculada pode inscrevê-lo no INSS através do portal da Receita Federal. Deve-se levar em consideração para emissão deste recibo o item recolhimento de impostos. Seguem as instruções de preenchimento deste recibo em anexo, (anexo U). RECIBO DE DECLARAÇÃO O uso deste recibo está limitado a até R$ 30,00 (trinta reais) por recibo e a R$ 120,00 (cento e vinte reais) por adiantamento de viagem (Recibo de Adiantamento de Viagem/missão) por unidade de conservação. Portanto, a UC pode emitir até 4 (quatro) recibos no valor de R$ 30 (trinta reais) durante a viagem. O funcionário que estiver sujeito a situações de executar gastos sem comprovação, deverá portar consigo cópias deste recibo para futura prestação de contas. (Anexo V) 40 Maio 2015

41 Conta Vinculada Atenção: Este recibo somente poderá ser utilizado quando o gestor da unidade de conservação estiver em viagem/missão, ou seja, possuir adiantamento de viagem/missão, caso contrário os recibos não serão aceitos. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 41

42 Prestação de Contas no Sistema Cérebro Solicitações

43 Prestação de Contas no Sistema Cérebro PASSO A PASSO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS NO SISTEMA CÉREBRO Acesse o Cérebro Arpa em e entre com o usuário e senha fornecidos pela Gerência Arpa. Usuário e senha Passo 1. Escolher o Projeto. ARPA 2ª FASE Arpa 2ª FASE Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 43

44 Prestação de Contas no Sistema Cérebro Passo 2. Escolher a Unidade de Conservação. Clicar no nome da UC. Passo 3. Clicar em Prestação de Contas e em seguida Conta Vinculada. Prestação de Conta Conta Vinculada. 44 Maio 2015

45 Prestação de Contas no Sistema Cérebro Passo 4. Clicar na Janela que aparece nesta página e dar inicio ao preenchimento dos dados da Prestação de Conta Vinculada. Clicar na Janela que aparece neste campo Passo 5. Preencher os dados da Prestação de Contas. Passo 1: Período da prestação: Data inicial: um dia depois da data final do relatório anterior. (Automático) Data final: A mesma data do saldo bancário. (Deve ser preenchido no Ato). Passo 6: Escolher o Tipo de Documento. Passo 2: Nome: Procuradores da Conta. Ordenador 1 e 2. Passo 7: Valor do Documento. Passo 3: Marcar a opção informar despesa, caso não tenha despesas a serem declaradas, marcar Nada a Declarar. Passo 4: Número do Documento Passo 5: Data do documento. Passo 9: Após selecionar o insumo, o sistema irá conduzir novamente a página principal, RF, Clicar em Salvar Despesas. Ou se for o Orientações gerais para o dia caso, a Cancelar. dia do Arpa 45 Passo 8: Clicar na Janela, escolher um insumo para despesa.

46 Prestação de Contas no Sistema Cérebro Passo 6. Escolher o Insumo ao qual a despesa refere-se dentro da atividade especifica no POA e depois Selecionar. Passo 10: Escolher a que insumo e tarefa no POA a despesa referese. Passo 11: Após selecionar a despesa, marcar a opção selecionar. Na parte superior desta página. Voltar para o Passo 12: E seguir as instruções. 46 Maio 2015

47 Prestação de Contas no Sistema Cérebro Passo 7. Preencher os dados, referente à movimentação da conta. Receitas e Despesas. Passo 13: Preencher o campo com o valor do depósito feito na CV no período. Passo 14: Clicar em Calcular. Passo 15: Preencher o campo com o valor das taxas bancárias, cobradas pelo o banco no período da PCV. Passo 16: Clicar em Calcular. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 47

48 Prestação de Contas no Sistema Cérebro Passo 8. Preencher o campo Cheques não Compensados. Passo 01: Número do Cheque. Passo 02: Valor do Cheque. Passo 03: Data que o cheque foi emitido. Passo 06: Data em que o cheque foi compensado: Passo 07: Marcar esta opção quando o cheque for compensado. Passo 04: Clicar em Salvar. Passo 05: Clicar em editar, caso necessite alterar alguma informação referente ao cheque. Passo 08: Caso necessite, excluir e/ou cancelar o cheque. Atenção: Caso o cheque lançado na ultima prestação de contas, como não compensado, for compensado durante o período da prestação de contas atual, clicar na opção de editar onde aparece a lista de cheques não compensados e marcar a opção, compensado e Preencher o campo com a Data de Compensação. Passo 9. Preencher o campo Saldo Bancário. Passo 09. Preencher com o saldo bancário no dia em que a prestação de contas, está sendo encerrada. 48 Maio 2015

49 Prestação de Contas no Sistema Cérebro Passo 10. visualizar o Resumo, preencher o campo observação, salvar ou cancelar a Prestação de Contas e Enviá-la para aprovação. Passo 01: Preencher o campo observação. Ex. Atividade... Refere-se... Em virtude de... Cancelar a prestação de contas. Caso necessite. Passo 02: Salvar a prestação de contas. Antes de enviar para a aprovação. Passo 03: Após preencher todos os dados da prestação de contas, enviar para a aprovação. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 49

50 CEDOC - Centro de Documentação Solicitações

51 Centro de Documentação CEDOC CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO O Cedoc é a Unidade responsável pela manutenção da informação documental recebida e gerada pelas demais Unidades do Funbio em decorrência do desempenho de suas funções e atividades. Seu acervo está dividido em: bibliográfico, que corresponde às publicações adquiridas e as recebidas por doação ou divulgação, de interesse da instituição; e institucional, que compreende a documentação técnica e administrativa dos programas e projetos gerenciados pelo Funbio. Assim, os produtos resultantes das consultorias contratadas para atender algumas das demandas das Unidades de Conservação apoiadas pelo Programa Arpa também fazem parte desse acervo. Procurando estimular e promover o conhecimento sobre esses serviços contratados desde 2005, a equipe do Cedoc disponibilizou abaixo uma lista com o número de contratações feitas para cada UC. A Unidade dispõe aos gestores, sempre que solicitado, os produtos dessas contratações, sejam estas da UC a qual pertencem ou não. Acredita-se que essa ação pode resultar em benefícios para as Unidades de Conservação e seus gestores, tais como: conhecimento sobre os resultados das consultorias contratadas por todas as UCs desde então; redução de custo de novas contratações a partir do aproveitamento de trabalhos já realizados; suporte para avaliação dos consultores a serem escolhidos para a realização dos próximos trabalhos e; aprendizado a partir da troca de experiências entre gestores. Consultorias Contratadas pelo Funbio para o Programa ARPA de 2005 a agosto/2014 UC Nº Contratos ESEC Maracá 8 ESEC Juami-Japurá 1 Mosaico do Apuí 16 PARNA Anavilhanas 7 PARNA Cabo Orange 5 PARNA Campos Amazônicos 16 Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 51

52 Centro de Documentação PARNA Jaú 15 PARNA Juruena 2 PARNA Montanhas do Tumucumaque 7 PARNA Rio Novo 1 PARNA Serra da Cutia 4 PARNA Serra do Divisor 1 PARNA Viruá 12 PE Cantão 2 PE Chandless 3 PE Corumbiara 2 PE Cristalino I 1 PE Guajará-Mirim 2 PE Igarapés do Juruena 1 PE Matupiri 6 PE Nhamundá 1 PE Rio Negro - Setor Norte 2 RDS Igapó-Açu 2 RDS Piagaçu Purus 2 RDS Rio Amapá 1 RDS Rio Manicoré 1 RDS Uacari 1 REBIO Gurupi 1 REBIO Jaru 7 REBIO Lago Piratuba 19 REBIO Rio Trombetas 4 REBIO Tapirapé 3 REBIO Uatumã 5 REBIO Zona Costeira / Mar Territorial 1 52 Maio 2015

53 Centro de Documentação RESEX Alto Tarauacá 2 RESEX Arapixi 3 RESEX Arioca Pruanã 1 RESEX Auati-Paraná 5 RESEX Baixo Juruá 14 RESEX Baixo Rio Branco-Jauaperi 1 RESEX Barreiros das Antas 1 RESEX Catuá Ipixuna 5 RESEX Chico Mendes 3 RESEX Ipaú-Anilzinho 4 RESEX Lago do Capanã Grande 3 RESEX Mapuá 1 RESEX Maracanã 4 RESEX Rio Aripuanã 1 RESEX Rio Croa 4 RESEX Rio do Cautário 2 RESEX Rio Gregório 7 RESEX Rio Iriri 3 RESEX Rio Jutaí 4 RESEX Rio Unini 2 RESEX Rio Xingu 2 RESEX Riozinho do Anfrísio 2 RESEX Verde para Sempre 1 TOTAL 237 Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 53

54 Centro de Documentação Consultorias Contratadas pelo Funbio para o Programa ARPA 2005 a 2014 (contratações até agosto/2014) UC Consultor Descrição do serviço Contrato/Vigência ESEC Maracá Luís Antonio Barone TdR: Substituído pela consultora Lêda Leitão Martins (Contrato: 34/2007) Levantamento sócio-econômico de agricultores integrantes de Projetos de Assentamento do INCRA (s/n)/2005 Vigência: a (rescisão) ESEC Maracá Francisco Javier F. Fawaz TdR: Estruturação de Sistema de Informações Geográficas (SIG) e produção de mapas como subsídio à elaboração do Plano de Manejo 29/2007 Vigência: a ESEC Maracá Leda Leitão Martins TdR: Substituiu o consultor Luis Antonio Barone (Contrato: (s/n)/2005) Levantamento de informações sociais, ecnonômicas e culturais junto às comunidades indígenas localizadas no entorno da UC, a fim de subsidiar a elaboração de seu Plano de Manejo 34/2007 Vigência: a (rescisão) ESEC Maracá Rafael Luis Fonseca TdR: Elaboração do Plano de Manejo 1/2008 Vigência: a ESEC Maracá Angela Cordeiro TdR: Moderação da Oficina de Planejamento Participativo - OPP, do Plano de Manejo da ESEC 22/2008 Vigência: 18.4 a ESEC Maracá ANV Construções Ltda TdR: / / / Execução de obras de reforma nas edificações da sede da UC 55/2008 Vigência: a ESEC Maracá Rodrigo Edson Castro Avila TdR: Assessoramento na avaliação técnica e física das obras de reforma da sede 58/2008 Vigência: a ESEC Maracá Pedro Hees TdR: Elaboração do projeto básico (urbanização, arquitetura e projetos complementares e instalações prediais) para reforma do conjunto das edificações da UC (s/n)/2006 Vigência: a Maio 2015

55 Centro de Documentação ESEC Juami- Japurá Jeferson Straatmann TdR: Moderação de reuniões e oficinas para criação do Conselho Consultivo 82/2007 Vigência: a Mosaico do Apuí Aluízio Gomes da Fonseca TdR: Assessoramento à SDS-AM na avaliação técnica de bases flutuantes, no âmbito do Programa Arpa (Resex Catuá Ipixuna, PE Rio Negro e Mosaico do Apuí) 14/2008 Vigência: a Mosaico do Apuí Carla Salvador de Oliveira TdR: Adequação do projeto executivo da sede 30/2008 Vigência: a Mosaico do Apuí Gleomar Fabiano Maschio TdR: Elaboração do laudo biológico de herpetofauna para elaboração do Plano de Gestão 8/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Paulo Rubim TdR: Elaboração do laudo florístico e fitossociológico, visando à elaboração do Plano de Gestão 16/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Tulio Franco Teixeira TdR: Elaboração de laudo Biológico de Ictiofauna para elaboração do Plano de Gestão da UC 17/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Wellington da Silva Pedroza TdR: Elaboração do laudo biológico de ictiofauna, visando à elaboração do Plano de Gestão 18/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Daniel Pereira Munari TdR: Elaboração do laudo Biológico da Mastofauna, para subsidiar a elaboração do Plano de Gestão 21/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Willian Massaharu Ohara TdR: Elaboração do laudo biológico de Ictiofauna para elaboração do Plano de Manejo 22/2009 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 55

56 Centro de Documentação Mosaico do Apuí Frank Raynner Vasconcelos Ribeiro TdR: Elaboração do laudo biológico de ictiofauna para elaboração do Plano de Gestão 23/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Flavia Dinah Rodrigues de Souza TdR: Elaboração do laudo florístico e fitossociológico visando à elaboração do Plano de Gestão 25/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Marco Aurelio da Silva TdR: Elaboração do laudo biológico de Avifauna, visando à elaboração do Plano de Manejo 28/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Eduardo Matheus von Muhlen TdR: Elaboração do laudo biológico de mastofauna, para subsidiar a elaboração do Plano de Gestão 29/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí João Vitor Campos e Silva TdR: Elaboração do laudo biológico de Avifauna para elaboração do Plano de Gestão da UC 32/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Construtora Silva & Silva Ltda TdR: Construção de duas bases flutuantes na UC 35/2010 Vigência: a Mosaico do Apuí Ricardo Afonso M. de Almeida TdR: Elaboração do laudo biológico de avifauna, para subsidiar a elaboração do Plano de Gestão 48/2009 Vigência: a Mosaico do Apuí Erimar Pontes Santiago TdR: Adequação e controle do projeto executivo e acompanhamento técnico do processo de licitação das fases da construção da sede da UC 115/2009 Vigência: a PARNA Anavilhanas Jane Regina Damian TdR: Dimensionamento das ações de divulgação da UC (s/n)/2005 Vigência: a Maio 2015

57 Centro de Documentação PARNA Anavilhanas Ulli Guerreiro de Toledo TdR: Elaboração dos projetos físicos da reforma da Base 2 16/2006 Vigência: a PARNA Anavilhanas Marco Antonio de Aquino Bastos TdR: Elaboração dos projetos físicos da reforma do flutuante garagem 5/2007 Vigência: a PARNA Anavilhanas Marcelo Moreira Costa TdR: Implantação de um Sistema de Informação Geográfico e banco de dados estruturado para o monitoramento ambiental descentralizado e capacitação técnica de integrantes da UC 31/2007 Vigência: a PARNA Anavilhanas Emanuela Alfieri Ginez TdR: Elaboração e implementação de atividades de educação ambiental 40/2007 Vigência: a PARNA Anavilhanas Internave Engenharia Ltda TdR: Elaboração do projeto de demarcação e balizamento do trecho da hidrovia do Rio Negro que abrange a UC 78/2007 Vigência: a PARNA Anavilhanas Maria de Nazaré de Lima Ribeiro TdR: Realização de estudos específicos sobre aspectos socioeconômicos e históricoculturais, visando a revisão do Plano de Manejo 54/2010 Vigência: a PARNA Cabo Orange Emplacon Empreendimentos - EPP. TdR: Execução de obras de construção da base de apoio de Cunani - alojamento do PARNA Cabo Orange (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Cabo Orange Norsegel Vigilância e Transporte de Valores S/A TdR: Serviços de vigilância armada (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Cabo Orange Patrícia Daniele Andrade de Souza TdR: 001/2006 Realização de levantamento bibliográfico e compilação de informações para subsidiar a elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2005 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 57

58 Centro de Documentação PARNA Cabo Orange Terraplus Gestão Empresarial Ltda TdR: Serviços de geoprocessamento e sistema de informação geográfica, e capacitação de software SIG da equipe da UC 22/2007 Vigência: a PARNA Cabo Orange Belov Engenharia Ltda TdR: Desenvolvimento de projeto de sinalização náutica (bóias marinhas) 64/2007 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Paulo Sérgio Bernarde TdR: Realização de pesquisa sobre o tema herpetofauna no diagnostico ambiental que subsidiará a elaboração do Plano de Manejo 53/2008 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Cecilia Alarsa TdR: Substituída pela consultora Jane Maria de Oliveira Vasconcelos (Contrato: 75/2009) Coordenação do diagnóstico ambiental, e estruturação e redação do Plano de Manejo 54/2008 Vigência: a (rescisão) PARNA Campos Amazônicos Ayslaner Victor Gallo de Oliveira TdR: Caracterização Floristica e de Formações Vegetais afim de subsidiar a elaboração do Plano de Manejo 59/2008 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Rosalvo Duarte Rosa TdR: Realização de pesquisa sobre ictiofauna no diagnóstico ambiental, visando à elaboração do Plano de Manejo 68/2008 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Aurelina Viana dos Santos TdR: Coordenação e elaboração de diagnóstico socioambiental, visando subsidiar a elaboração do Plano de Manejo 27/2009 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Jane Maria de Oliveira Vasconcelos TdR: Consolidação do diagnostico ambiental, estruturação e redação dos encartes 1,2,3 e 4 e o resumo executivo do Plano de Manejo 75/2009 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Alessandro de Oliveira Neiva TdR: Complementa o trabalho da consultora Jane Maria de Oliveira Vasconcelos (Contrato: 75/2009) Formatação e revisão ortográfica, semântica e gramatical do Plano de Manejo 47/2010 Vigência: a Maio 2015

59 Centro de Documentação PARNA Campos Amazônicos José Luciano de Souza TdR: Desenvolvimento de CD Rom interativo do Parque 109/2010 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Leila Mattos Araujo Nápoles TdR: Facilitação da reunião de formalização e posse do Conselho Consultivo da UC e capacitação dos conselheiros em elaboração de regimento Interno e Plano de Ação 10/2013 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Juliano Lamb e Oliveira TdR: Elaboração de logomarca e Manual da Identidade Visual da UC 71/2013 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Mamoré Construção e Meio Ambiente TdR: Elaboração de projeto arquitetônico para construção de uma base de apoio no interior da UC 83/2013 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Leila Mattos Araújo Nápoles TdR: Capacitação dos Conselhos e suas respectivas Associações Membros do Conselho Consultivo do PARNA dos Campos Amazônicos - CONCAMPOS 115/2013 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Érica das Neves Bettiol TdR: Ilustração e diagramação da Cartilha do Conselheiro da UC 004/2014 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Núbia Vieira Cardoso TdR: Moderação e medição de conflitos na 2ª Reunião Ordinária do Conselho da UC 47/2014 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Ricardo Theophilo Folhes TdR: Elaboração de levantamento fundiário do Parque Nacional dos Campos Amazônicos 60/2014 Vigência: a PARNA Campos Amazônicos Érica das Neves Bettiol TdR: Facilitação em interpretação através de ícones gráficos e sistematização gráfica da 2ª Reunião Ordinária do Conselho do Parna Campos Amazônicos 106/2014 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 59

60 Centro de Documentação PARNA Jaú Jorge Luis de Araújo Bastos TdR: 733/2005 Elaboração do projeto executivo da casa do chefe/alojamento, a ser construída no Parque (s/n)/2005 Vigência: a PARNA Jaú Sherre Prince Nelson TdR: Elaboração de Projetos de Interpretação Ambiental e de Sinalização Visual (s/n)/2005 Vigência: a PARNA Jaú Therese Genevieve B. Aubreton TdR: Realização de estudos técnicos, coordenação de uma equipe de consultores e elaboração de TdR para concessão de serviços e atividades de uso público na UC (s/n)/2005 Vigência: a PARNA Jaú Marco Antônio de Aquino Bastos TdR: Elaboração de estudos técnicos das alternativas de transporte e logística para atender ao turismo na UC (s/n)/2005 Vigência: a PARNA Jaú Elétrica Santa Bárbara Ltda. Pedido de Compra Reforma e recuperação do Flutuante-Base Carabinani (s/n)/2005 Vigência: a PARNA Jaú Ruth Helena Cristo de Almeida TdR: Moderação de oficina sobre Conselho Consultivo para comunitários do Parque (s/n)/2005 Vigência: a PARNA Jaú Jorge Luis de Souza Pimentel TdR Elaboração dos projetos físicos das reformas das instalações flutuantes e centro de visitantes do Parque (s/n)/2005 Vigência: a PARNA Jaú Jefferson Rebello TdR: Elaboração de projeto de exposição para a comemoração dos 25 anos da UC (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Jaú Daniel Caetano Caldas Ramos TdR: Elaboração de projeto de divulgação da UC, definindo um plano estratégico de comunicação e marketing (s/n)/2006 Vigência: a (rescisão) 60 Maio 2015

61 Centro de Documentação PARNA Jaú Marcos Rodolfo Amend TdR: Realização de estudos de viabilidade econômica de atividades de uso público (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Jaú Marco Antonio de Aquino Bastos TdR: Elaboração do projeto executivo de garagem náutica flutuante (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Jaú Patrícia da Silva TdR: Elaboração e análise de cadeias dominais sucessórias, e levantamento de terras públicas inseridas nos limites do Parque, visando à elaboração de histórico sobre a implementação da UC (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Jaú Ulli Guerreiro de Toledo TdR: Elaboração de projeto executivo de um centro de visitantes para a UC 41/2007 Vigência: a PARNA Jaú Fábio Sian Martins TdR: Criação e produção de materiais gráficos voltados à divulgação da UC 106/2009 Vigência: a PARNA Jaú Moden Modelo de Engenharia Ltda TdR: Execução da reforma geral do Ancoradouro da UC 48/2010 Vigência: a PARNA Juruena Alessandro de Oliveira Neiva TdR: Revisão ortográfica, semântica e gramatical, e formatação de texto da apresentação dos encartes, resumo e anexos do Plano de Manejo da UC 50/2010 Vigência: a PARNA Juruena José Luciano de Souza TdR: Desenvolvimento, diagramação e reprodução de CD interativo e implantação no site do ICMBio 97/2010 Vigência: a PARNA Montanhas do Tumucumaque Paulo Roberto Sposito de Oliveira TdR: Promoção e moderação de oficina para capacitação do Conselho Consultivo da UC (s/n)/2005 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 61

62 Centro de Documentação PARNA Montanhas do Tumucumaque Dominique Tilkin Gallois TdR: 002/2005 Realização de estudo sobre aspectos histórico-culturais visando à elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2005 Vigência: a PARNA Montanhas do Tumucumaque Simone da Silva Figueiredo TdR: Realização de estudo na área de socioeconomia visando subsidiar a elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2005 Vigência: a PARNA Montanhas do Tumucumaque Paulo Roberto Sposito de Oliveira TdR: Moderação de oficinas para comunidades do entorno da UC, técnicos e conselheiros, visando à elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Montanhas do Tumucumaque Nelson Matos Serruya TdR: Elaboração de estudos sobre clima, geologia, geomorfologia e solos, visando à elaboração do Plano de manejo 32/2007 Vigência: a PARNA Montanhas do Tumucumaque Claudia Funi TdR: Elaboração de projeto e posterior implantação de Sistema de Informações Geográficas, visando auxiliar a Gestão do Parque 43/2007 Vigência: a PARNA Montanhas do Tumucumaque Artur Arias Dutra TdR: Elaboração de conteúdo e diagramação da publicação sobre o Conselho Consultivo do Parque 093/2010 Vigência: a PARNA Serra da Cutia Sérgio Augusto de Aviz Cunha TdR: Elaboração da Identidade Visual do Parque (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Serra da Cutia Nelson Cardoso da Silveira Filho TdR: Realização de capacitação visando à consolidação do Conselho Consultivo 81/2007 Vigência: a PARNA Serra da Cutia Construtora L. Max Villar Ltda TdR: Execução de obras de edificação da base de apoio da UC 12/2009 Vigência: a Maio 2015

63 Centro de Documentação PARNA Serra da Cutia Germano Everson de Oliveira Bello TdR: Assessoramento na avaliação técnica e física das obras referentes à construção do Posto de Apoio da UC 33/2009 Vigência: a PARNA Serra do Divisor Valéria de Fátima Gomes Pereira TdR: Realização de estudos de geografia física acerca das paisagens do território e região do Parque, e estruturação de uma SIG, para subsidiar a gestão da UC 7/2007 Vigência: a PARNA Viruá Luiz Gustavo Telles de Miranda TdR: Elaboração de logomarca e definição da identidade visual da UC (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Viruá José Frutuoso do Vale Júnior TdR: Realização de estudos pedológicos acerca das paisagens do território e região do Viruá, afim de subsidiar a elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Viruá Efrem Jorge Gondim Ferreira TdR: Realização de inventário de peixes, afim de subsidiar a elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a PARNA Viruá Giselle Brito de Carvalho TdR: Elaboração e acompanhamento da execução do projeto executivo de ampliação do Posto Avançado da Estrada Perdida (s/n)/2006 Vigência: a (rescisão) PARNA Viruá Rogério Gribel Soares Neto TdR: Realização de inventários florístico e caracterização de formações vegetais, visando subsidiar a elaboração do Plano de Manejo 9/2006 Vigência: a PARNA Viruá Arnaldo Carneiro Filho TdR: Realização de estudos de geografia física da região da UC e estruturação de SIG, para subsidiar a elaboração do Plano de Manejo 10/2006 Vigência: a (rescisão) PARNA Viruá Luiz Flamarion Barbosa de Oliveira TdR: Realização de inventários e análises de distribuição de fauna 17/2006 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 63

64 Centro de Documentação PARNA Viruá Marcelo Gordo TdR: Realização de estudos sobre herpetofauna, visando subsidiar a elaboração do Plano de Manejo 4/2007 Vigência: a PARNA Viruá Stélio Soares Tavares Junior TdR: Substituído pelo consultor Carlos Ernesto Reynaud Schaefer (Contrato 55/2009) Estruturação de Banco de Dados Geográficos e produção de mapas, para subsidiar a elaboração do Plano de Manejo 75/2007 Vigência: a (rescisão) PARNA Viruá Mario Eric Cohn-Haft TdR: Realização de inventários e análises de distribuição de aves, afim de subsidiar a elaboração do Plano de Manejo 9/2008 Vigência: a PARNA Viruá Carlos Ernesto Reynaud Schaefer TdR: Realização de estudos sobre meio Fisico da UC e sua região 44/2008 Vigência: a PARNA Viruá Carlos Ernesto Reynaud Schaefer TdR: Substituiu o consultor Stélio Soares (Contrato: 75/2007) Estruturação de banco de dados geográficos e produção de mapas, visando subsidiar a elaboração do Plano de Manejo 55/2009 Vigência: a PE Cantão Adriano Alves da Silva TdR: Elaboração de logomarca, layout e arte final para cartaz, folder e cartilha, visando a criação de uma identidade visual para a UC 49/2007 Vigência: a PE Cantão Adriano Alves da Silva TdR: Criação de Website visando à divulgação da UC 65/2007 Vigência: a PE Chandless SOS Amazônia TdR: Elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2007 Vigência: a PE Chandless Teones Bastos de Oliveira TdR: Elaboração da identidade visual da UC 9/2007 Vigência: a Maio 2015

65 Centro de Documentação PE Chandless Gustavo Gonçalves Cardial TdR: Desenvolvimento de um web sítio para a UC 91/2014 Vigência: a PE Corumbiara STCP Engenharia de Projetos Ltda TdR: Revisão do Plano de Manejo 27/2007 Vigência: a PE Corumbiara CLG da Silva TdR: Elaboração, criação e finalização de material de divulgação da UC 63/2007 Vigência: a PE Cristalino I Jane Vasconcelos TdR: Complementação e redação do Plano de Manejo 97/2009 Vigência: a PE Guajará- Mirim Mônica Auxiliadora Grandchamp TdR: Criação de Identidade Visual da UC (logomarca, manual de aplicação, layout) 59/2007 Vigência: a PE Guajará- Mirim Associação de Defesa Etno-Ambiental - Kanindé TdR: Elaboração do Plano de Manejo do Parque Estadual Guajará- Mirim 42/2014 Vigência: a PE Igarapés do Juruena Ambiental Consultoria e Assessoria Ltda TdR: Realização de Avaliação Ecológica Rápida, e elaboração do Plano de Manejo 48/2007 Vigência: a PE Matupiri Ricardo Laerte Romero TdR: Coordenação da logística na elaboração dos Laudos Biológicos 1/2013 Vigência: a PE Matupiri Wellington Silva Pedroza TdR: Desenvolvimento do laudo biológico de ictiofauna para elaboração do Plano de Gestão da UC 5/2013 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 65

66 Centro de Documentação PE Matupiri Flavio Magalhães Costa TdR: Desenvolvimento do laudo florístico e fitossociológico, para elaboração do Plano de Gestão da UC 9/2013 Vigência: a PE Matupiri Adriane Aparecida de Morais TdR: Desenvolvimento do laudo biológico de mastofauna, para elaboração do Plano de Gestão da UC 15/2013 Vigência: a PE Matupiri Vinicius Tadeu de Carvalho TdR: Desenvolvimento do Laudo Biológico de Herpetofauna, para elaboração do Plano de Gestão da UC 25/2013 Vigência: a PE Matupiri Ricardo Afonso Machado de Almeida TdR: Desenvolvimento do laudo biológico de avifauna para elaboração do Plano de Gestão da UC 47/2013 Vigência: a PE Nhamundá Lidiane Gomes Lobo TdR: Realização de capacitação em educação ambiental (s/n)/2006 Vigência: a PE Rio Negro - Setor Norte Lidiane Gomes Lobo TdR: Realização de capacitação em educação ambiental no PE do Rio Negro - Setor Norte (s/n)/2006 Vigência: a PE Rio Negro - Setor Norte Aluizio Gomes da Fonseca TdR: Adequação do projeto técnico da base do flutuante da UC 110/2010 Vigência: a RDS Igapó- Açu Josinaldo Aleixo de Sousa TdR: / / Elaboração do volume II do Plano de Gestão da UC 96/2013 Vigência: a RDS Igapó- Açu Josinaldo Aleixo de Sousa TdR: Facilitação de oficinas de fortalecimento comunitário, preparação para formação do Conselho Gestor e capacitação de Conselheiros na UC 021/2014 Vigência: a Maio 2015

67 Centro de Documentação RDS Piagaçú- Purus Rosélis Mazurek TdR: Consolidação do Plano de Gestão da RDS 116/2009 Vigência: a RDS Piagaçú- Purus Associação Piagaçu TdR: Apoio à complementação de estudos biológicos e socioeconômicos e avaliação estratégica para levantamento de informações para elaboração do plano de Gestão da UC 59/2014 Vigência: a RDS do Rio Amapá Sandra Regina da Costa TdR: Realização de atividades visando à consolidação do Plano de Gestão 77/2009 Vigência: a RDS de Uacari Luiz Augusto Mesquita de Azevedo TdR: Realização de estudos e participação em atividades com equipe de planejamento a fim de subsidiar a consolidação do Plano de Gestão 44/2007 Vigência: a RDS Rio Manicoré Rogério Fonseca TdR: Realização de diagnóstico ambiental para a caracterização biótica para o processo de criação da RDS 78/2013 Vigência: a REBIO Gurupi Laíse Carvalho Silva TdR: Atualização, organização e sistematização do banco de dados e para análise de dados temporais e espaciais sobre os temas físicos, bióticos, fundiários e socioeconômicos da Unidade. 130/2013 Vigência: a REBIO Jaru Sonia Nicolau dos Santos TdR: Realização de pesquisa na área de socioeconomia a fim de subsidiar a revisão do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a REBIO Jaru Roberto Antonelli Filho TdR: Coordenação da Avaliação Ecológica Rápida, a fim de subsidiar a revisão do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a REBIO Jaru Dante Renato Correa Buzzetti TdR: Realização de pesquisa sobre avifauna na Avaliação Ecológica Rápida, a fim de subsidiar a revisão do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 67

68 Centro de Documentação REBIO Jaru Jane Maria de Oliveira Vasconcellos TdR: Revisão dos relatórios dos diagnósticos temáticos e estruturação e redação do documento final da revisão do Plano de Manejo 25/2007 Vigência: a REBIO Jaru Nelson Cardoso da Silveira Filho TdR: Moderação da Oficina de Planejamento Participativo a fim de subsidiar a revisão do Plano de Manejo 35/2007 Vigência: a REBIO Jaru Alessandro de Oliveira Neiva TdR: Formatação e revisão ortográfica, semântica e gramatical do Plano de Manejo 92/2009 Vigência: a REBIO Jaru Érica das Neves Bettiol TdR: Criação da identidade visual da Rebio Jaru 116/2011 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Jesus Manuel Delgado Mendez TdR: 003/2005 Elaboração do "Programa de Educação Ambiental da Reserva Biológica do Lago Piratuba" (s/n)/2005 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Aguinaldo José Gomes de Melo TdR: Capacitação das comunidades residentes e do entorno da UC, através do desenvolvimento de oficinas de motivação e associativismo (s/n)/2005 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Ana Liliam Costa de Oliveira TdR: Capacitação das comunidades residentes e do entorno da UC, através de oficinas de motivação e associativismo (s/n)/2005 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Kao Yung Ho TdR: Elaboração de projeto técnico de embarcação regional e base flutuante para Rebio do Lago Piratuba, incluindo o acompanhamento das construções (s/n)/2006 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Ricardo Ramos Cerqueira TdR: Facilitação da reunião de implantação do Conselho Consultivo e de oficina de liderança e cidadania (s/n)/2006 Vigência: a Maio 2015

69 Centro de Documentação REBIO Lago Piratuba Henrique Plombon Pinheiro TdR: Elaboração do projetos de arquitetura e projetos complementares para a Sede Administrativa da UC e reforma de edificações, e acompanhamento das obras (s/n)/2006 Vigência: a (rescisão) REBIO Lago Piratuba Ana Liliam Costa de Oliveira TdR: Realização de oficinas de elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Carlos Emanuel Sautchuk TdR: Realização de levantamento bibliográfico sobre a UC e seu entorno, a fim de fornecer subsídios para a elaboração do Plano de Manejo 1/2007 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Jucimar Coelho Barbosa TdR: Promover capacitação em Sistema de Informação Geográfica (SIG) para a equipe da UC 21/2007 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Patrícia da Silva TdR: Elaboração de diagnóstico da situação fundiária da UC, no que tange à cadeias dominiais sucessórias e levantamento de terras públicas 23/2007 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Henrique Plombon Pinheiro TdR: Elaboração de projeto de arquitetura e projetos complementares para a construção de uma base de apoio no município de Cutias do Araguari, e acompanhamento das obras 30/2007 Vigência: a (rescisão) REBIO Lago Piratuba Alexandre Brito Pereira TdR: Elaboração de material gráfico 54/2007 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Ricardo Ramos de Cerqueira TdR: 004/2006 Facilitação do processo de elaboração dos Termos de Compromisso com a população residente na UC 66/2007 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Luciana Guidoux Kalil TdR: Facilitação e instrução do curso de biossistemas integrados para a população residente na UC 21/2008 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 69

70 Centro de Documentação REBIO Lago Piratuba Arilson de Oliveira Teixeira TdR: Realização de serviços de geoprocessamento e sistemas de informação geográfica 46/2008 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Cecília Heidrich Prompt TdR: Assessoramento técnico, capacitação de mão-de-obra e fiscalização da construção de uma base de apoio no município de Cutias do Araguari, entorno da UC 42/2010 Vigência: a REBIO Lago Piratuba F.N. Cavalcante Construções Ltda TdR: Construção ou reforma de postos de fiscalização / base de apoio flutuante 082/2010 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Raimundo José da Costa Queiroga TdR: Elaboração de diagnóstico da situação fundiária da UC 123/2010 Vigência: a REBIO Lago Piratuba Sérgio Borges Paim Pamplona TdR: Elaboração dos projetos de arquitetura e complementares para as bases de campo do Igarapé do Tabaco e do Lago Comprido de Cima 001/2014 Vigência: a REBIO Tapirapé R.V. Construtora e Locadora de Autos Ltda TdR: Reforma do Posto do Bacaba 45/2007 Vigência: a REBIO Tapirapé Ambiental Consultoria e Assessoria Ltda TdR: Elaboração do Plano de Manejo, com ênfase na definição de diretrizes, prioridades e procedimentos operacionais 80/2007 Vigência: a REBIO Tapirapé Ricardo Theophilo Folhes TdR: Elaboração de estudos referentes ao diagnóstico da situação fundiária da Rebio de Tapirapé 117/2011 Vigência: a REBIO Rio Trombetas Marcelo Storni Mandelli TdR: 723/05 Levantamento e sistematização de informações, trabalhos científicos e demais publicações referentes à UC e sua Zona de Amortecimento (s/n)/2005 Vigência: a Maio 2015

71 Centro de Documentação REBIO Rio Trombetas Núcleo Macacoprego de Vivências Ambientais e Culturais TdR: Cadastro de ocupantes com geração de banco de dados georeferenciado, destinado à elaboração do Termo de Compromisso entre as populações remanescentes de quilombo e o Ibama (s/n)/2006 Vigência: a REBIO Rio Trombetas Rocha Andrade & Andrade Ltda-ME TdR: Execução de reforma das Bases Tabuleiro e Santa Rosa 28/2007 Vigência: a REBIO Rio Trombetas Patrícia da Silva TdR: Elaboração de diagnóstico da situação fundiária da UC, no que tange à cadeias dominiais sucessórias e levantamento de terras públicas 36/2007 Vigência: a REBIO Uatumã Soledad Maria Holzhausen Nevelle TdR: Inventário e estudos biológicos e ecológicos da comunidade de quelônios (s/n)/2006 Vigência: a REBIO Uatumã Fábio Sian Martins TdR: Elaboração de cartilhas, cartazes e aquisição de material didático (s/n)/2006 Vigência: a REBIO Uatumã Rodrigo Neves dos Santos TdR: Levantamento e avaliação dos recursos pesqueiros do reservatório do Lago de Balbina e da UC, como fonte de subsídios para o Acordo de Pesca local 76/2007 Vigência: a REBIO Uatumã Fábio Sian Martins TdR: Elaboração de material de divulgação da UC e do Conselho Consultivo 2/2008 Vigência: a REBIO Uatumã Lauren Belger TdR: Avaliação de possíveis impactos da Mineração Taboca sobre o ecossistema aquático local 29/2008 Vigência: a (rescisão) REBIO Zona Costeira / Mar Territorial Cesar de Oliveira Haag TdR: Elaboração de Diagnóstico Socioeconômico para criação de Unidade de Conservação Estadual 35/2014 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 71

72 Centro de Documentação RESEX Alto Tarauacá Urbano Lopes da Silva Junior TdR: Substituido pela consultora Silmara de Cássia Luciano (Contrato 114/2009) Levantamento de dados a partir de Avaliação Ecológica Rápida para elaboração do Plano de Manejo - Fase I 74/2009 Vigência: a (rescisão) RESEX Alto Tarauacá Silmara de Cássia Luciano TdR: Substituiu o Consultor Urbano Lopes da Silva Junior (Contrato: 74/2009) Elaboração da fase 1 do Plano de Manejo 114/2009 Vigência: a RESEX Arapixi Marcelo Salazar TdR: Planejamento, coordenação e participação nas atividades de mobilização, sensibilização, cadastramento e diagnóstico da UC 40/2008 Vigência: a RESEX Arapixi Valéria Oliveira de Vasconcelos TdR: Planejamento, coordenação e participação nas atividades de mobilização, sensibilização, diagnóstico, cadastramento e formação do Conselho Deliberativo 41/2008 Vigência: a RESEX Arapixi Valeria Oliveira de Vasconcelos TdR: Elaboração do Plano de Manejo, com ênfase na sistematização e análise de informações disponíveis sobre a unidade e a realização de trabalhos participativos com a população da área 71/2009 Vigência: a RESEX Arioca Pruanã Jorge Pinto da Silva TdR: Cadastro de moradores, diagnóstico socioambiental, plano de utilização e formação de Conselho Deliberativo da Resex Arioca Pruanã 77/2011 Vigência: a RESEX Auati- Paraná Daniela Alves Carvalho TdR: Formação e implantação do Conselho Deliberativo (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Auati- Paraná José Maria Batista Damasceno TdR: Elaboração das diretrizes para o Plano de Manejo Pesqueiro (s/n)/2006 Vigência: a (rescisão) RESEX Auati- Paraná Aguimar Vasconcelos Simões TdR: Elaboração das diretrizes para o Plano de Manejo e implementação de boas práticas na coleta e armazenamento da castanha da amazônia (s/n)/2006 Vigência: a Maio 2015

73 Centro de Documentação RESEX Auati- Paraná Daniela Alves Carvalho TdR: Realização de atividades visando à instalação do Conselho Deliberativo 44/2009 Vigência: a RESEX Auati- Paraná Aluizio Gomes da Fonseca TdR: Elaboração do projeto arquitetônico executivo de base flutuante do ICMBio, a ser construída na Reserva Extrativista Auatí-Paraná, município de Fonte Boa, Estado do Amazonas 38/2014 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Liliane Martins Teixeira TdR: Realização de estudos e elaboração do Plano de Manejo de produtos florestais (parte II) (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Arnaldo Carneiro Filho TdR: Realização de estudos de geografia física das paisagens da região da Reserva e sua zona de amortecimento, para subsidiar a elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Tony Marcos Porto Braga TdR: Realização de atividades e estudos visando à elaboração do Plano de Manejo Pesqueiro (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Vilany Matila Colares Carneiro TdR: Realização de atividades e estudos visando à elaboração do Plano de Manejo de Produtos Florestais (parte I) (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Marina Anciães TdR: Realização de estudos, planejamento de oficinas e elaboração do Plano de Manejo da Fauna (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Lilia de Lourdes Oliveira Nogueira TdR: Elaboração do Plano de Manejo de Ecoturismo (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Cristiano Gonçalves TdR: Elaboração de Plano de Manejo Pesqueiro (s/n)/2006 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 73

74 Centro de Documentação RESEX Baixo Juruá Paulo Henrique Guimarães de Oliveira TdR: Realização de estudos e elaboração do Plano de Manejo de Fauna (répteis e anfíbios) (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Tharcisio Santiago Cruz TdR: Realização da caracterização socioeconômica da UC visando à elaboração do Plano de Manejo 10/2007 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Rafael Pinzón Rueda TdR: Coordenação do processo de elaboração das Regras de Convivência e elaboração do documento final do Plano de Manejo 16/2007 Vigência: a (rescisão) RESEX Baixo Juruá Edison Mileski TdR: Substituído pelo consultor Marcelo Salazar (Contrato 39/2008) Elaboração das Regras de Convivência para o Plano de Manejo 77/2007 Vigência: a (rescisão) RESEX Baixo Juruá Marcelo Salazar TdR: Substituiu o consultor Edison Mileski (Contrato 77/2007) Continuação do processo de elaboração das Regras de Convivência e elaboração do documento final do Plano de Manejo da UC 39/2008 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Pablo Pacheco TdR: Diagnóstico da dinâmica do desmatamento e uso da terra 1/2012 Vigência: a RESEX Baixo Juruá Mauro Luis Ruffino TdR: Realização de curso de capacitação para pescadores sobre Manejo Comunitário, Gestão Compartilhada e Recursos Pesqueiros e Reciclagem em Contagem e Monitoramento do Pirarucu Manejado 81/2013 Vigência: a RESEX Baixo Rio Branco- Jauaperi Luiz Antonio Nascimento de Souza TdR: Realização do Diagnóstico Rural Participativo visando à elaboração do Plano de Manejo 11/2007 Vigência: a RESEX Barreiros das Antas Jeferson Straatman TdR: Elaboração do Plano de Manejo Participativo 46/2009 Vigência: a Maio 2015

75 Centro de Documentação RESEX Catuá Ipixuna Esquadros Ltda Pedido de Cotação Elaboração do projeto arquitetônico de uma base flutuante para a Resex Catuá- Ipixuna (s/n)/2005 Vigência: a RESEX Catuá Ipixuna Marcelo Salles Rocha TdR: Elaboração de laudo biológico de ictiofauna, visando elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Catuá Ipixuna Daniel Pereira Munari TdR: Elaboração do laudo biológico de mastofauna, visando a elaboração do Plano de Manejo (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Catuá Ipixuna Graziela Mônaco Biavati TdR: Elaboração de laudo biológico de herpetofauna, visando elaboração do Plano de Manejo 2/2007 Vigência: a RESEX Catuá Ipixuna Aurelina Viana dos Santos TdR: Realização de estudos e participação em oficinas visando a elaboração e consolidação do Plano de Gestão 45/2009 Vigência: a RESEX Chico Mendes R. S. Freitas Juca - ME TdR: Desenvolvimento de módulo WEB de Geoprocessamento 119/2013 Vigência: a RESEX Chico Mendes Angelo Régis Macuco Mateus TdR: Elaboração da Identidade Visual e Manual de Aplicação da Resex Chico Mendes 139/2013 Vigência: a RESEX Chico Mendes Associação SOS Amazônia TdR: Elaboração das diretrizes para definir o pré-planejamento da revisão do Plano de Manejo da UC, com participação social e aprimoramento do conhecimento sobre Recursos Naturais e Socioeconômicos 71/2014 Vigência: a RESEX Rio do Cautário Renata Teixeira de Oliveira TdR: Elaboração do Plano de Manejo Participativo 60/2009 Vigência: a (rescisão) Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 75

76 Centro de Documentação RESEX Rio do Cautário Associação de Defesa Etno-Ambiental - KANINDÉ TdR: Realização de estudos do Plano de Manejo da Resex Rio Cautário 124/2013 Vigência: a RESEX Ipaú- Anilzinho Raul Chucair do Couto TdR: Desenvolvimento de atividades para criação de Conselho Deliberativo, integradas à elaboração da 1ª Fase do Plano de Manejo 56/2007 Vigência: a RESEX Ipaú- Anilzinho Raul Chucair do Couto TdR: Elaboração do Plano de Manejo - Fase 1, visando a definição das Regras de Convivência e dos Programas de Sustentabilidade Ambiental e Socioeconômica 57/2007 Vigência: a RESEX Ipaú- Anilzinho Maria Antônia Santos do Nascimento TdR: Assessoria no Levantamento da Situação Fiscal e Legal da Associação Mãe da Resex Ipaú- Anilzinho 75/2011 Vigência: a RESEX Ipaú- Anilzinho Jorge Pinto da Silva TdR: Fortalecimento Institucional e Consolidação do Conselho Deliberativo da Resex Ipaú- Anilzinho 76/2011 Vigência: a RESEX Lago do Capanã Grande Daniela Alves Carvalho TdR: Trabalho de sensibilização para formação do Conselho Deliberativo (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Lago do Capanã Grande Francivane Fernandes da Silva TdR: Mobilização das comunidades da UC para o Monitoramento Socioambiental 67/2008 Vigência: a RESEX Lago do Capanã Grande Mauricio Gonsalves Torres TdR: Elaboração do Plano de Manejo Participativo - Fase 1 83/2009 Vigência: a RESEX Mapuá Jorge Pinto da Silva TdR: Desenvolvimento de atividades para criação de Conselho Deliberativo, integradas à elaboração da 1ª Fase do Plano de Manejo da UC (s/n)/2007 Vigência: a Maio 2015

77 Centro de Documentação RESEX Maracanã Rui César Pereira Carneiro TdR: Elaboração do projeto básico compreendendo os projetos de urbanização, arquitetura e projetos complementares e instalações prediais para a construção de unidade administrativa na RESEX (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Maracanã Camila da Silva Pires TdR: Facilitador e apoiador em capacitações realizadas em comunidades localizadas no entorno da UC 025/2014 Vigência: a RESEX Maracanã Priscila Souza e Silva TdR: Facilitador e apoiador em capacitações realizadas em comunidades localizadas no entorno da UC 027/2014 Vigência: a RESEX Maracanã Anderson Luis Rocha Pedrini TdR: Facilitador e apoiador em capacitações realizadas em comunidades localizadas no entorno da Reserva Extrativista Maracanã, município de Maracanã/PA 031/2014 Vigência: a RESEX Rio Aripuanã Marisa Barbosa Araújo Luna TdR: Elaboração de estudo sócioeconômico para criação da UC (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Rio Croa Sandra Maria da Silva Rocha TdR: Coordenação de viagem de intercâmbio entre moradores residentes na área em estudo para a criação da RESEX do Rio Croa e comunidades da RESEX Alto Juruá (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Rio Croa Silvana Rossi TdR: Elaboração de mapeamento comunitário participativo para criação de uma Unidade de Conservação de Uso sustentável no município de Cruzeiro do Sul, Acre (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Rio Croa Frederico Soares Machado TdR: Elaboração de laudo biológico para a criação de uma unidade de conservação de uso sustentável 3/2007 Vigência: a RESEX Rio Croa Sandra Maria da Silva Rocha TdR: Levantamento Socieconômico na área em estudo para criação da UC Resex Rio Croa 26/2007 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 77

78 Centro de Documentação RESEX Rio Gregório Thiago Vernaschi Vieira da Costa TdR: Elaboração do Laudo Biológico de Avifauna para elaboração do Plano de Gestão 79/2009 Vigência: a RESEX Rio Gregório Silvia Patricia Flores Vasquez Trindade TdR: Levantamento florístico para subsidiar o Plano de Gestão 80/2009 Vigência: a RESEX Rio Gregório Giuliano Piotto Guimarães TdR: Elaboração do Laudo do Potencial Madeireiro, para elaboração do Plano de Gestão 81/2009 Vigência: a RESEX Rio Gregório Rafael de Fraga TdR: Elaboração do laudo biológico de herpetofauna para elaboração do Plano de Gestão 84/ a RESEX Rio Gregório Claudeir Ferreira Varga TdR: Levantamento e diagnostico biológicos de avifauna para subsidiar o Plano de Gestão 87/2009 Vigência: a RESEX Rio Gregório Davi Lima Pantoja Leite TdR: Levantamento e diagnóstico de herpetofauna para subsidiar o Plano de Gestão 88/2009 Vigência: a RESEX Rio Gregório Mary Helena Allegretti TdR: Realizaçao de estudos e atividades visando à consolidação do Plano de Gestão da UC 113/2009 Vigência: a RESEX Rio Iriri Marcelo Salazar TdR: Planejamento, coordenação e participação nas atividades de mobilização, sensibilização, diagnóstico, cadastramento e formação do Conselho Deliberativo (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Rio Iriri Arnaldo Carneiro Filho TdR: Elaboração de sistema de monitoramento de paisagem e análise de pressão da UC 30/2009 Vigência: a Maio 2015

79 Centro de Documentação RESEX Rio Iriri Rafael de Carvalho Sposito TdR: Elaboração do Plano de Manejo Participativo - Fase 1 34/2009 Vigência: a RESEX Rio Jutaí Daniela Alves Carvalho TdR: Sensibilização para formação de conselho deliberativo (s/n)/2005 Vigência: a RESEX Rio Jutaí Karen de Santis Campos TdR: Levantamento fitossociológico para região prioritária 1 da UC (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Rio Jutaí Michel Fabiano Catarino TdR: Elaboração das diretrizes para o Plano de Manejo Pesqueiro (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Rio Jutaí Fábio Sian Martins TdR: Desenvolvimento de projetos gráficos a serem utilizados em material de divulgação 24/2007 Vigência: a RESEX Rio Unini Daniela Alves de Carvalho TdR: Consolidação do Plano de Manejo - Fase 1 63/2009 Vigência: a RESEX Rio Unini Érica das Neves Bettiol TdR: Elaboração da Logomarca da reserva Extrativista do Rio Unini 65/2011 Vigência: a RESEX Rio Xingu Darlenys Hernandez Munoz TdR: Elaboração do Plano de Manejo - Fase I 70/2009 Vigência: a RESEX Rio Xingu Núbia Vieira Cardoso TdR: Implementação do projeto "Plano de Ação dos Povos Indígenas - PPI" 007/2014 Vigência: a Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 79

80 Centro de Documentação RESEX Riozinho do Anfrísio Marcelo Salazar TdR: Planejamento, coordenação e participação nas atividades de mobilização, sensibilização, diagnóstico, cadastramento e formação do Conselho Deliberativo da UC (s/n)/2006 Vigência: a RESEX Riozinho do Anfrísio Rafael de Carvalho Sposito TdR: Elaboração do Plano de Manejo Participativo 49/2009 Vigência: a RESEX Verde para Sempre Westphalen Luiz Lobato Nunes TdR: Planejamento, coordenação e participação nas atividades de mobilização, sensibilização, diagnóstico, cadastramento e elaboração do Plano Emergencial da UC (s/n)/2005 Vigência: a Maio 2015

81 Anexos Solicitações

82 Anexos ANEXOS Anexo A - SERVIÇOS SOLICITADOS COM FREQUÊNCIA REPAROS DE EQUIPAMENTOS Para reparar equipamentos comprados pelo programa, como computadores, GPS e produtos eletrônicos em geral o solicitante deverá: encaminhar o equipamento à autorizada mais próxima da sua região. Se precisar despachar, deverá fazê-lo com recurso da Conta Vinculada. Solicitar à autorizada um orçamento detalhado em nome do Funbio, que deverá ser enviado para o A gerência analisará o orçamento e entrará em contato com o solicitante. Caso o serviço seja autorizado, a solicitação deve ser feita no Sistema Cérebro e o Funbio emitirá o Pedido de Compra para a empresa contatada, autorizando o reparo. SOBREVÔOS Modelo de especificação para contratação de serviços para realização de sobrevoo. Data de realização: xx Local: UC xx e área de entorno Justificativa A UC xx, estabeleceu como estratégia a realização de sobrevôos para planejamento das atividades do Plano de Manejo da unidade. O sobrevôo será realizado para permitir uma maior abrangência da área a ser reconhecida e facilitar o reconhecimento da área foco, o rio xx. Os pontos de apoio para as atividades serão os aeroportos de xx. Das aquisições e contratações Aluguel de aeronave para seis lugares, tipo asa alta, para sobrevôo calculado em quatro horas conforme plano de vôo abaixo: Ponto Coordenada Saída do aeroporto de Macapá N 00º W 51º Comunidade de Cunaní N 02º W 51º Foz do rio Cunani N 02º W 50º Foz do Igarapé Cova da Onça N 02º W 50º Ponta do Cassiporé N 03º W 51º Vila Velha do Cassiporé N 03º W 51º Ponta do Cabo Orange N 04º W 51º Aeroporto de Oiapoque N 03º W 51º Aeroporto de Calçoene N 02º W 50º Maio 2015

83 Anexos Chegada ao aeroporto de Macapá N 00º W 51º Condições de Execução: A empresa interessada em participar da Cotação deverá atender aos seguintes quesitos básicos: a) estar homologada junto ao Departamento de Aeronáutica Civil -DAC para o ramo da atividade objeto da Cotação; b) estar a aeronave envolvida nos serviços homologada junto ao Departamento de Aviação Civil - DAC; c) encontrar-se a caderneta de vôos da respectiva aeronave devidamente atualizada; d) o piloto deverá estar habilitado junto ao DAC para realizar o sobrevôo; e) dispor de manutenção própria da aeronave homologada pelo Departamento de Aeronáutica Civil DAC, ou possuir contrato com empresa do ramo, detentora de homologação junto ao Departamento de Aviação Civil -DAC, para manutenção de aeronave da categoria a ser empregada nos serviços contratados quando não possuir manutenção própria e f) ocorrendo panes e/ou necessidade de reparos da aeronave, a empresa deverá substituí-la por outra do mesmo tipo ou categoria para dar continuidade ao sobrevôo sem nenhum ônus adicional. g) ter as aeronaves devidamente seguradas quanto a acidentes pessoais e responsabilidade civil. Atenção: Apresentação do certificado ou apólice de seguro acompanhada de seu respectivo comprovante de pagamento, bem como de documentação relativa aos demais quesitos acima mencionados, poderá ser eventualmente solicitada, em qualquer momento. Quando feita tal solicitação, o pagamento dos serviços contratados está condicionado ao atendimento da mesma. Formas de Pagamento A forma de remuneração dos serviços é por preço global, sendo o pagamento efetuado contra apresentação e aprovação dos serviços prestados. O pagamento deverá ser condicionado à realização do sobrevôo, logo após entrega do Termo de Recebimento. O contrato será celebrado pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO). Supervisão Funcionário xx; Tel.: xx ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS EVENTOS DE PEQUENO PORTE Reuniões de conselhos, pequenas expedições, e outras atividades que requerem insumos como os descritos na lista abaixo podem ser realizadas com recursos exclusivamente da Conta Vinculada. Para tanto, é fundamental um planejamento bem elaborado, que quantifique exatamente os insumos necessários para a realização da atividade. Segue abaixo uma lista de insumos que podem ser solicitados através da Conta Vinculada, para realização de eventos de pequeno porte: Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 83

84 Combustível; alimentação; material de limpeza e higiene; material de consumo (didático, papelaria; transporte (aluguel de barco ou carro); aluguel de sala; aluguel de equipamentos (ex. equipamento de som); passagens de barcos; passagem de ônibus; pagamento de barqueiro e/ou auxiliar de barqueiro; pagamento de cozinheira e/ou auxiliar de cozinheira; pagamento de mateiro; despesa com veiculação em rádio e/ou jornais locais. EVENTOS DE GRANDE PORTE Grandes eventos e expedições de longa duração exigem uma logística especial. Portanto, a contratação de serviços com essa finalidade é feita diretamente pelo Funbio. Nesses casos, é necessário o gestor incluir no Sistema Cérebro uma especificação que contenha as seguintes informações e atenda aos seguintes critérios: Detalhamento do evento: local do acontecimento, período, número de participantes, descrição detalhada dos serviços necessários, e tudo mais que possa contribuir para que as empresas contatadas entendam exatamente o que se espera delas. Nome, telefone e (se tiver) do responsável pela supervisão do evento no local de ocorrência (funcionário do órgão gestor). O solicitante pode indicar algumas empresas e instituições (qualquer tipo de PJ) que considere ser capaz de realizar o trabalho. É importante lembrar que as indicações não necessariamente serão atendidas, uma vez que será contratada a empresa que fornecer o serviço pelo menor preço. O gestor não deve negociar com as empresas. Isso fica a cargo do Funbio; Itens solicitados deverão ser compatíveis com a realidade amazônica. No caso de alimentação, por exemplo, as refeições não devem ser baseadas em ingredientes difíceis de serem encontrados localmente (como frutas de outras regiões do país) e que exigem cuidados especiais para o transporte e armazenamento durante uma expedição (como legumes e verduras). As quantidades solicitadas deverão ser suficientes para garantir o bem-estar da equipe e dos participantes sem desperdício e ostentação diante da população local. Participantes com necessidades especiais quando à alimentação devem providenciar sua própria comida. Itens solicitados devem estimular o consumo de produtos locais e produzir o mínimo possível de lixo. Devem ser evitados: refrigerantes e outras bebidas em lata; produtos em embalagens descartáveis de alumínio e isopor; alimentos industrializados como salgadinhos, batata chips e outros que descartam grandes quantidades de embalagem. A solicitação deverá estar aprovada na Unidade Operacional Compras do Funbio, com antecedência, de no mínimo, 30 (trinta) dias, para que possam ser bem organizados todos os trabalhos necessários a execução do evento.

85 Anexos MODELO DE ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE EVENTOS O que está em itálico ou indefinido ( xxx ) deverá ser alterado de acordo com as suas necessidades e seus dados. Introdução O Programa Arpa Áreas Protegidas da Amazônia é uma parceria entre Governo Brasileiro e outros organismos internacionais e tem por objetivo expandir o sistema de áreas protegidas da Amazônia. O Funbio - Fundo Brasileiro para a Biodiversidade atua desde 1995 em todo o território nacional, sendo a Instituição responsável pela gestão dos recursos financeiros do programa Arpa, adquirindo bens e contratando serviços. Serviços Contratação de Empresa especializada para prestação de Serviços de Eventos, incluindo hospedagem, buffet e coffe break, locação de equipamentos, locação de auditório, mão-deobra e toda a logística necessária para a organização e execução do seguinte evento: Período do Evento: xx / xx / xxxx a xx / xx / xxxx Participantes: xxx pessoas (+/-10%) Local: xxx Justificativa: Realização de Reunião de Formação do Conselho Consultivo da UC xxx Especificações para hospedagem Local Período: xx / xx / xxxx a xx / xx / xxxx xx Aptºs Triplos = xx Pessoas xx Aptºs Duplos = xx Pessoas Alimentação xx / xx / xxxx Jantar -Buffet para xx pessoas (+/-10%) - incluir 1 (uma) água mineral e/ou 1(um) refrigerante; xx / xx / xxxx Café da Manhã ESPECIFICAÇÕES PARA O EVENTO Aluguel de Auditório xx / xx / xxxx - Auditório com ar condicionado e capacidade para xx pessoas, disponível de 9:00 às 18:00, equipado com cadeiras e mesas, 5(cinco) lugares para os Palestrantes, 2(dois) microfones sem fio, sistema de som compatível com o tamanho da sala. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 85

86 Anexos Materiais extras Microcomputador com acesso à internet Período: 05 e 06/10/06 Horário integral; Quadro Branco; 5(cinco) conjuntos de pincéis atômicos (azul, vermelho, verde e preto); Suporte Sonorização com caixas acústicas; Transfer Traslado de xx para xx Alimentação Almoço -05 e 06/10/06 Horário: 12 às 14 hs. -Buffet para xx pessoas (+/-10%) com carne bovina, frango e peixe, massa e saladas -incluir 1(uma) água mineral e/ou 1(um) refrigerante; Coffee Break 05 e 06/10 Coffee Break para xx pessoas, café, chá, leite, 2(dois) tipos de sucos de frutas regionais, refrigerantes normal, frutas variadas, biscoitos amanteigados, bolos e salgados variados duas vezes ao dia (10h20min. e 16h30min). Equipe de Supervisão: xxxx Moderador O que está em itálico ou indefinido ( xxx ) deverá ser alterado de acordo com as suas necessidades e seus dados. MODELO DE ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE MODERADOR PARA REUNIÃO DO CONSELHO CONSULTIVO DA UC XX. Objetivo Contratar moderador para reunião do conselho consultivo da UC xx. Histórico De acordo com o SNUC (Lei No 9.985/2000), as Unidades de Conservação devem dispor de um Conselho, presidido pelo órgão responsável por sua administração e composto por representantes de órgãos públicos, de organizações da sociedade civil, e, quando for o caso, das populações tradicionais residentes na unidade. Ainda, segundo o SNUC, os Conselhos são de duas modalidades: Consultivo, para as Unidades de Proteção Integral, e Deliberativo, para as Unidades de Uso Sustentável. Histórico de formação do conselho da UC xx. 86 Maio 2015

87 Anexos Atividades a serem desenvolvidas Reunião com equipe da UC xx Moderar reunião (xx horas/aula fundamental informar o número de horas que o moderador trabalhará para que o Funbio possa calcular o valor a ser pago) Elaborar um relatório final de atividades para ser apresentado ao órgão gestor Produtos Moderação de reunião, realizada em xx, constituída num total de xx horas/ aula. Relatório final de atividades para o órgão gestor. Relatório simplificado para as comunidades. Forma de apresentação Os produtos deverão apresentar nível e linguagem compatível com sua destinação e deverão ser aprovados pela chefia da UC xx. Caso os produtos não sejam aprovados, deverão ser revistos pelo profissional contratado. O relatório final deverá ser apresentado em língua portuguesa, em duas vias, sendo uma via impressa em papel A4, colorida, e uma via digital. A reunião deverá ser realizada com metodologias participativas. Cronograma A reunião ocorrerá no dia xx. O contratado deverá se reunir com a equipe da UC xx pelo menos 5 dias antes da data da reunião e entregar o relatório no prazo de uma semana após a reunião. Insumos A equipe da UC xx fornecerá relatórios, atas e demais documentos que o contratado precisar. A equipe da UC xx se responsabiliza pelas imagens da reunião através de fotografias, que poderão ser repassadas ao contratado para elaboração do relatório final. O consultor terá a sua disposição um kit-moderare composto por: quadro, papel madeira, cartolina, tachinhas, cola, tesoura, barbante, pincel etc. Abrangência A reunião acontecerá no dia xx, no município de xx, endereço xx, nos seguintes horários: 8:30h às 12:00 e 14:00 às 18:00. O contratado deverá prever seu deslocamento (ida e volta) até o município de xx. Os participantes serão os conselheiros titulares e suplentes: moradores da UC xx, representantes de instituições governamentais e não-governamentais; funcionários do IBAMA e possivelmente outros interessados. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 87

88 Anexos Qualificação mínima exigida Poderão habilitar-se ao serviço profissionais com escolaridade de nível médio completo, superior completo ou incompleto e experiência comprovada com trabalhos em comunidades amazônicas e práticas participativas. OBS: O gestor deverá encaminhar ao Funbio o currículo do moderador indicado, comprovando sua experiência. Endereço para entrega de produtos xx Contatos para acompanhamento do serviço xx Anexo B - DOCUMENTOS PARA SELEÇÃO DE CONSULTOR TERMO DE REFERÊNCIA (TDR) Termo de Referência (TdR) é o documento que têm por finalidade apresentar o detalhamento / discriminação para a seleção dos serviços técnico-profissionais, de natureza estritamente intelectual, seja de um consultor individual seja de uma empresa de consultoria. No Programa Arpa, estabeleceu-se uma estrutura básica, para orientar a elaboração, cujos tópicos abordaremos a seguir. É possível ter variações no conteúdo dos itens, dependendo da natureza e da complexidade da consultoria a ser contratada. O requisito fundamental é que os mesmos apresentem objetividade, coerência, uma boa estrutura lógica e que descrevam, com precisão, os serviços de consultoria pretendidos, o que facilitará a obtenção futura dos resultados esperados. Em geral, os tópicos básicos que deverão estar contidos em um TdR são: a) Antecedentes Este tópico deve proporcionar ao candidato à realização do trabalho (consultor individual ou empresa de consultoria) informações em relação ao meio em que prestará seus serviços, à utilização que será dada aos produtos e às condições que envolvem a execução do contrato. Em sua elaboração, deve-se ter o cuidado de não superestimar o conhecimento que os potenciais contratados possuam em relação ao meio em que deverão trabalhar ou à utilização que será dada aos produtos, pois a realidade amazônica é bastante diversa e, em geral, pouco conhecida. No caso de um produto ou de atividades orientadas a um público específico, as características deste devem ser descritas nesta parte do TdR, para que o trabalho alcance os resultados esperados. Um documento ou vídeo para trabalho com comunidades rurais ou indígenas, será muito diferente de outros produzidos para populações de periferia urbana ou alunos universitários. 88 Maio 2015

89 Anexos Também é comum que nesta parte do TdR constem informações sobre fontes financeiras e aspectos contratuais relevantes, que impliquem condições especiais para a execução do trabalho, tais como empréstimos internacionais ou nacionais, trabalho conjugado com outras instituições que não a contratante, exigências de outras instâncias etc. Neste caso, deve ser indicado o componente e, se possível, a atividade/tarefa do POA à qual é vinculado o trabalho a ser contratado. b) Objetivo Este tópico deve apresentar, com clareza, o que se quer obter com a execução dos serviços da consultoria. O objetivo é geralmente definido pelo produto final a ser obtido (Ex: Plano de Manejo da UC) ou pelo efeito que se espera das atividades a serem desenvolvidas. É importante não confundir o objetivo do TdR com o objetivo geral de um projeto ou programa. Ainda que o trabalho a ser contratado deva contribuir para chegar ao objetivo geral, o objetivo do TdR deve ficar restrito ao produto ou atividade que se quer obter com o mesmo c) Atividades a Serem Desenvolvidas Neste item devem ser identificadas as principais ações a serem executadas visando a obtenção dos produtos mencionados no TdR. Seu objetivo é fornecer ao consultor uma idéia mais precisa dos aspectos operacionais que envolvem o trabalho proposto. Por este motivo, este item normalmente apresenta uma relação de providências concretas envolvendo atores, locais, períodos e conhecimentos específicos, as quais viabilizarão a consecução do objetivo ou do produto. Eventualmente o gestor pode ter dificuldade na definição das atividades. Neste caso deve ser solicitado que os proponentes forneçam sugestões de atividades que atendam aos objetivos do TdR e o cronograma de sua execução. No caso de contratação de consultoria de pessoas jurídica, esta alternativa geralmente traz maior complexidade ao julgamento das propostas, uma vez que cria mais um fator a ser avaliado em sua análise. d) Abrangência Este item deve estabelecer os limites dentro dos quais deve ser buscado o Objetivo do TdR, de modo a definir o espaço de atuação do contratado e os equipamentos e serviços de terceiros pelos quais será responsável. Normalmente são prestadas, neste tópico, informações como o âmbito geográfico em que o contratado atuará (Ex.: levantamento de campo no município X), a área de conhecimento a ser considerada (Ex.: quanto aos aspectos de saúde da população), o grau de detalhe (Ex.: todas as espécies com diâmetro maior que 5 cm), frequência (Ex.: verificar diariamente durante três meses), e as obrigações complementares (Ex.: fornecimento de equipamentos e serviços de terceiros). A correta definição da Abrangência é fundamental para o dimensionamento das propostas. É, em grande parte, com base neste detalhamento, que poderá ser calculado o volume de trabalho e, conseqüentemente, o número de horas necessário, os equipamentos e materiais a serem empregados, quantidade de viagens, e serviços demandados, obtendo-se, assim, elementos para elaboração da estimativa orçamentária pelo consultor. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 89

90 Anexos e) Qualificação Neste item deverá ser especificada, com clareza, a qualificação profissional mínima para a execução dos serviços. Estas qualificações são geralmente definidas a partir de formação e nível acadêmico e da experiência que o contratado deve ter na área específica da consultoria a realizar. O solicitante deve levar em conta na hora de definir estes critérios o grau de complexidade e sofisticação que necessita em termos do produto final da consultoria. Nem sempre o perfil com maior qualificação é o mais indicado para determinado trabalho e pode elevar os custos ao ponto de inviabilizar a atividade, além de onerar o Programa. A capacidade e a habilidade para redigir documentos, apresentar verbalmente os temas, organizar cursos, e outras, se necessárias à execução do trabalho, devem ser expressamente indicadas. f) Produtos A maneira mais fácil de definir o que é esperado da contratação de um serviço de consultoria é especificar o produto que deve ser entregue pelo contratado. Podem ser definidos produtos parciais, correspondentes a determinada fase do trabalho, e/ou produtos finais, correspondentes ao efetivo objeto da contratação. Quando se tem objetivos específicos para um projeto, é desejável que produtos correspondam aos mesmos. Outras vantagens da definição dos produtos esperados são a facilidade na verificação da qualidade do trabalho recebido e a possibilidade de sua correlação com prazos e formas de pagamento, as quais simplificam o controle da execução do serviço. A especificação do produto deve informar sobre a sua natureza (Ex.: documento, relatório, projeto, parecer, etc.) e descrever seu conteúdo (Ex.: assunto, plantas, tabelas, síntese, índice, etc.). Também é importante definir o tipo de uso que será dado ao produto a ser obtido (material para capacitação, referência permanente no trabalho, execução de atividades descritas, etc.), a profundidade esperada no tratamento do tema proposto, e o tipo de abordagem obrigatória ou desejável. Todos os produtos expressos no cronograma de entrega (item h) devem estar descritos nesse item e relacionados corretamente com as atividades descritas. g) Forma de Apresentação Neste item devem ser indicados os requisitos formais do fornecimento dos produtos, com o objetivo de tornar a sua utilização mais fácil e proveitosa. Geralmente, são consideradas as seguintes formas de apresentação: por escrito (caso em que se recomenda a indicação do formato de papel, número de folhas, organização de capítulos/anexos, número de exemplares, forma de encadernação, etc.), gravação em CD (especificando-se o processador de textos e tipo do mídia), gráficos, fotos, transparências, diapositivos e gravação em vídeo (com a especificação do sistema de TV PAL-M, NTSC, etc., dimensão da fita, com ou sem animação etc.). É necessária a indicação do idioma ou dos idiomas em que os produtos devem ser escritos, digitados ou narrados, assim como o número de cópias de cada produto. 90 Maio 2015

91 Anexos Convém especificar que os produtos serão apresentados ao contratante em versão preliminar e que, depois de analisados, deverão ser reapresentados em versão final, como condição à efetivação dos pagamentos. h) Cronograma Nessa parte do TdR, devem ser indicados os prazos estimados para obtenção de cada um dos produtos parciais (quando exigidos) e finais, e o limite de duração do contrato. Para isto, é importante reportar-se aos objetivos e produtos já definidos, pois os prazos devem ser coerentes com os mesmos. Também devem estar definidos, os períodos necessários para as revisões dos produtos, que serão feitas pelo solicitante, antes de sua aceitação final. A apresentação de um cronograma no TdR é muito conveniente, especialmente quando se tratar de trabalho de maior complexidade, que apresente várias atividades e produtos interdependentes. Os prazos deverão ter como ponto de referência o início da execução do trabalho (assinatura do contrato), e não uma data específica do calendário. Deve ser solicitado que as propostas de trabalho apresentem cronogramas sob a forma de gráficos de barras ou quadros, em que fiquem claros os períodos de execução dos produtos e/ou atividades solicitadas, e a correlação entre as mesmas. É recomendada a inserção de um quadro relacionando os produtos a serem entregues; a data de entrega em relação à assinatura do contrato e a porcentagem de pagamento. Lembrando que não é indicado o pagamento por entrega de plano de trabalho e que a maior parcela deve ser referente ao último pagamento. Exemplo de quadro: Produto Prazo de entrega % do valor do contrato 1 Produto 01 (descrever o produto) XX dias após a assinatura do contrato 0% 2 Produto 02 (descrever o produto) XX dias após a assinatura do contrato 10% 3 Produto 03 (descrever o produto) XX dias após a assinatura do contrato 30 % 4 Produto 04 (descrever o produto) XX dias após a assinatura do contrato 60 % Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 91

92 Anexos i) Dados, serviços locais, pessoal e instalações fornecidas pelo Cliente Devem ser apresentados nessa parte do TdR, os documentos e demais elementos que estarão à disposição do consultor para facilitar a execução dos trabalhos. Serão indicados os elementos de informação (Ex.: dados já disponíveis, documentos sobre o assunto, bibliografia, etc.) e facilidades quanto a instalações físicas, equipamentos e serviços (Ex.: salas, móveis, computadores, digitadores, cópias, etc.) que ficarão à disposição do consultor para a execução de suas tarefas. Lembramos que somente o consultor Pessoa Física tem direito a passagens e diárias para a execução das atividades descritas em seu TdR. O direito a diárias não é concedido quando a UC fornecer infra-estrutura e alimentação, ou quando o mesmo estiver participando de uma expedição ou outra atividade que ofereça hospedagem e alimentação. Quando for o caso, devem ser mencionados os servidores que colaborarão na execução do serviço e os respectivos cargos e níveis de formação. j) Supervisão Nessa parte deverá ser definida a instituição, departamento ou o setor que terá a responsabilidade da supervisão dos trabalhos. Isso não implica somente fiscalização, mas também acompanhamento e apoio ao trabalho do consultor, na revisão e discussão dos documentos produzidos e na aprovação dos mesmos, inclusive para fins de pagamento parcial e final dos serviços. Dentro do possível, deve ser definida a forma como se processará essa supervisão, não necessariamente detalhando procedimentos, mas fornecendo diretrizes para essa atividade. É recomendável concentrar a supervisão em apenas um responsável (fornecer nome e contato). k) Currículo Para contratação de Pessoa Física são necessários três currículos de profissionais que atendam às qualificações mínimas descritas no TdR. Isso significa que se no TdR exige-se experiência mínima de cinco anos em determinada área, não serão aceitos currículos de profissionais com quatro anos de experiência. Os currículos deverão ser resumidos (2 a 3 páginas), elaborados de forma a enfocar a consultoria em questão, incluindo apenas a descrição das experiências que sejam pertinentes ao edital de contratação. Como não será aceito o modelo Lattes, o candidato deve ser informado que ele mesmo deve fazer a adequação. É vedada a participação de funcionários do governo e servidores públicos, exceto quando estiverem em licença sem vencimentos. O Currículo de Pessoa Física deverá informar: Dados pessoais (nome completo, data de nascimento, endereço, telefones de contato e ). Atividade atual. Formação acadêmica (começar a partir da mais recente). Pós-graduação (instituição, ano, título da monografia/dissertação/tese e orientador). Graduação (instituição e ano). 92 Maio 2015

93 Anexos Atuação profissional (começar a partir da mais recente) Instituição, local, cargo, ano e tempo de trabalho, vínculo institucional e atividades desenvolvidas. Projetos de pesquisa (se for o caso), ano, título, local onde se desenvolveu o trabalho, coordenador e instituições envolvidas. Produção científica. Dados complementares que não se enquadram em nenhum item anterior e que tenham relação com as qualificações exigidas no edital de contratação. Duas referências profissionais, com telefone e . Atenção: Consta neste manual uma lista de consultorias e consultores contratados previamente. Os gestores podem utilizar esta lista como referência de contatos. Os seguintes parágrafos também devem constar no TdR: Estão incluídos no custo acima a remuneração dos serviços prestados pelo consultor, bem como todos os encargos sociais estipulados na legislação fiscal e trabalhista, devendo ser deduzidos no ato dos pagamentos os descontos estipulados por lei (IRRF e INSS para pessoa física). O contrato será celebrado pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Funbio, com recursos do Programa ARPA. Qualquer alteração de escopo deve passar pela anuência do Funbio enquanto contratante. QUADRO DE AVALIAÇÃO É necessário estipular critérios para avaliação dos consultores envolvidos no processo de seleção de consultor pessoa física. Os critérios podem ser definidos pelo gestor, devendo ser coerentes com a qualificação exigida no TdR. Todos os três consultores devem obter uma pontuação mínima de 70 pontos. Caso contrário, o Funbio entende que não estão aptos a executar as atividades e desenvolver os produtos exigidos no TdR. O consultor que obtiver a maior pontuação será o indicado para a contratação. Observações importantes para estabelecimento de critérios de avaliação: Todos os três consultores devem ter a mesma situação profissional. Não é possível fazer uma comparação entre um profissional júnior e um profissional sênior. Todos os consultores devem atender a todos os critérios, não devendo zerar nenhum item. Caso algum não atenda, não está apto a participar do processo de seleção, devendo ser substituído pelo gestor. Os critérios não podem ser muito restritivos. (Exemplo: experiência em levantamento socioeconômico na porção média do rio Juruá.) O somatório da pontuação máxima de cada item deverá ser 100. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 93

94 Anexos Os fatores avaliados deverão ser critérios objetivos e estar comprovados no currículo. Sugerimos que o solicitante sinalize nos currículos enviados os itens que foram considerados no cálculo da pontuação de cada candidato. A princípio, entrevistas não devem fazer parte do processo decisório de seleção, já que esta gera critérios subjetivos. Para contornar esta questão, caso seja necessário entrevistar os candidatos, será necessária a participação de três entrevistadores com pontuações individuais. Além disto, a pontuação relativa à estes critérios deverá somar até, no máximo, 30 pontos. Modelo de quadro de avaliação - Exemplo de quadro de avaliação para contratação de profissional pleno. Critérios devem ser alterados de acordo com a natureza da consultoria. Pontuação dos Consultores Itens Critério Pontuação consultor 1 consultor 2 consultor 3 A B Número de experiências na área específica Formação acadêmica do consultor concluída na área específica Pelo Menos 4 20 De 5 a Graduação 10 Especialização 15 Mestrado 20 C Experiência na região amazônica Até 5 anos 05 Mais de 5 anos 15 D Outro critério 15 E Outro critério 20 Total 100 Anexo C - LISTA DE ITENS ELEGÍVEIS As listas, positiva e negativa, apresentadas nesse documento, definem os itens elegíveis e não elegíveis para compra com recursos da Conta Vinculada. O objetivo das listas é esclarecer as principais dúvidas dos gestores com relação ao que é ou não é possível adquirir diretamente. Caso pretenda adquirir algum item que não esteja claramente especificado em nenhuma das duas listas, o gestor deve entrar em contato diretamente com a Gerência do Arpa que esclarecerá a respeito da elegibilidade ou não do mesmo. Quando da prestação de contas, caso sejam apresentadas notas fiscais com quantidades de determinados insumos acima do usual, é possível que a Gerência entre em contato com os gestores responsáveis, no sentido de esclarecer dúvidas e entender melhor a demanda. Para dar agilidade no processo de realimentação da conta, é importante que o gestor sempre que possível relacione o gasto com a atividade que exigiu consumo diferenciado (ex. reuniões comunitárias, etc.). 94 Maio 2015

95 Anexos LISTA POSITIVA Insumos classificados como conta vinculada, Itens Positivos: 1. Alimentação: Baseada nos itens da cesta básica divulgados pelo DIEESE e decreto-lei 399/1938; Açúcar, sal, café em pó, pão; farinhas, mandioca, trigo, fubá, grãos, granola, produtos integrais, bolos, lentilhas, feijão, arroz branco, ervilha, milho, legumes, frutas e verduras; azeite, Margarina/manteiga, ovos, extrato de tomate, óleo de soja, leite, macarrão, biscoitos, barras de cereal (máximo de 2 unidades por dia por pessoa) - item específico para atividades de campo de longa duração, como expedições. Carne, frango resfriado inteiro, pescado de origem nacional, embutidos nacionais (toucinho; salsicha avulsa; lingüiça fresca e defumada; salame) queijo de marca nacional (mussarela, prato ou branco), apresuntados, doces de frutas em barra, lata ou similares, água, sucos, refrigerantes, tempero, Gelo, achocolatado em pó, Enlatados em geral. 2. Material de uso e consumo: Higiene Doméstica. Sabão em pó; sabão em barra; água sanitária; amaciante; detergente líquido; desinfetante; saco de lixo. artigos de Higiene doméstica: baseado nos itens da cesta básica divulgados pelo DIEESE e decreto-lei 399/1938 : Material de uso em campo: lanternas, pilhas e baterias, lonas, cordas, lampiões, isqueiro/fósforo, isopor, garrafa térmica, mosquiteiro, trenas, kit de primeiros socorros (Ver os itens do Kit de Primeiros Socorros, na seqüência); Ferramentas manuais: Pá, enxada, martelo, rastelo, terçado, foice, faca, facão, podão; Vestuários especiais: capas de chuva, proteção contra animais peçonhentos e contra fogo como caneleiras e luvas, máscaras de proteção; Itens de uso doméstico: Ex: panelas, pratos, copos, canecas, talheres e vasilhames, esponjas, palha de aço, panos, papel higiênico, guardanapo, papel gordura, flanelas, vassouras, cestos de lixo, baldes, velas e afins e itens de cama, mesa e banho (lençóis, fronhas, toalhas de banho, toalhas de cozinha, toalhas de mesa) condizentes com o mobiliário existente na UC. Kit de Primeiros Socorros: A determinação dos artigos que integram o kit de primeiros socorros baseou-se em pesquisa dos principais itens utilizados em campo pelos gestores e em sites especializados em serviços de camping e expedições. Foram incluídos itens considerados adequados para atividades de campo. O kit de primeiros socorros deve ser adquirido em caso de expedições de campo na UC. Agulhas estéreis e pinças (para retirar espinhos); álcool iodado; ataduras; esparadrapo; gazes estéreis; luvas de látex; repelentes de insetos; extratores de veneno de picadas; purificadores de água (comprimidos, tabletes ou gotas); protetor solar fator de proteção Solar 30 de marca nacional (máximo 2 por kit); pasta d água (bloqueador solar); medicamentos (analgésicos, antidiarreicos, antiinflamatórios, antissépticos, antiácidos, medicamentos para dor e febre e para náuseas e vômitos) Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 95

96 Anexos Coletes salva-vidas; São bens que podem ser adquiridos tanto via FUNBIO como via conta vinculada, dependendo do valor e quantidade. Se o valor for baixo, e a especificação determinada pelo gestor puder ser atendida pelo mercado local, então este item deve ser considerado como Material de uso em Campo. Caso haja necessidade de um colete muito especifico ou de alto valor (R$), então o item deve ser classificado como bem e será adquirido via Funbio. Extintor de incêndio; Gás de cozinha. Atenção: Estes três últimos itens, Extintor de incêndio, Gás de cozinha e Coletes Salva-Vidas; Devem ser classificados individualmente dentro do POA, (Plano Operativo Anual). Ou seja, deve ter uma linha para cada um desses insumos. 3. Material de escritório: ex: lápis, caneta, borracha, caneta hidrográfica, lápis de cor, pincéis, apontador, tesoura, cadernos, blocos, tinta de impressora, pen-drives, cartões de memória, resmas de papel, envelopes, carregador de pilha/bateria, cartolinas, tintas, colas, fitas adesivas, CDs e DVDs, trenas e afins; 4. Material de manutenção de edificações e de mobiliário: Ex. lâmpadas, fios, cabos, ferragens, ferramentas, trancas, fechaduras, cadeados, colas, lixas, tinta, massa corrida, argamassa, cimento, areia. 5. Peças de reposição, manutenção e serviços de manutenção para barco e/ou veículo automotor: Que sejam essenciais ao funcionamento do bem. 6. Mobiliário: Armários, mesas, cadeiras, beliches, camas, estantes, gaveteiros, sofás, arquivos, colchões; 7. Combustível/ Lubrificante: Baseado nos seguintes itens, óleo diesel, etanol, querosene, gasolina, álcool, botijão de gás, óleo lubrificante, óleo para motor de 2 tempos, biodiesel; 8. Serviços Hospedagem apenas para atividades que envolvem grupos. Hospedagens individuais devem ser pagas com os recursos de diárias; Reprodução de documentos, autenticações e reconhecimento de firmas, Despesas postais; Transporte (frete de barco, ônibus ou caminhão, passagens de ônibus, passagens de barco); Organização/ operacionalização de reuniões e expedições locais (cozinheiro, guia, mateiro, faxineiro, barqueiro, aluguel de salas); Serviços esporádicos (mateiro, barqueiro, guia carpinteiro, artesão, viveirista, jardineiro); Pequenos serviços de manutenção (mecânico, pedreiro, eletricista, carpinteiro, borracheiro, lanternagem, pintor); Locação de maquinário para fazer aceiro; 96 Maio 2015

97 Anexos Serviço gráfico: confecção de banners e revelação de fotos; Conserto e manutenção de eletrônicos, tais como computadores e máquinas fotográficas, bem como reposição de peças. Nesses casos é necessário solicitar autorização da gerência antes de efetuar a aquisição; Colocação de placas; OBS: Os artigos para alimentação e higiene doméstica são baseados nos itens pesquisados para levantamento de preços da cesta básica pelo DIEESE. Este se utiliza do decreto-lei nº 399/1938, que define os itens e quantidades mínimas satisfatórios para alimentação e higiene do trabalhador. Foram acrescidos outros itens considerados adequados para consumo durante realização de atividades de campo. Atenção: Caso as despesas ultrapassem o valor limite de R$3.000,00 (três mil reais), exceto alimentação e combustível, e ultrapassem o valor limite de R$6.000,00 no caso de obras e reformas, será necessário apresentar pelo menos três (03) orçamentos para análise e autorização prévia da gerência antes de efetuar a compra. LISTA NEGATIVA Bens de Uso e Consumo 1. Artigos de uso pessoal tais como: xampu, creme condicionador, escovas de dente, pasta dental, desodorante, absorventes, etc.; 2. Itens alimentícios específicos como: pães ornamentados, chocolate, bebidas alcoólicas, etc.; 3. Materiais de camping de uso pessoal como mochilas, calçados, sacos de dormir, binóculos etc.; 4. Motosserras e armas de fogo, munição para armas de fogo, binóculos de visão noturna, coletes à prova de bala; 5. Eletrodomésticos, geradores e GPS; 6. Equipamentos de informática (computadores, notebooks, estabilizadores, no-break, softwares, licenças para softwares, teclados, etc.); 7. Equipamentos de filmagem, câmeras fotográficas, gravadores de som e reprodução. 8. Livros; 9. Bicicletas, barcos, voadeiras, motores, veículos. 10. Placas de sinalização. 11. Placas solares. 12. Equipamentos de rádio-comunicação Serviços 1. Conserto de equipamentos que não foram adquiridos pelo Arpa. Em caso de equipamentos utilizados pelas equipes da UC, favor encaminhar solicitação para gerência. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 97

98 Anexos Anexo D - TERMO DE COMPROMISSO E RESPONSABILIDADE Pelo presente instrumento, o Servidor Público acima identificado, doravante denominado simplesmente COMPROMISSÁRIO perante o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Funbio, associação civil sem fins lucrativos, com sede na Rua Voluntários da Pátria, n. 286, 5º andar, Botafogo, Rio de Janeiro/RJ, CEP: , inscrito no CNPJ sob o n / , declara estar ciente e concordar com os termos do Manual Operativo do Programa Arpa (MOP) e do Acordo de Cooperação Técnica n. 32/02, firmado entre o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Instituto Chico Mendes) e o Funbio, com a interveniência da União, por intermédio do Ministério do Meio Ambiente, para a execução do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Programa Arpa), ou Acordo de Cooperação Técnica n. /, firmado entre o Estado de e o Funbio, com a interveniência da União, por intermédio do Ministério do Meio Ambiente, para a execução do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Programa Arpa). O servidor público que assina este documento assume, em caráter irrevogável, os compromissos e obrigações que se seguem. 98 Maio 2015

99 Anexos 1 O presente Termo de Compromisso e Responsabilidade dispõe sobre os termos e condições de uso de conta corrente vinculada, de titularidade do Funbio, mediante o qual serão disponibilizados recursos para a aquisição de bens e a contratação de serviços de pequeno valor, nas condições e limites previstos no Manual Operativo do Programa Arpa (MOP), pelos servidores públicos vinculados às Unidades de Conservação (UCs) contempladas pelo Programa Áreas Protegidas da Amazônia Arpa e que tenham sido indicados formalmente pelo Instituto Chico Mendes / Estado. 2 A conta corrente vinculada permitirá ao COMPROMISSÁRIO deste termo única e exclusivamente emitir cheques, realizar débitos mediante cheque, solicitar saldos, extratos e talonários da referida conta-corrente; 2.1 Os recursos depositados na referida conta corrente vinculada não poderão ser objeto de qualquer tipo de aplicação financeira. 3 A conta corrente vinculada possui o limite de R$ ,00 (quinze mil reais). 4 Escrituração e Movimentação dos Recursos A conta corrente vinculada será supervisionada pelo Funbio, que se reserva o direito de, a qualquer tempo, solicitar ao COMPROMISSÁRIO informações sobre o seu uso e movimentação. 4.1 O COMPROMISSÁRIO deve apresentar relatórios e outros comprovantes de desempenho e uso da conta corrente vinculada até o dia 07 (sete) de cada mês, ou antes, sempre que o saldo da conta atingir 20% do seu limite mensal ou mediante solicitação específica do Funbio. 4.2 A liberação dos recursos do período subseqüente está condicionada à aprovação, pelo Funbio, do relatório de desempenho e uso da conta corrente vinculada no período anterior. 4.3 Qualquer movimentação da conta vinculada, de qualquer natureza, deverá obrigatoriamente conter a assinatura conjunta de 2 (dois) servidores públicos, da Unidade de Conservação de referência, que tenham sido indicados formalmente pelo Instituto Chico Mendes/Estado ao Funbio, assinado termo de compromisso e de responsabilidade com o Funbio e indicados à Instituição bancária, mediante substabelecimento. 4.4 O COMPROMISSÁRIO será responsabilizado pessoal e solidariamente pelo resultado de suas ações referentes ao uso dos recursos e à movimentação da conta corrente vinculada, em especial, mas não exclusivamente, por ocasião da manipulação de informações, senhas, documentos e títulos de crédito, devendo cumprir fiel e pontualmente todas as instruções que lhe forem fornecidas, zelando pela sua privacidade, sigilo absoluto e outros interesses do Programa Arpa e do Funbio. 5 Despesas Permissíveis à Conta Os recursos da conta corrente vinculada poderão ser utilizados única e exclusivamente para o pagamento de despesas de pequeno valor, indispensáveis ao Programa Arpa e expressamente previstas no MOP e aprovadas nos POAs. 5.1 O COMPROMISÁRIO compromete-se, na contratação de prestadores de serviços, por efetuar, também com recursos da conta corrente vinculada, o pagamento dos encargos previdenciários e tributários eventualmente incidentes, e a encaminhar ao Funbio os respectivos comprovantes. Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 99

100 Anexos 6 Despesas não permissíveis à conta Não poderão ser levadas a débito da conta corrente vinculada, conforme o previsto no MOP, em especial, mas não exclusivamente, as seguintes despesas: 6.1 Salário ou qualquer forma de remuneração de: a) pessoal envolvido na administração direta da UC. b) profissionais e técnicos vinculados ao quadro de pessoal da UC e os decorrentes encargos sociais. 6.2 Encargos sociais e indenizações decorrentes de cessação de vínculo empregatício. 7 Do Uso dos Bens e Disposição dos Serviços O COMPROMISSÁRIO deverá utilizar os bens e serviços adquiridos ou contratados com recursos da conta corrente vinculada única e exclusivamente na execução do Programa de Áreas Protegidas da Amazônia, respeitado o previsto nos POAs, sendo vedada a alienação dos bens, bem como sua utilização para qualquer outro fim. 7.1 O COMPROMISSÁRIO deverá demonstrar, sempre que solicitado pelo Funbio, o cumprimento das condições relativas ao uso dos bens e à contratação de serviços adquiridos ou contratados com os recursos da conta corrente vinculada. 8 Os bens e serviços adquiridos pelo COMPROMISSÁRIO com os recursos da conta corrente vinculada do Funbio devem ser utilizados com a mesma diligência que se espera na administração de seus próprios interesses. 9 Da Responsabilidade Pessoal O COMPROMISSÁRIO declara estar plenamente ciente de que o não cumprimento das disposições deste Termo de Compromisso e Responsabilidade o obriga a devolver ao Funbio os valores indevidamente despendidos, devidamente atualizados e no prazo de até 30 (trinta) dias, contado da data em que se configure o inadimplemento. 9.1 Na hipótese de não cumprimento da condição prevista no item anterior, o inadimplemento será resolvido em perdas e danos. 10 Da Responsabilidade Solidária O COMPROMISSÁRIO declara estar plenamente ciente dos efeitos do inadimplemento do presente Termo de Compromisso e Responsabilidade, ficando, cada um dos dois servidores públicos designados para movimentar a conta corrente vinculada do Funbio, responsável solidariamente pelas obrigações decorrentes. 11 Das Disposições Gerais e Foro 11.1 A tolerância ou não exercício, pelo COMPROMISSÁRIO ou pelo Funbio, de quaisquer direitos assegurados neste Termo ou na lei em geral não importará em novação ou renúncia a quaisquer desses direitos, que podem ser exercitados a qualquer tempo Fica eleito o foro da Justiça Federal, Seção Judiciária do Distrito Federal para dirimir questões ou disputas envolvendo o presente Termo de Compromisso e Responsabilidade e seu objeto, com expressa renúncia de qualquer outro, por mais especial que seja. E por estar ciente das obrigações assumidas, o COMPROMISÁRIO assina o presente Termo de Compromisso em 2 (duas) vias de igual teor, para que produza os legítimos efeitos de direito., de, 20 Assinatura: 100 Maio 2015

101 Anexos Número de Matrícula: CPF: Assina também o presente instrumento, na qualidade de interveniente-anuente, o ICMBio Estado de Declarando ter pleno conhecimento dos termos ora estipulados e comprometendo-se a envidar esforços, no que lhe couber, para o cumprimento do previsto no presente instrumento. Assinatura Nº de Matrícula Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 101

102 Anexos Anexo E - SUBSTABELECIMENTO OUTORGANTE: Fundo Brasileiro para a Biodiversidade - FUNBIO, organização da sociedade civil de interesse público, inscrito no CNPJ-MF sob o n / , sediado na Rua Voluntários da Pátria, n. 286, 5º andar, Botafogo, Rio de Janeiro/RJ, CEP: Rio de Janeiro, RJ, neste ato representado por XXXXXXX, qualificação OUTORGADOS: XXXXXXX, qualificação XXXXXXX, qualificação PODERES: Para emitir cheques, realizar saques e débitos, mediante cheque, no limite do saldo existente em conta, solicitar saldos, extratos e talonários da conta corrente da Outorgante de nº XXXXX, agência XXXXX, do Banco XXXXX. Qualquer movimentação ou solicitação, de qualquer natureza, deverá obrigatoriamente conter a assinatura conjunta e responsabilidade solidária dos dois outorgados, com exceção da emissão de cartão que viabilize o acesso a extratos, a saldos bancários, saldos via telefone e saldos por meio eletrônico que poderão ser autorizados individualmente, ficando certo de que os recursos depositados na referida conta-corrente não poderão ser objeto de qualquer tipo de aplicação financeira. Os poderes aqui conferidos deverão ser objetos de prestação de contas junto à Outorgante. XXXXXXXXXXXXX O presente instrumento terá validade pelo prazo de 1 (um) ano, a contar da data de sua assinatura. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Ficam expressamente revogados os instrumentos de mandato anteriormente outorgados para movimentação da conta corrente nº XXXXX, agência XXXXX, do Banco XXXX. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Rio de Janeiro, XXXXXXXX. Fundo Brasileiro para a Biodiversidade XXXXXXXXXXXXXXXXXX 102 Maio 2015

103 Anexos Anexo F - TABELA DE CONTRIBUIÇÃO MENSAL DO INSS O percentual da alíquota de contribuição para o INSS está definido na tabela de contribuição para segurados, contribuinte individual e facultativo para pagamento de remuneração a partir de 1º de janeiro de Atenção: O contribuinte individual que, no mesmo mês, prestar serviços a empresas e, concomitantemente, a pessoas físicas, ou exercer atividade por conta própria deverá, para fins de observância do limite máximo de salário de contribuição, recolher a contribuição incidente sobre a remuneração recebida de pessoas físicas ou pelo exercício de atividade por conta própria somente se a remuneração recebida ou creditada das empresas não atingir o referido limite. O valor máximo para desconto é de R$ 513,01, se o serviço for acima de R$ 4.663,75 o desconto permanecerá o mesmo valor. Para mais informações, consulte o website do Ministério da Previdência Social, em Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 103

104 Anexos GUIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL GPS Desde março de 2001, as contribuições sociais arrecadadas pelo Instituto Nacional do Seguro Social são efetuadas exclusivamente mediante débito em conta, comandado por meio da Internet ou por aplicativos eletrônicos disponibilizados pelos bancos. No pagamento feito por meio eletrônico, os seguintes campos obrigatórios serão digitados pelo próprio contribuinte: Campo Campo 1: Razão Social / endereço / telefone Campo 2 Vencimento: Campo 3 Código de pagamento: Campo 4 Competência: O que deve Conter Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Funbio - Rua Voluntários da Pátria, n. 286, 5º andar, Botafogo, Rio de Janeiro/RJ, CEP: Rio de Janeiro RJ. Telefone: (21) Não preencher É preenchido de acordo com a atividade da contratante. Em contratações em nome do Funbio será sempre 2100." O mês (dois algarismos) e o ano (quatro algarismos). Campo 5 Identificador: O número do CNPJ/CEI / Campo 6 Valor do INSS: Campos 7 e 8: Campo 9 Valor de outras entidades: Campo 10 Atualização Monetária/Multa/Juros: Somatório da contribuição do segurado (Anexo E) com a contribuição patronal (20% do bruto). Não preencher Não preencher Caso o recolhimento seja feito fora do prazo de vencimento, deverá ser reajustado de acordo com a tabela de contribuição em atraso, e o valor dos juros ficará a cargo dos responsáveis pela conta vinculada. Para orientações, entre em contato com Campo 11 Total: Registrar o somatório dos campos 6, 9 e 10. Veja e imprima o Modelo da GPS no website do Ministério da Previdência Social, em 104 Maio 2015

105 Anexos Anexo G - PASSO A PASSO PARA GERAR A GPS. 1. Entrar no site da Previdência Social e clicar em Guia da Previdência Social GPS; 2. Selecionar Cálculo de Contribuições para Contribuinte Empresa e Órgão Público ; Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 105

106 Anexos 3. Clicar em Categoria Opção Empresa. 4. Tipo de Documento CNPJ (O CNPJ Será Sempre o do Funbio) 5. Digitar o código da imagem 6. Conferir os Dados do Funbio e Confirmar A Previdência social não realizou a alteração do bairro em que o Funbio está localizado, por esse motivo consta como Humaitá 7. Preencher os Campos Abaixo. - Código de pagamento > Competência > Mês de pagamento do Recibo de Pessoa Física (RPSV) - Valor do INSS > Inserir o valor apresentado no RPSV no campo TOTAL DO INSS - Adicionar contribuição 106 Maio 2015

107 Anexos 8. Programar a Data de Pagamento e Confirmar 9. Para Finalizar: - Selecionar a GPS - Clicar em Gerar GPS - Imprimir GPS Orientações gerais para o dia a dia do Arpa 107

Manual de orientações gerais para o dia-a-dia do ARPA

Manual de orientações gerais para o dia-a-dia do ARPA Manual de orientações gerais para o dia-a-dia do ARPA 1 - PE SERRA RICARDO FRANCO 2 - PE DA SERRA DOS MARTÍRIOS/ANDORINHAS 3 - ESEC DO GRÃO PARÁ 4 - ESEC SERRA DOS TRÊS IRMÃOS 5 - PE RIO NEGRO SETOR SUL

Leia mais

REUNIÃO FÓRUM TÉCNICO ARPA 21 E 22 DE MARÇO PAUTA REUNIÃO FÓRUM TÉCNICO (i) execução do Planejamento Operacional de Investimentos 2012/2013; (ii) aplicação da Tracking Tools para as novas UCs apoiadas

Leia mais

ATA da 1ª Reunião Ordinária da Comissão de Gestores do Programa ARPA

ATA da 1ª Reunião Ordinária da Comissão de Gestores do Programa ARPA ATA da 1ª Reunião Ordinária da Comissão de Gestores do Programa ARPA Nos dias 21 e 22 de dezembro de 211, na sede do Funbio no Rio de Janeiro, realizou-se a primeira reunião da Comissão de Gestores do

Leia mais

RELATÓRIO A IMPLEMENTAÇÃO E O PROGRESSO FINANCEIRO DO PROGRAMA ARPA

RELATÓRIO A IMPLEMENTAÇÃO E O PROGRESSO FINANCEIRO DO PROGRAMA ARPA RELATÓRIO A IMPLEMENTAÇÃO E O PROGRESSO FINANCEIRO DO PROGRAMA ARPA SETEMBRO 2015 PERÍODO DE ABRANGÊNCIA: novembro de 2014 a agosto de 2015 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 4 2 CONTEXTO: O PROGRAMA ARPA (METAS E

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA Programa ARPA Nossa missão Proteger de forma significativa e representativa a biodiversidade da Amazônia brasileira. Nossos objetivos Proteger,

Leia mais

PORTARIA UFERSA/GAB Nº 428/2009, 04 de Maio de 2009

PORTARIA UFERSA/GAB Nº 428/2009, 04 de Maio de 2009 PORTARIA UFERSA/GAB Nº 428/2009, 04 de Maio de 2009 O Reitor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto do Ministério da Educação de 30 de julho de 2008,

Leia mais

PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS http://www.fapemig.br/files/manual.

PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS http://www.fapemig.br/files/manual. PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS http://www.fapemig.br/files/manual.pdf INFORMAÇÕES GERAIS Duração do projeto O prazo de vigência do projeto

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VIAGENS E TREINAMENTO Data - 24/04/2015. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade

PROCEDIMENTO PARA VIAGENS E TREINAMENTO Data - 24/04/2015. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade FL. 01 / 08 1 OBJETIVO Este documento tem como objetivo estabelecer critérios para a emissão de bilhete de passagem aérea, reserva de hotel e locação de veículos para Serviço e/ou Treinamento em âmbito

Leia mais

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos:

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos: Orientações para Solicitação e Prestação de Contas de Diárias de acordo com o Decreto nº 3328-R, de 17 de junho de 2013. DIÁRIAS Diárias são indenizações pagas antecipadamente para cobrir despesas com

Leia mais

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS INSTRUÇÕES PARA A EXECUÇÃO FINANCEIRA/PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS TRANSFERIDOS PELO MINISTÉRIO/ORGANISMOS INTERNACIONAL REFERENTE AOS CONTRATOS DE FINANCIAMENTO DE ATIVIDADES FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

Leia mais

Conta Vinculada. Conta Vinculada

Conta Vinculada. Conta Vinculada Conta Vinculada O Funbio criou a Conta Vinculada para facilitar o dia a dia dos gestores das UCs, possibilitando a realização de gastos com agilidade. Aqui serão apresentados os procedimentos necessários

Leia mais

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Objetivo: A presente norma tem por objetivo formalizar e agilizar os pedidos de diária e passagem a serviço da entidade bem como

Leia mais

Relatório Técnico Financeiro Final- Projeto BMU/ARPA Período de abrangência do relatório: 10/12/2008 a 30/04/2010

Relatório Técnico Financeiro Final- Projeto BMU/ARPA Período de abrangência do relatório: 10/12/2008 a 30/04/2010 Relatório Técnico Financeiro Final- Projeto /ARPA Período de abrangência do relatório: 10/12/2008 a 30/04/2010 Projeto: Implementação de Unidades de Conservação de Uso Sustentável no Âmbito do Programa

Leia mais

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador 1 Apresentação Apresentamos o Processo de Viagens GENS Manual do Colaborador. Este Manual é parte integrante do Processo de Viagens GENS.

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 058/2012 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE O Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 Dispõe sobre concessão de diária aos Vereadores e servidores que menciona e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piranguinho aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGENS, CONCESSÃO DE DIÁRIAS E DESPESAS

REGULAMENTO DE VIAGENS, CONCESSÃO DE DIÁRIAS E DESPESAS REGULAMENTO DE VIAGENS, CONCESSÃO DE DIÁRIAS E DESPESAS Dispõe sobre a concessão de diárias e despesas pagas aos funcionários, colaboradores, consultores, prestadores de serviços e Diretores da Associação

Leia mais

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS LEI MURILO MENDES - EDIÇÃO 2010 Instruções para movimentação e prestação de contas de recursos recebidos Os responsáveis pelos projetos aprovados pela Lei Municipal de Incentivo

Leia mais

1 - AQUISIÇÃO DO CARTÃO BB PESQUISA

1 - AQUISIÇÃO DO CARTÃO BB PESQUISA 1 - AQUISIÇÃO DO CARTÃO BB PESQUISA 1º PASSO: Recebimento do e-mail de aprovação do projeto. 2º PASSO: Preenchimento e assinatura do Termo de Aceitação de Apoio Financeiro e do Cadastro de Portador, que

Leia mais

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 IDENTIFICAÇÃO Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 Data de efetivação do manual: / / Data da próxima revisão: / / Frequência de revisão: Anual REGISTRO

Leia mais

Orientações sobre Adiantamento de Despesas de Pequeno Valor (Versão n.º 03, de 16/09//2013)

Orientações sobre Adiantamento de Despesas de Pequeno Valor (Versão n.º 03, de 16/09//2013) 1. Conceito Orientações sobre Adiantamento de Despesas de Pequeno Valor (Versão n.º 03, de 16/09//2013) 1.1 Adiantamento consiste na entrega de numerário a servidor, sempre precedida de empenho gravado

Leia mais

ANEXO B. Manual de Execução de Projetos TFCA

ANEXO B. Manual de Execução de Projetos TFCA ANEXO B Manual de Execução de Projetos TFCA fevereiro de 2012 Apresentação Este manual apresenta as normas e os procedimentos para a gestão de projetos apoiados pelo TFCA. Este manual é parte integrante

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS FREQUENTES

AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS FREQUENTES Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Setor Bancário Norte, Quadra 2, Bloco L, Lote 6. CEP: 70.040-020 Brasília/DF Brasil AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2552 Dispõe sobre o ressarcimento de diárias e transporte aos Senhores Funcionários, quando em viagem a serviço, reuniões, eventos e treinamentos dentro e fora do Estado, formalmente convocados

Leia mais

FUNDO DE APOIO A CULTURA DA SOJA MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2009

FUNDO DE APOIO A CULTURA DA SOJA MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2009 INTRODUÇÃO FUNDO DE APOIO A CULTURA DA SOJA 1.1 - Recomenda-se a leitura deste manual antes de utilizar os recursos concedidos pelo FACS. O manual está disponível no site http://www.facsmt.com.br. 1.2

Leia mais

ATA DA 1ª REUNIÃO DO FORUM TÉCNICO DO PROGRAMA ARPA EM 2014. Realizada no dia 30 de abril de 2014

ATA DA 1ª REUNIÃO DO FORUM TÉCNICO DO PROGRAMA ARPA EM 2014. Realizada no dia 30 de abril de 2014 ATA DA 1ª REUNIÃO DO FORUM TÉCNICO DO PROGRAMA ARPA EM 2014 Realizada no dia 30 de abril de 2014 Em trinta de abril de 2014, das 9:40h às 17:30h, em conformidade com a convocação eletrônica previamente

Leia mais

Manual de Orientações ao Portador

Manual de Orientações ao Portador Cartão de Pagamento do Governo Federal CPFG Manual de Orientações ao Portador PARA USO INTERNO Revisado pela equipe da Divisão de Contabilidade e Finanças/DCF Mossoró-RN, Fevereiro de 2010. CARTÃO DE PAGAMENTOS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA EDITAIS DE CULTURA 2008

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA EDITAIS DE CULTURA 2008 Seleção Pública de Projetos na área de Audiovisual/ Implantação e Programação de Espaços de Exibição Cinematográfica Utilizando Tecnologia Digital e Analógica Chamada pública nº 0002/2008 O ESTADO DO RIO

Leia mais

AS CONTAS CORRENTES VINCULADAS

AS CONTAS CORRENTES VINCULADAS Anexo III. Conta Vinculada O Funbio criou a Conta Vinculada para facilitar o dia a dia dos gestores das UCs, possibilitando a realização de gastos com agilidade. Aqui serão apresentados os procedimentos

Leia mais

Versão de outubro de 2015

Versão de outubro de 2015 Versão de outubro de 2015 Revisado em outubro de 2015 São emitidas passagens para os consultores realizarem atividades previstas em seu Termo de Referência, o qual deve prever realização de viagens como

Leia mais

*DECRETO Nº 3328-R, DE 17 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a concessão e a prestação de contas de diárias no âmbito do Poder Executivo Estadual.

*DECRETO Nº 3328-R, DE 17 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a concessão e a prestação de contas de diárias no âmbito do Poder Executivo Estadual. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 08/07/2013) *DECRETO Nº 3328-R, DE 17 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a concessão e a prestação de contas de diárias no âmbito do Poder Executivo

Leia mais

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 1 FAPERGS Edital 16/2013 Orientações Básicas Execução Financeira dos Recursos de Subvenção Econômica FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 2 1. Regras Básicas Vedado alteração do objeto do Termo de Subvenção

Leia mais

ANEXO IV MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE À CONCESSÃO DE PATROCÍNIO. Lei 12.378 de 31/12/2010 Conselho de Arquitetura e Urbanismo

ANEXO IV MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE À CONCESSÃO DE PATROCÍNIO. Lei 12.378 de 31/12/2010 Conselho de Arquitetura e Urbanismo ANEXO IV MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE À CONCESSÃO DE PATROCÍNIO Lei 12.378 de 31/12/2010 Conselho de Arquitetura e Urbanismo Resolução nº 23 de 04/05/12 CAU/BR Portaria Interministerial Nº 507

Leia mais

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE AOS TERMOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA DO PDRS DO XINGU

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE AOS TERMOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA DO PDRS DO XINGU MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE AOS TERMOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA DO PDRS DO XINGU CONTEÚDO 3 Apresentação 4 Conceitos 4 Materiais de Consumo/equipamentos 4 Obras 4 Serviços de Terceiros

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA MIMISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - ADA PORTARIA NORMATIVA Nº 01, DE 22 DE MARÇO DE 2005. Aprova a Norma de Procedimentos Nº 02, que visa normatizar a Concessão de Diárias e Passagens e Prestação de Contas

Leia mais

Subcomponente 2.3 Integração das comunidades

Subcomponente 2.3 Integração das comunidades Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR(A) PARA O PROGRAMA

Leia mais

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público;

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público; ATO DA MESA Nº 500, de 15 de julho de 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens e a respectiva prestação de contas no âmbito da Assembleia Legislativa, e adota outras providências. A MESA DA

Leia mais

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS NÚMERO CIR.FIN.MAT.0001 Elaborada em: 08/08/2011 Atualizada em: - Quant. Páginas DEPARTAMENTO DE ORIGEM Departamento Finanças 5 1 Objetivo Este documento tem como objetivo

Leia mais

MINISTÉRIO DO ESPORTE/Lei de Incentivo COAME-Coordenadoria de Acompanhamento e Monitoramento da Execução

MINISTÉRIO DO ESPORTE/Lei de Incentivo COAME-Coordenadoria de Acompanhamento e Monitoramento da Execução MINISTÉRIO DO ESPORTE/Lei de Incentivo COAME-Coordenadoria de Acompanhamento e Monitoramento da Execução PRESTAÇÃO DE CONTAS (v. 27 julho 09) 1) A Prestação de Contas deverá ser encaminhada por meio de

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015)

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Instituto de Medicina Social Rua São Francisco Xavier, 524 / 7º andar / Bloco D - Maracanã CEP: 20550-013 - Rio de Janeiro - BRASIL TEL: 55-021- 2334-0235 FAX:

Leia mais

FETRAF-BRASIL/CUT TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA ELETRÔNICA SICONV N.002/2015 LICITAÇAO/MODALIDADE:

FETRAF-BRASIL/CUT TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA ELETRÔNICA SICONV N.002/2015 LICITAÇAO/MODALIDADE: TERMO DE REFERÊNCIA LICITAÇAO/MODALIDADE: COTAÇÃO PRÉVIA ELETRÔNICA SICONV N.002/2015 REGIME DE EXECUÇÃO: MENOR TAXA DE REMUNERAÇÃO DA AGÊNCIA DE VIAGEM RAV MAIOR PERCENTUAL DE DESCONTO SOBRE A TAXA DO

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 265, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto no art. 8º do Decreto nº

Leia mais

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

EDITAL FAPEAL Nº 04/2015 AUXÍLIO À PARTICIPAÇÃO EM REUNIÃO CIENTÍFICA NO BRASIL OU NO EXTERIOR - ARC

EDITAL FAPEAL Nº 04/2015 AUXÍLIO À PARTICIPAÇÃO EM REUNIÃO CIENTÍFICA NO BRASIL OU NO EXTERIOR - ARC Rua Melo Moraes, 354, CEP 57020-330 Centro Maceió - Alagoas Fone: 82 3315 2200/3315 2232. E-mail: atendimento@fapeal.br EDITAL FAPEAL Nº 04/2015 AUXÍLIO À PARTICIPAÇÃO EM REUNIÃO CIENTÍFICA NO BRASIL OU

Leia mais

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral TERMO DE REFERÊNCIA Nº. 03 / 2012 Projeto: Assunto: Serviços Técnicos especializados de Engenharia consultiva de Gerenciamento de Obras e Assessoria técnica para elaboração de projetos de implantação das

Leia mais

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014.

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 2.054 de 12 de junho de 2014 para dispor sobre o custeio de transporte, hospedagem e alimentação do colaborador eventual e do profissional técnico

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº010/UNIR/PROPLAN/2014 DE 02 DE JUNHO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº010/UNIR/PROPLAN/2014 DE 02 DE JUNHO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº010/UNIR/PROPLAN/2014 DE 02 DE JUNHO DE 2014. Regulamenta o processo de solicitação, autorização, concessão e prestação de contas de diárias e passagens no âmbito da Fundação Universidade

Leia mais

POLÍTICA DE VIAGENS. Andressa Lippi

POLÍTICA DE VIAGENS. Andressa Lippi POLÍTICA DE VIAGENS Andressa Lippi 03 de Março de 2016 POLÍTICA DE VIAGENS SUMÁRIO 1. Objetivo... 3 2. Autorizações... 3 3. Diretrizes da Política de Viagens... 3 4. Serviços de Agência de Viagens e utilização

Leia mais

Esta lista de perguntas esclarece aspectos do funcionamento da Fapergs, os quais são objeto de dúvida frequente por parte dos usuários:

Esta lista de perguntas esclarece aspectos do funcionamento da Fapergs, os quais são objeto de dúvida frequente por parte dos usuários: Esta lista de perguntas esclarece aspectos do funcionamento da Fapergs, os quais são objeto de dúvida frequente por parte dos usuários: A) Dúvidas relacionadas ao SigFapergs (páginas 1 e 2) B) Dúvidas

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão. Brasília, julho de 2015

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão. Brasília, julho de 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Brasília, julho de 2015 ESTRATÉGIA CREDENCIAMENTO CPGF PASSAGEM AÉREA AGENCIAMENTO DE VIAGENS CREDENCIAMENTO

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.076, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2008. Alterada pelo Decreto nº 16.190, de 13 de outubro de 2011. REGULAMENTA A CONCESSÃO DE DIÁRIAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS DO PODER EXECUTIVO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO SOFIN CONCESSÃO DE DIÁRIAS OU HOSPEDAGEM E PASSAGENS PARA BANCA EXTERNA DE CONCURSOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO SOFIN CONCESSÃO DE DIÁRIAS OU HOSPEDAGEM E PASSAGENS PARA BANCA EXTERNA DE CONCURSOS 1. Legislação CONCESSÃO DE DIÁRIAS OU HOSPEDAGEM E PASSAGENS PARA BANCA EXTERNA DE CONCURSOS 1.1 A concessão de Diárias ou Hospedagem e Passagens pelo Setor de Educação da UFPR deverá observar o disposto

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I Anexo I REGULAMENTO DA CONCESSÃO DO AUXÍLIO FINANCEIRO A PROJETO EDUCACIONAL E DE PESQUISA - AUXPE 1. Da Concessão e Aceitação 1.1 A solicitação e concessão de recursos financeiros dar-se-á mediante celebração

Leia mais

Governo do Rio Grande do Norte Fundação de Apoio à Pesquisa do RN MANUAL DE APLICAÇÃO DE RECURSOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS

Governo do Rio Grande do Norte Fundação de Apoio à Pesquisa do RN MANUAL DE APLICAÇÃO DE RECURSOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS Governo do Rio Grande do Norte Fundação de Apoio à Pesquisa do RN MANUAL DE APLICAÇÃO DE RECURSOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS NATAL RN Julho/2008 1. Introdução: 1.1. Recomendamos a leitura deste MANUAL antes

Leia mais

Portaria nº 37, de 13 de abril de 2009.

Portaria nº 37, de 13 de abril de 2009. Portaria nº 37, de 13 de abril de 2009. Disciplina os procedimentos para concessão de diárias e passagens, no âmbito da Fundação Cultural Palmares. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES, no uso das

Leia mais

Prezado (a) Responsável pelos programas de Bolsas,

Prezado (a) Responsável pelos programas de Bolsas, CAPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERÊNCIA DE ORÇAMENTO E FINANÇAS DCPC DIVISÃO DE CONTROLE E PRESTAÇÃO DE CONTAS Brasília,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, nº 17, em 27/1/2015. RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS Versão 06/maio/2010 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE AUXÍLIO

Leia mais

ROTEIRO PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS CAPES-PROAP CONVÊNIO Nº 80.3875/2014 e-convênios nº 35183

ROTEIRO PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS CAPES-PROAP CONVÊNIO Nº 80.3875/2014 e-convênios nº 35183 ROTEIRO PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS CAPES-PROAP CONVÊNIO Nº 80.3875/2014 e-convênios nº 35183 1) Da legislação aplicável - Portaria CAPES nº 156 de 28 de Novembro de 2014 a. Decreto nº 7.692 de 02 de Março

Leia mais

Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas

Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas 1 Este manual foi desenvolvido com o objetivo de orientar e informar de forma direta sobre

Leia mais

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Orientações para o Controle de Convênios Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Maio/2010 Devolução de recursos de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência 2013.0729.00042-4 1 - Identificação Contratação de Serviço Pessoa

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

REPASSE IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

REPASSE IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO Prezado Cliente, Com o objetivo de concretizar o negócio, os bancos oferecem condições especiais de financiamento para pessoas física, quando Imóvel Residencial e Comercial e com regras distintas para

Leia mais

SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS

SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS SLTI / MP SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS MANUAL DO USUÁRIO Versão: 22/11/2004 SUMÁRIO SUMÁRIO...i SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS...1 1. CONCEITOS...1 1. 1. DEFINIÇÃO...1 1. 2.

Leia mais

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por meio da Pró-Reitoria de Sustentabilidade e Integração Social (PROSIS) torna público o presente EDITAL

Leia mais

Manual de utilização do Relatório de Viagens

Manual de utilização do Relatório de Viagens Manual de utilização do Relatório de Viagens Os Módulos do Sistema de Relatório de Viagens foram criados tendo com base a Regulamentação de Viagem da MGS - Minas Gerais Administração e Serviços S/A (RG/AD/02/10ª).

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa 17

Leia mais

Orientações básicas para a Prestaçã o de Contas de Convênios

Orientações básicas para a Prestaçã o de Contas de Convênios A elaboração da prestação de contas é sempre responsabilidade do gestor que está em exercício na data definida para sua apresentação, quer ele tenha assinado ou não o termo de convênio. Para a prestação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO Versão 04/02/2011 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

Art. 7 - A concessão de adiantamento se dará mediante requisição que indicará:

Art. 7 - A concessão de adiantamento se dará mediante requisição que indicará: INSTRUÇÃO NORMARTIVA N 004, de 29 de junho de 2007. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO / CONTROLE INTERNO Disciplina a execução e a montagem de processos de

Leia mais

REPUBLICADA POR ERRO MATERIAL RESOLUÇÃO N. 102/TCE-RO/2012

REPUBLICADA POR ERRO MATERIAL RESOLUÇÃO N. 102/TCE-RO/2012 REPUBLICADA POR ERRO MATERIAL RESOLUÇÃO N. 102/TCE-RO/2012 Dispõe sobre a concessão, o procedimento e a prestação de contas de diárias e passagens no âmbito do Tribunal de Contas e dá outras providências.

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS FREQUENTES

AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS FREQUENTES Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Setor Bancário Norte, Quadra 2, Bloco L, Lote 6. CEP: 70.040-020 Brasília/DF Brasil AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.118/2015

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.118/2015 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.118/2015 (Publicada no D.O.U. de 3 de março 2015, Seção I, p. 135) Normatiza os procedimentos para pagamento de diária nacional e internacional, auxílio de representação e verba indenizatória

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS 1 INTRODUÇÃO A ANEC Associação Nacional de Educação Católica do Brasil, através de sua estrutura organizacional e de seus colaboradores, tem avançado muito no cumprimento

Leia mais

Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Solicitante (AGOSTO 2010)

Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Solicitante (AGOSTO 2010) Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Solicitante (AGOSTO 2010) Índice 1. Incluir uma Proposta de Concessão de Diárias e Passagens PCDP...03 1.1.Viagem Nacional...06

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, USO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS DO FUNDECITRUS

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, USO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS DO FUNDECITRUS 1 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, USO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS DO FUNDECITRUS Todas as normas devem ser lidas atentamente antes da submissão da proposta de pesquisa, bem como antes da realização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CMC/ IFAM CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE PASSAGENS AÉREAS, FLUVIAIS E TERRESTRES.

TERMO DE REFERÊNCIA CMC/ IFAM CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE PASSAGENS AÉREAS, FLUVIAIS E TERRESTRES. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOAMAZONAS CAMPUS MANAUS CENTRO - CMC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Convênio Consignação CAIXA - Regime CLT

Convênio Consignação CAIXA - Regime CLT Grau de sigilo #PUBLICO CONVÊNIO QUE ENTRE SI FAZEM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O/A CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAUDE DA REDE DE URGENCIA DO NORTE DE MINAS, COM ANUÊNCIA DA ENTIDADE SINDICAL SINDICATO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGIMENTO DO PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO INSTITUCIONAL À PROJETOS CIENTÍFICOS E TECNOLÓGICOS (AFIPROJ) DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1 Os objetivos

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. FINALIDADE Estabelecer as diretrizes e procedimentos a serem seguidos para reembolso de despesas, contratação de novos colaboradores e prestação de contas decorrentes de viagens

Leia mais

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS Em conformidade às competências do CAU/BR previstas na Lei nº 12.378/2010 e em seu Regimento Geral, são apoiados projetos que contribuem para

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

Apresentação. Bom trabalho! Gerência Nacional de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental

Apresentação. Bom trabalho! Gerência Nacional de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental INFORMAÇÕES GERAIS Apresentação Com o objetivo de apoiar projetos socioambientais inovadores e alinhados às ações estruturantes da CAIXA, foi criado, em 2010, o Fundo (FSA CAIXA), o qual, constituído por

Leia mais

REGRAS PARA A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PROAP/CAPES

REGRAS PARA A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PROAP/CAPES REGRAS PARA A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PROAP/CAPES Baseado no que determina a Portaria 64 da CAPES I) Informações gerais: Para entendimento e melhor uso dos recursos provenientes do Programa de Apoio a

Leia mais

Guia do usuário SGV Módulo III -versão 3.0.7 Configurações da Minha Empresa

Guia do usuário SGV Módulo III -versão 3.0.7 Configurações da Minha Empresa Guia do usuário SGV Módulo III -versão 3.0.7 Configurações da Minha Empresa Versão 3.0.7 BBTUR VIAGENS E TURISMO 27/08/2014 1 Sumário 1. Cadastro de colaboradores...5 1.1 Cadastrar/Pesquisar um Colaborador...5

Leia mais

PARÁGRAFO ÚNICO - São as seguintes as modalidades de Ordens Bancárias, a serem processadas pelo Sistema OBN:

PARÁGRAFO ÚNICO - São as seguintes as modalidades de Ordens Bancárias, a serem processadas pelo Sistema OBN: CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE PAGAMENTO A FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS E DE SERVIDORES, QUE ENTRE SI CELEBRAM O /ESTADO OU MUNICÍPIO DE/ E O BANCO DO BRASIL S.A.. O /ESTADO OU MUNICÍPIO DE/,

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO/ ESCRITURAÇÃO FISCAL CONTÁBIL E OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

Leia mais

3. ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS

3. ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS EDITAL FLD 04/2011 SELEÇÃO DE PROJETOS DE FORTALECIMENTO DE REDES SOCIAIS QUE ATUAM NA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM JUSTIÇA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICA 1. OBJETIVO Selecionar projetos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre diretrizes e procedimentos para aquisição

Leia mais

C rédito Imobiliário Assessoria Imobiliária Repasse

C rédito Imobiliário Assessoria Imobiliária Repasse C rédito Imobiliário Assessoria Imobiliária Repasse Informações Gerais e Listas de Documentos ATENÇÃO As regras deste informativo são apenas orientativas e a qualquer momento podem ser alteradas, sem aviso

Leia mais

Código: MAP-DIFIN-003 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX. Custo

Código: MAP-DIFIN-003 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX. Custo Código: MAP-DIFIN-003 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Execução Orçamentária Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informação de Custo 1 OBJETIVO Padroniza e orienta os

Leia mais

4º As reservas de passagens aéreas efetuadas em caráter emergencial, por telefone,

4º As reservas de passagens aéreas efetuadas em caráter emergencial, por telefone, DECRETO Nº 45.444, de 6 de agosto de 2010 Dispõe sobre políticas e diretrizes para contratação de passagens aéreas e hospedagem, cria o Comitê Executivo de Gestão Estratégica de Suprimentos da Família

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE ORGANIZAÇÃO CONTÁBIL RAJA LTDA. I - INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo orientar ao cliente quanto aos procedimentos realizados por nossa empresa, para que todos tenham

Leia mais

Fundo de Apoio à Cultura. Manual da Prestação de Contas 2014

Fundo de Apoio à Cultura. Manual da Prestação de Contas 2014 Fundo de Apoio à Cultura Manual da Prestação de Contas 2014 Secretaria de Cultura do DF Subsecretaria de Fomento Fundo de Apoio à Cultura Introdução Visando atender ao novo Decreto do FAC (34.785/2013),

Leia mais