ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE PREMATUROS E COM BAIXO PESO VISANDO A ADEQUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE PREMATUROS E COM BAIXO PESO VISANDO A ADEQUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR"

Transcrição

1 ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE PREMATUROS E COM BAIXO PESO VISANDO A ADEQUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR RESUMO A prematuridade associada ao baixo peso é considerada um fator determinante para uma maior imaturidade sistêmica do neonato, assim acarretando atrasos em seu desenvolvimento neuropsicomotor, predispondo à déficits relacionados a motricidade, linguagem, cognitivo e comportamento, especialmente quando se trata de uma população carente social e economicamente. O presente estudo preconiza-se por meio da avaliação periódica e instrução adequada aos pais ou cuidador para prática de atividades essenciais aos déficits apresentados pelo prematuro e conseqüentemente promover a adequação de seu desenvolvimento motor. Por meio de análise experimental foram estudos 8 prematuros em 4 grupos distintos, levando em consideração critérios como a idade gestacional e corrigida, sexo, tipo de gestação e tempo de intervenção, sendo utilizada a Escala Motora Infantil de Alberta (AIMS) como parâmetro comparativo entre o grupo de intervenção e o controle, nos quatro grupos houveram resultados significativos em relação à prática da estimulação precoce se comparado com o grupo controle, onde do primeiro ao quarto grupo obteve-se uma diferença em seu escore de 65, 45, 12,5 e 27,5 pontos respectivamente. O objetivo do estudo foi demonstrar a importância da estimulação precoce no pré-termo por meio da interação com o pai e ou cuidador. Palavras-chave: Prematuridade, Baixo Peso, Desenvolvimento Motor, Estimulação. INTRODUÇÃO A prematuridade como causa de mortalidade infantil tem sido estudada em diferentes países, e os estudos constatam serem condições multifatoriais levam um bebê à nascer prematuro, especialmente as relacionadas ao aparelho genital feminino, alterações placentárias (placenta prévia e descolamento prematuro) e excesso de líquido amniótico. Outros fatores incluem: a idade materna (maior incidência em mães mais jovens), infecções maternas, primiparidade (mais freqüente no primeiro filho). Porém, na maioria dos casos, a causa é desconhecida. (Ramos & Cuman, 2009) Segundo o Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC) a prevalência de prematuridade no Brasil foi de 5% em 1994, 5,4% em 1998, 5,6% em 2000 e 6,5% em (Silveira et al, 2008) O nascimento do pré-termo acarreta uma imaturidade geral podendo levar à disfunção em qualquer órgão ou sistema corporal, e o neonato prematuro também pode sofrer comprometimentos ou intercorrências ao longo do seu desenvolvimento. Contudo sabe-se que o prognóstico de tais neonatos depende da complexa interação de fatores biológicos e ambientais atuantes num cérebro imaturo e vulnerável. (Ramos & Cuman, 2009)

2 Sabe-se que o desenvolvimento do Sistema Nervoso Central (SNC) tem início na terceira semana de vida do feto e continua durante todo o desenvolvimento pré-natal. O período mais crítico do desenvolvimento do SNC é o primeiro ano de vida pós-natal, quando o cérebro do neonato se desenvolve de um quarto para a metade do tamanho do encéfalo de um adulto. Entende-se então para que ocorra uma maior interação entre a família e o recém-nascido, promova-se uma adequação mais efetiva de seu desenvolvimento, sendo importante a adoção da estimulação precoce, pois esta é uma medida de processos preventivos e terapêuticos trazendo à criança maior interação com o meio em sua primeira infância. (Martins & Moser, 1996) Deve-se entender que a somatória entre a aceitação e compreensão da família para com a prematuridade, o apoio afetivo, o ambiente rico e variado de estímulos adequados à etapa evolutiva, e a participação efetiva da família, são essenciais ao desenvolvimento. (Navajas & Caniato, 2003) O objetivo deste trabalho foi demonstrar a importância da estimulação precoce no pré-termo por meio da interação com o pai e ou cuidador, proporcionando a melhora do desenvolvimento motor e evitando o surgimento de futuras intercorrências. METODOLOGIA O presente trabalho é caracterizado como um estudo de natureza experimental, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP segundo resolução 196/96 CNS/MS, onde por meio de um convênio com as Secretárias Municipais de Saúde, dos municípios de Andirá, Cambará, Carlópolis, Jacarezinho, Ribeirão Claro e Santo Antonio da Platina no estado do Paraná foram coletados os nomes dos possíveis pré-termos e de baixo peso ao nascimento. Após tal procedimento foi a apresentado ao cuidador e responsável pela criança um termo de consentimento livre e esclarecido, abordando os aspectos gerais e específicos do referido estudo. Posteriormente foi realizada uma avaliação fisioterapêutica pediátrica em sua residência ou creche (se permanecer maior parte do dia), dividida em duas fases, avaliação teórica e prática. O método de avaliação utilizado para a análise do desenvolvimento motor foi por meio da Escala Motora Infantil de Alberta, onde são avaliados os prétermos nas posições de prono, supino, sentado e em pé, totalizando 58 posturas, assim com a obtenção de um escore e a sua relação com a idade corrigida. Após toda a avaliação foram prescritos exercícios relacionados ao desenvolvimento motor contidos em uma cartilha elaborada pelo programa para os pais e/ou cuidadores conforme o déficit resultante da avaliação empregada. Foram incluídas no referido estudo pré-termos que apresentassem a mesma idade gestacional e corrigida, sexo, tipo de gestação e que a atuação sobre o grupo de intervenção fosse de no mínimo dois meses, reduzindo assim uma população de 50 premautros para uma amostra de 8 neonatos. Por fim os dados coletados referentes ao estudo foram organizados e tabulados em forma de gráficos no programa Microsoft Office Excel 2007, comparado o grau de evolução de prematuros de um grupo amostral de 8 prétermos, sendo 4 sofreram intervenção fisioterapêutica com outros 4 prematuros de

3 mesma idade gestacional que não participaram das atividades propostas pelo programa. RESULTADOS Após a realizações das avaliações e reavaliações e orientação sobre a adequada estimulação precoce ao pré-termo, foram coletados os seguintes dados e por meio da comparação entre 4 grupos distintos demonstrou efetividade na metodologia empregada, onde em todos os grupos demonstrados os resultados foram positivos, porém com uma variedade de escores obtidos entre os quatro grupos. Gráfico 1 Melhora do desenvolvimento motor em prematuros de 32 semanas de idade gestacional. O gráfico 1 demonstra o emprego do projeto em neonatos com 32 semanas de gestação onde no grupo de intervenção obteve-se 90% na AIMS representado pela coluna azul, enquanto o grupo controle com mesma idade corrigida apresentou 25% acarretando uma diferença de 65 pontos Intervenção Controle Diferença Intervenção Controle Diferença Gráfico 2 - Escala de Alberta em pré-termos de 33 semanas de idade gestacional. O gráfico 2 é resultante da comparação entre pré-termos de 33 semanas de idade gestacional no grupo de intervenção foi averiguado uma porcentagem de 50% representado pela primeira coluna, sendo que o grupo controle

4 apresentou 5% representado pela segunda coluna, promovendo uma diferença de 45 pontos demonstrado pela terceira coluna. Gráfico 3 Resultados obtidos em relação ao desenvolvimento motor em pré-termos de 34 semanas de idade gestacional. A demonstração do gráfico 3 aponta a intervenção em crianças com 34 semanas de idade gestacional onde o grupo representado pela primeira coluna obteve 50% na AIMS, já o grupo controle obteve um escore entre 25-50% resultando em uma média de 37,5% representado pela segunda coluna, efetivando uma diferença de 12,5 pontos entre as amostras Intervenção Controle Diferença Intervenção Controle Diferença Gráfico 4 Evolução de pré-termos por meio da Escala de Alberta em bebês com 36 semanas de idade gestacional No gráfico 4 está representa a atuação em um grupo com 36 semanas de idade gestacional onde o grupo de intervenção representado pela coluna azul obteve 90%, enquanto o grupo controle representado pela coluna vermelha com escore de 50-75%, resultando em um valor médio de 62,5%, demonstrando um diferença de 27,5 pontos apontados pela coluna verde. DISCUSSÃO Estudos apontam para dificuldades motoras relacionadas à prematuridade, indicam que falhas na coordenação motora fina, observada em grupos de crianças pré-termo, podem resultar em dificuldades no manejo de objetos

5 que exijam uma maior destreza manual, comprometendo tanto a escrita e o desempenho acadêmico, quanto à execução das atividades de vida diária. Outros estudos indicam que crianças que nascem com muito baixo peso são mais propensas a déficits visuais e de linguagem, sendo que, esses problemas, associados a dificuldades percepto-motoras, podem comprometer o desempenho escolar da criança. (Magalhães, et al, 2003). Mesmo o estudo demonstrando resultados positivos relacionados à estimulação precoce em pré-termos de baixo peso, o mesmo apresentou dificuldades em relação a um grupo amostral pequeno, pois para que houvesse uma comparação justa e coerente entre os prematuros era essencial que estes fossem da mesma idade gestacional, mesmo tipo de gestação (gêmeos, múltiplos ou não), idade corrigida e houvesse a menos dois meses de atuação sobre o grupo de intervenção. Não pode ser esquecido que os fatores socioeconômicos como ambientes empobrecidos e a condições, como a desnutrição e o estresse familiar, algumas vezes não estão relacionados diretamente a prematuridade, porém esses interferem no grau de instrução dos cuidadores e na maioria das oportunidades a falta de estímulo motores e sensoriais ao neonato e conseqüentemente agravando o seu atraso. Outro fator que se demonstra importante são as orientações e o acompanhamento dado aos pais pelos profissionais, evitando com isso o surgimento de futuras complicações trazendo assim maior tranqüilidade aos familiares e melhor qualidade no desenvolvimento do prematuro. A hipotonia dos extensores é outra característica importante no prematuro, tal característica evidencia desvantagem no equilíbrio estático com maior dificuldade de movimentação e coordenação motora global. (Magalhães, et al, 2003) Outro a aspecto de fundamental importância para a adequação do desenvolvimento motor é o constante controle de peso sobre os neonatos participantes do projeto, é notório que para um adequado desenvolvimento e crescimento, são necessárias a oferta adequada de nutrientes necessárias a atividade metabólica deste grupo, evitando assim atrasos cognitivos, neurológicos e menor propensão a internação hospitalar, reduzindo a taxa de morbidade e mortalidade e custo do sistema de público de saúde, já que os beneficiários do estudo dependem essencialmente do sistema público. CONSIDERAÇÕES FINAIS Sabemos que a prematuridade e o baixo ao nascimento predispõe a alteração no desenvolvimento motor de um sistema ainda imaturo, sendo assim destacamos a efetividade de uma abordagem específica com os pré-termos, assim como foi abordado neste estudo. Também torna-se necessário uma maior quantidade de estudos na área afim de um maior aprofundamento e reconhecido do tema, além da obtenção de um grupo amostral maior, afim de abordar quais as possíveis evoluções conforme a idade gestacional e o tempo de intervenção necessário.

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS RAMOS, Helena A. C.; CUMAN, Roberto K. N.. Fatores de risco para prematuridade: pesquisa documental. Esc Anna Nery Rev Enferm 2009 abr-jun; 13 (2): NAVAJAS, Andréa F.; CANIATO, Francine.. Estimulação precoce/essencial: a interação família e bebê pré-termo (prematuro). Cad. de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenv. São Paulo, v. 3, n. 1, p , MANACERO, Sônia. Desempenho motor de prematuros durante o primeiro ano de vida na Escala Motora Infantil de Alberta (AIMS). Porto Alegre: PUCRS, RUGOLO, Lígia M. S. S.. Crescimento e desenvolvimento a longo prazo do prematuro extremo. Jornal de Pediatria - Vol. 81, Nº1(supl), Egewarth C, Pires F, Guardiola A. Avaliação da idade gestacional de recémnascidos pré-termo através do exame neurológico e das escalas neonatais e obstétricas. Arq Neuropsiquiatr 2002; 60: SILVEIRA, Mariângela F. et al. Aumento da prematuridade no Brasil: revisão de estudos de base populacional.rev Saúde Pública 2008;42(5): GAÍVA, M. A. M.; FERRIANI, M. G. C.. Prematuridade: vivências de crianças e familiares. Acta Paulista de Enfermagem, [S. l.], v. 14, n. 1, p , 2001.

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS Tainá de Oliveira Castelanelli Jáima Pinheiro de Oliveira Instituição de origem dos autores: UNESP Marília/SP Eixo Temático:

Leia mais

DIFERENÇAS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ-TERMO E A TERMO

DIFERENÇAS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ-TERMO E A TERMO Introdução Estudos sobre o desenvolvimento de crianças prematuras têm se destacado há alguns anos e, em alguns deles, o desenvolvimento motor desses bebês tem sido comparado com o desenvolvimento de seus

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO E A TERMO BRASILEIROS DE ACORDO COM PADRÕES NORMATIVOS CANADENSES

COMPARAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO E A TERMO BRASILEIROS DE ACORDO COM PADRÕES NORMATIVOS CANADENSES COMPARAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO E A TERMO BRASILEIROS DE ACORDO COM PADRÕES NORMATIVOS CANADENSES Josy Paula Souza Vieira 1,4 ; Martina Estevam Brom Vieira 2,4 ; Patrícia D Angelles

Leia mais

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PREMATUROS DE DUAS REGIÕES DO BRASIL

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PREMATUROS DE DUAS REGIÕES DO BRASIL DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PREMATUROS DE DUAS REGIÕES DO BRASIL Thalita Galdino de Oliveira 1 ; Renan Neves Urzêda 2 ; Amanda Martins Campos 2 ; Cibelle Kayenne Roberto Martins Formiga 3,4 ; Maria

Leia mais

Método Mãe Canguru: avaliação do ganho de peso dos recém-nascidos prematuros e ou de baixo peso nas unidades que prestam assistência ao neonato

Método Mãe Canguru: avaliação do ganho de peso dos recém-nascidos prematuros e ou de baixo peso nas unidades que prestam assistência ao neonato Método Mãe Canguru: avaliação do ganho de peso dos recém-nascidos prematuros e ou de baixo peso nas unidades que prestam assistência ao neonato EDILAINE APARECIDA FREITAS(UNINGÁ) 1 HILTON VIZI MARTINEZ(UNINGÁ)

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO EM UMA UNIDADE NEONATAL DA REGIÃO NORDESTE

ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO EM UMA UNIDADE NEONATAL DA REGIÃO NORDESTE ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO EM UMA UNIDADE NEONATAL DA REGIÃO NORDESTE Tatiane Patrícia da Silva 1 ; Maria Gorete Lucena de Vasconcelos 2 1 Estudante do Curso de Enfermagem- CCS UFPE; E-mail: tatianne_ps@hotmail.com,

Leia mais

ANÁLISE DO CONTROLE POSTURAL DE CRIANÇAS NASCIDAS PREMATURAS E A TERMO DO PERÍODO NEONATAL AOS SEIS MESES RESUMO

ANÁLISE DO CONTROLE POSTURAL DE CRIANÇAS NASCIDAS PREMATURAS E A TERMO DO PERÍODO NEONATAL AOS SEIS MESES RESUMO ANÁLISE DO CONTROLE POSTURAL DE CRIANÇAS NASCIDAS PREMATURAS E A TERMO DO PERÍODO NEONATAL AOS SEIS MESES Amanda Martins Campos 1,4 ; Renan Neves Urzêda,4 ; Thalita Galdino de Oliveira,4 ; Cibelle Kayenne

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ANALISE DAS INFORMAÇÕES E QUALIDADE DAS FICHAS DE INVESTIGAÇÃO DE ÓBITOS INFANTIS DA 15ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ Jéssica Teixeira Lourenço 1 Vivianne Peters da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO Introdução O nascimento prematuro é um problema de saúde pública mundial, e um dos mais significativos na perinatologia. Nasceram aproximadamente 12,87 milhões bebês prematuros no mundo, apenas em 2005,

Leia mais

ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA

ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA SOUZA, Luciana Santana de¹; CARVALHO, Maria das Neves de Oliveira¹; MARTINS, Selma de Oliveira¹; LANCIA, Maria da

Leia mais

INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES CEREBRAIS DETECTADAS ATRAVÉS DE ULTRA-SONOGRAFIA DE CRÂNIO DE BEBÊS DE RISCO DO HOSPITAL MATERNO-INFANTIL DE GOIÂNIA-GO

INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES CEREBRAIS DETECTADAS ATRAVÉS DE ULTRA-SONOGRAFIA DE CRÂNIO DE BEBÊS DE RISCO DO HOSPITAL MATERNO-INFANTIL DE GOIÂNIA-GO INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES CEREBRAIS DETECTADAS ATRAVÉS DE ULTRA-SONOGRAFIA DE CRÂNIO DE BEBÊS DE RISCO DO HOSPITAL MATERNO-INFANTIL DE GOIÂNIA-GO 1,4 Lílian Silva Lacerda, 2,4 Patrícia Azevedo Garcia, 3,4

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE ESCALAS DE DESENVOLVIMENTO NO ACOMPANHAMENTO DE PREMATUROS DE ALTO RISCO

IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE ESCALAS DE DESENVOLVIMENTO NO ACOMPANHAMENTO DE PREMATUROS DE ALTO RISCO IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE ESCALAS DE DESENVOLVIMENTO NO ACOMPANHAMENTO DE PREMATUROS DE ALTO RISCO FERNANDA TEODORO ESTEVAM COELHO PAULA CAROLINE DOS SANTOS HELENARA SALVATI BERTOLOSSI MOREIRA UNIVERSIDADE

Leia mais

DIFERENÇAS NA MOTRICIDADE AMPLA E FINA DE LACTENTES DE RISCO PARA DESVIOS NO DESENVOLVIMENTO NEUROMOTOR

DIFERENÇAS NA MOTRICIDADE AMPLA E FINA DE LACTENTES DE RISCO PARA DESVIOS NO DESENVOLVIMENTO NEUROMOTOR DIFERENÇAS NA MOTRICIDADE AMPLA E FINA DE LACTENTES DE RISCO PARA DESVIOS NO DESENVOLVIMENTO NEUROMOTOR Josy Paula Souza Vieira 1,4 ; Martina Estevam Brom Vieira 2,4 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INFANTIL: Protocolos de avaliação, fatores preditivos e intervenção

DESENVOLVIMENTO INFANTIL: Protocolos de avaliação, fatores preditivos e intervenção DESENVOLVIMENTO INFANTIL: Protocolos de avaliação, fatores preditivos e intervenção Cristina Hamamura Moriyama crishamamura@usp.br Mestranda Faculdade de Saúde Pública Contexto Brasil 206 milhões de habitantes:

Leia mais

Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis

Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis VASCONCELOS, Marcos. Docente do curso de graduação em Medicina. SOUZA, Nathalia Vital. Discente do curso

Leia mais

Graduanda em Fisioterapia, 7º Semestre, URI - Extensão São Luiz Gonzaga/RS. Bolsista de Extensão. 3

Graduanda em Fisioterapia, 7º Semestre, URI - Extensão São Luiz Gonzaga/RS. Bolsista de Extensão. 3 A UTILIZAÇÃO DE REDES DE BALANÇO EM INCUBADORAS PARA RECÉM- NASCIDOS PREMATUROS INTERNADOS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAIS COMO UM MÉTODO DE HUMANIZAÇÃO: UMA REVISÃO DE LITERATURA 1 Iara Oliveira

Leia mais

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO?

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? MEDEIROS, Paola de Oliveira¹; GALHO, Aline Ribeiro¹; BARRETO, Daniela Hormain¹; MARTINS, Mariana dos Santos¹; VIEIRA, Pâmela Cabral¹;

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE ANOMALIAS CONGÊNITAS: UM ESTUDO DA MACRORREGIÃO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE ANOMALIAS CONGÊNITAS: UM ESTUDO DA MACRORREGIÃO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA As anomalias congênitas, usualmente conhecidas como malformação, perturbação e deformação, é todo defeito funcional ou estrutural prehttp://dx.doi.org/10.18616/gcsaude21 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE ANOMALIAS

Leia mais

ASPECTOS PSICOSSOCIAIS QUE ACOMPANHARAM UMA SÉRIE DE PARTOS PREMATUROS ACONTECIDOS NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE TERESÓPOLIS CONSTANTINO OTTAVIANO

ASPECTOS PSICOSSOCIAIS QUE ACOMPANHARAM UMA SÉRIE DE PARTOS PREMATUROS ACONTECIDOS NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE TERESÓPOLIS CONSTANTINO OTTAVIANO ASPECTOS PSICOSSOCIAIS QUE ACOMPANHARAM UMA SÉRIE DE PARTOS PREMATUROS ACONTECIDOS NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE TERESÓPOLIS CONSTANTINO OTTAVIANO VASCONCELLOS, Marcus José do Amaral. Docente do Curso de

Leia mais

CATEGORIA/ ÁREA DE PESQUISA: Nível Superior (BIC) / Ciências biológicas e da saúde (b) OBJETIVOS

CATEGORIA/ ÁREA DE PESQUISA: Nível Superior (BIC) / Ciências biológicas e da saúde (b) OBJETIVOS Aleitamento Materno Exclusivo e Introdução Precoce da Alimentação Complementar em Crianças menores de seis meses de vida, na cidade de Senhora dos Remédios (Minas Gerais) INTRODUÇÃO Segundo o Ministério

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: CONSEQUÊNCIAS DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AUTOR(ES):

Leia mais

GEP - GRUPO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Criança de risco para atraso do desenvolvimento motor 30 vagas - 3 grupos de 10 crianças cada

GEP - GRUPO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Criança de risco para atraso do desenvolvimento motor 30 vagas - 3 grupos de 10 crianças cada Protocolo: Situação clínica: Número de vagas: Tempo: Objetivo geral: GEP - GRUPO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Criança de risco para atraso do desenvolvimento motor 30 vagas - 3 grupos de 10 crianças cada 8 encontros

Leia mais

Palavras-chaves: desenvolvimento neuropsicomotor; bebês pré-termo; tipo de amamentação.

Palavras-chaves: desenvolvimento neuropsicomotor; bebês pré-termo; tipo de amamentação. INFLUÊNCIA DA AMAMENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO Josy Paula Souza Vieira 1,4 ; Martina Estevam Brom Vieira 2,4 ; Patrícia D Angelles Pereira 2,4 ; Cibelle Kayenne Martins

Leia mais

INFLUÊNCIA DO RISCO CLÍNICO NEONATAL NO DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS PREMATUROS DE 2 A 8 MESES DE IDADE

INFLUÊNCIA DO RISCO CLÍNICO NEONATAL NO DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS PREMATUROS DE 2 A 8 MESES DE IDADE INFLUÊNCIA DO RISCO CLÍNICO NEONATAL NO DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS PREMATUROS DE 2 A 8 MESES DE IDADE Amanda Martins Campos 1 ; Renan Neves Urzêda 1 ; Thalita Galdino de Oliveira 2 ; Cibelle Kayenne Roberto

Leia mais

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros Introdução O acompanhamento do desenvolvimento infantil consiste em uma das mais importantes estratégias básicas de saúde, demonstrando significante eficácia (SILVA; MAIA; LOPES; CARDOSO, 2013). Nesse

Leia mais

ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE UMA CRIANÇA PREMATURA LIMÍTROFE: ESTUDO DE CASO 1

ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE UMA CRIANÇA PREMATURA LIMÍTROFE: ESTUDO DE CASO 1 ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE UMA CRIANÇA PREMATURA LIMÍTROFE: ESTUDO DE CASO 1 Tamara Ceolin 2, Adriana Andreia De Fatima Norbert 3, Josiane Reichert 4, Simone Zeni Strassburger

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

RELATO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS DETECTADAS NO PRÉ NATAL DE GESTANTES EM ACOMPANHAMENTO NO HC DE GOIÂNIA

RELATO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS DETECTADAS NO PRÉ NATAL DE GESTANTES EM ACOMPANHAMENTO NO HC DE GOIÂNIA RELATO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS DETECTADAS NO PRÉ NATAL DE GESTANTES EM ACOMPANHAMENTO NO HC DE GOIÂNIA BARBOSA, Raul Carlos i ; SANTOS Natália Mirelle Carrijo ii ; VELÁSQUEZ, Paola Castillo iii ; AMARAL,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO CEPP: INDICE CONTRASTIVO ENTRE PARTO CESÁREA E PARTO NORMAL

PROJETO DE EXTENSÃO CEPP: INDICE CONTRASTIVO ENTRE PARTO CESÁREA E PARTO NORMAL PROJETO DE EXTENSÃO CEPP: INDICE CONTRASTIVO ENTRE Área temática: Saúde PARTO CESÁREA E PARTO NORMAL Camila Batista Woicizack¹; Cláudia Felczak 2 ; Larissa do Col Dalazoana Bayer 3 ; Ana Paula Xavier Ravelli

Leia mais

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM Fortaleza CE 23 a 25 de Maio de 2016 CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS NEONATAIS POR MEIO DO TESTE DO PEZINHO Ana Caroline Andrade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE EM EDUCANDOS ENTRE 8 E 10 ANOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DIDÁTICAS DE FÁCIL ACESSO

AVALIAÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE EM EDUCANDOS ENTRE 8 E 10 ANOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DIDÁTICAS DE FÁCIL ACESSO AVALIAÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE EM EDUCANDOS ENTRE 8 E 10 ANOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DIDÁTICAS DE FÁCIL ACESSO Vanessa dos Santos Silva; Renata de Lima Pessoa Universidade Potiguar - callcenter@unp.br RESUMO

Leia mais

AVALIÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR DOS ALUNOS DO 5º ANO DA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCA BIANCHI RESUMO

AVALIÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR DOS ALUNOS DO 5º ANO DA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCA BIANCHI RESUMO 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG AVALIÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR DOS ALUNOS DO 5º ANO DA ESCOLA MUNICIPAL

Leia mais

Palavras-chaves: Prematuridade. Desenvolvimento neuropsicomotor. Intervenção precoce.

Palavras-chaves: Prematuridade. Desenvolvimento neuropsicomotor. Intervenção precoce. IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO PRECOCE NOS BEBÊS PREMATUROS Manuela P. de Oliveira* RESUMO O presente estudo tem como objetivo mostrar, através de uma revisão de literatura, a importância do programa de intervenção

Leia mais

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA Juliana Campos Rodovalho 1 ; Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga 2 ; Lílian Fernanda

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA NA MATERNIDADE NOSSA SENHORA DE LOURDES: CARACTERÍSTICAS DAS PARTURIENTES E DOS RECÉM-NASCIDOS EM 2005

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA NA MATERNIDADE NOSSA SENHORA DE LOURDES: CARACTERÍSTICAS DAS PARTURIENTES E DOS RECÉM-NASCIDOS EM 2005 GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA NA MATERNIDADE NOSSA SENHORA DE LOURDES: CARACTERÍSTICAS DAS PARTURIENTES E DOS RECÉM-NASCIDOS EM 2005 GRAZIELA OLÍVIA DA SILVA FERNANDES, MARIA RAQUEL RAMOS LEÃO, ALMERITA RIZÉRIO

Leia mais

Análise do Reconhecimento Populacional das Figuras do Teste MT Beta 86 modificado

Análise do Reconhecimento Populacional das Figuras do Teste MT Beta 86 modificado Análise do Reconhecimento Populacional das Figuras do Teste MT Beta 86 modificado Palavras-chave: afasia, linguagem, avaliação Introdução: Ocasionada por uma lesão no Sistema Nervoso Central, a afasia

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Tainá Gomes Diniz; Caroline Severo de Assis; Suzy Souto de Oliveira Faculdade de Ciências

Leia mais

Parto Normal. A importância de conhecer as vantagens.

Parto Normal. A importância de conhecer as vantagens. Parto Normal A importância de conhecer as vantagens. PARTO NORMAL Ser mãe é ter o prazer de se sentir especial não só durante os nove meses de gestação, mas pelo resto da vida. O momento do nascimento

Leia mais

PERFIL MOTOR DE ESCOLARES SOBREPESOS E OBESOS DE AMBOS OS SEXOS NA FAIXA ETÁRIA DE 9 E 10 ANOS

PERFIL MOTOR DE ESCOLARES SOBREPESOS E OBESOS DE AMBOS OS SEXOS NA FAIXA ETÁRIA DE 9 E 10 ANOS PERFIL MOTOR DE ESCOLARES SOBREPESOS E OBESOS DE AMBOS OS SEXOS NA FAIXA ETÁRIA DE 9 E 10 ANOS Liene Mílcia Ap. Josué Orientadora: Prof. Adj. Tamara Goldberg Co-orientador: Prof. Dr. Milton V. do Prado

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Cesárea, Parto normal, Período Pós Parto.

PALAVRAS-CHAVE: Cesárea, Parto normal, Período Pós Parto. 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

GRAVIDEZ DE RISCO NA ADOLESCÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS

GRAVIDEZ DE RISCO NA ADOLESCÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS GRAVIDEZ DE RISCO NA ADOLESCÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS Cicilia Raquel da Silva Luna 1 ; Sabrina Santos Arruda 2, Eliane Araújo do nascimento 3. Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande (FCM) ¹ raquel100-euhta2007@hotmail.com

Leia mais

Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco

Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco Ana Sofia Branco, Margarida Silva 14 de Setembro de 2015 Centro de Desenvolvimento Infan@l Diferenças Introdução O avanço da medicina e a melhoria

Leia mais

processos normais relacionados à aquisição e desenvolvimento da audição, voz e fala das crianças.

processos normais relacionados à aquisição e desenvolvimento da audição, voz e fala das crianças. Saúde coletiva para a infância Ciclos da Vida Profa. Me. Adriana de Medeiros Melo Membro do Departamento de Saúde Coletiva da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Quais são as principais ações da área

Leia mais

Manual Therapy, Posturology & Rehabilitation Journal

Manual Therapy, Posturology & Rehabilitation Journal Manual Therapy, Posturology & Rehabilitation Journal This Provisional PDF corresponds to the article as it appeared upon acceptance. Fully formatted PDF english version will be made available soon. Programa

Leia mais

Avaliação do desenvolvimento infantil de criança filhas de mães soropositivas

Avaliação do desenvolvimento infantil de criança filhas de mães soropositivas Avaliação do desenvolvimento infantil de criança filhas de mães soropositivas PROFA. DRA. CRISTINA DOS SANTOS CARDOSO DE SÁ CURSO DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Introdução Dados epidemiológicos:

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA SÉRIE HISTÓRICA DA MORTALIDADE INFANTIL NA BAIXADA SANTISTA ENTRE 1998 A 2013

TÍTULO: ANÁLISE DA SÉRIE HISTÓRICA DA MORTALIDADE INFANTIL NA BAIXADA SANTISTA ENTRE 1998 A 2013 TÍTULO: ANÁLISE DA SÉRIE HISTÓRICA DA MORTALIDADE INFANTIL NA BAIXADA SANTISTA ENTRE 1998 A 2013 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

TÍTULO: CONSTRUINDO A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MEDIANTE ASSESSORIA À CASA DE RECUPERAÇÃO NUTRICIONAL DO MUNICÍPIO PEDRAS DE FOGO/PB

TÍTULO: CONSTRUINDO A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MEDIANTE ASSESSORIA À CASA DE RECUPERAÇÃO NUTRICIONAL DO MUNICÍPIO PEDRAS DE FOGO/PB TÍTULO: CONSTRUINDO A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MEDIANTE ASSESSORIA À CASA DE RECUPERAÇÃO NUTRICIONAL DO MUNICÍPIO PEDRAS DE FOGO/PB AUTORAS: Maria Helena do Nascimento Souza; Ana Inês Souza INSTITUIÇÕES:

Leia mais

PUERICULTURA E PEDIATRIA. FAMED 2011 Dra. Denise Marques Mota

PUERICULTURA E PEDIATRIA. FAMED 2011 Dra. Denise Marques Mota PUERICULTURA E PEDIATRIA FAMED 2011 Dra. Denise Marques Mota Puericultura e pediatria Século XXI Novo enfoque na pediatria Transição epidemiológica Diminuição doenças infectocontagiosas Vacinas Melhora

Leia mais

PREVALÊNCIA DE NASCIMENTOS BAIXO PESO E PREMATURO NA CIDADE DE IRATI-PR: IMPLICAÇÕES PARA A FONOAUDIOLOGIA

PREVALÊNCIA DE NASCIMENTOS BAIXO PESO E PREMATURO NA CIDADE DE IRATI-PR: IMPLICAÇÕES PARA A FONOAUDIOLOGIA PREVALÊNCIA DE NASCIMENTOS BAIXO PESO E PREMATURO NA CIDADE DE IRATI-PR: IMPLICAÇÕES PARA A FONOAUDIOLOGIA Low weight and premature birth prevalence in Irati-PR: implications for speech therapy Resumo

Leia mais

O PROCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO EM RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO

O PROCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO EM RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO Karina Cristina Sousa Macedo Michelle Rigamonte Bulk Alves Selma Aparecida Cardoso O PROCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO EM RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO Bragança Paulista 2007 Karina Cristina Sousa Macedo Michelle

Leia mais

Palavras-chave: Criança. Peso ao nascer. Avaliação de deficiência.

Palavras-chave: Criança. Peso ao nascer. Avaliação de deficiência. ARTIGO ORIGINAL AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR EM CRIANÇAS DE 0 A 18 MESES DE IDADE COM BAIXO PESO Luciana Araújo dos Reis a Isnara Teixeira de Britto b Rosângela S. Lessa c Suellen P. Freitas d Thame

Leia mais

C (39,75±8,98) 78,2%. A

C (39,75±8,98) 78,2%. A Introdução Paralisia é um grupo de doenças do desenvolvimento, movimento e postura, ocasionando limitações de atividades, que são atribuídas a distúrbios não progressivos que ocorrem no cérebro durante

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE ADOLESCENTES NO PRÉ-NATAL E PUERPÉRIO ATENDIDAS NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DE FOZ DO IGUAÇU

CARACTERIZAÇÃO DE ADOLESCENTES NO PRÉ-NATAL E PUERPÉRIO ATENDIDAS NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DE FOZ DO IGUAÇU CARACTERIZAÇÃO DE ADOLESCENTES NO PRÉ-NATAL E PUERPÉRIO ATENDIDAS NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DE FOZ DO IGUAÇU Barile Antonia Magguettss (Apresentadora) 1, Adriana Zilly (Colaboradora) 2, Marieta Fernandes

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO

IDENTIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO IDENTIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO Thalita Galdino de Oliveira 2,4 ; Renan Neves Urzêda 1,4 ; Amanda Martins Campos 2,4 ;

Leia mais

Recém-nascido de termo com baixo peso

Recém-nascido de termo com baixo peso Reunião de Obstetrícia e Neonatologia Abril 2014 Recém-nascido de termo com baixo peso Departamento da Mulher, da Criança e do Jovem Unidade Local de Saúde de Matosinhos - ULSM Andreia A. Martins 1, Ângela

Leia mais

FATORES DE RISCO PARA TRABALHO DE PARTO PREMATURO EM PALMAS-TO

FATORES DE RISCO PARA TRABALHO DE PARTO PREMATURO EM PALMAS-TO FATORES DE RISCO PARA TRABALHO DE PARTO PREMATURO EM PALMAS-TO Anna Paula Soares Carvalho¹, Monielle Guerra Justino², Danielle Rosa Evangelista³, Tiago Barreto de Castro e Silva4 ¹Aluna do Curso de Enfermagem;

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAFGEM PARA PREVENÇÃO DA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA EM PUÉRPERAS

IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAFGEM PARA PREVENÇÃO DA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA EM PUÉRPERAS 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA:

ISSN ÁREA TEMÁTICA: 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DURAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DOS PARTOS CESÁREOS NO MUNICÍPIO DE BEZERROS-PE ENTRE 1994 E 2014: IMPACTOS NA SAÚDE PÚBLICA

ANÁLISE TEMPORAL DOS PARTOS CESÁREOS NO MUNICÍPIO DE BEZERROS-PE ENTRE 1994 E 2014: IMPACTOS NA SAÚDE PÚBLICA ANÁLISE TEMPORAL DOS PARTOS CESÁREOS NO MUNICÍPIO DE BEZERROS-PE ENTRE 1994 E 2014: IMPACTOS NA SAÚDE PÚBLICA Autor: Dirley Ramos Cavalcante (1); Co-autor: Rogerio Bruno de Oliveira Silva (2); Orientador:

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica DETECÇÃO DE PATOLOGIAS VENTRICULARES EM CÉREBROS DE NEONATOS PREMATUROS ATRAVÉS DA ULTRA-SONOGRAFIA TRANSFONTANELA Ludmilla Marques Rabello 1,4 ; Patrícia D Angelles Pereira 1,4 ; Josy Paula Souza Vieira

Leia mais

INDICADOR DE MORTALIDADE ESTATISTICAS VITAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES

INDICADOR DE MORTALIDADE ESTATISTICAS VITAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES INDICADOR DE MORTALIDADE ESTATISTICAS VITAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES ESTATISTICAS VITAIS Compreende o estudo de eventos vitais : Nascimentos Óbitos Devem ser de boa qualidade No Brasil

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS COM CARDIOPATIA CONGÊNITA: UMA REVISÃO DA LITERATURA.

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS COM CARDIOPATIA CONGÊNITA: UMA REVISÃO DA LITERATURA. ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS COM CARDIOPATIA CONGÊNITA: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Tainá Gomes Diniz¹; Ana Claúdia Freire Vieira². Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba; tainagdiniz@gmail.com; anafreirejp@gmail.com.

Leia mais

ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA

ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA QUALIFICAÇÃO E MÉTODO DE CÁLCULO DE INDICADORES BÁSICOS BRASIL 1 1. Propostos pela Secretaria Técnica do Grupo de Trabalho MS/OPAS IBGE, USP,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE UMA CURVA PONDERAL DE GESTANTES NORMAIS NO DIAGNÓSTICO DE DESNUTRIÇÃO INTRA-UTERINA

A UTILIZAÇÃO DE UMA CURVA PONDERAL DE GESTANTES NORMAIS NO DIAGNÓSTICO DE DESNUTRIÇÃO INTRA-UTERINA A UTILIZAÇÃO DE UMA CURVA PONDERAL DE GESTANTES NORMAIS NO DIAGNÓSTICO DE DESNUTRIÇÃO INTRA-UTERINA Arnaldo Augusto Franco de Siqueira * Ana Cristina d'andretta Tanaka * Cyro Ciari Júnior * Pedro Augusto

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN: MORBIDADE E MORTALIDADE

SÍNDROME DE DOWN: MORBIDADE E MORTALIDADE SÍNDROME DE DOWN: MORBIDADE E MORTALIDADE SASAKI, Camila Nathami. SANTOS, João Vitor Brisolla Acadêmicos do curso de Graduação de Fisioterapia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva SAVIAN,

Leia mais

Síndrome Alcoólica Fetal

Síndrome Alcoólica Fetal Síndrome Alcoólica Fetal O que é a Síndrome Alcoólica Fetal (SAF)? A SAF é o transtorno mais grave do espectro de desordens fetais alcoólicas (fetal alcohol spectrum disorders FASD) e constitui um complexo

Leia mais

EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE AUDITIVA NA ATENÇÃO ÀS GESTANTES, PUÉRPERAS E LACTANTES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY - HULW/UFPB

EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE AUDITIVA NA ATENÇÃO ÀS GESTANTES, PUÉRPERAS E LACTANTES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY - HULW/UFPB EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE AUDITIVA NA ATENÇÃO ÀS GESTANTES, PUÉRPERAS E LACTANTES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY - HULW/UFPB Autores MENDES 1, Amanda; MELO, Luciana 2 ; SANTOS 3, Beatriz. Centro

Leia mais

Avaliação do Desenvolvimento Neuropsicomotor. Profa. Dra. Juliana Gurgel Giannetti Departamento de Pediatria

Avaliação do Desenvolvimento Neuropsicomotor. Profa. Dra. Juliana Gurgel Giannetti Departamento de Pediatria Profa. Dra. Juliana Gurgel Giannetti Departamento de Pediatria 1. Conceitos 2. Embriologia do SNC 3. Maturação psicomotora no primeiro ano de vida Emergência de formas, de função e de comportamento que

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA Paulo César Gottardo 1, Ana Quézia Peixinho Maia¹, Igor Mendonça do Nascimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO PSICOMOTORA EM CRIANÇAS COM DIFICULDADES NO DESENVOLVIMENTO APONTADAS PELO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO PSICOMOTORA EM CRIANÇAS COM DIFICULDADES NO DESENVOLVIMENTO APONTADAS PELO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO PSICOMOTORA EM CRIANÇAS COM DIFICULDADES NO DESENVOLVIMENTO APONTADAS PELO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL Alline Sayuri Tacaki Alves Ana Paula Guirro Defende Caroline Nunes Gonzaga

Leia mais

Profª Josie Motta e Motta

Profª Josie Motta e Motta Apresentação Adotar medidas para o crescimento e o desenvolvimento saudáveis, como recomendado na reunião da Cúpula em Favor da Infância (Nova York, 1990) e na conferência Internacional de Nutrição (Roma,

Leia mais

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade.

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade. Mortalidade perinatal e evitabilidade risco atribuível aos óbitos com peso acima de 2,5kg na Cidade do Rio de Janeiro, segundo áreas de planejamento, 1995 a 2014. Palavras-chave: mortalidade perinatal,

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DO PESO AO NASCER A PARTIR DA DECLARAÇÃO DE NASCIDOS VIVOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA-PR.

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DO PESO AO NASCER A PARTIR DA DECLARAÇÃO DE NASCIDOS VIVOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA-PR. ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DO PESO AO NASCER A PARTIR DA DECLARAÇÃO DE NASCIDOS VIVOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA-PR. Andréa Fernanda da Silva¹; Fátima Maria da Silva²; Jucelei Pascoal Boaretto³ e Renata da Rosa

Leia mais

ESTIMULAÇÃO PRECOCE EM BEBÊS PREMATUROS

ESTIMULAÇÃO PRECOCE EM BEBÊS PREMATUROS ESTIMULAÇÃO PRECOCE EM BEBÊS PREMATUROS Sabrina Barbosa da Silva 1 ; Luciana Maria dos Santos²; Francineide Souza Berreira ³ ; Camila Danielle Aragão Almeida 4 ¹²³Discente de Fisioterapia da Faculdade

Leia mais

NORMA SUELY DE ALMEIDA ARAUJO

NORMA SUELY DE ALMEIDA ARAUJO 46 NORMA SUELY DE ALMEIDA ARAUJO O papel da assistência hospitalar ao recém-nascido na mortalidade neonatal precoce na Região Sul do município de São Paulo: estudo caso-controle Tese apresentada ao Departamento

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Rafael de Jesus Gonzaga Graduando em Enfermagem, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Tálita Santos Barbosa Graduanda em Enfermagem, Faculdades Integradas de Três

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Cobertura e Codificação

Cobertura e Codificação Teste do Pezinho Cobertura e Codificação No ROL da ANS ( RN 387) vigente atualmente, temos cobertura prevista para: TUSS DESCRITIVO 40312160 Teste do pezinho básico(inclui TSH neonatal + fenilalanina +

Leia mais

Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira

Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira Juliana Mayo Helena Recht Pombo 1 Sandra M. M. Rodrigues

Leia mais

Deficiência Intelectual

Deficiência Intelectual Deficiência Intelectual Nicoly Siqueira JOÃO PESSOA-PB COMO ACONTECE Causas de deficiência intelectual no período pré-natal: PERÍODO PRÉ-NATAL BIOMÉDICOS SOCIAIS COMPORTAMENTAIS EDUCACIONAIS Cromossômicas

Leia mais

Intervenção motora precoce ambulatorial para neonatos prematuros no controle postural

Intervenção motora precoce ambulatorial para neonatos prematuros no controle postural ARTIGO ORIGINAL Intervenção motora precoce ambulatorial para neonatos prematuros no controle postural Early motor outpatient service intervention for postural control in preterm neonates Carla Skilhan

Leia mais

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral Curso Técnico Subsequente em Curso Técnico em Enfermagem Nome do Curso - Curso Técnico em Enfermagem CÂMPUS Florianópolis/SC MATRIZ CURRICULAR Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular

Leia mais

3. DOS CANDIDATOS 1. Poderão inscrever-se os alunos aprovados na disciplina objeto deste processo seletivo e que cumpram os pré-requisitos;

3. DOS CANDIDATOS 1. Poderão inscrever-se os alunos aprovados na disciplina objeto deste processo seletivo e que cumpram os pré-requisitos; UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MONITORIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE-CCBS DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA-DFT 1. DA IDENTIFICAÇÃO 1. - Centro de Ciências

Leia mais

FATORES DE RISCO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM ADOLESCENTES NO BRASIL

FATORES DE RISCO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM ADOLESCENTES NO BRASIL Patrocínio, MG, outubro de 2016 ENCONTRO DE PESQUISA & EXTENSÃO, 3., 2016, Patrocínio. Anais... Patrocínio: IFTM, 2016. FATORES DE RISCO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM ADOLESCENTES NO BRASIL Naiany Gonçalves

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À VITALIDADE AO NASCER

FATORES ASSOCIADOS À VITALIDADE AO NASCER FATORES ASSOCIADOS À VITALIDADE AO NASCER Viviane Prado 1 Kátia Biagio Fontes 2 Kayna Trombini Schmidt 3 PRADO, V.; FONTES, K. B.; SCHMIDT, K. T. Fatores associados a vitalidade ao nascer. Arq. Cienc.

Leia mais

Nível de comprometimento e suportes requeridos CM CS CF CC SCAA SEP. Comprometimento e Suporte requerido

Nível de comprometimento e suportes requeridos CM CS CF CC SCAA SEP. Comprometimento e Suporte requerido Introdução O Portage Guide to Early Education - Guia Portage de Educação Pré-escolar integra um sistema amplo de avaliação e programa de reabilitação que inclui treinamento para familiares de crianças

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO FAMILIAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA Aneline Maria Ruedell 1 Márcia da Silva Magalhães 2 Nubia Broetto Cunha 3

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO FAMILIAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA Aneline Maria Ruedell 1 Márcia da Silva Magalhães 2 Nubia Broetto Cunha 3 A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO FAMILIAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA Aneline Maria Ruedell 1 Márcia da Silva Magalhães 2 Nubia Broetto Cunha 3 INTRODUÇÃO: A encefalopatia crônica não progressiva da infância, caracteriza-se

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

A PREMATURIDADE NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR 1

A PREMATURIDADE NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR 1 A PREMATURIDADE NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR 1 Tamara Ceolin 2, Adriana Andreia De Fatima Norbert 3, Vanessa Arndt Erthal 4, Simone Zeni Strassburger 5. 1 Trabalho de revisão bibliográfica sobre

Leia mais

EFEITOS DO METILFENIDATO NO DESEMPENHO MOTOR EM ESCOLARES ENTRE 7 E 10 ANOS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE

EFEITOS DO METILFENIDATO NO DESEMPENHO MOTOR EM ESCOLARES ENTRE 7 E 10 ANOS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE EFEITOS DO METILFENIDATO NO DESEMPENHO MOTOR EM ESCOLARES ENTRE 7 E 10 ANOS COM TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE Nayra Letícia de Oliveira Occhi 1 ; Gessika Lorena Vieira 2 ; Siméia Gaspar

Leia mais

FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA

FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA A Fisioterapia Pediátrica é o ramo da Fisioterapia que utiliza uma abordagem com base em técnicas neurológicas e cardiorrespiratórias especializadas, buscando integrar os objetivos

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 Brum. C. N. ; Zuge. S. S. ; Ribeiro, A. C. ; Tronco, C. S. ; Tolentino, L. C. ; Santos, É. É. P. ;Padoin, S. M. M.

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel EPIDEMIOLOGIA Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel O QUE É EPIDEMIOLOGIA? Compreende: Estudo dos determinantes de saúdedoença: contribuindo para o avanço no conhecimento etiológico-clínico Análise das

Leia mais